FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS"

Transcrição

1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS LETRASLIBRAS 83

2 LETRASLIBRAS 84

3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Wanilda Maria Alves Cavalcanti APRESENTAÇÃO Cara(o)aluna(o) Iniciandoumnovociclodeestudos,aUniversidadeFederaldaParaíbaincorporaaoscursosquejá oferecia,maisumquerepresentaaatençãoaoseupapelnasociedadeembuscadeoportunidadespara todos. OCursodeLetras/Librasincorporamaisincursõesnomundocientíficoatravésdaproduçãode pesquisaseelaboraçãodemateriaisvoltadosparaaeducaçãodesurdos,formandoprofissionaiscapazesde atuarnessecampo. AdisciplinaFundamentosdaEducaçãodeSurdostrazconsigoumabase,naqualosconteúdosse articularãoecomelesesperamosqueproduzamconhecimentosnosquaiscirculemosprincipaisaspectosque representamarealidadedossurdosnobrasil. Paraentenderessavisãodeformamaisclaraénecessárioconheceralgunsaspectosdatrajetóriade comoaeducaçãofoisendopropostaparaossurdostrazendoumcenárioquemantêmumaarticulaçãodireta comoconceitodehomem/surdoquefoivivenciadoemcadaocasião.estavisãofoiaproximandosedojeito desersurdo,substituindoapropostamaiscurativadadeficiênciaparaumaoutravoltadaparaaidentidade constituídapelosprópriossurdos. Portanto,podemosdizerqueateiadeaspectosquecompõeosfundamentosdaeducaçãosebaseia nahistóriacultural,nalínguadesinais,naidentidadesurda,nasleis,napedagogiasurdaqueremontama experiênciasjávivenciadasedelasforamtiradasliçõesparaquesejamadotadasformasrenovadasdevere trabalharcomaeducaçãodesurdos. LETRASLIBRAS 85

4 Afimdeofereceroportunidadesparatodosaquelesqueparticipemdessaformaçãoapontamosos seguintesaspectosquedirecionarãonossasreflexõesapartirdessemomento. Sumariamosessesestudosquetrazemosseguintespontos: 1.TRAJETÓRIAHISTÓRICADAEDUCAÇÃODESURDOS 2.LEGISLAÇÃOESURDEZ 3.POLÍTICASSOCIAISEEDUCACIONAISDEINCLUSÃOEEXCLUSÃO 4.MODELOSPARAEDUCAÇÃODESURDOS 5.CULTURA,IDENTIDADEXEDUCAÇÃODESURDOS Seguindo este desenho estaremos diante de noções que certamente nos levarão às principais dificuldadesqueatravessamasquestõeseducacionais/sociaisdavidadosurdo.poroutrolado,tentamos trazerumconteúdodeformaaproporcionarumafácilcompreensãoporpartedaquelesqueestarãocursando oletras/libras. DessemodoaUniversidadeFederaldaParaíbaesperaestarcumprindooseupapelnasociedade, resgatando as possibilidades restritas a poucos centros acadêmico contribuindo para a formação de profissionais,paraanovarealidadedavidaescolar,ouseja,ocontatocomadiversidade. Trazemosentãoosprincipaisobjetivosquenosorientarãonopercursoquepretendemosalcançarcom osestudosnessadisciplina. ObjetivoGeral Conhecer os fundamentos filosóficos, culturais, históricos, sociais que devem nortear a educaçãodesurdos,afimdequepossamosverificaralínguadesinaiscomoveiculadorada construção da identidade surda na aquisição de conhecimentos e na interação com a sociedade. LETRASLIBRAS 86

5 ObjetivosEspecíficos RefletirsobreaeducaçãodesurdosnoBrasil Destacaraimportânciadalínguadesinaiscomobaseparaaeducaçãodesurdos Apresentarosfundamentosdaeducaçãodesurdos Apresentaralegislaçãobrasileiravoltadaparaaeducaçãodesurdos Promoveradiscussãoentreaeducaçãodesurdos,cultura,línguadesinaiselíngua portuguesa. Estimularadiscussãosobreaconstruçãodaidentidadesurdaemumasociedadede ouvintes. LETRASLIBRAS 87

6 UNIDADE 1 TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Considerando que não há presente sem passado não poderíamos deixar de conhecer, embora brevemente,atrajetóriadaeducaçãodesurdosparaentendermelhorastendênciasqueatualmentesão adotadas. Osacontecimentosrefletemumarealidadesocial,políticaehistóricaqueinfluenciaramaadoçãode posiçõesesefizeramsentirnaformaçãodaidentidadedossurdos. Nomomentoemquenospropomosatrazerumavisãogeraldessahistóriaparatentarcompreender comoforamengendradas,estaremosresgatandopartedela. Naantiguidade,podemosfalarqueosgregoseromanosnãoconsideravamossurdoscomopessoas competentes.aocontrário,eleseramisoladosdasociedadesoboargumentodeque,segundomoura,2000, p.16: [...] o pensamento não podia se desenvolver sem linguagem e que esta não se desenvolvia sem a fala. Desde que a fala não se desenvolvia sem a audição, quem não ouvia, não falava e não pensava, não podendo receber ensinamentos e, portanto, aprender. NaIdadeModerna,noséculoXVI,omédicoitalianoGirolamoCardamo,declaraqueossurdospodiam receberinstrução.eleafirmavaqueessaspessoaspodiamserensinadasalereescreversemfala.muitos outroseducadoresprocuraramcriarcondiçõesparaqueosurdosecomunicassecomofoiocasodepedro PoncedeLeon,JuanPabloBonet,AbadeL Epéedentreoutros. Amaioriadesseseducadoresbuscoualternativasparaatenderdemandasdasociedadecomofoiocaso deponcedeleon,porexemplo,queensinousurdosafalar,ler,escrever,rezar,etc.nessaocasiãoapessoa muda nãoerareconhecidaperantealei,poisnocasodeseremprimogênitosperderiamodireitoaotítuloe a herança. Por conseguinte a força do poder financeiro, e, dos títulos se constituíram os grandes impulsionadoresdooralismo,naépoca,poiseraatravésdafalaqueoindivíduotinharepresentaçãona sociedade. Seguiuseaessapropostaaquelasquetrouxeramossinaiscomoformadecomunicação,e,emoutros casosiriamrepresentarossonsdafaladeumaformavisívelatravésdoquesechamoualfabetodigital,usado paraensinaraler,associadoàleituradoslábioseamanipulaçãodosórgãosfonoarticulatóriosepeloensino dediferentesposiçõesparaaemissãodosom. LETRASLIBRAS 88

7 AIdadeContemporâneatrouxeavisãoclínica[...]equivocadaquantoaosseusprincípios,queprocurava atodocustoacabarcomaquiloquenãopodiasertratado,curadonamaioriadasvezes(moura,2000,p.26). Aúnicaformade salvar osurdoseriaatravésdousodafala,pelarestauraçãodaaudição,poisseelafosse restaurada,afalatambémoseria. Noentanto,osinsucessosobtidosatravésdessapropostanãoforamsuficientesparaconvencera maioriadesseseducadoresoralistas.apesardisso,omédicojeanitardapósdezesseisanosdetentativase experiênciasfrustradasdeoralizaçãodesurdossemconseguiratingirosobjetivosdesejados,rendeuseao fatodequeosurdopodesereducadoatravésdalínguadesinais. OCongressodeMilãorealizadoem1880declarouasuperioridadedométodooralpurosobreousode sinaisoqueprovocouumagrandepolêmicaentreprofessoresouvintesesurdos(aestesnãofoipermitido votar),emdefesadooralismoedalínguadesinais,tendoestaúltimasidobatidanapreferênciadagrande maioriadeprofessoresouvintes. Apartirdesseeventoqueteveomaiorimpactonaeducação,seconsiderarmososcemanosdesua hegemonia,ossurdosforamsubjugadosàspráticasouvintistas.ficoulegitimadoqueapenasalínguaoral deveria ser aprendida pelos surdos, sendo a língua de sinais considerada como prejudicial para o desenvolvimentodessacriança. Umgrandeprocessodemudançasedesencadeouefoilogoadotadopelamaioriadasescolas,em oposiçãoàeducaçãodoséculoxviii.naquelemomentoacreditavasequeosurdopoderiadesenvolverse comoosouvintesaprendendoapenasalínguaoral.dessemodo,aoralizaçãopassouaseroprincipalobjetivo daeducaçãodacriançasurdaeparaqueelapudessedominaressaformadecomunicaçãopassavaamaior partedeseutemporecebendotreinamentooralesededicandoaesteaprendizado(goldfeld,1998). Estamosdiantedeumaperspectivaquedestacavaavisãoclínicadasurdezeatravésdareabilitaçãodafalae treinamentoauditivobuscavam curar ossurdos. Portanto,essaidéiadeuorigemaomodeloeducacionaldenominadooralismoqueduranteumséculo semantevecomopropostaprincipalparaaeducaçãodesurdos.comaadoçãodessemodeloeducacional foramabandonadasculturaeidentidadesurdas.dessemodo,asidéiaspregadaspelooralismoorientavam queossurdosdeveriamterumaidentidadecomumcomosouvintes,ouseja,alíngua. O2º,o3ºe4ºCongressosInternacionaisdoSurdorealizadosemChicago,GenèveeemParis,em 1893,1896e1900,respectivamente,decidiramseafavordeumsistemacombinadodeinstruçãoe/oupelo oralismopuro,mantendoasituaçãopreconizadapelocongressodemilão. No começo do século XX já se ouvia falar dos insucessos do oralismo, trazendo consigo outras conotaçõesparaossurdos,ouseja,quandonãoprogrediamnaoralidade,eramconsideradosdeficientes LETRASLIBRAS 89

8 mentais.essaconstataçãonossugerequeoproblemadasurdezesuasconseqüênciasestavaligadaao própriosurdo. Somenteapartirdadécadade60desteséculoalínguadesinaiscomeçouaser(re)conhecida especialmentedepoisdostrabalhosdewilliamstokoe,lingüistaamericano,queretomouaquestãodossinais eapresentoualínguadesinais,comoumalíngualegítima,comestruturaprópria. O final do século XX e o início do século XXI parecem ter criado novas oportunidades para a reconstruçãodahistóriaculturaldossurdos,comavalorizaçãodalínguadesinais,comapossibilidadede construçãodaidentidadesurda,decorrentedorespeitoàsdiferenças. Reflexão Ahistóriadaeducaçãodesurdosmostradiversasmudançasqueocorreramaolongodo tempo.podemosafirmarqueosprimeirosmovimentosdeeducaçãodesurdosdatamdo séculoxvi.elessaíramdoisolamentoquelheseraimpostoeparticiparamdavidadasdemais pessoas.comessaatitudedesencadearamtransformaçõesqueresultaramnalegitimaçãodo seudireitoemviverdeacordocomsuasnecessidades,ouseja,usarsualíngua,manifestar suaidentidade. Conceitos OralismoOensinoparasurdosbaseadonacomunicaçãooral Visãoclínica Atravésdavisãoclínicaossurdossãocategorizadospelosgrausdesurdeze nãopelassuasidentidadesculturais.afalaseriaaúnicapossibilidadedeviverbemna sociedade.elavê(em)ossurdoscomopacientesquenecessitamseremtratadosatravésde exercícios terapêuticos ( treinamento auditivo, exercícios de preparação do órgãos do aparelhofonador,etc.) Ouvintismo (...)conjuntoderepresentaçõesdosouvintesapartirdoqualosurdoestá obrigadoaolharseenarrarsecomosefosseouvinte (SKLIAR,1998,p.15). LETRASLIBRAS 90

9 Referências para leituras complementares FERNANDES,E.(Org)SurdezeBilingüismo.PortoAlegre:Mediação,2005. LANE,H.Amáscaradabenevolência:acomunidadesurdaamordaçada.Lisboa:InstitutoPiaget,1992. SACKS,O.VendoVozes:umajornadapelomundodossurdos.RiodeJaneiro:ImagoEditora,1990. SKLIAR,C.Educação&exclusão:abordagenssócioantropológicasemeducaçãoespecial.PortoAlegre:Editora Mediação,1997. AtualidadedaEducaçãoBilíngüeparasurdos:interfacesentrePedagogiaeLingüística.Porto Alegre:Mediação,1999,v.2. LETRASLIBRAS 91

10 Unidade 2 LEGISLAÇÃO E SURDEZ Afasedeausênciaquasetotaldeleisqueamparassemprincipalmenteosdireitoslingüísticosdosurdo foiamplamentemodificada.comoreconhecimentodalibras(línguabrasileiradesinais)nopaís,observouse umaintensamovimentaçãoqueculminoucomdeterminaçõesgovernamentaisexpressaatravésdeleis, decretosquedessemodocomeçaramafazerpartedavidadetodososcidadãosquefreqüentamasociedade brasileira,renovandoplanejamentos. Osdireitoslingüísticosdossurdosestãoagoraamparadospelaspolíticaspúblicasquesemanifestam atravésdagarantiadeacessoepermanênciadessealunodentrodasescolasregularesdeensino,emborana práticanemsemprepossamosidentificálas. Portanto,apropostadeinclusãodesurdosnasescolasmaispróximasdesuasresidênciasrepresentou umprimeiropassoparaoexercíciodecidadania. A estruturação da educação de surdos nos moldes propostos pelo modelo inclusivista, traz o bilingüismo 3 comoorientadordasaçõesquedevemsedesdobrardaí,marcarammudançasradicaisnavidado surdoedaescolaqueteveaincumbênciadeimplantarumtrabalhopedagógicovoltadoparaaefetivação dessaproposta. ALei9394/96noseuartigo1ºpassaavigoraracrescidadoart.26Bqueafirma Será garantidaàspessoassurdasemtodasasetapasemodalidadesdaeducaçãobásica,nasredes públicaseprivadasdeensino,aofertadalínguabrasileiradesinais LIBRAS,nacondiçãode línguanativadaspessoassurdas. O MEC/SEESP promoveu reuniões e câmaras técnicas que tiveram como produto o documento DiretrizesparaaEducaçãodeSurdos quebuscaramviabilizarapropostapedagógicaquedeveriaser veiculadanasescolas. ALeiFederal10.436,de24deabrilde2002,reconhecealínguadesinaisemtodoopaís.Elafoi regulamentada e os fundamentos foram publicados através do decreto governamental de 22 de 3 Bilingüismo é o uso que as pessoas fazem de diferentes línguas em diferentes contextos sociais. O bilingüismo para surdos traduz-se na aquisição da Libras como primeira língua e da língua portuguesa como segunda. LETRASLIBRAS 92

11 dezembrode2005,tornandoobrigatórioousodalínguadesinaisnãosomenteparaossurdos,mastambém paraosprofessoresqueatendemessesalunosalémdedisciplinarapresençadeintérpretesdelibras. Essedecretoprovocoumuitasmudançasespecialmentenasinstituiçõesformadorasdeprofessores quetendodecumpriroqueessaleideterminava,foitrazendoalibrasparaasinstituiçõesdeensinosuperior, disseminandooseuuso,econhecendoacadavezmaisatravésdageraçãodepesquisas. EssedecretodeterminouainclusãodaLibrascomodisciplinacurricularassimproposto: Art.3 o ALibrasdeveserinseridacomodisciplinacurricularobrigatórianoscursosde formaçãodeprofessoresparaoexercíciodomagistério,emnívelmédioesuperior,e nos cursos de Fonoaudiologia, de instituições de ensino, públicas e privadas, do sistemafederaldeensinoedossistemasdeensinodosestados,dodistritofederale dosmunicípios. 2 o ALibrasconstituirseáemdisciplinacurricularoptativanosdemaiscursos deeducaçãosuperiorenaeducaçãoprofissional,apartirdeumanodapublicação destedecreto. Aindanestedecreto,nocapítuloIIIaparecemrecomendaçõessobreaformaçãodoprofessorde LibrasedoinstrutordeLibrasassimexplicitadas: Art.4 o AformaçãodedocentesparaoensinodeLibrasnassériesfinaisdoensino fundamental,noensinomédioenaeducaçãosuperiordeveserrealizadaemnível superior,emcursodegraduaçãodelicenciaturaplenaemletras/librasouemletras: Libras/LínguaPortuguesacomosegundalíngua. LETRASLIBRAS 93

12 Art.9 o ApartirdapublicaçãodesteDecreto,asinstituiçõesdeensinomédioque oferecem cursos de formação para o magistério na modalidade normal e as instituiçõesdeeducaçãosuperior queoferecemcursosdefonoaudiologiaou de formaçãodeprofessoresdevemincluirlibrascomodisciplinacurricular,nosseguintes prazosepercentuaismínimos: Iatétrêsanos,emvinteporcentodoscursosdainstituição; IIatécincoanos,emsessentaporcentodoscursosdainstituição; IIIatéseteanos,emoitentaporcentodoscursosdainstituição;e IVdezanos,emcemporcentodoscursosdainstituição. Parágrafoúnico.OprocessodeinclusãodaLibrascomodisciplinacurriculardeve iniciarse nos cursos de Educação Especial, Fonoaudiologia, Pedagogia e Letras, ampliandoseprogressivamenteparaasdemaislicenciaturas. Apardessasmedidasquedeterminavamorientaçõesparaaeducação,aLei10.098,de19de dezembro de 2000, cria condições de acessibilidade na comunicação. Ela se refere aos meios essenciaisdeparticipaçãosocial. Oartigo17destaleiexplicasobre[...]aeliminaçãodebarreirasnacomunicaçãoeacriação demecanismosquetornemacessíveisossistemasdecomunicaçãoparagarantirodireitodeacessoà informação,àcomunicação,aotrabalho,àeducação,aotransporte,àcultura,aoesporteeaolazer( PERLINeSTROBEL,2008,p.30). Vale salientar ainda que a acessibilidade para surdos também deve ser garantida pela presençadointérpretedelibrasqueconstadestamesmaleinoseuartigo18. LETRASLIBRAS 94

13 Outrasleisedecretoscomplementamessaaçãodegarantiadaacessibilidadetaiscomoo decreto5.626/2005,ecertamentesurgirãonovaspossibilidades,namedidaemqueascondições paraainserçãocadavezmaisampladesurdosnasociedadedeterminarãoànecessidadedenovas medidasquecomplementarãoasquejáexistem. Paraconhecermaisalgumasleis,decretos,pareceresedeclaraçõesvinculadasàquestãodos direitosdosurdo,podemosnomear: LEIS Lei9394/96 LeideDiretrizeseBasesdaEducação Leinº8069/90EstatutodaCriançaedoAdolescenteEducaçãoEspecial Lei10.098/94Estabelecenormasgeraisecritériosbásicosparaapromoçãoda acessibilidadedaspessoasportadorasdedeficiênciaoucommobilidadereduzida,e dáoutrasprovidências. Lei10.436/02DispõesobreaLínguaBrasileiradeSinaisLibrasedáoutras providências. DECRETOS DecretoNº186/08AprovaotextodaConvençãosobreosDireitosdasPessoascom DeficiênciaedeseuProtocoloFacultativo,assinadosem30demarçode2007. Decretonº6.949PromulgaaConvençãoInternacionalsobreosDireitosdasPessoascom DeficiênciaeseuProtocoloFacultativo,assinadosemNovaYork,em30demarçode2007 DecretoNº6.094/07DispõesobreaimplementaçãodoPlanodeMetas CompromissoTodospelaEducação DecretoNº6.215/07InstituioComitêGestordePolíticasdeInclusãodasPessoas comdeficiência CGPD DecretoNº6.571/08Dispõesobreoatendimentoeducacionalespecializado LETRASLIBRAS 95

14 Decretonº5.626/05RegulamentaaLei10.436quedispõesobreaLínguaBrasileira desinais LIBRAS Decretonº2.208/97RegulamentaLei9.394queestabeleceasdiretrizesebasesda educaçãonacional Decretonº3.298/99RegulamentaaLeino7.853,de24deoutubrode1989,dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências Decretonº914/93PolíticaNacionalparaaIntegraçãodaPessoaPortadorade Deficiência. Decreto nº 3.952/01 Conselho Nacional de Combate à Discriminação Decreto nº 5.296/04 Regulamenta as Leis n e com ênfase na PromoçãodeAcessibilidade Decreto nº 3.956/01 (Convenção da Guatemala) Promulga a Convenção InteramericanaparaaEliminaçãodeTodasasFormasdeDiscriminaçãocontraas PessoasPortadorasdeDeficiência PORTARIAS Portarianº976/06DeterminacritériosdeacessibilidadeaeventosdoMEC Portarianº1.793/94Dispõesobreanecessidadedecomplementaroscurrículosde formação de docentes e outros profissionais que interagem com portadores de necessidadesespeciaisedáoutrasprovidências Portaria nº 3.284/03 Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimentodecursos,edecredenciamentodeinstituições. LETRASLIBRAS 96

15 RESOLUÇÕES ResoluçãoCNE/CEBnº2/01NormalInstituiDiretrizesNacionaisparaaEducação EspecialnaEducaçãoBásica ResoluçãoCNE/CPnº1/02DiretrizesCurricularesNacionaisparaaFormaçãode Professores AVISO Aviso Circular nº 277/96 Dirigido aos Reitores das IES solicitando a execução adequada de uma política educacional dirigida aos portadores de necessidades especiais DOCUMENTOSINTERNACIONAIS ConvençãodaONUSobreosDireitosdasPessoascomDeficiência. CartaparaoTerceiroMilênio DeclaraçãodeSalamanca ConvençãodaGuatemala DeclaraçãodosDireitosdasPessoasDeficientes DeclaraçãoInternacionaldeMontrealsobreInclusão LETRASLIBRAS 97

16 Reflexão Aeducaçãoinclusivasignificaumnovomodelodeescolaemqueépossívelo acessoeapermanênciadetodososalunos,eondeosmecanismosdeseleçãoe discriminação, até então utilizados, são substituídos por procedimentos de identificaçãoeremoçãodebarreirasparaaaprendizagem.paratornarseinclusiva,a escola precisa formar seus professores e equipe de gestão, rever as formas de interaçãovigentesentretodosossegmentosqueacompõemenelainterferem. Precisarealimentarsuaestrutura,organização,seuprojetopolíticopedagógico,seus recursosdidáticos,metodologiaseestratégiasdeensino,bemcomosuaspráticas avaliativas. A proposta de educação inclusiva implica, portanto, um processo de reestruturaçãodetodososaspectosconstitutivosdaescola,envolvendoagestãode cadaunidadeedosprópriossistemaseducacionais.(glat,2007,p.16e17. Referências para leituras complementares MEC,LeideDiretrizeseBasesparaaEducação9394/96. DeclaraçãodeSalamanca (http://lerparaver.com/legislação/internacionalsalamanca.htm) Leinº10.172,de9dejaneirode2001 (http://presidência.gov.br/civil03/leis2001/l10172.htm) Leinº10.436,de24deabrilde2002 (http://www.presidencia.gov.br/ccivil/leis/2002/l10436.htm) GLAT,R.(Org.)EducaçãoInclusiva:culturaecotidianoescolar.RiodeJaneiro:7Letras,2007. PERLIN,G.eSTOEBEL,K.FundamentosdaEducaçãodeSurdos.Florianópolis:EditoradaUFSC,2008. LETRASLIBRAS 98

17 Unidade 3 POLÍTICAS SOCIAIS E EDUCACIONAIS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO As tendências adotadas pelo movimento inclusivista vieram no bojo das mudanças que foram ocorrendo,aolongodostempos.desdeagréciasepreconizavaaeliminaçãosumáriadaquelesquenão apresentavamcondiçõesfísicasementaissimilaresàsdemaispessoas,atéchegaraumareviravoltanessa concepção,naqualsetentavalorizar,acreditarnoserhumanocapazdesuperarosdesafiosdeviverna sociedade. Vivemosnonossopaísumarealidadequenãopodeserentendidasenãoconhecermosumpoucoda trajetória,pelaqual,pessoascomnecessidadesespeciaispassaramaolongodosséculos. Comosmovimentossociais,emboraocorrendopaulatinamente,algumasmudanças,foramsendo identificadasnahistóriadahumanidadequeaseumodo,enoseutempoforamsendodesencadeadorasde novasformasdeveressesindivíduos.passamosdaexclusãototalparaoutrasformasdeparticipaçãoquena época,nãorepresentaramorespeitoaodireitodesercidadão.nessaótica,podemosinterpretaraexclusão comoumprocessodinâmicodacalargrupossociais,totalouparcialmente.portanto,tratasedeaplicar políticasquedeterminam quemestádentroequemestáfora (FERNANDES,2005,p.89). Nessatrilha,asegregaçãofoisendoimposta,trazendoparaaquelesdequemestamosfalandoa possibilidade de sobreviver fisicamente, mas sem a qualidade de vida e participação esperada. Nesse momentoessaspessoaspodiamparticipardasociedadeemborasendosempremobilizadasparareunirseao grupodepessoasquecomoelaspossuíamamesmadificuldade. Seguiuseaessemovimento,aintegraçãoquerepresentouumpassoadiantenessacaminhadaem direçãoaumamaiorparticipaçãonasociedade.nessemomentoaindasepercebiaque estarjuntos não podiaacontecerdeformaplena. FinalmentenasegundametadedoséculoXX,aidéiadereuniãodetodoscomeçaasematerializar atravésdainclusãoentendidacomoodireitodetodosdeparticipardasociedadequedeveestarpreparada pararecebêlos. LETRASLIBRAS 99

18 Educação inclusiva se refere a educação para todos e não apenas para aqueles que apresentamalgumtipodenecessidadeespecial.ainclusãosupõequesejamoferecidaspara todos aqueles que vivem e participam da sociedade condições para superar limitações encontrandonovoscaminhos. Essamudançaradicalnaspropostasdeumasociedadeparatodosfoialavancadanoanode1994, quandorepresentantesdeoitentapaisesreunidosnaespanha,elaboraramaassinaramadeclaraçãode Salamancaquetrouxeparaasociedadeumanovaordemdeparticipaçãodosseusmembros. Asrecomendaçõescontidasnessadeclaraçãotrouxeramparaasescolasumanovaformadecombater adiscriminação,trazendoparaelasresponsabilidadeextensivaatodaasociedade.seantespareciaquea deficiênciaeraumproblemaindividualagoramudadefoco,ouseja,apontaparaumaresponsabilidade compartilhadaportodaasociedade,tendonaescolaumdosseusprincipaisrepresentantes. Essaescoladeveacolhertodasascrianças,independentementedesuacondiçõesfísicas,intelectuais, sociais,emocionaisoulingüísticas(perlinestroebel,2008). NaesteiradessasobservaçõesaLDB9394/96(LeideDiretrizeseBasesdaEducaçãocontemplaa maioriadessespontos. LDB9394/96 CAPÍTULOV DAEDUCAÇÃOESPECIAL Art.58Entendeseporeducaçãoespecial,paraosefeitosdestaLei,a LETRASLIBRAS 100

19 modalidadedeeducaçãoescolar,oferecidapreferencialmentenarederegularde ensino,paraeducandosportadoresdenecessidadesespeciais. 1ºHaverá,quandonecessário,serviçosdeapoioespecializado,naescolaregular, paraatenderaspeculiaridadesdaclienteladeeducaçãoespecial. 2º O atendimento educacional será feito em classes, escolas ou serviços especializados,sempreque,emfunçãodascondiçõesespecíficasdosalunos,nãofor possívelasuaintegraçãonasclassescomunsdeensinoregular. 3ºAofertadeeducaçãoespecial,deverconstitucionaldoEstado,teminícionafaixa etáriadezeroaseisanos,duranteaeducaçãoinfantil. Art. 59. Os sistemas de ensino assegurarão aos educandos com necessidades especiais: Icurrículos,métodos,técnicas,recursoseducativoseorganizaçãoespecíficos,para atenderàssuasnecessidades; IIterminalidadeespecíficaparaaquelesquenãopuderematingironívelexigidopara aconclusãodoensinofundamental,emvirtudedesuasdeficiências,eaceleração paraconcluiremmenortempooprogramaescolarparaossuperdotados; III professores com especialização adequada em nível médio ou superior, para atendimento especializado, bem como professores do ensino regular capacitados paraaintegraçãodesseseducandosnasclassescomuns; IVeducaçãoespecialparaotrabalho,visandoasuaefetivaintegraçãonavidaem sociedade,inclusivecondiçõesadequadasparaosquenãorevelaremcapacidadede inserçãonotrabalhocompetitivo,mediantearticulaçãocomosórgãosoficiaisafins, bemcomoparaaquelesqueapresentamumahabilidadesuperiornasáreasartística, intelectualoupsicomotora; LETRASLIBRAS 101

20 Vacessoigualitárioaosbenefíciosdosprogramassociaissuplementaresdisponíveis Paraorespectivoníveldoensinoregular. Art.60.Osórgãosnormativosdossistemasdeensinoestabelecerãocritériosde caracterização das instituições privadas sem fins lucrativos, especializadas e com atuaçãoexclusivaemeducaçãoespecial,parafinsdeapoiotécnicoefinanceiropelo PoderPúblico. Parágrafoúnico.OPoderPúblicoadotará,comoalternativapreferencial,aampliação doatendimentoaoseducandoscomnecessidadesespeciaisnaprópriaredepública regulardeensino,independentementedoapoioàsinstituiçõesprevistasnesteartigo. Diante dessas sugestões identificamos que a sociedade através da escola não tem cumprido as recomendações que essa lei sugere principalmente se considerarmos o capítulo de Educação Especial, destacando principalmente a questão da inserção dessas pessoas preferencialmente na rede regular de ensino,eaprovisãodecondiçõesqueprecisamacontecerparaquepossamosfalardequepossamser supridasasnecessidadesdeacessoepermanênciadepessoascomnecessidadesespeciaisnasescolas. Anãoobservânciadessesartigosalimentaamanutençãodaintolerância,sejaela,religiosa,étnica, sexual,política,sócioeconômica.umtraçofísicopodeserinterpretadotantocomoumaquestãocultural tantoquantoumaquestãomédica.e,diantedadiversidadededestinosqueelespodemterosqueforem pegosnasredesdesignificaçõesculturaispodemconstruirsuasidentificações(campelo,2002). Nocasodossurdosseremincluídosnasredesdesignificaçõespatológicas,provavelmente,serão excluídos,discriminadosecondenadosaserempessoasdeficientes. Natentativadeneutralizaressaperspectivaaescoladevepautarsuasaçõesnasdiferençasexpressas pelopertencimentoagruposculturaiseétnicos,nascrenças,idéiaseideologia,bemcomonascapacidades intelectuais e habilidades expressas pelos alunos. Nesse caso impõese o exercício de uma prática da diferença,reconhecendodessemodo,acomplexidadehumana.emcasocontrário,estamosdiantedeumdos LETRASLIBRAS 102

21 mecanismosdaintolerânciaquediantedeoutrosdiferentes,difundeseacrençadequeeles,ounãopensam, ounãosentem,ounãoreagemcomonós.(campelo,2001). Entendidaassimcomodesviante,atendênciaserásempreprocurarnascriançasossinaisesintomas doseudesvio.aocontrário,seacreditarmosetrabalharmosnosentidodesuperaçãodasdificuldadesdesse aluno,estaremosdescobrindonovasmaneirasderealização.portantonãoéapresençafísicadessaspessoas nas escolas/sociedade, que representa o atendimento das suas necessidades (sejam surdos, cegos, surdocegos,deficientesmentais,etc.). Éprecisoirmaisalém,poisumavisãoquemantenharestrições,poralgummotivo,depessoas diferentes,significaquetalvezestejamos criando barreirasmaisdifíceisdeseremsuperadasdoqueas limitaçõespodemlevaraquelesqueasapresentam. Odesvelamentodenovaspossibilidadesparaaeducaçãodosurdo,porexemplo,podesignificarna perspectivaadotadapelomodelobrasileironãoapenasumaquestãolingüística.paraalémdalínguadesinais edoportuguês.essaescolanãopodesertraduzidacomoespaçomonolingue,aocontrário,oconfrontosefaz necessárioparaqueseconstituaumaverdadeiraeducação:multilingüeemulticultural.nessesentidoas políticaspúblicasdevemnãoapenasprojetaraçõesquepossibilitemaexistênciadeumaestruturaque viabilizeaparticipaçãodessesalunosnassalasdeaula,masdevemserimpulsionadorasdoseucumprimento. Referências para leituras complementares GLAT,R.(Org,)EducaçãoInclusiva:culturaecotidianoescolar.RiodeJaneiro:7Letras,2007. PERLIN,G.eSTROEBEL,K.FundamentosdaEducaçãodeSurdos.Florianópolis:EditoradaUFSC,2008. SASSAKI,R.K.Inclusão:construindoumasociedadeparatodos.RiodeJaneiro:WVA,2002,4ed. SKLIAR,C.Asurdez:umolharsobreasdiferenças.PortoAlegre:Mediação,1998. SOARES,M.A.L.AeducaçãodosurdonoBrasil.Campinas:EDUSF,1999. WRIGLEY,O.PolíticadaSurdez.Washington:GallaudetUniversityPress,1996. LETRASLIBRAS 103

22 Unidade 4 MODELOS PARA EDUCAÇÃO DE SURDOS Ahistóriadeeducaçãodesurdosmostraquesuatrajetóriafoimarcadaporumadiversidadede opiniõesqueaolongodessetempofoisemodificando.sabemosqueossurdosforamalvosdesdeoinício daidademodernadedoistiposdeatenção:amédicaeareligiosa. Naquelaocasiãoachamada surdomudez seconstituía,conformecitasoares(1999)umdesafiopara amedicina,poisestavaligadaaanomaliaorgânica.poroutroladoaajudaparaaquelesquenãopodiam ouvir,nemfalar,faziapartedospreceitosreligiosos. No entanto, os avanços da ciência e a participação de pais e amigos dessas pessoas foram determinantes para que essa percepção fosse mudando. A atuação dos médicos que foram se interessandopelaeducaçãodesurdosfoimarcadaporumapráticaessencialmentepedagógicavoltada paraqueosurdoadquirissealgumtipodeconhecimento. GerolamoCardano,queeramatemático,médicoeastrólogoitaliano,desenvolveuinvestigaçõessobre acondutibilidadeóssea,foioprimeiroeducadordesurdos.segundosoares(1999,p.17)afirmou amudez nãoseconstituíaumimpedimentoparaqueosurdoadquirisseconhecimento.dessemodo,começaram aseremempregadasformasdiversasparatrabalharcomosurdo. Segundoessaautora,apesardasdiferençasentreosmotivosqueencaminharamasaçõeseducativas naitáliaenaespanha,noséculoxvi,enaholanda,inglaterraealemanha,noséculoxvii,einíciodo séculoxviiiaspráticasexercidasporessesmédicosereligiososnaeducaçãodesurdos,sãobastante semelhantes,noquedizrespeitoaoensinoatravésdaescrita.nessesentido,apresençadaescritanos diferentesmétodosutilizadospelooralismotevecomoobjetivoaaquisiçãodafala. Apartirdaímodificaçõesforamsendointroduzidasnaeducaçãodesurdosequepodemserresumidas nosseguintesmodeloseducacionais: ORALISMO COMUNICAÇÃOTOTAL BILINGUISMO LETRASLIBRAS 104

23 4.1. Oralismo OCongressodeMilão,em1880,representouomarcoparaaadoçãodooralismocomoaúnicaviade realizaçãodosurdo.nessecongressofoidecididoporvotaçãodosprofessores(excetuandoosprofessores surdos),segundogoldfeld(1998)queapenasalínguaoraldeveriaseraprendidapelossurdosealínguade sinaisnaquelaocasiãoeraconsideradaprejudicialparaodesenvolvimentodacriançasurda. Essa concepção gerou uma mudança radical nas escolas do mundo inteiro que abandonaram qualquerexpressãoatravésdesinaisparaconcentrarsenaoralização,principalobjetivodaeducaçãode criançassurdas. Paraatingiressefim,comojámencionamos,amaiorpartedotempoprevistoparaotrabalhocom essascriançaseradedicadoaotreinamentooral,afimdequepudessemdominaralínguanamodalidade oral.essaopçãofoidominantenomundointeiroatéadécadade60,ocasiãoemquewilliamstokoe, lingüísticaamericano,demonstrouquealínguadesinaiseraumalínguacomoqualqueroutra,comtodas ascaracterísticasdaslínguasoraisequeseriamadquiridasnaturalmentepelosurdo. Existemdiversasmetodologiasdeoralização,entretanto,umpontocomumentreelaséaestimulação daaudiçãoresidual,detectadaatravésdeexamesaudiológicosetrabalhadaapósaadaptaçãodeaparelho deamplificaçãosonoraindividual(aasi).esseaparelhoamplificaossons,possibilitandoqueosurdo consigamelhorarsuacapacidadedeescutar. Ousodessesaparelhosvaidependerdaavaliaçãoaudiométricaqueclassificaasurdezemdiversos graus: Leve Moderada Severa Profunda Audiometria:éumexamedaaudiçãorealizadopormeiodeinstrumentosdeavaliaçãoda capacidadeparaapreenderosdiferentessonsdafalaeclassificarasurdeznosdiversosgraus acimamencionados. Apósessaavaliaçãoosprofissionaisadotavamumdosdiversosmétodosdentreosquaispassamosacitar: LETRASLIBRAS 105

24 Osmétodosoraisincluemduasabordagens: 1) unissenssorial priorizaaaudiçãocomoprincipalviasensorialaserestimuladaedesse modoconseguirqueosurdooralize.tendoemvistaestaabordagempodemoscitar, dentreoutros,doismétodos:acupédicoeaudiofonatório. 2) multissensorial utilizaváriasviassensoriaiscomorecursosaseremtrabalhadospara chegaraoralidade.comométodos queadotaramessaperspectivapodemoscitar: aural,verbotonal. Essesmétodosapostamnotreinamentodaaudiçãocomoprincipalrecursoparaatingiroobjetivode oralizarosurdo. Maisrecentementepodemosfalardoimplantecoclear(chamadopopularmentedeouvidobiônico)que começaafazerpartedasopçõesdisponíveisparaossurdos.nessecaso,apósacirurgiaosurdopassaa ouvir setodaaintervençãoforbemsucedida. Asprincipaistécnicasaseremtrabalhadasnosmétodosoraissão: Treinamentoauditivo Leituraorofacial Desenvolvimentodafala Treinamentoauditivo Propõe que através da estimulação auditiva o surdo possa reconhecer e discriminar ruídos, sons ambientais,sonsdafala.associadoaessetrabalhoéessencialautilizaçãodeaasietambémdosaparelhosde amplificaçãodemesaduranteassessõesdeatendimento(goldfeld,1998). LETRASLIBRAS 106

25 Leituraorofacial Éautilizaçãoderecursosvisuaisnafalacomofacilitadoresdoprocessodecomunicação(GOLDFELD, 1998).Atravésdaleituraorofacialépossívelidentificarapalavrafaladaproduzidaatravésdemovimentos articulatóriosporpartedoemissor. Portanto,éuminstrumentonecessárioparaosurdo,e,comelatentasequeeleentendaamensagemdo interlocutor a partir da leitura que faça dos lábios, da face, dos movimentos e posições dos órgãos articulatórios. Éimportanteconsiderarquenãotemosvisibilidadedetodososfonemasproduzidosedessemodomuitos dossonsemitidosnãosãoidentificadosclaramente,portanto,somenteatravésdocontextodoqueédito, podesefazeracomplementaçãodaideia. Odesenvolvimentodafala Sãoexercíciosrealizadosparaamobilidadeetonicidadedosórgãosfonoarticulatóriosnafonação,lábios, mandíbula,etc,alémdeexercíciosderespiraçãoerelaxamento. Após a preparação dos órgãos fonatórios devese partir das produções espontâneas para irem se transformando essas produções em autênticas fonações e em palavras (AGUDO; MANSO; MÈNDES y MUÑOZ,2001). Odesenvolvimentodalinguagem Paralelamenteatodoessetrabalho,alinguagemsemantêmnessecontextocomooelementonoqual essasintervençõessãoefetivadas.poressemotivoalgunsdessesmétodossugeremestratégiasespecíficasque identificaremosdeformasucinta Dentrodaperspectivaoralista,SimonekeLemes(1990)afirmamqueodesenvolvimentodalinguagem teminícionosprimeirosmesesdevidaquandoacriançacomeçaaproduzirasprimeiraspalavras,sempre auxiliadapeloaasiepelaestimulaçãoauditiva.sualinguagemdeveseguirasmesmasetapasdacriança ouvinte. LETRASLIBRAS 107

26 Aindasegundoasautorasacimamencionadas,quesugeremnap.78(1990) Assimestimuladasas palavrasfrase,frasesdedoiselementos,verbosbásicoseaestruturagramaticalcorreta.seguindoestas etapas,acriançasurdachegaráaumrendimentolingüísticosatisfatório. UmaestratégiaqueperdurouduranteosanosáureosdooralismofoiaChavedeFitzgerald,quese propunhaaorganizaralinguagemordenandooselementosquecompunhamafrase,colocadasemum quadro,quedavaaideiadeumesquemaqueteriadeserseguido,emboranãoincluísseapossibilidadedeque oalunocriassenovasestruturas. Mais recentemente, outra forma utilizada por métodos orais, dentro desse mesmo modelo foi o Organograma da Linguagem que constituise de um conjunto de símbolos (figuras geométricas) que representamaestruturafrasal.segundogoldfeld(1998,p.79)ocírculorepresentaonúcleodosujeito;o quadradosimbolizaopredicadoeotriângulopoderepresentarocomplementoverbaloucomplemento nominal.dessaforma,aestruturadalínguavaisendoorganizadapartindoinicialmentedeassociaçõescom essasfiguras. Asuautilizaçãorepresentouumapossibilidadedecriarcondiçõesparaqueessacriançaentendessecomo a língua portuguesa se estruturava. No entanto, nem mesmo seu emprego conseguiu que os surdos chegassemacompreendercomoseorganizamasfrasesnalínguaportuguesadeformaclara. E,apartirdadécadade60doséculoXX,comojácomentamos,alínguadesinaiscomeçouaganharnovo espaçonacomunicaçãodesurdosespecialmentenosestadosunidoscomosurgimentodacomunicaçãototal quepretendeupromoverantesdetudo,acomunicaçãosurdoxouvinte. 4.2 Comunicação Total AComunicaçãoTotalsurgiudepoisqueapublicaçãodeWilliamStokoecomprovouquealínguade sinaiseraumalíngualegítimatalqualumalínguaoral. Elapropõeumamaneiradiferentedeperceberosurdo,ouseja,comoumindivíduodiferente, nãodeficientee,adenominação deficienteauditivo usadapelosoralistasfoisubstituída poroutra, Surdo. LETRASLIBRAS 108

27 AComunicaçãoTotaldefendeautilizaçãodequalquerrecursolingüístico,sejaalínguadesinais,a linguagemoraloucódigosmanuais,parafacilitaracomunicação(goldfeld,2002).oaprendizadodeuma línguanãoéobjetivoprincipaldacomunicaçãototal. NoBrasilaComunicaçãoTotal,alémdaLIBRAS(LínguaBrasileiradeSinais)utilizaaindaa datilologia(alfabetomanual),ocuedspeech(sinaismanuaisquerepresentamossonsda línguaportuguesa)oportuguêssinalizado(línguaartificialqueutilizaoléxicodalínguade sinaiscomaestruturasintáticadoportuguêsealgunssinaisinventadospararepresentar estruturas gramaticais do português que não existem na língua de sinais); o pidgin (simplificaçãodagramáticadeduaslínguasemcontato,nocaso,oportuguêsealínguade sinais)(goldfeld,2002,p.40e41). AComunicaçãoTotalrecomendaousosimultâneodestescódigosmanuaiscomalínguaoral.Essaopçãoé denominadabimodalismoecriaumaterceiramodalidade,queempregainadequadamentealínguadesinais, jáqueamesma,temgramáticadiferentedalínguaportuguesa Bilinguismo Opressupostoquenorteiaessemodeloéqueosurdodeveserbilíngüe,ouseja,eledeveadquirircomo línguamaternaalínguadesinais,queéconsideradaalínguanaturaldossurdose,comosegundalíngua,a línguanaoficialdeseupaísnamodalidadeorale/ouescrita.autorescomosanches(1993)acreditaser necessárioparaosurdoadquiriralínguadesinaisealínguaoficialdoseupaísapenasnamodalidadeescritae nãooral. Skliar(1999)comentaqueaeducaçãobilíngüenãopodeserneutranemopaca.Eladeveseconstituir comoconsciênciapolítica,paraentenderaeducaçãodossurdoscomoumapráticadedireitoshumanos concernentesaossurdos;acoerênciaideológicaparadiscutirasassimetriasdopoderedosaberentresurdos eouvinteseaanálisedenaturezaepistemológicadasrepresentaçõescolonialistassobresurdezesurdos. Essaslínguasnãodevemserutilizadassimultaneamenteparaquesuasestruturassejampreservadas. LETRASLIBRAS 109

28 Osurdo,paraosbilinguistasnãoprecisaalmejarumavidasemelhanteaoouvinte,podendo aceitareassumirasurdez(goldfeld,2002). Umdosprincípiosmaisimportantesdessemodelodeensinoéqueossurdosformamumacomunidade, comculturaelínguapróprias.alínguadesinaisdeveseraprendidaemcontatocomadultosfluentes. Muitosfatoresaindacomprometemaadoçãodobilingüismo,ouseja,faltaaestruturarecomendadaparasua utilização.aescolapública,geralmente,ministrasuasaulasemportuguês,porprofessoresouvintesquenasuagrande maiorianãodominaalínguadesinais.poroutroladoonúmeroinsuficientedeintérpretesquenãoestãopresentesem todasassalasdeaula,durantetodootempo,assinalaoutradificuldadenaviabilizaçãodessaformadepromovero conhecimentonassalasdeaula.aomesmotempotemosdeesclarecerquemesmocontandocomessapresençado profissionalintérprete,elanãogaranteaapreensãodoconhecimento. Paraobilinguismoodomíniodalínguadesinaisémaisfácilparaqueosurdopercebaestesaspectos nalínguaoral,jáquetemexemplosdalínguadesinaisparaseguiar. REFLEXÕES Dentre os modelos que foram expostos acima, o bilingüismo adotado nas últimas décadaspareceoferecermelhorescondiçõesparaaaquisiçãoda comunicaçãoporsurdos.sabemosqueessemodeloestáocupandoumgrandeespaçonocenário científicomundial,empaisescomoeua,canadá,suécia,venezuela,israel,entreoutrospaísesque desenvolvemmuitaspesquisassobresurdezeabordagembilíngüe(goldfeld,2002). ConsiderandoquenoBrasiloensinotardiodaLibras,nasescolasacrescentammais dificuldadesàquestãoprincipaldaperdaauditiva.segundofernandes(2005)ossurdos,em suagrandemaioria,crescememfamíliasdepaisquefalameouvemoportuguêsenão adquiremestalínguaprecocemente.dessemodo,freqüentandoescolasemqueoensinoé realizado em língua portuguesa, com pouquíssimos professores que dominam a Libras, resultamemaquisiçõesmaistardias.portanto,onãocompartilhamentodessasduaslínguas desdeainfância,nãoatendeasprincipaisrecomendaçõesdessemodeloumavezquea presençadointérpretedelibrasnãogaranteaaprendizagem. LETRASLIBRAS 110

29 Referênciasparaleiturascomplementares AGUDO,J.D.M.;MANSO,J.M.M;MÉNDEZ,M,J.R.;MUÑOZ,A.S.IntervenciónenAudiciónyLenguaje:casos prácticos.madrid:ed.eosuniversitária,2001. FERNANDES,E.(Org.)SurdezeBilingüismo.PortoAlegre:Mediação,2005. GOLDFELD,M.FundamentosdeFonoaudiologia.RiodeJaneiro:EditoraGuabaraKoogan,1998. SANCHES,C.Vidaparaossurdos.RevistaNovaEscola.RiodeJaneiro:Abril,1993. SIMONEK,M.C.&LEMES,V.P.SurdeznaInfância,DiagnósticoeTerapia.RiodeJaneiro:SoluçõesGráficas DesignStudio,1997. SKLIAR,C.Alocalizaçãopolíticadaeducaçãobilíngüeparasurdos.In:Atualidadesparaeducaçãobilíngüepara surdos.portoalegre:editoramediação,1999. LETRASLIBRAS 111

30 Unidade 5 CULTURA, IDENTIDADE x EDUCAÇÃO DE SURDOS Pensarnaeducaçãodesurdosnoslevadeprontoarefletirsobreaspeculiaridadesqueessegrupode pessoas apresenta diante da limitação auditiva que interfere largamente na visão de mundo que elas possuem.nãoestamostratandodeumaquestãoresolvidaquandofalamosdeidentidadesurda,comoafirma DORZIAT(2009). Aindasegundoaautora,odebateinócuoatéentãorealizadoorbitavaemtornodosconceitosde deficiênciaereabilitaçãoquenãotraziamquestõesquedevempermearaintervençãoeducacionalparaa surdez, considerando questões políticas, culturais, lingüísticas, e de identidade. Elas transmitem valores culturaisquemotivamatrocadeexperiênciassobresersurdo,mostrandoariquezadessacultura. Seguindo a sugestão de Perlin e Stroebel (2008) passamos a falar de concentrações de surdos, principalmente,destacandosuasprincipaiscaracterísticas.asdiversaslutasencetadasporessascomunidades sejamnoseulugardeorigeme/ouemoutraslocalidades,alavancaramosganhospolíticospelorespeitoaos seusdireitos. Sejamreunidosemfamília,associações,eminstituiçõesreligiosas,pequenosgruposdelazer,trabalho, trouxeramconquistasatébempoucotemponãopossíveisdeimaginar.dessemodocadagrupofoise constituindo como comunidade surda distinta de qualquer outra localidade. Reunidos, eles foram se fortalecendo e aos poucos foram ganhando espaço na sociedade hoje representada pelos seus órgãos representativos,naesteiradomovimentoinclusivistaque,commaiordivulgaçãocomeçouaserobjetode reflexõesemdiversasinstâncias. CapturandoainfluênciadainclusãoescolarcomocitouGlat(2007,p.16) oreconhecimentodesse movimento comodiretrizeducacionalprioritárianamaioriadospaíses,dosquaisobrasilpassouaser sentido.paratalfim,elaafirmaque: [...] o respeito à responsabilidade dos governos e dos sistemas escolares de cada país com a qualificação de todas as crianças e jovens no que se refere aos conteúdos, conceitos, valores e experiências materializadas no processo de ensino-aprendizagem escolar tendo como pressuposto o reconhecimento das diferenças individuais de qualquer origem. LETRASLIBRAS 112

31 Nessaóticaediferindodomodelomédico,omodeloeducacionalpropunhaoempregoderecursoe métodosdeensinomaiseficazesproporcionandoàspessoascomdeficiência,aindacomoafirmaglat(2007), maiores condições de adaptação social, auxiliandoa a superar, pelo menos em parte, as dificuldades cotidianas. CONCEITO Modeloeducacional Aênfasenãoeramaisnadeficiênciaintrínsecadoindivíduo,massimnascondiçõesdomeio em proporcionar recursos adequados que promovessem o desenvolvimento e a aprendizagem. Deixamos,portanto,alógicadobinarismo,normal/anormalcriandomovimentosquecontribuampara oapagamentodadiferençanamedidaemqueosdispositivosclínicossejamafastados.alógicaglobalnão auxiliamuitonesseprocesso.aocontrário,oespaçodascertezas,dasregrasedaspadronizaçõesinstigados pelaideologiadominante,fixaasculturaslocaisemidentidadesrígidasdisseminandoaideiadeculturas globaishegemônicasprovocandodesconfortofrenteaosdiversospapéisaseremassumidospelossujeitosna atualidade(dorziat,2009). Algumasconseqüênciassãoinevitáveisnocenárioatual,comomostraHall(1997)adesintegraçãodo conceitodeidentidadeúnica;reforçamentodas.identidadeslocaispelaviadaresistênciaàglobalizaçãoea aceitaçãodeuminevitávelhibridismonasidentidades.dessemodoreforçandoasidentidadeslocaisépossível desmistificaraimagemdeunificaçãoemtornodomodelocapitalistaliberal. Noentanto,ocontextomultifacetadocolocaessessujeitosfrenteasituaçõesmuitodiversificadas, exigindodelesaincorporaçãodediferentespapéissociais,oquedemandaumaorganizaçãomenosrígida ( DORZIAT,2009,p.18).Nessesentidoseadotamosumdiscursoquepossaevitaraexpressãodopoder, estaremosnatrilhaparainiciarumprocessodedesvendamentodassinuosidadesdopoder,desconstruindoa lógicaexistenteparacriarumanovalógicadeconvivênciasocial Seguindoaóticadaautora,asidentidadesaoinvésdeapagadas,sãovistasnocontextocomplexoque envolvecomportamentos,crenças,valores. LETRASLIBRAS 113

32 SegundoSkliar(2003,p47),aúnicaopçãopossívelparaqueaalteridadenãofiqueaprisionadaentrea condiçãoeoestadodoserounãoserdeveseradeumatemporalidadedenominadaestarsendo. Porapresentardificuldadesemseadequaraessepadrãobaseadonumouvinteúnico,apessoasurda foiaolongodotempopatologizado,obrigadoasesubmeteraosmaisdiferentestratamentosterapêuticos, visandosuanormalização.terapiasdefala,treinamentosderestosauditivos,técnicasparaadquiriraleitura orofacialsãoalgumasdasiniciativasparanormalizaressaspessoas(dorziat,2009). Nacontramãodesseconceito,aadoçãodomodeloinclusivistatrouxeapossibilidadeconcretade aceitação da diferença pelas políticas públicas. A possibilidade de uso da língua de sinais foi sendo paulatinamenteinseridanasescolas.apesardessainserçãoaindadetectamoscontradiçõesdecorrentesda culturamajoritária,e,nessesentidoalibrastomacorpoapenasnoaparatolegalquemascaraacontinuidade daspolíticashomogêneaseunilaterais. Incluirumacriançasurdaemsalasregulareséumdesafioparticularmentedifícil,devidoaoquepode serconsideradocomoumadiferençalingüísticairrecuperável,emrelaçãoaosdemaisalunos. Nosistemaeducacionalbrasileiroapesardeesforçosjáempreendidos,osprogramasdecapacitação deprofessoresparaatuarjuntoaossurdosserevelaramatéomomentocomoineficientes,seconsiderarmos, principalmente,acomunicaçãoempregadaporessascrianças,alínguadesinais. Semascondiçõesdefazeraleituraorofacialesperadapelosprofessoresqueporsuaveznãodominam osconhecimentosfundamentaisparaquepossacompreenderoaprendizadodeumacriançacomaudição ausente.estaremosassimdiantedeumobstáculoqueossistemasescolaresaindanãoconseguirameliminar, poisemsaladeaulaosconhecimentossãotransmitidosemlínguaportuguesa. Esseprofessoresperaqueoalunosurdopossadarcontadacomunicaçãoemlínguaportuguesa,seja tentando articular lentamente para que o aluno surdo possa fazer a leitura orofacial e, desse modo compreenderosaspectosdoléxicoedosemânticodalínguaportuguesa,ouaindadeixandoparaqueo intérpretedelibrasresolvaessaquestão.nessecasosemascondiçõesadequadasosurdonãopoderáobter desempenhoacadêmicoemníveissatisfatórios(fernandes,2005). Aescolaprecisairadquirindoospadrõespreconizadospelaspolíticaspúblicase,deixardecamuflar algunsdospadrõesquetentaencobrir.nessesentido, [...] as comunidades surdas devem propiciar um lugar de afirmação de política, de troca de experiências, que podem desfazer rótulos que por si só contribuem para a perpetuação de uma visão circunstancial das situações, mostradas nas falas dos próprios surdos (DORZIAT, 2009, p.25). LETRASLIBRAS 114

33 Aorganizaçãodeprocessosemdireçãoaumaverdadeirapolíticadadiferença,segundoLarrosae Skliar(2001)desconstroiasidéiasquevemdomundoouvinte. Emsendoassim,aescolaparececontinuarnegandoaexistênciadadiferença,sejanaformade comunicaçãosejanaformadeaquisiçãodossaberes,nãolevandoemconsideraçãoaculturadaquelas pessoasquemostrampeculiaridadesquecertamenteexigiriamdessainstituiçãoumaatençãoespecialparaas necessidadesdessealuno. Atarefaderessignificaçãodoatopedagógiconãoéfácil,porquerequerumarenovaçãodospadrões atéentãoadotados,poismuitasvezesconservandomodelostradicionais,deixamdeincorporarestratégias queserviriamparaqueosurdoavançassenoprocessodeaquisiçãodoconhecimento. Comojácomentamosanteriormente,algunsaspectosmerecemdestaqueespecial,poistemosde considerarque,porexemplo,nocasodalibras,adquiridacomoprimeiralínguavaiinfluenciardiretamentena aquisição da língua portuguesa. Nesse caso, a avaliação de textos escritos por surdos deve levar em consideraçãoofatodequeéumaprendizdesegundalínguaquesofreainfluênciadaprimeiralíngua especialmentequandosetratadeumalínguavisuo espacialcomcaracterísticasbemdistintasdalíngua portuguesa. Nãoconsiderandoessaperspectiva,deummodogeral,alínguaportuguesaéensinadapara surdoscomosefosseparaouvintes,oquecertamentevaiprovocarinterpretaçõesdistorcidassobreotexto escritoporele.apesardapresençadointérpretedelibrasnassalasdeaulaessasituaçãoaindanãofoi minimizada,poisdiantedoexercíciodeumpapelquenãofoidevidamenteesclarecido,eporessemotivogera expectativasincoerentescomaspossibilidadesdesuaatuação. Portanto,emumcenárioondeaindanãocontamoscomprofissionaisemnúmerosequerrazoável paraatuaremtodasassalasdeaula,sejam:intérpretesdelibras,professoresbilingues,professoressurdos, defatonãopodemosfalardeumcontextoinclusivista,nasuaessência. Odesafioquenoscolocamosconsistebasicamenteembuscaroutrosparâmetrosemque asações sejam reinventadas soboutra lógica que em nada contribuem para asmudanças que são necessárias. Portantotemosdesubstituirastendênciastecnicistasnaeducaçãodesurdosporumanovaversãonaquala línguadesinaisalcançaoverdadeirolugarquedeveocupar,juntamentecomprofissionaisquepossaminfluir definitivamenteparaaconcretizaçãodosprincípiosbilinguistas. Estudos de muitos teóricos tais como Quadros (1997, k2006,2007,2008,2009); Karnopp ( 2005); Fernandes(2005),FerreiraBrito,(1993)dentreoutros,mostramqueossurdospodemaprenderalere escreveremportuguêssemaprenderapronunciaresseidioma,damesmaformaqueseaprendeumalíngua estrangeiraescritasemsaberpronunciarsuaspalavras. LETRASLIBRAS 115

34 dossurdos. Dessemodo,estaremosdefendendoomulticulturalismo,comoumrealrespeitoàdiversidadecultural Para que as crianças surdas possam compartilhar as práticas culturais do contexto social dos ouvintes cujos símbolos que impregnam a cultura só vão se revestir de significado para as crianças surdas se houver interações sociais e comunicativas significativas que possam decodificar símbolos (FERNANDES, 2005, p.92). Osistemapúblicobrasileiroreconheceadiferençalingüísticadosurdocomoimportantefatorde identidadecultural,valorizandoalínguadesinais,masaindabuscaestratégiaseficazesparaensinálanas escolas,aexemplodetantosoutrospaíses. A escola deve, conhecer, aceitar e valorizar essas diferenças, entendendoas dentro do prisma multicultural. Desse modo foi necessário eliminar práticas exclusivistas que operaram tanto tempo nas escolas,dentrodaóticamédicoclínica,equeutilizavamapatologizaçãoindividualdoalunocomouma maneiradesegregaçãoeadotaraparticipaçãodesseserdiferentecomsuacultura,valores,epeculiaridades paraaprender,distintasdaquelesqueouvem. CONCEITOS Identidadecultural éumaformadedistinguirosdiferentesgrupossociaiseculturaisentre si.aidentidadeculturalpodesermelhorentendidaseconsiderarmosaproduçãodapolítica daidentidade,quetambémdáorigemaestametodologiadaeducaçãodesurdos. Multiculturalismo éoestabelecimentodeníveisderespeitabilidadee garantiadeigualdadededireitoshumanosàspessoascomdiferentesorigens,crenças,etnias, gêneros;umaconvivênciapacíficaentreosmembrospertencentesagruposminoritárioseos gruposmajoritáriosdeumacomunidadesocialsemqualquerdiscriminação(fernandes, 2005,P.91). Comunidadessurdas Nãoésomentecompostaporpessoassurdas,hátambémsujeitos ouvintes membrosdafamília,intérpretes,professoresdesurdos,amigoseoutrosque participam e compartilham os mesmos interesses em comuns em uma determinada localização(...)emquelugares?geralmenteemassociaçõesdesurdos,federaçõesdesurdos, igrejaseoutros(stroebel,2008,p.29). LETRASLIBRAS 116

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS A língua brasileira de sinais Os sinais, essa dança das palavras no espaço, são minha sensibilidade, minha poesia, meu eu íntimo, meu verdadeiro estilo.(emmanuelle Laborit) 1 A língua brasileira de sinais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail. MOVIMENTO SURDO E CIDADANIA ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.com Extermínio e abandono social EXISTE

Leia mais

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras turma em: fortaleza/ce -> Aulas presenciais aos finais de semana; -> Professores altamente qualificados; -> Curso com

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino Convenção

Leia mais

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado Por ISRAEL GONÇALVES CARDOSO A área de conhecimento educacional responsável pela reflexão no que diz respeito à realidade da educação dos

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Linguagens Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Prof. Anderson Simão Duarte Coordenador do Curso Letras-Libras Mestre em Estudos Linguísticos

Leia mais

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Princípios da educação inclusiva Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Objetivos - Pensar na imagem que nós temos do outro ; - Conversar sobre Estigma e preconceito; - Discutir sobre as estratégias a serem

Leia mais

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA Francisca Clelma da Costa Aluna do Curso de Pedagogia da UESPI Campus Clóvis Moura, PIBIC/UESPI Voluntária 2009/2010

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Constituição Federal/88 Artigo 208, III - atendimento preferencialmente

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADA: Associação Pestalozzi do Ceará EMENTA: Credencia e autoriza o funcionamento da Associação Pestalozzi do Ceará, nesta capital, como Centro de Atendimento Educacional Especializado para complementar

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL Resumo Vitor Alves UFSC vituxo_17fev@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Audiovisual e Acessibilidade - UFBA O papel do intérprete

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR Ana Lucia Lima da Costa Pimenta Monteiro Prefeitura Municipal de Biguaçu anamonteiro1970@hotmail.com INTRODUÇÃO: As políticas

Leia mais

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva PARECER CREMEB Nº 30/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 02/08/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti

Leia mais

A Escola. Educação Especial - Educação Inclusiva. Aqui se fala em LIBRAS

A Escola. Educação Especial - Educação Inclusiva. Aqui se fala em LIBRAS A Escola Educação Especial - Educação Inclusiva Atende alunos no Ensino Fundamental da Alfabetização à 4ª série e alunos na Educação Especial: deficiência auditiva, física, mental, Síndrome de Down, dentre

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS INTRODUÇÃO Tecnicamente a diferença que existe entre tradutor e tradutor-intérprete é que o tradutor envolve pelo menos uma língua escrita entre as envolvidas e seu processo é consecutivo, ou seja, há

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Carlos Gomes) Assegura às pessoas com deficiência auditiva o direito a atendimento por tradutor ou interprete de LIBRAS nos órgãos e entidades da administração pública,

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED

INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED Estabelece normas para atuação do profissional tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais - Libras/Língua Portuguesa - TILS nos Estabelecimentos de Ensino da rede

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR Priscila da Silva Pereira Andreza Aparecida Polia Raniéli Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros Nenhum de nós pode fazer as coisas mais importantes sozinho.

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Aprova a Política de Inclusão de Discentes com Necessidades Educacionais Especiais do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do Centro Universitário

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE Maria Cristina Polito de Castro Universidade dos Bandeirantes UNIBAN cristinapolito@hotmail.com Resumo: O relato desta experiência aborda a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira O mundo pertence àqueles que pensam em novos caminhos. Uwe Grahl - Arquiteto FACILITAÇÃO PELO USO DE TIC ATENDIMENTO ÀS ESPECIFICIDADES

Leia mais

PATRÍCIA NEVES RAPOSO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA panera@brturbo.com.br

PATRÍCIA NEVES RAPOSO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA panera@brturbo.com.br PATRÍCIA NEVES RAPOSO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA panera@brturbo.com.br De quem são esses olhos? De quem são esses olhos? De quem são esses olhos? De quem são esses olhos? De quem são esses olhos?

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A INSERÇÃO DA DISCIPLINA LIBRAS NA FORMAÇÃO INICIAL DO PEDAGOGO Gabriela Geovana Pinho, Claudia

Leia mais

ESCOLA: Créditos. Um lugar de e para Todos. PROJETO: Com Passos

ESCOLA: Créditos. Um lugar de e para Todos. PROJETO: Com Passos ESCOLA: Um lugar de e para Todos. Créditos. IESGO Instituto de Ensino Superior de Goiás. Bacharel em Psicologia. Psicologia das Pessoas com Necessidades Especiais. Karley Macedo de Araújo. Secretaria de

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 Camila Ribeiro Lisboa Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO: Neste trabalho, apresentamos como

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down Ana Paula de Oliveira Schmädecke 1 Andreia dos Santos Dias 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011. (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011. (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011 (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli) Requer que seja realizada Reunião de Audiência Pública com a presença

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: CARGO: INTÉRPRETE DE LIBRAS PROCESSO

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial DIRETRIZES OPERACIONAIS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO BÁSICA O Ministério da Educação, por intermédio

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

TESTE SEU PODER DE INCLUSAO. Maria Teresa Eglér Mantoan

TESTE SEU PODER DE INCLUSAO. Maria Teresa Eglér Mantoan TESTE SEU PODER DE INCLUSAO Maria Teresa Eglér Mantoan Para esse breve exame, as regras são: 1. Colocar-se na condição dos professores(as) que aqui apresentaremos. 2. Escolher a alternativa que você adotaria

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES?

IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? Jakson Luis Galdino Dourado (UFPB) jaksonpsi@gmail.com Emília Galdino Ferraz (UFPB) emilia_271@hotmail.com Herbert Costa do Rêgo (UEPB)

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais