Avanços em IP multicast

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avanços em IP multicast"

Transcrição

1 Avanços em IP multicast Fernando Garcia NCE - Cisco BRKRST3261-Advances in IP Multicast 13864_06_2007_X 2007 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

2 Agenda Novos Serviços (Soluções): Video IP Rede do Saber (Intragov) Bolsa de Valores Tecnologias SSM Multicast VPN - mvpn LSM Label Switch Multicast mldp (multicast LDP) P-to-MP RSVP-TE 2

3 Pré-requisitos É necessário conhecimento básico em: Roteamento IP (IGP, BGP) Roteamento Multicast PIM (SM) MSDP IGMP Tecnologia MPLS LSP L3VPN TE 3

4 Agenda Novos Serviços (Soluções): Video IP Rede do Saber (Intragov) Bolsa de Valores Tecnologias SSM Multicast VPN - mvpn LSM Label Switch Multicast mldp (multicast LDP) P-to-MP RSVP-TE 4

5 Soluções de Video IP Multicast Broadcast TV (ou IPTV) Video-Conferencia Telepresence Serviço de Monitoramento - Surveillance Anúncio Digital Digital signage 5

6 Replicação Multicast - IPTV Distribuição de canais para vários assinantes Multicast Unicast Vantagens replicação Multicast 1. Controle eficiente do tráfego de rede 2. Redução da carga nos servidores 3. Elimina tráfego redundante 4. Multicast torna possível esse tipo de aplicação Multipoint Tráfego na Rede # Clientes Benefícios Redução de Custos Banda, Servidores Possibilidade de fornecer mais e mais canais 6

7 Multicast Rede do Saber (Intragov) O governo de Sao Paulo possui um serviço de Video-Conferencia conectando várias escolas e Universidades. Esse serviço é usado para treinamento (curso à distância), capacitação de professores. O serviço é chamado Rede do Saber, cujo transporte é via mvpn Existem mais de 100 pontos nesta rede e suporte para 10 video-conferências simultâneas Cada ponto em uma video-conferência atua como source e receiver Comunicação Any-to-Any 7

8 Aplicação Multicast Bolsa de Valores Data Center NYSE, DAX,CAC,Bovespa* Provedor de Serviço - Financeiro Data Center Corretoras Investidores Source Multicast A Local A Local B Source Multicast B 8

9 Agenda Novos Serviços (Soluções): Video IP Bolsa de Valores Rede do Saber (Intragov) Tecnologias SSM Multicast VPN - mvpn LSM Label Switch Multicast mldp (multicast LDP) P-to-MP RSVP-TE 9

10 Source Specific Multicast (SSM) Modelo de Serviço Multicast adequado para aplicações One-to-Many Maioria das aplicações Multicast da Internet se encaixam neste Modelo Incluso IPTV A priori, os Hosts(Recievers) devem saber o source (end. IP origem), não somente o Grupo Tipicamente através de algum mecanismo out of band (página Web, Servidor de Conteúdo) Não é necessário RP, ou Shared Tree ou MSDP Hosts/Roteadores devem suportar IGMPv3 10

11 Sinalização IGMP - overview Hosts sinalizam aos roteadores - via IGMP interesse de se juntar em um grupo Multicast 3 Versões IGMP Versão 1 - RFC 1112 Suportado em Windows 95 Versão 2 - RFC 2236 Suportado em Windows2000/2003/XP/etc, Unix Versão 3 - RFC 3376 Suportado em XP/Vista e várias plataformas UNIX 11

12 Sinalização IGMPv2 Join no Grupo Joining um Group H1 H H3 Report Host envia um report IGMP para se juntar ao Grupo

13 Sinalização IGMPv2 Manutenção Manutenção de um Grupo X Suprimido H H H3 X Report Suprimido Query O roteador envia queries periódicos para (end reservado All-Hosts ) Um membro do grupo multicast responde Demais Membros, que participam do mesmo grupo, escutam a resposta e suprimem resposta Report Suppression 13

14 Sinalização IGMPv2 Leaving de um grupo Leaving um Grupo (IGMPv2) H1 H H3 Leave to Grupo Específico Query para Host envia uma mensangem de Leave para o Endereço Roteador envia um query para o grupo Se nenhum Host responde em 3 seg, o grupo é retirado da tabela de roteamento Multicast (timeout) 14

15 Sinalização IGMPv3 RFC 3376 Report inclui lista de sources que pode ser incluido ou excluido Endereço reservado para report IGMPv1/v2 usa o próprio grupo como destino do report Somente Roteadores respondem para este endereço Não há report supression Todos os Hosts respondem aos Queries do Roteador Resposta do query com report

16 IGMPv3 - Joining um Source Específico H1 H2 H3 v3 Report ( ) Grupo: Inclui: rtr-a Report IGMPv3 contém os sources prentendidos Árvore Multicast SPT montada somente para os grupos com Sources inclusos 16

17 IGMPv3 Manutenção dos Estados H1 H2 H3 v3 Report ( ) v3 Report ( ) v3 Report ( ) Query all-hosts Roteador envia queries periodicamente TODOS os Hosts IGMPv3 respondem ao query, usando mensagem de report O report contém todos os Grupos e Sources de interesse 17

18 Características Source Specific Multicast (SSM) Hosts necessitam suporte ao IGMPv3 Hosts se juntam a um grupo multicast especificando o Grupo com os respectivos Sources O roteador que conecta ao Host envia o PIM join (S,G) diretamente para o Source Não há montagem da árvore Shared Tree Somente fluxos (S,G) são encaminhado ao host Simplica endereçamento multicast Diferentes conteúdos (ou canais) podem ser encaminhados usando o mesmo grupo multicast, sem perigo de um fluxo interferir no outro 18

19 PIM Source Specific Mode Source = Grupo= Source Os Hosts (Receivers) aprendem (out-of -band) sobre os Sources/Grupos Receiver envia join IGMPv3 (S,G) O roteador mais próximo envia o PIM (S,G) diretamente para o Source PIM (S, G) Join A B C D Out-of-band Depositório de Sources, Exemplo: web server IGMPv3 (S, G) Join E F Receiver 19

20 PIM Source Specific Mode Source Resultado: SPT (Shortest Path Tree) é criada Não há Shared Tree A B C D Out-of-band Depositório source, exemplo: web server E F Receiver 20

21 Mapeamento SSM Caso Host/App não suportem IGMPv3 Workaround: Mapeamento SSM Rotador mapeia (*,G) para (S,G) Mapeamento pode ser estático ou dinâmico Mapeamento dinâmico via DNS Limitação Mapeamento SSM Um conteúdo (canal) por grupo 21

22 Mapeamento SSM DNS Video Source= Group= PIM (S,G) join Mapeamento DNS Group Reverse DNS lookup for group G PIM (S,G) join IGMPv2 join DNS response: Group G Source S Set Top Box (STB) 22

23 Benefícios SSM Gerenciamento de Endereços: Possibilidade de overlap Vários conteúdos com um Único Grupo Provê maior segurança: Core da rede SP proteção (D)DoS Hosts tráfego indesejado Simplica plano de controle no shared tree Estados (*,G) Gerenciamento RP SPT switchover MSDP Multicast Source Discovery Protocol Melhor convergência comparado ao ASM Possibilita rastreamento dos receivers Redução da tabela de roteamento multicast 1 entrada por fluxo Melhor Controle de Admissão Simplifica comutação mvpn Sem RP no Core 23

24 Agenda Novos Serviços (Soluções): Video IP Bolsa de Valores Rede do Saber (Intragov) Tecnologias SSM Multicast VPN - mvpn LSM Label Switch Multicast mldp (multicast LDP) P-to-MP RSVP-TE 24

25 Multicast e MPLS L3VPN? Brasilia RIO Como transportar tráfego multicast do Cliente VPN entre Rio, Brasilia e Bahia? RFC2547 MPLS Bahia 25

26 Multicast em L3VPN Desafios Multicast não é suportado em MPLS(*) Workaround Tunel GRE ponto-a-ponto CE - CE Solução não escalável Difícil gerenciamento/provisionamento e controle CE CE CE MPLS Core CE CE CE CE CE 26

27 Solução mvpn Baseado na espec draft-rosen-vpn-mcast-09.txt Comutação é feita em Multicast IPv4 Utiliza tunelamento GRE PtoMP Permite: Independencia dos modos de operação PIM no Core e na rede do cliente (mvpn) A implementação deve suportar qualquer modo de operação PIM, tanto no Core do SP quanto na rede do Cliente PIM Bidirectional (PIM-BIDIR) PIM Source Specific Multicast (PIM-SSM) PIM Sparse-Mode (PIM-SM ou ASM) 27

28 Benefícios para o Cliente e SP Clientes: Roteadores CE fazem adjancência PIM somente com o PE Sem overlay de tuneis GRE CE-CE Roteamento Multicast do cliente atual não sofre afetação Modo de operação PIM Posicionamento do RP Mecânismos de descoberta do RP SP: Core continua rodando o mesmo modo multicast PIM ASM PIM SSM PIM-Bidir Simplicidade Roteador P não participa do roteamento multicast do Cliente 28

29 Alguns Conceitos 29

30 Multicast VPN Overview Blue Ponto de Vista do Cliente SP participa do mesmo domínio Multicast Red Dominio Multicast Blue Provider Net Blue Red Domínio Multicast Red Blue Red 30

31 Multicast VPN Overview Red Blue Source Ponto de Vista do SP Tráfego Multicast do cliente é encapsulado em um túnel GRE (destino multicast) e encaminhado adequadamente na Default-MDT Cada Default-MDT usa um grupo multicast distinto na rede do SP SP Blue Red (*, ) (*, ) Blue Receiver Red 31

32 Instâncias PIM & Adjacências Multicast Tunnel Interface Multicast Tunnel Interface No Core Adjâncias PIM PE-P e P-P Na mvpn Instância PIM PE-CE Instância PE-PE via MTI 32

33 Encapsulamento MVPN Source G= C-Packet Src = Grp = C-Packet S G CE B3 C-Packet P-Packet Src = Grp = GRE header and trailer Lo0 = S G S G C-Packet Src = Grp = C-Packet S G CE B1 C-Join (*, ) Receiver MDT-default = Comutação na MDT usa GRE C-Packet encapsulado em um P-packet P-Packet Source = End IP do PE usado para peering BGP Grupo = Endereço do Grupo MDT (Default or Data) TOS/DSCP do C-Packet é copiado para o P-Packet MPLS labels não é usado no Core, somente multicast nativo 33

34 Detalhamento - Default MDT Source S= G= Vantagens e Desvantagens LO LO Provider Net Fluxo Multicast descartado (*, ) Default-MDT Receiver S= G= LO LO Vantagem : Reduz a tabela roteamento Multicast no Core (Roteadores P) Desvantagem : Pode resultar em desperdício de banda. Solução Usar data-mdt para os sources com alta taxa 34

35 Data MDTs Conceitos High-Rate Source S= G= LO LO Provider Net (*, ) Default-MDT Receiver S= G= LO LO Se o fluxo Multicast exceder um threshold configurado no PE Headend montagem da árvore Data-MDT 35

36 Data MDTs Conceitos High-Rate Source S= G= P- control packet S= D= Payload: (PIM MDT-Data) S= , G= MDT Group = Provider Net LO LO (*, ) Default-MDT Receiver S= G= LO LO PE sinaliza troca da comutação para a Data-MDT usando um novo Grupo - No exemplo, grupo

37 Data MDTs Conceitos High-Rate Source S= G= P- control packet S= D= Payload: (PIM Join) S= , G= Provider Net LO LO Receiver S= G= LO LO (*, ) Default-MDT Todos PEs da mvpn que possuem receivers enviam join para o grupo Data-MDT é construída usando o grupo (*, ) Data-MDT 37

38 Data MDTs Conceitos High-Rate Source S= G= LO LO Provider Net Receiver S= G= LO LO (*, ) Default-MDT (*, ) Data-MDT Fluxos com alta taxa passam a fluir via Data-MDT Fluxo Multicast chega apenas aos PEs que possuem clientes para este fluxo 38

39 Data MDTs Conceitos High-Rate Source S= G= C - data packet S= D= Payload: (multicast data) P- data packet S= D= Payload: (C - data packet) Receiver S= G= Provider Net LO LO LO LO (*, ) Default-MDT (*, ) Data-MDT C - data packet S= D= Payload: (multicast data) 39

40 MVPN : Default MDT Default-MDT: Emula uma LAN entre as várias vrfs de uma VPN. Nenhum protocolo novo apenas PIM, GRE Usa tunelamento GRE-Multicast Source Loopack do peering BGP Destino Grupo Multicast default-mdt Todos os PEs da VPN são senders e receivers Mais comum usar ASM para formar Default-MDT Default-MDT com SSM Requer novo tipo de mensagem BGP trocada entre os PEs Novo address-family BGP - MDT 40

41 MVPN - Data-MDT Resolve possível problema de desperdício de banda na rede Árvore multicast dedicada do PE headend para os demais PEs que possuem clientes interessados no fluxo Headend-PE determina qual tráfego colocar em cada Data-MDT, baseado no threshold configurado Sinalização do PE-Headend para demais PEs é feito na Default-MDT Somente tráfego (S,G) no Data-MDT Todo tráfego de Controle é feito na Default-MDT 41

42 Agenda Novos Serviços (Soluções): Video IP Bolsa de Valores Rede do Saber (Intragov) Tecnologias SSM Multicast VPN - mvpn LSM Label Switch Multicast mldp (multicast LDP) P-to-MP RSVP-TE 42

43 LSM(Label Switch Multicast) Componentes Solução Multicast em redes MPLS Há duas opções de encapsulamento em túnel: GRE (mvpn desta apresentação) MPLS mldp Extensão Multicast para LDP Extensão Multicast para RSVP-TE Tipos de árvore multicast MPLS: P2MP LSP MP2MP LSP 43

44 LSM - Protocolos mldp Extensão ao LDP para construção de árvores P2MP ou MP2MP Bastante similar ao PIM Árvore construída a partir do receiver Adequada para várias aplicações ex. mvpn FRR é opcional P2MP RSVP-TE Extensão do RSVP-TE para construção de árvores P2MP Fornece garantia de banda para a árvore identico ao TE Oposto ao PIM Árvore construida a partir do source Suporte nativo à FRR Adequada para aplicações multicast cuja árvore são fixas 44

45 Join PIM SSM via mldp M-LDP Label Mapping: FEC = S+ G+RD+ Root Label=(20) PIM-V4 JOIN: VRF IPTV Source= Group = PIM-V4 Join: VRF IPTV Source= Group = IPv4 M-LDP Label Mapping: FEC = S+G +RD+Root Label=(100) PE-2 IPv4 CE-2 VRF IPTV CE-1 VRF IPTV PE-1 P-4 MPLS Core PIM-V4 JOIN: VRF IPTV P2MP LSP Root M-LDP Label Mapping: FEC= S + G + RD + Root Label=(30) PE-3 VRF IPTV IPv4 Source= Group = CE-3 45

46 mldp Comutação de Tráfego Segue o modelo de comutação MPLS baseado em Label Não há PHP Tailend precisa do Label para identicar a árvore IPv4 L20 IPv4 CE-2 IPv4 IPv4 IPv4 L100 IPv4 PE-1 CE-1 P-4 MPLS Core PE-2 Pop Push IPv4 L30 PE-3 IPv4 IPv4 Swap CE Cisco Systems, Inc. All rights reserved. 46

47 P2MP RSVP-TE Overview Sinalização Semelhante ao RSVP-TE LSP construído do headend para o tailend. ERO, cspf, link protection Headend (Source) constrói LSP P2MP (via cspf) Cada destino é um sub-lsp Mesmas mensagens do RSVP-TE : PATH e RESV Modos de Sinalização PATH suportados: Não agregado Headend envia uma mensagem de PATH por destino Agregado Headend envia uma única mensagem com todos sub-lsps 47

48 P2MP RSVP-TE Sinalização PATH (ñ agregado) Source Service Edge Core Distribution/ Access Receiver Layer 2 Switch Layer 2 Switch R4 PE Tail R6 CE R1 CE PE R2 PE Head R3 P Layer 2 Switch R5 R7 PE Tail CE Headend envia uma mensagem PATH por destino PATH Message : ERO -> R2-R3-R4 PATH Message : ERO -> R2-R3-R5 48

49 P2MP RSVP-TE Sinalização RESV Source Service Edge Core Distribution/ Access Receiver Label Merge Layer 2 Switch Layer 2 Switch R4 PE R6 CE R1 CE PE R2 PE 33 R3 P PE Layer 2 Switch 55 R5 R7 CE Mensagens RESV são enviadas pelos Tailend; Label alocado & reserva de BW em cada link RESV Msg Initiated by R4 RESV Msg Initiated by R5 55 Label Advertisement carries in the RESV Message 49

50 P2MP RSVP-TE Comutação Source Service Edge Core Distribution/ Access Receiver 44 Layer 2 Switch PIM-SSM, R1 CE PE R2 PE 33 R3 P 55 R4 PE PE R5 R6 CE SSM, PIM-SM, R7 CE Layer 2 Switch Layer 2 Switch Identica ao mldp Não há PHP Tailend precisa do Label para identicar a árvore Multicast Packet Labeled Packet 50

51 Conclusão Multicast é um protocolo fundamental para várias aplicações Tanto no ambiente SP quanto Enterprise O modo de operação Multicast SSM se adequa muito bem para aplicações One-to-Many Modo PIM-Bidir é mais adequado para aplicações Many-to-Many mvpn disponível hoje via draft-rosen Não usa MPLS como transporte Tunelamento PtoMP GRE Multicast MPLS disponível via 2 novos protocolos: mldp Construção de árvores multicast (LSP) PtoMP e MPtoMP receiver driven PtoMP RSVP-TE Árvores multicast (LSP) PtoMP - sender driven 51

52 Dúvidas? 52

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Conectando à malha multicast da RNP

Conectando à malha multicast da RNP Conectando à malha multicast da RNP Laboratório - SCI 2003 Raniery Pontes Outubro 2003 2003 RNP SCI 2003 Laboratório multicast Objetivo Demonstrar os mecanismos para conexão de clientes acadêmicos à malha

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

03.01 IP Multicast Introdução

03.01 IP Multicast Introdução 03.01 IP Multicast Introdução Fonte: Cisco RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 Introdução Porquê Multicast? Quando se envia os mesmos dados a múltiplos receptores Melhor utilização da largura de banda disponível Menor

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Roteamento Unicast e Multicast. Profa. Priscila Solís Barreto

Roteamento Unicast e Multicast. Profa. Priscila Solís Barreto Roteamento Unicast e Multicast Profa. Priscila Solís Barreto Entrega A camada de rede supervisiona a manipulação dos pacotes nas redes física subjacente. Essa manipulação é definida como a entrega de um

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 12 - Extensões OSPF para difusão. Aplicação de difusão em grande escala. MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Distribuição de Vídeo Digital na Internet: Um Protótipo de Canal de TV Usando o Serviço SSM

Distribuição de Vídeo Digital na Internet: Um Protótipo de Canal de TV Usando o Serviço SSM Distribuição de Vídeo Digital na Internet: Um Protótipo de Canal de TV Usando o Serviço SSM Igor Monteiro Moraes Relatório Técnico Final de Bolsa DTI-H Período da bolsa: junho/3 a abril/ Projeto: QUARESMA

Leia mais

IGMP - Internet Group Management Protocol

IGMP - Internet Group Management Protocol IGMP - Internet Group Management Protocol Introdução A entrega Multicast IP é seletiva: apenas estações interessadas podem receber tráfego dirigido a um dado grupo. Almejando implementar essas árvores

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Metro-LANs Ligação ao Backbone

Metro-LANs Ligação ao Backbone Metro-LANs Ligação ao Backbone Conhecimentos assumidos na apresentação Tecnologias LAN / VLAN / L2 Switching MPLS / RSVP Protocolos IGP BGP / LDP Conceitos Rede de operador (Service Provider Network) VPNs

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Técnicas de Transição em 45 minutos

Técnicas de Transição em 45 minutos Capacitação IPv6.br Técnicas de Transição em 45 minutos Agenda Introdução Classificação das Técnicas Pilha Dupla DS-Lite e DS-Lite + A+P 6rd 6PE e 6VPE NAT64 e DNS64 464XLAT IVI, divi e divi-pd Considerações

Leia mais

Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático

Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático Este trabalho pretende familiarizar os alunos com as redes de distribuição de conteúdos. Para tal terão de implementar diversos componentes

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

Tipos de Comunicação entre Estações. Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Comunicação Multiponto em Redes Locais

Tipos de Comunicação entre Estações. Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Comunicação Multiponto em Redes Locais Tipos de Comunicação entre Estações Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Unicast Broadcast Multicast Multicast: ação de enviar um datagrama para multiplos receptores

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Multicast entre-domínios MSDP

Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Multicast entre-domínios MSDP Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (, e ) FCUL 2004-2005 Aplicação de difusão entro domínios. Internet Exchange (MIX) Pontos onde fornecedores de serviço com suporte para multicast podem trocar tráfego

Leia mais

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde Eduardo Braum Fernando Klabunde Índice da apresentação * A estrutura da empresa * Problemas vividos * Soluções estudadas e adotadas * MPLS * VPLS * Estudos de caso * Implementação * Considerações finais

Leia mais

RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC)

RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC) RESPOSTA Nº 01 DO EDITAL ADG 003/2015 - Contratação de Prestação de Serviços de Telecomunicação Corporativa (RTC) PERGUNTA 1: Com relação ao exposto no item 3.1.12.2 do Anexo II: A solução deverá suportar

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Inter-Domain IP Multicast. Multicast Internet Exchange (MIX) Aula 11 BGMP) 2005-2006. Problema: Como expandir a arquitectura baseada no MBONE

Inter-Domain IP Multicast. Multicast Internet Exchange (MIX) Aula 11 BGMP) 2005-2006. Problema: Como expandir a arquitectura baseada no MBONE Aula 11 Difusão Inter-Domínio (PIM-SM// e ) Aplicação de difusão entre domínios. FCUL 2005-2006 Internet Exchange (MIX) Inter-Domain IP Pontos onde fornecedores de serviço com suporte para multicast podem

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet

Leia mais

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Roberto J. L. Mendonça 1, Alessandra B. S. Almeida 2 1 Superintendência de Operações Serviço Federal de Processamento de

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

IPv6 no café da manhã Universidade Federal de Santa Catarina Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina. 28 de maio de 2013

IPv6 no café da manhã Universidade Federal de Santa Catarina Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina. 28 de maio de 2013 IPv6 no café da manhã Universidade Federal de Santa Catarina Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina 28 de maio de 2013 Experiências com IPv6 em rede de Campus UFSC & PoP-SC Universidade Federal de

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

Comunicação Multicast

Comunicação Multicast Comunicação Multicast por Marinho Barcellos PIP/CA Programa Interdisciplinar de Pós-graduação em Computação Aplicada UNISINOS - São Leopoldo, RS Seminário de Capacitação Interna - RNP Dezembro de 2000

Leia mais

Aula 10 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. redes. Engenharia de tráfego. Redundância. Regras de bom senso QBR, PBR, CBR

Aula 10 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. redes. Engenharia de tráfego. Redundância. Regras de bom senso QBR, PBR, CBR Aula 10 e FCUL 2004-2005 .. Assegurando a conectividade É necessário assegurar a redundância na topologia. Deve ter-se como ponto de partida uma análise de custos da inacessibilidade. Definir quais os

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê

IPv6. César Loureiro. V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê IPv6 César Loureiro V Workshop do PoP-RS/RNP e Reunião da Rede Tchê Outubro de 2014 Agenda Esgotamento IPv4 Endereçamento e Funcionalidades do IPv6 Implantação IPv6 IPv6 na Rede Tchê Dicas de Implantação

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

Protocolos de Roteamento Multicast

Protocolos de Roteamento Multicast Protocolos de Roteamento Multicast Daniel Barroso Monteiro Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense UFF Rua Passo da Pátria 156, Bloco D, 5o andar 24210-540 Niterói RJ Brasil danielbarrosomonteiro@gmail.com

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 IPv6 em rede de Campus Case UFSC &

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico

Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Protocolo IPv6. Hitórico Com a explosão da Internet e com o surgimento constante de mais e mais serviços e aplicações, os atuais endereços IP (IPv4) estão se tornando um recurso escasso. Estima-se que, em aproximadamente dois

Leia mais

Virtualização de Infra-Estrutura

Virtualização de Infra-Estrutura Workshop Virtualização de Infra-Estrutura Paulo Motta pmotta@multirede.co.ao (+244) 222-335547 (+244) 921-589242 Multirede Consultoria e Formação LDA. www.multirede.co.ao www.multirede.co.ao 1 Visão Geral

Leia mais

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Projeto Lógico da Rede

Projeto Lógico da Rede Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Redes sem Fio e Slide 1 Sistemas Móveis de Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Prof. Marcelo Moreno moreno@ice.ufjf.br Slide 2 Redes sem Fio e Sistemas Móveis de IETF RFC

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4

18/05/2014. Problemas atuais com o IPv4 Problemas atuais com o IPv4 Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Falhas de segurança: A maioria dos ataques contra computadores hoje na Internet só é possível devido a falhas

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Nomes, Identificadores, Endereços Nomeação Simples Capítulo 5 Agenda Nomes, Identificadores e Endereços Definição Nomeação Simples Soluções Simples

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

IPv6 - Características do IP Next Generation

IPv6 - Características do IP Next Generation IPv6 - Características do IP Next Generation 1 - Introdução As três das principais motivações que conduziram à necessidade de superar as limitações de crescimento da versão atual do protocolo IP (Internet

Leia mais

Técnicas de Transição

Técnicas de Transição IPv6.br Técnicas de Transição Agenda Introdução 4rd Classificação das Técnicas 6PE e 6VPE Pilha Dupla 6rd 6in4 e 6over4 6to4 GRE Teredo Tunnel Brokers ISATAP DS-Lite e DS-Lite + A+P A+P IVI, divi e divi-pd

Leia mais

Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA

Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA Adelmo Avancini Luciano Martins 08 de dezembro de 2006 www.cpqd.com.br Agenda Projeto GIGA Topologia da rede GIGA VPLS no mercado

Leia mais

A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial

A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial A experiência da Dualtec na implantação de uma rede ipv6 comercial Ricardo Fernandes Fernando C. Barbi, PMP, CCNP GTER 24-26/10/2007 Apresentação da Dualtec Por que IP v6? Etapas do processo de implantação

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP. Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP. Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br Protocolos TCP/IP - Tópicos Introdução IP Endereçamento Roteamento UDP, TCP Telnet, FTP Correio DNS Web Firewalls Protocolos TCP/IP

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Endereçamento IPv6 Módulo - III Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

Experiência de Videodifusão na RNP

Experiência de Videodifusão na RNP Experiência de Videodifusão na RNP Estudos de caso Sidney Cunha de Lucena / Adenilson Raniery Pontes Dezembro de 2002 RNP/PAL/0175 Experimento 2002 de RNP Video-Difusão Roteamento na RNP Índice (1) Curso

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Endereçamento IP. Figura 1 Estrutura hierárquica do endereço IP

Endereçamento IP. Figura 1 Estrutura hierárquica do endereço IP Endereçamento IP 1. Introdução: A partir da segunda metade dos anos 90, a Internet se tornou uma rede muito diferente daquela existente em sua concepção no início dos anos 80. Hoje, a Internet tornou-se

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

ANÁLISE DE TRÁFEGO E SIMULAÇÃO DE REDES MULTICAST

ANÁLISE DE TRÁFEGO E SIMULAÇÃO DE REDES MULTICAST UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES BRUNO WALLACE DE FREITAS FRANCA EDILSON JORGE DOS SANTOS JUNIOR

Leia mais