VALIDAÇÃO DO PROCESSO DE LIMPEZA DE ARTIGOS ODONTO-MÉDICO-HOSPITALARES: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALIDAÇÃO DO PROCESSO DE LIMPEZA DE ARTIGOS ODONTO-MÉDICO-HOSPITALARES: UMA REVISÃO INTEGRATIVA"

Transcrição

1 Revisão de Literatura VALIDAÇÃO DO PROCESSO DE LIMPEZA DE ARTIGOS ODONTO-MÉDICO-HOSPITALARES: UMA REVISÃO INTEGRATIVA MEDICAL DEVICES AND CLEANING VALIDATION: AN INTEGRATIVE REVIEW VALIDACIÓN DE LA LIMPIEZA DE DISPOSITIVOS ODONTO-MEDICO-HOSPITALARIOS: UNA REVISIÓN INTEGRADORA PINTO, Marília de Bastos; VILAS BOAS, Vanessa Aparecida; FREITAS, Maria Isabel Pedreira de RESUMO: A limpeza do artigo após seu uso remove a matéria orgânica e reduz a carga microbiana do material, sendo esta a etapa mais importante do reprocessamento. Objetivo: Identificar na literatura metodologias reprodutíveis de validação do processo de limpeza. Método: Revisão integrativa utilizandose as bases de dados MedLine/PubMed, LILACS, BDENF e SciELO, a partir de descritores registrados nos DeCS (Descritores em Ciências da Saúde), no período de dez anos. Os artigos foram selecionados por critérios de inclusão/exclusão predefinidos e submetidos à análise de conteúdo. Resultados: De 251 estudos encontrados, seis foram analisados. Observou-se a contaminação artificial dos artigos odonto-médico-hospitalares (AOMH), sendo a limpeza automatizada mais utilizada. As principais metodologias para avaliação dos processos de limpeza foram técnicas de biologia molecular, análise microbiológica e teste de identificação de resíduos de matéria orgânica e proteínas. Conclusão: Não há métodos para limpeza de AOMH que sejam padronizados e que estejam validados. Palavras-chave: Instrumentos cirúrgicos. Avaliação de processos. Estudos de validação como assunto. Processo de limpeza. ABSTRACT: The cleaning of the device after its use removes organic matter reduces the bioburden, being the most important step of reprocessing. Objective: To identify, in the literature, reproducible methodologies for validation of cleaning process. Methods: Integrative review using the databases MEDLINE / PubMed, LILACS, SciELO and BDENF from descriptors recorded in DeCS (Descriptors in Health Sciences), within ten years. Articles were selected by criteria of inclusion / exclusion predefined and submitted to content analysis. Results: Out of 251 studies found, six were analyzed. The artificial contamination of DMHD was observed, being automated cleaning the most widely used. The main methods for evaluation of cleaning processes were molecular biology techniques, microbiological testing and identification of organic waste material and proteins. Conclusion: There are no methods for DMHD cleaning that are standardized and are validated. Key words: Surgical Instruments, Process Assessment, Validation Studies as Topic, Cleaning Process, sterilization. RESUMÉN: El artículo de limpieza después de cada uso elimina la materia orgánica y reduce la carga microbiana del material, que es el paso más importante de reprocesamiento. Objetivo: Identificar metodologías reproducibles en la literatura para validar el proceso de limpieza. Métodos: Revisión Integradora utilizando las bases de datos PubMed / MEDLINE, LILACS, SciELO y BDENF de descriptores registrados en el DeCS (Descriptores en Ciencias de la 64

2 Salud), en el período de diez años. Los artículos fueron seleccionados por criterios de inclusión / exclusión predefinidos y sometidos a análisis de contenido. Resultados: De 251 estudios que se encuentran, seis fueron analizados. Se observó la contaminación artificial de DMHD, siendo la limpieza automatizada la más utilizada. Los principales métodos para la evaluación de los procesos de limpieza fueron las técnicas de biología molecular, las pruebas microbiológicas y la identificación de los residuos orgánicos y proteínas. Conclusión: no hay métodos para la limpieza DMHD que están estandarizados y validados. Palabras clave: Instrumentos Quirúrgicos, Evaluación de Proceso, Estudios de Validación como Asunto, Proceso de Limpieza, Esterilización INTRODUÇÃO Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicou a Resolução Específica - RE 2.606, de 11 de agosto de 2006, que dispõe sobre as diretrizes para elaboração, validação e implantação de protocolos de reprocessamento de produtos médicos³. O item XII do artigo 1 define protocolo de reprocessamento como a descrição de todos os procedimentos na realização do reprocessamento do produto médico e que deve ser instituído por meio de instrumento normativo interno do estabelecimento de saúde. Esse protocolo deve ser validado por meio da execução de protocolos-teste estabelecidos pela equipe da instituição de saúde 3. Além disso, o item XVI do mesmo artigo estabelece que a validação deve ser um processo estabelecido por evidências documentadas que comprovem que a atividade específica de reprocessamento estabelecida esteja em conformidade com as especificações predeterminadas, atendendo ao requisitos de qualidade³. O Centro de Material e Esterilização (CME) é, por excelência, o local da instituição de saúde onde é realizado o reprocessamento dos artigos odonto-médico-hospitalares (AOMH) e no qual se busca o aprimoramento, tanto das técnicas de limpeza¹, quanto das técnicas de preparo e esterilização. O processo de limpeza visa a remoção de sujidade visível e, por consequência, a retirada da carga microbiana inicial do material¹. Como adjuvante no processo, utiliza-se detergente enzimático. A utilização destes produtos, juntamente com a limpeza mecânica na rotina diária do CME, pode proporcionar a redução da sobrecarga de trabalho no setor². A limpeza automatizada dos AOMH com o uso de lavadoras termodesinfectadoras ou ultrassônicas, permite a lavagem de maior volume de instrumentos cirúrgicos e outros artigos, otimizando essa etapa do reprocessamento e liberando recursos humanos para os procedimentos seguintes, como secagem e inspeção final do material. Devido à necessidade de protocolos bem estabelecidos e validados do processo de limpeza, a Agência Recentemente, devido ao aumento da frequência de surtos de infecção hospitalar ocasionados pela Mycobacterium, foi publicada a Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 75, de 27 de outubro de 2008, que dispõe sobre a comprovação da eficácia de agentes esterilizantes e desinfetantes hospitalares para artigos semi-críticos frente a micobactérias das espécies abscessus e massiliense 4. Para garantir a segurança ao cliente, com base na sistematização do reprocessamento, é necessária a avaliação e a validação dos artigos e dos equipamentos, com possibilidade de rastreabilidade do processo de limpeza dos artigos, para que a competência possa ser demonstrada e assegurar uma prática realizada com qualidade 5. Considerando-se que o Brasil não possui normas para operacionalização da avaliação das lavadoras 5 e a necessidade da utilização desses equipamentos para uma limpeza efetiva de artigos mais complexos, este estudo teve por finalidade realizar uma revisão integrativa da literatura publicada sobre o tema validação de processos de limpeza de AOMH críticos. 65

3 OBJETIVO especificamente. Identificar, na literatura, metodologias reprodutíveis de validação do processo de limpeza de artigos odonto-médico-hospitalares classificados como críticos. MÉTODO Esta revisão da literatura teve como questão norteadora: Existem métodos sistematizados de limpeza, descritos na literatura, que forneçam subsídios para validar o processo de limpeza de AOMH e que diminuam o risco de infecção ao cliente submetido a procedimentos invasivos? Para sua realização, foram utilizados os artigos indexados nas bases de dados LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde), BDENF (Base de Dados de Enfermagem), MedLine/PubMed (Medical Literature Analysis and Retrieval System Online) e SciELO (Scientific Electronic Library Online). Os descritores utilizados estavam todos registrados no MeSH (Medical Subject Headings) e nos DeCS (Descritores em Ciências da Saúde), quais sejam: Validation studies as topic; Method e surgical instruments. As palavras utilizadas para complementar a pesquisa foram: Cleaning, Validation, Validação e Limpeza. Foi utilizado o conector boorleano AND. Foi feita a busca por artigos em língua portuguesa, inglesa e espanhola, publicados desde 1999 até os dias atuais, que estavam indexados e que utilizavam os descritores escolhidos, em um período de dez anos para a revisão bibliográfica. Os critérios para inclusão dos artigos analisados foram: estar no período estabelecido; estar relacionado ao objetivo proposto; e fornecer dados que possibilitassem a aplicação da validação do processo de limpeza. Os critérios de exclusão do estudo foram: publicações fora do período estabelecido; artigos não indexados nas bases de dados selecionadas e artigos que não se referiam a processos de limpeza e nem validação de processos de limpeza de AOMH, Foram também excluídos trabalhos referentes à contaminação por prions e os métodos de limpeza para sua eliminação, uma vez que esse microrganismo não é, no momento, prioridade dentro do tema. Apenas um trabalho científico com utilização de contaminação com prions de forma experimental foi utilizado nesta revisão, por possuir metodologia de limpeza e validação muito bem especificados, facilitando sua reprodutibilidade e podendo servir de base para estudos futuros. Após seleção dos artigos, por título e resumo, foi realizada leitura cuidadosa e análise de conteúdo. Para isso, usou-se o instrumento modificado de Ursi e Galvão 6, que aborda cinco aspectos relevantes nos estudos encontrados e utilizados na coleta dos dados da revisão, quais sejam: identificação do estudo, autores, intervenção estudada, resultados e recomendações, e conclusões. Além desses, abordou-se ainda a metodologia utilizada, para deixar explícita a metodologia utilizada nos artigos que foram selecionados, objetivo proposto, objetivo alcançado e análise, a fim de se obter dados mais claros para análise individualizada. RESULTADOS Em cada uma das bases pesquisadas, os resultados foram os seguintes: na PubMed foram encontrados cinco artigos e, destes, três foram selecionados para a revisão; na LILACS foram encontrados 12 artigos e quatro foram selecionados para a revisão; na MedLine, foram encontrados 223 artigos e selecionados três; na base SciELO foi encontrado um artigo, que foi selecionado para a revisão; na base BDENF, seis artigos foram encontrados e três selecionados. Para seleção dos artigos em cada uma das nas bases de dados, foi realizada a leitura do título e do resumo de todos os trabalhos encontrados. Foram excluídos os trabalhos que se não referiam ao tema de validação de limpeza de AOMH, que não 66

4 estavam indexados nas bases escolhidas e que não obedeciam ao período de tempo estabelecido, conforme os critérios de exclusão estabelecidos. Das 14 referências utilizadas para a revisão integrativa, oito foram excluídas. Dessas oito, quatro referências eram repetidas e quatro não se adequaram ao tema da revisão, utilizando-se, então, para análise neste trabalho seis referências bibliográficas (Quadro 1). Quadro 1. Seleção dos artigos que fizeram parte da amostra do estudo, segundo bases de dados. Base de dados Artigos Artigos selecionados Artigos que encontrados por título e resumo entraram na revisão MedLine LILACS BDENF PubMed SciELO Total Para classificação dos estudos quanto à cientificidade, utilizou-se a classificação de Stetler 7. Foram utilizados dois estudos experimentais e randomizados, classificados em nível II de evidência e dois estudos experimentais não randomizados, classificados em nível III. Durante a busca pelos artigos, obedecendo aos critérios de inclusão e exclusão estabelecidos, foram encontrados dois trabalhos 8-9 relacionados com validação de limpeza de AOMH. Esses dois estudos não se entraram na revisão por não serem artigos científicos elaborados com metodologia rigorosa. Caracterizam-se por trazerem apenas uma apresentação de conteúdos diversos sobre o tema; no entanto, não trouxeram conhecimentos novos ou metodologia aplicável. Entre as publicações utilizadas nesta revisão, duas eram internacionais, publicadas em revistas médicas, classificadas como estudos randomizados e experimentais e duas eram nacionais, publicadas em revistas de enfermagem, classificadas como experimentais e não-randomizadas 5,12. No que se refere aos métodos de limpeza e desinfecção utilizados (Quadro 2), um estudo realizado na Suécia 10 desenvolveu um método que pudesse ser utilizado para validar processos de limpeza de instrumentos laparoscópicos sob o aspecto quantitativo. Os instrumentos foram contaminados artificialmente, com suspensões bacterianas com 106log de Escherichia coli e Bacillus subtillis, variedade níger, com secagem desse material por 30 minutos. Como método de limpeza, foi usada a lavadora desinfectadora, contendo detergente enzimático, em ciclo regular para lavagem, desinfecção e secagem do material por um minuto, à temperatura de 90ºC. Os AOMH foram embalados e transportados para o laboratório onde foi borrifada com seringa, 10 ml de solução salina de PBS (Phate-Bufferd Saline) nos artigos canulados. Os AOMH sólidos foram imersos em 10 ml dessa solução e abertos e fechados por 25 vezes, passando por agitação em banho ultrassônico. Esses lavados foram então incubados em ágar-sangue por 48 horas a 36ºC. Depois disso, foi realizada a contagem de unidades formadoras de colônia (UFC), comprovando ou não a eficiência da limpeza e da desinfecção realizada pelo equipamento. 67

5 Quadro 2. Classificação dos artigos selecionados, segundo autores, ano, local, métodos de desinfecção e validação de limpeza. Autores, ano, local Método limpeza e desinfecção Tipo de instrumental utilizado Método de validação de limpeza Microrganismo utilizado na contaminação artificial Bergo, 2006, Brasil 5 Lavadora termodesinfectadora usando programas com diferentes tempos e temperaturas. Instrumentais cirúrgicos diversos. Identificação de resíduos e proteínas e análise Sangue de placenta após parto normal. Ransjö et al, 2001, Suécia 10 Lavadora desinfetadora com detergente enzimático, em ciclo regular a 90 o C. Itens de instrumentos laparoscópicos, da marca Karl Storz Endoskop Sverige AB: trocartes, mandril, cânulas, tesouras, tubos, pinças e válvulas. Análise Suspensões bacterianas de Escherichia coli e Bacillus subitillis variedade níger. Lemmer et al, 2004, Alemanha 11 Desinfecção com hipoclorito de sódio, ácido peracético, limpador alcalino, hidróxido de sódio, ácido acético + hidróxido de sódio, tiocinato de guanidina, uréia + SDS. Fios de aço DIN- nº , Forestadent, com diâmetro de 0,25mm. Western- Bloot e SDS- PAGE. Proteínas-prion patogênicas PrP Sc /PrP Bergo e Graziano, 2003, Brasil 12 Lavadora termodesinfectadora usando programas com diferentes tempos e temperaturas. Raspa acetabular, raspa femoral, pinça Crile, pinça Kelly, pinça Hartman, pinça de Backey, Kerrison, pinça vascular Glover, entre outros. Identificação de resíduos e proteínas e análise Não houve contaminação artificial. 68

6 Ransjö et al 10 demonstraram que em todos os experimentos com Enterococcus faecallis, antes da desinfecção, mostrou >10 6 bacterias/ml e pós-desinfecção não mostrou crescimento. Nos experimentos com Bacillus subitillis, trocarte grande, mandril grande, válvula fixa, trocarte pequeno, mandril pequeno, cânula e mandril Verres, tubos de tesouras, tubos de ganchos mostraram uma redução média de 7 10 log quando conectados aos carros de lavagem por meio de funis ou outros conectores. Tesouras e pinças mostraram redução de log, caso pudessem ser desmontadas. Instrumentos de uma peça colocados na parte inferior do carro de lavagem demonstraram redução de 3 10 log, mas isso melhorou significativamente quando esses instrumentos foram adaptados no carro de lavagem. Pequenos objetos (válvulas fixas, móveis e ganchos) mostraram redução média de 4 10 log. Os tubos das tesouras foram limpos nos dois tipos de conexão. A colocação das tesouras nas caixas diminuiu a contaminação restante significativamente. Colocar as pinças nos adaptadores ou nas caixas não modificou a contaminação significativamente, em comparação com a bandeja. Na Alemanha, um estudo realizado em , analisou a contaminação residual sob diferentes condições e agentes químicos, em lotes de fios de aço reprocessados e posteriormente contaminados com 263K de fragmentos de cérebro de hamster, homogeneizado, contendo proteínas prion-patogênicas PrP Sc /PrP27-30 e para a etapa de limpeza e desinfecção foram usados: hipoclorito de sódio, ácido peracético, limpador alcalino, NaOH, ácido acético com NaOH, tiocinato de guanidina e ureia com SDS. A diminuição total de PrP Sc /PrP27-30 em cada corpo de prova foi monitorada por meio de SDS-PAGE e Western Blotting. Para isso, lotes de 30 fios foram incubados em porções de 500μl dos vários reagentes num termomixer a 400rpm em tempo e temperaturas específicos. Posteriormente, as soluções de limpeza foram diretamente misturadas na proporção 1:1 com duas vezes uma solução-tampão e fervida por cinco minutos ou submetida à digestão por proteínaquinase (PK). Depois, 10μl das soluções de limpeza foram diluídas em 42μl de TBS-Sarkosyl contendo 150mg de PKμl -1, incubados, então por uma hora a 30 C e misturados, subsequentemente, na proporção de 1:1 também com duas vezes a solução-tampão e finalmente, fervida por cinco minutos. SDS-PAGE e Westerning Blotting, foram então realizados, com alíquotas de 20μl dessas amostras. Os experimentos mostraram que, em condições apropriadas, reagentes leves como SDS 0,2% e MaOH 0,3%, limpadores alcalinos disponíveis comercialmente, desinfetante contendo 0,2% de ácido peracético e baixa concentração de NaOH ou SDS 5% exercem potente ação desontaminante sobre PrPSc impregnado na superfície dos corpos de prova. Nos estudos realizados no Brasil 5,12, o método de limpeza utilizado foi o automatizado, com lavadora termodesinfectadora. Foi avaliado o desempenho de equipamentos para limpeza e desinfecção de artigos, usando programas com diferentes tempos e temperaturas, preconizados por órgãos oficiais distintos. Foi feito o cálculo e a análise da taxa de letalidade mínima e do nível de segurança de desinfecção, comparando-as com o cálculo teórico requerido de acordo com a norma ISO e do cálculo teórico e com termopares, de acordo com as normas BGA, DHSS/HTM, RIVM, SPRI/SIS e no ciclo com tempo e temperatura de pasteurização. A qualificação de desempenho do equipamento foi realizada por equipe especializada, com ciclos vazios e com carga. Realizaram contagem de UFC antes e depois da lavagem. Os testes para detecção de resíduos de sujidade e proteínas foram: Biotrace-Protect, Kit-proteína Miele e testes de resíduo Soil-Test. Bergo 5 demonstrou que os resultados da média da carga microbiana viável inicial encontrada dos AOMH que foram avaliados foram de 10 8 UFC e o da carga microbiana viável verificada na avaliação, após os processos de termodesinfecção pautados nos tempos e temperaturas estabelecidos nas diferentes normas. Foi observado também que no ciclo com tempo e temperatura de pasteurização não houve crescimento, com um resultado expresso por <10² UFC. 69

7 Em relação aos instrumentos utilizados, os estudos usaram itens de instrumento laparoscópicos da marca Karl Storz Endoskop Sverige AB: trocartes, mandril, cânulas, tesouras, tubos, pinças e válvulas 10 ; fios de aço DIN nº , Forestadent, com diâmetro de 0,25 mm, cortados em pequenos pedaços de 5mm 11 e 514 instrumentais diversos 12. Em Bergo 5, os instrumentos escolhidos não são mencionados e são citados os instrumentos em que foram identificados resíduos de contaminação com o teste Soil-Test: Cizalia Ruskin, Goiva Leksell, Goiva Luer Stille, Cizalia e Kerrison. No que se refere à metodologia, todos os estudos selecionados possuem metodologia reprodutível. Ransjö et al 10 descreveram a metodologia de validação microbiológica que pode ser reproduzida em estudo posterior. Lemmer et al 11, usando técnicas de biologia molecular, descrevem todos os passos realizados para garantir a fixação do microrganismo no instrumental a ser testado no estudo e o processo de limpeza monitorado pelos métodos de SDS-PAGE e Western Blotting, caracterizando a reprodutibilidade do estudo. Os estudos brasileiros 5,12 também trazem sistematizada a metodologia de realização dos trabalhos, facilmente reprodutíveis. 11, observou-se ter sido realizada a contaminação artificial dos AOMH com diferentes microrganismos e com matéria orgânica. O estudo sueco 10 utilizou suspensões bacterianas de Escherichia coli e Bacillus subitillis variedade níger; o estudo feito na Alemanha 11 utilizou tecido cerebral contaminado com proteínas-prion patogênicas PrP Sc /PrP27-30 e o estudo brasileiro de Bergo 5 utilizou sangue de placenta, após parto normal, para contaminação dos instrumentos. Os estudos sugerem que, para haver garantia de que houve remoção das espécies de microrganismos presentes nos AOMH, é necessário o uso de microrganismos-controle. Após a contaminação artificial, para fixação das espécies, recomenda-se a secagem do artigo por tempos determinados em temperatura ambiente, sendo que Ransjö et al 10, e Lemmer et al 11 estabeleceram 30 minutos e Bergo e Graziano 12 estabeleceram uma hora. Essa etapa é importante e deve ser seguida para garantir uma contaminação significativa dos instrumentos. Também pode simular a situação real do tempo que o material, após o uso, aguarda ser encaminhado ao expurgo para iniciar o processo de limpeza, a fim de remover a matéria orgânica aderida. DISCUSSÃO Com os avanços da medicina moderna e a introdução de novas técnicas cirúrgicas, torna-se cada vez mais importante e necessário garantir a segurança do paciente que é submetido a procedimentos invasivos, de forma a se evitar a transmissão de infecção decorrente do ato cirúrgico. Assim, todo AOMH utilizado deve estar esterilizado, livre de quaisquer microrganismos que possam vir a provocar infecção, mesmo que sejam considerados saprófitos ou nãopatogênicos. Deve-se atentar para todas as etapas no reprocessamento do artigo, pois, para se obter sucesso no processo de esterilização, é necessário garantir sua limpeza. Em três dos quatro estudos incluídos nesta revisão 5,10- Ransjö et al 10 usaram instrumentos que são utilizados em cirurgias laparoscópicas, quais sejam: trocartes grandes e pequenos com mandril, válvulas de mola e válvulas fixas, cânulas com mandril, pinças, tesouras e ganchos. Lemmer et al 11 utilizaram fios de aço como corpos de prova, e Bergo e Graziano 12 utilizaram os AOMH empregados em procedimentos cirúrgicos de rotina: raspa acetabular, raspa femoral, pinça Crile, pinça Kelly, pinça Hartman, pinça de Backey, Kerrison, pinça vascular Glover, entre outros que não foram mencionados no trabalho. Esses instrumentais caracterizam-se por apresentarem conformação complexa, o que poderia interferir no processo de limpeza. Em relação aos processos de limpeza, a limpeza automatizada foi a metodologia mais utilizada, sendo 70

8 realizada pela lavadora termodesinfectadora, equipamento com alto poder de limpeza e termodesinfecção. Os estudos que se utilizaram da lavadora para a limpeza 5,10,12 fazem uso de detergente enzimático como agente na desinfecção. Os testes de eficácia do equipamento foram realizados em ciclos regulares, com e sem carga, reproduzindo as etapas do processo de limpeza e desinfecção realizados nas instituições hospitalares. Nos estudos de Bergo e Graziano 12 e de Bergo 5 houve validação do equipamento por equipe especializada. Lemmer et al 11 realizaram o processo de desinfecção química. Para a limpeza automatizada, é importante enfatizar a necessidade de validação do equipamento utilizado por equipe especializada, para assegurar o correto funcionamento da lavadora. Para validação dos processos de limpeza, constatou-se que as principais metodologias utilizadas são: técnicas de biologia molecular, análise microbiológica e teste de identificação de resíduos de matéria orgânica e proteínas. Os testes de biologia molecular identificados foram aqueles que determinaram se houve degradação de príon-proteínas patogênica: Western-Bloot e SDS-PAGE 11. É importante mencionar que esses métodos são efetivos e seguros; no entanto, são caros. O que dificulta sua utilização nas instituições hospitalares. Os estudos de Bergo e Graziano 12, Bergo 5 e Ranjö et al 10 apresentam análise microbiológica como método de escolha na validação de limpeza. Além da análise microbiológica, foi utilizada, nesses estudos, a identificação de resíduos e proteínas com a utilização de testes específicos. Os instrumentos utilizados como corpos de prova demonstram que sua complexidade e seu posicionamento no equipamento interferem no processo de limpeza 10. CONCLUSÃO A seleção dos artigos científicos nas bases de dados pesquisadas (PubMed, LILACS, MedLine, SciELO e BDENF), com recorte temporal de dez anos, resultou na análise de seis referências, sendo duas em português e quatro em inglês. Os estudos encontrados possuem metodologias reprodutíveis para aplicação nos artigos e equipamentos descritos, por se tratarem de métodos rigorosos, em que os objetivos propostos foram alcançados, com níveis de evidência II e III. Porém, não existem, registrados na literatura, métodos para limpeza de AOMH que sejam padronizados e que estejam validados. REFERÊNCIAS 1. Graziano KU, Balsamo AC, Lopes CLBC, Zotelli MFM, Couto AT, Paschoal MLH. Critérios para avaliação das dificuldades na limpeza de artigos de usoúnico. Rev Lat Am Enferm. 2006;14(1): Schmidt DRC, Yonekura CSI, Gil RF. Instrumento para avaliação de detergentes enzimáticos. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(2): Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RE n. 2606, de 11 de agosto de Dispõe sobre as diretrizes para validação, elaboração e implantação de protocolos de reprocessamento de produtos médicos e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 14 ago Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC n. 75, de 23 de outubro de Dispõe sobre a comprovação de eficácia de esterilizantes e desinfetantes hospitalares para artigos semi-críticos frente às micobactérias Mycobacterium abscessus e Mycobacterium massiliense e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 27 out Bergo MCNC. Avaliação do desempenho da limpeza e desinfecção das máquinas lavadoras desinfectadoras automáticas em programas com diferentes tempos e temperaturas. Rev Lat Am Enferm [Internet] [citado 2011 jul 07];14(5). Disponível em: 71

9 6. Ursi ES, Galvão CM. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Rev. Lat Am Enferm. 2006;14(1): Stetler CB, Morsi D, Rucki S, Broughton S, Corrigan B, Fitzgerald J, et al. Utilization-focused integrative reviews in a nursing service. Appl Nurs Res. 1998;11(4): Griep R, Picolli M. Validação dos processos de limpeza e desinfecção dos artigos de inaloterapia e oxigenoterapia. Cogitare Enferm. 2002;7(2): Oliveira AC, Lucas TC. Desafios e limitações da validação dos materiais de uso-único: um artigo de revisão. Online Braz J Nurs. 2008;7(1). 10. Ransjö U, Engström L, Hakansson P, Ledel T, Lindgren L, Linquist A-L, et al. A test for cleaning and disinfection processes in a washer- disinfector. APMIS. 2001;109(4): Lemmer K, Mielke M, Pauli G, Beekes M. Decontamination of surgical instruments from prion proteins: in vitro studies on the detachment, destabilization and degradation of PrPSc bound to steel surfaces. J Gen Virol. 2004;(85): Bergo MCNC, Graziano KU. Validação das máquinas lavadoras desinfectadoras automáticas conforme ISO e HTM Rev Enferm UERJ. 2003;11(2): Autoras Marília de Bastos Pinto Enfermeira Especialista em Controle de Infecção Hospitalar do Hospital e Maternidade Metropolitano de São Paulo. Vanessa Aparecida Vilas-Boas Enfermeira Mestre em Enfermagem, Enfermeira do Centro Cirúrgico do Hospital da Mulher Prof. José Aristodemo Pinotti, Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM/UNICAMP). Maria Isabel Pedreira de Freitas Enfermeira Mestre e Doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (USP), Professora Associada do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM/UNICAMP). 72

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br

Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores de Limpeza O que há de novo? Andréa Alfaya Acuña andrea.acuna@hsl.org.br Indicadores São valores ou variáveis associadas a uma atividade que nos indicam alguma relação, são medidas quantitativas

Leia mais

Legislação Nacional sobre Reprocessamento de Artigos Hospitalares

Legislação Nacional sobre Reprocessamento de Artigos Hospitalares Agência Nacional de Vigilância Sanitária Legislação Nacional sobre Reprocessamento de Artigos Hospitalares Luiz Carlos da Fonseca e Silva GINFS/GGTES As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL

ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL ATIVIDADES DE ENFERMAGEM NO CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA O DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL Janaína Anchieta Costa Enfermeira Mestre em Enfermagem na área de Administração em Serviços de

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde 2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde * Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA

GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA GETINGE FD1800 LAVADORAS DESINFECTORA 2 Getinge FD1800 Getinge FD1800 3 COMPROVADAS NA LUTA CONTRA A INFECÇÃO CRUZADA O excelente desempenho de lavagem e desinfecção da Getinge FD1800 garantiu-lhe o respeito

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

NORMAS ASHER- ARDS AND

NORMAS ASHER- ARDS AND VALIDAÇÃO DAS MÁQUINAS LAVADORAS ADORAS DESINFECT ESINFECTADORAS AUTOMÁTICAS CONFORME NORMAS ISO 15.883 E HTM 2030 VALID ALIDATION OF AUTOMA UTOMATIC TIC MEDIC EDICAL WASHER ASHER- DISINFECTORS ACCORDING

Leia mais

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T.

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T. PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO Nome do autor Patrícia M.T. Abib Os Procedimentos Endoscópicos são métodos utilizados para diagnósticos precisos e terapias invasivas de várias especialidades, incluindo gastroenterologia,

Leia mais

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico.

Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. 2º WORKSHOP DE PROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTAGEM-MG Controle do processo de esterilização: Monitoramento físico, químico e biológico. TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA A Verdadeira obra

Leia mais

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde.

O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. O que é o CME? Segundo a RDC 15, a CME é classificada como: Unidade funcional destinada ao processamento de produtos para saúde dos serviços de saúde. A CME é uma unidade nobre do hospital responsável

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio

OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio OFICINA: Limpeza: Foco em Carregamento de Termolavadora e Lavadora Ultrasônica Coordenador: Ligia Garrido Calicchio São Paulo -2012 Introdução A esterilização bem sucedida dos instrumentais cirúrgicos

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do

Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do Efetividade no processo de desinfecção de escovas de cabelo utilizadas em salões de beleza da cidade de São Carlos por meio da utilização do equipamento SHIVA da empresa Bio Art. 2007 Efetividade no processo

Leia mais

Limpeza é fundamental!

Limpeza é fundamental! Limpeza é fundamental! Limpeza é absolutamente fundamental quando o assunto é a produção de alimentos de forma higiênica. A prioridade é evitar a proliferação de germes e eliminar corpos estranhos. Além

Leia mais

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL Hospital e Maternidade Municipal Dr. Adelmo Leão Carneiro. Data:1/10/2011 Responsáveis: Enf.ª Aparecida Gomes e Fabiana Comparativo: Detergente Enzimático Riozime Neutro Plus e Endozime Xtreme Power (XP)

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO Enfª Assione Vergani - VISA CONCEITO É o documento que expressa o planejamento do trabalho repetitivo que deve ser executado para o alcance

Leia mais

Maria Edutania Skroski Castro

Maria Edutania Skroski Castro 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL

GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL GETINGE FD1600 LAVADORA DE DESCARGA COM ABERTURA FRONTAL 2 Getinge FD1600 Getinge FD1600 3 COMBATENDO A INFECÇÃO CRUZADA DE MANEIRA SIMPLES E EFETIVA Com seu projeto moderno e atraente, operação fácil

Leia mais

EFICIÊNCIA DO DETERGENTE ALCALINO NO PROCESSO DE LIMPEZA

EFICIÊNCIA DO DETERGENTE ALCALINO NO PROCESSO DE LIMPEZA EFICIÊNCIA DO DETERGENTE ALCALINO NO PROCESSO DE LIMPEZA Stéfanni Cerboncini Reina Enfermeira formada pela USP, pós graduanda em CCIH pela UNIFESP. Coordenadora de treinamento na área de desinfecção e

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA 19. A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA Enf.ª M.Sc. Elaine Lasaponari COREN SP.nº68.582 CME E CIRURGIA SEGURA : UMA EXIGÊNCIA NO SÉCULO XXI Cultura para cirurgia Cirurgia segura Segura Pode

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 046/2013. PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165

PARECER COREN-SP CT 046/2013. PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165 PARECER COREN-SP CT 046/2013 PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165 Ementa: Limpeza concorrente e terminal, responsabilidade e maneira de execução. 1. Do fato Enfermeira questiona se há necessidade

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Instrumental Cirúrgico Ortopédico

Instrumental Cirúrgico Ortopédico Instrumental Cirúrgico Ortopédico Os médicos e cirurgiões que assistem pessoas visando manter ou restabelecer apropriadamente a estrutura do corpo e suas funções são conhecidos como Ortopedistas. São profissionais

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos Rafael Queiroz de Souza São Paulo 2014 Aspectos críticos Críticos no bom sentido... Gestão de ambientes Gestão de pessoas

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

getinge 6000 A LAvAdorA-desinfectorA totalmente AutomáticA

getinge 6000 A LAvAdorA-desinfectorA totalmente AutomáticA getinge 6000 A Lavadora-Desinfectora totalmente automática 2 Getinge 6000 Getinge 6000 3 FAZENDO A DIFERENÇA NO CONTROLE DE INFECÇÃO A Getinge 6000 é uma lavadora desinfectora totalmente automática para

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO

RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO Os Trabalhos publicados são de total responsabilidade dos respectivos autores. 1 - CÓD. 792 CONSCIENTIZAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DA CME SOBRE A IMPORTÂNCIA DO

Leia mais

Eng. Paulo Roberto Laranjeira

Eng. Paulo Roberto Laranjeira Eng. Paulo Roberto Laranjeira 02/04/2014 April 2014 Enf. Giovana Abrahão de Araújo Moriya e-mail: giovana.moriya@einstein.br - Tel: 11-97166-2521 Quais os passos? RDC NO 15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 Dispõe

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 055/2013. PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307.

PARECER COREN-SP CT 055/2013. PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307. PARECER COREN-SP CT 055/2013 PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307.669 Ementa: Limpeza, desinfecção e esterilização de material odontológico:

Leia mais

Novas tecnologias para o monitoramento da limpeza

Novas tecnologias para o monitoramento da limpeza 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Novas tecnologias para o monitoramento da limpeza Farm. André Cabral Contagem, 18 de Maio de 2010 Complexidade dos instrumentais: do mais simples...

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes.

ENISO 15883-1: 2009 Máquinas de lavar e desinfectar. Parte1: Requisitos gerais, termos, definições e testes. 1 INTRODUÇÃO É consenso que a primeira e mais importante etapa do processo de esterilização de produtos para saúde é a etapa de limpeza. As etapas subseqüentes como desinfecção e esterilização são necessárias

Leia mais

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em

Leia mais

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 3as Jornadas APHH 1 Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 Alexandra Coelho 2 Fabrico de Dispositivos Médicos PME Líder ISO 9001 ISO 13485 Marcação CE, Dispositivos Médicos classe I

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes 223 ZENTRALSTERILISATION 13. Jahrgang 2005 O grupo de qualidade promoveu um checklist

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

Desinfecção de alto nível e o horizonte além do glutaraldeído: mitos e realidades sobre as opções Eliane Molina Psaltikidis

Desinfecção de alto nível e o horizonte além do glutaraldeído: mitos e realidades sobre as opções Eliane Molina Psaltikidis Desinfecção de alto nível e o horizonte além do glutaraldeído: mitos e realidades sobre as opções Eliane Molina Psaltikidis Comitê Técnico de Qualidade HC-Unicamp Docente do Centro Universitário São Camilo

Leia mais

Caixa plástica retornável para hortícolas Recebimento e higienização Requisitos e métodos de ensaio

Caixa plástica retornável para hortícolas Recebimento e higienização Requisitos e métodos de ensaio Caixa plástica retornável para hortícolas Recebimento e higienização Requisitos e métodos de ensaio Vegetables and fruits plastic crates XXX Requirements and test methods Palavras-chave: Plástico. Caixa.

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1.

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para atualização

Leia mais

BROCAS CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM

BROCAS CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM S CIRÚRGICAS INTRA LOCK SYSTEM (Brocas Cirúrgicas Odontológicas) INFORMAÇÕES DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO As Brocas Cirúrgicas fazem parte do sistema INTRA-LOCK SYSTEM. Deste grupo de instrumentais fazem

Leia mais

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T.

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T. Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013 Equipe Técnica: T -Ingrid Weber Neubauer -Maria Angela Kfouri S.G.Tenis -Maria do Carmo

Leia mais

A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS

A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS A pesquisa textual em bases de dados e os recursos disponíveis no âmbito da Biblioteca Virtual em Saúde - BVS Competência informacional é um conjunto de competências de aprendizagem e pensamento crítico

Leia mais

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Recomendação n.º 09/2002 TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA Um dos principais problemas que se

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta

22/08/2007 DEFINIÇÃO PORQUE VALIDAR? Gerson R. Luqueta. Gerson R. Luqueta VALIDAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONFORME NORMATIZAÇÃO (ênfase em processos de esterilização) VALIDAÇÃO DO PROCESSO DEFINIÇÃO Procedimento documentado para obtenção, registro e interpretação de resultados desejados

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Em decorrência das infecções causadas por micobactéria,

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS Protocolo: Nº 23 ELABORADO POR: Frederico Willer Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Leia mais

REFLEXIONES - ENSAYOS

REFLEXIONES - ENSAYOS REFLEXIONES - ENSAYOS EVOLUÇÃO DAS CENTRAIS DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: HISTÓRIA, ATUALIDADES E PERSPECTIVAS PARA A ENFERMAGEM EVOLUCIÓN DE LAS CENTRALES DE MATERIAL Y ESTERILIZACIÓN: HISTORIA, ACTUALIDAD

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS

ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS ENCONTRO SOBRE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS LIMPEZA E PREPARO DE MATERIAIS CONTROLE DO PROCESSO: MONITORAMENTO DA LIMPEZA (RESULTADO) Enfa.TERESINHA NEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

Responsabilidades/Autoridades. Supervisionar e garantir o cumprimento das atividades Bioquímicos

Responsabilidades/Autoridades. Supervisionar e garantir o cumprimento das atividades Bioquímicos 1/7 1. OBJETIVO Padronizar o procedimento de operação da autoclave. O laboratório disponibiliza de duas autoclaves, sendo uma de uso exclusivo para esterilização e outra exclusiva para descontaminação.

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo

Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo INFARMED Circular Informativa N.º 170/CD Data: 14/10/2008 Assunto: Reprocessamento de Instrumentos Cirúrgicos reutilizáveis cedidos ao SNS em regime de empréstimo Para: Direcção Geral de Saúde, Instituto

Leia mais

Processamento de artigos para terapia ventilatória: revisão da literatura nacional

Processamento de artigos para terapia ventilatória: revisão da literatura nacional http://dx.doi.org/10.4322/sobecc.2014.014 ARTIGO DE REVISÃO Processamento de artigos para terapia ventilatória: revisão da literatura nacional Ventilatory therapy processing supplies: a review of the Brazilian

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI nº 100.547 Tickets nº 280.023, 280.980, 281.285, 281.909, 284.347, 284.740, 285.789, 288.464, 291.884, 295.419, 297.886. Ementa: Carro de emergência: composição, responsabilidade

Leia mais

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Os estojos autoclaváveis são usados para acondicionamento, guarda e garantir a esterilização segura na autoclavagem. Foram desenvolvidos em materiais que suportam

Leia mais

MONTESOL Lavagem das fossas nasais

MONTESOL Lavagem das fossas nasais MONTESOL Lavagem das fossas nasais 2009 PARI GmbH Spezialisten für effektive Inhalation, 177D1013-C1-08/09 1 3 4 2 3 4 1 4 2 2 a b 1 2 5 2 1 3 6 4 8 4 1 3 7 9 4 1 2 EN PT Manual de instruções Leia este

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções)

Leia mais