Da Pedra Lascada aos Nanomateriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Da Pedra Lascada aos Nanomateriais"

Transcrição

1 Da Pedra Lascada aos Nanomateriais Por que não podemos escrever os 24 volumes inteiros da Enciclopédia Britânica na cabeça de um alfinete? Richard P. Feynman Transcrição de uma conferência dada pelo físico norte-americano Richard Feynman, ganhador do Nobel de Física em 1985, que anteviu a nanociência em 1959 no encontro da Sociedade Americana de Física. Introdução Os primeiros estudos e registros dos costumes das antigas tribos humanas já apontavam a relação de nossa espécie com os materiais, tanto é que vários períodos do progresso humano recebem os nomes de "Idade da Pedra", "Idade do Bronze", "Idade do Ferro" e assim por diante. Nosso ancestral, o homem de Neandertal 1, nunca imaginou que ao lascar e polir pedaços de pedra, para criar instrumentos que lhe facilitavam a caça e os trabalhos do dia a dia, estaria alicerçando o primeiro passo de tantas outras gerações que, após a pedra lascada, descobriram materiais que facilitariam a vida do homem moderno. Com a curiosidade e muitas vezes por acidente o homem foi descobrindo novos materiais, como, por exemplo, a argila, que permitiu a criação de recipientes para armazenar alimentos e facilitar o transporte de objetos, que foi o primeiro impulso para o desenvolvimento das cerâmicas. Milênios depois nossos antepassados descobriram os materiais metálicos, como o ferro, bronze, ouro e prata, que foram, e são até hoje, a base de desenvolvimento de centenas de aplicações que utilizamos em nossa vida. Aproximadamente no ano AC, teve-se notícia dos primeiros utensílios a partir de metais e ligas, como o arado, a carroça e as embarcações a vela, que são o início de grandes descobertas. No princípio da era cristã o homem já conhecia sete metais: cobre, prata, chumbo, estanho, ferro, mercúrio e ouro, mas as informações sobre os mesmos e suas possibilidades de aplicação ainda eram muito restritas, pois todos estudos eram essencialmente fruto de muita boa vontade dos alquimistas da época, sendo totalmente empíricos. Com o avanço do conhecimento e da ciência, os cientistas intensificaram seus estudos e visões sobre os materiais, descobrindo sua natureza utilizando-se de microscópios. Isso possibilitou a identificação de novas propriedades dos materiais, suas limitações e como manipulá-los de maneira a produzir novas variabilidades de aplicações. Foi um grande salto para o homem que então iniciou pesquisas mais profundas e, desta forma, dominou os materiais, suas estruturas, seus arranjos de átomos e como conseqüência seus processos de fabricação e transformação. O conjunto destes conhecimentos originou a chamada Ciência dos e em seu desdobramento a Engenharia de. 1 O que Neandertal ocupou a Europa e o Oriente Médio há aproximadamente 200 mil anos. Entre os principais instrumentos, utilizavam raspadeiras para confeccionar vestimentas, e machadinhas, facas, lanças e laminas, para caça, cirurgia e outras utilidades.

2 Seja em nossa casa, nosso carro, em nosso aparelho de TV, nos computadores, nas próteses cirúrgicas ou até mesmo em nossas roupas, existem milhares de variedades de materiais presentes em nosso cotidiano. A crescente sofisticação da demanda tornará ainda mais desafiadora a vida dos engenheiros de materiais, que quando associados a equipes de químicos, físicos e biólogos poderão desenvolver um número enorme de novas tecnologias que implicarão diretamente em nossa vida e na geração das empresas do futuro. Evolução Histórica Homem Primitivo Naturais Argilas Idade do Cobre, Bronze e Ferro Avanço do Conhecimento Ciência dos Engenharia de Construção Instituto Inovação Figura 1 Mas afinal, que ciência é essa? Material é definido como qualquer substância que pode ser usada em aplicações práticas. O termo Novos surgiu a partir dos anos 70 tendo como objeto os materiais recém-descobertos ou desenvolvidos. Englobava também aqueles já conhecidos que evoluíram tecnologicamente na fabricação e no uso de suas funções. A Ciência dos foi a conseqüência direta do domínio das condições otimizadas de controle dos processos de fabricação desenvolvidos ao longo dos anos e do desenvolvimento de equipamentos hoje disponíveis ao uso por parte de engenheiros e pesquisadores. Para facilitar e tornar mais didático esse estudo, dividimos os materiais em cinco grandes grupos ou classes como são mais comumente chamados na literatura.

3 Grupos ou Classes de Naturais Cerâmicos Metálicos Polímeros Compósitos encontrados na natureza que não passaram por nenhuma transformação industrial. 1 Como: Madeira, Pedras, Ossos, e Peles de animais. Fontes inorgânicos, não metálicos, obtidos geralmente através de tratamento térmico. 2 Como: Cerâmicas estruturais, Refratários, Porcelanas, Vidros, Isolantes, Cimento, e Concreto 1, 5 VLACK, Lawrence: Princípios de Ciência dos Associação Brasileira de Cerâmica. 3 LEPCom-UFMG. 4 Instituto de Macromoléculas da UFRJ. formados por átomos dotados de grande número elétrons suficientemente livres para se movimentarem a partir de baixos potenciais elétricos ou térmicos. 3 Como: Ferro e aço, Ligas de alumínio, Ligas nãoferrosas, Superligas, e Compostos intermetálicos. Substância constituída de moléculas caracterizadas pela repetição múltipla de uma ou mais espécies de átomos ou grupos de átomos. 4 Como: Plásticos, Cristais líquidos, e Adesivos. São materiais desenvolvidos a partir da associação de dois ou mais materiais de diferentes classes. 5 Como: Compósitos Polímetros- Metais, Vidros fosfatados, Fibras de Carbono, e Resinas termoplásticas. Construção Instituto Inovação Figura 2 É evidente a dificuldade de se traçar um panorama de todas as oportunidades de negócios e os potenciais mercados dos Novos. Calcula-se que tenhamos hoje cerca de diferentes tipos de materiais presentes em diversas indústrias. Para se ter uma idéia desta complexidade basta que imaginemos uma cadeia como a dos materiais metálicos, em particular a indústria do aço. Nela há um grande número de concorrentes que fabricam o aço em diferentes formatos, chapas planas, bobinas, fio máquina, estruturas metálicas etc; uma complexa rede de fornecedores que trabalham com a extração dos minerais utilizados no processo de fabricação e os equipamentos que movimentam estas indústrias. O mesmo pode ser dito da indústria de polímeros, que além de um grande número de participantes é bastante complexa sob o ponto de vista da enorme gama de produtos, incluindo os plásticos usados em automóveis nas indústrias de eletrodomésticos e em tantos outros produtos como sacolas, copos descartáveis, embalagens etc. E não se pode esquecer da complexidade também das indústrias dos materiais compósitos, presente em inúmeras cadeias produtivas como a eletrônica e de materiais para a área médica, que compõem um grande leque de tecnologias que transversalmente estão presentes em diversos segmentos industriais. O objeto de análise do presente estudo é apontar as tendências demandadas pelas indústrias por novos materiais e também as pesquisas em desenvolvimento que, quando bem configuradas, representam novas oportunidades de negócios. Os novos materiais como oportunidades de negócios Ligas de Alumínio e Ligas de Carbono A busca de materiais que possibilitem a redução do peso dos automóveis, aviões e trens é uma constante nas indústrias montadoras. Muito combustível e energia são

4 consumidos por estes veículos de transporte devido o peso e ao alto coeficiente de atrito presente nas peças dos motores. No fim dos anos 70, as indústrias automobilísticas e de aviação iniciaram maciços investimentos no uso de novos materiais para reduzir o peso de seus produtos, a conseqüência disto foi o aumento significativo do uso de plásticos nesses meios de transporte. Outro material pesquisado foi o alumínio, que é um material mais leve que o aço. Somente na indústria automobilística seu uso dobrou entre 1991 e 1999, sendo previsto que dobre novamente até Mas para isso, novas tecnologias devem ser desenvolvidas, pois este material possui pouca soldabilidade e estampabilidade, características fundamentais para o uso nestas indústrias. Logo novas oportunidades surgem para empresas que pesquisam e desenvolvem soluções para o Alumínio de forma a ampliar o uso deste material em meios de transporte. São enormes as oportunidades no desenvolvendo de novos projetos de estrutura de carrocerias para alcançar os requisitos desejados de rigidez e segurança, assim como o desenvolvimento de motores que apresentem menores coeficientes de atrito. Outra oportunidade está no desenvolvimento de novos materiais de alta resistência aliado a baixo peso, que simultaneamente resistam a temperaturas de trabalho mais elevadas. Esses produtos podem ser utilizados em motores e turbinas, visando aumentar a eficiência térmica do sistema para reduzir o consumo de combustível. Daí tem-se um desdobramento enorme dos materiais compósitos que utilizam carbono, entre eles as fibras de carbono que é um material amplamente estudado e que tem sido alvo de grandes investimentos por parte de empresas, especialmente devido a sua vasta gama de aplicações. Polímeros Condutores O histórico sobre o desenvolvimento da tecnologia de polímeros mostra que uma das propriedades mais importantes destes materiais é a capacidade de comportarem-se como excelentes isolantes elétricos e apresentarem boa maleabilidade. Entretanto, uma nova área de polímeros orgânicos tem sido desenvolvida, cuja importância está relacionada à condução de eletricidade. Trata-se dos chamados polímeros condutores, que foram divididos em duas classes, os polímeros conjugados semicondutores eletrônicos e os condutores iônicos. A descoberta dos Polímeros condutores rendeu à equipe de cientistas, Dr. Alan G. MacDiarmid do Departamento de Química da UPENN dos EUA, Dr. Hideki Shirakawa do Instituto de Ciência de da Universidade de Tsukuba, do Japão e Dr. Alan J. Heeger do Departamento de Física da Universidade da California em Santa Bárbara nos EUA, o prêmio Nobel de Química de 2000 outorgado pela Academia Real de Ciências da Suécia 3. Esse fato comprova a importância dos Novos para o desenvolvimento da sociedade humana. O grande trunfo destes materiais é possuir propriedades óticas, magnética, elétrica e eletrônica como as de um metal, e, ao mesmo tempo, possuir as propriedades mecânicas, de processabilidade comum aos polímeros. As características deste novo material incentivaram um enorme desdobramento de pesquisas e realizações de investimentos nesta área. 2 ABMM Associação Brasileira de Metalurgia e. 3 Nobelprize.org:

5 Algumas de suas aplicações, em desenvolvimento, são sensores a base de plástico e papel, polímeros que emitem luz, sensores, baterias, transistores para identificadores por radio-freqüência, memórias plásticas que possam armazenar dados, mesmo quando a energia do dispositivo está desligada, e os polímeros condutores que permitem a criação de dispositivos descartáveis e de baixo custo. Outras aplicações serão possíveis no longo prazo. Estão em estudos o uso dos polímeros condutores como eletrodos fotoativos em células fotoeletroquímicas e o uso em músculos artificiais para aplicações em robótica. Muitos analistas indicam que os polímeros capazes de emitir luz terão um enorme mercado. O Brasil já possui vários grupos trabalhando com polímeros condutores. Destaca-se as pesquisas da Unicamp, USP, UFSC, UFScar, UFPE, UFPR e UFAL 4. A EMBRAPA já está trabalhando em cooperação com o Professor MacDiarmid, citado acima, para o desenvolvimento de instrumentação agropecuária utilizando-se de polímeros condutores 5. Biomateriais Os biomateriais são utilizados na reconstrução e regeneração óssea em geral, incluindo os tratamentos odontológicos. Os biomateriais são substâncias de origem natural ou sintética e são inertes do ponto de vista biológico, não causando nenhum efeito nocivo ao organismo. Essa propriedade, a biocompatibilidade, abre possibilidade para a utilização desses materiais na substituição total ou parcial de sistemas biológicos. Uma grande vantagem do ponto de vista tecnológico é que praticamente grande parte das classes de materiais podem ser utilizadas como biomateriais, assim podemos ter biomateriais metálicos, cerâmicos, orgânicos, entre outros. Os benefícios do uso dos biomateriais são inúmeros, como na reparação de partes do corpo humano ou no auxilio da recuperação de tecidos lesionados. Metais, cerâmicas, polímeros e compósitos são comumente utilizados na cirurgia reconstitutiva de ossos, como, por exemplo, das regiões craniana e maxilo-facial. A utilização de implantes e enxertos tem aumentado significativamente nos últimos anos, principalmente devido ao aumento da vida média da população e ao índice elevado de acidentes automobilísticos. O mercado nacional de implantes ortopédicos está estimado em US$ 64 milhões anuais. Na ortopedia, a artroplastia coxo-femural 6 aparece como a mais freqüente das aplicações, embora articulações de joelho, cirurgias cardiovasculares (marca-passo, válvulas e vasos artificiais), lentes para a oftalmologia e cirurgia plástica sejam também aplicações freqüentes para os biomateriais. A tecnologia dos biomateriais tende a ser o novo padrão de materiais para implantes e recuperações ósseas evidenciando que qualquer equipe médica que atue nesta área tenha conhecimentos e possa indicar aos seus pacientes as soluções apresentadas pelos Biomateriais. 4 Instituto Inovação. Mapeamento dos Centros de Inovação no Brasil, Junho de Banco de Notícias da Embrapa. 6 Idealizada por ortopedistas para restabelecer a função da articulação coxo-femural, consiste na troca da articulação do quadril.

6 Nano Estruturados A nanotecnologia pode ser entendida como sendo o termo utilizado para descrever a criação, manipulação e exploração de materiais com escala nanométrica. É a ciência utilizada para controlar os materiais de tal forma que podemos manipular átomos e moléculas. Para compreendê-la é necessário o entendimento da escala em que atua, um nanômetro (abreviado como nm): um metro dividido por um bilhão, ou seja, 1 nm é igual a 10-9 m. Para se ter uma base de comparação, o diâmetro de um fio de cabelo humano é vezes maior que um nanômetro. Apresentada como uma das áreas mais promissoras deste século a nanotecnologia confirma esta percepção pelo número de publicações de alcance internacional. Do universo complexo de oportunidades, destacamos os materiais nanoestruturados, que são todos materiais que apresentam, pelo menos em uma dimensão, o tamanho na ordem de nanômetros. Citam-se as nanopartículas, nanocristais, nanofios, nanofitas, nanotubos, nanocompósitos. O grande diferencial dos materiais nanoestruturados é potencializar as propriedades físicas e químicas dos materais e isto proporciona um imenso interesse e crescente importância para futuras aplicações tecnológicas. Dentre as aplicações já desenhadas e que terão maior impacto sobre nossas vidas, tem-se a nanobiotecnologia, os nanofármacos, a nanoeletrônica, a gravação e leitura magnéticas. Além dessas, uma aplicação já em voga é a adição de nonopartículas em pneus, diminuindo o desgaste dos mesmos e conseqüentemente aumento da vida útil. Grandes empresas como a IBM, INTEL E HP estão investindo enormes quantias no desenvolvimento de memórias lógicas baseadas em nanotubos de carbono, nanofios de ouro, nanofios e nanofitas de semicondutores. O objetivo é minitaturizar ainda mais os circuitos eletrônicos e abrir caminho para a era dos nanocircuitos. nanoestruturados também estão sendo pesquisados para melhorar as células de energia alternativa. Assim como o desenvolvimento de novos catalizadores, para aplicação em células de combustível e na geração de hidrogênio. As células solares baseadas em nanopartículas prometem aumentar a eficiência dos coletores de energia solar, fortalecendo a diversificação da matriz energética do planeta. Os materiais Nanoestruturados prometem grandes aplicações no setor aeroespacial devido às suas propriedades de resistência, leveza e estabilidade térmica. Equipando aeronaves, foguetes, estações espaciais e plataformas de exploração planetária ou solar, o que, conseqüentemente, resulta em um grande número de inovações, produtos e riquezas. Segundo analistas do setor, estima-se que os investimentos em nanotecnologia estejam na ordem de US$ 2,27 bilhões anuais, e um reflexo disto é que só de 1998 a 2000 foram publicados mais de artigos nesta área e mais de 300 patentes já foram depositadas. Os Estados Unidos já contam com 50 empresas, de desenvolvimento e produção de materiais nanoestruturados. Os analistas indicam que nos próximos 10 anos o mercado mundial da Nanotecnologia seja da ordem de 1 trilhão de dólares. Somente em nanopartículas o mercado mundial do ano 2000 foi da ordem de quinhentos milhões de dólares, existindo uma previsão de crescimento de mais de 1 bilhão de dólares até o ano de O mercado mundial de nanopartículas para 2005 é estimado em cerca de novecentos milhões de dólares.

7 Inteligentes Segundo estudos do INSTITUTO BATTELLE 7 os materiais inteligentes, estruturas capazes de se modificar em reação as mudanças no ambiente, estarão entre os dez produtos mais inovadores até As modificações são percebidas por meio de sensores, processadas por unidades de comandos que geram ações por meio de atuadores adequados. Os Inteligentes percebem e corrigem, ao mesmo tempo, uma determinada anomalia como um ruído, uma variação de temperatura ou vibração. Estes materiais tem sido introduzidos em diversas aplicações como motores de automóveis, equipamentos eletrônicos, aviões, aparelhos de CD. Muitas pesquisas também estão sendo realizadas para utilizar-se dos materiais inteligentes na área médico-odontológica, para localização de tumores, correção de problemas de coluna, aparelhos ortodônticos e placas para prótese ortopédica. Os pesquisadores têm trabalhado para que no futuro próximo materiais inteligentes sejam utilizados na construção civil para garantir total segurança nas estruturas como, por exemplo, nas pontes e em prédios, onde esses materiais mudarão de cor para que se detecte peso excessivo ou condições que desfavoreçam a segurança, antes que qualquer acidente aconteça. Nas peças dos automóveis esse mesmo sistema também poderá ser utilizado para caracterizar o desgaste da peça e alertar para sua reposição. Uma das tecnologias já disponível no mercado é o vidro fotocromático. Ele permite um ajuste na transparência do mesmo de acordo com a intensidade da luz, escurecendo em ambientes claros e vice-versa. O último modelo da BMW, o xactivity, um utilitário esportivo, possui várias inovações incorporadas através dos materiais inteligentes, como a pintura especial que parece bronze, azul-cinzento ou verde de acordo com a incidência de luz e os bancos de "materiais inteligentes", sem regulagens, que permitem o ajuste da sua forma à do corpo automaticamente, através da pressão exercida sobre o material. Além do mundo automobilístico os materiais inteligentes encontraram vez no mundo dos esportes. A empresa Head lançou uma raquete de tênis que utiliza materiais inteligentes onde a energia do impacto da bola é utilizada para aumentar a sua performance.no Japão, muitos pesquisadores, em empresas e universidades, estão trabalhando em projetos que incluem o uso de materiais inteligentes na construção de edifícios que possam responder aos movimentos sísmicos. As possibilidades de aplicação, assim como os mercados dos materiais inteligentes são diversos. Possivelmente serão constituídas empresas focadas em desenvolvimento de materiais inteligentes, para as múltiplas possibilidades de aplicação. Magnéticos Os materiais magnéticos estão inseridos nas indústrias de gravação magnética de dados. Esse mercado cresce a taxa de 17% ao ano com volume de receitas estimado em torno de US$ 100 bilhões/ano no mundo. No setor eletro-eletrônico os materiais magnéticos só são suplantados em volume de aplicações pelos semicondutores. Contudo, essas duas classes de materiais possuem importância econômica equivalente. 7

8 O faturamento da indústria brasileira de materiais magnéticos é de cerca de R$ 100 milhões anuais. Estes materiais são utilizados nos motores elétricos, balanças eletrônicas, sensores e componentes sofisticados da indústria de computadores e telecomunicações. As oportunidades neste segmento de materiais advém da necessidade de novas tecnologias que melhorem o desempenho destes materiais, pois os fabricantes de eletrodomésticos querem motores com menor consumo energético e as empresas de instrumentação exigem ímãs mais sofisticados. Células Solares Os cientistas têm investido muito conhecimento e trabalho no desenvolvimento e aperfeiçoamento das células de silício. Nos últimos 10 anos grupos de pesquisas ligados a universidades e empresas de todo o mundo, iniciaram uma corrida tecnológica para gerar células de silício mais baratas e eficientes, que permitam o uso em massa desta tecnologia. As células de silício são dispositivos eletrônicos semicondutores, que utilizam o efeito fotovoltaico 2 para produzir eletricidade, a partir da luz solar são as células mais usadas hoje no mercado. Estas células são comumente chamadas de células solares. Entre as aplicações destas células estão a iluminação em locais remotos, Sistemas de vigilância contra incêndios, sinalização luminosa de estradas em locais remotos, telefones de emergência, estações meteorológicas, ou seja, são aplicações que na maioria das vezes supre o mercado em que a rede de energia convencional não pode atuar. A grande oportunidade deste mercado são as novas células solares, que substituem ou aperfeiçoam as células de silício. Esse trabalho é fruto do uso de novos processos para sua produção, como no caso a Nanotecnologia. Também novas células solares estão sendo desenvolvidas com outros materiais. Um exemplo são as células solares orgânicas constituídas de pequenas moléculas à base de carbono. O material resultante é ultra-fino e flexível e pode ser colado em praticamente qualquer superfície, como as paredes ou janelas de um edifício. Outras alternativas também estão nos laboratórios do Massachusets Institute of Technology (MIT). Lá, pesquisadores produziram células elétricas a partir de proteínas retiradas de folhas de espinafre como alternativas às células de silício. As proteínas utilizadas no experimento foram retiradas de cloroplastos das células formadoras das folhas de espinafre. Os cloroplastos são pequenas estruturas que ajudam a planta a converter luz em energia. Enquanto a reação ocorre, é formada uma agitação de elétrons, que resulta em corrente elétrica. Também nos Estados Unidos os pesquisadores da Universidade de Berkeley descobriram uma forma de construir células solares plásticas a baixo custo. Elas são tão flexíveis que podem ser pintadas em qualquer superfície, podendo ser utilizadas para fornecer energia para dispositivos eletrônicos portáteis. As tendências mundiais de busca de energia alternativa e o apelo ecológico desta tecnologia sugerem que teremos muitas oportunidades nesta área. Polímeros Biodegradáveis Um material biodegradável pode ser entendido como um produto industrial ou substância que, quando abandonado, é destruído e decomposto por bactérias ou

9 outros agentes biológicos, sendo que tal possibilidade vai de encontro às tendências mundiais de preservação do meio ambiente. Tomando-se que o petróleo é um bem finito, há uma busca por materiais que substituam os polímeros derivados do petróleo a fim de reduzir a dependência desta fonte. Logo surge um novo campo com perspectivas a produção, dos Polímeros Biodegradáveis, que vem ganhando campo e sendo utilizados em diversos segmentos da indústria. Neste cenário o Brasil tem posição privilegiada como produtor de polímeros naturais ou biodegradáveis. Os fabricantes destes materiais atestam que, uma vez em contato com a terra, os biopolímeros servem de alimento para bactérias e fungos, degradandose em 180 dias. Isso representa um valor significativamente menor quando comparado a degradação de 200 anos do plástico petroquímico. Por estas possibilidades é que grandes empresas como a DuPont, Basf, Bayer, 3M, Sony, Cargill Dow e Monsanto tem investido nas pesquisas sobre os BioPolímeros. No Brasil, há vários grupos de pesquisa em universidades desenvolvendo linhas de pesquisas em produção destes materiais. Destacam-se o IPT (Instituto de Pesquisa Tecnológico de São Paulo) que já trabalha em parceria com empresas na operação de uma planta piloto de BioPolímeros no Brasil e a Universidade Federal do Ceará que gerou uma empresa spin-off para o desenvolvimento de BioPolímeros a partir de crustáceos. Grandes empresas brasileiras de alimentos também já estão atentas a essa tecnologia, devido ao seu grande impacto no setor de embalagens. Estima-se que a capacidade mundial de produção de BioPolímeros seja da ordem de 100 mil toneladas anuais, um volume de 0,5% das 200 milhões de toneladas de poliestireno e polipropileno petroquímicos produzidas anualmente 8. O mercado não está restrito à substituição de plásticos de embalagens apenas. Os polímeros biodegradáveis permitem aplicações nobres, como no micro encapsulamento de drogas para tratamentos de doenças. Esta tecnologia permite, por exemplo, que as drogas encapsuladas com BioPolímeros tenham uma liberação controlada no organismo do paciente. Ainda na área médica são utilizados na implantação de pequenas partes do corpo, como cartilagens, na substituição de válvulas cardíacas e em pequenos enxertos de vasos. O agronegócio também se beneficia com os polímeros biodegradáveis uma vez que muitas mudas são condicionadas em pequenos sacos biodegradáveis. De acordo com produtores rurais isso resulta em aceleração no processo de plantio e melhorando no crescimento da planta. 8 Associação do Brasileira de Polímeros:

10 Resumo das Oportunidades de Negócios Indústrias / Setores* Biomateriais Cerâmicas Especiais Células de Solares Médico-odontológica. Aeroespacial; Automobilística; Ferroviária. Aeroespacial; Automobilística; Construção Civil; Energia. Ligas de Alumínio Aeroespacial; Automobilística; Ferroviária. Ligas de Carbono Inteligentes Magnéticos Aeroespacial; Automobilística; Ferroviária; Saneamento. Aeroespacial; Automobilística; Construção Civil; Eletro-eletrônica; Ferroviária; Médico-odontológica; Robótica. Eletro-eletrônica; Aeroespacial; Automobilística; Energia. Nano Estruturados Polímeros Biodegradáveis Polímeros Condutores Aeroespacial; Automobilística; Eletro-eletrônica; Energia; Fármacos; Informática; Médico-odontológica; Derivados de Petróleo. Alimentícia; Agricultura; Biomédica; Embalagens; Química. Aeroespacial; Automobilística; Eletro-eletrônica; Ferroviária; Médica; Robótica. Construção Instituto Inovação Figura 3 * Este tópico contemplou as indústrias / setores que apresentaram maior destaque com relação aos materiais estudados Considerações finais Com as informações presentes neste estudo, percebe-se que os Novos Matérias já se configuram como uma grande oportunidade de negócios. Empresas de tecnologia presentes em vários países do mundo já lucram desenvolvendo estes produtos para o mercado. Aos investidores, empresários e empreendedores interessados no tema fica a sugestão de estarem atentos a importância de se pesquisar a fundo as restrições e oportunidades que o mercado de materiais oferece levando se em conta também os gargalos tecnológicos e os estágios de desenvolvimento das diversas promessas de materiais do futuro. Em nossas Universidades, temos hoje muitos grupos de pesquisa já consolidados e com grande capacidade em gerar inovações nesta área. Por se tratar de grupos com grande inclinação à inovação, as possibilidades de parcerias com o meio empresarial e de geração de spin off s é muito grande. Neste estudo, alguns materiais mereciam espaço, entretanto não foram apresentados devido a extensão do tema. Entre eles podemos citar os materiais vítreos, as peneiras moleculares e os materiais opto-eletrônicos. A amostra aqui apresentada pode não apenas despertar curiosidade como também gerar o início de um conhecimento nesta área que é tão rica e tão promissora a ser explorada. Lembramos também que os nomes científicos e os termos técnicos, além das especificidades deste tema são muito abrangentes. Logo tivemos que simplificá-los para que qualquer pessoa que não tenha conhecimento da área de engenharia de materiais pudesse compreender e perceber as oportunidades deste segmento.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM INTRODUÇÃO CMA CIÊNCIA

Leia mais

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO INTRODUÇÃO OS METAIS SÃO ATUALMENTE ESSENCIAIS PARA O NOSSO COTIDIANO. OS QUE SÃO MAIS UTILIZADOS SÃO O ALUMÍNIO (EM LATAS), O COBRE (NOS CABOS DE TELEFONE), O CHUMBO (EM BATERIAS DE AUTOMÓVEIS), O NÍQUEL

Leia mais

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02

Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 Disciplina MAF 2130 Química Aplicada Turma A02 1 CIÊNCIAS DOS MATERIAIS Profa. Dra. Adélia Lima Email: amlsilva0603@gmail.com à Química Aplicada 2 A disciplina Química Aplicada aborda os conteúdos básicos

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

Materiais têm personalidade?

Materiais têm personalidade? Materiais têm personalidade? Introdução O pior é que têm! Como? Pense um pouco. Por que o plástico é plástico? Por que o alumínio é mais leve que o ferro? Por que a borracha depois de esticada volta a

Leia mais

Tecnologias Associadas às Aplicações Industriais Biomateriais Poliméricos Dionatan Arruda João Paulo Luiz Otávio Pedro Eugênio Trabalho desenvolvido durante a disciplina CTT211 Ciência e Tecnologia dos

Leia mais

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Agricultura Sustentável Agrimensura Agroecologia Agroindústria Agroindústria - Alimentos Agroindústria - Madeira Agronegócio

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Nanomateriais Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios

Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Nanomateriais Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Nanomateriais Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios 1-) Questão Comente sobre os seguintes personagens

Leia mais

Nanotecnologia. Sua relevância e um exemplo de aplicação na Medicina

Nanotecnologia. Sua relevância e um exemplo de aplicação na Medicina Nanotecnologia Sua relevância e um exemplo de aplicação na Medicina O que é Nanotecnologia? É a criação, manipulação e exploração de materiais em escala nanométrica. Com esta tecnologia é possível manipular

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

Figura 1- Fabricação de carrocerias de automóveis. Os aços microligados ao nióbio apresentam ótimas propriedades mecânicas e soldabilidade.

Figura 1- Fabricação de carrocerias de automóveis. Os aços microligados ao nióbio apresentam ótimas propriedades mecânicas e soldabilidade. HISTÓRIA DO NIÓBIO O nióbio foi descoberto na Inglaterra em 1801 por Charles Hatchett, que na época o denominou de colúmbio. Posteriormente, o químico alemão Heinrich Rose, pensando haver encontrado um

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento da Nanoeletrônica (Eletrônica do Futuro)

Estratégia de Desenvolvimento da Nanoeletrônica (Eletrônica do Futuro) ESTUDOS E PESQUISAS Nº 597 Estratégia de Desenvolvimento da Nanoeletrônica (Eletrônica do Futuro) Roberto Faria e Marco Cremona * XXVII Fórum Nacional A Hora e Vez do Brasil: (Povo Brasileiro) Diante da

Leia mais

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde Inova Saúde Equipamentos Médicos Agenda Diagnóstico da Indústria * - Condicionantes e tendências da demanda por saúde - Estrutura

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO (ITO) PARA APLICAÇÕES EM OPTOELETRÔNICA MOLECULAR

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO (ITO) PARA APLICAÇÕES EM OPTOELETRÔNICA MOLECULAR PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO (ITO) PARA APLICAÇÕES EM OPTOELETRÔNICA MOLECULAR Aluno: Denis Lage Ferreira da Silva Orientador: Marco Cremona Introdução

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

Importante. Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso

Importante. Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso Importante Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso ENG101 MATERIAIS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS Prof. Dr. Vitaly F. Rodríguez-Esquerre 1989-1994 Eng. Eletrônico - Peru 1996-1999 Mestre em Eng. Elétrica

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

1. Sistemas de Produção

1. Sistemas de Produção UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 1. Sistemas de Produção Igor Kondrasovas

Leia mais

Especialistas nas tecnologias de nossos clientes

Especialistas nas tecnologias de nossos clientes Especialistas nas tecnologias de nossos clientes No centro da tecnologia Parceira da performance industrial Especialistas a serviço da excelência A tecnologia não é apenas uma questão de expertise: é também

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.133, DE 2013 (Do Sr. Sarney Filho)

PROJETO DE LEI N.º 5.133, DE 2013 (Do Sr. Sarney Filho) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.133, DE 2013 (Do Sr. Sarney Filho) Regulamenta a rotulagem de produtos da nanotecnologia e de produtos que fazem uso da nanotecnologia. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Novo Modelo de apoio à Inovação Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Objetivos do Sistema EMBRAPII Contribuir para: Aumento do investimento privado

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

Disciplina de Didáctica da Química I

Disciplina de Didáctica da Química I Disciplina de Didáctica da Química I Texto de Apoio Novos Materiais Adaptado de: V. Gil, J. C. Paiva, A. Ferreira, J. Vale, 12 Q - Química 12º Ano, Texto Editores, Lisboa. 2005. 3.5 s novos materiais 3.5

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013

COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013 COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013 SABIC reforça seu posicionamento no suporte ao crescimento dos fabricantes de veículos no Congresso SAE Brasil 2013 Na 22ª edição anual do Congresso

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL Bilhões US$ FOB Balança comercial brasileira A balança comercial brasileira de bens tipicamente produzidos pela indústria de transformação

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade

Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade A Fórmula da Produtividade As aluminas hidratadas Alcoa são empregadas na produção de policloreto de

Leia mais

15-09-2015. Química 12º Ano. Marília Peres Esc. Sec. José Saramago - Mafra. Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch?

15-09-2015. Química 12º Ano. Marília Peres Esc. Sec. José Saramago - Mafra. Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch? 12º Ano Esc. Sec. José Saramago - Mafra O que é a? Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch?v=9ith8us-uju 2 1 O que é a? Orgânica Física Inorgânica Bioquímica Analítica... 3 O que é a?

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional?

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Com a participação ativa dos Metalúrgicos da CNM/CUT, em 3 de outubro de 2012 o Governo Federal publicou o decreto 7.819/2012 1 que

Leia mais

USO DE NANOTECNOLOGIA EM PROCESSOS DE DESCONTAMINAÇÃO AMBIENTAL. Aluno: Cleomar Reginatto Prof. Karla Salvagni Keineck Prof.

USO DE NANOTECNOLOGIA EM PROCESSOS DE DESCONTAMINAÇÃO AMBIENTAL. Aluno: Cleomar Reginatto Prof. Karla Salvagni Keineck Prof. USO DE NANOTECNOLOGIA EM PROCESSOS DE DESCONTAMINAÇÃO AMBIENTAL Aluno: Cleomar Reginatto Prof. Karla Salvagni Keineck Prof. Antonio Thomé Bento Gonçalves, 2013 Introdução A idéia de que a matéria é composta

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibras de Carbono 2.1. Introdução A partir de 1980 a produção comercial de fibras de carbono desenvolveuse em grande escala no Japão. Isto ocorreu como resultado

Leia mais

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA JARAGUÁ DO SUL

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E PLÁSTICO O petróleo é um dos principais insumos

Leia mais

Definição de Transformador. Funcionamento básico e principais partes

Definição de Transformador. Funcionamento básico e principais partes Definição de Transformador Funcionamento básico e principais partes O que é o transformador? Certa vez fui procurar no Google a respeito do assunto do trabalho... Transformer History Adivinhem o que achei?

Leia mais

Naira Maria Balzaretti Centro de Nanociência e Nanotecnologia CNANO UFRGS fonte: seminário de João Schmidt

Naira Maria Balzaretti Centro de Nanociência e Nanotecnologia CNANO UFRGS fonte: seminário de João Schmidt Uma viagem pelo mundo nano Naira Maria Balzaretti Centro de Nanociência e Nanotecnologia CNANO UFRGS fonte: seminário de João Schmidt NANOTECNOLOGIA Um exemplo de aplicação fonte: filme/internet Desafio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol

Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol Atividade experimental Gerando energia elétrica com a luz do Sol É impossível imaginar o mundo atual sem energia elétrica. Pense em todas as atividades que você realiza em um dia na sua casa; em várias

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana A energia empreendida no processo de floração se equivale a energia empreendida no processo de "secagem" das flores?

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Áreas do Conhecimento - Engenharias

Áreas do Conhecimento - Engenharias Áreas do Conhecimento - Engenharias Engenharias Engenharia Civil Construção Civil Materiais e Componentes de Construção Processos Construtivos Instalações Prediais Estruturas Estruturas de Concreto Estruturas

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

Uma breve história da Química

Uma breve história da Química INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Uma breve história da Química Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 História da Química A história da química tem início há aproximadamente

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br 1 Ciência e Tecnologia dos Materiais faz parte do núcleo de conteúdos básicos obrigatórios para todos os cursos de Engenharia

Leia mais

Fundamentos de Automação

Fundamentos de Automação Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Conceito,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores Conteúdo Organização e Arquitetura de computadores Abstrações e Tecnologias computacionais Prof. Dr. Luciano José Senger Falácias e armadilhas Computadores: produto da tecnologia de informação, 10% do

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio.

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco dos METAIS As aulas sobre os metais são sete. Trata-se, em detalhes, do ferro,

Leia mais

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO Visionarium Centro de Ciência do Europarque 4520 153 Santa Maria da Feira Tel. 256 370 605/9 Fax. 256 370 608 E-mail. Info.visionarium@aeportugal.com

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Propriedades da matéria e mudanças de estado físico

Propriedades da matéria e mudanças de estado físico INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Propriedades da matéria e mudanças de estado físico Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 Propriedades da Matéria A matéria é

Leia mais

Aula 20 10/05/2010 Capítulo 25 Mankiw e Hubbard, O Brien (2010)

Aula 20 10/05/2010 Capítulo 25 Mankiw e Hubbard, O Brien (2010) Aula 20 10/05/2010 Capítulo 25 Mankiw e Hubbard, O Brien (2010) Desemprego: As pesquisas sobre o desemprego possuem as mais variadas metodologias. Desta forma, os números do desemprego devem ser considerados

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Standards Online. Acesso à informação direto de seu computador

Standards Online. Acesso à informação direto de seu computador Standards Online Acesso à informação direto de seu computador Comentário dos clientes sobre o BSOL A utilização é fácil e o sistema de download é excelente, quando necessito de uma norma que não se encontra

Leia mais

ANEXO III. Domínios e áreas científicas

ANEXO III. Domínios e áreas científicas ANEXO III Domínios e áreas científicas Ciências da Vida e da Saúde Neurociências - Molecular e Celular Neurociências, Envelhecimento e Doenças Degenerativas Imunologia e Infeção Diagnóstico, Terapêutica

Leia mais

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO OUTUBRO

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO OUTUBRO OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO OUTUBRO Envie-nos um e-mail para EEN-Portugal@aip.pt a solicitar informação detalhada, indicando o código de Referência Nacional. Referência DE-2015-305 CZ-2015-306 Retalhista

Leia mais

Alexander Parkes. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Alexander Parkes. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode O

Leia mais

Veja as descobertas científicas mais importantes da década

Veja as descobertas científicas mais importantes da década (UOL Ciência & Saúde) Veja as descobertas científicas mais importantes da década Entre outros acontecimentos científicos marcantes, a década contou com o sequenciamento do genoma humano, de importância

Leia mais

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro.

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro. SENSORES Introdução Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Num circuito eletrônico o sensor é o componente que sente diretamente alguma característica física do meio em que esta inserido,

Leia mais

nos EUA, e a acentuada queda nos preços das memórias dinâmicas de acesso aleatório (conhecidas como D-Ram). Os PCs e outros equipamentos digitais

nos EUA, e a acentuada queda nos preços das memórias dinâmicas de acesso aleatório (conhecidas como D-Ram). Os PCs e outros equipamentos digitais TOSHIBA CORPORATION De origem japonesa, a Toshiba Corporation atua há mais de 120 anos na produção e venda de produtos eletrônicos dotados de alta tecnologia. Foi fundada em 1875 e desde então atende a

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA

COMUNICADO À IMPRENSA COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil, 4 de maio de 2015 SABIC investe para solucionar os desafios dos clientes Em face às tendências dinâmicas do setor e às tecnologias em rápida evolução, a SABIC anunciou

Leia mais

Materiais Compósitos

Materiais Compósitos Materiais Compósitos Introdução Material que combina propriedades complementares btenção de propriedades que não se conseguem com os componentes isolados. São combinações de pelo menos dois materiais distintos,

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

ENIAC (Electronic Numerical Integrator Analyzer and Computer)

ENIAC (Electronic Numerical Integrator Analyzer and Computer) No final do século XIX os computadores mecânicos, que realizavam cálculos através de um sistema de engrenagens, acionado por uma manivela ou outro sistema mecânico qualquer. PROF. MARCEL SANTOS SILVA O

Leia mais

Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento

Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento Desenvolvimento de rotor Imbil para o processo Jigagem visando o aumento da vida útil e melhoria na eficiência de bombeamento Eng. Gustavo Massaro (IMBIL/UNICAMP) gam@imbil.com.br Eng. Fabiano Cândido

Leia mais

Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos Gerson Marinucci IPEN/USP

Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos Gerson Marinucci IPEN/USP Desenvolvimento e inovação em materiais compósitos poliméricos IPEN/USP LANXESS Tech Series, 24 de Maio de 2012 Eletricidade Aeroespacial Alimentos Transporte Química/Petroquímica Sucroalcolera Construção

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais

O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals

O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals Estamos por toda parte. E especialmente perto de você. Bem-vindo à AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals Somos parte de uma

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q42 Ligação metálica

Química. Resolução das atividades complementares. Q42 Ligação metálica Resolução das atividades complementares 3 Química Q42 Ligação metálica p. 59 1 (Cefet-PR) Analise as afirmações a seguir: I. O metal X é leve, sofre pouca corrosão e é bastante utilizado na construção

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

UNICENTRO-CEDETEG Departamento de Física

UNICENTRO-CEDETEG Departamento de Física UNICENTRO-CEDETEG Departamento de Física Projeto de Ensino Ensino de Física: Nanotubos de Carbono Petiano: João Paulo Smykaluk Tutor: Eduardo Vicentini Guarapuava 2011 I - INFORMAÇÕES GERAIS: Aluno: João

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos.

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Título do experimento: Identificando os plásticos Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Materiais: - Plásticos diversos; - Lamparina; - Pinça; - Tesoura; - Pedaço de fio de cobre;

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Introdução. Observando o ambiente

Introdução. Observando o ambiente Introdução A curiosidade natural do homem, o leva a explorar o ambiente que o cerca, observando, analisando, realizando experiências, procurando saber o porquê das coisas. Nesta atividade, exploradora

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS A correção de cada questão será restrita somente ao que estiver registrado no espaço

Leia mais

EPR 401 Gestão de Desenvolvimento de Produtos

EPR 401 Gestão de Desenvolvimento de Produtos EPR 401 Gestão de Desenvolvimento de Produtos Novos produtos como resultado do comportamento estratégico Prof. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Carlos Henrique Pereira Mello 2013 Como obter novos

Leia mais

Nossa civilização entrou em uma nova era de materiais. Como está

Nossa civilização entrou em uma nova era de materiais. Como está Os PAPÉIS DA CIÊNCIA DOS MATERIAIS E DA ENGENHARIA PARA UMA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL SOOKAP HAHN (Universidade de Stanford, Palo Alto, EUA) Nossa civilização entrou em uma nova era de materiais. Como está

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais