VIOLÊNCIA NA ESCOLA: OS EQUÍVOCOS MAIS FREQUENTES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIOLÊNCIA NA ESCOLA: OS EQUÍVOCOS MAIS FREQUENTES"

Transcrição

1 VIOLÊNCIA NA ESCOLA: OS EQUÍVOCOS MAIS FREQUENTES SEBASTIÃO, João ESES/CIES ALVES, Mariana Gaio FCT-UNL/CIES CAMPOS, Joana ESES/CIES CORREIA, Sónia Vladimira CIES Nota introdutória O tema da violência na escola vem sendo objecto de uma visibilidade social crescente, emergindo recorrentemente nos noticiários e na imprensa escrita e constituindo o alvo de uma preocupação crescente por parte de professores, alunos e suas famílias, e da população em geral. Neste texto pretendemos sistematizar alguns elementos de reflexão sobre esta temática que decorrem de uma linha de investigação que desde há alguns anos se vem desenvolvendo no Centro de Investigação e Estudos de Sociologia, bem como têm origem no trabalho desenvolvido durante o ano de 2006 no quadro do Observatório de Segurança Escolar do Ministério da Educação. Este texto desta comunicação organiza-se, numa primeira parte, na explicitação de alguns dos paradoxos presentes nos debates públicos sobre esta temática, para, seguidamente, procurarmos avaliar algumas explicações geralmente atribuídas para a ocorrência de situações de violência na escola de acordo com disponível. Algumas das concepções centrais presentes na intensa mediatização e discussão pública sobre o fenómeno da violência escolar dizem respeito à associação sistemática de uma maior frequência de situações insegurança e violência a escolas situadas em zonas socialmente desfavorecidas ou que se situam perto de zonas residenciais de realojamento em áreas periféricas das cidades; a escolas ou alunos com uma maior frequência de situações de insucesso e/ou abandono escolar; ou ainda à presença nesses bairros ou escolas de uma percentagem significativa de alunos e famílias de pertença étnica

2 minoritária e/ou imigrante. Alguns paradoxos em torno da violência na escola A intensa mediatização e discussão pública em torno do tema da violência na escola tem, em nosso entender, assentado num conjunto de concepções pouco sujeitas a análise, concepções essas que, paradoxalmente, apesar da sua difusão e força de persuasão não encontram sustentação na investigação teórica e empírica que vem sendo desenvolvida sobre a violência na escola em Portugal e noutros países europeus. Um primeiro paradoxo centra-se na visibilidade social e mediatização crescente das situações de violência na escola que contribuem para a difusão de sentimentos de insegurança e para a noção de que nas escolas se registam situações frequentes e tendencialmente incontroladas de violência. No entanto, é notório que esta visibilidade social crescente coexiste com um desconhecimento significativo das dimensões e contornos que este fenómeno tem assumido. Os dados disponíveis caracterizam-se pela falta de uniformização nos critérios e categorias escolhidas e pela sua permanente oscilação ao longo dos anos, facto que impede a existência de uma visão razoavelmente objectiva da extensão do fenómeno e da sua evolução no tempo. Tal como tivemos oportunidade de constatar a dificuldade de análise e compreensão da evolução do fenómeno da violência em meio escolar prende-se com diversos factores. Por um lado pela proveniência da informação na medida em que as diferentes entidades, PSP, GNR e GSME têm âmbitos de actuação que são simultaneamente muito diversas e se sobrepõem nalguns aspectos. Por outro, pela incompatibilidade entre instrumentos de recolha, já que as alterações introduzidas nos instrumentos de recolha entre 1995 e 2006 são significativas, há exclusão e inclusão de categorias, assim como variações nos intervalos de tempo considerados na recolha. Um segundo paradoxo relaciona-se com o facto de as referências que habitualmente se fazem ao fenómeno da violência na escola nos artigos e reportagens da comunicação social ou nos discursos correntes apontarem para que estas situações sejam relativamente recentes no contexto escolar, constituindo uma novidade que significa alguma degradação da escola pública e das condições de ensino-aprendizagem que a

3 mesma propicia. Contudo, importa salientar que a violência na escola corresponde a um fenómeno que sempre fez parte integrante do sistema educativo desde a sua origem, ainda que possa assumir hoje em dia contornos diversos de outras épocas. Recorde-se, a este propósito, que a questão da violência da e na escola tem a idade da própria instituição escolar (Magalhães, 2003, p. 39). É possível, porém, que anteriormente tivesse maior destaque a violência exercida pela escola e pelos professores sobre os alunos, violência simbólica mas também física, constitutiva de uma instituição cuja presença e pertinência se impunha na vida dos indivíduos. Actualmente, é sobretudo a violência dos alunos sobre outros alunos e sobre os professores que é objecto das maiores atenções, ainda que a primeira não tenha cessado de existir nem a segunda tenha emergido apenas nos anos mais recentes. Com efeito, as situações que são apelidadas de violência na escola são muito díspares e envolvem diferentes actores o que está na origem de um terceiro paradoxo. Este último paradoxo articula-se com a circunstância de uma análise atenta dos discursos que utilizam a expressão violência na escola revelar que a expressão violência na escola é frequentemente utilizada sem especificar o seu significado e, na verdade, abrangendo uma grande diversidade de situações com graus de gravidade e contornos variáveis. Muito embora surja como uma designação inquestionável e que sugere uma homogeneidade em termos das ocorrências que podem ser categorizadas como violência na escola é, de facto, uma expressão dúbia que recobre um grande número de situações diversas. Como refere Rochex (2003, p. 13) o facto de este tema servir quase sempre para designar realidades, fenómenos e condutas extremamente heterogéneas, que podem ir de ofensas mais graves a bens ou pessoas até aquilo que se costuma chamar de falta de civismo. Estes são fenómenos importantes, mas não são da mesma natureza que os primeiros. Fenómenos de desordem, de falta de atenção ou de absentismo não se podem inserir na mesma unidade de construção. Questionar as concepções correntes A constatação destes paradoxos levou-nos a procurar um conjunto de informação que permitisse testar estas concepções e, assim, verificar da sua correcção. Para isso

4 partimos da listagem de 34 escolas da área da DREL (Direcção Regional de Educação de Lisboa) que o GS/ME considerou, neste domínio, como as escolas que originavam maiores preocupações (das 34 escolas, 24 foram consideradas de 1ª prioridade e 10 de 2ª prioridade ). Para além de alguma informação quantitativa referente a estas 34 escolas (por exemplo, taxas de insucesso e abandono escolar, presença de minorias étnicas e outra), procedemos também a análise de conteúdo de todas as ocorrências registadas nessas 34 escolas, as quais estão descritas e caracterizadas nas fichas de comunicação utilizadas para o efeito pelo GS/ME. A leitura dos dados, apesar das limitações que os mesmos apresentam, permite, em nosso entender, questionar algumas associações correntes quando se discute a violência na escola, nomeadamente quando esta surge associada ao insucesso e abandono escolar, à forte presença de minorias étnicas e ao predomínio de alunos oriundos de grupos sócioeconómicos desfavorecidos. Leitura interpretativa de dados No que diz respeito à associação entre violência e abandono escolar, importa realçar que no conjunto das 34 escolas em análise se constata que duas apresentam, de facto, valores elevados de abandono (34% e 26%), mas que em 27 casos o mesmo valor não ultrapassa os 5% em qualquer das escolas. Relativamente à associação entre violência e insucesso escolar é de salientar a existência de taxas de insucesso muito discrepantes no conjunto das 34 escolas. Na verdade, 6 escolas apresentam valores inferiores a 10% e 8 apresentam valores superiores a 30%. Acresce que, destas 34 escolas, apenas 2 coincidem com as 10 escolas da DREL em que, de acordo com os dados do GIASE, se registam as taxas de retenção mais elevadas (em termos de 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico).

5 Quadro nº 1 Escolas da DREL 1ª Prioridade: Insucesso, Abandono Escolar e Etnias (2005/06) Escola Tipo Taxa de Abandono (%) Taxa de Insucesso (%) Etnias (%) 1 EBI EB1/JI 4, EB2/ EB EB1 1, EB1 0, EB1/JI EB2/3 1,6 19, EB2/ EB1/JI 1,9 17, EB2/3 0,7 15, EB2/ EBI EB1/JI 2, Secundário 8,3 37,1 17 EB2/ EB2/ EB1/JI EB2/3 5,4 30,2 30 EB1/JI EB EB2/ EB1/JI 4,9 35,4 65 EB1/JI 4,8 13,6 20 Fonte: Gabinete de Segurança do Ministério da Educação Analisando a associação entre violência e presença de minorias étnicas, importa sublinhar a existência também de muitas discrepâncias nesta vertente. No conjunto das 34 escolas consideradas, existem 6 que apresentam valores superiores a 75%, ou seja, em que mais de 75% da população estudantil pertence a minorias étnicas, verificando-se que 10

6 escolas apresentam valores inferiores a 25%. Quadro nº 2 - Escolas da DREL 2ª Prioridade: Insucesso, Abandono Escolar e Etnias (2005/06) Escola Tipo Taxa de Abandono (%) Taxa de Insucesso (%) Etnias (%) 15 EB2/ EB EB2/ EB1-5 0,5 17 EB2/ EB2/ EB2/3 2, Secundário EB2/3 1,75 9,6 7,2 EB1/JI 0,8 2 56,1 Fonte: Gabinete de Segurança do Ministério da Educação No que se refere à associação entre violência e predomínio de alunos provenientes de grupos sócio-económicos desfavorecidos, tomamos como indicadores a presença na escola de alunos institucionalizados, bem como a percentagem de alunos que beneficiam da acção social escolar (indiciando que vivem em situação de escassez de recursos materiais e financeiros). Neste domínio, no conjunto das 34 escolas existem 12 nas quais se encontram alunos institucionalizados, embora os 172 alunos nestas condições tendam a concentrar-se (50 e 60 respectivamente) em apenas duas das escolas (básicas de 2º e 3º ciclo).

7 Quadro nº 3 - DREL 1ª Prioridade: Alunos Institucionalizados e com Apoio Social Escolar (2005/06) Escola Tipo Alunos Institucionalizado s Apoio Social Escolar (%) 1 EBI - 35 EB1/JI EB2/3-40 EB1-68 EB EB EB1/JI EB2/ EB2/ EB1/JI EB2/ EB2/ EBI 3 80 EB1/JI Secundário - 18 EB2/ EB2/ EB1/JI EB2/3-64 EB1/JI - 52 EB EB2/ EB1/JI 2 89 EB1/JI - 42 Fonte: Gabinete de Segurança do Ministério da Educação Também no conjunto das 34 escolas existem 17 nas quais o peso dos alunos que beneficiam da acção social escolar é superior a 50% (sendo em 2 escolas de 100%). Ou seja, em síntese, com base nestes indicadores não podemos afirmar que as 34 escolas correspondem a instituições nas quais são predominantes os alunos oriundos de grupos sócio-económicos desfavorecidos, existindo alguma heterogeneidade no que respeita à

8 dimensão sócio-económica da população estudantil. Quadro nº 4 Escolas da DREL 2ª Prioridade: Alunos Institucionalizados e Apoio Social Escolar (2005/06) Escola Tipo Alunos Institucionalizado s Apoio Social Escolar (%) 15 EB2/3-50 EB1 2 65,5 16 EB2/ EB EB2/ EB2/ EB2/ Secundário EB2/3-1,94 EB1/JI - 58 Fonte: Gabinete de Segurança do Ministério da Educação Em resultado da análise realizada consideramos a impossibilidade de estabelecer associações directas e inequívocas entre as situações de violência escolar, por um lado, e factores como o abandono, o insucesso, a presença de minorias étnicas ou de grupos sócioeconómicos desfavorecidos, por outro lado. Inversamente, a análise de dados permitiu traçar um retrato bastante heterogéneo das 34 escolas consideradas prioritárias em matéria de segurança no âmbito da DREL. Acresce, ainda, que o trabalho de análise de dados tornou possível perceber as limitações dos mesmos, reforçando o pressuposto sobre o desconhecimento exacto do fenómeno de violência na escola e sobre a necessidade de implementar modelos mais precisos de recolha de informação. Relativamente à análise de conteúdo das ocorrências registadas nas 34 escolas, começamos por transcrever, a título meramente ilustrativo, a designação de alguns tipos de ocorrências sobre as quais foram analisados os relatos de como e quando aconteceram, quem esteve envolvido e quais foram as consequências. Em primeiro lugar, e numa perspectiva quantitativa, importa sublinhar que as ocorrências dentro da escola são em muito maior número do que as ocorrências fora da

9 escola, ainda que estabelecer esta fronteira nem sempre seja uma tarefa fácil. Aliás, algumas escolas nem sequer registam qualquer ocorrência fora da escola. Em segundo lugar, a análise de conteúdo permitiu compreender que nem sempre um número elevado de ocorrências significa maior gravidade das mesmas ou maior insegurança naquela escola. Aparentemente, por vezes, o maior número de ocorrências tem a ver como um atitude de maior persistência da própria escola na tarefa de registo das ocorrências. Em terceiro lugar, a análise de conteúdo evidenciou uma grande diversidade do tipo de situações ocorridas. Se algumas destas ocorrências não podem, em nosso entender, ser classificadas como violência na escola, outros poderão ser, embora abrangendo níveis de gravidade, espaços físicos e vítimas/autores diferenciados. Tal constatação reflecte o facto de a expressão violência na escola ser usada recorrentemente para apelidar um conjunto muito diversificado de ocorrências e aponta para a importância de estabelecer categorias mais claras e precisas para a classificação e descrição das ocorrências registadas. Em quarto lugar, foi também possível perceber que as escolas onde se registam situações claramente graves apresentam geralmente um menor número de ocorrências declaradas; enquanto algumas escolas que indicam um grande número de situações de violência não registam nenhuma situação efectivamente grave. Nota final De um modo global, o trabalho de que este texto dá conta, permite reforçar a noção de que há uma multiplicidade de tipos de situações e de ocorrências que são designadas de violência na escola. Acresce a constatação das dificuldades em identificar as causas dessas situações de modo linear e inequívoco, apelando-se para princípios de causalidade de outros tipos (múltiplas, circulares e recursivas) como possivelmente pertinentes para a análise e compreensão destes fenómenos. Noutros termos, urge desenvolver abordagens que permitam considerar a complexidade dos fenómenos apelidados de violência na escola, o que constitui um desafio às estratégias a implementar na recolha e análise de informação para conhecer e caracterizar estes fenómenos.

10 Bibliografia ROCHEX, Jean Yves (2003) Pistas para uma desconstrução do tema «a violência na escola» in CORREIA, José Alberto e MATOS, Manuel (org.) Violências e Violências da e na Escola, edições Afrontamento, Porto. MAGALHÃES, António (2003) As transformações do mercado de trabalho e as novas identidades individuais e colectivas: a reconfiguração do papel da escola e da cidadania in CORREIA, José Alberto e MATOS, Manuel (org.) Violências e Violências da e na Escola, edições Afrontamento, Porto. SEBASTIÃO, João, ALVES, Mariana Gaio, CAMPOS, Joana (2003) Violência na Escola: das políticas aos quotidianos in Sociologia, Problemas e Práticas, nº 41, pp

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

diversidade e desigualdade na escola

diversidade e desigualdade na escola Fórum de Pesquisas CIES 2006 6-dez Pedro Abrantes e João Sebastião colaboração de Ana Raquel Matias, Joana Campos, Susana Martins e Teresa Seabra diversidade e desigualdade na escola síntese de pesquisas

Leia mais

Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais.

Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais. CONCLUSÕES DO III CONGRESSO APRESENTAÇÃO DOS RELATORES Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais. Tomás, 9 anos Projecto Intervir em Marvila na EB1 Dr. João dos Santos Painel 1

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Tipos e áreas de igualdade na educação

Tipos e áreas de igualdade na educação A Igualdade em Educação, João Formosinho (pp.169-185) Tipos e áreas de igualdade na educação Há dois tipos de igualdade presentes nas filosofias educacionais: Igualdade de acesso preocupa-se com o acesso

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial

SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial Marisa Carvalho (Psicóloga escolar, Agrupamento de Escolas de Toutosa) Maria Céu Taveira (Professora Auxiliar, Universidade do Minho)

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

Evolução do Número de Beneficiários do RSI

Evolução do Número de Beneficiários do RSI Evolução do Número de Beneficiários do RSI Carlos Farinha Rodrigues De acordo com os dados do Instituto da Segurança Social (ISS), em Julho houve 269.941 pessoas a receber o Rendimento Social de Inserção,

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de análise sociológica na área da Sociologia da Educação, não tem sido uma prática comum, não o tendo sido tão-pouco noutras

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES A valorização comercial dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios que, ou pela sua origem ou pelos seus modos particulares

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004) Curso Científico Humanístico PROVA 312/6Págs. Duração da prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância 2010 PROVA

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001 Comité da Protecção Social Comité da Protecção Social Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social Outubro de 2001 Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA712/C/11 Págs. Duração

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO 1 1. FUNDAMENTOS DE UMA PROPOSTA O Sector Solidário, neste caso a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), assume que o sistema educativo 1 é um dos

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura

Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura 1 Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura O conceito de Escola para Todos, ou Escola Inclusiva, surge no âmbito da Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais em

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO O documento em apreciação realiza uma síntese adequada da quase totalidade dos temas discutidos na

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A Processo de Bolonha: Sistema de Graus do Ensino Superior 1- Introdução O designado por Processo de Bolonha

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

NOTA. preveníveis. parte da. doenças colocam. doenças. Vacinação (PNV). como o. o PNV bem. vacinação. da sua. em saúde

NOTA. preveníveis. parte da. doenças colocam. doenças. Vacinação (PNV). como o. o PNV bem. vacinação. da sua. em saúde NOTA INFORMATIVA A implementação generalizada de programas de vacinação nas últimas décadas permitiu atingir ganhos notáveis no controlo das doenças preveníveis por vacinação. Contudo, este controlo tem

Leia mais

Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes

Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes Iolanda Évora Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes Apresentado no II Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Viana do Castelo25-26 de Outubro

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

CARTA DE DIREITOS PARA OS EDUCADORES E PROFESSORES POR CONDIÇÕES DE TRABALHO DIGNAS 1. INVERTER O CICLO DE DEGRADAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO

CARTA DE DIREITOS PARA OS EDUCADORES E PROFESSORES POR CONDIÇÕES DE TRABALHO DIGNAS 1. INVERTER O CICLO DE DEGRADAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO CARTA DE DIREITOS PARA OS EDUCADORES E PROFESSORES POR CONDIÇÕES DE TRABALHO DIGNAS 1. INVERTER O CICLO DE DEGRADAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO Nas últimas décadas, as condições do exercício da profissão

Leia mais

SINTRA TAMBÉM É TUA! PROJECTO DE LONGO-TERMO/ESTRATÉGIA BREVE DESCRIÇÃO

SINTRA TAMBÉM É TUA! PROJECTO DE LONGO-TERMO/ESTRATÉGIA BREVE DESCRIÇÃO SINTRA TAMBÉM É TUA! PROJECTO DE LONGO-TERMO/ESTRATÉGIA DA DÍNAMO PARA A PARTICIPAÇÃO JUVENIL A NÍVEL LOCAL/REGIONAL SINTRA - PORTUGAL (2011-2016) BREVE DESCRIÇÃO (VERSÃO PORTUGUESA) JANEIRO 2011 DIRECÇÃO

Leia mais

Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 REFERÊNCIA: 035 DESIGNAÇÃO: PRODAC Norte em movimento BIP/ZIP em que pretende intervir: 34. PRODAC ENTIDADES: Promotora: Associação de Moradores do Bairro da PRODAC Norte (1ª Fase) Parceiras: arqmob01

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Auxiliar de pesquisa

Auxiliar de pesquisa 1/7 Auxiliar de pesquisa Encontra duas possibilidades de pesquisa: a pesquisa básica e a pesquisa avançada. Se é a primeira vez que pretende consultar documentos neste Arquivo, sugerimos que inicie a sua

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais I Sessão Plenária: Saúde em Todas as Políticas Locais Reduzir as Desigualdades

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

PROMOVER A RACIONALIDADE CRÍTICA NA INTERVENÇÃO CURRICULAR DOS PROFESSORES

PROMOVER A RACIONALIDADE CRÍTICA NA INTERVENÇÃO CURRICULAR DOS PROFESSORES VI COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO SOBRE QUESTÕES CURRICULARES BH, 4-6 SET. 2012 PROMOVER A RACIONALIDADE CRÍTICA NA INTERVENÇÃO CURRICULAR DOS PROFESSORES MANUELA ESTEVES (mesteves@ie.ul.pt) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Évora, 22-24 de Setembro de 2005 A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Zoran Roca e José António Oliveira CEGED Centro de Estudos de Geografia e Desenvolvimento Universidade

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO A Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa - APCL propõe-se desenvolver um projecto, designado CLEAN, que consiste na criação de um Centro de Limpeza Ecológica de Automóveis

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais