A ESTRUTURA ARGUMENTAL NAS NOMINALIZAf;OES: UMA QUESTAO LEXICAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ESTRUTURA ARGUMENTAL NAS NOMINALIZAf;OES: UMA QUESTAO LEXICAL"

Transcrição

1 A ESTRUTURA ARGUMENTAL NAS NOMINALIZAf;OES: UMA QUESTAO LEXICAL Serafina Maria de Souza PONDE (Univ. Fed. da Bahia) ABSTRACT: study of the morphological process of derivation based on the idea that the process of nomination is related not only to the obvious semll1lticalllexical relationship that exists between the verb-base and the derival nomination, but to the configuration of their argumental structure. This research is based on the I. Grimshaw (1991) proposal that only some specific kind of derived nominals way have arguments. KEY WORDS: nominalization, argumental structure, nominal ambiguity, lexical structure. Este trabalho pretende mostrar que sol~s de problemas da morfologia derivacional - desde a pr6pria fo~o de urn. item derivado ate a produtividade de determinados sufixos - Ilio devem ser buscadas apenas na elabor~o de regras morfol6gicas baseadas especialmente na rel~io semantica entre itens-base e seus derivados, mas na configur~o de suas estruturas argumentais e, conseqiientemente, na composi~o, ou melhor, na org~ de suas entradas lexicais. No momento, estamos trabalhando com 0 processo derivacional de nominauz,,;io, yerlx>-base.tivemos como referencial te6rico os trabalhos de Jane Grimshaw, 1991 e de Levin e Rappaport, 1986 e isto e, com nominais resultantes do acoplamento de urn.mfim a urn. A n~o de predicado/argumento, com que lidamos, e retirada da 16gica formal, onde 0 predicado Ilio se refere a pessoas ou coisas, mas deve algum tipo de rela~o entre expressoesreferenciais. Na frase, Maria comprou urn. livro - 0 predicado comprar seleciona dois argumentos representados por.maria e livm cuja no~o na 16gica formal e a seguinte:

2 Maria comprou urn livro A (m,p) onde A = comprar (predicado) m = Maria (argumento) p = um livro (argumento) Os predicados que selecionam dois argumentos (como 0 exemplo visto) s!o chamados predicados de dois luaares. Os verbos transitivos da sintaxe tradicional correspondem aproximadamente aos predicados de dois lugares da 16gica.- Assim, seguindo a ideia basica da 16gica formal, diz-se que cada predicado tem uma estrutura de argumento (estrutura - a), ou seja, e especificado para 0 numero de argumentos que ele exige. A estrutura de argumento, portanto, pode determinar que elementos da senten~a serio obrigat6rios. Se urn verbo expressa uma atividade envolvendo dois argumentos, havera, pelo menos, dois constituintes na sente~a que possibilitarao a expressio destes argumentos. A estrutura argumental do verbo, entio, prediz 0 numero de constituintes exigidos para a express!o deste verbo, mas nio necessariamente 0 seu tipo. A realiza~o canonica de urn argumento e 0 SN. A estrutura argumental de urn item e parte de sua entrada lexical e reflete dois tjpos de informac3.olexjcal: uma represe_ao lexico-semantica, que reflete 0 significado do item e que se identifica com a estrutura chamada lexico-conceptual; uma representa~ao lexico-sintatica que reflete uma fun~o (ou atua~3.o) gramatical do item e que vai interagir com a sintaxe. Chegamos, entio, a defini~o de Grismshaw (1991): "uma estrutura argumental e a representa~ao lexico-sinttltica formada pot um conjunto de elementos identijicados pela estrutura lexico-semlintica do ptedicado". Assim, podemos concluir que nem tod08 os elementos participantes de uma estrutura lexico-semantica se realizam gramaticalmente. Com 0 desenvolvimento dos estudos sobre a organiza~o do lexico e sua intera~ao com a sintaxe, surgiram - naturalmente - novas hip6teses sobre a composi~ao de uma estrutura argumental e uma rel~o com 0 comportamento sintatico do item. Essas hip6teses se direcionam para 0 estudo de problemas de diversos tipos como certas propriedades de passivjdade, dos COJDPOStos verbais e da nomjnauza&:io. A estrutura argumental de urn predicado tem sua pr6pria organiza~o interna - que e projetada da representa~o lexico-semantica - e estipulada para cada predicado.

3 Os argumentos podem ser externos OU intemos em que virtude de suas propriedades semlnticas inttinsecas, de suas rel~s com Outros argumentos e determioadas condi~oes sintaticas. Aos argumentos sio atribuidos r6tulos tematicos (do tipo agente, tema, meta, etc.) - necessarios apenas para identificar os argumentos. Estes r6tulos slo uma terminologia conveniente para a descri~o de problemas lexico-sintaticos; mas, claro que, como mera terminologia, 1110 chegam a resolve-los. E praticamente estabelecido que os verbos e os nominais derivados partilham das mesmas propriedades junto a sua complemen~o. Exemplos: a) 0 inimigo destruiu a cidade eles tentaram sair cedo o trem chegou na es~o b) *0 professor verificou c) * eles necessitam * eles optaram a destrui~o da cidade (pelo inimigo) a tentativa (deles) de sair cedo a chegada (do trem) na es~o a verific~o (de matematica) foi exaustiva a cons~o (da ponte) foi cancelada * a necessidade e premente * a ~o Dio foi aceita Examinando os grupos de exemplos (a, b, c), observamos que os verbos e os nominais derivados nao t!m necessariamente a mesma estrutura argumental. Nos exemplos do grupo a, a presen~a de urn arpmento extemo - que se realiza sintaticamente como 0 sujeito verbal - e obrigat6ria, enquanto que no caso dos nominais tais argumentos sio nitidamente opcionais. Nos exemplos do grupo h, os verbos exigem urn argumento intemo (que se realiza sintaticamente como objeto direto) enquanto que os nominais podem dispensa-lossem problemas. Finalmente, nos exemplos do grupo ~, 0 que se observa, entio, e que 0 sistema nominal Dio tem urn comportamento uniforme, ou seja, alguns nominais selecionam argumentos (portanto t!m estrutura argumental e marcam tematicamente), enquanto outros nio. Alem disso, aqueles que possuem estrutura argumental, esta naoe, necessariamente, idcntica ados verbos-base. Para explicar este comportamento dos nominais e partindo de uma ~o ja conhecida entre ~ e resultadq - Grimshaw (1991) propae que os nominais se agrupem em trcs tipos: 1. nominais eventivos complexos: aqueles que nomeiam uma atividade e seu estado resultante. Como exemplo, temos 0 nominal "construqo" que e analisado como

4 urna atividade X na qual participa da a~ao de construir ~ algo Y que resulta construido; 2. nominais eventivos simples: referem-se a urn evento, e nomeiam urn processo. Ex.: a yerjfica~ao demorou muito; 3. nominais resultativos: nomeiam 0 resultado de urn processo ou urn elemento associado a urn processo - ex.: 0 trabalho esta sobre a mesa. A partir desta tipologia, Grimshaw propoe que apenas os nominais eventivos complexos tenham urna estrutura argumental e selecionem argumentos que satisfa~am tal estrutura. Nestes casos, tal como os complementos verbais, os complementos nominais devem estar presentes na sintaxe. Indo urn pouco mais alem, podemos contudo dizer que tanto os nominais eventivos complexos quanto os nominais eventivos simples ou nominais resultativos tem estruturas conceptuais lexicais, que expressam seus significados lexicais e, as vezes, ate significados relacionais, mas ~ os nominais eventivos complexos tem urna estrutura lexico-sintatica, ou seja, uma estrutura argumental - que devera se realizar sintaticamente, como nos verbos. A questlio que surge, nesta tipologia dos nominais, eo problema da ambiifi,idade. Muitos nominais podem ter mais de urna leitura, nilo sendo, portanto, exclusivos de urna s6 categoria. Esta ambigiiidade, contudo deve ser desfeita para que se possa propor, com alguma seguran~a, a organiza~ao da estrutura argumental do nominal, 0 seu comportamento sintatico decorrente e a sua caracte~o morfol6gica. Varios autores propoem varias maneiras de desfazer esta ambigiiidade. Dentre elas, selecionamos duas: I. A "1Jy-pho.se" (por... ). Se uma "1Jy-phrase" e incluida no SN, a leitura do nominal sera de urn "evento complexo", tornando obrigat6ria a complementacio nominal e 0 preenchimento da estrutura argumental. Por exemplo: a expressao de dor pelo paciente a atribui~o de tarefas pelo instrutor Compare-se, para esclarecimento, com casos como: "a expressao de Monalisa e intrigante" - ou -" a atribui~o do diretor e manter a ordem", os nominais apresentam-se como resultativos, acompanhados de modificadores, portanto sem nenhurna estrutura argumental a ser preenchida;

5 2. Alguns modificadores como freqilente fo~ uma leitura de evento complexo em certos nominais:" a freqi1entemanifestaclo ~ desej4vel" e "a freqllente manifes~io dos estudantes ~ desej4vel". A segunda sente~ ~ melhor porque tem a sua estnltura argumental preenchida. Assim, manipulando 0 contexto para desambigiiisar os nominais, observa-se que estes podem ou nlo ter complementos obrigat6rios, como os verbos. E a ambiguidade que explica a, de certo modo 0 aparente, opcionalidade de complementos para os nominais. Quando 0 nominal nio possui estrutura argumental, ele se comporta como om, digamos, substantivo e tem apenas modificadores; no caso contrmo, ele exige argumentos. A entrada lexical dos nominais devem especificar certas propriedades que deem conta nlo apenas da caracterizaclo ou definic10 do tipo ou da categoria nominal, mas tambem de soas possibilidades de comb~o em unidades maiores. Mesmo considerando os fatores contextuais como definidores da interpretaclo dominante de um nominal, a partir dos SN que ele forma, ~ preciso ter em mente que qualquer entrada lexical deve ser abstraida de qualquer comexto e conter as informa~s acomuladas e significativas relativas, no caso, aos nominais para que qualquer ambigilidade seja desfeita e para que a sua estrutura argumental seja legitimada. Assim, as entradas lexicais devem expressar dois tipos de info~o: a) aestrutura (ou representaclo) l~xico-sem!ntica (ou conceptual); b) a estrutura (ou representaclo) l~xico-sint4tica(ou estrutura argumental). Interagindo com 0 significado lexical, a estrutura lexico-conceptual pode ser construfda com base na nocio de "decomposiclo do significado", atrav~s de predicados de natureza abstrata. Assim, se no caso dos nominais de interpretacio eventiva esse tipo de indica~io parece desnecessma, dado que as info~s lexicais sintaticamente pertencentes estio contidas nas estnlturas argumentais, para os nominais resultativos as info~ de natureza conceptual parecem ter importincia, vez que eles nio possuem estrutura - a para ser preenchida. Isto estabeleceria om certo equih'brio nas entradas lexicais, que parece interessante para qualquer proposta de organizaclo do lexico. Como conclusio, podemos dizer que embora ainda existam muitos questionamentos em torno de represen~s lexicais deste tipo, om tratamento adequado dos nominais deverbais sufixais implica propor, nas entradas lexicais dos itens, a inclusio de certas propriedades conceptuais que podem estar descritas ou atraves de tr~s sem!nticos abstratos (+1- concretos) como propoe Brito (1994) ou por represen~ lexicais conceptuais.

6 Do mesmo modo, alternativamente, pode-se propor uma estrutura argumental para os nominais eventivos, uma vez que estes se comportam de maneira muito semelhante dos verbos de que derivam. A quesmo da produtividade sufixal tambem pode ser estudada partindo-se das representacoes das estruturas argumentais. A proposta de argumentos extemos para os nominais que tem a funcao - ou a propriedade - de se identificar a um argumento do verbo-base atraves do sufixo nominalizador e urn caminho interessante para a interpretacao dos nominais e para se chegar a alguma definicao da produtividade. de urn sufixo em relacao a outro. Supoe-se tambem que atraves da organizacao e composicao da estrutura argumental se possa chegar a alguma generalidade dentro do sistema derivacional, que sempre se caracteriza por irregularidades - pelo menos aparente - dentro da gramatica. RESUMO: estudo do processo morfologico derivacio1ujl,partindo do pressuposto de que a nominaliza~iio refere-se niio apenas ao relacionalndljo semdntico/lixical 6bvio existente entre 0 verbo-base e 0 nomi1ujlderivado, mas, sobretudo, a con.figura~ijode suas estruturas argumentais. A pesquisa baseia-se na proposta de J.Grimshaw (1991) de que apenas detenninados tipos de nominais derivados podem licenciar argumentos. PALAVRAS-CHAVE: nominalizacao, estrutura argumental, ambigilidade nominal, estrutura lexical. BRITO (1984) MSobreas ~s de sujeito e de argumento extemo; seme~s entre as EStrutura8 de Frase e a EstrulUra de SN em Ponugues." Boletim th Filo/ogia Torno XXIX, p Centro de Lingilfsticada Universidade de Lisboa.. (1993) MAspects de la syntaxe du SN en portugais et en ~is." Revista da Faculdode de Letras -cio Porto. Lingua e Literatura. ITs~rie, vol X, p (1994) MAs nominalizaclles: das info~s lexicais l estrulura sintatica." Mesa redonda ---;-"lntcrface I~xico/sintaxe." I Congresso Intemacional da ABRALIN, Salvador, setembro HAEGBMAN, Liliane (1991). BlackwellInc. Introduction to Government and Binding Theory. Cambridge Mass, Brasil LEVIN, Beth & RAPPAPORT Maika (1988). MWbatto do with 0 roles." In W. Wilking Eds. Thematic Rdotions. Syntax and Semantics. 21: New York Academy Press.

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn "parser

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn parser PARSER: UM ANALISADOR SINTATICO E SEMANTICO PARA SENTEN«;AS DO PORTUGlltS Joao Luis Garcia ROSA (PUCCAMP) ABSTRACT: This work aims at the analysis and implementation 0/ a semantic parser for oral portuguese

Leia mais

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE CO~CA~AOCOORDENADA PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE DAFALA Edson Campos MAlA (UNICAMP) ABSTRACT: This paper aims at investigating certain syntactic restrictions such as pronominal

Leia mais

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO Alina Villalva 1 Radical, tema e palavra são termos familiares à análise morfológica, mas que, de um modo geral, têm sido mal aproveitados pelos diversos modelos que a praticam. Na verdade, estes conceitos

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Linguagem: produtividade e sistematicidade

Linguagem: produtividade e sistematicidade Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, 1957. Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, 1965.

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario ABSTRACT: This paper argues that stative predicates cannot occur with subject oriented secondary predicates. We are assuming a view that

Leia mais

Liliane Santana Curriculum Vitae

Liliane Santana Curriculum Vitae Liliane Santana Curriculum Vitae Abril/2008 Dados pessoais Nome: Endereço profissional: Endereço eletrônico: Liliane Santana UNESP - Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas de São José do Rio

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA SCHER, Ana Paula. ReVEL na escola: Morfologia Distribuída. ReVEL, v. 13, n. 24, 2015. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA Ana Paula Scher 1 Universidade de São Paulo Os processos

Leia mais

3 Pressupostos Teóricos

3 Pressupostos Teóricos 3 Pressupostos Teóricos 3.1 Os princípios teóricos de Harris 3.1.1 A aceitabilidade como fonte do conhecimento sintático A sustentação metodológica de referência para o desenvolvimento desta pesquisa é

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa ABSTRACT: This paper presents a study of arbitrary null objects in Brazilian Portuguese. The main focus of this research is to discuss the relations of verbal transitivity and intransitivity in the subcategorization

Leia mais

Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1

Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1 Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1 Helio Roberto de Moraes * * Centro de Estudos Lingüísticos e Computacionais da Linguagem (CELiC)- Faculdade

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda

Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda 1º Encontro de Pós-Graduação em Linguística Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda O caso dos falantes de Russo em contexto de imersão Catarina Pereira da Silva Tema reconhecimento de oposições

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Inglês (Prova escrita e oral) 1.ª e 2.ª Fases 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) As informações

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor.

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor. ABSTRACT: Following the tradition of English grammar, some authors have distinguished between count and non-count nouns in Portuguese. The present paper resumes this discussion and develops the hypothesis

Leia mais

figuram nas palavras; ja as propostas nao-estruturalistas procuram verificar as formas pelas quais a estrutura morfol6gica pode ser vista como objeto

figuram nas palavras; ja as propostas nao-estruturalistas procuram verificar as formas pelas quais a estrutura morfol6gica pode ser vista como objeto ABSTRACT: The goal of this paper is to argue that the appreciative and evaluative suffixes in the Portuguese have two distinct realities: one that does not change and others that change the grammatical

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português

As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português As alternâncias de diátese e a expressão da estrutura de argumentos no português Helio Roberto de Moraes 1, Bento Carlos Dias-da-Silva 2 1,2 Centro de Estudos Lingüísticos e Computacionais da Linguagem

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Informação Prova de Equivalência à Frequência Inglês Prova 06 2016 2º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

A SINONiMIANOS TEXTOS ESPECIALlZADOS: UM ESTUDO EM UM CORPUS DE ECONOMIA Marifmgela de Araujo (USP)

A SINONiMIANOS TEXTOS ESPECIALlZADOS: UM ESTUDO EM UM CORPUS DE ECONOMIA Marifmgela de Araujo (USP) LEXICOLOGIA/LEXICOGRAFIA II Dia 29 - Local: CL 13-14:00-18:00 Coordenador(a): Arioni di Felippo A SINONiMIANOS TEXTOS ESPECIALlZADOS: UM ESTUDO EM UM CORPUS DE ECONOMIA Marifmgela de Araujo (USP) Embora.

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35 SUMÁRIO Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25 Prefácio de Rodolfo Ilari Introdução...31 Como consultar esta gramática...35 1. O que se entende por língua e por gramática...41

Leia mais

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica 28 de Fevereiro de 2013 Nesta aula apresentam-se dois dos aspetos fundamentais das linguagens de programação, sintaxe e semântica.

Leia mais

alemão; espanhol; francês; inglês Dezembro de 2013

alemão; espanhol; francês; inglês Dezembro de 2013 Informação-Exame Final Nacional Línguas estrangeiras alemão; espanhol; francês; inglês Dezembro de 2013 Provas 501; 547; 517; 550 2014 11.º Ano de Escolaridade O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Inglês ( Prova escrita e oral ) nível V Ano letivo 2014 / 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE [FOO] É QUE / [FOO] QUE X WH É QUE / WH QUE Mariana RESENES (UFS) ABSTRAT: Our aim in this paper is to show that sentences formed by [focus]that... are not derived from clefts [focus] is that, parallel

Leia mais

INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS

INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS PROJETO DE PESQUISA O LÉXICO NO LIVRO DIDÁTICO PROFA. ALBA VALÉRIA SILVA SALVADOR 2013.2 SUMÁRIO 1 RESUMO... 3 2 INTRODUÇÃO... 3 3 RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

Paulo Roberto da Silva Cidade. A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês

Paulo Roberto da Silva Cidade. A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês Paulo Roberto da Silva Cidade A Nominalização Infinitiva: Um estudo de Nominalizações Gerundivas e Derivados Nominais no português e no inglês Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS INGLÊS ESPANHOL FRANCÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano Abstract: With this short paper I intend to contrast two of the main morphological analysis models, i.e. the structuralist model (cf. Bloomfield

Leia mais

ALEMÃO; ESPANHOL; FRANCÊS; INGLÊS Novembro de 2016

ALEMÃO; ESPANHOL; FRANCÊS; INGLÊS Novembro de 2016 INFORMAÇÃO-PROVA s estrangeiras ALEMÃO; ESPANHOL; FRANCÊS; INGLÊS Novembro de 2016 Provas 501; 547; 517; 550 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga

Leia mais

COMPILADORES E INTERPRETADORES

COMPILADORES E INTERPRETADORES Aula 16 Arquitetura de Computadores 12/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber COMPILADORES E INTERPRETADORES Um compilador transforma o código fonte

Leia mais

Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas

Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas Pronomes resumptivos e identidade temática em sentenças possessivas Juanito Avelar Instituto de Estudos da Linguagem Universidade Estadual de Campinas juanitoavelar@uol.com.br Resumo. À luz da Morfologia

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. . Descrever e interpretar imagens; . Relatar vivências e experiências; . Produzir textos de caráter autobiográfico;

PLANIFICAÇÃO ANUAL. . Descrever e interpretar imagens; . Relatar vivências e experiências; . Produzir textos de caráter autobiográfico; AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 Curso Profissional - Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Ciclo de Formação:2013-2016 Nº do Projeto:099480/2013/12 PORTUGUÊS

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Análise Orientada a Objetos com UML Análise Orientada a Objetos com UML Diagrama de Caso

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Inglês ( Prova escrita e oral ) nível V Ano letivo 2013 / 2014 1ª e 2ª fases 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O

Leia mais

Luciani Ester TENANI (Universidade Estadual Paulista/SJRP - Universidade de Campinas)

Luciani Ester TENANI (Universidade Estadual Paulista/SJRP - Universidade de Campinas) Luciani Ester TENANI (Universidade Estadual Paulista/SJRP - Universidade de Campinas) ABSTRACT: Jokes are seen as texts that have some linguistic strategies, whose explanation can be relevant to study

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: Informação sobre Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Data: 10 de abril de 2013 Prova nº 21 2013 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo n.º 24-A/2012 Agrupamento de Escolas de Vallis Longus-Valongo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Samora Correia Informação - Prova de Exame de Equivalência à Frequência de INGLÊS I Data: abril 2015

Agrupamento de Escolas de Samora Correia Informação - Prova de Exame de Equivalência à Frequência de INGLÊS I Data: abril 2015 Agrupamento de Escolas de Samora Correia Informação - Prova de Exame de Equivalência à Frequência de INGLÊS I Data: abril 2015 2ºCiclo - 6º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Leia mais

AS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS ENTRE OS NEOLOGISMOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

AS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS ENTRE OS NEOLOGISMOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA 1 AS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS ENTRE OS NEOLOGISMOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Aline Luiza da CUNHA Universidade Federal de Minas Gerais alineluizac23@gmail.com Resumo: Este trabalho

Leia mais

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março)

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março) Código: 345921 Escola Básica e Secundária de Melgaço Sede do Agrupamento de Escolas de Melgaço INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 10 E 11º ANOS DE ESCOLARIDADE INGLÊS (Nos termos do Despacho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação INGLÊS 2º Ciclo - 6.º Ano de Escolaridade Despacho Normativo

Leia mais

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31.

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. RESUMO INTERAÇÃO SER HUMANO COMPUTADOR: ASPECTOS DAS INTERFACES DE UM CURSO A DISTÂNCIA

Leia mais

Verbos polissêmicos no Português: Uma breve análise semântica

Verbos polissêmicos no Português: Uma breve análise semântica Verbos polissêmicos no Português: Uma breve análise semântica Quesler Fagundes Camargos 1 Daniela da Silva Faria 2 RESUMO: O objetivo deste artigo é investigar o comportamento de alguns verbos polissêmicos

Leia mais

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA META Apresentar questões problemáticas relativas à transitividade verbal pela gramática tradicional; propor novo modelo de transitividade verbal.

Leia mais

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque EU GOSTO DE DOCE E EU VI A ELE NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO CASO Daniel Mateus O Connell 1 INTRODUÇÃO O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque diferente. Até então, as pesquisas

Leia mais

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI)

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Professora Doutora Dulce do Carmo Franceschini - Coordenadora Universidade Federal de Uberlândia - UFU Instituto de Letras e Linguística

Leia mais

INTERFACE ASPECTUAL EM VERBOS DE MOVIMENTO DO

INTERFACE ASPECTUAL EM VERBOS DE MOVIMENTO DO SAMPAIO, Thiago O. M.; FRANÇA, Aniela Improta. Interface aspectual em verbos de movimento do Português Brasileiro. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Vol. 6, n. 10, março de 2008. ISSN 1678-8931

Leia mais

Cronograma - 2016. Mensalidades - 2016. Período de Inscrições. Documentação necessária para candidatura

Cronograma - 2016. Mensalidades - 2016. Período de Inscrições. Documentação necessária para candidatura CENTRO DE EDUCAÇÃO SESC- JOSÉ ROBERTO TADROS PROCESSO ADMISSIONAL/ ENSINO MÉDIO 2016 Senhores pais ou responsáveis, O Centro de Educação SESC - José Roberto Tadros agradece a confiança demonstrada através

Leia mais

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG MALOTE DIGITAL Este Manual foi adaptado pela Coordenadoria da Escola dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso e DAPI Departamento de Aprimoramento da 1ª Instância Autores Conselho

Leia mais

PROVA ESCRITA. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015. Duração: 90 minutos (escrita) e 15 minutos (oral)

PROVA ESCRITA. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015. Duração: 90 minutos (escrita) e 15 minutos (oral) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril de 2015 Prova 06 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos (escrita)

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Relevância do tema

1 Introdução. 1.1 Relevância do tema 1 Introdução A semântica dos compostos nominais em língua inglesa tem sido objeto de investigação de muitas pesquisas no âmbito da Linguística e fora dela também. A interpretação das relações semânticas

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Disciplina Inglês (Cont.) Código - 367 2013/2014 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade 1. Introdução As informações

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2015 / 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova (06) 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento

Leia mais

UMA ABORDAGEM SISTÊMICO-FUNCIONAL DA CATEGORIA GRAMATICAL DE SUJEITO

UMA ABORDAGEM SISTÊMICO-FUNCIONAL DA CATEGORIA GRAMATICAL DE SUJEITO 1 Doutorando do Programa de Pós-graduação em Linguística da UFPB, João Pessoa, Brasil, cleberataide@gmail.com 2 Este artigo é um recorte da dissertação O comportamento sintático-semântico da categoria

Leia mais

INGLÊS Cont. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO. 11º Ano de Escolaridade. Prova 367 2015. Pág. 1 de 5. 1. Objeto de avaliação

INGLÊS Cont. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO. 11º Ano de Escolaridade. Prova 367 2015. Pág. 1 de 5. 1. Objeto de avaliação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA A À FREQUÊNCIA INGLÊS Cont. Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares ESTUDOS LINGÜÍSTICOS PREDICADOS COMPLEXOS Maria José Foltran* Preliminares T? ste artigo tem um caráter eminentemente descritivo. Nosso proposito B J é mostrar que os chamados predicados complexos englobam

Leia mais

Classes de objeto no futebol: resultados

Classes de objeto no futebol: resultados Classes de objeto no futebol: resultados Maria Cristina A. dos Santos 1, Oto Araújo Vale 2 1 Programa de Pós-Graduação em Linguística Universidade Federal de São Carlos 2 Departamento de Letras Universidade

Leia mais

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa

Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Os valores das preposições a, até, para e com em PE* Manuel Luís Costa Abstract: The main goal of this research project is the characterization of the semantic values of the Portuguese prepositions a,

Leia mais

Gramática e ensino do português

Gramática e ensino do português Ação de formação Gramática e ensino do português Filomena Viegas Funções sintáticas na frase Sujeito [[Os meus primos] vivem em Santarém. [Esse rapaz alto que tu conheces] estudou no Porto. Chegaram [os

Leia mais

Manual do Usuário Central de Agendamento. Versão 1.1

Manual do Usuário Central de Agendamento. Versão 1.1 Manual do Usuário Central de Agendamento Versão 1.1 Maio, 2014 Central de Agendamento Manual de utilização Tribunal de Justiça do Estado da Bahia Setor: Coordenação de Sistemas - COSIS Histórico de Revisões

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Prova de Equivalência à Frequência de Língua Estrangeira I Inglês Escrita e Oral Prova 06/ 2013 Despacho normativo nº 5/ 2013, de

Leia mais

Planificação de Língua Portuguesa 7º ano 2012/2013. Conteúdos Leitura/Escrita/Oralidade Atividades de Diagnose. PNL O Cavaleiro da Dinamarca

Planificação de Língua Portuguesa 7º ano 2012/2013. Conteúdos Leitura/Escrita/Oralidade Atividades de Diagnose. PNL O Cavaleiro da Dinamarca Planificação de Língua Portuguesa 7º ano 2012/2013 Metas Compreensão do oral Capacidade de compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos ou para a entrada na vida ativa;

Leia mais

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO BAIRRO - 160568 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês 10º/11º

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Compreensão e produção da linguagem verbal

Leia mais

Valores semánticos dos nomes sufixados em -ado no portugués europeu

Valores semánticos dos nomes sufixados em -ado no portugués europeu POSTER SESSION Valores semánticos dos nomes sufixados em -ado no portugués europeu Iovka Bojflova Tchobánova Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Alameda da Universidade 1600-214LISBOA PORTUGAL

Leia mais

Lista de valores de uma questão texto

Lista de valores de uma questão texto Sphinx APRENDIZ - p.160 7 ANÁLISE DE TEXTOS O software, ao apresentar o resultado de uma questão texto, exibe uma lista simples de todos os valores acrescentados. É de responsabilidade do pesquisador retirar

Leia mais

O resumo Se procurares num dicionário o verbo resumir encontrarás uma definição semelhante a esta: dizer em poucas palavras o que se disse ou escreveu mais extensivamente; condensar. Sendo uma forma de

Leia mais

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência Data: 2014.04.02 Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Prova 61 2014 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 05 de julho

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

em que urn conceito toma forma em outro corpo, 0 que ele passa a querer dizer? Quais

em que urn conceito toma forma em outro corpo, 0 que ele passa a querer dizer? Quais ABSTRACT: This study examines the concept of signifier for the psychoanalytic theory. The Saussurean concept of signifier is assumed as a preceding notion to its Lacanian counterpart, which is approached

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Maria Carlota ROSA. Introdução à Morfologia. São Paulo SP: Contexto. 2006. 157 pp. ISBN: 85-7244-145-X (*)

Maria Carlota ROSA. Introdução à Morfologia. São Paulo SP: Contexto. 2006. 157 pp. ISBN: 85-7244-145-X (*) João Veloso 127 Maria Carlota ROSA. Introdução à Morfologia. São Paulo SP: Contexto. 2006. 157 pp. ISBN: 85-7244-145-X (*) João Veloso Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Centro de Linguística

Leia mais