Garantia Física de Energia Centrais Geradoras Hidrelétricas CGHs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Garantia Física de Energia Centrais Geradoras Hidrelétricas CGHs"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Garantia Física de Energia Centrais Geradoras Hidrelétricas CGHs Portaria MME nº 463/2009 1º Workshop Nacional de CGHs Gustavo Cerqueira Ataide Curitiba, 28 de março de 2017

2 2 Garantia Física de Energia Decreto nº 5.163, de 30 de julho de 2004 Art. 2º, 1º e 2º O lastro para a venda de que trata o inciso I do caput será constituído pela garantia física proporcionada por empreendimento de geração própria ou de terceiros, neste caso, mediante contratos de compra de energia. A garantia física de energia de um empreendimento de geração, a ser definida pelo Ministério de Minas e Energia e a qual deverá constar do contrato de concessão ou do ato de autorização, corresponderá à quantidade máxima de energia elétrica associada ao empreendimento, incluída a importação, que poderá ser utilizada para comprovação de atendimento de carga ou comercialização por meio de contratos.

3 3 Portaria MME nº 463/2009 Define a metodologia e procedimentos para o cálculo e revisão da garantia física de energia de PCHs/CGHs

4 4 Cálculo da garantia física de PCHs/CGHs Situação do Empreendimento Método Usinas que não entraram em operação comercial até a data de solicitação; Usinas que estejam em operação comercial há menos de 48 meses; Usinas que estejam em operação comercial há mais de 48 meses, porém não possuem registrados na CCEE o valores mensais de energia elétrica medidos até a data da solicitação. Usinas com mais de 48 meses em operação comercial e que possua registrados na CCEE os valores mensais de energia elétrica gerada nesse período. 1- Fórmula utilizando as características técnicas da usina, que devem ser homologadas pela ANEEL. (produtividade, série de vazões, etc.) 2- Fórmula baseada na geração média (Gmédia) do período analisado.

5 5 Fórmula de Cálculo de Garantia Física Método 1 GF E n min i1 1 Q ( qr qu) 9,81Hb h ; P 1 Perdas 1 TEIF 1 IP C int i tg con n1.000 P: Potência Instalada Total (kw); GFe: montante de garantia física de energia; i = 1, 2, 3,..., n; n: quantidade de meses do histórico de vazões; :Rendimento Nominal por Turbina (%); :Rendimento Nominal por Gerador (%); TEIF: Taxa Equivalente de Indisponibilidade Forçada (%); IP: Indisponibilidade Programada (%); h: Perdas Hidráulicas Nominais (m); Hb: Queda Bruta Nominal (m); Perdascon: Perdas Elétricas até o Ponto de Conexão (%); Cint: Consumo Interno (MW médio); qr: Vazão Remanescente do Aproveitamento (m3/s); qu: Vazão de Usos Consuntivos (m3/s); Histórico de Vazões Médias Mensais (m3/s), não inferior a trinta anos

6 6 Fórmula de Cálculo de Garantia Física Método 1 Interpretação GF E n min i1 1 Q ( qr qu) 9,81Hb h ; P 1 Perdas 1 TEIF 1 IP C int i tg con n1.000 Primeiramente verifica-se o resultado da vazão média mensal subtraído dos usos consuntivos e da vazão remanescente. Se for superior ao engolimento mínimo da máquina, utilizamos o valor da vazão média mensal informado, caso contrário o valor da vazão média mensal é anulado. Em seguida, calcula-se a produtividade média da usina que é dada pelo resultado da diferença entre a queda bruta e as perdas hidráulicas, multiplicada pela aceleração da gravidade e pelo rendimento do conjunto turbina/gerador. Na sequência, multiplica-se a série histórica de vazões médias mensais, descontada da vazão remanescente e usos consuntivos da água, por essa produtividade. Assim, se obtém uma matriz de energias médias mensais. Os valores dessa matriz de energias devem ser limitados pela potência instalada da central geradora. Depois, se determina a média dessa matriz. Desse valor médio, retira-se o TEIF, IP, as perdas até o ponto de conexão, e também o consumo interno da usina, resultando na garantia física de energia do empreendimento.

7 7 Fórmula de Cálculo de Garantia Física Método 2 GF E m i Eger m i 12 MWmédio Onde: i = 1, 2, 3,...,m m: quantidade de meses, múltiplo de doze, desde o décimo terceiro mês de operação comercial até o penúltimo mês do período em análise GF E (Mwmédio): montante de garantia física de energia; e Eger i (MWh): quantidade de energia gerada no mês i, referida ao ponto de conexão.

8 8 Procedimento para realização do cálculo A ANEEL informa ao MME os parâmetros homologados necessários ao cálculo da garantia física de energia do empreendimento. Para CGHs é necessário possuir registro nos termos da Resolução ANEEL nº 673, de 04/08/2015. O MME verifica junto a CCEE a existência de dados de geração de energia elétrica da usina. O MME realiza o cálculo da garantia física de energia da usina adotando um dos métodos mencionados. O MME publica no Diário Oficial da União, por meio de Portaria, o valor da garantia física do empreendimento. Na ocorrência de Leilões de Energia, o cálculo/revisão da garantia física dos empreendimentos cadastrados é realizado pela EPE e publicado pelo MME até 15 dias antes do certame (sempre considerando os dados homologados pela ANEEL)

9 9 Revisão da garantia física da PCH Fatos Relevantes Método Usinas que apresentarem modificação comprovada das características técnicas. 1- Revisão com base nos novos parâmetros da usina homologados pela ANEEL.

10 10 Procedimento para revisão da garantia física de energia com base nos novos parâmetros A ANEEL informa ao MME os parâmetros necessários a revisão da garantia física de energia do empreendimento. O MME realiza a revisão da garantia física de energia da usina, aplicando a mesma fórmula utilizada no cálculo, considerando os novos parâmetros homologados. O MME publica no Diário Oficial da União, por meio de Portaria, o novo valor da garantia física do empreendimento.

11 11 Revisão da garantia física de PCHs/CGHs Fatos Relevantes Gmédia fora das faixas estipuladas Gmédia < 80% e Gmédia > 120%: primeiros 48 meses em operação comercial * Gmédia < 90% e Gmédia > 110%: a partir de 60 meses em operação comercial * *Excluídos os 12 primeiros meses em operação comercial Método 2- Revisão com base na geração média (Gmédia) do período analisado. No caso de reduções de garantia física para as PCHs/CGHs participantes do MRE, serão respeitados os limites estabelecidos pelo Decreto nº 2.655/1998. No caso das usinas excluídas do MRE, segundo critérios estabelecidos na Resolução ANEEL nº 409/2010, os limites do Decreto nº 2.655/1998 não são aplicados. A Portaria MME nº 376, de 5 de agosto de 2015, suspendeu a revisão da garantia física de energia com base na energia gerada

12 13 Aprimoramento da Portaria MME nº 463/2009 Situação Atual A Portaria MME nº 376, de 5 de agosto de 2015: suspendeu a aplicação do art. 6º, incisos I e II da Portaria MME nº 463/2009, que trata da revisão da garantia física de energia com base na energia gerada; por meio de consulta pública, solicitou contribuições dos agentes com vistas ao aperfeiçoamento da Portaria MME nº 463/2009; instituiu GT para analisar e propor aprimoramentos à Portaria MME nº 463/2009; Composição do GT: SPE/MME (coordenação), EPE e CEPEL. A fim de auxiliar as atividades do GT foi contratada a Universidade Federal de Itajubá UNIFEI. Medida Provisória nº 735, de 22 de junho de 2016, convertida na Lei nº , de 17 de novembro de 2016: Alterou redação do art. 8º da Lei nº 9074/1995: O aproveitamento de potenciais hidráulicos e a implantação de usinas termelétricas de potência igual ou inferior a kw estão dispensados de concessão, permissão ou autorização, devendo apenas ser comunicados ao poder concedente. Art. 24. Os empreendimentos hidrelétricos não despachados centralizadamente que optarem por participar do MRE somente poderão ser excluídos do referido mecanismo por solicitação própria ou em caso de perda de outorga.

13 14 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA OBRIGADO!

DISCUSSÃO SOBRE A DETERMINAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA PARA PCH (E CENTRAIS HÍBRIDAS)

DISCUSSÃO SOBRE A DETERMINAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA PARA PCH (E CENTRAIS HÍBRIDAS) XI Simpósio sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas, II Simpósio sobre Usinas Reversíveis Bourbon Convention Ibirapuera, São Paulo 22 a 23 de maio de 2018 DISCUSSÃO SOBRE A DETERMINAÇÃO DA GARANTIA

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 293, DE 4 DE AGOSTO DE 2017. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 293, DE 4 DE AGOSTO DE 2017. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

Miguel M. M. Segundo¹, Eduardo H. de Castro², José Roberto S. Brito³, Julio Gomes 4

Miguel M. M. Segundo¹, Eduardo H. de Castro², José Roberto S. Brito³, Julio Gomes 4 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS ESTIMATIVAS DE GARANTIA FÍSICA DE ENERGIA DE PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS COM O USO DE SÉRIES HISTÓRICAS DE VAZÕES MÉDIAS MENSAIS E VAZÕES MÉDIAS DIÁRIAS CIEI&EXPO 2016 Miguel

Leia mais

Questões regulatórias necessárias e perspectivas para viabilização das centrais elétricas pequenas, médias e reversíveis

Questões regulatórias necessárias e perspectivas para viabilização das centrais elétricas pequenas, médias e reversíveis Christiano Vieira da Silva Superintendente de Regulação dos Serviços de Geração da ANEEL Questões regulatórias necessárias e perspectivas para viabilização das centrais elétricas pequenas, médias e reversíveis

Leia mais

PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 PORTARIA Nº564, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição, tendo em vista o disposto

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-4

Leilão de Energia Nova A-4 1 Leilão de Energia Nova A-4 Realização: 04/04/2018 Categoria: A-4 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 18:00 do dia 03/04/2018) Será realizado no dia 04 de abril de 2018

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 258, DE 28 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

+ DE 190 ASSOCIADOS EM 4 ANOS DE ATUAÇÃO!!

+ DE 190 ASSOCIADOS EM 4 ANOS DE ATUAÇÃO!! + DE 190 ASSOCIADOS EM 4 ANOS DE ATUAÇÃO!! ABRAPCH 1º Workshop Nacional de CGHs LEI Nº 9.074, DE 7 DE JULHO DE 1995 Art. 8 o O aproveitamento de potenciais hidráulicos iguais ou inferiores a 3.000 kw

Leia mais

Leilão de Energia de Reserva 1 LER/2016

Leilão de Energia de Reserva 1 LER/2016 1. OBJETIVO Este Informe Técnico apresenta uma visão geral sobre o processo de Habilitação Técnica do Leilão para Contratação de Energia de Reserva, denominado 1, de 2016. O Leilão incluiu pela primeira

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DEC/DECM. Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA. Janeiro / 2007 DEC/DECM

INFORMAÇÃO TÉCNICA DEC/DECM. Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA. Janeiro / 2007 DEC/DECM INFORMAÇÃO TÉCNICA Metodologia de cálculo de faturas dos empreendimentos do PROINFA Janeiro / 2007 1 Índice Índice...2 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. METODOLOGIA...3 3.1. REAJUSTE E REVISÃO DOS PREÇOS

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-4

Leilão de Energia Nova A-4 1 Leilão de Energia Nova A-4 Realização: 18/12/2017 Categoria: A-4 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 16:00 do dia 15/12/2017)

Leia mais

Proposta Metodológica para Recálculo de Garantia Física de Energia de Usinas Hidrelétricas e Termelétricas

Proposta Metodológica para Recálculo de Garantia Física de Energia de Usinas Hidrelétricas e Termelétricas Proposta Metodológica para Recálculo de Garantia Física de Energia de Usinas Hidrelétricas e Termelétricas Relatório Técnico 4723/ Índice. Introdução... 4 2. Histórico... 5 3. Metodologia Proposta... 9

Leia mais

44 REVISTA BRASILEIRA DE ENERGIA

44 REVISTA BRASILEIRA DE ENERGIA 44 REVISTA BRASILEIRA DE ENERGIA ESTIMATIVA DA GARANTIA FÍSICA DE USINAS HIDRELÉTRICAS COM DESPACHO NÃO CENTRALIZADO Cláudio Siervi Mota Júnior Ivana Costa Nasser Marciano Morozowski Filho Odilon Luís

Leia mais

21º Leilão de Energia Nova

21º Leilão de Energia Nova 1 21º Leilão de Energia Nova Realização: 30/04/2015 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 29/04/2015)

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-6

Leilão de Energia Nova A-6 1 Leilão de Energia Nova A-6 Realização: 31/08/2018 Categoria: A-6 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 16:00 do dia 30/08/2018) Será realizado no dia 31 de agosto de

Leia mais

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA A EXPANSÃO DA GERAÇÃO LEILÕES DE ENERGIA DE RESERVA Metodologia de Contabilização da Produção de Energia de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais Geradoras Hidrelétricas Ministério de

Leia mais

Figura 1 Participação das Fontes por Garantia Física Contratada

Figura 1 Participação das Fontes por Garantia Física Contratada 1 Leilão de Energia Nova A-4 Realização: 04/04/2018 Categoria: A-4 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 19:00 do dia 04/04/2018) No dia 04 de abril de 2018 foi realizado

Leia mais

Leilão de Energia Nova A-4

Leilão de Energia Nova A-4 1 Leilão de Energia Nova A-4 Realização: 28/06/2019 Categoria: A-4 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 16:00 do dia 19/06/2019) Será realizado no dia 28 de junho de 2019

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

Roteiro. I. Apresentação da ABRAGE. II. O Novo Modelo do Setor Elétrico. III. Leilões de Energia. IV. Expansão da Oferta

Roteiro. I. Apresentação da ABRAGE. II. O Novo Modelo do Setor Elétrico. III. Leilões de Energia. IV. Expansão da Oferta Seminário Cenários da Energia O Desafio para as Concessionárias Frente ao Atual Modelo do Setor Elétrico 01 de junho de 2005 Flávio Antônio Neiva Roteiro I. Apresentação da ABRAGE II. O Novo Modelo do

Leia mais

23º Leilão de Energia Nova

23º Leilão de Energia Nova 1 23º Leilão de Energia Nova Realização: 29/04/2016 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 19:30 do dia 28/04/2016)

Leia mais

QUESTÃO DE ITAIPU. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento da Situação Energética

QUESTÃO DE ITAIPU. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento da Situação Energética QUESTÃO DE ITAIPU GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento da Situação Energética QUESTÃO DA ENERGIA ASSEGURADA DE ITAIPU TRATAMENTO NÃO ISONÔMICO EM RELAÇÃO ÀS DEMAIS USINAS HIDROELÉTRICAS DO SIN 13/02/2003

Leia mais

O papel da EPE nos Leilões de Geração de Energia

O papel da EPE nos Leilões de Geração de Energia O papel da EPE nos Leilões de Geração de Energia Curso básico sobre planejamento do setor elétrico e o contexto da UHE Bem Querer Rio de Janeiro 03 de setembro de 2018 Guilherme Mazolli Fialho Superintendência

Leia mais

Usinas Reversíveis no SIN

Usinas Reversíveis no SIN Questões Regulatórias: Aspectos Legais e Institucionais e Condições para Inserção e Operação das Usinas Reversíveis no SIN II Simpósio sobre Usinas Reversíveis São Paulo, 22 de maio de 2018 Bernardo Folly

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

Procedimentos Operacionais para previsão de carga e planejamento da operação dos Sistemas Isolados

Procedimentos Operacionais para previsão de carga e planejamento da operação dos Sistemas Isolados previsão de carga e planejamento da operação dos Sistemas Isolados Endereço na Internet: http://www.ons.org.br 1 OBJETIVOS...3 2 DEFINIÇÕES...3 3 PRODUTOS...3 4 RESPONSABILIDADES...4 4.1 OPERADOR NACIONAL

Leia mais

VENDA DE EXCEDENTES COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA. Marcia Baptista da Silva. São Paulo, 14 de setembro de 2010

VENDA DE EXCEDENTES COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA. Marcia Baptista da Silva. São Paulo, 14 de setembro de 2010 VENDA DE EXCEDENTES DE ENERGIA ELÉTRICA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Marcia Baptista da Silva São Paulo, 14 de setembro de 2010 COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE

Leia mais

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 PCH's De acordo com a resolução No. 394-04/12/1998 da ANEEL Agência Nacional de Energia

Leia mais

Submódulo 7.7. Metodologia de cálculo da energia e da potência asseguradas de usinas despachadas centralizadamente

Submódulo 7.7. Metodologia de cálculo da energia e da potência asseguradas de usinas despachadas centralizadamente Submódulo Metodologia de cálculo da energia e da potência asseguradas de usinas despachadas centralizadamente Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 172, DE 10 DE MAIO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

Oportunidades: o potencial hidrelétrico remanescente de São Paulo. Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis

Oportunidades: o potencial hidrelétrico remanescente de São Paulo. Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis Oportunidades: o potencial hidrelétrico remanescente de São Paulo Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis Março de 2018 Biomassa 9,1% Eólica 5% NR 18,6% NR 10% Matriz elétrica: capacidade

Leia mais

Valor Econômico da Tecnologia Específica da Fonte - VETEF Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica - PROINFA (1 a Etapa)

Valor Econômico da Tecnologia Específica da Fonte - VETEF Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica - PROINFA (1 a Etapa) Valor Econômico da Tecnologia Específica da Fonte - VETEF Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica - PROINFA (1 a Etapa) 1. NOTA DE ABERTURA Com o objetivo de implementar uma nova

Leia mais

O potencial hidrelétrico remanescente do Estado de São Paulo. Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis

O potencial hidrelétrico remanescente do Estado de São Paulo. Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis O potencial hidrelétrico remanescente do Estado de São Paulo Antonio Celso de Abreu Jr Subsecretário de Energias Renováveis Maio de 2018 Panorama Biomassa 9,1% Eólica 5% NR 18,6% NR 10% Matriz elétrica:

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 444, DE 25 DE AGOSTO DE 2016

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 444, DE 25 DE AGOSTO DE 2016 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 444, DE 25 DE AGOSTO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição,

Leia mais

20º Leilão de Energia Nova

20º Leilão de Energia Nova 1 20º Leilão de Energia Nova Realização: 28/11/2014 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 27/11/2014)

Leia mais

Alternativas de Venda de Energia para CGH

Alternativas de Venda de Energia para CGH Alternativas de Venda de Energia para CGH 2 Workshop Nacional de CGH Curitiba, 28 de março de 2018 Bernardo Folly de Aguiar Superintendente de Projetos de Geração Temário As CGH no Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

18º Leilão de Energia Nova

18º Leilão de Energia Nova 1 18º Leilão de Energia Nova Realização: 13/12/2013 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 12/12/2013)

Leia mais

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização

Leia mais

Habilitação Técnica dos Empreendimentos Eólicos nos Leilões de Energia

Habilitação Técnica dos Empreendimentos Eólicos nos Leilões de Energia Habilitação Técnica dos Empreendimentos Eólicos nos Leilões de Energia Salvador 6 de dezembro de 2017 Glauce Botelho Consultora Técnica Superintendência de Meio Ambiente Leilões de energia Necessidade

Leia mais

Matriz elétrica brasileira e fontes de geração

Matriz elétrica brasileira e fontes de geração Matriz elétrica brasileira e fontes de geração Fernando Umbria LPS Consultoria Energética Agenda Características gerais e conceitos importantes Aspectos legais e regulatórios Os geradores e o mercado de

Leia mais

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes

O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes O Mercado Livre: situação atual, aperfeiçoamentos esperados e a proposta de comercialização de excedentes Fórum Novas Oportunidades para os Consumidores Livres Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do

Leia mais

ABRAPCH. Conquistas Recentes: 5MW e Leilões para CGHs; + 30 anos para PCHs; 1º LER para CGHs e PCHs;

ABRAPCH. Conquistas Recentes: 5MW e Leilões para CGHs; + 30 anos para PCHs; 1º LER para CGHs e PCHs; GSF Repactuação II ABRAPCH Micro, pequenas, médias e grandes empresas (construtores, fabricantes, engenharia, desenvolvedores, prestadores serviço, etc.) Frente Parlamentar Mista em Defesa das PCHs, CGHs

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

MP735 Lei /2016. Reunião Plenária da ABRAGE

MP735 Lei /2016. Reunião Plenária da ABRAGE MP735 Lei 13.360/2016 Reunião Plenária da ABRAGE Brasília, 29 de novembro de 2016 Resumo da tramitação Pauta Síntese dos artigos Próximos passos Resumo da tramitação Pauta Síntese dos artigos Próximos

Leia mais

2º WORKSHOP NACIONAL DE CGHs CUTIRBA, 27 e 28 DE MARÇO DE INSEGURANÇAS, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA OS EMPREENDEDORES EM CGHs

2º WORKSHOP NACIONAL DE CGHs CUTIRBA, 27 e 28 DE MARÇO DE INSEGURANÇAS, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA OS EMPREENDEDORES EM CGHs 2º WORKSHOP NACIONAL DE CGHs CUTIRBA, 27 e 28 DE MARÇO DE 2018 INSEGURANÇAS, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA OS EMPREENDEDORES EM CGHs Curitiba, 27 de Março de 2018 Plínio Pereira Presidente AMIPCH SUMÁRIO

Leia mais

AM.10 AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA

AM.10 AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA Procedimento de Comercialização Controle de Alterações AFERIÇÃO E APLICAÇÃO DE PENALIDADES COBERTURA DE CONSUMO, LASTRO PARA VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA Versão 2 METODOLOGIA DO Texto em realce

Leia mais

Legislação LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A INVESTIMENTOS EM PCH S. Leis:

Legislação LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A INVESTIMENTOS EM PCH S. Leis: A Legislação brasileira que trata dos investimentos em PCH's diz respeito à organização do setor elétrico, à constituição dos órgãos governamentais correlacionados e seus regulamentos, às políticas de

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 1 IMPACTOS DA GARANTIA FÍSICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO Art. 20, 3º, do Decreto nº 2.655,

Leia mais

AGENDA SEMANAL. 2ª Semana de Dezembro/2016 COMPARATIVO

AGENDA SEMANAL. 2ª Semana de Dezembro/2016 COMPARATIVO AGENDA SEMANAL 2ª Semana de Dezembro/2016 RESUMO CLIMÁTICO: Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste. A bacia do rio Tocantins

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

2 O setor elétrico brasileiro

2 O setor elétrico brasileiro 2 O setor elétrico brasileiro O setor elétrico divide-se basicamente quatro segmentos: geração, transmissão, distribuição e comercialização. A geração de energia é composta por centrais hidrelétricas ou

Leia mais

Fórum e Mostra Tecnológica Água e Energia. Vitória, junho de 2017

Fórum e Mostra Tecnológica Água e Energia. Vitória, junho de 2017 Fórum e Mostra Tecnológica Água e Energia Vitória, junho de 2017 O Grupo EDP nasceu em Portugal mas é um grupo global com presença em 14 países Atualmente estamos presentes em 12 estados no Brasil Geração

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

Análise Detalhada das Medições de Geração das Usinas na Composição da Carga Global

Análise Detalhada das Medições de Geração das Usinas na Composição da Carga Global Análise Detalhada das Medições de Geração das Usinas na Composição da Carga Global Diretoria de Planejamento e Programação da Operação - DPP Gerência Executiva de Metodologias, Modelos e Carga - GMC Gerência

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 001/2012 LEILÃO A-3/2012 SELEÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM FORMAR PARCERIAS PARA PARTICIPAÇÃO NO LEILÃO A-3/2012 INFORMAÇÕES GERAIS

CHAMADA PÚBLICA 001/2012 LEILÃO A-3/2012 SELEÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM FORMAR PARCERIAS PARA PARTICIPAÇÃO NO LEILÃO A-3/2012 INFORMAÇÕES GERAIS CHAMADA PÚBLICA 001/2012 LEILÃO A-3/2012 SELEÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM FORMAR PARCERIAS PARA PARTICIPAÇÃO NO LEILÃO A-3/2012 INFORMAÇÕES GERAIS 1. OBJETO A presente Chamada Pública tem por objeto

Leia mais

Abordagem regulatória: Panorama regulatório e legislativo para o setor de geração hidrelétrica

Abordagem regulatória: Panorama regulatório e legislativo para o setor de geração hidrelétrica Abordagem regulatória: Panorama regulatório e legislativo para o setor de geração hidrelétrica Seminário Socioambiental Hidrelétrico Thiago Bao Ribeiro Subsídio de TUSD e TUSD para PCHs CGH Lei 9.427/96

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRITÉRIO DE DIMENSIONAMENTO ENERGÉTICO EM ESTUDOS DE INVENTÁRIOS HIDRELÉTRICOS

AVALIAÇÃO DO CRITÉRIO DE DIMENSIONAMENTO ENERGÉTICO EM ESTUDOS DE INVENTÁRIOS HIDRELÉTRICOS AVALIAÇÃO DO CRITÉRIO DE DIMENSIONAMENTO ENERGÉTICO EM ESTUDOS DE INVENTÁRIOS HIDRELÉTRICOS JOÃO LOPES FERREIRA NETO ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA SPH SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DOS POTENCIAIS

Leia mais

Projetos fotovoltaicos nos leilões de energia

Projetos fotovoltaicos nos leilões de energia Projetos fotovoltaicos nos leilões de energia 12 de junho de 2018 Gustavo Ponte - EPE A EPE 100% pública Criada em 2004 Lei 10.847 Vinculada ao MME Os estudos da EPE dão suporte técnico ao governo na formulação

Leia mais

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência Contratos e Faturamento da Demanda de Potência (REN 414/2010) JORGE AUGUSTO LIMA VALENTE Especialista em Regulação Superintendência de Regulação da Comercialização da Eletricidade Sertãozinho SP 22 de

Leia mais

III SEMASE. III Seminário Nacional de Manutenção e Gestão de Ativos do Setor Elétrico. Mateus Machado Neves. Santos SP 1º de outubro de 2014

III SEMASE. III Seminário Nacional de Manutenção e Gestão de Ativos do Setor Elétrico. Mateus Machado Neves. Santos SP 1º de outubro de 2014 III SEMASE III Seminário Nacional de Manutenção e Gestão de Ativos do Setor Elétrico Mateus Machado Neves SRG/ANEEL Santos SP 1º de outubro de 2014 MELHORIAS E AMPLIAÇÕES NAS CONCESSÕES DE GERAÇÃO RENOVADAS

Leia mais

SUPRIMENTO DE ENERGIA AO NORDESTE: A SOLUÇÃO POR ALAGOAS

SUPRIMENTO DE ENERGIA AO NORDESTE: A SOLUÇÃO POR ALAGOAS TEATRO DA ENERGIA SUPRIMENTO DE ENERGIA AO NORDESTE: A SOLUÇÃO POR ALAGOAS Expositor: Rogério Gondim Oiticica 31 de julho de 2017 FONTES P/ GERAÇÃO DE ENERGIA Geração Eólica Biomassa da Cana de Açúcar

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA LEILÕES DE ENERGIA ANEEL 2013 SELEÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM FORMAR PARCERIAS PARA PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA DE 2013

CHAMADA PÚBLICA LEILÕES DE ENERGIA ANEEL 2013 SELEÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM FORMAR PARCERIAS PARA PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA DE 2013 CHAMADA PÚBLICA LEILÕES DE ENERGIA ANEEL 2013 SELEÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM FORMAR PARCERIAS PARA PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA DE 2013 1. OBJETO A presente Chamada Pública tem por objeto o

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 420, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 420, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 420, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010. Estabelece a sistemática de determinação da Potência Instalada e da Potência Líquida de empreendimento

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente POLÍTICA ENERGÉTICA 21 de Setembro de 2015 12 th International Conference Brazil Energy and Power BEP 12 Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro -AmCham Rio Painel Energia e Política Industrial

Leia mais

RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF

RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF RISCO HIDROLÓGICO, MRE E GSF Camila Rodrigues Advogada da Justen, Pereira, Oliveira & Talamini A matriz elétrica brasileira tem como principal fonte geradora a hidráulica. A utilização do fluxo da água

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

Nota Técnica n o /2004 SRG/ANEEL. Em de de 2004.

Nota Técnica n o /2004 SRG/ANEEL. Em de de 2004. Nota Técnica n o /04 SRG/ANEEL Em de de 04. Assunto: Regulamentação do PROINFA no que se refere aos procedimentos para o estabelecimento da Energia de Referência, conforme o disposto no inciso VI do artigo

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES

ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES ANEXO VI DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 03/2018_cp e no CONTRATO, ficam definidas as palavras e expressões abaixo relacionadas,

Leia mais

FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA.

FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA. FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA Sandra Carneiro ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA COMPARATIVA DE FONTES DE ENERGIA Vitória (ES), Junho de 2017. Sandra Carneiro PEDRO PACHECO BACHETI 2013 2014 2015

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Lei nº 10.848/2004 (Redação Original) Art. 2 o... 1 o Na contratação regulada, os riscos hidrológicos serão assumidos conforme as seguintes modalidades contratuais:

Leia mais

Aperfeiçoamentos do Mercado de Geração Hídrica Workshop de Infraestrutura

Aperfeiçoamentos do Mercado de Geração Hídrica Workshop de Infraestrutura Aperfeiçoamentos do Mercado de Geração Hídrica Workshop de Infraestrutura Rodrigo Limp DIRETOR DA ANEEL São Paulo, 20 de março de 2019 Sistema Elétrico Brasileiro O Brasil adotou o modelo de despacho centralizado

Leia mais

Termo Aditivo ao Contrato de Concessão de Geração MP 579/2012

Termo Aditivo ao Contrato de Concessão de Geração MP 579/2012 Termo Aditivo ao Contrato de Concessão de Geração MP 579/2012 Brasília, 28 de novembro de 2012 Grupo de Trabalho de Análise de Assuntos Institucionais e da Legislação sobre o Setor Elétrico - GTIL Objetivo

Leia mais

Sessão 4 A Gestão Socioambiental de PCHs e CGHs

Sessão 4 A Gestão Socioambiental de PCHs e CGHs Sessão 4 A Gestão Socioambiental de PCHs e CGHs Hélvio Neves Guerra Secretário-adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético Ministério de Minas e Energia Curitiba, 09 de maio de 2019 Agenda 1.

Leia mais

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro 3º Seminário Energia +Limpa O Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Alexandre Zucarato 24 de abril de 2012 Funcionamento do Sistema Físico 2 Sistema Elétrico Brasileiro 3 Sistema Elétrico Brasileiro Rede

Leia mais

Autorização sem venda; Prazo limite para Licenciar; Conflito Potencial x Geração ; Regras para o MRE.

Autorização sem venda; Prazo limite para Licenciar; Conflito Potencial x Geração ; Regras para o MRE. Mudanças de regras; Regras Novas; Ministério Público; Recursos Hídricos. Autorização sem venda; Prazo limite para Licenciar; Conflito Potencial x Geração ; Regras para o MRE. O nível de inserção nos Leilões;

Leia mais

Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP

Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP Relatório Técnico Metodologia de Cálculo de Garantia Física de Potência de Usinas Hidrelétricas Despachadas

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Geração Distribuída. 2º. Workshop Nacional de CGHs ABRAPCH. Um importante Mercado para as CGHs

Geração Distribuída. 2º. Workshop Nacional de CGHs ABRAPCH. Um importante Mercado para as CGHs 2º. Workshop Nacional de CGHs ABRAPCH 27 e 28 de Março de 2018 EXPO UNIMED CURITIBA - PR Geração Distribuída Um importante Mercado para as CGHs Prof. Dr. Geraldo Lúcio Tiago Filho Centro Nacional de Referências

Leia mais

RELATÓRIO SEMANAL 08 A 12 DE JULHO DE 2013 ACONTECEU

RELATÓRIO SEMANAL 08 A 12 DE JULHO DE 2013 ACONTECEU ACONTECEU Lei n. 12.839 - CDE. Editada a Lei n. 12.839/ que promove inclusões e alterações em importantes leis do setor elétrico brasileiro, principalmente nas Leis n. 10.438/2002, n. 10.848/2004 e 9.074/1995.

Leia mais

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente

Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Mercado de Livre Contratação de Energia de PCHs Novas Regras de Comercialização e Liquidação V Conferência de PCHs Mercado e Meio Ambiente Leonardo Calabró Conselho de Administração 05 de agosto de 2009

Leia mais

DECRETO Nº 5.163, DE 30 DE JULHO DE 2004

DECRETO Nº 5.163, DE 30 DE JULHO DE 2004 DECRETO Nº 5.163, DE 30 DE JULHO DE 2004 Regulamenta a comercialização de energia elétrica, o processo de outorga de concessões de autorizações de geração de energia elétrica, e dá outras providências.

Leia mais

Projetos de Geração Distribuída Neoenergia. Maio de 2016

Projetos de Geração Distribuída Neoenergia. Maio de 2016 Projetos de Geração Distribuída Neoenergia Maio de 2016 GRUPO NEOENERGIA Um dos maiores grupos do setor elétrico brasileiro, maior em números de clientes ( 10,5 milhões ) Atuação em toda a cadeia de produção

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Ata da 50 ª Reunião do GTOP - Grupo de Trabalho da Operação

Ata da 50 ª Reunião do GTOP - Grupo de Trabalho da Operação Ata da 50 ª Reunião do GTOP - Grupo de Trabalho da Operação Local : Escritório da COPEL - Curitiba/PR Data : 16 e 17 de novembro de 2006 Presentes: 1. Luiz Hamilton Moreira (Coordenador) COPEL 2. Hugo

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Aula II.2 Noções Básicas de Estudos de Hidronergéticos

Aula II.2 Noções Básicas de Estudos de Hidronergéticos Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 Capítulo II: Planejamento da Sistemas de Geração

Leia mais

Estudos de Caso de Gestão Socioambiental em Operação de Empreendimentos

Estudos de Caso de Gestão Socioambiental em Operação de Empreendimentos Estudos de Caso de Gestão Socioambiental em Operação de Empreendimentos IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE PROJETOS DE GERAÇÃO HIDRELÉTRICA: ESTUDOS DE CASO PROF. DR. GERALDO LÚCIO TIAGO FILHO CENTRO NACIONAL DE

Leia mais

Portaria MME n o 484 de 2014

Portaria MME n o 484 de 2014 Portaria MME n o 484 de 2014 Revisão dos Valores de Referência das Indisponibilidades (TEIF e IP) Efeitos Energéticos: Garantia Física e MRA Índice 1. Portaria MME n o 484 de 2014 2. Efeito da Disponibilidade

Leia mais

Geração de Energia Elétrica. Aula 3 Centrais Hidrelétricas

Geração de Energia Elétrica. Aula 3 Centrais Hidrelétricas Geração de Energia Elétrica Aula 3 Centrais Hidrelétricas 16/04/2008 1 Etapas de implantação de Grandes Centrais Hidrelétricas (GCH) 1. Estimativa do potencial hidrelétrico análise preliminar: aspectos

Leia mais