Editora da Universidade Estadual de Londrina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editora da Universidade Estadual de Londrina"

Transcrição

1

2

3 Reitora Vice-Reitor Nádina Aparecida Moreno Berenice Quinzani Jordão Editora da Universidade Estadual de Londrina Diretora Conselho Editorial Maria Helena de Moura Arias Abdallah Achour Junior Edison Archela Efraim Rodrigues José Fernando Mangili Júnior Marcia Regina Gabardo Camara Marcos Hirata Soares Maria Helena de Moura Arias (Presidente) Otávio Goes de Andrade Renata Grossi Rosane Fonseca de Freitas Martins

4 (Orgs.)

5 Catalogação elaborada pela Divisão de Processos Técnicos dabiblioteca Central da Universidade Estadual de Londrina.Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP) C257 Características e potencialidades das aglomerações de software no Paraná [livro eletrônico] / Márcia Regina Gabardo da Camara, Maria de Fátima Sales de Souza Campos, Vanderlei José Sereia (orgs.). Londrina : Eduel, Livro digital. Inclui bibliografia. Disponível em : livros-digitais-gratuítos.php ISBN Tecnologia da informação. 2. Arranjos produtivos locais. 3. Sistemas de informação gerencial. 4. Indústria de software Paraná. I. Camara, Márcia Regina Gabardo da. II. Campos, Maria de Fátima Sales de Souza. III. Sereia, Vanderlei José. CDU Direitos reservados à Editora da Universidade Estadual de Londrina Campus Universitário Caixa Postal 6001 Fone/Fax: (43) Londrina PR Impresso no Brasil / Printed in Brazil Depósito Legal na Biblioteca Nacional 2013

6

7

8

9

10 O desenvolvimento do segmento de software é considerado estratégico e tem recebido recursos públicos federais e governamentais do estado do Paraná, para identificar os pontos fortes e as barreiras ao seu desenvolvimento. O modelo brasileiro de desenvolvimento de software desenvolve-se a partir dos anos 1990, focado no mercado interno, mas apresenta-se com condições de conquistar o mercado externo, além de contribuir para o desenvolvimento regional. O mercado de software é dinâmico, diversificado, cresce focado em serviços e em menor intensidade em produtos e requer mão-de-obra qualificada. É uma atividade de natureza inovadora intensiva em tecnologia, conhecimento e mão-de-obra qualificada. A presença de ativos institucionais universidades, institutos de pesquisa e órgãos governamentais e privados - pode favorecer a concentração espacial da atividade e induzir o desenvolvimento das empresas. Neste contexto, destaca-se o papel das políticas públicas para o seu crescimento. A atividade pode se caracterizar por formas coletivas de aprendizado (redes de interações) e apresentar, cumulatividade, elementos críticos da competitividade e da organização espacial das atividades econômicas. Adicionalmente, caracteriza-se pela terceirização, serviços de outsourcing e de participação em várias cadeias produtivas. As raízes da atividade de software, no Paraná encontram-se nos anos 1970, com o surgimento das atividades de tecnologia de informação e de comunicação em Curitiba, Londrina e Maringá. Contudo, seu desenvolvimento acentua-se nos anos com a política nacional de informática focada no hardware, mas com impactos no software; e nos anos 1990, com o surgimento do SO TEX Excellence in Software. Há unanimidade entre os autores que pesquisam o setor no sentido de que as atividades de software, em Curitiba, Londrina, Maringá e no Sudoeste do Estado, foram beneficiadas pelas políticas públicas de fomento (Programa de Informática Industrial, Lei de Informática, SO TEX e W-Class). A Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) do governo Lula, de 2003, considerou o setor de software prioritário, dada a sua natureza inovadora e a capilaridade, porque permitiria a ampliação da produtividade das empresas em diferentes cadeias produtivas. Com a crescente entrada de empresas de capital estrangeiro para atuar no desenvolvimento e no fornecimento de tecnologias de informação e comunicação, muitas ix

11 Características e potencialidades das aglomerações de Software no Paraná empresas nacionais têm realizado fusões e aquisições no mercado nacional para enfrentar a concorrência, ampliando a exploração de economias de escala e o escopo na exploração de serviços, desenvolvimento de sistemas, entre outras atividades. Isto é, o setor está sofrendo grandes transformações. Em maio de 2008, o governo federal renovou o estímulo ao desenvolvimento do software para exportação, em sua política de desenvolvimento industrial. Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Software - informação disponível em sua página institucional na internet - o Brasil alcançou a 12ª posição no mercado mundial, movimentado mais de US$ 11 bilhões de dólares, equivalentes a 0,86% do PIB em 2007; US$4,19 bilhões em software, 1,6% do mercado mundial; e US$ 6,93 bilhões em serviços. O crescimento médio do setor no período 2008/2010 é estimado em 10% ao ano. Em 2007, a participação de programas de computador desenvolvidos no país atingiu 33,6 % do total do mercado brasileiro de software. O mercado é composto por empresas, que desenvolvem, produzem e distribuem softwares, além da prestação de serviços. O desenvolvimento e a produção de software é dominado por micro e pequenas empresas (94% das firmas). O livro reúne uma coletânea de artigos científicos desenvolvidos, direta ou indiretamente, a partir da análise de resultados do projeto de pesquisa fomentado pela SETI/Governo do Estado do Paraná undo Paraná e pelos Arranjos Produtivos Locais - Projeto APL - Identificação, Caracterização, Construção de Tipologia e Apoio na ormulação de Políticas para os Arranjos Produtivos Locais do Paraná. As pesquisas de campo foram desenvolvidas em Londrina, Maringá, Curitiba e Sudoeste do Paraná, ao longo do período de 2006 e São discutidas as experiências das aglomerações de software, com ênfase na inovação e no fortalecimento da governança e as redes existentes em tais aglomerações. É válido destacar que a problemática envolta na discussão refere-se à necessidade de incrementar, via políticas públicas e privadas, o desenvolvimento setorial, dada a sua capilaridade no tecido produtivo e a sua capacidade de ampliar a produtividade, reduzir os custos de produção e contribuir para a geração de divisas, mediante o incremento das exportações intensivas em tecnologia e mão-de-obra qualificada. O capítulo um analisa as características complexas do setor de tecnologias de informação e comunicação no qual está inserido o software. O artigo, desenvolvido por Kleber Angeli, Álvaro Periotto e Marcia Regina Gabardo da Camara, discute, teoricamente, sob a luz da teoria da complexidade e da teoria das organizações, a Tecnologia da Informação (TI) como elemento condutor de inovação para aglomerações produtivas. As vertentes conceituais sobre os sistemas adaptativos complexos e as aglomerações produtivas norteiam o arcabouço teórico discutido do artigo, tendo como fator de ligação a aprendizagem e a mudança, em prol de um ambiente inovador, proporcionado pela TI. x

12 Apresentação O capítulo dois apresenta um diagnóstico da aglomeração produtiva de software de Londrina e propõe medidas de políticas públicas para o desenvolvimento local, o incremento da produção e da inovação nas empresas, no período que antecede a articulação formal do Arranjo Produtivo de Tecnologias de Informação de Londrina e Região. Marcia Regina Gabardo da Camara, Maria de átima Sales de Souza Campos, Vanderlei José Sereia e Luis Gustavo Antonio da Silva realizam o diagnóstico da capacidade produtiva e inovativa do arranjo produtivo de Software de Londrina e a sugestão de políticas públicas para o aprofundamento das relações entre os agentes e a promoção do desenvolvimento do APL. oi possível obter resultados a partir da realização de entrevistas com as instituições locais Universidades, SEBRAE, CODEL, INTUEL, SERCOMTEL e da aplicação de questionário desenvolvido pela Rede Arranjos Produtivos Locais dos agentes produtivos. A análise dos resultados da pesquisa de campo em 25 empresas, no ano de 2006, permitiu concluir que a aglomeração de software de Londrina possui um elevado potencial inovativo, que pode ser reforçado pelas ações de políticas públicas focadas na produção e no incremento da inovação local e no fortalecimento da governançal. O capítulo três realiza o diagnóstico dos determinantes da inovação e do aprendizado após a constituição e a ação da governança local, permitindo verificar mudanças no comportamento dos agentes, no sentido de incrementar a inovação produtiva e os processos de aprendizado identificados nas empresas de software de Londrina e região, no ano de ernanda Tsujiguchi e Marcia Regina Gabardo da Camara verificam que o conhecimento tem sido considerado o critério fundamental para a performance econômica nos últimos anos. A geração, a difusão e a aquisição de conhecimentos nas empresas de software requer que tais organizações desenvolvam processos de aprendizado que aglutinem competências e habilidades, elevando sua capacidade produtiva e inovativa. O artigo descreve os processos de aprendizado e as inovações existentes na rede de micro e pequenas empresas de software da cidade de Londrina. Verifica-se elevado grau de introdução de inovações, porém, eles estão restritos ao campo das inovações incrementais, pois boa parte das empresas pesquisadas desenvolvem softwares sob encomenda, ou seja, adaptando produtos e serviços de acordo com as necessidades dos clientes. O capítulo quatro apresenta a importância da rede de empresas e de instituições formais e informais no desenvolvimento setorial das empresas de software de Londrina e região. ernanda Tsujiguchi e Marcia Regina Gabardo da Camara analisam os impactos de ações de cooperação, parcerias e alianças estratégicas na competitividade da rede de empresas de software de Londrina, setor de grande representatividade para o estado do Paraná. A análise dos resultados permite identificar os tipos de atividades desenvolvidas, a intensidade xi

13 Características e potencialidades das aglomerações de Software no Paraná da interação com outras empresas, os agentes e os impactos econômicos das ações cooperadas. Os resultados revelam maior cooperação em nível local (Londrina) em atividades de desenvolvimento e comercialização em software, apresentando retorno econômico positivo de projetos cooperados. A análise dos resultados permite concluir que a rede está mais voltada para produzir e comercializar, visando à redução de custos e à eficiência operacional. O capítulo cinco apresenta o diagnóstico das características da aglomeração de software de Maringá e as barreiras verificadas para o seu desenvolvimento. Neio Lúcio Peres Gualda, Antonio Carlos de Campos e Jaime Graciano Trintin analisam a estrutura técnicoprodutiva da atividade de software do município de Maringá à luz do conceito de Arranjos Produtivos Locais (APL). Discute-se a crescente importância atribuída pela literatura à tecnologia da informação, especialmente quanto às atividades inovativas, dado sua capacidade de alavancagem e transbordamento para os diversos setores da economia. A metodologia utilizada baseou-se na identificação e na caracterização dos APL s, a partir de informações estatísticas e de pesquisa de campo. Os resultados encontrados revelam elevada participação de micros e pequenas empresas, gerenciadas por jovens empreendedores com elevada escolaridade, capacidade de inovação e diferencial competitivo. Os autores identificam desafios, fragilidades e potencialidades, com destaque para a crescente consciência de alguns empresários quanto à necessidade de organização e articulação entre os agentes do setor e a disposição das empresas para empreender ações visando à cooperação e às ações conjuntas. O capítulo seis analisa a dinâmica recente da indústria de software na cidade de Maringá, após a constituição da governança do APL de Software de Maringá. Kleber Angeli e Marcia Regina Gabardo da Camara apresentam um panorama do setor de software no período recente. Para caracterizar adequadamente a indústria de software de Maringá Paraná, os autores realizam uma pesquisa empírica sobre a evolução e a formação do APL de Software. O estudo analisa os condicionantes do relacionamento interorganizacional e o processo de institucionalização do APL embrionário de software. A análise dos resultados destaca que entre os condicionantes: Necessidade legal (interação não voluntária); Assimetria, Reciprocidade, Eficiência, Estabilidade e Legitimidade (interação voluntária), mas a Necessidade Legal e a Eficiência são os mais importantes. Para a instituição e o sucesso da governança, a necessidade legal é importante devido às ações formais entre as empresas para atender normatizações, regulamentações de órgãos fiscalizadores e agências governamentais, ganhando capacidade de negociação política, favorecendo a busca de recursos para o setor. A análise da ação dos agentes integrantes do APL embrionário de software de Maringá e das demais empresas que podem ser beneficiadas revela que ele encontra-se na fase de objetivação da institucionalização. xii

14 Apresentação O capítulo sete analisa o desenvolvimento de políticas locais e setoriais para o setor de software no Paraná Curitiba e Sudoeste do Paraná - sob o enfoque da geografia da inovação, referencial teórico que os autores Sérgio Sampaio e abio Ono consideram apropriado à investigação sobre o fenômeno da aglomeração de empresas de software e, consequentemente, para a proposição de políticas públicas. Para estes dois autores, o espaço é lócus do desenvolvimento econômico endógeno, constituindo-se no conjunto de recursos característicos relativamente imóveis e, até mesmo, intangíveis de uma região ou local. Após discutir as bases de conhecimento local, as habilidades da mão-de-obra, as instituições e as infraestruturas tecnológicas e organizacionais das empresas aglomeradas em Curitiba e Pato Branco, os autores concluem que as políticas locais de apoio ao desenvolvimento de software, nos moldes das políticas de apoio do APL, são viáveis. Entretanto, sob a perspectiva do aumento da competitividade das empresas brasileiras nos mercados internacionais de software, por meio do desenvolvimento de soluções inovadoras, o impacto de ações locais pode ser relativamente exíguo, caso não sejam associadas a políticas setoriais mais amplas. O capítulo oito investiga os resultados de um amplo projeto de pesquisa, no qual estavam inseridas as aglomerações de software de Londrina, Maringá e sudoeste do Paraná, coordenado pelos autores Wilson Suzigan, João urtado e Renato Garcia, com o propósito de mapear e estudar arranjos produtivos locais do estado de Paraná e propor políticas estaduais e ações institucionais de apoio no biênio Os autores realizam a discussão dos fundamentos analíticos e dos aspectos metodológicos da pesquisa em uma unidade da federação e as políticas propostas referem-se, especificamente, às políticas públicas estaduais. O referencial analítico de apoio é a discussão de sistemas locais de produção (SLP), porém há menções às aglomerações territoriais de empresas como um estágio preliminar do método utilizado, quando ainda não é possível caracterizar tais aglomerações como SLP. O capítulo finaliza com a sugestão de políticas em consonância com esse referencial e que foram acolhidas pelo estudo que, originalmente, incluiu indústrias extrativas, de transformação e de atividades de software. A análise conjunta das experiências das aglomerações de software do estado do Paraná sinaliza a importância de políticas locais articuladas com as políticas regionais. A criação de condições adequadas ao desenvolvimento da infraestrutura em sentido amplo da mão-de-obra, formação e desenvolvimento das redes, do aprendizado e da inovação, da produção, da governança e dos relacionamentos interorganizacionais requer a ação articulada dos agentes nas diferentes esferas: universidades, empresas, governo e instituições não governamentais. Na visão dos organizadores, a disseminação dos resultados das pesquisas realizadas com o apoio da SETI e do governo do estado do Paraná, via undo Paraná, xiii

15 Características e potencialidades das aglomerações de Software no Paraná contribuirá para o aprofundamento do debate em setores de base tecnológica, estimulando novas investigações e a aceleração do desenvolvimento regional. Marcia Regina Gabardo da Camara Maria de átima Sales de Souza Campos Vanderlei José Sereia xiv

16

17

18 A tecnologia da informação como condutora de inovação em aglomerações produtivas INTRODUÇÃO As organizações passam por transformações, especialmente na época em que as inovações nas tecnologias da informação são propagadas rapidamente em diversas economias e diferentes países. Os novos processos e produtos permitem a exploração de economias de escala e de escopo. Nesta dinâmica que contempla oportunidades e ameaças, as organizações em redes apresentam-se como uma alternativa. As mudanças induzidas pelas inovações incitam a busca do conhecimento novo. Segundo Khun (2000), a ciência constrói-se somente pela instituição de novos paradigmas, em detrimento de paradigmas anteriores. Ainda sobre a ótica socioeconômica, Marx afirmava que o capitalismo e a burguesia nutriam-se do novo, eliminando o antigo antes que se depreciasse e se tornasse obsoleto. As mudanças geram, direta ou indiretamente, resistência dos atores envolvidos no processo, os quais buscam postergar a introdução do novo. A Tecnologia da Informação é uma referência para as organizações contemporâneas; pode-se perceber que por meio dela, a exposição dos limites do conhecimento se faz necessária para que o novo ocupe o seu espaço. ace às exigências mercadológicas, a velocidade das mudanças nas empresas de base tecnológica - software, biotecnologia, mecânica fina, microeletrônica, entre outras - faz com que a estrutura destas organizações torne-se mais flexível na busca de inovações. Percebe-se, também, como característica da grande maioria das empresas de base tecnológica o fato de serem pequenas ou microempresas com sutis peculiaridades ligadas a aspectos regionais. Dessa forma, a cooperação, pelas redes interorganizacionais, revela-se uma solução adotada por muitas delas. Uma corrente científica que permite interpretar a evolução das aglomerações fundamenta-se na teoria da complexidade, que busca o entendimento de como certas coisas células, um bando de pássaros, cidades, civilizações, organizações conseguem manter uma coerência em situações de contínua mudança, sem que haja necessariamente um controle hierárquico e um planejamento central. (NOBREGA, 1996). 3

19 Características e potencialidades das aglomerações de Software no Paraná undamentado no marco teórico que sustenta o tema e com a finalidade de desvendar o problema exposto, elaborou-se uma pergunta cuja resposta ajudará a alcançar o objetivo deste estudo: a Tecnologia da Informação pode prover a aprendizagem organizacional, propiciando um ambiente inovativo e favorável a mudanças, dentro de redes interorganizacionais complexas, como os arranjos produtivos locais, os sistemas produtivos e aglomerações produtivas? Os procedimentos metodológicos envolvem a revisão crítica da literatura sobre os temas abordados. O capítulo está estruturado em 6 partes, incluindo esta introdução. A seguir, apresentam-se: a complexidade e a aprendizagem organizacional; as redes interorganizacionais; a tecnologia de informação nas estruturas organizacionais complexas; as aglomerações e os arranjos produtivos locais; e as conclusões do capítulo. COMPLEXIDADE E APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL De acordo com Morin (1986), a complexidade está presente onde quer que se produza um conjunto de ações, interações e de retroações. Assim, a complexidade significa a multiplicidade, o entrelaçamento e a contínua interação da infinidade de sistemas e fenômenos que compõem o mundo natural. Uma das principais características desses fenômenos são as qualidades emergentes, que surgem, resultantes da interação de partes ou de indivíduos movidos segundo algumas poucas e simples regras locais. Assim, uma vez que certas condições estejam presentes, a ordem pode surgir de situações aparentemente caóticas. (AGOSTINHO, 2003). Segundo Morin (1977), os sistemas vivem em constante oscilação dentro do anel tetralógico de ordem/desordem/interação/organização, conforme verifica-se na igura 1: 4

20 A tecnologia da informação como condutora de inovação em aglomerações produtivas IGURA 1 - O anel tetralógico onte: Adaptado de Morin (1977) Nesse anel tetralógico, a partir de um momento de desordem, os indivíduos, por intermédio das interações, provocam uma nova ordem da organização e assim sucessivamente. Os conceitos de ordem e de organização só se desenvolvem em função um do outro. Quanto mais a ordem e a organização se desenvolvem, mais se tornam complexas, mais toleram, mais utilizam e necessitam até da desordem. (MORIN, 1977). Nesse contexto, cabe considerar os Sistemas Adaptativos Complexos (SAC s), que existem na dialógica entre a ordem e a desordem. Esses sistemas aprendem e evoluem de maneira adaptativa, ou seja, registram informações para extrair regularidades, inserindoas dentro de esquemas que são continuamente mudados à luz da experiência. (STACEY,1996). Conforme afirma Klement (2000, p.6), [...] ordem, desordem e organização não são lineares, nem mutuamente excludentes. Estas noções interagem dialogicamente, isto é, se relativizam continuamente, mantendo o sistema em atividade. Sob o ponto de vista da complexidade, as organizações podem ser vistas como um fenômeno que emerge da ação e da interação dos agentes componentes de um sistema. Perceber estas organizações como SAC s favorece a busca de soluções para os problemas advindos da crescente complexidade do cenário mundial contemporâneo. Abandona-se, assim, a linearidade herdada do modelo mecanicista, que enfatiza a subdivisão do sistema em suas partes, em favor de uma visão mais integrada, em que a solução vem da dinâmica do sistema como um todo e emerge daí, não da soma das ações isoladas das partes. (NOBREGA, 1996). 5

21 Características e potencialidades das aglomerações de Software no Paraná Uma das formas de verificação da complexidade nas organizações pode advir do fato de quando que as atividades que não estavam na rotina de trabalho vêm à tona e forçam os seus integrantes a buscarem uma solução. As pessoas detectam a não-linearidade e trabalham, por meio de interações, em busca de uma solução. Nesse contexto, verifica-se que as organizações são capazes de se estruturarem, característica esta fortemente atribuída aos SAC s. Para Agostinho (2003, p.6): A possibilidade de auto-organização surge uma vez que os numerosos agentes que compõem o sistema são elementos vivos. Eles têm autonomia para orientarem suas ações de acordo com o que apreendem de sua interação com o ambiente. Stacey (1996) já considerava tais aspectos ao destacar um SAC como um sistema que consiste de um grande número de componentes ou agentes, os quais se comportam de acordo com seus próprios princípios de interação local, num processo de auto-organização. Uma das características principais de um SAC é o fato de ser um sistema aberto, uma vez que há um contínuo fluxo de entrada e saída (seja de matéria, energia ou informação) entre o ambiente e o sistema. Stacey (1996) argumenta que os sistemas abertos necessitam de uma forma de aprendizagem diferente daquelas encontradas em sistemas fechados e que o caos e a instabilidade dentro dos sistemas podem colaborar no desenvolvimento de insights na resolução dos problemas. Usando esquema representativo de suas ideias, Argyris e Schon (1978) afirmam que uma das barreiras à frente da aprendizagem é a tendência do sistema de focar o aprendizado no circuito simples (single-loop) ao invés do circuito duplo (double-loop), como mostra a figura 2. IGURA 2 - Circuito simples e circuito duplo de aprendizado onte: Adaptado do modelo apresentado por Argyris e Schon (1978) Recorrendo ao esquema representativo de Argyris e Schon (1978), considera-se que, no circuito simples, as estratégias são definidas de acordo com o modelo mental do sistema, não se criando dessa maneira inovação, uma vez que apenas repetem-se práticas 6

22 A tecnologia da informação como condutora de inovação em aglomerações produtivas consideradas adequadas. Para Argyris e Schon (1978), a saída é a utilização de outra forma de aprender que conduz à inovação daquilo que está sendo sistematicamente praticado. No circuito duplo ocorre um processo de reflexão sobre a alteração do modelo mental que impele o primeiro circuito, e, desta maneira, as variáveis do paradigma vigente são questionadas. Já Stacey (1996) acredita que o conhecimento obtido com a experiência é reproduzido pelo agente e por aqueles que aderem à experiência. Complementando, adverte que a aprendizagem em circuito simples é apropriada para lidar com situações previsíveis bem definidas, mas é necessária a aprendizagem em circuito duplo nas situações ambíguas e imprevisíveis das quais emergem as inovações. Nobrega (1996) também corrobora tais ideias e acrescenta que os sistemas complexos aprendem, se auto-organizam e evoluem pela habilidade de processar a informação que chega de fora. Agostinho (2003) identifica a adaptação como sendo a propriedade básica dos SAC s, no sentido de que o sistema é capaz de ajustar seu comportamento a partir do que consegue perceber sobre as condições do seu meio ambiente e desempenho: São organizações em rede formadas por inúmeros agentes, os quais são elementos ativos e autônomos, cujo comportamento é determinado por um conjunto de regras e pelas informações a respeito de seu desempenho e das condições do ambiente imediato [...] O comportamento global do sistema emerge, então, como efeito da combinação das interações (não-lineares) entre os diversos componentes. (AGOSTINHO, 2003, p.29) Para Agostinho (2003, p.9), a aprendizagem ocorre a partir do momento em que o indivíduo é capaz de [...] observar as conseqüências do seu comportamento e ajustar seus atos para atingir os propósitos desejados. A capacidade de aprendizado pode resultar da existência de canais de comunicação eficientes concomitante à capacidade de prever teoricamente as consequências de suas ações, sem que haja uma experiência empírica. No entanto, salienta-se que o potencial de aprendizagem só é desenvolvido quando o indivíduo tem autonomia para colocar seu julgamento em ação. Tomando por base o funcionamento dos SACs, Agostinho (2003) elege quatro conceitos-chave que definem a abordagem das organizações, que são: autonomia, cooperação, agregação e auto-organização. São conceitos fortemente entrelaçados que indicam como a ordem no sistema pode emergir por meio das ações de suas partes, relacionando-se da seguinte maneira: 7

23 Características e potencialidades das aglomerações de Software no Paraná Indivíduos autônomos, capazes de aprender e de se adaptarem, cooperam entre si obtendo vantagens adaptativas. Tal comportamento tende a ser selecionado e reproduzido, chegando ao ponto em que estes indivíduos cooperativos se unem formando um agregado que também passa a comportarse como um indivíduo e assim por diante. Diz-se, então, que o sistema resultante se auto-organiza, fazendo emergir um comportamento global cujo desempenho também é avaliado por pressões de seleção presentes no ambiente (externo e interno). (AGOSTINHO, 2003, p.36) A autonomia é definida como [...] a faculdade do indivíduo orientar sua ação com base em sua própria capacidade de julgamento. (AGOSTINHO, 2003, p.9). A autonomia dos componentes faz com que o sistema seja extremamente flexível e robusto em relação às perturbações externas. Por intermédio de princípios autônomos, as ações dos colaboradores que interagem no sistema agem como estímulo e restrição mútuos, ocasionando influências nos processos decisórios. A autonomia, por si só, não garante um bom desempenho do sistema. Conforme Agostinho (2003, p.65): É necessário que haja cooperação mútua e coordenação para que seja possível que o conjunto de ações de vários indivíduos autônomos convirja para o benefício do sistema. Agostinho (2003), acrescenta, ainda, que, além da cooperação, existe a necessidade de coordenação. O autor observa que a coordenação consiste em um processo de informar cada indivíduo acerca do comportamento planejado dos outros. Tal afirmação remete a uma das premissas básicas necessárias à evolução da cooperação: a capacidade de reconhecimento das estratégias dos demais indivíduos. Cabe também salientar que um dos pilares da cooperação é a reciprocidade. Para Agostinho (2003, p.64), esta só irá ocorrer caso [...] cada indivíduo seja capaz de reconhecer o outro das interações passadas e lembrar como este se comportou. A autonomia garante aos indivíduos o poder de julgar as ações como forma de conduzir seus atos. A cooperação estabelece relações entre os indivíduos que proporcionam benefícios por intermédio da ajuda mútua. Sendo assim, a agregação surge como forma de tornar um sistema mais representativo do que um conjunto de partes e uma equipe mais do que um amontoado de pessoas. Agostinho (2003) afirma que, por intermédio de uma espécie de rotulagem, um indivíduo é capaz de reconhecer com quem ele poderá obter benefícios mútuos, selecionando as interações úteis. Contudo, existe um aspecto muito interessante que diferencia as organizações sociais humanas dos demais sistemas complexos adaptativos, que é a consciência humana. O ser humano usufrui da racionalidade que o torna capaz de utilizar 8

24 A tecnologia da informação como condutora de inovação em aglomerações produtivas maiores ou menores poderes de influência. Desta maneira, os indivíduos são capazes de reconhecer as conexões em que ocorrem os fluxos mais relevantes, bem como identificar os pontos com maior ou menor efeito multiplicador. Ao atuarem desta forma, os gestores fazem emergir condições iniciais que ocasionam o sistema auto-organizante. Agostinho (2003) elucida que o ser humano, ao receber sinais e informações do ambiente, identifica determinados padrões de forma, sistematizando um modelo que o proporciona a previsão das consequências, caso um padrão semelhante ocorra novamente. Neste sentido, quando há a eminência de uma nova situação, os indivíduos realizam uma combinação de experiências testadas em momentos anteriores para modelar a situação em que se encontra de uma maneira que sugere ações apropriadas bem como suas consequências. REDES INTERORGANIZACIONAIS O estudo de Redes Interorganizacionais tem despertado interesse crescente dos mais diversos campos de conhecimento, como Economia, Sociologia, Ciência Política e Empreendedorismo. Três razões são apontadas para este aumento: emergência da nova competição; surgimento das tecnologias de informação e de comunicação; e análise de redes como disciplina acadêmica. As redes também promovem ambiente favorável ao compartilhamento de informações, de conhecimentos, de habilidades e de recursos essenciais para processos de inovação. Originalmente, o termo rede refere-se a um pequeno filet, para pegar pássaros ou caça miúda. A partir do século XVI, designa, de maneira mais ampla, uma peça em forma de rede com malhas mais ou menos largas e, por analogia, um tecido formado de pequenas malhas chamado, mais tarde, de arrastão. Paralelamente, o sentido figurado da palavra rede afirma-se a partir do século XVII como um conjunto de coisas abstratas que prendem o indivíduo pouco a pouco. (MARCON; MOINET, 2001). Se a noção dinâmica não fica clara no francês, filet, ela o é em inglês, visto que rede traduz-se por network. A rede é, literalmente, uma rede que trabalha, a net that works. Em alemão, das Netz significa igualmente rede e redes, o sentido dependerá do contexto. Na segunda metade do século XIX, aplica-se este conceito a um conjunto de pessoas ligadas entre si, direta ou indiretamente. Nas ciências sociais aplicadas e nas ciências humanas, rede ou network designa um conjunto de pontos comunicantes entre si. (MARCON; MOINET, 2001). A ideia é abstrata no campo organizacional e compõe-se por recursos e informações. Nota-se esta percepção 9

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Maria Lucrécia Calandro * O acelerado desenvolvimento do setor serviços e a intensificação da cooperação entre empresas estão associados às transformações

Leia mais

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri*

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* * Respectivamente, gerente setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO

GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO Ana Caroline Suzuki Bellucci 1 Fabiany Maria Made e Vellasco 2 Iedo Brito da Silva 3 Maria Cristina de A. C. Milani 4 1 INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Conceito de Educação Corporativa no âmbito dos Fóruns de Competitividade Ismar Ferreira da Costa Filho 1

Conceito de Educação Corporativa no âmbito dos Fóruns de Competitividade Ismar Ferreira da Costa Filho 1 Conceito de Educação Corporativa no âmbito dos Fóruns de Competitividade Ismar Ferreira da Costa Filho 1 RESUMO Este artigo apresenta conceitos sobre Educação Corporativa e Educação Setorial e uma avaliação

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

AUTONOMIA E AUTO-REGULAÇÃO COMO DETERMINANTES DA SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

AUTONOMIA E AUTO-REGULAÇÃO COMO DETERMINANTES DA SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR AUTONOMIA E AUTO-REGULAÇÃO COMO DETERMINANTES DA SUSTENTABILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Lucia Izabel Czerwonka Sermann 1 Ana Maria Coelho Pereira Mendes 2 RESUMO Toda universidade é uma

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Organização da produção - Renato Garcia, setembro de 2005. renato.garcia @poli.usp.br

Organização da produção - Renato Garcia, setembro de 2005. renato.garcia @poli.usp.br Mesa - Organização da Produção Caracterização da estrutura produtiva em Sistemas Locais de Produção (APLs) proposições e implicações de políticas Renato Garcia, POLI-USP renato.garcia@poli.usp.br Apresentação

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ELEMENTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TIPOLOGIA DE APLs INDICADORES PARA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Fabio Stallivieri UFF e RedeSist Brasília 17/04/2012 1. Introdução Elaboração de indicadores objetiva

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO O investimento direto estrangeiro tornou-se, desde o inicio de 90,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais