Estado de conservação de caprinos. naturalizados no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estado de conservação de caprinos. naturalizados no Brasil"

Transcrição

1 Estado de conservação de caprinos naturalizados no Brasil Maria Norma Ribeiro Universidade Fderal Rural de Pernambuco - Departamento de Zootecnia 1. Caracterização dos Caprinos Naturalizados Os caprinos naturalizados no Brasil são descendentes dos tipos trazidos pelos colonizadores portugueses. Devido ao processo de seleção natural que sofreram ao longo de várias gerações, esses animais apresentam alta capacidade de sobrevivência e alta prolificidade (SOUZA & PIMENTA FILHO, 1991). A maioria (90%) deles encontra-se no Nordeste dada a sua capacidade de sobrevivência herdada das cabras selvagens (DEVENDRA & BURNS, 1983). Apresentam características comuns como: pequeno porte, pêlo curto, orelhas eretas e baixa produção de leite, diferenciando-se apenas pela cor da pelagem. São em sua maioria constituídos de animais SRD (Sem Padrão Racial Definido), oriundos de cruzamentos entre os nativos e, de nativos com raças indianas e européias. Os de padrão racial definido representam uma minoria, sendo os principais tipos o Moxotó, Canindé, Repartida e Marota (MASON, 1980). Alguns autores reconhecem outros tipos de menor expressão que são: Gurguéia, Biritinga, Azul, Craúna, Nambi e Orelha de Onça (BARROS, 1987). Apesar de apresentarem baixa produtividade, os caprinos naturalizados apresentam grande potencial produtivo a ser explorado. Na raça Canindé, por exemplo, SANTOS et al. (1983), estimaram produção média diária de leite de 0,760 kg e SOUZA et al., (1985) estimaram produção de leite média diária de 0,800 kg na raça Moxotó. Portanto, a idéia de que esses animais apresentam baixo potencial produtivo é inconcebível. É notório que essa capacidade é inferior à das raças especializadas, mas se faz necessário questionar: até que ponto seria viável tentar obter índices produtivos muito elevados em condições adversas, se muitas vezes o que os animais consomem é insuficiente para mantê-los vivos? Nessas condições, deve-se explorar animais pouco exigentes, que tenham condições de utilizar os recursos já disponíveis, visando a minimizar os custos de produção. Além da sua importância como recurso biológico dotado de grande variabilidade genética e do seu valor histórico, os caprinos naturalizados desempenham um papel importante para a região semi-árida do Nordeste do Brasil. Eles têm sido os responsáveis pela fixação do homem ao campo, por serem uma fonte de proteína animal de alto valor biológico disponível para as populações de baixa renda. No entanto, a degradação do ambiente natural, notadamente a Caatinga, e a utilização desordenada em cruzamentos com raças exóticas têm levado os caprinos naturalizados a um processo de degeneração. Diante dessa problemática, tem-se

2 tentado reunir esforços e adotar medidas de proteção, evitando que estes animais sejam extintos. 1.1.Caprinos Moxotó O nome da raça é originário do Vale do Moxotó, no estado de Pernambuco. Os animais apresentam uniformidade de cor, tamanho e tipo. A pelagem é baia ou mais clara, com uma listra negra que se estende de bordo superior do pescoço à base da cauda. Possuem uma auréola negra em torno dos olhos e duas listras negras que descem até à ponta do focinho. Também são negras as orelhas, a face ventral do corpo e as extremidades dos membros, as mucosas, as unhas e o úbere. Os pêlos são curtos, lisos, cerrados e brilhantes. Os animais atingem 62 cm de altura. As fêmeas adultas pesam de 30 a 40 Kg. A prolificidade é de 1,36 e a mortalidade de animais com menos de 1 ano alcança 15,9%. Esses caprinos são bastante rústicos, tendo como aptidão a produção de carne e pele Caprinos Repartida Os animais da raça Repartida apresentam pelagem prata na parte anterior do corpo e baia na posterior, com delimitação irregular. A cabeça é escura com manchas baias irregulares, pescoço preto com bordo inferior baio, orelhas manchadas com a parte interna preta. Os membros são baios com manchas pretas nas extremidades. Apresentam pêlos pretos nos quartos posteriores, nas coxas e nas pernas. A cauda é preta na parte dorsal e claro nos bordos. A prolificidade média é de 1,20 e a mortalidade para animais até um ano é de 32,9%. O peso médio de animais com um ano de idade é de 15 Kg. A exemplo da raça Moxotó, a aptidão dos caprinos da raça Repartida é para pele e carne Caprinos Canindé Os caprinos da raça Canindé assemelham-se aos das raças Moxotó e Repartida em tamanho, forma e função, embora seja a que tem maior aptidão leiteira das três. A pelagem é preta com o ventre e as pernas de tonalidades vermelho-amarelada a branca. Os pêlos são curtos e brilhantes. Os animais são leves e de pequeno porte, medindo cerca de 55 cm de altura e pesando 40 Kg. A prolificidade varia de 1,29 1,43 e a mortalidade situa-se de 15,0 a 18,6% para animais de até um ano de idade. Para animais com essa idade o peso gira em torno de 15,7 Kg Caprinos Marota Também denominada de Curaçá, a raça Marota tem como características principais a pelagem branca uniforme, além de pele, mucosa e cascos claros. Alguns animais possuem pêlos ásperos Angorá. Os animais são de pequeno porte e leves, com os adultos pesando cerca de 36 Kg. Os estudos em indivíduos da raça Marota indicam variações de prolificidade de 1,30 a 1,53. Em animais inferiores a um ano de idade, a mortalidade alcança a média de 28,7%. Ao completar o primeiro ano de vida os

3 animais atingem cerca de 16,8 Kg. A aptidão maior desses animais é para a produção de pele e carne Caprinos Azul e Nambi Além dos tipos descritos anteriormente, o Nordeste do Brasil possui um rebanho caprino que conta com numeroso contingente de animais com diferentes caracterizações, comumente denominados SRD, além de outros tipos menos comuns, como os tipos Azul e Nambi, encontrados em pequena quantidade na região do Cariri Paraibano. 2. Conservação Uma espécie está ameaçada de extinção se, mesmo que ocorra em uma área extensa, for escassa por toda a sua distribuição geográfica. E uma espécie é dita rara se estiver densamente concentrada mas for limitada a algumas pequenas populações, restritas a uma distribuição geográfica minúscula (WILSON, 1986, 1994). Nestes casos, faz-se necessário conservá-la. A conservação in situ seria a forma mais adequada de salvar patrimônios genéticos de um completo desaparecimento. Entretanto, esta medida nem sempre é possível de ser implementada, principalmente, quando o número de animais de uma determinada raça ou espécie já encontra-se muito reduzido e nesses casos, tem-se recorrido aos bancos de germoplasma in situ e/ou ex situ. A formação de bancos de germoplasma para a conservação de recursos genéticos é uma medida viável para promover o desenvolvimento sustentado da caprinocultura na região Nordeste. A conservação in situ de populações de tamanho reduzido, leva inevitavelmente à depressão endogâmica e à deriva genética, fatores que contribuem para a perda de variabilidade. Segundo RALL & BALLOW (1986), para se reter de 80% a 90% da variabilidade genética de populações a longo prazo, estas devem serem formadas de cem a trezentos indivíduos. Em qualquer circunstância, outro fator que deve ser considerado é a relação entre tamanho da espécie e área disponível para a sua criação. A conservação em parques e reservas tem sido uma das formas de se proteger animais da extinção. No entanto, essas medidas só têm funcionado em países desenvolvidos como EUA e países da Europa. Nos países em desenvolvimento, como o Brasil, por exemplo, que apresentam alta densidade populacional, os povos são pobres e concentram-se nos depósitos mais ricos de diversidade biológica, essa medida torna-se inviável, pois o homem utiliza esses recursos para a sua própria sobrevivência. Nestes casos, deve-se buscar o desenvolvimento econômico sustentável, fator que depende da conservação da biodiversidade. Esse é um ponto de entrave para os países pobres que detêm a maior diversidade do planeta, e nos quais as ameaças à biodiversidade também são maiores. 3. Conservação no Brasil

4 Dada a sua importância, a conservação de animais naturalizados é uma preocupação das instituições de pesquisa. A EMBRAPA, através do CENARGEN (Centro Nacional de Pesquisa de Recursos Genéticos e Biotecnologia) em parceria com diversas Universidades e Empresas Estaduais de Pesquisa vem desenvolvendo projetos de caracterização e avaliação desses animais para conservação, dentre eles caprinos das raças Canindé, Moxotó e Marota (MARIANTE, 1996). Um exemplo pioneiro de conservação de caprinos naturalizados tem sido realizado pela Fazenda Carnaúba, no Município de Taperoá, na Paraíba. Ao longo de vários anos, vem se desenvolvendo ali cruzamentos de animais da raça Gurguéia com a Parda Alpina e da Craúna com a Murciana. Além de avaliar esses grupos quanto ao seu potencial produtivo, o criador tem tido o cuidado de conservar os rebanhos naturalizados, protegendo-os da extinção. Isto serve como exemplo para criadores que exploram os caprinos como se fossem um recurso inesgotável, não se preocupando com o futuro dos mesmos. Outro esforço nesse sentido está sendo desenvolvido na Paraíba através do Projeto de Gerenciamento da Caprinocultura daquele Estado, promovido pela UFPB (Universidade Federal da Paraíba) com incentivos do Governo Estadual. A partir da identificação dos tipos naturalizados e do número de animais existente em cada grupo, será possível delinear um programa de melhoramento paralelo a um trabalho de conservação desses animais. A organização de bancos de germoplasma é uma estratégia adequada e que deve ser explorada nos seus vários aspectos, com envolvimento e participação dos criadores e pesquisadores de forma integrada. O avanço tecnológico tem permitido o desenvolvimento de técnicas avançadas de conservação ex situ, através de processos criogênicos, transplantes embrionários, inseminação artificial, dentre outros. Esses métodos são de extrema importância, pois permitem salvar espécies que de outra forma não teriam chance de sobrevivência. Na caprinocultura, estas técnicas também podem ser úteis na recuperação de raças que vêm desaparecendo lentamente devido a utilização em cruzamentos desordenados. Além disso, é necessário investir na recuperação do ecossistema caatinga como um todo, e não em partes isoladas, pois a sustentabilidade depende de uma abordagem sistêmica da situação. 4. Política de conservação para o Brasil: estratégias possíveis 4.1. Formação de bancos de germoplasma Estaduais/Regionais Nacional (in situ e ex situ) Resgate da história Estudo da erosão genética 5. Bancos de germoplasma

5 Os bancos de germoplasma podem ser: a)animais in ex situ vivos situ b) Estoque de tecidos reprodutivos c) Segmentos de DNA d) Sêmen e) Embriões congelados 6. Estratégias para a formação de bancos de germoplasma Melhoria da infra-estrutura Senso e caracterização das raças Capacitação de pessoal Padronização dos procedimentos Envolvimento dos criadores 7. Limitações dos bancos de germoplasma in situ Deriva genética Tamanho das populações Seleção natural atuando sem controle 8. Vantagens dos bancos mantidos in situ Possibilita detectar e eliminar defeitos genéticos Reconstituição de populações originais Maior estabilidade e maior sobrevivência do mais apto 9. Considerações Finais Esses esforços isolados são pouco suficientes para garantir a sobrevivência dos caprinos naturalizados, necessitando portanto, de um envolvimento conjunto do governo e da sociedade. A questão é um tanto complexa, pois envolve a necessidade de investimentos altos e trabalhos de concientização, visando mudar a percepção do homem, sobre o real valor dos caprinos naturalizados para a região Nordeste. Assim, deve-se reunir esforços e buscar formas equilibradas de exploração do patrimônio genético desses animais, através de programas de melhoramento por cruzamento e seleção, associados a trabalhos de recuperação, preservação e conservação das raças em seu estado de pureza. Os esforços valerão a pena, uma vez que os recursos biológicos têm valor inestimável.

6 10. Literatura Consultada BARROS, A. C. Caprinos Nativos: Privilégio do Nordeste. Aracaju, SUDAP, CODEA, p. ALDERSON, L., BODÓ, I. Genetic Conservation of Domestic Livestock. V. 2, CAB International, 1992, 282p. DEVENDRA, C. & BURNS, M. Goat production in the tropics. Commonwealth Agricultural Bureaux, UK. 2nd ed p. DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo, HUCITEC, p. MARIANTE, A. S. Conservação de Recursos Genéticos Animais no Brasil. In: 1º SIMPÓSIO NACIONAL DE MELHORAMENTO ANIMAL. Ribeirão Preto, S.P., 1996, Anais... p MASON, I.L. Sheep and goat production in the drought polygon of Northeast Brazil. Wourld Animal Review. v. 49, n. 34, p , RALL, L. & BALLOW, J.D. Genetic Management of captive populations. Zoo. Biol. v. 5, n. 2, p , SOUZA, W.H. & PIMENTA FILHO, E.C. Estratégia para o Melhoramento de Caprinos no Brasil. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA,. J.P. 1991, Anais... p WILSON, E.O. Biodiversidade. Nova Fronteira, p. WILSON, E.O. Diversidade da Vida. Companhia das Letras, p.

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013 RAÇAS DE CAPRINOS Profa. Alda Monteiro - 2013 As raças de cabras estão reunidas em 3 troncos distintos, sendo aceitas as subdivisões que se seguem: Tronco europeu: raças do sub-tronco europeu alpino, com

Leia mais

Publicado on line em animal.unb.br em 30/09/2010. Caprinos no Brasil. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG.

Publicado on line em animal.unb.br em 30/09/2010. Caprinos no Brasil. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG. INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on line em animal.unb.br em 30/09/2010 Caprinos no Brasil Concepta McManus 1,2, Samuel Paiva 3, Helder Louvandini

Leia mais

Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça

Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on line em animal.unb.br em 29/09/2010 Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

Raças, Exterior e Julgamento de Caprinos

Raças, Exterior e Julgamento de Caprinos Introdução - Cronograma Raças, Exterior e Julgamento de Caprinos Horas Aula Semana A S S U N T O Dia Aula T P TP 7/3 3 1 1 Introdução ao curso, importância e perspectivas da caprinocultura, principais

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado Cuidados e conforto para coelhos de companhia Maísa Melo Heker* *Zootecnista e Mestrando Programa de Pós Graduação em Zootecnia FCAV- UNESP Campus Jaboticabal. Introdução Atualmente todas as raças de coelhos

Leia mais

Clube de Desbravadores - Estrela do Amanhã. Especialidade de Animais Domésticos EN03

Clube de Desbravadores - Estrela do Amanhã. Especialidade de Animais Domésticos EN03 Clube de Desbravadores - Estrela do Amanhã Especialidade de Animais Domésticos EN03 Khelven Klay Líder Graduando do Curso de Zootecnia/UFRN O hábito do ser humano de ter um cão ou um gato como animal doméstico

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Produção de carne Caprina Situação Atual e Perspectivas

Produção de carne Caprina Situação Atual e Perspectivas Produção de carne Caprina Situação Atual e Perspectivas 1. Introdução Muito se tem falado sobre a caprinocultura de corte nacional, particularmente sobre o seu futuro, pois de seu passado todos reconhecem

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

INTERAÇÃO GÊNICA: E DUPLO-HOMOZIGOTOS. Na edição anterior expusemos os conceitos básicos de A EPISTASIA NOS PAINTS HOMOZIGOTOS GENÉTICA

INTERAÇÃO GÊNICA: E DUPLO-HOMOZIGOTOS. Na edição anterior expusemos os conceitos básicos de A EPISTASIA NOS PAINTS HOMOZIGOTOS GENÉTICA PH GENÉTICA INTERAÇÃO GÊNICA: A EPISTASIA NOS PAINTS HOMOZIGOTOS E DUPLO-HOMOZIGOTOS Na edição anterior expusemos os conceitos básicos de genética para o entendimento de como o genótipo determina a cor

Leia mais

Programa de Melhoramento de Pequenos Ruminantes no Brasil

Programa de Melhoramento de Pequenos Ruminantes no Brasil Programa de Melhoramento de Pequenos Ruminantes no Brasil Raimundo Nonato Braga Lôbo Médico Veterinário Doutor em Ciências Animal na Área de Melhoramento Genético Animal Embrapa Caprinos - Estrada Sobral/Groaíras,

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

O BENGALIM DO JAPÃO. O comprimento total do Bengalim do Japão, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 12,5 cm.

O BENGALIM DO JAPÃO. O comprimento total do Bengalim do Japão, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 12,5 cm. O BENGALIM DO JAPÃO Tipo e Estrutura O Bengalim do Japão é uma ave de forma compacta e robusta, não devendo, contudo parecer pesado ou gordo. A cabeça é bem proporcionada com o resto do corpo. O dorso

Leia mais

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste INTRODUÇÃO Mauro Sartori Bueno Eduardo Antonio da Cunha Luiz Eduardo dos Santos Cecília José Veríssimo

Leia mais

Bovinos de leite. Exognósia e Maneio Animal 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO

Bovinos de leite. Exognósia e Maneio Animal 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO Exognósia e Maneio Animal 4 de Novembro de 2008 Bovinos de leite 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO Paulo P. Cortez IV. Principais raças de aptidão leiteira Instituto de Ciências

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações...

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... Classificação Genética Heterogênicos = outbred Isogênicos = Inbred Acasalamento Aleatório Não-Consangüíneos Acasalamento

Leia mais

Banco Português de Germoplasma Animal

Banco Português de Germoplasma Animal Banco Português de Germoplasma Animal BANCO PORTUGUÊS DE GERMOPLASMA ANIMAL fonte: www.autoctones.ruralbit.com A Conferência Técnica Internacional sobre Recursos Genéticos Animais, realizada em 2007 por

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

DE CRIADOR PARA CRIADOR

DE CRIADOR PARA CRIADOR DE CRIADOR PARA CRIADOR No clima para a máxima produção com qualidade. Altitude e temperatura perfeitas. O resultado são rebanhos com máxima produção de sêmen com qualidade, para você vender sempre mais.

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética.

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Atividade extra Questão 1 A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Falar em biodiversidade e em tempo significa, necessariamente, falar de: a. Degeneração. b. Conservação. c. Evolução. d.

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

BUBALINOCULTURA RAÇAS BUBALINAS

BUBALINOCULTURA RAÇAS BUBALINAS BUBALINOCULTURA RAÇAS BUBALINAS UNESP-FMVZ-Botucatu Origem e Distribuição Norte da Índia e Sul da China em 2.500-2.100 AC - Domesticados na Mesopotâmia - Atual Iraque EUROPA Itália, Romênia, Bulgária,

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

ESTUDO SOBRE REFLEXÕES E AÇÕES EDUCACIONAIS RELACIONADAS AO BIOMA CAATINGA NO CARIRI PARAIBANO

ESTUDO SOBRE REFLEXÕES E AÇÕES EDUCACIONAIS RELACIONADAS AO BIOMA CAATINGA NO CARIRI PARAIBANO ESTUDO SOBRE REFLEXÕES E AÇÕES EDUCACIONAIS RELACIONADAS AO BIOMA CAATINGA NO CARIRI PARAIBANO João Marcos de Souza*, Anderson Steyner Rozendo, Elaine Patrícia Araújo, Márbara Vilar de Araújo Almeida,

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 22/02/2012. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 22/02/2012. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI 86 22/02/2012 Padrão Oficial da Raça YORKSHIRE TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça

Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça Proposta para a utilização da raça ovina Campaniça Claudino A. P. Matos Carlos M. V. Bettencourt Centro de Experimentação do Baixo Alentejo (CEBA) Herdade da Abóbada Vila Nova de S. Bento Resumo A erosão

Leia mais

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin A evolução das espécies A UU L AL A Chegamos à aula! Durante as aulas do telecurso, você viu vários temas relacionados com a Biologia: genética, botânica, zoologia, fisiologia, ecologia entre outros. Finalizaremos

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

HOTSPOTS. As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta

HOTSPOTS. As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta HOTSPOTS As Regiões Biologicamente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta PRESERVANDO AS RIQUEZAS MAIS AMEAÇADAS DA TERRA Conservar a biodiversidade do planeta e demonstrar que as sociedades humanas podem viver

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Nome: João Victor Cardoso Alves Projeto: Altas Habilidades Tema: Gatos APRENDENDO SOBRE GATOS Primeiramente escolhi os felinos de uma forma geral, mas era

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal

Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal Equipe de pesquisadores MGA/ CNPGL: Maria Gabriela C.D. Peixoto Rui da Silva Verneque João Cláudio do Carmo Panetto Frank Ângelo Tomita Bruneli

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 2. 250650/2013 Município: UF: Prefeito: Gurjão PB RONALDO RAMOS DE QUEIROZ Orçamento total da Prefeitura: R$ 10.386.175,36 Qtd. Emp. Form.ME, EPP.

Leia mais

1ª OLIMPIADA DO LEITE

1ª OLIMPIADA DO LEITE 1ª OLIMPIADA DO LEITE Justificativa : Como o avanço e o aparecimento de novas tecnologias é de fundamental importância que o produtor rural, assim como em qualquer atividade que demande tecnologia, venha

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

de monitoramento dos casos de predação envolvendo onças e outros animais silvestres na

de monitoramento dos casos de predação envolvendo onças e outros animais silvestres na ASSOCIAÇÃO DE GUARDA-PARQUES DO AMAPÁ INICIA ATIVIDADES DE MONITORAMENTO DE CASOS DE PREDAÇÃO ENVOLVENDO ONÇAS E OUTROS ANIMAIS SILVESTRES NA APA DO RIO CURIAÚ. A Associação de Guarda-Parques do Amapá

Leia mais

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza,

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Carta Mundial para a Natureza A Assembleia Geral, Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Recordando que, na sua resolução 35/7 de 30 de outubro

Leia mais

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

Espécies nativas 25/06/2012. Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica. Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica

Espécies nativas 25/06/2012. Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica. Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica 25/06/2012 CONCEITOS SOBRE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS www.institutohorus.org.br Sílvia R. Ziller Fundadora e Diretora Executiva Eng. Florestal, M.Sc., Dr. Hovenia dulcis (uva-japão) no Parque Estadual

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

O sucesso do Gir Leiteiro

O sucesso do Gir Leiteiro O sucesso do Gir Leiteiro The success of Dairy Gir Por/Text Silvio Pinheiro Queiroz 50_Animal Business-Brasil Sumário Fruto de rigoroso e persistente trabalho de seleção genética, o Gir Leiteiro vem alcançando

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM CONCEITOS APREENSÃO ato de tomar, legalmente e sem compensação, animal mantido de forma ilegal ou sob maus tratos, como estratégia patrimonial de combate

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil. Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos

Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil. Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos O Que é o Alelo Animal? PORTAL ALELO, lançamento final 2013: https://www.embrapa.br/alelo

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Profª: Cristiane M. Zanini

GESTÃO AMBIENTAL. Profª: Cristiane M. Zanini GESTÃO AMBIENTAL Profª: Cristiane M. Zanini Afinal, O que é Gestão Ambiental? A novíssima área de conhecimento e trabalho intitulada "Gestão Ambiental" vem causando muita confusão entre os especialistas

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 19/05/2009. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 19/05/2009. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI 86 19/05/2009 Padrão Oficial da Raça YORKSHIRE TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Jaguatirica [Leopardus pardalis] Ganso Coscoroba [Coscoroba coscoroba] Harpia [Harpia harpyja] Onça Pintada [Panthera onca] Onça Parda [Puma concolor] Fotos:

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

Genética de Populações

Genética de Populações MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Genética de Populações COMO SE CONSEGUE ATINGIR OS OBJETIVOS DO

Leia mais

DOMESTICAÇÃO DOS ANIMAIS

DOMESTICAÇÃO DOS ANIMAIS DOMESTICAÇÃO DOS ANIMAIS Relação ecológica entre duas espécies diferentes Para alguns ESCLAVAGISMO... 1 Enquanto para outros autores MUTUALISMO ou SIMBIOSE... IMPLICAÇÕES ATUAIS... - Domesticação de novas

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

PECUÁRIA SUSTENTÁVEL: NOVO OU ANTIGO PARADIGMA DA PRODUÇÃO ANIMAL? Entrevista a Rodrigo Paniago 1 por Paulo Hellmeister Filho 2

PECUÁRIA SUSTENTÁVEL: NOVO OU ANTIGO PARADIGMA DA PRODUÇÃO ANIMAL? Entrevista a Rodrigo Paniago 1 por Paulo Hellmeister Filho 2 entrevistas PECUÁRIA SUSTENTÁVEL: NOVO OU ANTIGO PARADIGMA DA PRODUÇÃO ANIMAL? Entrevista a Rodrigo Paniago 1 por Paulo Hellmeister Filho 2 PERGUNTA (P.). O que é realmente a Pecuária Sustentável? RESPOSTA

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA Kevison Romulo da Silva França Jéssica de Sousa Pereira Risoneide Henriques da Silva Jessica Rafhaelly

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA Os Queijos São Gião Sociedade Agro-Pecuária de Vale do Seia, Lda Seia, 04 de abril de 2014 Organização: Apoio Institucional: Agenda 1. Os Queijos São Gião - o que fazemos? 2. As oportunidades e ameaças

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP

OIT COP 12, COP- MOP 7, COP-MOP Protocolo Comunitário de Raizeiras do Cerrado direito consuetudinário da medicina tradicional por raizeiras no Brasil; E a experiência brasileira sobre consulta e consentimento prévio e informado da CDB

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais