PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA REDES MÓVEIS APLICADO AO TRÂNSITO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA REDES MÓVEIS APLICADO AO TRÂNSITO"

Transcrição

1 LUIZ HENRIQUE SANTOS Orientador: Álvaro Rodrigues Pereira Júnior Co-orientador: Saul Emanuel Delabrida Silva PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA REDES MÓVEIS APLICADO AO TRÂNSITO Ouro Preto Dezembro de 2012

2 Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas Bacharelado em Ciência da Computação PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA REDES MÓVEIS APLICADO AO TRÂNSITO Monografia apresentada ao Curso de Bacharelado em Ciência da Computação da Universidade Federal de Ouro Preto como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Ciência da Computação. LUIZ HENRIQUE SANTOS Ouro Preto Dezembro de 2012

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO FOLHA DE APROVAÇÃO Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito LUIZ HENRIQUE SANTOS Monografia defendida e aprovada pela banca examinadora constituída por: Dr. Álvaro Rodrigues Pereira Júnior Orientador Universidade Federal de Ouro Preto Msc Saul Emanuel Delabrida Silva Co-orientador Universidade Federal de Ouro Preto Msc. Saul Emanuel Delabrida Silva Universidade Federal de Ouro Preto Dr. Joubert de Castro Lima Universidade Federal de Ouro Preto Ouro Preto, Dezembro de 2012

4 Resumo Obter e analisar informações sobre o trânsito é cada vez mais importante hoje em dia. Para obter essas informações podemos usar dispositivos com capacidade de sensoriamento e transmissão de dados. Um conjunto desses dispositivos formam uma rede móvel. Um tipo específico de rede móvel é a VANET (Veicular Ad Hoc Networks), que é uma rede móvel onde são estabelecidas comunicações intra-carros ou entre os carros e a estrada. Este trabalho consiste em um protocolo de comunicação entre sensores em veículos (carros, ônibus) construindo uma VANET cujo papel é monitorar o trânsito em uma determinada cidade detectando eventos (infrações de transito, congestionamento, possíveis veículos roubados, etc.). O principal objetivo do trabalho é cobrir uma área remota adicional à rede fixa de monitoramento e escoar os dados de eventos o mais rápido possível. Para isso foi proposto um protocolo de comunicação para VANETs que considera tempo de atraso das mensagens, frequentes desconexões, controle de redundância e descarte de mensagens. Foram pesquisados trabalhos relacionados que contivessem protocolos de comunicação aplicados à comunicação móvel com características semelhantes de modo que pudéssemos comparar o protocolo idealizado com os mesmos. Os resultados mostram que o protocolo proposto supera os outros protocolos comparados enviando menos mensagens pela rede, reduzindo o número de hops de cada mensagem até chegar à uma antena e também reduzindo a quantidade de mensagens que são entregues à antena. i

5 Abstract Obtain and analyze traffic information is increasingly important nowadays. To obtain this information we can use devices capable of sensing and data transmission. A set of these devices form a mobile network. A specific type of mobile network is called VANET (Vehicular Ad Hoc Networks), which is a network where mobile communications are established intracars or between cars and road. This work consists of a communication protocol between sensors in vehicles (cars, buses) constructing a VANET whose role is to monitor the traffic in a particular city by detecting events (violations of traffic congestion, possible stolen vehicles, etc..). The main objective is to cover a remote area added to the fixed network monitoring and transmit event data as soon as possible. To this end we propose a communication protocol for VANETs which considers delay time of messages, frequent disconnections, control redundancy and discarding messages. Were researched work related communication protocols about mobile communication with similar characteristics to compare them with the proposed protocol. The results show that the proposed protocol outperforms the other protocols compared sending fewer messages over the network, reducing the number of hops each message until you get to an antenna and also reducing the amount of messages that are delivered to the antenna. ii

6 Dedico este trabalho à todas as pessoas que me apoiaram, incentivaram e me ajudaram a chegar aqui, meus pais, minha familia, meus amigos e todos que contribuiram de alguma forma. Sem essas pessoas essa conquista não seria possível. iii

7 Agradecimentos Agradeço primeiramente a Deus pelo dom da vida que me deu a oportunidade de concluir este trabalho. À minha familia que sempre me incentivou e apoiou, principalmente nos momentos difíceis. Aos meus amigos e colegas de turma pelos conselhos e auxílios nos trabalhos, tornando essa caminhada mais agradável. iv

8 Sumário 1 Introdução Motivação e Justificativa Objetivos Contribuições Background Projeto olhos da cidade Sinalgo Redes veiculares Trabalhos Relacionados 10 4 Implementação dos protocolos History-based protocol Epidemic routing Data-Mule System Context-Aware routing (CAR) Protocolo desenvolvido 28 6 Experimentos 41 7 Conclusões e Trabalhos futuros 45 Referências Bibliográficas 47 v

9 Lista de Figuras 2.1 O cenário de uma rede veicular - Rafael dos S. Alves (2009) Comunicação do protocolo Epidemic routing - Vahdat e Becker (2000) As três camadas do protocolo proposto por Jain (2006) Sequência do protocolo Fluxo de recebimento de dados da RSU Fluxo de recebimento de dados do OBU Fluxo de envio de dados do OBU Gráfico do número médio de mensagens trocadas por OBU para cada configuração de RSU Gráfico do número médio de mensagens recebidas pelas RSU para cada configuração Gráfico do número médio de mensagens descartadas por OBU para cada configuração Gráfico do número médio de hops por mensagem para cada configuração vi

10 Lista de Tabelas 3.1 Tabela comparativa dos protocolos Tabela comparativa dos protocolos vii

11 Lista de Programas 4.1 Código do método handlemessages da classe Antena Código do método handlemessages da classe DummyNode no protocolo History-based Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo History-based Código do método handlemessages da classe DummyNode no protocolo Epidemic routing Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo Epidemic routing Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo Data-Mule-System Código do método handlemessages da classe Mule no protocolo Data-Mule-System Código do método neighborhoodchange da classe Mule no protocolo Data-Mule- System Código do método handlemessages da classe DummyNode no protocolo Context-Aware routing Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo Context-Aware routing Pseudocódigo do protocolo proposto Código do método handlemessages da classe Antena no protocolo proposto Código do método handlemessages da classe DummyNode no protocolo proposto Código do método init da classe DummyNode no protocolo proposto Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo proposto

12 Capítulo 1 Introdução A necessidade por informação acerca de localização, dados de tráfico, rotas e outras informações vem se tornando cada vez mais eminente. Uma nova tecnologia que vem ajudando a obter essas informações é a rede móvel. As redes móveis utilizam nós móveis em uma rede para trafegar dados até um destino. Um nó sensor é um dispositivo com capacidade de comunicação, computação, sensoriamento e armazenagem de dados. Esses sensores podem captar vídeo, áudio, etc. As redes veiculares(vanets) são um tipo de rede móvel. Formada por sensores localizados em veículos, uma vanet pode ser apoiada por unidades estáticas para interligação com infraestrutura, que seriam distribuídas ao longo das vias. Os componentes móveis da rede são denominados OBUs(on-board units) e os RSUs são os componentes estáticos da rede. Os OBUs se comunicam com outros OBUs ou com os RSUs. As VANETs possuem outras características como: alta mobilidade, escalabilidade e exigência de qualidade de serviço - Chen et al. (2008). As aplicações de VANETs podem ser divididas em três classes: segurança no trânsito, entretenimento e assistência ao motorista - Nadeem et al. (2006). As aplicações de segurança possuem caráter preventivo e emergencial, onde o principal desafio é divulgar rapidamente as informações para que o condutor tenha tempo para reagir. A classe das aplicações de entretenimento inclui adaptações de aplicações da Internet para VANETs. Por fim, as aplicações de assistência ao motorista envolvem o recebimento de informações que auxiliem o condutor em buscas ou automatizem serviços. São exemplos de aplicações de divulgação de informações turísticas, localização de postos de abastecimento, controle de frotas e cobrança automatizada de pedágio. Existe um projeto chamado Olhos da cidade submetido ao CNPq que consiste em uma rede de RSUs distribuídas em uma vasta região de uma cidade. Essas RSUs seriam distribuídas em pontos estratégicos da cidade como semáforos, cruzamentos, locais de fluxo intenso de veículos. Os dados captados por essas RSUs podem ser tratados por um módulo ou enviados para uma central onde seriam minerados. 2

13 1. Introdução 3 Uma vez que pode ser inviável cobrir toda a área com RSUs, seu custo pode ser elevado e a cobertura feita pela mesma pode ser insuficiente. Para solucionar tal problema propomos um protocolo de comunicação utilizando VANETs para cobrir uma área remota da região. Esses dados são escoados para estações fixas através de OBUs, dando suporte aos RSUs implantados. A princípio pensamos em distribuir os OBUs na frota de táxis da cidade de Belo Horizonte, pois o projeto Olhos da cidade é direcionado a ela. Devido a parceria com a BHTRANS o uso da frota de táxi torna-se uma alternativa viável. Os veículos funcionariam como nós da nossa rede. Eles não tem uma rota definida, percorrem diversos caminhos dentro da cidade, o que se assemelha muito com a movimentação dos nós do protocolo. A cobertura feita por esses táxis dentro da cidade seria bem ampla, pois eles se movimentam por toda a cidade. Antes de implantarmos esse protocolo na frota de táxis de Belo Horizonte decidimos experimentar o protocolo utilizando um simulador de rede de sensores sem fio. Dessa forma é possível detectar e corrigir problemas com mais facilidade. 1.1 Motivação e Justificativa Nesse projeto apresentaremos um protocolo que visa o desenvolvimento de uma inovação tecnológica para comunicação de dados entre OBUs, para melhorar em vários sentidos o trânsito em grandes cidades ou em estradas. Com esse protocolo visamos agilizar a transmissão de dados coletados por esses OBUs para a central mais próxima, dessa forma é possível identificar e solucionar o problema rapidamente. Alguns dos eventos que podem ser escoados pelo protocolo são: furto de veículos, infrações de trânsito, detecção de congestionamento, entre outros. Dado a fase futura de implantação, faz-se necessário avaliar o algoritmo em simulador antes da real implementação. Com a melhora do trânsito a qualidade de vida dos cidadãos tende a melhorar e também a quantidade de acidentes tende a diminuir. A fiscalização no trânsito é muito dependente do ser humano ou de equipamentos caros, de forma que não é possível fiscalizar em escala. A falta de fiscalização é um fator central na desorganização do trânsito e na ocorrência de acidentes de trânsito. Segundo a Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) o Brasil gasta, por ano, 28 bilhões de reais com acidentes de trânsito, contabilizando desde o socorro às vítimas, o tratamento, e até o afastamento do trabalho. Os protocolos de VANET para resolver o problema de enviar mensagens de um OBU até uma RSU da literatura não se mostram muito eficientes. Os protocolos Epidemic routing, Context aware routing e Hystory based inundam a rede com muitas trocas de mensagens, o que pode extrapolar os recursos disponíveis para armazenamento das mesmas. Isso pode causar perda de mensagens e atraso de sua entrega para o seu destino devido ao grande número de mensagens que devem ser enviadas. O protocolo Data mule system não inunda a rede mas não garante a entrega das mensagens em tempo hábil. Em alguns casos essas mensagens nunca

14 1. Introdução 4 chegam a uma RSU. Portanto desenvolvemos um novo protocolo com o objetivo de reduzir o número de mensagens trocadas na rede e entregar a mensagem para seu destino o mais rápido possível. 1.2 Objetivos O objetivo deste trabalho é desenvolver e experimentar um modelo de comunicação entre OBUs de uma rede que considera: tempo de atraso das mensagens, frequentes desconexões (VANETs), controle de redundância de dados e descarte de mensagens obsoletas. Esse modelo prevê comunicação veículo-veículo(v2v) e veículo-infraestrutura(v2i). O objetivo é cobrir uma área alem da rede de RSUs já implantada e através de comunicações entre OBUs transmitir os dados de eventos coletados para essas RSUs o mais rápido possível Os objetivos específicos são: Propor, desenvolver e implementar um protocolo de comunicação para VANETs aplicado ao trânsito. Implementar protocolos de comunicação similares ao proposto. Comparar a eficiência do protocolo proposto com os demais protocolos. 1.3 Contribuições Através desse projeto geramos um protocolo de comunicação para VANETs aplicado ao trânsito com as seguintes contribuições: Facilitar a identificação e o tratamento de eventos no trânsito como infrações e congestionamento; Controlar o tráfego em determinados trechos de uma cidade; Identificar veículos roubados; Facilitar o monitoramento do trânsito automatizando o processo de fiscalização.

15 1. Introdução 5 O restante deste trabalho está organizado da seguinte forma:no Capitulo 2 são definidos alguns conceitos essenciais para entendimento do trabalho, no Capitulo 3 apresentamos os trabalhos relacionados, no capitulo 4 detalhamos a implementação dos protocolos da literatura implementados. No capitulo 5 explicamos todo o funcionamento do protocolo desenvolvido, inclusive detalhes de implementação. No capitulo 6 detalhamos os experimentos realizados, bem como comparações entre os protocolos implementados. Por fim, no capitulo 7 apresentamos a conclusão do trabalho.

16 Capítulo 2 Background Neste capítulo descrevemos todo material necessário para entendimento do trabalho feito. 2.1 Projeto olhos da cidade Em janeiro de 2010 foi proposto ao CNPq 1 um projeto 2 chamado Olhos da cidade. projeto visava o desenvolvimento de uma inovação tecnológica de aquisição e processamento de imagens de câmeras de vídeo, para melhorar em vários sentidos o trânsito em grandes cidades ou em estadas. O problema identificado nesse projeto é a falta de dados para um controle de tráfego eficiente. O projeto apresenta diversas justificativas para motivar o desenvolvimento de soluções para os problemas. A fiscalização no trânsito é muito dependente do ser humano ou de equipamentos caros, de forma que não é possível Fiscalizar em escala. A falta de Fiscalização é um fator central na desorganização do trânsito e na ocorrência de acidentes. Outro ponto destacado no projeto corresponde à dificuldade dos gerenciadores de tráfego coletarem dados, tomar decisões e melhorar as condições do tráfego. O impacto é a redução da produtividade, qualidade de vida dos cidadãos e aumento da possibilidade de acidentes. Atualmente as companhias de transporte não possuem mecanismos efetivos para coletar dados, tomar decisões e planejar estrategias para melhorar as condições do tráfego. Segundo a Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) o Brasil gasta, por ano, 28 bilhões de reais com acidentes de trânsito, contabilizando desde o socorro às vítimas, o tratamento, até o afastamento do trabalho. O outro problema apontado está relacionado com a baixa qualidade de vida e de baixa produtividade em função do trânsito mal organizado nas grandes cidades. Uma pesquisa da Datafolha 3 indicou que o trânsito é a maior reclamação do paulistano de 1 CNPq. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Accessed on March A. R. Pereira Jr. Edital MCT/CNPq no 018/2009 Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Transportes. January O 6

17 2. Background 7 classe média e alta, enquanto que o paulistano de classe mais baixa reclama de problemas mais básicos como buracos nas ruas e iluminação. 2.2 Sinalgo O simulador utilizado para validação dos protocolos foi o Sinalgo 4. O Sinalgo é um framework de simulação para testar e validar algoritmos de rede. A representação do Sinalgo dos dispositivos de rede se assemelha aos dispositivos de hardware reais: Um nó pode enviar uma mensagem para um determinado vizinho ou todos os seus vizinhos, reagir a mensagens recebidas, definir temporizadores para programar ações no futuro, entre outros. Algumas das principais características do Sinalgo: A maioria dos simuladores simula as diferentes camadas da pilha de rede, o Sinalgo centra-se na verificação de algoritmos de redes, abstraindo as camadas mais baixas. A prototipagem do algoritmo em JAVA simplifica a depuração. O Sinalgo oferece um amplo conjunto de condições de rede, além de poder ser usado em aplicações stand-alone autônoma para obter resultados de simulação de algoritmos de rede. Possui extensibilidade para simular vários cenários. Possui alto desempenho, realiza simulações com um numero grande de nós em tempo aceitável. Possui simulação síncrona e assíncrona. É independente de plataforma. Possui suporte de simulações 2D e 3D. Para garantir a extensibilidade, o Sinalgo é divido em vários modelos, são eles: mobilidade, conectividade, distribuição, interferência, confiabilidade e transmissão. 2.3 Redes veiculares Os veículos automotores vêm incorporando diferentes avanços tecnológicos que melhoram a experiência do condutor e dos passageiros. O próximo passo da evolução tecnológica consiste em sistemas de comunicação que possibilitem a interação entre diferentes veículos. O objetivo principal desses sistemas é possibilitar a comunicação de usuários móveis e oferecer as condições necessárias para que aplicações com diferentes requisitos sejam atendidas satisfatoriamente. Segundo Li e Wang (2007) tais aplicações compõem um Sistema Inteligente de Transporte 4

18 2. Background 8 (Intelligent Transportation System - ITS) que opera em um ambiente formado por usuários no trânsito. Exemplos dessas aplicações incluem a monitoração cooperativa do tráfego, o auxílio a cruzamentos sem sinalização e a prevenção de colisões. Os sistemas de comunicação entre veículos formam as chamadas redes veiculares(vanets). Elas são formadas somente por OBUs ou por OBUs e RSUs. As VANETs se diferenciam de outras redes sem-fio principalmente pela natureza dos OBUs, que são compostos por automóveis, caminhões, ônibus etc., com interfaces de comunicação sem-fio, e por RSUs. Os OBUs apresentam alta mobilidade e trajetórias que acompanham os limites das vias públicas de acesso - Rafael dos S. Alves (2009). As VANETs apesar de apresentarem algumas características em comum com as redes móveis, possuem algumas particularidades: Alta Mobilidade. Exigência de qualidade de serviço. Dispositivos se movimentam apenas em cima das vias. Precisam ser escaláveis. Segundo Rafael dos S. Alves (2008) a arquitetura das VANETs define a forma como os nós se organizam e se comunicam. Atualmente, existem três arquiteturas principais: ad hoc puro (Vehicular Adhoc NETwork - VANET), infraestruturada e híbrida. Na arquitetura ad hoc, os OBUs comunicam-se sem qualquer suporte externo ou elemento centralizador. Para tanto, os OBUs funcionam como roteadores e encaminham tráfego através de múltiplos saltos. A arquitetura infraestruturada emprega RSUs distribuídas ao longo das ruas ou estradas. Essas RSUs funcionam como pontos de acesso de redes também em modo infraestruturado. Eles centralizam todo o tráfego da rede, servindo como nós intermediários das comunicações. Na arquitetura híbrida, uma infraestrutura mínima é utilizada para aumentar a conectividade da rede e prover serviços como os de interconexão. Entretanto há também a possibilidade dos OBUs se comunicarem por múltiplos saltos. Nas VANETs, o modo ad hoc é conhecido por V2V (Vehicle-to-Vehicle) Prinz et al. (2008) e o modo infraestruturado tem como sinônimo o termo V2I (Vehicle-to-Infrastructure). Atualmente alguns pesquisadores referem-se às redes veiculares em geral como VANETs, mesmo quando existe infraestrutura - Little e Agarwal (2005). A Figura 2.1 apresenta as diversas arquiteturas das VANETs. Nela os veículos funcionam com OBUs e os postes funcionam com RSUs.

19 2. Background Figura 2.1: O cenário de uma rede veicular - Rafael dos S. Alves (2009). 9

20 Capítulo 3 Trabalhos Relacionados Este capítulo descreve os trabalhos relacionados pesquisados na literatura. O objetivo é usá-los como baseline de comparação com o protocolo proposto. Os protocolos encontrados envolvem comunicação V2V e V2I, que também são realizadas pelo protocolo proposto. O History-based-protocol foi proposto por Luciana Pelusi e Conti (2006) e possui uma abordagem em que cada nó seleciona apenas um dos seus OBUs vizinhos para envio de seus dados. O OBU selecionado é aquele com a maior probabilidade de eventualmente encontrar uma RSU. Para calcular essa probabilidade é atribuído a cada OBU um nível de hierarquia (inicialmente zero) que é incrementado cada vez que ele encontra uma RSU e decrementado após não ter visto uma RSU durante certa quantidade de tempo. Ao enviar dados, o OBU a ser selecionado tende ser aquele com o maior nível de hierarquia. Esse protocolo supera o protocolo de envio direto, no qual cada OBU precisa se comunicar diretamente com uma RSU para enviar dados. Ele também supera os algoritmos de inundações em termos de largura de banda e consumo de energia. Esse protocolo não troca um numero muito grande mensagens, mas o tempo de entrega das mensagens pode chegar a ser elevado, visto que ele só entrega a mensagem para um vizinho. Esse protocolo não atende os objetivos de controle de redundância de dados e descarte de mensagens obsoletas. O protocolo Epidemic routing foi proposto por - Vahdat e Becker (2000) e possui uma abordagem em que as mensagens se difundem na rede de forma semelhante às doenças ou vírus. A infecção de um OBU é dada pela geração da mensagem ou recepção de uma mensagem de outro OBU. O OBU infectado armazena a mensagem em um buffer local, ele é suscetível à infecção quando ainda não recebeu a mensagem e consequentemente torna-se infectado quando recebe uma mensagem de um OBU infectado. A recuperação de um OBU infectado ocorre quando o mesmo envia a mensagem para uma RSU, tornando-se imune à mesma doença, não retransmitindo essa mesma mensagem novamente. No artigo o autor estabeleceu como objetivos maximizar a taxa de entrega de mensagens, minimizar a latência de mensagens, e minimizar o total dos recursos consumido na entrega da mensagem. O algoritmo aproveita uma variante da teoria de algoritmos de epidemia. Esta teoria afirma que, dada troca aleatória 10

21 3. Trabalhos Relacionados 11 de mensagens entre OBUs, todas as mensagens serão vistos por todos os OBUs em uma quantidade limitada de tempo, ou seja, o sistema irá atingir a consistência eventual. Um dos objetivos do Epidemic Routing é maximizar a taxa de entrega de mensagens para uma RSU. O protocolo também deseja minimizar o número de hops da mensagem, visando economizar recursos do sistema (memória, largura de banda de rede, ou energia) consumida na entrega de mensagens. Apesar do autor afirmar que o protocolo minimiza o número de hops, esse número foi bem maior que o contabilizado pelo protocolo proposto. Esse protocolo não atende os objetivos de diminuir o número de mensagens na rede e de entrega rápida da mensagem ao seu destino. O artigo avaliou o protocolo proposto através de vários cenários no simulador Monarch 1. O Monarch é uma extensão do simulador ns 2 que tem suporte a mobilidade e possui a implementação do padrão IEEE Os resultados do artigo mostram que o protocolo é capaz de entregar quase todas as mensagens existentes em cenários onde outros protocolos ad hoc de roteamento não conseguem entrega quaisquer mensagens por causa da conectividade limitado dos OBUs. O autor afirma conseguir entregar 100% das mensagens se cada OBU possuir capacidade de armazenamento de 10-25% do total de mensagens da rede. Na figura 3.1 um nó fonte S deseja transmitir uma mensagem para o destino D, mas não há nenhum caminho disponível em (a). OBUs portadores, C1-C3 são aproveitados para transitivamente entregar a mensagem para o destino D em como mostrado em (b). Figura 3.1: Comunicação do protocolo Epidemic routing - Vahdat e Becker (2000). 1 ftp.monarch.cs.cmu.edu/pub/monarch/wireless-sim/ns-cmu.ps 2

22 3. Trabalhos Relacionados 12 O protocolo Data-Mule-System foi proposto por Jain (2006) e possui uma abordagem centrada na recuperação de dados de redes de sensores sem fios esparsas. Ele consiste em uma arquitetura de três níveis: O nível mais baixo é ocupado pelos nós sensores fixos que coletam dados do ambiente. O nível intermediário consiste de nós móveis (mulas) que se movem em torno de uma área coberta por sensores para coletar seus dados. Essas mulas funcionam com os OBUs e tem o papel de descobrir e se comunicar tanto com sensores com os RSUs, não se comunicando com outros RSUs. O nível superior é constituído por um conjunto de pontos de acesso com fio que recebem os dados das mulas. Os nós do nível superior estão ligados a um armazém de dados central onde os dados recebidos são armazenados e processados. O principal objetivo do artigo foi resolver o problema de energia em rede de sensores. Esse protocolo troca muito poucas mensagens e o tempo de entrega da mensagem parece ser bem grande, visto que as OBUs não comunicam-se entre si,ou seja, há pouca comunicação no protocolo. Os objetivos de controle de redundância de dados e descarte de mensagens obsoletas não são atendidos pelo protocolo. A ideia chave do protocolo é de explorar as OBUs presentes em um cenário da aplicação. Essas entidades são chamadas mulas (Mobile Ubiquitous LAN Extensions), porque eles transportam das OBUs até as RSUs. As mulas são OBUs com um range de comunicação sem fio limitado e podem trocar dados à medida que passam por sensores ou RSUs. Assim as mulas recebem dados de sensores, armazena-os, e posteriormente entregam esses dados para a próxima RSU encontrada. A arquitetura MULE fornece conectividade, adicionando uma camada intermediária de OBUs para a relação existente entre os sensores e RSUs, como mostrado na figura 3.2. Figura 3.2: As três camadas do protocolo proposto por Jain (2006).

23 3. Trabalhos Relacionados 13 O protocolo Context-Aware routing (CAR) foi proposto por Mirco Musolesi (2005) e possui uma abordagem onde cada OBU da rede se encarrega de produzir suas próprias probabilidades de entrega em relação a cada RSU conhecido. Probabilidades de entrega são trocados periodicamente para que cada OBU possa calcular o melhor caminho para cada RSU. Os melhores caminhos são calculados com base no contexto dos OBUs, nível de bateria residual, a taxa de variação da conectividade, a probabilidade de estar dentro do alcance de uma RSU e o grau de mobilidade do OBU são alguns exemplos. Quando o OBU candidato recebe uma mensagem ele a armazena em um buffer local. Ao cruzar com outro OBU, sendo este o OBU de destino, a mensagem será entregue, do contrário, o OBU hospedeiro da mensagem verifica se seu par possui probabilidade maior. Sendo o caso, a mensagem é repassada. O contexto implementado nessa versão do protocolo foi o de número de mensagens trocadas sem ver uma RSU. Quando um OBU encontra com uma RSU sua probabilidade é incrementada. Se esse OBU trocar um número determinado de mensagens sem encontrar com uma RSU sua probabilidade é decrementada. O algoritmo é construído sobre o pressuposto de que a única informação que um OBU tem sobre a sua posição é a informação de conectividade lógica. Mirco Musolesi (2005) supõe que um OBU não tem conhecimento de sua localização geográfica absoluta nem da localização daqueles a quem ele pode entregar a mensagem. Também é considerado que todos os OBUs cooperam para entregar a mensagem. O problema geral do ponto de vista de quem envia uma mensagem é encontrar o OBU vizinho com a maior probabilidade de entrega, tal como calculada utilizando os valores previstos de uma série de atributos de contexto. Em vez de utilizar a informação de contexto disponível, CAR é otimizado usando valores estimados para o contexto, tendo assim valores mais realistas. Os objetivos de controle de redundância de dados e descarte de mensagens obsoletas e entrega da mensagem em tempo hábil ao seu objetivo não são atendidos pelo protocolo. Os parâmetros medidos pelo autor no artigo foram taxa de entrega de mensagens, números de mensagens trocadas, tempo de atraso da mensagem. O numero de mensagens que esse protocolo troca é elevado, e o tempo de entrega pode chegar a ser alto, pois ele só envia a mensagem para o melhor OBU vizinho. Esse não pode não ser o OBU que encontrará mais rapidamente uma RSU. A tabela 3.1 faz uma comparação das características de cada um dos protocolos.

24 3. Trabalhos Relacionados 14 Protocolos History based Epidemic Data Mule Context Aware Caracteristicas protocol routing System routing Menos de 1000 x x mensagens trocadas Menos de 240 mensagens x entregues à antena Possui descarte x de mensagens Menos de 3 hops x x por mensagem Tabela 3.1: Tabela comparativa dos protocolos

25 Capítulo 4 Implementação dos protocolos Neste capítulo descrevemos os detalhes de implementação dos protocolos encontrados na literatura. 4.1 History-based protocol No protocolo History-based-protocol cada OBU seleciona apenas um dos seus OBU vizinhos para envio de seus dados. O OBU selecionado é aquele com a maior probabilidade de eventualmente encontrar uma RSU. Para calcular essa probabilidade é atribuído a cada OBU um nível de hierarquia (inicialmente zero) que é incrementado cada vez que ele encontra uma RSU e decrementado após não ter visto uma RSU durante certa quantidade de tempo. Ao enviar dados, o OBU a ser selecionado tende ser aquele com o maior nível de hierarquia. Foram usadas algumas estruturas de dados para representar as mensagens trafegadas pela rede. Definimos uma classe para representar as mensagens que são trocadas pela rede chamada StringMessage. Nela encapsulamos o texto da mensagem, uma referência para o OBU que enviou a mensagem, o id da mensagem, a quantidade de hops que a mensagem já realizou e o seu número de vidas. Para representarmos a RSU definimos a classe Antena. Nela temos uma estrutura HashMap que contem o id do OBU que enviou a mensagem e uma estrutura LinkedList de StringMessage contendo as mensagens que esse OBU enviou. Dentro dessa classe temos um método chamado handlemessages, esse é o método que realiza o tratamento das mensagens que chegam para a RSU, ele guarda todas as mensagens recebidas em uma lista de mensagens. No simulador são trafegadas dois tipos de mensagens, as de descarte, que servem para informar a um OBU que descarte algumas mensagens de sua lista e mensagens de dados, que são informações de eventos que devem ser entregues a uma RSU. Para a RSU somente interessam mensagens de dados, então se recebermos alguma mensagem de descarte devemos ignorar. Caso a mensagem for de dados adicionamos essa mensagem caso ela não exista em nossa lista de mensagens. 15

26 4. Implementação dos protocolos 16 O programa 4.1 apresenta esse método implementado no simulador: public void handlemessages ( Inbox inbox ) { while ( inbox. hasnext ( ) ) { Message ms = inbox. next ( ) ; //Pega uma mensagem da c a i x a de entrada i f (ms instanceof StringMessage ) { StringMessage m = ( StringMessage )ms ; 10 // Adiciona a mensagem i f (! messages. containskey (m. getnode ( ). ID ) ) { LinkedList <StringMessage> d = new LinkedList <StringMessage >() ; d. add (m) ; 15 // Incrementa o numero de hops m. inchops ( ) ; messages. put (m. getnode ( ). ID, d ) ; else { 20 boolean e x i s t = f a l s e ; // Incrementa o numero de hops m. inchops ( ) ; // o l h a r dentro da l i n k e d l i s t se j a e x i s t e a mensagem 25 for ( StringMessage msg : messages. get (m. getnode ( ). ID ) ) i f ( msg. gettext ( ). e q u a l s I g n o r e C a s e (m. gettext ( ) ) ) { e x i s t = true ; break ; 30 // se não e x i s t e a d i c i o n a i f (! e x i s t ) messages. get (m. getnode ( ). ID ). add (m) ; 35 Programa 4.1: Código do método handlemessages da classe Antena Para representar o OBU definimos a classe DummyNode, nela temos uma estrutura Hash- Map que contem o id do OBU que enviou a mensagem e uma estrutura LinkedList de String- Message contendo as mensagens desse OBU. Conttrolamos a probabilidade que cada OBU tem de receber a mensagem com uma variável inteira, temos também um temporizador para contabilizar o tempo que o OBU fica sem se comunicar com uma RSU. Dentro dessa classe também temos o método handlemessages que trata todas as mensagens

27 4. Implementação dos protocolos 17 recebidas. O primeiro passo é pegar a primeira mensagem da estrutura e transforma-la para o tipo StringMessage, em seguida verificamos se já temos uma cópia dessa mensagem. Se ela não for encontrada adicionamos essa mensagem à lista. O programa 4.2 apresenta esse método implementado no public void handlemessages ( Inbox inbox ) { while ( inbox. hasnext ( ) ) { boolean f l a g = f a l s e ; 5 //Pega uma mensagem da c a i x a de entrada Message m = inbox. next ( ) ; this. nmensagens++; 10 // I n s t a n c i a de s t r i n g m e s s a g e StringMessage ms = ( StringMessage )m; // V e r i f i c a se j a e x i s t e e add i f (! messages. containskey (ms. getnode ( ). ID ) ) { 15 LinkedList <StringMessage> d = new LinkedList <StringMessage >() ; d. add (ms) ; // Incrementar o numero de hops somente a q u i ms. inchops ( ) ; 20 messages. put (ms. getnode ( ). ID, d ) ; else { boolean e x i s t = f a l s e ; 25 // Incrementar o numero de hops somente a q u i ms. inchops ( ) ; // o l h a r dentro da l i n k e d l i s t se j a e x i s t e a mensagem for ( StringMessage msg : messages. get (ms. getnode ( ). ID ) ) 30 i f ( msg. gettext ( ). e q u a l s I g n o r e C a s e (ms. gettext ( ) ) ) { e x i s t = true ; break ; // se não e x i s t e a d i c i o n a 35 i f (! e x i s t ) messages. get (ms. getnode ( ). ID ). add (ms) ; Programa 4.2: History-based Código do método handlemessages da classe DummyNode no protocolo

28 4. Implementação dos protocolos 18 5 O método init é usado para gerar a mensagem que será repassada por cada OBU, esse OBU gera um número de mensagens aleatórias e adiciona essa mensagens em sua lista. No método neighborhoodchange percorremos a lista de todos os OBUs vizinhos verificando se algum deles é uma RSU, em caso afirmativo enviamos todas as mensagens da lista diretamente para essa RSU. Incrementamos também a probabilidade de envio do OBU, já que ele entrou em contato com uma RSU. Se o OBU não encontrou nenhuma RSU percorremos seus vizinhos para verificar qual possui a maior probabilidade de envio. Verificamos também o tempo que o OBU está sem ver uma RSU, se esse tempo for maior que o limite estabelecido sua probabilidade de envio é decrementada. Ao final do algoritmo enviamos todas as mensagens armazenadas para o melhor OBU vizinho selecionado anteriormente. O programa 4.3 apresenta esse método implementado no public void neighborhoodchange ( ) { boolean hasantena=f a l s e ; DummyNode bestnode = this ; //Se algum v i z i n h o f o r uma antena envia d i r e t o for ( Edge e : this. outgoingconnections ) { i f ( e. endnode instanceof Antena ) { hasantena = true ; 10 for ( I n t e g e r i : messages. keyset ( ) ) for ( StringMessage msg : messages. get ( i ) ) { //Manda as mensagens d i r e t o pra antena this. send (msg, e. endnode ) ; 15 // A t u a l i z a o contador de tempo this. starttime = System. nanotime ( ) ; // incrementa sua p r o b a b i l i d a d e de envio 20 this. incprobenvio ( ) ; // S e l e c i o n a o melhor v i z i n h o para envio else i f ( ( ( DummyNode) e. endnode ). getprobenvio ( ) > bestnode. getprobenvio ( ) ) bestnode = ( ( DummyNode) e. endnode ) ; 25 //Se f i c a r mto tempo sem ver a antena d e c r e s c e i f ( System. nanotime ( ) this. starttime > this. maxtime) { this. decprobenvio ( ) ; this. starttime = System. nanotime ( ) ; 30 i f (! hasantena ) { for ( I n t e g e r i : messages. keyset ( ) ) for ( StringMessage msg : messages. get ( i ) ) {

29 4. Implementação dos protocolos //Manda as mensagens para o melhor nó this. send (msg, bestnode ) ; Programa 4.3: Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo History-based 4.2 Epidemic routing No protocolo Epidemic routing as mensagens se difundem na rede de forma semelhante às doenças ou vírus. A infecção de um OBU é dada pela geração da mensagem ou recepção de uma mensagem de outro OBU. O OBU infectado armazena a mensagem em um buffer local, ele é suscetível à infecção quando ainda não recebeu a mensagem e consequentemente torna-se infectado quando recebe uma mensagem de um OBU infectado. A recuperação de um OBU infectado é ocorre quando o mesmo envia a mensagem para uma RSU, tornando-se imune à mesma doença, não retransmitindo essa mesma mensagem novamente. Para implementar esse protocolo usamos as mesmas estruturas explicadas anteriormente, usamos também as classes DummyNode para representar os OBU e Antena para representar a RSU. Temos também uma estrutura LinkedList de DiscardMessage para armazenar as mensagens descartadas. A implementação de Antena para esse protocolo é idêntica aos protocolos anteriores. Para representar o OBU temos a classe DummyNode, nela temos uma estrutura HashMap que contem o id do OBU que enviou a mensagem e uma estrutura LinkedList de StringMessage contendo as mensagens que esse OBU enviou. Dentro dessa classe também temos o método handlemessages que trata todas as mensagens recebidas. O primeiro passo é pegar a primeira mensagem da estrutura e transforma-la para o tipo StringMessage, em seguida verificamos se a mensagem esta na lista de descarte, caso ela não esteja verificamos se já temos uma cópia dessa mensagem. Se ela não for encontrada adicionamos essa mensagem na lista. O programa 4.4 apresenta esse método implementado no public void handlemessages ( Inbox inbox ) { while ( inbox. hasnext ( ) ) { boolean f l a g = f a l s e ; 5 //Pega uma mensagem da c a i x a de entrada Message m = inbox. next ( ) ; this. nmensagens++;

30 4. Implementação dos protocolos // I n s t a n c i a de s t r i n g m e s s a g e StringMessage ms = ( StringMessage )m; // V e r i f i c a r se a mensagem r e c e b i d a e s t a na l i s t a de d e s c a t e for ( DiscardMessage d : this. discmsg ) { 15 // Deleta a mensagem i f ( d. g e t I d ( ) == ms. g e t I d ( ) ) { f l a g = true ; break ; 20 //Se eu nunca t i v e e s s a mensagem antes i f (! f l a g ) { // V e r i f i c a se j a e x i s t e e add 25 i f (! messages. containskey (ms. getnode ( ). ID ) ) { LinkedList <StringMessage> d = new LinkedList <StringMessage >() ; d. add (ms) ; // Incrementar o numero de hops somente a q u i 30 ms. inchops ( ) ; messages. put (ms. getnode ( ). ID, d ) ; else { 35 boolean e x i s t = f a l s e ; // Incrementar o numero de hops somente a q u i ms. inchops ( ) ; // o l h a r dentro da l i n k e d l i s t se j a e x i s t e a mensagem 40 for ( StringMessage msg : messages. get (ms. getnode ( ). ID ) ) i f ( msg. gettext ( ). e q u a l s I g n o r e C a s e (ms. gettext ( ) ) ) { e x i s t = true ; break ; 45 // se não e x i s t e a d i c i o n a i f (! e x i s t ) messages. get (ms. getnode ( ). ID ). add (ms) ; 50 Programa 4.4: Código do método handlemessages da classe DummyNode no protocolo Epidemic routing O método init é idêntico ao implementado nos protocolos anteriores. No método neighborhoodchange percorremos a lista de todos os OBU vizinhos verificando se algum deles é uma

31 4. Implementação dos protocolos 21 RSU, logo após fazemos um broadcast de cada mensagem para os OBUs vizinhos. Caso algum desses vizinhos seja uma RSU adicionamos as mensagens na lista de descarte e deletamos a mensagem. O programa 4.5 apresenta esse método implementado no public void neighborhoodchange ( ) { boolean hasantena=f a l s e ; //Se algum v i z i n h o f o r uma antena 5 for ( Edge e : this. outgoingconnections ) i f ( e. endnode instanceof Antena ) { hasantena = true ; break ; 10 for ( I n t e g e r i : messages. keyset ( ) ) for ( StringMessage msg : messages. get ( i ) ) { // Envia a mensagem this. broadcast ( msg ) ; 15 //Se encontrou o nó de d e s t i n o add para na l i s t a de d e s c a r t e e apaga i f ( hasantena ) { // a d i c i o n a na l i s t a de mensagens de d e s c a r t e this. discmsg. add (new DiscardMessage ( msg. getnode ( ), msg. g e t I d ( ) ) ) ; 20 // d e l e t a a mensagem da hash this. messages. remove ( msg ) ; //Nro de mensagens d e s c a r t a d a s 25 this. ndescartes++; Programa 4.5: Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo Epidemic routing 4.3 Data-Mule System O protocolo Data-Mule-System consiste em uma arquitetura de três níveis: O nível mais baixo é ocupado pelos nós sensores fixos que coletam dados do ambiente. O nível intermediário consiste de OBUs (mulas) que se movem em torno de uma área coberta por sensores para coletar seus dados. Essas mulas tem o papel de descobrir e se comunicar tanto com sensores como com os RSUs, não se comunicando com outras mulas. O nível superior é constituído por um conjunto de pontos de acesso com fio (RSUs) que recebem os dados das mulas. Os nós

32 4. Implementação dos protocolos 22 do nível superior estão ligados a um armazém de dados central onde os dados recebidos são armazenados e processados. Para implementar esse protocolo usamos as mesmas estruturas explicadas anteriormente, usamos também as classes DummyNode para representar os nós fixos, a classe Mule para representar os OBUs e Antena para representar a RSU. A implementação de Antena para esse protocolo é idêntica aos protocolos anteriores. Para representar o nó fixo temos a classe DummyNode, nela temos uma estrutura HashMap que contem o id do nó que enviou a mensagem e uma estrutura LinkedList de StringMessage contendo as mensagens que esse nó enviou. Os nós fixos não recebem informação de ninguém, portanto seu método handlemessages é vazio.o método init é idêntico ao implementado nos protocolos anteriores. No método neighborhoodchange percorremos a lista de todos os vizinhos verificando se algum deles é do tipo Mule, em caso afirmativo enviamos todas as mensagens para esse vizinho. O programa 4.6 apresenta esse método implementado no public void neighborhoodchange ( ) { // Envia o dado se o v i z i n h o f o r uma mula for ( Edge e : this. outgoingconnections ) 5 i f ( e. endnode instanceof Mule ) { for ( I n t e g e r i : messages. keyset ( ) ) for ( StringMessage msg : messages. get ( i ) ) { System. out. p r i n t l n ( "Mensagem "+i+ " enviada "+" Hops : "+msg. getnhops ( ) + "Mensagem : "+msg. gettext ( ) ) ; 10 //Manda as mensagens para a mula this. send (msg, e. endnode ) ; break ; 15 Programa 4.6: Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo Data-Mule-System Para representar os OBUs temos a classe Mule, nela temos uma estrutura HashMap que contem o id do nó que enviou a mensagem e uma estrutura LinkedList de StringMessage contendo as mensagens que esse nó enviou. Dentro dessa classe também temos o método handlemessages que trata todas as mensagens recebidas. O primeiro passo é pegar a primeira mensagem da estrutura e transformá-la para o tipo StringMessage, em seguida verificamos se já temos uma cópia dessa mensagem. Se ela não for encontrada adicionamos essa mensagem na lista. O programa 4.7 apresenta esse método implementado no simulador:

33 4. Implementação dos protocolos public void handlemessages ( Inbox inbox ) { while ( inbox. hasnext ( ) ) { boolean f l a g = f a l s e ; 5 //Pega uma mensagem da c a i x a de entrada Message m = inbox. next ( ) ; this. nmensagens++; 10 // I n s t a n c i a de s t r i n g m e s s a g e StringMessage ms = ( StringMessage )m; // V e r i f i c a se j a e x i s t e e add i f (! messages. containskey (ms. getnode ( ). ID ) ) { 15 LinkedList <StringMessage> d = new LinkedList <StringMessage >() ; d. add (ms) ; // Incrementar o numero de hops somente a q u i ms. inchops ( ) ; 20 messages. put (ms. getnode ( ). ID, d ) ; else { boolean e x i s t = f a l s e ; 25 // Incrementar o numero de hops somente a q u i ms. inchops ( ) ; // o l h a r dentro da l i n k e d l i s t se j a e x i s t e a mensagem for ( StringMessage msg : messages. get (ms. getnode ( ). ID ) ) 30 i f ( msg. gettext ( ). e q u a l s I g n o r e C a s e (ms. gettext ( ) ) ) { e x i s t = true ; break ; // se não e x i s t e a d i c i o n a 35 i f (! e x i s t ) messages. get (ms. getnode ( ). ID ). add (ms) ; Programa 4.7: Código do método handlemessages da classe Mule no protocolo Data-Mule- System No método neighborhoodchange percorremos a lista de todos os vizinhos verificando se algum deles é uma RSU, em caso afirmativo enviamos todas as mensagens para esse vizinho. O programa 4.8 apresenta esse método implementado no

34 4. Implementação dos protocolos 24 public void neighborhoodchange ( ) { // Envia o dado se o v i z i n h o f o r uma antena for ( Edge e : this. outgoingconnections ) 5 i f ( e. endnode instanceof Antena ) { for ( I n t e g e r i : messages. keyset ( ) ) for ( StringMessage msg : messages. get ( i ) ) { //Manda as mensagens para a antena this. send (msg, e. endnode ) ; 10 break ; Programa 4.8: Código do método neighborhoodchange da classe Mule no protocolo Data- Mule-System 4.4 Context-Aware routing (CAR) No protocolo Context-Aware routing (CAR) cada OBU da rede se encarrega de produzir suas próprias probabilidades de entrega em relação a cada RSU. Probabilidades de entrega são trocados periodicamente para que cada OBU possa calcular o melhor caminho para cada RSU. Os melhores caminhos são calculados com base no contexto dos OBUs, nível de bateria residual, a taxa de variação da conectividade, a probabilidade de estar dentro do alcance do destino e o grau de mobilidade do nó são alguns exemplos. Quando o OBU candidato recebe uma mensagem ele a armazena em um buffer local. Ao cruzar com uma RSU a mensagem será entregue, do contrário, o OBU hospedeiro da mensagem verifica se seu par possui probabilidade maior. Sendo o caso, a mensagem é repassada. O contexto implementado nessa versão do protocolo foi o de número de mensagens trocadas sem ver uma RSU. Quando um OBU encontra com uma RSU sua probabilidade é incrementada. Se esse OBU trocar um número determinado de mensagens sem encontrar com uma RSU sua probabilidade é decrementada. Para implementar esse protocolo usamos as mesmas estruturas explicadas anteriormente, usamos também as classes DummyNode para representar os OBU e Antena para representar a RSU. A implementação de Antena para esse protocolo é idêntica aos protocolos anteriores. Para representar o OBU temos a classe DummyNode, nela temos uma estrutura HashMap que contem o id do OBU que enviou a mensagem e uma estrutura LinkedList de StringMessage contendo as mensagens que esse OBU enviou. Dentro dessa classe também temos o método handlemessages que armazena todas as mensagens recebidas. O primeiro passo é pegar a primeira mensagem da estrutura e transforma-la para o tipo StringMessage, em seguida verificamos se já temos uma cópia dessa mensagem. Se ela não for encontrada adicionamos a mensagem. O programa 4.9 apresenta esse método implementado no simulador:

35 4. Implementação dos protocolos public void handlemessages ( Inbox inbox ) { while ( inbox. hasnext ( ) ) { boolean f l a g = f a l s e ; 5 //Pega uma mensagem da c a i x a de entrada Message m = inbox. next ( ) ; 10 // Incrementa o numero de mensagens this. nmensagens++; // Incrementa as mensagens t r o c a d a s para a t u a l i z a r as p r o b a b i l i d a d e s this. numbermessageschanged++; // I n s t a n c i a de s t r i n g m e s s a g e 15 StringMessage ms = ( StringMessage )m; // V e r i f i c a se j a e x i s t e e add i f (! messages. containskey (ms. getnode ( ). ID ) ) { LinkedList <StringMessage> d = new LinkedList <StringMessage >() ; 20 d. add (ms) ; // Incrementar o numero de hops somente a q u i ms. inchops ( ) ; 25 messages. put (ms. getnode ( ). ID, d ) ; else { boolean e x i s t = f a l s e ; // Incrementar o numero de hops somente a q u i 30 ms. inchops ( ) ; // o l h a r dentro da l i n k e d l i s t se j a e x i s t e a mensagem for ( StringMessage msg : messages. get (ms. getnode ( ). ID ) ) i f ( msg. gettext ( ). e q u a l s I g n o r e C a s e (ms. gettext ( ) ) ) { 35 e x i s t = true ; break ; // se não e x i s t e a d i c i o n a i f (! e x i s t ) 40 messages. get (ms. getnode ( ). ID ). add (ms) ; Programa 4.9: Código do método handlemessages da classe DummyNode no protocolo Context-Aware routing

36 4. Implementação dos protocolos 26 5 No método neighborhoodchange percorremos a lista de todos os OBU vizinhos verificando se algum deles é uma RSU, em caso afirmativo enviamos todas as mensagens diretamente para a RSU e incrementamos a probabilidade de envio do OBU. Caso contrário selecionamos o OBU vizinho com maior probabilidade de envio para encaminharmos as mensagens. Se não encontrarmos nenhuma RSU enviamos todas as mensagens para o melhor OBU vizinho selecionado. Ao final do algoritmos verificamos se o numero de mensagens trocadas sem ver uma RSU é maior que o limite estabelecido, em caso afirmativo decrementamos a probabilidade de envio do OBU. O programa 4.10 apresenta esse método implementado no public void neighborhoodchange ( ) { boolean hasantena=f a l s e ; DummyNode bestnode = this ; //Se algum v i z i n h o f o r uma antena envia d i r e t o for ( Edge e : this. outgoingconnections ) { i f ( e. endnode instanceof Antena ) { hasantena = true ; 10 for ( I n t e g e r i : messages. keyset ( ) ) for ( StringMessage msg : messages. get ( i ) ) { //Manda as mensagens d i r e t o pra antena this. send (msg, e. endnode ) ; 15 // Incremente a p r o b a b i l i d a d e this. incprobenvio ( ) ; // incrementa sua p r o b a b i l i d a d e de envio this. incprobenvio ( ) ; 20 // S e l e c i o n a o melhor v i z i n h o para envio else i f ( ( ( DummyNode) e. endnode ). getprobenvio ( ) > bestnode. getprobenvio ( ) ) bestnode = ( ( DummyNode) e. endnode ) ; 25 i f (! hasantena ) { for ( I n t e g e r i : messages. keyset ( ) ) for ( StringMessage msg : messages. get ( i ) ) { //Manda as mensagens para o melhor nó this. send (msg, bestnode ) ; 30 //A cada 10 mensagens t r o c a d a s sem ver a antena decrementa a p r o b a b i l i d a d e i f ( ( this. numbermessageschanged > this. maxmessageschanged ) && (! hasantena ) ) { 35 this. decprobenvio ( ) ; this. numbermessageschanged = 0 ;

37 4. Implementação dos protocolos 27 Programa 4.10: Código do método neighborhoodchange da classe DummyNode no protocolo Context-Aware routing

38 Capítulo 5 Protocolo desenvolvido Neste capítulo descrevemos detalhadamente todo o funcionamento do protocolo desenvolvido neste trabalho. Dada a distribuição de OBUs em veículos, elaboramos um protocolo de comunicação para troca de mensagens entre esse OBUs e desses veículos para as RSUs, que no caso seria a rede de RSUs na cidade. Os OBUs se movimentarão pela cidade monitorando eventos como um carro atravessar em sinal vermelho, detecção de veiculo roubado ou um veiculo estacionado em local proibido. Esses eventos serão processados e transformados em dados textuais. Esses dados serão trocados entre os OBUs até chegarem à uma RSU. O requisitos do protocolo são: entregar os dados o mais rápido possível, não inundar a rede trocando poucas mensagens e evitar a redundância de dados, ou seja, se um OBU receber dados aos quais já possui, esses dados serão descartados. O algoritmo 5.1 apresenta o pseudocódigo do algoritmo: Loop i n f i n i t o { Se a rede for conhecida { Se o d i s p o s i t i v o for uma antena { envia todos os dados para a antena 5 a d i c i o n a o i d de cada mensagem enviado na l i s t a de d e s c a r t a d a s Senão Se o d i s p o s i t i v o for um nó{ Se j a t r o q u e i dados com o nó{ sim j á e n v i e i para a antena dados do nó?{ 10 sim informe ao nó q u a i s dados foram enviados para antena. há novos dados?{ sim 15 e n v i e os dados novos que não estejam o b s o l e t o s não{ troque os dados que não estejam o b s o l e t o s { 28

39 5. Protocolo desenvolvido 29 Para cada dado r e c e b i d o { 20 Se o dado r e c e b i d o j a e x i s t e? d e s c a r t a o dado redundante Senão armazena o dado r e c e b i d o Senão não f a z nada Programa 5.1: Pseudocódigo do protocolo proposto OBU conterá a codificação do pseudocódigo para controlar a troca de mensagens. O funcionamento do protocolo é simples, se um OBU cruzar com um dispositivo conhecido ele verificará se o dispositivo é uma RSU, em caso afirmativo o OBU enviará todos os dados armazenados nele para essa RS. Se o dispositivo encontrado for um OBU que ele não trocou dados ainda ele troca dados com esse OBU, como podemos ver pela Figura 5.1a. Caso o OBU receba dados que já havia recebido antes, esses dados serão descartados para não gerar redundância de informação. Se o OBU encontrar com uma RSU ele transmite seus dados para ela, como podemos ver pela Figura 5.1b. Caso o OBU já tenha enviado os dados de outro OBU para uma RSU e tenha cruzado com esse mesmo OBU novamente ele envia uma mensagem para esse OBU para descarte dos mesmos, como podemos ver pela Figura 5.1c. (a) (b) (c) Figura 5.1: Sequência do protocolo.

PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA REDES MÓVEIS APLICADO AO TRÂNSITO

PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA REDES MÓVEIS APLICADO AO TRÂNSITO LUIZ HENRIQUE SANTOS Orientador: Álvaro Rodrigues Pereira Jr. PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO PARA REDES MÓVEIS APLICADO AO TRÂNSITO Ouro Preto Novembro de 2012 Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de

Leia mais

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Aluno: Luiz

Leia mais

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito, Saul Delabrida, Álvaro Rodriguez Pereira Jr. lhsantosazs@gmail.com 10 de Dezembro de 2011 Sumário Introdução 1 Introdução 2 3 Objetivo geral

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Mobile Communications. RedesAd-hoc

Mobile Communications. RedesAd-hoc Ad-hoc 1 Mobile Communications RedesAd-hoc Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ad-hoc 2 Redes Ad-Hoc (Nível 3) Rede autoconfigurável Ligações sem fios Nós móveis topologia

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios.

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios. Internet of Things 10 formas de utilizá-la em diversos tipos de negócios. INTRODUÇÃO As interfaces Machine to Machine (M2M) estão facilitando cada vez mais a comunicação entre objetos conectados. E essa

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Igo Romero Costa de Souza 1, Icaro Ramires Costa de Souza 1, Mailson Sousa Couto 1 1 Instituto Federal da Bahia (IFBA) - Campus

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks Renfei Wang ¹, Cristiano Rezende ¹, Heitor S. Ramos ¹, ², ³ Richard W. Pazzi ¹, Azzedine Boukerche ¹, Antonio A.F.

Leia mais

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas 4 Estudo de Caso Com o propósito de melhor apresentar a arquitetura NeMaSA, assim como melhor ilustrar seu funcionamento, dois exemplos práticos de testes desenvolvidos sobre a arquitetura proposta serão

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, setembro de 2014 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina PARTE II Introdução à Redes Sem Fio Apresentação do Professor

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching SWITCHING Quando o ethernet foi originalmente desenhado, os computadores eram lentos e as redes eram pequenas. Portanto, uma rede rodando a 10 mbps era mais que suficiente para qualquer aplicação. Atualmente,

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

IGMP - Internet Group Management Protocol

IGMP - Internet Group Management Protocol IGMP - Internet Group Management Protocol Introdução A entrega Multicast IP é seletiva: apenas estações interessadas podem receber tráfego dirigido a um dado grupo. Almejando implementar essas árvores

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelos e arquitecturas 14/15 Sistemas Distribuídos 1 Modelos arquitecturais 14/15 Sistemas Distribuídos 2 Camadas de Software: o Middleware Aplicações Middleware Sistema Operativo

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo principal apresentar a tecnologia LonWorks, passando por alguns atributos da tecnologia,

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Diego Passos Universidade Federal Fluminense Diego Passos Defesa de Mestrado 1/49 Diego Passos

Leia mais

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br>

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

COMPONENTES BÁSICOS DE

COMPONENTES BÁSICOS DE COMPONENTES BÁSICOS DE REDES 2ºPARTE Prof. Me. Hélio Esperidião SWITCH O SWITCH opera de forma mais inteligente. Ele analisa os pacotes de dados que chegam a ele e descobre os endereços de origem e destino.

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006 1 DINF / UFPR 08 de novembro de 2006 2 3 4 5 6 são redes lógicas construídas sobre redes físicas. Nas são estabelecidos enlaces lógicos entre nós que pertencem a rede. Estes enlaces podem ou não ser enlaces

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais