ANA PAULA ENGRAZIA BETTIO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANA PAULA ENGRAZIA BETTIO 1"

Transcrição

1 1 OBRIGAÇÃO ALIMENTAR DOS PAIS AOS FILHOS MAIORES ANA PAULA ENGRAZIA BETTIO 1 RESUMO A presente pesquisa apresenta uma análise geral do instituto dos alimentos, seu conceito, sua natureza, sua finalidade e a obrigação alimentar, tendo como embasamento teórico o Código Civil Brasileiro de Este trabalho de pesquisa versa, especificamente, sobre a obrigação alimentar dos pais para com os filhos com maioridade civil. Posteriormente a estas análises, serão apresentadas as situações específicas em que os filhos maiores de dezoito anos têm direito à pensão alimentícia paga pelos seus genitores. Por fim, o trabalho analisa os aspectos peculiares da ação de alimentos movida pelos filhos maiores, mostrando também a polêmica entre a doutrina e a jurisprudência sobre ação de exoneração de alimentos pleiteada pelos genitores, examinando, ainda, o posicionamento do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul nos casos concretos. Esta pesquisa tem o intuito de dirimir possíveis dúvidas geradas com relação ao direito dos filhos maiores de dezoito anos receberem ou não alimentos de seus pais. Palavras-chave: Alimentos. Obrigação alimentar. Necessidade. Possibilidade. Maioridade civil. INTRODUÇÃO O presente trabalho de conclusão de curso tem por objetivo mostrar a importância dos alimentos no ordenamento jurídico brasileiro, especificamente no Direito de Família, restringindo-se ao estudo da obrigação alimentar dos pais na maioridade civil dos filhos. Sabe-se que o direito primordial do ser humano é o de sobreviver, e de sobreviver com dignidade; em virtude disso, o instituto dos alimentos destaca-se no meio jurídico pela sua importância com relação ao direito à vida. Os indivíduos, a princípio, possuem todos os predicados que os tornam capazes de subsistir por meio de seu próprio esforço, porém, em determinadas circunstâncias, isso se torna impossível ou temporariamente inviável. Contudo, todo indivíduo que não pode prover sua mantença não pode ser deixado à própria sorte, e, por essa razão, a lei criou a obrigação alimentar. O ser humano, desde o seu nascimento à sua morte, necessita de amparo de seus semelhantes e de bens essenciais ou necessários para a sobrevivência. Nesse âmbito, realça-se a necessidade de sua provisão com alimentos. Desse modo, o conceito de alimentos pode ser entendido como tudo que é necessário para a sua subsistência. 1 Acadêmica da Faculdade de Direito da PUCRS. Trabalho orientado pelo Prof. ME Gilberto Flávio Aronne

2 2 Um dos motivos que levaram à escolha do tema da presente pesquisa consiste na dificuldade apresentada, nos dias de hoje, de os jovens entrarem para o mercado de trabalho. O filho, ao atingir a maioridade civil, não possui, na maioria das vezes, capacidade financeira suficiente para suprir todas as suas necessidades. Mostra-se praticamente impossível que um filho que tenha completado recentemente dezoito anos de idade consiga um emprego que sustente, por exemplo, além de suas necessidades básicas, uma universidade particular, curso este que facilitará seu desenvolvimento e culminará em êxito profissional posteriormente. Por essa razão, os filhos com maioridade civil devem ter direito aos alimentos, caso exista uma real necessidade, para que possam continuar com seus estudos sem prejuízo, futuramente, de sua vida profissional. Outro motivo para a escolha do tema em questão é a grande quantidade de demandas tramitando no Poder Judiciário Gaúcho, por meio das quais se constata, em número cada vez maior, a interposição de ações por filhos maiores de idade pleiteando alimentos de seus genitores. Cabe salientar, ainda, que um dos fatos motivadores da escolha deste tema, além do acima mencionado, é a atual realidade de instabilidade na vida conjugal dos casais com filhos, na qual se percebe um número cada vez maior de separações e divórcios entre os pais. Em situações como essas, os filhos, muitas vezes superprotegidos e despreparados para o seu auto-sustento, vêem-se desamparados afetiva e financeiramente para prosseguirem suas vidas sem a ajuda dos genitores, ou seja, mesmo que considerados maiores civilmente, não possuem condições, em sua maioria, de obterem sozinhos os recursos indispensáveis à sua sobrevivência, já que se encontram em condições não-favoráveis para tal. É evidente que cada caso deve ser analisado de acordo com suas peculiaridades, levando-se sempre em consideração o binômio necessidade-possibilidade. Em virtude disso, analisar-se-á esse binômio em momento posterior. Inicialmente, para o desenvolvimento da presente análise, serão analisados, em aspectos gerais e fundamentais, tópicos intrinsecamente relacionados ao instituto dos alimentos, tais como seu conceito, sua natureza e sua finalidade; logo, verificar-se-ão os sujeitos da obrigação alimentar, ou seja, quem pode exigir os alimentos e quem deve fornecê-los. No mesmo capítulo, examina-se a diferenciação que se estabelece entre o dever de sustento e o da obrigação alimentar, este decorrente da relação de parentesco, aquele pelo poder familiar. Além disso, analisar-se-ão os pressupostos da obrigação dos alimentos, o binômio necessidadepossibilidade, o qual mostra que somente são concedidos os alimentos para o alimentado se este realmente necessita de auxílio e se o alimentante tem possibilidade de prestá-los. No segundo capítulo, será feita uma análise sobre a obrigação alimentar que os pais possuem em relação aos filhos maiores de dezoito anos. Verificar-se-á, neste tópico, que o dever de sustento cessa com o advento da maioridade civil, mas, conforme entendimento doutrinário e jurisprudencial, a maioridade por si só não extingue o encargo alimentar dos pais na ação de alimentos pleiteada pelos filhos; pelo contrário, em determinados casos, configurada a necessidade, a prestação dos alimentos deve persistir para não causar prejuízo ao alimentado. Dissertar-se-á,

3 3 também, sobre as condições específicas para a concessão de alimentos pelos pais aos filhos maiores, ou seja, em quais circunstâncias os pais serão obrigados a fornecer pensão alimentícia aos filhos maiores necessitados. Neste mesmo capítulo, será examinado o limite etário para a concessão dos alimentos aos filhos maiores. Observar-se-á, por fim, no terceiro capítulo, o pedido de exoneração de alimentos movida pelos pais, com o intuito de extinguir a prestação alimentícia aos filhos maiores. Frise-se que não há entendimento pacífico entre doutrinadores e magistrados acerca da necessidade ou não de interposição de ação de exoneração para cessar a obrigação dos pais de prestar alimentos aos filhos maiores, pois alguns autores acham que o singelo requerimento dos genitores, na própria ação de alimentos, poderia ser suficiente para a análise do pedido. Observar-se-ão também aspectos específicos das ações de alimentos movidas pelos filhos maiores de idade contra seus genitores, bem como serão analisados casos concretos a partir da utilização da jurisprudência do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. O estudo em tese tem por objetivo verificar a possibilidade de os filhos maiores demandarem alimentos de seus pais, analisando-se sempre o binômio necessidade do alimentado e possibilidade do alimentante. Em se tratando o direito alimentar de matéria de suma importância social, uma vez que essencial à sobrevivência das pessoas, teve-se o cuidado de explanar o tema no sentido de apresentar suas características, seus conceitos e suas peculiaridades, e, principalmente, de demonstrar sua fundamental importância nesta sociedade individualista, onde é preciso que seja interposta ação judicial pleiteando alimentos a fim de que o filho maior e necessitado não pereça. 1 ALIMENTOS 1.1 Conceito, finalidade e natureza dos alimentos Alimentos são todas as substâncias utilizadas pelos homens como fonte de energia para poderem realizar as suas funções vitais, incluindo o crescimento, o movimento, a reprodução, e todas as finalidades da vida. Como se vê, esse é o conceito genérico e usual de alimentos. Logo, pode-se entender que alimento é tudo aquilo que o homem bebe e come, em vista de seu sustento, ou seja, é toda a substância que, ingerida por um ser vivo, alimenta-o ou nutre-o. Do ponto de vista jurídico, entende-se por alimentos tudo o que for necessário ao sustento do ser humano, para o suprimento de suas necessidades vitais e sociais. Tem-se como exemplo de alimentos os gêneros alimentícios, o vestuário, a habitação, a saúde, a educação e o lazer. Os alimentos não se referem apenas à subsistência material do alimentado, mas também à sua formação intelectual. Eles visam a satisfazer as necessidades de quem não pode provê-las integralmente por si. 2 2 GOMES, Orlando. Direito Civil: Direito de Família. 14 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2001, p. 427.

4 4 Segundo Ricardo Rodrigues Gama, por alimentos entenda-se a obrigação de dar um montante, em dinheiro ou não, a outra pessoa, para a sua subsistência. Subentende-se, incluso em alimentos, o vestuário, a habitação, a educação, o lazer, a assistência médica e os medicamentos. 3 Para Yussef Said Cahali, são [...] alimentos no seu significado vulgar: tudo aquilo que é necessário à conservação do ser humano com vida. 4 Arnoldo Wald assevera que os alimentos são determinados pelo juiz, atendendo à situação econômica do alimentante e às necessidades essenciais de moradia, alimentação vestuário, tratamento médico e educação do alimentado. 5 O Novo Código Civil brasileiro de 2002, assim como o antigo Código Civil, de 1916, não definiu o conceito de alimentos. Não obstante isso, o art do Código Civil de 2002 dispõe: o legado de alimentos abrange o sustento, a cura, o vestuário e a casa, enquanto o legatário viver, além da educação, se ele for menor. Conforme entendimento de Rolf Madaleno, a expressão alimentos engloba o sustento, a cura, o vestuário e a casa, reza o artigo do Código Civil brasileiro, e, se o alimentando for menor, também tem o direito à educação, tudo dentro do orçamento daquele que deve prestar estes alimentos, num equilíbrio dos ingressos da pessoa obrigada com as necessidades do destinatário da pensão alimentícia. 6 A partir do exposto até então, é possível observar na doutrina a unanimidade de idéias sobre o conceito de alimentos; embora alguns autores utilizem palavras e expressões diversificadas, não há qualquer divergência conceitual substancial entre eles. Como bem ensina Sérgio Gilberto Porto, hoje não mais existe qualquer divergência quanto à conotação técnicojurídica do conceito de alimentos, pois a doutrina de muito firmou o entendimento de que em tal acepção devemos considerar não só os alimentos necessários para o sustento, mas também os demais meios indispensáveis para as necessidades da vida no conceito social de cada um. Nessa linha, vale observar que o que vinha sendo recomendado pela doutrina, agora, como novo sistema, vem expressamente consagrado no artigo 1694 do CC, haja vista que este estabelece que os alimentos devam atender também a compatibilidade com a condição social. 7 O instituto dos alimentos destaca-se no meio jurídico pela sua importância em relação ao direito à vida, pois todos sabem que o direito primordial do ser humano é o de sobreviver com dignidade. O indivíduo, a princípio, possui todos os predicados que o tornam capaz de subsistir por meio de seu próprio esforço, porém, 3 GAMA, Ricardo Rodrigues. Alimentos. 1 ed. São Paulo: Bookseller, 2000, p CAHALI, Yussef Said. Dos Alimentos. 4 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p WALD, Arnoldo. O Novo Direito de Família. 15 ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2004, p MADALENO, Rolf. Direito de família em pauta. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2004, p PORTO, Sérgio Gilberto. Doutrina e Prática dos Alimentos. 3 ed. Rio de Janeiro: Revista dos Tribunais, 2003, p. 17

5 5 em determinadas circunstâncias, isso se torna impossível ou temporariamente inviável. Além do conceito de alimentos, é necessário que se faça a distinção entre os termos Alimentado e Alimentante, sendo estes os sujeitos legítimos da ação de alimentos. Alimentado é aquele a quem se dá, paga, fornece alimentos. É o sujeito ativo da obrigação alimentar, o credor. Alimentante, também chamado Alimentador, é aquele que dá, paga, fornece alimentos. É o sujeito passivo da obrigação alimentar, o devedor. O direito alimentar também se destaca por ser de ordem pública, prevalecendo, na proteção da família e da vida, o interesse social. O Estado fiscaliza e instrui normas que regem as relações sociais, em especial no concernente ao direito de família, pois não há quase liberdade na autonomia de vontade, sendo este direito alimentar limitado à ordem pública. Desse modo, salienta Rolf Madaleno: O direito alimentar é de ordem pública, por prevalecer o interesse social na proteção e na preservação da vida e da família, cometendo associar sua ordem pública com o princípio constitucional do artigo 3º, inciso I, da Carta Federal de 1988, quando aponta ser objetivo fundamental da República Federativa do Brasil construir uma sociedade livre, justa e solidária. 8 Sustentada pela doutrina, existe uma distinção quanto à natureza dos alimentos. Eles se dividem em alimentos naturais ou necessários e côngruos ou civis. Os alimentos naturais (necessarium vitae) são aqueles estritamente necessários para a manutenção da vida, os indispensáveis à subsistência, como alimentos, habitação, vestuário, assistência médica. 9 Os alimentos civis (necessarium personae), por sua vez, são os destinados a manter a qualidade de vida do alimentado, atendendo suas necessidades intelectuais ou morais (educação, lazer), ajudando a preservar, assim, o status social do credor de alimentos. 10 Desse modo, Araken de Assis ensina: Os alimentos naturais compreendem as notas mínimas da obrigação: alimentação, cura, vestuários e habitação: equivalem às necessidades básicas e tradicionais do ser humano. Eles se situam, portanto, nos limites do necessarium vitae. Os alimentos civis, também chamados côngruos, englobam, além desse conteúdo estrito, o atendimento às necessidades morais e intelectuais do ser humano, objetivamente considerado, e por isso se dizem necessarium personae MADALENO, Rolf. Op. cit., p ALDROVANDI, Andréa; FRANÇA, Danielle Galvão de. Os alimentos no novo código civil. Rio de Janeiro: Temas e Idéias Editora, 2004, p ALDROVANDI, Andréa; FRANÇA, Danielle Galvão de. Op. cit., p ASSIS, Araken de. Da execução de alimentos e prisão do devedor. 6 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004, p. 125.

6 6 Silvio de Salvo Venosa também salienta que [...] a doutrina costuma distinguir os alimentos naturais ou necessários, aqueles que possuem alcance limitado, compreendendo estritamente o necessário para a subsistência; e os alimentos civis ou côngruos, isto é, convenientes, que incluem os meios suficientes para a satisfação de todas as outras necessidades básicas do alimentado, segundo as possibilidades do obrigado. 12 Francisco José Cahali 13 diz que a diferenciação entre esses tipos de alimentos, embora não estivesse expressa no Código Civil de 1916, já acontecia há muito tempo, mas sem repercussão, visto que tal divisão não se fazia relevante. Mas com o advento da nova Lei Civil, tais modificação e diferenciação são necessárias em certos casos, quando são devidos somente os alimentos necessários à subsistência do alimentado, momento em que é preciso identificar e delimitar a abrangência de tal prestação para que se possa aplicar corretamente à pensão alimentícia o caso concreto. Importante referir que o conceito de alimentos e a sua finalidade estão interligados, uma vez que, por meio do entendimento do conceito, pode-se demonstrar para que o alimento serve e qual é o seu propósito. Além do conceito e da finalidade dos alimentos, também se deve mencionar que a obrigação alimentar não pertence somente ao Direito de Família, uma vez que essa obrigação decorre de várias fontes, tais como da lei, do contrato, do testamento, ou por meio de um ato ilícito. 14 Sobre o tema manifesta-se Orlando Gomes: A obrigação alimentar pode resultar: a) da lei, pelo fato de existir, entre determinadas pessoas, um vínculo de família; b) de testamento, mediante legado; c) de sentença judicial condenatória do pagamento de indenização para ressarcir danos provenientes de ato ilícito; d) de contrato. Por disposição testamentária pode-se instituir, em favor de legatário, o direito a alimentos, enquanto viver. O legado de alimentos abrange o sustento, a cura, o vestuário e a casa, além da educação, se o legatário for menor. A indenização devida pelo que praticou ato ilícito pode consistir, por determinação legal, na prestação de alimentos, como ocorre, por exemplo, no caso de homicídio. 15 Consoante Rolf Madaleno, a obrigação alimentar encontra, estatisticamente, maior trânsito dentro do Direito de Família. 16 A Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Maria Berenice Dias, refere que o dever de alimentar, no âmbito do direito das famílias, decorre do poder familiar, do parentesco, da dissolução do casamento ou da união 12 VENOSA, Silvio de Salvo. Direito Civil: Direito de Família. 5 ed. São Paulo. Atlas, 2005, p CAHALI, Francisco José. Dos alimentos. In: Direito de família e o novo código civil, Maria Berenice Dias e Rodrigo da Cunha Pereira (coords.), Belo Horizonte: Del Rey, 2002, p PORTO, Sérgio Gilberto. Doutrina e prática dos alimentos. 3 ed. Rio de Janeiro: Revista dos Tribunais, 2003, p GOMES, Orlando. Direito de Família. 14 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2001, p MADALENO, Rolf. Direito de família em pauta. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2004, p. 127.

7 7 estável. 17 A natureza jurídica dos alimentos decorrente da família está ligada à origem da obrigação. Em suma, constata-se que, na natureza jurídica dos alimentos, alguns autores distinguem estes como sendo naturais ou civis, ao passo que outros apontam que a natureza dos alimentos reside na lei, na vontade, ou no delito. Nesse sentido, mesmo que o instituto dos alimentos tenha diversos fundamentos e normas, todos estes apresentam a mesma finalidade, qual seja, a de evitar a miserabilidade. 18 Pelo exposto, resta evidente a importância dos alimentos no nosso ordenamento jurídico, uma vez que esse instituto tem por finalidade garantir o direito à vida de quem não tem meios de arcar com sua própria subsistência. Os alimentos visam, precisamente, a proporcionar ao alimentado uma vida com dignidade. Assim, já que os alimentos têm a finalidade de garantir o direito à vida, resta evidenciada a importância desse instituto inclusive na Constituição Federal Brasileira de 1988, quando se entende que o direito à vida é o mais fundamental de todos os direitos, já que se constitui em pré-requisito à existência e ao exercício de todos os demais direitos Quem deve prestá-los e quem pode reclamá-los Passa-se agora ao estudo dos sujeitos da obrigação alimentar no Direito de Família, os quais são, pois, quem está obrigado a prestar os alimentos e quem está necessitado de receber o auxílio dos alimentos. O ser humano, desde a sua concepção e em razão de sua estrutura e natureza, é um ser carente por excelência, incapacitado, até certo período da vida, de produzir os meios necessários para garantir a sua subsistência. Surge, assim, o direito natural de ser nutrido, amparado pelos responsáveis por sua geração. 20 Logo, são os genitores que devem assegurar os meios necessários para garantir a subsistência de sua prole; é um dever natural dos pais sustentar seus filhos. Ocorre que a relação de sujeitos da obrigação alimentar não compreende somente pais e filhos, visto que também há a possibilidade, no direito de família, de outros parentes fazerem parte dessa obrigação alimentícia. O princípio da reciprocidade foi mantido no Código Civil de 2002, elencado nos artigos 1.694, e deste, referindo que podem os sujeitos da obrigação alimentar se ajudarem mutuamente, ou seja, aquele que hoje presta alimentos a certo parente, outrora poderá estar na situação de necessitado, podendo exigir alimentos do parente ao qual ajudara. 17 DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005, p PORTO, Sérgio Gilberto. Op. cit.,p MORAES. Alexandre de. Direito Constitucional. 15 ed. São Paulo: Editora Atlas S.A., CAHALI, Yussef Said. Dos alimentos. 4 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 29.

8 8 A prestação de alimentos deixou de ser, pois, uma obrigação moral para se tornar uma obrigação de caráter estritamente jurídico, pois embora se reconheça a solidariedade familiar e o vínculo afetivo entre os membros da família, sentimentos de mágoas e desencantos acabam por misturar-se aos direitos e deveres. 21 A obrigação alimentar torna-se, portanto, materializada em virtude de lei, para que possa ser exigida por quem necessita. Assim ensina o ilustre Yussef Cahali: É fácil compreender-se essa primeira e definitiva inserção do encargo alimentar no contexto das relações familiares, à medida que o dever moral de prestação de socorro foi se transformando em obrigação jurídica de assistência. 22 Assim, ao se falar em alimentos, está-se também fazendo referência ao direito de exigi-los e à obrigação de prestá-los, caracterizando o caráter assistencial desse instituto, já que a finalidade da obrigação alimentar é a de atender as necessidades de uma pessoa que não pode prover a sua própria subsistência. 23 Assim sendo, é preciso identificar quais as pessoas que podem fazer parte do pólo ativo e quais podem fazer parte do pólo passivo dessa relação alimentar. No pólo ativo, encontra-se o credor de alimentos o alimentado. É ele quem recebe a prestação alimentar, ou seja, aquele que pode reclamar, exigir os alimentos. No outro pólo da relação, o pólo passivo, encontra-se o devedor de alimentos o alimentante. É aquele que obrigatoriamente presta alimentos, satisfazendo as necessidades do alimentado. Dessa maneira, a obrigação alimentar recai, primeiramente, aos parentes de grau mais próximo; na falta dos ascendentes, a prestação alimentícia caberá aos descendentes e, na falta destes, aos irmãos. Quem carece de alimentos deverá reclamá-los, primeiramente, aos pais (art. 229 da CF) 24. Na falta destes, a obrigação passará aos outros ascendentes, aos avós, paterno ou materno, em seguida aos bisavôs e bisavós, e assim sucessivamente. Na falta de ascendentes, a prestação alimentícia caberá, na ordem de sucessão, aos descendentes: primeiramente, aos filhos, e, posteriormente, aos netos. Faltando os descendentes, a obrigação incumbe aos irmãos, germanos ou unilaterais. 21 LEITE, Eduardo de Oliveira. Grandes temas da atualidade: Alimentos no novo código civil aspectos polêmicos. Vol. 5. Rio de Janeiro: Forense, 2006, p CAHALI, Yussef Said. Op. cit., p PORTO, Sérgio Gilberto. USTÁRROZ, Daniel. Tendências constitucionais no direito de família. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003, p Artigo 229 da Constituição Federal. Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores, e os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade.

9 9 Belmiro Pedro Welter salienta que, assim, em face de lei, verifica-se que há quatro classes de pessoas obrigadas à prestação alimentícia, formando uma hierarquia no parentesco: 1º) pais e filhos, reciprocamente 2º) na falta desses os ascendentes, na ordem de sua proximidade com o alimentado; 3º) os descendentes, na mesma ordem, excluindo o direito a representação; 4º) finalmente, aos irmãos, unilaterais ou bilaterais. 25 Para fins de obrigação alimentar, são considerados parentes consangüíneos os de linha reta. Assim, a lei faz uma enumeração taxativa na obrigação alimentícia, já que o dever de prestar alimentos não ultrapassa a linha colateral (irmãos) de segundo grau. Vê-se, portanto, que os tios não devem alimentos aos sobrinhos, nem os primos reciprocamente. Os parentes afins também estão excluídos dessa obrigação alimentar, são eles: sogros, cunhados, noras e genros. Portanto, os alimentos somente serão devidos nos casos determinados pela legislação vigente. A ilustre Desembargadora Maria Berenice Dias afirma que não são somente os ascendentes, descendentes e parentes até segundo grau (irmãos) que devem assumir a obrigação alimentar. Consoante posicionamento da mestra, na falta deles, a obrigação passará aos tios, após, aos sobrinhos, e, finalmente, aos primos. Conforme visto até o presente momento, essa doutrina não é a majoritária. Essa não parece ser a melhor orientação a seguir. Observe-se: [...] A doutrina não admite que a responsabilidade alimentar ultrapasse o parentesco de segundo grau. No entanto, não se pode emprestar tal sentido ao fato de não ter o legislador reconhecido à necessidade de detalhamento sobre a obrigação dos parentes de terceiro e quarto graus. Trazer a lei algumas explicitações quanto à obrigação entre ascendentes e descendentes, bem como detalhar o dever dos irmãos, não exclui os demais parentes do encargo alimentar. O silêncio não significa que tenham os demais sido excluídos do dever de pensionar. Os encargos alimentares seguem os preceitos gerais: na falta dos parentes mais próximos são chamados os mais remotos, começando pelos ascendentes, seguidos dos descendentes. Portanto, na falta de pais, avós e irmãos, a obrigação passa aos tios, tios-avós, depois aos sobrinhos, sobrinhos-netos e, finalmente, aos primos. 26 Existe, ainda, a obrigação alimentar decorrente de mútua assistência entre os cônjuges (Matrimônio) e os companheiros (União Estável). Esse direito advém de outro regramento, o qual não engloba as normas de parentes consangüíneos em análise. O fundamento legal que possibilita tal hipótese corresponde ao artigo 1.566, inciso III, aos cônjuges, e o artigo 1.724, aos companheiros. Todos esses fundamentos têm como base jurídica o Código Civil brasileiro. 25 WELTER, Belmiro Pedro. Alimentos no Código Civil. 1 ed. Porto Alegre: Síntese, 2003, p DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005, p. 460.

10 10 Cumpre ressaltar, ainda, que a prestação alimentar é exigível no presente e não no futuro, o que impõe a sua idéia de atualidade, pois a necessidade à justiça é, por sua vez, ordinariamente inadiável. 27 Assim, tais considerações induzem à certeza de que visou o legislador a resguardar a assistência àqueles que não podem prover a sua própria subsistência, impondo aos parentes, diante de suas possibilidades, exigirem uns dos outros os alimentos, e, aos cônjuges, a mútua assistência. É possível, portanto, identificar que os parentes, o cônjuge e os companheiros fazem parte dos sujeitos da relação alimentar no direito de família. 1.3 O dever de sustento e a obrigação alimentar Há uma importante diferença entre o dever de sustento e a obrigação alimentar. A doutrina, de forma uniforme e similar entre os autores, identifica e distingue essas duas obrigações alimentares. O dever de sustento resulta do poder familiar, em que os pais são obrigados a sustentar sua prole durante a menoridade civil. Essa obrigação consiste em sustento, guarda e educação dos filhos, conforme o artigo 1.566, inciso IV, do Código Civil de Sobre esse tema, Nelson Nery Junior e Rosa Maria de Andrade Nery comentam: Os pais têm o poder familiar, que significa, a um só tempo, poderdever e direito. A expressão pátrio poder foi substituída por poder familiar em razão da igualdade substancial entre os pais na educação dos filhos e na sociedade conjugal (CF 226, 5º). 29 Segundo Antonio Elias Queiroga, o poder familiar reflete um conjunto de direitos e deveres dos pais com relação à pessoa e ao patrimônio dos filhos. É um poder-dever derivado de uma necessidade natural, visto que toda pessoa humana, na infância e na adolescência, precisa de alguém para ajudá-la na sua criação, educação, sustento e administração de seus bens. 30 Entretanto, não é somente o Código Civil de 2002 que garante o sustento do menor pelo poder familiar; a Constituição Federal Brasileira de 1988 também prevê, claramente, o dever dos pais de assistir, criar e educar os filhos menores, como estabelecido no artigo 229 da Carta Magna, ou seja, o Estado atribui aos pais a obrigação de zelar pela formação moral, material e intelectual de sua prole. 27 LEITE, Eduardo de Oliveira (coord.). KRUCHIN, Adriana. Grandes temas da atualidade: alimentos no novo código civil aspectos polêmicos.vol. 5. Forense: Rio de Janeiro, 2006, p Artigo 1.566, IV do CC: São deveres de ambos os cônjuges: IV. Sustento, guarda e educação dos filhos. 29 NERY JUNIOR, Nelson. NERY, Rosa Maria de Andrade. Código Civil Anotado e Legislação Extravagante. 2.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, p QUEIROGA, Antônio Elias de. Curso de Direito Civil: direito de família. Rio de Janeiro: Renovar, 2004, p. 319.

11 11 Assim sendo, o filho menor de idade é dependente de seus pais, pois não dispõe de recursos próprios para manter-se. Como sabiamente observa o autor Yussef Cahali, a incapacidade ingênita de produzir os meios necessários para a manutenção de sua condição humana faz com que se lhe reconheça, por um princípio natural jamais questionado, o superior direito de ser nutrido pelos responsáveis por sua geração. 31 O dever de sustento é tão essencial à vida do filho menor, que os pais, mesmo encontrando-se em condições econômicas precárias, não se isentam da obrigação de prestar alimentos aos filhos menores de dezoito anos, ou seja, a impossibilidade material não pode ser considerada motivo de isenção da obrigação. A respeito disso, o referido Cahali ensina: Esta obrigação não se altera diante da precariedade da condição econômica do genitor: O pai, ainda que pobre, não se isenta, por esse motivo, da obrigação de prestar alimentos ao filho menor; do pouco que ganhar, alguma coisa deverá dar ao filho, a alegada impossibilidade material não pode constituir motivo de isenção do dever do pai de contribuir para a manutenção do filho; eventualmente; a obrigação, no entanto, sempre subsistiria". 32 Rolf Madaleno, no mesmo sentido, garante: A solidariedade familiar entre pais e filhos é ilimitada e vai ao extremo de exigir a venda de bens para cumprimento da obrigação filiada ao princípio constitucional do direito à vida, dentro da dignidade da pessoa humana (arts. 1º e 5, da CF), [...] quando se admite ser ilimitada a obrigação dos pais de prestar alimentos ou sustentar seus filhos, assim como seriam ilimitados e imensuráveis os esforços e sacrifícios paternos, em prol da prole, no íntegro devenir diário da sociedade conjugal, sobrepondo-se aos seus interesses pessoais, quando em confronto com as necessidades dos descendentes menores, ou incapazes de por si buscarem seu efetivo sustento. 33 Aos filhos menores e submetidos ao poder familiar, conforme artigos a do Código Civil, recai a presunção absoluta de necessidade de alimentos, vestuário, educação, saúde, moradia, ao contrário da obrigação alimentar entre parentes, cônjuge, companheiros. Em relação aos filhos maiores de dezoito anos, momento em que essa presunção de necessidade é relativa, deve ser provada a existência da real necessidade do alimentado para concessão de alimentos. A respeito disso, manifesta-se o Desembargador Luiz Felipe Brasil Santos do Egrégio Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, em seu julgado: APELAÇÃO CÍVEL. ALIMENTOS. EXONERAÇÃO. 1. Com a maioridade do apelante, os alimentos deixaram de encontrar seu fundamento no dever de sustendo dos pais para com os filhos menores (art , inc. IV, do CCB) 31 CAHALI, Yussef. Op. cit., p Idem ibidem, p MADALENO, Rolf. Direito de Família: aspectos polêmicos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1998, p. 50.

12 12 e que faz presumida a necessidade e passaram a amparar-se na obrigação existente entre parentes (art e seguintes do CCB), desaparecendo, a partir daí, a presunção de necessidade, que deve ser provada por quem alega, ou seja, pelo apelante. 2. Ante a nãocomprovação de necessidade do alimentado, cabível a exoneração. 34 Não havendo espaço para dúvidas, o Código Civil, em seus artigos 1.566, IV 35, , e , dispõe, em termos claros, que ambos os cônjuges e companheiros, mesmo na separação judicial, devem garantir o sustento de seus filhos, na proporção de seus bens e rendimentos, mesmo que não residam sob o mesmo teto. A preocupação do legislador foi em sempre garantir a vida e o futuro dos menores. Arnaldo Rizzardo 39 acrescenta que ao titular do poder familiar é obrigatório sustentar seu filho menor em todas as condições, independentemente dos recursos do filho menor, ainda que este possua bens e condições superiores às dos pais. De outra parte, é importante destacar os casos de perda ou de suspensão do poder familiar como conseqüência do abuso de poder praticado pelos pais, conforme artigos e do Código Civil. Isso acontece quando os pais faltam com seus deveres, muitas vezes, arruinando a vida de seus filhos, até mesmo abandonando-os em alguns casos. O importante a saber é que essa suspensão ou perda não retira do menor o seu direito a ser alimentado pelos seus genitores, mesmo estando estes destituídos do pátrio poder. A respeito disso, Arnaldo Rizzardo salienta: Mas a suspensão ou perda não desobriga, por via de conseqüência, do dever de prestar alimentos. Do contrário, o progenitor faltoso restaria beneficiado ou favorecido, pois livre de um dos principais encargos em relação aos filhos, recaindo toda responsabilidade no outro cônjuge ou progenitor. De lembrar que a suspensão ou a perda é uma punição e não um prêmio ao comportamento faltoso. 40 No mesmo sentido, José Francisco Cahali e Rodrigo da Cunha Pereira declaram: [...] Registra-se que nem mesmo a destituição do poder familiar extinguirá a obrigação alimentícia, evitando, assim, a premiação daquele genitor desidioso que coloca em xeque a própria integridade do filho. Por 34 RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Apelação Cível. Alimentos. Exoneração. Apelação Cível n Relator: Luiz Felipe Brasil Santos. 19 de outubro de In: Diário de Justiça do Rio Grande do Sul, Jurisprudência Gaúcha. Disponível em: 35 Artigo 1.566, IV São deveres de ambos os cônjuges: IV sustento, guarda e educação dos filhos. 36 Artigo Os cônjuges são obrigados a concorrer, na proporção de seus bens e dos rendimentos do trabalho, para sustento da família e a educação dos filhos, qualquer que seja o regime patrimonial. 37 Artigo Para a manutenção dos filhos, os cônjuges separados judicialmente contribuirão na proporção de seus recursos. 38 Artigo As reações pessoais entre companheiros obedecerão aos deveres de lealdade, respeito e assistência, e de guarda, sustento e educação dos filhos. 39 RIZZARDO, Arnaldo. Direito de Família. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004, p RIZZARDO, Arnaldo. Op. cit., p. 754.

13 13 isso, mesmo suspenso ou destituído do poder familiar, continua o pai obrigado a contribuir para o sustento do filho [...]. 41 De tal modo, diante do dever de sustento, afirma-se este como um dever assistencial e não recíproco dos seus genitores. Logo, esse benefício é exclusivo do menor e cessa com a maioridade. Salienta-se, ainda, que a obrigação do poder familiar é personalíssima, pois compete somente aos pais essa obrigação. O dever de sustento cessa com a maioridade civil, mas neste momento criase uma dúvida a respeito da interrupção do direito de esse filho receber alimentos. Yussef Cahali afirma que a cessação da maioridade não retira do filho o direito de pedir alimentos aos seus pais. 42 Segundo assinala Sérgio Gilberto Porto: O certo é que nem sempre a simples maioridade é capaz de desobrigar os pais, pois, se por um lado, com o atendimento dela cessa o pátrio poder, isso não implica e acarreta a imediata cessação do dever de alimentar. 43 Afirma-se que somente a chegada à maioridade por si só não libera os pais da obrigação de prestar alimentos aos filhos, pois somente por ter se tornado maior, ninguém passa automaticamente a ter plenas condições de sustentar-se. 44 Entretanto, tendo completado dezoito anos, o alimentado deverá comprovar a necessidade de receber e a possibilidade dos pais para prestarem os alimentos, ficando o filho maior com o ônus da prova. Neste caso, a obrigação alimentar terá por seus fundamentos os artigos e do Código Civil, por meio dos quais se observa que a obrigação se dará pela relação de parentesco e não mais pelo dever de sustento do poder familiar. Cessando o dever de sustento, pela maioridade, surge a obrigação alimentar, pelo vínculo de parentesco existente entre pais e filhos e não mais pela relação baseada no poder familiar. Essa obrigação é recíproca e também solidária, em que podem os parentes pedir uns dos outros os alimentos que necessitam para manter-se, mas sempre condicionada à necessidade do alimentado e à possibilidade do alimentante, ou seja, o binômio necessidade-possibilidade. Sobre o tema manifesta-se Zelo Veloso: [...] O dever de sustento (que compreende os alimentos) decorre do exercício do poder familiar, pura e simplesmente, e a obrigação de alimentos, no sentido estrito, como obrigação autônoma, tem por base o parentesco (no caso, em linha reta) e pressupõe a necessidade, carência ou indigência por que passa o reclamante. 45 Conforme estudado, é possível identificar as diferenças existentes entre o dever de sustento e a obrigação alimentar. A primeira diferença é que, no dever de 41 CAHALI, Francisco José. PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Alimentos no Código Civil. São Paulo: Saraiva, p CAHALI, Yussef. Op. Cit. p PORTO, Sérgio Gilberto. Doutrina e prática dos alimentos. 3 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, p PEREIRA, Rodrigo da Cunha Pereira. IN. PEREIRA, Tânia da Silva. A ética da convivência familiar e sua efetividade no cotidiano dos tribunais. Rio de Janeiro: Forense, p VELOSO, Zeno. Código Civil comentado. Vol. XVII. São Paulo: Editora Atlas S/A, p. 19.

14 14 sustento, os pais têm o dever de sustentar, criar e educar os filhos quando na condição de menores; já na obrigação alimentar, os pais não são mais obrigados a sustentar seus filhos, pois aqui estes atingiram a maioridade, cessando com ela o dever de sustento, passando a obrigação alimentar pelo vínculo de parentesco. A outra diferença reside no fato de que o filho, quando menor de idade, necessita, incondicionalmente, de uma assistência paterna, recaindo sobre ele a presunção absoluta de necessidade, ao passo que, atingindo a maioridade, essa presunção de necessidade é relativizada, devendo ser demonstrada, recaindo ao alimentado o ônus da prova. Portanto, ela é absoluta entre os filhos sob o poder familiar, e relativa em relação aos filhos maiores e capazes. Merece ser destacada, também, a reciprocidade. Isso significa que no dever de sustento somente aos pais recairá a obrigação de sustentar e cuidar de seus filhos, pois o pai jamais poderá pedir alimentos ao seu filho menor. O dever de sustento não é recíproco, já a obrigação alimentar é recíproca, podendo os pais demandarem alimentos a seus filhos com maioridade civil, conforme artigo do Código Civil de A respeito disso, a Desembargadora Maria Berenice Dias ensina: Com relação aos alimentos decorrentes do poder familiar, não há que se falar em reciprocidade (CF 229). No momento em que os filhos atingem a maioridade, cessa o poder familiar e surge, entre pais e filhos, a obrigação recíproca em decorrência do vínculo de parentesco. 47 Por meio do acima demonstrado, foi possível identificar os dois encargos alimentares: o dever de sustento e a obrigação alimentar decorrente do parentesco em relação aos pais e filhos. Também foram identificadas as diferenças desses dois encargos legais, suas características e suas finalidades. Conclui-se, então, que a obrigação alimentar decorrente do parentesco é o encargo legal entre os pais e os filhos maiores e que, dependendo do caso concreto, os genitores se vêem obrigados a dar assistência aos filhos mesmo quando considerados estes maiores civilmente. 1.4 Parâmetros da obrigação alimentar No direito de família, a obrigação alimentar obedece a certos pressupostos materiais para a sua concessão ou para seu reconhecimento. Dentre eles, estão o vínculo jurídico, a necessidade e a possibilidade. Não há obrigação alimentar se faltar um desses pressupostos. Arnaldo Rizzardo menciona: Três os pressupostos que emergem das regras acima para incidir a obrigação alimentar: o parentesco ou vínculo marital ou da união estável; a 46 Artigo O direito à prestação de alimentos é recíproco entre pais e filhos, e extensivo a todos os ascendentes, recaindo a obrigação nos mais próximos em grau, uns em falta de outros. 47 DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005, p. 451.

15 15 necessidade e a incapacidade de se sustentar por si próprio; e a possibilidade de fornecer alimentos de parte do obrigado. 48 Conforme analisado, a obrigação alimentar é o encargo legal a que os pais se sujeitam em relação a seus filhos maiores. Contudo, não se pode dizer que essa obrigação se limita somente a pais e filhos, porquanto se estende a todas as demais relações alimentares atinentes ao Direito de Família. O primeiro pressuposto, o vínculo jurídico, diz respeito à legitimidade das partes, ou seja, a existência de determinado vínculo de família entre o alimentado e o alimentante, devido ao fato de que não são todos os familiares que podem fazer parte dessa relação jurídica, mas somente os ascendentes, os descendentes, os irmãos (germanos ou unilaterais) e os cônjuges, ou seja, todos os parentes em linha reta, limitando-se aos colaterais de segundo grau, conforme os termos do artigo do Código Civil de O segundo pressuposto é a necessidade do alimentado, conforme artigo do Código Civil. Não basta somente a existência do vínculo de família para que a obrigação alimentar se torne exigível; é preciso, indiscutivelmente, que o alimentado necessite verdadeiramente de assistência. O primeiro pressuposto que os julgadores deveriam analisar é o da necessidade, pois é dele que depende a observância dos demais. 49 Possui direito a pleitear alimentos aquele que por motivo de doença, incapacidade, invalidez, velhice ou pelo desempenho de seu trabalho não produz o suficiente, ou não tem condições para satisfazer suas necessidades vitais. Yussef Cahali afirma: A impossibilidade de prover o alimentado a sua própria mantença pode advir da incapacidade física ou mental para o trabalho; doença, inadaptação ou imaturidade para o exercício de qualquer atividade laborativa; idade avançada; calamidade pública ou crise econômica de que resulte absoluta falta de trabalho. 50 Assim, antes de criar uma pretensão alimentar, deverão ter-se esgotado todas as possibilidades daquele que pleiteia alimentos de encontrar meios para sua subsistência por meio de seu esforço próprio, pois seria injusto impor o encargo de alimentos a um parente se o outro se encontra em necessidade por, como exemplo, preferir o ócio a trabalhar. Nesse mesmo sentido, Orlando Gomes assevera: A subordinação do direito à prestação de alimentos ao fato de não poder o alimentado manter-se por seu trabalho justifica-se pela necessidade de desencorajar o ócio. Por outro lado, não seria justo impor o encaro do suprimento de alimentos a um parente se o outro só se encontra em estado 48 RIZZARDO, Arnaldo. Direito de Família. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004, p GOMES, Orlando. Direito de família. 13 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2000, p CAHALI, Yussef. Op. cit., p. 719.

16 16 de miserabilidade porque não quer trabalhar ou se desinteressa na procura, por esforço próprio, dos meios de subsistência. 51 Arnaldo Rizzardo também salienta que, se a pessoa tem capacidade para desempenhar uma atividade rendosa, e não a exerce, não recebe amparo na lei. Obviamente, os alimentos não podem estimular as pessoas a se manterem desocupadas, ou a não terem a iniciativa de buscar o exercício de um trabalho. 52 Cumpre referir, no entanto, que a doutrina desconsidera a causa que deu origem à necessidade, ou seja, os alimentos são devidos mesmo que a causa geradora de tal necessidade tenha sido originada por culpa ou negligência do alimentado. A possibilidade de fornecer alimentos é o outro pressuposto importante da obrigação alimentar, pois não basta o alimentante ter legitimidade e estar em condições de reclamar alimentos, é necessário que o alimentante tenha condições de fornecê-los. Por óbvio que o alimentante deverá ter condições financeiras para suportar o encargo alimentar, pois seria injusto obrigá-lo se isso prejudicasse seu próprio sustento. O artigo 1.694, 1º, do Código Civil afirma a importância dos pressupostos na obrigação alimentar, pois toda a pretensão alimentar deverá passar pela análise do binômio necessidade-possibilidade para ser fixada com proporcionalidade, ficando o juiz encarregado de ponderar esses dois valores. Nesse sentido, a doutrina menciona: Não há como fugir deste binômio necessidade-possibilidade, pois toda verba alimentar fixada ou pretendida fora da realidade dos envolvidos na relação jurídica alimentar representará, sem dúvida, um verdadeiro convite ao não-cumprimento da obrigação; convite este, de regra, decorrente da impossibilidade fática do obrigado. 53 Os alimentos visam, precisamente, a proporcionar uma vida de acordo com a dignidade do alimentado, pois esta dignidade não é superior, nem inferior, à dignidade da pessoa do alimentante, que reside em satisfazer a pretensão daquele, uma vez que as razões do pedido, e as referentes à resposta, devem ser avaliadas por um juízo de proporcionalidade entre o que se necessita e o que pode prestar, a fim de que a lide alimentar seja decidida de forma equânime e justa. 54 Ante o exposto, e a partir da análise dos pressupostos da obrigação alimentar, pode-se concluir que é preciso, para constituir a obrigação de alimentos, a presença dos três pressupostos; o vínculo familiar, a necessidade do alimentado e a possibilidade do alimentante, sendo que na falta de qualquer um deles a prestação 51 GOMES, Orlando. Op. cit., p RIZZARDO, Arnaldo. Op. cit., p PORTO, Sérgio Gilberto. Doutrina e Prática dos Alimentos. 3 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, P PORTO, Sério Gilberto. USTÁRROZ, Daniel (org.). In: SPAGNOLO, Juliano. Tendências Constitucionais no Direito de Família. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003, p. 152.

17 17 alimentar não se perfectibiliza. O julgador deve, portanto, utilizar-se sempre, proporcionalmente, do binômio necessidade-possibilidade para aplicar uma pensão alimentícia justa. 2 MAIORIDADE CIVIL DOS FILHOS E OBRIGAÇÃO ALIMENTAR DOS PAIS 2.1 Cessação do dever de sustento pela maioridade civil O dever de sustento está vinculado ao poder familiar, em que os pais têm obrigatoriamente o dever de dar assistência, criar e educar os filhos menores de dezoito anos, conforme dita a Constituição Federal Brasileira de 1988 em seu artigo 229. O poder familiar constitui uma responsabilidade comum de ambos os genitores: o dever de prestar aos filhos, enquanto civilmente menores, o necessário para o seu sustento, como alimentação, vestuário, educação, moradia, lazer e assistência médica, não havendo limitação a essa assistência paterna, pois os genitores devem auxiliar os filhos para que tenham condições de viver, futuramente, de forma independente. A respeito disso, Arnaldo Rizzardo salienta: Não se pode limitar seu dever de prestar alimentos, ou a sustentar os filhos. Incumbe-lhes dar todo o amparo, envolvendo a esfera material, corporal, espiritual, moral, afetiva e profissional, numa constante presença em suas vidas, de acompanhamento e orientação, de modo a encaminhálos a saberem e terem condições de enfrentar a vida sozinhos. 55 O dever de alimentar decorre do poder familiar da relação entre pais e filhos. Ocorre que, em determinadas ocasiões, esse pátrio poder poderá ser extinto, suspenso ou até mesmo perdido. Nestas circunstâncias, o que importa é a verificação dessa extinção, suspensão ou perda do poder familiar. Conforme o artigo e seus incisos do Código Civil, a extinção do poder familiar decorre das seguintes situações: pela morte dos pais ou do filho, pela emancipação, pela maioridade, pela adoção ou por decisão judicial. Diante disso, o que interessa para o presente estudo é a cessação do dever de sustento pela maioridade. Cessando o dever de sustento pela maioridade, rompe-se automaticamente o vínculo do poder familiar, surgindo, nesses casos, a obrigação alimentar vinculada ao parentesco, não mais importando a subsistência do pátrio poder, mas sim a necessidade do filho que pleiteia a verba alimentar, respeitando-se, assim, todos os pressupostos da obrigação alimentar. Diante disso, Yussef Cahali, menciona que a obrigação de sustento define-se como uma obrigação de fazer, enquanto a obrigação alimentar consubstancia uma obrigação de dar RIZZARDO, Arnaldo. Op. cit. p CAHALI, Yussef. Op. cit., p. 530.

18 18 O Código Civil de 2002 traz, em seu artigo 5º, caput, que a menoridade cessa aos dezoito anos completos, quando a pessoa fica habilitada à prática de todos os atos da vida civil. Portanto, atingindo a maioridade, o sujeito adquire capacidade plena de exercício, isto é, capacidade para praticar todos os atos da vida civil. Com isso, fica óbvio compreender por que a maioridade faz extinguir o poder familiar e, conseqüentemente, o dever de sustento dos genitores em relação aos seus filhos. Presume-se que o filho, ao completar dezoito anos, atinge também plena aptidão e que não mais necessita de ajuda paterna, tendo condições plenas de prover seu próprio sustento. Logo, o pai não precisará mais suportar o encargo da prestação de alimentos. Conforme ensinamentos de Yussef Cahali, cessa ipso jure a causa jurídica da obrigação de sustento adimplida sob forma de prestação alimentar. 57 Diante de todas essas considerações, importante destacar que, mesmo atingida a maioridade, esta não prova por si só a capacidade. Não é absoluta a regra de que, atingindo a maioridade civil, o indivíduo tenha capacidade plena de se autosustentar, não necessitando mais da ajuda de seus pais. Ocorre que, em determinados casos, mesmo completados os dezoito anos, o filho ainda necessita da ajuda paterna, não tendo condições, por exemplo, de conseguir de imediato, entrar para o mercado de trabalho. A respeito disso, o Desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Luiz Felipe Brasil Santos, em seu julgado e em sua doutrina, assevera: FAMÍLIA. AÇÃO DE ALIMENTOS. FILHOS MAIORES E CAPAZES. A exoneração ou redução da prestação alimentar não pode ser autorizada tão-somente por terem os alimentandos atingido a maioridade civil. Atenta às dificuldades atuais da sociedade, em que há necessidade cada vez maior de qualificação para a inserção no mercado de trabalho, a jurisprudência vem dilatando o período de vigência dos alimentos, contanto que o filho se encontre estudando. 58 Firme a jurisprudência no sentido de que o implemento da maioridade, por si só, não é motivo suficiente para extinguir os alimentos. Isso porque é fato notório que, somente por se tornar maior, ninguém passa automaticamente a ter condições de sustentar-se. 59 No mesmo entendimento, Ênio Santarelli Zuliani sabiamente afirma: Uma coisa é absolutamente certa: a pessoa de dezoito anos de idade não se encontra bem preparada para os desafios que a essencialidade da vida protagoniza CAHALI, Yussef. Op. cit., p RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Agravo de Instrumento. Família. Ação de Alimentos. Filhos maiores e capazes. Cabimento da verba alimentar no caso concreto. Agravo de Instrumento nº Relator: Luiz Ari Azambuja Ramos. 10 de novembro de Jurisprudência Gaúcha. In: Diário de Justiça do Rio Grande do Sul, Disponível em: 59 SANTOS. Luiz Felipe Brasil. A Obrigação Alimentar na Persectiva Ética. In: PEREIRA, Tânia da Silva ; PEREIRA, Rodrigo da Cunha (colab.). A ética da convivência familiar e sua efetividade no cotidiano dos tribunais. Rio de Janeiro: Forense, 2006, p ZULIANI, Ênio Santarelli. Alimentos para Filhos Maiores. In: LEITE, Eduardo de Oliveira (coord.). Grandes Temas da Atualidade: Alimentos no Novo Código Civil aspectos polêmicos. 5 vol. Rio de Janeiro: Forense, 2006, p. 97.

19 19 Nesse sentido, segue a jurisprudência do Egrégio Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul: O implemento da maioridade civil não tem o condão de, por si só, afastar o direito ao pensionamento. Pretensão que apenas passa a seguir a regra genérica dos alimentos vinculados ao parentesco, não mais sendo escudada no poder familiar. 61 Sobre esse aspecto, entende-se que deverá ser feita uma análise a respeito de cada caso concreto, porque, mesmo atingindo a maioridade, muitos jovens continuam precisando da ajuda de seus pais, pois a maioria é estudante, sem moradia, sem emprego e sem renda. Pelo mesmo viés, explica Semy Glanz: Há uma tendência antiga que limita os alimentos aos filhos menores. Quando a estes evidente é o dever dos pais. Mas, como facilmente se conclui, não é fato de um filho atingir a maioridade que o priva de ter alimentos dos pais, se estes podem prestá-los e se o filho necessita. 62 Portanto, ao atingir a maioridade, o filho, ao reclamar alimentos, estará sujeito aos pressupostos da obrigação alimentar, onde sua necessidade não é mais absoluta, como no dever de sustento, sendo relativa, a partir daquele momento, a presunção da necessidade. Deverá, pois, o maior comprovar a real necessidade na pretensão alimentar, respeitando, também, a possibilidade do alimentante de dar alimentos. Como se depreende, recairá sobre o alimentado o ônus da prova. Diante disso, Yussef Cahali cita: A obrigação alimentar, que, durante a menoridade, abstraindo indagação de necessidade dos filhos, funda-se no dever inerente à patria potestas, deve persistir, agora descansando no dever decorrente do parentesco, quando se tornarem maiores, por força de presunção relativa de necessidades daqueles e possibilidades do obrigado. 63 Segundo Nelson Nery Junior e Rosa Maria Andrade Nery, observa-se que é viável a prestação alimentar a filhos maiores desde que, apesar de atingida tal condição, subsista a necessidade do suprimento a cargo do alimentante, tendo este condição de prestá-la. 64 Assim, diante do exposto, foi possível identificar por que a maioridade cessa o dever de sustento: cessa pois o maior atinge a plena capacidade civil. Contudo, percebeu-se que nem sempre atingir a maioridade suspende, obrigatoriamente, o 61 RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Agravo de Instrumento. Família. Ação de Alimentos. Filhos maiores e capazes. Cabimento da verba alimentar no caso concreto. Agravo de Instrumento nº Relator: Luiz Ari Azambuja Ramos. 10 de novembro de Jurisprudência Gaúcha. In: Diário de Justiça do Rio Grande do Sul, Disponível em: 62 GLANZ, Semy. A família mutante sociologia e direito comparado: inclusive o Novo Código Civil brasileiro. Rio de Janeiro: Renovar, 2005, p CAHALI, Yussef. Op. cit., p NERY, Nelson Junior. NERY, Rosa Maria de Andrade. Código Civil Anotado e Legislação Extravagante. 2 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003, p. 750.

20 20 encargo alimentar, visto que se extingue o dever de sustento, mas inicia-se a obrigação alimentar dos pais decorrente da relação de parentesco. Salienta-se que, em determinadas situações, o filho, mesmo maior de idade, poderá postular alimentos aos seus pais. Nessas hipóteses, o alimentado deverá demonstrar sua necessidade ao pleitear a prestação alimentícia e será analisada a possibilidade do alimentante de ter condições para prestar a pensão. 2.2 Quando os filhos maiores têm direito aos alimentos A maioridade, conforme analisado, por si só não é causa de cessação automática da prestação alimentar. Mesmo atingindo a maioridade civil, o filho, em determinadas situações, continuará com legitimidade para receber alimentos de seus pais. A obrigação paterna, nesses casos, é pelo vínculo do parentesco e não mais pelo dever de sustento. No concernente a esse aspecto, é importante a análise de cada uma dessas situações. Belmiro Pedro Welter 65 afirma que os filhos com maioridade civil podem pensionar alimentos de seus genitores em três situações: filho maior de idade e incapaz; filho maior e capaz que cursa escola profissionalizante ou faculdade e, finalmente, filho maior capaz e indigente. Não resta dúvida a respeito do quão desastroso seria para o filho maior incapaz se ele não tivesse direito aos alimentos. Atente-se que, em determinadas situações, essa obrigação alimentar pode durar a vida toda, como, a fim de exemplificação, no caso de uma doença grave e incurável, em que se encontre o filho maior permanentemente em estado de necessidade. Em nosso ordenamento jurídico, no artigo do Código Civil e no artigo 16 da Lei do Divórcio (6.515 de 1977), mostra-se claramente que os alimentos e a guarda dos filhos menores estendem-se ao maiores e aos incapazes, pois é evidente a necessidade do filho maior e incapaz em receber ajuda paterna, por isso, o dever de sustento é prorrogado em favor do maior. Não existem evidentes discussões doutrinárias acerca do seu direito alimentar. Cumpre salientar que essa necessidade de alimentos vem da incapacidade e não deriva da faixa etária. Nesse ínterim, afirma o estudioso Yussef Cahali: É que, tratando-se de filho acometido de grave enfermidade, não propicia a exoneração do encargo alimentar a extinção do pátrio poder pela aquisição da maioridade, eis que a necessidade de recebimento dos alimentos não deriva mais da faixa etária e sim de seu precário estado de saúde. 66 Assim, diante do exposto, observa-se que a obrigação alimentar ao maior incapaz se faz presente pelo vínculo de parentesco (solidariedade familiar) e também pela prorrogação do dever de sustento pela presunção absoluta de necessidade daquele. 65 WELTER, Belmiro Pedro. Alimentos no Código Civil. Porto Alegre: Síntese, 2003, p CAHALI, Yussef Said. Op.cit., p. 664.

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados DIREITO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA AOS FILHOS MAIORES DE IDADE por Priscilla Bitar D Onofrio Sócia de Almeida Guilherme Advogados e Natalia Barbieri Bortolin Membro de Almeida Guilherme Advogados SUMÁRIO: I.

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS 1. Quanto à fonte: a) Alimentos legais: fixados pela lei, fundamentados no direito de família, decorrentes do casamento, ou união estável ou da relação de parentesco

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL VII 9º período: 3h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito de família. Parentesco. Alimentos. Filiação. Guarda, da tutela e da curatela. Casamento. União estável. Dissolução

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

ALIMENTOS E MAIORIDADE DO ALIMENTADO

ALIMENTOS E MAIORIDADE DO ALIMENTADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO ALINE FREY COLUSSI ALIMENTOS E MAIORIDADE DO ALIMENTADO Porto Alegre 2010 2 RESUMO A presente pesquisa apresenta uma análise geral

Leia mais

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil.

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil. AS IMPLICAÇÕES DOS IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS NA UNIÃO ESTÁVEL. Ana Elizabeth Lapa Wanderley Cavalcanti (advogada em São Paulo, mestre em Direito civil e doutoranda em Direito civil comparado pela PUC/SP,

Leia mais

Agravo de Instrumento Cível nº 1.0024.12.156051-0/001 - Comarca de Belo Horizonte - Agravante: C.R.L.X. - Agravado: A.X.

Agravo de Instrumento Cível nº 1.0024.12.156051-0/001 - Comarca de Belo Horizonte - Agravante: C.R.L.X. - Agravado: A.X. AGRAVO DE INSTRUMENTO - AÇÃO DE DIVÓRCIO - ALIMENTOS PROVISÓRIOS - CÔNJUGE-VIRAGO - NECESSIDADE NÃO DEMONSTRADA - CAPACIDADE LABORATIVA - INDEFERIMENTO - Restando demonstrado nos autos que a recorrente

Leia mais

ALIMENTOS PARA OS FILHOS. condicionada à dinâmica realidade, na qual está inserida a questão alimentar, em virtude,

ALIMENTOS PARA OS FILHOS. condicionada à dinâmica realidade, na qual está inserida a questão alimentar, em virtude, ALIMENTOS PARA OS FILHOS Denise Veloso T. de Oliveira Desde que a Lei nº 5.478/68 foi sancionada, teve sua interpretação, ao longo do tempo, condicionada à dinâmica realidade, na qual está inserida a questão

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

PRESTAÇÃO DE ALIMENTOS ENTRE CÔNJUGES CASADOS E PARA FILHOS QUE COABITAM COM OS PROVEDORES DOS ALIMENTOS. Caroline Said Dias.

PRESTAÇÃO DE ALIMENTOS ENTRE CÔNJUGES CASADOS E PARA FILHOS QUE COABITAM COM OS PROVEDORES DOS ALIMENTOS. Caroline Said Dias. 1 PRESTAÇÃO DE ALIMENTOS ENTRE CÔNJUGES CASADOS E PARA FILHOS QUE COABITAM COM OS PROVEDORES DOS ALIMENTOS Caroline Said Dias Advogada Comissão de assuntos externos do IBDFAM- PR 1. O QUE SÁO MARIDO E

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAMÍLIA DA COMARCA DE...

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAMÍLIA DA COMARCA DE... EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA FAMÍLIA DA COMARCA DE... COM PRIORIDADE. Estatuto do Idoso Lei nº 10741/03. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA, por sua Promotora de

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

Processo nº -58.2013.814.0301 Ação de Guarda e Alimentos Requerente: R W DE A S, representados por sua genitora M R DA S B M Requerido: R DE A S

Processo nº -58.2013.814.0301 Ação de Guarda e Alimentos Requerente: R W DE A S, representados por sua genitora M R DA S B M Requerido: R DE A S Processo nº -58.2013.814.0301 Ação de Guarda e Alimentos Requerente: R W DE A S, representados por sua genitora M R DA S B M Requerido: R DE A S MM. Juiz: Tratam os presentes autos de ação de promovida

Leia mais

Concessão de alimentos aos filhos. maiores em virtude da relação de. parentesco

Concessão de alimentos aos filhos. maiores em virtude da relação de. parentesco Concessão de alimentos aos filhos maiores em virtude da relação de parentesco RAYANNE SILVA DE PONTES Outubro 2010 1 Introdução O termo alimentos é utilizado para dar nome a tudo o que é essencial para

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Apresentar ao estudante a estruturação pessoal, patrimonial e social da família e a diversidade de sua disciplina jurídica.

2. OBJETIVO GERAL Apresentar ao estudante a estruturação pessoal, patrimonial e social da família e a diversidade de sua disciplina jurídica. DISCIPLINA: Direito de Família SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR138 1. EMENTA: O Direito de Família. Evolução do conceito de família. A constitucionalização

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Civil VI (Família) Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Civil VI (Família) Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Civil VI (Família) Código PRI0087 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º II Ementário Noções gerais: o Direito de Família na atualidade

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

Direito de Família. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito de Família. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito de Família Direito de Família Direito de Família Regula as relações patrimoniais e morais decorrentes do casamento, das demais entidades familiares e da relação de parentesco. Entidade Familiar

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento PROCESSO DE ADOÇÃO * Ricardo Peixoto Teixeira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo A adoção é tradicionalmente considerada como instituto de direito de família, que tem por finalidades

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO Carlos Roberto Gonçalves

DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO Carlos Roberto Gonçalves DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO Carlos Roberto Gonçalves As pessoas unem-se em um família em razão de vínculo conjugal, união estável, de parentesco por consangüinidade, outra origem, e da afinidade. Em sentido

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PENSÃO ALIMENTÍCIA PARA FILHOS MAIORES DE IDADE SEGUNDO O NOVO CÓDIGO CIVIL CECÍLIE OLIVEIRA MEDEIROS

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PENSÃO ALIMENTÍCIA PARA FILHOS MAIORES DE IDADE SEGUNDO O NOVO CÓDIGO CIVIL CECÍLIE OLIVEIRA MEDEIROS PENSÃO ALIMENTÍCIA PARA FILHOS MAIORES DE IDADE SEGUNDO O NOVO CÓDIGO CIVIL CECÍLIE OLIVEIRA MEDEIROS RESUMO: Este trabalho tem por objetivo sanar dúvidas e orientar a sociedade, mais especificamente sobre

Leia mais

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal.

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal. PODER DE FAMÍLIA Gislaine Aparecida Giorgetti da Silva Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A família que era protegida, para não ser desfeita, hoje já não é tão intocável, aquela família

Leia mais

DA IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMILIA E A LEI 8.009/90. Anderson Oliveira de Souza 1 (CEUNSP) André Dias Silva 2 (CEUNSP)

DA IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMILIA E A LEI 8.009/90. Anderson Oliveira de Souza 1 (CEUNSP) André Dias Silva 2 (CEUNSP) 1 DA IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMILIA E A LEI 8.009/90 Anderson Oliveira de Souza 1 (CEUNSP) André Dias Silva 2 (CEUNSP) RESUMO O presente artigo tem por finalidade demonstrar a proteção que se dá ao

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Da Obrigação Dos Avós Da Legitimidade Passiva Thaís Lopes e Bernardo Alves* Importa colocar a obrigação dos avós no que tange ao complemento dos alimentos, com o fito de deixar claro

Leia mais

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável:

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável: 1 PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos 1. União estável: - Leis 8971/94 e 9278/96. - Lei 10.406/2002 e art. 1723 e seguintes. - Art. 226, 3 1, CF. União entre homem e mulher pública (notoriedade),

Leia mais

Princípio da proporcionalidade para além da coisa julgada

Princípio da proporcionalidade para além da coisa julgada Princípio da proporcionalidade para além da coisa julgada Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

1) CONCEITO 2) PRESSUPOSTOS 3) MODIFICAÇÕES TRAZIDAS PELO CC/02

1) CONCEITO 2) PRESSUPOSTOS 3) MODIFICAÇÕES TRAZIDAS PELO CC/02 1 ALIMENTOS ARTS. 1.694 A 1.710 1) CONCEITO Há diversidade de conceitos sobre a expressão alimentos, que em lato sensu corresponde ao direito de grande abrangência indo mesmo além da acepção fisiológica,

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OBRIGATORIEDADE DA GUARDA COMPARTILHADA Patrícia Serafini Gross 1 Júlia Bagatini 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 A FAMÍLIA E O PODER FAMILIAR. 3 A GUARDA DE FILHOS. 4 A GUARDA COMPARTILHADA. 5 CONCLUSÃO.

Leia mais

OBRIGAÇÃO ALIMENTAR E POSSIBILIDADE DE RESTITUIÇÃO Dos ALIMENTOS PAGOS INDEVIDAMENTE

OBRIGAÇÃO ALIMENTAR E POSSIBILIDADE DE RESTITUIÇÃO Dos ALIMENTOS PAGOS INDEVIDAMENTE OBRIGAÇÃO ALIMENTAR E POSSIBILIDADE DE RESTITUIÇÃO Dos ALIMENTOS PAGOS INDEVIDAMENTE MARCELO CERQUElRA Advogado CONCEITO DE ALIMENTOS Tratando da conceituação de alimentos, a doutrina, de um modo geral,

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL VI Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Professora: MARIA LUIZA PÓVOA CRUZ DO CASAMENTO A Constituição Federal de 1.988 reconhece a família como base da sociedade e considera

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS FAMÍLIAS E SUCESSÕES

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS FAMÍLIAS E SUCESSÕES Ementa aula 11 de julho de 2013. ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS FAMÍLIAS E SUCESSÕES Professora: Fernanda Karam de Chueiri Sanches Tema: Alimentos; Conceito;

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO.

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO. Acórdãos ADOÇÃO Processo 599313269 Quarto Grupo de Câmaras Cíveis Relator: Des. Alzir Felippe Shmitz Consentimento 70001166131 Relatora: Desa. Maria Berenice Dias Consentimento 599024858 2ª Câmara de Férias

Leia mais

Princípio da proporcionalidade para além da coisa julgada

Princípio da proporcionalidade para além da coisa julgada Princípio da proporcionalidade para além da coisa julgada Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Diz a Lei de Alimentos (LA), no art. 15, com todas

Leia mais

Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades

Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.05.871804-0/002 Númeração 8718040- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Fernando Caldeira Brant Des.(a) Fernando Caldeira Brant 28/02/2013 05/03/2013

Leia mais

ORIENTADOR(ES): LOYANA CHRISTIAN DE LIMA TOMAZ, RENATA APARECIDA FOLLONE

ORIENTADOR(ES): LOYANA CHRISTIAN DE LIMA TOMAZ, RENATA APARECIDA FOLLONE TÍTULO: REDISCUTINDO A PRISÃO CIVIL DO DEVEDOR DE ALIMENTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS AUTOR(ES): GABRIELA

Leia mais

1. CASAMENTO 24/4/2012. Emenda Constitucional n. 66/2010. Escola Superior da Magistratura do Estado de Alagoas

1. CASAMENTO 24/4/2012. Emenda Constitucional n. 66/2010. Escola Superior da Magistratura do Estado de Alagoas Escola Superior da Magistratura do Estado de Alagoas 1. Casamento e união estável: histórico e natureza; diferenças entre casamento, união estável e namoro requisitos da união estável; efeitos pessoais

Leia mais

ALIMENTOS EM ALGUNS ASPECTOS

ALIMENTOS EM ALGUNS ASPECTOS 1 ALIMENTOS EM ALGUNS ASPECTOS Sérgio Saliba Murad 1 RESUMO Trata o presente artigo da análise dos alimentos em alguns aspectos pontuais que decorrem principalmente dos âmbitos legislativo e doutrinário,

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão : 5ª TURMA CÍVEL Classe : AGRAVO DE INSTRUMENTO N. Processo : 20140020087080AGI (0008758-11.2014.8.07.0000) Agravante(s)

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

A FAMÍLIA ORIGEM E EVOLUÇÃO

A FAMÍLIA ORIGEM E EVOLUÇÃO 242 Da Família Moderna Vania Mara Nascimento Gonçalves 1 INTRODUÇÃO O Direito de Família é o que mais evolui no tempo. Importantes mudanças ocorreram nos princípios e conceitos referentes ao direito de

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS THALES PINTO GONTIJO 1 Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça, por meio da

Leia mais

Palestrante: Tatiana C. Reis Filagrana

Palestrante: Tatiana C. Reis Filagrana Palestra -ABANDONO AFETIVO: QUESTÕES CONTROVERTIDAS Palestrante: Tatiana C. Reis Filagrana ARTIGOS -LEI Art. 186 CCB: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

RECURSO ADESIVO DO VARÃO NÃO CONHECIDO. PERTINÊNCIA TEMÁTICA NÃO VERIFICADA. INTELIGÊNCIA DO ART. 500 DO CPC.

RECURSO ADESIVO DO VARÃO NÃO CONHECIDO. PERTINÊNCIA TEMÁTICA NÃO VERIFICADA. INTELIGÊNCIA DO ART. 500 DO CPC. Apelação Cível n., de Jaraguá do Sul Relator: Des. Domingos Paludo APELAÇÃO CÍVEL E RECURSO ADESIVO. AÇÃO DE SEPARAÇÃO LITIGIOSA. VERBA ALIMENTAR EM FAVOR DA APELANTE DE 7% DOS RENDIMENTOS LÍQUIDOS DO

Leia mais

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução A família foi gradativamente se evoluindo, sofrendo

Leia mais

ALIMENTOS PÓS-DIVÓRCIO

ALIMENTOS PÓS-DIVÓRCIO ALIMENTOS PÓS-DIVÓRCIO Patrícia Fontanella Advogada em Santa Catarina. Especialista em Direito Civil pela UNISUL e Mestre em Ciência Jurídica pela UNIVALI. Professora de Direito Civil em cursos de Graduação

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002).

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). PROJETO DE PESQUISA ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). Polyana da Silva Siqueira Rosana Rangel Silva Campos

Leia mais

A OBRIGAÇÃO ALIMENTAR NO DIREITO DE FAMÍLIA: UMA VISÃO SOB O FOCO DO DEVER AVOENGO

A OBRIGAÇÃO ALIMENTAR NO DIREITO DE FAMÍLIA: UMA VISÃO SOB O FOCO DO DEVER AVOENGO A OBRIGAÇÃO ALIMENTAR NO DIREITO DE FAMÍLIA: UMA VISÃO SOB O FOCO DO DEVER AVOENGO SUMÁRIO Giuliana Bertolin 1 Mauro Afonso de Gásperi 2 Introdução. 1 Alimentos; 1.1 Conceito; 1.2 Alimentos devidos pela

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

NOVO CÓDIGO CIVIL E ALGUMAS QUESTÕES TRABALHISTAS POLÊMICAS Luiz Eduardo Gunther * Cristina Maria Navarro Zornig **

NOVO CÓDIGO CIVIL E ALGUMAS QUESTÕES TRABALHISTAS POLÊMICAS Luiz Eduardo Gunther * Cristina Maria Navarro Zornig ** NOVO CÓDIGO CIVIL E ALGUMAS QUESTÕES TRABALHISTAS POLÊMICAS Luiz Eduardo Gunther * Cristina Maria Navarro Zornig ** ASPECTOS CONTROVERTIDOS DA MAIORIDADE TRABALHISTA E O NOVO CÓDIGO CIVIL 1. Maioridade

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

Responsabilidade alimentar avoenga.

Responsabilidade alimentar avoenga. Responsabilidade alimentar avoenga. Juiz de Direito Familiarista. Mestre em Direito Processual Civil. Professor de Direito de Família, Processo Civil e Pro - Reitor de Pesquisa da Escola Superior Dom Hélder

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Adoção no Estatuto da Criança e do Adolescente e no Novo Código Civil Fábia Bevilaqua* Introdução O instituto da Adoção é uma modalidade artificial de filiação pela qual aceita-se

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

Palavras-chave: Alimentos. Obrigação alimentar. Maioridade. Exoneração.

Palavras-chave: Alimentos. Obrigação alimentar. Maioridade. Exoneração. CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXONERAÇÃO DO PAGAMENTO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA A FILHO EM RAZÃO DO ATINGIMENTO DA MAIORIDADE Claudio Ferreira Pazini * Resumo: O presente trabalho, de cunho bibliográfico e desenvolvido

Leia mais

Da Ação de Interdição

Da Ação de Interdição 146 Da Ação de Interdição Juliana Grillo El-Jaick 1 A interdição é um instituto que teve origem no direito romano. Trata-se de uma ação intentada no âmbito cível e tem por fim a declaração da incapacidade

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

O contrato de seguro no Novo Código Civil. Uma breve abordagem. 1. Noção geral sobre os contratos

O contrato de seguro no Novo Código Civil. Uma breve abordagem. 1. Noção geral sobre os contratos O contrato de seguro no Novo Código Civil Uma breve abordagem 1. Noção geral sobre os contratos 1.1 O Contrato como negócio jurídico Dentre as definições doutrinárias de contrato, damos início a este trabalho

Leia mais

ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Curatela. Instituto do Direito Civil que visa proteger a pessoa que não pode reger sua vida civil. Curador é o representante

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

ORIGEM: Parecer n 179/2005 da Procuradoria Jurídica

ORIGEM: Parecer n 179/2005 da Procuradoria Jurídica ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER Nº 073/05 ENTIDADE SOLICITANTE: Procuradoria Jurídica FINALIDADE:

Leia mais

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil 1 ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil Ana Flávia Oliva Machado Carvalho 1 RESUMO Este estudo objetivou destrinchar todo o procedimento da adoção. Inicialmente buscamos discorrer sob sua evolução histórica.

Leia mais

A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro.

A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. Amira Samih Hamed Mohd Houdali 1 Victor Paulo Kloeckner Pires 2 Resumo: A partir de uma abordagem qualitativa e da utilização dos métodos

Leia mais

INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA

INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA TUTELA O que é tutela? É um encargo atribuído pelo Juiz a uma pessoa que seja capaz de proteger, zelar, guardar, orientar, responsabilizar-se

Leia mais

O REGISTRO CIVIL E O RECONHECIMENTO DA PATERNIDADE: Estratégias de Implantação

O REGISTRO CIVIL E O RECONHECIMENTO DA PATERNIDADE: Estratégias de Implantação ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 O REGISTRO CIVIL E O RECONHECIMENTO DA PATERNIDADE: Estratégias de Implantação Sara Jamille Pereira

Leia mais

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS Fábio Roberto Caldin 1 Rodrigo Pessoni Teófilo de Carvalho 1 Vinicius Leonam Pires Kusumota 1 Vitor Turci de Souza 1 RESUMO O

Leia mais

A GUARDA COMPARTILHA

A GUARDA COMPARTILHA A GUARDA COMPARTILHA 1 Introdução Inaiara Zélia Carvalho Duarte 1 A guarda discutida tem sido a solução aos conflitos que surgem por ocasião da separação, com a finalidade de ambos os pais terem maior

Leia mais

Ana Maria Milano Silva. A Lei sobre GUARDA COMPARTILHADA

Ana Maria Milano Silva. A Lei sobre GUARDA COMPARTILHADA Ana Maria Milano Silva É advogada, formada pela USP Atua em Jundiaí e Campo Limpo Paulista. Sua área preferida é o Direito de Família. Fez mestrado em Direito Civil com a dissertação que deu origem ao

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE PENHORA DE VALORES DO FGTS NA EXECUÇÃO DE ALIMENTOS COMO ALTERNATIVA PARA A QUITAÇÃO DA DÍVIDA

A POSSIBILIDADE DE PENHORA DE VALORES DO FGTS NA EXECUÇÃO DE ALIMENTOS COMO ALTERNATIVA PARA A QUITAÇÃO DA DÍVIDA A POSSIBILIDADE DE PENHORA DE VALORES DO FGTS NA EXECUÇÃO DE ALIMENTOS COMO ALTERNATIVA PARA A QUITAÇÃO DA DÍVIDA Denise Ronchi 1 Édio de Oliveira Junior 2 SUMÁRIO Introdução; 1 Do Poder Familiar; 2 Dos

Leia mais

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico NOVO CÓDIGO CIVIL Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Adoção do Nome Casamento Gratuito Adultério Casamento Religioso Autenticação Condômino Anti-Social Casamento Contratos

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada

Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada CRISTINA MOTTA PALHARES Advogada, Formada em Nutrição pela UERJ em 1977; formada em Direito pela UERJ em 1984; Especialista em Direito Processual

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

A Guarda Compartilhada

A Guarda Compartilhada A Guarda Compartilhada Maria Carolina Santos Massafera Aluna do curso de pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil na Fundação Aprender Varginha, em convênio com o Centro Universitário Newton Paiva.

Leia mais

ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008

ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008 ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008 Douglas Phillips Freitas SUMÁRIO: I - Do Quantum dos Alimentos Gravídicos; II - Da Natureza dos Alimentos Gravídicos e Seus Aspectos Processuais; III - Do Ônus

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL, DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL, GUARDA DOS FILHOS E ALIMENTOS

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL, DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL, GUARDA DOS FILHOS E ALIMENTOS FICHA CATALOGRÁFICA CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL, DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL, GUARDA DOS FILHOS E ALIMENTOS 1. PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL À FAMÍLIA A partir da Constituição Federal de 1988, inúmeras modificações

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas 1- Contextualização legal e conceitos Os arts. 1521 e 1522 e os arts. 1523 e 1524 do vigente Código Civil Brasileiro tratam respectivamente dos impedimentos

Leia mais

Alimentos sem culpa. Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br

Alimentos sem culpa. Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Alimentos sem culpa Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Talvez não se tenha atentado ainda no alcance da alteração promovida pelo atual estatuto

Leia mais