ESTUDO DA GEOMETRIA DE IMAGENS OBTIDAS POR VANT EM FAIXA DE DUTO, A PARTIR DE PONTOS DE APOIO GPS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA GEOMETRIA DE IMAGENS OBTIDAS POR VANT EM FAIXA DE DUTO, A PARTIR DE PONTOS DE APOIO GPS"

Transcrição

1 ESTUDO DA GEOMETRIA DE IMAGENS OBTIDAS POR VANT EM FAIXA DE DUTO, A PARTIR DE PONTOS DE APOIO GPS Angélica Nogueira de Souza Tedesco 1 Isabela Ramos Baptista Acco 2 Joseline Correa Souza 3 1 Instituto Federal do Espírito Santo Coordenadoria de Geomática Curso Técnico em Geoprocessamento 2 Instituto Federal do Espírito Santo Coordenadoria de Geomática Curso Técnico em Geoprocessamento 3 Instituto Federal do Espírito Santo Coordenadoria de Geomática Curso Técnico em Geoprocessamento Este projeto de pesquisa é parte integrante do Programa Petrobras de Desenvolvimento de Recursos Humanos (PFRH), em parceria com o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), iniciado em O estudo em desenvolvimento tem como objetivo investigar a qualidade geométrica das imagens aéreas obtidas por veículo aéreo não tripulado (Vant) a partir da pré-sinalização do voo, executada com pontos de controle medidos por GPS (Global Positioning System), ou seja, avaliar a capacidade de representar fielmente as posições e as dimensões dos objetos imageados, considerando os pontos de apoio de campo e as peculiaridades da plataforma de voo. A justificativa para realização deste projeto está alicerçada na crescente popularização dos Vants para a aquisição de imagens aéreas e na carência de estudos técnicos voltados para a utilização dessas imagens na geração de produtos cartográficos. Esse projeto é realizado de forma complementar a outro projeto do PFRH, que visa à aquisição de imagens aéreas tridimensionais, configurando um conjunto de iniciativas voltadas para a compreensão das limitações e potencialidades do uso de imagens de Vant em faixas de dutos de petróleo e gás. A metodologia empregada consistiu em: planejamento das atividades de campo; testes de voo com equipamentos e softwares; confecção dos alvos de sinalização; preparação das atividades de campo; coleta de dados (Pré-sinalização e medição dos pontos de controle); processamento dos dados; análises dos resultados; discussões entre os grupos. Na etapa de preparação do experimento foram confeccionados alvos com diferentes dimensões, formatos e materiais para pré-sinalização dos voos testes realizados pelo Hexacóptero S800 EVO, equipado com câmara Sony Nex 7 calibrada em laboratório. Assim, foram realizados voos testes sobre o Campus do Ifes de Vitória em alturas de 25 e 50 metros, com as marcas de pré-sinalização devidamente instaladas em pontos de coordenadas geográficas conhecidas e/ou determinados por GPS. Após os testes foi feita revisão dos parâmetros do projeto e seleção dos alvos construídos que apresentaram melhor identificação, permitindo realizar os ajustes metodológicos necessários para a etapa seguinte de execução do experimento. Planejou-se para a etapa de coleta dos dados no trecho de 1 km de duto a ser fotografado, a quantidade e a distribuição dos pontos pré-sinalizados e às dimensões dos alvos de sinalização. Também foram definidos os equipamentos e métodos a serem empregados no levantamento de campo. Na realização das atividades de campo foram previstas tanto a pré-sinalização do voo, quanto à medição dos pontos de apoio, com GPS, que servirão de controle para as imagens aéreas adquiridas pelo Vant. A présinalização do voo consistirá na disposição dos alvos nos locais planejados e deverá ser executada antes do voo, visando tornar visíveis os alvos nas imagens aéreas. O levantamento dos pontos de apoio constará da medição destes pontos utilizando o método estático rápido em campo e posterior processamento da fase e ajustamento dos dados em escritório. O estudo encontra-se na etapa processamento e análise dos resultados que consistirá em aferir as informações dos pontos de apoio visíveis nas imagens, e realizar análise comparativa das posições e dimensões dos objetos obtidos a partir das imagens e em campo. A avaliação da geometria das imagens adquiridas pelo voo pré-sinalizado, visa verificar o grau de aderência entre essas informações e identificar aspectos metodológicos que possibilitem a melhoria da 1

2 localização dos objetos imageados e a representação de suas dimensões na elaboração de bases de dados espaciais. Palavras chaves: Fotogrametria, GPS, Vant, Geometria, Imagens Digitais. ABSTRACT This research project is part of Petrobras Programme Human Resources Development (PFRH), in partnership with the Instituto Federal do Espírito Santo (IFES), started in Study The development is to investigate the geometric quality of aerial images obtained by Unmanned Aerial Vehicle (UAV) to pre flight signage, performed with control points measured by GPS (Global Positioning System), ie to evaluate the ability to represent faithfully, the positions and dimensions of imaged objects, considering the support points of the field and the peculiarities of the flight deck. The rationale for undertaking this project is based on the growing popularity of the UAV to acquire aerial images and the lack of technical studies on the use of these images in the generation of cartographic products. This project is carried out in order to complement other design PFRH, which aims to acquire three-dimensional aerial images, configuring a set of initiatives aimed at understanding the limitations and possibilities of using pictures UAV on oil pipelines and gas ranges. The methodology consisted of: planning of field activities; flight tests on equipment and software; manufacture of signaling targets; preparation of field activities; data collection (Pre-signaling and measurement of control points); data processing; analysis of results; discussions between the groups. In the preparation stage of the experiment targets were made with different sizes, shapes and materials for pre-flight testing of signaling by EVO S800 Hexacopter, equipped with camera Sony Nex 7 calibrated in the laboratory. Thus, flight tests on the Campus of the IFES at heights of 25 and 50 meters, with brands of pre-made signs were properly installed at points of known and / or geographic coordinates determined by GPS. After testing review the parameters of the design and selection of targets built was taken that showed better identification, allowing make adjustments methodological needed for the next step - execution of the experiment. For the data collection the segment of 1 km pipeline's to be photographed it was planned the amount and distribution of pre-signaled points and dimensions of targets. Equipment and methods to be employed in the field survey were also defined. In conducting field activities were planned at pre-cue flight, as the measurement of support points with GPS, which will serve as a control for the aerial images acquired by UAV. The pre-cue flight will consist of the provision of the targets in the planned sites and be performed before flight, in order to make visible targets in aerial images. The survey will consist of the support points of measurement of these points using the static method in the field and fast post processing phase and adjustment data in the office. The study is in step processing and analysis of the results that will be to assess the information of support points visible in the images, and perform comparative analysis of the positions and dimensions of objects obtained from the images and in the field. The assessment of the geometry of the images acquired by the pre-flight signaled, aims to determine the degree of adhesion between this information and identify methodological aspects that allow the improvement of the location of the imaged objects and the representation of its dimensions in the development of spatial databases. Keywords: Photogrammetry, GPS, UAV, Geometry, Digital Images. 1. INTRODUÇÃO Atualmente a fotogrametria é definida como ciência e tecnologia que tem como objetivo principal reconstruir o espaço tridimensional a partir de imagens bidimensionais, adquiridas através de sensores remotos advindas da gravação de padrões de ondas eletromagnéticas, sem contato físico direto entre o sensor e o objeto ou alvo de interesse (COELHO e BRITO, 2007). A fotogrametria permite a elaboração de variados produtos cartográficos como Modelo Digital de Terreno (MDT), ortoimagem e mapa. Essa ciência apresentou grande avanço, especialmente a partir da década de 90, pois agregou ao seu desenvolvimento as inovações tecnológicas, dentre elas os novos sensores (câmeras digitais multiespectrais) de alta resolução espacial, a utilização de GPS (Global Positioning System) e os softwares mais eficazes e dinâmicos (TOMMASELLI, 2001). A Petrobras inovou com a realização do primeiro voo de dirigível sobre uma obra de dutos de gás, sendo que daí por diante utilizou este modelo de Vant para monitoramento constantemente (PETROBRAS, 2011). Atualmente os Vant são utilizados em diversas empresas para suas atividades. Modelos de Vant com hélices (Micrópteros) oferecem diversas vantagens em relação ao dirigível, por ser de pequeno porte, mais ágil, menor custo e de grande desempenho tanto em ambientes urbanos quanto rurais. O uso dessa tecnologia é muito útil, pois proporciona a aquisição de fotografias aéreas para apoiar atividades de pesquisa e monitoramento ambiental, busca e salvamento, agricultura de precisão, monitoramento de acidentes e desastres, gerenciamento de risco, manutenção no setor de petróleo e gás, acompanhamento de obras de engenharia, 2

3 publicidade aérea, e também na atualização de base de dados espaciais para SIG (Sistema de Informações Geográficas), entre outras. Essas atividades podem ser realizadas com vantagens na relação custo-benefício, pois o aerolevantamento com Vant possui uma maior portabilidade e flexibilidade em levantamentos de áreas pequenas, com tempo muito inferior ao de aeronaves tradicionais, uma maior facilidade para execução do voo e manuseio do equipamento, com programação automatizada de todo aerolevantamento. Possui outras vantagens como: realizar voo a menor altitude e obter imagens de maior resolução espacial, fazer levantamentos de locais de difícil acesso ou inatingíveis por veículos maiores e ainda gerar produtos para SIG. A maioria das atividades desenvolvidas em fotogrametria é realizada a partir da observação das fotografias aéreas em três dimensões (3D). Os principais dispositivos da fotogrametria para obter as fotografias são as plataformas e as câmaras. As plataformas podem ser aéreas, orbitais e terrestres (aeronaves, satélites, etc.). As câmaras se classificam em métricas ou não métricas. É por meio delas que se obtêm as imagens, das quais se originam os diversos produtos fotogramétricos. A imagem é um dos elementos fundamentais da fotogrametria. Há alguns anos predominava a tecnologia de obtenção de imagens por meio de filmes fotográficos, entretanto, com o surgimento e popularização dos sensores digitais, as imagens digitais passaram a dominar esse cenário. As imagens digitais apresentam muitas vantagens em relação às fotografias utilizadas no passado, uma delas é a possibilidade de manipulação dessas imagens por meio de softwares e computadores, o que garante maior agilidade e praticidade na aplicação de técnicas fotogramétricas e na geração de produtos dessa natureza. A qualidade das imagens digitais está relacionada a quatro parâmetros básicos denominados resolução. São eles: a resolução espacial, a resolução radiométrica, a resolução temporal e a resolução espectral. O projeto que está sendo desenvolvido tem o seu objetivo relacionado à resolução espacial. Segundo Coelho e Brito (2007) a resolução geométrica ou espacial pode ser definida pelo tamanho do pixel da imagem digital e está diretamente relacionada com a capacidade de enxergar objetos tão pequenos quanto se permita representar. Neste projeto pretende-se utilizar imagens digitais aéreas obtidas por Veículos Aéreos Não Tripulados (Vant). Esse tipo de plataforma aérea vem sendo largamente empregado na aquisição de imagens com fins diversos. Entretanto, existem poucos estudos direcionados a investigação da qualidade das imagens voltadas a fotogrametria. Diante desse fato propõe-se a investigação de um dos aspectos relevantes na qualidade das imagens, a geometria dos objetos representados, ou seja, a capacidade de representar fielmente a posição e as dimensões. Para isso, o procedimento metodológico consistirá em sinalizar pontos de controle de coordenadas conhecidas, determinadas por GPS, e posteriormente, em integração com outro projeto, realizar um levantamento aéreo (voo) na área previamente sinalizada, obtendo assim as imagens aéreas digitais da faixa de dutos, contemplando os pontos sinalizados e medidos no terreno. Em posse desses dados e imagens, será possível determinar as distâncias lineares entre os objetos sinalizados e a posição dos mesmos, tanto no terreno quanto na imagem aérea. Desse modo será possível verificar o grau de aderência entre essas informações e identificar aspectos da aquisição da imagem que podem ser melhorados para garantir uma maior robustez geométrica na elaboração de bases de dados espaciais, ou seja, uma maior confiabilidade nas dimensões e posicionamento dos objetos imageados. Cabe destacar que a execução do projeto conta com a parceria de empresas proprietária de Vants, que em colaboração mútua acompanharão os estudos e irão apoiar a etapa de campo. Haverá integração também do presente projeto com o projeto denominado Obtenção de imagem tridimensional (3D) por veículo aéreo não tripulado (VANT) em faixa de dutos homologado nesse PFRH. Neste contexto, o objetivo principal do presente projeto é aprofundar o estudo em fotogrametria e avaliar a geometria das imagens obtidas por Vant a partir da pré-sinalização do voo, por meio de pontos de controle de campo, medidos por GPS, tendo por fim proporcionar maior confiabilidade na localização e nas dimensões dos objetos imageados, nas áreas de faixa de dutos. 2. DESENVOLVIMENTO As etapas metodológicas necessárias param se atingir o objetivo principal do projeto serão descritas a seguir, e a sequência das mesmas pode ser identificada no esquema apresentado na figura 1. Estudo e Aprofundamento do Tema Pesquisa bibliográfica; Levantamento e Aquisição de Materiais, Equipamentos e Softwares. Preparação de Experimento Planejamento das Atividades de Campo; Testes de equipamentos; Construção dos alvos de sinalização. 3

4 Execução do Experimento Preparação das Atividades de Campo; Coleta de dados (Pré-sinalização e Medição dos Pontos de Controle - GPS) Resultados do Experimento Processamento dos dados de campo; Análises dos Resultados; Discussões entre os Grupos. Fig. 1 Fluxograma das etapas do projeto 2.1 Planejamento das Atividades de Campo O planejamento das atividades de campo contemplou o planejamento do apoio e a especificação dos equipamentos e procedimentos necessários para determinar as coordenadas geográficas dos pontos pré-sinalizados, a determinação das dimensões dos alvos utilizados na pré-sinalização, bem como da quantidade e distribuição dos pontos de controle nas áreas de voo. A execução do planejamento exige o conhecimento prévio de elementos como a altura de voo, a resolução espacial da imagem (tamanho do Pixel), a superposição entre as fotos, entre outros referentes à tomada das fotografias aéreas, que foram definidos na etapa de elaboração do plano de voo realizada pelo grupo de bolsistas do outro projeto do PFRH integrado a este projeto, conforme mencionado anteriormente. O desenvolvimento desse conjunto de ações preparatórias é de fundamental importância para o sucesso da présinalização dos pontos de apoio. Elas são voltadas para o adequado planejamento dos pontos a serem medidos por GPS, bem como, para a realização dos cálculos referentes ao dimensionamento dos alvos. Essas ações destinam-se ainda a determinar o melhor posicionamento dos alvos na área a ser voada, pois estes alvos deverão ser visíveis nas imagens aéreas adquiridas pelo Vant Especificação de equipamentos e procedimento de determinação de coordenadas O levantamento dos pontos de apoio será feito com uso de equipamento GPS de dupla frequência, modelo GX 1220 do fabricante Leica Geosystems que tem precisão Horizontal de 5mm+0.5ppm e precisão vertical 10mm+0.5ppm em pós-processamento da fase em levantamento estático, considerado adequado à finalidade da pesquisa em questão. Para a realização do voo teste a ser realizado na área esportiva do Campus Vitória (IFES) foi adotado como base o marco geodésico instalado no local cujas coordenadas são coordenadas 20 18' "S e 40 19' "W e altura ortométrica 2.553m. As observações nos demais pontos foram realizadas no centro dos alvos por um período rastreio mínimo de 5 minutos. Para o pós-processamento dos dados foi prevista a utilização do software LGO-05 da Leica Geosystems Determinação das dimensões e localização da pré-sinalização dos marcos Segundo COSTA e SILVA (2012) a pré-sinalização são marcas artificiais inseridas no terreno possíveis de serem identificadas na imagem ou fotografia aérea. O objetivo dessas marcas é proporcionar uma maior precisão das coordenadas dos pontos de apoio necessários para a realização do processo de foto triangulação convencional. De acordo com REDWEIK (2007) a construção das marcas de pré-sinalização deve considerar os seguintes aspectos: formato, dimensões, localização, cor e material. Para o projeto em questão optou-se por utilizar alvos em formato de cruz e na cor branca, uma vez que as marcas serão instaladas em terreno gramado, tanto na área de testes quanto na faixa de dutos a ser sobrevoada localizada em região rural. As dimensões dos alvos foram definidas considerando-se um parâmetro inicial denominado d, que corresponde à dimensão do diâmetro do círculo central da figura 2. Recomenda-se que essa dimensão assuma valor igual a um múltiplo ímpar da dimensão do pixel no terreno (de 3 a 5 vezes). Tais recomendações são citadas por REDWEIK (2007) e foram reproduzidas em um trabalho produzido por COSTA e SILVA (2012). Fig. 2 - Medidas aconselhadas para marcas de pré-sinalização (Fonte: REDWEIK, 2007) 4

5 Os planos de voo teste visando a calibração da câmara foram realizados considerando as alturas de 25 e 50 metros, de modo que, os tamanhos do pixel no terreno apresentam as dimensões de 0,9 e 1,7 centímetros, respectivamente. Para garantir um maior aproveitamento das marcas produzidas optou-se por avaliar as dimensões associadas ao voo de 50 metros de altura, assim, as marcas serão seguramente visualizadas no voo de 25 metros de altura. A dimensão d assume 8,7 cm, correspondentes à multiplicação do pixel por 5. Considerando-se a necessidade de carregamento e armazenamento posterior das marcas de pré-sinalização foram realizadas pequenas alterações no formato das marcas, mantendo-se a cruz proposta inicialmente, articulada e dobrável. A figura 3 apresentada a seguir mostra as adequações realizadas. 5 d Fig. 3 Representação das marca de pré-sinalização após adaptação A figura 4 apresenta um gráfico que relaciona o módulo da escala da imagem (no eixo das abcissas) e a dimensão d a ser considerada na confecção dos alvos. A escala da imagem prevista no plano de voo para altura de 50 metros apresentou módulo da escala com valor de 3125, portanto, de acordo com o gráfico apresentado a dimensão d deve apresentar valor ligeiramente superior à 0,1 m, ou seja, 10 cm. Fig. 4 - Gráfico de d em metros em função da escala da imagem (Fonte: REDWEIK, 2007) Como as referencias utilizadas apresentam valores diversos para a apropriação da dimensão d, foram elaboradas marcas de tamanhos diversos para que a escolha da melhor marca fosse realizada com base na análise das imagens obtidas no voo teste. Também foram utilizadas como alvos para implantação do campo de prova para calibração, peças cerâmicas com dimensões previamente determinadas. Da mesma forma para o plano de voo com altura de 100 metros, com escala média da foto 1: na faixa de duto, conforme gráfico d deve apresentar valor aproximado de 20 cm. As dimensões de cada parte do alvo a ser confeccionado para este voo será (d x 5d), isto é, 20cm x 100 cm. 2.3 Testes de equipamentos Nesta etapa foram promovidos testes de funcionamento em bancada dos componentes do VANT, um Hexacóptero S800 EVO equipado com sistema de controle de voo com posicionamento por GPS (A2 Flight Control System), sistema de estabilização e controle angular de câmera também conhecido como gimbal (Zenmuse Z15); e da câmara fotográfica digital utilizada na aquisição das imagens, da marca Sony, modelo Nex 7, calibrada previamente em laboratório. Um dos componentes do VANT de fundamental relevância para os objetivos deste projeto é o sistema de posicionamento por GPS utilizado na navegação. Este sistema fornece as coordenadas geográficas e a altura do VANT no momento de aquisição das imagens. A partir dessas coordenadas é possível determinar as coordenadas do ponto central de cada uma das imagens obtidas. As informações mencionadas anteriormente associadas aos dados de calibração da câmara podem ser utilizadas para determinar as coordenadas de outros pontos de interesse na imagem, considerando-se os erros e limitações deste processo. 5

6 De acordo com informações do fabricante o sistema GPS apresenta uma acurácia posicional em operação (pairando no modo GPS ATTI) de ± 1,5m na horizontal e ± 0,5m na vertical. Para verificar a procedência da acurácia horizontal informada realizou-se um teste preliminar simplificado, baseado na comparação das coordenadas obtidas pelo sistema GPS do VANT posicionado sobre um marco geodésico e as coordenadas do marco. A apropriação das coordenadas pelo sistema GPS do VANT foram obtidas em duas situações operacionais: pousado no solo e pairando sobre o marco, como ilustra a figura 5. Fig. 5 - Teste de voo executado no Ifes-Vitória (Vant parado e pairando sobre o marco) Os softwares utilizados em todas as etapas de planejamento e execução do experimento foram previamente testados utilizando-se dados existentes de levantamentos de coordenadas de GPS da área teste e imagens aéreas. Essa atividade do experimento teste foi realizada pelas equipes dos projetos integrados do PFRH composta por bolsistas, orientadores e colaboradores da empresa parceira do projeto. Durante a execução dos projetos, poderão ser realizados diversos testes, com vistas à avaliação de procedimentos e, se necessário, proposição de ajustes metodológicos. 2.4 Confecção dos alvos de sinalização Os alvos de sinalização foram confeccionados utilizando-se folhas de forros PVC largamente empregadas na construção civil. Visando garantir uma ampla aplicação dos alvos optou-se por confeccioná-los com a dimensão d=0,2 m e comprimento lateral de cada ponta da cruz com dimensão 5d. Tal escolha foi realizada com base na análise das imagens produzidas no voo teste, de modo que um alvo com tais dimensões oferece boas condições de visualização. Outro aspecto determinante das dimensões dos alvos utilizados foi a busca pelo aproveitamento máximo do material tomado como matéria prima. Cada folha de forro apresenta dimensões de 0,2 m de largura por 4,0 m de comprimento, portanto, as dimensões adotadas permitiram a confecção de um alvo por folha, com a racionalização do uso de material. Para o experimento de campo na faixa do duto as dimensões do alvo, confeccionado em PVC, articulado e dobrável foi (d x 5d) para cada parte da cruz, isto é, 20cm x 100 cm. A figura 6 apresenta o alvo confeccionado para o voo na altura de 100 m. Fig. 6 Alvo confeccionado para pré-sinalização do voo em faixa de duto 6

7 2.5 Preparação das atividades de campo A preparação das atividades de campo iniciou-se com o planejamento da logística e a comunicação com a comunidade do local onde foi definido o trecho de 1 km de duto de gás a ser imageado e apoiado. Foi selecionada uma área localizada em Piapitangui, no Municipio de Viana, ES e estabelecida à altura de voo de 100 m, com tamanho do pixel de 3,5cm. A diferença máxima de altitude entre os pontos pré-sinalizados é de aproximadamente 37 m. De posse dos dados oriundos do plano de voo foi possível realizar uma melhor localização dos pontos de apoio com base no mapa elaborado no plano de voo gráfico. Buscou-se distribuir as marcas de modo que elas fossem posicionadas nos pontos de maior sobreposição das imagens e em alguns pontos localizados nas bordas e cantos das áreas a serem sobrevoadas. Em seguida será feita a revisão e checagem dos parâmetros do projeto e seleção dos alvos construídos que melhor se adequem as condições locais e definido conjuntamente a data de ida a campo, cuidando de toda logística necessária para facilitar a operação aérea e terrestre. 2.6 Coleta de dados (Pré-sinalização e medição dos pontos de controle) Na realização das atividades de coleta de dados em campo serão feitas tanto a pré-sinalização do voo, quanto à medição dos pontos de apoio, com GPS. Estes pontos de apoio servirão de controle geométrico das imagens aéreas adquiridas pelo Vant. Essas atividades de campo serão executadas em conjunto com outro projeto do PFRH, que irá fazer a tomada das fotografias aéreas com Vant, simultaneamente a pré-sinalização e a medição dos pontos de controle. Os Projetos serão realizados em área de trechos da faixa de dutos indicada pelos estudos. A pré-sinalização do voo consiste da disposição dos alvos (sinais) construídos previamente e instalado nos locais planejados. Esta sinalização deverá ser executada antes da efetivação do levantamento aéreo e tem por fim tornar visíveis os sinais nas imagens aéreas, provenientes da execução simultânea dos projetos integrados, conforme mencionado anteriormente. O levantamento de pontos de apoio feito por equipamento GPS de precisão compreende a observação destes pontos, em campo e posterior processamento, em escritório. Assim, a partir da pré-sinalização do voo, que materializa os sinais e torna os pontos visíveis nas fotografias, o levantamento dos pontos permitirá referenciar, isto é, produzirá as coordenadas planialtimétrica (x,y,z) de referencial no terreno. O projeto será referenciado ao SGB - Sistema Geodésico Brasileiro, conforme Decreto 5334/2005 e Resolução 01/2005 do IBGE. Este levantamento deverá ter as coordenadas determinadas por sessões de rastreio, empregando receptores geodésicos de dupla frequência e pelo pós-processamento e ajustamento dos dados coletados do rastreio usando o software LGO-05 da Leica Geosystems. Portanto, a finalidade da etapa de execução do experimento será sinalizar pontos de apoio e medir por GPS para determinar coordenadas de terreno, e posteriormente, em integração com outro projeto, executar o voo (levantamento aéreo) na área previamente sinalizada, para conseguir o controle geométrico das imagens aéreas digitais da faixa de dutos. 2.7 Processamento e Análise dos dados Os dados do rastreio serão processados e ajustados utilizando-se software LGO-05 da Leica Geosystems. Às altitudes elipsoidais obtidas desse processamento e ajustamento aplicadas às ondulações geoidais obtidas pelo MAPGEO-2010 (IBGE) para a determinação das altitudes ortométricas. A amarração da geometria das imagens, por meio de levantamento geodésicos de pontos de apoio de campo é fundamental em Fotogrametria, pois permite estabelecer parâmetros de reconstrução da tomada da fotografia, a partir do processamento dos pontos de apoio, que serão medidos com GPS em campo, desde que tenham sido atendidas as condições técnicas estabelecidas anteriormente. De posse desses dados originários do levantamento de campo, processados e ajustados e das imagens adquiridas pelo Vant, será possível ver os pontos sinalizados e com coordenadas referenciadas ao terreno, e ainda, determinar as distâncias lineares entre os objetos e a posição dos mesmos, tanto no terreno quanto na fotografia aérea. A avaliação da geometria das imagens adquiridas no levantamento aéreo pré-sinalizado, visa também identificar aspectos metodológicos que possibilitem a melhoria da localização dos objetos imageados e a representação de suas dimensões na elaboração de bases de dados espaciais. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO As atividades desenvolvidas na etapa Estudo e Aprofundamento do Tema resultaram em uma ampla revisão bibliográfica que serviu de suporte teórico e foi fundamental para a execução das etapas do projeto. A partir do voo teste executado na área esportiva do Ifes Campus Vitória, foi possível verificar a acurácia posicional do sistema GPS ATTI. Para aquelas condições do experimento realizado em 09 de junho de 2014 foi 7

8 alcançada a tolerância planialtimétrica estabelecida, isto é, o resultado para as coordenadas planimétricas foram inferiores a 1,5m e para a altitude foi inferior a 0,5m. O projeto encontra-se na fase final dos preparativos para as atividades de coleta de dados em campo (présinalização e medição dos pontos de controle de campo com GPS). Em seguida os dados serão processados para verificar o grau de aderência entre essas informações geradas, visando avaliar a geometria dos objetos representados nas imagens aéreas, isto é, averiguar a capacidade de representar fielmente a posição e as dimensões dos objetos no terreno. Desse modo, serão analisados e apresentados para debates os resultados, promovendo-se uma rodada de discussão entre os grupos de bolsistas e colaboradores/parceiros para avaliar a abrangência e cumprimento do escopo estabelecido para o projeto, com objetivo de identificar aspectos da aquisição da imagem que podem ser melhorados para garantir uma maior confiabilidade no posicionamento e dimensionamento dos objetos fotografados. Neste sentido espera-se que ao associar as imagens digitais adquiridas por Vant, aos pontos de controle de campo de coordenadas conhecidas, tornando esses pontos visíveis nas fotografias e atribuindo coordenadas de referência no terreno, poderá obter-se maior robustez geométrica na elaboração de base de dados espaciais e contribuir para expandir as aplicações dessas novas tecnologias no setor de Petróleo e Gás. Diante do apresentado a equipe está empenhada a prosseguir na execução das etapas restantes buscando compreender melhor as potencialidades e limitações do uso de Vant para aquisição de imagens. AGRADECIMENTOS As autoras agradecem ao Programa Petrobras de Desenvolvimento de Recursos Humanos (PFRH), ao Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) e a empresa parceira deste projeto Neo Vision (www.neovision-es.com.br) em processo de incubação no Polo de Inovação do IFES - Campus de Serra. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COELHO, L.; BRITTO, J. N. Fotogrametria digital. 1.ed. Rio de Janeiro: eduerj, Disponível em: <http://www.efoto.eng.uerj.br/images/stories/livro/fotogrametria_digital _revisado.pdf> Acesso em: 30 fev COSTA, G. C.; SILVA, D. C. Pré-sinalização de pontos de apoio em aerofotogrametria com câmara de pequeno formato, 2012, IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação, Recife - PE, maio de 2012 PETROBRAS, A solução que vem do céu: Vant monitora Gasan II e Gaspal. Rev. Notícias Engenharia, Ano 21, n.225, p.3, janeiro REDWEIK, P. Fotogrametria Aérea, Departamento de Engenharia Geográfica e Energia da Faculdade de Ciências Da Universidade de Lisboa, Disponível em:<http:// /snigeduc/index.php?option=com_weblinks&catid=92&itemid=29> Acesso em: abril de SANTOS, A. P. Avaliação da acurácia posicional em dados espaciais com o uso de estatística espacial. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil. UFV TOMMASELLI, A. M. G. Fotogrametria na era da Geomática. In: G, E. Z. (Org.). Geoinformação. 1ed. Curitiba: Espaço Geo, 2001, v. 1, p Sites <http://www.dji.com/>. Acesso em: maio de Patentes DJI Innovations. Ground Station Wireless data-link User Manual. V 2.5, Shenzhen, China. DJI Innovations. Spreading Wings S800 EVO User Manual. V 1.10,

OBTENÇÃO DE IMAGEM TRIDIMENSIONAL (3D) POR VEÍCULO AÉREO NÃO TRIPULADO (VANT) EM FAIXA DE DUTOS

OBTENÇÃO DE IMAGEM TRIDIMENSIONAL (3D) POR VEÍCULO AÉREO NÃO TRIPULADO (VANT) EM FAIXA DE DUTOS OBTENÇÃO DE IMAGEM TRIDIMENSIONAL (3D) POR VEÍCULO AÉREO NÃO TRIPULADO (VANT) EM FAIXA DE DUTOS Angelica Nogueira de Souza Tedesco 1 Tamires Lopes Tonon 2 Wanessa Cristina Martins 3 1 Instituto Federal

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS

AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS Ronaldo Aparecido de Oliveira, MSc. ENGEFOTO Engenharia e Aerolevantamentos S.A.

Leia mais

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 O constante desenvolvimento de sistemas aerotransportados para captação de imagens finalmente trouxe ao mercado os modernos sensores para captação de imagens

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA

AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA Ronaldo Aparecido de Oliveira, MSc. ENGEFOTO Engenharia

Leia mais

VANT e fotogrammetria

VANT e fotogrammetria VANT e fotogrammetria Um piscar sobre a tecnologia Emanuele Traversari UFPE - 5 de Julho 2013 1 O que é um VANT O VANT é uma sigla para Veículo Aéreo Não Tripulado: é uma aeronave genérica, criada para

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge lacjorge@gmail.com VANTS NA AGRICULTURA Vantagens sobre aeronaves convencionais e satélites Custo

Leia mais

PRODUÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE MAPAS. Sensores aéreos e orbitais

PRODUÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE MAPAS. Sensores aéreos e orbitais PRODUÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE MAPAS Sensores aéreos e orbitais Pilares do Mapeamento 1. Resolução espacial e radiométrica 2. Cobertura multispectral 3. Geometria consistente 4. Automação e resposta rápida

Leia mais

Fotogrametria (definição clássica):

Fotogrametria (definição clássica): Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência, Arte e Tecnologia de se obterem Medidas dignas de confiança por meios de Fotografias É derivada de três palavras de origem grega que

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS NO SISTEMA DE GERÊNCIAMENTO DE REDES DA DISTRIBUIÇÃO CEMIG PROJETO GEMINI

UTILIZAÇÃO DE ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS NO SISTEMA DE GERÊNCIAMENTO DE REDES DA DISTRIBUIÇÃO CEMIG PROJETO GEMINI EDITE DO SOCORRO SILVA UTILIZAÇÃO DE ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS NO SISTEMA DE GERÊNCIAMENTO DE REDES DA DISTRIBUIÇÃO CEMIG PROJETO GEMINI Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Geoprocessamento

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Correção geométrica de imagens

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Correção geométrica de imagens Correção geométrica de imagens O georreferenciamento descreve a relação entre os parâmetros de localização dos objetos no espaço da imagem e no sistema de referência, transformando as coordenadas de cada

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Fotogrametria. Parte 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Fotogrametria. Parte 1 UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Fotogrametria Parte 1 Recife, 2014 Fotogrametria (definição clássica): Pode ser definida como a Ciência,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DE ÁREAS FLORESTADAS.

TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DE ÁREAS FLORESTADAS. TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DE ÁREAS FLORESTADAS. CARLOS A. VETTORAZZI Departamento de Engenharia Rural da ESALQ/USP INTRODUÇÃO O enfoque principal deste trabalho é a discussão da possibilidade

Leia mais

O ENSINO DE GEOPROCESSAMENTO NA PÓS-GRADUAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DA ÁREA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS DA EPUSP

O ENSINO DE GEOPROCESSAMENTO NA PÓS-GRADUAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DA ÁREA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS DA EPUSP O ENSINO DE GEOPROCESSAMENTO NA PÓS-GRADUAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DA ÁREA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS DA EPUSP José Alberto Quintanilha, Denizar Blitzkow, Edvaldo Simões da Fonseca Jr., Homero Fonseca Filho, Jorge

Leia mais

ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS

ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS Furquim, Maysa P.O. de; Sallem F., Silas ESTEIO Engenharia e Aerolevantamentos S.A. Rua Dr. Reynaldo Machado, 1.151 - Bairro Prado Velho 80215-242

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

METODOLOGIA PARA AQUISIÇÃO DE POLÍGONOS 3D A PARTIR DA CLASSIFICAÇÃO E DO TRATAMENTO DE NUVENS DE PONTOS LIDAR

METODOLOGIA PARA AQUISIÇÃO DE POLÍGONOS 3D A PARTIR DA CLASSIFICAÇÃO E DO TRATAMENTO DE NUVENS DE PONTOS LIDAR METODOLOGIA PARA AQUISIÇÃO DE POLÍGONOS 3D A PARTIR DA CLASSIFICAÇÃO E DO TRATAMENTO DE NUVENS DE PONTOS LIDAR RAFAEL COSTA CAVALCANTI ANA LÚCIA BEZERRA CANDEIAS JOÃO RODRIGUES TAVARES JÚNIOR Universidade

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Caixa Postal 476 - CEP:88010/970 - Florianópolis, SC {lia, lapolli, franzoni}@ecv.ufsc.br

Departamento de Engenharia Civil Caixa Postal 476 - CEP:88010/970 - Florianópolis, SC {lia, lapolli, franzoni}@ecv.ufsc.br O Ensino de Sensoriamento Remoto, Sistema de Informações Geográficas e Fotogramentria nos Cursos de Graduação e Pós-Graduação em Engenharia Civil na UFSC LIA CAETANO BASTOS 1 ÉDIS MAFRA LAPOLLI 1 ANA MARIA

Leia mais

OBTENÇÃO DE ORTOFOTOS COM FOTOGRAFIAS DE PEQUENO FORMATO UTILIZANDO DADOS DO LASER SCANNER COM MODELO DE TERRENO

OBTENÇÃO DE ORTOFOTOS COM FOTOGRAFIAS DE PEQUENO FORMATO UTILIZANDO DADOS DO LASER SCANNER COM MODELO DE TERRENO II Simpósio Brasileiro de Geomática Presidente Prudente - SP, 24-27 de julho de 27 ISSN 1981-6251, p. 957-961 OBTENÇÃO DE ORTOFOTOS COM FOTOGRAFIAS DE PEQUENO FORMATO UTILIZANDO DADOS DO LASER SCANNER

Leia mais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Lauriana Rúbio Sartori Nilton Nobuhiro Imai Antônio Maria Garcia Tommaselli Roberto da Silva

Leia mais

Normas e especificações para levantamentos GPS

Normas e especificações para levantamentos GPS Normas e especificações para levantamentos GPS IBGE- DGC - Coordenação de Geodésia IBGE- UE/SC Gerência de Geodésia e Cartografia IV CONFEGE - 21/08/06 a 25/08/06 - Rio de Janeiro/RJ Conteúdo Introdução:

Leia mais

MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE ATRAVÉS DE IMAGENS E ORTOFOTOS GERADAS POR VANTS E FOTOGRAMETRIA

MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE ATRAVÉS DE IMAGENS E ORTOFOTOS GERADAS POR VANTS E FOTOGRAMETRIA MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE ATRAVÉS DE IMAGENS E ORTOFOTOS GERADAS POR VANTS E FOTOGRAMETRIA Guilherme Sonntag Hoerlle*, Jaerton Santini, Nicole Becker Portela, Suane Wurlitzer Bonatto,

Leia mais

OS LIMITES POSICIONAIS DO GOOGLE EARTH

OS LIMITES POSICIONAIS DO GOOGLE EARTH OS LIMITES POSICIONAIS DO GOOGLE EARTH Além da freqüência de atualização das imagens fornecidas pelo Google Earth, os usuários também devem ter consciência dos limites de precisão e as aplicações possíveis,

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Diagnóstico Ambiental do Município de São Leopoldo (Relatório da Implantação

Leia mais

PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL

PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL 1 Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil Rio de Janeiro - IBGE/CDDI 1 O que é um sistema geodésico de referência? É

Leia mais

Uma aplicação fotogramétrica digital no auxílio do controle do tráfego naval no canal de Rio Grande - RS

Uma aplicação fotogramétrica digital no auxílio do controle do tráfego naval no canal de Rio Grande - RS Uma aplicação fotogramétrica digital no auxílio do controle do tráfego naval no canal de Rio Grande - RS Glauber Acunha Gonçalves Edson Aparecido Mitishita 2 Prof. Dr. Centro de Ciências Computacionais

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos FOTOGRAMETRIA DIGITAL Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos O que é Fotogrametria? A Fotogrametria é, segundo a American Society for Photogrammetry and Remote

Leia mais

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-009

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-009 p. 001-009 GERAÇÃO DE BASE CARTOGRÁFICA DIGITAL A PARTIR DE PRODUTOS FOTOGRAMÉTRICOS PARA A GERAÇÃO DE ORTOFOTOCARTA, CARTA TOPOGRÁFICA E BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS O CASO DO PROJETO DE MAPEAMENTO DO ESTADO

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

F e r n a n d o P r i o s t e L a n d P r o M a d a l e n a F e r n a n d e s L a n d c o b a J o s é R e n a t o M a c h a d o S e r p e n

F e r n a n d o P r i o s t e L a n d P r o M a d a l e n a F e r n a n d e s L a n d c o b a J o s é R e n a t o M a c h a d o S e r p e n L E VA N TA M E N TO S P L A N I A LT I M É T R I C O S P O R L A S E R S C A N PA R A P R O J E TO S E X E C U T I V O S E C A DA S T R O D E R O D O V I A S F e r n a n d o P r i o s t e L a n d P r

Leia mais

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital

Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Cobertura Fotogramétrica com uma Câmara Digital Instituto Geográfico Português Direcção-Geral dos Recursos Florestais Paulo Patrício Inventário Florestal Nacional A Direcção-Geral dos Recursos Florestais

Leia mais

GPS Global positioning system

GPS Global positioning system GPS Global positioning system O Sistema de Posicionamento Global GPS-NAVSTAR (Navigation Satellite Time And Ranging) foi concebido inicialmente para substituir o sistema NNNS/TRANSIT que apresentava várias

Leia mais

3 Tendências Mundiais

3 Tendências Mundiais 3 Tendências Mundiais Sérgio Gomes Tôsto André Luiz dos Santos Furtado Cristina Aparecida Gonçalves Rodrigues Édson Luis Bolfe Mateus Batistella Daniel de Castro Victoria 66 Qual é o cenário para as geotecnologias,

Leia mais

VANT O Uso na Agricultura de Precisão

VANT O Uso na Agricultura de Precisão VANT O Uso na Agricultura de Precisão Conceituação De acordo com acircular de Informações Aeronáuticas AIC N21/10, do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), define que: É um veículo aéreo projetado

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR

O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR O USO DE CARTAS TOPOGRÁFICAS E IMAGENS DO GOOGLE EARTH EM ESTUDOS DE IDENTIFICAÇÃO DE TURFAS NOS MUNICIPIOS DE GUARAPUAVA E PINHÃO-PR Machado, F. (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - UNICENTRO) ; Pelegrina,

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS DO SISTEMA LASER

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS DO SISTEMA LASER INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS DO SISTEMA LASER Leonardo Ercolin Filho Engefoto Engenharia e Aerolevantamentos S.A. Consultoria de Pesquisas e Tecnologias leonardoercolin@engefoto.com.br Fone: +55 41 3071 4252

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Introdução Equipamentos de entrada de dados são dispositivos que convertem dados analógicos e mapas impressos no papel em mídia m eletrônica ou digital para serem

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Técnicas de Levantamento atendendo a Lei 10.267 2ª edição da norma técnica e Soluções para Topografia Como reduzir custos e aumentar produtividade

Técnicas de Levantamento atendendo a Lei 10.267 2ª edição da norma técnica e Soluções para Topografia Como reduzir custos e aumentar produtividade Técnicas de Levantamento atendendo a Lei 10.267 2ª edição da norma técnica e Soluções para Topografia Como reduzir custos e aumentar produtividade Eng. Wesley Polezel INTRODUÇÃO - Lei 10.267 / outubro

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO "Departamento de Licitações"

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Departamento de Licitações PROCESSO N.º 02/2009 TOMADA DE PREÇOS N.º 0/2009 ANEXO IV CRONOGRAMA FÍSICO PRAZO DE EXECUÇÃO (MESES) ITEM DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS o MÊS 2 o MÊS 3 o MÊS 4 o MÊS 5 o MÊS 6 o MÊS 7 o MÊS 8 o MÊS

Leia mais

Geoinformação na Bahia

Geoinformação na Bahia IV Encontro de Produtores e Usuários de Informações Geoespaciais do Estado da Bahia Geoinformação na Bahia Produção, qualidade e acesso Produção de Geoinformação: Novas Tecnologias GRUPO ENGEMAP CONTEÚDO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA XI CONGRESSO NACIONAL Y VIII LATINOAMERICANO DE AGRIMENSURA UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA Eng. Cart. Bruno da Cunha Bastos (1) Eng. Cart. MSc. Leonardo

Leia mais

Webinar. Laser Scanner 3D é o futuro da topografia? Conceitos, coleta, processamento, apresentação, aplicações

Webinar. Laser Scanner 3D é o futuro da topografia? Conceitos, coleta, processamento, apresentação, aplicações Webinar Conceitos, coleta, processamento, apresentação, aplicações Rovane Marcos de França Professor de Geodésia e Georreferenciamento do IFSC Consultor da Vector Geo4D Engenheiro Civil / Técnico em Geomensura

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO GEOMÉTRICO COM VISUALIZAÇÃO DE FIGURAS ESPACIAIS POR MEIO DA

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014.

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014. 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014. Alyson Bueno Francisco 1 Resumo Este trabalho visa apresentar

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau

Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau Preparado Por Preparado Para ICF Consultoria do Brasil Ltda. Av. das Américas, nº 700, Bloco 6, sala 251 Barra da Tijuca Rio de Janeiro, RJ CEP

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Introdução Com a atual popularização dos sistemas CAD, ficou muito fácil para usuários de cartografia carregarem um arquivo vetorial, oriundo de

Leia mais

Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado. Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3

Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado. Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3 Utilização de um sistema de informação geográfica como apoio a gestão do voluntariado Paulo Danilo Vargas Alves 1,2 Ruy Edy Iglesias Silveira 1,3 1 ONG Parceiros Voluntários - Porto Alegre-RS 2 pdaniloalves@hotmail.com

Leia mais

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas SENRORIAMENTO REMOTO E SIG Aula 1 Programa da Disciplina 1 CONCEITOS, HISTÓRICO E FUNDAMENTOS (8 aulas) 2 Sensoriamento remoto. Histórico e definições 3 Domínios do Sensoriamento Remoto 4 Níveis de Coleta

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

MAPEAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DIGITAL: UM ESTUDO COMPARATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIABANHA NOS AMBIENTES E-FOTO E LPS ROBERTA MUNIZ LARANJA

MAPEAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DIGITAL: UM ESTUDO COMPARATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIABANHA NOS AMBIENTES E-FOTO E LPS ROBERTA MUNIZ LARANJA p. 001-007 MAPEAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DIGITAL: UM ESTUDO COMPARATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIABANHA NOS AMBIENTES E-FOTO E LPS ROBERTA MUNIZ LARANJA NATHASHA CATIUSCIA DA SILVA CORREA JORGE LUÍS

Leia mais

ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO

ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO Carlos Alberto Zocolotti Filho 1 Pedro Luis Faggion 1

Leia mais

Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion. Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2

Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion. Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2 Boas práticas do uso da técnica de Structure from Motion Bruna Lopes de Paoli 1 Carlos Alberto Trindade 2 1 Universidade FUMEC Rua Cobre, 200, Cruzeiro, Belo Horizonte MG brunadepaoli@gmail.com 2 Setor

Leia mais

PRÉ-SINALIZAÇÃO DE PONTOS DE APOIO EM AEROFOTOGRAMETRIA COM CÂMERAS DE PEQUENO FORMATO

PRÉ-SINALIZAÇÃO DE PONTOS DE APOIO EM AEROFOTOGRAMETRIA COM CÂMERAS DE PEQUENO FORMATO p. 001-009 PRÉ-SINALIZAÇÃO DE PONTOS DE APOIO EM AEROFOTOGRAMETRIA COM CÂMERAS DE PEQUENO FORMATO GLAUBER CARVALHO COSTA DANIEL CARNEIRO DA SILVA Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais

Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Rogério Luís Ribeiro Borba 3, Guilherme L. A. Mota 1,3, Jorge Luís Nunes e

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

A reformulação do serviço de pós-processamento on-line de dados GNSS IBGE-PPP: estudo de caso no estado de Mato Grosso do Sul

A reformulação do serviço de pós-processamento on-line de dados GNSS IBGE-PPP: estudo de caso no estado de Mato Grosso do Sul Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 384-388 A reformulação do serviço de pós-processamento on-line de dados GNSS IBGE-PPP: estudo de caso no estado de Mato Grosso do Sul Ronaldo Lisboa Gomes 1 José

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO CONTÍNUO DO SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL GPS. Luiz Paulo Souto Fortes René A. Zepeda Godoy

REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO CONTÍNUO DO SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL GPS. Luiz Paulo Souto Fortes René A. Zepeda Godoy REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO CONTÍNUO DO SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL GPS Luiz Paulo Souto Fortes René A. Zepeda Godoy Departamento de Geodésia Diretoria de Geociências IBGE Av. Brasil, 15.671

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE PHOTOMODELER NA PRODUÇÃO DE ORTOFOTO DO MONUMENTO EM HOMENAGEM A JOAQUIM AMAZONAS LOCALIZADO NA AV. DOS REITORES -UFPE

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE PHOTOMODELER NA PRODUÇÃO DE ORTOFOTO DO MONUMENTO EM HOMENAGEM A JOAQUIM AMAZONAS LOCALIZADO NA AV. DOS REITORES -UFPE p. 001-006 UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE PHOTOMODELER NA PRODUÇÃO DE ORTOFOTO DO MONUMENTO EM HOMENAGEM A JOAQUIM AMAZONAS LOCALIZADO NA AV. DOS REITORES -UFPE CAROLINE MARTINS PEREIRA ALBINO FERREIRA DE FRANÇA

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!!

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!! CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS 360h - FAÇA SUA MATRÍCULA!!! CERTIFICAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA - UFRA TURMA EM MARABÁ COORDENAÇÃO DSC. Luiz Gonzaga da

Leia mais

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA Resumo Em lides que envolvem a apuração de áreas e divisas de imóveis, as atividades de conferência normalmente

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações.

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações. PROCESSO 014-2014 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações. A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Técnica de baixo custo para digitalização e vetorização de dados analógicos. Max Well de Oliveira Rabelo¹ Nori Paulo Griebeler¹

Técnica de baixo custo para digitalização e vetorização de dados analógicos. Max Well de Oliveira Rabelo¹ Nori Paulo Griebeler¹ Técnica de baixo custo para digitalização e vetorização de dados analógicos Max Well de Oliveira Rabelo¹ Nori Paulo Griebeler¹ ¹Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos UFG Rodovia Goiânia / Nova

Leia mais

Validação de ortomosaicos e Modelos Digitais de Superfície utilizando fotografias obtidas com câmera digital não métrica acoplada a um VANT

Validação de ortomosaicos e Modelos Digitais de Superfície utilizando fotografias obtidas com câmera digital não métrica acoplada a um VANT Validação de ortomosaicos e Modelos Digitais de Superfície utilizando fotografias obtidas com câmera digital não métrica acoplada a um VANT Leomar Rufino Alves Júnior 1,2 João Batista Ramos Côrtes 2 Manuel

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM

Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM Especificações Técnicas para Uso da Rede de Referência Cartográfica Municipal RRCM Junho de 2004 SUMÁRIO Página APRESENTAÇÃO 03 1. OBJETIVOS 03 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 04 3. DEFINIÇÕES 04 3.1. SISTEMA

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK Douglas Luiz Grando 1 ; Valdemir Land 2, Anderson Clayton Rhoden 3 Palavras-chave: Topografia; Geodésia; GPS de Precisão. INTRODUÇÃO Com a evolução das

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL RESUMO Enio Giotto Elódio Sebem Doádi Antônio Brena Universidade Federal de Santa

Leia mais

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO.

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. INTRODUÇÃO Criar um site sobre as ciclovias da cidade de Curitiba. A idéia surgiu no ano de 2010 a partir de uma conversa entre alguns colaboradores

Leia mais

Drone de mapeamento profissional

Drone de mapeamento profissional Drone de mapeamento profissional 4 razões para escolher o ebee 01. Mais mapas e maior precisão O ebee cobre até 12 km 2 (4,6 mi 2 ) em um único voo, enquanto que, voos sobre áreas menores e com baixa

Leia mais

PPP EM TEMPO REAL UTILIZANDO A RBMC-IP PARA A REGIÃO DA CIDADE DO RECIFE

PPP EM TEMPO REAL UTILIZANDO A RBMC-IP PARA A REGIÃO DA CIDADE DO RECIFE WORKSHOP DA RBMC PPP EM TEMPO REAL UTILIZANDO A RBMC-IP PARA A REGIÃO DA Eng. Agrim. Alexandre do Nascimento Souza Prof. Dr. Silvio Jacks dos Anjos Garnés Prof. Dr. Haroldo Antonio Marques INTRODUÇÃO Neste

Leia mais

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a:

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a: Os equipamentos IKE 1000 são equipamentos GPS de elevada precisão, robustos, adequados para recolher diferentes tipos de informação no campo, tais como dados geoespaciais com informação alfanumérica associada,

Leia mais

GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE TERRENO DA UFRRJ ATRAVÉS DE SOFTWARE FOTOGRAMÉTRICO LIVRE

GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE TERRENO DA UFRRJ ATRAVÉS DE SOFTWARE FOTOGRAMÉTRICO LIVRE p. 001-009 GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE TERRENO DA UFRRJ ATRAVÉS DE SOFTWARE FOTOGRAMÉTRICO LIVRE RÔMULO DE SOUZA ASSIS PAULA DEBIASI Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFRRJ Instituto de Tecnologia

Leia mais

MODERNAS TECNOLOGIAS PARA COLETA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS. Antonio Maria Garcia Tommaselli 1

MODERNAS TECNOLOGIAS PARA COLETA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS. Antonio Maria Garcia Tommaselli 1 MODERNAS TECNOLOGIAS PARA COLETA DE INFORMAÇÕES ESPACIAIS Antonio Maria Garcia Tommaselli 1 Abstract: The aim of this paper is to present the current status of the sensors for spatial data acquisition

Leia mais

Inovação Tecnológica no Cadastro Técnico Multifinalitário

Inovação Tecnológica no Cadastro Técnico Multifinalitário Inovação Tecnológica no Cadastro Técnico Multifinalitário Amilton Amorim Universidade Estadual Paulista - UNESP. Departamento de Cartografia Presidente Prudente SP. Grupo de Pesquisa em Aquisição e Representação

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

Projeto VANT/DNPM Desafios e Novas Fronteiras para uso do VANT em atividades de fiscalização mineral

Projeto VANT/DNPM Desafios e Novas Fronteiras para uso do VANT em atividades de fiscalização mineral Projeto VANT/DNPM Desafios e Novas Fronteiras para uso do VANT em atividades de fiscalização mineral Cristina P. Bicho Coordenadora Projeto VANT/DNPM Departamento Nacional de Produção Mineral São Paulo,

Leia mais

INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA

INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA Topografia INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA Prof. Paulo Carvalho, M.Sc. Macedo, M.Sc. Poli, Brasil.. 2014 2/27 Topografia: Topo + Graphein = Lugar + Descrição: Descrição de um lugar Descrição da forma e características

Leia mais

Sensores Aerotransportados

Sensores Aerotransportados Sensores Aerotransportados Sensores Aerotransportados X ou + Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs): Concorrentes ou Complementares? José Alexandre F. da Silva Engenheiro Cartógrafo A EMPRESA - Informações

Leia mais

SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO DO SOLO UTILIZANDO O SOFTWARE I3GEO

SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO DO SOLO UTILIZANDO O SOFTWARE I3GEO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANDERSON CARLOS SOUSA CALIL NILMA JOSY SILVA DA SILVA SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO

Leia mais