Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade"

Transcrição

1 Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Fortaleza CE 5 de outubro de 2017 Zilmar José de Souza Gerente de Bioeletricidade

2 Cana-de-açúcar - Energética 1 t de cana (colmos) 140 kg de açúcar 280 kg de bagaço (1) 280 kg de palha (1) Energia (MJ) Total MJ ou 1,2 Barril Equivalente de Petróleo-bep (2) Safra 2016/2017 Equivalente à produção total de petróleo pela Petrobrás e 2x produção do Pré-sal em 2016 (1) Umidade 50% (2) 1 bep = MJ Fonte: LAMÔNICA (2011) e SOUZA (2017). 651,8 milhões t 782,2 milhões bep

3 Principais produtos da cana-de-açúcar Safra 2016/2017 Açúcar 38,7 milhões t Maior produtor e exportador mundial Colmos da cana Caldo de cana Cana-deaçúcar Bagaço Etanol 27,3 bilhões l Hidratado: 15,7 bi l Anidro: 11,6 bi l 651,8 milhões t Vinhaça 2º produtor global Centro-Sul: 607,1 milhões t Norte-Nordeste: 44,7 milhões t Palha (pontas e folhas) Bioeletricidade 36,2 TWh* 3ª fonte na geração de energia elétrica no país em 2016 *Considerado ano civil. Fonte: UNICA (2017). Outras biomassas SIN: 21,2 twh Autoconsumo: 15 twh

4 Etanol Bioeletricidade

5 Evolução da moagem de cana no Brasil Moagem de cana-de-açúcar (milhões ton) Tecnologia flex Proálcool Desregulamentação do setor em menos 10 anos a produção cresceu quase 100% em menos de 10 anos a produção cresceu mais de 200% em menos 10 anos a produção cresceu mais de 40% Fonte: UNICA e MAPA.

6 Novas tecnologias na de produção Ganhos potenciais de produtividade e eficiência Mil litros de etanol por hectare Novos produtos energéticos da cana: Biogás; Biometano; Etanol 2G Adoção de sistemas de aproveitamento da Futuro palha para geração de bioeletricidade

7 Momento adequado para desenho de um PLANO ESTRATÉGICO Segundo NDC* apresentado e ratificado pelo Brasil à ONU, o País precisa até Reduzir suas emissões de GEE em 43% abaixo do nível registrado em 2005 NA MATRIZ DE BIOCOMBUSTÍVEIS: Aumentar a participação dos biocombustíveis na matriz energética nacional para 18% É uma política de Estado para reconhecer o papel estratégico de todos os tipos de biocombustíveis na matriz energética brasileira para a: segurança energética redução de emissões de gases causadores do efeito estufa Segundo declarações de representantes do poder público, volume de ETANOL combustível precisaria atingir 50 bilhões de litros em ou seja, quase o dobro do volume atual *Nationally Determined Contribution. Fonte: MMA (2016) e UNICA (2017).

8 Etanol Bioeletricidade

9 O caminho da bioeletricidade sucroenergética 36,2 TWh 27,3 bilhões l 38,7 milhões t 651,8 milhões t (safra 2015/16) Em usinas a biomassa de cana-de-açúcar em operação 44% comercializaram eletricidade: 166 usinas 56% são apenas autoprodutoras: 212 usinas Mais de 200 usinas que, com uma biomassa já existente nos canaviais, podem passar por um processo de reforma ( retrofit ), além de aproveitarem plenamente o bagaço, a palha e o biogás da vinhaça, e tornarem-se grandes geradoras de bioeletricidade para a rede.

10 Bioeletricidade: um ótimo produto! Índice de Bioeletricidade para a rede e da Energia Natural Afluente (ENA), 2015 a fev/2017 (mês-base jan/15 = 100) Bioeletricidade Bioeletricidade da cana em 2016: Poupou 15% de água nos reservatórios das hidrelétricas no submercado SE/CO. ENA Evitou a emissão de mais de 9 milhões de tco 2 em Fonte: UNICA (2017), dados básicos da CCEE (2017). Inclui as diversas biomassas disponíveis. Submercado SE/CO (2016): 86% da bioeletricidade exportada para o SIN, e 57% do consumo no país. É Geração Distribuída!

11 Geração da biomassa em 2014 Mas e o futuro? Retrato do stop and go para a bioeletricidade... MW Recorde: 12,5% de uma Itaipu! Situação em set/2017 Acréscimo anual de capacidade instalada pela biomassa, (MW) Representatividade do acréscimo anual de capacidade instalada pela biomassa em relação ao total de acréscimo na matriz de energia elétrica Biomassa já representou quase 1/3 da expansão do setor elétrico Fonte: ANEEL (2017). *Previsão, incluindo projetos com restrição para entrada em operação. Elaboração: UNICA (2017).

12 Bioeletricidade: Momento adequado para um PLANO ESTRATÉGICO (Alguns) ATRIBUTOS POSITIVOS na produção e no uso da bioeletricidade no Brasil Consulta Pública nº 33 Aprimoramento do marco legal do setor elétrico 1. Benefício da complementariedade com hidroelétrica 2. Redução das perdas de transporte da energia e economia de investimentos em transmissão 3. Cadeia produtiva nacional consolidada 4. Geração de emprego de qualidade 5. Evita emissão de GEE Leilões 2017 BIOELETRICIDADE: Um ótimo produto Potencial subaproveitado 6. Traz confiabilidade ao sistema. Geração estável durante a safra. É fonte sazonal. Não é INTERMITENTE

13 Considerações Biocombustíveis Desenhar Política de Estado com uma ESTRATÉGIA CONJUNTA para reconhecer o papel de TODOS OS BIOCOMBUSTÍVEIS, visando: 1. Garantir a SEGURANÇA ENERGÉTICA 2. Promover REDUÇÃO DE EMISSÕES de GEE no setor de combustível com benefícios expressivos para a sociedade: Investimento Geração de empregos Redução de gastos com saúde pública Redução de déficit na balança comercial etc. Bioeletricidade Momento adequado para um PLANO ESTRATÉGICO do lado da bioeletricidade também

14 Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Fortaleza CE 5 de outubro de 2017 Zilmar José de Souza Gerente de Bioeletricidade