ANÁLISE DA ATMOSFERA DE COMPRA: ESTUDO DE CASO DA LOJA TUNIT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA ATMOSFERA DE COMPRA: ESTUDO DE CASO DA LOJA TUNIT"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ - UNIVALI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA - ProPPEC GERÊNCIA DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO PARA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR SILVANA SOUZA ANÁLISE DA ATMOSFERA DE COMPRA: ESTUDO DE CASO DA LOJA TUNIT Itajaí, SC 2010

2 2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ - UNIVALI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA - ProPPEC GERÊNCIA DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO PARA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR SILVANA SOUZA ANÁLISE DA ATMOSFERA DE COMPRA: ESTUDO DE CASO DA LOJA TUNIT Monografia submetida à Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), como requisito parcial à obtenção do título de especialista no magistério superior. Orientadora: Profª. Ana Paula Lisboa Sohn. Itajaí, SC 2010

3 3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO TEMA Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Merchandising Ponto de Venda Atmosfera de Compra Layout da Loja Comunicação Cor Som Luz Aroma Movimento METODOLOGIA Abordagem Qualitativa Estudo de Caso Análise dos Dados à Luz da Literatura Considerações Finais...24 REFERÊNCIAS...25 ANEXOS...27

4 4 INTRODUÇÃO O varejo brasileiro tem passado por um profundo processo de transformação. A estabilidade da economia tem obrigado as empresas comerciais brasileiras a se tornarem mais competitivas e a ampliarem seus níveis de informação a respeito do mercado consumidor. Isso é particularmente mais intenso no ramo de vestuário à medida que a roupa representa uma forma de expressão e de demonstração de individualidade das pessoas. A presente monografia tem por objeto comprovar a importância da Arquitetura direcionada ao Ponto de Venda. Seu objetivo é demonstrar essa importância através do estudo em visual merchandising. Este objetivo será alcançado por meio do estudo de caso da Loja Tunit, situada no Garten Shopping, em Joinville/SC. A partir desse estudo, foram analisados todos os fatores que geraram ou influenciaram a atmosfera de compra. De acordo com Las Casas (1994, p. 19) observa-se que, na busca pela fidelidade do cliente, o varejo tem sido pressionado a utilizar estratégias cada vez mais focadas no consumidor final, estabelecendo, assim, um grande ritmo competitivo, o qual possibilita a expansão e a sobrevivência desse segmento de negócio. Segundo Blessa (2007, p. 18) a atmosfera refere-se ao design de um ambiente por meio de comunicações visuais, iluminação, cores, música, aromas para estimular as respostas emocionais e de percepção dos clientes que, ao final, poderão afetar seu comportamento de compra.

5 5 O primeiro capítulo é responsável pela apresentação da motivação do projeto, seus objetivos e justificativas. O segundo capítulo cita a base teórica, fundamentada no Marketing de Varejo, focando diretamente o Visual Merchandising em varejos de moda. Cita também os fatores que criam a atmosfera de compra, sendo eles o layout da loja, a comunicação, a cor, o som, a luz, o aroma e o movimento. A loja em questão é apresentada no capítulo final, em que será apresentado o estudo de caso, comprovando cada princípio inerente à atmosfera de compra.

6 6 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA 1.1 Justificativa O presente trabalho tem como tema o estudo da análise da atmosfera de compra dentro de um ponto de venda e cada fator que a estabelece. Considerando que a prática chamada Visual Merchandising é uma área bastante nova no Brasil ainda são escassos os estudos relacionados ao público brasileiro dentro dessa área. De acordo com Biscola (2008, p. 105), os diversos formatos varejistas devem adquirir conhecimento em relação ao que os seus consumidores percebem como sacrifício (ou seja, o ônus) e benefício (ou seja, o bônus), para poderem conceber estratégias e ações de marketing coerentes com as demandas existentes. Os objetivos do projeto são os seguintes: 1.2 Objetivos Objetivo Geral: Identificar e analisar os fatores que constroem a atmosfera de compra no ponto de venda Objetivos Específicos: Fundamentar a importância da atmosfera de compra no ponto de venda. De acordo com Strunck (2001, p. 86), pesquisas realizadas no Brasil

7 7 revelaram os enormes índices de decisão de compras realizadas nas lojas, que são as compras encaradas não apenas como a satisfação de nossas necessidades básicas, mas também como um programa, como lazer. Compreender o merchandising no ponto de venda como ferramenta de atração do consumidor e impulsão à compra. Antecipar-se às mudanças e identificar novas oportunidades requer a postura de empresas líderes, capazes de descobrir suas forças internas para gerenciar mudanças e prosperar mesmo em meio a crises [...] (COBRA, 2003, p. 22). Demonstrar a contribuição do merchandising no processo de decisão de compra do consumidor. Empregar o projeto como fonte para futuras pesquisas universitárias dentro da área de marketing e merchandising.

8 8 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Merchandising Segundo Wikipédia (acesso em 26/06/2010), Merchandising é uma ferramenta de Marketing, formada pelo conjunto de técnicas responsáveis pela formação e apresentação destacada dos produtos no ponto de venda de maneira tal que acelere a sua rotatividade. Seguindo o pensamento de Kotler (2000, p. 30), marketing se define como a arte e a ciência da escolha de mercados alvo e da captação, manutenção e fidelização de clientes por meio da criação, da entrega e da comunicação de um valor superior para o cliente. O marketing voltado para o valor pressupõem que os clientes variam em suas percepções de valor: diferentes clientes podem avaliar o mesmo produto de maneiras diferentes. (CHURCHILL, 2005, p. 14). A palavra inglesa merchandise significa mercadoria, e merchandiser significa negociante. Por sua vez, a tradução de merchandising seria mercadização, nome que em português não corresponde exatamente ao significado da atividade como é escolhida, merchandising seria então uma derivação da palavra merchandise, que se pode traduzir como operação com mercadorias (BLESSA, 2005). Sant Anna (2002, p. 23), afirma que merchandising é planejamento promocional do produto antes de ser lançado no mercado. É a preparação da mercadoria para torná-la adequada às necessidades do consumidor.

9 9 Sant Anna (2002, p. 23) afirma também que o marketing define o quê e onde vende, enquanto o merchandising, como e por que vender. O merchandising tem fator determinante no posicionamento do produto e da marca. É o merchandising que define o público consumidor, definindo o valor emocional do produto através da sua exposição. 2.2 Ponto de Venda O ponto de venda é o estabelecimento comercial em que os produtos ou os serviços de determinada marca ou segmento são comercializados. Dentro da cadeia de distribuição, o ponto de venda é o mais importante elo entre a marca e o consumidor. É no ponto de venda que o cliente obterá o contato necessário para decidir pela compra ou não do produto. De acordo com estudo realizado pela Empresa Popai Brasil, 85% das decisões de marca são tomadas no ponto de venda. Portanto, cabe ao projeto que segue encontrar dento do estudo do ponto de venda os fatores que o tornam apto a vender os produtos ali expostos. Como nenhum outro, o ponto de venda representa o momento e o lugar para onde convergem todos os elementos que compõem a venda: o produto, o consumidor e o dinheiro. (BLESSA, 2005). 2.3 Atmosfera de Compra Aspectos intrínsecos como a atmosfera da loja, a conveniência do estabelecimento e os preços praticados possuem uma importância maior do que aquela percebida num primeiro momento. As informações relacionadas

10 10 aos atributos de loja são importantes aos profissionais da área de marketing por possibilitar a melhora da imagem de uma determinada loja a fim de influenciar o comportamento de seus consumidores (TEIXEIRA; BARBOSA, 2005). Para que o consumidor sinta-se apto a comprar, é necessário que dentro do ponto de venda se consiga distinguir a atmosfera de compra. A atmosfera de compra é formada por um conjunto de fatores que, unidos, estimulam o consumidor a adquirir produtos que na maioria das vezes não precisariam possuir Layout da Loja O layout é o planejamento do espaço da loja. Ë o conjunto da distribuição dos equipamentos com os produtos, dos espaços internos (áreas de apoio, promocional e de circulação) e da iluminação, representado em planta, definindo a operacionalidade e funcionalidade da loja. Além disso, o layout da loja define a movimentação dos clientes e dos funcionários dentro do espaço, prevê a localização do mobiliário necessário e estabelece a maneira como os produtos serão expostos de acordo com cada situação ou época. Ou seja, a localização dos produtos pode ser modificada em certas épocas, como promoções especiais e datas específicas. Essa localização também é prevista através da planta de layout da loja. No layout da loja é preciso prever: O mobiliário especializado; O linear das famílias e subfamílias; Agrupamento de categorias e famílias de uso;

11 11 Esquema de implantação; Áreas de circulação de funcionários e de consumidores; SAC/empacotamento/segurança/vitrines; Depósitos; Áreas de descanso e banheiros; Estacionamentos. Também é importante levar em consideração: Organização do atendimento; Adaptação das prateleiras; Estética, arrumação e decoração; Locais para pontos extras, promoções e corners exclusivos; Pisos não muito lisos (escorregadios) nem com muito atrito (abrasivos); Movimentação fácil em caso de substituições. Dentro do layout não existe um modelo único de planta baixa, havendo inúmeras formas de exposição dos produtos, principalmente em lojas ou supermercados que tenham vários departamentos. É importante observar ainda que, mesmo que o layout varie, os departamentos que têm alguma relação não deverão estar separados ou misturados. Na maioria das plantas, os produtos mais importantes ou essenciais do ponto de venda são posicionados no fundo da loja, fazendo assim com que o cliente passe por toda a loja até chegar ao que precisa, podendo ter sua atenção chamada por algum outro produto no caminho.

12 Comunicação Segundo pesquisas, grande parte da comunicação tradicional dos canais de compra não é lembrada espontaneamente pelos consumidores por ter se tornado paisagem comum dentro das lojas. Numa época em que a comunicação no ponto de venda tem forte impacto sobre esse consumidor, complementando a comunicação da marca e criando uma experiência única para o comprador, este é um erro que pode transformar o que seria uma experiência única e prazerosa numa vivência estressante pelo bombardeio de informações que dispersam a atenção do consumidor. A comunicação em um ponto de venda pode incluir: letreiros indicativos, placas decorativas; banners, demonstrando os produtos ou os consumidores (perfil), decoração fixa; decorações sazonais (Natal, Páscoa, dia dos namorados...), identidade visual da loja; etc. Já que o propósito principal da sinalização é chamar a atenção para o produto e informar, ela deve ser simples e de rápida compreensão, para isso é interessante o uso de poucas palavras, letras simples e grandes. Se o cliente encontrar dificuldade na leitura, ele desiste. Qualquer comunicação no ponto de venda, portanto, precisa ser pertinente à categoria e relevante ao cliente. Neste sentido, a tendência é a busca por uma comunicação que vise a uma experiência sensorial e ainda traga algum tipo de benefício ao comprador. Na América Latina algumas inovações no ponto de venda já foram observadas, acompanhando os movimentos globais: proliferação de lojas especializadas que vendem marcas próprias; surgimento de canais especializados; movimento do foco no produto para foco no comprador; movimento do foco no preço, para foco no valor; movimento do

13 13 foco na satisfação para foco em lealdade; maior atenção ao desenvolvimento de embalagens; uso de segmentação de clientes para orientar as relações de marketing oferecer o produto correto com a comunicação correta ao cliente correto; busca do comprador por rapidez e conveniência; busca de uma experiência de compra personalizada: produtos, ambiente e mensagens que deslumbrem e estimulem o comprador. Para Underhill (1999), a localização para a inclusão de cartazes ou banners é fundamental, o melhor lugar é o mais próximo ás filas de caixa, um cartaz pode despertar o interesse do cliente e também distrai por alguns momentos enquanto aguarda sua vez. Para Célia Silva, diretora de Shopper na GfK, mais que somente captar a atenção do comprador, hoje é importante proporcionar experiências sensoriais que visem provocar a experimentação e concretizar a venda. É o início da transformação do varejo de simples destino para compra em um espaço cenográfico e de entretenimento, onde se pode vivenciar momentos inesquecíveis, avalia Célia Cor As cores são de grande valia na atração do público certo, no destaque de mercadorias específicas, podendo até ser utilizadas na separação de departamento em lojas maiores. Para grandes lojas, o importante é se utilizar de cores claras nas paredes, teto branco para economizar luz, e os elementos de decoração seguindo a mesma cartela de cores para ornar com os demais elementos da loja.

14 14 Como se sabe, cada cor pode ser interessante em determinados momentos. As cores primárias funcionam muito bem com crianças; os adolescentes se interessam por cores fortes e quentes; os esportistas por cores que remetam à radicalidade; as compradoras de lingerie por tons pastéis; os homens executivos gostam de cores mais apagadas. Além dessas associações, existem várias outras que serão determinadas pelo que o público busca no seu PDV. A cor laranja funciona bem com ambientes alimentícios, o vermelho sugere vontade e motivação. Deve se estudar cada cor e o que se quer atingir com o seu uso no ambiente. No campo da comunicação, a cor tem uma função bem definida e específica de ajudar na clareza da mensagem a ser transmitida. Contudo, é difícil prever a reação do ser humano aos estímulos cromáticos, tendo em vista que nem sempre ele reage de maneira uniforme. Neste sentido, a preferência por cores muda de acordo com a moda, situação econômica, dificuldades existenciais e tantos outros fatores. Há inclinações afetivas por determinadas cores ou tonalidades de cor e, talvez, o ser humano seja muito mais fiel às preferências do que se possa suspeitar. A cor se torna informação visual, a partir do momento que é causada por um estímulo físico, percebida pelos olhos e decodificada pelo cérebro. Essa decodificação é pessoal, por exemplo, o preto, que para algumas pessoas remete à escuridão e à tristeza, para outras significa elegância e beleza. Na definição de Pedrosa (2003, p. 17), a cor não tem existência material: é apenas sensação produzida por certas organizações nervosas sob a ação da luz. Tem-se aí a comprovação da importância das cores para o varejo. A utilização da cor certa pode despertar sensações e definir ações e

15 15 comportamentos, além de provocar reações físicas e psicológicas. Ligando ao varejo, essas reações podem levar o cliente ao encanto ou à repulsa pelo produto a ser vendido Som As empresas norte-americanas europeias e de outros países já apostam fortemente na ideia de que a publicidade deve entreter o consumidor e de que isso deve ser aplicado no ponto de venda. São inúmeros os estudos científicos que apontam a música como grande influenciadora do cérebro humano. A música baixa a pressão de pessoas hipertensas, aumenta o desempenho de atletas (às vezes muito mais eficaz que estimulantes lícitos), diminui dores e até aumenta a capacidade cerebral das pessoas. Um ambiente agradável torna a experiência de compra positiva e estimulante. Já foi comprovado que música tranquila em shopping centers faz com que as pessoas andem mais devagar, olhem mais vitrines e, consequentemente, comprem mais. Estudos científicos indicam que a adequada escolha do fundo musical pode contribuir, substancialmente, para o aumento das vendas. Por isso a tendência é que a escolha da música para o ponto de vendas seja cada vez mais estratégica, reforçando a comunicação da empresa com o cliente. Mas mais importante que colocar música no seu local é fazê-lo adequadamente. O som ambiente pode despertar reações afetivas e cognitivas nos consumidores, criando, de forma velada, uma identificação com a marca. A

16 16 música deve encaixar-se no perfil do cliente, e estar de acordo com a identidade da empresa. Ou seja, não adianta você ter uma loja para adolescentes e tocar no ambiente Beatles. Em bares e restaurantes, essa identificação com o local fica ainda mais clara, já que o consumo nesses lugares vai depender também do tempo que a pessoa passa ali. Proporcionar um ambiente aconchegante e de acordo com que as pessoas que frequentam o local esperam encontrar fideliza a clientela e aumenta o consumo. Nos Estados Unidos, Europa e outros países as marcas já entenderam bem que os consumidores fixam uma identidade também através dos demais sentidos além da visão, o olfato, a audição. Por isso, quando o consumidor entra em algumas lojas, já pode sentir o cheiro característico, um perfume forte ou marcante. O mesmo acontece com a música: existem lojas para jovens e adolescentes que, quando se entra, mais parece uma balada. Dentro daquele clima a garotada se identifica, quer ser assim cool, quer ter esse astral de festa, carregar todo esse ambiente legal com ele e, consequentemente, acaba comprando mais. Assim como as cores e a iluminação, a música pode acrescentar ou depreciar a atmosfera de compra da loja. Além disso, é o quesito de mais fácil mudança, bastando apenas trocar o CD, conforme o período ou o público em circulação Luz A correta iluminação é responsável por clarear o ambiente, destacar produtos ou espaços especiais, decorar e personalizar os ambientes. Locais bem iluminados dão a sensação de limpeza, tornam-se agradáveis e atraem o

17 17 consumidor. A iluminação também pode disfarçar partes menos interessantes da loja, sem a necessidade de uma reforma. Segundo Blessa (2007, p. 64), O projeto de iluminação deve ser calculado para não haver luz de mais nem de menos. Lojas escuras ou as que economizam luz criam uma atmosfera pouco atrativa, desestimulando os clientes a entrar. Se da rua, em plena luz do dia, se vê uma loja que parece apagada, é sinal de iluminação deficiente. Toda loja deve ser clara, mesmo durante a luz do dia. Salvo raras exceções encontradas em lojas que queiram passar a impressão de obscuras ou sombrias. É importante também que a iluminação não modifique a cor real das mercadorias. Outro cuidado importante é com a cor da pele do consumidor, empalidecida pela lâmpada fluorescente. Professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing, Heloísa Omine diz que a boa iluminação gera atmosfera de compra, direciona o olhar e serve como descompressão, ou seja, faz o comprador sentir que sai de um ambiente estressante e entrar em um ambiente de bem-estar. Quanto mais confortável é o processo de compra, maior é o tempo dedicado a essa experiência, maior é a facilidade de encontrar produtos, verificar seu estado de conservação e ler embalagens. "O potencial de vendas da loja aumenta quando esses quesitos são satisfatórios. Além disso, a iluminação inadequada é um inimigo invisível que inibe a fidelização dos consumidores", ressalta Rafael D'Andrea, sócio da empresa Tool Box. Em geral a luz modela e demarca os ambientes, influenciando a percepção de espaço e levando a atenção do consumidor aos produtos e locais de destaque. A atração para o interior da loja é a chave, por isso se deve levar em conta três

18 18 momentos: primeiro impacto do ambiente, circulação na loja e a tarefa, tanto nos locais de destaque quanto no que se refere aos produtos. D'Andrea conta que, em enquete realizada pela Tool Box, se perguntou aos consumidores qual seria o primeiro sentimento causado por uma gôndola mal iluminada. A resposta mais frequente foi "abandono", que demonstra desleixo do varejista. Em seguida, apareceu "irritação". Por isso ele lembra que o primeiro passo ao pensar em luz é não incomodar o cliente, evitando perturbações como pouca nitidez na legibilidade dos rótulos, contraste excessivo (que produz desconforto na adaptação ao ambiente), ofuscamento, alteração de cores e até alterações nos produtos por calor e exposição excessiva à luz natural Aroma O aroma é o sentido mais ligado à emoção. Visa criar uma identidade própria no ponto-de-venda a partir de fragrâncias pré-determinadas através de uma avaliação do tipo de negócio. Os aromatizadores utilizados pelas empresas são estrategicamente instalados no ambiente, programados para borrifar a fragrância de tempo em tempo e numa quantidade suficiente para o sucesso da ação. Cada aparelho é capaz de perfumar espaços de, aproximadamente, 35 m 2. Em locais maiores, a aromatização pode ser feita através do ar condicionado. Para se chegar a uma identidade olfativa, é preciso estudar o ambiente a ser explorado, o público-alvo e o objetivo da ação. Este nicho de mercado antes trabalhado no campo prático da experimentação, consolida-se como um

19 19 mercado de fato e requer competência e atualização constante na área de aromaterapia. Por exemplo, sugerem-se para lojas de calçados as fragrâncias herbais ou mesmo os amadeirados. Mas há exceções, como exemplo, se a loja for de calçados infantis funciona melhor se aromatizada com essência de tutti-frutti. Cabrino (2002, p. 6), em seu artigo "A Excelência: O Ponto-de-Venda", diz que: aromas como o de maçã verde e pepino, são ideais para pontos-de-venda de pequeno porte, uma vez que possuem propriedades capazes de reduzir os níveis de stress e claustrofobia. O cheiro de fumaça de churrasco é indicado para espaços amplos, pois provoca sensação de aconchego, evitando crises de agorafobia (medo de lugares públicos e descobertos). O grau de olfato varia de pessoa a pessoa. As mulheres têm um olfato mais apurado que os homens, principalmente durante a ovulação. Os idosos, com mais de 80 anos, apresentam sensível redução na percepção olfativa, assim como os fumantes e as pessoas que trabalham ao ar livre. Em vários países, como Estados Unidos, Austrália e França, as chamadas marcas olfativas são registráveis porque suas leis possuem uma definição de marca bastante ampla e flexível, que comporta não só as marcas tradicionais, que normalmente se conhece, mas também essas formas não-convencionais. No artigo Cheiro de Compras, feito pelo Jornal Estado de Minas, em março de 2006, a dona da marca de roupas femininas FARM, Kátia Barros, disse que as pessoas têm memória forte de cheiro. A fragrância da loja vai para a roupa e para a casa da pessoa, e assim o cheiro da loja cria vínculo com o cliente. Um cheiro agradável, segundo ela, causa nos clientes uma vontade de ficar mais tempo com a sensação de bem-estar. Se a pessoa está se sentindo bem,

20 20 tende a ficar mais tempo dentro da loja, diz Kátia. No entanto, a empresária alerta que o excesso de perfume pode causar o efeito contrário e espantar os clientes, sendo de extrema importância saber dosar o aroma. Hoje já existem equipamentos que exalam o odor em quantidades e intervalos pré definidos. (www.biomist.com.br) Movimento Estatísticas do POPAI-USA indicam que displays com movimento incrementam vendas em 150%. Esse dado fez com que a popularização desse tipo de comunicação fosse iminente. Há pouco mais de três anos, a sinalização digital ou digital signage (DS) era um sonho distante em virtude do alto custo de telas planas e players digitais. Este quadro mudou radicalmente, pois o hardware se popularizou. O que se vê hoje é uma profusão de telas espalhadas nos ambientes de varejo, em virtude do preço baixo e alta eficiência desta mídia. Até então, o banner impresso ocupava o centro das atenções por ser uma mídia barata e que permitia a troca de informações. Hoje, surpreendentemente, sabe-se que um banner eletrônico, embora tenha um custo inicial maior, acaba custando menos ao longo prazo do que seu irmão impresso. Além disso, evita o corte de árvores, sendo ecológico, permite edições rápidas e, o melhor, agrega movimento, o que chama a atenção dos consumidores. Vive-se atualmente a era da Revolução Digital, que vem causando grande impacto na sociedade, no modo de vida e nos modos de produção. E essa Revolução Digital cada vez mais se torna parte da vida das pessoas, tanto em

21 21 suas casas, com computadores mais velozes e eletrodomésticos mais eficientes, quanto nos locais públicos, lojas e supermercados, através de aparelhos que interajam com o consumidor, produzindo uma experiência sensorial.

22 22 3 METODOLOGIA 3.1 Abordagem Qualitativa O método utilizado na primeira fase foi o dedutivo, pois se buscou referencial de base já existente e em seguida se partiu para premissas individuais. O referencial teórico citado nos capítulos anteriores foi a base da análise dos dados apresentados no terceiro capítulo. 3.2 Estudo de Caso Para o estudo dos dados apresentados na fundamentação teórica, foi analisada a Loja Tunit, localizada no Garten Shopping, em Joinville/SC. A loja multimarcas possui outra filial no Shopping Mueller, também em Joinville/SC. A loja analisada será a situada no Garten Shopping. O Garten Shopping foi inaugurado no dia 23 de março de A filial da loja Tunit passou a funcionar a partir dessa data. A Loja Tunit comercializa artigos de Sport wear para o público feminino e masculino. As marcas comercializadas na loja são Nike, Adidas, Puma, Reebok, Ecko, Oakley, Everlast, entre outras.

23 Análise dos Dados a Luz da Literatura Os resultados apresentados a seguir foram extraídos de análises na loja e informações cedidas diretamente pelo responsável do estabelecimento e designers/arquitetos envolvidos na criação do layout da loja. O público-alvo da loja analisada é o jovem de classe média, homem ou mulher, com faixa etária entre dezesseis e vinte e seis anos. Possui gosto pelo esporte, seja ele indoor (academias) ou ao ar livre, mas não necessariamente enquadra-se como um esportista. O jovem que se encontra nessa faixa de idade geralmente já tem o seu primeiro emprego, mas mora com os pais. Dessa maneira, gasta o seu salário principalmente com roupas e festas. Estuda, em sua grande maioria faz faculdade, gosta de música e cinema. Possui perfil em grande parte das redes sociais, como Twitter e Facebook. Esse jovem consumidor é exigente, busca por bens de qualidade e durabilidade, além de um design diferenciado. É ligado na moda, conhece as tendências e as utiliza no seu dia a dia. Gosta de música e de estar sempre rodeado de amigos. De acordo com o enfoque no público-alvo, a cor azul, que é a grande característica da loja, foi utilizada pela sua conexão com o esporte, principalmente a céu aberto. O tom de azul ciano remete à juventude, à extroversão e ao radicalismo desse consumidor. De acordo com Crepaldi (2000, p. 5) cores intensas, de longos comprimentos de ondas, intensificam a circulação sangüínea e agem sobre a musculatura, no sentido de aumentar sua força.

24 24 O material gráfico sazonal, relacionado a promoções e datas especiais é feito com a predominância da cor laranja, que é extremamente contrastante com o tom de azul utilizado na loja. As vitrines são abertas, proporcionando ao consumidor visualizar a loja toda do lado de fora. Esse formato dá a impressão de amplitude, o que torna o ambiente mais confortável, já que lojas de shoppings costumam possuir espaços reduzidos. O material mais utilizado é a madeira laqueada, que possui um brilho, tornando o local um deleite para os olhos do jovem em busca de um lugar divertido e interessante para estar e fazer suas compras. Além dos detalhes visíveis, os outros sentidos como a audição também são direcionados, através de músicas eletrônicas, que fazem com que esse consumidor se sinta em uma festa. Todo esse direcionamento ao público-alvo da loja promove a fidelização do cliente, pois ele se sente confortável no ambiente criado, e acaba fazendo da loja um ponto de encontro para ele e os seus amigos.

25 25 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Comprova-se a importância da Arquitetura no ponto de venda através do diferencial que ela se torna para o cliente. O consumidor que se sente confortável e acolhido dentro da loja compra mais e retorna, tornando-se fiel àquela loja. O ponto de vista emocional é tocado através de uma atmosfera de compra condizente com seu público, o que auxilia na fidelização desse consumidor. Percebeu-se que a vitrine é tida como uma forte motivação para as compras. As pessoas podem não conhecer a loja, mas acabam tornando-se clientes, por passarem em frente à vitrine e se interessarem por certo produto. A vitrine deve ser vista como um diferencial perante os concorrentes. As mercadorias devem ser expostas de forma que possam ser bem visualizadas e a vitrine deve estar bem iluminada. Quanto maior o fluxo de pessoas que passarem pela loja, maior pode ser o número de clientes. Dentro da análise da Loja Tunit, concluiu-se que a atmosfera de compra gerada pelo projeto arquitetônico realizado condiz perfeitamente com o público alvo da empresa e os produtos vendidos pela mesma. O consumidor das marcas revendidas se sente tentado em entrar na loja pela vitrine emocionalmente chamativa, e atraído às compras pela correta exposição desses produtos.

26 26 REFERÊNCIAS BISCOLA, Paulo H. N. Valor Percebido pelo Consumidor. Dissertação de Mestrado FGV. São Paulo: BLESSA, Regina. Merchandising no Ponto-de-Venda. São Paulo: Atlas, CHURCHILL, G. A. Marketing: criando valor para os clientes. 2. ed. São Paulo: Saraiva CREPALDI, Lideli. O universo das cores em Propaganda. In: XXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - Intercom, 2000, Manaus, KOTLER, Philip. Marketing Edição Compacta. São Paulo: Atlas, KOTLER, Phillip. Administração de Marketing, a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo: Prendice Hall: LAS CASAS, Alexandre Luizzi. Marketing de Varejo. São Paulo: Atlas, MOREIRA, Júlio César Tavares. Administração de vendas. São Paulo: Saraiva, PARENTE, Juracy. Varejo no Brasil Gestão e Estratégia. São Paulo: Atlas, SOLOMON, M. R. O Comportamento do Consumidor: comprando, possuindo e sendo. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, SCHMID, É. F. Marketing de Varejo de Moda - Uma Ênfase em Médias Empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark, STRUNCK, Gilberto. Como criar identidades visuais para marcas de sucesso. Rio de Janeiro: Rio Books, TEIXEIRA, D. J. ; BARBOSA, D.C S. A Percepção da Imagem no varejo de alimentos: a descrição da imagem de um supermercado por seus consumidores. Anais do ENANPAD, Brasília, UNDERHILL, Paco. Vamos às compras! A ciência do consumo. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado

O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado Todo estabelecimento comercial deve chamar a atenção do consumidor e despertar nele o interesse

Leia mais

Professor André Martins

Professor André Martins Professor André Martins Definição Merchandise, do inglês significa mercadoria, e merchandiser significa negociante. Portanto, merchandising, em sua tradução literal, seria mercadização; mas, adaptando

Leia mais

INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA

INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO MERCHANDISING NO COMPORTAMENTO DE COMPRA Swellen Antunes Moreira Resumo: As organizações que atuam

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

tatimedina@sercomtel.com.br

tatimedina@sercomtel.com.br O CONSUMIDOR E A LOJA Uma investigação das estratégias de visual merchandising e Administração do Layout no ponto-de-venda, fundamentadas no comportamento do consumidor Tatiana Lopes Medina Arquiteta e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO Iluminação de Lojas Destacar uma vitrine, a arquitetura da fachada, os produtos e a decoração dos espaços internos tornando as lojas atraentes aos olhos do público, já não é possível sem a elaboração de

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1

MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1 1 MERCHANDISING NO PDV: AGREGANDO VALOR AO PLANO DE COMUNICAÇÃO 1 Rafael Vinícius Back RESUMO Esse artigo consiste em demonstrar brevemente o papel do Merchandising no composto da comunicação e sua importância

Leia mais

Marketing Olfativo. Aromatizadores

Marketing Olfativo. Aromatizadores & Aromatizadores Cenário Marketing Olfativo O efeito sobre o estado de espírito do consumidor é o único território que resta para prover benefícios novos e atraentes. Fonte - Melinda Davis A Nova Cultura

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

DATA: 07/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE PALESTRANTE: FREDERICO GORGULHO

DATA: 07/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE PALESTRANTE: FREDERICO GORGULHO DATA: 07/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE PALESTRANTE: FREDERICO GORGULHO Acompanhamento, Avaliação e Feedback A motivação é um dos pilares para o progresso pessoal

Leia mais

O marketing olfativo no varejo!

O marketing olfativo no varejo! O marketing olfativo no varejo! Regina Devecchi Perfumista O Marketing Olfativo no varejo. Os departamentos de marketing das empresas buscam a cada dia novas maneiras de atrair seus clientes e torná-los

Leia mais

TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS

TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS TÍTULO: MARKETING SENSORIAL: UM ESTUDO NO COMÉRCIO VAREJISTA COM PREDOMINÂNCIA EM ALIMENTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA

ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA ESTRATÉGIA DE VISUAL MERCHANDISING PARA UMA BUTIQUE DE MODA FEMININA VISUAL MERCHANDISING ESTRATEGY IN A FEMININE FASHION SHOP CARLA HIDALGO CAPELASSI 1 RESUMO O principal objetivo deste artigo é descrever

Leia mais

Os brindes promocionais no período de Páscoa

Os brindes promocionais no período de Páscoa Os brindes promocionais no período de Páscoa Pamela Ramos de Mello LOPES 1 Introdução A comunicação no ponto-de-venda tem se desenvolvido e criado meios e caminhos que hoje podem ser estudados e discutidos,

Leia mais

Prepare sua Loja para Vender Mais

Prepare sua Loja para Vender Mais MERCHANDISING Prepare Sua Loja Para Vender Mais Questões Fundamentais 1 Como girar rapidamente os estoques no ponto de venda? Como tornar mais fácil e agradável o ato de compra de meus clientes? Como oferecer

Leia mais

APLICAÇÃO DO MERCHANDISING NO PONTO DE VENDA DA ECROM ILUMINAÇÃO EM LOJAS DE MATERIAL ELÉTRICO

APLICAÇÃO DO MERCHANDISING NO PONTO DE VENDA DA ECROM ILUMINAÇÃO EM LOJAS DE MATERIAL ELÉTRICO APLICAÇÃO DO MERCHANDISING NO PONTO DE VENDA DA ECROM ILUMINAÇÃO EM LOJAS DE MATERIAL ELÉTRICO RESUMO Devido ao crescimento de lojas de varejo ser maior do que o crescimento per capita de consumidores,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE MERCHANDISNG NO VAREJO FARMACÊUTICO: A FERRAMENTA DE ABORDAGEM NO SETOR DE PERFUMARIA Por: Patricia Kayat Rocha Professor:

Leia mais

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO O ponto de venda tem alcançado importância imensurável na propagação de um produto ou marca, passou a destacar-se como um dos

Leia mais

Merchandising. Ivancarlo.blogspot.com

Merchandising. Ivancarlo.blogspot.com Merchandising Prof. Ivan Carlo Merchandising O merchandising é uma atividade antiga. Surgiu quando os mercadores perceberam que vendiam mais quando ficavam nas ruas mais movimentadas ou nas pontes. Conclusão:

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

COMO TER UMA LOJA DE SUCESSO EM 30 DIAS

COMO TER UMA LOJA DE SUCESSO EM 30 DIAS COMO TER UMA LOJA DE SUCESSO EM 30 DIAS INTRODUÇÃO Quem está montando o próprio negócio no varejo, de vendas diretas aos consumidores, sonha evidentemente em conquistar um acelerado sucesso. O mesmo vale

Leia mais

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS Luiza dos Santos Oliveira - luilu_santos@hotmail.com Tatiane Giacomini dos Santos - tati.giacomini@hotmail.com RESUMO O ponto de venda

Leia mais

Iluminação de lojas. A importância do projeto de iluminação para o varejo de roupas femininas. a r t i g o. Por Ângela Latreille

Iluminação de lojas. A importância do projeto de iluminação para o varejo de roupas femininas. a r t i g o. Por Ângela Latreille a r t i g o Iluminação de lojas Por Ângela Latreille A importância do projeto de iluminação para o varejo de roupas femininas Loja Flor Projeto de iluminação: Guinter Parschalk / Studio IX Publicado na

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

COMO O ADMINISTRADOR DE EMPRESAS FAMILIARES PODE CONSEGUIR A FIDELIZAÇÃO DE SEUS CLIENTES

COMO O ADMINISTRADOR DE EMPRESAS FAMILIARES PODE CONSEGUIR A FIDELIZAÇÃO DE SEUS CLIENTES COMO O ADMINISTRADOR DE EMPRESAS FAMILIARES PODE CONSEGUIR A FIDELIZAÇÃO DE SEUS CLIENTES Adm. Sandra Regina da Luz Inácio, PhD E o que é NeuroEconomia? O objetivo é atingir nosso Cérebro, a maioria das

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA MERCHANDISING EM UMA PESQUISA COM CONSUMIDORES DE SUPERMERCADO NA CIDADE DE BREJO SANTO - CE

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA MERCHANDISING EM UMA PESQUISA COM CONSUMIDORES DE SUPERMERCADO NA CIDADE DE BREJO SANTO - CE ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA MERCHANDISING EM UMA PESQUISA COM CONSUMIDORES DE SUPERMERCADO NA CIDADE DE BREJO SANTO - CE Cristiano Viana C. Castellão Tavares (FAP) Roner Leite da Costa (FAP)

Leia mais

Após sua exposição, o gestor terá até 10 minutos para perguntas e respostas.

Após sua exposição, o gestor terá até 10 minutos para perguntas e respostas. Caro candidato, Você está participando do processo seletivo da Arcor do Brasil para a posição de Trainee e neste momento gostaríamos de convidá-lo para a etapa do Painel. Nesta etapa, você deverá realizar

Leia mais

MARKETING DE VENDAS. Maiêutica - Curso de Processos Gerenciais

MARKETING DE VENDAS. Maiêutica - Curso de Processos Gerenciais MARKETING DE VENDAS Alcioni João Bernardi Prof. Ivanessa Felicetti Lazzari Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Processos Gerenciais (EMD0130) Prática do Módulo IV 27/11/12 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Interatividade UniNorte 1

Interatividade UniNorte 1 Interatividade UniNorte 1 Anne Caroline BARROS 2 Francisco BARBOZA 3 Heverton PAULA 4 Igor SANTOS 5 Eudóxia Pereira da SILVA 6 Márcio Alexandre dos Santos SILVA 7 Centro Universitário do Norte (UniNorte),

Leia mais

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Como marca, fachada e merchandising podem se ajudar O DESAFIO Competindo com Competência Todos sabem que a competitividade do mercado

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

A importância do cuidado com o bem-estar do consumidor e seus acompanhantes no ponto de venda. 1

A importância do cuidado com o bem-estar do consumidor e seus acompanhantes no ponto de venda. 1 A importância do cuidado com o bem-estar do consumidor e seus acompanhantes no ponto de venda. 1 Giuliana Macêdo PARREIRAS 2 Keissy Kelly DE PAULA 3 Célia Maria CASSIANO 4 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK.

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. Pesquisa sobre a experiência de compra em lojas de brinquedos Outubro 2012 Amostra 200 homens e mulheres com filhos entre 3 e 11 anos Mais de 51 anos 3% Sexo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: merchandising; varejo; conhecimento.

PALAVRAS-CHAVE: merchandising; varejo; conhecimento. AVALIAÇÃO DO MERCHANDISING NO VAREJO FARMACÊUTICO DE TOLEDO - PR TEGONNI, Anderson Richard 1 CREPALLI, David Ricardo 2 RESUMO: Este trabalho tem como principal objetivo averiguar o conhecimento sobre estratégias

Leia mais

Ferramentas de Merchandising de Ponto de Venda nas Compras por Impulso 1. Luana Rosa CARVALHO 2. Me. Raquel Cantarelli Vieira da CUNHA 3

Ferramentas de Merchandising de Ponto de Venda nas Compras por Impulso 1. Luana Rosa CARVALHO 2. Me. Raquel Cantarelli Vieira da CUNHA 3 Ferramentas de Merchandising de Ponto de Venda nas Compras por Impulso 1 Luana Rosa CARVALHO 2 Me. Raquel Cantarelli Vieira da CUNHA 3 Instituto de Educação Superior de Brasília, Brasília, DF Resumo O

Leia mais

IMPACTOS DAS AÇÕES DE MERCHANDISING NA TOMADA DE DECISÃO NO PONTO DE VENDA

IMPACTOS DAS AÇÕES DE MERCHANDISING NA TOMADA DE DECISÃO NO PONTO DE VENDA IMPACTOS DAS AÇÕES DE MERCHANDISING NA TOMADA DE DECISÃO NO PONTO DE VENDA Philippe Oliveira Abouid 1 Marcos Eugênio Vale Leão 2 RESUMO: Este artigo propõe avaliar o processo de decisão de compra do consumidor

Leia mais

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição BP COMO VENDER A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição PRODUTOS EDUCACIONAIS MULTIVERSO Avenida Batel, 1750 Batel CEP 80420-090 Curitiba/PR Fone: (41) 4062-5554 Editor:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial.

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial. www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial.html Cursos de extensão presencial A Extensão é a ação

Leia mais

As Relações Públicas e o planejamento estratégico: análise e plano comunicacional Panda Zen Unesp Bauru 1

As Relações Públicas e o planejamento estratégico: análise e plano comunicacional Panda Zen Unesp Bauru 1 As Relações Públicas e o planejamento estratégico: análise e plano comunicacional Panda Zen Unesp Bauru 1 Isabella Pinto de Barros LIMA 2 Iolanda Ferreira SOUZA 3 Mariana Reiko Tabuchi HASSUIKE 4 Roseane

Leia mais

Organização de Escritório

Organização de Escritório Organização de Escritório Aumente sua produtividade www.unidosgv.com.br 11 4135-2033 11 2762-6288 Tudo o que você precisa saber Organização de Escritório No ambiente corporativo nenhum detalhe pode passar

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

Análise do processo de relacionamento estratégico do Café com Arte 1

Análise do processo de relacionamento estratégico do Café com Arte 1 Análise do processo de relacionamento estratégico do Café com Arte 1 Amanda Evelyn França MAIA 2 Bianca Amorim da SILVA 3 José Carlos Almeida da ROSA 4 Tamiris Ferreira MIRANDA 5 Renato Souza do NASCIMENTO

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

ANA CAROLINA DAS CHAGAS MENDES RA 20563701

ANA CAROLINA DAS CHAGAS MENDES RA 20563701 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA DISCIPLINA: MONOGRAFIA PROFESSOR ORIENTADOR:

Leia mais

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden utility house in domus eletro house in light linea domus supri shop outdoor living & garden FEIRA PROFISSIONAL Reunir em um mesmo local e momento investidores e mercado-alvo, formando um ambiente de negócios

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS SEBRAE-SP

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS SEBRAE-SP SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS SEBRAE-SP SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS SEBRAE-SP O SEBRAE SP desenvolveu um Programa de Soluções Tecnológicas, cujo objetivo é de aumentar a competitividades e sustentabilidade dos Pequenos

Leia mais

Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1

Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1 Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1 Diego Pereira de MELO 2 Flávio Mendes FEITOSA 3 Gustavo dos Santos FERNANDES 4 Faculdade de Ciências Educacionais e Empresariais de Natal

Leia mais

Marca Própria e Merchandising: estratégias de marketing para os supermercados de pequeno porte associados à RedeMais. 1

Marca Própria e Merchandising: estratégias de marketing para os supermercados de pequeno porte associados à RedeMais. 1 Marca Própria e Merchandising: estratégias de marketing para os supermercados de pequeno porte associados à RedeMais. 1 Tiago José PACE 2 Vitória Teodoro Gerlach SILVA 3 Vitor Felipe de Oliveira QUEIROZ

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Aumentar suas vendas pode se tornar uma brincadeira de criança

Aumentar suas vendas pode se tornar uma brincadeira de criança DIA DAS CRIANÇAS NATAL E ANO NOVO Aumentar suas vendas pode se tornar uma brincadeira de criança Conte com o apoio do Sebrae-SP BLACK FRIDAY Uma vitrine para encantar FÉRIAS DE INVERNO ATENDENDO A CRIANÇA

Leia mais

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são:

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são: O que é? São todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente a consumidores finais para seu uso pessoal, e não empresarial. (Philip Kotler) Não importa como os produtos são vendidos

Leia mais

IMOCX IZZO MOTO CULTURE E EXPERIENCE (http://varejo.espm.br/conceitoimocx-izzo-moto-culture-e-experience)

IMOCX IZZO MOTO CULTURE E EXPERIENCE (http://varejo.espm.br/conceitoimocx-izzo-moto-culture-e-experience) Página 1 de 6 Quem somos (http://varejo.espm.br/quem-somos) Retail Lab (http://varejo.espm.br/retail-lab) Contato (http://varejo.espm.br/contato) (http://varejo.espm.br/feed) (http://twitter.com/varejo_espm)

Leia mais

COMO UMA MARCA FORTE AJUDA SUA EMPRESA A VENDER MAIS

COMO UMA MARCA FORTE AJUDA SUA EMPRESA A VENDER MAIS COMO UMA MARCA FORTE AJUDA SUA EMPRESA A VENDER MAIS SUMÁRIO >> O que é branding? 3 >> A experiência do cliente com sua marca no processo de vendas 7 >> Tenha um design agradável que reflita a personalidade

Leia mais

Aula 1: Introdução Inovação e Design DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS

Aula 1: Introdução Inovação e Design DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS Aula 1: Introdução Inovação e Design DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS No design, muito se discute as formas e idéias em prol da função. Por mais bela que seja uma peça, não estará completa se não cumprir

Leia mais

505 Shoppings no Brasil (Abrasce) 65% Varejo de moda feminina. 20% Taxa de conversão média do mercado. 0,7% Crescimento do PIB (mercado: 0,29%)

505 Shoppings no Brasil (Abrasce) 65% Varejo de moda feminina. 20% Taxa de conversão média do mercado. 0,7% Crescimento do PIB (mercado: 0,29%) Caio Camargo Formação: Arquiteto especializado em Varejo e Merchandising/ MBA em Marketing pela FGV Ocupação: Vencendo no varejo Sua marca cada vez mais forte e vendendo mais Editor Falando de Varejo Gerente

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

MARKETING NA HOTELARIA RESUMO

MARKETING NA HOTELARIA RESUMO MARKETING NA HOTELARIA RESUMO O seguinte artigo apresenta uma série de explicações no tema baseado no marketing da hotelaria, desde o principio mais básico até o mais aprofundado. Começa-se com o demonstrativo

Leia mais

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV Santa Maria-RS, Março de 2012 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. MÉTODO DE PESQUISA CLIENTE OCULTO...

Leia mais

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Você conhece o seu cliente? Não poupe esforços e invista no visual da loja Planejamento estratégico Cuide da Saúde Financeira da Sua Empresa

Leia mais

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil Categoria: Consumo - Moda Segmento: Sapatos femininos Mercado: Brasil Edição 02 www.azimute720.com.br 2011 Quem Somos Uma agência

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

Geoprocessamento nas pesquisas de marketing

Geoprocessamento nas pesquisas de marketing 5º Congresso Brasileiro de Pesquisa - ABEP Qual é a contribuição da pesquisa na geração de métricas de eficácia para os investimentos de marketing? Geoprocessamento nas pesquisas de marketing São Paulo,

Leia mais

Relatório - Plano de Ensino

Relatório - Plano de Ensino Página: 1/6 Disciplina: CCA0321 - PROJETO EXPERIMENTAL - PROMO. DE VENDAS E MERCHA. DESCRIÇÃO DO PLANO DE ENSINO PROJETO EXPERIMENTAL - PROMOÇÃO DE VENDAS E MERCHANDISING PERFIL DO DOCENTE Graduado em

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Objetivos Trabalho desenvolvido para disciplina de Ateliê de Ambientes Comerciais, que tem como objetivo principal objetivo abordar produção

Objetivos Trabalho desenvolvido para disciplina de Ateliê de Ambientes Comerciais, que tem como objetivo principal objetivo abordar produção Objetivos Trabalho desenvolvido para a disciplina de Ateliê de Ambientes Comerciais, que tem como objetivo principal objetivo abordar na produção de lojas comerciais (shopping), os aspectos relativos a

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

MERCHANDISING NO PONTO-DE-VENDA: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA

MERCHANDISING NO PONTO-DE-VENDA: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA MERCHANDISING NO PONTO-DE-VENDA: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA Jocely Santos Caldas Almeida ¹ Nathiele Bispo Marques ² RESUMO Esse artigo consiste em demonstrar brevemente o papel do Merchandising no ponto

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

Marketing Sensorial e eficiência no resultado: Um estudo em dois fast foods

Marketing Sensorial e eficiência no resultado: Um estudo em dois fast foods CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - Ciências Sociais Marketing Sensorial e eficiência no resultado: Um estudo em dois fast foods Rafael Constantino Rafael José Silva Orientador: Msc. João Angelo Segantin Colaborador:

Leia mais

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ]

Módulo 4 CRM. [ Customer Relationship Management ] Módulo 4 CRM [ Customer Relationship Management ] Sumário Introdução pág. 01 1. Definição 2. Por que usar o CRM?? 3. Cadastro pág. 02 pág. 02 pág. 02 4. Tipos de CRM CRM pág. 04 4.1 Operacional: Criação

Leia mais

O comportamento de compra do consumidor da classe C

O comportamento de compra do consumidor da classe C O comportamento de compra do consumidor da classe C Josiane Wengrzynek, analistas.faq@bol.com.br, Av. das Araucárias, s/n, fone: (46) 559-1142 Quedas do Iguaçu-PR, 85460-000 Eliane Rodrigues do Carmo (FAQ),

Leia mais

Novas perspectivas do varejo e o impacto no setor de vestuário Relatório de Inteligência Analítico - novembro 2012

Novas perspectivas do varejo e o impacto no setor de vestuário Relatório de Inteligência Analítico - novembro 2012 Vestuário Novas perspectivas do varejo e o impacto no setor de vestuário Relatório de Inteligência Analítico - novembro 2012 Resumo Executivo Em um cenário de empresas cada vez mais competitivas, compreender

Leia mais

Identidade visual corporativa e institucional

Identidade visual corporativa e institucional Identidade visual corporativa e institucional O ser humano pensa visualmente! Ao contrário das palavras, as imagens agem diretamente sobre a percepção do cérebro. O homem moderno está cada vez mais privilegiando

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL Victor Nassar 1 O advento da internet e o consequente aumento da participação do consumidor nos websites, representou uma transformação

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

Fotos Projetos e Cia Clientes. A imagem. A imagem

Fotos Projetos e Cia Clientes. A imagem. A imagem A imagem A imagem 1 A imagem Mas o que leva a compra pela imagem? Necessidade do produto Compulsão mediante a um estímulo, que vai de encontro direto aos desejos. 1- Afetivos 2- Financeiros 3- Sociais

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MARKETING. Patrícia Passos Aguiar TÉCNICAS DE PONTO DE VENDA EM ESTABELECIMENTOS FARMACEUTICOS

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MARKETING. Patrícia Passos Aguiar TÉCNICAS DE PONTO DE VENDA EM ESTABELECIMENTOS FARMACEUTICOS UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MARKETING Patrícia Passos Aguiar TÉCNICAS DE PONTO DE VENDA EM ESTABELECIMENTOS FARMACEUTICOS Rio de Janeiro 2009 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CURSO

Leia mais

Marketing Direto faz bem para a saúde

Marketing Direto faz bem para a saúde capa Marketing Direto faz bem para a saúde Hospitais e laboratórios têm encontrado no Marketing Direto uma forma eficaz de comunicação, sem cair nas restrições da Anvisa. Levando-se em consideração que

Leia mais

Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga

Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga Raquel do Nascimento DIAS 1 Thais Cristina ROZA 2 Virgínia Felipe MANOEL 3 Lamounier Lucas JÚNIOR 4 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

O Guia Emocional das. Cores

O Guia Emocional das. Cores O Guia Emocional das Cores 84,7% dos consumidores acham que a cor é mais importante que muitos outros fatores ao escolher um produto. 1% decidem pelo som ou pelo cheiro 6% decidem pela textura 93% das

Leia mais

Juntos somos fortes! Calendário

Juntos somos fortes! Calendário Juntos somos fortes! Calendário 2015 Negociando em Tempos de Crise Lançamento do Programa Varejo Forte 2015. Revolução Constitucionalista Finanças Controle de Custos/Despesas Finanças Finanças Finanças

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais