PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS: SUA EMPRESA POSSUI UM PROJETO DIRETOR PARA PREVENIR AS PERDAS?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS: SUA EMPRESA POSSUI UM PROJETO DIRETOR PARA PREVENIR AS PERDAS?"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS: SUA EMPRESA POSSUI UM PROJETO DIRETOR PARA PREVENIR AS PERDAS? Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Graduado em Ciências Contábeis Professor Universitário Introdução O ambiente econômico brasileiro vem passando por profundas transformações estruturais nos últimos anos, em decorrência da abertura econômica de mercado ocorrida nos inícios dos anos 90 e a instabilidade da inflação surgida graças ao Plano Real. Empresas nacionais e transnacionais passaram a enfrentar uma nova realidade: o fim dos e fabulosos ganhos no mercado financeiro e o acirramento da inflação, decorrente do processo de globalização. O mercado tornou-se mais dinâmico e mais disputado, caracterizado pela reestruturação das telecomunicações e as novas tendências decorrentes da gestão de conhecimentos. Os modelos gerenciais e as novidades tecnológicas são rapidamente imitados e transmitidos, entretanto, a cultura empresarial continua inapta, própria de cada companhia. No varejo não é diferente. Genericamente, pode-se afirmar que a cadeia varejista se enquadra em todos os seus ingredientes na dinamicidade que o mercado vem apresentando. Por ter contato direto com o consumidor final, possui a capacidade de assimilação da necessidade de evolução e inovação que exigem os consumidores desta nova era. Pequenas vantagens operacionais são capazes de gerar enormes diferenças competitivas, fato verídico no varejo, atividade caracterizada por baixas de lucro em quase todos os seus segmentos. Como resultado, índices de perdas antes considerados irrelevantes por sua irrisória expressão em relação aos valores globais da empresa, tornaram-se fonte de grande preocupação e oportunidade de maximização dos lucros por parte de gestores, que ainda hoje encontram dificuldades para identificar seus impactos danosos nos resultados finais dos negócios. Os principais problemas enfrentados pelos varejistas são a falta de padronização de

2 procedimentos operacionais, falta de controle na entrada e saída de mercadorias, além de ausência de metodologia para realização de inventários consistentes. Portanto, este artigo tem o objetivo de demonstrar a evolução e prática dos estudos de Prevenção de Perdas no Brasil, a necessidade da empresa em possuir um Plano Diretor de combate as perdas, a necessidade de uma estrutura de Prevenção de Perdas na organização sincronizada aos objetivos estratégicos da companhia e sua infuência nos resultados globais da empresa. Prevenção de Perdas: Gerando Valor para as Organizações Após a estabilização econômica, provinda de sucessivos planos econômicos e uma desenfreada inflação ocorrido no Brasil, a Prevenção de Perdas tornou-se item indispensável nas organizações, principalmente na rede varejista. A partir deste período, as redes foram obrigadas a controlar seus custos e despesas, visando acompanhar a tendência de preços do mercado, que a cada ano fica mais acirrada. Além disso, as redes varejistas, como qualquer outra empresa, buscam a maximização de resultados. E uma alternativa eficaz para conseguir isto é reduzir os custos. Isto pode ser obtido através da Prevenção de Perdas. Logo no início, as redes trabalhavam a prevenção com uma conotação restritiva em vários aspectos, buscando somente proteger fisicamente seus produtos e controlando melhor as entradas e saídas, que muitas vezes implicavam na burocratização de processos, reduzindo o volume de vendas de suas Lojas. Esta forma de prevenir perdas gerava conflitos internos entre as áreas de operações e administrativas, prejudicando o objetivo maior que é a maximização de resultados. Seguindo o processo de evolução desta cultura no Brasil, as redes inovaram ao longo dos anos, buscando alternativas mais eficazes que diminuem as divergências internas entre as áreas e eliminam riscos operacionais. Diante deste novo cenário e a mudança de foco para uma ação diferenciada, as empresas de uma forma geral começaram a enxergar cada vez mais o valor e a importância do trabalho voltado à prevenção de perdas, passando a ser vista como um centro de geração de valores de modo a contribuir ativamente no resultado operacional, determinando inclusive a diferença entre o lucro e prejuízo, ou seja, os resultados obtidos com a prevenção podem livrar as empresas do resultado negativo.

3 Segundo o professor do PROVAR/USP, Stein (2006) 1, é frequente encontrar nas companhias trabalhos voltado para estancar um determinado problema relacionado à perda. Porém, normalmente, este esforço está focado na correção da conseqüência e não da causa real do problema. Isso acontece principalmente devido à dificuldade das empresas visualizarem com clareza o que realmente se perde e onde o problema se origina. Por isto, é importante defender que toda empresa tem a necessidade de possuir um Plano Diretor para Prevenção de Perdas, e, consequentemente ter uma visão clara das suas perdas. Uma das formas de proporcionar às empresas uma visão ampla e clara de onde e como esta poderá direcionar de forma acertiva seus esforços na busca da prevenção e redução de perdas, é através da depuração das perdas e de uma rigorosa análise dos processos internos, dos recursos humanos e das tecnologias disponíveis. Identificando quais são suas reais perdas e principais causas, a empresa valida suas operações de prevenção de perdas, identifica novas vulnerabilidades, riscos e oportunidades, permitindo-se criar soluções de melhoria. Trabalhar o conceito de prevenção de perdas hoje é uma necessidade vital para a saúde financeira das empresas em geral, principalmente as redes varejistas. Isto ocorre, devido a sua característica de distribuição em massa mantendo alto valor de estoques para atender a velocidade do negócio, gerando conseqüentemente um grande volume de avarias e extravios. Maturidade de um Programa de Prevenção de Perdas Partindo do princípio de que desperdício é a diferença entre o ótimo e o praticado atualmente pela organização, pode-se afirmar que o ótimo faz referência às melhores práticas do mercado (benchmark) e o praticado pela organização refere-se às práticas atuais da companhia. Segundo Landsberg, (2006) 2, algumas indústrias especializaram-se mais em determinados tipos de desperdícios. A Indústria manufatureira focou na classificação tempo e capital. Já o varejo intensificou seu trabalho na classificação material e capital. Poucos foram aqueles que entenderam o conceito de desperdício de oportunidade. 1 STEIN, George. Estratégia e Prática de Prevenção de Perdas. Apostila do Curso Realizado na FIA/USP, São Paulo, Annual Special Report. Publicação da Preventis Consulting, São Paulo, Sócio-diretor da Preventis Consulting. Consultoria em avaliação de riscos operacionais e prevenção de perdas.

4 Mais importante do que dissertarmos individualmente sobre cada classificação é entender o que se chama de relação de interdependência, que leva a um efeito cascata constante. Em sua maioria, um desperdício gera outro e assim sucessivamente. Portanto para se atingir a maturidade plena neste tema é necessário um conhecimento e esforço abrangente em todos os níveis. Segundo ainda Landsberg (2006), no Brasil, entende-se por Prevenção de Perdas o combate ao desperdício de materiais, com introdução de práticas preventivas para que as perdas identificadas e não identificadas sejam reduzidas. Citando ainda, o conceito por mim transcrito de Prevenção de Perdas no Manual Interno de Operações de Prevenção de Perdas do Grupo City Lar, como sendo ações sistemáticas e organizadas, a fim de prevenir, combater e eliminar as perdas ocorridas e que potencialmente possam ocorrer. 3 Parente (2000) 4 conceitua perdas como toda a atividade realizada que não agrega valor ao produto final. Afirma ainda que as perdas estão relacionadas às atividades de conversão como também às atividades de fluxo, objetivando sua redução ou mesmo eliminação. Recorrendo ainda a outros conceitos, podemos conceituar perdas e prevenção como sendo: Perda 5 é ato de perder; privação de coisa que se possuía; extravio; desaparecimento; carência; detrimento; desgraça; dano; prejuízo; ruína. Prevenção 6 é ato ou efeito de prevenir; aviso ou opinião antecipada; precaução; cautela; premeditação; disposição prévia. As práticas relacionadas à Prevenção de Perdas no mercado brasileiro iniciaram-se aproximadamente há dez anos. Um período bastante curto se comparado ao mercado norte americano, no qual se fala sobre o tema há mais de 20 anos, e bastante expressivo comparado ao restante da América do Sul, que apenas recentemente começou a tratar do assunto. Este histórico descreve basicamente o mercado varejista, não obstante o fato de que nos demais 3 SOBRINHO, Osvaldo A. de Oliveira. Manual Interno de Prevenção de Perdas do Grupo City Lar, PARENTE, J. Varejo no Brasil: Gestão e Estratégia. São Paulo: Atlas,

5 segmentos este conceito já seja difundido, porém, com poucas pesquisas e trocas de informações. No campo acadêmico destaca-se o pioneirismo do PROVAR, em seu Grupo de Prevenção de Perdas (GPP), órgão ligado a Universidade de São Paulo (USP), que em 1998 teve a primeira iniciativa acadêmica relacionada ao tema e que em oito anos muito contribuiu para que as empresas iniciassem algum tipo de trabalho. O tema foi restrito por muitos anos às grandes organizações do varejo, que enxergaram na prevenção de perdas, um valor estratégico enorme. Estas organizações investiram em tecnologia, estrutura organizacional, remodelagem de processos e principalmente na mudança cultural interna. Era notório que tal foco não poderia ser restrito às grandes empresas, e que em uma questão de tempo os mercados médios e pequenos necessitariam iniciar algum tipo de trabalho. Nos últimos anos pode-se notar que o maior comprometimento das empresas com o tema e a implantação de projetos de redução de perdas ganhou prioridade. Destacam-se aqui os segmentos supermercadistas, lojas de departamentos, magazines e home-centers. Além de algumas iniciativas em drogarias e franquias de moda. Segundo estudos do PROVAR/USP 7, 80% das grandes empresas de varejo no mercado brasileiro possuem hoje Programas de Prevenção de Perdas definidos como área independente. Esta taxa cai absurdamente no médio mercado, onde apenas 30% contam com algum tipo de iniciativa, e piora no pequeno mercado, abaixo de 1%. Isto nos leva a uma visão de crescimento da adesão, acentuado nos próximos três anos no médio e pequeno mercado. Conclui-se então que para uma questão de sobrevivência, estes mercados adotarão dentro de uma estratégia corporativa um programa de redução e prevenção de perdas. Basicamente, resulta em uma forma de adoção Up and Down, onde os grandes ganham competitividade, levando os médios e pequenos a se estruturarem no mesmo sentido. Para que estas empresas adotem Programas de redução e prevenção de perdas com sucesso é necessária uma mudança comportamental, que deve atingir desde os principais executivos da empresa às áreas operacionais. Os resultados tangíveis da implantação de um programa de prevenção de perdas mostram claramente a sustentabilidade deste tipo de projeto e a eficiência do programa. 7 7ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro , realizado pelo Programa de Administração do Varejo (PROVAR/FIA/USP).

6 O gráfico a seguir demonstra os índices de redução das perdas alcançados por empresas de diversos segmentos, após a adoção de um programa estruturado. Observa-se que a partir do segundo ano de aplicação de um Programa de Prevenção de Perdas, o índice de redução das perdas aumentam sistematicamente. Fonte: Annual Special Report, 2006 [Relatórios Internos da Preventis Consulting, 2005.] Segundo o sócio-diretor de uma consultoria especializada em prevenção de perdas, Cláudio Landsberg 8, a manutenção destes programas é essencial para que os índices atingidos não retornem à situação anterior. Vale ressaltar que a sustentabilidade dos índices ocorrerá apenas se o conceito de desperdício mais amplo for adotado. Devemos esperar para os próximos anos um avanço considerável na utilização de práticas de prevenção em todo o mercado, tanto na direção da ampliação do conceito, com a ampliação dos programas existentes, quanto na adesão de mais empresas às práticas de prevenção. Plano Diretor em Prevenção de Perdas: Sua Empresa Possui? A Prevenção de Perdas normalmente é uma prática que exige um planejamento de longo prazo e cuidadoso dentro de uma empresa. Segundo Havrenne 9 (2006), além de apoio dos níveis de diretoria e gerência de uma corporação, o assunto necessita de um plano de ações de curto, médio e longo prazos, definidos através de um Plano Diretor pelos seguintes motivos: 1. Prevenção de perdas é multidisciplinar. Simultaneamente, a área necessita lidar com processos, pessoas e tecnologia. 8 Sócio-diretor da Preventis Consulting. Consultoria em avaliação de riscos operacionais e prevenção de perdas. 9 Gerente de Projetos da Preventis Consulting.

7 q q q Processos, pois a maior parte dos problemas na operação normalmente está localizada em processos mal desenhados, ausência de controles, etc., que podem representar a diferença entre o praticado e o ótimo; Pessoas, pois a existência de trabalhadores despreparados, negligentes e mal intencionados prejudica a execução de forma correta das normas e procedimentos existentes dentro de uma corporação, afastando-a de seus melhores resultados; Tecnologia, pois sistemas e aparatos de tecnologia estão intrinsecamente ligados à prevenção de perdas e as partes de processos e pessoas, devendo garantir a segurança e confiabilidade das informações. 2. A necessidade da colaboração de vários departamentos dentro de uma companhia. Por exemplo, não raro podemos ver uma discussão de novos procedimentos voltados para a prevenção que lidam conjuntamente com logística, informática e operações entre outros departamentos de uma empresa. 3. Prevenção de Perdas é, pela sua natureza, uma atividade de controle dentro das operações da empresa, que deve assegurar e garantir o funcionamento correto da operação global, mesmo que por vezes, em algum ponto, afete a velocidade do processo ou um possível resultado parcial de um departamento específico. Se imaginarmos dentro de um balanço fechado de uma empresa, isso significa que para Prevenção de Perdas, mais importante do que o resultado do faturamento bruto, a principal linha do balanço é o bottom line, ou seja, o resultado final na forma de lucro. Interação entre os departamentos Por esses motivos, o combate às perdas dentro de uma companhia deve começar com uma iniciativa estruturada e integrada e não uma série de esforços desconectados de vários departamentos em paralelo. O combate às perdas necessita de uma visão de curto, médio e

8 longo prazo, com foco e prioridade em trazer resultados tangíveis, mensurados financeiramente. Normalmente, no cotidiano de uma empresa que não atingiu a maturidade da cultura de prevenção pode-se ver uma série de iniciativas de diversos departamentos que existem em paralelo dentro das operações de uma empresa. Naturalmente, os conflitos inerentes entre as áreas surgem, e como tal, necessitam de um mediador neutro e externo para arbitrar esses conflitos e sugerir soluções. É neste momento que a falta de uma iniciativa estruturada de prevenção de perdas é mais sentida. Imagine uma situação em uma rede de varejo em que o departamento de operações de Lojas (em qualquer segmento de varejo) esteja em conflito com a logística argumentando que têm relatado a falta de mercadorias provenientes do Centro de Distribuição da rede. Por sua vez, a logística argumenta que sim, existe um erro de separação de mercadorias inerente à sua operação, mas que este erro é ínfimo e em número muito inferior ao valor relatado pelas lojas. Quem arbitra e quem soluciona esse problema localizado na interface das duas áreas de responsabilidade? Quem estaria disposto, separadamente e dentro de seu departamento, a inserir controles ou freios nos seus processos buscando maximizar os resultados globais da operação? A resposta para esse caso e para muitas outras bolas divididas está em assumir a necessidade de um órgão neutro e responsável por essa área, capaz de ditar a responsabilidade e o papel de cada área e que seja cobrado pelos resultados da operação global. Além disso, a prevenção de perdas é por natureza uma atividade de controle necessária para garantir o correto funcionamento da operação global, mesmo que esta interfira por vezes no resultado parcial de um departamento específico. Isso significa que a prevenção de perdas está preocupada acima de tudo com o resultado final da venda de um produto, de uma linha de serviço ou categoria de produtos. Em resumo, esses motivos, por si só justificam a necessidade da implantação das práticas de Prevenção de Perdas de cima para baixo dentro de um cronograma de ações de curto, médio e longo prazo. O Plano Diretor consiste em uma forma organizada e planejada de definir ações de curto, médio e longo prazo com foco na geração de valor para a empresa. A Estrutura de Prevenção de Perdas e a Importância de Seus Profissionais Construir uma cultura na organização não é uma tarefa fácil e deve ser feita através de esforços permanentes. A cultura organizacional é dinâmica, por causa das mudanças

9 contínuas que são realizadas e podem ser facilmente destruídas se os funcionários não perceberem a importância e o porquê de tais esforços, assim como o compromisso de seus superiores. Para que tais esforços dêem resultados é preciso que estes se tornem um padrão no desempenho da companhia e seja criada uma cultura de prevenção de perdas. Por isso, a estruturação de um projeto de prevenção de perdas é muito importante e deve envolver toda a organização. Apesar de toda a tecnologia disponível no mercado, como por exemplo, etiquetas eletrônicas de vigilância de mercadoria e os equipamentos de CFTV, chama-se a atenção para uma das mais importantes ferramentas de prevenção de perdas: as pessoas. Segundo Kenneth L. (2001) 10, um bom treinamento, que faça com que os funcionários entendam as causas e efeitos das perdas (identificadas e não-identificadas), como cada um pode ajudar na sua redução e o que devem fazer para preveni-las, tornou-se uma das armas mais poderosas na prevenção de perdas. Entretanto, apesar da importância de um Departamento de Prevenção de Perdas apenas 48% das empresas supermercadistas possuem uma área específica para prevenção de perdas. 11 Ao optar por desenvolver o trabalho com o pessoal interno, a empresa deve ter o cuidado na análise em olhar-se sempre como se estivesse de fora da operação, mitigando o risco da miopia empresarial, ou seja, dificuldade em enxergar os reais problemas e suas causas. Portanto, um parecer independente contribui para identificar pontos que passam despercebidos no dia-a-dia. A estrutura do departamento irá depender da estrutura organizacional e, principalmente, da posição estratégica desta área na empresa. Salienta-se que uma série de variáveis internas à empresa e específicas da prevenção de perdas devem ser analisadas na criação desta área. Um Departamento de Prevenção de Perdas pode ser composto por diversos profissionais, possuindo, cada um, papéis e responsabilidades específicas. Neste artigo, descrevemos como a área pode ser formada, porém deve-se ressaltar que esta estrutura é ilustrativa, apenas com o intuito de possibilitar o entendimento dos papéis fundamentais de cada função na área. A estrutura do departamento irá depender da estrutura organizacional e, principalmente, da posição estratégica desta área na empresa. Salientamos que uma série de 10 Annual Special Report. Publicação da Preventis Consulting, São Paulo, 2006, Apud KENNETH L;Marquis. The Manager s Guide to Loss Prevention. Cornell University. New York, ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro , realizado pelo Programa de Administração do Varejo (PROVAR/FIA/USP).

10 variáveis internas à empresa e específicas da prevenção de perdas devem ser analisadas na criação desta área. Podemos dividir estes profissionais de acordo com suas funções (Organograma Funcional), ou por processo (Organograma de Processos). Organograma Funcional do Departamento de Prevenção de Perdas Organograma de Processos do Departamento de Prevenção de Perdas. 1. A Diretoria Executiva é responsável pela validação de todas as atividades a serem desenvolvidas, acompanhamentos do cronograma, administração de inversões de tarefas, sugerindo mudanças e direcionando o projeto.

11 2. O Papel do Gerente de Prevenção de Perda é o de gerenciar as atividades do dia-a-dia, com a responsabilidade de propiciar um ambiente favorável de transferência de conhecimento. É o responsável pela estratégia de atuação do departamento, cabendo a ele, a coordenação das atividades do grupo na busca do controle e redução das metas estipuladas. 3. O Supervisor é responsável pela implantação e medição das ações in loco, promovendo visitas operacionais, identificando vulnerabilidades e propondo melhorias nos processos. E, juntamente com os coordenadores, realizar as ações nas lojas; treinar os executores; e medir a aderência das ações. 4. Os Coordenadores de Prevenção de Perdas são responsáveis por analisar todas as informações disponíveis e garantir que as ações sejam realizadas. Também são responsáveis por desenvolver planos de ações para os problemas encontrados e implementá-los, promover reuniões internas e cuidar do bom relacionamento com as demais áreas. Em um organograma de processos, a função de supervisor se une à do coordenador que passa a ser responsável por um processo específico em todas as unidades da Organização, como pode ser observado no Organograma de Processos. Em função desta abrangência de atuação dos profissionais do Departamento de Prevenção de Perdas existem habilidades indispensáveis à equipe, que tem a função de desenvolver e captar informações sobre toda a cadeia de valor, pontuar as principais vulnerabilidades e desenvolver soluções que diminuam o risco operacional. Além disso, caberão a estes profissionais a habilidade e disposição para desenvolver ferramentas e questionar modelos ultrapassados, trazendo inovações à companhia no que tange à prevenção de perdas. Por isso, a estruturação de um departamento de prevenção de perdas deve ser iniciada pela definição das tarefas que serão desempenhadas pelo departamento e dos perfis dos profissionais procurados. O processo de seleção deve incluir entrevistas com questões sobre controle de perdas, integridade, honestidade, processo de decisão, entre outras. Podem ser introduzidas informações sobre a companhia, sua cultura e o papel do candidato dentro dela, conceitos sobre redução e prevenção e perda, além do questionamento sobre o conhecimento do candidato sobre tais assuntos. Encontrar funcionários com habilidades de continuar as ações e desenvolver novas oportunidades será um fator crítico do sucesso do departamento.

12 Após a contratação dos profissionais que farão parte do Departamento de Prevenção de Perdas, é necessário incluir na forma de trabalhar da empresa a cultura de prevenção de perdas. Este trabalho é composto, basicamente, dos seguintes pontos: Plano de Comunicação, Incentivos e Formação do Grupo de Prevenção de Perdas nas lojas. Plano de Incentivo à Cultura Na formação do Grupo de Prevenção de Perdas (GPP) nas lojas e ou unidades, é importante fazer com que todos os funcionários operacionais se sintam parte do time de prevenção de perdas, envolvendo-os no desenvolvimento de soluções dos problemas que eles próprios identificam, fazendo com que prevenção e redução das perdas se tornem parte de seu dia-a-dia. Além disso, para melhorar o desempenho da área são necessárias avaliações, planejamento e uma busca constante de melhoria, que seja realizado por um grupo empenhado, capacitado, que seja fonte de informações, elaboração de ferramentas e voltados a resultados. Conclusão Nos últimos anos a Prevenção de Perdas tornou-se uma realidade no varejo brasileiro. Tudo o que sabíamos vinha dos Estados Unidos e Europoa, lugares aonde essa cultura já está disserminado há muito tempo, para maximização dos resultados. Com ações de organizações acadêmicas e empresas multinacionais, as características básicas dessa ferramenta foram agregadas às estratégias do mercado nacional. Com isso, adquiriram identidades próprias,

13 adequadas ao cenário social, político e econômico do país. Em uma economia neo-globalizada, aonde as margens de lucro e a maximização do lucro ao acionista são cada vez mais baixas, voltar-se para a própria organização, normatizando, treinando e controlando os processos torna-se o segredo para que o "organismo empresa" tenha saúde, produtividade e eficiência nos negócios suficientes para enfrentar o mercado. O novo momento que o Brasil e o mundo vêm experimentando (globalização) trouxe várias mudanças que representaram impactos sobre as empresas, especificamente o setor varejista, como a liberação das importações e o aumento da concorrência interna. No Brasil, a entrada de participantes externos e o conseqüente transplante de conceitos mais modernos de operação impuseram a necessidade de profundas transformações para a maior parte das empresas. Este artigo procurou mostrar a necessidade das empresas em possuir um Plano Diretor de combate às perdas, a necessidade das companhias inserirem o conceito de Prevenção de Perdas nos seus objetivos estratégicos. A maioria das corporações, principalmente os varejistas conhece a necessidade de reduzir perdas, principalmente, em tempos de crescimento econômico, onde o prejuízo costuma caminhar paralelamente ao faturamento. Grandes corporações, responsáveis por boa parte do Produto Interno Bruto - PIB no Brasil já adotaram o Programa de Prevenção de Perdas como instrumento de gestão empresarial e consequentemente como vantagem competitiva. Assim, a Prevenção de Perdas já é uma tendência nas grandes organizações no Brasil e no Mundo. Além de um projeto para a Prevenção de Perdas e a aliança dos objetivos estragégicos da empresa e a Prevenção de Perdas, é fundamental a atuação de uma área de Prevenção de Perdas, como forma de assegurar que as ações sejam efetivas e consistentes. À medida que há a identificação dos pontos críticos em que ocorrem as perdas e, principalmente, de seu montante em valores monetários, os gestores podem melhor organizar a estrutura de combate às perdas e com isso obter uma maior eficiência e conseqüente lucratividade nas suas operações. Referências Bibliográficas ANNUAL SPECIAL REPORT. Publicação da Preventis Consulting, São Paulo, 2006

14 KENNETH L; Marquis. The Manager s Guide to Loss Prevention. Cornell University. New York, 2001 PARENTE, J. Varejo no Brasil: Gestão e Estratégia. São Paulo: Atlas, Série Avaliações de Perdas no Varejo Brasileiro. Ano 2002, 2003, 2004, 2005, 2006 e 2007, realizada pelo PROVAR, Associação Brasileira de Supermercado, Nielsen Consultora e Canal Varejo, e publicada e fornecida pelo PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO DO VAREJO - PROVAR: FIA/USP; http/www.provar.org.br SOBRINHO, Osvaldo A. de Oliveira. Manual Interno de Prevenção de Perdas do Grupo City Lar, Cuiabá, STEIN, George. Estratégia e Prática de Prevenção de Perdas. Apostila do Curso Realizado na FIA/USP, São Paulo,

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR 1 DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR ENEXT CONSULTORIA: SÉRIE DE WHITE PAPERS Produzido por: Gabriel Lima As informações contidas neste White Paper são

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Tendências em Gestão de Pessoas

Tendências em Gestão de Pessoas Tendências em Gestão de Pessoas Iniciamos um novo ano, 2011. Dois meses já se passaram, e voltamos aos artigos sobre RH estratégico, Tendências de Recursos Humanos, Novos Rumos para a área de Recursos

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

A Área de Marketing no Brasil

A Área de Marketing no Brasil A Área de Marketing no Brasil Relatório consolidado das etapas qualitativa e quantitativa Job 701/08 Fevereiro/ 2009 Background e Objetivos A ABMN Associação Brasileira de Marketing & Negócios deseja

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC Lara Pessanha e Vanessa Saavedra A utilização de indicadores de desempenho é uma prática benéfica para todo e qualquer tipo

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e Prof. Fernando Lopes Unidade II Administração de Cargos e Salários Conforme Chiavenato (2004, p. 267), a avaliação de cargos visa a obtenção de dados que permitirão uma conclusão acerca do valor interno

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais