Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas"

Transcrição

1 Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério de Ciência e Tecnologia Prova Objetiva para Técnico 2 1. Cargo: Técnico em Informática e Eletrônica. Observações: 1. Cada questão tem o mesmo valor de 0, Preencher a folha de respostas com caneta azul ou preta. 3. Não pode haver rasura na folha de respostas. 4. Somente a folha de respostas será considerada. 5. Na folha de respostas, não pode haver questão sem resposta. 6. A prova terá duração máxima de 3 horas. 7. Não é permitido o uso de calculadora, celular ou qualquer aparelho eletrônico. 8. Não é permitido fumar. 9. Questionamentos relativos ao conteúdo da prova não serão permitidos. 10. Qualquer outro questionamento deve ser feito diretamente ao membro da banca examinadora presente. Paz e Boa Sorte!

2 Parte I Sistemas Operacionais Unix e Windows 1. Qual a porta TCP padrão utilizada pelo serviço de telnet no sistema operacional Solaris? a. 22 b. 232 c. 23 d. 322 e No sistema operacional Solaris qual arquivo deve ser editado para definir os sistemas de arquivo a serem compartilhados via NFS? a. dfstab b. sharetab c. sharefs d. fstab e. shared 3. Que arquivo contém as associações dos nomes de serviço às portas TCP em um sistema operacional Solaris? a. service b. inetsvc c. service.conf d. inetd.conf e. services 4. No modo de comando do editor vi, que caractere(s) deve(m) ser digitados para adicionar texto no final da linha corrente? a. shift e b. E c. i d. I e. N.R.A. 5. Quando um usuário, que tem como shell inicial o Korn shell, realiza um login em uma máquina com sistema operacional Solaris, qual a sequência de leitura dos arquivos de inicialização? a. /etc/profile,.profile b. /etc/profile,.profile,.kshrc Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 2/15

3 c. /etc/kshrc,.kshrc d. /etc/kshrc,.kshrc,.profile e. /etc/kshrc,.profile,.kshrc 6. Qual o comando utilizado para mostrar o conteúdo de um arquivo criado com o utilitário tar? a. tar xvf /home/backup.tar b. tar lvf /home/backup.tar c. tar cvf /home/backup.tar d. tar tvf /home/backup.tar e. tar svf /home/backup.tar 7. No sistema operacional Solaris que comando seria utilizado para mostrar o número de usuários que têm como grupo principal o grupo de número 300? a. more /etc/passwd cut -s: -f4 grep 300 wc -n b. cat /etc/group cut -d: -f1 grep 300 wc -n c. cat /etc/passwd cut -d: -f4 grep -w 300 wc -l d. more /etc/group cut -s: -f2 grep "300" wc -n e. more /etc/group cut -d: -f1 grep -w 300 wc l 8. Em um ambiente UNIX, qual a sintaxe correta do comando chmod para que um arquivo tenha as seguintes parametrizações: rw- r a. chmod 610 nomearquivo b. chmod 620 nomearquivo c. chmod nomearquivo 620 d. chmod nomearquivo 610 e. chmod 640 nomearquivo 9. Você pode escolher entre 3 tipos de sistemas de arquivos para particionar os discos de um microcomputador com sistema operacional Windows 2000/XP: NTFS, FAT e FAT32. Qual das afirmativas abaixo está errada: a. Somente NTFS suporta o serviço active directory e a característica domain-based security. b. Se usar FAT32, todos os usuários poderão ter acesso a qualquer arquivo do disco rígido independente do tipo de conta (administrador, limitado ou padrão). c. O tamanho máximo de arquivo nas partições FAT e FAT32 são 2GB e 4GB, respectivamente. Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 3/15

4 d. Após converter alguma partição para NTFS, não é mais possível converter de volta para FAT, porém é possível voltar a FAT32. e. NTFS é a partição mais indicada para tratar discos de grande capacidade, seguido da partição FAT O REGISTRO do Windows2000 é um banco hierárquico contendo as configurações que descrevem a conta de cada usuário, o hardware da máquina do servidor e seus aplicativos. Considere as afirmativas abaixo: I. O programa REGEDT32.EXE está localizado no diretório \winnt\system32 e serve para editar o REGISTRO inteiro. II. O REGISTRO do Windows2000 é fisicamente espalhado e é salvo em diversos arquivos separados chamados HIVES. III. Não é possível modificar remotamente o REGISTRO do Windows2000 Marque a opção correta: a. As sentenças I e II estão corretas b. A sentença III está correta c. Todas as sentenças estão corretas d. Somente a sentença I está correta e. A sentença II está errada 11. O Internet Information Service IIS do Windows2000 é um conjunto de serviços baseado no protocolo TCP/IP. Que serviços são estes? a. HTTPS, FTP e SMTP b. SMTP, HTTPS, DNS e NNTP c. SMTP, HTTPS, NNTP e FTP d. DNS, TFTP, NTOP e SMTP e. FTP, NNTP e NTOP 12. O componente central em qualquer servidor é sua capacidade de compartilhar diretórios e arquivos, além de oferecer serviços. Existem dois níveis diferentes de permissão. Uma é a permissão de alto nível e a outra é a subpermissão de mais baixo nível que formam as permissões de alto nível. Podemos fazer um paralelo com os termos atômico e molecular, respectivamente. É correto afirmar: a. gravar, leitura, modificar são algumas permissões atômicas b. atributos de leitura, excluir, ler atributos estendidos são algumas permissões moleculares c. modificar, controle total e listar conteúdo de pastas são algumas permissões moleculares d. criar arquivos/gravar dados, criar pastas/acrescentar dados e controle total são do tipo atômico e. leitura, excluir, apropriar-se e gravar são do tipo molecular Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 4/15

5 13. Quais são os endereços IP necessários para uma perfeita configuração do protocolo TCP/IP em um ambiente Windows para integração com a Internet: a. endereço do host, a máscara de sub-rede, endereços do serviço Wins e do serviço DNS b. endereço de host, a máscara de sub-rede e endereço do serviço DNS c. endereços do gateway, do host e do serviço DNS d. endereços de host, do serviço Wins, do serviço DNS e do roteador e. endereços do roteador, do serviço DNS, do host e sua máscara 14. No Windows2000, o Terminal Services é um dos componentes opcionais que pode ser instalado, assim como o Transaction Services e o Internet Information Services. Verifique as afirmativas abaixo: I. O servidor de terminais executa um sistema operacional para cada um dos usuários remotos II. o protocolo de exibição utilizado é o Remote Desktop Protocol (RDP), que é um protocolo da camada de link de dados que cria um canal virtual entre o servidor e o cliente através do qual passa o fluxo de entradas de usuário e de saídas gráficas III. o Terminal Services permite o gerenciamento do servidor remotamente a partir da área de trabalho de uma estação mais simples com qualquer sistema operacional. Marque a opção correta: a. Somente a afirmativa I está correta. b. Somente as afirmativas I e III estão corretas. c. Todas as afirmativas estão corretas. d. Nenhuma afirmativa está correta. e. A afirmativa III está parcialmente correta. Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 5/15

6 Parte II Arquitetura e Eletrônica Computacional Básica 15. Qual a principal causa de cross-talk em um cabeamento de rede? a. Sinais elétricos de outro(s) cabo(s) que geram ruídos elétricos no cabo em questão. b. Ruídos elétricos causados pelo movimento dos elétrons no fio. c. Interferência em sinais elétricos causados por lâmpadas fluorescentes. d. Interferência telefônica no cabeamento de rede. e. Nenhuma das questões anteriores. 16. A classificação half-duplex para transmissão de dados em rede local pode ser descrita como: a. O enlace é utilizado nos dois possíveis sentidos de transmissão, porém apenas um por vez. b. O enlace é utilizado nos dois possíveis sentidos de transmissão simultaneamente. c. O enlace é utilizado em apenas um sentido de transmissão. d. Uma rede local só trabalha em full duplex. e. Nenhuma das questões anteriores. 17. Indique a alternativa falsa: a. A memória RAM (Random Access Memory), também conhecida como Read-Write Memory, permite a escrita de novos dados nela bem como a leitura de dados previamente gravados ali. b. Um computador pode ser genericamente descrito como possuindo CPU, memória, memória de massa (storage) e interfaces. c. RAM, ROM, Flash e EPROM são tipos de memória de massa comumente encontradas em computadores. d. As unidades internas de um computador comunicam-se entre si através de barramentos. e. Um NIC (network interface card) é uma placa de circuito impresso que provê capacidades de comunicação de redes para um computador. 18. Qual o valor binário do número decimal 159? a b c d e Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 6/15

7 19. Indique a alternativa falsa: a. O sinal terra de referência é um conceito fundamental para a transmissão de bits em um meio físico. b. O sinal terra de referência é obtido pelo projeto de planos de terra ligando placas de circuitos ao gabinete do computador. c. O sinal terra de referência estabelece o nível 0 (zero) volt para os sinais elétricos no computador. d. Em sinais óticos, o bit 0 é representado pelo nível 0 (zero) volt e o bit 1 é representado pelo nível +5 (cinco) volts. e. Em sinais digitais de rádio, o bit 0 pode ser representado por uma curta rajada de ondas e o bit 1 por uma rajada mais longa. 20. Para se comunicarem diretamente entre si, computadores em rede precisam: a. possuir o mesmo sistema operacional. b. utilizar o mesmo hardware. c. utilizar o mesmo protocolo. d. ser do mesmo fabricante. e. possuir mesmo processador. 21. O que é uma LAN? a. Uma rede que conecta computadores e outros dispositivos em uma área limitada geograficamente. b. Uma rede que conecta computadores e outros dispositivos em uma grande área metropolitana. c. Uma rede que atende usuários em uma grande área geograficamente distribuída e que se utiliza de meios de transmissão oferecidos por empresa de telecomunicações. d. Uma rede que cobre uma área maior do que uma MAN. e. Nenhuma das alternativas acima. 22. Qual sistema numérico é baseado em potência de 2? a. Octal b. Decimal c. Binário d. ASCII e. EBCDIC Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 7/15

8 23. Qual o equivalente em hexadecimal do número binário ? a. C9 b. AA c. CA d. DA e. AB 24. O primeiro transistor, criado no início da década de 50, foi feito a mão e era muito grande. Hoje apresentam tamanho diminuto e um processador Pentium 4 possui cerca de Qual a ordem de grandeza do tamanho de um transistor atual neste processador: a. 1 décimo do mícron b. 1 milionésimo do metro c. 1 mícron d. 100mícrons e. 1 bilionésimo do metro 25. Complete a sentença: Na transmissão ASSÍNCRONA, para que o receptor reconheça o início de um caractere é utilizado... e... a. 2 bits de partida (Start Bit); 1 ou 2 bits de parada (Stop Bit). b. 1 bit de partida (Start Bit); 1 ou 2 bits de parada (Stop Bit). c. 8 bits de partida (Start Bit); 1 ou 2 bits de parada (Stop Bit). d. 1 bit de partida (Start Bit); 1 bit de parada (Stop bit) e. Nenhuma das respostas estão corretas. 26. Complete a sentença e marque a alternativa verdadeira: A unidade básica de memória é o..., chamado de... e pode conter... ou... a. Digito Binário; Bit; um 0 (zero); um 1 (um). b. Digito Binário; Byte; Zeros (0); Uns (1). c. Digito Binário; Bits; Zeros (0); Uns (1). d. As opções a e c são falsas. e. Nenhuma das respostas estão corretas. Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 8/15

9 Parte III- Linguagens C e Delphi 27. Quais dos conjuntos abaixo, são palavras chaves (identificadores) reservados da linguagem C a. case, ramdomize, void, struct, union b. exit, if, static, sizeof, while c. goto, printf, double, break, char d. break, typedef, else, sizeof, continue e. default, register, scanf, main, enum 28. É correto afirmar que C é uma linguagem... a. de alto nível, estruturada e que permite recursividade b. de baixo nível, não estruturada e que permite recursividade c. de médio nível, estruturada e que permite recursividade d. de baixo nível, estruturada e que permite recursividade e. de médio nível, não estruturada e que permite recursividade 29. Quais os tipos básicos da linguagem C? a. character, integer, real, void, string b. char, int, double, float, string c. character, integer, real, string, pointer d. char, int, double, void, float e. character, integer, real, double, string 30. Sabendo que as variáveis a, b e c possuem valores respectivamente iguais a 0(zero), 1(um) e 2(dois), qual o resultado da expressão (a&&b+c a&&b+1) escrita em linguagem C? a. 1 b. 0 c. -1 d. 2 e. N.R.A. 31. Dado o pequeno trecho de um programa escrito em linguagem C abaixo, qual o valor da variável j após a execução da linha que contém a instrução j=i&k;?...; i=224; k=32; k+=k; j=i&k;... Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 9/15

10 a. 64 b. 1 c. 32 d. 0 e. N.R.A. 32. Quando criado, um socket não possui endereçamento local ou remoto. O servidor utiliza um procedimento para fornecer um número de porta de protocolo no qual aguardará o contato do cliente. Que procedimento é esse? a. socketpair() b. socket() c. setsockopt() d. bind() e. recv() 33. Quais das características da linguagem/produto Delphi abaixo não é verdadeira: a. um programa Delphi não é uma estrutura de aplicativo b. a linguagem é orientada ao desenho de formulários ou janelas c. os componentes da linguagem Delphi são objetos hierárquicos d. os eventos são as mensagens que cada componente pode responder, tendo associado a eles um procedimento de evento e. contém um conjunto de controles pré-desenvolvidos que dão acesso às características do sistema 34. Qual das descrições do tipo inteiro abaixo não está correta: a. ShortInt bits com sinal b. SmallInt bits com sinal c. HugeInt bits com sinal d. Byte bits sem sinal e. Word bits sem sinal 35. As linguagens orientadas a objetos são baseadas em três conceitos fundamentais: a. classes, objetos, polimorfismo b. encapsulamento, classes, polimorfismo c. herança, classes, objetos d. encapsulamento, polimorfismo, herança e. encapsulamento, métodos, herança Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 10/15

11 36. Os arquivos executáveis podem ser de dois tipos: programas e bibliotecas de vínculo dinâmico, as chamadas DLLs Dynamic Link Libraries. Estas bibliotecas para terem suas funções e procedimentos utilizados por programas externos devem seguir as diretrizes abaixo, exceto uma. Qual? a. Eles precisam estar listados na cláusula exports da DLL. b. As funções devem ser declaradas como stdcall, para usar a técnica de passagem de parâmetros padrão Win32. c. Os tipos de parâmetros de uma DLL devem ser os tipos padrão do Windows. d. Uma DLL pode usar dados globais que não serão compartilhados pelos aplicativos chamadores. e. Uma DLL escrita para sistemas de 16 bits é compatível com programas Delphi de 32 bits, já uma DLL de 32 bits não é compatível com programas Delphi de 16 bits. Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 11/15

12 Parte IV Tradução de Texto Técnico em Língua Inglesa Os textos abaixos foram obtidos da Internet e referem-se a dois assuntos distintos. O primeiro compara dois tipos de roteamento e o segundo texto aborda um dos mais recentes temas na área de computação científica. Responda as questões com base somente nos seus conteúdos. Static or Dynamic Algorithms Static routing algorithms are hardly algorithms at all. Static routing table mappings are established by the network administrator prior to the beginning of routing. They do not change unless the network administrator changes them. Algorithms that use static routes are simple to design and work well in environments where network traffic is relatively predictable and network design is relatively simple. Because static routing systems cannot react to network changes, they are generally considered unsuitable for today's large, constantly changing networks. Most of the dominant routing algorithms in the 1990s are dynamic. Dynamic routing algorithms adjust, in real time, to changing network circumstances by analyzing incoming routing update messages. If the message indicates that a network change has occurred, the routing software recalculates routes and sends out new routing update messages. These messages permeate the network, stimulating routers to rerun their algorithms and change their routing tables accordingly. Dynamic routing algorithms may be supplemented with static routes where appropriate. For example, a router of last resort (a router to which all unroutable packets are sent) may be designated. This router acts as a repository for all unroutable packets, ensuring that all messages are at least handled in some way. 37. Considere as afirmativas abaixo: I. A tabela de roteamento estático deve ser planejada após uma análise das tabelas de rotas já existentes II. Até o início dos anos 90, o roteamento era basicamente estático III. A tabela de roteamento estático deve ser complementada com rotas dinâmicas IV. O tempo de latência da convergência de uma tabela de rotas dinâmicas é sempre muito pequeno, pois as mudanças são efetuadas em tempo real a. Todas as sentenças estão erradas b. Todas as sentenças estão corretas c. Não é possível concluir a sentença II a partir do texto d. a sentença IV está correta. e. A sentença III está correta Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 12/15

13 38. De acordo com o texto: a. Um roteador deve invariavelmente conter rotas estáticas e dinâmicas. b. Os algorítmos de roteamento estático e dinâmico são complementares. c. A escolha dos algoritmos depende exclusivamente do administrador de redes. d. Redes grandes necessitam somente de roteamento dinâmico e. Nenhuma das respostas acima. Petascale Data Grids A computational grid is a set of geographically distributed computing resources which can be mobilized by a single application using software services that tie them together. The definitive book on the subject is, "The Grid: Blueprint for a New Computing Infrastructure", edited by Ian Foster and Carl Kesselman, in which several authors describe how such computing grids might be built and what they could accomplish. Several computational grid testbeds are operational, but the challenges facing the new generation of experiments in High Energy Physics, have led us to the concept of a Petascale Data Grid. "Petascale" emphasizes the massive CPU resources (Petaflops) and the enormous datasets (Petabytes) that must be harnessed. 39. Qual a definição de uma Grid computacional? a. Um cluster de computadores em uma instituição. b. Vários computadores em diferentes localidades interligados pôr redes de alta velocidade e software específico. c. Um conjunto de recursos computacionais em diferentes localidades interligados por serviços de software que permitam a execução de um aplicativo. d. Um conjunto de computadores em diferentes localidades interligados por serviços de software que permitam a execução de um aplicativo. e. Um conjunto de recursos computacionais distribuído em diferentes localidades interligado por redes de alta velocidade 40. Quais as diferenças de uma Grid de Dados em Petaescala em relação a uma Grid normal. a. A Grid normal não suporta grandes volumes de dados da ordem de Petabytes. b. A Grid de Dados em Petaescala enfatiza recursos computacionais da ordem de Petaflops em processamento e Petabytes em armazenamento. c. A Grid normal enfatiza grandes recursos computacionais e volumes de dados da ordem de Petaflops e Petabytes. Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 13/15

14 d. A Grid de Dados em Petaescala não suporta recursos computacionais da ordem de Petaflops em processamento e Petabytes em armazenamento. e. Não há diferenças. Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 14/15

15 Folha de Respostas Número de Identificação: 1 A B C D E 21 A B C D E 2 A B C D E 22 A B C D E 3 A B C D E 23 A B C D E 4 A B C D E 24 A B C D E 5 A B C D E 25 A B C D E 6 A B C D E 26 A B C D E 7 A B C D E 27 A B C D E 8 A B C D E 28 A B C D E 9 A B C D E 29 A B C D E 10 A B C D E 30 A B C D E 11 A B C D E 31 A B C D E 12 A B C D E 32 A B C D E 13 A B C D E 33 A B C D E 14 A B C D E 34 A B C D E 15 A B C D E 35 A B C D E 16 A B C D E 36 A B C D E 17 A B C D E 37 A B C D E 18 A B C D E 38 A B C D E 19 A B C D E 39 A B C D E 20 A B C D E 40 A B C D E Questão rasurada será questão anulada!! Questões certas: Nota: Rúbricas dos membros da banca: Paz e Boa Sorte! Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/MCT 15/15

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede Sistema de eleição SisElege Projeto Lógico de Rede Brasilia DF 25/10/2014 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 27/SET/2010 Grupo 3 Versão Inicial www.siselege.com.br 1.1 28/SET/2010

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

O COMPUTADOR. Introdução à Computação

O COMPUTADOR. Introdução à Computação O COMPUTADOR Introdução à Computação Sumário O Hardware O Software Linguagens de Programação Histórico da Linguagem C Componentes Básicos do Computador O HARDWARE: O equipamento propriamente dito. Inclui:

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO QUESTÃO 1 - Desenvolvido por uma comunidade de programadores e engenheiros e construído com código aberto, o BrOffice é uma suíte de escritório que integra

Leia mais

for Information Interchange.

for Information Interchange. 6 Memória: 6.1 Representação de Memória: Toda a informação com a qual um sistema computacional trabalha está, em algum nível, armazenada em um sistema de memória, guardando os dados em caráter temporário

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com ENLACE X REDE A camada de enlace efetua de forma eficiente e com controle de erros o envio

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts.

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts. MÓDULO 9 Endereçamento IP Em uma rede TCP/IP, cada computador possui um endereço IP que o identifica na rede, esse endereço é composto por uma seqüência de bits divididos em 4 grupos de 8 bits que recebem

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores SUMÁRIO Arquitetura e organização de computadores Hardware Software SUMÁRIO Arquitetura e organização de computadores Terminologia básica Hardware Software Arquitetura e organização

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA POR PRAZO DETERMINADO

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA POR PRAZO DETERMINADO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRAL DE INFORMÁTICA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA POR PRAZO DETERMINADO INFORMAÇÕES A) A prova consta de 20 questões de múltipla escolha,

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Variáveis e Comandos de Atribuição

Variáveis e Comandos de Atribuição BCC 201 - Introdução à Programação Variáveis e Comandos de Atribuição Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/47 Estrutura Básica de um programa C I < d i r e t i v a s do pré p r o c e s s a d o r > < d e c l

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 05

PROVA ESPECÍFICA Cargo 05 10 PROVA ESPECÍFICA Cargo 05 QUESTÃO 21 Durante a leitura de um dado de arquivo, são necessários o endereço da trilha e do setor onde o dado se encontra no disco, além da posição da memória onde o dado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar.

O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar. 1 O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar. Tópicos: 2 Números Binários Unidades de Medida de Informação Arquitetura Básica Hardware Software Periféricos de Entrada Periféricos de saída

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP)

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP) "Visão geral da configuração da rede" na página 3-2 "Escolhendo um método de conexão" na página 3-3 "Conectando via Ethernet (recomendado)" na página 3-3 "Conectando via USB" na página 3-4 "Configurando

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Base RF para Terminais Shellby 915

Base RF para Terminais Shellby 915 Base RF para Terminais Shellby 915 Gradual Tecnologia Ltda. Manual Base RF Agosto/2008 1 Índice Apresentação...3 Características Elétricas...3 Características Mecânicas...3 Configuração da Base RF...4

Leia mais

Antes da popularização da Internet existiam diferentes protocolos sendo utilizados nas redes das empresas. Os mais utilizados eram os seguintes:

Antes da popularização da Internet existiam diferentes protocolos sendo utilizados nas redes das empresas. Os mais utilizados eram os seguintes: Introdução ao TCP/IP Esta é a primeira parte de um total de 100 partes, deste tutorial de TCP/IP. Este curso de Introdução ao TCP/IP é formado pelas partes de 01 a 20. O objetivo da Parte 1 é apresentar

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

WinGate - Passo a passo

WinGate - Passo a passo WinGate - Passo a passo Configurando os Computadores de sua rede Nesta etapa, mostraremos como preparar os computadores de sua rede para a instalação do WinGate. 1ª Parte É necessário que os computadores

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

ECD1200 Equipamento de Consulta de Dados KIT DE DESENVOLVIMENTO

ECD1200 Equipamento de Consulta de Dados KIT DE DESENVOLVIMENTO Equipamento de Consulta de Dados KIT DE DESENVOLVIMENTO Versão do documento: 1.1 1. Introdução...3 2. Documentação...3 2.1. DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA... 3 2.2. DESCRIÇÃO FUNCIONAL... 4 2.2.1. INTERFACE...

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes ITENS FUNDAMENTAIS Profª Angélica da Silva Nunes CONCEITOS BÁSICOS Hardware - é a parte física do computador, tais como: teclado, monitor de vídeo, etc. Software - são os programas e aplicativos que permitem

Leia mais

Introdução a conceitos e a prática de programação

Introdução a conceitos e a prática de programação Instituto de Informática - UFG Disciplina: Introdução à Computação Introdução a conceitos e a prática de programação Autores: Marcelo Akira e Anderson Soares Fevereiro de 2011 Alguns direitos autorais

Leia mais

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes FIREWALLS Firewalls Definição: Termo genérico utilizado para designar um tipo de proteção de rede que restringe o acesso a certos serviços de um computador ou rede de computadores pela filtragem dos pacotes

Leia mais

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC Definições O computador digital é uma máquina capaz de receber informações, processá-las e devolver resultados. Estes resultados podem ser mostrados em um monitor, armazenados,

Leia mais

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES Curso Técnico de Informática Eduardo Amaral Introdução Computador: Máquina programável, de propósito geral, que processa informação. Programa: Seqüência de instruções

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais