UTILIZAÇÃO DE TIRAS DE BAMBU EM SUBSTITUIÇÃO DA FERRAGEM DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DE TIRAS DE BAMBU EM SUBSTITUIÇÃO DA FERRAGEM DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO"

Transcrição

1 UTILIZAÇÃO DE TIRAS DE BAMBU EM SUBSTITUIÇÃO DA FERRAGEM DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO Silvio Edmundo Pilz 1, Rafael Cassol Basso 2 Resumo: Muitos pesquisadores têm estudado nos últimos anos sobre a utilização do bambu como elemento estrutural, principalmente pelas ótimas características mecânicas que o mesmo tem e que viabiliza a sua utilização. Além disso, o bambu é um material de baixo custo e de fácil obtenção no meio rural. Como forma de contribuir com os estudos relacionados a essa área, nesse trabalho buscou-se apresentar soluções para a utilização do bambu em substituição da armadura convencional em vigas de concreto armado. Para isso, foram confeccionadas 8 vigas com 12 cm de largura, 15 cm de altura e 150 cm de comprimento, sendo duas delas armadas com armadura convencional, e que serviram de referência para comparar resultados, duas com a mesma armadura da primeira acrescida de armadura de bambu sem tratamento posicionada na parte inferior da viga, duas com a mesma armadura da anterior, mas com tratamento realizado nas taliscas feito com verniz e anéis de arame farpado, e as ultimas duas com uma área de armadura de bambu maior que a anterior e com o mesmo tratamento. Todas as vigas foram submetidas a ensaios de flexão até o rompimento, para posteriormente analisar os resultados obtidos. Os resultados obtidos mostraram que o bambu é melhor aproveitado quando for realizado algum tipo de tratamento que o impermeabilize e que dê melhor aderência para com o concreto antes de introduzi-lo nas vigas. Fazendo isso, as taliscas atingiram em média 127 MPa de resistência á tração, sendo assim, o bambu representou ser um material de grande resistência e que poderá ser utilizado como material alternativo em pequenas construções populares e rurais, além disso, poderá ser utilizado como armadura extra em vigas cuja armadura convencional é a mínima. Palavras-chave: Bambu. Viga. Concreto. Resistência. 1. Introdução O bambu é um material que é utilizado pelo ser humano a muito tempo, das mais diversas formas, seja para fabricação de móveis ou papel, como combustível, na irrigação, na fabricação de armas e instrumentos musicais, no artesanato e também como material de construção civil. Os colmos do bambu possuem excelentes propriedades físicas e mecânicas, e devido a isso podem ser utilizados no lugar de certos metais, além disso, possuem certas características como leveza, dureza e resistência que facilitam e propiciam a sua utilização para fins tecnológicos. Um dos fatores que facilita a utilização do bambu na construção civil é que o mesmo possui fibras longas e dispostas na direção longitudinal do colmo, sendo assim, apresenta uma grande resistência à tração, fator esse que é bastante importante. Na literatura existem diferentes valores que caracterizam a resistência do bambu, e isso é devido ás diferentes espécies que existem e também ás diferentes 1 Mestre em Engenharia Civil, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, 2 Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Universidade Comunitária da Região de Chapecó,

2 características apresentadas por cada colmo em particular, sendo assim, cabe ao pesquisador realizar os ensaios para cada bambu estudado. Nogueira (2009) diz que uma grande vantagem em utilizar o bambu como material tanto na construção civil como também em outras atividades é que ele é responsável por 54 % das emissões de carbono do mundo, e, além disso, é uma planta que permite infinitos cortes e seu cultivo e manejo é bastante simples. Nos últimos anos tem-se realizado bastantes estudos relacionados á utilização do bambu como elemento estrutural na construção civil, principalmente pelos arquitetos que utilizam da versatilidade desse material para realizar criações modernas e únicas em todo o mundo e também pelos engenheiros que visam utilizar o bambu como elemento estrutural conjugado como o concreto. A utilização do bambu está cada vez mais presente nos dias de hoje, devido à grande busca pela utilização de materiais alternativos que visam à preservação do meio ambiente, já que a natureza passa por uma fase de grandes impactos. O bambu entra como uma boa alternativa nessa questão, pois não necessita de processamento industrial para a sua utilização, ao contrário do aço que gera resíduos altamente contaminantes durante a sua extração e industrialização. Como forma de contribuir com o avanço dos estudos relacionados á utilização do bambu na construção civil, esse trabalho visa avaliar a viabilidade da utilização de taliscas de bambu em substituição do aço em vigas de concreto armado. 2. Materiais e métodos Após a revisão da literatura, foi desenvolvido o pré-projeto, aonde optou-se pela confecção de oito vigas com e sem bambu para o posterior ensaio e análise dos resultados Coleta do Bambu O bambu, da espécie Bambusa tuldoides jovem, foi colhido manualmente utilizando uma serra de corte manual (serrote) para fazer o serviço. Depois disso, os colmos foram cortados de maneira que ficassem com 160 cm de comprimento, e então foram transportados para um local protegido das intempéries e na sombra, onde ficaram secando naturalmente, na posição vertical durante 41 dias. Uma parte dos colmos retirados foram colocados submersos na água durante todo esse período, pois alguns autores cometam de que o bambu pode carunchar enquanto seca ao ar livre, então essa foi a maneira adotada para garantir de que o

3 bambu não ficasse carunchado. Porém, o bambu não carunchou e utilizou-se para o ensaio o bambu seco ao ar livre, até porque o bambu que foi submerso em água não secou, sendo que ele preservou suas características originais desde o momento que foi inserido na água, ficando assim com característica de um bambu verde Preparação das taliscas Após o bambu ficar secando por 41 dias, então foi realizado o corte para a obtenção das taliscas. O corte foi realizado com o auxilio de uma serra apropriada, aonde foi possível regular a largura das taliscas a serem obtidas, que foram de 2cm e 1,5cm, sendo que essas opções de larguras foram adotadas para se poder trabalhar com diferentes áreas de bambu dentro das vigas. SILVA (2007) diz que o corte das taliscas não pode ser realizado com serra, pois a mesma corta as fibras de modo a não obedecer a direção natural das mesmas, e que o instrumento adequado para isso seria o facão ou a faca estrela. Isso não foi realizado nesse trabalho, pois além de ser bastante complicado cortar as tiras com o facão, as mesmas ficariam todas com larguras diferentes e bastante variáveis em toda a sua extensão, sendo assim ficaria complicado fazer uma comparação das vigas armadas com bambu. É claro que mesmo cortando as taliscas na serra, sendo sua largura regulada, sempre vai existir uma diferença entre uma peça e outra, até porque a espessura também varia, porém essa diferença é bem menor do que se fosse cortado com facão. Após as taliscas estarem prontas, as mesmas secaram à sombra por mais 30 dias e então após isso, as mesmas foram cortadas no comprimento certo (146 cm) e algumas receberam tratamento com verniz e anéis de arame farpado, sendo que o verniz serviu para impermeabilizar a talisca e o arame farpado para dar mais aderência junto ao concreto. Foi escolhido esse tratamento, pois foi o que apresentou melhores resultados nos ensaios de Ferreira (2002). Foram aplicadas 3 demãos de verniz em 12 taliscas, sendo 8 delas com 2 cm de largura e 4 com 1,5 cm de largura, as demãos foram aplicadas com intervalo de 3 dias entre cada aplicação. Para enrolar o arame farpado nas taliscas, primeiramente foi retirado a parte farpada do arame com uma torquês e no lugar do fio de aço colocou-se um pedaço de arame recozido, o que facilitou bastante na hora de enrolar na talisca. Foram colocados 7 anéis de arame farpado em cada talisca.

4 2.3 Fôrmas As fôrmas para a confecção das vigas foram confeccionadas com compensado de 10 mm de espessura. As mesmas foram confeccionadas com dimensões internas de 12 cm x 15 cm x 150 cm, e foram utilizados parafusos para fazer a fixação das laterais. Optou-se por utilizar parafusos, pois eles têm uma resistência maior ao arrancamento e a espessura do compensado era pequena. Colocou-se 1 parafuso a cada ± 20 cm. Depois que a armadura já estava dentro das fôrmas, então foram colocados 3 pedaços de madeira em cada fôrma na parte superior, para servir de elemento enrigecedor e evitar que a mesma abrisse durante a concretagem. 2.4 Armadura convencional Para a armadura da viga convencional, a qual também se repetiu nas outras vigas, foi utilizado armadura mínima, sendo assim, adotou-se 2 Ф 5mm na parte de baixo da viga e 2 Ф 5mm na parte de cima, como porta estribo. Os estribos utilizados foram Ф 5mm c/ 10 cm, armadura essa que foi superdimensionada para não haver problemas da viga romper por cisalhamento, o que atrapalharia o ensaio uma vez que o objetivo era ensaiar a resistência à flexão das vigas. 2.5 Confecção das vigas Foram confeccionadas 8 vigas (Figura1), sendo elas: a) V1A e V1B: Confeccionada com armadura convencional mínima; b) V2A e V2B: Confeccionada com a mesma armadura das vigas V1A e V1B, acrescida de armadura de bambu sem tratamento posicionada na parte inferior da viga, onde a peça está tracionada; c) V3A e V3B: Confeccionada com a mesma armadura das vigas V1A e V1B, acrescida de armadura de bambu com tratamento de verniz e anéis de arame farpado, posicionada na parte inferior da viga; d) V4A e V4B: Confeccionada do mesmo modo das vigas V3A e V3B, porém com uma porcentagem maior de armadura de bambu.

5 Figura 1: Vigas com armadura convencional e de bambu. 2.6 Concretagem e cura das vigas Para a confecção do concreto utilizado nas vigas, foi utilizado brita nº 1, areia fina e cimento CP II Z 32. Utilizou-se o traço 1 : 2,52 : 2,60 a/c = 0.56, traço esse que foi adotado por opção, sendo que o importante não era obter um traço de concreto, mas sim que todas as vigas tivessem o mesmo concreto, para fins de comparação. Antes de o concreto ser lançado nas fôrmas, as mesmas foram molhadas com água de maneira que ficassem bem encharcadas, e para facilitar o adensamento utilizou-se o agitador de peneiras, que é um equipamento vibratório utilizado para a realização de ensaios de granulometria, sendo que para isso, a viga era posicionada em cima do equipamento e posteriormente o mesmo era ligado por um curto intervalo de tempo. A cura das vigas foi realizada durante 9 dias através de água e sacos de ráfia, esse ultimo ajuda na retenção da água, fazendo com que as vigas ficassem úmidas por um intervalo de tempo maior. Após isso, foi aplicada uma camada de gesso nas vigas, para melhor visualização das fissuras.

6 2.7 Ensaio de flexão As vigas foram ensaiadas após 27 dias contados do inicio da sua confecção, para isso, foi utilizado o pórtico de cargas do laboratório de Engenharia Civil da Unochapecó. As vigas foram apoiadas sobre duas superfícies metálicas, as quais delimitavam o vão da peça em 140 cm. O carregamento foi realizado nos terços médios da viga, ou seja, um nos 50 cm iniciais e o outro nos 100 cm, sendo que para isso foram utilizadas duas peças metálicas iguais as que apoiavam a viga e para transferir o carregamento do pistão para as duas peças metálicas foi utilizado uma viga metálica de perfil I. Para medir a deformação foi instalado um estensômetro; com capacidade de 30 mm; bem no centro da viga, e para apoiar o estensômetro utilizou-se um molde de corpo de prova cilíndrico (Figura 2). Figura 2: Posicionamento dos componentes para o ensaio. O ensaio procedeu-se de tal maneira que o carregamento se dava com acréscimos de 150 Kgf, e a cada acréscimo de carga eram medidas as deformações, até o momento em que a viga não aceitava mais carga, ou seja, no momento em que ocorria um relaxamento da armadura de flexão, então nesse momento parava-se o ensaio. 3. Resultados e discussões Primeiramente calculou-se o quanto as vigas iriam resistir adotando-se como resistência a tração do bambu, uma média dos valores encontrados por alguns

7 autores, adotou-se então Tsk (bambu) = 120 MPa. Obteu-se assim as seguintes resistências: a) V1A = V1B 1369 Kgf; b) V2A = 2636 Kgf V2B = 2295 Kgf; c) V3A = 2895 Kgf V3B = 2776 Kgf; d) V4A = 3961 Kgf V4B = 4282 Kgf 3.1 Vigas V1A e V1B Abaixo (Tabela 1) temos o resultado do ensaio para as vigas V1A e V1B, que eram as vigas referência: Tabela 1: Ensaio V1A e V1B VIGA: V1 A V1 B CARREGAMENTO (Kgf) As vigas mostradas na Tabela 1 resistiram a um carregamento médio de 1800 Kgf, com uma flecha média no carregamento máximo de 14.5 mm, sendo que a partir desse valor, a viga passou a não aceitar mais carregamento, e o aço começou a entrar em escoamento, sendo esse o ponto limite para o término do ensaio para esta viga e também para as demais. 3.2 Vigas V2A e V2B O resultado do ensaio de flexão realizado nas vigas V2A e V2B, que tinham área de bambu de e cm² respectivamente, está representado abaixo (Tabela 2).

8 Tabela 2: Ensaio V2A e V2B VIGA: V2 A V2 B CARREGAMENTO (Kgf) A V2A e V2B resistiram a um carregamento de 2300 Kgf, quando a partir daí ocorria um alívio de carga e a viga não aceitava mais acréscimo de carregamento. As vigas resistiram menos do que foi pré calculado, ao contrário das vigas de referência, que resistiram mais. Isso aconteceu porque o bambu quase não contribuiu com sua resistência, pois nessas vigas, as taliscas foram colocadas sem impermeabilização e sem nenhum tratamento que aumentasse sua aderência com o concreto, não havendo aderência perfeita entre os materiais. O que aconteceu foi que na hora da concretagem, as taliscas de bambu absorveram água e aumentaram de tamanho e certamente na medida em que o concreto ia secando, as taliscas foram perdendo a água e consequentemente diminuindo de tamanho. O que acontecia então é que as taliscas ficavam parcialmente soltas dentro do concreto. Pode-se concluir que elas não ficaram totalmente soltas porque ouve um acréscimo na resistência da viga, que passou de 1800 Kgf para 2300 Kgf.

9 3.3 Vigas V3A e V3B O resultado do ensaio de flexão realizado nas vigas V3A e V3B, que tinham área de bambu de e 1.69 cm² respectivamente, está representado abaixo (Tabela 3). CARREGAMENTO (Kgf) Tabela 3: Ensaio V3A e V3B VIGA: V3 A V3 B A viga V3A e V3B resistiram a um carregamento de 2850 Kgf no pistão, carga essa que foi muito parecida com a calculada, o que permite admitir que nessa viga, praticamente toda a resistência do bambu à tração foi aproveitada, devido ao tratamento realizado com verniz e anéis de arame farpado, sendo que o verniz não deixou o bambu absorver a água do concreto nas primeiras horas após a concretagem, e isso fez com que o mesmo não aumentasse de tamanho como aconteceu nas vigas V2A e V2B. Além disso, os anéis de arame farpado colocados nas taliscas de bambu contribuíram para que aumentasse a aderência entre o bambu e o concreto, fazendo com que toda, ou pelo menos a maior parte da resistência à tração do bambu fosse aproveitada para absorver o carregamento.

10 3.4 Vigas V4A e V4B O resultado do ensaio de flexão realizado nas vigas V4A e V4B, que tinham área de bambu de e cm² respectivamente, está representado abaixo (Tabela 4). Tabela 4: Ensaio V4A e V4B VIGA: V4 A V4 B CARREGAMENTO (Kgf) As vigas V4A e V4B resistiram a um carregamento um pouco inferior ao calculado. Isso pode ter acontecido devido ao fato de as taliscas de bambu terem sido colocadas em duas camadas, sendo que as que estavam na segunda camada ficaram 3 cm acima das outras (Figura 3) e portanto ficaram em uma altura muito perto do centro da peça e devido a isso não tiveram uma eficiência muito grande na resistência da viga. Apesar dos cálculos terem sido feitos levando em consideração esse fator, é possível que essa altura tenha variado um pouco dentro da viga, se deslocando durante a concretagem. Presume-se que se toda a área de bambu

11 estivesse na parte mais inferior da viga, e resistência real poderia ser muito parecida com a calculada, que foi o que ocorreu nas vigas V3A e V3B. Um fato que ocorreu também, foi que a viga V4B, rompeu por cisalhamento, ou seja, os estribos não foram capazes de suportar o carregamento, sendo que se tivesse uma maior área de estribos, a viga teria resistido mais. Figura 3: Camadas de bambu 4 Correlação entre os resultados Analisando o que aconteceu no ensaio de flexão das vigas, observou-se que o bambu atingiu uma eficiência desejável, sendo que com um simples aumento de 2.68 cm² de seção transversal de armadura de bambu, fez com que a carga de ruptura da viga duplicasse, passando de 1750 para 3550 Kgf (Gráfico 1).

12 Gráfico 1: Ensaio - Carregamento X Deformação Analisando os resultados obtidos nos ensaios e no gráfico acima, é possível perceber que não adianta utilizar o bambu sem um tratamento prévio de impermeabilização e aumento de aderência, pois sua contribuição na resistência da viga não aumenta significativamente devido ao bambu ficar parcialmente solto dentro do concreto. Nas vigas em que foram utilizadas taliscas de bambu sem impermeabilização e anéis de arame farpado, o bambu teve uma resistência média de MPa. Quanto ao tratamento utilizado nas taliscas (impermeabilização com verniz e colocação de anéis de arame farpado), mostrou-se bastante eficiente, conseguindo transmitir para o concreto a resistência das tiras de bambu. Nas vigas V3A e V3B, onde foram colocadas taliscas de bambu com impermeabilização e anéis de arame farpado a resistência média das taliscas de bambu foi de MPa. Na viga V4A, a resistência das taliscas de bambu atingiram MPa e na viga V4B, atingiu MPa, nessa ultima, o valor certamente seria maior se a viga não tivesse rompido por cisalhamento, pois a área de bambu era maior do que na viga V4A. Percebeu-se que quanto maior era a taxa de armadura de bambu dentro da viga, além de resistir a um carregamento maior, as fissuras tinham espessuras menores para o mesmo carregamento e a flecha na viga também era menor. Fator

13 esse que possibilita dizer que a armadura de bambu tem a mesma função estrutural do que a armadura de aço, claro que com características próprias diferenciadas. Pelas diferentes resistências apresentadas, pode-se comprovar que o bambu é um material que possui características físicas não uniformes e que mesmo sendo do mesmo pé e tendo a mesma idade, a características dos colmos tem uma pequena variação. Além da variação natural do próprio bambu, também existem alguns fatores que podem ter interferido nessa resistência, como a própria resistência do concreto à compressão, alguma falha de concretagem que não pôde ser detectada visualmente, alguma pequena diferença no posicionamento das taliscas, ou até mesmo no posicionamento dos elementos para a realização do ensaio de rompimento onde apesar de tudo ter sido realizado com muito cuidado e precisão, um pequeno deslocamento de algum elemento pode ter causado um esforço adicional não premeditado na viga ensaiada. 4. Considerações Através do trabalho realizado, pode-se concluir que a utilização do bambu como elemento resistente à tração em vigas (armadura longitudinal) é viável, pois além de ter uma resistência considerável, é possível dimensioná-lo da mesma forma que se dimensiona concreto armado com aço, porém devem-se usar coeficientes de segurança maiores devido à variabilidade das características físicas do mesmo, por ser um elemento natural. Além disso, seria muito importante realizar um ensaio de resistência à tração do bambu utilizado para esse fim, pois a resistência varia conforme a espécie. Fazendo isso, seria possível sim utilizá-lo como elemento em pequenas construções populares e rurais, aonde se presa bastante pela economia de material e nesse caso o bambu sairia praticamente de graça, diminuindo consideravelmente o custo de produção. É muito importante também, utilizar algum tratamento que impermeabilize as taliscas de bambu e que aumente a aderência das mesmas com o concreto (no caso, utilizou-se verniz e anéis de arame farpado), pois sem isso, o bambu não apresenta resultados satisfatórios.

14 Referências FERREIRA, Gisleiva Cristina dos Santos. Vigas de concreto armadas com bambu f. Dissertação de mestrado Universidade Estadual de Campinas, Campinas, [Orientador: Prof. Dr. Armado Lopes Moreno Jr]. Disponível em: < /zeus/auth.php >. Acesso em: 10/10/2010. NOGUEIRA, Fernanda de Melo. Bambucon- Bambu reforçado com microconcreto armado f. Monografia Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, [Orientador: Prof. Edgar Mantilla Carrasco]. Disponível em: < /trabalhos/pg2/monografia%20fernanda%20de %20Melo%20Nogueira.pdf >. Acesso em: 10/10/2010. SILVA, Osvaldo ferreira da. Estudo sobre a substituição do aço liso pelo bambusa vulgaris, como reforço em vigas de concreto, para o uso em construções rurais f. Dissertação de mestrado Universidade Federal de Alagoas, Maceió, [Orientadora: Prof. Dr Aline da Silva Ramos]. Disponível em: < /ppgec/download/dissertacoes/osvaldo %20Ferreira%20da% 20Silva.pdf >. Acesso em: 10/10/2010.

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas

Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas Mauro Leandro Menegotto Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Chapecó, Brasil, maurolm@unochapeco.edu.br Marcelo Alexandre Gusatto Universidade

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU

FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA FABRICAÇÃO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM TIRAS DE BAMBU Alba Pollyana Silva Josiane

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES Este capítulo mostra e descreve o molde metálico e a estrutura de protensão, utilizados para a fabricação dos protótipos do dormente. Também apresenta os procedimentos

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Identificação DAHER Tecnologia

Identificação DAHER Tecnologia 1 Interessado: Jacson Polese dos Santos - ME. Rua Bandeirantes, 976. - Sítio Cercado. CEP 81.900-490. Curitiba Paraná. 1 de 6 Curitiba, 19 de setembro de 2006. 2 Referência: Avaliação de Triângulos pac

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555

ÁREA DE ENSAIOS ALVENARIA ESTRUTURAL RELATÓRIO DE ENSAIO N O 36555 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria (RS) CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br 1/5

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO Anderson Borges da Silva (1), Prof. Esp. Alexandre Vargas (2) RESUMO UNESC Universidade

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

JÚNIOR JOSÉ MACHADO DIORAMA FERRÉO. Esse projeto contém informações simples e obejtivas com intuito de mostrar parte do meu trabalho e conhecimento.

JÚNIOR JOSÉ MACHADO DIORAMA FERRÉO. Esse projeto contém informações simples e obejtivas com intuito de mostrar parte do meu trabalho e conhecimento. JÚNIOR JOSÉ MACHADO DIORAMA FERRÉO Esse projeto contém informações simples e obejtivas com intuito de mostrar parte do meu trabalho e conhecimento. CONCEITO DO PROJETO Esse projeto a ser apresentado foi

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO Professora: Mayara Custódio CONSISTÊNCIA DO CONCRETO CONSISTÊNCIA TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco que identifica sua maior ou menor aptidão para

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP LAJE As lajes são estruturas destinadas a servirem de cobertura, forro ou piso para uma edificação.

Leia mais

PISCINAS EM CONCRETO ARMADO

PISCINAS EM CONCRETO ARMADO PISCINAS EM CONCRETO ARMADO PISCINAS EM CONCRETO ARMADO COM TELAS SOLDADAS CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas são armaduras prontas para concreto armado, produzidas com aço de alta resistência (CA 60),

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO RESUMO Orientando (Dijalma Motta Leopoldo), Orientador (Alexandre Vargas); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) djalmamotta@hotmail.com,

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 3: Construção de cisternas Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal de Campina Grande Financiadores:

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante 1/20 Método Biela Tirante Pile Cap subjected to Vertical Forces and Moments. Autor: Michael Pötzl IABSE WORKSHOP New Delhi 1993 - The Design of Structural Concrete Editor: Jörg Schlaich Uniersity of Stuttgart

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Manual de Reservatório de PRFV Vetro

Manual de Reservatório de PRFV Vetro Índice: 1. Introdução...2 2. Características dos reservatórios Vetro...2 a) Liner...2 b) Estrutura...2 c) Flanges...2 d) Etiqueta...2 3. Modelos de reservatórios...3 4. Testes de Qualidade...4 5. Recomendações

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Aços Longos. Soluções Pisos

Aços Longos. Soluções Pisos Aços Longos Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para soluções inovadoras em pisos de concreto para atender as mais variadas obras. A diversidade de produtos

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência)

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) Critérios de Avaliação Fabril Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) O presente subitem tem como objetivo orientar fabricantes de artefatos de concreto para redes de distribuição

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

Ensaio de tração: cálculo da tensão

Ensaio de tração: cálculo da tensão Ensaio de tração: cálculo da tensão A UU L AL A Você com certeza já andou de elevador, já observou uma carga sendo elevada por um guindaste ou viu, na sua empresa, uma ponte rolante transportando grandes

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Concreto II Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A trabalhabilidade é influenciada pela consistência e pela coesão. As principais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO UNIERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01 Edmundo

Leia mais

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO Segurança Antes do início de qualquer serviço, verificar a existência e condições dos equipamentos de segurança

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais