I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais."

Transcrição

1 Bioquímica I: Macromoléculas I. Fracionando a vida: Os bioquímicos fracionam um organismo e analisam os componentes individuais. 1) Qual é a composição atômica das células vivas/organismos? H: 60% O: 25% C: 12% N: ~5% P, S, Mg, Mn, Se, também estão presentes em quantidades menores Em certos níveis de estudo, a maioria dos organismos parece igual especialmente a nível celular. 2) Qual é a composição molecular das células? Principalmente água: ~80% O restante: Lipídios, gordura: 10% Carboidratos: 15% Proteínas: 50% Ácidos Nucléicos: 15% ** As proteínas são as macromoléculas-chave, têm diversos papéis estruturais e funcionais nas células) ** Ácidos Nucléicos (DNA, RNA; DNA armazena as informações hereditárias na célula) Até certo nível, forças químicas determinam a forma das moléculas e a forma determina a função. Que forças fornecem às moléculas suas propriedades? II. Forças Covalentes Ligações e interações químicas mantêm as moléculas juntas: 1) Ligações Covalentes - tipo mais importante de ligações - tipo de ligações mais fortes força ~80 kcal/mol Uma ligação covalente é o compartilhamento de um par de elétrons:

2 2 A energia térmica (vibracional) média em temperatura ambiente é em média ~5 kcal/mol. Considerando-se que são necessários ~80 kcal/mol para quebrar uma ligação covalente, pode-se dizer que elas são relativamente estáveis à temperatura ambiente. Tipos de ligações covalentes: Simples C-C (um par de elétrons) Dupla C=C (dois pares de elétrons) Tripla C=C (três pares de elétrons) Força 80 kcal/mol 150 kcal/mol 200 kcal/mol Existe uma rotação livre ao redor de uma ligação covalente simples, porém isso não ocorre com as ligações duplas e triplas. As ligações covalentes também possuem um ângulo fixo. Algumas ligações covalentes envolvem o compartilhamento desigual de elétrons. Alguns átomos estão ligados aos elétrons de forma mais forte do que outros átomos. A tendência para atrair elétrons é a chamada medida de eletronegatividade de um átomo. Observe algumas ligações com compartilhamento desigual de elétrons: As ligações polares apresentam movimentos bipolares; possuem polaridade O oxigênio é um átomo mais eletronegativo quando comparado com o hidrogênio e, portanto, uma ligação O-H é considerada uma ligação polar. Carbono e hidrogênio possuem eletronegatividades semelhantes. Dessa forma, uma ligação C-H é considerada uma ligação apolar. 2) Ligações de Hidrogênio atração entre uma carga levemente positiva em um átomo de hidrogênio e uma carga levemente negativa em um átomo próximo força da ligação ~ 5 kcal/mol (relativamente fraca) mais forte quando o doador, o hidrogênio, e o receptor estão a uma distância de mais ou menos 0,25nm as ligações de hidrogênio fornecem ordem e estrutura às moléculas uma única ligação de hidrogênio é fraca, mas a maior parte das moléculas são compostas por diversas ligações de hidrogênio, fato esse que proporciona força geral à molécula As propriedades da água são determinadas por interações de ligações de hidrogênio. A água é muito bem estruturada, mesmo sendo um líquido. A formação do gelo deve-se ao conjunto de redes de ligações de hidrogênio.

3 3 Ligações de hidrogênio entre regiões diferentes de uma molécula de proteína: NA água, essas regiões irão formar ligações de hidrogênio com as moléculas da água. Essas moléculas adotam uma conformação mais favorável, quando elas interagem com água. 3) Ligações Iônicas interação eletrostática entre dois grupos de cargas opostas em uma molécula causa limitante do compartilhamento desigual de elétrons; um átomo fica com o elétron NaCl fi Na + + Cl - compartilhamento desigual de elétrons, Cl fica com ambos os elétrons. Em solução, esse grupo torna-se ionizado, perde um próton e fica com carga negativa:

4 4 Átomos carregados podem ser atraídos por átomos de carga oposta: a força da ligação iônica é de aproximadamente 3-7 kcal/mol, mais forte quando os dois átomos estão a uma distância de aproximadamente 0,28mm 4) Interação de Van Der Walls força de atração não específica que está presente quando qualquer um dos dois átomos chega a uma distância menor mais favorável quando os átomos estão a uma distância de aproximadamente 0,2-0,3 nm polaridade transitória induziu entre átomos uma ligação apolar que leva à atração dos átomos próximos interação muito fraca força é ~ 1 kcal/mol. No entanto, a soma de diversas interações de Van Der Walls leva a um aumento da força e estabilidade Exemplo: Um ligante interagindo com seu receptor é completado por diversas interações não-covalentes tais como as interações de Van Der Walls. 5) Interações Hidrofóbicas / Entropia De maneira geral, a estrutura de uma molécula é mantida por diversas interações. Uma molécula tem uma forma particular porque adota o estado de menor energia (minimiza entropia) Ao adotar essa forma, as conformações alternativas são selecionadas e os grupos que não podem formar pontes de hidrogênio com a água (hidrofóbicos) tendem a aglomerar-se dentro da molécula (longe da água). Hidrofóbico: ( odeia água ) moléculas sem carga, apolares, não interagem com a água Hidrofílico: ( ama água ): moléculas com carga ou polares, de ligações de hidrogênio com água A forma que as macromoléculas biológicas podem adotar depende de um grande número de interações moleculares. III. Principais Macromoléculas A. Lipídios, Fosfolipídios Estrutura de um carboidrato: CH 3 (CH 2 ) 3 CH 3

5 5 Se adicionarmos um grupo hidroxila (OH) a um carboidrato, teremos um álcool: CH 3 (CH 2 ) 4 OH Álcoois de cadeia curta são solúveis em água. Podemos criar um ácido graxo adicionando um grupo carboxila (COOH) ao grupo dos carboidratos: CH 3 (CH 2 ) 3 COOH Um ácido graxo é uma molécula anfipática contém tanto porções hidrofóbicas quanto porções hidrofílicas. Um ácido graxo também pode ser representado por:

6 6 Três ácidos graxos e uma molécula de glicerol podem ser combinados em uma síntese de desidratação para formar um lipídio (um triglicéride). Triglicérides são formas principais de armazenamento de ácidos graxos dentro das células. Fosfolipídeos: Um subgrupo de lipídios que desempenha um papel-chave na estrutura celular. Fosfolipídios são formados por dois ácidos graxos e um grupo fosfato:

7 7 Os fosfolipídeos também podem ser representados como: em solução, os fosfolipídios irão se reunir para formar micelas Uma micela Os fosfolipídeos formam uma bicamada em solução aquosa. Uma célula típica é englobada por uma membrana plasmática, que é composta de uma bicamada de fosfolipídeos (2 camadas de moléculas de fosfolipídeos dispostas em uma bicamada lipídica) O interior hidrofóbico da membrana plasmática é impermeável às moléculas carregadas ou polares.

8 8 B. Açúcares, Carboidratos 1) Fórmula geral de um açúcar: (CH 2 O) n ex.: Glicose C 6 H 12 O 6 Em todos os açúcares, n-1 dos carbonos possuem um grupo hidroxila (OH) e o Carbono C- 1 possui um grupo carbonil (C=O). A localização do grupo carbonil e a orientação dos grupos hidroxila determinam o tipo de açúcar. Se o grupo carbonil estiver no final (um grupo aldeído), então o açúcar é uma aldose (ex.: glicose) Se o grupo carbonil estiver no meio da cadeia (um grupo cetona), então o açúcar é uma cetose (ex.: frutose) Açúcares compostos por seis átomos de carbono são chamados de hexoses (ex.: glicose) Açúcares compostos por cinco átomos de carbono são chamados de pentoses (ex.: ribose)

9 9 Os açúcares compostos por três átomos de carbono são chamados de trioses (ex.: gliceraldeído) 2) Conformação dos açúcares a) Monossacarídeos A glicose é encontrada com mais freqüência em forma de anel em solução: A orientação do grupo OH no carbono C-1 pode ser tanto alfa (abaixo do plano do anel) ou beta (acima do plano do anel) b) Dissacarídeos Os dissacarídeos são formados por dois monossacarídeos unidos por uma ligação covalente: Lactose (forma) (Galactose (1 fi 4) Glicose) A enzima lactase quebra a lactose em glicose e galactose. Muitos indivíduos adultos param de sintetizar a enzima lactase. Como resultado, uma grande porcentagem de certas populações torna-se intolerante à lactose. c) Polissacarídeos Polissacarídeos são formados por diversas unidades de monossacarídeos (geralmente monômeros de glicose) ligados para formar cadeias longas. ex.: amido, glicogênio, celulose Polissacarídeos são usados como uma forma de armazenar energia e também para funções estruturais. Amido é um polímero de Glicose (1 fi 4) ligação

10 10 Celulose desempenha um papel importante nas plantas, uma das moléculas mais abundantes na terra. É um polímero não ramificado de glicose em ligação (1 fi 4). As unidades alternantes de glicose possibilitam que as moléculas adjacentes de celulose formem ligações de hidrogênio umas com as outras. A capacidade das ligações de hidrogênio da celulose leva à força das paredes celulares e de fibras tais como a madeira. Bioquímica II: Proteínas Proteínas possuem diversas funções nas células papéis estruturas e funcionais 10 5 tipos diferentes de proteínas são produzidas por células eucarióticas As proteínas são polímeros de blocos de construção conhecidos como aminoácidos 20 aminoácidos diferentes fi podem resultar em 20 n combinações de proteínas de extensão n Ácidos Nucléicos armazenam e transferem material genético quatro diferentes blocos de construção chamados de nucleotídeos fi podem resultar em 4 n combinações diferentes de ácidos nucléicos de extensão n 1. Amino ácidos e Ligações Peptídicas Fórmula Geral dos Aminoácidos: O grupo R (cadeia lateral) varia ao longo de 20 aminoácidos diferentes. Os 20 aminoácidos diferentes compõem todas as proteínas. Peptídeos são oligômeros de aminoácidos formados: através de uma reação de desidratação quando o grupo carboxila do peptídeo está ligado ao grupo amino de um segundo aminoácido.

11 11 A ligação peptídica é plana, tem caráter parcial de dupla ligação. Não há rotação ao redor da ligação amida. A estrutura real da ligação peptídica é um híbrido das duas formas apresentadas abaixo: No entanto, existe a rotação ao redor das ligações adjacentes à ligação peptídica. Uma unidade peptídica é uma disposição plana de quatro átomos. Um polipeptídeo longo composto por diversos aminoácidos é chamado de proteína. Cada proteína possui uma ordem específica de aminoácidos e adota uma forma particular determinada pela seqüência de aminoácidos. 2. Os Vinte Diferentes Aminoácidos a. Cadeias laterais polares porém sem carga As cadeias laterais desses grupos podem foram ligações de hidrogênio com outros grupos polares b. Cadeias laterais polares e carregadas

12 12 As cadeias laterais desses aminoácidos podem formar ligações de hidrogênio ou ligações iônicas 1. Com cargas positivas 2. Cargas negativas c. Cadeias laterais hidrofóbicas (apolares, sem carga) As cadeias laterais da maior parte dos aminoácidos não pode formar ligações de hidrogênio ou ligações iônicas e comportam-se melhor em ambientes apolares. Tais aminoácidos preferem ficar no interior das proteínas em uma solução aquosa.

13 13 Apesar do fato da Tirosina ser fortemente apolar, sua cadeia lateral possui um grupo hidroxila que é polar e pode formar ligações de hidrogênio. Algumas proteínas são chamadas de proteína transmembrana. Uma região de proteínas transmembrana atravessa a membrana da célula ou o compartimento celular no qual elas são encontradas

14 14 d. Casos especiais 3. Estrutura das Proteínas Para entendermos a estrutura das proteínas uma combinação de forças determina a estrutura: efeito hidrofóbico ligações iônicas ligações de hidrogênio ligações de dissulfeto

15 15 Década de 30: Linus Pauling propôs que o grupo NH em um aminoácido, e o grupo C=O em outro aminoácido(s) podem interagir para formar uma ligação de hidrogênio. Ele previu que esses grupos iriam interagir, resultando em uma estrutura polipeptídica (polipetídica) chamada de hélice a (hélice alfa). EM uma hélice a ( )o grupo CO do aminoácidos n liga-se ao hidrogênio (no do) grupo NH do aminoácido(s) (n+4). Estrutura da a -hélice: Pauling previu também outro tipo de estrutura polipeptídica (polipetídica) chamada de folha beta pregueada (folha ß pregueada). Na estrutura pregueada, existem atrações intermoleculares entre duas ou mais cadeias polipetídicas: (NR)* Cadeias antiparalelas são cadeias opostas, são paralelas mas em direção contrária. Não são não paralelas como se se apresentam na figura acima.

16 16 Níveis de Estrutura de Proteína: a) Estrutura primária: A seqüência linear de aminoácidos (ex.: NH3 +..met-cis-leu-lis-glu COO-) b) Estrutura secundária A disposição local dos aminoácidos próximos na cadeia linear para formar estruturas como hélices, - folhas pregueadas e alças e molas aleatórias. c) Estrutura terciária Disposição espacial de aminoácidos afastados na cadeia do polipeptídio (polipetídeo) linear para formar a estrutura tridimensional completa (dobrada) da proteína. Também inclui ligações de dissulfetos : d) Estrutura quaternária Interação de mais de uma cadeia polipeptídica (polipetídica); associação entre proteínas diferentes para formar complexos como dímeros, trímeros, tetrâmeros: 4. Estrutura e Função das Proteínas A estrutura determina a função das proteínas. Veja um exemplo de proteína que catalisa uma reação bioquímica. Triose fosfato isomerase (TFI) TFI é uma proteína dimérica composta (um dímero de proteína composto) de duas cadeias polipeptídicas (polipetídicas) de 247 aminoácidos cada uma. O polipeptídio (polipetídeo) dobra-se para formar uma enzima em forma de cesta com um poço no centro. APENAS O DÍMERO É ENZIMATICAMENTE ATIVO! A TFI catalisa a seguinte reação:

17 17 Apesar de essa proteína possuir 247 aminoácidos, apenas três deles (Glu165, His95 e Lis12) são importantes na função catalítica da TFI. O sítio catalítico (ativo) é formado quando a proteína dobra-se em sua forma 3-D final e os três aminoácidos ficam próximos. Observe o sítio ativo da TFI: Mecanismo: 1) G 3-P liga-se ao sítio ativo da TFI (N de His95) 2) Lys12 estabiliza G 3-P no sítio ativo 3) Glu165 age como um catalisador básico (B-) pega um H+ do grupo C2 (o carbono próximo ao carbonil) do G 3-P 4) His95 doa um a H+ para o grupo C1 (carbonil) de G 3-P para formar o grupo OH em C1. (e facilita a formação do enediol intermediário) 5) Glu165 pega o H+ do grupo C1 do intermediário. 6) His95 pega o próton do grupo OH no grupo C2 do intermediário TFI estabiliza (diminui a energia do intermediário) o intermediário fortemente desfavorável, que possui uma energia livre positiva bem maior do que o G 3-P ou o DHAP (uma energia livre bem mais positiva do que G 3-P ou DHAP). A TFI também acelera 10 vezes a reação. O aminoácido que estabiliza o estágio de transição é o Glu165. Se substituirmos Glu165 em TFI pelo Ácido aspártico (que é apenas um carbono mais curto do que a glu), reduzimos a atividade da enzima em 1000 vezes (TFI torna-se 1000 vezes menos eficaz) ARTIGOS DO WASHINGTON POST, 21/5/93 pág. A3 Influenza s Burglary Tools de Boyce Rensberger e NY TIMES, 21/5/93 Breakthrough on Flu Viruses Reported de Warren E. Leary

18 18 Bioquímica III: Energia Livre e Reações cinéticas (Reação Cinética) TFI catalisa a seguinte reação: Diagrama de Energia Livre para a Reação Acima: TFI diminui a energia de ativação (Ea) da reação. TFI faz isso ao estabilizar o estágio de transição (cis-enediol) TFI (como com todas as enzimas) não afeta os (dos) valores de G ' de uma reação química. 1.Equlíbrio da Reação, Keq e Energia Livre Em equilíbrio, as moléculas tendem a permanecer em seu estado energético mais baixo. Dois estágios, S1 e S2 com diferenças de energia entre os dois expressas como G ' = variação na energia livre sob as condições padronizadas (as condição normais). A equação que relaciona G às concentrações de S1 e S2: G = Diferença de Energia Livre na Reação G= Energia Livre em condições padronizadas específicas RT = constante de gás x T (em Kelvins) [S1]/[S2] = razão entre os produtos e os reagentes

19 19 Em equilíbrio para a reação,?g = 0 ( não há variação líquida de energia livre ) (não há reação líquida) RT = 0,59 kcal/mol a 25 C, RT = 0,61 kcal/mol a 37 C então RT ~0,6 Keq = razão das constantes K 1 [S 1 ] = K 2 [S 2 ] razão da reação dianteira = K 1 [S 1 ] razão da reação reversa = K 2 [S 2 ] Exemplo: G3P fi DHAP ( G 0 = -1,86 kcal/mol) Em equilíbrio Keq = 22 Em equilíbrio haverá 22x mais DHAP do que G3P Dado G3P puro: A reação prossegue fi DHAP (síntese líquida de DHAP) Dado DHAP puro: A reação prossegue para formar G3P (síntese líquida de G3P) Quando G3P = DHAP G Rxn = 0 (não há variação líquida) Is 22:1

20 20 ~ 7:1 A reação prossegue para a direita fi DHAP A direção de uma reação depende de: 1) diferença da energia intrínseca entre os produtos e os reagentes 2) as concentrações das reações e dos produtos Isso é descrito pela equação:

21 21 Se G de rxn < 0, rxn prosseguirá adiante fi (reação exergônica) Se G de rxn > 0, rxn prosseguira reversamente (reação endergônica) Se G = 0, rxn está em equilíbrio, não há variação líquida de energia livre Exemplo: SE a razão de DHAP: G3P fosse 7,4:1, qual seria o G do rxn e em qual direção prosseguiria? G = G 0 + RTIn [ PRODUTO ] [ REAGENTES] G = -1,86kcal/mol + 0,60kcal/mol In 7,4 G = -0,66 (G<0) Portanto, a reação prosseguirá adiante fi para produzir DHAP 2. Reações Acopladas Observe a reação A fi B A reação tenderá a prosseguir na direção da molécula que apresenta a menor energia livre. Como impulsionamos uma reação para frente que possui um G 0 > 0? É possível acoplar uma reação desfavorável ( G>0) com uma reação favorável ( G<0) Algumas vezes o acoplamento pode resultar em condições desfavoráveis, mas é geralmente mais favorável que a reação original não acoplada. Rxn 1: A fib G 0 > 0 Rxn 2: C fid G 0 < 0 A+C fib+d G 0 < 0 (poderia ser inferior a 0 ou próximo de 0) Exemplo: A + X fi B C fi D +X A + C fi B+ D (reação geral) As células usam esses mecanismos de acoplamento de reações desfavoráveis com reações favoráveis para que as reações possam prosseguir adiante. Exemplo: 1) Glicose + Pi fi Glicose 6-Fosfatase + H 2 O G 0 = 3,3 kcal/mol 2) ATP + H 2 O fi ADP + Pi H 2 O = -7,3 kcal/mol Glicose + ATP figlicose 6-P + ADP G 0 = -4,0 kcal/mol As células usam a energia da hidrólise do ATP para dirigir a reação 1 energeticamente desfavorável. Pi = PO fosfato inorgânico O ATP é uma fonte principal de energia. O ATP armazena energia aproximando cargas negativas em ligações altamente energéticas e libera essa energia quando a ligação é quebrada.

22 22 Todas as reações que ocorrem nas células (1000) possuem G < 0 * As enzimas aumentam a taxa de reações; no entanto, elas não alteram as concentrações de equilíbrio ou G para a reação. 3.1 Taxas de Reação e o Papel das Enzimas Para a reação G3P fi DHAP Observe o perfil energético da reação Energia de ativação (Ea) = barreira energética ou energia livre de ativação para a reação. Enzima (TFI) reduz a Ea estabilizando (reduzindo a energia livre de) estado de transição (intermediário). Na presença de TFI, a Ea para a reação é de 3 kcal/mol Em equilíbrio G = 0, a energia de ativação é de 26 kcal/mol Em equilíbrio, existem ~10 19 mais G3P do que cis-enediol (ou menos cis-enediol do que G3P). Portanto, a reação prossegue lentamente na ausência da enzima. Na presença da enzima, G = 13 kcal/mol. TFI estabiliza a cis-enediol intermediária, reduzindo assim sua energia livre de 26 kcal/mol para 13 kcal/mol. Em equilíbrio G=0; a energia de ativação é de 13 kcal/mol:

23 23 Em equilíbrio, existe ~10 10 mais G3P do que cis-enediol (ou menos cis-enediol do que G3P). A razão de [cis-enediol] para [G3P] é 10 9 vezes melhor na presença da enzima TFI. Mas como sabemos que as enzimas reduzem a Ea para a reação ligando-se ao estágio de transição? Porque os análogos do estágio de transição (moléculas estáveis) que se parecem com o estágio de transição ligam melhor as enzimas do que qualquer reagente ou produto. Papel das Enzimas nas Reações Químicas: Uma reação pode ser exergônica, mas ter muita Ea; portanto, precisamos de uma enzima para reduzir a Ea Uma reação pode ser endergônica e não prosseguir a não ser que esteja acoplada a uma reação exergônica. Uma enzima pode catalisar a reação acoplada, permitindo, portanto, que a reação prossiga Reações exergônicas ( G<0), reações endergônicas ( G>0) 4. Cinética das Enzimas (Cinética de Michaelis-Menten 1913) Podemos obter um modelo do mecanismo da reação enzimática da seguinte forma: K 1 = Constante de taxa de reação adiante K 2 = Constante de taxa de reação reversa K 3 = Taxa de reação adiante S = substrato E = enzima ES = complexo enzima substrato P = produto K1= ((# moles/l de ES formado.)/seg)/((# moles/l de E)(# moles de S)) = 1/ (mol/l x seg) unidades K2= ((# moles/l de S formado.)/seg)/((# moles/l de ES) K3= ((# moles/l de P formado.)/seg)/((# moles/l de ES) = 1/seg unidades = 1/seg unidades

24 24 1) Taxa Catalítica A taxa catalítica é igual ao produto das concentrações de ES e K 3 V = K3[ES] V = velocidade ou taxa de reação 2) A fração (f) da enzima ligada ao substrato é: [ ES ] [ ] f = [E T ] = Concentração total da enzima f E T [ S ] [ S ] + K m [E T ] = Concentração da enzima ligada = f = fração da enzima ligada ao substrato [ ] [ ] [ S] ES = ET [ S ] + K m Qual é a fração (f) da enzima ligada quando: 1) [S] = K m fração da enzima ligada = ½ k k k 2 3 m = = Constante de Michaelis K moles k = sec sec m = units 1 1 (moles) ( sec ) K m é uma medida da afinidade de uma enzima por seu substrato 2) [S] << K m fração de enzima ligada depende da afinidade da enzima por seu substrato 3) [S] >> K m fração ligada é 1 (enzima é limitada toda ligada com o substrato) A Taxa de Reação é V = K 3 [ES]; substituindo na equação:

25 25 A taxa máxima de reação (Vmax) é obtida quando a enzima é saturada com o substrato [ S] (quando [S]>> K m ) and aproxima-se de 1 (f =1) S + K V = K 3 [E T ] (1) V max = K 3 [E T ] Vmáx [ S ] [ S ] + K m [ ] m Então V = fi Equação de Michaelis-Menten Observe a representação gráfica da velocidade de reação como uma função da concentração do substrato [S], para um enzima que obedece à cinética de Michaelis- Menten 1) [S] é baixa ([S] no denominador não é mais importante) 2) [S] é alta (Valor de Km no denominador não é importante) então V= V max 3) [S] = Km (já que Km = [S]) então V = ½ V max Km é a [S] na qual metade da enzima está ligada ao substrato Qual é a velocidade da formação do produto: Per [E], per [S] Quando [S] é pequena, a maior parte da enzima está livre[e] = [E T ]

26 26 V = K 3 / K m = K cat K cat = # transferência; # do molécula transferida pela enzima por unidade de tempo para formar um produto Para a Triose Fosfato Isomerase: K 1 = 10 8 l/(moles x seg) K 2 = 430/seg K 3 = 430/seg K 3 / K m = K cat = ~ (10 8 produtos)/(reagentes x enzima x seg) A taxa da reação de TFI é limitada apenas pela difusão; sempre que a TFI encontra a G3P, a TFI converte a G3P em DHAP A taxa de difusão é de ~10 8 (portanto a enzima raramente encontra o substrato) TFI é, portanto, cineticamente perfeita sempre que encontra o substrato, converte o mesmo em seu produto Material Suplementar sobre Cinética das Enzimas (de 10/9/97). suplemento para o Capítulo 6 de Purves et al. Bioquímica IV: Metabolismo Energético Revisão de Cinética Estrutura do ATP em ph 7.0:

27 27 existe uma grande repulsão eletrostática entre os grupos fosfato com cargas negativas. A hidrólise do ATP para ADP + Pi libera energia livre e reduz a repulsão Como se produz ATP (energia para as células)? Através de um processo conhecido como Glicólise ( glico açúcar, lise quebra) Na glicólise, 1 molécula de glicose é convertida em 2 moléculas de piruvato Eficiência energética desse processo: Com Oxigênio: C 6 H 12 O 6 + 6H 2 O 6CO 2 + 6CO 2 + 6H 2 Oproduz 686 kcal/mol

28 28 Sem Oxigênio: C 6 H 12 O 6 2 lactatos 2 ATPs C 6 H 12 O 6 2 etanol + CO 2 2 ATPs A glicólise ocorre no citoplasma das células, não necessita de oxigênio e ocorre em todos os organismos ~ há 3,5 bilhões de anos: não havia oxigênio suficiente portanto os organismo possuíam um metabolismo anaeróbico ~ há 2,5 bilhões de anos: havia oxigênio suficiente para realizar metabolismo aeróbico A glicólise pode ser realizada nos extratos de leveduras (i.e. as leveduras vivas não são necessárias, apenas as enzimas. O termo enzima significa na levedura ) A glicólise possui duas fases: 1) Fase de investimento de energia (usa ATP) 2) Fase de geração de energia (produz ATP) Resumo das Reações da Glicólise: Composta por 10 etapas: 1 açúcar de 6-carbonos é convertido em moléculas de 2 3- carbonos. Uma observação importante: A reação G3P DHAP apresenta G = -1,86 kcal/mol No entanto, na glicólise DHAP é convertido em G3P. Dessa forma G dessa reação é + 1,86 kcal/mol! Como a reação prossegue nas células?? Uma vez que o G3P é usado em reações posteriores, a [G3P] diminui, o que direciona a reação para a direita, produzindo mais G3P. Mesmo que G > 0, o valor de G < 0 em virtude da razão de produtos/reagentes

29 29 G = G 0 + RTIn [ PRODUTO ] [ REAGENTES] Na célula, todas as reações prosseguirão adiante uma vez que G < 0 (obtido mantendo-se uma razão ótima de produtos / reagentes) TABELA DE valores de G e G das reações na glicólise. Observe que grande parte de G > 0, mas todos os valores de G são < 0 Portanto, a reação prossegue formando o piruvato! A Quinase é uma enzima que adiciona um grupo fosfato à molécula. Regulação das Vias O objetivo da glicólise é produzir ATP. O ATP produzido é usado em outras reações na célula (reações biossintéticas, transporte, etc.) A células sente a razão de ATP/ADP por exemplo: quando os músculos estão trabalhando intensamente, o ATP é convertido em ADP se a [ATP] for alta, a glicólise é baixa se a [ATP] for baixa, a glicólise é iniciada (aumento de ADP ativa a glicólise) É possível variar as velocidades de reação (v) das enzimas na glicólise trocando-se as variáveis na equação: Para Aumentar a Taxa de Glicólise: 1) Aumentar [E T ]; produzir mais enzimas por exemplo: após a ingestão de altos níveis de carboidratos os níveis de piruvatoquinase aumentam 2) Aumento da [S]; se aumentarmos a quantidade de substrato, aumentaremos a fração (f) da enzima que é ocupada pelo substrato: 3) Se K m for alterado poderá afetar a taxa da reação se K m for mais alto fi taxa mais lenta se K m mais baixo fi taxa mais rápida É possível alterar K m de uma enzima variando-se a forma do sítio ativo (sítio catalítico) da enzima

30 30 Exemplo: A ligação dos reguladores no sítio alostérico leva a uma variação da forma da enzima o que afeta o K m da enzima. Se diminuirmos K m fi a taxa (v) aumenta porque f será aumentado também Se aumentarmos K m fi a taxa (v) diminui porque diminuímos f A ligação dos reguladores no sítio ativo altera o sítio a posição de alguns aminoácidos muda em alguns angstroms suficiente para inativar a enzima. Regulação das Vias: Regulação de Feedback e Feed-Forward A maior parte das enzimas que catalisa reações nas vias bioquímicas é regulada. Exemplo de Via 1) F pode agir como um inibidor de feedback da enzima que catalisa a etapa C fi D (primeira etapa comprometida na síntese de F 2) I pode agir como um inibidor de feedback da enzima que catalisa a etapa C fi G para reduzir a velocidade daquela etapa 3) Tanto I quanto G juntos ou sozinhos podem agir como inibidores de feedback da etapa A fi B 4) A pode agir como um inibidor feed forward da etapa B fi C para aumentar a velocidade daquela reação Por exemplo: se tivermos muito A (A está construindo), é possível ir para a etapa de limitação de velocidade, diminuir K m da enzima e acelerar a reação

31 31 Normalmente, o produto final de uma via geralmente regula a primeira etapa comprometida da via (ou primeira etapa que necessita de enzimas) Na glicólise, certas enzimas são reguladas de forma que a velocidade da glicólise possa ser aumentada ou diminuída dependendo das exigências energéticas da célula. Regulação da enzima hexoquinase: G6-P inibe a hexoquinase se a glicólise for bloqueada ou freada. Regulação da enzima fosfofrutoquinase (enzima PFRK) ATP age como um regulador negativo da enzima PFK. Em alto [ATP], ATP liga-se ao sítio alostérico e altera a atividade catalítica da PFK (aumenta K m ) Em baixo, ATP liga-se ao sítio ativo da PFK e ativa PFK Alto [ADP] ativa a PFK

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade.

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade. ENZIMAS As enzimas são proteínas, catalisadores (aumenta a velocidade de uma determinada reação química) biológicos (proteínas) de alta especificidade. Praticamente todas as reações que caracterizam o

Leia mais

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO.

Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia celular e molecular Cursos: Ciências Biológicas, Enfermagem, Nutrição e TO. Bases Macromoleculares das Células Composição química das células

Leia mais

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA?

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS: CARBONO, HIDROGÊNIO, OXIGÊNIO E NITROGÊNIO FORMAM CADEIAS LONGAS E COMPLEXAS

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010

BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010 BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_1º Teste 25/10/2010 (Duração: 1,5 h) Nome do Aluno: Nº: Curso: Cada uma das questões de escolha múltipla (1 à 40) tem a cotação de 0,5 valores. Será descontado

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II Respiração Celular 1º estágio: GLICÓLISE 2º estágio: CK Ciclo de Krebs 3º estágio:

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO)

Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO) Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO) As proteínas são digeridas até aminoácidos, as gorduras (triglicérides) até glicerol

Leia mais

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos Moléculas orgânicas - Carboidratos São formados por C, H, O. São Conhecidos como: Hidratos de Carbono Glucídios Glicídios Açúcares Sacarídeos Funções: Energética (glicose); Glicogênio : reserva energética

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Energia de interação entre macromoléculas Interações em meio

Leia mais

GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES. Professor Cristiano

GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES. Professor Cristiano GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES Professor Cristiano GEOMETRIA MOLECULAR É o estudo de como os átomos estão distribuídos espacialmente em uma molécula. Dependendo dos átomos que a

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Professor Carlos - Proteinas

Professor Carlos - Proteinas 14085. (Fuvest 2001) Os três compostos abaixo têm uso farmacológico Considere as afirmações: I Nas moléculas dos três compostos, há ligações peptídicas. II A porcentagem em massa de oxigênio na dropropizina

Leia mais

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO P ROTEÍNAS P ROPRIEDADE BÁSICA São grandes moléculas (macromoléculas) constituídas por aminoácidos, através de ligações peptídicas. É o composto orgânico mais abundante no corpo

Leia mais

A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva

A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva Principais elementos químicos dos seres vivos Quando se analisa a matéria-viva que constitui os seres vivos, encontram-se principalmente os seguintes

Leia mais

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo METABOLISMO Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo Mas o que é metabolismo? Metabolismo é o nome que damos ao

Leia mais

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula Enzimas Profª Eleonora Slide de aula Enzimas São proteínas capazes de promover catálise de reações biológicas. Possuem alta especificidade e grande poder catalítico. Especificidade: o substrato sofre ação

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Regulação do metabolismo do glicogênio

Regulação do metabolismo do glicogênio Regulação do metabolismo do glicogênio A U L A 27 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Aprender sobre as vias de regulação do metabolismo de glicogênio. Reforçar os conceitos adquiridos

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS CÉLULA Unidade fundamental dos seres vivos Menor estrutura biológica capaz de ter vida autônoma Átomos Moléculas Estruturas supramoleculares Células tecidos órgãos Sistemas

Leia mais

www.aliancaprevestibular.com

www.aliancaprevestibular.com Professor Juliana Villa-Verde Disciplina Bio I Lista nº Assuntos Texto I Intodução à Citologia CITOLOGIA É o ramo da biologia que estuda a célula, unidade básica dos seres vivos. Hans e Zacarias Jensen

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição

Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição Membrana Celular: Bicamada Lipídica Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto FEV/2011 BICAMADA LIPÍDICA Bicamada Formada por 50% de lipídeos (latu senso); As moléculas das membranas são

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 02/12/2012 Candidato: GABARITO Curso Pretendido: OBSERVAÇÕES: 01 Prova SEM consulta

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA) pela Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos

Leia mais

ENZIMAS E METABOLISMO

ENZIMAS E METABOLISMO ENZIMAS E METABOLISMO Metabolismo Celular é o conjunto de todas as reacções químicas celulares acompanhadas de transferência de energia. ANABOLISMO conjunto de reacções químicas que conduzem à biossíntese

Leia mais

Profa Fernanda Galante Fundamentos de Química e Biologia Molecular/ Nutrição Material 3 1 LIGAÇÕES QUIMICAS

Profa Fernanda Galante Fundamentos de Química e Biologia Molecular/ Nutrição Material 3 1 LIGAÇÕES QUIMICAS Profa Fernanda Galante Fundamentos de Química e Biologia Molecular/ Nutrição Material 3 1 LIGAÇÕES QUIMICAS REGRA DO OCTETO Cada átomo tem um número de elétrons diferente e estes e - (elétrons) estão distribuídos

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

Soluções para Conjunto de Problemas 1

Soluções para Conjunto de Problemas 1 Soluções para 7.012 Conjunto de Problemas 1 Pergunta 1 a) Quais são os quatro principais tipos de moléculas biológicas discutidas na palestra? Cite uma função importante para cada tipo de molécula biológica

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br E da onde vem esta energia?? E o que é Bioenergética? Para manterem-se vivos e desempenharem diversas funções biológicas os organismos necessitam continuamente

Leia mais

Importante reserva energética; são as gorduras.

Importante reserva energética; são as gorduras. Importante reserva energética; são as gorduras. 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato. Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os carboidratos. O excesso do consumo

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. Introdução ao Estudo da Bioquímica

Profª Eleonora Slide de aula. Introdução ao Estudo da Bioquímica Introdução ao Estudo da Bioquímica Introdução aracterísticas Químicas da Matéria Viva A maioria dos organismos é constituída de apenas 16 elementos químicos Ligações não covalentes são importantes na estrutura

Leia mais

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto Bioquímica: orgânicos e inorgânicos necessários à vida Leandro Pereira Canuto Toda matéria viva: C H O N P S inorgânicos orgânicos Água Sais Minerais inorgânicos orgânicos Carboidratos Proteínas Lipídios

Leia mais

Resumo Teórico. Fala Gás Nobre! Tudo bem?

Resumo Teórico. Fala Gás Nobre! Tudo bem? Resumo Teórico 2 Fala Gás Nobre! Tudo bem? Já assistimos todos os vídeos sobre a Poluição da Água. Estamos cada vez mais próximos do sucesso. Por isso quero te entregar esse material que contém o resumo

Leia mais

08/10/2012. Citologia. Equipe de Biologia. De que são formados os seres vivos? Substâncias inorgânicas. Água Sais minerais. Substâncias orgânicas

08/10/2012. Citologia. Equipe de Biologia. De que são formados os seres vivos? Substâncias inorgânicas. Água Sais minerais. Substâncias orgânicas Citologia Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias inorgânicas Água Sais minerais Substâncias orgânicas Carboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos .

Leia mais

Equilíbrio Ácido-Básico. Água : solvente das reações químicas

Equilíbrio Ácido-Básico. Água : solvente das reações químicas Equilíbrio Ácido-Básico Água : solvente das reações químicas Introdução Polaridade molecular: moléculas que possuem uma maior concentração de cargas numa parte da molécula. Os elétrons são compartilhados

Leia mais

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é:

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: 01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: a) Halogênios b) Calcogênios c) Metais Alcalinos Terrosos d) Metais Alcalinos e) Gases Nobres 02) (UFF-RJ)

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA. Luis Eduardo Maggi

TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA. Luis Eduardo Maggi TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA Luis Eduardo Maggi Tipos de Transporte Passivo Difusão simples Difusão facilitada Osmose Ativo Impulsionado pelo gradiente iônico Bomba de Na/K Em Bloco Endocitose: (Fagocitose,

Leia mais

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA REVISÃO QUÍMICA Profº JURANDIR QUÍMICA DADOS 01. (ENEM 2004) Em setembro de 1998, cerca de 10.000 toneladas de ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) foram derramadas pelo navio Bahamas no litoral do Rio Grande

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia ap. 4: omponentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias orgânicas arboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Disciplina: Engenharia de Proteínas Ma. Flávia Campos Freitas Vieira NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Fonte: Lehninger, 2010.

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A água é a substância mais abundante nos seres vivos, perfazendo 70% ou mais da massa da maioria dos organismos. A água permeia todas as porções de

Leia mais

- LIGAÇÕES IÔNICAS: Na (1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 ) + Cl (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 ) Na + (1s 2 2s 2 2p 6 ) + Cl - (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 )

- LIGAÇÕES IÔNICAS: Na (1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 ) + Cl (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 ) Na + (1s 2 2s 2 2p 6 ) + Cl - (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 ) - LIGAÇÕES IÔNICAS: A ligação iônica é a ligação química formada pela atração eletrostática entre íons positivos e íons negativos. A ligação se dá entre dois átomos quando um elétron, ou mais um, se transfere

Leia mais

Estrutura tridimensional de proteínas. Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi

Estrutura tridimensional de proteínas. Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi Estrutura tridimensional de proteínas Prof. Dr. Fernando Berton Zanchi Níveis de Estruturas Protéicas A conformação espacial das proteínas As proteínas não são traços rígidos porque suas ligações químicas

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

O processo da Expressão Gênica

O processo da Expressão Gênica Coordenadoria de Educação e Difusão de Ciências Rua 9 de Julho, 1205 - São Carlos - São Paulo e-mail: cbme@if.sc.usp.br- Telefone: (16) 3373-9159 http://cbme.ifsc.usp.br http://cbme.usp.br O processo da

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br O metabolismo de carboidratos em humanos pode ser dividido nas seguintes categorias: 1. Glicólise 2. Ciclo de Krebs 3. Glicogênese 4. Glicogenólise

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA. Aluno: Módulo I

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA. Aluno: Módulo I INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA Aluno: Módulo I Professor: Leandro Parussolo Unidade Curricular: Biologia Celular ATIVIDADE

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

Enzimática. Representação termodinâmica da ação catalítica de uma enzima: reação não catalisada. reação enzimaticamente catalisada (+) (o)

Enzimática. Representação termodinâmica da ação catalítica de uma enzima: reação não catalisada. reação enzimaticamente catalisada (+) (o) Cinética Enzimática Representação termodinâmica da ação catalítica de uma enzima: (+) reação não catalisada (o) reação enzimaticamente catalisada 1 Hipótese chave-fechadura Centro ativo complementar em

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Ácidos e bases. Aula 8 Ácidos e Bases / ph. Par ácido-base conjugado. Ácidos e bases

Ácidos e bases. Aula 8 Ácidos e Bases / ph. Par ácido-base conjugado. Ácidos e bases Aula 8 Ácidos e Bases / ph Prof. Ricardo Aparicio - IQ/Unicamp - 1s/2009 QG107 (Biologia) - 1s/2009 Definição de Brønsted-Lowry (1923) definição mais abrangente que a de Arrhenius ácidos e bases = ácidos

Leia mais

ENZIMAS. Enzimas são proteínas especializadas que funcionam na aceleração de reações químicas. Função: catalisadores biológicos.

ENZIMAS. Enzimas são proteínas especializadas que funcionam na aceleração de reações químicas. Função: catalisadores biológicos. ENZIMAS Enzimas são proteínas especializadas que funcionam na aceleração de reações químicas. Função: catalisadores biológicos. exceção: grupo de RNA catalítico (ribozimas) Importância da catálise: Sem

Leia mais

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32 QUÍMICA Questão 3 Em 9,9 g de um sal de cálcio encontra-se 0,5 mol desse elemento. Qual a massa molar do ânion trivalente que forma esse sal? Dado: Ca 40 g/mol. (A) 39 g/mol. (B) 278 g/mol. (C) 63,3 g/mol.

Leia mais

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR As moléculas que constituem as células são formadas pelos mesmos átomos encontrados nos seres inanimados. Todavia, na origem e evolução das células, alguns

Leia mais

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida);

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida); Enzimas Enzimas Enzimas - são proteínas de alta massa molecular (MM > 15000 Da) produzidas por células vivas e que têm a capacidade de aumentar a velocidade das reações biológicas por ativação específica

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

BIOLOGIA - AULA 04: NOÇÕES DE QUÍMICA CELULAR; MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES.

BIOLOGIA - AULA 04: NOÇÕES DE QUÍMICA CELULAR; MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES. BIOLOGIA - AULA 04: NOÇÕES DE QUÍMICA CELULAR; MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES. I. NOÇÕES DE QUÍMICA CELULAR 1. A composição química da célula Certas substâncias são essenciais para a manutenção da vida

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

Mary Santiago Silva 05/05/2010

Mary Santiago Silva 05/05/2010 Espectrometria de Massas Interpretação do Espectro de Massas Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Departamento de Química - UFS Introdução Fragmentação em espectro de massas por EI oferece importante informação

Leia mais

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA Hibridização Revisão - Química Orgânica Básica 1 Tabela Periódica 2 Moléculas Diatômicas 3 Moléculas Poliatômicas 4 Eletronegatividade 5 A interação da luz e a matéria 6 Hibridização

Leia mais

CARBOIDRATOS. INTRODUÇÃO -Biomoléculas mais abundantes -Base da nutrição animal

CARBOIDRATOS. INTRODUÇÃO -Biomoléculas mais abundantes -Base da nutrição animal INTRODUÇÃO -Biomoléculas mais abundantes -Base da nutrição animal CARBOIDRATOS *Os animais não são capazes de sintetizar carboidratos a partir de substratos simples não energéticos, precisando obtê-los

Leia mais

Separação e Cromatografia de Proteínas

Separação e Cromatografia de Proteínas QBQ0316N: Bioquímica Experimental Farmácia São Paulo, 11 de setembro 2013 Separação e Cromatografia de Proteínas Universidade de São Paulo QBQ0316N: Bioquímica Experimental Farmácia São Paulo, 11 de setembro

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares Resolução das atividades complementares 4 Química Q50 Forças intermoleculares p. 15 1 (Unifor-CE) Considerando a natureza das ligações químicas intermoleculares existentes nas substâncias: Etanol C 2 H

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

3ªsérie B I O L O G I A

3ªsérie B I O L O G I A 3.1 QUESTÃO 1 Três consumidores, A, B e C, compraram, cada um deles, uma bebida em embalagem longa vida, adequada às suas respectivas dietas. As tabelas abaixo trazem informações nutricionais sobre cada

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente BIOLOGIA I TRIMESTRE A descoberta da vida Biologia e ciência Origem da vida

Leia mais

Metabolismo de Lipídeos. Profa. Alana Cecília

Metabolismo de Lipídeos. Profa. Alana Cecília Metabolismo de Lipídeos Profa. Alana Cecília Lipídeos Catabolismo A oxidação dos ácidos graxos é a principal fonte de energia no catabolismo de lipídeos; os lipídeos esteróis (esteróides que possuem um

Leia mais

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo.

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Introdução Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Existem também sistemas, em que as reações direta e inversa

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu. Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu. Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Me. DIOGO LOPES Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE QUÍMICA I OBS: Sua lista semanal deverá ser respondida em folha de papel almaço, copiando

Leia mais

Moléculas envolvidas no metabolismo. Carboidratos Lipídeos Proteínas Sais minerais Vitaminas Água

Moléculas envolvidas no metabolismo. Carboidratos Lipídeos Proteínas Sais minerais Vitaminas Água Moléculas envolvidas no metabolismo Carboidratos Lipídeos Proteínas Sais minerais Vitaminas Água Polissacarídeos Aminoácidos Aromáticos Hexoses Catecolaminas Pentoses Purinas Fotossíntese Pirimidinas Biosíntese

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Teste de avaliação Nome ----------------------------------------------------------------------- Numero -------------------------------

Leia mais

Síntese Artificial de Peptídeos

Síntese Artificial de Peptídeos Síntese Artificial de Peptídeos Rebeca Bayeh Seminário apresentado para a disciplina Princípios Físicos Aplicados à Fisiologia (PGF530) Prof. Dr. Adriano Mesquita Alencar Segundo semestre de 2013 Motivação

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

Quando esses temas são compreendidos, o aprendizado da química orgânica se torna muito mais fácil, diminuindo a necessidade de memorização.

Quando esses temas são compreendidos, o aprendizado da química orgânica se torna muito mais fácil, diminuindo a necessidade de memorização. REAÇÕES ORGÂNIAS A primeira vista, a química orgânica pode ser observada como uma coleção confusa de milhões de compostos, dezenas de grupos funcionais e um número infinito de reações químicas. Ao estudá-la,

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio?

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio? Questão 1: O Brasil é o campeão mundial da reciclagem de alumínio, colaborando com a preservação do meio ambiente. Por outro lado, a obtenção industrial do alumínio sempre foi um processo caro, consumindo

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo

Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo Ligação Química e Estudo do Átomo de Carbono Aula 1 1- INTRODUÇÃO Os átomos são formados por nêutrons, prótons e elétrons.

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

O processo da Expressão Gênica

O processo da Expressão Gênica INBEQMeDI Instituto Nacional de Biotecnologia Estrutural e Química Medicinal em Doenças Infecciosas Coordenadoria de Educação e Difusão de Ciências Telefone: (16) 3373-9159 Rua 9 de julho, 1205 - Centro

Leia mais