Autores: Franco, Luís José Gonçalves

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autores: Franco, Luís José Gonçalves (luisjgfranco@sapo.pt)"

Transcrição

1 ARTIGO OPINIÃO Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Autores: Franco, Luís José Gonçalves 2010 Enfermeiro Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica Bloco Operatório Central Mestrando em Enfermagem Médico-cirúrgica Resumo Abstract As Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS) são para os profissionais uma realidade para a qual cada vez mais devem dirigir o olhar, tendo em conta as suas implicações na segurança dos doentes. Sendo uma área de interesse para o grupo profissional a que pertenço considerei que poderia dar o meu contributo formativo ao sensibilizar os profissionais de enfermagem para aspectos essenciais que se prendem com a importância de prevenir as IACS. Este artigo é constituído por uma parte inicial que inclui a definição de IACS e as suas implicações para o doente, reforçada pela epidemiologia que tem em todo o mundo um impacto assustador, tanto pela mortalidade como pela morbilidade e, o grande peso económico que assume nos cuidados de saúde. Após estas reflexões é feita uma curta abordagem da forma como são transmitidos os microrganismos durante a prestação dos cuidados de saúde e a tónica final relativamente à prevenção como melhor arma para combater o problema, através de programas de controlo de infecção. A título de conclusão é dado ênfase ao envolvimento dos profissionais de enfermagem, tendo em conta a defesa da pessoa que ocorre aos serviços de saúde. The Associated Infections Healthcare (IACS) are a reality for practitioners to which increasingly must turn our gaze, bearing in mind the implications for patient safety. Being an area of interest for the professional group to which I belong I found that could make my contribution to the training to sensitize professionals to essential aspects which relate to the importance of preventing associated infections healthcare. This article consists of an initial portion that includes the definition of associated infections healthcare and its implications for the patient, reinforced by epidemiology which has a worldwide impact scary, both the morbidity and mortality as by the great economic importance it assumes in health care. After these reflections is made a short approach of how microorganisms are transmitted during the provision of health care and the final focus on prevention as the best weapon to combat the problem through programs of infection control. In conclusion emphasis is given to the involvement of nurses, taking into account the protection of the person who happens to health services.

2 INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) O que é a Infecção Associada aos Cuidados de Saúde e qual o seu impacto na segurança dos doentes? A Infecção Associada aos Cuidados de Saúde (IACS), anteriormente denominada de infecção nosocomial ou hospitalar é definida como uma infecção que ocorre num doente durante a prestação de cuidados num hospital ou outra instituição prestadora de cuidados de saúde que não existia nem estava em incubação na altura da sua admissão. Inclui também infecções adquiridas no decurso da prestação de cuidados, mas que se manifestam após a suspensão dos mesmos, assim como infecções de natureza ocupacional que surgem nos profissionais da instituição. Esta designação (IACS) é mais envolvente e abrangente, no sentido em que engloba não só as infecções adquiridas em meio hospitalar (vulgo nosocomial), mas também todas as infecções que surgem em consequência da prestação de cuidados de saúde, onde quer que os doentes se encontrem (lar, cuidados continuados, domicilio, etc.). O aparecimento da infecção está ligado à prestação dos cuidados de saúde podendo surgir, embora nem sempre, como consequência da falha de sistemas e processos da prestação de cuidados, bem como do comportamento humano (profissionais, doentes e visitas). Deste modo, representa um problema maior da segurança dos doentes. (Direcção Geral dos Hospitais, 2008) A Infecção Associada aos Cuidados de Saúde ocorre em todo o mundo, atingindo países desenvolvidos como países em desenvolvimento. O impacto das IACS é enorme, com centenas de milhares de doentes afectados anualmente em todo o mundo. Estas infecções contribuem para a morte e incapacidade dos doentes e levam á utilização de antibióticos de largo espectro, podendo contribuir para o aumento da resistência aos antibióticos. A cada momento, mais de 1,4 milhões de pessoas sofrem infecções adquiridas no hospital. Estima-se que, nos países desenvolvidos, 5 a 10% dos doentes admitidos em hospitais de cuidados agudos vêm a adquirir uma infecção; a proporção de doentes afectados pode ultrapassar os 25% nos países em desenvolvimento. Em locais de elevado risco, como unidades de cuidados intensivos, mais de um terço 1

3 dos doentes pode ser afectado e a mortalidade atribuível pode atingir 44%. Nos EUA, as IACS são causa directa de aproximadamente mortes por ano. Como consequências das IACS observa-se agravamento do estado de saúde, aumento do tempo de internamento, sequelas e morte, custos económicos adicionais elevados no sistema de saúde, custos pessoais e sofrimento físico e emocional nos doentes e famílias. Como são transmitidos os microrganismos durante a prestação de cuidados de saúde? As Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde podem ser causadas por bactérias, vírus, fungos e parasitas. No entanto, a maioria das infecções são causadas por bactérias e vírus. Os microrganismos encontram-se no ambiente das unidades de saúde e nos próprios doentes, na pele, vias respiratórias e tracto gastrointestinal. Estes microrganismos são considerados parte da sua flora normal. Assim, a roupa dos doentes e da cama, o mobiliário e outros objectos no ambiente envolvente do doente ficam contaminados com a sua flora. As infecções podem ser causadas tanto por microrganismos que fazem parte da flora da pele e mucosas do doente (endógenas), como por microrganismos transmitidos por outro doente ou do ambiente envolvente (exógenas). Os profissionais de saúde podem actuar como veículo transmissor. As IACS surgem essencialmente como complicações decorrentes de um desequilíbrio entre a flora microbiana, considerada normal, e os mecanismos de defesa. A transmissão dos microrganismos pode ocorrer através de contacto (directo e indirecto), via aérea (gotículas) e veículos comuns e vectores. A transmissão por contacto ocorre quando o doente contacta com a fonte e pode acontecer por: Contacto directo - Contacto físico directo entre a fonte e o doente, por exemplo, contacto pessoa-pessoa. Contacto indirecto - A transmissão do agente infeccioso da fonte para o doente ocorre de modo passivo através de um objecto (habitualmente inanimado), por exemplo, transferência de microrganismos entéricos para um hospedeiro susceptível através de um endoscópio que foi previamente contaminado por um doente colonizado/infectado. A transmissão por via aérea refere-se a microrganismos cuja disseminação passa pela suspensão no ar e que então podem ser inalados por um hospedeiro susceptível dentro da mesma sala ou a longa distância do doente contaminado. A passagem transitória do agente infeccioso acontece através de gotículas (partículas com dimensões superiores a 5µm) quando a fonte e o doente estão próximos, por exemplo, por espirros e tosse. 2

4 Na transmissão por veículos comuns, um material contaminado, por exemplo, alimentos, água ou medicamentos, pode ser o ponto de partida para a transmissão do agente microbiano aos doentes. A transmissão por vectores, como por exemplo mosquitos, pulgas, ratos, carraças, não tem grande expressão nas IACS. O risco de transmissão existe em todos os momentos da prestação de cuidados, especialmente em doentes imunodeprimidos e/ou na presença de dispositivos invasivos (como catéter vesical, catéter intravenoso, tubo endotraqueal, etc.). Nos hospitais concentram-se doentes infectados e colonizados por microrganismos, que são fontes de infecção e que podem contaminar outros doentes e profissionais. Entre os factores que contribuem para o desenvolvimento de infecções, incluem-se a sobrelotação, a não afectação de profissionais exclusivos para cuidar dos doentes infectados e colonizados, transferências frequentes de doentes de uma enfermaria para outra e a aglomeração de doentes imunodeprimidos em unidades específicas (unidades de cuidados intensivos e intermédios). Na maioria dos casos, as mãos dos profissionais de saúde constituem o veículo mais comum para a transmissão de microrganismos da pele do doente para as mucosas (como no tracto respiratório) ou para locais do corpo habitualmente estéreis (sangue, líquido céfalo-raquidiano, líquido pleural, etc.) e de outros doentes ou do ambiente contaminado. É importante referir que as mãos dos profissionais são progressivamente colonizadas durante a prestação de cuidados com microrganismos, incluindo agentes potencialmente patogénicos (colonização transitória). Na ausência de cuidados de higiene das mãos, quanto maior a duração da prestação de cuidados, maior o grau de contaminação das mesmas. É possível prevenir a Infecção Associada aos Cuidados de Saúde? Vários estudos demonstram claramente que a implementação de programas de controlo de infecção bem estruturados reduz as IACS e é uma medida custo-efectiva. Um estudo realizado entre 1974 e 1983, nos Estados Unidos estudo SENIC conclui que é possível prevenir cerca de 30% de todas as infecções nosocomiais. As bases do controlo de infecção assentam em precauções simples e bem estabelecidas, comprovadamente eficazes e globalmente aceites. As Precauções Básicas, implementadas em 1988, pelo CDC (Centers for Disease Control), englobam todos os princípios essenciais de controlo de infecção que são obrigatórios em qualquer estabelecimento de prestação de cuidados de saúde. Estas aplicam-se a todos os doentes hospitalizados, 3

5 independentemente do seu diagnóstico, factores de risco e presumível estado infeccioso, de modo a diminuir o risco tanto de doentes como de profissionais de contraírem uma infecção. A higiene das mãos está no cerne das Precauções Básicas e é indiscutivelmente a medida isolada mais eficaz no controlo de infecção. Na presença de doentes com suspeita ou confirmação de infecção ou colonização por agentes patogénicos altamente transmissíveis, ou epidemiologicamente significativos, os cuidados requerem a implementação de medidas especiais baseadas nas vias de transmissão. As precauções baseadas nas vias de transmissão incluem precauções relativas à transmissão por via aérea, por gotícula e por contacto. Além das Precauções Básicas e das baseadas na transmissão, foi demonstrado que algumas medidas específicas são muito eficazes na prevenção de infecções específicas de um local, ou relacionadas com dispositivos, nomeadamente infecções do tracto urinário, infecções do local cirúrgico, pneumonia e infecção da corrente sanguínea. Assim, devem ser tomadas medidas para criar e implementar orientações de boas práticas, de modo a minimizar o risco de desenvolver infecção relacionada com procedimentos ou dispositivos invasivos. Segundo as Precauções Básicas todos os doentes devem ser considerados como potencialmente infecciosos, assumir que todo o sangue e outros fluidos corporais podem estar contaminados e assumir que todos os objectos cortantes, usados, estão contaminados. Assim as estratégias de prevenção das IACS, baseadas nas Precauções Básicas, devem constar de: Higiene das mãos; Boas práticas nos procedimentos invasivos, como utilização de técnica asséptica; Limpeza, desinfecção e esterilização dos dispositivos médicos; Uso racional de antimicrobianos; Administração segura de injectáveis; Descontaminação dos equipamentos; Higiene ambiental hospitalar; Uso racional do equipamento de protecção individual; Uso correcto e rejeição de cortantes e ou perfurantes; Encaminhamento correcto após exposição; Correcto programa de vacinação; Boas práticas no transporte de espécimes; 4

6 Precauções com doentes com infecções epidemiologicamente importantes; Isolamento e colocação dos doentes colonizados / infectados conforme a via de transmissão. Higiene respiratória / etiqueta da tosse. Dentro das medidas específicas, salienta-se as recomendações no uso correcto e na utilização de cateter intravascular, cateter vesical e de outras medidas invasivas, nomeadamente a ventilação mecânica. A sua utilização deverá ser criteriosa e retirados logo que possível, respeitando sempre e rigorosamente, os cuidados específicos de utilização / manutenção e a técnica asséptica. Todos os profissionais de saúde devem cumprir as normas e orientações, na sua prática, de forma a prevenir e reduzir a incidência de infecções. Devem conhecer as Precauções Básicas de prevenção e controlo de infecção a serem aplicadas em todas as situações. Da intervenção correcta dos profissionais depende a real prevenção das IACS e a segurança dos doentes. A informação e a formação aos profissionais de saúde são fundamentais para esse efeito. Segundo Ferreira, citado por Rebelo (2007), a ignorância obstaculiza e bloqueia o desenvolvimento de estratégias e medidas racionais e eficazes no combate das infecções hospitalares. O profissional de saúde deve saber avaliar os riscos para os doentes e para si próprio sobre a transmissão das IACS e actuar de acordo. A par do rápido desenvolvimento técnico e farmacológico e de ferramentas importantes para o entendimento das IACS, é o elemento fundamental na prevenção e controlo deste tipo de infecção. A prevenção é sem dúvida, a melhor forma de combater este problema! O envolvimento dos Profissionais de Enfermagem é crucial e decisivo. No decorrer da sua actividade diária, detêm imensa responsabilidade para evitar as Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde, implementando procedimentos adequados, que minimizem a disseminação de microrganismos. Desempenham assim papel chave na prevenção e controlo de infecção. Neste sentido o objectivo será caminhar para a excelência na prestação de cuidados e ter sempre em conta a pessoa que ocorre aos serviços de saúde, que tem direito a ser protegida e defendida na sua integridade. Referências: Direcção Geral dos Hospitais (www.dgs.pt), (Microsite do controlo de infecção). Rebelo, Susana et Valente, João Infecções Hospitalares, uma realidade actual, Revista Sinais Vitais, n.º 70, Janeiro 2007, p. 27 a 29. 5

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR Ana Cristina Costa Divisão da Segurança Clínica Programa Nacional de Prevenção e Controlo das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde Instituto

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Implementação das Precauções Básicas de Prevenção e Controlo de Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos. Maria Goreti Silva DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Implementação das Precauções Básicas de Prevenção e Controlo de Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos. Maria Goreti Silva DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Implementação das Precauções Básicas de Prevenção e Controlo de Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos Maria Goreti Silva DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 29 de Novembro de 2013 Questão de base As Precauções

Leia mais

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 3as Jornadas APHH 1 Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 Alexandra Coelho 2 Fabrico de Dispositivos Médicos PME Líder ISO 9001 ISO 13485 Marcação CE, Dispositivos Médicos classe I

Leia mais

Actualizado em 16-10-2009* Medidas de protecção individual em serviços de saúde

Actualizado em 16-10-2009* Medidas de protecção individual em serviços de saúde Medidas de protecção individual em serviços de saúde Estas medidas devem ser implementadas em todos os serviços de prestação de cuidados de saúde primários ou hospitalares, públicos ou privados, e durante

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

HIGIENE DAS MÃOS Um desafio mundial. Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE 04 e 05 de Maio de 2009

HIGIENE DAS MÃOS Um desafio mundial. Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE 04 e 05 de Maio de 2009 HIGIENE DAS MÃOS Um desafio mundial Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE 04 e 05 de Maio de 2009 HIGIENE DAS MÃOS Um desafio mundial As bases do controlo de infecção assentam em medidas simples e bem estabelecidas,

Leia mais

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas*

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 - OMS Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* A propósito da nova estirpe de vírus da gripe A(H1N1) recentemente

Leia mais

Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB. Vasco Lino 2015-06-16

Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB. Vasco Lino 2015-06-16 Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB Vasco Lino 2015-06-16 GCL- PPCIRA Grupo de Coordenação Local do Programa de Prevenção e Controlo das Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos

Leia mais

CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1

CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene 3 ; MISTURA, Claudelí 4 ; ROSO, Camila Castro 5

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID Para melhorar a saúde no Brasil com RFID João Ricardo Tinoco de Campos Diretor de Enfermagem IDR Instituto Data Rio para Administração Pública RFID usado a favor da Biossegurança e da CCIH: Comissão de

Leia mais

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR Dra Carla Guerra Médica Infectologista Pronep-SP Patrocínio: Realização:

Leia mais

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands p. 1 de 10k Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands 1ª EDIÇÃO Janeiro de p. 2 de 10k p. 3 de 10k Índice Introdução... 4 Campo de aplicação...

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico. Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.org Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde 1621134 - Produzido

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO ENFERMEIRA AGRIPINA TENDER PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFEÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE Formação Investigação IACS Infecção Associada aos Cuidados

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES

Para a obtenção de informações complementares, poderá ainda consultar os seguintes links da Direcção Geral de Saúde: A AICOPA LINHA DE SAÚDE AÇORES Diversos Circular n.º 72/2009 15 de Julho de 2009 Assunto: Gripe A (H1N1) Algumas considerações importantes. Caro Associado: Considerando a nova estirpe de vírus da Gripe A (H1N1), e perante o seu risco

Leia mais

Princípios de Assepsia

Princípios de Assepsia Princípios Científicos da Intervenção de Enfermagem Relacionados à Assepsia Enfa. Esp. Renata Romualdo Princípios de Assepsia 1 Áreas Críticas: Princípios de Assepsia Ambientes que abrigam procedimentos

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1

Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 Directivas de gestão relativa às doenças transmissíveis colectivas crèches 2012.5.1 I. Directivas relativas às doenças transmissíveis colectivas crèches 1. Critérios de notificação crèche Quando as crianças

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

INFECCÇÕES RELACIONADAS A SERVIÇOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA PÚBLICO EM GERAL. Conhecendo um pouco mais sobre as Precauções Específicas

INFECCÇÕES RELACIONADAS A SERVIÇOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA PÚBLICO EM GERAL. Conhecendo um pouco mais sobre as Precauções Específicas INFECCÇÕES RELACIONADAS A SERVIÇOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA PÚBLICO EM GERAL 1 Conhecendo um pouco mais sobre as Precauções Específicas Para entendermos a importância das Precauções Específicas no ambiente

Leia mais

Perguntas frequentes sobre a doença do vírus Ébola

Perguntas frequentes sobre a doença do vírus Ébola Tradução para Português: Perguntas frequentes sobre a doença do vírus Ébola Actualizado em 7 de Agosto de 2014 1. O que é a doença do vírus Ébola? A doença do vírus Ébola (até há pouco tempo conhecida

Leia mais

Influenza A (H1N1) H1N1

Influenza A (H1N1) H1N1 Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) H1N1 Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Leia mais

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal.

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. Desde esta altura que correram mundo, mais de trinta pandemias, causadas por diversos

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1)

Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Medidas de protecção individual contra a Gripe A(H1N1) Evite o contacto próximo com pessoas com gripe! Procure não estar na presença de pessoas com gripe. Se ficar doente, mantenha-se afastado dos outros,

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

www.arscentro.min-saude.pt

www.arscentro.min-saude.pt www.arscentro.min-saude.pt Pandemia de gripe e planos de contingência e de continuidade de laboração LÚCIO MENESES DE ALMEIDA MÉDICO ESPECIALISTA EM SAÚDE PÚBLICA Grupo Coordenador d do Plano de Contingência

Leia mais

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS JUNTA REGIONAL DOS AÇORES GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA Plano de Contingência contra a Gripe A em acampamentos e actividades escutistas Exposição

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL INFORMAÇÃO PARA O PÚBLICO SOBRE O DIA EUROPEU DOS ANTIBIÓTICOS O Dia Europeu dos Antibióticos terá lugar no dia 18 de Novembro de 2009. Este dia tem por objectivo proporcionar uma oportunidade de sensibilização

Leia mais

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA

PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA PLANO DE ACTUAÇÃO CONTRA A GRIPE PANDÉMICA NO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA 1. OBJECTIVOS DO PLANO Antecipar e gerir a resposta do ISA para minimizar as condições de propagação da Gripe A na comunidade

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO Fevereiro de 2008 PNCI Autores Ana Cristina Costa Direcção de Serviços da Qualidade Clínica,

Leia mais

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde Mesa - redonda Programas Nacionais Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas Cuidados de Saúde Cristina Costa Programa Nacional de Prevenção das Resistências antimicrobianos Ana Leça Moderadora

Leia mais

Dia Europeu do ENFERMEIRO PERIOPERATÓRIO BLOCO OPERATÓRIO CENTRAL

Dia Europeu do ENFERMEIRO PERIOPERATÓRIO BLOCO OPERATÓRIO CENTRAL ACOLHIMENTO DO UTENTE NO BLOCO OPERATÓRIO É REALIZADO POR UM ENFERMEIRO CUJO PRINCIPAL OBJECTIVO É TRANSMITIR SEGURANÇA AO UTENTE, ESCLARECER AS SUAS DÚVIDAS E RECEIOS DE MODO A QUE ESTE SE SINTA SEGURO

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL SEGURANÇA DO PROFISSIONAL RISCO BIOLÓGICO Palestrante: Carolina Cardoso de Araujo Ferri Importância na Enfermagem Brasil: 1,5 milhões de profissionais São Paulo: 346.730 profissionais * Enfermeiros: 65.981

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Controlo de infeção em Portugal: evolução e atualidade Infection control in Portugal: monitoring progress

Controlo de infeção em Portugal: evolução e atualidade Infection control in Portugal: monitoring progress Vol.5 Julho 2013 Artigo Opinião Controlo de infeção em Portugal: evolução e atualidade Infection control in Portugal: monitoring progress Maria Goreti de Gouveia Martins da Silva 1,2 1 Enfermeira de Controlo

Leia mais

Curso de Mestrado em Infecção em Cuidados de Saúde

Curso de Mestrado em Infecção em Cuidados de Saúde Curso de Mestrado em Infecção em Cuidados de Saúde A ADESÃO DOS ENFERMEIROS NA ADOPÇÃO DAS MEDIDAS DE PRECAUÇÃO PADRÃO QUANTO AO USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL Ana Cristina Pereira Cirne

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

Gripe A. Plano de Contingência da ThyssenKrupp Elevadores. ThyssenKrupp Elevadores. GRIPE A Plano de Contingência

Gripe A. Plano de Contingência da ThyssenKrupp Elevadores. ThyssenKrupp Elevadores. GRIPE A Plano de Contingência GRIPE A - 1 Gripe A Plano de Contingência da Adaptado de: Pandemic contingency planning at ThyssenKrupp Elevator Dr. Jörg Arnold, Saúde & Segurança Dortmund, 30 de Junho de 2009 GRIPE A - 2 Contextualização

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS

Leia mais

Infecções associadas aos cuidados de saúde e segurança do doente

Infecções associadas aos cuidados de saúde e segurança do doente ISSN 0870-9025 A Segurança do doente para além do erro médico ou do erro clínico O erro clínico, os efeitos adversos terapêuticos e a segurança dos doentes: uma análise baseada na evidência cientí ca Segurança

Leia mais

Aprovado em reunião de Disciplina de Moléstias Infecciosas em 04.05.2009.

Aprovado em reunião de Disciplina de Moléstias Infecciosas em 04.05.2009. Plano interino de preparação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp) para atendimento a pacientes com Influenza A suína (H1N1). Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Professor

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS)

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) 25 de Novembro de 2008 Cristina Santos; Esmeralda Santos; Fernando Campos INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) DEFINIÇÃO É uma infecção adquirida pelos doentes em consequência dos cuidados e

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

Infecção Por Enterovirus

Infecção Por Enterovirus Infecção Por Enterovirus 2012.05.22 O enterovirus constitui um grupo de vírus que inclui Coxsackievírus, Echovírus e Enterovirus 71 (EV71), entre outros, infectando principalmente crianças com idade inferior

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Medidas de Controle de Infecção Hospitalar

Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Seminário Internacional de Pandemia de Influenza Rio de Janeiro, 18 de novembro 2005 Dra. Cristiana M. Toscano Organização Pan-Americana da Saúde Agradecimentos

Leia mais

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA O QUE É A DOENÇA PELO VÍRUS ÉBOLA É a infecção provocada pelo vírus Ébola, que é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos,macacos,

Leia mais

2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar

2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar 2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar Este capítulo tem por objetivo apresentar de maneira sucinta questões pertinentes a infecção hospitalar, por

Leia mais

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus O Controle de Infecção e a Limpeza Ambiental Histórico Guerra da Criméia

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 Informação e Recomendações para Escolas Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

Gripe. Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade

Gripe. Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade Da Gripe Sazonal à Gripe Pandémica Gripe Doença a respiratória ria aguda transmissível Carácter epidémico Responsável por elevada morbilidade e aumento da mortalidade O Vírus V da Gripe 3 tipos: A, B,

Leia mais

NORMA. Revisão: 2017. O princípio subjacente às PBCI é de que não há doentes de risco, mas sim, procedimentos de risco.

NORMA. Revisão: 2017. O princípio subjacente às PBCI é de que não há doentes de risco, mas sim, procedimentos de risco. Comissão de Controlo de Infeção NORMA Precauções Básicas de Controlo de Infeção Elaborado em: Julho 2014 Revisão: 2017 Aprovado em: 17.07.2014 1. INTRODUÇÃO As Precauções Básicas de Controlo de Infeção

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM)

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) Isabel Neves Trabalho desenvolvido pela CCI e S. Patologia Clínica

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

CIRCULAR GRIPE Nº 05 DE 15/07/2009

CIRCULAR GRIPE Nº 05 DE 15/07/2009 CIRCULAR GRIPE Nº 05 DE 15/07/2009 Disponibilizada on line em www.arscentro.min-saude.pt DE: Presidente do Conselho Directivo e Delegado Regional de Saúde DESTINATÁRIOS: Directores executivos dos agrupamentos

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

As causas das doenças

As causas das doenças CAPÍTULO 2 As causas das doenças As pessoas têm maneiras diferentes de explicar a causa duma doença. Um bebé está com diarreia. Mas porquê? Em certas comunidades, talve digam que isso aconteceu porque

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) ESCOLA PROFISSIONAL NOVOS HORIZONTES Setembro de 2009 ÍNDICE I - CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 II - PLANO DE CONTINGÊNCIA... 4 A. OBJECTIVOS... 4 B. IDENTIFICAÇÃO DA COORDENAÇÃO

Leia mais