Vestibular vestibular Unificado LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vestibular vestibular Unificado 2002 2002 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES"

Transcrição

1 unificado Vestibular vestibular Unificado 00 VERDE 0 - Você receberá do fiscal o material abaixo: a) este caderno, com o tema da Redação e o enunciado das 60 questões, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição: Língua Portuguesa/ Literatura Brasileira Questões a 5 6 a 0 a LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES Pontos 6,0 6,5 7,5 Biologia/Química Questões 6 a 0 a 5 6 a 30 Pontos 6,0 6,5 7,5 Física/Matemática Questões 3 a a 40 4 a 45 Pontos 6,0 6,5 7,5 b) folha para o desenvolvimento da Redação, grampeada ao Cartão-Resposta destinado às respostas das questões objetivas formuladas nas provas. Faça o rascunho da Redação, se desejar, na última página deste Caderno de Questões. 0 - Verifique se este material está em ordem, se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO-RESPOSTA. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do Cartão-Resposta, preferivelmente a caneta esferográfica de tinta na cor preta No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras, correspondentes às respostas certas, deve ser feita cobrindo a letra e preenchendo todo o espaço compreendido entre os círculos, a lápis preto nº ou caneta esferográfica de tinta na cor preta, com um traço contínuo e denso. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras, portanto, preencha os campos de marcação completamente, sem deixar claros. Exemplo: A B C D E 05 - No CARTÃO-RESPOSTA, o candidato deverá assinalar também, no espaço próprio, o gabarito correspondente à cor de suas provas (Amarela, Branca, Rosa 3 ou Verde 4 ). Se assinalar um gabarito que não corresponda ao de suas provas ou deixar de assinalá-lo, será eliminado Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior - BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA Para cada uma das questões, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA As questões são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado. Geografia/História Questões 46 a 50 5 a a 60 Pontos 6,0 6,5 7, SERÁ ELIMINADO do Processo Seletivo o candidato que: a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, "headphones", telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO- RESPOSTA grampeado à REDAÇÃO; c) deixar de assinalar o gabarito correspondente à cor de suas provas. 0 - Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA. - Quando terminar, entregue ao fiscal o CADERNO DE QUESTÕES, O CARTÃO-RESPOSTA GRAMPEADO À REDAÇÃO E ASSINE A LISTA DE PRESENÇA, confirmando a cor de suas provas. - O TEMPO DISPONÍVEL PARA A REDAÇÃO E PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS É DE 4 (QUATRO) HORAS. 4 BOAS PROVAS!

2

3 R E D A Ç Ã O O LIVRO DA SOLIDÃO Cecília Meireles Os senhores todos conhecem a pergunta famosa universalmente repetida: "Que livro escolheria para levar consigo, se tivesse de partir para uma ilha deserta...?" Vêm os que acreditam em exemplos célebres e dizem naturalmente: "Uma história de Napoleão." Mas uma ilha deserta nem sempre é um exílio... Pode ser um passatempo... Os que nunca tiveram tempo para fazer leituras grandes, pensam em obras de muitos volumes. É certo que numa ilha deserta é preciso encher o tempo... E lembram-se das Vidas de Plutarco, dos Ensaios de Montaigne, ou, se são mais cientistas que filósofos, da obra completa de Pasteur. Se são uma boa mescla de vida e sonho, pensam em toda a produção de Goethe, de Dostoievski, de Ibsen. Ou na Bíblia. Ou nas Mil e uma noites. Pois eu creio que todos esses livros, embora esplêndidos, acabariam fatigando; e, se Deus me concedesse a mercê de morar numa ilha deserta ( deserta, mas com relativo conforto, está claro poltronas, chá, luz elétrica, ar condicionado) o que levava comigo era um Dicionário. Dicionário de qualquer língua, até com algumas folhas soltas; mas um Dicionário. Não sei se muita gente haverá reparado nisso mas o Dicionário é um dos livros mais poéticos, se não mesmo o mais poético dos livros. O Dicionário tem dentro de si o Universo completo. Você concorda com as afirmações contidas no último parágrafo do texto acima? Na era do conhecimento e da informação, o poder da palavra ainda é um instrumento valioso? Por quê? Reflita sobre estas questões e redija um texto em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, de, aproximadamente, 5 linhas, de preferência a caneta esferográfica de tinta azul ou preta, apresentando as suas idéias sobre esse assunto. Dê um título à sua redação. 3

4 TEXTO I LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA BRASILEIRA Ai de ti, Copacabana. Ai de ti, Copacabana, porque eu já fiz o sinal bem claro de que é chegada a véspera de teu dia, e tu não viste; porém minha voz te abalará até as entranhas.. Ai de ti, Copacabana, porque a ti chamaram Princesa do Mar, e cingiram tua fronte com uma coroa de mentiras; e deste risadas ébrias e vãs no seio da noite. 3. Já movi o mar de uma parte e de outra parte, e tuas ondas tomaram o Leme e o Arpoador, e tu não viste este sinal; estás perdida e cega no meio de tuas iniqüidades e de tua malícia Grandes são teus edifícios de cimento, e eles se postam diante do mar qual alta muralha desafiando o mar; mas eles se abaterão Ai daqueles que dormem em leitos de pau-marfim nas câmaras refrigeradas e desprezam o vento e o ar do Senhor, e não obedecem à lei do verão..... Tuas donzelas se estendem na areia e passam no corpo óleos odoríferos para tostar a tez, e teus mancebos fazem das lambretas instrumentos de concupiscência Antes de te perder eu agravarei a tua demência ai de ti, Copacabana! Os gentios de teus morros descerão uivando sobre ti, e os canhões de teu próprio forte se voltarão contra teu corpo, e troarão; mas a água salgada levará milênios para lavar os teus pecados de um só verão A rapina de teus mercadores e a libação de teus perdidos; e a ostentação da hetaira do Posto 5, em cujos diamantes se coagularam as lágrimas de mil meninas miseráveis tudo passará..... Pinta-te qual mulher pública e coloca todas as tuas jóias, e aviva o verniz de tuas unhas e canta a tua última canção pecaminosa, pois em verdade é tarde para a prece; e que estremeça o teu corpo fino e cheio de máculas, desde o Edifício Olinda até a sede dos Marimbás porque eis que sobre ele vai a minha fúria, e o destruirá. Canta a tua última canção, Copacabana! Rubem Braga No Texto I, que parágrafo evidencia semanticamente o primeiro? (A) (B) 9 (C) 5 (D) 3 (E) A voz que fala no Texto I é de: (A) prostitutas da cidade. (C) elementos da natureza. (E) um ser superior. (B) habitantes do bairro. (D) seres excluídos. 3 Que sentidos a expressão "Ai de ti, Copacabana" apresenta, respectivamente, nos dois primeiros parágrafos do Texto I? (A) Tristeza e arrogância. (B) Ameaça e lamento. (C) Ironia e denúncia. (D) Indiferença e rancor. (E) Desdém e alerta. 4 O parágrafo do Texto I constrói-se por meio de um dos recursos estilísticos abaixo. Qual? (A) Prosopopéia. (B) Paradoxo. (C) Antítese. (D) Epístrofe. (E) Pleonasmo TEXTO II MAIS DE MIL PALHAÇOS NO SALÃO VÃO BEBER, BEBER ATÉ CAIR. E DIRIGIR DEPOIS. Ei, você aí. Que gosta de carnaval. Que faz questão de pular os quatro dias e as quatro noites. Que não dispensa uma fantasia bonita e original. Dê um breque para se lembrar. Nesta época do ano os acidentes de trânsito batem recordes assustadores, e acabam com o carnaval de muita gente. Pessoas que, às vezes, não têm nada a ver com a sua folia. Divirta-se. Mas com responsabilidade. Verifique os freios, os amortecedores e os pneus do seu carro. Nas estradas, use cinto de segurança. Não dirija cansado e, principalmente, não beba antes de dirigir. Não dirija depois de beber. Só assim a quarta-feira de cinzas será menos negra este ano. Não vista a fantasia de palhaço. Durante o carnaval, e sempre, seja prudente ao dirigir. O Estado de São Paulo Indique a passagem que está fora do contexto "carnaval" e se caracteriza como propósito do Texto II. (A) "Mais de mil palhaços no salão" (l. -3) (B) "vão beber,..." (l. 4) (C) "... beber até cair." (l. 5-6) (D) "E dirigir depois." (l. 7-8) (E) "Ei, você aí." (l. 9) 4

5 6 A função da linguagem predominante no Texto II é: (A) fática. (B) conativa. (C) referencial. (D) metalingüística. (E) poética. 7 A palavra "palhaços", no Texto II, só NÃO apresenta o sentido de pessoas: (A) inconseqüentes. (B) imprudentes. (C) incipientes. (D) irresponsáveis. (E) inconscientes. 8 Passando os verbos do último parágrafo do Texto II para a segunda pessoa do singular, ter-se-á: (A) vistas e sê. (B) vestirdes e sejas. (C) vesti e sede. (D) vistais e sejais. (E) veste e sejas. 9 Assinale a opção em que NÃO há correspondência entre a categoria gramatical e a(s) palavra(s) sublinhada(s). (A) "Que não dispensa uma fantasia bonita e original." (l. 0-) - artigo indefinido. (B) "... e acabam com o carnaval de muita gente." (l. 3) - pronome indefinido. (C) "... não têm nada a ver com a sua folia." (l. 4) - preposição. (D) "Mas com responsabilidade." (l. 5) - locução adjetiva. (E) "... a quarta-feira de cinzas será menos negra este ano." (l. 9-0) - advérbio. 0 Nas opções abaixo, foi indicado o sujeito do verbo destacado, sendo que um deles está INCORRETO. Qual? (A) "E dirigir depois." (l. 7-8) - indeterminado. (B) "Que gosta de carnaval." (l. 9) - que. (C) "... e acabam com o carnaval de muita gente." (l. 3) - eles (os acidentes de trânsito). (D) "Nas estradas, use cinto de segurança." (l. 6-7) - você. (E) "Só assim a quarta-feira de cinzas será menos negra este ano." (l. 9-0) - a quarta-feira de cinzas. TEXTO III A Saudade das Folhas Sobre o meu banco ancião, junto às árvores tortas, venho sofrer o outono da alameda. Há um ranger enervante e bom de folhas mortas na paisagem finíssima de seda. No Texto III, em que verso o eu-lírico declara, metaforicamente, seu sentimento? (A) "Sobre o meu banco ancião, junto às árvores tortas,..." (v.) (B) "... venho sofrer o outono da alameda." (v. ) (C) "... na paisagem finíssima de seda." (v. 4) (D) "E as árvores também têm, no chão de veludo,..." (v. 7) (E) "... a saudade das folhas a seus pés..." (v. 8) Na segunda estrofe do Texto III, o vocábulo que permite estabelecer uma relação semântica do eu-lírico com a natureza é: (A) "estende-se" (v. 5) (B) "tristeza" (v. 5) (C) "tudo" (v. 5) (D) "também" (v. 7) (E) "saudade" (v. 8) 3 Ainda no Texto III, a tristeza decorre da(o): (A) solidão em que vive o eu-lírico. (B) contexto externo que se apresenta melancólico. (C) outono, quando as folhas caem lentamente. (D) aspecto adverso da paisagem. (E) confronto estabelecido entre o presente e o passado. 4 Indique a afirmativa IMPROCEDENTE quanto à característica atribuída ao autor. (A) A temática de João Cabral de Melo Neto está centrada no Nordeste e nas condições adversas de vida do nordestino. (B) A mulher, na poesia de Álvares de Azevedo, aparece freqüentemente como figura inacessível. (C) Gonçalves Dias foi o introdutor do Romantismo e o maior nome da poesia indianista no Brasil. (D) O saudosismo de Manuel Bandeira deixa entrever a presença do menino no homem. (E) O humor e a ironia são o alicerce da obra de Machado de Assis. 5 Em qual fragmento o sentimento nacionalista NÃO se apresenta como característica? (A) "Que importa a paisagem, a Glória, a baía, a linha do horizonte? / O que eu vejo é o beco." (B) "Ó pátria, desperta... Não curves a fronte / Que enxuga-te os prantos o sol do Equador. / Não miras na fímbria do vasto horizonte / A luz da alvorada de um dia melhor?" (C) "Eu quero fazer um poema / De todo amor que sinto / Pelas palmas e bandeiras / Do meu país musical." (D) "Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba; verdes mares que brilhas como líquida esmeralda aos raios do sol nascente..." (E) "Se eu tenho que morrer na flor dos anos, / Meu Deus! Não seja já; / Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde, / Cantar o sabiá! / O país estrangeiro mais belezas / Do que a pátria não tem..." 5 E estende-se a meus pés a tristeza de tudo que fui, que foste, do que sou, do que és... E as árvores também têm, no chão de veludo, a saudade das folhas a seus pés... Guilherme de Almeida 5

6 BIOLOGIA / QUÍMICA Utilize o texto abaixo para responder às questões de 6 a. A contaminação ambiental tem sido uma fonte de problemas e doenças em diversas comunidades. Um relatório aponta a contaminação de pelo menos 50 pessoas em Paulínia, São Paulo. Dezoito delas apresentaram tumores no fígado e na tireóide. Todas teriam sido contaminadas por substâncias usadas na fabricação de pesticidas. Dr. Anthony Wong, pediatra e diretor do Centro de Assistência de Toxicologia, do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, afirma que a intenção não é criar pânico na população, mas é necessário ter muita cautela, porque há substâncias, como o benzeno, clorobenzeno e metil-etilcetona (butanona), perigosas para mulheres grávidas, crianças e idosos, que são os mais vulneráveis. Além disso, vapores tóxicos do clorobenzeno afetam o rim e o fígado. Fez, ainda, um outro alerta: as pessoas não sentem o cheiro porque a sua concentração na fase gasosa é pequena. Ambientalistas lutam para que o índice ideal de exposição ao benzeno seja 0,ppm. 6 Considerando as declarações acima, pode-se afirmar que o clorobenzeno: I - é volátil, e esta propriedade permite sua detecção através de nossa sensibilidade olfativa, se em altas concentrações; II - é lipossolúvel, o que permite sua penetração no epitélio olfativo, mas insípido, o que diminui a detecção pelo olfato; III - atinge o epitélio olfativo, através das narinas, se em concentrações altas, ativando células nervosas que indicam sua presença. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s): (A) I, apenas. (B) III, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 7 A concentração de uma solução em ppm pode ser expressa na forma de miligramas de soluto em litro de solução. Numa atmosfera, para se chegar ao nível de concentração ideal de exposição ao benzeno, desejado pelos ambientalistas, a quantidade máxima desse composto cancerígeno, em gramas, que pode estar presente em um ambiente de 0 000L é igual a: (A) 0,0 (B) 0,8 (C),0 (D),67 (E) 0 8 Ainda de acordo com o texto, pesticidas e gases exercem seus efeitos tóxicos em órgãos como a tireóide e o fígado. Estes efeitos ocorrem porque: (A) há penetração de gases através da epiderme, permitindo a estes atingir, através dos tecidos, as vísceras. (B) há substituição da respiração pulmonar pela respiração traqueal, permitindo o transporte dos gases tóxicos diretamente para os alvéolos. (C) trocas entre oxigênio e anidrido carbônico no pulmão são substituídas pela troca que ocorre entre os gases tóxicos, reduzindo o oxigênio nos órgãos. (D) trocas gasosas acontecem ao nível dos alvéolos, permitindo que o sangue transporte os gases até as vísceras. (E) trocas entre os gases e o sangue aumentam a demanda de oxigênio, causando lesão dos tecidos e das células. 9 Os efeitos dos gases tóxicos e pesticidas não se restringem aos seres humanos apenas. Graves desequilíbrios ecológicos se originam da contaminação ambiental pelo uso de pesticidas, por exemplo. Suponha que estes agentes tenham reduzido drasticamente a população de insetos de um ecossistema cuja teia alimentar está representada a seguir. raposa gaviª o cobra vegetal Os efeitos da redução dos insetos, nesta teia, irão acarretar alterações nos níveis tróficos com possível redução das populações de: (A) pequenas aves e sapos. (B) insetos e cobras. (C) cobras e sapos. (D) cobras e pequenas aves. (E) ratos e sapos. 0 A respeito do hidrocarboneto e do derivado halogenado (haleto de arila) mencionados no texto, são feitas as seguintes afirmações: I - ambos apresentam cadeias carbônicas aromáticas; II - partindo-se de uma delas, é possível obter-se o outro por reação de adição nucleofílica com cloreto de hidrogênio, em presença de cloreto férrico como catalisador; III - ambos reagem com haleto de acila, em presença de cloreto de alumínio como catalisador, produzindo diretamente ácidos carboxílicos e cloreto de hidrogênio; IV - é possível obter-se uma delas a partir da trimerização catalisada do gás resultante da adição de água ao CaC. São corretas as afirmações: (A) I e II, apenas. (C) II e III, apenas. (E) III e IV, apenas. sapo paca rato insetos Considere a seqüência reacional abaixo. pequenas aves (B) I e III, apenas. (D) I e IV, apenas. I - Cetona + cloreto de metil magnésio (meio etéreo) X II - X + H O Y + hidróxi-cloreto de magnésio III - Y + pentacloreto de fósforo Z + HCl + POCl 3 IV - Z + amônia W + HCl Com base na rota sintética acima e partindo-se da cetona citada no texto, é INCORRETO afirmar que: (A) Z, em presença de magnésio, produz Compostos de Grignard em meio etéreo. (B) W comporta-se como Ácido de Lewis em meio fortemente protogênico. (C) Y é um álcool não quiral. (D) em I ocorre uma adição à carbonila. (E) em III ocorre uma reação de substituição. 6

7 A etapa fotoquímica da fotossíntese, conhecida como reações de claro, é assim chamada por ocorrer somente na presença de luz. Essas reações podem ser simplificadas na seguinte equação: 6CO + 6H O luz (g) (v) plantas C H O + 6O 6 6(s) (g) Com a entalpia padrão de formação ( H 0 ) do gás carbônico, da f água e da glicose, é possível quantificar a energia liberada na queima da glicose, conforme o quadro a seguir. Substância CO (g) HO (v) CH O 6 6(s) ( H 0 ) f 393kJ/mol 4kJ/mol 99kJ/mol Assim sendo, a quantidade máxima de energia liberada, na combustão completa de 36g de glicose, em condições-padrão, é igual a: (A) 83 (B) 969 (C) 406,5 (D) 843,9 (E) 56,6 Utilize o texto abaixo para responder às questões de 3 a 7. A gota ocorre quando há muito ácido úrico no sangue, nos tecidos e na urina. O ácido úrico cristaliza-se nas articulações, agindo como abrasivo e causando sensibilidade e dor. O ácido úrico é um subproduto de determinados alimentos, portanto, esse problema está intimamente relacionado à alimentação. As purinas, por exemplo, são constituintes das nucleoproteínas das quais é derivado o ácido úrico. Com relação à gota, a tabela abaixo faz outras recomendações sobre os suplementos nutricionais. SUPLEMENTO Complexo B mais ácido fólico Vitamina C Germânio Vitamina E Zinco Cálcio e Magnésio (quelado) Vitamina A COMENTÁRIOS Evite ingestão de niacina; ácido fólico é importante no metabolismo de nucleoproteína. Reduz ácido úrico plasmático. Alivia a dor; reduz a sensibilidade. Neutraliza radicais livres e melhora a circulação. É importante no metabolismo de proteínas e na regeneração de tecidos. Funcionam durante o sono. É poderoso antioxidante. 3 Examinando a tabela, pode-se afirmar que um dos suplementos nutricionais cujo consumo deve ser indicado para evitar a ocorrência de gota é: (A) Vitamina A. (B) Vitamina C. (C) Complexo B. (D) Zinco. (E) Cálcio. 4 Considere o metal indicado na tabela, importante no metabolismo das proteínas e regeneração dos tecidos. 5 mol desse metal puro reagem com ácido clorídrico, em excesso, formando um volume máximo de gás hidrogênio, nas CNTP, igual a: (A),4L (B) 67,L (C) L (D) 68L (E) 96L 5 A respeito dos elementos químicos indicados na tabela de suplementos nutricionais e que se localizam no grupo A da tabela periódica dos elementos, está correto afirmar que: (A) possuem eletronegatividade maior do que todos os elementos situados no grupo 7A. (B) o número de oxidação deles, em qualquer composto, é sempre (negativo ). (C) os seus óxidos têm caráter ácido. (D) os seus átomos se unem aos átomos de cloro (na formação de sais) por meio de ligações covalentes. (E) os seus átomos no estado fundamental possuem elétrons na camada de valência. 6 O melhor método de se verificar a ocorrência de gota é através do exame no qual o médico insere uma agulha na articulação afetada, aspira o fluido e, em seguida, observa o fluido ao microscópio, em busca dos cristais de ácido úrico indicativos de que o nível de ácido úrico sérico está alto. Examine o gráfico abaixo, que apresenta a porcentagem de cristais de ácido úrico presente no fluido de articulações de diferentes pacientes (A, B, C, D e E) e assinale a opção correspondente ao único paciente com possível diagnóstico de gota. % de cristais de ácido úrico % NORMAL (A) (B) (C) (D) (E) Pacientes 7 A afirmação do texto sobre o ácido úrico:... agindo como abrasivo e causando sensibilidade e dor. só é possível porque nas articulações encontramos terminações de células que podem levar informações de estímulos nocivos. São as células: (A) nervosas. (B) conjuntivas. (C) ósseas. (D) epiteliais. (E) sanguíneas. 7

8 Utilize o texto abaixo para responder às questões de 8 a 30. RASCUNHO O óxido nítrico, de fórmula NO, é um gás incolor que pode ser facilmente preparado em laboratório você simplesmente adiciona ácido nítrico diluído a raspas de cobre e coleta o gás obtido dessa reação sob a água. Coletando-o sob a água, evita-se que ele entre em contato com o oxigênio do ar, oxigênio este que reage prontamente com óxido nítrico, transformando-o no gás marrom de dióxido de nitrogênio. Até 987, o óxido nítrico era considerado um poluente ambiental. Naquele ano, Salvador Moncada demonstrou que os vasos sanguíneos poderiam produzir o óxido nítrico e, um ano mais tarde, descobriram que ele provinha do metabolismo da arginina, um aminoácido abundante no organismo. 8 Considerando o aspecto ambiental, sabemos que a maioria dos óxidos de nitrogênio são gerados pelos motores de veículos e pelas indústrias, e que este tipo de poluição provoca desastres ecológicos irremediáveis. A respeito de algumas reações químicas dos poluentes mais comuns que ocorrem na atmosfera, pode-se afirmar que: I - o óxido nítrico é um dos precursores da chuva ácida; II - a precipitação de ácidos agride florestas, lagos e altera a fertilidade do solo; III - as chuvas ácidas atingem grandes distâncias pela dispersão com o vento. Das afirmativas acima, a(s) correta(s) é(são): (A) I, apenas. (B) III, apenas. (C) I e II, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 9 Quanto ao método de obtenção do óxido nítrico citado no texto, considere que, em meio aquoso diluído, forma-se, além do óxido, exclusivamente, o nitrato de cobre II e água. Com base no exposto, a soma dos coeficientes da equação balanceada, com os menores números inteiros, é igual a: (A) (B) 0 (C) 6 (D) (E) 0 30 Segundo o texto, ocorre a necessidade de o óxido nítrico ser coletado sob água, pois sua reação com o oxigênio do ar produz um outro gás de cor marrom, sobre o qual está correta uma das afirmações abaixo. Qual? (A) Trata-se de um óxido neutro. (B) Apresenta número de oxidação + para o nitrogênio. (C) Pode reagir com água produzindo ácido nítrico e ácido nitroso. (D) É um composto com caráter iônico acentuado. (E) Seu dímero é o N O 3.! CONTINUA 8

9 FÍSICA / MATEMÁTICA O enunciado a seguir refere-se às questões de números 3 e 3. Uma montagem comum em laboratórios escolares de Ciências é constituída por um plano inclinado, de altura aproximadamente igual a 40cm, com 4 canaletas paralelas e apoiado em uma mesa, forrada de feltro, cuja borda é curvilínea. Sobre a mesa há um ponto marcado no qual se coloca uma bola de gude. A experiência consiste em largar, do alto do plano inclinado, outra bola de gude, a qual, depois de rolar por uma das canaletas, cai na mesa e colide sucessivamente com a borda da mesa e com a primeira bola. 3 A borda da mesa tem a forma de um arco de: (A) hipérbole, e o ponto marcado é seu centro. (B) hipérbole, e o ponto marcado é um de seus focos. (C) parábola, e o ponto marcado é seu foco. (D) elipse, e o ponto marcado é um de seus focos. (E) circunferência, e o ponto marcado é seu centro. 3 Supondo desprezíveis os atritos, a ordem de grandeza da velocidade, em cm/s, com que a segunda bola chega à mesa é de: (A) 0 (B) 0 (C) 0 0 (D) 0 (E) 0 O enunciado a seguir refere-se às questões de números 33 e 34. As escalas termométricas Celsius e Fahrenheit são obtidas atribuindo-se ao ponto de fusão do gelo, sob pressão de uma atmosfera, os valores 0 (Celsius) e 3 (Fahrenheit) e à temperatura de ebulição da água, sob pressão de uma atmosfera, os valores 00 (Celsius) e (Fahrenheit). 33 A temperatura 40 C corresponde a: (A) 04 F (B) 98,4 F (C) 84,8 F (D) 40 F (E) 4,4 F 34 O gráfico que representa a temperatura Fahrenheit em função da temperatura Celsius é uma reta de coeficiente angular igual a: (A) 0,6 (B) 0,9 (C) (D),5 (E),8 35 As contas de energia elétrica mostram que kwh custa aproximadamente R$ 0,4. Qual é a ordem de grandeza do custo, em reais, de joule? (A) 0 8 (B) 0 7 (C) 0 6 (D) 0 5 (E) 0 4 O enunciado a seguir refere-se às questões de números 36, 37 e 38. Meio I X Meio II Meio I Meio I Y Z E A B C D Meio I Na figura acima, um raio luminoso monocromático parte do Meio I, refrata-se ao penetrar no Meio II e refrata-se novamente ao retornar ao Meio I. O ângulo XYZ é reto. 36 A opção que melhor representa a trajetória do raio após a segunda refração é: (A) A (B) B (C) C (D) D (E) E 37 Sendo λ e λ os comprimentos de onda, e v e v as velocidades do raio nos meios I e II, respectivamente, é correto afirmar que: (A) λ > λ e v > v (B) λ > λ e v < v (C) λ < λ e v > v (D) λ < λ e v < v (E) λ = λ e v = v 38 Sejam i o ângulo agudo que o raio, antes de sofrer a primeira refração, faz com a normal à superfície XY de separação dos meios, e r o ângulo agudo que o raio, depois de sofrer a segunda refração, faz com a normal à superfície YZ de separação dos meios. O ângulo agudo formado pelo raio antes de sofrer a primeira refração com o raio depois de sofrer a segunda refração é igual a: (A) r i (B) i r (C) 90 + i r (D) 90 i r (E) 90 + r i 39 Uma partícula descreve um movimento harmônico simples, com equação horária, escrita em unidades do Sistema Internacional, x(t) = 4 sen (t). A freqüência, em Hz, desse movimento é igual a: (A) (B) π π (C) (D) π (E) π 9

10 O enunciado a seguir refere-se às questões de números 40 e 4. Quatro cargas elétricas pontuais, de mesmo módulo q, estão situadas nos vértices de um quadrado, como mostra a figura. P Quais devem ser os seus sinais para que, no centro do quadrado, o vetor campo elétrico resultante E tenha o sentido indicado na figura? Carga (A) (B) (C) + (D) + (E) + 4 A carga que colocada no ponto P médio do lado do quadrado produziria, nesse ponto, o mesmo campo E é: (A) q Carga + + Carga E Carga Para que, com o movimento, o adulto não prense a criança contra a lateral do carro, é recomendável que o adulto ocupe o assento mais do centro da trajetória, pois o movimento os empurrará em sentido com uma força proporcional ao raio da trajetória. Preenche correta e respectivamente as lacunas acima a opção: (A) afastado oposto a esse centro inversamente. (B) afastado oposto a esse centro diretamente. (C) afastado a esse centro diretamente. (D) próximo a esse centro diretamente. (E) próximo a esse centro inversamente. p O enunciado a seguir refere-se às questões de números 44 e 45. A pressão atmosférica p varia com a altitude h segundo a lei h = a + b log p, onde a e b são constantes. 44 Medindo a altura h em metros, a partir do nível do mar, e medindo a pressão p em atmosferas, os valores das constantes a e b satisfarão: (A) a > 0 e b > 0 (B) a > 0 e b < 0 (C) a < 0 e b > 0 (D) a < 0 e b < 0 (E) a = 0 e b < 0 45 O gráfico que melhor representa p em função de h é: p (B) (C) + q q (A) (B) (D) + q (E) +4 q h h O enunciado a seguir refere-se às questões de números 4 e 43. p p Um brinquedo comum em parques de diversões é o bicho-daseda, que consiste em um carro com cinco bancos para duas pessoas cada e que descreve sobre trilhos, em alta velocidade, uma trajetória circular. Suponha que haja cinco adultos, cada um deles acompanhado de uma criança, e que, em cada banco do carro, devam acomodar-se uma criança e o seu responsável. (C) h (D) h 4 De quantos modos podem as dez pessoas ocupar os cinco bancos? (A) (B) (C) 680 (D) 40 (E) 0 (E) p h 0

11 GEOGRAFIA / HISTÓRIA 46 Tenho neste momento como razão de maior orgulho poder entregar a V. Ex a o governo da república em condições muito diversas daquelas em que o recebi, no tocante à estabilidade do regime. Está consolidada entre nós a democracia e estabelecida a paz... (KUBITSCHEK, Juscelino. Meu Caminho para Brasília. Rio de Janeiro: Bloch, 978. vol 3. p. 45) No ano de 00, o país comemora o centenário de nascimento de Juscelino Kubitschek, o presidente em cujo mandato se mantiveram instituições estáveis e democráticas. O período imediatamente anterior à sua posse foi marcado por crises sucessivas, bem como o governo que o sucedeu. As condições de instabilidade a que o presidente se referia, no trecho acima, ocorreram no período em que: (A) sua política desenvolvimentista, marcada pelo slogan cinqüenta anos em cinco, levou a um processo inflacionário acelerado e ao seu conseqüente desprestígio. (B) uma conspiração udenista, após a morte de Vargas e o governo de Café Filho, tentou impedir a posse dos eleitos, a qual acabou sendo garantida pelo então Ministro da Guerra. (C) os governos militares, tentando implementar a indústria de base no Brasil, foram acusados de forte internacionalização da economia, pela entrada das multinacionais no mercado brasileiro. (D) o vice-presidente João Goulart, submetido ao sistema parlamentarista, então instituído, assumiu o governo, face à renúncia de Jânio Quadros. (E) o presidente Jânio Quadros, eleito por esmagadora maioria, procurava aproximar-se dos países socialistas, em busca de empréstimos externos. 48 (...) Em 78, Tupac Amaru sitiou Cuzco. Este cacique mestiço, descendente direto de imperadores incas, encabeçou o movimento messiânico e revolucionário de maior envergadura. A grande rebelião estourou na província de Tinta (...) A província de Tinta estava ficando despovoada por causa do serviço obrigatório nos socavãos de prata da montanha. (GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 978, 5ª ed. pp 55/56) Sobre a colonização européia na América e seus reflexos, NÃO se pode afirmar que a(o): (A) exploração do trabalho indígena nas minas - a mita - provocou reações como a que está citada no texto. (B) elite econômica da colônia - os criollos - foi a responsável pela independência da América Espanhola, apesar da eclosão de movimentos populares. (C) população descendente dos nativos, ainda hoje, na região citada no texto, se mantém dependente das classes privilegiadas, que dominam o Estado e a economia. (D) libertação social e política da população haitiana, primeira e única deste gênero na América Latina, foi fruto da ação de Tupac Amaru. (E) movimento popular e camponês liderado por Tupac Amaru fracassou, entre outros motivos, pela falta de apoio das elites coloniais. 49 TIPOS DE ORGANIZAÇÃO ESPACIAL I - Feudal II - Colonial 47 8 de junho de 908 "Desembarcou hoje no porto de Santos a primeira leva de imigrantes japoneses que optaram pelo Brasil. A bordo do navio Kasato Maru, vieram 68 famílias, com 78 pessoas que deverão dirigir-se principalmente às fazendas de café do oeste paulista e do norte do Paraná." (BRENER, Jayme. Jornal do Século XX. São Paulo: Moderna, 998. p. 48) A partir do texto acima, é correto afirmar que: (A) o contingente de japoneses que entrou no Brasil desde 908 foi determinado pelo sistema de cotas, que, desde o início da república, regulava a imigração. (B) a derrota japonesa na guerra contra a Rússia, em 904, foi um dos fatores que favoreceu a vinda dos imigrantes para o Brasil. (C) a imigração japonesa foi proibida pelo governo Vargas, após a publicação da obra Memórias de um Colono no Brasil, relatando a crueldade a que eram submetidos os imigrantes. (D) muitos japoneses que vieram para o Brasil eram camponeses que perderam a terra ou o trabalho, desde o início da Era Meiji, que marcou a industrialização do Estado japonês. (E) antes mesmo de 908, já havia japoneses no Brasil, como aqueles que, na Amazônia, se dedicavam ao cultivo da juta. III - Capitalista avançado (CORRÊA, Roberto L. Região e Organização Espacial. São Paulo: Atica. Série Princípios, 986. p. 70) Os três modelos acima resumem a organização das sociedades em diferentes épocas. No modelo I, a organização espacial: (A) reflete intenso processo de metropolização, enquanto no modelo III é reflexo da complexa divisão social e territorial do trabalho. (B) reflete o desenvolvimento tecnológico limitado, enquanto nos dois outros modelos há uma priorização das atividades primárias. (C) é definida por células quase fechadas, enquanto no modelo III é reflexo do desenvolvimento de forças produtivas locais. (D) é reflexo do crescimento da rede urbana em torno dos portos, enquanto no modelo III é fruto de uma economia aldeã de caráter autárquico. (E) é reflexo da economia de subsistência, enquanto no modelo II é reflexo da economia mercantilista.

12 50 5 OS CONTRASTES SOCIAES EMISSÕES ANUAIS DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO ),8 Bilhões de toneladas/ano,6,4,3,9,,0 0,8 0,78 0,6 0,4 0, 0 0,75 0,53,67 0,3 0,34 0,0 Europa Oriental América Europa Países China do Norte Ocidental em desenvolvimento Japão Brasil Total Amazônia Mundial Queima de combustíveis fósseis Queima de florestas (Revista O Gato nº 7. 5/0/93 in ABREU, Maurício A. EvoluçãoUrbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Iplanrio, 997, 3ª ed. p. 7) Estados Unidos Europa Ocidental Cei China Japão 950 EVOLUÇÃO DA EMISSÃO DE CO NA ATMOSFERA Bilhões de toneladas ,50,5,00 0,75 0,50 0,5 (MOREIRA, Igor. Espaço Geográfico: Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Ática, 998, 38ª ed. p. 8) A queima de florestas tropicais e a utilização de combustíveis fósseis em indústrias e usinas termelétricas lançam na atmosfera grandes quantidades de gás carbônico (CO ), que são armazenadas na Terra em diferentes reservatórios. Analisando o gráfico acima, é correto afirmar que: (A) a queima de combustíveis fósseis no mundo reflete o nível de industrialização e o modelo energético adotado pelas economias nacionais. (B) a presença isolada da China no gráfico se explica historicamente a partir da Revolução Comunista, quando o governo passou a incentivar o uso de combustível fóssil na indústria. (C) as atuais emissões de carbono originárias do desmatamento mundial, concentradas nos trópicos, são derivadas da queima de florestas do mundo temperado no século XIX. (D) os desmatamentos e a queima de florestas temperadas e tropicais do planeta, realizados pelas sociedades préindustriais, estimularam o aparecimento de novas fontes energéticas. (E) não há relação entre a queima de combustíveis fósseis e o nível de industrialização, já que países como a Rússia, que se industrializou ainda no século XIX, não são contemplados no gráfico. Analisando a caricatura acima, referente à cidade do Rio de Janeiro no início do século, pode-se afirmar que: I - as reformas urbanas do Rio de Janeiro acentuaram os contrastes sociais, quando privilegiaram o embelezamento dos espaços ocupados pela elite político-econômica, em detrimento dos subúrbios; II - os governos militares que marcaram os primeiros anos da República intervieram no Rio de Janeiro, através da delimitação e diferenciação das áreas industriais e residenciais, dando origem a contrastes sociais jamais vistos na história da cidade até então; III -a multiplicação e a expansão espacial das indústrias no Rio de Janeiro atraíram numerosa mão-de-obra, que se instalou nos subúrbios, dando origem a novas favelas, próximas das áreas industriais. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s): (A) I, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 5 No Brasil, o quilombo foi uma das formas de resistência da população escrava. Sobre os quilombos no Brasil, é correto afirmar que a(o): (A) existência de poucos quilombos na região norte pode ser explicada pela administração diferenciada, já que, no Estado do Grão-Pará e Maranhão, a Coroa Portuguesa havia proibido a escravidão negra. (B) população dos quilombos também era formada por indígenas ameaçados pelos europeus, brancos pobres e outros aventureiros e desertores, embora predominassem africanos e seus descendentes. (C) quase inexistência de quilombos no sul do Brasil se relaciona à pequena porcentagem de negros na região, o que também permitiu que lá não ocorressem questões ligadas à segregação racial. (D) maior dos quilombos brasileiros, Palmares, foi extinto a partir de um acordo entre Zumbi e o governador de Pernambuco, que se comprometeu a não punir os escravos que desejassem retornar às fazendas. (E) maior número de quilombos se concentrou na região nordeste do Brasil, em função da decadência da lavoura cafeeira, já que os fazendeiros, impossibilitados de sustentar os escravos, incentivavam-lhes a fuga.

13 53 MARÇO / 94- Surge nos EUA o Capitão América, o primeiro super-herói a socar Hitler. OUTUBRO / 00- "Depois dos atentados em New York, a Editora Marvel convidou artistas para criar uma revista especial. Alguns como Mike Deodato, Dale Keown e Frank Miller retrataram personagens como o Capitão América e Hulk em ação no World Trade Center." (Revista VEJA, 8 de novembro de 00, p. 54) A partir dos dados acima, é possível afirmar que a utilização do personagem: (A) por seu caráter recorrente, tem sido uma forma de defesa do mercado norte-americano contra as investidas japonesas na indústria cinematográfica. (B) nos dois casos, teve como objetivo reforçar os ideais americanos e relembrar que, mesmo tendo sido ameaçados ou atingidos, estes ideais permanecem. (C) em ambos os casos, visou reforçar o espírito agressivo e estimular o revanchismo, o que seria garantido pela conhecida superioridade bélica norte-americana. (D) em ambos os casos, visou reforçar as características da população norte-americana, em oposição às crescentes migrações da população oriental. (E) no primeiro caso, reforçou a euforia pelas vitórias já obtidas em Midway e Leningrado; no segundo caso, teve a função de consolar a população americana após os atentados do último de setembro. 54 A expansão dos Estados Unidos para o oeste se fez também às custas do México, a quem pertenciam os territórios assinalados no mapa acima. Após perder a guerra em 848, pelo Tratado de Guadalupe-Hidalgo, o México cedeu aos EUA, entre outros, o território: (A) do Alabama, que o México havia comprado da Espanha em 89. (B) do Alasca, cujo real povoamento se deu a partir da descoberta de petróleo. (C) da Califórnia, cuja ocupação efetiva se acelerou com a descoberta de ouro na região. (D) de Missouri, que foi anexado como Estado abolicionista, já que no México não mais havia escravidão. (E) de Seattle, cuja importância na atualidade se deve ao desenvolvimento tecnológico na área das comunicações. 55 TEXTO I No embalo da queda do Muro de Berlim e da desmoralização dos regimes comunistas da União Soviética e do Leste Europeu, em 989, (Francis ) Fukuyama comemorava a suposta vitória final da ordem liberal do Ocidente e o conseqüente encerramento do conflito ideológico que, desde a Revolução Russa de 97, parecia condicionar a hostilidade entre as potências. (MAGNOLI, Demetrio. Globalização: Estado Nacional e Espaço Mundial. São Paulo: Moderna, 997) TEXTO II Em O Choque das Civilizações, publicado em meados dos anos 90, (Samuel) Huntington previa que os conflitos globais do século XXI não mais seriam motivados por desavenças entre países, mas entre civilizações, caracterizadas estas por valores, instituições e, sobretudo, religiões. O choque mais iminente, escreveu, era aquele que contraporia o Ocidente ao mundo muçulmano. (Revista VEJA - 4 de novembro de 00, p. 56) Comparando os textos I e II, nos quais são emitidas opiniões acerca da geopolítica mundial pós-guerra Fria, pode-se concluir que o(s): (A) dois autores privilegiam as questões de política internacional e não consideram relevantes os interesses nacionais no mundo do século XXI. (B) papel do Estado Nacional, para Huntington, superaria as questões étnico-religiosas, enquanto Fukuyama acreditava que o liberalismo vitorioso após a queda do Muro de Berlim deixaria o Estado Nacional fragilizado. (C) mundo pós-guerra Fria, para os dois autores, prioriza o interesse nacional, em detrimento de rivalidades étnicas ou religiosas. (D) pós-guerra Fria, segundo Fukuyama, estaria isento de disputas geopolíticas, enquanto para Huntington o fim da Guerra Fria agravaria os conflitos norte-sul. (E)separatismos nacionalistas que marcam o mundo contemporâneo vêm demonstrar a fraqueza da tese de ambos os autores, já que permanecem, nestes casos, as questões ideológicas. 56 As ruas estão, em geral, repletas de mercadorias inglesas. A cada porta, as palavras Superfino de Londres saltam aos olhos: algodão estampado, panos largos, louça de barro, mas, acima de tudo, ferragens de Birminghan, podem-se obter um pouco mais caro do que em nossa terra nas lojas do Brasil, além de sedas, crepes e outros artigos da China. (GRAHAM, Mary. Diário de Uma Viagem ao Brasil, in Campos, Raymundo. História do Brasil. São Paulo: Atual, 99, ª ed. p 98 ) Esta descrição das lojas do Rio de Janeiro, feita por uma inglesa que estava no Brasil em 8, justifica-se historicamente pelo(a): (A) Bloqueio Continental. (B) Tratado de Maastricht. (C) Tratado de Fontainebleau. (D) Tratado de Comércio e Navegação. (E) criação do NAFTA e da ALCA. 3

14 57 Cerca de 80% das reservas de água existentes no mundo são subterrâneas. Destas, grande parte não está disponível ou não pode ser utilizada. Apesar disso, desde a década de 50, os reservatórios hídricos subterrâneos ganharam um papel de destaque na tentativa de se solucionar o problema da escassez de água. No mundo atual, a preservação dos lençóis subterrâneos tem sido dificultada pela(o): (A) sucessão de guerras entre judeus e palestinos, provocadas pela disputa de regiões ricas em recursos hídricos no Oriente Médio. (B) permanência da situação colonial nos países pobres da África e da América Latina, que consideram irrelevante a preocupação com as questões hídricas. (C) aumento da demanda de água por pessoa, motivado pelos resultados negativos do efeito estufa nas regiões industriais. (D) uso indiscriminado dos cursos d água em função da atividade pesqueira, essencial para a sobrevivência dos países pobres. (E) ritmo acelerado dos desmatamentos e pela crescente necessidade hídrica inerente ao crescimento urbano-industrial. Em anos 66 Média 60 A EXPECTATIVA DE VIDA DO BRASILEIRO (POR SEXO) Diferença: 7, anos 6,6 Homem 99 69,8 Mulher Diferença: 7,8 anos 64,8 Homem 7,6 Mulher ,6 Média 58 Que nunca percam de vista o Soberano e a Nação o fato de a terra ser a única fonte das riquezas e que a agricultura as multiplica. Que a propriedade dos bens de raiz e das riquezas mobiliárias seja assegurada aos seus possuidores legítimos, pois a segurança da propriedade é o fundamento essencial da ordem econômica da Sociedade. (QUESNAY, François. Maximes Generales du Government Economique) François Quesnay, médico do rei francês, lançou as bases do pensamento liberal fisiocrata, o qual: (A) preconizava que o aumento populacional determinava a escassez de recursos naturais e, conseqüentemente, crises de abastecimento. (B) relacionava a necessidade de se manter a ordem socioeconômica ao montante de investimentos industriais. (C) defendia as aspirações burguesas e criticava a intervenção estatal na vida econômica. (D) defendia a valorização da nobreza territorial, a supremacia e a centralização do poder real. (E) explicitava as aspirações das massas camponesas que tencionavam destruir o feudalismo. 59 A expansão imperialista do final do século XIX / início do século XX buscou atender aos interesses das diversas potências européias e, em conseqüência, aprofundou as divergências entre as mesmas, levando à formação de blocos antagônicos e à eclosão da ª Guerra Mundial. As rivalidades franco-germânicas podem ser atribuídas à: (A) ocupação francesa do Marrocos, pretendido pela Alemanha, que fracassou após as chamadas crises marroquinas, como as de Tânger e Agadir. (B) ocupação da Tunísia pela França, que construiu uma estrada de ferro a qual, seguindo o litoral, alcançava Túnis, inviabilizando definitivamente a permanência alemã na região. (C) construção do canal de Suez, resultado da aplicação de capitais franceses, mas ocupado pela Alemanha, que transformou a região num protetorado. (D) disputa de terras férteis ao sul do continente africano, tendo em vista que a África do Norte já era inglesa e que a região do Sahel estava exposta à desertificação. (E) partilha da China entre as potências européias, excluídas a Itália e a Alemanha, por estarem em processo de unificação. A EVOLUÇÃO DA EXPECTATIVA DE VIDA NO PAÍS 66,03 Idade 43,33 48,04 5,66 60,0 68,0 68,4 68,6 Ano (Jornal Folha de São Paulo - 04 de dezembro de 00, Caderno C, p. ) Observando-se o quadro acima, conclui-se que a expectativa de vida do brasileiro, ao nascer, vem aumentando a partir da década de 90. O declínio das taxas de fecundidade e de natalidade, combinado com a queda das taxas de mortalidade, explica a tendência deste quadro, que, junto com o crescimento do número de idosos, vem elevar a expectativa média de vida. Com esta estrutura etária vigente, configuram-se alterações no perfil da população. Um dos reflexos deste fato na sociedade brasileira é o(a): (A) aumento dos encargos econômicos e a necessidade de uma política social voltada para a nova realidade de país. (B) crescente emprego do trabalho infantil, face à excessiva oferta de mão-de-obra, tal como ocorreu no período imediatamente posterior à Revolução Industrial inglesa. (C) crescente ingresso da mulher no mercado formal de trabalho, resultando numa melhoria da qualidade de vida deste segmento da população. (D) maior atuação da Igreja, na tentativa de estimular o controle da natalidade por meios naturais, como explicitam as encíclicas Rerum Novarum e Humanae Vitae. (E) transformação das estruturas socioeconômicas do país, elevando os padrões demográficos típicos de países com grande mobilidade espacial. 4

15 8 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS VIIIA Com massas atômicas referidas ao isótopo do carbono IA He HÉLIO H,0079 HIDROGÊNIO 4,006 IIIA IVA VA VIA VIIA IIA Ne F O N NITROGÊNIO C B LÍTIO Ar ARGÔNIO NEÔNIO FLÚOR OXIGÊNIO CARBONO Cl CLORO S ENXOFRE P FÓSFORO Si SILÍCIO Al Mg Na SÓDIO Vestibular Unificado Kr CRIPTÔNIO Br BROMO Se SELÊNIO As ARSÊNIO Ge GERMÂNIO Ga Zn ZINCO Cu COBRE Ni COBALTO Cr V VANÁDIO Sc 5,996 POTÁSSIO Xe XENÔNIO I IODO Te TELÚRIO Sb ANTIMÔNIO Sn ESTANHO In ÍNDIO GÁLIO ALUMÍNIO BORO Be BERÍLIO Li 0,80 8,998 5,999 4,007,0 0,8(5) 9,0 6,94() ,948 35,453 3,066(6) 30,974 8,086 6,98 IIIB IVB VB VIB VIIB VIII VIII VIII IB IIB 4, Cd CÁDMIO Ag PRATA Pd RÓDIO Ru Nb Zr Y RUBÍDIO Rn RADÔNIO At ASTATO Po POLÔNIO Bi BISMUTO Pb CHUMBO Tl TÁLIO Hg MERCÚRIO Au OURO Pt PLATINA PALÁDIO NÍQUEL IRÍDIO RÊNIO W Ta TÂNTALO La-Lu Ba Cs 5 CÉSIO a 03 Mt Uun Uuu Uub UNÚNBIO UNUNÚNIO UNUNILIO MEITNÉRIO Hs HASSIO ÓSMIO RUTÊNIO FERRO MANGANÊS CRÔMIO 83,80 79,904 78,96(3) 74,9 7,6() 54,938 55,845() 58,933 58,693 TECNÉCIO TUNGSTÊNIO MOLIBDÊNIO NIÓBIO Bh BÓHRIO Sg SEABÓRGIO Db DÚBNIO Rf Ac-Lr Ra RÁDIO Fr FRÂNCIO 6 RUTHERFÓRDIO HÁFNIO ZIRCÔNIO TITÂNIO ESCÂNDIO ÍTRIO 85,468 87,6 88,906 9,4() 9,906 95,94 98,906 0,07() 0,9 06,4 07,87,4 4,8 8,7,76 7,60(3) 6,90 3,9() BÁRIO ESTRÔNCIO CÁLCIO MAGNÉSIO 3,990 9 Co Fe Mn Ti Ca K 4 69,73 65,39() 63,546(3) 50,94 47,867 44,956 39, ,078(4) Rh Tc Mo Sr Rb a7 Ir Os Re Hf 6,0 09,98 09,99 37,33 78,49() 80,95 83,84 86, 90,3(3) 9, 95,08(3) 96,97 00,59() 04,38 07, 08,98 3, ,03 3,0 Série dos Lantanídios Tm Yb Lu Er Ho Dy Tb Gd Eu Sm Pm Nd Pr Ce La LANTÂNIO Número Atômico LUTÉCIO ITÉRBIO TÚLIO ÉRBIO HÓLMIO DISPRÓSIO TÉRBIO GADOLÍNIO EURÓPIO SAMÁRIO PROMÉCIO NEODÍMIO PRASEODÍMIO CÉRIO 6 73,04(3) 74,97 68,93 67,6(3) 64,93 6,50(3) 38,9 40, 40,9 44,4(3) 46,9 50,36(3) 5,96 57,5(3) 58,93 Símbolo Série dos Actinídios Lr LAURÊNCIO Am Cm Bk Cf Es Fm Md No NOBÉLIO MENDELÉVIO FÉRMIO EINSTÊINIO CALIFÓRNIO BERQUÉLIO CÚRIO AMERÍCIO Pu PLUTÔNIO Np NETÚNIO U URÂNIO Pa PROTACTÍNIO Ac Th TÓRIO ACTÍNIO 7 Massa Atômica NOME DO ELEMENTO 6, 59,0 58,0 57,0 7,03 3,04 3,04 38,03 37,05 39,05 4,06 44,06 49,08 5,08 5,08 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é ±, exceto quando indicado entre parênteses.

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA 2 o DIA MANHÃ GRUPO 2 Novembro / 2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

AULA 02: TABELA PERIÓDICA

AULA 02: TABELA PERIÓDICA AULA 02: TABELA PERIÓDICA 1. INTRODUÇÃO A Tabela Periódica é, efetivamente, um instrumento organizador de conhecimentos sobre os elementos químicos, onde estes estão ordenados por ordem crescente de número

Leia mais

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS º 2º 3º 4º 5º 6º 7º (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

CURSOS Ciências Habilitação em Química e Química Industrial. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSOS Ciências Habilitação em Química e Química Industrial. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2003/2 QUÍMICA CURSOS Ciências Habilitação em Química e Química Industrial Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. 2. 3. 4. Esta prova

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS EXERCÍCIOS Questão 01) O correto uso da tabela periódica permite determinar os elementos químicos a partir de algumas de suas características. Recorra a tabela periódica

Leia mais

Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling

Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling Guia do Professor Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling I Introdução A atividade Distribuição Eletrônica favorece o desenvolvimento de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma Candidato: CPF:

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma Candidato: CPF: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2014.2

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. In Sn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83,8 112,4 107,9 85,5 87,6 88,9 91,2 92,9 95,9 (98) 101,1 102,9 106,4 140,1

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. In Sn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83,8 112,4 107,9 85,5 87,6 88,9 91,2 92,9 95,9 (98) 101,1 102,9 106,4 140,1 PROVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

PUC - Rio VESTIBULAR 2015

PUC - Rio VESTIBULAR 2015 PUC - Rio VESTIBULAR 201 2 o DIA MANHÃ GRUPO 2 Outubro / 2014 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA, DE MATEMÁTICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA E DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

QUÍMICA 1 0 PERÍODO ENSINO MÉDIO TABELA PERIÓDICA A LEI PERIÓDICA

QUÍMICA 1 0 PERÍODO ENSINO MÉDIO TABELA PERIÓDICA A LEI PERIÓDICA QUÍMICA 1 0 PERÍD 1 0 PERÍD ENSIN MÉDI QUÍMICA TABELA PERIÓDICA A LEI PERIÓDICA A medida que se conhece um grande número de elementos químicos e várias de suas propriedades, sentiu-se a necessidade de

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

PUC - RIO - 2014 Rio VESTIBULAR 2014 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA, DE HISTÓRIA E DE MATEMÁTICA

PUC - RIO - 2014 Rio VESTIBULAR 2014 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA, DE HISTÓRIA E DE MATEMÁTICA PUC - RIO - 2014 Rio VESTIBULAR 2014 2 o DIA TARDE GRUPO 4 Outubro / 2013 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA, DE HISTÓRIA E DE MATEMÁTICA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS INSTRUÇÕES: PRCESS SELETIV 2013/2 - CPS PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURS DE GRADUAÇÃ EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco) questões discursivas. Caso

Leia mais

Tabel e a l P rió dica

Tabel e a l P rió dica Tabela Periódica Desenvolvimento histórico da Tabela Periódica Dmitri Mendeleev (1834-1907 ) Escreveu em fichas separadas as propriedades (estado físico, massa, etc) dos elementos químicos. Enquanto arruma

Leia mais

Processo Seletivo 2009-1

Processo Seletivo 2009-1 Processo Seletivo 2009-1 GRUP 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GIÁS PRÓ-REITRIA DE GRADUAÇÃ CENTR DE SELEÇÃ Química SÓ ABRA QUAND AUTRIZAD 1. Após autorização, verifique se este caderno está completo ou se contém

Leia mais

Os Pesos Atômicos Deixam de Ser Constantes: Dez Elementos Passam a Ter Intervalos de Pesos Atômicos

Os Pesos Atômicos Deixam de Ser Constantes: Dez Elementos Passam a Ter Intervalos de Pesos Atômicos Atualidades em Química Os Pesos Atômicos Deixam de Ser Constantes: Dez Elementos Passam a Ter Intervalos de Pesos Atômicos Romeu C. Rocha-Filho e Aécio Pereira Chagas Em 2011, a União Internacional de

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

2015.1 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 02/11/2014

2015.1 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 02/11/2014 VESTIBULAR 2015.1 Universidade Severino Sombra - USS Prova Discursiva Medicina 02/11/2014 Este caderno, com 16 páginas numeradas, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q36 Classificação de elementos

Química. Resolução das atividades complementares. Q36 Classificação de elementos Resolução das atividades complementares 3 Química Q36 Classificação de elementos p. 24 1 (Fatec-SP) Imagine que a tabela periódica seja o mapa de um continente, e que os elementosquímicos constituem as

Leia mais

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas.

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. 1 Parte I - Considere as informações abaixo: Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. Núcleo: Prótons e nêutrons. Eletrosfera: elétrons Os átomos

Leia mais

Química. CURSOS Química Industrial, Química - Modalidade Licenciatura e Tecnologia em Mineração

Química. CURSOS Química Industrial, Química - Modalidade Licenciatura e Tecnologia em Mineração PROCESSO SELETIVO 2006/1 Química CURSOS Química Industrial, Química - Modalidade Licenciatura e Tecnologia em Mineração Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA MÓDULO I DO PISM (triênio )

PROVA DE QUÍMICA MÓDULO I DO PISM (triênio ) PRVA DE QUÍMICA MÓDUL I D PISM (triênio 006-008) CLASSIFICAÇÃ PERIÓDICA DS ELEMENTS 1 18 1 3 4 6 7 1 1,0 3 Li 6,9 11 Na 3,0 19 K 39,1 37 Rb 8, Cs 13,9 67 Fr 3,0 4 Be 9,0 1 Mg 4,3 0 Ca 40,1 38 Sr 87,6 6

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio.

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio. P R OVA D I S C U R S I VA LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO 2 1 / 1 1 2 0 1 5 V E S T I B U L A R 2 0 1 6 INSTRUÇÕES 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no

Leia mais

Tabela Periódica* 1 H 1,0. Massa atômica. 20,2 18 Ar 39,9 2º VESTIBULAR UFOP Fe. 29 Cu. 28 Ni. 27 Co. 58,9 45 Rh 102,9 77 Ir 192,2 109 Mt

Tabela Periódica* 1 H 1,0. Massa atômica. 20,2 18 Ar 39,9 2º VESTIBULAR UFOP Fe. 29 Cu. 28 Ni. 27 Co. 58,9 45 Rh 102,9 77 Ir 192,2 109 Mt Tabela Periódica* 1 1 18 1 1,0 2 Número atômico 1 1,0 13 14 15 16 17 2 e 4,0 2 3 3 Li 6,9 11 Na 23,0 4 Be 9,0 Massa atômica 12 Mg 24,3 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 5 B 10,8 13 Al 27,0 6 C 12,0 14 Si 28,1 7 N

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação

Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação EXAME DE SELEÇÃO DO MESTRADO EM QUÍMICA 2013/1 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Número de Inscrição: INSTRUÇÕES IMPROTANTES: -

Leia mais

Vestibular2014 MEDICINA. Prova Discursiva 17/11/2013

Vestibular2014 MEDICINA. Prova Discursiva 17/11/2013 Universidade Severino Sombra - USS Vestibular2014 Prova Discursiva MEDICINA 17/11/2013 Este caderno, com 16 páginas numeradas, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

CONCEITO DE GEOQUÍMICA

CONCEITO DE GEOQUÍMICA UNIVERSIDADE FEDEREAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA GEOQUÍMICA GC 012 CONCEITO DE GEOQUÍMICA Profa. Dra. Eleonora Maria Gouvea Vasconcellos Introdução distribuição dos elementos químicos controlada

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Instituto de Química. Coordenação de Pós-Graduação em Química EXAME DE SELEÇÃO DO MESTRADO EM QUÍMICA 2015/1

Universidade Federal de Goiás. Instituto de Química. Coordenação de Pós-Graduação em Química EXAME DE SELEÇÃO DO MESTRADO EM QUÍMICA 2015/1 Nº. de Inscrição Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-Graduação em Química EXAME DE SELEÇÃO DO MESTRADO EM QUÍMICA 2015/1 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO - Número de Inscrição:

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES CADERNO DE QUESTÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO/2010-2 GRUPO 1 Química 1º DIA 06/06/2010 SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nova Friburgo, de de 2014. Aluno (a): Gabarito Professor(a): ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nº: Turma:100 Assuntos: Estrutura atômica; Tabela Periódica; Propriedades periódicas;

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2002 2ª ETAPA (Cada questão desta prova vale até cinco pontos) 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 37 Ca 40, 08 38 5 Rb 85, 47 55 Sr

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Energias de ionização (ev) 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª X 5,4 75,6 122,4 Y 13,6 35,2 54,9 77,4 113,9 138,1 739,1 871,1

Energias de ionização (ev) 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª X 5,4 75,6 122,4 Y 13,6 35,2 54,9 77,4 113,9 138,1 739,1 871,1 1. (Cefet MG 2014) Na tabela a seguir, estão representadas as energias de ionização de dois elementos X e Y pertencentes ao segundo período do quadro periódico. Elementos Energias de ionização (ev) 1ª

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar:

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar: 8 GABARITO 1 1 O DIA 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 16. Devido à sua importância como catalisadores, haletos de boro (especialmente B 3 ) são produzidos na escala de toneladas por

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VIII PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Data: 19/9/2009 Valor da prova: 8,0 Nota: Eixo temático

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA

Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 3 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas e

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final Disciplina: Química Ano: 2012 Professor (a): Elisa Landim Turma: 1º FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça a lista

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo

Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo O GRUPO DO OXIGÊNIO GRUPO 16 OU VI Esse grupo também é conhecido como calcogênios. Todos os elementos desse grupo possuem 6 elétrons na camada de valência. Carga desses elementos: - 2 OXIGÊNIO O oxigênio

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)?

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? EXERCÍCIOS REVISÃO 1ª série 1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? 2. Qual a fórmula do composto formado entre o potássio, K (Z = 19) e o enxofre, S (Z =

Leia mais

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 06 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 06 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 06 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA Hidrogênio Azufre L Plomo Nitrógeno Magnesio Plata Carbono I Hierro G Oro Oxígeno Z Cinc Mercurio Fósforo C Cobre Calcio 1 o grupo 1 2 3 4 5 6 7 8 9

Leia mais

PUC - Rio VESTIBULAR 2015

PUC - Rio VESTIBULAR 2015 PUC - Rio VESTIBULAR 2015 2 o DIA TARDE GRUPO 4 Outubro / 2014 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA, DE HISTÓRIA E DE MATEMÁTICA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA QUÍMICA E BIOLÓGICA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA QUÍMICA E BIOLÓGICA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Página 1 de 12 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior para titulares de Diploma de Especialização Tecnológica, Decreto-Lei n.º 113/2014, de

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ESTADO DO PARÁ MUNICÍPIO DE CURUÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ - CONCURSO PÚBLICO - Edital N.º 001/2009 REALIZAÇÃO DA PROVA OBJETIVA: 23 de Agosto de 2009 NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE

Leia mais

Fluorescência de Raios-X: Fusão de Amostra com Borato

Fluorescência de Raios-X: Fusão de Amostra com Borato Fluorescência de Raios-X: Fusão de Amostra com Borato 1.Parâmetro(s) medido (s): Al 2 O 3, CaO, Cr 2 O 3, Fe 2 O 3, K 2 O, MgO, MnO, Na 2 O, Nb, NiO, P 2 O 5, SiO 2, Sn, Sr, Ta, TiO 2, V, W, Y, Zr. 2.Tamanho

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Polaridade de moléculas

Polaridade de moléculas Polaridade de moléculas 01. (Ufscar) É molécula polar: a) C 2 H 6. b) 1,2-dicloroetano. c) CH 3 Cl. d) p-diclorobenzeno. e) ciclopropano. 02. (Mackenzie) As fórmulas eletrônicas 1, 2 e 3 a seguir, representam,

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Lista 1 Atomística e tabela periódica

Lista 1 Atomística e tabela periódica Lista 1 Atomística e tabela periódica 1. (Ufrn 2013) A Lei Periódica e sua representação gráfica, a Tabela Periódica, são dois conhecimentos essenciais para a química e para os químicos. D. Mendeleev (1834-1907),

Leia mais

Governo do Estado do Amapá Universidade do Estado do Amapá. Vestibular 2009

Governo do Estado do Amapá Universidade do Estado do Amapá. Vestibular 2009 Governo do Estado do Amapá Universidade do Estado do Amapá Vestibular 2009 PROVA ANALÍÍTIICO--DIISCURSSIIVA 2ªª Fase 05//01//2009 Tiipo de Prrova B05 Nome do Candidato: Nº de Inscrição Curso: 1. Este caderno

Leia mais

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. CNHECIMENTS GERAIS 01 Analise a veracidade (V) ou falsidade (F) das proposições abaixo, quanto aos efeitos negativos da utilização de combustíveis fósseis sobre o ambiente. ( ) A combustão de gasolina

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3)

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3) química 2 Questão 37 Questão 38 abendo-se que a amônia (N 3) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (2 2) não possui isômeros. ua molécula apresenta polaridade,

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. As afirmativas seguintes, referentes aos elementos a, b, c, d, e, são corretas, EXCETO:

QUESTÕES OBJETIVAS. As afirmativas seguintes, referentes aos elementos a, b, c, d, e, são corretas, EXCETO: QUESTÕES OBJETIVAS 9) O esquema abaixo representa uma tabela periódica simplificada. Li a b Ca Sc c O e d As afirmativas seguintes, referentes aos elementos a, b, c, d, e, são corretas, EXCETO: a) c é

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

AULA 03 Tabela Periódica

AULA 03 Tabela Periódica Faculdade de Tecnologia e Ciências FTC Colegiado de Engenharia Civil Química Geral AULA 03 Tabela Periódica PROFESSORA: Shaiala Aquino shaiaquino@hotmail.com Henry Moseley A.B.Chancourtois ( 1820-1886)

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA UFJF CNCURS VESTIBULAR 2011-2 GABARIT DA PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes.

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

QUÍMICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. FAÇA LETRA LEGÍVEL. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

QUÍMICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. FAÇA LETRA LEGÍVEL. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este caderno contém oito questões, constituídas de itens e subitens, abrangendo um total de quinze

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais