Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação"

Transcrição

1 Cap. 3 Organização de Ficheiros e Indexação If you don t find it in the index, look very carefully through the entire catalogue. -- Sears, Roebuck, and Co., Consumer s Guide, 1897 Abel J.P. Gomes Bibliografia: 1. R. Ramakrishnan and J. Gehrke. Database Management Systems. Addison-Wesley, 2003 (cap.8). 1

2 1. Objectivos Como é que um DBMS armazena e acede aos dados em disco? Porque é que o custo temporal I/O é tão importante nas operações de bases de dados? Como é que um DBMS organiza os ficheiros de registos de dados em disco para minimizar os custos de I/O? O que é um índice, e porque é que é usado? Qual é a relação entre um ficheiro de registos de dados e um índice que sobre ele é definido? Quais são s as propriedades importantes dos índices? Como é que um índice baseado em hashing funciona, e em que circunstâncias é mais eficaz? Como é que um índice estruturado em árvore funciona, e em que circunstâncias é mais eficaz? Como é que se pode usar índices para optimizar o desempenho 2 para uma dada carga de trabalho?

3 2. Contexto A abstracção básica dos dados num DBMS é a de uma colecção de registos ou um ficheiro; cada ficheiro consiste numa ou mais páginas. A camada FMA organiza os dados cuidadosamente para suportar acesso rápido a subconjuntos de registos que são alvo de operações específicas. Compreender como os registos estão organizados em ficheiro é essencial para compreender o funcionamento dum sistema de bases de dados. Optimização e Execução de Inquirições Operadores Relacionais Fich. e Métodos de Acesso Gestão de Buffers Gestão de Espaço em Disco DB 3

4 3. Alternativas na Organização de Ficheiros Existem muitas alternativas, cada uma das quais adequada a situações específicas, mas não a outras: Heap files (unsorted files): adequados quando o acesso varre o ficheiro de alto a baixo para devolver todos os registos (records) nele existentes. Ficheiros Ordenados (sorted files): mais adequados quando se pretende devolver os registos pela ordem estabelecida pela search key, ou quando somente uma gama de registos é necessária. Clustered Files (with Indexes): em breve 4

5 4. Análise e Modelo de Custos Para tornar a análise mais simples, vamos ignorar os custos de tempo gasto na CPU: B: número de blocos de dados (data blocks) R: número de registos por bloco D: Tempo (médio) para ler ou escrever um bloco de/no disco A medição do número de I/O s de blocos ignora os ganhos de pré-localização e acesso sequencial; portanto, mesmo o custo I/O é só grosseiramente aproximado. Análise do caso médio; é baseada em várias assumpções simplistas. Modelo suficientemente bom para mostrar as tendências no seu todo! 5

6 4.1 Algumas assumpções feitas na análise Simples inserção e eliminação de registos. Selecção baseada na igualdade - exactamente um one match (what if more or less???). Heap Files: A inserção é sempre feita no fim do ficheiro. Ficheiros Ordenados: Ficheiros compactados após eliminações de registos. Selecções baseadas na chave de pesquisa (search key). 6

7 4.2 Custo de operações B: número de páginas de dados (data pages) R: número de registos por página D: tempo (médio) para ler/escrever uma página no disco Heap File Ficheiro Ordenado Clustered File Escrutínio (scan) de todos os registos Pesquisa baseada na igualdade Pesquisa baseada na gama Inserção B D 0.5 B D B D 2D B D (log 2 B) D [(log 2 B) + #match pages] D ((log 2 B)+B) D Eliminação 0.5B D + D ((log 2 B)+B) D (porque R,W 0.5) 7

8 5. Índices Às vezes, queremos devolver registos através da especificação de valores num ou mais campos; por exemplo, Encontrar todos os estudantes do Dept. de Informática. Encontrar todos os estudantes com uma classificação superior a 3 (gpa > 3), assumindo a escala de 0 a 5. Um índice sobre um ficheiro é uma estrutura de dados baseada no disco que torna mais rápidas as selecções feitas a partir de campos-chave de pesquisa (the search key fields). Qualquer subconjunto de campos duma relação pode ser a chave de pesquisa (search key) do índice. Não se deve confundir uma chave de pesquisa (search key) com uma chave (key), pois não tem que ser única. Um índice contém uma colecção de verbetes ou entradas de dados (data entries), e suporta a devolução eficiente de todos os registos com base num valor k da chave de pesquisa. 8

9 6. Primeira Questão acerca de Índices Que tipos de selecções suportam? Selecções da forma campo <op> constante Selecções basedas na igualdade (op é =) Selecções basedas na gama de valores (op é dos seguintes operadores: <, >, <=, >=, BETWEEN) Selecções mais exóticas: Gamas 2-dimensionais ( este de Berkeley e oeste de Truckee e North of Fresno e South of Eureka ) ou n-dimensional Distâncias 2-dimensionais ( no raio de 2 milhas da Covilhã ) ou n-dimensional Inquirições baseadas em ranking ( 10 restaurantes mais próximos de Berkeley ) Satisfação de expressões regulares, satisfação de cadeias genómicas, etc. Um índice n-dimensional comum: R-tree Suportado por Oracle e Informix Veja-se para mais detalhes sobre 9 este tópico

10 7. Disrupção dum Índice (Index Breakdown) Um índice suporta que selecções? Representação de verbetes de dados (data entries) no índice i.e., que tipo de informação é que o índice realmente guarda? há 3 alternativas Índices de Chave Simples vs. Índices de Chave Composta Índices baseados em árvore, índices baseados em hashing, outros Índices Aglomerados e Não-Aglomerados (Clustered vs. Unclustered Indexes) 10

11 8. Alternativas para Verbete de Dados (Data Entry) k* no Índice Três alternativas: registo de dados real (chave com valor k) <k, rid do registo de dados que contém k> <k, lista de rids dos registos de dados que contêm k > A escolha é ortogonal à técnica de indexação. Exemplos of técnicas de indexação: árvores B+, estruturas baseadas em hashing, árvores R, Tipicamente, o índice contém informação auxiliar que direcciona a procura para os verbetes de dados desejados. Podemos ter vários (e diferentes) índices por cada ficheiro de dados da BD. por exemplo, ficheiro ordenado por idade, com um índice hash sobre o salário e um índice em árvore B+ sobre 11 o nome.

12 8.1 Alternativa 1: Registo de dados real (chave com valor k) Com esta alternativa, a estrutura do índice é a de um ficheiro organizado em registos de dados (à semelhança dos ficheiros ordenados ou heap files). No máximo, só um índice sobre uma dada colecção de registos de dados pode usar a Alternativa 1. Esta alternativa poupa na procura de ponteiros, mas pode ser dispendiosa de manter face às inserções e eliminações de registos. 12

13 8.2 Alternativas 2 e 3: <k, rid do registo de dados que contém k> <k, lista de rids dos registos que contêm k> Mais fácil de manter do que a Alternativa 1. Se mais do que um índice é necessário para um dado ficheiro de dados, no máximo só um índice pode usar a Alternativa 1; os restantes têm de usar obrigatoriamente a Alternativa 2 ou 3. Alternativa 3 é mais compacta que Alternativa 2, mas conduz a verbetes de dados de tamanho variável mesmo se as chaves de procura são de tamanho fixo. Pior ainda, para listas grandes de rids, os verbetes podem abranger vários blocos! 13

14 9. Classificação de Índices Clustered vs. unclustered: Se a ordem dos registos de dados é a mesma que, ou é próxima de, a ordem dos verbetes de dados do índice, então temos um clustered index. Um ficheiro pode ser clustered para uma (no máximo) chave de pesquisa. O custo de devolver registos de dados através um índice varia bastante, dependendo de se o índice é clustered ou não! A Alternativa 1 implica ter um índice clustered, mas o contrário não é verdade. 14

15 9.1 Índices Clustered vs. Unclustered CLUSTERED Suponha que a Alternativa (2) é usada para verbetes de dados, e que os registos de dados são armazenados num heap file. Para construir um índice clustered, ordena-se em primeiro lugar o heap file (com algum espaço livre em cada bloco para eventuais inserções futuras de dados). Blocos em overflow podem ser necessários para operações de inserção. (Daí, a ordem de registos de dados ser próxima, mas não idêntica, à ordem de ordenação do heap file.) Index entries direct search for data entries UNCLUSTERED Data entries (Index File) (Data file) Data entries Data Records Data Records 15

16 9.2 Índices Clustered vs. Unclustered (cont.) Quais são as vantagens/desvantagens? Os prós dos índices clustered Eficientes para pesquisas baseadas em gamas de valores (range searches) Podem facilitar alguns tipos de compressão de dados Possíveis benefícios resultantes da localidade dos dados (dados relacionados?)??? Os contras dos índices clustered Custosos de manter (face a actualização de dados e avessos à reorganização) 16

17 9.3 Custo de operações B: The number of data pages R: Number of records per page D: (Average) time to read or write disk page Heap File Sorted File Clustered File Scan all records BD BD 1.5 BD Equality Search 0.5 BD (log 2 B) * D (log F 1.5B) * D Range Search BD [(log 2 B) + #match pg]*d [(log F 1.5B)+ #match pg]*d Insert 2D ((log 2 B)+B)D ((log F 1.5B)+1)* D Delete 0.5BD + D ((log 2 B)+B)D (because R,W 0.5) ((log F 1.5B)+1)* D 17

18 10. Chaves de Pesquisa Compostas Pesquisa sobre uma combinação de campos. Inquirição de igualdade: Todo o valor dum campo é igual a um valor constante; e.g.: wrt <age,sal> index: age=20 e sal =75 Inquirição de gama: algum valor dum campo não é constante; e.g.: age > 20; ou age=20 e sal > 10 Verbetes de dados no índice ordenados por chave de pesquisa para suportar inquirições de gama. Ordem lexicográfica. Como o dicionário, mas sobre campos, não sobre letras! Exemplos de índices de chave composta usando ordem lexicográfica 11,80 12,10 12,20 13,75 <age, sal> 10,12 20,12 75,13 80,11 <sal, age> name age sal bob cal Data entries in index sorted by <sal,age> joe sue Data records sorted by name <age> <sal> Data entries sorted by <sal>

19 Sumário A camada de ficheiros gere o acesso a registos em páginas. Os formatos de registos e de páginas dependem do comprimento ser fixo ou variável. A gestão do espaço livre é uma questão importante. O formato de página entalhada (slotted page format) suporta registos de comprimento variável e permite que os registos se movam dentro de cada página. Existem muitas formas de organizar a estrutura dum ficheiro, sendo cada uma apropriada para certos casos. Se as inquirições de selecção são frequentes, ordena-se o ficheiro ou constrói-se um índice. Índices em hashing só são bons para pesquisa de igualdade. Ficheiros ordenados (sorted files) e índices estruturados em árvore (tree-based indexes) adequam-se melhor a pesquisas de gama; também são bons para pesquisas de igualdade de valores. (Ficheiros raramente se mantêm ordenados na prática; o índice estruturado em árvore B+ é melhor.) Um índice é uma colecção de verbetes de dados mais uma forma de encontrar rapidamente verbetes com valores 19 específicos de chave.

20 FIM DE CAPÍTULO Sumário (cont.) Um índice é uma colecção de verbetes de dados mais uma forma de encontrar rapidamente verbetes com valores específicos de chave. Verbetes de dados no índice podem ser registos de dados reais, pares <key, rid>, ou pares <key, rid-list>. A escolha é ortogonal à estrutura de indexação (i.e., tree, hash, etc.). Normalmente, temos vários índices sobre um dado ficheiro de registos de dados, cada um com uma chave de pesquisa diferente. Os índices podem ser classificados como clustered vs. unclustered As diferenças entre eles têm consequências importantes na utilidade/desempenho. As relações no catálogo armazenam informação acerca de relações, índices e vistas. 20

Cap. 2 - Armazenamento de Dados: Discos e Ficheiros

Cap. 2 - Armazenamento de Dados: Discos e Ficheiros Cap. 2 - Armazenamento de Dados: Discos e Ficheiros Yea, from the table of my memory I ll wipe away all trivial fond records. -- Shakespeare, Hamlet Abel J.P. Gomes Bibliografia: 1. R. Ramakrishnan and

Leia mais

DBMS%Performance% Carlos%Soares% (baseado%em%materiais%gen8lmente%cedidos% por%andré%res8vo,%joão%correia%lopes%e%do% livro%ramakrishnan%&%gehrke)% %

DBMS%Performance% Carlos%Soares% (baseado%em%materiais%gen8lmente%cedidos% por%andré%res8vo,%joão%correia%lopes%e%do% livro%ramakrishnan%&%gehrke)% % DBMS%Performance% Carlos%Soares% (baseado%em%materiais%gen8lmente%cedidos% por%andré%res8vo,%joão%correia%lopes%e%do% livro%ramakrishnan%&%gehrke)% % Plano% Contexto% Índices% Carga%da%base%de%dados%%

Leia mais

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação.

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação. Mecanismo usado para mais fácil e rapidamente aceder à informação existente numa base de dados. Bases de Dados de elevadas dimensões. Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de

Leia mais

Cap. 5 Indexação Baseada em Hashing

Cap. 5 Indexação Baseada em Hashing Cap. 5 Indexação Baseada em Hashing Not cahos-like, together crushed and bruised, But, as the world harmoniously confused: Where order in variety we see. -- Alexander Pope Abel J.P. Gomes Bibliography:

Leia mais

Administração e Optimização de BDs

Administração e Optimização de BDs Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Administração e Optimização de BDs Mini-Projecto 1 2º semestre A resolução deve ser claramente identificada com o número de grupo e entregue sob a forma

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Exame

Leia mais

PostgreSQL Performance

PostgreSQL Performance PostgreSQL Performance André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) PostgreSQL Performance February 24, 2012 1 / 45 Sumário 1 Armazenamento 2 Índices

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento e Indexação Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento Banco de Dados são armazenados fisicamente como arquivos de registro, que em geral ficam em discos

Leia mais

Bases de Dados. Parte IX: Organização Física dos Dados

Bases de Dados. Parte IX: Organização Física dos Dados Bases de Dados Parte IX Organização Física dos Dados Unidades de Medida da Informação A unidade fundamental é o byte. byte corresponde a 8 bits e cada bit permite representar ou um 0 ou um. Kilobyte (Kbyte

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Construção de Sistemas de Gerência de Bancos de Dados DI PUC-Rio Prof: Sérgio Lifschitz Organização de Arquivos Organização de Arquivos Tipos básicos de arquivos: heap files (entry sequenced files) sorted

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo V: Indexação em Banco de Dados (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli Agenda: Estruturas de Índices; Conceitos; Tipos de Índices: Primários; Secundários; Clustering; Multiníveis;

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Capítulo Sistemas de Memória Memória Virtual. Ch7b 1

Capítulo Sistemas de Memória Memória Virtual. Ch7b 1 Capítulo Sistemas de Memória Memória Virtual Ch7b Memória Virtual Memória principal funciona como uma cache para o armazenamento secundário (disco) Virtual addresses Physical addresses Address translation

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Administração e Optimização de Bases de Dados Exame

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Gestão da Memória Luis Lino Ferreira / Maria João Viamonte Fevereiro de 2006 Gestão da Memória Gestão de memória? Porquê? Atribuição de instruções e dados à memória Endereços lógicos e físicos Overlays

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

DICIONÁRIOS. template class Par { public: K chave; T valor; Par():chave(),valor()

DICIONÁRIOS. template<class K,class T> class Par { public: K chave; T valor; Par():chave(),valor() DICIONÁRIOS Esta estrutura inclui-se nos chamados contentores associativos, que não são mais do que uma colecção de estruturas de tipo Par, com dois membros de dados (chave de pesquisa e valor associado),

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Cap. 4 Indexação Estruturada em Árvore

Cap. 4 Indexação Estruturada em Árvore Cap. 4 Indexação Estruturada em Árvore If I had eight hours to chop down a tree, I d spent sharpening my ax. -- Abraham Lincoln Abel J.P. Gomes Bibliography: 1. R. Ramakrishnan and J. Gehrke. Database

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. 1. Ficheiros 2. Directórios 3. Implementação de sistemas de ficheiros 4. Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. 1. Ficheiros 2. Directórios 3. Implementação de sistemas de ficheiros 4. Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros 1. Ficheiros 2. Directórios 3. Implementação de sistemas de ficheiros 4. Exemplos de sistemas de ficheiros Organização de um Sistema Operativo System Call Handler File System 1...

Leia mais

Guia de Consulta. Percorrer

Guia de Consulta. Percorrer Guia de Consulta Percorrer A secção "Percorrer" permite-lhe consultar uma das listas numa determinada ordem. Existem cinco listas diferentes: Comunidades, Colecções, Títulos, Autores e Datas. Poderá percorrer

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro SQL, SQL3 e OQL são linguagens declarativas O SGBD deve processar e otimizar estas consultas antes delas serem efetivamente executadas Uma consulta possui muitas estratégias

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais

Unidade 5 Armazenamento e Indexação

Unidade 5 Armazenamento e Indexação Unidade 5 Armazenamento e Indexação Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash Algoritmos de pesquisa Tabelas de dispersão/hash Introdução Motivação: Considerar o problema de pesquisar um determinado valor num vetor (array). Se o vetor não está ordenado, a pesquisa requer O(n) de

Leia mais

Armazenamento de Dados. e Indexação

Armazenamento de Dados. e Indexação Armazenamento de Dados e Indexação 1 Armazenamento 2 Introdução Dados: O que é? Qualquer coisa contendo informação Enciclopédia Fita cassete Cartas 3 Introdução Dados: O que é? Tudo que um computador processa

Leia mais

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis.

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis. 3. Tabelas de Hash As tabelas de hash são um tipo de estruturação para o armazenamento de informação, de uma forma extremamente simples, fácil de se implementar e intuitiva de se organizar grandes quantidades

Leia mais

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015 Sistemas de ficheiros: implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Descrever algunsdetalhes daimplementação deumsistema de ficheiros Discutir algoritmos

Leia mais

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi Apostila de Fundamentos de Programação I Prof: André Luiz Montevecchi Introdução O mundo atual é dependente da tecnologia O uso intenso de diversos aparatos tecnológicos é parte integrante do nosso dia-a-dia

Leia mais

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Cronograma Introdução

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados UFCD 786 Instalação e configuração de sistemas de bases de dados 1 Noção de Base de Dados De uma forma genérica uma base de dados é um conjunto de dados (BD) Exemplos de BD s: Uma agenda de moradas Uma

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos

Capítulo 6 Sistemas de Arquivos Capítulo 6 Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas de arquivos 1 Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível

Leia mais

Guia de Utilização. A consulta dos e-books não exige a instalação de nenhum programa específico.

Guia de Utilização. A consulta dos e-books não exige a instalação de nenhum programa específico. Guia de Utilização Acompanhando a tendência actual para o acesso rápido a conteúdos informativos via Web e atendendo às solicitações dos clientes internos e externos do Centro de Recursos em Conhecimento/Mediateca

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

Segurança: Controlo de Acesso

Segurança: Controlo de Acesso Segurança: Controlo de Acesso November 27, 2009 Sumário Modelo de Controlo de Acesso Matriz de Controlo de Acesso Listas de Controlo de Acesso Capabilities Camadas e Controlo de Acesso Controlo de Acesso

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

indexação e hashing Construção de Índices e Funções Hash Diego Gomes Tomé - MSc. Informática Orientador: Prof. Dr. Eduardo Almeida October 13, 2016

indexação e hashing Construção de Índices e Funções Hash Diego Gomes Tomé - MSc. Informática Orientador: Prof. Dr. Eduardo Almeida October 13, 2016 indexação e hashing Construção de Índices e Funções Hash Diego Gomes Tomé - MSc. Informática Orientador: Prof. Dr. Eduardo Almeida October 13, 2016 Universidade Federal do Paraná indexação e hashing Índices

Leia mais

Árvores Binárias Balanceadas

Árvores Binárias Balanceadas Árvores Binárias Balanceadas Elisa Maria Pivetta Cantarelli Árvores Balanceadas Uma árvore é dita balanceada quando as suas subárvores à esquerda e à direita possuem a mesma altura. Todos os links vazios

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 2 Organização de s: s Sequenciais e s Sequenciais Indexados UFRGS INF01124 Organização de s Propósito Estudo de técnicas de armazenamento e recuperação de dados em

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD Curso Banco de Dados Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia Brasília 2012 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 3 2- DESCRIÇÃO DO ASSUNTO... 4 2.1- Estrutura fisica

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução à gestão de memória Programação de Sistemas Gestão de memória : 1/16 Introdução (1) A memória central de um computador é escassa. [1981] IBM PC lançado com 64KB na motherboard,

Leia mais

Bases de Dados 2008/2009

Bases de Dados 2008/2009 Instituto Superior Técnico Bases de Dados 2008/2009 Exame de 30 de Janeiro de 2009 Sem consulta Duração: 2h30 1. Considere o seguinte cenário relativo a um stand de compra e venda de carros usados, em

Leia mais

Prof. Bruno Calegaro

Prof. Bruno Calegaro Prof. Bruno Calegaro Fazendo o uso de chamadas de sistema, o usuário pode realizar operações de manipulação nos arquivos ou diretórios As operações de entrada e saída básicas são: create open read write

Leia mais

Tarefa Orientada 6 Edição de Dados

Tarefa Orientada 6 Edição de Dados Tarefa Orientada 6 Edição de Dados Objectivos: Inserção de dados. Alteração de dados. Eliminação de dados. Definição de Listas de Pesquisa (Lookup Lists) O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access

Leia mais

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING CONTEÚDO Introdução Armazenamento de dados Dispositivo de armazenamento Buffering de

Leia mais

Neste momento a gestão dos automóveis, de grupos de automóveis e de manutenção não são consideradas relevantes para serem suportadas pelo sistema.

Neste momento a gestão dos automóveis, de grupos de automóveis e de manutenção não são consideradas relevantes para serem suportadas pelo sistema. Caso 1 Rent-a-car 1 Enunciado Pretende-se desenvolver um software de suporte a diversas actividades duma empresa de aluguer de automóveis. Este software deve permitir registar contratos de aluguer, entregas

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados

Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados Abel J.P. Gomes Bibliografia usada: T. Connoly e C. Begg. Database Systems: a pratical approach to design,implementation, and management. Addison-Wesley,

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 3

SUMÁRIO. Introdução... 3 SUMÁRIO Introdução..................................... 3 1 Consultas por Similaridade e Espaços métricos............. 5 1.1 Consultas por abrangência e consultas aos k-vizinhos mais próximos... 5 1.2

Leia mais

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Armazenamento Secundário. SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Armazenamento Secundário SCE-183 Algoritmos e Estruturas de Dados II Discos Qual o principal gargalo? 2 Discos Discos são gargalos Discos são muito mais lentos que as redes ou a CPU Muitos processos são

Leia mais

Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes:

Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes: Modelos de Dados 1 Introdução Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes: 1) Um conjunto de tipos de estruturas de dados Define o tipo de dados e como se interrelacionam 2) Um conjunto

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação Ministério das Finanças Instituto de Informática Departamento de Sistemas de Informação Assiduidade para Calendários Específicos Junho 2010 Versão 6.0-2010 SUMÁRIO 1 OBJECTIVO 4 2 ECRÃ ELIMINADO 4 3 NOVOS

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos)

Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos) Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos) Agenda Sobre Rodrigo Mufalani Clico de dados Visão Geral Avanced Compression Visão Geral External Tables Performance Disponibilidade

Leia mais

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico. Access 2003

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico. Access 2003 Curso Educação e Formação de Adultos Nível Básico Access 2003 28/07/2009 [Manual de Microsoft Access.] FICHA TÉCNICA DESIGNAÇÃO DA COLECTÂNEA Manual de Microsoft Access AUTOR Carlos Serranheira DESTINATÁRIOS

Leia mais

Desempenho da Base de Dados

Desempenho da Base de Dados Desempenho Parte I Base de Dados 1 Desempenho da Base de Dados O desempenho de uma base de dados pode ser optimizado e afinado, escolhendo os valores adequados dos parâmetros do SGBD usado, o desenho dos

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 3 - MANUAL DO UTILIZADOR Diogo Mateus 3.1. REQUISITOS MÍNIMOS * Computador Pessoal com os seguintes Programas * Microsoft Windows 95 * Microsoft Access 97 A InfoMusa

Leia mais

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Sistemas de Arquivos. Sistemas Operacionais - Professor Machado Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito grande de informação 2. A informação deve

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Sousa Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP. Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

Jogos vs. Problemas de Procura

Jogos vs. Problemas de Procura Jogos Capítulo 6 Jogos vs. Problemas de Procura Adversário imprevisível" necessidade de tomar em consideração todas os movimentos que podem ser tomados pelo adversário Pontuação com sinais opostos O que

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Índices* Professora Rosane Minghim. * Baseado no material de Leandro C. Cintra e M. C. F. de Oliveira. Fonte: Folk & Zoelick, File Structures.

Índices* Professora Rosane Minghim. * Baseado no material de Leandro C. Cintra e M. C. F. de Oliveira. Fonte: Folk & Zoelick, File Structures. Índices* Professora Rosane Minghim * Baseado no material de Leandro C. Cintra e M. C. F. de Oliveira. Fonte: Folk & Zoelick, File Structures. Índice Em geral, um índice fornece mecanismos para localizar

Leia mais

Árvores B. Hashing. Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Árvores B. Hashing. Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Árvores B Hashing Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Hashing para arquivos extensíveis Todos os métodos anteriores previam tamanho fixo para alocação das chaves. Existem várias técnicas propostas

Leia mais

WEB OF SCIENCE - tutorial

WEB OF SCIENCE - tutorial WEB OF SCIENCE - tutorial O QUE É A WEB OF SCIENCE A Web of Science é a designação comum que é dada a um conjunto de bases de dados também conhecidas como «Science Citation Indexes» (Science Citation Index,

Leia mais

BACO BAse de Co-Ocorrências

BACO BAse de Co-Ocorrências BACO? BACO BAse de Co-Ocorrências Luís Sarmento O BACO é uma base de dados que guarda informação gerada a partir um processamento efectuado a um ou vários corpora. O objectivo: Permitir pesquisar rapidamente

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Banco de Dados. Otimização de consultas. Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai. Última atualização: 15 de maio de 2006

Banco de Dados. Otimização de consultas. Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai. Última atualização: 15 de maio de 2006 Banco de Dados Otimização de consultas Última atualização: 15 de maio de 2006 Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai Introdução Consulta em linguagem de alto nível Análise e validação Forma

Leia mais

Sistemas de Nomes Planos

Sistemas de Nomes Planos Sistemas de Nomes Planos November 2, 2009 Sumário Sistemas de Nomes Planos e DHTs Chord Sistemas de Nomes Planos Tipicamente, sistemas de nomes à escala da Internet usam nomes estruturados hierarquicamente.

Leia mais

Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica

Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica Motor de Pesquisa Baseado na Web Semântica Rui Gaspar, Ricardo Clemente {ruiandre, ricjorge}@student.dei.uc.pt Resumo: Com este projecto pretende-se desenvolver um motor de pesquisa, que implemente conceitos

Leia mais

Armazenamento e Indexação 5

Armazenamento e Indexação 5 Armazenamento e Indexação 5 Nestes casos, podem evitar-se operações dispendiosas de ordenação de registos, pelo que pode valer a pena criar índices nas colunas da cláusula WHERE com determinadas ordenações.

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Processamento de Consultas

Processamento de Consultas Processamento de Consultas Banco de Dados: Teoria e Prática André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Setembro 2013 Picture by http://www.flickr.com/photos/fdecomite/1457493536/

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

Tipos de Servidores. Servidores com estado

Tipos de Servidores. Servidores com estado Tipos de Servidores Com Estado X Sem Estado Sequenciais X Concorrentes Com Conexão X Sem Conexão Servidores com estado Servidores com estado armazenam informação sobre cada cliente. Operações podem ser

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO ADO.NET (DESCONECTADO)

INTRODUÇÃO AO MODELO ADO.NET (DESCONECTADO) INTRODUÇÃO AO MODELO ADONET (DESCONECTADO) O modelo ADONET (Activex Data Objects NET) consiste num conjunto de classes definidas pela NET framework (localizadas no namespace SystemData) que pode ser utilizado

Leia mais

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Armazenamento de Dados Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Armazenamento de Dados Todos os dados que utilizamos até o momento, ficavam armazenados apenas na memória. Ao final da execução dos programas,

Leia mais

APROG - Civil. Excel. Técnicas de pesquisa de informação em tabelas. Instituto Superior de Engenharia do Porto 2000-2007

APROG - Civil. Excel. Técnicas de pesquisa de informação em tabelas. Instituto Superior de Engenharia do Porto 2000-2007 APROG - Civil Excel Técnicas de pesquisa de informação em tabelas Instituto Superior de Engenharia do Porto 2000-2007 Elaborado por: António Silva (DEI-ISEP) Pesquisa de Informação em Tabelas O Excel

Leia mais

Classificação / Indexação

Classificação / Indexação Classificação / Indexação Classificação Entende-se por classificação: o processo pelo qual se torna possível dispor de uma forma ordenada, um determinado conjunto de elementos, de molde a facilitar a sua

Leia mais

Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Carlos Viegas Damásio José Alferes e Carlos Viegas Damásio Sistemas de Bases de Dados 2014/15 Objectivos - Em Bases de Dados (2º ano) pretendia-se: Que os estudantes fossem capazes

Leia mais

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks Criado em alternativa para os discos grandes e caros. Justificativa: Substituindo discos grandes por muitos discos pequenos, o desempenho melhoraria mais cabeças

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Gestão de memória Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Gestão de memória idealmente a memória seria grande rápida não volátil contudo, na realidade existem limitações físicas! Portanto... hierarquia

Leia mais

A interface IDataSource retorna dados em formato tabular e disponibiliza apenas dois métodos: GetView e GetViewNames. O primeiro,

A interface IDataSource retorna dados em formato tabular e disponibiliza apenas dois métodos: GetView e GetViewNames. O primeiro, 3 1CONTROLOS DATA SOURCE A plataforma ASP.NET disponibiliza um conjunto de controlos, designados de data source, que são capazes de fornecer dados que podem ser consumidos por outros, designados por data

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º Pesquisa Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) Ficheiro (ou tabela) Campos Nome Endereço Telefone Antunes, João A. R. P. António Viera, 23 720456

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Sistemas de ficheiros ext e iso9660 Programação de Sistemas Sistema de ficheiros : 1/21 Sistema de ficheiros ext (1) As estruturas de dados usadas nas partições do Unix muito diversificadas

Leia mais

Selecção de Instruções

Selecção de Instruções 1 Selecção de Instruções Compilação 2003/04 2004 Salvador Abreu 2 Resumo Objectivo: A partir da IR, Gerar código para uma arquitectura concreta máquinas CISC máquinas load/store (RISC) Ainda não resolver

Leia mais