D I A G N Ó S T I C O A M B I E N T A L E P L A N O D E G E S T Ã O D E R E S Í D U O S S Ó L I D O S D O T R I B U N A L D E J U S T I Ç A D O

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "D I A G N Ó S T I C O A M B I E N T A L E P L A N O D E G E S T Ã O D E R E S Í D U O S S Ó L I D O S D O T R I B U N A L D E J U S T I Ç A D O"

Transcrição

1 D I A G N Ó S T I C O A M B I E N T A L E P L A N O D E G E S T Ã O D E R E S Í D U O S S Ó L I D O S D O T R I B U N A L D E J U S T I Ç A D O E S T A D O D O R I O G R A N D E D O S U L

2

3 EQUIPE DO PROJETO Dr.ª Cintia Teresinha Burhalde Mua Juíza de Direito e Coordenadora SGA-JUS Dra. Patrícia Antunes Laydner - Juíza de Direito e Coordenadora SGA-JUS Dr.ª Carmen L R Constante Barghouti Juíza de Direito e Colaboradora Angela Maria Braga Knorr - servidora Inajara Cristina da Silva estagiária Maria Itara Pinto Brum - servidora Rita Beatriz C. de Carvalho - servidora Sonia Maria Pires Jardim de Oliveira servidora, bióloga - CRBio /03-D e responsável técnica COMISSÃO DE GESTORA DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL E RESPONTABILIDADE SOCIAL Dr.ª Cintia Teresinha Burhalde Mua - Titular Dr. Jerson Moacir Gubert - Titular Dra. Patrícia Antunes Laydner - Titular Dr.ª Carmen L R Constante Barghouti - Titular Joao Batista Santafé Aguiar Colaborador Alcimar Andrade Arrais Colaborador Angela Maria Braga Knorr Coordenadora-adjunta Sonia Maria Pires Jardim de Oliveira - Coordenadora

4

5 Toda a atividade de planejamento parte necessariamente, de uma antecipação do futuro; seja para definir aonde se pretende chegar e a que realidade futura se pretende construir, seja para antever as condições em que se vai atuar e trabalhar no horizonte futuro para gerar as condições favoráveis à realização dos objetivos. (Buarque, 2002)

6

7 LISTA DE FLUXOGRAMAS FLUXOGRAMA 1 - Definição da amostra...11 FLUXOGRAMA 2 - Escopo da pesquisa...14 FLUXOGRAMA 3 Análise de dados...15 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 A 3 Consumo de Água (m 3 )/2014 Comarcas Visitadas... 18/19 GRÁFICO 4 - Consumo de Água (kwh)/2014 Foros Regionais...19 GRÁFICO 5 A 7 Consumo de Energia (kwh)/2014 Comarcas Visitadas... 20/21 GRÁFICO 8 Consumo de Energia (kwh)/2014 Foros Regionais...21 GRÁFICO 9 A 12 Consumo de Água (kwh)/2014 Não Visitadas... 24/25/26 GRÁFICO 13 A 16 - Consumo de Energia (kwh)/2014 Não Visitadas... 26/27/28 GRAFICO 17 Consumo de Água (kwh)/ Foro Central I e II...31 GRÁFICO 18 Consumo de Energia (m 3 )/2014 Foro Central I e II...31 GRÁFICO 19 Consumo de Água (m 3 )/2014 Tribunal e Palácio da Justiça...34 GRÁFICO 20 Consumo de Energia (m 3 )/2014 Tribunal e Palácio da Justiça...35 GRÁFICO 21 Consumo de Água e energia em Prédios Autônomos...38 GRÁFICO 22 Consumo de Água (m 3 )/ Arquivo Judicial...39 GRÁFICO 23 Consumo de Energia (m 3 )/ Arquivo Judicial...39 GRÁFICO 24 Consumo de Água (m 3 )/2014 Departamento de Artes Gráficas...40 GRÁFICO 25 Consumo de Energia (m 3 )/2014 Departamento de Artes Gráficas..40 GRÁFICO 26 Consumo de Água (m 3 )/2014 Materiais e Patrimônio...41 GRÁFICO 27 Consumo de Energia (m 3 )/2014 Materiais e Patrimônio...41 GRÁFICO 28 Consumo de Água (m 3 )/2014 Equipe de Transporte...42 GRÁFICO 29 Consumo de Energia (m 3 )/2014 Equipe de Transporte...42 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Etapas do Estudo...10 TABELA 2- Método aplicado para coleta de dados...12 TABELA 3 - Comparação das Respostas Questionário Ambiental das Comarcas do Interior...13 TABELA 4 Hábitos Comarcas do visitadas e Foros Regionais...16 TABELA 5 Consumo de água e energia de comarcas visitadas e Foros Regionais.17 TABELA 6 Infraestrutura Comarcas Visitadas e Foros regionais...22 TABELA 7 Hábitos das comarcas do interior não visitada...23 TABELA 8 Consumo das comarcas não visitadas...24 TABELA 9 Infraestrutura das comarcas não visitadas...28 TABELA 10 Hábitos Foro Central I e II...30 TABELA 11 Consumo de água e energia Foro Central I e II...30 TABELA 12 - Infraestrutura Foro Central I e II...32 TABELA 13 Hábitos Tribunal de Justiça e Palácio da Justiça...33 TABELA 14 Consumo Tribunal de Justiça e Palácio da Justiça...34 TABELA 15 Infraestrutura Tribunal de Justiça e Palácio da Justiça

8 TABELA 16 Hábitos dos prédios autônomos...37 TABELA 17 Consumo dos prédios autônomos...37 TABELA 18 Infraestrutura dos prédios autônomos...43 TABELA 19 Resíduos DAG...64 TABELA 20 Descarte de resíduos perigosos DAG...68 TABELA 21 Valores Ni...76 TABELA 22 Níveis de desenvolvimento da gestão ambiental...76 TABELA 23 Descrição do nível do IDGA por fatores...77 TABELA 24 Resultados e avaliação...79 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Foro de Sapiranga...54 FIGURA 2 Foro de Esteio...54 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CGJ Corregedoria Geral da Justiça do RS DAG Departamento de Artes Gráficas do TJRS DEAM Departamento de Engenharia e Manutenção DI Departamento de Informática DMJ Departamento Médico Judiciário DMP Departamento de Material e Patrimônio do TJRS DRH-SELAP Departamento de Recursos Humanos - Serviço de Seleção e Aperfeiçoamento Programa de Proteção e Educação Ambiental e Responsabilidade Social do TJRS GMA Gerenciamento Matricial Ambiental GP- Grande Porte PGPQ Plano de Gestão pela Qualidade do Judiciário PGRS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde PGRS Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PM MÉDIO PORTE PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos PP PEQUENO PORTE PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais SEACOR Serviço Auxiliar de Correição SGA-JUS Sistema de Gestão Ambiental do Tribunal de Justiça do RS 8

9 SUMÁRIO CAPÍTULO I DIAGNÓSTICO AMBIENTAL INTRODUÇÃO Período Publico Objetivos MATERIAL E MÉTODOS LOCALIZAÇÃO, DESCRIÇÃO E LIMITES DA ÁREA DE ESTUDO DESCRIÇÃO DA METODOLOGIA APLICADA ANÁLISE DOS DADOS RESULTADOS E DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS CAPÍTULO II PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INTRODUÇÃO Introdução Objetivos Classificação dos resíduos SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Dados gerais e caracterização Resíduos setorizados Destinação e disposição final Carências e deficiências PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DIRETRIZES, ESTRATÉGIAS, PROGRAMAS, AÇÕES E METAS PARA O MANEJO DIFERENCIADOS DOS RESÍDUOS Diretrizes específicas Ações relativas aos resíduos com logística reversa Metas quantitativas e prazos Iniciativas para a educação ambiental e comunicação Programas e ações agentes envolvidos e parcerias Monitoramento e verificação de resultados CAPÍTULO III - INDÍCE DE DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RS LEGISLAÇÃO E NORMAS BRASILEIRAS APLICÁVEIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GLOSSÁRIO ANEXOS Anexo I Tabelas com o número de magistrados, servidores, estagiários e visitantes Anexo II - Questionário Diagnóstico Ambiental aplicado às comarcas do interior Anexo III - encaminhado aos Juízes-Diretores Anexo IV Mapa das 49 comarcas visitadas Anexo V - Relação de comarcas visitadas por região e entrância Anexo VI Resultados do questionário ambiental Anexo VII Diretrizes educacionais Anexo VIII Guia de Resíduos Sólidos Tribunal de Justiça do RS

10 CAPÍTULO I DIAGNÓSTICO AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO 1.1. Período Os dados coletados na pesquisa para a realização do diagnóstico ambiental foram obtidos no período de 28 de agosto de 2014 a 27 de abril de Amostra (comarcas visitadas) 490 magistrados, servidores, estagiários, terceirizados e pessoas/dia de público externo em geral (usuários e visitantes) Objetivos Identificar os principais aspectos e impactos ambientais negativos do Tribunal de Justiça do RS bem como os pontos críticos, a fim de trabalhar com programas de mitigação, promovendo o planejamento de projetos e ações da Unidade Ambiental. 2. MATERIAL E MÉTODO Utilizamos uma abordagem metodológica de natureza qualitativa, com o emprego de questionário ambiental, entrevistas e consultas, aplicadas aos Foros, Palácio da Justiça, Tribunal de Justiça e departamentos autônomos do TJRS. Dividimos o estudo em três etapas assim definidas: TABELA 1 Etapas do estudo FASE I FASE II FASE III Determinação da amostra - Identificação do número de comarcas, indicadores ambientais, elaboração do questionário ambiental e envio por aos Foros do interior. Realização das visitas técnicas Exame dos resultados dos questionários, das visitas e entrevistas Elaboração do Diagnóstico e Plano de Resíduos Sólidos Tempo previsto: 3 meses Tempo previsto: 3 meses Tempo previsto: 3 meses 3. LOCALIZAÇÃO, DESCRIÇÃO E LIMITES DA ÁREA DE ESTUDO A amostra do estudo foi definida seguindo a divisão adotada pela Corregedoria Geral da Justiça - CGJ, que compreende 10 regiões e 164 comarcas. Na capital, 1ª e 2ª regiões, dois foros regionais: Alto Petrópolis e Tristeza, Foro Central I e II, Tribunal de Justiça, Palácio da Justiça e cinco departamentos autônomos. Quanto ao interior do Estado, 3ª a 10ª regiões, elegemos cinco Comarcas por região, distribuídas da seguinte forma: uma de grande porte, duas de médio porte e duas de pequeno porte. Mapa das comarcas visitadas, Anexo IV p. 98, locais por região e entrância, Anexo V, p

11 3.1. FASE I Fluxograma 1 Definição da amostra Definimos três indicadores relacionados ao consumo: água, energia, material, além de outro referente ao volume e produção de resíduos sólidos. O item sobre os resíduos sólidos foi objeto de análise no Capítulo II Plano de Gestão de Resíduos Sólidos do TJRS, da seguinte forma: 11

12 4. DESCRIÇÃO DA METODOLOGIA APLICADA TABELA 2 Métodos aplicados para a coleta de dados Métodos aplicados para a coleta de dados Métodos Vantagens Desvantagens Survey Entrevista semiestruturada Baixo custo. O questionário foi apresentado em curso EAD e, também, enviado via sendo respondido de forma online. Possibilidade de interação direta do pesquisador com o informante que tem condições de apresentar no ato da visita as evidências objetivas relacionadas às respostas do questionário. Impossível verificar em tempo real as evidências objetivas e materiais das respostas. Não há interação direta entre pesquisador e informante na eliminação das dúvidas e discussão dos resultados que ocasionariam rápida validação. Custo relativamente mais alto que a pesquisa Survey, pois envolve visita do pesquisador ao local de trabalho do informante (Foro). A entrevista mesmo sendo direta, geralmente é feita com apenas uma pessoa, o responsável pelo setor ambiental (EGL) ou representante da Direção. Em muitas ocasiões a entrevista ocorreu após a capacitação ambiental, com a participação dos servidores. 12

13 Inicialmente, realizamos dois cursos à distância destinados, por convocação da CGJ, aos servidores que compõe as equipes gestoras dos Foros do Interior, visando apresentar o plano do diagnóstico e o questionário ambiental das comarcas do interior, Anexo II-A. Após, enviamos o link do questionário ambiental, por , a todas as comarcas que não indicaram servidores para realizarem os cursos, ou para os indicados que não responderam ao questionário apresentado, reforçando sobre a necessidade de conhecimento da realidade local. Em relação às comarcas que compõe a amostra realizamos o mesmo procedimento, porém no mesmo sugerimos uma data para a visita da equipe do ao Foro, com a previsão de treinamento ambiental e análise das respostas do questionário in loco, Anexo IV. Visando obter resultados na totalidade das comarcas do interior, encaminhamos o link do questionário ambiental disponibilizado na ferramenta Google Drive, para 84 Comarcas. Destas, apenas, 22 responderam, correspondendo a 26% do total de s enviados. TABELA 3 - COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS QUESTIONÁRIO AMBIENTAL DAS COMARCAS DO INTERIOR RESPONDERAM NÃO RESPONDERAM FORMAS DE ENCAMINHAMENTO QUANTIDADE PERCENTUAL QUANTIDADE PERCENTUAL DOIS CURSOS EM EAD 48 41% 69 59% COMARCAS VISITADAS % 0 0 LINK QUESTIONÁRIO AMBIENTAL ENVIADO POR % 59 60% Foram feitos 2 cursos em EAD correspondendo a 117 comarcas, sendo que 48 comarcas responderam o questionário. Visando obter resultados na totalidade das comarcas do interior, encaminhamos o link do questionário ambiental disponibilizado na ferramenta Google Drive, para 84 Comarcas. Destas, apenas, 25 responderam, correspondendo a 30% do total de s enviados. Visitamos 47 comarcas, das quais 16 já haviam respondido o questionário nos cursos de EAD, o que nos permitiu fazer uma qualitativa das respostas. 13

14 Nos Foros Regionais da Tristeza e Alto Petrópolis o questionário ambiental foi realizado no momento da capacitação, na presença de um servidor de cada unidade. Quanto ao Foro Central I e II realizamos a coleta de dados visitando todas as unidades dos prédios e utilizamos o questionário ambiental diferenciado, dividido por setores (Direção do Foro, Cartórios e Unidades e Zeladoria, Anexo II-B, p.91 Nos demais, utilizamos o questionário ambiental do Anexo II-A, p.90, observando que no Tribunal de Justiça, Palácio da Justiça foi aplicado da mesma forma, em todos os setores, departamentos, gabinetes e zeladoria. FLUXOGRAMA 2 - ESCOPO DA PESQUISA 3.1. Comarcas Interior Visitadas, mapa Anexo IV Comarcas de pequeno porte - (20) Arroio do Meio, Arroio Grande, Arvorezinha, Barra do Ribeiro, Bom Jesus, Campo Bom, Casca, Encruzilhada do Sul, Gramado, Guaporé, Herval, Itaqui, Ivoti, Palmares do Sul, Portão, Porto Xavier, Rosário do Sul, São José do Ouro, Seberi e Tapes. Número de pessoas: 32 magistrados, 246 servidores, 83 estagiários, 146 terceirizados e pessoas/dia em média de público externo, Anexo I Comarcas de médio porte (19) Alegrete, Bento Gonçalves, Cachoeira do Sul, Cachoeirinha, Canoas, Carazinho, Esteio, Guaíba, Ijuí, Lajeado, Montenegro, Osório, São Jerônimo, São Leopoldo, Sapiranga, Soledade, Taquara, Tramandaí e Venâncio Aires. 14

15 Número de pessoas: 117 magistrados, servidores, 351 estagiários, 345 terceirizados e pessoas/dia em média de público externo Comarcas de grande porte (8) Caxias do Sul, Gravataí, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria, Santana do Livramento e Santo Ângelo. Número de pessoas: 129 magistrados, servidores, 380 estagiários, 250 terceirizados e pessoas/dia em média de público externo Porto Alegre Foros Regionais (2) Foro Regional Alto Petrópolis e Tristeza Número de pessoas: 17 magistrados, 115 servidores, 35 estagiários, 48 terceirizados, 800 pessoas/dia em média de público externo Foro Central I e II Número de pessoas: 30 magistrados, servidores, 652 estagiários, 337 terceirizados, pessoas/dia em média de público externo Tribunal de Justiça e Palácio da Justiça Número de pessoas: 165 magistrados, servidores, 952 estagiários, 309 terceirizados, pessoas/dia em média de público externo Departamentos Autônomos Arquivo Judicial, DEAM, DAG, DMP, DMJ e Setor de Transporte. Número de pessoas: 432 servidores, 188 estagiários, 265 terceirizados Comarcas não visitadas: compreende as respostas obtidas por meio de cursos em EAD e pelo questionário do Google Drive Relativas aos Foros de: Agudo, Alvorada, Antônio Prado, Arroio do Tigre, Bagé, Cacequi, Camaquã, Campina das Missões, Candelária, Capão da Canoa, Cerro Largo, Charqueadas, Crissiumal, Encantando, Erechim, Estância Velha, Farroupilha, Frederico Westphalen, Garibaldi, Giruá, Ibirubá, Igrejinha, Iraí, Jaguari, Júlio de Castilhos, Lagoa Vermelha, Lavras do Sul, Não-me-Toque, Nonoai, Nova Prata, Panambi, Planalto, Rodeio Bonito, Salto do Jacuí, Santa Rosa, Santa Vitória do Palmar, Santo Antônio da Patrulha, Santo Antônio das Missões, Santo Cristo, São Borja, São Gabriel, São Lourenço do Sul, São Sepé, São Valentim, Sarandi, Sobradinho, Tapejara, Tapera, Teutônia, Três de Maio, Três Passos, Triunfo, Vacaria e Veranópolis. 5. FASE II - ANÁLISE DAS RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO Comparamos os resultados obtidos no questionário ambiental das comarcas do interior visitadas e não visitadas e constatamos que não houve disparidade nos resultados, desta forma, na avaliação final incluímos na amostra as comarcas não visitadas. Nas visitas, as inspeções relativas ao questionário ambiental foram realizadas junto às Direções dos Foros. FLUXOGRAMA 3 - ANÁLISE DE DADOS A fim de organizar a interpretação dos dados coletados no questionário, elegemos algumas perguntas para uma abordagem detalhada e, para isto, dividimos a análise em: hábitos, consumo e infraestrutura. 15

16 As respostas obtidas foram compiladas em tabelas disponibilizadas no anexo VI, p. 100, divididas em comarcas do interior (visitadas e não visitadas) e capital COMARCAS VISITADAS E FOROS REGIONAIS Questionário Ambiental das Comarcas Visitadas de Pequeno Porte, Médio Porte e Grande Porte e dos Foros Regionais do Alto Petrópolis e Tristeza. TABELA 4 Hábitos das comarcas visitadas e foros regionais HÁBITOS 2. Separação de resíduos em secos e orgânicos 63% SIM 37% NÃO 9. O Foro utiliza papel reciclado? 16% SIM 84% NÃO 10. As impressoras deste Foro imprimem frente e verso? 98% SIM 2% NÃO 11. Nas unidades de trabalho existe um local apropriado para colocar o papel que pode ser reaproveitado? 71% SIM 29% NÃO 16

17 12. Nas unidades de trabalho existe um local apropriado para colocar o papel a ser descartado? 63% SIM 37% NÃO 15) Este Foro utiliza copos descartáveis? 20% SIM 80% NÃO 19) Os servidores costumam desligar as luzes das salas ao se afastar por mais de uma hora ou ao final do expediente? 94% SIM 6% NÃO 20) Os aparelhos de ar condicionado, computadores e impressoras são desligados no horário de almoço e ao final do expediente? 92% SIM 8% NÃO TABELA 5 Consumo de água e energia de comarcas visitadas e foros regionais CONSUMO DE ÁGUA E ENERGIA 23) Existe controle de consumo de energia visando o uso racional? 43% Existe controle, porém não são tomadas ações para a redução do consumo 14% Existe controle com ações e metas de redução do consumo 43% Não existe controle 26) Existe controle de consumo de água visando o uso racional? 31% Existe controle, porém não são tomadas ações para a redução do consumo 22% Existe controle com ações e metas de redução do consumo 47% Não 17

18 GRÁFICO 1 CONSUMO ÁGUA m³ COMARCAS VISITADAS - PP Arroio do Meio Arroio Grande Arvorezinha Barra do Ribeiro Bom Jesus Campo Bom Casca Encruzilhada do Sul Gramado Guaporé Herval Itaqui Ivoti Palmares do Sul Portão Porto Xavier Rosário do Sul São José do Ouro Seberi Tapes Média de consumo: 500 m 3 /ano GRÁFICO 2 - CONSUMO ÁGUA m³ COMARCAS VISITADAS MP Alegrete Bento Gonçalves Cachoeira do Sul Cachoeirinha Canoas Carazinho Esteio Guaíba Ijuí Lajeado Montenegro Osório São Jerônimo São Leopoldo Sapiranga Soledade Taquara Tramandaí¹ Venâncio Aires Média de consumo: m 3 / ano 18

19 GRÁFICO 3 - CONSUMO ÁGUA m³ COMARCAS VISITADAS GP Gravataí Novo Hamburgo Passo Fundo¹ Pelotas Santa Maria Santo Angelo Obs.: Não foi informado o consumo de Caxias do Sul e Santana do Livramento. Média de consumo: m 3 / ano. GRÁFICO 4 - CONSUMO ÁGUA m³ FOROS REGIONAIS Foro Alto Petrópolis Foro Tristeza Média de consumo: m 3 / ano. 19

20 GRÁFICO 5 - CONSUMO DE ENERGIA kwh 2014 COMARCAS VISITADAS - PP Arroio do Meio Arroio Grande Arvorezinha Barra do Ribeiro Bom Jesus Campo Bom Casca Encruzilhada do Sul Gramado Guaporé Herval Itaqui Ivoti Palmares do Sul Portão Porto Xavier Rosário do Sul São José do Ouro Seberi Tapes Média de consumo: Kwh / ano GRÁFICO 6 - CONSUMO DE ENERGIA kwh COMARCAS VISITADAS - PM Alegrete Bento Gonçalves Cachoeira do Sul Cachoeirinha Canoas Carazinho Esteio Guaíba Ijuí Lajeado Montenegro Osório São Jerônimo São Leopoldo Sapiranga Soledade Taquara Tramandaí¹ Venâncio Aires Média de consumo: Kwh / ano 20

21 GRÁFICO 7 - CONSUMO DE ENERGIA kwh 2014 COMARCAS VISITADAS - GP Caxias do Sul Gravataí Novo Hamburgo Passo Fundo¹ Pelotas Santa Maria Santana do Livramento Santo Angelo Obs.: Passo Fundo compreende dois prédios. Média de consumo: Kwh / ano GRÁFICO 8 - CONSUMO DE ENERGIA kwh 2014 FOROS REGIONAIS Foro Alto Petrópolis Foro Tristeza Média de consumo: Kwh / ano 21

22 TABELA 6 Infraestrutura comarcas visitadas e foros regionais INFRAESTRUTURA 1) No município há coleta seletiva (lixo seco e lixo orgânico)? 63% SIM 37% NÃO 5) Existem lixeiras diferenciadas para descarte do lixo seco e lixo orgânico nos cartórios, gabinetes, áreas externas, etc 65% SIM 35% NÃO 6) Os funcionários responsáveis pela limpeza disponibilizam sacos pretos e sacos verdes/azuis? 55% SIM 45% NÃO 14) O Foro dispõe de fragmentadora ou similar, para picotar documentos sigilosos? 20% SIM 80% NÃO 17) O Foro dispõe de local apropriado (edícula) para o depósito dos resíduos sólidos que aguardam o recolhimento? 28% SIM 72% NÃO 18) Existe no Foro algum tipo de iluminação natural (telhas transparentes, paredes de vidro, claraboias, etc)? 18% SIM 82% NÃO 21) São utilizadas lâmpadas fotossensíveis nas áreas externas? 63% SIM 37% NÃO 22) Nas áreas internas, utiliza-se qual o tipo de lâmpadas? 98% FLUORESCEN TE 2% LÂMPADAS DE LED 24) O prédio possui torneiras (banheiros, cozinhas, válvulas de descarga, etc) com tecnologia econômica (ex.: temporizadores)? 14% SIM 86% NÃO 25) A rede de água (canos, torneiras, válvula de descarga, etc) é avaliada regularmente buscando corrigir vazamentos? 10% Sim, a rede é avaliada, no entanto o conserto não é realizado rapidamente 68% Sim, quando detectado o vazamento, o conserto é realizado rapidamente 22% Não 22

23 5.2. COMARCAS DO INTERIOR - NÃO VISITADAS TABELA 7 Hábitos das comarcas do interior não visitadas HÁBITOS 2. Separação de resíduos em secos e orgânicos 68% SIM 31% NÃO 9. O Foro utiliza papel reciclado? 7% SIM 93% NÃO 10. As impressoras deste Foro imprimem frente e verso? 100% SIM 0 NÃO 11. Nas unidades de trabalho existe um local apropriado para colocar o papel que pode ser reaproveitado? 59% SIM 41% NÃO 12. Nas unidades de trabalho existe um local apropriado para colocar o papel a ser descartado? 61% SIM 39% NÃO 15) Este Foro utiliza copos descartáveis? 20% SIM 80% NÃO 19) Os servidores costumam desligar as luzes das salas ao se afastar por mais de uma hora ou ao final do expediente? 93% SIM 7% NÃO 20) Os aparelhos de ar condicionado, computadores e impressoras são desligados no horário de almoço e ao final do expediente? 87% SIM 13% NÃO 23

24 TABELA 8 consumo das comarcas não visitadas CONSUMO 23) Existe controle de consumo de energia visando o uso racional? 39% Existe controle, porém não são tomadas ações para a redução do consumo 39% Existe controle com ações e metas de redução do consumo 22% Não existe controle 26) Existe controle de consumo de água visando o uso racional? 35 % Existe controle, porém não são tomadas ações para a redução do consumo 42% Existe controle com ações e metas de redução do consumo 23% Não existe controle GRÁFICO 9 CONSUMO DE ÁGUA m³ - COMARCAS PP NÃO VISITADAS Agudo Antônio Prado Arroio do Tigre Cacequi Campina das Missões Cerro Largo Charqueadas Encantando Estância Velha Garibaldi 24

25 GRAFICO 10 CONSUMO ÁGUA m³ - COMARCAS PP NÃO VISITADAS Giruá Ibirubá Igrejinha Iraí PN Júlio de Castilhos Não-me-Toque Nonoai Nova Prata Planalto GRAFICO 11 CONSUMO ÁGUA m³ - COMARCAS PP NÃO VISITADAS Rodeio Bonito Salto do Jacuí Santo Antônio da Patrulha Santo Antônio das Missões Santo Cristo São Lourenço do Sul São Sepé Sarandi Tapejara Teutônia Três de Maio Três Passos Triunfo Veranópolis Obs.: Não foi informado o consumo dos Foros de: Candelária, Catuípe, Jaguari, Sobradinho e Tapera. Média de consumo: 500 m 3 / ano 25

26 GRÁFICO 12 - CONSUMO ÁGUA m³ - COMARCAS MP - NÃO VISITADAS Alvorada Bagé Camaquã Capão da Canoa Erechim Farroupilha Frederico Westphalen Lagoa Vermelha Lavras do Sul Santa Rosa Santa Vitória do Palmar São Borja São Gabriel Vacaria Média de consumo: m 3 / ano GRÁFICO 13 - CONSUMO DE ENERGIA KWH - COMARCAS PP NÃO VISITADAS Agudo Antônio Prado Arroio do Tigre Cacequi Candelária Campina das Missões Catuípe Cerro Largo Charqueadas Encantando Estância Velha Garibaldi 26

27 GRÁFICO 14 - CONSUMO DE ENERGIA KWH COMARCAS PP - NÃO VISITADAS Giruá Ibirubá Igrejinha Iraí PN Jaguari Júlio de Castilhos Não-me-Toque Nonoai Nova Prata Planalto GRÁFICO 15 - CONSUMO DE ENERGIA KWH COMARCAS PP NÃO VISITADAS Rodeio Bonito Salto do Jacuí Santo Antônio da Patrulha Santo Antônio das Missões Santo Cristo São Lourenço do Sul São Sepé Sarandi Sobradinho Tapera Tapejara Teutônia Três de Maio Três Passos Triunfo Veranópolis Média de consumo: Kwh / ano 27

28 GRÁFICO 16 - CONSUMO DE ENERGIA KWH - COMARCAS MP NÃO VISITADAS Alvorada Bagé Candelária Camaquã Capão da Canoa Catuípe Erechim Farroupilha Frederico Westphalen Lagoa Vermelha Lavras do Sul Santa Rosa Santa Vitória do Palmar São Borja São Gabriel Vacaria Média de consumo: Kwh / ano TABELA 9 Infraestrutura das comarcas não visitadas INFRAESTRUTURA 1) No município há coleta seletiva (lixo seco e lixo orgânico)? 59% SIM 41% NÃO 5) Existem lixeiras diferenciadas para descarte do lixo seco e lixo orgânico nos cartórios, gabinetes, áreas externas, etc 31% SIM 69% NÃO 6) Os funcionários responsáveis pela limpeza disponibilizam sacos pretos e sacos verdes/azuis? 28% SIM 72% NÃO 14) O Foro dispõe de fragmentadora ou similar, para picotar documentos sigilosos? 26% SIM 74% NÃO 28

29 17) O Foro dispõe de local apropriado (edícula) para o depósito dos resíduos sólidos que aguardam o recolhimento? 24% SIM 76% NÃO 18) Existe no Foro algum tipo de iluminação natural (telhas transparentes, paredes de vidro, claraboias, etc)? 11% SIM 89% NÃO 21) São utilizadas lâmpadas fotossensíveis nas áreas externas? 65% SIM 35% NÃO 22) Nas áreas internas, utilizase qual o tipo de lâmpadas? 94% FLUORESCENTE 6% MISTAS 24) O prédio possui torneiras (banheiros, cozinhas, válvulas de descarga, etc) com tecnologia econômica (ex.: temporizadores)? 20% SIM 80% NÃO 25) A rede de água (canos, torneiras, válvula de descarga, etc) é avaliada regularmente buscando corrigir vazamentos? 7% Sim, a rede é avaliada, no entanto o conserto não é realizado rapidamente 67% Sim, quando detectado o vazamento, o conserto é realizado rapidamente 26% Não 5.3. FORO CENTRAL I E II No Foro Central I e II, percorremos todas as áreas e espaços para a realização do questionário ambiental in loco, cujo modelo foi dividido em três partes: a) Direção do Foro; b) Cartórios e unidades; c) Zeladoria. 29

30 TABELA 10 Hábitos do Foro Central I e II HÁBITOS 1) A separação de resíduos (recicláveis e orgânicos) é realizada neste Foro? 88% SIM 12% NÃO 2) As impressores deste Foro imprimem frente e verso? Esta opção é utilizada? 85% Sim é utilizada 6% Existe a opção, mas não é utilizada 9% Não possuem a opção 3) Nas unidades de trabalho existe um lugar apropriado para colocar o papel a ser descartado? 4) Os computadores (monitores) são desligados ao final do expediente ao quando o afastamento é superior a uma hora? 88% SIM 84% SIM 12% NÃO 16% NÃO 6) O Cartório utiliza papel reciclado? 48% SIM 52% NÃO 7) O cartório utiliza copos descartáveis? 12% SIM 88% NÃO TABELA 11 Consumo de água e energia do Foro Central I e II Aplicado à direção CONSUMO ÁGUA E ENERGIA APLICADO À DIREÇÃO 4) O cartório adota alguma água 78% medida de redução de consumo de recursos naturais? Em caso energia 85% positivo quais? papel 85% 10) O prédio possui torneiras (banheiros, cozinhas, válvulas de descarga, etc) com tecnologia econômica (ex.: temporizadores)? 50% SIM FORO CENTRAL II 50% NÃO FORO CENTRAL I 11) A rede de água (canos, torneiras, válvula de descarga, etc) é avaliada regularmente buscando corrigir vazamentos? 0% Sim, a rede é avaliada, no entanto o conserto não é realizado rapidamente 100% Sim, quando detectado o vazamento, o conserto é realizado rapidamente 30

31 GRÁFICO 17 CONSUMO ÁGUA m³ - FORO CENTRAL I E II Foro Central I Foro Central II Média de consumo: m 3 / ano GRÁFICO 18 CONSUMO ENERGIA Kw/h FORO CENTRAL I E II Foro Central I Foro Central II Média de consumo: Kwh /ano 31

32 TABELA 12 - Infraestrutura do Foro Central I e II Aplicado as zeladorias INFRAESTRUTURA APLICADO ÀS ZELADORIAS 1) A separação de resíduos (recicláveis e orgânicos) é realizada neste Foro? Sim 100% Não 0% 3) Existem lixeiras diferenciadas para descarte do lixo seco e lixo orgânico nos cartórios, gabinetes, áreas externas, etc? Sim 100% Não 0% 4) Os funcionários responsáveis pela limpeza disponibilizam sacos pretos e sacos verdes/azuis? Sim 100% Não 0% 7) O Foro dispõe de local apropriado (edícula) para o depósito dos resíduos sólidos que aguardam o recolhimento? Sim 100% Não 0% 8) São utilizadas lâmpadas fotossensíveis nas áreas externas? Sim 0% Não 100% 9) Nas áreas internas, utiliza-se qual o tipo de lâmpadas? FLUORESCENTE 100% Demais 0% 10) O prédio possui torneiras (banheiros, cozinhas, válvulas de descarga, etc) com tecnologia econômica (ex.: temporizadores)? Sim 50% F C II Não 50% FC I 11) A rede de água (canos, torneiras, válvula de descarga, etc) é avaliada regularmente buscando corrigir vazamentos? 100% Sim, quando detectado o vazamento, o conserto é realizado rapidamente Não 0% 5.3 E PALÁCIO DA JUSTIÇA No Palácio e Tribunal de Justiça foi aplicado o questionário do Anexo II, com exclusão da primeira pergunta, tendo em vista que a coleta seletiva abrange 100% da cidade de Porto Alegre. 32

33 TABELA 13 Hábitos do Tribunal de justiça e Palácio da Justiça HÁBITOS 2. Separação de resíduos em secos e orgânicos Sim 94% Não 6% 9. O papel reciclado é utilizado? Sim 19% Não 81% 10. As impressoras deste Foro imprimem frente e verso? Sim 94% Não 6% 11. Nas unidades de trabalho existe um local apropriado para colocar o papel que pode ser reaproveitado? Sim 88% Não 12% 12. Nas unidades de trabalho existe um local apropriado para colocar o papel a ser descartado? Sim 88% Não 12% 15) Os copos plásticos são utilizados? Sim 27% Não 73% 20) Os servidores costumam desligar os computadores e impressoras ao se afastar por mais de uma hora ou ao final do expediente? Sim 81% Não 19% Obs.: A pergunta 19 não consta na tabela porque o acionamento das luzes e do ar condicionado, no Tribunal de Justiça, é centralizado e por alas. No que se refere ao Palácio da Justiça 79% informaram que desligam as luzes e o ar condicionado quando o afastamento é superior a uma hora e ao final do expediente. 33

34 TABELA 14 Consumo do Tribunal de Justiça e Palácio da Justiça CONSUMO E PALÁCIO DA JUSTIÇA 23) Existe controle de consumo de energia visando o uso racional? 28% Existe controle, porém não são tomadas ações para a redução do consumo 6% Existe controle com ações e metas de redução do consumo 66% Não existe controle 26) Existe controle de consumo de água visando o uso racional? 4% Existe controle, porém não são tomadas ações para a redução do consumo 85% Existe controle com ações e metas de redução do consumo 11% Não GRÁFICO 19 CONSUMO ÁGUA m³ TRIBUNAL E PALÁCIO DA JUSTIÇA Palácio da Justiça Tribunal de Justiça 34

35 GRÁFICO 20 CONSUMO DE ENERGIA Kwh TRIBUNAL E PALÁCIO DA JUSTIÇA Palácio da Justiça Tribunal de Justiça TABELA 15 - Infraestrutura do Tribunal de Justiça e Palácio da Justiça Aplicado às zeladorias INFRAESTRUTURA APLICADO ÀS ZELADORIAS 1) No município há coleta seletiva (lixo seco e lixo orgânico)? 100% SIM 0% NÃO 5) Existem lixeiras diferenciadas para descarte do lixo seco e lixo orgânico nos setores, gabinetes, áreas externas, etc 100% SIM 0% NÃO 6) Os funcionários responsáveis pela limpeza disponibilizam sacos pretos e sacos verdes/azuis? 100% SIM 0% NÃO 14) O local dispõe de fragmentadora ou similar, para picotar documentos sigilosos? 9% SIM 91% NÃO 35

36 17) O Foro dispõe de local apropriado (edícula) para o depósito dos resíduos sólidos que aguardam o recolhimento? 50% SIM 50% NÃO 18) Existe no Foro algum tipo de iluminação natural (telhas transparentes, paredes de vidro, claraboias, etc)? 0% SIM 100% NÃO 21) São utilizadas lâmpadas fotossensíveis nas áreas externas? 0% SIM 100% NÃO 22) Nas áreas internas, utiliza-se qual o tipo de lâmpadas? 94% FLUORESCENTE 16% MISTAS 24) O prédio possui torneiras (banheiros, cozinhas, válvulas de descarga, etc) com tecnologia econômica (ex.: temporizadores)? 100% SIM 0% NÃO 25) A rede de água (canos, torneiras, válvula de descarga, etc) é avaliada regularmente buscando corrigir vazamentos? 50% Sim, a rede é avaliada, no entanto o conserto não é realizado rapidamente 50% Sim, quando detectado o vazamento, o conserto é realizado rapidamente Obs.: 17. Os dois prédios possuem área específica para armazenagem dos resíduos, no entanto não estão dentro das normas da ABNT. 18. Em relação à iluminação os dois prédios possuem áreas de circulação com iluminação natural, com vidros nas escadas (Palácio da Justiça) e clarabóias no TJRS PRÉDIOS AUTÔNOMOS Para a análise do questionário ambiental foram realizadas visitas aos departamentos e instalações, bem como entrevista com os diretores e/ou coordenadores. Mesmo estando localizado no prédio do Tribunal de Justiça o Departamento de Informática está incluído neste item, tendo em vista os resíduos diferenciados que produz, no entanto o consumo de água e energia não foi analisado de forma individual. Em que pese o Arquivo Judicial não gerar resíduos diferenciados incluímos neste item devido ao alto volume de papel inservível descartado. 36

37 TABELA 16 Hábitos dos Prédios Autônomos HÁBITOS 2. Separação de resíduos em secos e orgânicos SIM 100% NÃO 0% 9. O papel reciclado é utilizado? SIM 60% NÃO 40% 10. As impressoras deste Foro imprimem frente e verso? SIM 100% NÃO 0% 11. Nas unidades de trabalho existe um local apropriado para colocar o papel que pode ser reaproveitado? SIM 100% NÃO 0% 12. Nas unidades de trabalho existe um local apropriado para colocar o papel a ser descartado? SIM 100% NÃO 100% 15) Os copos plásticos são utilizados? SIM 100% NÃO 0% 19) Os servidores costumam desligar os computadores e impressoras ao se afastar por mais de uma hora ou ao final do expediente? SIM 60% NÃO 40% TABELA 17 - Consumo dos Prédios Autônomos CONSUMO 23) Existe controle de consumo de energia visando o uso racional? 20% Existe controle, porém não são tomadas ações para a redução do consumo 20% Existe controle com ações e metas de redução do consumo 60% Não existe controle 37

38 26) Existe controle de consumo de água visando o uso racional? 0% Existe controle, porém não são tomadas ações para a redução do consumo 20% Existe controle com ações e metas de redução do consumo 80% Não GRÁFICO 21 CONSUMO DE ÁGUA E ENERGIA EM PRÉDIOS AUTÔNOMOS Arquivo Judicial DAG Equipe Transportes DMP Arquivo Judicial DAG Equipe Transportes DMP ÁGUA m³ Energia Kwh Arquivo Judicial O Arquivo Judicial compreende 6 prédios. A visita ocorreu na unidade situada na Av. Farrapos, 3.999, onde se concentra a maioria dos servidores. Nos demais prédios estão arquivados o acervo do TJRS, com lotação de um servidor por local, sendo os demais funcionários terceirizados. 38

39 GRÁFICO 22 CONSUMO DE ÁGUA ARQUIVO JUDICIAL EM m³ Arquivo Farrapos (Av. Farrapos, 2750) Arquivo Judicial (Av.das Industrias, 1092) Arquivo Judicial (Assis Brasil, 5981) Arquivo Judicial Centralizado (Av. Farrapos, 3999) Arquivo Navegantes (Av. Pernambuco,230) Arquivo Navegantes (Av. das Indústrias, 1032) Média de consumo: 760 m 3 / ano GRÁFICO 23 CONSUMO DE ENERGIA ARQUIVO JUDICIAL EM Kwh ARQ. JUD. CENTRALIZADO ARQ. JUD. DONA MARGARIDA ARQ. JUD. PERNAMBUCO ARQ. JUD. PERNAMBUCO ARQ.JUD. ASSIS BRASIL ARQ.JUD. ASSIS BRASIL Média de consumo: Kwh / ano 39

40 Departamento de Artes Gráficas GRÁFICO 24 CONSUMO DE ÁGUA EM m³ em Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média de consumo: 80 m 3 / ano GRÁFICO 25 CONSUMO DE ENERGIA EM kwh em Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média de consumo: Kwh / ano 40

41 Departamento de Material e Patrimônio GRÁFICO 26 CONSUMO DE ÁGUA m³ Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média de consumo: 130 m 3 / ano GRÁFICO 27 - CONSUMO DE ENERGIA kwh Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média de consumo: Kwh / ano 41

42 Equipe de Transporte GRÁFICO 28 CONSUMO DE ÁGUA m³ Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média de consumo: 42 m 3 / ano GRÁFICO 29 CONSUMO DE ENERGIA kwh Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média de consumo: Kwh / ano 42

43 TABELA 18 Infraestrutura de Prédios Autônomos INFRAESTRUTURA 5) Existem lixeiras diferenciadas para descarte do lixo seco e lixo orgânico nos setores, gabinetes, áreas externas, etc 80% SIM 20% NÃO 6) Os funcionários responsáveis pela limpeza disponibilizam sacos pretos e sacos verdes/azuis? 100% SIM 0% NÃO 14) O departamento dispõe de fragmentadora ou similar, para picotar documentos sigilosos? 0% SIM 100% NÃO 17) O Foro dispõe de local apropriado (edícula) para o depósito dos resíduos sólidos que aguardam o recolhimento? 40% SIM 60% NÃO 18) Existe no departamento tem algum tipo de iluminação natural (telhas transparentes, paredes de vidro, claraboias, etc)? 21) São utilizadas lâmpadas fotossensíveis nas áreas externas? 20% SIM 40% SIM 80% NÃO 60% NÃO 22) Nas áreas internas, utiliza-se qual o tipo de lâmpadas? 60% FLUORESCENTE 40% MISTAS 24) O prédio possui torneiras (banheiros, cozinhas, válvulas de descarga, etc) com tecnologia econômica (ex.: temporizadores)? 20% SIM 80% NÃO 25) A rede de água (canos, torneiras, válvula de descarga, etc) é avaliada regularmente buscando corrigir vazamentos? 60% Sim, a rede é avaliada, no entanto o conserto não é realizado rapidamente 40% Sim, quando detectado o vazamento, o conserto é realizado rapidamente 43

44 6. CONCLUSÕES GERAIS 6.1 HÁBITOS Separação dos resíduos Nas comarcas visitadas de pequeno porte apenas 40% realizam a separação e 40% possuem o serviço de coleta seletiva municipal, representando os menores índices se comparado aos outros locais do estudo. O que nos surpreendeu positivamente é que nos Foros de Alegrete, Lajeado, Palmares do Sul, Santa Maria e Soledade, o fato de não haver a coleta seletiva não representa óbice para a separação dos resíduos, pois são doados às cooperativas de reciclagem da região. Nos locais onde não existe a coleta seletiva tampouco cooperativas próximas, os resíduos não são separados, tendo em vista que não tem lugar para destinar os recicláveis, é o caso de: Itaqui, Arroio do Meio, Bom Jesus, Herval, Porto Xavier, Rosário do Sul, Santana do Livramento e Porto Xavier. Observamos, contudo, que também há situações inversas em que, embora o município possua a coleta seletiva, a unidade não realiza a separação dos resíduos, caso de: Pelotas, Encruzilhada do Sul, Arroio Grande, Cachoeirinha, Gramado, Ijuí, Portão e São Leopoldo. Foram relatadas situações de descontentamento dos servidores, dentre as quais: a) a equipe terceirizada ao realizar o recolhimento das lixeiras mistura os resíduos secos e orgânicos; b) falta de lixeiras (duas) para o descarte correto; c) falta de sacos azuis, disponibilização apenas dos pretos Papel No ano de 2014 foram adquiridas resmas de papel A4 branco com custo de R$ ,31 (um milhão e quatrocentos e setenta e oito mil e duzentos e treze reais e trinta e um centavos) e resmas de papel reciclado A4 no valor de R$ ,31 (vinte e dois mil e oitocentos e vinte e sete reais e trinta e um centavos). A despesa total com papel foi de R$ ,62 (um milhão e quinhentos e um mil e quarenta reais e sessenta e dois centavos). 44

45 Impressão frente e verso Em que pese às informações colhidas, constatamos que muitos locais não imprimem frente e verso por determinação do magistrado Uso do papel reciclado A maioria dos entrevistados desconhecia a disponibilidade do papel reciclado. Além disso, muitos informaram que realizaram o pedido e não receberam. sim, 25% não, 75% 45

46 Reaproveitamento do papel e descarte diferenciado No que se refere ao reaproveitamento do papel 83% dizem que nas estações de trabalho existe lugar para dispor visando à reutilização, enquanto 85% separam para o descarte diferenciado. não separam; 17% separam para reaproveitar; 83% não separam para o descarte diferenciado 15% sim, separam para o descarte diferenciado 46

47 Copos Plásticos utilizam 21% não utilizam 79% A utilização de plásticos se dá em reuniões externas, nas sessões de júri e em departamentos onde os funcionários das empresas terceirizadas não têm acesso às copas para a higienização das canecas. Usualmente os copos plásticos são fornecidos pelo Tribunal. Em 2014, foram compradas embalagens de 100 unidades, a um custo de R$ 7.957,80 (sete mil e novecentos e cinqüenta e sete reais e oitenta centavos) Acionamento de ar condicionado, computadores e impressoras não desligam 22% desligam 78% 47

48 6.2. CONSUMO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Sabemos que os prédios novos do Tribunal de Justiça do RS possuem critérios de sustentabilidade, são construídos com tecnologias visando à otimização do uso de energia e água, tais como: a) captação da água da chuva; b) reuso direto: reciclagem das águas cinza e negras; c) torneiras com temporizadores; d) redutores de vazão. Em relação à economia de energia são adotadas: a) iluminação natural por zenitais; b) iluminação natural por prateleiras de luz; c) cobertura vegetal; d) ar condicionado com expansão direta. As tecnologias acima descritas foram aplicadas nas construções posteriores a 2008 e atendem até o presente momento 12 Foros, são eles: Foro Central II, Foro Regional Alto Petrópolis, Foros de Agudo, Arroio do Tigre, Frederico Westphalen, Iraí, Ivoti, Lajeado, Nonoai, Parobé, Santa Vitória do Palmar e Seberi Água A pesquisa aponta que em 28% dos locais visitados existe controle de consumo de água, porém não são tomadas ações para a redução; ao passo que em 24% existe controle de consumo com ações e metas de redução; enquanto em 48% não existe controle de consumo de água. não existe controle 48% existe controle, mas não são tomadas ações 28% existe controle com ações e metas de redução 24% O consumo total de água em 2014 foi de m³, a um custo relativo à R$ ,39 (quatro milhões e cento e noventa e sete mil e cento e oitenta e sete reais e trinta e nove centavos). Na avaliação realizada utilizamos como média a soma do consumo anual da amostra (visitados e não visitados) dividido pelo número de prédios, conforme fórmula a seguir: 48

49 M = consumo anual em kw/h dos Foros semelhantes número de foros Utilizando esse critério na análise realizada observamos que alguns foros estudados consomem muito acima da média, são eles: Bagé, Bento Gonçalves, Campo Bom, Canoas, Charqueadas, Cachoeirinha, Erechim, Garibaldi, Guaíba, Nonoai, Três de Maio, Três Passos, Santa Maria e Foro Regional da Tristeza. Os que consomem acima são: Alvorada, Rosário do Sul, São José do Ouro, Portão, Alegrete, Ijuí, Itaqui, São Gabriel, Santa Vitória do Palmar, Tapejara, Triunfo, Tramandaí. Salientamos que em Passo Fundo e Tramandaí os Foros são constituídos por dois prédios, e que o Foro de Campo Bom, esteve em reforma, motivos que justificam o aumento do consumo quando comparado aos outros. O Foro Central I, que também está passando por reformas, apresenta consumo um pouco acima da média se comparado ao Foro Central II, Entre o Palácio da Justiça, o Tribunal de Justiça e os prédios autônomos não estabelecemos comparação do consumo em virtude da diferença quanto ao número de servidores e de público externo. No caso dos departamentos, além das citadas, a desigualdade se deve as diferentes atividades exercidas, fator que interfere no índice de consumo de água. O elevado índice de consumo nos locais acima referidos pode ser justificado diante do relato dos servidores quanto à existência de infiltrações e vazamentos, independente do tempo de construção. Como exemplo, citamos o Foro de Ivoti, cuja construção foi entregue há dois meses na época da visita e já havia no teto do salão do júri um vazamento. De acordo com as informações obtidas na maioria das Direções dos Foros dos locais visitados, em alguns casos é possível realizar o conserto com a verba do Foro, no entanto, em outros é necessária a intervenção do DEAM, pois estão relacionados à estrutura da construção. Diante dos inúmeros pedidos, o atendimento é deficiente e demorado, visto o departamento não contar com o número de servidores suficientes para atender a demanda, fator que aumenta significativamente o desperdício de água. Verificamos que no Foro de Tramandaí existem duas caixas de água de grande capacidade no Foro Cível, sendo que a primeira metade do reservatório é para o uso do prédio, a outra metade para o uso do corpo de bombeiros. Ocorre que quando o Foro realiza a limpeza das caixas d água, a metade do reservatório que é de uso dos bombeiros é desprezada, representando um grande desperdício de água. Na tentativa de reaproveitamento fizeram contato com o Corpo dos Bombeiros solicitando o recolhimento da água, no entanto não houve interesse. No Foro de Esteio no mês de abril/2015 ocorreu um vazamento na caixa d água, para o conserto e houve a necessidade de esvaziamento. O procedimento adotado foi o bloqueio da entrada de água da rede durante dois dias, possibilitando o consumo da reserva. Esta simples ação resultou no aproveitamento total da água, que sem essa preocupação teria sido desprezada. 49

50 Energia O estudo indica que em 41% dos locais visitados existe controle de consumo de energia, porém não são tomadas ações para a redução do consumo; enquanto que em 13% existe controle com ações e metas de redução e em 46% não existe controle de consumo de energia. não existe controle 46% existe controle, mas não são tomadas ações 41% existe controle com ações e metas 13% Verificamos que os Foros de Campo Bom, Ivoti, Rosário do Sul, Itaqui, São Leopoldo, Canoas, Cachoeirinha, Caxias do Sul e Passo Fundo consumiram muito acima da média, enquanto Gramado, Arroio Grande, Santo Ângelo, Novo Hamburgo, Lajeado, Alegrete, Guaíba, Ijuí e o Foro Regional da Tristeza estão acima da média de consumo. Analisando as tabelas de consumo do Foro Central I ( kwh) e II, observa-se que o Foro Central II consome bem acima da média ( kwh), equiparando-se ao consumo do Tribunal de Justiça ( kwh). O consumo total de energia do Tribunal de Justiça do RS, em 2014, foi de kwh e de R$ ,17 (doze milhões e noventa e sete mil e quinhentos e quarenta e oito reais e dezessete centavos). Nas avaliações presenciais observamos que as principais dificuldades em reduzir o consumo de energia são: a) construções antigas, como o prédio do TJRS, onde o controle de luzes e do ar condicionado é central e por alas, não sendo possível o acionamento individual; b) uso ineficiente do ar condicionado, pois verificamos que alguns locais mantêm as janelas abertas mesmo com o ar condicionado ligado, o que causa considerável desperdício de energia; c) falta de conscientização dos usuários, pois em muitos cartórios com iluminação natural as luzes ficam acesas sem a mínima necessidade. Diante da atual crise no fornecimento de energia é de extrema importância a elaboração de projetos de redução do consumo com metas específicas, dentre as quais se destacam: a) substituição de tecnologias obsoletas por eficientes; b) implementação de projetospiloto,, (ex: utilização de fontes de energia híbrida, solar e eólica); c) elaboração de plano de eficiência energética; d) capacitação de profissionais em eficiência energética; d) instrumentos normativos; e) incrementar a aquisição de equipamentos 50

16 de fevereiro (Dia do Mun.) 04 de junho (C. Christi) 25 de julho (Dia do Colono) 31 de outubro (Dia da Reforma) 04 de junho (C.

16 de fevereiro (Dia do Mun.) 04 de junho (C. Christi) 25 de julho (Dia do Colono) 31 de outubro (Dia da Reforma) 04 de junho (C. FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2015 Dados atualizados em NOVEMBRO/2015 Conforme Ato nº 12/2014 Órgão Especial, não haverá expediente no Tribunal de Justiça e nos serviços forenses de primeira instância

Leia mais

SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0

SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0 SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0 Emitido em: 27/06/2014 Municipio CRS Valor pago ACEGUA 07 140,00 AGUA SANTA 06 120,00 AGUDO 04 1.530,00

Leia mais

21.05.1878 Lei n. 1152 restabeleceu a Comarca de Caçapava, tendo como termo

21.05.1878 Lei n. 1152 restabeleceu a Comarca de Caçapava, tendo como termo &20$5&$&$d$3$9$'268/ &5,$d 2LEI N. 185 DE 22 DE OUTUBRO DE 1850. LEI N. 1152 DE 21 DE MAIO DE 1878. DECRETO N. 41, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1894. '$7$'(,167$/$d 2 (1'(5(d2'$6('('2)252 Rua Lúcio Jaime, 387

Leia mais

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES UF MUNICIPIO CNES NOME RS AGUDO 2234386 HOSPITAL AGUDO RS ALEGRETE 2248328 SANTA CASA DE ALEGRETE RS ALVORADA 2232081 HOSPITAL DE ALVORADA RS ANTONIO PRADO 2241072 HOSPITAL

Leia mais

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Apoio: Apoio: Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Cidreira Ciríaco Cruzeiro do Sul David Canabarro

Leia mais

CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS

CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS Cidade Aceguá Rosário do Sul 277 km 3h22min Agudo São Sepé 106 km 1h42min Alegrete Rosário do Sul 102 km 1h15min Alto Feliz Novo Hamburgo 62,5 km 1h05min Alvorada Sapucaia

Leia mais

Campanha Nacional dos Bancários 2009

Campanha Nacional dos Bancários 2009 ALEGRETE -PAB Centro Administrativa da Prefeitura BAGÉ -Ag.Centro -PAB Justiça do Trabalho BENTO GONÇALVES CACHOEIRA DO SUL CAMAQUÃ -Ag Cidade Alta -Ag. Cachoeira do Sul -PAB Justiça do Trabalho Ag. Camaquã

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social.

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade?

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? CAMPANHA DE QUEM É A RESPONSABILIDADE? Início da Campanha outubro de 2009 Objetivo: Implementar a A3P e incentivar os servidores para adoção

Leia mais

Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS

Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS MACRORREGIÃO METROPOLITANA 430060 Alvorada 1 430087 Araricá 1 430310 Cachoeirinha 1 430390 Campo Bom 1 430460 Canoas 1 430640 Dois Irmãos 1 430760 Estância

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170 PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Endereço CAIS DO APOLO, Nº 925, BAIRRO DO RECIFE Cidade RECIFE UF PE Nome do Responsável MARCELO AUGUSTO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA ALVARÁ ELETRÔNICO AUTOMATIZADO Tema: Tecnologia da Informação PORTO ALEGRE/RS, 30 DE AGOSTO DE 2011 1. Identificação do Órgão/Unidade:

Leia mais

FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2016

FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2016 FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2016 Dados atualizados em JANEIRO/2016 Conforme Ato DPGE nº 34/2015, não haverá expediente na Defensoria Pública do Estado nos Feriados Nacionais e dias de festa

Leia mais

PRESÍDIO ESTADUAL DE ALEGRETE

PRESÍDIO ESTADUAL DE ALEGRETE DIAS E HORÁRIOS DE VISITAS EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS DO ESTADO ATENÇÃO: CONSULTAR O REGULAMENTO GERAL QUANTO ÀS CONDIÇÕES DE INGRESSO CIDADE ESTABELECIMENTO PRISIONAL DIAS, HORÁRIOS E OUTRAS OBSERVAÇÕES

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS

I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS Os Conselhos Municipais de Educação do Rio Grande do Sul, reunidos no Fórum Estadual de CMEs-RS, nos dias 26 e 27 de Outubro de 1995, após a realização

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

Plano de Saneamento Regional e Municipais

Plano de Saneamento Regional e Municipais 3º Seminário Internacional de Saneamento e 1ª Conferência Regional dos Planos de Saneamento do Consórcio Pró-Sinos Plano de Saneamento Regional e Municipais FEEVALE Novo Hamburgo 02 e 03/12/2013 Resíduos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR angélica da silva de oliveira 1 ;Adriana dos Santos Maulais 1 ; Rosilene Luciana Delariva

Leia mais

LEGENDA: Em preto: sugestões das Direções Regionais. Em vermelho: sugestão de exclusão por parte da Gestão

LEGENDA: Em preto: sugestões das Direções Regionais. Em vermelho: sugestão de exclusão por parte da Gestão Anexo VI Proposta de ajustes nos quadros Visão de Futuro por parte da Gestão tendo em vista as possibilidades docentes e a previsão orçamentárias de acordo com o PPA 20 2016 LEGENDA: Em preto: sugestões

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística.

A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística. Layout: Silvio Bacheta A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística. São Paulo, SP - Março 2012 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Divisão

Leia mais

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Diálogos do PES Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Cenário Histórico 2009 AGENDA SOCIOAMBIENTAL (REUNIÃO DAS AÇÕES EXISTENTES) 2010 CRIAÇÃO PROGRAMA VIVER DIREITO META 6 DO PODER

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES I - A Cooperativa de Economia e Credito Mútuo dos Funcionários dos Correios no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná CredCorreios, divulga o presente

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior Apresentação: Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Órgão integrante da Justiça Eleitoral O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior eleitorado do país (11.563.483 eleitores) 249 Cartórios Eleitorais

Leia mais

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL USO CONSCIENTE DO APARELHO DE AR CONDICIONADO COM OBJETIVO DE ECONOMIZAR ENERGIA ELÉTRICA Desligá-lo

Leia mais

Conforme segue abaixo: LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990. Das Diárias

Conforme segue abaixo: LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990. Das Diárias Conforme segue abaixo: LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 Das Diárias Art. 58. O servidor que, a serviço, afastar-se da sede em caráter eventual ou transitório para outro ponto do território nacional

Leia mais

Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina. Projeto

Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina. Projeto Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina Projeto Florianópolis, 2006 ÍNDICE 1. OBJETIVO...5 2. APRESENTAÇÃO...5 3. JUSTIFICATIVAS...5 4. AÇÕES CONCRETAS...7 4.1. REDUÇÃO...

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO Divisão de Recursos Humanos INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR Todas escolas da Rede Pública Estadual são conveniadas ao Ministério

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO A Capital: capital = principal; sede do governo estadual; onde são tomadas as decisões de interesse do estado;

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO Divisão de Recursos Humanos INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR Todas escolas da Rede Pública Estadual são conveniadas ao Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06257/2011/RJ COGAP/SEAE/MF Em 25 de março de 2011. Referência: Processo n.º 18101.000131/2011-85. Assunto: Distribuição Gratuita

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque ALIMENTAÇÃO RESÍDUOS MATERIAIS ENERGIA ÁGUA TRANSPORTE BIODIVERSIDADE AGENDA AMBIENTAL Escola Parque AÇÕES SOLIDÁRIAS EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE \ ENTORNO EXTERI\\OR ENRAIZAMENTO PEDAGÓGICO ENRAIZAMENTO

Leia mais

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR

PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR PALÁCIO PIRATINI CASA MILITAR CASA MILITAR Chefe da Casa Militar e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Gabinete Operações Defesa Civil Administrativo DEFESA CIVIL Coordenadoria Estadual de Defesa Civil

Leia mais

IX CONGRESSO ESTADUAL DE MAGISTRADOS. A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E O JUIZ CONTEMPORANEO Protagonismo Necessário

IX CONGRESSO ESTADUAL DE MAGISTRADOS. A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E O JUIZ CONTEMPORANEO Protagonismo Necessário IX CONGRESSO ESTADUAL DE MAGISTRADOS Pacto Federativo e Democracia Gramado - Setembro de 2011 TESE 3 A RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E O JUIZ CONTEMPORANEO Protagonismo Necessário I Justificativa A Revolução

Leia mais

Política de Responsabilidade Ambiental IGS/CeMAIS

Política de Responsabilidade Ambiental IGS/CeMAIS Política de Responsabilidade Ambiental IGS/CeMAIS Uma nova cultura institucional criada a partir dos princípios do uso racional dos recursos naturais com a participação de todos os funcionários Introdução

Leia mais

Gestão Ambiental. E seu contexto no Tribunal Regional do Trabalho da ª Região - 2010

Gestão Ambiental. E seu contexto no Tribunal Regional do Trabalho da ª Região - 2010 TRT- AMBIENTAL Gestão Ambiental E seu contexto no Tribunal Regional do Trabalho da ª Região - 2010 Coleta seletiva no Ed. Sede tem início nesta quarta-feira (03) A partir desta quarta-feira (03), será

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade Ambiental DCRS Agenda Ambiental na Administração Pública Um novo

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL. SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016

BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL. SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016 BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016 PREÇOS EM R$ PRODUTOS UNIDADE MÍNIMO MÉDIO MÁXIMO 50 Kg 37,00 40,32

Leia mais

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l Viva Melhor! Campanha Institucional CAMPANHA VIVA MELHOR! Camisetas garrafa squeeze saco lixo para carro FOLHETO PROMOCIONAL CAMPANHA Viva Melhor! JUNTOS, PODEMOS CONSTRUIR UM CAMINHO MAIS SOLIDÁRIO E

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Posses. 16/03 Desembargadora Isabel Dias Almeida. 18/05 Desembargador Altair de Lemos Junior

Posses. 16/03 Desembargadora Isabel Dias Almeida. 18/05 Desembargador Altair de Lemos Junior Memória 1 Posses 16/03 Desembargadora Isabel Dias Almeida 18/05 Desembargador Altair de Lemos Junior 10/08 Desembargadores Leonel Pires Ohlweiler e Eduardo Uhlein Memória 2 Eventos 18/03 Evento Poder Judiciário

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013 DEPLAN/SEDUC 1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013 Porto Alegre Outubro/2014 DEPLAN/SEDUC 2 Equipe

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

Preparado por Subcomissão de Resíduos Sólidos Versão: 01 Aprovado por Dra. Elaini C. Trevisan 18/05/12

Preparado por Subcomissão de Resíduos Sólidos Versão: 01 Aprovado por Dra. Elaini C. Trevisan 18/05/12 Ampliação da Coleta Seletiva para sedes do MPGO no interior do Estado de Goiás e aperfeiçoamento do gerenciamento de resíduos sólidos da Sede da PGJ TERMO DE ABERTURA Preparado por Subcomissão de Resíduos

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997 Experiência: PROJETO DE RECICLAGEM DE PAPEL DE ESCRITÓRIO Ministério da Previdência e Assistência Social INSS/Superintendência Estadual em São Paulo Coordenação de Recursos Humanos Responsável: Marli Penteado

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL - SENGE-RS LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

GESTÃO AMBIENTAL - SENGE-RS LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS LOCAL: SEDE DO SINDICADO DOS ENGENHEIROS DO RIO GRANDE DO SUL - SENGE RS ENDEREÇO: AV. ÉRICO VERÍSSIMO, 0, PORTO ALEGRE - RS DATA: JUNHO/00 RESPONSÁVEL: THOMAZ MENNA BARRETO MOOJEN Aspecto Ambiental Impacto

Leia mais

SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS

SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL FL.: 1 de 5 SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 DATA: 12/03/13 19/03/13 08/04/13 10/07/13 EXECUÇÃO: DIEGO

Leia mais

ANEXO III CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO MODALIDADE DE ENSINO EAD OFERTADOS NO IF FARROUPILHA VAGAS OFERTADAS

ANEXO III CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO MODALIDADE DE ENSINO EAD OFERTADOS NO IF FARROUPILHA VAGAS OFERTADAS POLO: Cacequi ANEXO III S TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO MODALIDADE DE ENSINO EAD OFERTADOS NO IF FARROUPILHA VAGAS OFERTADAS Manutenção e Alegrete POLO: Cachoeira do Sul Alegrete POLO: Cruz Alta POLO: Faxinal

Leia mais

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Porto Alegre (1 vaga) Área: Assessoria de Planejamento

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Porto Alegre (1 vaga) Área: Assessoria de Planejamento SISTEMA FECOMÉRCIO-RS SELECIONA: O Senac-RS Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, Administração Regional no Estado do Rio Grande do Sul, está selecionando profissionais para desenvolver suas atividades

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR 36ª OPERAÇÃO GOLFINHO 2005/2006

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR 36ª OPERAÇÃO GOLFINHO 2005/2006 1. SALVAMENTOS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR 36ª OPERAÇÃO GOLFINHO 2005/2006 RELATÓRIO DE SALVAMENTOS PERÍODO DE ATUAÇÃO: 17 DEZ 2005 a 13 MAR 2006. 1.1

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Comissão Permanente de Licitações

Comissão Permanente de Licitações Informação n.º 090/202. Trata-se de procedimento licitatório para contratação dos serviços de monitoramento remoto de sistema de alarme de segurança 24 horas, com fornecimento de materiais em comodato

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Programa de Gestão Ambiental da PGR PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Brasília, abril de 2007 Considerações Gerais Finalmente a questão ambiental

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

Distribuicao dos CD'S por suas especialidades no municipio: (ENDERECO EM OUTRO CRO) no ano de inscricao: TODOS. Especialidade

Distribuicao dos CD'S por suas especialidades no municipio: (ENDERECO EM OUTRO CRO) no ano de inscricao: TODOS. Especialidade C.R.O. - RIO GRANDE DO SUL Emitido em: 20/01/2015 Pagina: 00001 Distribuicao dos CD'S por suas especialidades no municipio: (ENDERECO EM OUTRO CRO) no ano de inscricao: TODOS CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCO

Leia mais

Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Fisioterapia e Terapia Ocupacional Fisioterapia e Terapia Ocupacional Tipo da Inscrição Quantidade Tipo da Inscrição Quantidade ACEGUÁ AGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALEGRETE 4 ALEGRIA ALPESTRE ALTO ALEGRE ALTO FELIZ ALVORADA Terapeuta Ocupacional

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

Boas Práticas para Gestão do Poder Judiciário. Andre Macieira andre.macieira@elogroup.com.br

Boas Práticas para Gestão do Poder Judiciário. Andre Macieira andre.macieira@elogroup.com.br Boas Práticas para Gestão do Poder Judiciário Andre Macieira andre.macieira@elogroup.com.br CONTETUALIZAÇÃO Histórico na Administração Pública 3 Histórico na Justiça BA RJ GO PB Alguns dos órgãos que mantém

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Guarapuava PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável UTFPR - Câmpus

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Bióloga MSc.. Andréa Garcia Geólogo Mattos Alem Roxo DIVISÃO

Leia mais

Campanha Salarial Bancários 2011

Campanha Salarial Bancários 2011 ALEGRETE: Ag. Centro Ag. Centro Ag. Centro Base: Ag. Manoel Viana -HSBC: Ag. Centro -Bradesco: Ag. Centro -Santander: Ag. Centro -Itaú: Ag. Centro BAGÉ: Ag. Centro Ag Bagé (parcial) Ag Bagé -Bradesco:

Leia mais

Sustentabilidade Bartholomeu Consultoria de Imóveis

Sustentabilidade Bartholomeu Consultoria de Imóveis Sustentabilidade Bartholomeu Consultoria de Imóveis Com o intuito de melhorarmos a qualidade do ambiente de trabalho em 2015, a Bartholomeu Consultoria de Imóveis irá desenvolver ações de sustentabilidade

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO Divisão de Recursos Humanos INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR Todas escolas da Rede Pública Estadual são conveniadas ao Ministério

Leia mais

Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Fisioterapia e Terapia Ocupacional Fisioterapia e Terapia Ocupacional Tipo da Inscrição Quantidade Tipo da Inscrição Quantidade ACEGUÁ ÁGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALECRIM ALEGRETE 8 ALEGRIA ALPESTRE ALTO ALEGRE ALTO FELIZ ALVORADA 4 AMETISTA

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO A Assessoria de Controle Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre ASCOI, em cumprimento às determinações legais, apresenta o Relatório de Análise da Gestão Orçamentária,

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA O órgão público federal que aderiu ao Projeto Esplanada Sustentável PES, será considerado sustentável no tema Coleta Seletiva Solidária (Decreto 5.940/06), se alcançar 90% das

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL SERVIÇOS

SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre 1 1 2 1 5 1-4 2 2 1 4 1 1 1 - Alegrete - 1 - - - - - - - - - - - - - - Alvorada - - 1 - - - 1 - - 1 - - - - - - Arroio do Sal - - 1 - - - - - -

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RESOLUÇÃO CRCRS Nº 436/05 (1) 08/09/05 DISPÕE SOBRE OS VALORES DAS DIÁRIAS E PAGAMENTO DAS DESPESAS COM TRANSPORTE ENTRE CIDADES AOS MEMBROS DO CRCRS. O Plenário do Conselho Regional de Contabilidade do

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Responsabilidade Socioambiental A Fecomércio-RS busca a sustentabilidade e o compromisso socioambiental das partes interessadas, por meio da melhoria contínua de serviços, processos e instalações, a partir

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

Secretaria de Infraestrutura e Logística

Secretaria de Infraestrutura e Logística Secretaria de Infraestrutura e Logística Investimento - 2011 Geração Transmissão Distribuição Total CEEE Realizado2011 R$13.071,26 R$65.019,92 R$118.149,60 R$196.240,78 Plano de Investimentos 2012-2014

Leia mais

CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011

CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011 CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011 Mariana Ghirello Todo ano, o Conselho Nacional de Justiça se reúne com os presidentes dos Tribunais de Justiça para identificar as necessidades do Poder

Leia mais

Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade

Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS LNCC 2013 Petrópolis, 05 de agosto de 2013 Pedro Leite da Silva Dias Diretor Alexandre Grosjgold

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

Eixo: LOGISTICA REVERSA

Eixo: LOGISTICA REVERSA PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS LEI 11.445/2007 Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS

Leia mais

Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Fisioterapia e Terapia Ocupacional Fisioterapia e Terapia Ocupacional Tipo da Inscrição Quantidade Tipo da Inscrição Quantidade ACEGUÁ AGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALEGRETE 3 Licença Temporaria de Trabalho-TO 2 ALEGRIA ALPESTRE ALTO ALEGRE

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão CNPJ/MF Endereço Cidade UF CEP DDD/Telefone Nome do Responsável CPF CI/Órgão Exp. Endereço CEP 2. DESCRIÇÃO DO PROJETO Título do Projeto

Leia mais

ESTADO DA BAHIA MUNICÍPIO DE SAUBARA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DA BAHIA MUNICÍPIO DE SAUBARA GABINETE DO PREFEITO Saubara, 02 de janeiro de 2014 Joelson Silva das Virgens Prefeito RATIFICAÇÃO DO ATO DE INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO administrativo nº 001/2014 de INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO nº 001/2014, que tem por

Leia mais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS Departamento de Logística e Serviços Gerais ÍNDICE PREPARAÇÃO... 3 A) IDENTIFICAÇÃO DA COMISSÃO GESTORA... 4 B) INSTITUIR POR

Leia mais

Rede credenciada do IPERGS que realiza exames de mamografia

Rede credenciada do IPERGS que realiza exames de mamografia Rede credenciada do IPERGS que realiza exames de mamografia NOME PRESTADOR IRM STA CASA DE CARIDADE DE ALEGRETE HOSPITAL DE LIMA VITA IMAGEM DIAGNOSTICO POR IMAGEM LTDA CENTRO VERANENSE DE DIAGN PRO-SAUDE

Leia mais

Telefone Endereço E-mail. Rua Ipiranga, 140 CEP: 92.010-290, Canoas, RS

Telefone Endereço E-mail. Rua Ipiranga, 140 CEP: 92.010-290, Canoas, RS Como contratar? O Programa Gaúcho de Microcrédito é operacionalizado nas normas do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo e Orientado - PNMPO, que além de outros objetivos prevê que o atendimento

Leia mais