EA722-Laboratório de Controle e Servomecanismos Notas de Aula: Prof. Paulo Valente. Introdução aos Sistemas de Controle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EA722-Laboratório de Controle e Servomecanismos Notas de Aula: Prof. Paulo Valente. Introdução aos Sistemas de Controle"

Transcrição

1 EA722-Laboratório de Controle e Servomecanismos Notas de Aula: Prof. Paulo Valente Introdução aos Sistemas de Controle Os objetivos destas notas de aula são discutir aspectos básicos relacionados ao controle de servomecanismos e evidenciar as vantagens da realimentação em implementações práticas de sistemas de controle. Representação de sistemas através de funções de transferência, sistemas em malha aberta, sistemas em malha fechada, estabilidade e sensibilidade de sistemas dinâmicos e projeto de controladores simples a partir das características da resposta ao degrau de sistemas de 2a. ordem são alguns dos principais temas tratados. 1 Funções de transferência O uso de funções de transferência é intrínseco ao estudo de sistemas dinâmicos representados na forma entrada-saída. S eja um sistema físico modelado de acordo com a equação diferencial linear a coeficientes constantes - sistema linear invariante no tempo, ouslit -deordemn, d n y(t) dt n + a n 1 d n 1 y(t) dt n a 0 y(t) = d m u(t) = c m dt m + c d m 1 u(t) m 1 dt m c 0 u(t), (1) onde u(t) representa uma entrada independente - variável de controle -ey(t) a variável objeto de estudo - variável de saída. A partir do conhecimento das condições iniciais do sistema e da entrada u(t), o comportamento de y(t) podeserdeterminado resolvendo-se (1). A transformada de Laplace pode ser usada para resolver (1), mas sua importânciaparaaárea de sistemas de controle está ligadaaoconceito de função de transferência. Tomando-se a transformada de Laplace de (1) com condições iniciais nulas obtém-se, após simplificações, (s n + a n 1 s n a 0 )Y (s) =(c m s m + c m 1 s m c 0 )U(s), onde s = σ + jω denota a frequência complexa. Define-se a razão entre a saída Y (s) e a entrada U(s) como a função de transferência do sistema modelado pela equação diferencial (1): G(s) = Y (s) U(s) = c ms m + c m 1 s m c 0 s n + a n 1 s n 1. (2) + + a 0 A função de transferência (2) encontra-se na forma expandida. Outras representações úteisemsistemasdecontrolesão a forma compacta 1

2 G(s) = Y (s) U(s) = kn(s) D(s), onde k éoganho da função e N(s) ed(s) são polinômios mônicos (coeficientes de maior grau iguais a 1), e a forma fatorada ou forma de zeros e pólos (raízes de N(s) e D(s), respectivamente) G(s) = Y (s) U(s) = k (s z 1)(s z 2 ) (s z m ) (s p 1 )(s p 2 ) (s p n ), onde z 1,z 2,...,z m e p 1,p 2,...,p n são os zeros e pólos de G(s), isto é, as raízes de N(s) ed(s), respectivamente. A função de transferência G(s) caracteriza completamente o sistema dinâmico, no sentido de que a partir de (2) pode-se chegar a (1) facilmente. A função de transferência é dependente apenas das características próprias do sistema e não da entrada ao qual está submetido. Éclaroqueasaída do sistema depende da entrada: para qualquer entrada u(t) que possua transformada de Laplace, a transformada da saída será Y (s) =G(s)U(s), e a anti-transformada de Y (s) fornecerá y(t). A partir de G(s) pode-se estudar apenas o comportamento entrada-saída do sistema. A descrição interna do sistema torna-se inacessível quando o sistema é representado pela sua função de transferência. Exemplo Circuito RLC série. O comportamento de um circuito RLC série não-autônomo é regido pelas equações diferenciais de 1a. ordem L di(t) + Ri(t)+v(t) =u(t), i(0) = i 0, dt C dv(t) = i(t), v(0) = v 0, dt onde i(t) é a corrente que circula no circuito, v(t) éatensão no capacitor e u(t) éuma fonte de tensão independente (controle) em série com o circuito (sistema). Diferenciando-se a segunda equação em relação ao tempo, pode-se evidenciar o comportamento da tensão no capacitor através da equação diferencial de 2a. ordem d 2 v(t) dt 2 + R L dv(t) dt + 1 LC v(t) = 1 u(t). (3) LC Definindo-se a saída do circuito como a tensão no capacitor, isto é, y(t) = v(t), a função de transferência do sistema na forma expandida será G(s) = Y (s) U(s) = c 0, (4) s 2 + a 1 s + a 0 onde a 0 = c 0 =1/(LC) ea 1 = R/L. Na forma compacta, k =1, N(s) =c 0 e D(s) = s 2 + a 1 s + a 0 e na forma de zeros e pólos, k = c 0,não existem zeros e os pólos são as raízes 2

3 de D(s). Observe que G(s) descreve apenas o que ocorre entre u(t) (entrada) e a tensão no capacitor (saída). A descrição interna do circuito (corrente i(t)) torna-se inacessível. Diz-se que uma função de transferência G(s) = kn(s)/d(s) é própria se o grau de N(s) é menor ou igual do que o grau de D(s), isto é, se m n. Uma função G(s) é estritamente própria se m<n. Qualquer sistema cuja saída não responda instantâneamente a uma variação na sua entrada pode ser modelado por uma função de transferência estritamente própria. Componentes elétricos presentes em alguns sistemas reagem rapidamente à entrada e podem ser modelados por funções de transferência próprias (m = n). Funções de transferência imprópias (m > n) não modelam sistemas fisicamente realizáveis. 2 Diagramas de blocos Diagramas de blocos são descrições pictóricas de funções de transferência. Um sistema dinâmico mais complexo pode ser modelado através de funções de transferência que descrevam subsistemas: a saída de um subsistema serve de entrada para outro subsistema. Com o auxílio de um diagramade blocos, pode-se visualizarrapidamente como diferentes subsistemas são interligados para representar um sistema mais geral. Exemplo Motor DC controlado por armadura. O diagrama de blocos deste sistema eletromecânico clássico (Ogata, pp. representado na figura abaixo ) é U + 1 I a T 1 k T Ls + R Js 2 + Bs S. Elétrico S. Mecânico Y =Θ E c k v s Fig 1.1: Diagrama de blocos do motor DC. A partir do diagrama da figura 1.1, sabe-se que a tensão (variável) de entrada do motor, U(s), sofre inicialmente uma queda proporcional à velocidade de rotação do motor (k v sθ(s), força contra-eletromotriz). O subsistema elétrico é composto por um circuito RL série, cuja entrada é a diferença U(s) E c (s) ecujasaída é a corrente de armadura I(s). O torque produzido é proporcional à corrente de armadura (T (s) =k T I(s)) e representa a entrada do subsistema mecânico composto por momento de inércia e atrito viscoso equivalentes (motor e carga), que por sua vez tem como saída o deslocamento angular do eixo do motor, Θ(s), definido como variável de saída do sistema eletromecânico. (Observe que a realimentação de velocidade presente no diagrama da figura 1.1 faz parte do modelo do motor e não é 3

4 utilizada para definir U(s). O conceito de realimentação em sistemas de controle está ligado à definição de U(s) a partir de medidas de variáveis presentes no sistema.) Um diagrama de blocos representa informações transmitidas num único sentido, isto é, a saída de um bloco responde às variações produzidas na sua entrada, mas variações na saídadobloconão afetam sua entrada pelo caminho inverso. Diagramas de blocos podem ser manipulados da mesma forma com que se manipulam equações algébricas. Para obter a função de transferência entre duas variáveis quaisquer do diagrama, eliminam-se sucessivamente todas as demais variáveis presentes no diagrama. As simplificações mais frequentes estão ilustradas na figura 1.2. U G 1 X Y U G 2 G 1 G 2 Y U + G 1 Y U G 1 1 ± G 1 G 2 Y G 2 Fig 1.2: Reduções de blocos em série e paralelo. Exemplo Função de transferência do motor DC. A partir das equivalências da figura 1.2, pode-se obter reduções do diagrama de blocos da figura figuras 1.3 e 1.4, a seguir - até se chegar a função de transferência do motor DC controlado por armadura. U + k T (Js 2 + Bs)(Ls + R) Y k v s Fig 1.3: Redução dos blocos em série. 4

5 U k T JLs 3 +(LB + RJ)s 2 +(RB + k v k T )s Y Fig 1.4: Função de transferência do motor DC. Observe que a função de transferência obtida não permite uma análise das variáveis internas do motor. 3 Sistemas de controle em malha fechada Sistemas dinâmicos como o representado na figura 1.1 são sistemas em malha aberta: nenhumainformação a respeito de variáveis do sistema é utilizada para definir a variável de entrada. Um sistema de controle envolve uma planta - função de transferência do sistema a controlar - representada genericamente por G p (s), e a função de transferência de um tipo especial de sistema, chamado de controlador, G c (s), geralmente implementado através de componentes eletrônicos. Um sistema de controle envolve também a definição da arquitetura de controle, isto é, da maneira como controlador e planta estão interligados. Na maioria das aplicações de sistemas de controle, o controlador está em série com a planta, na forma indicada na figura 1.5. R U Y G c (s) G p (s) Fig 1.5: Conecção série do controlador. Na conecção série, a saída do controlador G c (s)éaentradadaplantag p (s). Na figura 1.5, R(s) representa a transformada de Laplace de uma entrada de referência (degrau, rampa, parábola, senóide,... ). Deve-se então projetar um controlador, isto é, obter a função de transferência G c (s) de forma que, por exemplo, a saída Y (s) siga a referência especificada. Ao se formular o problema desta maneira, explicíta-se que o objetivo do sistema de controle é obter um comportamento servo da saída da planta em relação à entrada de referência. O termo servomecanismo deriva desta propriedade. Exemplo Controle de temperatura. A relação entre a temperatura de um fluído que circula num tanque para aquecimento termicamente isolado e a taxa de calor fornecida ao tanque através de um sistema de aquecimento pode ser modelada pela função de transferência de primeira ordem (Ogata, pp ) 5

6 G p (s) = Y (s) U(s) = k (τs+1), (o C/kcal/seg) onde k e τ são o ganho e a constante de tempo do sistema, que dependem das dimensões físicas do tanque e de propriedades térmicas do fluído.a resposta do sistema a um degrau unitário é Y (s) = k 1 (τs+1) s, e o valor de regime da temperatura do tanque obtida através do Teorema do Valor Final (Ogata, p. 29) é y( ) = lim t y(t) = lim s 0 sy (s) =k. ( o C) A resposta temporal típica da saída do sistema é ilustrada na figura 1.6 (curva tracejada). y(t) T r k 0 t Fig 1.6: Resposta ao degrau do tanque. Suponha que se deseja operar o tanque a uma temperatura final T r. A forma mais simples para conseguir y( ) =T r éprojetarumcontrolador proporcional G c (s) =k p, onde k p éoganho proporcional do controlador, em série com G p (s), para fazer com que a saída da planta siga o degrau R(s) =T r /s. Asaída da planta será Y (s) =G c (s)g p (s)r(s) = k pk T r (τs+1) s, e y( ) =T r se k p =1/k. A resposta obtida com o controlador proporcional seria como representada pela curva cheia da figura 1.6. O procedimento adotado no exemplo anterior para obter o comportamento servo da planta pode ser estendido da seguinte forma: determina-se G c (s) tal que a função de transferência entre Y (s) e R(s) possua ganho DC (isto é, ganho em s = 0) unitário.nocasodaconecção em série da figura 1.5, G c (0)G p (0) = 1. A estrutura de controle descrita na figura 1.5 é do tipo malha aberta. A entrada de controle é obtida sem medidas da saída da planta, embora em geral dependa do modelo da planta. No Exemplo 1.4, o ganho do controlador depende do ganho da 6

7 planta (k p =1/k), e um dos problemas com estruturas em malha aberta fica bem caracterizado: se por alguma razão ocorrerem variações em parâmetros do tanque (planta) gerando um ganho k diferente de k, então k p k =(1/k)k 1,easaída não mais seguirá a entrada. Este e vários outros problemas ligados ao estudo de sistemas de controle podem ser contornados através da realimentação da variável de saída - sistema em malha fechada - representada na figura 1.7 a seguir. R + E U Y G c (s) G p (s) Fig 1.7: Sistema em malha fechada. Na figura 1.7 adota-se uma realimentação unitária da variável de saída. Representações mais detalhadas podem incluir a função de transferência de um sensor paraavariável de saída. Como sensores são normalmente construídos com componentes eletrônicos, a ausência de elementos dinâmicos na realimentação pode ser justificada em muitas situações práticas. De acordo com a figura 1.7, a entrada da planta (saída do controlador) é função do erro entre a referência a saída da planta: U(s) =G c (s)e(s) =G c (s)(r(s) Y (s)). Esta propriedade possui implicações importantes. 4 Efeitos da realimentação Existem inúmeras vantagens no emprego de sistemas de controle realimentados. As principais são: 1. Redução de sensibilidade aos parâmetros da planta; 2. Redução de sensibilidade a perturbações na saída; 3. Controle da largura de banda do sistema; 4. Estabilização de sistemas instáveis; 5. Controle da resposta temporal do sistema. 4.1 Redução de sensibilidade aos parâmetros da planta Para efeito de exposição, considere as implementações em malha aberta e malha fechada das figuras 1.5 e 1.7. Por questões de simplicidade, suponha que G c (s) e G p (s) são relativamente independentes da frequência e podem ser aproximados por ganhos positivos. Para estabelecer uma analogia com o caso geral (dependente da frequência), os ganhos serão representados por G c e G p, respectivamente. As funções de transferência em malha aberta e em malha fechada são 7

8 G a (s) =G c (s)g p (s) =G c G p = G a G f (s) = G c(s)g p (s) 1+G c (s)g p (s) = G cg p 1+G c G p = G f AquantidadeG f representa o ganho de malha fechada do sistema. Assuma que o ganho do controlador assume valores grandes. Neste caso, ecomog c é muito grande, G f = G p (1/G c )+G p, G f 1, e o ganho de malha fechada torna-se insensível aos parâmetros da planta (no limite, à planta!). Para reduzir sensibilidade àvariação de parâmetros em malha fechada, deve-se escolher um ganho para o controlador tal que G p (1/G c )oug c G p 1. AquantidadeG c G p é chamada de ganho de malha do sistema. Pode-se chegar à mesma conclusão acima através do conceito de função de sensibilidade. A função de sensibilidade entre quantidades quaisquer Q e α presentes no sistema é definida em termos percentuais como S Q α %variação em Q = %variação em α = dq/q dα/α = α dq Q dα. Se Q = G a (ganho de malha aberta) e α = G p,então S Ga G p = G p G a dg a dg p = 1 G c G c =1, e a sensibilidade do sistema em malha aberta a pequenas variações na planta é máxima e independe do controlador utilizado. Para o sistema em malha fechada, S G f G p = G p G f dg f dg p = 1 1+G c G p. A sensibilidade em malha fechada é menor do que em malha aberta e pode ser reduzida aumentando-se o ganho de malha G c G p. Os resultados e as conclusões desta subseção são válidos no caso mais geral de funções dependentes da frequência. Em particular, a sensibilidade do sistema em malha fechada em relação à planta é dada por S G f (s) G p(s) = 1 1+G c (s)g p (s). Aquantidade1+G c (s)g p (s)é chamada de diferênça de retorno. A sensibilidade do sistema àplantaé minimizada sempre que G c (s)fortalque 1+G c (s)g p (s) 1. 8

9 4.2 Redução de sensibilidade a perturbações na saída Uma segunda vantagem do emprego de sistemas realimentados é a possibilidade de se reduzir a sensibilidade do sistema àdistúrbios que possam atingir a saída. Um exemplo típico é o controle de posição de uma antena. Rajadas de ventos podem perturbar a posição da antena e neste caso o sistema de controle deve ser capaz de minimizar os efeitos das perturbações e restaurar sua posição original. A situação é representada no diagrama de blocos da figura 1.8. R + + E U Y G c (s) G p (s) + P Fig 1.8: Saídasujeitaaperturbações. Na figura 1.8, P (s) representa a transformada de Laplace da perturbação que atinge a saída do sistema. Assuma que um controlador G c (s) foi inicialmente projetado para fornecer o comportamento servo desejado. O controlador G c (s) deve também garantir o comportamento regulador do sistema: em regime, o controlador deve ser capaz de eliminar qualquer desvio da saída em relação àsuaposição de referência. O princípio da superposição pode ser utilizado para expressar Y (s) em termos das entradas independentes R(s) ep (s). Fazendo-se inicialmente P (s) = 0, obtém-se a função de transferência G ry (s), de R(s) paray (s). Em seguida, fazendose R(s) = 0, obtém-se a função de transferência G py (s), de P (s) paray (s), a partir do diagrama de blocos equivalente apresentado na figura 1.9. P + Y G c (s)g p (s) Fig 1.9: Função de transferência G py (s). A saída pode ser expressa então como Y (s) = G ry (s)r(s)+g py (s)p (s) 9

10 = G c (s)g p (s) 1+G c (s)g p (s) R(s)+ 1 1+G c (s)g p (s) P (s), e para que a influência da perturbação P (s) sobre a saída seja pequena, deve-se projetar G c (s) para garantir 1+G c (s)g p (s) 1nafaixadefrequências da perturbação P (s). 4.3 Controle da largura de banda A largura de banda ( bandwidth ) de um sistema é definida em termos da resposta do sistema a entradas senoidais. Assume-se que a curva de magnitude do sistema considerado apresenta valores maiores em frequências mais baixas e valores decrescentes a medida que a frequência aumenta, características de um sistema passa-baixas. Largura de banda é definida como a frequência na qual o valor da curva de magnitude do sistema vale 1/ (cerca de -3 db) do valor assumido em frequências muito baixas (valor DC). Exemplo Sistema de primeira ordem. Considere o sistema em malha fechada da figura 1.7, e assuma que G p (s) = 1 s +1, e que o controlador é do tipo proporcional: G c (s) =k p. A magnitude da planta na frequência s = jω = j1 é G p (j1) = 1 j1+1 = 1 2. Como G p (j1) vale 1/ 2 do valor G p (j0) = 1, a largura de banda da planta é ω bw =1 rd/seg, isto é, a planta responde adequadamente às componentes da entrada com frequências de até 1 rd/seg. A função de malha fechada é G f (s) = G c(s)g p (s) 1+G c (s)g p (s) = k p s +(1+k p ). Em s = j0, tem-se G f (j0) = k p /(1 + k p )eems = j(1 + k p ), a magnitude de G f (s) vale G f (j(1 + k p )) = k p j(1 + k p )+(1+k p ) = k p (1 + k p ) 2. A magnitude em ω =(1+k p )vale1/ 2 do valor DC. Observe que a largura de banda do sistema em malha fechada, ω bw =(1+k p ) rd/seg, pode ser controlada através do ganho k p. A largura de banda aumenta com o aumento do ganho do controlador, o que permite ao sistema em malha fechada responder a frequências mais elevadas em relação ao sistema em malha aberta. Maior largura de banda se traduz em menor tempo de resposta do sistema à entrada, em geral. Entretanto, a realimentação tende a reduzir o ganho DC do sistema (no Exemplo 1.5, de 1 para k p /(1 + k p )), o que pode comprometer outros objetivos envolvidos no projeto do controlador. 10

11 4.4 Estabilização de sistemas instáveis Um dos principais usos da realimentação é a estabilização de sistemas instáveis. O uso da realimentaçãopara estabilizarum sistemainstável éprioritário, no sentido de que todas as demais especificações para o sistema, como rastreamento da referência, baixa sensibilidade àvariação de parâmetros e largura de banda, devem ser atingidas através de um controlador que estabilize o sistema em malha fechada. Em geral, dada uma planta instável G p (s), existem infinitos controladores G c (s) quea estabilizam, mas a estrutura de G c (s) (por exemplo, um controlador proporcional) e as características de G p (s) podemimporsérias limitações às demais especificações. O conceito de estabilidade para sistemas representados através de funções de transferência está associado à característica entrada-saída da representação: um sistema é bibo-estável (do inglês, bounded input-bounded output ) se para qualquer entrada limitada (isto é, se u(t) u max, t 0), a saída do sistema também é limitada (y(t) y max, t 0). Do estudo de estabilidade ligado à representação entrada-saída, sabe-se que um sistema G(s) ébibo-estável se e somente se todos os pólos de G(s) possuem partes reais estritamente negativas. O critério de Routh-Hurwitz para se determinar onúmero de raízes de um polinômio (por exemplo, o denominador de G(s)) com partes reais maiores ou iguais a zero é tradicionalmente adotado como critério de estabilidade. Exemplo Duplo integrador. Muitos sistemas dinâmicos de 2a. ordem com baixo amortecimento podem ser modelados como duplos integradores: G p (s) = k s 2, onde k é um ganho associado ao sistema. Os pólos de G p (s) são p 1 = p 2 =0,ecomoaparte real dos pólos énula,g p (s) não ébibo-estável. De fato, para uma entrada limitada do tipo degrau unitário (u(t) 1, t 0), a saída do sistema seria parabólica, como ilustrado na figura 1.10 (k =1). u x y t t t U 1 s X 1 s Y Fig 1.10: Resposta ao degrau do duplo integrador. Um controlador proporcional não é capaz de estabilizar este tipo de planta, pois com G c (s) =k p,ospólos do sistema em malha fechada G f (s) = k pk s 2 + k p k 11

12 seriam p 1 =+j k p k e p 2 = j k p k, exibindo partes reais nulas para qualquer valor de k p. Como a instabilidade está ligada à falta de amortecimento da planta, pode-se pensar em introduzir amortecimento aos pólos de malha fechada através do controlador. Suponha que G c (s) =k p + k d s, onde k d éoganho derivativo do controlador. O sistema em malha fechada G f (s) = (k p + k d s)k s 2 + kk d s + kk p será estável se k p > 0ek d > 0, pois neste caso os pólos de malha fechada terão partes reais estritamente negativas. 4.5 Controle da resposta temporal Para efeito de exposição, considere o problema de se controlar a posição angular de uma carga através de um motor DC (Exemplo 1.2). Assume-se que a indutância de armadura (L) pode ser desprezada, o que permite representar a parte elétrica do motor através de um ganho e o modelo do motor por uma função de transferência de 2a. ordem. O sistema de controle (proporcional) em malha fechada é ilustrado na figura R + E k p k m s(js + B e ) Y Fig 1.11: Sistema de controle em malha fechada. Na figura 1.11, J e B e = B+k v k T /R são, respectivamente, o momento de inércia e o coeficiente de atrito viscoso equivalentes do conjunto motor-carga, k m = k T /R é o ganho equivalente do motor e k p é o ganho proporcional. A função de transferência de malha fechada é G f (s) = onde k = k p k m. A forma fatorada de G f (s) é k Js 2 + B e s + k, G f (s) = (k/j) [ s +(B e /2J)+ ][ (B e /2J) 2 (k/j) s +(B e /2J) ]. (B e /2J) 2 (k/j) Os pólos de malha fechada serão complexos se B e 4Jk < 0ereaisdeB e 4Jk 0. Em estudos de resposta temporal é comum convencionar que σ = ξω n = B e 2J, ω2 n = k J, 12

13 onde σ éaatenuação, ω n éafrequência natural não-amortecida e ξ éofator de amortecimento dos pólos de malha fechada. Observe que ξ pode ser expresso como ξ = B e 2 Jk. Note ainda que ξ e ω n são funções dos parâmetros do motor e do ganho proporcional k p (k = k p k m ). O fator de amortecimento é diretamente proporcional ao amortecimento natural do motor e inversamente proporcional àinércia e ao ganho; a frequência natural é diretamente proporcional ao ganho e inversamente proporcional àinércia. A função de transferência G f (s) emtermosdeξ e ω n é G f (s) = ω 2 n s 2 +2ξω n s + ωn 2. O comportamento dinâmico de qualquer sistema de 2a. ordem pode ser descrito em termos dos parâmetros ξ e ω n. S e 0 < ξ < 1, os pólos de malha fechada são complexos conjulgados e situam-se no semi-plano esquerdo do plano complexo s. Diz-se que este tipo de sistema é sub-amortecido e a sua resposta transitória é oscilatória. Se ξ 1, os pólos são reais e o sistema não oscila, sendo então classificado como criticamente amortecido se ξ = 1 e sobre-amortecido se ξ > 1. A resposta de um sistema de 2a. ordem a uma entrada degrau unitário varia de acordo com o valor de ξ. Os três casos discutidos estão ilustrados na figura y(t) (a) (b) (c) (a) 0 <ξ<1 (b) ξ =1 (c) ξ>1 0 t Fig 1.12: Respostas transitórias em função de ξ. No caso mais geral, os pólos de malha fechada serão complexos conjulgados. A função de transferência é expressa como G f (s) = = ω 2 n s 2 +2ξω n s + ωn 2, ω 2 n (s + ξω n + jω d )(s + ξω n jω d ), onde ω d = ω n 1 ξ2 é chamada de frequência de oscilação forçada. entrada degrau unitário, Para uma 13

14 Y (s) = ω 2 n s(s 2 +2ξω n s + ω 2 n). A anti-transformada de Laplace de Y (s) fornece o comportamento temporal da saída do sistema para a entrada degrau unitário: y(t) =L 1 [Y (s)] = 1 e ξωnt (cos ω d t + ) ξ sin ω 1 ξ 2 dt, ( ) = 1 e ξωnt 1 ξ sin ω 1 ξ 2 d t +tan 1 2, t 0. ξ Observe que a resposta y(t) é parcialmente determinada pelo ganho do controlador (pois ξ e ω são funções de k p ). No projeto de controladores, a saída y(t) é um dado do problema, isto é,apartirdarespostadesejadaparaasaídadosistema à uma entrada de referência, procura-se determinar um controlador que a produza. Existem especificações de desempenho consolidadas para caracterizar a resposta de sistemas dinãmicos. As especificações de desempenho referem-se às resposta transitória (t < ) eemregime(t = ) dosistema Resposta transitória Em muitas aplicações, as características desejadas para a saída da planta são definidas através de quantidades relacionadas à resposta do sistema de controle ao degrau unitário. Entradas do tipo degrau são fáceis de gerar e fornecem informações importantes sobre o sistema. Assume-se que o sistema está inicialmente em repouso (a saída e todas as suas derivadas são nulas), de tal forma que seja possível comparar respostas de diferentes sistemas. Algumas especificações bastante comuns no domínio do tempo são: y(t) 1 M p t r t p t s t Fig 1.13: Especificações sobre a resposta ao degrau. Tempo de subida, t r : tempo necessário para que a resposta vá de 10% a 90%, de 5% a 95% ou de 0% a 100% do seu valor final. Para sistemas sub-amortecidos, 14

15 costuma-se usar o critério de 0% a 100%. Para sistemas sobre-amortecidos, o critério de 10% a 90% é mais comum; Tempo de pico, t p : tempo necessário para que a resposta alcance o primeiro pico de sobre-elevação; Máxima sobre-elevação, M p : máximo valor percentual da resposta medida a partir da unidade. Se o valor de regime da resposta difere da unidade, usa-se o percentual de máxima sobre-elevação, definido como y(t p ) y( ) y( ) 100%; Tempo de estabelecimento, t s : tempo necessário para que a resposta alcance e permaneça dentro de uma faixa definida em termos de percentual do valor de regime (normalmente2% ou5%). O tempo deestabelecimento está relacionado com a maior constante de tempo do sistema. Exceto em certas aplicações (por exemplo, robótica) em que oscilações não podem ser toleradas, pode-se trabalhar com respostas sub-amortecidas, desde que a resposta transitória do sistema seja suficientemente rápida e amortecida. Isso implica em fatores de amortecimento na faixa de 0.4 a 0.8: valores menores do que 0.4 provocam sobre-elevações excessivas, enquanto que valores maiores do que 0.8 tornam o sistema muito lento. Um sistema de 2a. ordem com ξ entre0.5e0.8 chega próximo ao valor de regime mais rapidamente do que sistemas criticamente amortecidos e sobre-amortecidos. Dentre os sistemas que respondem sem oscilações, sistemas criticamente amortecidos são os que respondem mais rápido. Para sistemas de 2a. ordem, as especificações acima podem ser caracterizadas em termos de ξ e ω n. As expressões a seguir são obtidas aplicando-se as definições correspondentes à resposta sub-amortecida ( ) y(t) =1 e ξωnt 1 ξ sin ω 1 ξ 2 d t +tan 1 2, t 0 ξ do sistema de 2a. ordem. Tempo de subida: o tempo de subida é caracterizado pelo menor valor de t tal que y(t) =1. Obtém-se t r = π β ω d, onde β éoângulo em radianos definido na figura 1.14; 15

16 jω jω d ω n 1 ξ 2 β ω n σ 0 σ ξω n Fig 1.14: Especificação dos pólos através de ξ e ω n. Tempo de pico: o tempo de pico é encontrado tomando-se o menor valor de t que satisfaz a equação algébrica ẏ(t) = 0 (pontos de derivada nula). Obtém-se t p = π ω d, isto é, meio ciclo da frequência de oscilação forçada; Máxima sobre-elevação: amáxima sobre-elevação ocorre no tempo t = t p = π/ω d eé dada por M p = [y(t p ) 1] 100% = e (σ/ωd)π 100% = e (ξπ/ 1 ξ 2) 100% Note que a sobre-elevação máxima só depende do fator de amortecimento ξ; Tempo de estabelecimento: as curvas 1 ± (e ξωnt / 1 ξ 2 )são as envoltórias da resposta transitória do sistema de 2a. ordem para uma entrada degrau unitário. O tempo de estabelecimento correspondente a 2% ou 5% pode ser caracterizado em termos da constante de tempo T =1/ξω n das envoltórias. É comum definir-se t s =4T = 4 critério 2%, ξω n ou t s =3T = 3 critério 5%. ξω n Como ξ é normalmente determinado através da especificação de sobre-elevação máxima, o tempo de estabelecimento é uma função direta da frequência natural ω n. Em outras palavras, a duração da resposta transitória pode ser ajustada sem afetar a máxima sobre-elevação do sistema. 16

17 4.5.2 Resposta em regime O desempenho de um sistema de controle também é medido pela sua capacidade de seguir degraus, rampas, parábolas,... Referências mais gerais podem ser vistas como combinações destas referências mais simples. Nenhum sistema físico pode passar a seguir instantâneamente uma dada referência; o máximo que se pode esperar do sistema de controle e que seja capaz de seguir a referência desejada em regime ou em estado estacionário. Para medir a abilidade do sistema de controle neste aspecto, utiliza-se o conceito de erro de regime. O erro de regime entre a uma dada referência e a saídadosistemaé e ss = lim se(s) s 0 = lim s(r(s) Y (s)) s 0 = lim sr(s)(1 G f (s)) s 0 = lim s 0 sr(s) 1+G c (s)g p (s). (pois Y (s) =G f (s)r(s)) O erro de regime dependerá do tipo de referência e, fundamentalmente, do tipo da função G(s) =G c (s)g p (s) envolvida na malha de controle. O tipo de G(s) é igual ao número de pólos de G(s) na origem. S e a entrada é do tipo degrau unitário (R(s) = 1/s) e o tipo de G(s) é zero, então o erro de regime é e ss = 1 1+G(0). Em malha aberta, Y (s) =G(s)R(s) eseg(0) = 1, a saídasegueaentrada com erro de regime nulo. Ao se fechar a malha de controle, o erro passa a valer e ss =0.5, e neste caso a realimentação introduz erro de regime. Entretanto, se o tipo de G(s) for maior ou igual a 1, então G(0) = e o erro de regime será infinito em malha aberta e nulo em malha fechada. Assim, caso a planta G p (s) não possua pólos na origem e se deseje seguir um degrau com erro nulo, a solução é utilizar um controlador G c (s) comação integral, ou seja, com um pólo na origem. Raciocínio análogo pode ser feito para analisar erros de regime devidos aos demais tipos de entradas. Para se obter erros de regime nulos em malha fechada, o tipo de G(s) deve ser pelo menos igual ao tipo da entrada R(s). 5 Sistemas com dois graus de liberdade O sistema de controle em malha fechada da figura 1.7 é conhecido como sistema de controle com um grau de liberdade (1-DOF), porque fixada qualquer função de transferência presente no diagrama, todas as demais podem ser obtidas a partir da função fixada, mais G c (s) eg p (s). Além disso, todas as funções de transferência terão 1 + G c (s)g p (s) (a diferença de retorno) como denominador comum. Grande parte das dificuldades enfrentadas ao se projetar controladores para sistemas do tipo 1-DOF advêm desta propriedade, pois certas especificações de projeto exigem aumento do ganho de malha G c (s)g p (s), enquanto que outras exigem sua redução. 17

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE II

SISTEMAS DE CONTROLE II SISTEMAS DE CONTROLE II - Algumas situações com desempenho problemático 1) Resposta muito oscilatória 2) Resposta muito lenta 3) Resposta com erro em regime permanente 4) Resposta pouco robusta a perturbações

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Eng a Elétrica & Computação Departamento de Telemática

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Eng a Elétrica & Computação Departamento de Telemática 1 Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Eng a Elétrica & Computação Departamento de Telemática NOTAS DE AULAS DE EA721 PRINCÍPIOS DE CONTROLE & SERVOMECANISMOS Paulo Augusto Valente Ferreira Fevereiro

Leia mais

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. Erro em estado estacionário de sistemas de controle realimentados 2. Erro em estado estacionário de sistemas com realimentação não-unitária 3. Índice de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. ELÉTRICA CADERNO DIDÁTICO DE SISTEMAS DE CONTROLE 1 ELABORAÇÃO:

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO

PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO JOSÉ C. GEROMEL e RUBENS H. KOROGUI DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

AULA #12. Estabilidade de Sistemas de Controle por

AULA #12. Estabilidade de Sistemas de Controle por AULA #12 Estabilidade de Sistemas de Controle por Realimentação Estabilidade de Sistemas de Controle por Realimentação A presença de medidores, controladores e elementos finais de controle afetam as características

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I

LABORATÓRIO DE CONTROLE I UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 1: ESTUDO DE FUNÇÕES DE TRANSFERÊNCIA E ANÁLISE DE RESPOSTA TRANSITÓRIA COLEGIADO DE

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello 1 O que são sistemas de controle Um sistema de controle é um conjunto de componentes organizados de forma a conseguir a resposta desejada

Leia mais

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS JOSÉ C. GEROMEL DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br Campinas, Janeiro de 2007

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO Sumário I Controle Contínuo Introdução 3. Sistemas de Controle

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO Sumário I Controle Contínuo Introdução 3. Sistemas de Controle

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

Cálculo da resposta no domínio do tempo: o papel dos pólos e zeros

Cálculo da resposta no domínio do tempo: o papel dos pólos e zeros Capítulo Cálculo da resposta no domínio do tempo: o papel dos pólos e zeros. Introdução O cálculo da resposta no domínio do tempoy(t) de um sistemag(t) pode ser calculado através da integral de convolução:

Leia mais

Estabilidade no Domínio da Freqüência

Estabilidade no Domínio da Freqüência Estabilidade no Domínio da Freqüência Introdução; Mapeamento de Contornos no Plano s; Critério de Nyquist; Estabilidade Relativa; Critério de Desempenho no Domínio do Tempo Especificado no Domínio da Freqüência;

Leia mais

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA.

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Aulas anteriores Tipos de Sinais (degrau, rampa, exponencial, contínuos, discretos) Transformadas de Fourier e suas

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Sistemas de Controle com

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace. Região de convergência. Propriedades da transformada de aplace. Sistemas caracterizados

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE CONTROLADORES A SISTEMAS DE 1ªORDEM E 2º ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE CONTROLADORES A SISTEMAS DE 1ªORDEM E 2º ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 3: APLICAÇÃO DE CONTROLADORES A SISTEMAS DE 1ªORDEM E 2º ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Estabilidade Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Já vimos que existem três requisitos fundamentais para projetar um sistema de controle: Resposta Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário Estabilidade

Leia mais

Identificação e Controle Adaptativo

Identificação e Controle Adaptativo Identificação e Controle Adaptativo Prof. Antonio A. R. Coelho 1 Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC Grupo de Pesquisa em Tecnologias de Controle Aplicado, GPqTCA Departamento de Automação e Sistemas,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO CONTROLO DIGITAL MATERIAL DE APOIO ÀS AULAS Eng. João Paulo Coelho 005/006 006 JOÃO PAULO COELHO ESTE DOCUMENTO DESTINA-SE, PRIMARIAMENTE,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial

Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial Introdução Estrutura do Controlador PID Efeito da Ação Proporcional Efeito da Ação Integral Efeito da Ação Derivativa Sintonia de Controladores

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Sistema de excitação

Sistema de excitação Sistema de excitação Introdução Introdução A função do sistema de excitação é estabelecer a tensão interna do gerador síncrono; Em consequência,o sistema de excitação é responsável não somente pela tensão

Leia mais

² Servomecanismo: Sistema de controle realimentado para controle automático de posição, velocidade ou aceleração. Muito empregado na indústria.

² Servomecanismo: Sistema de controle realimentado para controle automático de posição, velocidade ou aceleração. Muito empregado na indústria. 1. Introdução 1.1. De nições Básicas ² Sistema: Interconexão de dispositivos e elementos para cumprir um objetivo desejado. ² Processo: Um sistema ou dispositivo a ser controlado. ² Sistema de controle:

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO

PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO PRINCÍPIOS DE CONTROLE E SERVOMECANISMO JOSÉ C. GEROMEL e RUBENS H. KOROGUI DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br

Leia mais

2 - Modelos em Controlo por Computador

2 - Modelos em Controlo por Computador Modelação, Identificação e Controlo Digital 2-Modelos em Controlo por Computador 1 2 - Modelos em Controlo por Computador Objectivo: Introduzir a classe de modelos digitais que são empregues nesta disciplina

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Automação Industrial

Automação Industrial Automação Industrial Unidade 2 Respostas de um Sistema de Controle Prof. Rodrigo Cardoso Fuentes diretor.ctism@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame beltrame@mail.ufsm.br Objetivos da Aula 1. Definir

Leia mais

5. Diagramas de blocos

5. Diagramas de blocos 5. Diagramas de blocos Um sistema de controlo pode ser constituído por vários componentes. O diagrama de blocos é uma representação por meio de símbolos das funções desempenhadas por cada componente e

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

Análise de Erro Estacionário

Análise de Erro Estacionário Análise de Erro Estacionário Sistema de controle pode apresentar erro estacionário devido a certos tipos de entrada. Um sistema pode não apresentar erro estacionário a uma determinada entrada, mas apresentar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Circuitos Elétricos III

Circuitos Elétricos III Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais A Transformada de Laplace em análise de circuitos parte 2 Equivalente

Leia mais

Análise de Circuitos Elétricos III

Análise de Circuitos Elétricos III Análise de Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais Introdução à Transformada de Laplace A Transformada

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara Equações Diferenciais Ordinárias Modelagem de Sistemas Dinâmicos Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle

Leia mais

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência Prof. Pedro L. D. Peres Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre 2013 Resposta em Frequência

Leia mais

Controlo Em Espaço de Estados. Exame

Controlo Em Espaço de Estados. Exame Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo Em Espaço de Estados 4/5 Eame 9 de Junho de 5, 5h horas salas F, F Duração horas Não é permitida consulta nem uso de calculadoras

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Engenharia de Controle

Engenharia de Controle Engenharia de Controle Prof. Fernando de Oliveira Souza Contato: Sala 2523 (BLOCO 1) e-mail: fosouza@cpdee.ufmg.br www.cpdee.ufmg.br/ fosouza Terças-feiras (20h55 às 22h35) e Sextas-feiras (19h00 às 20h40)

Leia mais

Transformada de Laplace. Parte 3

Transformada de Laplace. Parte 3 Transformada de Laplace Parte 3 Elementos de circuito no domínio da frequência O resistor no domínio da frequência Pela lei de OHM : v= Ri A transformada da equação acima é V(s) = R I(s) O indutor no domínio

Leia mais

p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem

p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem Introdução Os primeiros filtros construídos eram circuitos LC passivos.

Leia mais

Razão de Rejeição a Fonte de Potência (PSRR)

Razão de Rejeição a Fonte de Potência (PSRR) 215 Outra unidade que expressa de forma direta o efeito da CMRR. Pode ser obtida observando que a tensão de offset V CM é expressa por: V CM = V C. 1/CMRR = V C.CMRR -1 Agora como CMRR -1 expressa-lo em

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Baseado no trabalho Controlo de Velocidade de um motor DC de E. Morgado, F. Garcia e J. Gaspar João Miguel Raposo Sanches 1 o

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 4: ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas

Leia mais

Projeto de sistemas de controle

Projeto de sistemas de controle Projeto de sistemas de controle Os controladores clássicos encontrados na literatura podem ser classificados como: Controladores de duas posições (ou on-off). Controladores proporcionais. Controladores

Leia mais

Modelo Matemático e Controle de um Robô Móvel. 2.1. Modelo do motor que aciona cada roda do robô

Modelo Matemático e Controle de um Robô Móvel. 2.1. Modelo do motor que aciona cada roda do robô 1. Introdução Modelo Matemático e Controle de um Robô Móvel Nesta aula serão apresentadas leis de controle que permitem a um robô móvel nãoholonômico navegar de maneira coordenada desde uma localização

Leia mais

Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle

Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle Laboratórios 9, 10 e 11: Projeto de Controladores pelo Lugar das Raízes DAS5317 Sistemas de Controle Hector Bessa Silveira e Daniel Coutinho 2012/2 1 Objetivos Neste próximos laboratórios, utilizar-se-á

Leia mais

CAP. 5 FILTROS ATIVOS TE 054 CIRCUITOS ELETRÔNICOS LINEARES

CAP. 5 FILTROS ATIVOS TE 054 CIRCUITOS ELETRÔNICOS LINEARES CAP. 5 FILTROS ATIVOS 5.1 CONCEITOS BÁSICOS Filtros são circuitos lineares projetados para deixar passar determinadas frequências e atenuar outras São baseados em elementos reativos (C e L) Podem ser passivos

Leia mais

Introdução AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. No domínio do tempo. No domínio da freqüência. Função de transferência. Módulo e fase da função de transferência

Introdução AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. No domínio do tempo. No domínio da freqüência. Função de transferência. Módulo e fase da função de transferência AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Introdução Introdução Análise no domínio do tempo Resposta ao degrau Resposta à rampa Aula anterior Resposta à parábola Análise no domínio da freqüência Diagramas de Bode Diagrama

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s MICROMASTER MM4 Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline USANDO O CONTROLE DE MALHA FECHADA NO MM4 O que é controle de malha fechada

Leia mais

CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR

CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTOR CC E TACO-GERADOR Arthur Rosa, Everton Adriano Mombach e Rafael Bregalda. Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Chapecó Santa Catarina Brasil Curso Superior de Engenharia

Leia mais

Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada.

Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada. 1 Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada. Fig.01 Sistema de controle manual para regular o nível de fluído em um reservatório.

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

Filtros Digitais. Filipe Medeiros de Almeida f.almeida87@gmail.com

Filtros Digitais. Filipe Medeiros de Almeida f.almeida87@gmail.com Filtros Digitais Filipe Medeiros de Almeida f.almeida87@gmail.com Resumo: Este documento apresenta um comparativo entre a performance de filtros analógicos e digitais, utilizando e a ferramenta Fdatool

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE CONTROLADORES ELETRÔNICOS BÁSICOS VIA AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE CONTROLADORES ELETRÔNICOS BÁSICOS VIA AMPLIFICADORES OPERACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 2: ESTUDO DE CONTROLADORES ELETRÔNICOS BÁSICOS VIA AMPLIFICADORES OPERACIONAIS COLEGIADO

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA

CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA 1 CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA Simulação de chaves utilizando a função degrau a) Fonte de tensão que entra em operação em t = 0 Substituindo a chave

Leia mais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais Controle II Estudo e sintonia de controladores industriais Introdução A introdução de controladores visa modificar o comportamento de um dado sistema, o objetivo é, normalmente, fazer com que a resposta

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos

Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos 1 01 Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos O estudo de sistemas dinâmicos envolve a modelagem matemática, a análise e a simulação de sistemas físicos de

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Circuitos Elétricos III

Circuitos Elétricos III Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais A Transformada de Laplace em análise de circuitos parte 1 A resistência

Leia mais

Sessão Prática: Simulação e Controle com LabVIEW

Sessão Prática: Simulação e Controle com LabVIEW Sessão Prática: Simulação e Controle com LabVIEW 1 Visão geral Este tutorial mostra as características dos controles proporcional (P), integral (I) e derivativo (D), e como utilizálos para obter a resposta

Leia mais

Aula 2. Carlos Amaral Fonte: Cristiano Quevedo Andrea

Aula 2. Carlos Amaral Fonte: Cristiano Quevedo Andrea Aula 2 Carlos Amaral Fonte: Cristiano Quevedo Andrea UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Agosto de 2011. Resumo Terminologias 1

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

AEC PARTE 02: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE CONTROLE

AEC PARTE 02: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE CONTROLE AEC PARTE 02: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE CONTROLE 2.1 INTRODUÇÃO O controle automático tem desempenhado um papel fundamental no avanço da engenharia e da ciência. Alem da extrema importância em sistemas

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2005/2006. Controlo de velocidade de um motor D.C.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2005/2006. Controlo de velocidade de um motor D.C. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo 2005/2006 Controlo de velocidade de um motor D.C. Elaborado por E. Morgado 1 e F. M. Garcia 2 Reformulado

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Circuitos Elétricos Circuitos de Segunda Ordem Parte 1

Circuitos Elétricos Circuitos de Segunda Ordem Parte 1 Circuitos Elétricos Circuitos de Segunda Ordem Parte 1 Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Circuitos que contem dois elementos armazenadores

Leia mais

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287 1 2 Apresentação da disciplina 4 Módulo I 6-83 Módulo II 85-164 Módulo III 167-217 Módulo IV 220 259 Módulo V 261 a 272 Módulo VI 273 a 287 Módulo VII 290 a 312 Módulo VIII 314 a 329 3 Caro aluno, A disciplina

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Controle de um Pêndulo Invertido

Controle de um Pêndulo Invertido Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia Departamento de Eletrônica e Telecomunicações Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Disciplina: Sistemas Lineares Professor:

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

Aula 13 Análise no domínio da frequência

Aula 13 Análise no domínio da frequência Aula 13 Análise no domínio da frequência A resposta em frequência é a resposta do sistema em estado estacionário (ou em regime permanente) quando a entrada do sistema é sinusoidal. Métodos de análise de

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP cassiano@ieee.org 1 Operação como PFP Como a freqüência de comutação do interruptor S é muito maior que a freqüência

Leia mais

Circuitos Osciladores

Circuitos Osciladores Circuitos Osciladores Em virtude da realimentação do sinal, a estabilidade do circuito deve ser analisada pois quando a freqüência aumenta, o deslocamento de fase varia e como parte deste sinal é adicionado

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS custo Diagrama de Bode Outros Processos de Separação Prof a Ninoska Bojorge 5.A. Traçado das Assíntotas Traçado

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

. = Ky. Ajuda: usar o fator integrante µ ( y ) = y.

. = Ky. Ajuda: usar o fator integrante µ ( y ) = y. 1-As Linhas de Força e as linhas Equipotenciais interceptam-se ortogonalmente. Determinar as linhas de força do campo elétrico gerado por dois fios paralelos de material condutor, carregados com cargas

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1

Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1 Introdução Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1 Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Na análise de circuitos CA estudamos como

Leia mais