BH - REDE ASSISTENCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BH - REDE ASSISTENCIAL"

Transcrição

1 BH - REDE ASSISTENCIAL habitantes 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF cobertura 80% ACS CERSAM e UPA regionais 34 hospitais 7 maternidades SUS

2 Assistência - Regulação - Vigilância BH Pelo Parto Normal Comissão Perinatal Fórum de Obstetrícia mensal Monitoramento GT Humanização GT Doulas GT Controle social Fórum de Neonatologia trimestral Comitês de Prevenção do Óbito - BH VIDA Materno Fetal e infantil (UFMG)

3 Comissão Perinatal de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Fórum gestor interinstitucional, participação da sociedade civil Acordo ético no município para promoção da saúde e qualidade de vida da mulher e criança: universal, resolutiva, integral e equitativa Resgate do direito de assistência digna Redução mortalidade materna, infantil e perinatal Reuniões mensais regulares desde 1999

4 Comissão Perinatal - Secretaria Municipal de Saúde BH Saúde da Mulher, Criança, DST/AIDS Epidemiologia e Informação Controle e Avaliação Ambulatorial e Hospitalar Auditoria Vigilância Sanitária Outras instituições Maternidades do SUS/BH Associação Mineira de Hospitais Sociedade Mineira Pediatria Ass. Obstetrícia Ginecologia MG Ass. Brasileira de Enfermagem Ass. Brasileira Enf. Obstétrica Conselho Municipal Direitos Criança ONG Bem-Nascer ONG ISHTAR Cord. M. Direitos Mulher Pastoral da Criança Rede Feminista Saúde CRM-MG COREM Conselho Municipal Saúde Ministério Público Sec. Municipal Educação

5 Comissão Perinatal Linha de cuidado perinatal, integral e de qualidade Rede articulada e corresponsável - fortalecimento SUS-BH regionalização acolhimento e vinculação responsabilização continuidade do cuidado resolutividade regulação da atenção promoção de equidade Modelo humanístico de atenção ao parto e ao nascimento com base nas melhores evidências científicas e direitos mudança do modelo assistencial mudança de paradigma no nascimento suoerar o paradoxo perinatal brasileiro

6 SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA Boas práticas Fechamento 9 maternidades: entre 2000 e 2007

7

8

9 Cerca de 80 mulheres atuando; mais de 500 treinadas

10

11 Grupo Controle Social Capacitação de 150 Conselheiros de Saúde Avaliação da satisfação de usuárias Fóruns Distritais com controle social- 2009

12 COMITÊ DE PREVENÇÃO DE ÓBITOS BH - VIDA Comitê Distrital: ESF-APS + Vigilância + At.Saúde visita domiciliar levantamento dados dos serviços de saúde conclusão e análise evitabilidade discussão serviços saúde e fóruns distritais Comitê Municipal discussão Fórum Municipais neonatologia, obstetrícia, Comissão Perinatal encaminhamento formal ao serviços divulgação - relatório para os gestores : Tabela Gestor

13 MONITORAMENTO MATERNIDADES DESDE 1999 SINASC, SIH, SIM Análise óbitos maternos, fetais e infantis Relatórios Vigilância Sanitária Central Regulação: consultas especializadas e Internação Auditoria : desde 2006 entrevista 5% parturientes e puérperas observação in loco da assistência TERMO DE COMPROMISSO DAS MATERNIDADES: 2008 Contratualização das maternidades: vinculando repasse recursos

14 INDICADORES DE MONITORAMENTO MATERNIDADES TERMO DE COMPROMISSO 1- Taxa de cesárea 2- Taxa cesárea primíparas >32s 3- Atuação enfermeiro obstetra 4- Acompanhante na internação 5- Ambiência adequada 6- Partos normais com analgesia 7- Taxa de episiotomia 8- Métodos não farmacológicos dor 9- Doulas nos plantões 10- Parto em posição não supina 11- Reuniões maternidade + APS Conselho de Saúde 12-Divulgação estatística serviço 13- Apgar <7 no 5º minuto 14- Contato pele a pele efetivo 15- Aleitamento materno 1ª hora

15 Monitoramento maternidades SUS-BH. dez mar 2012 MATERNIDADE / INDICADORES Líquidos por livre demanda Partograma Ocitocina durante trabalho parto Amniotomia antes de 5 cm Acompanhantes Episiotomia Método Alternativo de Alívio da Dor Parto Vertical Contato Imediato Efetivo MOV HJK Santa Casa HRTN HOB HC HSF CPN 98,9 66,7 54,5 100,0 80,0 89,5 100,0 100,0 83,0 83,3 84,8 92,6 70,0 68,4 80,0 89,5 48,9 66,7 39,4 40,7 30,0 68,4 31,3 5,3 8,8 16,7 12,1 7,4 10,0 5,3 8,8 0,0 72,7 64,8 94,4 91,1 31,1 78,8 97,6 96,6 56,8 35,2 60,5 26,7 31,1 57,6 8,8 8,6 51,1 61,1 35,5 55,6 2,8 45,5 76,0 93,1 0,0 40,7 2,4 57,8 1,9 24,2 36,8 62,1 92,9 52,7 89,8 41,6 82,0 81,3 92,9 93,0 Fonte: Roteiro de Avaliação da Assistência em Maternidades Supervisão Hospitalar Comissão Perinatal

16 Fonte:Sinasc/SMSA-BH Fonte: SIH

17 Evolução mortalidade infantil por componentes ,4 6,4 3,3 1,8 0-6 dias 7-27 dias pós-neo TMI Asfixia intraparto: 25% óbitos infantis evitáveis - BH mortes neonatais Brasil Pattinson et al., Stillbirth Series, The Lancet, april 2011

18

19 Razão de Morte Materna segundo prestador de assistência SUS e Saúde Suplementar.BH, SUS SS

20 BH PELO PARTO NORMAL Movimento plural de mobilização SUS+Saúde Suplementar Ministério da Saúde Ministério Público Agência Nacional de Saúde Federação das Santas Casas Federação das Filantrópicas Associação Médica de Minas Gerais Sociedade Mineira de Pediatria Academia Mineira de Pediatria SOGIMIG Sindicato dos Médicos Associação Hospitalar de MG Coordenadoria Municipal Direitos Mulher Rede Feminista de Saúde Conselho Municipal de Saúde Conselho M. Direitos Criança e Adolescente ONG Bem Nascer Materdei Universidade Federal de MG Faculdade de Ciências Médicas MG PUC - Minas Conselho Regional de Medicina Conselho Regional Enfermagem Associação Brasileira de Enfermagem Secretaria de Estado da Saúde ABENFO Comissão Saúde da Câmara Comissão de Saúde Assembléia Frente Parlamentar Saúde Mulher Pastoral da Criança Promotoria da Infância e Juventude Unimed BH GEAP CASSI Abramge IBEDESS Informação, divulgação, redes sociais, estande, feiras, curso multiplicadores - UFMG e PUC Minas

21

22 Nascimento saudável uma questão de saúde pública

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Política Municipal de Saúde Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BH -REDE ASSISTENCIAL 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF 2.420 ACS CERSAM, UPA, outros 34 hospitais conveniados

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte

Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte Rosângela Durso Perillo Seminário Integrado do Paraná Novembro 2009 População: 2.424.292 - (IBGE/2007)

Leia mais

Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Simpósio Internacional de Redes de Atenção Integral à Saúde da Mulher e da Criança Boas práticas no Brasil, Boas práticas no SUS Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BELO HORIZONTE/MG

Leia mais

MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL

MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL MOVIMENTO BH PELO PARTO NORMAL Histórico Comissão o Perinatal Belo Horizonte SMSA-BH Comissão Perinatal de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Saúde Fórum intersetorial e interinstitucional responsável

Leia mais

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes Meta 6 do ODM 5 Reduzir em ¾ entre 1990 e 2015 a taxa de mortalidade materna De 140 mortes por 100.000 NV no ano 2000 para 35 mortes em 2015 1990 1991 1992 1993 1994

Leia mais

I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais CRM MG/SOGIMIG Claudia Navarro C D Lemos

I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais CRM MG/SOGIMIG Claudia Navarro C D Lemos I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais CRM MG/SOGIMIG Claudia Navarro C D Lemos Conselheira CRMMG Membro Conselho Consultivo SOGIMIG Cenário atual da assistência ao parto em Minas Gerais Assistência

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade

Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade Por que investigar óbitos maternos, infantis, fetais? Direitos da Criança e Mulher: direito inalienável à vida, à qualidade

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar

Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar janeiro/2015 A importância do estímulo ao parto normal Parto é uma questão de saúde e a escolha do modelo deve ser pelo método mais adequado para

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO REDE CEGONHA

CONTRATUALIZAÇÃO REDE CEGONHA CONTRATUALIZAÇÃO REDE CEGONHA O QUE É CONTRATUALIZAÇÃO processo pelo qual o representante legal da maternida e o gestor do SUS (estadual ou municipal) estabelecem metas quantitativas e qualitativas que

Leia mais

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL * I. ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL FORTALECENDO O CONTROLE SOCIAL O envolvimento de diferentes atores

Leia mais

Médicos e obstetrizes: cooperando para melhor assistir o nascimento

Médicos e obstetrizes: cooperando para melhor assistir o nascimento Médicos e obstetrizes: cooperando para melhor assistir o nascimento Edson Borges de Souza Hospital Sofia Feldman Belo Horizonte, MG edsonsouza71@yahoo.com.br Modelos de atenção perinatal Aspectos Visão

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

NOTA TÉCNICA BOAS PRÁTICAS DO PARTO E NASCIMENTO Diário Oficial do Estado Nº 84, Seção 1 sexta-feira, 8 de Maio de 2015.

NOTA TÉCNICA BOAS PRÁTICAS DO PARTO E NASCIMENTO Diário Oficial do Estado Nº 84, Seção 1 sexta-feira, 8 de Maio de 2015. 24º Congresso FEHOSP 12 à 15 de Maio/2015 Royal Palm Plaza Campinas/SP Circular 159/2015 São Paulo, 08 de Maio de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NOTA TÉCNICA BOAS PRÁTICAS DO PARTO E NASCIMENTO Diário

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

REDE MÃE PARANAENSE. Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná

REDE MÃE PARANAENSE. Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná REDE MÃE PARANAENSE Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná A Rede Mãe Paranaense o o Em 2011 a SESA iniciou o processo de implantação da Rede Mãe Paranaense com a introdução

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013

PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013 PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013 15 EXPERIÊNCIAS SELECIONADAS LABORATÓRIOS DE INOVAÇÃO ORIGEM Nº

Leia mais

Saúde das Mulheres nos 25 anos de SUS

Saúde das Mulheres nos 25 anos de SUS Saúde das Mulheres nos 25 anos de SUS Conselho Nacional de Saúde Brasília, 19/03/2014 DAPES/SAS/MS LINHA DO TEMPO O Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher foi criado em 1983 no contexto da

Leia mais

Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS

Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde COLÓQUIO Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS PAINEL III Subtema 2: Primeira infância e gravidez na adolescência: O

Leia mais

Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares de Epidemiologia.

Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares de Epidemiologia. Projeto do Curso de Educação à Distância para Qualificação da Investigação do Óbito Materno, Fetal e Infantil: Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

Sônia Lansky 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Atenção Perinatal. Gestão de serviços de saúde. Mortalidade materna. Mortalidade infantil ABSTRACT

Sônia Lansky 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Atenção Perinatal. Gestão de serviços de saúde. Mortalidade materna. Mortalidade infantil ABSTRACT FAZENDO ACONTECER: EXPERIÊNCIAS EXITOSAS MAKING IT HAPPEN: SUCCESSFUL EXPERIENCES HACIENDO POSIBLE: EXPERIENCIAS EXITOSAS Gestão da qualidade e da integralidade do cuidado em saúde para a mulher e a criança

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS MATERNIDADES DE MINAS GERAIS Projeto Viva a Vida. Relatório Descritivo

AVALIAÇÃO DAS MATERNIDADES DE MINAS GERAIS Projeto Viva a Vida. Relatório Descritivo AVALIAÇÃO DAS MATERNIDADES DE MINAS GERAIS Projeto Viva a Vida Relatório Descritivo Execução Operacional 2007 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 9 PARTE I: PERFIL, RH, GESTÃO, PROCESSO DE TRABALHO E INDICADORES DAS

Leia mais

AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas, que integradas por meio de sistemas de apoio técnico, logístico e de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA CONCEITO DE SAÚDE da OMS Saúde é o perfeito bem estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. Portanto: Ter saúde é fenômeno complexo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 05 /2014 NOTA TÉCNICA 05 /2014

NOTA TÉCNICA 05 /2014 NOTA TÉCNICA 05 /2014 NOTA TÉCNICA 05 /2014 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Qualificação da Gestão e da Atenção ao Parto e Nascimento (PMAQ- Maternidades) e o respectivo incentivo financeiro.

Leia mais

ATOS NORMATIVOS PARA A ATENÇÃO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA SEXUAL

ATOS NORMATIVOS PARA A ATENÇÃO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA SEXUAL Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Coordenação Geral de Saúde das Mulheres INFORME Nº 1 ATOS NORMATIVOS PARA A ATENÇÃO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Área Técnica Saúde da Mulher Brasília, 10 de fevereiro de 2.000. Área Técnica da Saúde da Mulher Secretaria de Políticas de Saúde Comitê de Especialistas

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

Mobilização Social. Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG

Mobilização Social. Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG Mobilização Social 2013 Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG Mobilizar é convocar vontades para atuar na busca de um propósito comum, sob uma interpretação e um sentido

Leia mais

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

OS PAPEIS DOS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE EUGÊNIO VILAÇA MENDES

OS PAPEIS DOS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE EUGÊNIO VILAÇA MENDES OS PAPEIS DOS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE EUGÊNIO VILAÇA MENDES OS ELEMENTOS DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE UMA POPULAÇÃO: A POPULAÇÃO ADSCRITA À REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE UM MODELO

Leia mais

DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA

DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Historico da cobranca do parto a paciente da rede suplementar MARIA INES DE MIRANDA LIMA INTRODUÇÃO Serviço oferecido a gestante onde o obstetra fica a disposição durante o pré-natal

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Fonte: Fotos do site da Escola de Enfermagem/UFMG

Fonte: Fotos do site da Escola de Enfermagem/UFMG Seminário aborda pesquisa, formação e assistência no cuidado neonatal e O Programa de Educação pelo Trabalho é citado como uma importante estratégia para a formação. Período: 28 e 29/11/2013 Estudantes,

Leia mais

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 * Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569, de 1º de julho de 2000, que institui o Programa

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional

VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional Nº CAVALETE TÍTULO 1 25 ANOS DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFTM: TRAJETORIAS 2 A ATENÇÃO A USUÁRIOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013 2013 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou

Leia mais

Exercício Profissional da Enfermagem

Exercício Profissional da Enfermagem Drª Janine Schirmer Profª Titular do Departamento Enfermagem na Saúde da Mulher da Escola Paulista de Enfermagem Vice Presidente do Conselho Gestor do Hospital Universitário Coordenadora da Residência

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER DEFISC Nº 09/2012 Porto Alegre, 11 de maio de 2012. Laudo para teste rápido de gravidez por profissionais de Enfermagem. I - Relatório Trata-se de solicitação de dúvida, encaminhada por profissional

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.020, DE 29 DE MAIO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.020, DE 29 DE MAIO DE 2013 Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.020, DE 29 DE MAIO DE 2013 Institui as diretrizes para a organização da Atenção à

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 PROCESSO CONSULTA CRM-MT Nº 17/2013 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 22/2013 DATA DA ENTRADA: 22 de abril de 2013 INTERESSADA:COORDENADORIA DE VIGILANCIA SANITÁRIA DE CUIABÁ

Leia mais

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica Rede Cegonha SUMÁRIO Apresentação... 05 1. Introdução... 07 2. Implantação dos Testes Rápidos de HIV e sífilis e Aconselhamento

Leia mais

e considerando a Portaria nº 1.459/GM/MS de 24 de junho de 2011, que instituiu, no âmbito do SUS, a Rede Cegonha, resolve:

e considerando a Portaria nº 1.459/GM/MS de 24 de junho de 2011, que instituiu, no âmbito do SUS, a Rede Cegonha, resolve: Legislações - SAS Qui, 06 de Outubro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 650, DE 5 DE OUTUBRO DE 2011 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando a Portaria nº 1.459/GM/MS de 24 de

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE SAÚDE E GESTÃO HOSPITALAR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE SAÚDE E GESTÃO HOSPITALAR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE SAÚDE E GESTÃO HOSPITALAR Curso de Especialização em Enfermagem Pediátrica e Neonatal 1ª Turma- Sobral 1. JUSTIFICATIVA Apesar das

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Trabalho curto premiado na 3ª mostra PRÓ-Saúde/PET-Saúde

Trabalho curto premiado na 3ª mostra PRÓ-Saúde/PET-Saúde Linha temática Rede Cegonha Trabalho curto premiado na 3ª mostra PRÓ-Saúde/PET-Saúde Avaliação do tipo de parto de puérperas que realizaram pré-natal no Centro de Saúde São Tomás: compreendendo o problema:

Leia mais

A DIFERENÇA ENTRE A GESTÃO COM BASE NA OFERTA E A GESTÃO COM BASE NA POPULAÇÃO

A DIFERENÇA ENTRE A GESTÃO COM BASE NA OFERTA E A GESTÃO COM BASE NA POPULAÇÃO A DIFERENÇA ENTRE A GESTÃO COM BASE NA OFERTA E A GESTÃO COM BASE NA POPULAÇÃO OS ELEMENTOS DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE UMA POPULAÇÃO: A POPULAÇÃO ADSCRITA À REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE UM MODELO LÓGICO:

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

GRUPO TÉCNICO SAÚDE DA MULHER DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO PIAUÍ: RELATO DE EXPERIÊNCIA RESUMO

GRUPO TÉCNICO SAÚDE DA MULHER DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO PIAUÍ: RELATO DE EXPERIÊNCIA RESUMO GRUPO TÉCNICO SAÚDE DA MULHER DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO PIAUÍ: RELATO DE EXPERIÊNCIA Silvana Santiago da Rocha 1, Maria Gildete Ibiapina 2, Deusa Helena de Albuquerque Machado 3, Maria dos

Leia mais

Circular 010/2015 São Paulo, 08 de Janeiro de 2015.

Circular 010/2015 São Paulo, 08 de Janeiro de 2015. Circular 010/2015 São Paulo, 08 de Janeiro de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINE DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE PARTO NORMAL (CPN) Diário Oficial da União Nº 5, Seção 1

Leia mais

Relatório Primeiro Quadrimestre 2014

Relatório Primeiro Quadrimestre 2014 Relatório Primeiro Quadrimestre 2014 Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte /PBH Secretário Municipal de Saúde Fabiano Geraldo Pimenta Júnior Secretária Adjunta de Saúde Marília Janotti Guerra

Leia mais

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro 2013 Dimensão demográfica População em 2010: 190.755.799

Leia mais

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social.

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. TRANSIÇÃO Organograma Oficial da Secretaria com os atuais ocupantes, condição (efetivo ou

Leia mais

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a),

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a), Ofício XXXXXX n 23/ 2012. Salvador, 05 de janeiro de 2012. Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX Prezado (a) Senhor ( a), Cumpre-nos informar que os óbitos infantis de residência

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 27/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 27/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/07/2013) PARECER CREMEB Nº 27/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 005.616/13 ASSUNTO: Responsabilidade ético-profissional dos médicos nas Casas de Parto e Maternidades, que mantêm

Leia mais

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE PORTARIA No- 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011 Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ

SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ O Paraná atendendo recomendações do Ministério da Saúde e Organização Panamericana de

Leia mais

Rede Materno Infantil - Rede Cegonha

Rede Materno Infantil - Rede Cegonha NOTA TÉCNICA 17 2011 Rede Materno Infantil - Rede Cegonha 1 Introdução A Rede Materno Infantil (Rede Cegonha) foi discutida na Assembléia do CONASS de março e na CIT foi aprovado o mérito da proposta e

Leia mais

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio MINISTÉRIO DA SAÚDE Nutrição na Atenção Básica B : compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio 11ªCongresso Mundial de Saúde Pública Rio de Janeiro, 25/08/06, COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra de Projetos 2011 Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

Alta Mortalidade Perinatal

Alta Mortalidade Perinatal Alta Mortalidade Perinatal SMS de Piripiri CONASEMS Conselho Consultivo EVIPNet Brasil Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS de Belo Horizonte em Formulação de Políticas de Saúde e

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Meta 5 Melhorar a saúde das gestantes.

Meta 5 Melhorar a saúde das gestantes. CARTA DENÚNCIA SOBRE O FUNCIONAMENTO DA RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA DO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE DISTRITO FEDERAL Brasília, 24 de setembro 2013 Ao Conselho de Saúde do Distrito Federal A/C

Leia mais

ALGUNS DOCUMENTOS INTRODUTÓRIOS SOBRE A REDE CEGONHA DISTRIBUIÇÃO NA OFICINA SOBRE REDE CEGONHA NO SEMINÁRIO DO CONASEMS BRASÍLIA, JULHO DE 2011

ALGUNS DOCUMENTOS INTRODUTÓRIOS SOBRE A REDE CEGONHA DISTRIBUIÇÃO NA OFICINA SOBRE REDE CEGONHA NO SEMINÁRIO DO CONASEMS BRASÍLIA, JULHO DE 2011 LISTA DE DOCUMENTOS ALGUNS DOCUMENTOS INTRODUTÓRIOS SOBRE A REDE CEGONHA DISTRIBUIÇÃO NA OFICINA SOBRE REDE CEGONHA NO SEMINÁRIO DO CONASEMS BRASÍLIA, JULHO DE 2011 CARTA DE APRESENTAÇÃO DOCUMENTO DE INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano de parto e. Roseli Nomura

Plano de parto e. Roseli Nomura Plano de parto e Parto humanizado Roseli Nomura Professora Adjunta da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo Profa Associada da Faculdade de Medicina da USP Assistência ao Parto

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais