Análise termodinâmica e termoeconômica de um sistema de cogeração utilizando biomassa da cana-de-açúcar estudo de caso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise termodinâmica e termoeconômica de um sistema de cogeração utilizando biomassa da cana-de-açúcar estudo de caso"

Transcrição

1 III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência Toledo Paraná, 28 a 30 de Outubro de 2013 Análise termodinâmica e termoeconômica de um sistema de cogeração utilizando biomassa da cana-de-açúcar estudo de caso Rafael Delapria Dias dos Santos 1 ; Márcio Higa 2 (1) Pós-Graduando, Universidade Estadual de Maringá UEM, Especialização em Tecnologia Mecânica do Setor Sucroalcooleiro (2) Orientador, Prof. Dr. - Universidade Estadual de Maringá-UEM, Departamento de Engenharia Mecânica DEM. Resumo: O desempenho térmico de um sistema de cogeração deve ser avaliado de forma diferenciada quando comparado a um sistema em que o único objetivo é geração de potência. Esta diferenciação decorre da qualidade da energia utilizada em forma de calor ou trabalho, conforme os princípios da Segunda Lei da Termodinâmica e dos conceitos de Exergia. Além disso, a avaliação do desempenho térmico deve estar associada aos custos econômicos de investimento, operação e manutenção do sistema, o que pode ser conseguido por meio da Termoeconomia. Este trabalho utiliza os conceitos de Exergia e Termoeconomia para avaliar um sistema de cogeração de uma planta industrial de uma usina de açucar e álcool como Estudo de Caso. Diferentes índices de desempenho propostos por outros autores em trabalhos anteriores foram utilizados e demonstraram que a usina em estudo apresenta um bom desempenho termoeconômico. Palavras Chave: Cinza de eucalipto; Corante reativo; Cinética de adsorção; Equilíbrio; Planejamento DCCR. INTRODUÇÃO Ao longo do século XX, o sistema elétrico mundial se tornou cada vez mais centralizado no que diz respeito à geração de eletricidade, principalmente devido à estruturação e transmissão de energia a longas distâncias. Entretanto, a elevação do custo de eletricidade devido às políticas ambientais, somado a recessão de produção nos países industrializados e a crise do petróleo, vêm incentivando a busca por outras fontes geradoras de energia e acelerando o processo de reformulação do setor para um sistema mais descentralizado. Segundo Rezac e Metghalchi (2004), a introdução de uma energia limpa e barata tem a capacidade de promover governos, de melhorar a economia dos países pobres, de oferecer saneamento básico e melhorar os benefícios de saúde, assim como também reduzir a quantidade de poluentes que entram em nossa atmosfera sob a forma de gases de efeito estufa. Este cenário criado pela necessidade de desenvolvimento e uso de novas fontes energéticas é amplamente favorável à utilização da biomassa como fonte de geração de energia elétrica. A necessidade de melhoria no sistema energético brasileiro ficou ainda mais evidente na crise do apagão em 2001, que ocorreu devido à falta de investimento no setor elétrico, ausência de um planejamento energético adequado, aumento da demanda no consumo decorrente do crescimento econômico da população. Além disso, a seca que ocorreu no País nesta época agravou a crise, visto que a energia utilizada em grande parte é proveniente da força das águas. Este contexto de crise incentivou o aumento nas pesquisas em torno da cogeração visando a produção excedente de eletricidade no setor sucroalcooleiro. O motivo da comercialização do excedente elétrico deve-se a biomassa residual da moagem da cana-de-açúcar. Esta é constituída por elevados teores de materiais Anais do III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência 28 a 30 de Outubro de 2013 Toledo PR 207

2 III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência Toledo Paraná, 28 a 30 de Outubro de 2013 lignocelulósicos, que os tornam matériasprimas capazes de produzir energia térmica e elétrica. O uso da biomassa da cana-de-açúcar com fins energéticos vem não apenas contribuir com a oferta de energia nos momentos de seca e crise energética, mas também surge como fonte de energia que não agride ao meio ambiente. No esquema tradicional de funcionamento de uma usina de açúcar e álcool a matéria prima após ser moída, fornece o caldo para a produção de açúcar e álcool. O bagaço é utilizado para produção de vapor nas caldeiras. O vapor primário (alta pressão) é fornecido para as turbinas com o objetivo de gerar potência para o acionamento de equipamentos na moenda, bombeamento, geração elétrica entre outros. O vapor secundário (baixa pressão) resultante do escape das turbinas é utilizado como fonte de calor para aquecimento, evaporação, cozimento e destilação. Se houver falta de vapor secundário, pode-se haver um complemento por meio das linhas diretas de vapor primário, por válvulas redutoras de pressão. Todas as usinas do Brasil são auto-suficientes em relação a geração de energia eletromecânica e calor para o processo (HIGA, 2003). OBJETIVO Modelar a configuração atual de uma usina de açúcar e álcool localizada no interior do Paraná, realizando análises termodinâmicas e termoeconômicas do aproveitamento do bagaço da cana-de-açúcar em seu sistema de cogeração. METODOLOGIA Fundamentos da análise energética A solução do problema tratado neste artigo envolve os princípios básicos da termodinâmica, respectivamente, Primeira e Segunda Leis da Termodinâmica. Considerando que os volumes de controle se encontram em regime permanente e que as variações de energia cinética e potencial podem ser desprezadas, a Primeira Lei da Termodinâmica pode ser descrita seguinte forma (BORGNAKKE et al., 2009). (1) - Taxa de transferência de calor no volume de controle (kw); - Taxa de potência referente ao volume de controle (kw); - Fluxo de massa de entrada no volume de controle (kg/s); - Fluxo de massa de saída no volume de controle (kg/s); - Entalpia específica da entrada do volume de controle (kj/kg); - Entalpia específica da saída do volume de controle (kj/kg). A Primeira Lei da Termodinâmica para volume de controle é fortemente baseada na utilização da propriedade entalpia, que nos permite analisar os processos dentro de um sistema de maneira quantitativa. Já a Segunda Lei da Termodinâmica baseia-se na propriedade entropia, que permite a realização de uma análise quantitativa e qualitativa dos processos. Este segundo princípio está relacionado à qualidade da energia e direção do fluxo energético. Um de seus postulados afirma que o calor fluirá da temperatura mais alta para a mais baixa, caso as temperaturas sejam iguais não haverá fluxo de calor. A Segunda Lei afirma que não há processo natural reversível. Isto significa que cada processo envolve a degradação dos recursos energéticos, ou seja, eles são considerados irreversíveis. O balanço de entropia para um volume de controle em regime permanente pode ser descrito assim: Anais do III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência 28 a 30 de Outubro de 2013 Toledo PR 208

3 III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência Toledo Paraná, 28 a 30 de Outubro de 2013 (2) cinética, química e física. Quando as exergias cinéticas e potenciais podem ser desprezadas, a exergia do fluxo de um fluido é dada somente pela soma das exergias físicas e químicas. - Taxa de geração de entropia no volume de controle (kw/k); - Taxa de entropia gerada pelo fluxo de calor no volume de controle (kw/k); - Temperatura superficial do volume de controle (K); - Entropia específica na entrada do volume de controle (kj/kg.k); - Entropia específica na saída do volume de controle (kj/kg.k). Fundamento da análise exergética De acordo com Kotas (1985), a palavra exergia foi utilizada pela primeira vez por Rant em 1956, para substituir vários termos de significados similares que eram empregados em diferentes países: energia útil (França), disponibilidade (EUA) e capacidade de trabalho (Alemanha). Segundo Rant, apud Torres (2001), foi ele quem sugeriu a palavra exergia, também propôs a palavra Anergia, que é a parte da energia não aproveitada, ou melhor: Energia = Exergia + Anergia. Energia, portanto, é tudo aquilo que pode ser aproveitado (exergia) somado àquilo que não é útil (anergia). Em outras palavras energia é aquilo que pode ser convertido em calor e/ou trabalho. Porém, para calcular a exergia é necessário que se defina o estado de referência, para que se tenha uma base sobre quais são os valores a serem adotados (SHIRMER, 2006). Para Szargut et al. (1988), exergia é a quantidade de trabalho obtido quando uma massa é trazida até um estado de equilíbrio termodinâmico com os componentes comuns do meio ambiente. Segundo o mesmo autor, a exergia total de um determinado fluxo, de um fluido pode ser subdividida em exergia potencial, ( ) ( ) ( ) (3) - Temperatura de referência (K); - Refere-se ao potencial químico de referência do elemento ( ); - Potencial químico do elemento na mistura( ); - Fração do componente na mistura. O estado morto ou ambiente de referência é indicado pelo subíndice 0. O trabalho reversível será máximo quando e. Fazendo uso da ideia de um ambiente que represente o mundo físico real, este artigo adotorá como ambiente de referência às condições normais de temperatura e de pressão (CNTP), =298,15K e =101,325 kpa. Índices de desempenho de sistemas de cogeração Ensinas (2008) cita que plantas de geração de potência convencionais e sistemas de cogeração apresentam concepções diferentes. As plantas de geração de potência (geralmente elétrica) procuram ter uma máxima eficiência, enquanto os projetos de cogeração requerem o atendimento das demandas de calor e potência. Visto que ambos os produtos apresentam suas vantagens, e necessidades de acordo com a produção, a escolha de índices de desempenho térmicos adequados passou a ser muito importante. O objetivo de utilizar os índices de desempenho é avaliar os sistemas de cogeração como um todo, esclarecendo as Anais do III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência 28 a 30 de Outubro de 2013 Toledo PR 209

4 III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência Toledo Paraná, 28 a 30 de Outubro de 2013 diferenças entre eles, principalmente com relação à aplicação de métodos baseados na primeira e segunda leis da termodinâmica. Autores como Lizarraga (1994), Barreda Del Campo (1999), Fiomari (2005), Rocha (2010) entre outros discutem e utilizam estes índices em seus trabalhos para avaliação de sistemas térmicos. O Fator de Utilização de Energia (FUE) representa a relação entre a energia térmica ou eletromecânica aproveitada no ciclo e a energia do combustível gasta para geração de vapor. (4) - Fluxo de massa do combustível na caldeira (kg/s); - Poder calorífico inferior do combustível (kj/kg). Índice de Poupança de Energia (IPE), esta relacionado à economia de energia em um combustível e é obtido em sistemas de cogeração que produzem separadamente energia térmica e elétrica. (5) Eficiência térmica de caldeiras que produzem apenas vapor saturado (77%); Eficiência térmica das turbinas de uma planta potência com referência (40%). A partir desta equação também define a Eq. (6) abaixo que se refere à quantidade de Energia a Economizar (EEC), devido à cogeração. (6) O Índice de Geração de Potência (IGP) é capaz de calcular separadamente a eficiência da geração de potência, subtraindo a energia utilizada para fins de aquecimento. (7) A efetividade de custo de um sistema de cogeração está diretamente relacionada com a quantidade de potência elétrica que um sistema é capaz de produzir para uma determinada quantidade de calor utilizada no processo. (8) Para que seja possível a avaliação da eficiência global da planta, é necessária a consideração de toda potência gerada (mecânica ou elétrica), de toda energia (útil e perdida), bem como da energia proveniente do combustível. (9) relação potência elétrica gerada e a quantidade de cana moída. moída (kg/s). (10) - Fluxo de massa de cana Fundamentos termoeconômicos A termoeconomia é uma metodologia desenvolvida com base nos conceitos de exergia para análise de sistemas térmicos. Para a disseminação da análise termoeconômica é necessária à realização de uma análise exergética seguida uma análise econômica. Esta metodologia tem como objetivo principal atribuir custos a um portador de energia. Este trabalho utilizará a metodologia exergoeconômica que faz uso da alocação dos custos médios dos equipamentos, sendo capaz de determinar o custo dos produtos, de fornecer um meio de alocação dos gastos e Anais do III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência 28 a 30 de Outubro de 2013 Toledo PR 210

5 III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência Toledo Paraná, 28 a 30 de Outubro de 2013 atuar como base de informações para tomada de decisões operacionais, conforme proposta de Bartolomé, Lozano e Valero (1996). A metodologia exergoeconômica quando formulada para um balanço de custo de maneira individual em cada componente do sistema k, tem-se que a soma das taxas de custo associado a todos os fluxos exergéticos de saída do sistema, é igual à soma das taxas de todos os fluxos exergéticos de entrada mais o preço devido ao investimento de capital e despesas com operação e manutenção de cada k-componente. ( ) ( ) ( ) ( ) (11) - Exergia específica de entrada do volume de controle (kj/kg); - Exergia específica de saída do volume de controle (kj/kg); Custo médio total do equipamento por unidade de tempo no componente k (R$/s). As variáveis,, e equivalem aos custos exergoeconômicos os respectivos fluxos físicos (entrada, saída, trabalho e calor gerado no interior do volume de controle). O custo médio de cada fluxo é dado em unidades monetárias, por kj, por exemplo, R$/kJ (reais por Kilojoule). Nota-se que quando um componente recebe uma determinada quantidade de potência proveniente de um compressor ou uma bomba inverte seu sinal e se torna negativo. O mesmo ocorre com a transferência de calor para o sistema, onde o termo aparece com sinal negativo. No caso do sistema proposto neste trabalho, considera-se que o custo dos equipamentos é zero, pois já foram pagos. Ferramenta computacional As equações podem ser solucionadas utilizando-se qualquer ferramenta de cálculo apropriada para este fim. Entretanto, será utilizado o software EES (Engineering Equation Solver), desenvolvido por Klein e Alvarado (1995), que permite a determinação de propriedades termodinâmicas, como entalpia e entropia, de maneira simples e eficiente, sem haver a necessidade de recorrer a tabelas termodinâmicas. DETALHAMENTO DO CASO EM ANÁLISE O estudo de caso refere-se a uma usina sucroalcooleira localizada no interior do Paraná. A empresa trabalha com duas caldeiras de 22,5 bar, e somente com turbinas de contrapressão. É possível observar que todos os acionamentos (moendas, exaustores, ventiladores e bombas) não são eletrificados. O QUADRO 1 apresenta dados da safra 2012/2013. QUADRO 1 - Dados de moagem, consumo e produção de bagaço da safra 2012/2013. Parâmetros Valores Unidades Cana moída total t Período de safra 282 Dias Dias efetivos de safra 231 Dias Moagem diária t/dia Moagem horária 355 t/h Teor de fibra da cana 12,5 % Teor de fibra do bagaço 47,4 % Fluxo de bagaço na caldeira 1 34,6 t/h Fluxo de bagaço na caldeira 2 37,3 t/h Fluxo de bagaço nas caldeiras 71,9 t/h Fluxo de bagaço total produzido 92,45 t/h Fluxo de bagaço residual 20,55 t/h Bagaço total residual da safra t Fonte: Própria. Anais do III Encontro Paranaense de Engenharia e Ciência 28 a 30 de Outubro de 2013 Toledo PR 211

6 Na FIGURA 1 encontra-se representada sob a forma de fluxograma o ciclo de potência da usina em análise. FIGURA 1 - Planta atual da usina em análise. 212

7 O QUADRO 2 - descreve o equacionamento termoeconômico para cada volume de controle descrito na FIGURA 1. QUADRO 2 - Equacionamento termoeconômico. Componente Entrada Saída Bomba da Caldeira + + Caldeira Caldeira Dessuper 1 Dessuper 2 Evaporação do Caldo Junção Junção Junção 3 Junção 4 + Junção 5 Junção 6 + Redutora + Turbina 5/6 T. + + Turbina 3/4 T. + + Turbina 1/2 T. Turbina Água Caldeira Turbina Bomba Dest. Turbina Desfibrador Turbina Exaustor 1 Turbina Exaustor 2 Turbina Gerador DME-450 Turbina Picador Turbina Spray Fábrica Equação Auxiliar Na TABELA são encontrados os parâmetros característicos de operação da planta industrial atual da empresa. 213

8 TABELA 1 - Parâmetros característicos de operação. Pontos (t/h) T ( ) P (KPa) h (kj/kg) s (kj/kg.k) (kj/kg) , , , , , , , , , , , , ,3 8 20, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,6 163, , ,1 19 3, ,075 18, ,9 161, ,23 637,4 21 3, , ,11 192, , , , , , ,1 25 3, , , , ,2 27 7, , , , , , , ,9 150, , , , , , ,22 195, , ,1 34 2, ,1 1,075 19, ,24 199, , , ,8 189, , ,7 168, , , ,1 1,352 37, , ,6 1,364 40, , ,6 1,364 40, , ,6 1,364 40, , ,6 1,364 40, ,6 1,364 40, ,6 1,364 40, ,6 1,364 40,66 RESULTADOS Os resultados da análise termodinâmica e termoeconômica serão apresentados a seguir. Fonte: Própria. 214

9 Resultados termodinâmicos O Erro! Fonte de referência não encontrada. refere-se à descrição da potência gerada por cada equipamento, baseado no princípio da Primeira Lei da Termodinâmica a soma equivale à ,7. TABELA 2 - Potência gerada. Parâmetros Turbinas Potência ( ) Parâmetros Turbinas Potência ( ) Picador Cop Turbo Bomba Água Cald. 326,7 Desfibrador Turbo Bomba Dest. 200 e Ternos da Moenda Turbo Spray 676 e Ternos da Moenda Exaustor e Ternos da Moenda Exaustor Turbogerador DME Fonte: Própria. A Erro! Fonte de referência não encontrada. representa os indicadores de desempenho baseado na Primeira Lei da Termodinâmica. TABELA 3 - Índices de desempenho e eficiência global da planta industrial, baseado na Primeira Lei da Termodinâmica. FUE IPE EEC IGP RPC (%) 0,8302 0,862 0,138 1,157 0, ,66 0,8281 A Os indicadores de desempenho demonstram que a usina em análise apresenta ótimos índices quando comparada a outros estudos. O sistema utiliza quase toda a energia proveniente da biomassa, conforme constata o elevado valor de FUE. Além disso, apresenta um alto índice de economia do combustível 13,8%, estando acima da média comparada. TABELA apresenta uma comparação entre índices de desempenho, com alguns índices obtidos de outros trabalhos, para expormos situações reais em indústrias que apenas praticam o processo de cogeração. Os indicadores de desempenho demonstram que a usina em análise apresenta ótimos índices quando comparada a outros estudos. O sistema utiliza quase toda a energia proveniente da biomassa, conforme constata o elevado valor de FUE. Além disso, apresenta um alto índice de economia do combustível 13,8%, estando acima da média comparada. TABELA 4 - Tabela comparativa dos índices obtidos. Exemplo FUE IPE EEC IGP RPC Usina Vale do Rosário (safra 96) 0,75 0,954 0,046 0,57 0,095 Usina Vale do Rosário (safra 97) 0,75 0,968 0,032 0,513 0,087 Usina Vale do Rosário (safra 98) 0,735 0,945 0,055 0,548 0,133 Usina Cruz Alta (safra 2000) 0,784 0,974 0,026 0,49 0,08 Destilaria Pioneiros (safra ) 0,606 0,814 0,186 0,046 0,082 Usina A (safra 2009) 0,82 0,8646 0,1354 0,856 0,1676 Usina B (safra 2009) 0,75 0,945 0,055 0,703 0,0771 Fonte: (Prieto, 2003; Fiomari et al., 2005 e Barreda Del Campo, 1999). 215

10 Custo da Eletricidade produzida R$/MWh Em relação ao IGP, constata-se que é necessário uma baixa quantidade de energia para produzir 1 kw de potência (elétrica e/ou mecânica). A relação RPC indica a quantidade de potência total produzida e o calor destinado ao processo mostra que as usinas produzem muito mais calor do que potência mecânica ou elétrica. Este valor encontrado para usina atual demonstra a baixa produção de energia elétrica, mesmo porque o nível de pressão e temperatura do vapor de alta pressão utilizado é de apenas 22,5 bar e 310º C, quando a tendência é o aumento destes patamares para valores na ordem de 120 bar e 530º C, Prieto, 2003 citou que o nível de pressão da usina Cruz Alta era de 60 bar e 480 º C, valor considerado ainda alto para os padrões atuais. Resultados termoeconômicos A partir da análise termoeconomica é possível variar o custo de aquisição do bagaço e então determinar qual será o custo de geração de eletricidade e o custo de vapor destinado ao processo. Neste trabalho, toma-se como referência o valor de R$15/t que é o preço médio adotado para a venda de bagaço entre as usinas em época de safra. O custo de eletricidade gerada é de R$ 86,18/MWh, utilizando a referência adotada para o preço do bagaço de R$15/t. A FIGURA 1 mostra o custo de eletricidade produzida em função do custo do bagaço Custo do Bagaço R$/t FIGURA 1 - Custo médio de eletricidade em função do custo de bagaço. A FIGURA 2 representa o custo de eletricidade produzida e o custo de vapor de processo em função do custo do bagaço. 216

11 Custo do Vapor de Processo R$/t Custo do Bagaço R$/t FIGURA 2 - Custo do vapor do processo em função do custo de bagaço. Observa-se neste caso que o custo de vapor de processo é de R$ 20,91/t. CONCLUSÕES A avaliação do desempenho térmico de um sistema de cogeração deve ocorrer de forma criteriosa, considerando a qualidade da energia utilizada em forma de calor ou trabalho, conforme os princípios da Segunda Lei da Termodinâmica e dos conceitos de Exergia. Além disso, a avaliação do desempenho térmico deve estar associada aos custos econômicos de investimento, operação e manutenção do sistema, o que pode ser conseguido por meio da Termoeconomia. Este trabalho utilizou diferentes índices de desempenho propostos por outros autores para verificar e comparar a usina em estudo com outras plantas industriais. Considerando o valor de R$15/t, observa-se a partir da análise termoeconômica o baixo custo de geração de eletricidade R$ 86,18/MWh, devido a elevada quantidade de bagaço excedente. Outro ponto importante a constatar é também o custo de geração de vapor para o processo, este valor é considerado bom, apresentando resultados melhores do que de outros estudos. Com relação aos demais índices de desempenho constata-se que a usina estudada apresenta indicadores semelhantes a outras empresas do setor, desta forma, a mesma pode ser considerada eficiente e econômica, encontrando-se dentro dos padrões do setor. Como sugestão futura sugiro, uma análise termoeconômica e econômica de uma planta moderna capaz de exportar energia elétrica para avaliar o custo-benefício. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARREDA DEL CAMPO, E. R. Avaliação termoeconômica do sistema de cogeração da Usina Vale do Rosário f. Dissertação (Doutorado em Engenharia Mecânica) UNICAMP Universidade Estadual de Campinas, Campinas BARTOLOMÉ, J. L; LOZANO, M. A; VALERO, A. On-line monitoring of power-plant performance using exergetic cost. Applied thermal engineering. v. 16, n. 12, p , BORGNAKKE, C.; WYLEN, G. J. V.; SONNTAG, R. E. Fundamentos da Termodinâmica. 7. ed. Edgard Blucher, ENSINAS, A. V. Integração térmica e otimização termoeconômica aplicadas ao processo industrial de produção de açúcar e etanol a partir da canade-açúcar f. Dissertação (Doutorado em Engenharia Mecânica) UNICAMP Universidade Estadual de Campinas, Campinas FIOMARI, M. C.; MASHIBA, M. H. S.; MAIA, C. R. M.; RAMOS, A. V. Análise energética e exergética da destilaria pioneiros na safra Paper CRE05-FS20. XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica UNESP Universidade Estadual Paulista, Júlio de Mesquita Filho, Ilha Solteira HIGA, M. Cogeração e Integração Térmica em Usinas de Açúcar e Álcool f Dissertação (Doutorado em Engenharia Mecânica) - UNICAMP Universidade Estadual de Campinas, Campinas

12 KLEIN, S. A.; ALVARADO, F.L. EES Engineering Equation Solver, F-Chart Software, Middleton, WI, KOTAS, T. J. The Exergy Method of Thermal Plant Analysis. Editôra Butterworths, London, 1985, 296p. LIZARRAGA, J. M. S. Cogeneración. Aspectos termodinámicos, tecnológicos y económicos. Servicio Editorial Universidad Pais Vasco, Bilbao, PRIETO, M. G. Alternativas de Cogeração na Indústria Sucro-Alcooleira, Estudo de Caso f. Dissertação (Doutorado em Engenharia Mecânica) UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas. Campinas REZAC, P.; METGHALCHI, H. A Brief Note on the Historical Evolution and Present State of Exergy Analysis. International Journal Exergy, vol. 1, no. 1, pp ROCHA, G. Análise termodinâmica, termoeconômica e econômica de uma usina sucroalcooleira com processo de extração por difusão f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) UNESP - Universidade Estadual Paulista, Júlio de Mesquita Filho, Ilha Solteira SHIRMER, F. Comparação de Indicadores de Eficiência Energética e Exergética em Duas Indústrias do Setor Sucroalcooleiro f. Dissertação (Mestrado) UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, ~ TORRES, E. A., Análise exergética. UFBA - Universidade Federal da Bahia. Escola Politécnica, DEQ LEN, p. Relatório Técnico. SZARGUT, J.; MORRIS, D.R.; STEWARD, F.R. Exergy analysis of thermal, chemical, and metallurgical processes. New York: Hemisphere Publishing Co, p. 218

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Case Seresta Autor: Écliton Ramos 02 Fonte: ONS Evolução da capacidade instalada (por fonte de geração MW) Plano Decenal de Expansão de Energia

Leia mais

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro Tecnologias, Seminário Internacional Oportunidades de Energias e Estudos Renováveis veis, para Limpas o Incremento e Cogerada e Cogeração ITM Expo Feiras e Convenções São Paulo (SP) 27 a 29/11/2007 Palestra

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA Títuloda CANA-DE-AÇÚCAR Apresentação Bioeletricidade A segunda revolução energética da cana-de-açúcar Autor Rio de Janeiro, 24 de novembro de 2005 Helcio

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS Projeto de Iniciação Científica MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS COM COMBUSTÃO EXTERNA Orientador: Prof. Dr. Paulo Eduardo Batista de Mello Departamento: Engenharia Mecânica Candidato: José Augusto

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA EM USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL UTILIZANDO A ANÁLISE PINCH

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA EM USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL UTILIZANDO A ANÁLISE PINCH Revista Iberoamericana de Ingeniería Mecánica. Vol. 9, N.º 3, pp. 95-101, 2005 AVALIAÇÃO ENERGÉTICA EM USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL UTILIZANDO A ANÁLISE PINCH MÁRCIO HIGA 1,2, ANTONIO C. BANNWART 1 1 Universidade

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO

15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO 15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO Jose Willams da Silva Luz Gerente Corporativo Industrial Deltasucroenergia Willams.luz@deltasucroenergia.com.br Fone: 034.3319.6463

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

escoamento multifásico Abril 2013

escoamento multifásico Abril 2013 Seminário do grupo de escoamento multifásico Abril 2013 1 Carlos Marlon Silva Santos Email: carlosmarlon@hotmail.com carlosmarlon@sc.usp.br Fone :16 8251-7735 2002- Graduação Engenharia Mecânica - UFBA

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas

Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas Co-geração de energia da Biomassa da Cana no ESP ÚNICA - COGEN - SP Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas Isaias C. Macedo Produção / utilização da biomassa da cana Brasil: 320 M

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

TGM TURBINAS TECNOLOGIA E SOLUÇÕES PARA MELHOR EFICIÊNCIA NA GERAÇÃO DE ENERGIA CICLO A VAPOR COM AQUECIMENTO REGENERATIVO

TGM TURBINAS TECNOLOGIA E SOLUÇÕES PARA MELHOR EFICIÊNCIA NA GERAÇÃO DE ENERGIA CICLO A VAPOR COM AQUECIMENTO REGENERATIVO TGM TURBINAS TECNOLOGIA E SOLUÇÕES PARA MELHOR EFICIÊNCIA NA GERAÇÃO DE ENERGIA CICLO A VAPOR COM AQUECIMENTO REGENERATIVO Novembro de 2012 PROGRAMA Introdução Ciclo a Vapor Cálculo de Combustível Histórico,

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores.

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Processos Isentrópicos O termo isentrópico significa entropia constante. Eficiência de Dispositivos

Leia mais

Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina

Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina Resumo da apresentação, caso precise de mais informações relativo ao tema favor me contatar. Dep. DT -

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP Optinal Industrial Fermentation Silvio Roberto Andrietta Plantas de produção de etanol Etapas Preparo da matéria prima Preparo da cana (abertura

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS PARA ENSINO DE DISCIPLINAS DA ÁREA TÉRMICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UNIMEP

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS PARA ENSINO DE DISCIPLINAS DA ÁREA TÉRMICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UNIMEP UTILIZAÇÃO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS PARA ENSINO DE DISCIPLINAS DA ÁREA TÉRMICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UNIMEP Antonio G. Gallego 1 e Marco Antonio Sperl de Faria 2 Universidade Metodista de Piracicaba

Leia mais

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO 14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO VISÃO ATUALIZADA SOBRE A PRODUÇÃO DE VAPOR EM USINAS E DESTILARIAS ERICSON MARINO 30/10/2013 TEMAS DA APRESENTAÇÃO TRANSIÇÃO, DAS PRESSÕES E TEMPERATURAS DE VAPOR PRODUZIDO

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA José Maximiano Candido Neto 1, Wagner Andre dos Santos

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR.

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. Roberta Daniela da Silva Santos Universidade Federal do Vale do São Francisco,

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos

PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos Descrição atualizada em junho/2014 www.piracicabaengenharia.com.br 1 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão 6 a 1 de Outubro de 28 Olinda - PE Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão Ronaldo R. B. de Aquino Zanoni D. Lins Pedro A. C. Rosas UFPE UFPE UFPE rrba@ufpe.br zdl@ufpe.br prosas@ufpe.br

Leia mais

11.1 EQUAÇÃO GERAL DOS BALANÇOS DE ENERGIA. Acúmulo = Entrada Saída + Geração Consumo. Acúmulo = acúmulo de energia dentro do sistema

11.1 EQUAÇÃO GERAL DOS BALANÇOS DE ENERGIA. Acúmulo = Entrada Saída + Geração Consumo. Acúmulo = acúmulo de energia dentro do sistema 11 BALANÇOS DE ENERGIA EM PROCESSOS FÍSICOS E QUÍMICOS Para utilizar adequadamente a energia nos processos é preciso que sejam entendidos os princípios básicos envolvidos na geração, utilização e transformação

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM PLATAFORMAS OFFSHORE

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM PLATAFORMAS OFFSHORE MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS EM PLATAFORMAS OFFSHORE Ricardo Toshiaki Takayama ricardo.takayama@gmail.com Resumo. O objetivo deste trabalho é construir um modelo para a simulação dos processos de

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO

17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO 17º Congresso de Iniciação Científica ESTUDO POTENCIAL ENERGÉTICO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DA BIOMASSA: CONSTRUÇÃO DE UM CALORÍMETRO ISOPERIBÓLICO Autor(es) ANDRESSA AMBROSIO DE CAMPOS Orientador(es)

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 As fontes de Energia para GD Gerando energia elétrica com biomassa da cana: início de um ciclo virtuoso Isaias C. Macedo NIPE - UNICAMP Produção

Leia mais

Palavras-chave: exergia, recuperação química, combustível, turbina.

Palavras-chave: exergia, recuperação química, combustível, turbina. ANALISE EXERGÉTICA DE UMA PLANTA DE TURBINA A GÁS COM RECUPERAÇÃO QUÍMICA. Mario G. Sánchez Prieto - email: 192572rg@discovery.fem.unicamp.br UNICAMP, Universidade Estadual de Campinas, Departamento de

Leia mais

ANÁLISE TERMODINÂMICA DE CICLO DE POTÊNCIA UTILIZANDO TURBINA A GÁS COM INJEÇÃO DE ÁGUA NO AR DE COMBUSTÃO (RWI)

ANÁLISE TERMODINÂMICA DE CICLO DE POTÊNCIA UTILIZANDO TURBINA A GÁS COM INJEÇÃO DE ÁGUA NO AR DE COMBUSTÃO (RWI) ANÁLISE TERMODINÂMICA DE CICLO DE POTÊNCIA UTILIZANDO TURBINA A GÁS COM INJEÇÃO DE ÁGUA NO AR DE COMBUSTÃO (RWI) Pedro Alberto Diaz Rojas Jorge Llagostera Universidade Estadual de Campinas, Fac. Engenharia

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA PROJECTO DE CURSO TEMA: projecção de um gerador de vapor para aquecer água de uma piscina AUTOR: Kapella Maria SUPREVISOR: Prof. Dr eng Jorge Nhambiu Kapella,Maria 1 EXTRUTURA

Leia mais

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Uso da Energia Solar na Industria Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Fontes de Energia no Brasil Quem usou energia no Brasil - 2012 Consumo de Energia no Setor Industria Setor Industrial % Setor

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL Mucio Pinto Guimarães Júnior 1 ; Jorge Recarte Henríquez Guerrero 2 1 Estudante do Curso de Engenharia

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS FINALIDADE: Umatorre de resfriamentooutorre de arrefecimentoé um dispositivo de remoção

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation Körting para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation No mercado de hoje em dia, o sistema de vácuo ICE Condensation Körting faz sentido! Como todos

Leia mais

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Mecânica Ramo: Termotecnia Disciplina: Projecto do Curso Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Considerações. sobre Matriz Energética. & Dependência Elétrica. Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005

Considerações. sobre Matriz Energética. & Dependência Elétrica. Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005 Considerações sobre Matriz Energética & Dependência Elétrica do Estado de São Paulo Seminário FIESP Matriz Elétrica Brasileira 05/09/2005 Carlos R Silvestrin VP Executivo COGEN-SP - silvestrin@cogensp.com.br

Leia mais

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Carlos C. Silva, Humberto A. P. Silva, José Aquiles B. Grimoni O século passado

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

Equações e diagramas T-dS

Equações e diagramas T-dS Equações e diagramas T-dS A segunda lei da termodinâmica 2 S=S S 2 1 1 δq T A Expressão matemática da segunda lei (para um sistema fechado). A entropia é uma propriedade que não é conservativa! Entropia

Leia mais

d) Faz parte de Grupo empresarial:

d) Faz parte de Grupo empresarial: IDÉIA DE PROJETO PROGRAMA IBEROEKA Projetos em colaboração com empresas dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Espanha, Guatemala, Honduras,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos RECUPERAÇÃO DE CALOR em processos industriais Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos A RECUPERAÇÃO DO CALOR ECONOMIZA ENERGIA PRIMÁRIA Em várias

Leia mais

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial ersores de Freqüência na Refrigeração Industrial Os inversores de freqüência possuem um vasto campo de aplicações dentro da área de refrigeração industrial. São utilizados nas bombas de pressurização,

Leia mais

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

ANÁLISE EXERGÉTICA DA OPERAÇÃO DE UMA PLANTA DE COGERAÇÃO DE UM PÓLO PETROQUÍMICO

ANÁLISE EXERGÉTICA DA OPERAÇÃO DE UMA PLANTA DE COGERAÇÃO DE UM PÓLO PETROQUÍMICO ANÁLISE EXERGÉTICA DA OPERAÇÃO DE UMA PLANTA DE COGERAÇÃO DE UM PÓLO PETROQUÍMICO Ednildo A Torres - ednildo@ufbabr Universidade Federal da Bahia/Escola Politécnica/DEQ/LEN Rua Aristides Novis, 2 - Federação

Leia mais

2 Descrição dos Sistemas Estudados

2 Descrição dos Sistemas Estudados 33 2 Descrição dos Sistemas Estudados A seguir são descritos em detalhes os dois ciclos objetos de comparação. O ciclo tradicional é baseado em uma planta existente. O ciclo inovador é o resultado do estudo

Leia mais

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa

CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa NOTA TECNICA I COMPARAÇÃO DA ELETRICIDADE GERADA EM CICLOS COMBINADOS A GÁS NATURAL E A PARTIR DE BIOMASSA No Decreto No. 3371 do MME (24/2/2000) foi instituído o Programa Prioritário de Termeletricidade

Leia mais

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ANDRYWS WILLIAM CORREIA FABIO SILVA BORA GUILHERME AUGUSTO MEIRA BATISTA

Leia mais

Termelétrica de Ciclo Combinado

Termelétrica de Ciclo Combinado Termelétrica de Ciclo Combinado As usinas termelétricas são máquinas térmicas que têm como objetivo a conversão da energia de um combustível em energia elétrica. A eficiência térmica de conversão destas

Leia mais

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K)

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K) Termodinâmica I Ano Lectivo 2007/08 1º Ciclo-2ºAno/2º semestre (LEAmb LEAN MEAer MEMec) 2º Exame, 11/Julho /2008 P1 Nome: Nº Sala Problema 1 (2v+2v+1v) Considere um sistema fechado constituído por um êmbolo

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais