UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES CEART DESIGN HABILITAÇÃO DESIGN GRÁFICO DIOGO ASSINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES CEART DESIGN HABILITAÇÃO DESIGN GRÁFICO DIOGO ASSINO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES CEART DESIGN HABILITAÇÃO DESIGN GRÁFICO DIOGO ASSINO SINALÉTICA URBANA: COMUNICAÇÃO VISUAL PARA OTIMIZAÇÃO DAS MENSAGENS IMPRESSAS NO CONTEXTO DOS FLUXOS NO ESPAÇO URBANO FLORIANÓPOLIS, SC 2011

2 DIOGO ASSINO SINALÉTICA URBANA: COMUNICAÇÃO VISUAL PARA OTIMIZAÇÃO DAS MENSAGENS IMPRESSAS NO CONTEXTO DOS FLUXOS NO ESPAÇO URBANO Trabalho de Conclusão apresentado ao Curso de Design Gráfico, do Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Design Gráfico. Orientador: Prof. MSc. João Calligaris Neto. FLORIANÓPOLIS, SC 2011

3 DIOGO ASSINO SINALÉTICA URBANA: COMUNICAÇÃO VISUAL PARA OTIMIZAÇÃO DAS MENSAGENS IMPRESSAS NO CONTEXTO DOS FLUXOS NO ESPAÇO URBANO Trabalho de Conclusão de Curso aprovado no Curso de Design Gráfico, do Centro de Artes, da Universidade do Estado de Santa Catarina, apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel, área de concentração Design Gráfico. Banca Examinadora: Orientador: Prof. MSc. João Calligaris Neto Universidade do Estado de Santa Catarina Membro: Prof. Dr. Murilo Scóz Universidade do Estado de Santa Catarina Membro: Prof. Dr. Célio Teodorico dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Florianópolis, Santa Catarina, / /

4 AGRADECIMENTOS A Deus, em primeiro lugar, por mesmo às vezes o tendo ignorado, sempre me acolheu e me amparou como filho, permitindo a conquista de mais esta etapa em minha vida; Aos meus pais, familiares e à minha namorada; Aos meus amigos; Ao meu orientador, Prof. MSc. João Calligaris Neto, que contribuiu com extrema eficácia e vasta experiência, prestando suporte sempre que solicitado a esta pesquisa; A todos os professores e colegas do curso de Design Gráfico; trabalho. A todos aqueles que, direta, ou indiretamente, contribuíram para a realização deste

5 Amar e criar a beleza são as condições elementares da felicidade. Uma época que não o almeja permanece imatura visualmente; sua imagem é disforme, suas manifestações artísticas não são capazes de elevar-nos. (Walter Gropius)

6 5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Pictogramas sumérios Figura 2: Pictogramas egípcios Figura 3: Signos que concorrem para formar pictogramas Figura 4: Pictogramas Figura 5: Signos que representam ideogramas Figura 6: Logotipo da banda Blockheads Figura 7: Placa de Parque Jardim Zoológico Figura 8: Comunicação visual de posto de combustível na Alemanha Figura 9: Esquema semiótico dos símbolos da sinalética segundo Joan Costa Figura 10: Bandeira do Japão Figura 11: Imagem da Coca-Cola Figura 12: Placa indicativa da Nissan Figura 13: Placa na Rodovia GO Figura 14: Imagem de sinalização de advertência Figura 15: Ícone da Apple Figura 16: Ícone do Mozzila Figura 17: Placa de prostitutas Figura 18: Evolução do logotipo da AEG Figura 19: Logo turístico da Argentina Figura 20: Logo turístico da Austrália Figura 21: Marca Brasil turismo Figura 22: Marca territorial do Governo Federal Figura 23: Imagem de táxi em Nova York Figura 24: Pôster do filme Taxi driver Figura 25: Faixa de pedestre Figura 26: Imagem de grafite e pichação se contrapondo Figura 27: Placa, animal selvagem Figura 28: Placa, animal selvagem Figura 29: Placa, animal na pista Figura 30: Placas indicativas de serviços auxiliares nas rodovias Figura 31: Pictogramas do DOT... 40

7 Figura 32: O clássico homem vitruviano de Leonardo da Vinci Figura 33: Pregnância da forma Figura 34: Fechamento Figura 35: Pregnância da forma Figura 36: Calçada para deficiente visual Figura 37: Sinalização Braile Figura 38: Marilyn Monroe Figura 39: Veículo da Mitsubishi Figura 40: Símbolo da luta conta a AIDS Figura 41: Símbolo da luta contra o câncer de mama Figura 42: Diferentes níveis de abstração para o símbolo da paz Figura 43: Logos da Apple Figura 44: Logo da Apple Figura 45: Sintática, semântica e pragmática Figura 46: Elementos básicos da linguagem visual gráfica Figura 47: Exemplo de utilização de contraste Figura 48: Semáforo Figura 49: Primeiro Mc Donald s da história Figura 50: 1ª loja com conceito Drive Thru incorporado Figura 51: Logo do Mc Donald s em Florença Figura 52: Imagem da Havan em Brusque Figura 53: Logo do Mc Donald s em Brusque Figura 54: Pedras simbolizando Mickey em Animal Figura 55: Casa de passarinho com símbolo do Mickey Figura 56: Placa de sinalização no Parque da Disney Figura 57: Placa de sinalização no Parque da Disney Figura 58: Panorama do quarto de hotel em Orlando Figura 59: Toalhas em hotel com silhueta do Mickey Figura 60: Trem da Disney em Hong-Kong Figura 61: Trem da Disney em Hong-Kong Figura 62: Propaganda da Maxtour Figura 63: Símbolo da Nike Figura 64: Sinalização do Zoológico de Temaikén... 60

8 Figura 65: Placa para o Zoo de Buenos Aires Figura 66: Imagens da sinalização urbana de Buenos Aires Figura 67: Imagem do sistema BRT Figura 68: Imagem do sistema BRT Figura 69: Desenho anterior da calçada de Copacabana Figura 70: Atual desenho da calçada em Copacabana Figura 71: Ônibus estilizado por João de Deus Figura 72: Ônibus estilizado por João de Deus Figura 73: Ônibus da Viação Cidade do Aço Figura 74: Ônibus da Viação Cidade do Aço Figura 75: Ônibus da Viação Itapemirim Figura 76: Ônibus da Viação Itapemirim Figura 77: Piso padrão desenvolvido por Mirthes dos Santos Pinto para as calçadas de São Paulo, Figura 78: O cartão da Absolut para São Paulo Figura 79: Sinalização e mobiliário urbano da Avenida Paulista Figura 80: Exemplo de sinalização denotando poluição visual... 71

9 8 RESUMO Com o crescimento avassalador das cidades, de maneira geral, o inchaço e as conurbações entrelaçadas insustentáveis das metrópoles, assim como o surgimento da necessidade de uma reformulação e reestruturação das cidades de médio porte, que clamam por um planejamento urbano estratégico, eficaz e urgente, a fim de solucionar ou minimizar o caos urbano instaurado, é que surge a importância do papel do designer no emaranhado ignorado da sociedade contemporânea. Muitas vezes, esse papel vem alicerçado pelo olhar transfundido do arquiteto e urbanista no pensar do espaço físico e na mobilidade individual e coletiva do meio urbano onde vive a maioria das pessoas. A missão característica do designer diante dos fatos reais apresentados, está justamente na otimização da configuração das informações cotidianamente inseridas, disseminadas, e organizadas sistematicamente, de modo a cumprir um papel de cunho orientador, manifestando a vontade e o compromisso com a ordem e a harmonia. Esta pesquisa tem o caráter provocativo de induzir o leitor a uma reflexão acerca da existência de uma trama complexa de um processo sinalético, contrapondo-se ao conceito de sinalização já existente dentro da comunicação visual. Palavras-chave: Sinalização, comunicação visual, sinalética, síntese gráfica, sinal.

10 ABSTRACT With the overwhelming growth of the cities, in general, the swelling and the unsustainable intertwined conurbations of the metropolises, well as the need of reformulation and restructuring of the medium sized cities, that claim for a strategic urban planning, effective and urgent, to resolve or minimize the established urban chaos, there arises the important role of the designer in ignored matted of the contemporary society. Many times, this role is grounded by transfused look of the architect and planner thinking in the physical space, in individual and collective mobility of the urban environment where the most people live. The characteristic mission of designer face the real facts presented, is exactly in the optimization of the configuration of the information daily inserted, disseminated, and systematically organized, in order to fulfill a role of adviser nature, expressing the intention and the commitment to the order and harmony. This research has the provocative character to induce the reader to reflect about the existence of a complex plot of a signaling process, in opposition to the concept of existing signage inside the visual communication. Keywords: Signaling, visual communication, signage, graphic synthesis, signal.

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA ESTRUTURA DO TRABALHO SINALIZAÇÃO AMBIENTAL BREVE HISTÓRICO DO DESIGN GRÁFICO PICTOGRAMA IDEOGRAMA CONCEITUAÇÃO DE SINALIZAÇÃO E SINALÉTICA A finalidade do design de sinais Sinalização Sinalética Classificação das mensagens gráficas Sinalização digital IDENTIDADE CORPORATIVA Branding empresarial: o caso AEG Branding territorial COMUNICAÇÃO VISUAL MODO VISUAL ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL A comunicação visual no espaço urbano A comunicação visual e o fator humano Escala Relações dos sinais com o usuário e a Ergonomia visual ANATOMIA DA MENSAGEM VISUAL Nível representacional Nível simbólico Nível abstracional TÉCNICAS VISUAIS APLICADAS Sintática, semântica e pragmática...48

12 3.4.2 Cores e contraste VARIAÇÕES DE CASO ILUSTRADAS DE APLICAÇÕES SINALÉTICAS O CASO MC DONALD S O CASO WALT DISNEY O CASO NIKE O CASO DA CIDADE DE BUENOS AIRES CASOS DE CIDADES DO BRASIL O caso da cidade de Curitiba (BRT) O caso da calçada de Copacabana, Rio de Janeiro Arquiteto João de Deus e a frota urbana Casos da cidade de São Paulo A composição de Mirthes dos Santos Pinto Sinalização da Avenida Paulista Lei Cidade Limpa A POLUIÇÃO VISUAL Fatores que provocam a poluição visual Propostas e sugestões para evitar a poluição visual MATERIAL E MÉTODOS CONSIDERAÇÕES FINAIS ESTUDOS FUTUROS...75 REFERÊNCIAS...76

13 12 1 INTRODUÇÃO Na sociedade atual, tudo que cerca o homem remete a signos, sinais e símbolos. Quando se caminha pelas ruas, rodovias, quando se entra em uma indústria, em um estabelecimento comercial ou numa área de lazer, o que se vê são logotipos, placas, figuras, enfim, mensagens que tem a proposta de fazer com que o usuário se oriente naquele espaço de ação. A comunicação visual do sistema sinalético de informação estabeleceu, para cada signo visual, um componente compositor do sistema, um pictograma específico, que faz referência a algum conceito relacionado às características presentes no entorno deles, como por exemplo, fatos históricos, elementos imagéticos, atividades, elementos de identidade, ambientais, culturais, arquitetônicos, que tenham força em termos de significado. Estes pictogramas têm a finalidade de gerar reconhecimento por parte do público urbano. Como eles sempre vêm associados ao código linguístico, atuam como reforço do entendimento da informação. E ainda podem estabelecer uma cognição para permitir a orientação até por parte dos usuários iletrados. A sinalética é a ciência dos sinais no espaço, que constituem uma linguagem instantânea, automática e universal, cuja finalidade é resolver as necessidades informativas e orientativas dos indivíduos itinerantes numa situação (COSTA 1987 apud MAYRÓN, 2006, p. 8). A ausência de um adequado sistema de sinalização urbana pode fazer com que um usuário gaste seus esforços em direções incorretas, implicando perda de tempo e gasto de energia. Da mesma forma, os transeuntes necessitam otimizar seu tempo quando buscam uma informação e, neste aspecto, quanto melhor o projeto sinalético, maior será a facilidade e a exatidão com que eles se orientam no espaço. Atualmente, vive-se numa verdadeira aldeia global, onde tudo está mapeado. As distâncias estão sendo continuamente encurtadas pela tecnologia. A crescente acessibilidade aos meios de transporte - entre eles o automóvel e o avião - tem levado a um maior volume de deslocamento e tráfego de veículos e pedestres entre cidades, e mesmo entre os países. O trânsito urbano, por outro lado, tem sofrido as consequências da produção em massa dos veículos, ocorrendo os inevitáveis congestionamentos. Por isso, há a necessidade de criação de um sistema sinalético cada vez mais facilmente decifrável, por qualquer usuário, de qualquer local do planeta.

14 13 No decurso deste trabalho, serão apresentadas diversas aplicações da sinalética no cotidiano dos usuários. Qualquer projeto básico no campo do design deve seguir duas premissas: forma e função. Para cumprir estes requisitos, entra a ciência do Design mesclando conhecimentos multidisciplinares, inclusive a Arquitetura, mais especificamente a comunicação visual, que aborda a concepção de espaço e forma. Desta forma, a proposta desta pesquisa é causar uma reflexão ao leitor interessado neste tema e agregar repertório para uma possível demanda de projeto no campo da comunicação visual. 1.1 OBJETIVOS Objetivo geral Provocar no leitor uma reflexão acerca da importância da sinalética, para uma objetiva orientação dos indivíduos no espaço urbano, destacando a importância da mensagem gráfica inserida na contextualização espacial urbana Objetivos específicos Apresentar elementos do design ambiental; Descrever elementos da comunicação visual, inerentes ao design de sinalização; Apontar aplicações de casos de referência na história do design ambiental; Destacar situações que caracterizem poluição visual. 1.2 JUSTIFICATIVA Dadas questões relacionadas ao desenvolvimento das cidades, a sinalização urbana possibilita uma maior dinâmica nos fluxos urbanos. Para tanto o designer gráfico encontra uma trama complexa de códigos e sinais onde o desafio é propor uma melhor harmonia. Além da estética, a sinalização tem a função de fazer o usuário se situar no espaço urbano. Outra questão a ser abordada para se justificar a escolha desta temática é a escassez de literatura sobre o assunto. A despeito de a sinalética já fazer parte da vida do ser humano desde épocas que datam a. C. - mesmo que os povos antigos não tivessem ainda noção desse conceito - pouco se tem escrito sobre o tema. Neste sentido, a pesquisa de bibliografia - dentro das limitações já expostas - e a orientação recebida da instituição de ensino permitiram que se

15 14 estruturasse o trabalho estabelecendo uma conexão entre os diversos símbolos existentes no vasto universo de mensagens que nos cerca e a teoria da sinalética e comunicação visual urbana. 1.3 ESTRUTURA DO TRABALHO Após definição dos objetivos, apresentam-se os capítulos sobre os quais estará estruturado este trabalho: Capítulo 1: este capítulo aborda uma introdução ao tema, o objetivo geral, os objetivos específicos, a justificativa para escolha do tema e a sua estruturação; Capítulo 2: este capítulo apresenta a fundamentação teórica com os seguintes temas: a) ideograma; b) pictograma; c) sinalização e sinalética; d) identidade corporativa, empresarial e territorial. Capítulo 3: este capítulo traz a fundamentação teórica, onde se aborda a comunicação visual, com os seguintes temas: anatomia da mensagem visual, com representacional, simbólica e abstracional; elementos da comunicação visual, relação urbana, relação humana, escala e cores/contraste, e imagem gráfica. Capítulo 4: neste capítulo apresentam-se exemplos de caso, entre eles destacam-se o Mc Donald s, o Walt Disney e o caso da cidade de São Paulo. Capítulo 5: este capítulo descreve os materiais e métodos utilizados nesta pesquisa. Capítulo 6: este capítulo apresenta as considerações finais e os estudos futuros.

16 15 2 SINALIZAÇÃO AMBIENTAL 2.1 BREVE HISTÓRICO DO DESIGN GRÁFICO De acordo com Aynsley (1998 apud VIEIRA, 2002, p. 17), as palavras mudam de uso e sentido com o tempo. A expressão Design Gráfico não é exceção, embora o conceito de Design Gráfico seja ainda bastante recente, na antiguidade os homens já o praticavam, embora disso não tivessem consciência. Na Roma antiga, por exemplo, já se fazia publicidade e muitos autores entendem que os pictogramas nas paredes de cavernas, datados de até a.c., correspondem a uma tentativa de linguagem visual (AYNSLEY, 1998 apud VIEIRA, 2002). No entanto, a expressão Design Gráfico só vem sendo utilizado recentemente, conforme cita Heller (2000 apud VIEIRA, 2002, p. 17): Dwiggins menciona pela primeira vez o termo Design Gráfico em seu artigo New Kinds of Printing Calls for New Design, publicado no Boston Evening Trasncript, na data de 29 de agosto de 1922, que tratava do trabalho com tipos, tipografia, página e publicidade como atividades do designer. Ao expressar a ligação entre design, cultura e sociedade, Coelho (2008, p. 61) afirma que essa relação: pode ser observada a partir da própria experiência empírica. Primeiro porque design é uma atividade que configura objetos de uso e sistemas de informação e, como tal, incorpora partes dos valores culturais que a cerca, ou seja, a maioria dos objetos de nosso meio é, antes de tudo, a materialização dos ideais e das incoerências da nossa sociedade e de suas manifestações culturais, assim como por outro lado, anúncios de novos caminhos. Segundo, porque o design, entendido como matéria (ou energia) conformada, participa da criação cultural, ou seja, o design é uma práxis que confirma ou questiona a cultura de uma determinada sociedade, o que caracteriza um processo dialético entre mímese e poese. Em outras palavras, o design tem assim natureza essencialmente especular, como anúncio, quer como denúncia. O uso de pictogramas remonta há alguns milênios a.c. Mesmo que como tal não o denominassem, sumérios - um povo que viveu na Mesopotâmia, há mais de quatro mil anos e a antiga civilização egípcia - com seus hieróglifos - já utilizavam um sistema de sinais como forma de comunicação. A figura 1 ilustra, por exemplo, pictogramas sumérios mais antigos, que tendem a apresentar uma expressão abstrata, por volta de a.c. (FRUTIGER, 2007, p. 95).

17 16 Figura 1: Pictogramas sumérios Fonte: Frutiger (2007, p. 95) Os pictogramas sumérios são considerados, universalmente como os primeiros exemplos de desenhos, que podem ser identificados como uma verdadeira escrita (FRUTGER, 2007). Outro povo que se notabilizou pela criação de símbolos identificando situações, ações, animais, pessoas, plantas, objetos, partes do corpo, entre outros foram os egípcios, com seus conhecidos hieróglifos, que nada mais são do que expressões daquilo que atualmente denominamos pictogramas. Já a figura 2, mostra alguns pictogramas egípcios, de aproximadamente a.c., claramente reconhecíveis [...] Hoje, a cultura da escrita egípcia deve ser considerada a base mais importante do alfabeto ocidental (FRUTIGER, 2007, p. 98)

18 17 Figura 2: Pictogramas egípcios Fonte: Frutiger (2007, p. 98) Após a apresentação de alguns pictogramas da antiguidade, representados pelos sumérios e egípcios, será apresentado no próximo tópico uma breve descrição do seu entendimento em termos de comunicação e conceituação. 2.2 PICTOGRAMA Alguns autores definem, a seguir, em seu entendimento, o conceito de pictograma. Orozco (2006, p. 40) menciona que a Dra. Marion Diethelm afirma em Signet, Signal, Symbol : pictograma é a imagem de um objeto real que, para responder às exigências de uma informação clara e veloz, é representada em forma tipicamente sintética. Outra definição de pictograma é apresentada por Krampen e Aicher (1981 apud OROZCO, 2006, p. 41): Um idioma consta de palavras faladas cujo significado está relacionado aos objetos ou às cirscunstâncias, e de uma gramática. A gramática regula a relação entre estas palavras, sua sucessão para obter, a partir de termos, uma mensagem coerente. Uma linguagem de signos também necessita de duas funções: os elementos semânticos que servem para a expressão de uma circunstância e sua função sintática. Assim quando

19 18 aparece um cigarro esfumaçando, associa-se à ação de fumar. Uma linha transversal significa proibição. Estes dois sinais, relacionados sintaticamente resultam em uma mensagem: proibido fumar. A compreensão de uma mensagem entre os participantes de um processo de comunicação tem lugar quando o emissor e o receptor utilizam os mesmos códigos, ou seja, quando se associam idênticos significados a um sistema de sinais determinado. Para Neves (2008, p. 5), um pictograma (do latim picto -pintado + grego graphe - caracter, letra) é um símbolo que representa um objeto ou conceito por meio de ilustrações. Já Costa (1989 apud NEVES, 2008, p. 5) define pictograma como um signo figurativo simplificado que representa coisas e objetos do meio envolvente: os pictogramas provêem dos antigos hieróglifos e são parte dos códigos funcionais atuais. Atualmente, o uso do pictograma tem sido muito frequente na sinalização de locais públicos, na infografia, e em várias representações esquemáticas de diversas peças de design gráfico (NEVES, 2008, p. 5). Nas últimas décadas, as vias de circulação na cidade e no campo, e até mesmo dentro de edifícios, foram construídos de forma tão densa, que um senso natural de direção não é mais suficiente para se chegar ao destino desejado, partindo-se de determinado local (FRUTIGER, 2007, p. 191). Neste contexto, fez-se necessária a criação de meios para orientar os usuários, sejam pedestres ou motoristas e motociclistas. Essa orientação acontece por meio de sinais que visam indicar a forma de atingir um determinado local - como as placas indicativas - ou pretendem que os usuários trafeguem com segurança, como no caso da sinalização de trânsito. Sem as inscrições e os sinais que indicam o sentido, qualquer tipo de locomoção é praticamente impossível. O surgimento constante de novos locais e caminhos e a utilização de novos meios de transporte, que precisam ser modernizados e automatizados continuamente, requerem a criação de sinais cuja imagem transmita instruções inequívocas (FRUTIGER, 2007, p. 191). Costa (1989 apud NEVES, 2008, p. 6) destaca que: O termo pictograma absorve outras variantes do signo icônico: ideograma e emblema, apesar das suas diferenças essenciais, pois se o pictograma é uma imagem analógica, o ideograma é um esquema de uma ideia, um conceito ou um fenômeno não visualizável e o emblema é uma figura convencional fortemente institucionalizada. A todos ele se denominou genericamente pictogramas. As figuras 3 e 4 ilustram as imagens de alguns pictogramas.

20 19 Figura 3: Signos que concorrem para formar pictogramas. Fonte: Neves (2008, p. 6) Na figura 3, a imagem A indica uma via reservada para automóveis; a imagem B, um aeroporto; a imagem C, um zoo; a imagem D, sanitários. A figura 4 mostra um sistema de pictogramas. Figura 4: Pictogramas Fonte: Slide do acervo do Centro de Artes da Udesc

21 IDEOGRAMA Ideograma pode definir-se como um signo abstrato que significa conceitos e fenômenos; os ideogramas provêem dos antigos hieróglifos e são parte dos códigos funcionais atuais (COSTA, 1998 apud NEVES, 2008, p. 5). A figura 5 ilustra imagem de signos que identificam ideogramas. A imagem A significa posto socorros; a imagem B, radioatividade; a imagem C, passagem permitida; a imagem D, passagem. Figura 5: Signos que representam ideogramas. Fonte: Neves (2008, p. 5) O ideograma é, então, um esquema de uma ideia, um conceito ou um fenômeno não visualizável (NEVES, 2008). Outro exemplo de ideograma (figura 6) é o idealizado, de acordo com Vieira (2008, p. 77), por Colin Fulcher, que adota o pseudônimo de Barney Bubbles, um dos principais talentos ingleses a adotar o Punk, é responsável pelo design da marca da banda Blockheads. Conforme Hollins (2000 apud VIEIRA, 2008, p. 77), é um ideograma impressionantemente criativo, que expressa com perfeição a agressividade espirituosa da banda. Bubbles era o único em sua capacidade de encontrar imagens para uma ideia verbal. Figura 6: Logotipo da banda Blockheads Fonte: Hollis (2000 apud NEVES, 2008, p. 77)

22 CONCEITUAÇÃO DE SINALIZAÇÃO E SINALÉTICA A finalidade do design de sinais O design de sinais é um processo que pode ser aplicado em vários ambientes, tais como as ruas, as indústrias, um shopping center, uma rodoviária, um aeroporto, entre outros. A finalidade é a orientação do usuário, possibilitando lhe respostas mais rápidas. A sinalização utilizada deve levar em conta o público-alvo e o local. O design dos elementos de sinalização busca a funcionalidade da informação oferecida por estes, com aplicações na empresa, mobiliário urbano, complexos residenciais, complexos industriais, entre outros. Suas formas, pictogramas e legendas deverão levar em conta o lugar onde estão localizadas e a quem são direcionadas. As vantagens de uma boa sinalização se traduzem na maioria das vezes em economia de tempo, tão importante em todos os aspectos da vida atual. A sinalização e a sinalética são trabalhos complexos e delicados, cada projeto tem desafios diferentes e distinto manejo da informação já que a reação dos usuários são diversas (OROZCO, 2006, p. 7). O sinal é definido, conforme Orozco (2006, p. 7, grifado), como marca, símbolo ou elemento utilizado para representar algo ou para distinguir o suporte sobre o qual se encontra; gesto ou ação para transmitir informação, uma ordem, um pedido, entre outros. Já Ferreira (2008, p. 740), define o sinal como [...] signo convencionado que serve para transmitir informação; símbolo ou dizeres, de orientação, advertência, entre outros, usado em vias públicas, aeroportos, entre outros.. O termo sinal pode ter significados muito diversos, no Design Gráfico utilizamos partindo de um ponto de vista mais específico para se referir a sinais que nos guiam quando vamos a algum lugar, seja a pé ou de bicicleta, de carro ou de transporte público. Estes sinais possuem uma longa história que se alastra desde os tempos romanos, e atualmente constituem elementos gráficos mais óbvios de muitas cidades (OROZCO, 2006, 7). Na mesma linha de pensamento, Frutger (2007) afirma que nas últimas décadas, as vias de circulação nas áreas urbanas e rural - e até mesmo os espaços no interior dos edifícios - foram construídos de maneira tão densa, que o antigo senso de direção natural que guiava os indivíduos já não é suficiente para fazer com que, saindo de um ponto de partida consiga, com facilidade, chegar ao seu destino. Sem os sinais e símbolos que indicam a direção e sentido corretos, a locomoção fica impossibilitada, e seria inimaginável conceber o funcionamento do trânsito urbano sem uma sinalização padrão, seria um verdadeiro caos. A expansão das vias e a modernização dos meios

23 22 de transporte demandam a criação e utilização de sinais cujas mensagens sejam facilmente compreensíveis (FRUTGER, 2007). A figura 7 apresenta uma sinalização utilizada no Parque Jardim Zoológico. Figura 7: Placa do Parque Jardim Zoológico Fonte: Slide do acervo do Centro de Artes da Udesc Sinalização A sinalização busca equacionar os problemas inerentes à localização e orientação dos indivíduos em um ambiente amplo, através da utilização de elementos gráficos que tem a finalidade de permitir rapidez e eficiência no fluxo de motoristas e transeuntes. Orozco (2006), ao abordar esta temática, menciona que a sinalização é uma área da comunicação visual que tem a finalidade de estudar as relações entre os signos - inseridos num ambiente - e o comportamento dos indivíduos. A sinalização busca atender às necessidades dos usuários, à sua orientação num lugar definido. O objetivo é agilizar e melhorar a acessibilidade aos serviços demandados, com o intuito de que haja um maior nível de segurança nas ações e deslocamentos. Matias (2002 apud GUIMARÃES; CUNHA, 2004, p. 44) lembra muito bem que a inadequação de uma sinalização pode comprometer a sua fonte de informação e que sua credibilidade é determinada pela forma com que o especialista em sua expertise usa o seu senso nesta informação propriamente. Orozco (2006, p. 87) afirma que: Existe um aumento no fluxo de indivíduos de procedências e níveis sócio-culurais muito diferentes. Mas este movimento demográfico tem caráter circunstancial, isto implica que o indivíduo se encontra constantemente frente a situações novas de organização e morfologia do espaço, o qual acarreta problemas no seu desenvolvimento e por consequência uma maior necessidade de informação e orientação. Por exemplo, usuários de diferentes nacionalidades, com sua diversidade linguística e cultural, níveis de alfabetização, componentes psicológicos, entre outros, reunidos em um determinado lugar: aeroporto, centro medico, administração pública. A sinalização representa uma forma de orientação para os usuários num determinado espaço. Neste sentido, Moraes (2004, p. 89) comenta que:

24 23 a orientabilidade de um ambiente começa com o conhecimento da tarefa. O usuário deve estar ciente do que vai executar e saber quais os locais deve ir. Depois disso, o ambiente deve fornecer para ele informações de onde se encontra e como chegar ao local desejado, ou seja, reconhecer tanto o ponto de origem quanto o destino. Essas informações vão contribuir com o usuário na definição e escolha do seu trajeto. Essa rede de informações fornecida pelo ambiente, a escolha do trajeto e a movimentação espacial. Todo esse processo é chamado por vários pesquisadores de wayfinding. Ao se reportar à importância da sinalização na comunicação, Redig (2004) comenta sobre a falta de eficácia das bulas de remédio como instrumento de comunicação, que servem para o emissor (laboratório), porém são de pouco prática para o receptor (o usuário do remédio). Por outro lado, o autor aponta a Sinalização de Trânsito, como um exemplo de informação analógica disseminada e útil, representando uma das pioneiras manifestações do Design de informação. Os seus parâmetros foram definidos na década de 1930 e, desde então tem servido de modelo para muitas outras áreas da comunicação visual. Orozco (2006) aponta, a seguir, algumas das principais características da sinalização: Tem por objetivo a regulação de fluxos humanos e motorizados no espaço externo. É um sistema determinante de condutas. O sistema é padronizado. Os sinais preexistem aos problemas itinerários. O código de leitura é conhecido a priori pelos usuários. Os sinais são materialmente organizados e homologados e se encontram disponíveis. É indiferente às características do entorno. Conclui-se por si mesmo Sinalética A sinalética é a ciência que estuda o emprego de signos gráficos para orientar as pessoas num determinado espaço e informar dos serviços que se encontram a sua disposição (OROZCO, 2006, p. 8). A sinalética contribui de uma forma eficaz na orientação de pessoas e bens num determinado território. É uma disciplina da ciência da comunicação visual que estuda as relações funcionais entre os signos de orientação no espaço e os comportamentos dos indivíduos. Ao mesmo tempo, é a técnica que organiza e regula estas relações (COSTA, 1989 apud NEVES, 2008).

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Pictografia. João Vasco Matos Neves

Pictografia. João Vasco Matos Neves Pictografia João Vasco Matos Neves Campo de investigação Design Área de intervenção Sinalética Tema Pictografia Palavras-chave Sinalética, signos, símbolos, sinais, ícones, iconocidade, ideogramas, pictogramas.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Código de Identidade Visual

Código de Identidade Visual Manual da Marca Apresentação O manual da marca Academia da Saúde tem a função de ordenar e padronizar o signo que distingue e diferencia o Programa, compreendendo os padrões e as regras de aplicação da

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann

Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann Fundamentos do design (grá co?) Objetivo da aula - Conhecer melhor e consolidar o signi cado do termo design. Objetivo da aula É muito mais difícil falar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica As empresas podem crescer de três maneiras diferentes. Os métodos

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial.

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Elevadores de Passageiros Schindler Tempo O menor tempo entre você e o seu andar O Miconic

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Identidade visual corporativa e institucional

Identidade visual corporativa e institucional Identidade visual corporativa e institucional O ser humano pensa visualmente! Ao contrário das palavras, as imagens agem diretamente sobre a percepção do cérebro. O homem moderno está cada vez mais privilegiando

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística)

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) Luana Gerçossimo Oliveira 1 Universidade Federal de Viçosa (UFV) Este artigo traz uma breve discussão teórica

Leia mais

O que é Estudio Cosmica?

O que é Estudio Cosmica? Apresentacao O que é Estudio Cosmica? Criação e Concepção de Ideias e Projetos. Estudio Cosmica é um Estúdio de Criação e desenvolvimento de Ideias, Sempre Atento e antenado ao Mercado e novidades, buscando

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN Matriz Curricular do Curso de Design Fase Cód. Disciplina Créditos Carga Horária 01

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução:

Capítulo 1 - Introdução: Capítulo 1 - Introdução: Todo desenho comunica uma ideia e a expressão gráfica é uma linguagem que passa o pensamento para o papel ou computador, facilitando a comunicação de quem envia ou recebe uma informação.

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

A relação entre Semiótica e Design

A relação entre Semiótica e Design A relação entre Semiótica e Design MAGER, Gabriela B. Mestre Universidade do Estado de Santa Catarina gabriela@th.com.br Resumo Este artigo aborda a aproximação de modelos de análise semióticos aos métodos

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Departamento de Informação e Promoção da Inovação Lisboa 9 Maio 2012 O que é a Propriedade Industrial?

Leia mais

realize o procedimento de backup

realize o procedimento de backup FAQ O banco de dados de radares tem atualização mensal, realizada através do site www.gpsaquarius.com.br na opção suporte e é uma cortesia da GPS Aquarius. Não nos responsabilizamos pela condução do veículo,

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos.

Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos. Design gráfico: Programas de Disciplinas e Seus Componentes Pedagógicos. 1º PERÍODO Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas DISCILINA: Metodologia Científica CARGA CÓDIGO CRÉDITOS HORÁRIA H11900 04

Leia mais

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

Logotipo X Marca X Logomarca IDENTIDADE VISUAL. Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA. galleti.net

Logotipo X Marca X Logomarca IDENTIDADE VISUAL. Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA. galleti.net IDENTIDADE VISUAL Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA galleti.net 1. LOGOTIPO É composto por partes distintas: o símbolo e a tipografia, que juntos formam o logotipo em si. Mas, também pode ser uma representação

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer Oque é Marca Marca é toda representação simbólica de uma entidade, individuo ou elemento. Uma pegada, uma impressão digital, ou mesmo o meu ou seu nome podem ser caracterizados como marca. Quando nos referimos

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

Sumário Prefácio 1 1 Apresentação 1 1 1 Introdução 1 1 2 Entendendo o Webdesign 2 1 2 1 A Evolução da Internet 4 1 3 Design de Internet 8 1 3 1 Harmonia 10 1 3 2 As Formas e suas Funções 11 1 3 3 Equilíbrio

Leia mais

Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve

Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve Manual de Identidade Visual Universidade do Algarve 1 índice 4 6 8 10 12 14 16 22 26 28 30 32 33 33 34 42 58 62 64 66 apresentação identidade verbal identidade visual tipografia logotipo / símbolo / marca

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

A ETIAM Etiquetadora Amaral Ltda. pretende através deste documento, consolidar o bem mais valioso que uma instituição pode ter: sua marca.

A ETIAM Etiquetadora Amaral Ltda. pretende através deste documento, consolidar o bem mais valioso que uma instituição pode ter: sua marca. INTRODUÇÃO Ter uma identidade visual, que passe uma mensagem de qualidade e segurança aos clientes é fundamental para o sucesso da empresa. A identidade visual é a imagem ou, em outras palavras, a roupa

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Tecnologia em. Design Gráfico

Tecnologia em. Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico CARREIRA O Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico oferece oportunidade para o trabalho profissional em diversas profissões relacionadas

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

Powered By: IMPORTANTE:

Powered By: IMPORTANTE: Powered By: IMPORTANTE: Este manual contém informações seguras de operação. Por favor, leia e siga as instruções desse manual. Falhas podem resultar em ferimentos pessoais, morte, e/ou danos no Delphi

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE DESIGN DISCIPLINAS OPTATIVAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE DESIGN DISCIPLINAS OPTATIVAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE DESIGN DISCIPLINAS OPTATIVAS DDI11243 Estudo e Concepção de Jogos Estudo da história, conceituação e características dos jogos. Aspectos cognitivos, estéticos

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr.

DESIGN INDUSTRIAL. ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico. Sistema técnico de leitura ergonômica. Disciplina: Prof. Dr. DESIGN INDUSTRIAL Disciplina: ERGONOMIA Aplicada ao Design Gráfico Sistema técnico de leitura ergonômica DESIGN GRÁFICO Prof. Dr. João Gomes Filho DESIGN GRÁFICO Leitura Ergonômica EXEMPLOS Design Gráfico

Leia mais

Í N D I C E PRÓLOGO 5

Í N D I C E PRÓLOGO 5 Í N D I C E PRÓLOGO 5 CAPÍTULO I - EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Trânsito e transporte II) EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Objetivos da educação e segurança para o trânsito A educação para o trânsito

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Gestão de Marketing Aula 3 Contextualização Profa. Me. Karin Sell Schneider Canais de Distribuição Comunicação Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis, que proporciona benefícios reais

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Apresentação A Identidade Visual de uma organização é um de seus principais patrimônios. É por meio dela que uma instituição transmite visualmente seus valores e torna-se reconhecida

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA)

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) Dispõe sobre a regulamentação do exercício profissional de Designer, e dá providências. O Congresso Nacional decreta: Capítulo I Caracterização e atribuições

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA

GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA GUIA PRÁTICO REGISTRO DE MARCA 1. DEFINIÇÃO DE MARCA Marca é um sinal que individualiza os produtos ou serviços de uma determinada empresa e os distingue dos produtos ou serviços de seus concorrentes.

Leia mais

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário Parte I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Lembre-se! Ao programar um software, o usuário

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

RESUMO: PALAVRAS-CHAVE: Mobilidade Urbana; Dia sem carro; Bicicleta; Automóvel. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO: PALAVRAS-CHAVE: Mobilidade Urbana; Dia sem carro; Bicicleta; Automóvel. 1 INTRODUÇÃO A evolução está a uma pedalada de acontecer 1. Evandro Luiz Gomes 2 Fabiana Tarnowsky 3 Gisele Baumgarten Rosumek 4 Instituto Blumenauense de Ensino Superior IBES Sociesc RESUMO: A presente peça publicitária

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS Coordenadora: Pedro Segreto 06/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais e pesquisadores das

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos vários dispositivos

1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos vários dispositivos UC: Tecnologia Multimédia Discente Brany Cunha Lisboa-1130499 Docente: Bruno Rego Proposta de melhoria de uma solução interativa Site: www.reporterstp.info 1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos

Leia mais

PROPOSTA DE ATIVIDADE

PROPOSTA DE ATIVIDADE PROPOSTA DE ATIVIDADE 1- Título: O Planeta Terra em Alerta, os principais problemas ambientais das grandes metrópoles 2- Autor: Marcia Andréia Veit 3- Aplicativo utilizado: Internet e Impress 4- Disciplina:

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CORPORATIVA

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CORPORATIVA MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CORPORATIVA Índice 1. Introdução... Pág. 3 2. A Marca Atacadão Guarujá... Pág. 3 3. Logotipo... Pág. 4 4. Símbolo... Pág. 5 5. Utilização das Figuras Corporativas... Pág. 6

Leia mais

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS A Universidade do Estado do Pará (UEPA) através da (RITU) com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), disponibiliza ao

Leia mais