Bruno e Bianca vivem juntos há 15

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bruno e Bianca vivem juntos há 15"

Transcrição

1

2 Possivelmente a melhor parte em estudar jornalismo é a certeza de que não importa o semestre ou disciplina cursada, não haverá rotina. Não é um daqueles cursos regrados, com provas complexas, gente surtando e professores vilões. Está bem, vez por outra alguém até surta e alguns professores até assustam um pouquinho, mas não chega a ser um estigma do curso. Acima de qualquer coisa jornalismo é um curso prático. Estudar comunicação é algo que precisa ser prático. Não se aprende jornalismo teorizando e esperando o momento certo de aplicar o que aprendeu. Claro, a teoria é imprescindível etc, etc e tal, contudo jornalismo se aprende fazendo. Testando recursos, buscando novas possibilidades e principalmente se experimentando. A proposta de fazer um jornal em um período aproximado de quatro meses, parece simples. Fica mais fácil ainda quando você descobre que vai fazer apenas uma matéria. Afinal no mercado de trabalho a missão é produzir uma ou até mais matérias em um dia. As vezes em horas. Mas, porém, entretanto e contudo não é bem assim. Embora soe como heresia, o excesso de prazo é um vilão e tanto. Sonhamos em ter todo tempo do mundo para fazer uma boa matéria, bem apurada, com infográficos e diversas fontes. Como já disse, prazos longos são vilões, uh, e dos piores. Ele começa te dando a falsa sensação de segurança: Está tudo sob controle. Temos todo tempo do mundo. Amanhã eu faço. E quando você se dá conta o amanhã durou meses. Você mal foi atrás das fontes. Resolve abrir mão do infográfico, e começa até rezar pra pauta escolhida não cair. E a duas semanas do prazo final. A pauta cai. Nem toda teoria do mundo te salva disso. Mas, vale cada segundo da experiência isso claro, se tudo terminar bem. Roger Busetti Torres Bruno e Bianca vivem juntos há 15 anos. Ele é advogado. Ela é analista de sistemas. Naquela noite eles se arrumaram com esmero para ir à festa. Vieram de Porto Alegre até Caxias do Sul, juntamente com um casal de amigos para participar de uma balada liberal, como também são chamadas as festas que ocorrem nas casas de swing. A equipe do Textando acompanhou uma dessas festas, que são realizadas semanalmente em Caxias, e mostra como se desenrolam esses encontros, onde muitos casais experimentam novas formas de se relacionar. O evento ainda é novidade na cidade onde caxias não é apenas o nome do município. O conservadorismo ainda faz com que práticas, como o swing, sejam vistas com receio por grande parte dos moradores e ocorram sem muita divulgação. A reportagem, que pode ser caracterizada pelo estilo de Hunter Thompson, o jornalismo gonzo, nos permitiu uma liberdade narrativa onde abandonamos a objetividade para nos misturarmos ao ambiente para narrar de forma mais pessoal a nossa experiência. Desejamos uma prazerosa (individual, a dois, a três, a quatro...) leitura a todos. Sol Maia Vagner Barreto

3 GABRIELA ROSSETTI Dentro do contexto de crescente urbanização global, podemos destacar o aumento das construções civis e a verticalização das cidades. Construções de grandes edifícios, que antes eram associados com as metrópoles, hoje também modificam o visual de cidades interioranas. Caxias do Sul também faz parte desta realidade. Conforme dados da prefeitura e do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), em 2009, foram quase 900 mil metros quadrados de construções aprovadas. Em 2012 esse número aumentou para mais de um milhão. Basta observarmos ao redor da cidade. São construções e mais construções, principalmente de prédios que já extrapolaram as áreas centrais. Somente até abril deste ano mais de 320 mil metros quadrados de área já tinham sido aprovados. Mas, isso seria um problema? Segundo o secretário de Urbanismo de Caxias do Sul, Fabio Scopel Vanin, o excesso de edificações seria um problema apenas se fosse associado com o aumento populacional. Porém, o número de construções que mais cresceu foi na área comercial. O aumento foi de 13,81%, comparado ao ano de Se aliarmos a construção de prédios com a sustentabilidade urbana não há problemas, diz o secretário. Por isso, é preciso trabalhar o projeto de construção em harmonia com a situação do transporte público e arborização das cidades. Para evitar danos, existe o Plano Diretor Municipal onde constam algumas regras que os construtores devem seguir. Por exemplo, antes de erguer um prédio, uma construtora precisa da aprovação do projeto. Em Caxias do Sul, a altura máxima de um edifício é calculada pela soma da largura da via com o afastamento frontal efetivo multiplicado por 1,5. Ou seja, quanto mais distante da via, mais andares podem ter. Assim a arborização e a ventilação não ficam prejudicadas. Além do cálculo aplicado, a altura máxima permitida depende da zona de construção que pode ser residencial, industrial ou comercial. As zonas residenciais também podem interferir no tamanho do edifício. Por exemplo, os bairros Cinquentenário e Colina Sorriso, conforme o Plano Diretor, são estritamente residenciais. Isso limita a altura dos prédios que não podem ultrapassar dez metros. Como calcular a altura máxima permitida de um prédio em Caxias do Sul: * h (máx) = 1,5 x (L(via) + A(fe) * h (máx) = altura máxima permitida * L(via) = largura da via * A(fe) = Afastamento frontal efetivo GABRIELA ROSSETTI

4 MIRNA MESSINGER O simples fato de ouvir uma música causa sensações de diferentes formas e níveis a um indivíduo. Independentemente do gênero, a simplicidade de cada melodia nos afeta de maneira particular, e traz benefícios comuns a qualquer um. Mas, mais do que divertir, entreter ou meramente servir de companhia, a música, em alguns casos, também serve como terapia. Muitas pessoas têm escolhido o embalo de algumas canções para buscarem a cura de seus males. Assim, alia-se o gosto pela música à necessidade de obter resultado em algum transtorno específico. Em Farroupilha, a Maria Carolina Musicoterapia e Escola de Música, em funcionamento desde 2010, além de oferecer aulas de canto e instrumentos, também recebe pacientes que buscam solucionar problemas psiquicos. De acordo com a proprietária, a musicoterapeuta Maria Carolina Grazziotin Brites, de 22 anos, o motivo de maior procura na clínica é para encontrar soluções para déficit de atenção e falta de limites. A música Atualmente, cerca de 900 profissionais em todo o País estão aptos para atuarem na área, em diversos segmentos é uma linguagem universal que pode auxiliar qualquer pessoa, afirma. Além disso, conforme explica a profissional, as canções podem servir de remédio para pessoas de qualquer idade, como bem exemplifica a própria clínica, onde o menor deles tem um ano e cinco meses, e o mais velho 75. Não tem limite de idade, reforça a musicoterapeuta. Maria Carolina explica que não é possível delimitar uma quantia específica de sessões necessárias para alcançar um resultado efetivo. O tratamento depende do objetivo que queremos alcançar e das respostas obtidas nas sessões, explica. Segundo ela, as consultas possuem uma sequência semelhante, mas cada paciente recebe um atendimento específico. Antes de dar início à sessão, o especialista preenche uma ficha onde constam informações como: as músicas de preferência do paciente, se existe, ou não, algum músico na família, as canções ou instrumentos que a mãe ouvia durante a gestação, a idade, a causa da procura pela musicoterapia, se o paciente toma alguma medicação, entre outros dados. A partir deste parecer, é formada a denominada ISO (identidade sonora) do paciente. Assim, com estas informações, Maria Carolina prepara cada sessão. Não existe uma fórmula de cura, cada paciente é diferente, salienta. Conforme detalha a musicoterapeuta, durante as sessões, os pacientes tocam ou cantam conforme o objetivo a ser atingido, tendo a possibilidade de utilizar os instrumentos de percussão, teclas, cordas e sopro. É legal deixar claro que o paciente não precisa saber tocar ou cantar, basta apenas gostar de música, destaca. De acordo com a presidente da Associação Gaúcha de Musicoterapia (Agamusi), Maria Helena Rockenbach, em 1975 foi graduada a primeira turma do Curso de Graduação em Musicoterapia, no Brasil, no Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro. Segundo ela, os cursos de graduação em Musicoterapia têm reconhecimento do Ministério da Educação (MEC), mas a profissão não é regulamentada, somente consta no Código Brasileiro de Ocupações. Segundo Maria Helena, oito MATEUS BRITES instituições de ensino superior no País oferecem o curso de graduação em Musicoterapia. No Rio Grande do Sul, a graduação é ofertada somente nas Faculdades EST (Escola Superior de Musicoterapia), em São Leopoldo. Atualmente, estima-se que haja cerca de 900 profissionais em todo o País, habilitados para atuar na área. Maria é musicoterapeuta da AACD, doutora em Letras pela PUC/RS e especialista em musicoterapia pelo Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro. QUEM E DE QUE FORMA ATENDE O musicoterapeuta pode atuar individualmente ou junto à equipe de saúde, em atendimento a pacientes na clínica, no ambulatório, na internação hospitalar ou ainda em centros voltados a clientelas específicas, de acordo com a presidente da Associação Gaúcha de Musicoterapia (Agamusi), Maria Helena Rockenbach. É o profissional que atua na promoção, prevenção e reabilitação de pessoas, seja no campo da saúde mental, da reabilitação física em outras áreas e seus desdobramentos, diz Maria Helena. São eles: - Saúde mental - Capacitação de profissionais - Pessoas portadoras de transtornos de desenvolvimento e síndromes em geral - Gestantes e bebês - Reabilitação motora e global (indivíduos portadores de deficiências, lesados medulares, TCE, AVC) - Portadores de AIDS - Pacientes em longos períodos de internações hospitalares - Saúde do trabalhador - Oncologia-Hemato - UTIs - Dependentes químicos - Pessoas com transtornos alimentares (anorexia, bulimia) - Portadores de hemofilia, pacientes de hemodiálise - Pessoas em situação de risco Social (moradores de rua, presidiários, entre outros) - Estresse e depressão - Terceira Idade

5 ROGER BUSETTI TORRES O vocábulo deficiente é pesado. É uma daquelas tais palavras ambíguas que mesmo sendo fortes ao mesmo tempo carregam um estigma de delicadas. Não é o conjunto de fonemas tampouco a grafia. É o significado. Ser deficiente contrapõe-se a eficiente, palavra mais leve e que serve até como elogio. Deficiente embora também adjetivo, vem na contramão. Quase sempre usado como rótulo, o sentido empregado sugere que a palavra está correlacionada a insuficiente. O termo e sua aplicação não estão errados. Mas, também não estão certos. Por quê? Já explico. Vamos falar primeiro sobre Lucas Borba, 21 anos, estudante de Jornalismo da UCS e cego desde o nascimento. Ele nunca enxergou. Sabe que o conceito de cores existe, mas não sabe o que elas representam. Sabe o que são formas, mas ele não precisa delas. O rapaz está imune a todo estímulo visual que o mundo ostenta e usa como atrativo. Podemos até acrescentar que ele está acima disso. Lucas aprendeu a não precisar da visão. Pode dar-se ao luxo de sentir o mundo, não só enxergá-lo. E isso já é mais do que muita gente consegue. No quarto semestre do curso de jornalismo, afirma que tem sido muito bem recebido pelos colegas e professores. Em nenhum momento, sentiu-se limitado. Sim, teve medo. Receio de encarar um mundo novo, cheio de desconhecidos. Mas, nada que o tenha convencido a desistir. Elogiado por todos professores, Lucas participa mais nas aulas do que muitos outros alunos videntes denominação dada a quem enxerga. Nas apresentações em grupo e seminários de aula mostra uma poder de memória e domínio do conteúdo fora do comum. É capaz de citar trechos inteiros de livros e artigos lidos sem se perder, gaguejar ou confundir informações. Isso é tudo? Não. Lucas é estagiário da Agência Experimental de Comunicação da UCS a quase seis meses, e está dando conta do recado. Redige notícias. Entrevista. Produz conteúdo para o portal da agência. Produz textos de todos tipos e assuntos. E, quando convidado, até já participou de um programa de rádio também parte da agência dando dicas de filmes. Sim, filmes. Lucas não se deixou dobrar pelas aparentes limitações ou como alguns definem, deficiência. Reuniu forças. Se manteve aberto. E adaptou-se. Para a assistente social Kátia Pasquali Dosso, 54 anos, pessoas com baixa visão ou cegas não são incapazes. Precisam sim de adaptação e atenção específica em alguns momentos. Mas de forma alguma possuem menos capacidade de ação. Muitas vezes, não é que um deficiente visual não pode realizar determinada tarefa, ele pode, só que de uma forma diferente. Na sua trajetória de 20 anos prestando auxílio a cegos, ela afirma que é gratificante ver a superação e evolução pessoal de pessoas com deficiência visual. Ao guiar um cego pela rua não puxe, nem tente conduzir seus movimentos. Coloque a mão da pessoa em seu cotovelo - dobrado - que ela acompanhará o movimento do seu corpo. Não tem satisfação maior do que ver alguém, antes deprimido e com dificuldade de se encaixar no mundo, conquistando um emprego, casando, tendo um projeto de vida, acrescenta ela. O preconceito ainda é o maior vilão. Para Kátia, capacitar e incluir socialmente pessoas com deficiência visual é uma batalha. Ela diz: São muitas as formas de preconceito, as pessoas são fechadas de mais e não querem se abrir para novas possibilidades. A assistente social ainda aponta também a falta de acessibilidade urbana. É pouco e quase nenhum o investimento público e também privado na implementação de padrões de acessibilidade. Ainda há muitas batalhas a serem vencidas. Uma pessoa cega, que fala bem, tem bom nível intelectual e está dentro do ambiente acadêmico, chama sim muita atenção. Entretanto o preconceito ainda impede que um cego ou deficiente visual seja considerado capaz pelas pessoas a sua volta de executar atividades cotidianas tais como vestir-se sozinho, alimentar-se, interagir socialmente de forma ade- No convívio social ou profissional, não exclua as pessoas com deficiência visual das atividades normais. Deixe que elas decidam como podem ou querem participar. Proporcione às pessoas cegas ou com deficiência visual a mesma chance que você tem de ter sucesso ou de falhar. quada, competir no mercado de trabalho, casar-se e ser um cidadão realmente ativo. Desenvolvimento intelectual é importantíssimo. Mas, ainda há muito a crescer nas ativi- Quer ajudar? Saiba como: Trate com igualdade. O deficiente visual faz as mesmas coisas que você, mas usa técnicas diferentes. Ao falar, use um tom de voz normal. Ser cego é uma coisa, surdo outra. dades da vida diária. Isto é, respeita-se a pessoa como ser intelectual, mas ainda há muita dificuldade em enxergar o cego, como alguém capaz e independente. Nem sempre as pessoas com deficiência visual precisam de ajuda. Ao encontrar alguém que pareça estar em dificuldades, identifique-se, faça-a perceber que você está falando com ela e ofereça seu auxílio. Nunca ajude sem perguntar antes como deve fazê-lo. Fique a vontade para usar palavras como "veja" e "olhe". As pessoas cegas as usam com naturalidade.

6 CAMILA BAGGIO Uma forma de organização que tem como diferencial promover o desenvolvimento econômico e bem estar social simultaneamente, o cooperativismo é baseado na união de pessoas, sendo esse o seu maior capital. No setor vitivinícola, as pequenas cantinas fecharam as portas devido à dificuldade na venda dos estoques, que aumentam a cada ano. A solução está na união e gestão - no cooperativismo. No Brasil, a prática do cooperativismo teve início no final do século 19, mas a cultura já poderia ser observada desde a época colonial. Ela se desenvolveu tanto Para o diretor-presidente da Cooperativa Nova Aliança, Alceu Dalle Molle, o cooperativismo é a única solução para as pequenas cantinas, uma cooperativa acompanhada de confiança e união. A alternativa para que o pequeno agricultor continue trabalhando e produza otimizando a estrutura que já tem é de forma associativa. O modelo cooperativista seria o mais fácil e inteligente para esse processo. O que o produtor precisa é se organizar, como fazer compras conjuntas, utilizar uma estrutura de contabilidade, técnica e enológica em comum, explica o empresário, que também é presidente no meio urbano quanto no rural, tendo forte influência das culturas alemã e italiana, principalmente na área agrícola. Os imigrantes trouxeram de seus países de origem a bagagem cultural, o trabalho associativo e a experiência de atividades familiares comunitárias, que os motivaram a organizar-se em cooperativas. A Cooperativa Nova Aliança tem mais de 80 anos de experiência no cooperativismo. São cinco tradicionais cooperativas vitivinícolas da Serra gaúcha: Aliança e São Victor (de Caxias do Sul), Linha Jacinto (de Farroupilha), Santo Antônio e São Pedro (de Flores da Cunha), que juntas decidiram se transformar em uma única família, reunindo pessoas e valores. Hoje a cooperativa agrega mais de 800 famílias associadas. O segredo é união e confiança CAMILA BAGGIO da Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho) e integrante do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin). A confiança e a união são pontos fundamentais na formação de uma cooperativa é o que o diretor da Nova Aliança chama de gestão confiança. Se você não tem gestão e não tem confiança no seu parceiro é melhor fechar as portas. É preciso ter essa capacidade de trabalhar em sociedade, caso contrário, fica realmente muito difícil, acredita. Atualmente, a venda do vinho a granel sofre com a baixa do preço, o que poderá mudar nos próximos anos, mas que depende dessa organização para ter benefícios. Essa futura melhora na rentabilidade vai beneficiar quem estiver mais organizado. Essa é a lógica de unir esforços: gastar menos e procurar ganhar mais, orienta Dalle Molle. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Flores da Cunha e Nova Pádua, Olir Schiavenin, destaca o cooperativismo como fundamental para a sobrevivência e crescimento do setor vitivinícola. A organização do pequeno produtor em cooperativas é um dos únicos caminhos para fazer com que o agricultor tenha sucesso e uma atividade de futuro. Se não for em grupo e com organização é muito difícil a sobrevivência. O presidente cita o exemplo da safra 2012/2013, onde muitos produtores ficaram sem colocação de suas uvas no mercado, em uma cooperativa isso não aconteceria. A força não está somente na comercialização, mas também na compra de insumos, na própria produção e na dificuldade de mão de obra. É através da cooperação, da união e da organização de grupos que teremos mais potência. São passos mais largos para o futuro. Sozinho o agricultor fica prejudicado, destaca o sindicalista. Ser sócio de uma cooperativa garante ao agricultor outro fator importante: a tranquilidade. Esse é um ponto fundamental para o produtor Gilberto Verdi, 51 anos, morador da comunidade de São Vítor, em Flores da Cunha. Há mais de 25 anos ele é sócio da Cooperativa Nova Aliança e faz uma lista de vantagens no sistema cooperativo. Temos três grandes pontos fundamentais: o primeiro é o preço. Em uma cooperativa temos um preço definido para nossa uva, o que no mercado livre infelizmente não existe. O segundo fator é o acompanhamento profissional. São agrônomos e engenheiros que visitam a propriedade periodicamente, garantindo a qualidade dos produtos. O terceiro e mais importante é o lugar garantido para entregar a produção, garante Verdi. Juntamente com a esposa Neide, 48 anos, o produtor trabalha com três hectares de uvas americanas. Para Verdi, o cooperativismo está conquistando muitos agricultores, diferente de alguns anos atrás. A confiança e tranquilidade na cooperativa está crescendo. Antigamente quem fazia parte de uma cooperativa era taxado de ignorante, mas hoje quem é cooperativo está garantido. E essa visão que está mudando pode até conquistar outros produtos vindos da uva, agregando ainda mais produtores, mais qualidade e mais consumidores, acredita o agricultor. Verdi tem como carro chefe a uva, mas conta também com a produção de mel, criação de gado e reflorestamento. LARISSA VERDI

7 Empresas e agências de comunicação descobrem um novo canal de mídia, com mais impulso à publicidade nas redes sociais, para consumidores na Internet ANA ROMANI Ainternet soma mais e mais adeptos e abre as portas para um universo de possibilidades de negócios. Na América Latina, nenhum país gasta mais tempo online que o Brasil. Os brasileiros passam em média 27 horas na Internet por mês. Os dados são da empresa ComScore, líder global em medições e análises digitais. O cenário digital brasileiro mostrou uma mudança significativa em 2012, causada pela forte ascensão das redes sociais, declara Alex Banks, diretor executivo da ComScore para o Brasil e vice-presidente na América Latina, em nota no site da empresa. À medida que esses veículos continuem a crescer, estarão promovendo novas e excitantes oportunidades para meios de publicação que querem atrair audiências e empresas que desejam alcançar consumidores. Outro enorme potencial da web é a interatividade, o que faz a cabeça de anunciantes e consumidores. Hoje os consumidores não querem mais ser passivos das marcas, esperando uma oferta ou um contato, afirma Eduardo Pezzi, professor e consultor de marketing. Eles querem produzir junto, ter voz e falar sobre suas experiências, ou para a marca ou para seus amigos. As ferramentas da chamada Web 2.0 deram impulso à interatividade na internet ao garantir ao internauta acesso a serviços de fácil uso e a maioria deles gratuitos. A ideia da Web 2.0 é tornar o ambiente online mais dinâmico e fazer com que os usuários colaborem para a organização de conteúdo. Estão nessa categoria blogs, sites de compartilhamento de fotos e vídeos, publicação de comentários em portais de notícias e sites de comércio eletrônico. Planejamento O usuário brasileiro é interativo e busca diversas formas de acessos constantemente. Para Patrícia Claus, mídia da Laymark Propaganda de Caxias do Sul, o maior desafio de fazer um planejamento de mídia digital é acertar os canais para criar o maior número de impactos no público alvo desejado. Para uma atuação de sucesso no meio digital é preciso planejamento, estratégia e conhecimento de mercado. Embora ainda pequeno se comparado ao valor destinado a mídias tradicionais, o investimento dos anunciantes em internet tem crescido. Em janeiro e fevereiro de 2013 os investimentos publicitários em internet já ultrapassaram o montante veiculado em revistas. Enquanto o faturamento do bimestre em revistas foi de R$ 188,42 milhões, a web recebeu R$ 189,7 milhões, excluindo deste montante redes sociais e buscadores, afirma Patricia. Segundo ela, neste mesmo bimestre o investimento já garantiu o terceiro lugar no ranking de participação de mercado com 4,74% do share de investimento total. Até o fim de 2013, acredito que os investimentos em mídia digital já terão alcançado o segundo lugar entre os anunciantes, defende Patricia. O crescimento da mídia digital no Brasil O Brasil deve chegar ao fim de 2013 com cerca de US$ 20,3 bilhões investidos em publicidade online, e isso vai dobrar até 2016, afirma estudo do emarketer. Estima-se que o investimento em publicidade digital este ano será 13,7% maior que o de 2012, o que colocaria o meio digital na segunda colocação entre os anunciantes, atrás apenas da TV aberta. Esse crescimento no volume de anúncios nos meios digitais tem como explicação o crescimento do uso de internet nas residências brasileiras e o aumento do poder aquisitivo das famílias. *Fonte: Digital Signage Brasil

8 SOL MAIA VAGNER BARRETO Posso ir vestida assim? De vermelho? Claro que não! Esqueceu as aulas de semiótica? O alerta de amigo e, naquela noite, par, fazia todo sentido. Não era exatamente algo chamativo. Na verdade, era uma blusa vermelha muito bem comportada e de gola alta. Por cima, um blazer preto. Acabamos indo com roupas parecidas. Ela, uma camiseta preta (que, mais tarde, nos explicaram não ser a blusa mais segura, pois botões são vulneráveis e fáceis de abrir), uma calça preta, um casaco verde musgo e cabelo preso. Ele, blusão listrado roxo e azul, blazer verde musgo e uma calça jeans azul. O namorado dela emprestou a aliança. A intenção era parecermos um casal. E ainda com algum receio, saímos em direção a uma casa de swing em uma fria noite de sábado. A casa, que fica curiosamente a 50 metros de uma das mais conhecidas igrejas de Caxias do Sul, é muito bem localizada, fugindo um pouco do Centro da cidade. O local discreto contrasta com a luz forte de uma lancheria, do outro lado da rua, onde olhos curiosos ainda buscam pistas do que se trata a casa cercada com madeiras, aberta no início do ano e costuma receber muitas visitas à noite. Tínhamos horário marcado com os sócios da casa, dois casais. Chegamos uma hora antes do início da festa para conversármos tranquilamente. E lá estávamos parados na rua, entre a discrição do local e a luz forte que irradiava da lancheria, quando um homem nos abordou e perguntou se éramos os universitários. A primeira impressão ao entrar na casa era de uma festa tradicional, impressão essa que se prolongaria por toda a noite. Fernando Martines, 33 anos, um dos sócios, se encarregou de nos apresentar o local, que, não fosse pelo andar superior, passaria como uma balada qualquer. Subindo as escadas, os quartos nos davam uma percepção mais próxima do que iríamos presenciar. Um deles, sem porta, abrigava uma grande cama redonda que, mais tarde, descobrimos conter uma regra bem rígida: sentou, está disponível. Ainda no mesmo quarto, havia duas cabines que poderiam abrigar com conforto dois casais em cada. Buracos na parede permitem que voyeurs (pessoas que sentem prazer em olhar outros fazendo sexo) observem de fora ou até participem. Outro quarto (esse com porta) tinha uma cama ainda maior, com uma cabeceira adaptada que incitava o popular de 4, algemas presas à parede, uma iluminação baixa e vermelha e espaço para, com um pouco de boa vontade, uns dez casais. Além dos buracos que também permitiam o voyerismo e interação entre quem está dentro e fora. Um terceiro quarto, oferece a opção de privacidade para quem não estiver a fim de ser visto e pode ser alugado por hora sim, mesmo no swing existe privacidade. Festa sem máscaras Após conhecer o local, iniciamos a entrevista sentados ao redor do bar. Nos apresentamos brevemente e começamos uma conversa informal, que sanou nossas primeiras curiosidades. Dois casais de Santana do Livramento que perceberam a necessidade e, principalmente, a capacidade de Caxias em absorver o negócio. Nos contaram que não praticam swing, nem dentro nem fora da casa, mas gostam de observar. - No teu dia a dia tu tens uma máscara, que aqui no meio do swing não existe afirma Rafael Fontoura, 23 anos, sócio do local. Enquanto conversávamos, chegaram os dois primeiros casais, vindos de São Leopoldo e Porto Alegre. A noite era de integração com outras casas da região metropolitana do Estado, que realizaram excursões para seus clientes. Eram pessoas jovens e realmente bonitas, daquelas que trabalham ali na mesa ao lado da sua. Uma coisa que realmente surpreendeu foi o quanto eles foram simpáticos e receptivos. Nos pareceram tão sinceros que optamos por não fingir ser um casal, o que, O amor livre e longe de padrões pauta o cotidiano daqueles que criam uma no na nossa visão inicial, facilitaria a aproximação com os participantes e resolvemos esclarecer quem éramos e o porquê estávamos ali. Incentivados pelos donos passamos para a pista de dança, ainda vazia, para conversarmos. Anderson e Ana (nomes fictícios) contam que namoram há nove anos e a curiosidade surgiu quando a irmã dela comentou, em um almoço familiar, a naturalidade que as relações sexuais deveriam ser tratadas. Eles pensaram no assunto e resolveram criar um perfil em uma rede social específica para troca de casais. As primeiras tentativas não deram certo e foram seguidas de um período de dois anos sem que se relacionassem com outros casais, mas a vontade voltara há alguns meses e lá estavam eles. O segundo casal, Bruno e Bianca (nomes fictícios) teve um início mais intrigante. Estão juntos há 15 anos e são praticantes de swing há nove. Ela perdeu a virgindade com ele, aos 24 anos e, após seis anos de relação, descobriram as casas de swing: O nosso acordo começou da seguinte forma: ela queria ir para uma casa noturna dançar. Eu detesto dançar, mas eu gosto de ver filme pornô, então eu descobri que havia lugares que poderia ver sexo ao vivo comenta Bruno em meio a risos. Ele ia ver as pessoas fazendo sexo e eu ia dançar completa Cláudia. Quando, um dia, Bruno a surpreendeu com uma pergunta: Como você sabe que sexo é

9 va forma de relacionamento onde o que importa é a confiança, o prazer e a entrega mútua dos parceiros bom comigo se você não tem nenhum parâmetro? O questionamento inesperado os levou à pratica da troca de casais. A autoestima dela melhorou muito afirma Bruno. Eles defendem a ideia de que a prática faz muito bem para a relação e aproxima o casal, pois propicia o autoconhecimento. O melhor sexo é o do casal depois que chegam da festa aponta Ana. Enquanto conversávamos, a música começou a tocar e a pista a lotar, sem que notássemos. Em minutos, estávamos imersos em uma balada bem tradicional. Música, flertes, pessoas dançando, dificuldade de locomoção. Tudo caminhava como de costume. A festa começou a apresentar suas peculiaridades quando um grupo de mulheres subiu ao pole dance. Lá, há um certo endeusamento das mulheres. Pouco a pouco seus companheiros as colocavam lá, onde dançavam, se beijavam e trocavam carícias quentes com direito a pequenos strips. Toda a festa gira em torno das mulheres nos explicavam. E, de fato, elas provocam, flertam, fazem a aproximação e ainda, segundo eles, têm a última palavra. Normalmente o homem topa qualquer coisa, então, é a mulher quem decide afirma André. Claro que o topam qualquer coisa é muito relativo. O bissexualismo feminino está por todos os lados. Mas o masculino, ao menos publicamente, não existe. A todos que fizemos esse questionamento ouvimos a mesma resposta: Não, homens não ficam! Ninguém soube dar uma resposta convincente sobre o porquê desse comportamento. Uns dizem que os torna menos homens, ou que não seria tão bonito de se ver. Tudo é permitido Nada é obrigatório A antropóloga Olivia von der Weid, ao pesquisar a prática do swing para sua dissertação de mestrado, teve esse mesmo estranhamento sobre como a feminilidade e a masculinidade são vistos de forma diferente entre os swingers: O medo de ser acusado de gay ou de ter sua posição sexual questionada está muito presente no meio swing. Os anúncios da internet que incluem fotografias quase sempre retratam as mulheres em posições diversas e algumas vezes relacionando-se com mulheres, mas raramente os homens reflete Olivia. Na casa, elas continuam no pole dance, onde vale destacar que, enquanto estão lá, nenhum homem toca nelas ou tira proveito da situação de alguma forma que não com os olhos. Alguns esposos orgulhosos tiram fotos de suas esposas que, mais tarde, irão para alguma rede social de swing com as identidades devidamente preservadas. Depois da performance, as mulheres já com poucas peças de roupa, dão lugar à banda. O show da noite fica por conta da dupla de rock swing BardoeFada. Sim, também nos perguntamos sobre o que seria um rock swing. A dupla também é um casal fora dos palcos e, mais do que isso, participa das trocas depois do show, mas Fada se relaciona apenas com mulheres. Eles, que se declaram o primeiro casal pós-romântico, cantam letras sobre liberdade sexual e fantasias que, na verdade, fizeram lembrar bandas de rock gaúchos como Cascavelletes e afins. O show, que ocorre no mesmo queijinho do pole dance, também provoca o público. A vocalista dança sensualmente enquanto mulheres a tocam e até tiram algumas de suas roupas. Mas é, após o show, que a festa realmente começa. Em minutos, a pista de dança estava vazia e o andar superior lotado. Normalmente, as abordagens ocorrem durante o show e, quando ele termina, os pares de casais já estão formados. Nos quartos, não havia espaço para muitas cerimônias. No quarto maior, conseguimos contar cerca de nove casais que optaram por manter a porta fechada e a luz apagada, o que dificultava a vida dos curiosos que se revezavam para observar a ação pelos buracos, mas não impedia que se visse o que estava ocorrendo lá dentro. Nos corredores que cercam os quartos, a música alta dá lugar a um silêncio perturbador. A ideia é realmente não atrapalhar os casais. É como se fosse a apreciação de alguma arte exposta em um museu. No outro quarto (aquele onde não havia porta), a cama redonda permanecia vazia. Lá, a regra é clara e mais incisiva: não é um lugar de descanso. É o lugar para incitar aproximações e pedir por sexo. A festa começa assim que o primeiro casal tomar a iniciativa diz André. E foi o que aconteceu. Passado uns 30 minutos, cerca de cinco casais dividiam o espaço observados por cerca de dez pessoas. Nas cabines, nunca faltava casais, sempre de dois em dois, e a maioria do tempo permaneciam com as luzes apagadas. Os dois casais que nos acompanharam toda a noite, e ajudaram a entender as regras subliminares da festa, se entregaram à cama redonda no fim da noite, onde trocavam carícias entre eles e com a dupla/casal que fez o show. Era a nossa hora de sair, naturalmente, à francesa. Apesar da tentativa de passarmos despercebidos, houve duas abordagens de um homem e de uma mulher (de casais diferentes). As duas situações foram resolvidas de forma tranquila e ambos respeitaram a negativa. Vale ressaltar que nunca nos sentimos tão seguros em uma festa. Diferentemente de festas tradicionais, os homens não são agressivos nem invasivos e souberam perfeitamente respeitar o espaço e a opção de estarmos ali como meros expectadores. A impressão que fica é de muito respeito e de uma grande festa de família, a diferença é que você não levaria a sua mãe. Fotos: Sol Maia Produção: Vagner Barreto As imagens utilizadas nesta reportagem são ilustrativas e produzidas pelos alunos

10 LUANA MARQUES PAIM Delegacia de Polícia para Mulher. São 14 horas de uma quarta-feira. Uma senhora de aproximadamente 45 anos entra na sala e declara que seu filho a espanca. Eu gostaria de fazer uma denúncia contra meu filho. E começa a chorar. A atendente pede a ela que se acalme, que logo será atendida. Até o mês de abril deste ano, 768 inquéritos foram instaurados e 412 é o número de termos circunstanciados (crimes de menor potencial ofensivo com pena inferior a dois anos), na Delegacia para Mulher de Caxias do Sul. Em 2012, três mil procedimentos foram encaminhados ao juiz e o mês que mais houve denúncias foi dezembro. A delegada Carolina Valentini Tomiello, 34, está no município há pouco mais de um mês. Antes de assumir a Delegacia de Polícia para a Mulher de Caxias do Sul ela era a única delegada de Guaporé - RS. Segundo Carolina, mesmo que ela tenha vindo para uma área específica, o volume de ocorrências é grande. Não lidamos com crimes complexos. Neste meu primeiro mês aqui não houve nenhum caso chocante, mas temos um número expressivo de ocorrências e é importante destacar que aproximadamente 70% dos casos são relacionados ao uso de drogas e ao alcoolismo, explica. O trabalho de delegada é mais burocrático, mais atrás da mesa, para cuidar do andamento das investigações. O contato direto com as vítimas só acontece quando é necessário que eu auxilie a policial que cuida do caso, ou quando se trata de um caso de maior gravidade, explica. Os crimes contra a mulher são variados. Os mais denunciados são: ameaça, lesão corporal, vias de fato (agressão que não deixa marcas), perturbação da tranquilidade e crimes contra a honra (agressão verbal, que inclui injúria, calúnia e difamação). Destes, o de maior gravidade é o crime de lesão corporal, que pode resultar em uma pena de até 12 anos. Depois que uma mulher decide abrir uma ocorrência na Delegacia de Polícia para a Mulher, os passos do inquérito são: registro da ocorrência, quando a vítima relata o que aconteceu; pedido de medidas protetivas; envio da ocorrência para a Coordenadoria Municipal da Mulher; procedimento de ouvir as testemunhas, se houver; arrecadação de provas; e, por fim, o encaminhamento do relatório feito pela delegada para o Judiciário. Deve-se destacar que, de acordo com a Lei Maria da Penha, não é possível como pena de crime contra a mulher o pagamento de multa, nem cesta básica. Em janeiro de 2012 ficou decidido que a vítima de lesão corporal não poderá mais retratar-se, ou seja, desistir da denúncia. O que, segundo a delegada, é muito comum que aconteça. Temos um problema muito grande com isso, que desestimula nosso trabalho. A maioria das mulheres acaba desistindo de prosseguir. Penso que isso aconteça principalmente por dependência emocional e financeira, lamenta. De acordo com a delegada, as denúncias normalmente são feitas em momentos de raiva e depois há arrependimento. Porém, quando há seguimento na investigação, a mulher é encaminhada ao Centro de Referência para a Mulher, que é vinculado à Coordenadoria Municipal da Mulher. O Centro de Referência tem como objetivo promover o atendimento a mulheres em situação de violência, orientando-as nas áreas psicológica, social e jurídica, buscando a reintegração da mulher e orientá-las sobre seus direitos. Até junho de 2013, 42 mulheres foram assassinadas no RS. Falta para as mulheres entender o tamanho da seriedade da violência doméstica e denunciar, finaliza Carolina. COMO IDENTIFICAR A VIOLÊNCIA - Ter medo do homem com quem se vive. - Ser agredida e humilhada. - Sentir insegurança na sua própria casa. - Ser obrigada a manter relações sexuais. - Ter seus objetos e documentos destruidos ou escondidos. - Ser intimidada com arma de fogo ou faca. - Ser forçada a retirar queixa. Conviver com siontomas como esses é ser vítima da violência! LIGUE: / e denuncie!

11 ANDRESSA GALLO Ele não é um esporte apenas de meninas. Entretanto, elas predominam entre os praticantes. Ele não é um esporte de corrida ou luta, porém exige força e resistência. O esporte caiu nas graças dos brasileiros entre 2007 e 2008, quando era exibida, pela Rede Globo, a novela Duas Caras. No folhetim, a personagem de Flávia Alessandra era uma respeitada enfermeira durante o dia, porém à noite dançava em um bar e despertava o fascínio masculino. A dança que encantou o público e ascendeu como esporte é o pole dance. Muito mais que uma simples dança, hoje o pole dance é um esporte em crescimento no Brasil e a cada ano ganha novos adeptos. Em 2009, devido ao grande número de praticantes e de estúdios voltados para a prática do pole, a modalidade esportiva ganhou uma federação nacional, responsável pela formação de instrutores e atletas, além de organizar e participar de competições internacionais. De acordo com a presidente da Federação Brasileira de Pole Dance (FBPOLE), Vanessa Costa, a entidade foi pioneira mundial na elaboração do Livro de Regras, criando um código de obrigatoriedade de movimentos e seus níveis de dificuldade, além de um Livro de Arbitragem com fundamentos básicos da estrutura do esporte. Além da elaboração de regras, a nossa federação também é responsável por organizar a Pole World Cup, anualmente, no Rio de Janeiro, afirma. A última edição do Pole World Cup ou Copa do Mundo de Pole Dance ocorreu em novembro de 2012 e reuniu mais de cem atletas da modalidade de 26 países. A 1ª Pole World Cup, que ocorreu em 2011, foi um marco no esporte, por ter sido o primeiro Campeonato Mundial totalmente direcionado para o aspecto desportivo da modalidade. O evento é considerado como um ponto de partida para a criação do Primeiro Ranking Internacional de Pole, ressalta Vanessa. Após ter vencido muitos preconceitos e conquistados diversos adeptos, o desafio da Federação Brasileira é tornar o pole dance um esporte olímpico, mas esta luta ainda pode ser longa. Atração na Serra Em 8 de outubro de 2012 foi aberto o primeiro estúdio de pole dance em Caxias do Sul. O Rosa Studio, além de ser o primeiro da cidade, também foi o primeiro do Rio Grande do Sul federado. O local surgiu com dois grandes desafios: atender as pessoas que tinham interesse e quebrar com preconceitos sobre a prática do pole na cidade. A mineira, casada com um caxiense, Emilia Del Guadio viu na cidade a chance de expandir sua paixão pela modalidade e compartilhar conhecimento. Sabendo das inúmeras cobranças e discriminação que poderia enfrentar em Caxias do Sul, a decisão foi seguir as exigências à risca. A ideia de fazer o estúdio regulamentado surgiu para evitar preconceitos e mostrar que é uma coisa correta e que segue padrões. No sudeste as escolas são grandes e reconhecidas, diferente do que ocorre em Caxias, explica. A federação do Rosa Studio traz benefícios para quem deseja abrir um espaço para a prática de pole dance. No local são oferecidos cursos de especialização e formação de instrutores em parceria com a Federação Brasileira. Tivemos visitas de pessoas de Canoas, Vacaria e outras cidades do interior que também pretendem abrir estúdios de pole dance, então quem tem interesse pode procurar esses cursos para se profissionalizar, esclarece Emília. Além das aulas de profissionalização de instrutores, semanalmente, são ministradas 50 aulas para atender cerca de 60 alunos que se dividem na prática do pole dance flex, fitness, mastil e glamour. As três primeiras modalidades são voltadas para a formação de atletas, já o pole dance glamour auxilia na elaboração de coreografias. Atletas caxienses Dentre tantos alunos do estúdio não existe um perfil específico das pessoas que buscam praticar o pole dance. Porém, entre os homens a modalidade ainda é um tabu na cidade. Em maio, apenas seis homens praticavam o esporte. Um dos alunos que treina no Rosa Studio é o consultor Ismael Vicente Spadetto Rosa, 26 anos. Ele iniciou no pole dance em novembro de 2012 por gostar de atividades físicas diversas. Eu já gostava de ginástica e assistia campeonatos de pole dance. Então, eu vi que tinha a modalidade masculina e fui para Porto Alegre fazer uma aula experimental, porém quando vi que tinha um estúdio em Caxias decidi fazer aqui, recorda. Ismael, no entanto, não pretende ficar apenas em treinos. Ele afirma que pretende competir até Para isso treina no estúdio de duas a três vezes por semana. Além dele, a instrutora do Rosa Studio, Tisiane Tieppo também pretende participar de competições, mas isso ainda deve demorar mais alguns meses. Pretendo competir no futuro, mas não num futuro tão próximo. Até porque as meninas que competem praticam o pole há quatro ou cinco anos, então preciso aprimorar muita coisa ainda, sintetiza. Mesmo que não programe participar de competições num período próximo, Tisiane possui uma rotina puxada, entre aulas e treinos. Por semana, ela ministra entre 15 e 17 aulas de pole dance. Além disso, treina em separado para aprimorar os movimentos e aplicá-los em aula. Eu treino à parte umas três vezes por semana e a cada três meses faço cursos de especialização e capacitação, esclarece. Tisiane começou a praticar o pole dance diariamente em outubro de Contudo, desde 2011 já participava de cursos e qualificações no sudeste do país. Formada em educação física, ela atuava na área de musculação e decidiu buscar um novo esporte para praticar. A escolha pelo pole dance, segundo ela, é simples. É uma atividade diferente, desafiadora, benéfica e trabalha a parte artística e física, destaca. Exercício sem academia Não existe um perfil das pessoas que praticam o pole dance em Caxias do Sul, mas a maioria afirma que procurou a modalidade pelo simples fato de não se adaptar ou não gostar da rotina de uma academia. Diferente dos exercícios puxados e resultados demorados das academias, o pole dance gera resultados rápidos, dando resistência, força e eliminando as gorduras tão indesejadas. Entre as praticantes que corroboram com essa opinião está a analista de recursos humanos Jéssica Flores Locks, que há oito meses viu no pole dance a fuga da academia. Na verdade odeio academia e o pole é como se fosse uma, porque trabalha tudo. É um esporte completo, passa autoconfiança, é diferente e inovador, ressalta. Na mesma linha de Jéssica, está a desenvolvedora de sistema Nicole Rocha, que há cinco meses descobriu uma nova paixão e três vezes por semana treina pole dance. Nunca fui fã de academia, faço por necessidade, pois tenho problema no joelho. Mas, descobri uma paixão, não largo por nada e faço isso por mim, afirma. Nicole ainda está no início dos treinamentos, porém não descarta totalmente a possibilidade de um dia tornar-se atleta. Para competir não sei se tenho força, agora não penso nisso. Já treinamos coreografias, mas é muito difícil, é muita força. As meninas que competem fazem tudo no alto, então a força fica duas ou três vezes maior, finaliza.

12 TAIS SILVA Pode parecer coisa de ficção, mas muitas mulheres acabam na mira de relacionamentos infelizes, ao se envolverem com parceiros que levam uma vida perigosa. O assunto já virou tema de minisséries, filmes e outros produtos culturais. As mocinhas que se apaixonam por bandidos estão cada vez mais ganhando as telas e garantindo a audiência, mas esse dilema não é apenas coisa de novela e nem sempre tem um final feliz. Tatiana (o nome é fictício, mas a história é verdadeira) já viveu as consequências de um relacionamento desse gênero. Eles se conheceram em uma festa, por meio de amigos em comum. Segundo ela, o rapaz parecia ser um homem romântico, culto e de posses. Quando começaram a se envolver ela descobriu quem realmente se tratava. Ele começou a ficar agressivo, sem motivos aparentes. Bebia muito. Eu imaginava que também se drogava. O pior não era isso: eu descobri que, além de tudo, ele se envolvia com tráfico e lavagem de dinheiro. Foi aí que entendi porque ele sempre estava com a carteira cheia de dinheiro. Tatiana conta que diversas vezes ele chegou a agredi-la, tanto verbalmente quanto fisicamente, mas ela tinha vergonha de contar para a própria família sobre a situação. O medo também foi o que fez com que continuasse sustentando essa relação. Eu contava para poucas pessoas o que acontecia. Ele quebrava minhas coisas, dirigia em alta velocidade e não sei como não nos matou. No fundo eu tinha esperança que ele mudasse, pois apesar de tudo gostava dele. Mas confesso que o medo é o que fez com que eu resistisse por mais tempo a tudo. Segundo a mãe de Tatiana, o rapaz nunca chegou a frequentar a casa da família. Quando soube de tudo, ficou agoniada pela filha. Eu temia que ele matasse ela. Não dormia enquanto não chegava, e fazia questão de buscá-la na faculdade e ligar diversas vezes para me certificar de que realmente estava bem. Foi um pesadelo. O pesadelo só acabou por que Tatiana se formou pouco tempo depois e resolveu se mudar para o Rio de Janeiro. Mesmo assim, o medo de que ele fosse atrás ainda lhe preocupou por algum tempo. Felizmente isso não aconteceu e ela está feliz e cheia de planos ao lado do novo namorado. Eu consegui sair daquela relação, graças a Deus. Percebi a loucura na qual eu havia me metido. Meu atual namorado é uma pessoa de bem. Agora sinto que realmente estou no caminho certo. Não vale a pena insistir no que só faz mal. Mesmo após mudar de Estado, ela ainda toma precauções sempre que vem visitar os familiares em Caxias do Sul. Deslumbrada pelo perigo Mas e quando a atração nasce e a mulher já conhece os antecedentes do homem pelo qual está apaixonada? É o caso da Roberta (nome fictício). Ela conheceu o namorado através de uma página policial. Era 2006 quando Roberta folheava o jornal e viu a foto de um estuprador que havia sido preso e cumpriria pena também por mais dois assassinatos. Foi paixão à primeira vista. Ela ficou encantada pela beleza do rapaz e decidiu visitá-lo na penitenciária. A jovem, com 23 anos na época, se declarou para o rapaz e começaram a se corresponder por cartas. Sempre que tinha tempo ela ia lhe visitava, inicicalmente, como amiga, e com o tempo as visitas se tornaram íntimas. Foi quando o casal começou a namorar. Ele era encantador. Não combinava em nada com o que diziam dele nos jornais, sempre me tratou muito bem, inclusive se arrependeu de tudo que fez e mudou de vida, minhas orações deram certo. Roberta relata que foi muito difícil enfrentar a sociedade e que foi recriminada por ter escolhido amar um preso. As pessoas me condenavam, me achavam louca, mas o que elas não entendem é que o amor supera qualquer barreira e que as pessoas podem sim mudar quando realmente encontram um amor de verdade. Eu tive que passar por cima de muitas barreiras para ficar com ele, mas não dei ouvidos às más línguas, o que importava era o que sentíamos um pelo outro. Apesar de passar por cima do preconceito, a relação do casal terminou dois anos depois quando a moça teve de mudar de cidade para cuidar do pai que estava doente. A distância começou a pesar demais e decidi por um ponto final no nosso namoro. Ainda assim não me esqueço dele. Acho que foi um dos homens que mais amei na vida. Quanto a ele, Roberta conta que a última notícia que teve é que ele está quase cumprindo a pena e deve deixar o presídio em breve, mas que mesmo em liberdade não pensa em revê- -lo. É uma página virada em minha vida. Foi importante mas passou. Vínculo que dura para sempre Nem sempre é possível quebrar o vínculo com uma relação, muitas vezes por conta dos filhos que acabam unindo para sempre o casal. A vendedora Andreia (nome fictício), 27 anos, é um exemplo disso. Ela conheceu o primeiro namorado durante um show em Caxias do Sul. O romance engatou rapidamente e quando viu já estavam namorando. Ela observava que ele tinha algumas atitudes estranhas, mas o que não imaginava é que se tratava de um ladrão e que seria pego pela polícia. Andreia ficou grávida e sozinha. Tem passado uma vida difícil para criar a filha que hoje tem 5 anos de idade. Sempre que posso vou vê-lo no presídio e recebo uma ajuda para as despesas, que nem sempre é suficiente, por isso trabalho em dois empregos. Ela diz que não teve coragem de abandonar o companheiro mesmo sabendo o que ele cometeu: Eu não defendo. Sei que cometeu um crime e tem que pagar por isso, mas ainda assim gosto dele, é o pai de minha filha e lhe devo fidelidade. A mulher também evita eventos sociais e se dedica exclusivamente à casa. Eu acho chato eu ir para uma festa sozinha. Sei que ele tem amigos aqui fora que podem contar e eu acho que ele certamente não iria gostar. As aparências enganam Marília (nome fictício), universitária, 23 anos, também viveu há pouco mais de um ano, um intenso amor bandido. O casal se conheceu em uma balada sertaneja de Caxias do Sul e começaram a sair. Segundo a moça, ele era perfeito, se vestia bem, era simpático e doce. Ele me comprava chocolate, me levava para passear no parque e me mostrava as casinhas de João de Barro. Um dia o rapaz ligou dizendo que iria caçar com o pai e sumiu por alguns dias. Em um dos encontros que tiveram ela viu algumas armas no carro, mas não deu importância. Ele fazia questão de me deixar em casa, dizia que poderia ser perigoso e por isso também andava armado. Quando completou um mês que estavam juntos, ele sumiu novamente, desta vez sem voltar a dar notícias. Mais tarde ela abriu o jornal e ficou surpresa ao ver a foto do amado estampada em uma página policial acusado de nove crimes, como assalto à mão armada em residências. Meu mundo caiu. Tenho ótimas lembranças dele, mas sei que não presta é um marginal que assaltou pais de família e não sou cega para não reconhecer que o lugar dele é na cadeia. Quando soube, a estudante entendeu porque o namorado sempre tinha dinheiro e o motivo dos sumissos sem explicação. Os dias que ele sumiu foram justamente os que assaltava. Num deles, inclusive, ele me ligou contente dizendo que havia conseguido algo que queria muito. Claro que não me contou o que era. Para comemorar sugeriu que fóssemos jantar.

13 RAQUEL FRONZA MARCELI DUTRA DA SILVA O Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves RS, localizado na Serra Gaúcha, é o cenário perfeito para passear e admirar belas paisagens. Por isso, foi pensado na criação de uma ciclovia para atender o sonho de tantos moradores da cidade. A via Também proporcionará mais uma atividade aos visitantes, já que a região é beneficiada pelo turismo, devido às grandes vinícolas presentes no trajeto. O início das obras para criação da ciclovia ainda não tem data marcada, já que o projeto não foi aprovado no orçamento do governador do Estado, Tarso Genro. Sendo assim, a Aprovale (Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos), com o intuito de que os governos estaduais e federais tirem o projeto do papel, criou um abaixo-assinado com o objetivo de recolher 400 mil assinaturas. O projeto inclui 8,25 km de ciclovia para que as pessoas possam pedalar com segurança em um ambiente propício para esse tipo de atividade. A construção deve começar no entroncamento com a RSC- 470 e seguir em direção à cidade de Monte Belo do Sul, finalizando na Vinícola Cave de Pedra. No sentido, a pista ficaria na direita e com um canteiro de 0,5 metro de largura entre a ciclovia e a pista de carros. A obra já entrou em licitação duas vezes: em maio de 2010, sendo anulada em outubro do mesmo ano e, depois, em dezembro de 2010, desta vez, tendo uma empresa vencedora. O valor estimado ficaria em R$ 5,4 milhões. Segundo o Daer Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem o assunto proposto está em análise na Diretoria de Infraestrutura Rodoviária. Segundo Juarez Valduga, presidente da Aprovale, as diretorias da associação mudam, mas as reivindicações e os sonhos continuam os mesmos. O pedido da ciclovia foi um dos primeiros pensado pela associação, há 17 anos, e aprovado também por todos que fazem parte do Vale, produtores, agricultores, hoteleiros e proprietários de restaurantes. A ciclovia poderia funcionar não só para os ciclistas como também para aqueles que desejam ter um local para caminhadas, importante aliado do bem estar e saúde humana. Faz parte do projeto, os hotéis disponibilizarem bicicletas para os turistas passearem pelo Vale e depois devolverem no mesmo local. Quem for a favor da obra da ciclovia também podem participar do abaixo-assinado. Para mais informações, acesse: Vinhedos O Vale abrange áreas dos municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul Bento Gonçalves: 60% Garibaldi: 33% Monte Belo do Sul: 7% Altitude média: 742 metros Perfil territorial Área total: 81,123 km² Área com vinhedos: 26% Área com florestas: 43% Área para plantio: 31%

14 VITÓRIA LOVAT A droga consumida pelas classes média e alta financia o mercado clandestino dos narcóticos Fumar um baseado ou cheirar uma carreira, há muito tempo são práticas que deixaram as favelas e também estão presentes no cotidiano da classe média e alta. Esta classe, que Artur, como vamos o chamar, conhece bem, ele trafica maconha de Porto Alegre para Farroupilha e conta como é a realidade dos adolescentes e adultos consumidores da droga. A grande maioria das pessoas para quem eu vendo trabalha e sustenta seu vício. Alguns adolescentes fumam apenas para aparecer, mas estes têm pais que os sustentam e financiam a droga sem ter o conhecimento. A faixa etária da galera que compra é bem variada, de 13 a 50 anos, então há todos os tipos de consumidores, relata Artur. O rapaz não é um traficante que lida com crimes ou que é foragido da Polícia, ele trabalha, estuda e leva um vida normal, mas também busca maconha em Porto Alegre para vender na cidade apenas sob encomenda. Artur conta que é apenas maconha que ele traz para a serra gaúcha e não drogas mais pesadas. Na favela o que predomina é crack e cocaína, aqui não. Os usuários da classe média normalmente têm preconceito com essas drogas, mesmo que sejam semelhantes e com o mesmo processo químico. O que ocorre com alguns usuários de maconha é a opção por drogas sintéticas como Ecstasy e LSD, destaca. Artur lembra que a demanda é sempre maior do que a oferta, principalmente porque os compradores sabem que o produto que vai chegar é de qualidade. Ele não se considera traficante, mas um terceiro, aquele que compra do traficante e vende para os usuários diretos, pois é difícil que cada usuário vá até a boca, que é o local da venda, para efetuar a compra. Os terceiros normalmente são usuários comuns, apenas se disponibilizam para buscar e distribuir, porém alguns traficantes vivem desse mercado e estão neste meio para ganhar dinheiro, são capazes de comprar qualquer briga com um possível concorrente ou um usuário que seja um mau pagador, relata o rapaz. Sobre a legalização da maconha no Brasil, Artur destaca que não apenas o consumo deveria ser liberado, mas também o cultivo da planta. Acredito que uma empresa já possui a patente de uma marca de maconha chamada Marley para comercializar os cigarros legalmente. Certamente o governo iria se beneficiar com esta medida referente à alta taxa de impostos aplicados e o valor de uma carteira de baseado seria inacessível, sendo assim não diminuiria a ilegalidade e o tráfico continuaria sem controle, explica. Porém, ele lembra que apenas algumas pessoas estariam preparadas para a mudança, como quem fuma com consciência, paga o seu baseado e não parte para as drogas mais pesadas, mas a cultura italiana, como temos aqui na região e as famílias conservadoras não saberiam como lidar com a inserção da maconha livre na sociedade. A legalização da maconha não é uma discussão recente e a sua tomada movimentaria muitos mercados e acarretaria mudanças no Brasil. O promotor de justiça Henry Wagner Vasconcelos defende que a legalização não pode acontecer pois o Brasil correria o risco de ficar sob o domínio dos traficantes, que então, seriam grandes empresários. Quem quer a liberação da maconha é o intelectual ou o universitário, pessoas da classe média, afirmou o promotor. Vasconcelos disse ainda que o Brasil é um Estado falido e a liberação seria o primeiro passo para que a total falência se concretizasse. A maconha, uma planta extraída da natureza, é utilizada como narcótico após passar por processos de secagem e se tornar uma pasta que é usada por meio do fumo e de ingestão. A planta se popularizou no Nordeste do Brasil nos anos 50, quando era consumida pela parcela pobre da população, negros, índios e mestiços. Foi a partir dos anos 60 que ela passou a ser consumida também pela classe média e como uma forma de protesto à situação política, assim a comercialização ficou popular. Conforme André Barros, advogado da Marcha da Maconha no Brasil, até os anos 80, a maconha era a única droga vendida nas bocas de fumo, mas logo se conheceria também a cocaína, heroína e o LSD. Foi com a chegada das novas drogas que a maconha saiu das bocas de fumo e passou a ser vendida nos portões de escolas e universidades. De acordo com um levantamento realizado pelo Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo e pelo Centro Brasileiro de informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) em mais de 100 cidades a maconha é a terceira droga mais consumida, ficando atrás apenas do álcool e do tabaco. A colocação é justificada devido a ilegalidade da venda do produto. Dos entorpecentes ilícitos e ilegais ela é a mais consumida e a mais presente entre os adolescentes de 12 a 18 anos. A diretora do Centro de Referência em Álcool, Tabaco e Outras Drogas (CRATOD) defende que o uso ainda no início da adolescência traz danos maiores do que para um adulto por afetar o desenvolvimento do cérebro e por ter mais facilidade de causar dependência.

15 Apesar das roupas sujas, resultado de um dia de trabalho, o sorriso era contínuo e simpático. O olhar combinava com o sorriso e transparecia sinceridade. O semblante brando ia além da barba por fazer e das reclamações de cansaço dentro do ônibus lotado das 18 horas. No trajeto de Bento a Farroupilha, Marco Antônio, como vamos chamá-lo, escolheu por espontânea vontade relatar a sua história. Talvez pela sensação de solidão, a qual citou algumas vezes possuir. Marco Antônio é pai de duas crianças e as educa sem auxílio da esposa, que é viciada em crack. Os filhos têm seis e quatro anos e, segundo Eu ia pra Porto Alegre aproximadamente duas vezes por semana, trazia maconha, cocaína e crack. Vendia tudo no mesmo dia. Às vezes eu conseguia vir pra serra bem carregado, aí começava em Garibaldi e Carlos Barbosa, passava por Bento Gonçalves, Farroupilha, Caxias Flores da Cunha e até São Marcos. Aqui sempre vendia bem, lembra o ex traficante. Ele conta que foi nesse meio que conheceu a esposa e que passaram a viver juntos, em Farroupilha. Marco era reconhecido pela Polícia Civil de toda a Região por um apelido curto, quatro letras, mas suficiente para saber que se tratava de tráfico. Eu só vendia, nunca tive intenções de roubar, matar o pai, são as almas mais doces as quais ele já conheceu, e não se cansa de repetir que mudaram a sua vida. E mudaram mesmo. Marco já foi um dos principais traficantes de drogas da Serra Gaúcha. Foi preso duas vezes e tem diversas passagens pela polícia de todo o Rio Grande do Sul, porém mudou de vida a partir do momento que se tornou pai. ou cometer qualquer dessas alucinações. Vender drogas me dava dinheiro, bastante dinheiro. Até já andei armado algumas vezes, mas por segurança, quando estava em Porto Alegre ou na Região Metropolitana. Sinceramente, eu mal sabia disparar aquilo. Nunca matei nem um animal, imagina uma pessoa, relata Marco. Ele afirma que a venda era realizada para traficantes menores, nos bairros das cidades que repassavam a droga para os usuários. A cada frase dita, Marco lembrava dos filhos, contava que a menina tinha olhos azuis, iguais aos dele, e que a janta daquela noite seria macarrão instantâneo e, para a sobremesa, ele havia comprado mamão, fruta preferida da filha. O homem que antes vivia clandestinamente e fugindo dos olhos da polícia, hoje voltava de mais um dia de trabalho e falava com orgulho sobre a sua mudança de vida. Quando minha mulher pariu, eu olhei para aquele bebezinho e soube que dali em diante eu viveria para ele, lembra. Marco conta que, dois anos depois, o casal ainda vivia junto, porém ela não trabalhava e continuava a se drogar, o que impedia que ela cuidasse bem das crianças. Peguei meus filhos, coloquei embaixo do braço e fui embora. Se ela não soube ser mãe, eu seria pai. Nessa época eu trabalhava e o pouco que ganhava era suficiente para deixá-los alimentados e bem cuidados. Eu não usava mais pó, mais nada, na verdade, não dava tempo, quando eu não estava trabalhando, estava dando banho nas crianças, comida e brincando, resgata. O homem conta que hoje as crianças estão saudáveis, passam o dia na escolinha e visitam a mãe a cada 15 dias. Minhas crianças sabem que eu não posso oferecer luxo, mas eu faço questão de ensinar que o amor do pai é maior do que dinheiro. Eles entendem. No mês passado, aniversário do menino mais novo, eu tinha apenas 20 reais. Comprei uma pizza no mercado, um refrigerante e algumas frutas. Cantamos parabéns e, antes de dormir, ele me deu um abraço e disse que tinha sido o melhor aniversário da vida dele. Admito que chorei, relata. O ex-traficante é mais um dos tantos que vivem clandestinamente trabalhando no mercado ilegal e sendo financiado pelos consumidores. As imagens são ilustrativas e produzidas pelos alunos. Os nomes dos entrevistados preservados.

16 VAGNER BARRETO Caxias do Sul passa por um boom imobiliário. É uma cidade que cresce. Para os lados. Para cima. Prédios antigos caem para que novos cresçam, quase que da noite para o dia, ainda maiores que aqueles que sepultam. O fenômeno é visível, qualquer um que fizer um passeio pelo seu bairro, seja ele qual for, perceberá que pelo menos uma obra está em andamento. Incorporadoras, arquitetos, engenheiros civis, empreiteiras, designers de móveis, vivem seu momento de glória. Flyers, maquetes e outdoors mostram lugares espaçosos, arborizados, iluminados, com pessoas felizes passeando com os filhos e cachorros, que, teoricamente, morarão em apartamentos tão pequenos onde não caberão todos. Sorte dos cachorros que ocupam menos espaços que crianças. Casas antigas, que por décadas abrigaram famílias inteiras, de repente dão espaço para prédios com nomes suntuosos e distantes da realidade, como: Via Láctea, Antoine de Saint-Exupéry ou Cambridge. É o progresso que por meio de seu amigo, o capital, mobiliza fluxos e movimentos, nem sempre positivos. Certo dia, em um hotel, ouvi o gerente reclamar que a tentativa de comprar algumas casas vizinhas não havia tido sucesso, a recusa de duas senhoras que ocupam aquele lugar por elas chamado de lar há mais meio século foram mais fortes que qualquer proposta financeira. As casas e as senhoras permanecem lá, altivas e de pé, o projeto do hotel foi alterado, deixando a obra em formato de U, obrigados a abraçar àquelas casas que queriam demolir. Vivemos um processo de verticalização da cidade onde a altura dos prédios parece ser fator importante para sua propaganda. Andares e mais andares, que afastam da rua, das pessoas, dos sons. Não à toa Caxias ostentou por muitos anos o maior prédio do Rio Grande do Sul. Na prática, morar neste prédio deve ser algo bem ruim: somos uma cidade fria e coberta de névoa boa parte do ano, os moradores dos andares mais altos devem se lembrar do sol de maneira difusa e distante ao longo do inverno. Interessante perceber que muitas dessas novas construções têm apartamentos com apenas um quarto, quando não são todas quitinetes. São as construtoras que estão determinando a nossa forma de nos relacionar, nos isolando em pequenas caixas de sapatos, cada vez mais apertadas? Ou são eles visionários que constataram antes de qualquer sociólogo que a solidão é o nosso futuro? FOTOS: VAGNER BARRETO

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Como conversar com possíveis iniciadas

Como conversar com possíveis iniciadas Como conversar com possíveis iniciadas Convidar outras mulheres a tornarem-se consultoras é uma atividade chave para quem quer tornar-se diretora. Aprenda como fazer a entrevista de iniciação, ou seja:

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Ainda existe preconceito, mas as ferramentas do século 21 estão disponíveis também para os cristãos buscarem relacionamentos.

Ainda existe preconceito, mas as ferramentas do século 21 estão disponíveis também para os cristãos buscarem relacionamentos. Ainda existe preconceito, mas as ferramentas do século 21 estão disponíveis também para os cristãos buscarem relacionamentos. Se você pensava que o namoro entre dois cristãos poderia acontecer somente

Leia mais

Segunda-feira, 22 de abril de 2013

Segunda-feira, 22 de abril de 2013 Segunda-feira, 22 de abril de 2013 22/04/2013 07h00 - Atualizado em 22/04/2013 07h00 Empresários dão dicas de como empreender após a aposentadoria Professora aposentada montou empresa de reforma de calçadas.

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso TEXTO 1 Leia o texto abaixo e nas alternativas de múltipla escolha, assinale a opção correta. INTERCÂMBIO BOA VIAGEM 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Cursos de intercâmbio são uma

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Restaurante Top 5 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Mensagem do Restaurante Olá, Sabemos que é momento de comemorar. E se não fosse uma data ou momento especial,

Leia mais

NÚMEROS DISQUE DEFESA HOMOSSEXUAL DDH

NÚMEROS DISQUE DEFESA HOMOSSEXUAL DDH 1 ANO EM NÚMEROS DISQUE DEFESA HOMOSSEXUAL DDH DISQUE DEFESA HOMOSSEXUAL RELATÓRIO 1 ANO Em 1 ano de funcionamento (1 de julho de 1999 a 28 de junho de 2000), foram atendidos 382 casos pelos voluntários

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR É o sonho de consumo de qualquer pessoa ter uma máquina dessa, inclusive o meu. Com o equipamento vou poder ajudar as pessoas a terem o sorriso como o meu e a praticidade também. O que você achou de ser

Leia mais

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD Flavia Mariano Equilíbrio a vida não faz acordos 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2011 Edição e revisão KBR Editoração APED Capa KBR Imagem da capa fotomontagem sobre arquivo Google Copyright 2011 Flavia Mariano

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET INTRODUÇÃO Olá pessoal! Antes de começar a análise dos dados queria agradecer a participação de todos que responderam a pesquisa desse ano do projeto Este Jovem Brasileiro.

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. Palestrante DANY PADILLA. Especialista em Motivação, Comportamento e Imagem Pessoal

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. Palestrante DANY PADILLA. Especialista em Motivação, Comportamento e Imagem Pessoal APRESENTAÇÃO COMERCIAL Palestrante DANY PADILLA Especialista em Motivação, Comportamento e Imagem Pessoal Quem é Dany Padilla Palestrante motivacional de comportamento e imagem, tendo realizado palestras

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa?

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa? Antigamente, quando não tinha rádio a gente se reunia com os pais e irmãos ao redor do Oratório para rezar o terço, isso era feito todas as noites. Eu gostaria que agora a gente faça isso com os filhos,

Leia mais

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas.

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Caro(a) participante: Esta é uma pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade.

Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade. Sou Patrícia Arantes, diretora da agência RZT Comunicação e psicanalista. Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade. A comunicação eficaz se dá por uma

Leia mais

consulta participativa de opinião

consulta participativa de opinião consulta participativa de opinião Interesses e perspectivas dos jovens da Brasilândia, Cachoeirinha e Freguesia do Ó CONSULTA PARTICIPATIVA DE OPINIÃO: INTERESSES E PERSPECTIVAS DOS JOVENS DA BRASILÂNDIA,

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

E-book Internet Marketing que Funciona Página 1

E-book Internet Marketing que Funciona Página 1 E-book Internet Marketing que Funciona Página 1 Produção Este E-book é Produzido por: Sérgio Ferreira, administrador do blog: www.trabalhandoonline.net Visite o site e conheça várias outras Dicas GRÁTIS

Leia mais

Ong contribui para qualificação de jovens

Ong contribui para qualificação de jovens Ong contribui para qualificação de jovens O Instituto de Pesquisa e Tecnologia Gerencial Aplicada IPGA tem proporcionado para jovens, desde 2005, oportunidades de qualificação profissional e, consequentemente,

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária.

Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária. POR ONDE COMEÇAR??? 1. Comece o quanto antes! Logo que receber seu kit Mary Kay, experimente todos os produtos, pratique em você mesma. Inclua tudo na sua rotina diária. Vai ganhar confiança, aprender

Leia mais

AMOR ESTRANGEIRO Qualquer casamento está sujeito a problemas, mas o choque cultural da união com um estrangeiro pode ser um agravante intransponível

AMOR ESTRANGEIRO Qualquer casamento está sujeito a problemas, mas o choque cultural da união com um estrangeiro pode ser um agravante intransponível AMOR ESTRANGEIRO Qualquer casamento está sujeito a problemas, mas o choque cultural da união com um estrangeiro pode ser um agravante intransponível POR CARLOS DIAS E DAYANNE MIKEVIS FOTOS: DÁRCIO TUTAK

Leia mais

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança

Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br. Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Segurança no dia-a-dia Vol. X Manual de Segurança Apresentação N ão há estratégias ou sistemas de segurança intransponíveis. Isso é o que dizem todos os especialistas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Projeto de Assessoria ao Estúdio Ale Kalaf 1

Projeto de Assessoria ao Estúdio Ale Kalaf 1 Projeto de Assessoria ao Estúdio Ale Kalaf 1 Daniela GUALASSI 2 Ana Lúcia TIBALDI 3 Jéssica Tamyres dos SANTOS 4 Patrícia PAIXÃO 5 Faculdade do povo, São Paulo, SP RESUMO Este paper discorre sobre a criação

Leia mais

Introdução. Pra quem é esse ebook?

Introdução. Pra quem é esse ebook? Introdução Se você está lendo esse ebook é porque já conhece o potencial de resultados que o marketing digital e o delivery online podem trazer para a sua pizzaria. Bem como também deve saber que em pouco

Leia mais

ROTEIRO- Hoje é festa de São João

ROTEIRO- Hoje é festa de São João ROTEIRO- Hoje é festa de São João INT. CASA DE MARIA - QUARTO - NOITE A cidade de Campina Grande estar em festa, é noite de São João. Da janela do quarto, MARIA uma mulher sonhadora, humilde, recém-chegada

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

Barulho silencioso. Como jovens surdos lidam com uma sociedade em que a voz é um dos principais instrumentos de comunicação

Barulho silencioso. Como jovens surdos lidam com uma sociedade em que a voz é um dos principais instrumentos de comunicação Barulho silencioso Como jovens surdos lidam com uma sociedade em que a voz é um dos principais instrumentos de comunicação Carolina Barbosa e RR Sérgio e Alan conversam em libras no ponto de ônibus em

Leia mais

P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O

P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O L i s t a c o m p l e t a d o s p r e m i a d o s c o n t e m p l a d o s F O R M A N D O S D A S T U R M A S D E 2 0 1 3 / 2 ALINE AUXILIADORA

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes. Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu. Programa do IER treina condutores dos parques

Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes. Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu. Programa do IER treina condutores dos parques Ano 1 Nº 3 Informativo Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes Pág. 02 Novo portal do Instituto Estrada Real é lançado Pág. 03 Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu Pág. 05 Programa

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE

MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE MELHORES PRÁTICAS PARA FAZER UMA TRANSMISSÃO ONLINE 2 SUMÁRIO»» Introdução... 4»» O que preciso para transmitir?... 7»» Como fazer...12»» Dicas (muito)

Leia mais

Dicas. do professor. Eliseu Gabriel. Como estudar? Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano

Dicas. do professor. Eliseu Gabriel. Como estudar? Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano Incentivar a leitura e o estudo é um ato de amor e respeito ao ser humano Eliseu Gabriel O vereador e professor Eliseu Gabriel conseguiu aprovar uma Lei para ajudar a despertar o gosto pelo estudo e a

Leia mais

MAS ESSE ANO MEU BEM, TÁ COMBINADO, NÓS VAMOS BRINCAR SEPARADOS COMO SE COMPORTAM OS CASAIS CARIOCAS NO CARNAVAL

MAS ESSE ANO MEU BEM, TÁ COMBINADO, NÓS VAMOS BRINCAR SEPARADOS COMO SE COMPORTAM OS CASAIS CARIOCAS NO CARNAVAL MAS ESSE ANO MEU BEM, TÁ COMBINADO, NÓS VAMOS BRINCAR SEPARADOS COMO SE COMPORTAM OS CASAIS CARIOCAS NO CARNAVAL ENQUETE MAS ESSE ANO MEU BEM, TÁ COMBINADO, NÓS VAMOS BRINCAR SEPARADOS COMO SE COMPORTAM

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da 19º Plano de Aula 1-Citação as Semana: Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. 2-Meditação da Semana: Ajudar o próximo 5 47 3-História da Semana: Uma lição a aprender 4-Música da Semana:

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução Esta segunda sequência respeita a estrutura da sequência do Eben que analisamos.o template é adequado aos profissionais que podem (e querem) trabalhar com os três mosqueteiros, ou seja, apresentar uma

Leia mais