Java e MongoDB. Há muito tempo se utilizava arquivos sequenciais. mongodb_. O desenvolvimento de uma aplicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Java e MongoDB. Há muito tempo se utilizava arquivos sequenciais. mongodb_. O desenvolvimento de uma aplicação"

Transcrição

1 mongodb_ Java e MongoDB Há muito tempo se utilizava arquivos sequenciais para armazenamento de dados (os famosos arquivos.dat), depois veio a migração para banco de dados relacional. Desde esta última evolução, nunca houve questionamento em relação ao modelo de banco de dados a ser utilizado, o questionamento, quando havia, era sobre a compra de licença ou do expertise das equipes da empresa em trabalhar com um ou outro banco de dados. Após problemas de escalabilidade, custo e performance, muitas empresas começaram a pesquisar e a investir em novos mecanismos de armazenamento. Entre elas: Facebook com o Cassandra, Google com o BigTable e Linkedin com o Voldemort. Tais bancos de dados são considerados NoSQL, onde não existe obrigatoriedade quanto ao modelo também não suportam joins entre as tabelas. colher um banco de dados NoSQL que esteja na moda e este resolverá todos os seus problemas quanto a escalabilidade. Existem alguns modelos de bancos de dados e cada qual focado em resolver um ou mais problemas, vide quadro Tipos de bancos de dados NoSQL. O objetivo deste artigo é mostrar ao leitor como O desenvolvimento de uma aplicação onde seja requerido o armazenamento de grandes volumes de dados pode ser bastante custoso não só para o tempo de desenvolvimento, mas principalmente para a manutenção do sistema e também para a infraestrutura. Neste artigo, é mostrado como utilizar o MongoDB, um banco de dados NoSQL com Java utilizando o Morphia nesta comunicação. trabalhar na prática com Java e MongoDB, que é um banco de dados NoSQL orientado a documentos e um dos mais genéricos dos bancos de dados NoSQL. Utilizar um banco de dados relacional em um sistema que terá um grande volume de acessos até há alguns anos poderia ser a única solução, incluindo neste cenário muito dinheiro com licenças de softwares, arquiteturas complexas e times de especialistas a preço de ouro. A partir de meados da década de 90, começaram mais fortemente as pesquisas sobre formas alternativas de armazenamento de dados que não tivessem como base os bancos de dados relacionais. Entre essas soluções, pode-se citar: banco de dados orientado a documentos, banco de dados tabular. Tais soluções começaram a ser utilizadas de forma comercial focadas na solução de alguns mazenar dados em cache, ou seja, em vez de buscar dados do banco de dados ou mesmo de arquivos em disco, no caso de arquivos estáticos, poderia se lan- valor em memória com persistência em disco para acelerar a entrega deste conteúdo. Um banco de dados que desempenha muito bem este papel é o Redis. / 10

2 Marcio Garcia Bacharel em Ciência da Computação. Trabalha com Java desde Já trabalhou em empresas de pequeno e grande porte bem cações SCJP, SCWCD, SCBCD, SCEA I e CSM. Atualmente, é desenvolvedor de Software freelancer, e mantém dois blogs: mangar.com.br e No entanto, utilizar um banco de dados como este como alternativa a um banco de dados relacional é praticamente impraticável, principalmente considerando a utilização de um banco de dados orientado a documentos como o MongoDB. Um banco de dados orientado a documentos é o que mais se assemelha a um banco de dados relacional, mas com a vantagem, no caso dos NoSQL, de não Bancos de dados NoSQL, embora não sejam ACID, são muito rápidos na resposta a queries e escaláveis horizontalmente. Ou seja, para problemas de performance na aplicação, de forma geral, basta lancer dependendo da arquitetura seguida. Neste artigo, é considerada a utilização do Mon- uma equipe de desenvolvimento e uma comunidade bastante ativa que ajuda na localização e correção de bugs. Vamos começar pela instalação do MongoDB. Iniciando com o MongoDB Vamos iniciar obtendo o binário do banco de dados. O MongoDB está disponível gratuitamente para praticamente todas as plataformas, Windows, Linux, Linux. Pouquíssimos ajustes são necessários para funcionar no Windows e, sempre que necessário, são feitas pequenas considerações a respeito. Toda a troca de informação entre a aplicação e o servidor do banco de dados se dá, em linhas gerais, Figura 1. MongoDB inicializado na porta padrão: Figura 2. Criando e obtendo registro via console do MongoDB. com troca de mensagens de texto em formato JSON. O binário do MongoDB pode ser obtido através do site do MongoDB: wnloads. No momento que este artigo é escrito, a última versão estável é a E é nela que se baseiam todos os exemplos apresentados neste trabalho. Uma vez com o arquivo em seu computador, descompacte-o. Será necessário que manualmente sejam criados dois diretórios, que será onde os dados serão armazenados. Por padrão, estes diretórios serão buscados pelo MongoDB dentro do diretório- -raiz do seu drive. No Windows: C:\data\db, no *nix: jeto sob controle, vamos criar esta estrutura dentro do nosso próprio diretório binário. No Windows e no *nix: Vamos tratar o diretório em que você descompactou o banco de dados como MONGO_DIR Criado o diretório de dados, é hora de iniciar o banco de dados. Execute o comando: Testando a instalação do MongoDB Com o MongoDB em execução, podemos fazer um teste simples de conexão via linha de comando, de que tudo está correto com o banco de dados. No Windows, apenas dê um duplo clique no executável do mongo (MONGO_ *nix abra um novo terminal, e digite: mongo Uma vez conectado no console, ele informará a versão do MongoDB que está em execução e automaticamente você já estará conectado ao bando de dados test. 11 \

3 Vamos criar um banco de dados para armazenar os estados do Brasil. Conectado ao console do MongoDB, digite: db.estados.save({ sigla : SP, nome : São Paulo ) Caso você não utilize Maven em seus projetos e reto à área de download no site do Morphia. Vamos começar a detalhar o funcionamento das operações de inclusão, alteração, exclusão e seleção de registros (o famoso CRUD), apresentando um código bastante simples, mas que abrange cada uma das operações básicas utilizando MongoDB com Morphia. Após este primeiro contato, teremos um pouco mais de familiaridade para evoluir com criação de índices, busca avançada de registros e referências. Neste momento já temos o MongoDB instalando e funcionando perfeitamente. Vamos ver agora o processo de comunicação e manipulação de dados através de uma aplicação Java. Java e MongoDB As informações no MongoDB são organizadas de forma diferente dos bancos de dados relacionais que estamos acostumados. Em vez de tabelas, as informações são armazenadas em coleções. A comunicação com o servior MongoDB é feito através de socket, e a forma de troca de informação é feita nativamente através de JSON. Para quem está acostumado com JPA, abrir um socket e trocar JSONs é um tanto estranho e com certeza, na utilização frequente, mesmo utilizando bibliotecas para facilitar a geração e interpretação de JSON, este procedimento se mostrará bastante trabalhoso além de improdutivo. Em vez disso, utilizaremos um dos drivers mais maduros e independentes para comunicação entre uma aplicação Java e o MongoDB, o Morphia. Existem outros drivers para Java ou mesmo para Groovy, Scala, Clojure, JRuby e várias outras linguagens que rodam sobre a JVM. Neste artigo, é utilizado o Morphia, por se mostrar mais maduro e independente de frameworks externos, como é o caso do Spring MongoDB. - no seu pom.xml é esta: Listagem 1. Dependência do MavenDepCriando e obtendo registro via console do MongoDB. / 12 <dependency> <groupid>com.google.code.morphia</groupid> <artifactid>morphia</artifactid> <version>0.99</version> </dependency> Um CRUD de exemplo Iniciando pelo básico, vamos detalhar uma classe que obtém, insere, atualiza e exclui registros de uma coleção. A listagem completa pode ser obtida no site da MundoJ, e vamos mostrar aqui as partes mais relevantes do nosso primeiro CRUD. Vamos utilizar um objeto chamado Estado. Esta é uma classe anotada que representa a nossa coleção. Neste ponto, apenas utilizaremos esta classe. No próximo tópico, vamos descrever os itens mais importantes no mapeamento entre objeto vs. coleção. Comecemos pela conexão com o banco de dados. Esta deve ser feita utilizando um objeto do tipo Datastore, onde é passado como parâmetro um objeto do tipo Mongo, que pode receber como parâmetro o endereço do servidor e a porta de conexão. Vamos ções padrão. O segundo parâmetro é o nome do banco de dados a ser conectado. Todo código da Listagem 2 até a Listagem 7 está na classe mg.mundoj.mongodb.appmorphiasimple. Listagem 2. Conexão com o servidor MongoDB. private Datastore ds; private Mongo mongo; public AppMorphiaSimple() throws Exception { mongo = new Mongo(); ds = new Morphia().createDatastore(mongo, test ); Assim que concluímos a instalação do servidor MongoDB, inserimos um registro na coleção chamada estados. Pois bem, vamos consultar novamente a nossa coleção e obter este registro dentro da aplicação. Vamos utilizar o método get(). Este método retorna o primeiro registro da coleção. Listagem 3. Obtendo o primeiro registro da coleção Estados. public void getfirst() { Estado e = this.ds. (Estado.class).get(); System.out.println(e.sigla e.nome);

4 Vamos ver como inserir um registro em nossa coleção. Para salvar um novo registro, basta inicializar uma classe mapeada para uma coleção e acionar o método save(entity) da classe Datastore. Listagem 4. Inclusão do registro na coleção: estados. public void createone() { new Estado( RJ, Rio de Janeiro ); ds.save Com mais um registro na coleção estados, vamos obter todos os registros que já estão presentes nesta utilizando um novo elemento, a classe Query. Este objeto é criado a partir do Datastore. O primeiro parâmetro é a Entity. Após, obtemos a listagem de todos - List() da classe Query. Listagem 5. Obtendo todos os registros da coleção. public void getall() { Query query = ds.createquery(estado.class); List<Estado> listaestados = q.aslist(); for (Estado estado : listaestados) { System.out.println(estado.sigla estado.nome); Excluir um documento é uma tarefa bem simples e pode ser executada por meio do objeto Query, como exibido na Listagem 6. Os detalhes do funcionamento do objeto Query são descritos mais adiante, onde é tratada a busca de documentos. Listagem 6. Excluindo um documento. public void deletelast() { Query query = ds.createquery(estado.class). ( sigla ).equal( RJ ); ds.delete(q); A atualização de um documento é executada em três passos: encontrar o documento a ser alterado, fazer a dor. A Listagem 7 mostra todas essas etapas. Listagem 7. Atualizando um documento. public void updatesp() { Query q = ds.createquery(estado.class). ( sigla ). equal( SP ); UpdateOperations<Estado> estadosupdate = super.ds.createupdateoperations( Estado.class).set( nome, Sao Paolo ); ds.update(q, estadosupdate); Agora, com os primeiros passos de como manipular registros na base de dados do MongoDB, vamos dar uma olhada mais detalhada em cada uma dessas etapas, iniciando pelo mapeamento entre uma classe e uma coleção no banco de dados. Documento Em nosso primeiro exemplo, Listagens 2 a 5 uti- responsável por mapear o objeto e o documento no banco de dados, nesta parte, vamos detalhar como este mapeamento pode ser feito e como o Morphia trata este mapeamento. Nossa entidade foi criada como mostrado na Listagem 8. Utilizamos três anotações do MongoDB para fazer este responsável pelo mapeamento entre a classe e o documento no banco de dados. Opcionalmente recebe o primeiro parâmetro que é o nome da coleção no parecida com da JPA. Esta é a chave primária do nosso esta anotação faz o mapeamento similar mas no nível de campos do nosso documento. A anotação é opcional, e caso ela seja omitida, o Morphia fará o mapeamento de mesmo nome entre o campo do objeto e o campo no documento. Listagem 8 e estados ) public class Estado sigla ) public String sigla; public veremos com detalhes a seguir campos anotados Embedded servem como apontamento ou chaves estrangeiras para outros também tratado em detalhes 13 \

5 adiante, esta anotação cria um índice para o campo em questão. Bastante útil quando existe carga elevada de consulta baseada no campo em campos com esta anotação não serão persistidos no o conteúdo do objeto será armazenado em um campo este campo não será armazenado no banco de dados, apenas transferido do documento para o objeto. Comportamento diferente que, além de não ser armazenado no banco de dados, também não será carregado. Ainda existem algumas anotações dedicadas ao ciclo de vida da entidade sendo ativadas sempre que um objeto é enviado ao servidor ou recebido do servidor. Estas anotações atuam como callback para o método chamado imediatamente antes do objeto ser salvo no banco de chamado logo após o MongoDB chamado antes de popular o objeto com os valores do documento no banco de chamado logo após os campos do objeto serem populados com os valores do documento. Os métodos de callback anotados podem receber um parâmetro do tipo DBObject, que é uma cópia do documento que está sendo trabalhado no momento, antes ou depois de gravar no banco de dados. Pode-se ver as assinaturas e a utilização das anotações na Listagem 9. callback para cada evento, por exemplo, pode-se ter mais de um para uma mesma entidade. Não existem ainda métodos de callback para registros a serem excluídos. Listagem void postload() { + new Date()); Adicionalmente, pode-se utilizar a EntityListeners informando como parâmetro uma classe com os métodos anotados referentes ao ciclo de vida da entidade. Desta forma, a classe de modelo tivas ou genéricas para todos os modelos, como, por classe da entidade passando como parâmetro o nome da classe que implementará esta classe. Listagem 10. public class EstadoEventListener void EstadoEventListener... + new Date()); Embedded tados e adicionar mais duas novas entidades: Cidade e Bairros. Ou seja, um estado poderá ter mais de uma cidade e uma cidade poderá ter zero ou vários bairros. Ambas as anotações são bastante autoexplicativas: enquanto cria uma referência entre um documento e outro, cria um documento dentro de outro. Vamos ver na prática como funciona uma e outra, a void prepersist + new void postpersist + new void preload() { + new Date()); Uma referência entre documentos é a criação de um link (foreign key) entre um documento e outro. Em nosso exemplo, vamos entre as entidades Cidade e Estado. Na Listagem 11 é mostrada a estrutura da entidade Cidade, e na Listagem 12 a utilização desta referência. Listagem 11. referência à entidade cidades ) public class Cidade { / 14

6 @Id public public String public Estado estado; Listagem 12. a entre cidades e estados. protected void criarcidades() { Estado sp = ds. (Estado.class). ( sigla ). equal( SP ).get(); Cidade cidade = new Cidade(); cidade.nome = Sao Paulo ; cidade.estado = sp; super.ds.save(cidade); protected void listarcidades() { for (Cidade cidade : super.ds. (Cidade.class)) { System.out.println(cidade); protected void alterarsp() { Query<Estado> q = super.ds.createquery(estado.class). ( sigla ).equal( SP ); UpdateOperations<Estado> estadosupdate = super.ds.createupdateoperations( Estado.class).set( nome, São Paulo ); super.ds.update(q, estadosupdate); public static void main(string[] args) throws Exception { AppCidadeReferencia app = new AppCidadeReferencia(); app.criarcidades(); app.listarcidades(); app.alterarsp(); app.listarcidades(); Repare que tínhamos um registro no documento de estado: sigla: SP nome: Sao Paolo. Criamos uma nova cidade e associamos a ela este estado. Em um segundo momento, foi alterado o nome deste estado para o nome correto: São Paulo. Quando executamos o método: app.listarcidades() novamente, o nome do estado foi alterado de fato para todas as cidades que tinham uma referência para este estado. Agora, em nosso banco de dados, existem duas coleções de documentos: estados e cidades. Outra modalidade de referência de documentos são os documentos embutidos, anotados Estes não possuem uma coleção física fora da entidade pai, ou seja, se tentar obter uma listagem via console desta coleção, não será possível. O principal motivo é que este documento referenciado está presente apenas no objeto pai. Voltando para nosso exemplo, vamos criar Embedded para os bairros de uma cidade. No trecho de código a seguir é mostrada esta alteração na classe public List<Bairro> bairros; Pode-se ver na Listagem 13 que o objeto Bairro não possui um campo com a e nem a anotação de por se tratar de um documento que apenas faz parte do documento Cidade, e fora deste contexto, o documento Bairro não existe. Este é apenas um POJO. Listagem 13. public class Bairro { public String nome; de cidades após a utilização dos bairros Obtendo registros (documentos) Os documentos são obtidos do banco de dados por meio da interface Query. Existem duas formas - leitor, e não existe benchmark com a informação de é mais legível. Desta forma, também é possível criar queries dinâmicas, observando os parâmetros de entrada quando utilizado um DAO, por exemplo. Na Listagem 14 é mostrada a classe AppQuery e a utilização do Filter, e na Listagem 15, na mesma clas- Listagem 14. utilizando Filter. public void (String sigla) { Estado estado = super.ds.createquery( Estado.class). ( sigla =, sigla).get(); 15 \

7 Query<Cidade> q = super.ds.createquery( Cidade.class). ( estado =, estado);.. Listagem 15. utilizando Interface Fluente. public void (String sigla) { Estado estado = super.ds.createquery(estado.class). ( sigla ).equal(sigla).get(); Query<Cidade> query = super.ds.createquery( Cidade.class); query. ( estado ).equal(estado);.. for (Cidade cidade: query.fetch()) { System.out.println(cidade); Dependendo do que é esperado como retorno, um método do objeto Query deve ser chamado. Por exemplo, se você espera que apenas um registro seja retornado na query, chame o método get(). Veja abaixo os resultados possíveis.» get(): retorna apenas um objeto, o primeiro da listagem.» aslist(): retorna uma lista de objetos como resultado.» fetch(): obtém um Iterable de objetos.» askeylist() com apenas o Id do objeto. Muito útil e rápido quando é necessário apenas o Id do objeto.» fetchemptyentities(): um mix entre o fetch() e o askeylist(), este retorna uma lista contendo apenas o Id do objeto. As duas formas mais utilizadas são o get() e o fetch(), exibidos na Listagem 15. Os demais serão deixados como exercício para o leitor avaliar as reais utilidades das mesmas. Operadores A listagem completa de operadores pode ser obtida no site do Morphia (na tabela 1 são mostrados Figura 3. Coleções de cidades e estados em nosso banco de dados. Figura 4. Status da coleção cidades após a associação de bairros. Filter Fluente = Equal!=, <> notequal > greaterthan < lessthan >= greaterthanoreq <= lessthanoreq Tabela 1. Relação dos operadores. Ordenação de registros A ordenação dos registros acontece chamando-se cessário informar mais de um campo para ordenação, basta separá-los por vírgulas. Por padrão, a ordenação é feita em ordem ascendente, e para inverter a ordem (descendente), basta incluir o caracter - no começo do campo. Na Listagem 16 é mostrada a utilização do método order e suas opções. Listagem 16. mentos. public void showorderbynome() { Query<Cidade> q = super.ds.createquery( Cidade.class).order( nome, estado.sigla ); public void showdescorderbynome() { Query<Cidade> q = super.ds.createquery( Cidade.class).order( -nome ); Limit e Offset Limit e Offset são duas opções bastante úteis quando é necessário, por exemplo, mostrar registros agrupados ou em quantida- utilização é bastante parecida com a ordenação, incluindo a chamada de um método Offset e Limit podem ser utilizadas juntas para que a paginação possa ocorrer na camada do banco de dados. Na Listagem 17 é mostrado como utilizar ambas as funções. / 16

8 Listagem 17. Limite e Offset. public void all() { System.out.println( \n all() ); /referências Query<Cidade> q = super.ds.createquery(cidade.class); public void limit(int no) { System.out.println( \n limit( + no + ) ); Query<Cidade> q = super.ds.createquery(cidade.class). limit(no); public void offset(int no) { System.out.println( \n----- offset( + no + ) ); Query<Cidade> q = super.ds.createquery(cidade.class). offset(no); public void offsetlimit(int noo, int nol) { System.out.println( \n offsetlimit( + noo +, + nol + ) ); Query<Cidade> q = super.ds.createquery(cidade.class). offset(noo).limit(nol); A utilização de um banco de dados orientado NoSQL depende, e muito, das características de cada aplicação e suas necessidades e limites técnicos e não-técnicos. O Morphia é uma alternativa muito produtiva em comparação com o driver nativo Java para o MongoDB. Sua curva de aprendizado para quem está acostumado a trabalhar com JPA é bastante reduzida. A parte mais difícil é se adaptar ao mecanismo orientado a documentos do MongoDB, que acredi- tempo de desenvolvimento e manutenção da apli- documentos podem ser manipulados. Tipos de bancos de dados NoSQL Existe alguns tipos de bancos de dados NoSQL, cada um destinado a solucionar um problema cumentos estão tomando cada vez mais força no âmbito comercial. Entre suas principais características, está a escalabilidade vertical de fácil manutenção e instalação. Para startups e sites de grandes volumes de manipulação de dados, a utilização de bancos de dados NoSQL orientado a documentos podem ser a solução mais adequada. Os principais modelos de bancos de dados NoS- QL são: Orientado a documento: MongoDB, CouchDB, MarLkogic Server, BaseX, sxist Orientado a objetos: Db4o Rdis, SimpleDB, Hbase Tabular: Cassandra, Hypertable - No desenvolvimento do MongoDB foram priorizadas algumas funcionalidades (Flexibilidade, Facilidade e Velocidade) em detrimento de outras (Transações). O MongoDB não suporta transações ACID. Pelo menos não de forma nativa entre coleções, como os bancos de dados relacionais suportam entre tabelas. O MongoDB oferece suporte a ACID nativamente quando as alterações são entre documentos aninhados, mas não entre coleções. Para os casos em que são necessárias controle de transações entre coleções, é possível, através de uma camada intermediária entre a aplicação e o banco de dados. 17 \

Tutorial de Uso com o Java

Tutorial de Uso com o Java Tutorial de Uso com o Java Criado por Fernando Anselmo Versão 1.0 em 18/08/2012 Seção 1 Nesta seção veremos: Histórico do MongoDB Como instalar o MongoDB Console de Comandos Usar o Java MongoDB (de "humongous

Leia mais

JPA Passo a Passo. Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br. Globalcode Open4Education

JPA Passo a Passo. Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br. Globalcode Open4Education JPA Passo a Passo Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br 1 Palestrante Henrique Eduardo M. Oliveira (henrique@voffice.com.br) > Trabalha: Arquiteto JEE / Instrutor Java > Formação: Ciências

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Auditando persistência com JPA

Auditando persistência com JPA a r t i g o Em ambientes corporativos, a auditoria sobre as operações de banco de dados é importantíssima, quando não, indispensável. Essa importância surge a partir de um conjunto de necessidades, como:

Leia mais

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA 1 Objetivos Apresentar de forma progressiva as diversas alternativas de persistência de dados que foram evoluindo na tecnologia Java, desde o JDBC, passando

Leia mais

Mapeamento Lógico/Relacional com JPA

Mapeamento Lógico/Relacional com JPA Mapeamento Lógico/Relacional com JPA Elaine Quintino da Silva Doutora em Ciência da Computação pelo ICMC-USP/São Carlos Analista de Sistemas UOL PagSeguro Instrutora Globalcode Agenda! Persistência de

Leia mais

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do UNICO. O roteiro poderá ser usado não apenas pelas revendas que apenas estão realizando

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Etapa 1: Limpar o computador e executar o Windows Update

Etapa 1: Limpar o computador e executar o Windows Update Usuários do Windows 7: Tente usar o utilitário de diagnóstico gratuito da HP para ajudá-lo a encontrar o melhor driver! IMPORTANTE: Você deve seguir estas soluções na ordem que são apresentadas para resolver

Leia mais

ruirossi@ruirossi.pro.br

ruirossi@ruirossi.pro.br Persistência Com JPA & Hibernate Rui Rossi dos Santos ruirossi@ruirossi.pro.br Mediador: Rui Rossi dos Santos Slide 1 Mapeamento Objeto-Relacional Contexto: Linguagem de programação orientada a objetos

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Heroku. Implantando Aplicações Java no. heroku_. Descubra como é fácil ter sua aplicação rodando em Cloud Computing

Heroku. Implantando Aplicações Java no. heroku_. Descubra como é fácil ter sua aplicação rodando em Cloud Computing heroku_ Implantando Aplicações Java no Heroku Descubra como é fácil ter sua aplicação rodando em Cloud Computing O que é o Heroku? Heroku é uma plataforma de cloud computing que foi criada para facilitar

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Procedimento de Instalação do Min200E Conexão USB

STK (Start Kit DARUMA) Procedimento de Instalação do Min200E Conexão USB STK (Start Kit DARUMA) Procedimento de Instalação do Min200E Conexão USB Esse STK ensinará como você deve instalar o driver conversor do Modem MIN200E USB em ambiente que utiliza o sistema operacional

Leia mais

Guia do Demoiselle Audit Demoiselle Audit Paulo Gladson Ximenes Pinheiro Clóvis Lemes Ferreira Júnior

Guia do Demoiselle Audit Demoiselle Audit Paulo Gladson Ximenes Pinheiro Clóvis Lemes Ferreira Júnior Guia do Demoiselle Audit Demoiselle Audit Paulo Gladson Ximenes Pinheiro Clóvis Lemes Ferreira Júnior Demoiselle Audit... v 1. Auditor... 1 1.1. Auditor de Persistência... 1 1.2. Auditor de Visão... 1

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Ciências da Computação Sistemas Operacionais 2

Universidade Federal de Goiás Ciências da Computação Sistemas Operacionais 2 Universidade Federal de Goiás Ciências da Computação Sistemas Operacionais 2 MongoDB Diego Fraga - 083746 Gabriel Henrique - 083771 Lauro Henrique - 074259 O que é MongoDB? - MongoDB é uma ferramenta de

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br Java Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br 3. Considere as instruções Java abaixo: int cont1 = 3; int cont2 = 2; int cont3 = 1; cont1 += cont3++; cont1 -= --cont2; cont3 = cont2++; Após a

Leia mais

Manual de Instalação. SafeSign Standard 3.0.77. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeSign Standard 3.0.77. (Para MAC OS 10.7) SafeSign Standard 3.0.77 (Para MAC OS 10.7) 2/23 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Hardware Homologado... 4 5 Instruções de Instalação... 5

Leia mais

JPA: Persistência padronizada em Java

JPA: Persistência padronizada em Java JPA: Persistência padronizada em Java FLÁVIO HENRIQUE CURTE Bacharel em Engenharia de Computação flaviocurte.java@gmail.com Programação Orientada a Objetos X Banco de Dados Relacionais = Paradigmas diferentes

Leia mais

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Nextel 2014 http://nextelcloud.nextel.com.br 1 Nextel Cloud... 4 2 Nextel Cloud Web... 5 2.1 Página Inicial... 6 2.1.1 Meu Perfil... 7 2.1.2 Meu Dispositivo...

Leia mais

Um pouco do Java. Prof. Eduardo

Um pouco do Java. Prof. Eduardo Um pouco do Java Prof. Eduardo Introdução A tecnologia JAVA é composta pela linguagem de programação JAVA e pela plataforma de desenvolvimento JAVA. Os programas são escritos em arquivos-texto com a extensão.java.

Leia mais

Engenharia de software 2011A. Trabalho sobre

Engenharia de software 2011A. Trabalho sobre Engenharia de software 2011A Trabalho sobre NOSQL Not only SQL NoSQL Not only SQL GRUPO - 9 Cléverton Heming Jardel Palagi Jonatam Gebing Marcos Wassem NOSQL O Termo NoSQL, foi utilizado pela primeira

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

para o leitor de livros digitais

para o leitor de livros digitais Do Situação: Janeiro de 2013 para o leitor de livros digitais Empréstimo e reprodução de livros digitais em um leitor de livros digitais Isso é possível graças ao formato EPUB de fácil leitura. Esse formato

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Classes de Entidades Persistentes JDB

Classes de Entidades Persistentes JDB Classes de Entidades Persistentes JDB Brasil, Natal-RN, 07 de setembro de 2011 Welbson Siqueira Costa www.jdbframework.com Nota de Retificação: em 11/12/2011 a Listagem 3 desse tutorial sofreu uma pequena

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta de JDBC. jdbc_response série 1.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta de JDBC. jdbc_response série 1.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta de JDBC jdbc_response série 1.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Aula 5. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardocarvalhodantas@gmail.com)

Aula 5. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardocarvalhodantas@gmail.com) Persistência com JDBC e JPA Aula 5 Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardocarvalhodantas@gmail.com) Quem é sábio procura aprender, mas os tolos estão satisfeitos com a sua própria ignorância..

Leia mais

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Elaboração: Prof. Éverton Loreto everton@uffs.edu.br 2010 Objetivo Conhecer as características e recursos do Sistema Operacional

Leia mais

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Perola André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Prevayler é a implementação em Java do conceito de Prevalência. É um framework que prega uma JVM invulnerável

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

Acessando um Banco de Dados

Acessando um Banco de Dados Acessando um Banco de Dados Introdução Agora que você já está craque em JSP e já instalou seu servidor, vamos direto para a parte prática! Neste tutorial vamos aprender a acessar um banco de dados. Para

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Este tutorial visa preparar o computador com os softwares necessários para a utilização dos sistemas de visualização

Leia mais

PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS

PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS PACOTE - INSTITUIÇÕES DE ENSINO - EMPRESAS Volume 1 ACRONUS TECNOLOGIA EM SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS RESTAURADOR PLUS Manual do usuário 1.60 P A C O T E I N S T I T U I Ç Õ E S D E E N S I

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Android e Bancos de Dados

Android e Bancos de Dados (Usando o SQLite) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO Versão: BETA Última atualização: 24/06/2012 Índice O sistema de banco de imagens 03 Pesquisa de fotos 04 Pautas e eventos 08 Cadastro de fotos 09 Edição e indexação

Leia mais

NoSQL. Cintia Freitas de Moura. BCC 441 Banco de Dados II / 2014

NoSQL. Cintia Freitas de Moura. BCC 441 Banco de Dados II / 2014 NoSQL Cintia Freitas de Moura BCC 441 Banco de Dados II / 2014 Origem: O termo NoSQL foi usado pela primeira vez em 1998, como o nome de um banco de dados relacional de código aberto que não possuía um

Leia mais

APOSTILA DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO IV

APOSTILA DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO IV APOSTILA DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO IV CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROF. ERWIN ALEXANDER UHLMANN Universidade Guarulhos Página 1 Agradecimentos Agradeço a todos os alunos que com suas dúvidas me ajudaram a

Leia mais

Auditoria Avançada de Persistência com Hibernate, JPA e Envers

Auditoria Avançada de Persistência com Hibernate, JPA e Envers a r t i g o José Yoshiriro Ajisaka Ramos (jyoshiriro@gmail.com): bacharel em Sistema de Informação (IESAM). Mestrando em Ciência da Computação (UFPA). Instrutor na Equilibrium Web e na UAB. Engenheiro

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

Manual de Utilização do TOTVS Restore

Manual de Utilização do TOTVS Restore Manual de Utilização do TOTVS Restore Atualização de Ambientes RM O TOTVS Restore é uma ferramenta desenvolvida pela equipe de Engenharia de Software do CD-BH com o intuito de permitir a criação e atualização

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010.

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Manual de Configuração Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Manual de instalação Servidor Orion Phoenix

Manual de instalação Servidor Orion Phoenix Manual de instalação Servidor Orion Phoenix Fevereiro/2011 Este documento se destina a instalação do Orion Phoenix na sua rede Versão 1.01 C ONTE ÚDO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO GERAL... 3 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Configurando o IIS no Server 2003

Configurando o IIS no Server 2003 2003 Ser ver Enterprise Objetivo Ao término, você será capaz de: 1. Instalar e configurar um site usando o IIS 6.0 Configurando o IIS no Server 2003 Instalando e configurando o IIS 6.0 O IIS 6 é o aplicativo

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro Volume de dados muito grande Principais problemas em relação aos SGBD Relacionais é conciliar o tipo de modelo com a demanda da escalabilidade. Exemplo -Facebook Um crescimento

Leia mais

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software A R P O KLUG BPMN++ MODELER PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE Verificar requisitos para instalação Iniciar procedimento de instalação Executar procedimento de instalação Efetuar primeiro

Leia mais

Java Linguagem de programação

Java Linguagem de programação NASA INFORMÁTICA Pág. 1 O ambiente Java Como foi comentado anteriormente, o Java é uma linguagem independente de plataforma. Tal característica torna-se possível com o uso de um formato intermediário,

Leia mais

Bem-vindo ao Guia de Introdução - Utilitários

Bem-vindo ao Guia de Introdução - Utilitários Bem-vindo ao Guia de Introdução - Utilitários Table of Contents File Recover... 1 Introdução do File Recover... 1 Instalação... 1 Introdução... 2 iii File Recover Introdução do File Recover Instalação

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br Capture Pro Software Introdução A-61640_pt-br Introdução ao Kodak Capture Pro Software e Capture Pro Limited Edition Instalando o software: Kodak Capture Pro Software e Network Edition... 1 Instalando

Leia mais

Solicitação de Manutenção de Veículo. Manual SRM

Solicitação de Manutenção de Veículo. Manual SRM Manual SRM 1 Índice 1. Requerimentos Técnicos para Utilização do Sistema... 4 1.1 Hardware... 4 1.2 Software... 5 1.3 Conexão à Internet... 9 2. Desabilitação do Bloqueio Automático de Pop-ups...10 3.

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Leia antes de instalar Mac OS X

Leia antes de instalar Mac OS X Leia antes de instalar Mac OS X Leia este documento antes de instalar o Mac OS X. Ele inclui informações sobre os computadores compatíveis, requisitos do sistema e como instalar o Mac OS X. Para obter

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA

MANUAL PARA USO DO SISTEMA Clínicas Odontológicas MANUAL PARA USO DO SISTEMA (GCO) GERENCIADOR CLÍNICO ODONTOLÓGICO SmilePrev Versão 2.0 SmilePrev Clínicas Odontológicas www.smilepev.com 2008 REQUISITOS BÁSICOS DO SISTEMA HARDWARE

Leia mais

Persistência de dados com JPA. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Persistência de dados com JPA. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Persistência de dados com JPA Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com O que é persistência? A persistência de dados é o fato de pegar um dado e torná-lo persistente, ou seja, salvar em algum banco

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Procedimento de Instalação da FS700/MACH Conexão USB

STK (Start Kit DARUMA) Procedimento de Instalação da FS700/MACH Conexão USB STK (Start Kit DARUMA) Procedimento de Instalação da FS700/MACH Conexão USB Esse STK ensinará como você deve instalar o driver conversor das Impressoras Fiscais FS700/MACH USB em ambiente que utiliza o

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida

Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida 1 Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida 1. Colocado diretamente no desktop Colocou a câmera IP na posição adequada 2 2. Montagem na parede O suporte com o parafuso de bloqueio

Leia mais

Manual do aplicativo Conexão ao telefone

Manual do aplicativo Conexão ao telefone Manual do aplicativo Conexão ao telefone Copyright 2003 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. O logotipo da Palm e HotSync são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo da HotSync e Palm são marcas

Leia mais

Manual de Instalação do Agente Citsmart

Manual de Instalação do Agente Citsmart 16/08/2013 Manual de Instalação do Agente Citsmart Fornece orientações necessárias para efetuar a instalação do Agente Citsmart. Versão 1.9 21/11/2014 Visão Resumida Data Criação 21/11/2014 Versão Documento

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Softblue Logic IDE Guia de Instalação www.softblue.com.br Sumário 1 O Ensino da Lógica de Programação... 1 2 A Ferramenta... 1 3 Funcionalidades... 2 4 Instalação... 3 4.1 Windows...

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Manipulação de Banco de Dados com Java. Ms. Bruno Crestani Calegaro (bruno.calegaro@ifsc.edu.br) Maio/ 2015

Manipulação de Banco de Dados com Java. Ms. Bruno Crestani Calegaro (bruno.calegaro@ifsc.edu.br) Maio/ 2015 Manipulação de Banco de Dados com Java Ms. Bruno Crestani Calegaro (bruno.calegaro@ifsc.edu.br) Maio/ 2015 Acesso a um SGBD Em sistemas mais simples o uso de arquivos pode ser usado mas para aplicações

Leia mais

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA Introdução para Iniciantes Prof. M.Sc. Daniel Calife Índice 1 - A programação e a Linguagem Java. 1.1 1.2 1.3 1.4 Linguagens de Programação Java JDK IDE 2 - Criando o primeiro

Leia mais

Projeto de Software Orientado a Objeto

Projeto de Software Orientado a Objeto Projeto de Software Orientado a Objeto Ciclo de Vida de Produto de Software (PLC) Analisando um problema e modelando uma solução Prof. Gilberto B. Oliveira Estágios do Ciclo de Vida de Produto de Software

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

COMO INSTALAR O CATÁLOGO

COMO INSTALAR O CATÁLOGO Este guia tem por finalidade detalhar as etapas de instalação do catálogo e assume que o arquivo de instalação já foi baixado de nosso site. Caso não tenho sido feita a etapa anterior favor consultar o

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais são as palavras que podem

Leia mais

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition 1 Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition Sobre o Autor Carlos Eduardo G. Tosin (carlos@tosin.com.br) é formado em Ciência da Computação pela PUC-PR, pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

ROTEIRO DE INSTALAÇÃO

ROTEIRO DE INSTALAÇÃO ROTEIRO DE INSTALAÇÃO O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do sistema UNICO, afim, de auxiliar os técnicos e evitar possíveis dúvidas e erros de instalação. Instalador O instalador

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário

Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul Manual: Sistema de Controle Patrimonial Inventário Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessar o Controle Patrimonial Web... 4 2.1. Login... 4 3. Inventário...

Leia mais

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Sistema Gerenciador de Hotel Adriano Douglas Girardello

Leia mais