MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA, MECÂNICA E DE COMPUTAÇÃO LUCAS ROCHA BARIANI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA, MECÂNICA E DE COMPUTAÇÃO LUCAS ROCHA BARIANI"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA, MECÂNICA E DE COMPUTAÇÃO LUCAS ROCHA BARIANI DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE SOBRE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, DESTACANDO A NORMA REGULAMENTADORA - NR10 SOBRE INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE. Goiânia 2014

2 LUCAS ROCHA BARIANI DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE SOBRE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, DESTACANDO A NORMA REGULAMENTADORA - NR10 SOBRE INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE. Monografia do Projeto Final apresentado à Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação da Universidade Federal de Goiás, como requisito parcial para a integralização do curso em Engenharia Elétrica. Orientadora: Prof. Dra. Cacilda de Jesus Ribeiro Goiânia 2014

3 Dedico este trabalho primeiramente à Deus e ao Messias, que nos chamam a sermos seus companheiros e a vivermos com liberdade e leveza, e a aos meus familiares, meu pai Antônio Carelli Bariani, mãe Elaine da Rocha Gomes Bariani, irmãos Ester Rocha Bariani e Mateus Rocha Bariani, e namorada Gleicielli Sousa Miranda, pelo amor, incentivo e apoio.

4 Agradecimentos À professora orientadora, Profª. Dra. Cacilda de Jesus Ribeiro por direcionar a elaboração deste trabalho de grande importância. Aos docentes e ao corpo técnico-administrativo que compartilharam seus conhecimentos e contribuíram para a minha formação profissional. À Universidade Federal de Goiás, pelas oportunidades disponibilizadas para a realização do curso de graduação. À equipe do Projeto de Extensão Sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho, coordenado pela Profª. Dra. Cacilda de Jesus Ribeiro. Aos colegas e amigos do curso pelo convívio, apoio e aprendizado, os quais servirão para toda a vida. Ao movimento estudantil ABU, Aliança Bíblica Universitária, pelas experiências de viver o movimento. A todos que direta ou indiretamente fizeram parte da minha formação profissional.

5 A maneira de ajudar os outros é provar-lhes que eles são capazes de pensar. Dom Helder Câmara

6 RESUMO Este projeto consiste no desenvolvimento de um software como Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho, SGSST, capaz de auxiliar no gerenciamento sobre Segurança e Saúde no Trabalho, SST, para qualquer organização. Em especial, o sistema busca sua implantação em Serviços e Instalações com Eletricidade, devido à demanda do mercado. O software foi baseado em um gerenciador de arquivos na linguagem PHP, com gerenciamento do banco de dados MySQL, conseguindo, dessa forma organizar todos os documentos relativos à SST. Por fim, para uma gestão eficiente, ele proporciona um controle estatístico dos Acidentes de Trabalho e Doenças Ocupacionais, de acordo com a norma ABNT NBR 14280: Cadastro de acidente do trabalho - Procedimento e classificação, além de permitir a implantação de Medidas de Controle e Sistemas Preventivos.

7 Lista de Figuras Figura 2.1: Gráfico Custo Total estimado de Acidentes de Trabalho por ano Figura 2.2: Taxa de Gravidade de Figura 2.3: Taxa de Frequência de Figura 2.4: Ciclo PDCA Figura 2.5: Funcionalidades do SOC Figura 2.6: Funcionalidades do METRAWEB Figura 3.1: Login do software Figura 3.2: Erro no login do software Figura 3.3:Página Inicial do Sistema Figura 3.4: Legenda padrão ANSI para Fluxograma Figura 3.5: Fluxograma Figura 3.6: Fluxograma Figura 3.7: Págine de acesso dos setores do Módulo Figura 3.8: Fluxograma Figura 3.9: Setor Acessado Figura 3.10: Fluxograma Figura 3.11: Fluxograma Figura 3.12: Funções Inserir Arquivo e Pasta Figura 3.13: Fluxograma Figura 3.14: Fluxograma Figura 3.15: Fluxograma Figura 3.16: Divisão de pastas de acordo com o Módulo Figura 3.17: Divisão de pastas de acordo com o Módulo Figura 3.18: Divisão de pastas de acordo com o Módulo Figura 3.19: Divisão de pastas de acordo com o Módulo Figura 3.20: Simulação do Sistema GSST

8 Lista de Siglas e Abreviaturas ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas; AET Análise Ergonômica do Trabalho; ANSI American National Standards Institute; APR Análise Preliminar de Risco; AT Alta Tensão; BT Baixa Tensão; CA Certificado de Aprovação; CA Corrente Alternada; CAI Certificado de Aprovação de Instalações; CAT Comunicado Acidente do Trabalho; CC Corrente Contínua; CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes; CLT Consolidação das Leis do Trabalho; COGE Comitê de Gestão Empresarial; DDS Diálogo Diário de Segurança; EPC Equipamento de Proteção Coletiva; EPI Equipamento de Proteção Individual; HTML HyperText Markup Language; MTE Ministério do Trabalho e Emprego; MySQL My Structure Query Language; NBR Norma Brasileira; NR Norma Regulamentadora; OIT Organização Internacional do Trabalho; PCMAT Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho da Indústria da Construção Civil; PCMSO Programa de Controle de Saúde Ocupacional; PDCA Plan, Do, Check and Act; PHP Personal Home Page;

9 PIE Prontuário das Instalações Elétricas; POP Procedimento Operacional Padrão; PPRA Programa de Prevenção contra Riscos Ambientais; SEB Setor Elétrico Brasileiro; SEP Sistema Elétrico de Potência; SESMT Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho; SGBD Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados; SGBDR Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional; SGSST Sistema de Gestão da Saúde e Segurança do Trabalho; SPDA Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas; SQL Structure Query Language; SRT Secretarias Regionais do Trabalho; e SST Saúde e Segurança do Trabalho.

10 ,/02+*V,P:12/JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ 801.+:OE.JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ JJJJJ JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ,/02+*I,P42/*A31*>,20:12/JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJŽ C26T0:4. JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ J J *P,/42OE.D12/,4*,12+2I*P:128O2*I2[+*+.\ JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ Ž J J,/0 1,2+2I*P:128O2*I2[+*+.\ JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ ˆ J J J G F=:,627*80./+*L1.0*OE.8+,>,+:24 J J J G Ž L1.P1272+*C.801.4*;R+,-.+*I2[+* -:62-,.824 J J J G I*P:128O2*78/0242O */*I*1>,O./*7F4*01,-,+2+* J JˆJ G L1.P1272+*L1*>*8OE.+*G,/-./A73,*802,/ LLGA J J J G Š C.8+,O ˆ JˆJAD \ DG ˆ Š SC2+2/01.+*2-,+*80*+* SL1.-*+,7*80.* J JC.7:8,-2+.+*A-,+*80*+.\ <CA\<*F/020T/0,-2/JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ J JV:8+2OE.C.7,0^+*H*/0E.F761*/21,24 V:8+2OE.C HFJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ )*/*8>.4>,7*80.+. j}l~bfdjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjˆˆ C26T0:4. JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ ˆ J J J G 8/6*OE.L1R>,2 LC;I J J J J G A0,>,+2+*/* 6*12O */8/24:31*/ Š J JŽJ G A0,>,+2+*/* 6*12O */L*1,P./2/ Š +2C.8/01:OE.JJJJJJJJJJJJJ J JŠJ G Ž F1P.8.7,2 J J J G L1.0*OE.C ^8+,./ J J J G \ *7A40:12 J wi,/0*72+*h*/0e.+2i*p:128o2*i2[+*+.\ jjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjj Š C26T0:4. JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ

11 J J J J J,8P:2P*7L L ˆˆ C26T0:4.ˆJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ Ž C.8-4:/E.JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ Ž A6^8+,-*D )*-4212OE.+*8/0242O */JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJŽˆ Š A6^8+,-*C V,-52+*FLJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJŽ A6^8+,-*A FY*764.CA */JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJŽ A6^8+,-*V LLGA L1.P1272+*L1*>*OE.+*G,/-./A73,*802,/JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJŽ A6^8+,-*F LC;I L1.P1272+*C.801.4*;R+,-.+*I2[+* -:62-,.824JJJJJJJJJJŽŽ A6^8+,-*) C.801.4*+*F/0.=:*+*F=:,627*80./+*L1.0*OE.8+,>,+:24JJJJJJJJJJJJJJJŽ G œjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjš A6^8+,-*H 8/01:O G JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJŠ A6^8+,-* G*42OE.+*V:8-,.8W1,./A:0.1,?2+./ G JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ A6^8+,-* C5*- 4,/0 I*P:128O2*7I*1>,O./*8/0242O */*7F4*01,-,+2+* A6^8+,-*N G*42OE.+*V:8-,.8W1,./ A+,-,.8248/24:31,+2+*JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ A6^8+,-* G*42OE.+*V:8-,.8W1,./ A+,-,.824L*1,-:4./,+2+*JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ ˆ A6^8+,-* A8W4,/*F1P.8B7,-2+.\ G ŽœJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ A6^8+,-*; C.7:8,-2OE.L1R>,2 G ŠJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ Š A6^8+,-* 8/01:O */*C5*- 4,/0 LC;A\ G ŠœJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ A6^8+,-* C5*- 4,/0 L1*>*8OE.*C.7320*28-^8+,. G œjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjj ˆ A6^8+,-*L C52*- 4,/0 \ *7A40:12 G œjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjjj A6^8+,-*G A6^8+,-*I A6^8+,-* C.7:8,-2OE.+*A-,+*80*+*\ CA\JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ A6^8+,-*U F/020T/0,-2/).*8O2/ ˆ A6^8+,-*ž A8W4,/*L1*4,7,821+*G,/-.SALGJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ A6^8+,-*\ F/020T/0,-2/).*8O2/ A6^8+,-* 8/01:O */))I ),W4.P.),W1,.+*I*P:128O2JJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ A6^8+,-*Ÿ F=:,627*80./+*L1.0*OE.C.4*0,>2SFLCJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ Ž A64,-2OE.+.C,-4.L)CAJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJJ Š J J JD28-.+*+2+./ ;ƒi ˆ

12 Apêndice Z Procedimento Operacional Padrão - POP Apêndice A.1 Solicitação de POP Procedimento Operacional Padrão

13 12 Capítulo 1 Introdução Este projeto tem por objetivo apresentar o desenvolvimento de um software sobre Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho, destacando a norma regulamentadora NR-10, sobre Instalações e Serviços com Eletricidade. Nesse sentido, a importância desse projeto está na necessidade de implementar Medidas de Controle e Sistemas Preventivos visando a Segurança e Saúde no Trabalho. Dessa forma, com um Sistema de Gestão da Saúde e Segurança no Trabalho, SGSST, que vise justamente estabelecer essas medidas e sistemas, objetivando a diminuição de Acidentes de Trabalho e Doenças Ocupacionais, garante-se um melhor desenvolvimento de uma atividade laboral. O software desenvolvido está de acordo com os requisitos mínimos de um SGSST, além de se enquadrar nas leis brasileiras competentes, principalmente segundo as Normas Regulamentadores, NR, do Ministério do Trabalho e Emprego, MTE. No capitulo 2 tem-se a apresentação dessas legislações. Nesse cenário, considera-se em detalhe as Instalações e Serviços com eletricidade. Com base na pesquisa bibliográfica, detalhada no capitulo 2, verificou-se a necessidade, atualmente, de programas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no mercado que fornecem suporte e apoio para os Serviços e Instalações com Eletricidade. Essa situação proporciona uma contribuição significativa do software desenvolvido ser aplicável, eficaz e eficiente nesses serviços. Para exemplificar a urgência de Medidas de Controle e Sistemas Preventivos no Setor Elétrico Brasileiro, SEB, é feito um estudo comparativo a partir de dados da Fundação COGE [1], que retratam, por exemplo, os enormes gastos que o SEB apresenta com Acidentes de Trabalho. Dessa forma, o projeto apresenta no capítulo 3 simulações, a partir dos dados fornecidos pela Fundação COGE [1], do funcionamento do software, retratando como seria sua aplicação em Serviços e Instalações com Eletricidade. Contudo, previamente no capítulo 3, tem-se o desenvolvimento efetivo do software, incluindo detalhes sobre a linguagem de programação utilizada e a explanação da gestão por ele feita. Por fim, o capítulo 4 conclui este trabalho, mostrando os resultados obtidos a partir da gestão proporcionada pelo software.

14 13 A Segurança do Trabalho como um conjunto de ciências e tecnologias que objetivam a promoção da proteção do trabalhador no seu local de trabalho, visando a redução de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais, encontra diversos obstáculos [2]. Apesar das organizações estarem cada vez mais preocupadas em alcançar e evidenciar um melhor desempenho em matéria de Segurança e Saúde no Trabalho, através do controle dos respectivos riscos de natureza ocupacional, as medidas para alcançar tal objetivo precisam ser realizadas no quadro de um SGSST, estruturado e integrado na organização. Por isso, este trabalho tem como objetivo propor um sistema visando implantar a Segurança do Trabalho na prática, através do software, buscando proporcionar definições de políticas de Saúde e Segurança no Trabalho, identificação de perigo, avaliação de risco e medidas de controle, atendimento dos requisitos legais, implementação e operação eficaz da Segurança e Saúde no Trabalho, criação de competências dos colaboradores e conscientização da importância da Segurança e Saúde no Trabalho, principalmente nos serviços com eletricidade.

15 14 Capítulo 2 Pesquisa Bibliográfica 2.1. História da Segurança e Saúde do Trabalho. Os Serviços de Saúde e Segurança do Trabalho tiveram origem nos primórdios da humanidade, junto com os processos de trabalho mais remotos, e foram se adaptando às novas descobertas e aquisições de conhecimento na busca eterna de se atingir uma excelência na arte de prevenção e promoção da saúde, especialmente no ambiente laboral [2]. O trabalho, desde a Antiguidade até a Idade Média sempre esteve aliado a um sentido negativo, de castigo e sofrimento. Aristóteles dizia que a escravidão de uns é necessária para que outros possam ser virtuosos. Em outras palavras, o homem deveria ser livre para se dedicar à própria perfeição. O trabalho o impede de consegui-lo. Só a vida contemplativa, e não a vida ativa leva o homem à dignidade. Verifica-se então que a ociosidade era o valor e o trabalho, o desvalor. Somente a partir do Renascimento, a noção negativa associada ao trabalho vai aos poucos tomando uma feição positiva, momento em que surgiram as ideias de valorização do trabalho como manifestação da cultura, e este começou timidamente a ser visto como um valor da sociedade e do próprio homem [3]. Sabe-se que a relação existente entre trabalho, saúde e doença já era percebida desde a Antiguidade. Porém, como somente os escravos, considerados não cidadãos, trabalhavam, apenas eles estavam expostos aos riscos do trabalho. Por este motivo, não havia uma preocupação efetiva no sentido de se garantir proteção ao trabalho, já que a mão de obra era abundante. O que se via naquela época eram alguns estudos isolados de investigação das doenças do trabalho, como aqueles realizados pelo médico e filósofo grego Hipócrates que em um de seus trabalhos descreveu um quadro de intoxicação saturnina, intoxicação causada pelo chumbo, em um mineiro [3]. Hipócrates, considerado o pai de medicina, viveu entre 460 a 370 antes de Cristo. Ele é considerado um dos homens mais importantes na história da medicina. Foi pioneiro em muitas descobertas, dentre elas, a identificação da origem das doenças

16 15 relacionadas ao trabalho com as minas de estanho, sendo por isso considerado um dos pais da Segurança e Saúde no trabalho [4]. Uma revisão dos documentos históricos relacionados à Segurança do Trabalho permite observar que a partir da revolução industrial a situação dos trabalhadores se tornou crítica. Entre 1760 e 1830, ocorreu na Inglaterra a Revolução Industrial, marco inicial da moderna industrialização que teve a sua origem com o aparecimento da primeira máquina de fiar. Nesta época, os capitalistas, antevendo as possibilidades econômicas dos altos níveis de produção, decidiram adquirir essas máquinas e empregar pessoas para fazê-las funcionar. Surgiram assim, as primeiras fábricas de tecidos e, com elas, o Capital e o Trabalho [5]. A introdução da máquina a vapor mudou integralmente o quadro industrial. A indústria que não mais dependia de cursos d'água, veio para as grandes cidades, onde era abundante a mão-de-obra [6]. Porém, nesse cenário, condições totalmente inóspitas de calor, ventilação e umidade eram encontradas, pois as modernas fábricas nada mais eram que galpões improvisados. As máquinas primitivas ofereciam diferentes tipos de riscos, a as consequências tornaram-se tão críticas que começou a haver clamores, inclusive de órgãos governamentais, exigindo um mínimo de condições humanas para o trabalho [5]. O trabalho em máquinas sem proteção, o trabalho executado em ambientes fechados onde a ventilação era precária e o ruído atingia limites altíssimos e a inexistência de limites de horas de trabalho trouxeram como resultado elevados índices de acidentes e de moléstias profissionais. Na Inglaterra, França e Alemanha, a Revolução Industrial causou diversos danos à saúde dos trabalhadores e os que sobreviveram foram tirados da cama e arrastados para um mundo de calor, gases, poeiras e outras condições adversas nas fábricas e minas [6]. Diante disso, a Inglaterra, local de concentração dessa etapa da humanidade, se notabilizou por iniciar a preocupação com a Saúde e Segurança do Trabalho, SST. Datase em 1802, na Inglaterra, a criação da primeira legislação sobre proteção aos trabalhadores, onde o parlamento inglês através de uma comissão de inquérito aprovou a primeira lei de proteção aos trabalhadores, Lei de saúde e moral dos aprendizes, estabelecendo limite de 12 horas de trabalho por dia, proibindo o trabalho noturno, obrigando os empregadores a lavarem as paredes das fábricas e tornando obrigatória a ventilação do local de trabalho [4].

17 16 A partir daí, com o passar dos anos, desenvolve-se a preocupação com a SST. Em 1919, houve a criação da Organização Internacional do Trabalho, OIT, dos quais o Brasil foi um dos membros fundadores. A OIT surgiu com o objetivo de instituir uma legislação trabalhista internacional, devido às reflexões éticas e econômicas que surgiram sobre o custo humano da revolução industrial. Nesse mesmo ano, no Brasil, é criada a Lei n 3.724, de 15/01/1919, Primeira Lei brasileira sobre acidentes de trabalho [4]. Conclui-se que em cada momento da história houve um desenvolvimento do trabalho e da forma que se trabalha, sendo necessário o desenvolvimento paralelo da forma que se tratava a SST [3]. Como a tecnologia continua se aprimorando numa curva exponencial, as mudanças em relação à forma de se trabalhar continuarão ocorrendo [7] exigindo o acompanhamento com essas mudanças dos Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no trabalho, SGSST. Esse cenário histórico nos trouxe uma realidade de muito cuidado com a SST. Deve-se cuidar que o principal objetivo de qualquer Programa de Segurança e Saúde no Trabalho seja proteger a vida, promover a segurança e saúde do trabalhador [1]. Somado a isso, também se verifica que os Acidentes de Trabalho afetam diretamente a produtividade das empresas [8]. Ou seja, além da história nos mostrar que a negligência com a SST é nociva para todos em qualquer âmbito de uma atividade [3], o planejamento com a SST resulta em previsões otimistas de faturamento [8]. Tais situações de melhora no faturamento são ainda detalhadas pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde do Trabalho, que elenca como consequência direta da SST os seguintes fatores [8]: Demonstração que a empresa é socialmente responsável; Reforço da imagem e valor da marca; Reforço do compromisso dos trabalhadores para com a empresa; Criação de mão-de-obra mais competente e mais saudável; e Incentivo aos trabalhadores a permanecerem na vida ativa durante mais tempo. Conclui-se, por fim, que os padrões atuais de trabalho da sociedade foram obtidos ao longo da história, e a forma de se lidar com ele também, principalmente se tratando da SST. Os serviços de SST suscitam grande imediatismo devido ao valor que

18 17 corretamente se tem dado à vida humana. Infelizmente, esse apreço foi obtido à duras penas, numa trajetória histórica manchada de sangue. Contudo, chegou-se à promoção da SST continuamente em ambientes de trabalho, fundamentada principalmente pela necessidade de enquadramento legal [9] Legislação Brasileira da Segurança e Saúde do Trabalho. A Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada inicialmente pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, teve seu Capítulo V do Título II alterado pela lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977, sobre SEGURANÇA E DA MEDICINA DO TRABALHO [10]. Essa lei possui seções, cada uma sobre uma atividade laboral específica. Essas seções seriam a base para a criação das Normas Regulamentadoras, NR, pela Portaria nº 3.214, de 8 de junho de As NR seriam as especificações das leis sobre Segurança e Saúde no trabalho, relativas às atividades laborais [11]. Atualmente, as Normas Regulamentadoras de Segurança e Saúde no Trabalho existentes são [12]: Norma Regulamentadora Nº 01 - Disposições Gerais; Norma Regulamentadora Nº 02 - Inspeção Prévia; Norma Regulamentadora Nº 03 - Embargo ou Interdição; Norma Regulamentadora Nº 04 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho; Norma Regulamentadora Nº 05 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes; Norma Regulamentadora Nº 06 - Equipamentos de Proteção Individual EPI; Norma Regulamentadora Nº 07 - Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO; Norma Regulamentadora Nº 08 Edificações; Norma Regulamentadora Nº 09 - Programas de Prevenção de Riscos Ambientais; Norma Regulamentadora Nº 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;

19 18 Norma Regulamentadora Nº 11 - Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais; Norma Regulamentadora Nº 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos; Norma Regulamentadora Nº 13 - Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações; Norma Regulamentadora Nº 14 Fornos; Norma Regulamentadora Nº 15 - Atividades e Operações Insalubres; Norma Regulamentadora Nº 16 - Atividades e Operações Perigosas; Norma Regulamentadora Nº 17 Ergonomia; Norma Regulamentadora Nº 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção; Norma Regulamentadora Nº 19 Explosivos; Norma Regulamentadora Nº 20 - Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis; Norma Regulamentadora Nº 21 - Trabalho a Céu Aberto; Norma Regulamentadora Nº 22 - Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração; Norma Regulamentadora Nº 23 - Proteção Contra Incêndios; Norma Regulamentadora Nº 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho; Norma Regulamentadora Nº 25 - Resíduos Industriais; Norma Regulamentadora Nº 26 - Sinalização de Segurança; Norma Regulamentadora Nº 27 (Revogada pela Portaria GM n.º 262, 29/05/2008) - Registro Profissional do Técnico de Segurança do Trabalho no MTB; Norma Regulamentadora Nº 28 - Fiscalização e Penalidades; Norma Regulamentadora Nº 29 - Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário; Norma Regulamentadora Nº 30 - Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário;

20 19 Norma Regulamentadora Nº 31 - Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura; Norma Regulamentadora Nº 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde; Norma Regulamentadora Nº 33 - Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados; Norma Regulamentadora Nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval; Norma Regulamentadora Nº 35 - Trabalho em Altura; e Norma Regulamentadora n.º 36 - Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados. As NRs podem ser alteradas por propostas de textos normativos. Atualmente, há uma proposta para alteração da NR - 01, Proposta de Texto Normativo NR - 01 Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho. Essas propostas inicialmente passam por uma consulta pública, como está acontecendo no momento com a nova NR-1 [12]. Caso aprovado o texto, passa-se a valer a nova norma. Atualmente, a maior crítica a essa possível nova NR é sua extensão e complexidade, mas é fato que apresenta diretrizes que exigiram mais e mais a presença de pessoas especializada na área de gestão de saúde e segurança do trabalho para que possa ser cumprida [13]. Até o término do trabalho, não se terá finalizado a consulta pública da NR Contudo, em detalhe, esse projeto final trata das NR 2, 6, 7, 9, 10, 15, 16, 17, 18 e 35, por se tratarem de normas que abrangem diversas atividades, e principalmente por serem aplicáveis no foco de aplicação do software, Serviços e Instalações com Eletricidade NR 2 Inspeção Prévia. Da norma, tem-se que todo estabelecimento novo, antes de iniciar suas atividades, deverá solicitar aprovação de suas instalações ao órgão regional do MTE. O órgão regional do MTE, após realizar a inspeção prévia, emitirá o Certificado de Aprovação de Instalações CAI [14].

21 20 Um modelo do formulário CAI encontra-se no Apêndice A, exemplo usado pelo software. Embora o CAI não venha sendo exigido pelas Secretarias Regionais do Trabalho, SRT, ainda assim será necessário que as empresas protocolem seu pedido junto à SRT, principalmente nos casos de instalações novas e ampliações [15]. No Apêndice B encontra-se um modelo de ofício para pedido de emissão da CAI NR 6 Equipamentos de Proteção Individual. Da norma NR 6 [16], tem-se: 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. [16]. Entende-se como EPI o equipamento que possui Certificado de Aprovação, CA, aprovado pelo MTE, de uso pessoal e intransferível, e que tenha a função de proteger ou atenuar lesões provenientes dos agentes no ambiente do trabalho. Da definição no item 6.1, não se menciona proteção à saúde e, sim, proteção de riscos, de ameaçar a segurança e saúde no trabalho. Nota-se o uso da preposição de, extrapolando o conceito individual, do trabalhador, para uma ideia generalista, mais abrangente, no trabalho. O EPI não evita o acidente, mas pode minimizar a lesão [15]. A garantia da qualidade é obrigação do fabricante, e a fiscalização cabe ao MTE, com as emissões do CA [16]. Quanto às responsabilidades do empregador convém citar o item 6.3: A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias: a) sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho; b) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; e, c) para atender a situações de emergência.. [16]. Verifica-se na norma que o empregador deve, entre outras coisas, adquirir os devidos EPI para cada atividade, segundo o Anexo I da norma, com CA válidos, além de fornecê-los aos empregados, orientar quanto ao uso, exigir o uso, substituir quando extraviado ou danificado e registrar o fornecimento [16]. Para o registro, usa-se, por

22 21 exemplo, uma Ficha de EPI, como consta no Apêndice C deste trabalho. No Apêndice D é mostrado também um exemplo de Planilha de Estoque de EPI, para auxiliar no gerenciamento por parte dos empregadores. O software desenvolvido no capítulo 3 também utiliza os dois Apêndices citados. Quanto ao empregado, cabe a utilização do EPI, garantir a conservação do EPI, cumprir as orientações do empregador quanto ao uso adequado e comunicar ao empregador qualquer alteração do EPI [16] NR 7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO. Da norma NR 7 [17], tem-se: Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores. [17]. O PCMSO é um documento elaborado pelo médico coordenador com o objetivo de monitorar todos os trabalhadores, individualmente, em sua exposição aos agentes nocivos à saúde pertencentes à atividade laboral. A qualificação para avaliação do trabalhador é do Médico do Trabalho, mas podem-se adotar modelos padrões da ficha de PCMSO, de acordo com o aval do médico [15]. No Apêndice E, encontra-se um exemplo do PCMSO. O PCMSO deve incluir os exames médicos admissionais, periódicos, de retorno ao trabalho, de mudança de função e demissional [17]. Um exemplo da importância do PCMSO está na investigação de Acidentes de Trabalho e Doenças Ocupacionais. Como relata o Engenheiro Eletricista e Engenheiro de Segurança do Trabalho André Barcelos [18], esse documento serve de fundamento para qualquer investigação, pois garante uma análise do estado do trabalhador durante seu período de colaboração em determinada atividade por profissional capacitado e habilitado [18].

23 NR 9 PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - PPRA. Da norma NR 9 [19], tem-se: Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA, visando à preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. [19]. O PPRA é um programa obrigatório, com validade de um ano, que busca implementar Medidas de Controle e Sistemas Preventivos para os riscos provenientes de agentes nocivos a saúde, agentes químicos, agentes físicos ou agentes biológicos. Para isso, deve ser feita uma análise de risco, também prevista pela norma, que busca encontrar para cada atividade laboral todos os agentes existentes nela. Essa análise é feita considerando as especificidades da atividade e o local onde ela é exercida [15]. No Apêndice F, encontra-se um exemplo de documento PPRA. Sobre os agentes, tem-se a seguinte divisão [19]: Agentes Físicos: Diversas formas de energia que o trabalhador esteja sujeito. Por exemplo, ruídos, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes e não ionizantes e infrassom e ultrassom; Agentes Químicos: Substâncias, produtos ou compostos que possam penetrar no organismo, por via respiratória, por contato com a pele ou por ingestão. Por exemplo, poeiras, gases, vapores, fumos; e Agentes Biológicos: Bactérias, fungos, bacilos, vírus, parasitas, entre outros. [19]: De posse da análise de risco, deve-se elaborar o PPRA, com a seguinte estrutura Planejamento anual: Metas, prioridades e cronogramas; Estratégias e metodologias de ação; Forma de registro, manutenção e divulgação de dados; e Periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do PPRA.

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

30/03/2011. Matéria: Legislações e Normas Técnicas. Professor: Gustavo Fonseca. Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras

30/03/2011. Matéria: Legislações e Normas Técnicas. Professor: Gustavo Fonseca. Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras Matéria: Legislações e Normas Técnicas Professor: Gustavo Fonseca Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras A Constituição Federal de 1988 estabeleceu a competência privativa

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno SEGURANÇA NO TRABALHO Eng. Daiana Paterno ATUALMENTE?? PORQUE? O cenário atual da Segurança e Saúde no Trabalho no Brasil ainda é muito distante do desejável. A Previdência Social registra, anualmente,

Leia mais

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho);

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho); ASPECTOS LEGAIS SOBRE A SEGURANÇA D O TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO PARA A EMPRESA NA SUA GESTÃO JURÍDICA. SEGURANÇA DO TRABALHO São os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes

Leia mais

LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS

LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS Portaria Nº 3.214/78, SSST Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho, atualmente, DSST Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho, do Ministério

Leia mais

Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Normas de segurança 1802 INGLATERRA - FRANÇA COMISSÕES DE FÁBRICAS 1923 BRASIL: NA LIGHT RIO DE JANEIRO É CRIADA A PRIMEIRA COMISSÃO DE FÁBRICA 1968 Portaria

Leia mais

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 01: Integração e Código de ética do Técnico em Segurança PLANO DE CURSO

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 01: Integração e Código de ética do Técnico em Segurança PLANO DE CURSO PLANO DE CURSO Capítulo v da CLT e o meio ambiente do trabalho e a competência das empresas na saúde e segurança do trabalho; Código de ética do técnico em segurança Norma regulamentadora 1 disposições

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Normas de segurança

Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Normas de segurança Regulamentação do MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Normas de segurança 1802 INGLATERRA - FRANÇA COMISSÕES DE FÁBRICAS 1923 1968 BRASIL: NA LIGHT RIO DE JANEIRO É CRIADA A PRIMEIRA COMISSÃO DE FÁBRICA Portaria

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 Normas Regulamentadoras do trabalho, trabalho rural..objetivos ESPECÍFICOS Apresentar o modelo legal de organização,

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Org. Marcos Garcia Hoeppner Advogado Autor da Coleção Síntese Jurídica e do Minidicionário Jurídico NR Normas Regulamentadoras Relativas à SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO (Capítulo V, Título II, da CLT)

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

Segurança do Trabalho Introdução

Segurança do Trabalho Introdução Segurança do Trabalho Introdução Joinville, fevereiro de 2015 Introdução A Segurança no Trabalho é a ciência que estuda as possíveis causas dos acidentes e incidentes originados durante a atividade laboral

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, destinados

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Trabalho e Renda Sergio Zveiter Superintendência de Saúde, Segurança e Ambiente do Trabalho Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR Normas Regulamentadoras Relativas à SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (Capítulo V, Título II, da CLT) NR-1 à NR-36 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ N869 6.

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Introdução Segundo a Organização Mundial da Saúde: Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doenças, levando-se em conta que o homem é um ser que se

Leia mais

SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE

SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL (Safety and Enviroment) 1 SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SÓCIOAMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO 2. METODOLOGIA 5 S 3. SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 4. ERGONOMIA 5. NORMALIZAÇÃO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778.4561 Normas Regulamentadoras Portaria nº 3.214 de 08 de Junho de 1978.

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

ÍNDICE GERAL PARTE I PARTE II. Normas Regulamentadoras NRs. NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho

ÍNDICE GERAL PARTE I PARTE II. Normas Regulamentadoras NRs. NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho ÍNDICE GERAL PARTE I Constituição da República Federativa do Brasil (parcial) Consolidação das Leis do Trabalho (parcial) Trabalho Rural Lei 5.889, de 8 de junho de 1973 (parcial) Lei 8.213, de 24 de julho

Leia mais

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO EM PETRÓLEO E GÁS

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO EM PETRÓLEO E GÁS Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO EM PETRÓLEO E GÁS ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação Gestão Educacional NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural

Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural Área dos estabelecimentos agropecuários O Brasil possui 851 milhões de hectares 27% = Área ocupada com a produção agropecuária

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Rodrigo Vieira Vaz Auditor-Fiscal do Trabalho Ministério do Trabalho e Emprego 16 Maio de 2013, Rio de Janeiro Consolidação das

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-021 ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR 010

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-021 ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR 010 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-021 ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR 010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES...

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

Workshop Interpretando a NR10. Nova Serrana

Workshop Interpretando a NR10. Nova Serrana Workshop Interpretando a NR10 Nova Serrana Nossa abordagem I. Introdução II. Legislação Brasileira III. Norma Regulamentadora NR-10 IV. Exigências da Norma V. Resumo Geral I. Introdução A Norma Regulamentadora

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais MANUAL DE UTILIZAÇÃO Rede Completa Orientações Gerais Geremed Saúde e Segurança Ocupacional Ltda. 2011 3 de Prezado Cliente: Parabéns! Você é um CLIENTE GEREMED e para nós, isso é um motivo de grande satisfação.

Leia mais

As NRs e os Treinamentos em Segurança do Trabalho

As NRs e os Treinamentos em Segurança do Trabalho As NRs e os Treinamentos em Segurança do Trabalho Página 1 Sumário O que são as NRs 4 Como surgiram as Normas Regulamentadoras 5 As 36 normas regulamentadoras 6 Resumo das Normas 8 Regulamentadoras 8 NR

Leia mais

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração.

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Módulo 2 Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Elaboração do PPRA Para iniciarmos a elaboração do PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Leia mais

Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica

Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Rodrigo Vieira Vaz e Joaquim Gomes Pereira Ministério do Trabalho e Emprego 6 Junho de 2013, São Paulo Consolidação das Leis do Trabalho - CLT

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Orientações Gerais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Orientações Gerais MANUAL DE UTILIZAÇÃO Orientações Gerais Geremed Saúde e Segurança Ocupacional Ltda. 2013 Prezado Cliente: Parabéns! Você é um CLIENTE GEREMED e para nós, isso é um motivo de grande satisfação. Nosso compromisso

Leia mais

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho V FORUM - NR 32 São Paulo 09.06.2010 Noeli Martins auditora fiscal do trabalho médica do trabalho PORTARIA MTE 3214/78-33 Normas Regulamentadoras NR 01 Disposições Gerais NR 02 Inspeção Prévia NR 03 Embargo

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

Saúde é um dos direitos fundamentais do ser humano. Muito mais do que a ausência de doenças, ela pode ser definida como qualidade de vida.

Saúde é um dos direitos fundamentais do ser humano. Muito mais do que a ausência de doenças, ela pode ser definida como qualidade de vida. AULA 1 INTRODUÇÃO E O que é SAÚDE? Saúde é o que toda a pessoa tem quando está com todo o organismo saudável e se sentindo completamente bem em relação a doenças ou a qualquer indisposição física. Saúde

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO.

NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. SAÚDE, SEGURANÇA E COMPETITIVIDADE Três palavras muito importantes sintetizam a filosofia de trabalho e o norte de atuação do Sistema FIEMG nos últimos

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 10 - NR 10 NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NORMA REGULAMENTADORA 10 - NR 10 NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NORMA REGULAMENTADORA 10 - NR 10 NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Conforme a Portaria MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO nº 598 de 07.12.2004 10.1-

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Curso de especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

Curso de especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO E QUALIDADE Curso de especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO E QUALIDADE ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em Gestão

Leia mais

Saliente-se ainda que toda caldeira somente deverá ser operada por trabalhador habilitado para este fim, devidamente certificado.

Saliente-se ainda que toda caldeira somente deverá ser operada por trabalhador habilitado para este fim, devidamente certificado. Com o objetivo de manter sua empresa informada a respeito das obrigatoriedades legais previstas na atual redação das Normas Regulamentadoras de Segurança e Medicina do Trabalho, Portaria MTE. 3214/78,

Leia mais

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Normas Regulamentadoras (NR) As Normas Regulamentadoras (NR s), criadas pelo Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), tem como objetivo estabelecer

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

artigos 154 a 159 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 2 NR-5 - Estruturar, Implantar, Registrar e

artigos 154 a 159 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 2 NR-5 - Estruturar, Implantar, Registrar e 1 NR-1- Disposição Geral, embasado nos artigos 154 a 159 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 2 NR-5 - Estruturar, Implantar, Registrar e acompanhar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA),

Leia mais

Exemplo de Relatório de Auditoria. Geral

Exemplo de Relatório de Auditoria. Geral Exemplo de Relatório de Auditoria Geral Período 29/1/2009 Reavaliação para 15//2009 Dados da Auditoria Auditoria: Cliente: Setor: Nr Funcionários: Dt. Início: Dt. Término Usou a NR: Exemplo de Relatório

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES: MANUAL DA UNIDADE Prezados Senhores, Com o intuito de promover a excelência e a qualidade na prestação de nossos serviços, vimos por meio deste, agradecer pela confiança e credibilidade. A Engemed Saúde

Leia mais

Assessoria e Treinamento

Assessoria e Treinamento Alaeda Av. Arthur Dona de Queiroz, Tereza 680 sala Cristina, 10 430 Bairro: Casa Nova Branca Petrópolis - Santo André - S.B. Campo cep:09770-330 cep:09015-510 - São - Paulo São Paulo Tel: Tel: (11) (11)

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL

Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Enfermagem e Saúde NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Enfermagem do Trabalho

Leia mais

CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 26 a 30 de maio de 2008

CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 26 a 30 de maio de 2008 CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 26 a 30 de maio de 2008 OBJETIVO: Capacitar os participantes para prevenção em acidentes com eletricidade, em atendimento ao novo texto da

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral)

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais