Agradecimentos. Expresso desta forma os mais sinceros agradecimentos por todo o apoio prestado durante a realização desta tese a vários níveis.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agradecimentos. Expresso desta forma os mais sinceros agradecimentos por todo o apoio prestado durante a realização desta tese a vários níveis."

Transcrição

1

2

3 Agradecimentos Expresso desta forma os mais sinceros agradecimentos por todo o apoio prestado durante a realização desta tese a vários níveis. Aos orientadores Prof. Teresa Vazão e Prof. Ricardo Pereira pela disponibilidade e pelo apoio prestado desde o início, tal como pelas críticas e sugestões, bastante importantes em todo o desenvolvimento. À minha família pelo apoio incondicional e dedicação demonstrados durante todo este percurso académico. Hugo Silva Pires Lisboa, 14 de Maio de 2012

4

5 Abstract Following the actual continuous price drop on display devices with large dimensions and a relatively high range make them an attractive way to display and disseminate information. Content delivery also has an added value when it comes to advertising and content diffusion. These two concepts together turns content disclosure by digital signage in a attractive and complete concept. This thesis follows the content delivery by digital signage theme, creating a viable solution to develop and implement in some small and medium organizations. The main requirements for this project are flexibility, adaptability, low cost and the possibility of a future functionality extension. The solution developed is based in the concept of content capture through remote desktop sessions. This way, it is possible to unify them, and allow their diffusion to different kind of platforms in the same way. To complement this idea, a grouping of target audience is done, in order to display the right type of content to an audience that is more interested and available to retain that information. The last concept integrated in this solution is the concatenation of distinct types of contents in a single video stream, in order to allow different displaying modes to the audience.

6 Resumo No seguimento da contínua queda do preço dos dispositivos de apresentação de grandes dimensões e com elevado alcance, torna-os hoje um meio de publicitar e divulgar informação bastante apelativo. A distribuição de conteúdos também assume um papel de valor acrescentado na divulgação e publicitação da inormação. Agregando estes dois conceitos, a divulgação de conteúdos através da digital signage torna-se um conceito bastante atractivo e completo. Esta tese aborda esse mesmo tema da distribuição de conteúdos com vista a fazer digital signage, criando uma solução viável de utilizar em organizações comuns de pequena ou média dimensão. O principal objectivo passa então pelo cumprimento de requisitos como flexibilidade, adaptabilidade, baixo custo e possível extensão a nível funcional. A solução tem por base o conceito de captura de conteúdos em sessões de desktop, uniformizando-os e permitindo a sua difusão para diferentes tipos de plataformas. Para complementar, é adicionado o agrupamento de público-alvo, para uma apresentação mais efectiva de conteúdos a um tipo de público receptivo e interessado a tê-los. Ainda dentro da solução, de forma a permitir tipos de utilizações distintas, foi considerado importante a concatenação de diferentes tipos de conteúdos, que possam ser apresentados de diferentes formas ao público.

7 Conteúdo 1 Introdução Enquadramento O problema e a proposta de solução Contribuições da tese Estrutura do relatório Estado da arte Sistemas de Distribuição de Conteúdos Sistemas de digital signage Sistemas de acesso a desktop remoto Arquitectura da solução Caracterização geral do sistema Arquitectura da rede Aplicações Arquitectura da aplicação streamer Arquitectura da aplicação gravador de sessões Virtual Network Computing (VNC) Arquitectura da aplicação streamer com webcam Arquitectura da aplicação videowall Implementação Tecnologia Métodos de implementação Aplicação streamer Aplicação gravador de sessões VNC Aplicação streamer com webcam Aplicação videowall Cenários de utilização Cenário 1 - Aplicação streamer Cenário 2 - Aplicação de gravação de sessões VNC Cenário 3 - Aplicação streamer com webcam Cenário 4 - Aplicação videowall Testes Ambiente de teste Teste Teste Teste Conclusões *

8

9 Lista de Figuras 1 Funcionamento mais primitivo sistema VNC Caracterização geral do sistema Arquitectura global da rede Arquitectura genérica das aplicações Aplicação Streamer Arquitectura de blocos da aplicação streamer Arquitectura de blocos da aplicação gravador de sessões VNC Arquitectura de blocos da aplicação streamer com webcam Cenário de utilização Cenário de utilização Cenário de utilização Cenário de utilização Ambiente de Teste Quantidade de processamento necessário por conteúdo

10

11 Lista de Tabelas 1 Resultados da execução do teste Resultados da execução do teste

12 Acrónimos API Application Programming Interface CDI Creation, Distribution and Installation CDN Content Delivery Network CSS Cascading Style Sheets DNS Domain Name Service DSN Digital Signage Network EC2 Elastic Computer Cloud GPL General Public License GPS Geographical Positioning System GUI Graphical User Interface HTML HyperText Markup Language HTTP Hypertext Transfer Protocol HTTPS Hypertext Transfer Protocol Secure IP Internet Protocol JPEG Joint Photographic Experts Group JPG Joint Photographic Experts Group JRE Java Runtime Environment mp4 MPEG-4 Part MPEG Moving Pictures Experts Group PaaS Platform as a Service RFB Remote Framebuffer RDP Remote Desktop Protocol

13 RTP Real-time Transport Protocol RTT Round Trip Time SaaS Software as a Service TCP Transfer Control Protocol UDP User Datagram Protocol URL Uniform Resource Locator VLC VideoLan Client VNC Virtual Network Computing WMV Windows Media Video XAML extensible Application Markup Language XML extensible Markup Language

14 1 Introdução A contínua queda de preço dos dispositivos de apresentação de grandes dimensões e com grande alcance torna-os hoje um meio de publicitar e divulgar informação bastante apelativo. 1.1 Enquadramento No mercado actual podem-se encontrar vários tipos de soluções que permitam fazer digital signage de conteúdos, sendo que maioritariamente apresentam limitações a vários níveis. Uma das limitações baseia-se na distribuição dos conteúdos a apresentar por várias máquinas, tipicamente utilizado em pequenas organizações ou negócios. Por vezes estes sistemas consistem até num computador em rede, ligado a um monitor ou televisão em que este reproduz apenas os conteúdos de forma manual para esses dispositivos de apresentação. Os conteúdos são normalmente apresentados segundo um agendamento feito por um funcionário ou responsável pela organização [1]. Este tipo de abordagem à digital signage assume-se como desvantajosa em acções como actualização dos conteúdos ou necessidade de ter várias máquinas dedicadas a esta finalidade. No caso de serem soluções um pouco mais robustas, mas que os conteúdos continuem a ter de estar distribuídos pelas máquinas, continuam a existir vários problemas, nomeadamente em termos de actualizações de software, este muitas vezes limitado, existindo também a necessidade de aprender a trabalhar com novos softwares. Outra situação usual prende-se com a utilização de splitters de sinal de vídeo, ou seja, um conteúdo reproduzido num computador é apresentado num número de monitores, sendo este exactamente o mesmo. Esta situação impede que desta forma sejam utilizados e disponibilizados vários tipos de conteúdos em simultâneo e faz com que este conjunto de equipamentos seja dedicado a esta função. Por outro lado, torna-se de muito fácil gestão. Considerando ainda outro tipo de soluções existentes tipicamente utilizadas em organizações ou superfícies comerciais com grandes dimensões, normalmente apresentam-se como robustas e com elevados desempenhos. Por outro lado, também requerem o pagamento dos custos associados a soluções proprietárias, tal como a impossibilidade de alteração no seu funcionamento e dificuldade na integração com sistemas existentes. 1.2 O problema e a proposta de solução De forma a suprir estes principais problemas identificados na secção 1.1, o objectivo passa por criar uma solução que consiga incluir parte das funcionalidades proporcionadas pelas soluções existentes. Pretende-se então uma solução capaz de aplicar a organizações pequenas ou médias, que necessitem de fazer digital signage de diversos tipos de conteúdos. Neste cenário, é definido como prioridade que a solução permita ser adaptada às tecnologias e infra-estrutura existentes. É também designada como prioridade que seja uma solução com interacção simples, em que não seja necessária formação específica ou aprendizagem 1

15 de novos softwares. Pretende-se que não existam custos envolvidos com o pagamento de licenças para aquisição de software proprietário, tal como se quer que o grau de reutilização de hardware existente seja máximo. Neste contexto é definido como um dos objectivos uniformizar o conceito de conteúdo num tipo de dados apenas. Esta uniformização permite que o sistema trate diversos tipos de dados da mesma forma, fazendo com que a recepção dos conteúdos seja completamente transparente para o utilizador final. Para este efeito, o conceito principal passa pela captura dos conteúdos aquando da sua reprodução, transformando-os numa stream de vídeo, completamente independente do conteúdo. Outro dos principais focos desta solução passa por levar diferentes tipos de conteúdos a diferentes pessoas, associando-os segundo algumas características. Esta propriedade é garantida através da associação do público a que se pretende chegar e das suas características à temática relacionada com os conteúdos existentes. Desta forma é mais efectiva a disponibilização de informação a alguém que teoricamente estará mais talhada para recebê-la. É também salvaguardado que a público que não pretenda obter um determinado tipo de conteúdo, este não seja disponibilizado. Para além disso, faz com que sejam poupados recursos na distribuição dos conteúdos. Os conteúdos a transmitir desta forma consistem em imagem, vídeo, apresentações ou combinações destes. O áudio não é considerado, visto que por exemplo em ambientes abertos como páteos, a informação visual é bastante mais efectiva que a auditiva, existindo problemas como o ruído de fundo ou a necessidade de dispositivos sonoros dedicados. A capacidade de ser adaptada ao ambiente tipicamente existente numa organização de pequena ou média dimensão é também de grande importância. Ao garantir esta adaptabilidade são garantidos factores positivos como a redução drástica de custos ou de recursos para alteração de estruturas existentes. A solução tem, desta forma, como característica principal também a utilização de tecnologias gratuitas, que não envolvam custos de licenciamento e que permitam alterações. Estas alterações que possam ser realizadas fazem com que seja facilmente adaptada à realidade existente, tanto a nível de implementação como a nível de edição, adição ou remoção de funcionalidades. Em termos de requisitos de hardware associado, é um sistema capaz de ser executado em máquinas tipicamente utilizadas, independentemente do sistema operativo e dos componentes. Também é uma solução que permite a recepção por diversos tipos de dispositivos de apresentação, desde um computador vulgar até uma televisão de última geração, que suporte os requisitos funcionais. A solução é adaptável a outros sistemas existentes, sem interferir na funcionalidade dos mesmos, podendo ser combinado com estes ou substituí-los. Em suma, a solução que se apresenta consiste numa aplicação que captura conteúdos através de uma sessão de desktop, remoto ou não, garantindo desta forma um maior grau de flexibilidade. É feito um tratamento dessa mesma sessão de forma a que os conteúdos sejam apresentados ao público como uma stream de vídeo usual. Este factor, garante também um elevado nível de flexibilidade. A forma como os conteúdos são transmitidos também faz com que o grau de recur- 2

16 sos necessários para essa mesma transmissão seja reduzido. O desenvolvimento do sistema baseado em ferramentas e tecnologias gratuitas faz também com que este seja gratuito, sendo este factor bastante importante no contexto de médias e pequenas organizações. A própria aplicação em si, sendo de código fonte aberto, permite à partida graus de flexibilidade e de adaptabilidade elevados a diferentes necessidades, nomeadamente às características próprias de cada organização. 1.3 Contribuições da tese Esta tese pretende dar um contributo no sentido de permitir a implementação de um sistema de distribuição de conteúdos para digital signage em ambientes de pequenas ou médias organizações, como por exemplo ambientes escolares ou universitários. Desta forma, pretende que se possa chegar com a informação a um máximo de público possível, conseguindo ter os conteúdos adaptados ao local e às pessoas que vão usufruir do mesmo. Com esta solução passa a ser possível, por exemplo, chegar com informações académicas úteis a um conjunto de alunos presentes numa área de estudo e ao mesmo tempo fazer chegar a uma área de lazer conteúdos relacionados com actividades extracurriculares. O conceito principal de distribuição de conteúdos de forma transparente e uniformizada a grupos de pessoas agrupadas e padronizadas permite que se efectuem algumas adaptações e adições a este trabalho. Adições estas que consistem na realização de vários componentes úteis no contexto em questão. O principal intuito por detrás do desenvolvimento destas aplicações adicionais, é complementar a funcionalidade do conceito base, de forma a garantir um maior leque de possibilidades de utilização do conceito de distribuição de conteúdos. Em traços gerais, e tendo em conta o ambiente onde se pretende inserir a solução, é considerada como uma adição de valor a capacidade de gravar de forma permanente uma sessão de desktop. Entre as várias possiblidades de utilização e contributos garantidos, são de referir por exemplo, a possível utilização destes conteúdos gravados em ficheiros de vídeo para futuras utilizações em locais diferentes, nomeadamente de forma a que estes possam ser reproduzidos noutro local e sirvam de conteúdos base para uma nova apresentação. Outra das valências consiste na possibilidade que desta forma se consiga gravar um conjunto de acções ou funcionalidades realizadas num desktop de modo a que possa ser enviado ou reproduzido futuramente. Exemplo prático desta valência é a realização de tutoriais ou salvaguarda de acções importantes. Outra das adições pretendidas consiste na possibilidade de fusão entre várias streams de vídeo provenientes de vários desktop, de forma a constituir uma videowall. Desta forma serão garantidas contribuições no sentido de poder juntar várias fontes de conteúdos numa só stream de vídeo, permitindo a composição de conteúdos para apresentação. Um exemplo específico é por exemplo a apresentação de imagens publicitárias ao mesmo tempo que um conjunto de informações institucionais importantes. Por final, a última contribuição advém da concatenação da imagem proveniente de um desktop com a imagem capturada por uma webcam. Desta forma permitem-se na prática a realização de tutoriais ou aulas em tempo real para um 3

17 grupo definido de público, conseguindo ter em simultâneo a imagem da captura e do tutor ou apresentador. Em suma, este conjunto de funcionalidades pretendem ser uma parte importante no preenchimento dos requisitos da solução. São também funcionalidades que têm como objectivo acrescentar valor e ter utilidade prática no contexto em que se quer implementar a solução. Esta agregação almeja garantir a difusão de conteúdos para utilizadores especificamente agrupados, permitindo também a difusão de eventos ou actividades de e-learning e da gravação de conteúdos. Esta solução como um todo é baseada sempre no conceito de captura de desktop e conversão em vídeo, garantindo facilidade de utilização. 1.4 Estrutura do relatório Este documento encontra-se estruturado da seguinte forma: A secção 1 faz uma introdução ao tema abordado, referindo o enquadramento em que a tese se insere, tal como quais os problemas que se pretendem solucionar com a proposta e quais as contribuições dadas. Na secção 2 é feita uma abordagem descritiva ao estado da arte. Na secção 3 é descrita a arquitecura da solução desenvolvida. Na secção 4 é descrito o processo de implementação da solução, tal como as tecnologias e ferramentas utilizadas. Seguidamente, na secção 5 são descritos alguns cenários de utilização tal como os testes realizados. Por último, na secção 6 são retiradas algumas conclusões sobre a execução do trabalho, tal como algumas referências a trabalho futuro. 4

18 2 Estado da arte De acordo com a introdução feita, esta tese pretende descrever o processo de criação de um sistema de distribuição de conteúdos para digital signage. Para poder efectuar este tipo de trabalho é necessário um estudo e análise prévias dos conceitos principais que são focados. É necessária também uma análise das soluções existentes e da forma como estas se apresentam para o utilizador, qual a forma como estão desenvolvidas e quais as suas capacidades. Esta secção destina-se a descrever alguns dos sistemas de distribuição de conteúdos e de digital signage existentes e com maior relevância, quer a nível comercial, quer a nível de investigação académica. A descrição destes sistemas é feita individualmente e depois esquematizada e resumida numa tabela correspondente a cada agrupamento de sistemas, considerando as principais características dos mesmos. 2.1 Sistemas de Distribuição de Conteúdos As redes de distribuição de conteúdos têm hoje em dia um papel fundamental no crescimento da partilha de conteúdos entre utilizadores e fornecedores na Internet[2], estando a começar a substituir as tecnologias mais tradicionais[3]. Este tipo de redes tornou-se uma solução bastante popular para fazer essa mesma troca de informação em contexto de redes distribuídas, reduzindo problemas como perdas de dados e atrasos. Neste tipo de sistemas existem soluções com modelos bastante distintos, para finalidades também distintas. Uma das principais motivações para o desenvolvimento destas soluções foi a capacidade de ultrapassar os problemas relacionados com desempenho aquando de acessos a conteúdos com elevada popularidade [4] Soluções Comerciais Nas secções seguintes serão apresentadas algumas das soluções mais representativas a nível comercial, nomeadamente: Akamai, Amazon Cloud Front, Google App Engine e Windows Azure CDN. Destes sistemas são abordados os aspectos mais relevantes, que permitem efectuar uma caracterização e classificação dos mesmos de acordo com algumas métricas estabelecidas. Akamai A Akamai é uma empresa direccionada para o fornecimento de serviços de distribuição de conteúdos e tem actualmente um dos mais conhecidos e solicitados serviços de rede de distribuição de conteúdos, com o mesmo nome que tem características bastante específicas e optimizadas para melhorar o desempenho. Este sistema tem uma abordagem descentralizada, em que é implementada uma cache nos servidores edge da rede, que guarda os dados dos últimos pedidos, fazendo com que o número de pedidos ao core da rede seja mais baixo. Através dum dimensionamento adequado será possível que cerca de 25% a 40% dos pedidos sejam satisfeitos na cache. Consequentemente, obtém-se um acesso mais rápido e com um grau de disponibilidade maior. A nível de infra-estrutura 5

19 este sistema aloca maior número de servidores para locais com maior exigência em termos de recursos. Outra das ideias-chave do Akamai é dirigir os pedidos para o servidor disponível (conceito de avaliable) mais próximo (conceito de nearest) que tem probabilidade de satisfazer o pedido (conceito delikely) [5]. A disponibilidade do servidor é obtida em função da carga e da largura de banda disponíveis, sendo que um servidor mais carregado será previsivelmente mais susceptível de estar indisponível. O servidor mais próximo é determinado medindo a proximidade na rede através do Round Trip Time (RTT) e da taxa de perda de pacotes. O servidor mais likely é determinado tendo em consideração aquele que mais conteúdos pode disponibilizar para um utilizador. De referir que o sistema distribui o conteúdo pelo menor número de servidores possíveis para maximizar a utilização dos recursos e que a monitorização da rede é feita de forma a gerar dados que são posteriormente utilizados por um sistema de balanceamento de carga baseado em Domain Name Service (DNS). Quanto aos conteúdos, estes podem ser estáticos, dinâmicos ou streaming de multimédia. No caso dos conteúdos estáticos são utilizados sobre Hypertext Transfer Protocol (HTTP) e Hypertext Transfer Protocol Secure (HTTPS), e consistem em páginas HyperText Markup Language (HTML), imagens embebidas, executáveis, documentos, entre outros. Os conteúdos dinâmicos são fragmentados em partes, sendo divididos em partes estáticas e partes dinâmicas. As partes estáticas são tratadas como descrito atrás e nas partes dinâmicas são novamente pedidos os conteúdos, caso estes tenham sido alterados em relação à cache. Por último, o streaming de multimédia tem como formatos o Microsoft Windows Media, o Real e o Apple Quicktime, sendo que este mesmo streaming pode ser live ou on-demand. Nos streaming live o carregamento é efectuado pelo utilizador final para o servidor de entrada e seguidamente este servidor faz o carregamento da stream para os servidores edge. No caso de ser on-demand, tipicamente o carregamento é feito para um suporte de armazenagem de conteúdos, normalmente distribuído por vários data centers automaticamente replicados. A fiabilidade deste sistema é garantida pelo software de monitorização e mapeamento, que garante que as falhas do servidor e da rede não afectam os utilizadores finais, sendo que em caso de falha o sistema de DNS indica novos endereços Internet Protocol (IP) para garantir o acesso. Amazon CloudFront O Amazon CloudFront consiste num web service para distribuição de conteúdos, que é integrável com outros Amazon Web Services. Este sistema faz a distribuição dos conteúdos com base numa rede global de localizações edge. Apesar de estar optimizado para ter um funcionamento mais eficiente com outros produtos da Amazon, existe compatibilidade com qualquer outro tipo de servidores de armazenamento de dados. Caso os dados sejam armazenados na Amazon Elastic Computer Cloud (EC2), que fornece suporte à instalação e configuração de máquinas virtuais[6], cujo formato é proprietário da Amazon em que os conteúdos são armazenados sobre a forma de entradas da base de dados Simple DB, como referenciado em [7]. 6

20 Através da análise do funcionamento do sistema 1 pode-se aferir a existência de uma estrutura hierárquica. Em suma, é um sistema que permite o armazenamento de conteúdos num sistema de cloud storage proprietário e que permite ter um web service que distribua esses mesmos conteúdos. Google App Engine O Google App Engine é uma plataforma da Google para desenvolvimento e alojamento nos seus servidores de aplicações web e assenta sobre a infra estrutura da Google, descrito em [8]. A empresa disponibiliza uma framework, a partir da qual os clientes podem criar as suas aplicações web nas linguagens Java e Python, como citado em [9] e as podem alojar num domínio próprio, sendo que apenas têm acesso de leitura aos ficheiros do sistema operativo. Este sistema permite também administração simples dos conteúdos e não tem requisitos em termos de hardware, descrito em [8]. O armazenamento de dados fornecido é um sistema distribuído que se baseia num mecanismo de consultas e transacções, que é direccionado principalmente para armazenamento dos dados resultantes ou dependentes da aplicação. Este tipo de plataforma tem como revés ser limitada a aplicações web, não tendo suporte a distribuição de multimédia,por exemplo streaming vídeo. Em suma, esta plataforma disponibiliza um serviço aos utilizadores ao nível da aplicação, onde estes armazenam as suas próprias aplicações web, não apresentando suporte para outro nível de distribuição nem de conteúdos. Windows Azure CDN Esta plataforma da Microsoft é uma Platform as a Service (PaaS) que corre sobre os centros de dados da Microsoft[10]. Tem como objectivos permitir a construção e alojamento de aplicações web nos centros de dados da Microsoft e disponibilizar conteúdos como os Windows Updates, os Zune Videos e os Mapas Bing. São suportados conteúdos como objectos web (Joint Photographic Experts Group (JPG), Cascading Style Sheets (CSS), etc), multimédia, software, documentos, streaming de áudio e vídeo, tal como as aplicações web referidas acima e ainda componentes de Internet delivery (DNS, routes e queries a bases de dados). Há uma integração deste sistema com o Windows Azure Storage, que trata do armazenamento dos dados. Fisicamente, a Microsoft disponibiliza 24 nós, que esta Content Delivery Network (CDN) tem, a nível mundial, com foco principalmente na Europa e na América do Norte. 2.2 Sistemas de digital signage O conceito de digital signage representa uma evolução dos sistemas de apresentação de conteúdos tradicionais, que teve por base a digitalização de informação. Os sistemas de digital signage mais comuns oferecem a possibilidade de apresentar vários tipos de conteúdos: texto, imagem, vídeo, áudio e animações[11]. Apesar destas possibilidades o principal problema destes sistemas, reside no facto dos conteúdos apresentados serem estáticos, o que faz com que a informação 7

21 não possa ser adaptada a vários factores, tais como o instante de tempo, o contexto ou o público alvo. Neste sistemas, caso estas adaptações sejam necessárias é preciso criar uma nova aplicação com nova informação. Para resolver estes problemas foram desenvolvidos outros sistemas, que podem ser interactivos, facilitando assim a alteração dos conteúdos apresentados[12]. Por exemplo, actualmente existem sistemas de digital signage que identificam audiência a partir de detectores de ondas de rádio, sintonizados nas frequências de TV e ligam o dispositivo de apresentação quando detectam actividade humana. Como o principal objectivo deste tipo de sistemas é enviar uma mensagem até a um público específico, independentemente da arquitectura ou das funcionalidades, são sistemas bastante utilizados para envio de publicidade, tanto comercial como de eventos. De modo a conseguir que sejam viáveis do ponto de vista de chegada da mensagem ao alvo. Existem diversos factores que condicionam a eficácia destes sistemas, nomeadamente: A identificação da área que se pretende abranger. A especificação demográfica da audiência, desde idade, etnia ou nível de rendimentos. Custo de divulgação dos conteúdos. Conflitos com outros métodos de publicitação na mesma área. Existência de factores limitativos que impeçam a apresentação de conteúdos a determinados tipos de audiências (por exemplo, não é viável a apresentação de conteúdos não indicados para menores em locais que esses frequentem). Na sua arquitectura mais simples, como a que se descreve em [11], um sistema de digital signage é composto por um dispositivo de apresentação e por um controlador para este dispositivo, sendo que o primeiro pode ser um monitor ou um painel electrónico e o controlador pode ser um leitor de DVD ou de Blu-Ray, ou um computador. Este tipo de arquitectura de sistema de digital signage é normalmente usado em espaços pequenos, principalmente de comércio, já que têm como grande vantagem o reduzido custo, isto é, um sistema destes pode ser implementado com um monitor ou um conjunto de monitores ligados a um splitter, e um computador comuns. Este tipo de arquitectura, limitada a um dispositivo de apresentação, é bastante simples de implementar e gerir, mas apresenta baixa escalabilidade e reduzida flexibilidade. Por um lado, o dispositivo de apresentação estar confinado um único espaço físico, pode dificultar a visualização dos conteúdos. Por outro lado, so é possível mostrar um conteúdo de cada vez. Como evolução, e para adicionar escalabilidade, existem sistemas mais complexos em que é possível ligar vários sistemas básicos de digital signage numa rede, usualmente designada por Digital Signage Network (DSN), através da qual se interligam diversos dispositivos controladores que se coordenam entre si no processo de distribuição de conteúdos. É exemplo deste tipo de sistemas um sistema que tem um núcleo de servidores que por sua vez controlam vários dispositivos de apresentação independentes. Estes sistemas têm claras vantagens a nível de aplicação a maiores escalas, uma 8

01.00 CDNs Introdução

01.00 CDNs Introdução 01.00 CDNs Introdução Redes de Distribuição de Conteúdos Introdução A Web surgiu enquanto forma de partilha de conteúdos e serviços Aumento de utilizadores e conteúdos, aumenta a necessidade de largura

Leia mais

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE MÉTODO STREAMING

7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE MÉTODO STREAMING 7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE Internet meio por excelência para a divulgação de todo o tipo de informação. Na época da 2ª guerra mundial, os cientistas necessitavam de divulgar, trocar informações

Leia mais

Fábio Costa e Miguel Varela

Fábio Costa e Miguel Varela Sistema de Informação e Gestão dos Laboratórios do Departamento de Eng.ª Electrotécnica com Tecnologia RFID Projecto Final de Licenciatura em Eng. Electrotécnica e de Computadores Ramo de Electrónica e

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO O Microsoft Business Solutions for Supply Chain Management Navision Business Notification ajudao a gerir a sua empresa mais facilmente e eficazmente. Pode identificar qualquer problema

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Subunidade 6: publicação

Subunidade 6: publicação Disciplina de Aplicações Informáticas B Subunidade 6: publicação Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA Ano lectivo 2010/2011 1. Divulgação de vídeos e som via rede 1.1. A Internet

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais Brad Hards Tradução: Pedro Morais 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Utilizar o Desktop Sharing 7 3.1 Gerir convites do Desktop Sharing............................ 9 3.2

Leia mais

Provedor de Digital Signage. Apresentação Comercial. contato@rj21.net www.rj21.net

Provedor de Digital Signage. Apresentação Comercial. contato@rj21.net www.rj21.net Apresentação Comercial contato@rj21.net www.rj21.net O que é Digital Signage? Uma mídia dinâmica e interativa Exibe mensagens digitais em pontos de venda, espaços públicos, transportes, TVs corporativas,

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP

Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP Segurança de vídeo IP Tudo interligado O Bosch Video Management System (VMS) gere todo o áudio e vídeo digital e IP, além de todos os dados de

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Guia de Estudo. Redes e Internet

Guia de Estudo. Redes e Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Redes e Internet Aspectos Genéricos Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Principais Vantagens

Principais Vantagens dotlogic-cardio O dotlogic-cardio é um sistema de informação de cardiologia (CIS). Utiliza protocolos standard como HL7, DICOM ou GDT para comunicar com os diversos sistemas de informação e equipamentos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelos e arquitecturas 14/15 Sistemas Distribuídos 1 Modelos arquitecturais 14/15 Sistemas Distribuídos 2 Camadas de Software: o Middleware Aplicações Middleware Sistema Operativo

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado

Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado Objectivo A Sony possui um leque muito variado de equipamentos de videoconferência que abrange praticamente todas as necessidades do Mercado.

Leia mais

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN)

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Objetivos da Apresentação Apresentar as arquiteturas de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) com a ilustração de aplicações em ambientes corporativos e residenciais.

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos

Projecto SDAC 2010. Sistema Operativo Open Source. Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Projecto SDAC 2010 Sistema Operativo Open Source Curso: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Disciplina: Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores Professores: Catarina Santos/Paulo Guimarães

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Corporate TV Digital Signage

Corporate TV Digital Signage Corporate TV Digital Signage Corporate TV Digital Signage Conceito Os sistemas de Corporate TV ou Digital Signage permitem a criação e gestão de conteúdos multimédia (imagens, vídeos, notícias, conteúdos

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft PowerPoint 2010 Colecção: Software

Leia mais

TC - IOT M2M CORE Services Protocol. Mensagens do FemtoM2M. Versão: 1.0 Data: 2014-01-22

TC - IOT M2M CORE Services Protocol. Mensagens do FemtoM2M. Versão: 1.0 Data: 2014-01-22 TC - IOT M2M CORE Services Protocol Mensagens do FemtoM2M Versão: 1.0 Data: 2014-01-22 Nome do Documento: TC-IOT M2M CORE Services Protocol-Mensagens do FemtoM2M Versão: 1.0 Data: 2014-01-22 Identificador:

Leia mais

Lexmark Print Management

Lexmark Print Management Lexmark Print Management O Lexmark Print Management permite-lhe optimizar a impressão em rede e criar uma vantagem informativa com uma solução que pode ser implementada localmente ou através da nuvem.

Leia mais

Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho. Agenda

Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho. Agenda Streaming Multimédia Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho Agenda Da Imagem à Integração Streaming multimédia Fases de desenvolvimento Criação/Selecção de conteúdos Edição

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA 19 November 2007 Objectivos para o BANIF Standardização dos postos de trabalho Focar a equipa de IT em tarefas pro-activas de gestão, minimizando

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires O Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Usar o Remote Desktop Connection 7 3.1 Ligar o Remote

Leia mais

Índice. 2 Acronis, Inc

Índice. 2 Acronis, Inc Índice 1. O que é o Acronis nap Deploy... 3 2. Componentes do Acronis nap Deploy... 3 3. Actualizar para a v 3... 4 3.1 Actualizar licenças... 4 3.2 Actualizar componentes... 4 4. Requisitos do sistema...

Leia mais

Agenda CLOUD COMPUTING I

Agenda CLOUD COMPUTING I Agenda O que é Cloud Computing? Atributos do Cloud Computing Marcos do Cloud Computing Tipos do Cloud Computing Camadas do Cloud computing Cloud Computing Tendências O Cloud Computing do Futuro Pros &

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Acquire DS. Sinalética Digital Sem Limites

Acquire DS. Sinalética Digital Sem Limites Acquire DS Sinalética Digital Sem Limites 1 Notificação de Copyrigh 2009-2010 Visioncast - Interactive Solutions, Lda. Todos os direitos reservados. Algumas marcas protegidas por copyrigh poderão aparecer

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE José Fernandes; José Silva; Nuno Vieira; Paulo Sequeira Gonçalves Curso de Engenharia Industrial Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco Av. do Empresário,

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers Dynamic Data Center A infra-estrutura de suporte às SOA Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers As necessidades do negócio pressionam continuamente as infra-estruturas

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Internet Access Quality Monitor. Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte

Internet Access Quality Monitor. Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte Internet Access Quality Monitor Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte Escola Superior de Tecnologia - Maio 2008 2 Índice Objectivos Estado da Arte Sistema IAQM Tecnologias Utilizadas

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Introdução/Resumo Executivo

Introdução/Resumo Executivo Introdução/Resumo Executivo O aumento de disponibilidade de banda-larga tem proporcionado um aumento na utilização de aplicações com requisitos de tempo-real, tais como a Voz sobre IP (VoIP) ou Streaming

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Software Control Center

Software Control Center Software Control Center Uma solução empresarial de segurança IP, com capacidade de gerenciamento de vídeos, áudio e alarmes sobre redes IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

4 Serviços de Aplicação

4 Serviços de Aplicação 4 Serviços de Aplicação A existência de um suporte de comunicação permite a interligação de diversos dispositivos e também a disponibilização de diversas aplicações que adicionam funcionalidades ao sistema.

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos ISEP Instituto Superior de Engenharia do Porto Análise de Sistemas Informáticos Armazenamento de Dados em Rede A Revolução do Armazenamento Partilhado A crise económica e a crescente necessidade de armazenamento

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Colocar em prática. Tópicos para aprender. Colocar em prática. Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board

Colocar em prática. Tópicos para aprender. Colocar em prática. Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board Quando se encontra a trabalhar em contexto grupal, a utilização do quadro interactivo SMART Board poderá ajudá-lo a poupar

Leia mais

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware.

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware. Camadas de Software - o Middleware Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas Modelos de Arquitecturas para sistemas distribuidos Interfaces e Objectos Requerimentos para Arquitecturas Distribuídas

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Infrascale Partnership: Your Online Cloud Storage Business

Infrascale Partnership: Your Online Cloud Storage Business 1 2 Cloud Backup info@bms.com.pt Tel.: 252 094 344 www.bms.com.pt Quem é a Infrascale? Um Pioneiro Global em Cloud Storage A Infrascale é uma empresa de Platform-as-a- Service (PaaS) (Plataforma como um

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais