Cálculo das Cotas por Segmento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo das Cotas por Segmento"

Transcrição

1 Cálculo das Cotas por Segmento Considerações Gerais: O cálculo de cotas descrito neste documento tem o objetivo de monitorar a performance dos investimentos das entidades por segmento e consolidada. Na sua elaboração, foram seguidos os seguintes princípios: ƒ ƒ As cotas por segmento devem refletir rentabilidades brutas de CPMF, IRRF e custos administrativos da entidade, exceto as taxas de administração e performance que terão tratamento diferenciado. As cotas por segmento devem refletir rentabilidades líquidas de taxa de administração e performance que devem estar apropriadas por regime de competência diária (*). ƒ As cotas consolidadas da entidade devem refletir as rentabilidades pradas dos diversos segmentos e, adicionalmente, devem refletir o impacto dos custos administrativos globais da entidade que devem estar apropriados por regime de competência mensal. (*) Sempre que houver a necessidade de se alocar ou ratear taxas de administração e performance entre os diversos segmentos, o procedimento para tal deve seguir padrões técnicos e consistentes no decorrer do tempo.

2 Segmento de Renda Fixa: 1.1 Devem ser calculadas cotas diárias, informando como cota mensal a correspnte ao último dia útil do mês de referência. A entidade deve, portanto, manter registro do valor das cotas para todos os Planos e Segmentos para todos os dias úteis. 1.2 Os valores das cotas devem ser informados arredondados com 5 (cinco) casas decimais. A cota inicial para todos os segmentos e plano de todas as instituições deverá ter valor de 100, A data desta cota será 28/12/ O valor da cota dos dias subsequentes deverá ser calculado através da fórmula: CRF n = CRF n-1 x I n CRF n = Valor da cota do Segmento Renda Fixa no dia n; CRF n-1 = Valor da cota do Segmento Renda Fixa no dia útil imediatamente anterior ao dia n ; I n = Índice de correção da cota do dia n, que deve ser calculado a partir da seguinte fórmula: A n - MRF n I n = A n-1 A n = Valor dos Ativos do Segmento e Plano no dia n avaliados pelo método contábil em vigor; A n-1 = Valor dos Ativos do Segmento e Plano no dia útil imediatamente anterior ao dia n avaliados pelo método contábil em vigor; MRF n = Valor das movimentações relativas ao Segmento de Renda Fixa ocorridas no dia n. Como valores de A n e A n-1, para o cálculo da cotas, devem ser considerados os somatórios dos valores de todos os ativos que compõem a carteira de renda fixa da entidade e que estão alocados ao Plano que está sendo considerado, ou seja, aqueles descritos na Seção I do Regulamento Anexo à Resolução no do CMN, de 30 de março de 2001, observando os ajustes abaixo:

3 Não devem ser considerados os valores nominais dos contratos de operações de swap, termo e futuros. Aos valores de A n e A n-1 devem ser agregados:: Os valores a receber por operações de swap e vendas a termo de posições de renda fixa, bem como os ajustes diários de mercado futuro de posições de renda fixa a receber. Os critérios de alocação ou rateio dos valores a receber por operações de swap, termo e mercado futuro para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (Considerações Gerais). Os valores a receber por ressarcimento ou devolução de taxa de administração referentes ao segmento de Renda Fixa. Os critérios de alocação ou rateio dos valores a receber por ressarcimento ou devolução de taxa de administração para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (Considerações Gerais). Destes valores devem ser deduzidos: Os valores a pagar por operações de swap e compras a termo de posições de renda fixa e ajustes diários de mercado futuro de posições de renda fixa. Os critérios de alocação ou rateio dos valores a pagar por operações de swap, termo e mercado futuro para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (Considerações Gerais). As provisões para pagamento de taxa de administração e performance referentes à carteira de Renda Fixa (somente as devidas diretamente pela entidade e não aquelas debitadas às cotas dos Fundos de Investimento). Os critérios de alocação ou rateio da taxa de administração para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (Considerações Gerais). Como valor de MRF n, para o cálculo das cotas, deve ser considerado o valor líquido do somatório das movimentações eventualmente ocorridas no dia n, relativas aos desembolsos das novas aplicações e recebimentos dos resgates e rendimentos periódicos de ativos do Segmento de Renda Fixa, sendo considerados como positivos os recebimentos e negativos os resgates. A este valor devem ser acrescidas as seguintes movimentações eventualmente ocorridas no dia n: Pagamentos de operações de swap, compras a termo e ajustes diários de mercado futuro de posições de renda fixa. Pagamentos de taxa de administração e performance referentes ao Segmento de Renda Fixa (somente as efetuadas diretamente pela entidade e não aquelas debitadas às cotas dos Fundos de Investimento). Destes valores devem ser deduzidos: Recebimentos de operações de swap, vendas a termo e ajustes diários de mercado futuro de posições de renda fixa. Exemplo de cálculo de cota do Segmento de Renda Fixa: Plano: CD Conservador

4 Segmento: Renda Fixa Valor da Cota do dia 01/12/X1 = 150,00000 Patrimônio de Renda Fixa em 01/12/X1: Cotas do Fundo Júpiter RF: R$: ,00 (+) CDB do Banco Júpiter: R$ ,00 (+) CDB do Banco Saturno: R$ ,00 (+) Valor a receber por operações de Swap: R$ ,00 (+) Provisão para pgto. de tx. administração: R$ 200,00 (-) TOTAL: R$ ,00 (=) Patrimônio de Renda Fixa em 02/12/X1: Cotas do Fundo Júpiter RF: R$: ,00 (+) CDB do Banco Júpiter: R$ ,00 (+) CDB do Banco Saturno: R$ -0- CDB do Banco Urano: R$ ,00 (+) Valor a receber por operações de Swap: R$ 5.000,00 (+) Provisão para pgto. de tx. administração: R$ 7,00 (-) Provisão para pgto. de CPMF: R$ 200,00 (-) Provisão para pgto. de despesas adm.: R$ 4.000,00 (-) TOTAL: R$ ,00 (=) Movimentações do dia 02/12/X1: Resgate do CDB do Banco Saturno: R$ ,00 (-) Aplicação em CDB do Banco Urano: R$ ,00 (+) Recebimentos por operações de swap: R$ 5.000,00 (-) Pagamento de taxa de administração: R$ 200,00 (+) TOTAL: R$ ,00 (=) Cálculo do índice de correção da cota do dia 02/12/X1: A n - MRFn ,00 ( ,00) I n = = = 1, A n ,00 Cálculo da cota do dia 02/12/X1: CRF n = CRF n-1 x I n = 150,00000 x 1, = 150,

5 Segmento de Renda Variável: 1.1 Devem ser calculadas cotas diárias, informando como cota mensal a correspnte ao último dia útil do mês de referência. A entidade deve, portanto, manter registro do valor das cotas para todos os Planos e Segmentos para todos os dias úteis. 1.2 Os valores das cotas devem ser informados arredondados com 5 (cinco) casas decimais. A cota inicial para todos os segmentos e plano de todas as instituições deverá ter valor de 100, A data desta cota será 28/12/ O valor da cota dos dias subsequentes deverá ser calculado através da fórmula: CRV n = CRV n-1 x I n CRV n = Valor da cota do Segmento Renda Variável no dia n; CRV n-1 = Valor da cota do Segmento Renda Variável no dia útil imediatamente anterior ao dia n ; I n = Índice de correção da cota do dia n, que deve ser calculado a partir da seguinte fórmula: A n - MRV n I n = A n-1 A n = Valor dos Ativos do Segmento e Plano no dia n avaliados pelo método contábil em vigor; A n-1 = Valor dos Ativos do Segmento e Plano no dia útil imediatamente anterior ao dia n avaliados pelo método contábil em vigor; MRV n = Valor das movimentações relativas ao Segmento de Renda Variável ocorridas no dia n. Como valores de A n, e A n-1, para o cálculo da cotas, devem ser considerados os somatórios dos valores de todos os ativos que compõem a carteira de renda variável da entidade e que estão alocados ao Plano que está sendo considerado, ou seja, aqueles descritos na Seção II do Regulamento Anexo à Resolução no do CMN, de 30 de março de 2001, observando os ajustes abaixo:

6 Não devem ser considerados os valores nominais dos contratos de operações de swap, termo e futuros. Aos valores de A n e A n-1 devem ser agregados: Os valores a receber por operações de swap e vendas a termo de posições de renda variável, bem como os ajustes diários de mercado futuro de posições de renda variável a receber. Os critérios de alocação ou rateio dos valores a receber por operações de swap, termo e mercado futuro para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (Considerações Gerais). Os valores a receber por ressarcimento ou devolução de taxa de administração referentes a Renda Variável. Os critérios de alocação ou rateio dos valores a receber por ressarcimento ou devolução de taxa de administração para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (Considerações Gerais). Destes valores devem ser deduzidos: Os valores a pagar por operações de swap e compras a termo de posições de renda variável, bem como os ajustes diários de mercado futuro a pagar. Os critérios de alocação ou rateio dos valores a pagar por operações de swap, termo e mercado futuro para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (Considerações Gerais). As provisões para pagamento de taxa de administração e performance referentes à carteira de Renda Variável (somente as devidas diretamente pela entidade e não aquelas debitadas às cotas dos Fundos de Investimento). Os critérios de alocação ou rateio da taxa de administração para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (Considerações Gerais). Como valor de MRV n, para o cálculo das cotas, deve ser considerado o valor líquido do somatório das movimentações eventualmente ocorridas no dia n, relativas aos desembolsos das novas aquisições e recebimentos das realizações de ativos do Segmento de Renda Variável, sendo considerados como positivos os recebimentos e negativos os pagamentos. A este valor devem ser acrescidas as seguintes movimentações eventualmente ocorridas no dia n: Pagamentos de operações de swap, compras a termo e ajustes diários de mercado futuro de posições de renda variável. Pagamentos de taxa de administração e performance referentes ao Segmento de Renda Variável (somente as efetuadas diretamente pela entidade e não aquelas debitadas às cotas dos Fundos de Investimento). Destes valores devem ser deduzidos: Recebimentos de operações de swap, vendas a termo e ajustes diários de mercado futuro de posições de renda variável. Recebimentos de dividendos.

7 Exemplo de cálculo de cota do Segmento de Renda Variável: Plano: CD Conservador Segmento: Renda Variável Valor da Cota do dia 01/12/X1 = 130,00000 Patrimônio de Renda Variável em 01/12/X1: Cotas do Fundo de Ações Júpiter : R$: ,00 (+) Ações da Cia. Meteoro: R$ ,00 (+) Ações da Cia. Boreal: R$ ,00 (+) Valor a receber por venda de ações: R$ 1.000,00 (+) Provisão para pgto. de tx. administração: R$ 200,00 (-) Provisão para pgto. de CPMF: R$ 150,00 (-) Provisão para pgto. de despesas adm.: R$ 5.000,00 (-) TOTAL: R$ ,00 (=) Patrimônio de Renda Variável em 02/12/X1: Cotas do Fundo de Ações Júpiter: R$: ,00 (+) Cotas do Fundo de Ações Vênus R$: ,00 (+) Ações da Cia. Meteoro: R$ ,00 (+) Ações da Cia. Boreal: R$ -0- Vlr a receb. por venda de ações (CIA. Boreal): R$ ,00 (+) Provisão para pgto. de tx. administração: R$ 13,00 (-) Provisão para pgto. de CPMF: R$ 200,00 (-) Provisão para pgto. de despesas adm.: R$ 3.500,00 (-) TOTAL: R$ ,00 (=) Movimentações do dia 02/12/X1: Aplicação no Fundo de Ações Vênus: R$ ,00 (+) Recebimento de venda de ações: R$ 1.000,00 (-) Pagamento de taxa de administração: R$ 200,00 (+) TOTAL: R$ 195,00 (=) Cálculo do índice de correção da cota do dia 02/12/X1: A n - MRVn ,00 ( +195,00) I n = = = 1, A n ,00

8 Cálculo da cota do dia 02/12/X1: CRV n = CRV n-1 x I n = 130,00000 x 1, = 133,05108 Obs.: A cota cujo cálculo é descrito acima está: Bruta de Imposto de Renda na fonte sobre aplicações financeiras. Líquida taxa de administração, prêmio de performance, custos de corretagem e despesas de bolsas.

9 Segmento de Empréstimos aos Participantes: 1.1 As cotas do Segmento de Empréstimos devem ser calculadas mensalmente, com base no último dia útil do mês de referência. 1.2 Os valores das cotas devem ser informados arredondados com 5 (cinco) casas decimais. A cota inicial para todos os segmentos e plano de todas as instituições deverá ter valor de 100, A data desta cota será 2812/ O valor da cota dos dias subsequentes deverá ser calculado através da fórmula: CEP n = CEP n-1 x I n CEP n = Valor da cota do Segmento de Empréstimos aos Participantes no dia n; CEP n-1 = Valor da cota do Segmento de Empréstimos aos Participantes no dia útil imediatamente anterior ao dia n ; I n = Índice de correção da cota do dia n, que deve ser calculado a partir da seguinte fórmula: A n - MRF n I n = A n-1 A n = Valor dos Ativos do Segmento e Plano no dia n avaliados pelo método contábil em vigor; A n-1 = Valor dos Ativos do Segmento e Plano no dia útil imediatamente anterior ao dia n avaliados pelo método contábil em vigor; MEP n = Valor das movimentações relativas ao Segmento de Empréstimos aos Participantes ocorridas no dia n. Como valores de A n e A n-1, para o cálculo da cotas, deve ser considerado o saldo dos empréstimos a participantes de todas as modalidades que compõem o Segmento de Empréstimos aos Participantes da entidade e que estão alocados ao Plano que está sendo considerado, ou seja, aqueles descritos na Seção IV do Regulamento Anexo à Resolução no do CMN, de 30 de março de 2001.

10 Como valor de MEP n, para o cálculo das cotas, deve ser considerado o valor líquido do somatório das movimentações eventualmente ocorridas no dia n, relativas aos desembolsos dos novos empréstimos concedidos e recebimentos das amortizações de empréstimos por parte dos participantes, sendo considerados como positivos os recebimentos e negativos os desembolsos.

11 Segmento de Imóveis: 1. Disposições gerais: 1.1 As cotas do Segmento de Investimentos Imobiliários devem ser calculadas mensalmente, com base no último dia útil do mês de referência. 1.2 Os valores das cotas devem ser informados arredondados com 5 (cinco) casas decimais. A cota inicial para todos os segmentos e plano de todas as instituições deverá ter valor de 100, A data desta cota será 28/12/ O valor da cota dos meses subsequentes deverá ser calculado através da fórmula: C n = C n-1 x I n, C n = Valor da cota relativa ao mês n; C n-1 = Valor da cota relativa ao mês imediatamente anterior ao mês n ; I n = Índice de correção da cota do mês n, que deve ser calculado a partir da seguinte fórmula: A n - M n I n = A n-1 A n = Valor dos Ativos do Segmento e Plano no mês n avaliados pelo método contábil em vigor; A n-1 = Valor dos Ativos do Segmento e Plano no mês imediatamente anterior ao mês n avaliados pelo método contábil em vigor; M n = Valor das movimentações ocorridas no mês n. Como valores de A n, e A n-1, para o cálculo da cotas, devem ser considerados os somatórios dos valores de todos os ativos que compõem a carteira de imóveis da entidade e que estão alocados ao Plano que está sendo considerado, ou seja: Imóveis, adicionados das reavaliações e reformas e deduzidas as depreciações acumuladas Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário

12 Participações em Sociedades de Propósito Específico cujo objeto esteja relacionado ao âmbito imobiliário Aluguéis e outros rendimentos do Segmento Imobiliário a receber, por regime de competência mensal Contas a receber referentes a venda a prazo de imóveis A este valor devem ser agregados: Os valores a receber por ressarcimento ou devolução de taxa de administração referentes ao Segmento Imobiliário. Os critérios de alocação ou rateio dos valores a receber por ressarcimento ou devolução de taxa de administração para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (item 1.4). Os seguros pagos antecipadamente referentes ao Segmento Imobiliário. Deste valor devem ser deduzidos: As provisões para pagamento de taxa de administração referentes ao Segmento Imobiliário (somente as devidas diretamente pela entidade e não àquelas debitadas às cotas dos Fundos de Investimento Imobiliário). Os critérios de alocação ou rateio da taxa de administração para cada Plano e Segmento são de responsabilidade da Entidade e devem observar o disposto nas considerações iniciais deste documento (item 1.4). As provisões para pagamento de despesas condominiais e impostos referentes ao Segmento Imobiliário (somente as devidas diretamente pela entidade e não àquelas debitadas às cotas dos Fundos de Investimento Imobiliário). Provisão para Devedores Duvidosos referente a aluguéis inadimplentes Como valor de M n, para o cálculo das cotas, deve ser considerado o valor líquido do somatório das movimentações eventualmente ocorridas no mês n, relativas aos desembolsos das novas aquisições ou recebimentos pela venda de ativos do Segmento Imobiliário, sendo considerados como positivos os recebimentos e negativos os resgates. A este valor devem ser acrescidas as seguintes movimentações eventualmente ocorridas no mês n: Pagamentos relativos a seguros referentes ao Segmento Imobiliário. Pagamentos de taxa de administração e performance referentes ao Segmento Imobiliário (somente as efetuadas diretamente pela entidade e não aquelas debitadas às cotas dos Fundos de Investimento Imobiliário). Pagamentos de impostos referentes ao Segmento Imobiliário. Pagamentos de despesas condominiais referentes ao Segmento Imobiliário (somente as efetuadas diretamente pela entidade e não aquelas debitadas às cotas dos Fundos de Investimento Imobiliário). Destes valores devem ser deduzidos: Recebimentos de aluguéis e outros rendimentos do Segmento Imobiliário

13 Cálculo das Cotas Consolidadas (Renda Fixa, Renda Variável, Empréstimos a Participantes e Imóveis) 1 Devem ser calculadas cotas diárias, informando como cota mensal a correspnte ao último dia útil do mês de referência. A entidade deve, portanto, manter registro do valor das cotas para todos os Planos e Segmentos para todos os dias úteis. 1.2 Os valores das cotas devem ser informados arredondados com 5 (cinco) casas decimais. A cota inicial para todos os segmentos e plano de todas as instituições deverá ter valor de 100, A data desta cota será 28/12/ O valor da cota dos dias subsequentes deverá ser calculado através da fórmula: CTn = CTn-1 x I n CT n = Valor da cota consolidada no dia n; CT n-1 = Valor da cota consolidada no dia útil imediatamente anterior ao dia n ; I n = Índice de correção da cota do dia n, que deve ser calculado a partir da seguinte fórmula: A n - MTn I n = A n-1 A n = Somatório do Valor dos Ativos considerado no dia n para o cálculo das cotas dos segmentos Renda Fixa, Renda Variável, Empréstimos a Participantes e Imóveis deduzidas as provisões para pagamento de custos administrativos globais da entidade. A n-1 = Somatório do Valor dos Ativos considerado no dia útil imediatamente anterior ao dia para o cálculo das cotas dos segmentos Renda Fixa, Renda Variável, Empréstimos a Participantes e Imóveis deduzidas as provisões para pagamento de custos administrativos globais da entidade. MT n = = Somatório das Movimentações consideradas no dia n para o cálculo das cotas dos segmentos Renda Fixa, Renda Variável, Empréstimos a Participantes e Imóveis deduzidos os pagamentos de custos administrativos globais da entidade cuja contrapartida do lançamento de caixa tenha sido a baixa na provisão.

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO Informações referentes a Outubro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Integração Portuária do Ceará CEARAPORTOS, Sociedade de Economia Mista do Estado do Ceará, criada por meio do Decreto

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à MAIO de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. As informações

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Junho/2015

DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Junho/2015 Junho/2015 DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Junho/2015 ANÁLISE GLOBAL DOS INVESTIMENTOS DO PLANO Os investimentos do Plano BD apresentaram, em junho, rentabilidade de 1,24%, o que representa 101,64%

Leia mais

1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES

1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: Informações referentes a 2013 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA

FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA CNPJ: 00.828.035/0001-13 Informações referentes a Novembro/2015 Esta lâmina contém um resumo das

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CTM ESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 18.558.694/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CTM ESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 18.558.694/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CTM Estratégia FIA. As informações completas sobre esse

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

I - com atributos UBDKIFJACTSWEROLMNHZ e códigos ESTBAN e de publicação 130 e 140, respectivamente:

I - com atributos UBDKIFJACTSWEROLMNHZ e códigos ESTBAN e de publicação 130 e 140, respectivamente: CARTA-CIRCULAR 3.026 -------------------- Cria e mantém títulos e subtítulos no Cosif, esclarece acerca dos critérios a serem observados para o ajuste decorrente da aplicação do disposto nas Circulares

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 04.787.

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 04.787. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Informações referentes à Julho de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O ALFAPREV RF PRIVATE - Fundo de Investimento

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO

FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO FUNDO DE GARANTIA DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. Página 1 de 7 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC DE FIS EM AÇÕES BRB AÇÕES 500 31.937.303/0001-69 Informações referentes a 11/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 35. Instrumentos Financeiros 1. Conceitos 1 - Para fins de registro contábil, considera-se: (Res 3534 art 2º) a) instrumento

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

Balancete Contábil Dezembro de 2012

Balancete Contábil Dezembro de 2012 Balancete Contábil Dezembro de 2012 CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DISPONIVEL 7.619 EXIGIVEL OPERACIONAL 315.366 Caixa 97 Gestão Previdencial 116.641 Banco c/movimento 7.523 Gestão

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 02 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: PORQUE INVESTIR Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC ACOES DIVIDENDOS 02.138.442/0001-24 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC ACOES DIVIDENDOS 02.138.442/0001-24 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO ACOES. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Balancete Contábil Outubro de 2013

Balancete Contábil Outubro de 2013 Balancete Contábil Outubro de 2013 CNPJ 06.025.140/0001-09 Balancete Consolidado de 31 de outubro de 2013 ATIVO PASSIVO DISPONÍVEL 54 EXIGÍVEL OPERACIONAL 423 Caixa - Gestão Previdencial 185 Bancos c/movimento

Leia mais

Investimentos. Plano BD Plano CV I

Investimentos. Plano BD Plano CV I Investimentos Plano BD Plano CV I Julho/2015 DESEMPENHO DOS INVESTIMENTOS PLANO BD Julho/2015 ANÁLISE GLOBAL DOS INVESTIMENTOS DO PLANO Os investimentos do Plano BD apresentaram, em julho, rentabilidade

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC ACOES VALE DO RIO DOCE 04.892.107/0001-42 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC ACOES VALE DO RIO DOCE 04.892.107/0001-42 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM ACOES VALE. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Instrumentos Financeiros. Instrumentos financeiros Ativos: Renda. Instrumento Financeiro - Conceito. Renda variável

Instrumentos Financeiros. Instrumentos financeiros Ativos: Renda. Instrumento Financeiro - Conceito. Renda variável USP-FEA Curso de Economia Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores 7. Instrumentos Financeiros (Aplicações Financeiras, Títulos, Contas a Receber, empréstimos) Instrumentos Financeiros

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53. Informações referentes a Agosto de 2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53. Informações referentes a Agosto de 2015 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53 Informações referentes a Agosto de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o QUELUZ TRADER FUNDO

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: 00.827.

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: 00.827. Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo Informações referentes a setembro de 2015. Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SUMITOMO MITSUI PLATINUM PLUS FIC DE FI REF DI

Leia mais

Demonstração de Desempenho do Tokyo-Mitsubishi UFJ Jump FI Cambial Dólar CNPJ Nº 01.789.845/0001-70 Informações referentes a 2014

Demonstração de Desempenho do Tokyo-Mitsubishi UFJ Jump FI Cambial Dólar CNPJ Nº 01.789.845/0001-70 Informações referentes a 2014 Demonstração de Desempenho do Tokyo-Mitsubishi UFJ Jump FI Cambial Dólar CNPJ Nº 01.789.845/0001-70 Informações referentes a 2014 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: Tokyo-Mitsubishi

Leia mais

Tabela 1 Tributos Plano VGBL

Tabela 1 Tributos Plano VGBL Comparativo tributário Produtos Financeiros Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Abril/2008 O objetivo deste levantamento é fazer uma comparação tributária sobre os produtos financeiros existentes

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FORPUS FIC FIA. CNPJ/MF: 21.917.184/0001-29 Informações referentes a Dezembro de 2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FORPUS FIC FIA. CNPJ/MF: 21.917.184/0001-29 Informações referentes a Dezembro de 2015 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

Demonstração de Desempenho do Tokyo-Mitsubishi UFJ Leader FI Referenciado DI CNPJ: Nº 00.875.318/0001-16 Informações referentes a 2014

Demonstração de Desempenho do Tokyo-Mitsubishi UFJ Leader FI Referenciado DI CNPJ: Nº 00.875.318/0001-16 Informações referentes a 2014 Demonstração de Desempenho do Tokyo-Mitsubishi UFJ Leader FI Referenciado DI CNPJ: Nº 00.875.318/0001-16 Informações referentes a 2014 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: Tokyo-Mitsubishi

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

1. Note que a Bolsa apresentou uma queda de 18% em 2011. O que faltou aos dirigentes do Fundo de aplicação? Um acompanhamento mais rente aos cenários

1. Note que a Bolsa apresentou uma queda de 18% em 2011. O que faltou aos dirigentes do Fundo de aplicação? Um acompanhamento mais rente aos cenários NOTA IMPORTANTE: Diante do Relatório de Investimentos da FEMCO, fiz algumas observações em baixo de algumas tabelas. a) Sugiro que o Sindicato de Santos constitua um grupo de estudos que possa se reunir

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A. BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de

Leia mais

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais)

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais) ATIVO ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR CIRCULANTE Disponibilidades Aplicação Financeira 27.880 14.201 Caixa e Bancos 18 65 27.898 14.266 Contas a Receber Eletronet 59.145 59.145 Empresas Cedentes

Leia mais

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2013: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2012. Elaboramos este

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Instrumentos Financeiros

Instrumentos Financeiros Contabilidade Avançada Instrumentos Financeiros Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 32/39 e IFRS7 (IFRS 9 em desenvolvimento) No CPC: CPC 38/39/40 e OCPC 03 Essência dos Instrumentos

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário Aplicação no mercado imobiliário sem investir diretamente em imóveis O produto O Fundo de Investimento

Leia mais

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2012: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2011. Elaboramos este

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011 TRIBUTAÇÃO Atualizado em 12/2011 1 Tributação dos Fundos de Investimento Instruções Normativas SRF nº 487 (30/12/04) e nº 489 (07/01/05) Lei nº 11.033/04 2 Base de Incidência de IR Base de incidência:

Leia mais

ANEXO A. Informe Mensal

ANEXO A. Informe Mensal ANEXO A Informe Mensal Competência: MM/AAAA Administrador: Tipo de Condomínio: Fundo Exclusivo: Todos os Cotistas Vinculados por Interesse Único e Indissociável? Aberto/Fechado Sim/Não Sim/Não ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

renda fixa Certificado de Depósito Bancário

renda fixa Certificado de Depósito Bancário renda fixa Certificado de Depósito Bancário Certificado de Depósito Bancário Rentabilidade e proteção em um único investimento O produto Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um título de renda fixa,

Leia mais

Se alavancar até o limite de. Concentrar seus ativos em um só emissor que não seja a União Federal até o limite de

Se alavancar até o limite de. Concentrar seus ativos em um só emissor que não seja a União Federal até o limite de LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO DE LONGO PRAZO FRANKLIN GLOBAL ACCESS CNPJ: 09.216.364/0001-88 Informações referentes a Abril de 2016 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Mês/Ano: 31 de março de 2016 Nome do Fundo: Alfa I - Fundo Mútuo de CNPJ: 03.919.892/0001-17 Administrador: Banco Alfa de Investimento S.A. CNPJ:

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ABERDEEN BRASIL EQUITY FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ABERDEEN BRASIL EQUITY FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o ABERDEEN BRASIL EQUITY FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI SKY 04.831.907/0001-53. Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI SKY 04.831.907/0001-53. Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI SKY 04.831.907/0001-53 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior à variação do CDI.

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior à variação do CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIAMANTE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RF CRÉDITO PRIVADO LP CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS ESMERALDA FIC FI RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS ESMERALDA FIC FI RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Agosto de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS ESMERALDA FIC FI RENDA FIXA CREDITO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Balancete Contábil Julho de 2014

Balancete Contábil Julho de 2014 Balancete Contábil Julho de 2014 CNPJ 06.025.140/0001-09 Balancete Consolidado de 31 de Julho de 2014 ATIVO PASSIVO DISPONÍVEL 78 EXIGÍVEL OPERACIONAL 701 Caixa - Gestão Previdencial 442 Bancos c/movimento

Leia mais

CIRCULAR N 2009. Documento normativo revogado pela Circular 2271, de 29/01/1993, a partir de 30/06/1993. Às administradoras de consórcio

CIRCULAR N 2009. Documento normativo revogado pela Circular 2271, de 29/01/1993, a partir de 30/06/1993. Às administradoras de consórcio CIRCULAR N 2009 30/06/1993. Documento normativo revogado pela Circular 2271, de 29/01/1993, a partir de Às administradoras de consórcio Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e remessa de demonstrações

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS TERMO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS TERMO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS TERMO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. Página 1 de 7 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRB FI EM RENDA FIXA IMA B 10.824.344/0001-79 Informações referentes a 11/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BRB

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA BOND 03.894.320/0001-20. Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA BOND 03.894.320/0001-20. Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA BOND 03.894.320/0001-20 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08. Informações referentes a Setembro de 2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08. Informações referentes a Setembro de 2015 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O APOENA MACRO DOLAR FICFIM 18.391.163/0001-08 Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o APOENA MACRO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: Nº 18.048.590/0001-98 Informações referentes a setembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Com muita satisfação o temos como cliente no HG Real Estate Fundo de Investimento Imobiliário.

Com muita satisfação o temos como cliente no HG Real Estate Fundo de Investimento Imobiliário. 1. Palavra da Administradora Prezado Investidor, Com muita satisfação o temos como cliente no HG Real Estate Fundo de Investimento Imobiliário. A distribuição de cotas da primeira emissão foi encerrada

Leia mais

Balancete Contábil Janeiro de 2015

Balancete Contábil Janeiro de 2015 Balancete Contábil Janeiro de 2015 CNPJ: 06.025.140/0001-09 Balancete Consolidado de 31 de Janeiro de 2015 ATIVO PASSIVO DISPONÍVEL 809 EXIGÍVEL OPERACIONAL 1.574 Caixa - Gestão Previdencial 1.263 Bancos

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais