UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA"

Transcrição

1 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e Urbanismo/MONITORIA Resumo A necessidade do conhecimento a cerca de um imóvel passível de intervenção é reconhecida, e recomendada, há mais de dois séculos, e a atual demanda por obras de intervenção em áreas históricas ratifica seu cumprimento. Para tanto, o presente trabalho buscou a elaboração de um roteiro metodológico para elaboração de Inventários para Restauro de Edificações de Valor Patrimonial com o objetivo de sistematizar e facilitar o trabalho de coleta das informações básicas sobre a edificação, que segue as seguintes etapas: Histórico, Tipologia de Arquitetura, Estilo arquitetônico e obras de arte integradas, Sistemas e materiais construtivos, Levantamento Arquitetônico, Diagnóstico do estado de conservação e Projeto arquitetônico. Palavras chaves: metodologia de inventário, bens históricos, restauro. Introdução O trabalho aqui apresentado fez parte das atividades de monitora voluntária da disciplina Intervenções em áreas históricas no período e sob coordenação da professora Dr a. Maria Berthilde Moura Filha. O desenvolvimento do material aqui exposto tomou por base uma aula planejada pela professora sobre Metodologia de Inventário, Cadastro e Levantamento Arquitetônico. A necessidade do conhecimento prévio sobre a edificação alvo do restauro é algo que há muito vem sendo defendida e que, de fato, mostra se como etapa essencial e primeira do trabalho do restaurador. Trata se então do levantamento dos dados necessários para construção do conhecimento histórico de como surgiu a edificação, quais suas características primitivas, seus elementos construtivos, suas alterações ao longo do tempo, etc. Dessa forma, o arquiteto terá os subsídios necessários para iniciar um projeto de intervenção realmente comprometido com a preservação e restauro do bem histórico. Bem como assinala Viollet le Duc, o trabalho do restaurador equipara se ao de um cirurgião astuto e experiente, eu só toca num órgão depois de ter adquirido um completo conhecimento da sua função e de ter previsto as conseqüências imediatas ou futuras da operação. E acrescenta ainda que se age confiando do acaso, é melhor que se abstenha. É melhor deixar morrer o doente que matá lo 1. A necessidade de construção desse conhecimento é ainda mais relevante diante do atual aumento da demanda de obras de intervenção em áreas históricas, cujas ações podem ser maléficas ao patrimônio quando não orientadas devidamente. A reunião de tais informações é feita a partir da elaboração de um inventário, o qual deve seguir um procedimento metodológico específico para que seja bem sucedido e que sirva de base para construção de um dossiê sobre a edificação e o projeto de intervenção em questão. É foco desse trabalho, então, a sistematização das metodologias relativas à elaboração de inventários para restauro de edificações de valor patrimonial, tendo por resultado final a elaboração de um material único que sirva de roteiro para a execução do trabalho descrito acima. A reunião dessas informações se dá com a reunião e síntese de metodologias existentes, e a atualização destas às atuais ferramentas de processamento e elaboração de dados, a exemplo de novos instrumentos de desenho. 1 Viollet le Duc, Eugène Emmanuel. Restauro. PRETEXTOS. Universidade Federal da Bahia / Faculdade de Arquitetura / Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Salvador: Mestrado de Arquitetura e Urbanismo, Série B, n o 1, Apresentação, tradução e notas de Odete Dourado. (2) Monitor(a)Bolsista; ( 3) Prof(a) Orientador(a)/Coordenador(a).

2 A construção do inventário trata se, portanto, da reunião de conhecimentos básicos sobre a edificação, que abordam os seguintes temas: História Tipologia de Arquitetura Estilo arquitetônico e obras de arte integradas Sistemas construtivos e materiais Levantamento arquitetônico Diagnóstico do estado de conservação Proposta de intervenção / Projeto arquitetônico Resulta desse trabalho um material capaz de orientar arquitetos e estudantes de arquitetura a fazer um estudo detalhado sobre o bem alvo da futura intervenção, uma etapa indispensável para o início do desenvolvimento do projeto arquitetônico. Descrição Metodológica A montagem das etapas necessárias para elaboração do Inventário para Restauro de Edificações de Valor Patrimonial guia se por publicações já existentes e baseia se no trabalho de sistematização das etapas prescritas por estes e na atualização dos métodos de construção do conhecimento desejado. Cada etapa desse processo tem importância ímpar e é essencial à construção do dossiê. Os procedimentos metodológicos adotados seguem o que prescreve o IBA (Inventário de Bens Arquitetônicos), um manual elaborado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), o que prevê as Cartas Patrimoniais sobre o restauro de bens históricos e, especificamente sobre levantamento arquitetônico, o que expõe o Roteiro para execução de levantamento arquitetônico (Prefeitura de Olinda, 1987), cujos métodos de desenho foram atualizados ao uso das novas ferramentas de desenho (a exemplo do programa AutoCAD). Resultados A contribuição desejada com este trabalho foi a elaboração, como resultado final, de um material de caráter didático que se preste com orientador na construção do Inventário para restauro de edificações de valor patrimonial devido ao reconhecimento da necessidade primeira de se conhecer a fundo a edificação em que se pretende intervir. É exatamente o que defende Violler le Duc quando fala sobre a necessidade do conhecimento sobre a edificação antes da intervenção. O arquiteto encarregado do restauro de um edifício deve conhecer as formas, os estilos próprios deste edifício e a escola da qual se origina, devendo ainda mais, se possível, conhecer a sua estrutura, a sua anatomia, o seu temperamento, porque antes de tudo é necessário que o faça viver. É preciso eu ele tenha compreendido todas as partes desta estrutura como se ele próprio a tivesse executado e que, uma vez adquirido tal conhecimento, tenha à disposição diversos meios para empreender um trabalho de reparação. 2 E ratificado ainda pela Carta do Restauro 3, 1972, que afirma que a realização do projeto para restauração de uma obra arquitetônica deverá ser precedida de um exaustivo estudo sobre o monumento, elaborado de diversos pontos de vista (...), relativos à obra original. Para cada etapa é elaborado um formulário, cuja elaboração baseia se no IBA , que ajudará na 2 DOURADO, Odete. Idem. 3 Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Brasil). Cartas Patrimoninais. Caderno de documentos n o 3. Brasília: IPHAN, Inventário de Bens Arquitetônicos elaborado pelo Departamento de Informação e Documentação do IPHAN em 2002.

3 coleta e sistematização das informações necessárias e no registro das fontes pesquisadas. A construção do inventário trata se, portanto, da reunião de conhecimentos básicos sobre a edificação, que abordam os seguintes temas: História Tipologia de Arquitetura Estilo arquitetônico e obras de arte integradas Sistemas construtivos e materiais Levantamento arquitetônico Diagnóstico do estado de conservação Proposta de intervenção / Projeto arquitetônico Deve se tentar reconstruir a História do bem arquitetônico em estudo, cujo procedimento iniciar se á pela coleta de dados da edificação primitiva levando se em conta a época de construção, o uso original, o autor do projeto e o encomendante. Seguindo então a pesquisa sobre as intervenções sofridas ao longo do tempo, tais como reformas, acréscimos e intervenções restaurativas, até chegar ás informações da edificação em seu estado atual. São fontes possíveis para essa etapa os acervos locais de períodos e de material iconográfico de instituições públicas ou de particulares, bibliografia dedicada ao bem ou à época em estudo, visitas de campo e, quando possível, entrevistas com pessoas que tenham vivenciado a época em que a edificação foi construída. Em seguida, busca se definir a Tipologia da Arquitetura que tem relação com a função do edifício, implantação e distribuição dos espaços internos. Os objetivos dessa etapa do inventário são: 1) Detectar características arquitetônicas que foram alteradas por reformas anteriores ao momento da intervenção; 2) Fazer uma leitura espacial do edifício através da associação com tipologias semelhantes. São produtos dessa etapa a representação gráfica da planta (ver figura 01), que permitirá a análise da distribuição dos ambientes internos, bem como de hábitos de costumes característicos de um determinado período histórico, o desenho das fachadas, para o estudo de aberturas característicos de determinado tipo arquitetônico e signo de uma época, e material iconográfico que permita tal análise e reconhecimento de tipos. Figura 01: Representação de plantas e fachadas de Tipologias da Arquitetura Residenciais no período do Brasil Colonial.

4 A terceira etapa do inventário leva ao estudo do Estilo Arquitetônico e às Obras de Arte Integradas que permite o estudo do repertório formal da edificação e de sua linguagem decorativa. Nesse momento objetiva se detectar características da edificação já perdidas e a reconstrução da espacialização e imagem das fachadas e ambientes internos a partir da Figuras 02 e 03: Exemplares da Arquitetura Colonial no Brasil. Mariana (MG) e São Luiz (MA), respectivamente da esquerda para direita. Fotos Maria Berthilde Moura Filha. identificação de seu estilo. Assim, é importante saber o estilo que se está trabalhando tendo sempre em mente suas peculiaridades e elementos formais e decorativos característicos (ver figuras 02 e 03). A seguir, procura se identificar os Sistemas e Materiais Construtivos (ver figura 04), o que permite o conhecimento da técnica construtiva utilizada na época da construção da edificação, seus elementos estruturais e arquitetônicos característicos, e os materiais e métodos de utilização dos mesmos. O objetivo dessa análise é o conhecimento da estrutura física da edificação e a elaboração de diagnóstico que aponte para os possíveis problemas que possam comprometer a conservação da estrutura e, consequentemente, do bem arquitetônico em questão. Figura 04: Espaço Cultural dos Correios emprego de colunas de ferro fundido de delgado perfil, liberando grandes áreas (VASCONCELLOS, 2002 apud MENDES, 2006). Chega então o momento do levantamento arquitetônico, cujo procedimento deve seguir alguns cuidados devido à falta de alinhamento que predomina nas edificações, detalhes decorativos e possíveis reformas. Para guiar esse trabalho a Prefeitura de Olinda, em 1983, publicou um roteiro para levantamento arquitetônico de edifícios de cunho histórico (ver figuras

5 05 e 06), o qual é referenciado neste trabalho e cujos métodos de desenhos são adaptados à ferramenta CAD. Figura 05: Planta Baixa de levantamento arquitetônico. Fonte: Roteiro para Execução de Levantamento Arquitetônico. O levantamento arquitetônico de edificações de valor patrimonial serve como documento histórico e como instrumento indispensável para possíveis intervenções. Consiste, portanto, no registro gráfico do imóvel construído a partir da tomada de medidas das fachadas, ambientes e detalhes construtivos essenciais à leitura do edifício. Deve apresentar planta de localização e coberta, situação, planta baixa, cortes, fachadas e detalhes construtivos e decorativos. Serão elaborados, em um primeiro momento, croquis da planta, dos cortes e dos detalhes que se configurarem necessários. Com os desenhos esquemáticos em mãos parte se para a tomada das medidas e cotas altimétricas. Todo o material coletado será digitalizado no computador com o uso da ferramenta CAD e fará parte do conjunto de dados e informações sobre a edificação. Figura 06: Detalhe de coberta. Fonte: Roteiro para Execução de Levantamento Arquitetônico. Todas as informações anteriores permitirão a elaboração do Diagnóstico, etapa onde serão feitas considerações a cerca do estado de conservação da edificação, dos elementos formais primitivos ainda reconhecidos e dos posteriores acréscimos, da tipologia arquitetônica,

6 do sistema e materiais construtivos (estado de conservação das estruturas, fundações e materiais construtivos), a fim de orientar e fundamentar o Projeto de Intervenção elaborado destacando seus motivos e propósitos em um memorial justificativo e a adição do projeto arquitetônico, que deve apresentar plantas, cortes, fachadas e detalhes em desenhos onde se possam identificar as alterações propostas sob os dados obtidos durante o levantamento arquitetônico. Conclusão A construção do inventário, e posteriormente de um dossiê a cerca do trabalho de intervenção, é uma etapa indispensável no processo de intervenção por fornecer informações essenciais para a condução do projeto arquitetônico. E vai além, na medida em que contribui para o registro histórico de bens arquitetônicos, incluindo as últimas medidas de alteração sobre o mesmo que é o projeto de intervenção elaborado. A participação no desenvolvimento de um material que se presta a ser, antes de pretender algo mais, um instrumento didático no processo de formação de futuros arquitetos, é de recompensada pela certeza da contribuição acadêmica e profissional, e pelo conhecimento adquirido. Referências Bibliográficas CHOAY, Françoise; tradução de Luciano Vieira Machado. A alegoria do patrimônio. Ao Paulo: Estação Liberdade: Editora UNESP, DOURADO, Odete. Viollet le Duc, Eugène Emmanuel. Restauro. PRETEXTOS. Universidade Federal da Bahia / Faculdade de Arquitetura / Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Salvador: Mestrado de Arquitetura e Urbanismo, Série B, n o 1, Apresentação, tradução e notas de Odete Dourado. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Brasil). Cartas Patrimoninais. Caderno de documentos n o 3. Brasília: IPHAN, Inventário de Bens Arquitetônicos. Departamento de Identificação e Documentação (DID), PREFEITURA DE OLINDA. Roteiro para execução de levantamento arquitetônico de um edifício de cunho histórico e artístico cultural. Olinda: Prefeitura Municipal de Olinda / Secretaria de Educação e Cultura / Fundação Centro de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda, MENDES, Carina. Técnicas Construtivas de Bens Imóveis ecléticos no Rio de Janeiro: Diretrizes para Preservação. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, PROARQ, 2006.

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV Rosina Trevisan M. RIBEIRO Arquiteta, D. Sc., Professora do

Leia mais

PLANO DE ENSINO - 2º SEMESTRE/2013. Curso ARQ. E URBANISMO. Turma: ARQ. ANA CORINA MAIA PALHETA

PLANO DE ENSINO - 2º SEMESTRE/2013. Curso ARQ. E URBANISMO. Turma: ARQ. ANA CORINA MAIA PALHETA PLANO DE ENSINO - 2º SEMESTRE/2013 Disciplina TÉCNICAS RETROPESTIVAS II Curso ARQ. E URBANISMO Turno/Horário QUINTA FEIRA Professor(a) Turma: ARQ. ANA CORINA MAIA PALHETA 9ARQN Carga Horária Semanal Carga

Leia mais

Regulamente das Atividades Complementares

Regulamente das Atividades Complementares Associação Objetivo de Ensino Superior Goiânia - GO Regulamente das Atividades Complementares ARQUITETURA E URBANISMO 1º / 2º Semestre em 2015 2 ENTREGA limite 2019 do 10º semestre Nome: Número: Turma:

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais

R 1 O T E I R O 2 0 0 5

R 1 O T E I R O 2 0 0 5 R O T E I R O 1 2 0 0 5 2 SUMÁRIO A - INTRODUÇÃO B CRITÉRIOS TÉCNICOS C ORIENTAÇÕES TÉCNICAS 1. Pesquisa Histórica 2. Pesquisa Arqueológica 3. Prospecções 4. Análises Laboratoriais 5. Levantamento Arquitetônico

Leia mais

Segundo semestre de 2013: segundas e terças-feiras das 14h às 18h no Estúdio 4

Segundo semestre de 2013: segundas e terças-feiras das 14h às 18h no Estúdio 4 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE PROJETO GRUPO DE DISCIPLINAS DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AUP 0154 - ARQUITETURA - PROJETO 4 Segundo semestre de 2013: segundas

Leia mais

REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA

REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA Maria Sílvia Zorovich do Rego silviazrego@yahoo.com.br VALOR DO INVESTIMENTO: R$ 16.000,00 PARCERIAS: Instituto Educa Brasil Proprietários Fazenda Sant

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

tpaempreendimentos.com.br Material de treinamento. Proibida Divulgação.

tpaempreendimentos.com.br Material de treinamento. Proibida Divulgação. Fundada em 13 de dezembro de 1974, a TPA acumula experiência atuando sempre nos ramos de construção civil e de incorporação. Promoveu e executou inúmeras obras em diversos setores do ramo construtivo,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO O Colegiado do

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 15/05/2013-15:50:44 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Plano de Conservação Preventiva do Museu

Leia mais

5.11. Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado. Revisão 00 NOV/2013

5.11. Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.11 Programa de Registro do Patrimônio Histórico e Edificado NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4.

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e ao IPHAN. 2-No item

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO O UNIVERSO DA RESTAURAÇÃO NO RIO DE JANEIRO O estado do Rio de Janeiro apresenta um enorme acervo de imóveis de valor cultural, histórico, artístico, arquitetônico

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos...

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos... Dicas para se inscrever no Prêmio Vivaleitura e outros projetos... 2011 Vaga Lume R. Aspicuelta, 678 Vila Madalena São Paulo SP 05433-011 (11) 3032-6032 www.vagalume.org.br falecom@vagalume.org.br 1) Apresentação

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA RITA DO SAPUCAÍ PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL OFICINAS DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA RITA DO SAPUCAÍ PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL OFICINAS DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL OFICINAS DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 2 de 7 SUMÁRIO Apresentação...03 Justificativa...03 Público Alvo...03 Objetivos...04 Metodologia...04 Cronograma...06 Orçamento...06 Produtos...06

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL 1 2 MUNICIPIO: DATA DA VISITA: DIA MÊS ANO HORA 00:00 3 4. LOTE LOJA 4 4.1 RESPONSAVEL: TIPO DE LOCALIZAÇÃO SITUAÇÃO INSERIR O NOME DO RESPONSÁVEL TÉCNICO GALPÃO LOJA EM SHOPPING ENDEREÇO INSERIR ENDEREÇO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NO CANTEIRO DE OBRAS

INTERAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NO CANTEIRO DE OBRAS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA INTERAÇÃO

Leia mais

DISCIPLINA A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL E A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS

DISCIPLINA A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL E A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS CAPÍTULO 1. Atividade 1 Ligando as ideias Pág.: 5 O documento "Declaração sobre o ambiente humano" está disponível na Biblioteca Virtual da Acesse esse documento e, após realizar uma leitura atenta, identifique

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Como desenvolver projetos

Como desenvolver projetos 1 Coletânea de Projetos Educação de Jovens e Adultos Como desenvolver projetos No 1º semestre de 2007, os calendários da Educação de Jovens e Adultos - Ensino Fundamental e Ensino Médio passaram a contemplar

Leia mais

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Brazil Improvement Plan Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Programme Title: MDGs beyond averages: Promoting Food Security and Nutrition for Indigenous Children in Brazil Rascunho do Plano

Leia mais

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 MEMÓRIA. JOÃO PESSOA.BR INFORMATIZANDO A HISTÓRIA DO NOSSO PATRIMÔNIO Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 RESUMO Este projeto de extensão desenvolvido junto

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação Métodos AULA 12 qualitativos: Pesquisa-Ação O que é a pesquisa-ação? É uma abordagem da pesquisa social aplicada na qual o pesquisador e o cliente colaboram no desenvolvimento de um diagnóstico e para

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

2.2.3 Casos de Imóveis preservados

2.2.3 Casos de Imóveis preservados 2.2.3 Casos de Imóveis preservados Em Sorocaba o tombamento municipal é a base da política de preservação adotada em nível local. Em entrevista para o Jornal Cruzeiro do Sul a presidente do CMDPH, Maria

Leia mais

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU Ano: 2015 Edital nº 01/2015 Temas: energia elétrica;

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Premissas para lidar com a iluminação urbana 1. Aspirações da

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006.

LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006. -~--' -, Praça Barão do Rio Branco, 12 Fax (31) 3559 3205 LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006 Altera a Lei Comp1emelÚtlr n 02/1005, modifica a denonúnaçílo da Secretaria Municipal de Turismo, IndÚstria

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA. Escola Alfredo J. Monteverde - Natal e Macaíba-RN Centro de Educação Científica - Serrinha-BA

PROJETO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA. Escola Alfredo J. Monteverde - Natal e Macaíba-RN Centro de Educação Científica - Serrinha-BA PROJETO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA Escola Alfredo J. Monteverde - Natal e Macaíba-RN Centro de Educação Científica - Serrinha-BA FOCO DO PROJETO O projeto de educação científica visa promover a inclusão social,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE MENIN FERREIRA (alinemenin.ferreira@hotmail.com ) CLÁUDIA REGINA LUIZ ( cacauluiz@bol.com.br ) CRISTIANE

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO?

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? Apresentação Ir para a escola, passar um tempo com a família e amigos, acompanhar as últimas novidades do mundo virtual, fazer um curso de inglês e praticar um esporte são

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

1 - Corpo Docente Titulação: "Adequada" Tempo de Dedicação: "Bom" Concentração na Área: "Regular" Dependência de Visitantes: "Não Depende"

1 - Corpo Docente Titulação: Adequada Tempo de Dedicação: Bom Concentração na Área: Regular Dependência de Visitantes: Não Depende UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Credenciamento do curso de pós-graduação, em nível de Mestrado, em Estruturas Ambientais Urbanas, da Faculdade de Arquítetura e Urbanismo Jucundino da Silva Furtado Face ao pedido

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

Planejamento e Gestão de. Projetos Educacionais. www.tecnologiadeprojetos.com.br. Dácio G Moura Eduardo F Barbosa. Belo Horizonte, outubro de 2007

Planejamento e Gestão de. Projetos Educacionais. www.tecnologiadeprojetos.com.br. Dácio G Moura Eduardo F Barbosa. Belo Horizonte, outubro de 2007 Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Dácio G Moura Eduardo F Barbosa Belo Horizonte, outubro de 2007 Projetos em Educação na atualidade Intensificação de atividades com projetos no meio educacional

Leia mais

Arquitetura dos ambientes de saúde

Arquitetura dos ambientes de saúde Arquitetura dos ambientes de saúde Todos os olhares do ambiente de saúde A palavra arquitetura não traduz a dimensão do que produzimos nessa área. Nosso trabalho vai além da planta. Aqui, são os fluxos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET Rosana PICORAL M.Sc. PROPAR/UFRGS, Arq., Prof. da FAU/PUCRS e FENG/PUCRS.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1 Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade local 1 Rodrigo Modesto Nascimento Mestre Unesp de Assis O tombamento do Teatro São Vicente 2 de Assis foi solicitado pela Prefeitura

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Projeto de Engenharia TC022 Introdução a Engenharia Prof. Dr. Sergio Scheer

Projeto de Engenharia TC022 Introdução a Engenharia Prof. Dr. Sergio Scheer 27/maio/2013 Projeto de Engenharia TC022 Introdução a Engenharia Prof. Dr. Sergio Scheer Projeto Projeto é a essência da Engenharia. Visa a elaboração de: um novo produto, sistema ou processo, ou a sua

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE TERMO DE REFERÊNCIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE TERMO DE REFERÊNCIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PLAN 1 ILHAS TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência que firmam a Prefeitura Municipal de Porto Alegre e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente SEMA, com a participação

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012

PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012 PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012 Professoras orientadoras: turma Departamento de Urbanismo Departamento de Projetos A + B Prof a. D ra. Fernanda Borges de Moraes Profª. D ra. Juliana Torres de Miranda

Leia mais

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Cargos Classe B Auxiliar de Laboratório: desenvolver atividades auxiliares gerais de laboratório bem como, de áreas específicas, de acordo com as especialidades,

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO Vítor Cóias De actividade subsidiária do sector da construção, a reabilitação do edificado e da infra-estrutura construída, isto

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais