Avaliação dos Serviços de Atenção Básica Prestados nas Unidades Básicas de Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação dos Serviços de Atenção Básica Prestados nas Unidades Básicas de Saúde"

Transcrição

1 SUMÁRIO EXECUTIVO Avaliação dos Serviços de Atenção Básica nos 15 Municípios de Roraima Auditoria Operacional TCERR Relator Conselheiro Henrique Manoel Fernandes Machado Boa Vista - Roraima 1

2 Conselheiros Henrique Manoel Fernandes Machado Presidente Cilene Lago Salomão Vice Presidente Essen Pinheiro Filho - Corregedor Joaquim Pinto Souto Maior Neto Ouvidor Célio Rodrigues Wanderley Presidente da Escola de Contas Manoel Dantas Dias Marcus Rafael de Holanda Farias Diretoria de Fiscalização de Contas Públicas Roberto Riverton de Souza Veras Diretor Valdélia Vieira dos Santos Lena Chefe da Divisão de AOP Adriana Maria Nery Amaral Auditora Benta Marinho de Souza Barreto - Auditora

3 Sumário 1 - Lista de Abreviaturas e Siglas Apresentação Avaliação dos Serviços de Atenção Básica Prestados nas Unidades Básicas de Saúde Relevância da avaliação Como se desenvolveu o trabalho O que o Tribunal de Contas encontrou Deficiências no levantamento das necessidades de saúde da população e no planejamento das ações estaduais da atenção básica Deficiências nos mecanismos de levantamento das necessidades de saúde da população para subsidiar o planejamento das ações municipais na atenção básica O que pode ser feito para melhorar o Processo de Planejamento da Atenção básica Deficiências nos processos de referência, contrarreferência e regulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção O que pode ser feito para melhorar o desempenho do Processo de Articulação da Atenção básica com os demais níveis de atenção O estado de Roraima não contribui com o financiamento tripartite da atenção básica nos municípios e, quando o faz, os recursos repassados são insuficientes e, por vezes, sem regularidade O que pode ser feito para regularizar o financiamento tripartite da Atenção básica Distribuição não equitativa dos recursos da saúde em Roraima O que pode ser feito para contribuir com a distribuição equitativa dos recursos da saúde em Roraima

4 Registros contábeis que não permitem a identificação da alocação dos recursos estaduais e municipais no nível de atenção básica O que pode ser feito para permitir que os registros contábeis identifiquem a alocação dos recursos estaduais e municipais no nível da atenção básica Fragilidades na gestão de pessoal da Atenção Básica, quanto à alocação e à permanência Deficiência na elaboração e na execução das ações de capacitação e formação dos gestores e dos profissionais da Atenção Básica O que pode ser feito para melhorar o desempenho da Alocação/Permanência e Capacitação/Educação Permanente dos Gestores e dos Profissionais da Atenção Básica Ausência ou insuficiência de estruturas e equipes técnicas específicas da Secretaria de Estado da Saúde e Secretarias Municipais de Saúde para o monitoramento e avaliação da Atenção Básica Insuficiência de indicadores de processos de trabalho no portfólio da SESAU e das Secretarias Municipais de Saúde para realização de monitoramento e avaliação da Atenção Básica e deficiência na sua utilização para o planejamento das ações de saúde Insuficiência de estrutura de tecnologia da informação (TI) O que pode ser feito para melhorar o desempenho do Sistema de Monitoramento e Avaliação da Atenção Básica no Estado e nos Municípios Insuficiência das condições de infraestrutura das UBS visitadas nos municípios de Roraima, para operacionalizar as ações de saúde da Atenção Básica O que pode ser feito para melhorar as condições de infraestrutura das UBS para operacionalização as ações de saúde da Atenção Básica Benefícios da implementação das recomendações do TCERR

5 1 - Lista de Abreviaturas e Siglas AB ACS AOP CIB CIES CIR CIT CNES COAP Atenção Básica Agentes Comunitários de Saúde Auditoria Operacional Comissão Intergestores Bipartite Comissão de Integração Ensino-Serviço Comissão Intergestores Regional Comissão Intergestores Tripartite Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde CONASEMS Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde CONASS COSEMS CRFB DVR ESF IRB MS NASF NS PMAQ-AB Conselho Nacional dos Secretários de Saúde Conselho dos Secretários Municipais de Saúde Constituição da República Federativa do Brasil Diagrama de Verificação de Risco Estratégia de Saúde da Família Instituto Rui Barbosa Ministério da Saúde Núcleo de Apoio à Saúde da Família Nível Superior Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica 5

6 PNAB PSF SESAU SMS SMSA SUS SWOT TCERR TI UBS Política Nacional de Atenção Básica Programa da Saúde da Família Secretaria de Estado da Saúde Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Boa Vista Sistema Único de Saúde Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças) Tribunal de Contas do Estado de Roraima Tecnologia da Informação Unidade Básica de Saúde 6

7 2 - Apresentação Avaliação dos Serviços de Atenção Básica A auditoria operacional é uma modalidade de fiscalização, prevista no art. 70 da Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB), que tem como objetivo verificar se os resultados programados, seja no âmbito da entidade, do programa, do projeto, ou da atividade, estão sendo alcançados de forma eficiente, eficaz e econômica. Portanto, as auditorias operacionais não se restringem a verificações contábil, financeira, orçamentária, patrimonial e legalidade, são auditorias que vão além, se concentram no desempenho, assumindo um controle finalístico das ações e programas de governo com o objetivo de avaliar a gestão e propor recomendações que possam aprimorar a gestão. Nesse contexto, as auditorias operacionais procuram atuar em parceria com as administrações, visando o aperfeiçoamento da gestão pública. Este Sumário Executivo do Tribunal de Contas do Estado de Roraima versa sobre a Auditoria operacional de Avaliação dos Serviços de Atenção Básica prestados nas Unidades Básicas de Saúde, e tem o intuito de apresentar os resultados obtidos nessa avaliação, de forma reduzida, aos órgãos governamentais, aos parlamentares e à sociedade, por se tratar de um serviço de alta relevância social. 7

8 3 - Avaliação dos Serviços de Atenção Básica Prestados nas Unidades Básicas de Saúde A presente auditoria originou-se da assinatura do Acordo de Cooperação Técnica que celebraram entre si os Tribunais de Contas brasileiros, a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil e o Instituto Rui Barbosa (IRB) para a realização da auditoria coordenada nas ações de governo referente à atenção básica à saúde. A auditoria coordenada teve por objeto as ações governamentais desenvolvidas nas três esferas de governo, com a finalidade de identificar os principais problemas que afetam a qualidade da prestação dos serviços de atenção básica à saúde, e suas possíveis causas. Resolutividade é a capacidade do sistema em resolver situações relacionadas à saúde/doença dos usuários e/ou atendê-los de forma adequada em todos os níveis de atenção. Acesso é a capacidade de obtenção de cuidados de saúde, quando necessário, de modo fácil e conveniente, inclusive a outros níveis hierárquicos do sistema. Essa auditoria permitiu uma melhor compreensão dos problemas que afetam a qualidade da cadeia de serviços de atenção básica oferecidos em Unidades Básicas de Saúde, independentemente dos programas implementados em cada unidade avaliada, que teve como foco a resolutividade, o acesso, o atendimento e a estrutura física, bem como a eficácia das ações governamentais que procuram eliminar ou mitigar suas causas. 8

9 4 - Relevância da avaliação A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação, conforme instituído pelo art. 196 da Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB). De acordo com o art. 198 da CRFB as ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada que constituem o Sistema Único de Saúde (SUS), com descentralização e direção única em cada esfera de governo; com atendimento integral, dando prioridade as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; e participação da comunidade. Com o intuito de regulamentar as disposições da CRFB foi instituída a Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990, conhecida como a lei orgânica do SUS, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes. Para garantir essas ações de integralidade da saúde o Ministério da Saúde (MS) instituiu a Portaria nº 204, de 29 de janeiro de 2007, regulamentando o financiamento das ações e serviços de saúde como de responsabilidade das três esferas de gestão do SUS. Essa portaria estabelece cinco blocos de financiamento, porém a auditoria teve como foco somente o bloco de financiamento da atenção básica. Para a organização da atenção básica foi instituída a Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011, no qual aprova a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), ponto central dessa auditoria. 9 A integralidade é entendida como um conjunto articulado e contínuo de ações e serviços preventivos, curativos, individuais e coletivos nos diferentes níveis de complexidade do sistema.

10 A Atenção Básica é o primeiro nível de atenção à saúde e se caracteriza por um conjunto de ações em âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos e a manutenção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte positivamente na situação de saúde das coletividades. Para a PNAB, a atenção básica é concebida como ordenadora do sistema e coordenadora do cuidado do usuário nos demais níveis de atenção: média e alta complexidades, ou seja, a atenção básica deve ser o primeiro contato de cuidado do usuário e somente daí seguir para os demais níveis de atenção. A AB é a base do sistema ordenando a demanda por serviços de maior complexidade, organizando os fluxos da continuidade da atenção ou do cuidado. Esse papel é essencial tanto na resolução dos casos, quanto no referenciamento do usuário. Coordenadora do cuidado é a capacidade da atenção básica em proporcionar o seguimento do usuário no sistema, fazendo a referência, acompanhando o uso de outros pontos do sistema e mantendo a vinculação e a responsabilização pelo cuidado. É fundamental que a atenção básica se oriente pelos princípios da universalidade, da acessibilidade, do vínculo, da continuidade do cuidado, da integralidade da atenção, da responsabilização, da humanização, da equidade e da participação social, tendo como fundamentos e diretrizes possibilitar o acesso universal e contínuo a serviços de saúde de qualidade e resolutivos; ter o território definido de forma a permitir o planejamento das ações; desenvolver relações de vínculo e responsabilização entre as equipes de saúde e os usuários, garantindo a continuidade das ações de saúde e a 10

11 longitudinalidade do cuidado; coordenar a integralidade das ações de saúde; e estimular a participação dos usuários como forma de ampliar sua autonomia e capacidade na construção do cuidado à sua saúde. Para isso, as Unidades Básicas de Saúde (UBS), foco de avaliação desse trabalho, são instaladas perto de onde as pessoas moram, trabalham, estudam e vivem e desempenham um papel central na garantia de acesso a uma atenção à saúde de qualidade aos usuários, ocorrendo no local mais próximo da vida das pessoas. 5 - Como se desenvolveu o trabalho Devido o estado de Roraima possuir apenas 15 municípios, o TCERR optou por realizar a auditoria operacional em todas as administrações municipais, por intermédio de suas Secretarias de Saúde, além da Secretaria de Estado da Saúde (SESAU) com a finalidade de traçar um panorama dos serviços prestados pela atenção básica no estado. Além do escopo nacional, o TCERR também realizou avaliação da infraestrutura física, equipamentos, mobiliário e insumos existentes nas UBS para verificar as condições de prestação de serviços aos usuários. Dessa forma, para se atingir os objetivos propostos nessa auditoria foram formuladas quatro questões e quatro subquestões, com as respectivas abordagens estadual e municipal, de acordo com as competências enumeradas na PNAB: Questão 1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? Subquestão 1.1: O planejamento das ações municipais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? 11 Longitudinalidade significa o acompanhamento do usuário ao longo do tempo pela equipe de saúde.

12 Subquestão 1.2: As Secretarias estadual/municipal de Saúde atuam para garantir a articulação da atenção básica com os demais níveis de atenção? Subquestão 1.3: De que forma o estado tem contribuído para o financiamento tripartite da atenção básica? Subquestão 1.4: De que forma o município tem contribuído para o financiamento tripartite da atenção básica? Questão 2: Como as Secretarias Municipais de Saúde atuam para promover a alocação/permanência, a formação e a educação permanente dos gestores e profissionais da atenção básica? Questão 3: O estado e os municípios roraimenses possuem estrutura, indicadores e suporte de TI, de forma que o sistema de monitoramento e avaliação possa contribuir para o aprimoramento da gestão? Questão 4: As UBS possuem infraestrutura física, equipamentos, materiais e insumos adequados para operacionalizar as ações de saúde da atenção básica? Na fase inicial da auditoria, foram adotados os seguintes procedimentos: identificação dos normativos; revisão da documentação do objeto de auditoria e identificação dos objetivos de auditoria; realização de levantamento sobre os planos, programas, projetos e ações realizados pelo MS e pelas secretarias de saúde; elaboração de análise orçamentária e dos dados disponíveis no Departamento de Informática do SUS (Datasus) e demais unidades do MS e nas secretarias de saúde; entrevistas semiestruturadas com os Secretários Municipais, seleção de estudos, artigos técnicos e auditorias já realizadas relacionadas ao tema; redação da visão geral da atenção básica à saúde no Brasil e dos problemas detectados nos serviços prestados nas Unidades Básicas de Saúde. 12

13 No Avaliação dos Serviços de Atenção Básica Planejamento Avançado foram realizadas visitas de apresentação e exploratórias e entrevistas com profissionais e gestores; realização de técnicas de análise de ambientes (Stakeholders; Grupo focal; SWOT; DVR); formulação de questões para a auditoria coordenada e modelos de instrumentos de coleta de dados; elaboração da proposta de matriz de planejamento para discussão da versão definitiva em conjunto; elaboração dos instrumentos de coleta de dados; participação da oficina de trabalho da fase de planejamento. Na fase de execução foram realizados trabalhos de campo tanto na capital quanto nos 15 municípios, tais como entrevistas com: cinco Conselheiros Municipais de Saúde; 31 Gestores de UBS; 37 Médicos; 47 Enfermeiros; oito Coordenadores da Atenção Básica; a Coordenadora Geral de Regulação, Controle, Avaliação e Auditoria do SUS; a Diretora Geral, a Diretora Clínica e o Médico Regulador do Hospital Coronel Mota; a Diretora Geral da Escola Técnica do SUS; o Diretor do Departamento de Gestão da Educação em Saúde da SESAU; e a Secretária Executiva da Comissão Intergestores Bipartite; houve também a realização de 38 roteiros de inspeção de UBS; análise de dados dos 15 municípios e da SESAU; elaboração da matriz de achados (preliminar e final); participação da oficina de trabalho da fase de execução; envio de tabelas de consolidação de dados para o IRB, por intermédio do Grupo Temático de Auditoria Operacional. 13

14 6 - O que o Tribunal de Contas encontrou 6.1 Deficiências no levantamento das necessidades de saúde da população e no planejamento das ações estaduais da atenção básica. O planejamento da saúde, em âmbito estadual, deve ser realizado de maneira regionalizada, a partir das necessidades dos municípios, considerando o estabelecimento de metas regionais de saúde, resultantes das pactuações intermunicipais. Entretanto, a AOP detectou que não há um diagnóstico da atenção básica no estado contendo as necessidades de saúde da população. O planejamento das ações estaduais contidas no Plano Estadual de Saúde de Roraima são compostas por metas genéricas e não regionalizadas de acordo com as necessidades dos municípios. A Coordenadora Geral da Atenção Básica do Estado, à época, ressaltou que as ações desenvolvidas pela Secretaria de Estado da Saúde (SESAU), com o objetivo de apoiar os municípios no processo de levantamento das necessidades de saúde da atenção básica, partem do frequente contato dos técnicos e gestores dos municípios com os técnicos e gestores da SESAU. 6.2 Deficiências nos mecanismos de levantamento das necessidades de saúde da população para subsidiar o planejamento das ações municipais na atenção básica. Para a política nacional da atenção básica compete à Secretaria Municipal de Saúde programar as ações da atenção básica a partir de sua base territorial e de acordo com as necessidades de saúde das pessoas, visto que o planejamento no âmbito do SUS deverá ser orientado por problemas e necessidades de saúde para a construção das diretrizes, objetivos e metas. 14

15 Entretanto, constatou-se que não há no estado um diagnóstico utilizado pelas Secretarias Municipais de Saúde que identifique as necessidades de saúde da população da atenção básica, contemplando as áreas descobertas por Unidades Básicas de Saúde (UBS). Percebe-se que as Secretarias Municipais de Saúde não possuem uma metodologia formal para o levantamento das necessidades de saúde da população da atenção básica, visto que as informações são colhidas de várias fontes, mas ao final não são sistematizadas para a formação de diagnóstico que identifique as necessidades de saúde da população, com vistas a subsidiar o planejamento das ações municipais. Os Gestores das UBS demonstram não conhecer os instrumentos de planejamento e nem de que forma as necessidades de saúde da população são consideradas no planejamento da Secretaria Municipal. A participação dos Conselhos Municipais no planejamento das ações municipais de saúde também é insuficiente, em virtude das Secretarias Municipais não promoverem a presença do Conselho na elaboração do planejamento. Quanto aos mecanismos de comunicação existentes entre os usuários e as Secretarias Municipais de Saúde/UBS, a Secretaria Municipal de Saúde de Boa Vista (SMSA) ressalta a ouvidoria do SUS, na sua sede; a central de telefone 156, para sugestões e reclamações; e caixinhas de sugestões em todas as UBS, cujas demandas são coletadas mensalmente, com o objetivo de facilitar a comunicação entre usuário e gestores das unidades básicas a fim de sanar os problemas e buscar resolutividade. 15

16 Nos demais municípios não existem, ou é de baixa incidência, os canais de comunicação entre usuários e UBS (ouvidorias, caixa de sugestões) para receber reclamações e sugestões de usuários, bem como auxiliar no levantamento das necessidades de saúde da população para subsidiar o planejamento das ações municipais. 6.3 O que pode ser feito para melhorar o Processo de Planejamento da Atenção básica Com o objetivo de contribuir para a melhoria do processo de planejamento da Atenção Básica, em nível estadual e municipal, o TCERR fez as seguintes recomendações: 1 À SESAU: a) Planejar as ações estaduais considerando o estabelecimento de metas de saúde de maneira regionalizada e conforme as necessidades de saúde dos usuários; b) Prestar apoio institucional aos municípios no processo de levantamento das necessidades de saúde da população, de maneira regionalizada, com vistas à elaboração de diagnóstico referente às necessidades de saúde dos usuários. 2 À SMSA de Boa Vista: a) Promover articulação com o governo estadual e federal por meio da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) e Comissão Intergestores Tripartite (CIT), visando à elaboração de diretrizes para o levantamento das necessidades de saúde da população; CIB é o fórum de negociação entre o Estado e os Municípios na implantação e operacionalização do Sistema Único de Saúde. CIT Instância de articulação e pactuação na esfera federal que atua na direção nacional do SUS, integrada por gestores do SUS das três esferas de governo - União, estados, DF e municípios. 16

17 b) Desenvolver e/ou aprimorar ações para fomentar a participação dos conselhos de saúde no planejamento das ações municipais de saúde. 3 Aos demais 14 municípios de Roraima: a) Promover articulação com o governo estadual e federal por meio da CIB e CIT, visando à elaboração de diretrizes para o levantamento das necessidades de saúde da população; b) Desenvolver e/ou aprimorar ações para fomentar a participação dos conselhos de saúde no planejamento das ações municipais de saúde; c) Promover a implantação ou aperfeiçoamento dos canais de comunicação entre usuários e as Secretarias Municipais de Saúde/UBS, de modo que as necessidades dos usuários sejam contempladas no planejamento. 6.4 Deficiências nos processos de referência, contrarreferência e regulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção. Segundo o modelo adotado pelo SUS, a atenção básica, como primeiro nível de atenção à saúde, deve ser, preferencialmente, a porta de entrada do sistema (postos de saúde, centros de saúde, unidades de saúde da família, etc.). A partir desse primeiro atendimento, o usuário será encaminhado para os outros serviços de maior complexidade - rede de média e alta complexidades (hospitais e clínicas especializadas), que podem ser organizados de forma municipal ou regional, dependendo do porte e da demanda do município. 17 A regulação pode ser entendida tanto como o controle de acesso dos usuários aos serviços de saúde quanto como um ato de regulamentar e de elaborar regras.

18 Dessa forma, o usuário é atendido nas unidades de saúde de um ou outro nível conforme a necessidade e a complexidade de seu quadro clínico. Assim, usuários de alta complexidade atendidos, por exemplo, em unidades básicas de saúde (UBS) ou em hospitais secundários, podem ser encaminhados para hospitais de alta complexidade (hospitais terciários). É o que o sistema chama de referência. Na estratégia de atendimento, para cada tipo de enfermidade há um local de referência para o serviço. Depois de ter sua necessidade atendida e seu quadro clínico estabilizado, o usuário é reencaminhado para uma unidade de menor complexidade, para dar seguimento ao tratamento. É o que o sistema chama de contrarreferência. Com relação ao processo de articulação da atenção básica com os demais níveis de atenção à saúde percebe-se que as articulações feitas ainda não surtiram o resultado desejado. Nota-se uma precariedade dos instrumentos de pactuação (CIB e/ou Comissão Intergestores Regional - CIR) na implementação de políticas para fortalecimento da rede regionalizada e hierarquizada. Para a SMSA desde o ano de 2009 não são realizadas pactuações relevantes para promover o avanço da articulação da atenção básica com os demais níveis de atenção. O Contrato Organizativo da Ação Pública (COAP) da Saúde não foi implementado no estado de Roraima, sendo apontado como principal motivo para a não assinatura desse contrato a falta de articulação do estado com os municípios. As CIR são instâncias de cogestão no espaço regional com o objetivo de constituir um canal permanente e contínuo de negociação e decisão entre os gestores municipais e o estado para constituição de uma rede regionalizada de serviços de saúde integrados. 18

19 No estado de Roraima também não há implementação formal do sistema de referência, contrarreferência e regulação. Constatou-se que cada município realiza o fluxo de referência da forma que lhe convém. Ademais, existe fragilidade na organização do sistema informatizado de agendamento de consulta do Hospital Coronel Mota, impactando na referência, o que tem gerado longa espera no agendamento de consultas com especialistas, fazendo com que o usuário procure a unidade hospitalar. Quanto à contrarreferência, verificou-se que praticamente não existe, o que dificulta o retorno dos pacientes à UBS e, consequentemente, impede o acompanhamento pelos profissionais da Unidade após a consulta referenciada. Somente nos casos específicos de diabetes, hipertensão, tuberculose, hanseníase e leishmaniose, o ciclo da referência e contrarreferência se completa, pois o paciente retorna à UBS de origem munido de laudo e prescrição médica para tratamento. Com ênfase nesse processo de planejamento regional integrado constatou-se que o Hospital Regional Sul Ottomar de Souza Pinto, localizado no município de Rorainópolis, região Sul de Roraima, criado com o objetivo principal de dar atendimento médico de urgência, emergência e ambulatorial aos habitantes dos municípios da Região Sul possui um quadro insuficiente de médicos para atender a população dessa Região, o que ocasiona muitos encaminhamentos para a capital ou que, por outro lado, deixam de ser realizados em virtude da distância geográfica entre essas localidades. Como parte dos mecanismos de referência, contrarreferência e regulação cabe destacar o papel dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) na atenção básica, criados com o objetivo de apoiar a consolidação da atenção básica no Brasil, ampliando sua abrangência e resolutividade. 19

20 No estado de Roraima o NASF foi implantado em apenas sete municípios, conforme dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) de outubro/2014, sendo cinco NASF 1, nos municípios de Alto Alegre, Bonfim, Caracaraí, Mucajaí e Rorainópolis, e dois NASF 2, nos municípios de Amajari e Pacaraima. Entende-se que a ausência do apoio matricial na atenção básica contribui para o excesso de encaminhamentos para as redes de média e alta complexidades. 6.5 O que pode ser feito para melhorar o desempenho do Processo de Articulação da Atenção Básica com os demais níveis de atenção Com o objetivo de garantir a articulação da Atenção Básica com os demais níveis de atenção, o TCERR, dentre outras, fez as seguintes recomendações: 1 À SESAU: a) Programar ações para coordenar a implementação do COAP no estado (fortalecer a regionalização e hierarquização); b) Elaborar e implementar os fluxos de integração regionalizada (referência, contrarreferência e regulação) da atenção básica com os demais níveis de atenção; c) Implementar estratégia regional de atendimento visando ampliar e melhor distribuir a estrutura de média e alta complexidades; d) Implementar estratégias para o desenvolvimento do apoio matricial (NASF). 2 À SMSA e aos demais 14 municípios de Roraima: a) Induzir e/ou fortalecer a estrutura de apoio matricial (NASF); b) Criar mecanismos que institucionalize o preenchimento/registro da referência; 20

21 c) Estabelecer controles do tempo médio de retorno por encaminhamento, e também do percentual de encaminhamentos da atenção básica para a média e alta complexidades, através de indicadores específicos. 6.6 O estado de Roraima não contribui com o financiamento tripartite da atenção básica nos municípios e, quando o faz, os recursos repassados são insuficientes e, por vezes, sem regularidade. A PNAB dispõe que é responsabilidade comum a todas as esferas de governo (federal, estadual e municipal), contribuir com o financiamento tripartite da atenção básica, o qual deve ser realizado com a contribuição do estado, com repasses da União aos municípios e com recursos próprios do município. Quanto à contribuição do estado de Roraima ao financiamento tripartite da atenção básica verificou-se que esse não está cumprindo com suas obrigações, uma vez que não tem repassado recursos financeiros aos municípios, de forma regular. O município de Boa Vista informou que o estado tem pendências com o município no montante de R$ ,00, relativos ao período de dezembro de 2009 a junho de Além disso, municípios de Roraima não apresentaram informações sobre o valor que o estado deixou de repassar a eles durante o mesmo período. Entretanto, os municípios de Pacaraima, Cantá, Bonfim e Amajari informaram que o estado não repassa recursos financeiros, mas tem ajudado com medicamentos, materiais odontológicos, insumos laboratoriais e convênios e parcerias. Ademais constatou-se um baixo percentual aplicado pelo estado em atenção básica, conforme gráfico 1, em relação ao total de recurso estadual orçado para despesas com saúde, no período de janeiro/2012 a 21

22 R$71.792,31 R$9.853,46 R$7.437,46 R$ ,10 R$ ,10 R$ ,10 R$ ,41 R$ ,22 R$ ,25 R$ ,25 R$ ,27 R$ ,42 Avaliação dos Serviços de Atenção Básica junho/2014, o que demonstra a não priorização da atenção básica por parte do gestor estadual, tendo como consequências, dentre outras, a baixa resolutividade da atenção básica, o comprometimento na qualidade dos serviços prestados nas UBS e a busca mais intensa por outros níveis de atenção à saúde. GRÁFICO 1 Valor Previsto Empenhado Liquidado Pago OBS.: Para o ano de 2014, no tocante aos valores de Empenho, Liquidação e Pagamento, foram considerados os meses de Janeiro a Julho. 22

23 6.7 O que pode ser feito para regularizar o financiamento tripartite da Atenção básica Com o objetivo de contribuir para a regularização do financiamento tripartite da Atenção Básica, em nível estadual e municipal, o TCERR fez as seguintes recomendações: 1 À SESAU: a) Pactuar na CIB o tema alocação de recursos destinados à atenção básica; b) Reconhecer o passivo decorrente da ausência de repasses aos municípios, no período 2009 a 2014 e inserir no Plano Estadual da Saúde e no orçamento estadual, o efetivo pagamento desses valores; c) Efetuar os repasses de forma tempestiva e na forma e valores em que foram definidos na CIB. 2 Aos municípios de: Alto Alegre; Amajari; Bonfim; Cantá; Caracaraí; Caroebe; Iracema; Mucajaí; Normandia; Pacaraima; Rorainópolis; São João da Baliza; São Luíz; Uiramutã: Que façam levantamento do montante que o estado deveria ter repassado aos municípios durante o período analisado (2012 a 2014) e cobrar o efetivo repasse. 6.8 Distribuição não equitativa dos recursos da saúde em Roraima. O princípio da equidade é um dos pilares na distribuição de recursos do SUS. Isso significa que todos os usuários têm o direito de usufruir dos serviços oferecidos pelo sistema de saúde. Para que seja atendido, é necessária uma distribuição equitativa dos recursos da saúde, uma vez que ela implica em oferecer ao usuário atenção conforme suas necessidades. 23

24 Na distribuição dos recursos destinados à atenção básica pela União aos municípios desse estado, entende-se que União atendeu ao princípio da equidade. Entretanto, verificou-se que o estado de Roraima não tem respeitado o princípio da equidade, uma vez que no período analisado não foram identificados critérios para distribuição de recursos estaduais destinados à atenção básica. 6.9 O que pode ser feito para contribuir com a distribuição equitativa dos recursos da saúde em Roraima Com o objetivo de contribuir com a distribuição equitativa dos recursos da Atenção Básica, em nível estadual e municipal, o TCERR fez as seguintes recomendações: 1 À SESAU: que procure articular e pactuar na CIB e CIT a concepção de critérios que busquem a equidade e a efetiva distribuição de recursos para os municípios. 2 À SMSA e aos demais 14 municípios de Roraima: que promovam articulação com os Governos Estadual e Federal, por meio da CIR, CIB, COSEMS, CONASEMS e CONASS, para discutir, programar e estabelecer uma política de financiamento da atenção básica que seja adequada à sua realidade Registros contábeis que não permitem a identificação da alocação dos recursos estaduais e municipais no nível de Atenção Básica. Os registros contábeis relativos à função saúde devem permitir identificar o quanto foi destinado à Atenção Básica, por nível de atenção. Da análise dos documentos colhidos no trabalho de campo e das informações enviadas ao TCERR pelos seus jurisdicionados, bem como de pesquisa junto aos relatórios de auditoria de contas já analisadas no âmbito do tribunal, verificou-se falhas e inconsistências nos registros contábeis da 24

25 alocação de recursos da atenção básica, que trazem como consequência a impossibilidade de se extrair informações contábeis de cunho gerencial dos relatórios emitidos pela contabilidade dos entes auditados O que pode ser feito para permitir que os registros contábeis identifiquem a alocação dos recursos estaduais e municipais no nível da Atenção Básica 1 À SESAU: que determine aos responsáveis pelos registros contábeis a emissão de demonstrativos contábeis e gerenciais que sejam mais claros e detalhados e que permitam aos órgãos de fiscalização e ao controle social uma visualização do que foi planejado e executado em cada bloco de financiamento da atenção básica. 2 À SMSA e aos demais 14 municípios de Roraima: que determinem aos responsáveis pelos registros contábeis a emissão de demonstrativos contábeis e gerenciais que sejam mais claros e detalhados e que permitam aos órgãos de fiscalização e ao controle social uma visualização do que foi planejado e executado em cada bloco de financiamento da atenção básica Fragilidades na gestão de pessoal da Atenção Básica, quanto à alocação e à permanência. O tema alocação e permanência é um grave problema para os municípios do estado, uma vez que os vínculos empregatícios são precários, pois as administrações municipais não dispõem de planos de cargos, carreiras e remuneração para os profissionais da AB. Apesar de 80% das respostas ao questionário eletrônico apontarem que as administrações municipais possuem instrumentos de alocação e permanência de pessoal, na análise documental verificou-se que os planos de cargos, carreiras e remuneração quando existentes não contemplam os cargos de médicos e enfermeiros. 25

26 Outra informação obtida por meio do questionário eletrônico aponta que 80% dos gestores afirmaram que já realizaram concurso público, porém em análise documental verificou-se que esses concursos não contemplavam profissionais de nível superior (NS), somente cargos de nível médio. Constatou-se também que com o término do programa Mais Médicos, com previsão inicial para três anos, haverá carência de médicos na AB em todos os municípios, problema esse que prejudicará a resolutividade e a continuidade dos serviços. Quanto à alocação e a permanência relacionadas aos gestores, constatou-se que o maior problema está na rotatividade dos Secretários Municipais de Saúde, evidência essa percebida tanto em entrevista com a Coordenadora da Atenção Básica Estadual, à época, quanto na SWOT realizada no município de Caracaraí Deficiência na elaboração e na execução das ações de capacitação e formação dos gestores e dos profissionais da Atenção Básica. Na análise documental verificou-se que a SMSA de Boa Vista possui um Departamento de Educação em Saúde, responsável pela elaboração do plano de capacitação para o 1º quadrimestre de 2014, porém analisando a relação de cursos ofertados, no período de janeiro/2012 a julho/2014, verificou-se que nenhum dos cursos e oficinas programados para o quadrimestre foi disponibilizado aos servidores da AB. Já nos demais municípios, 100% dos gestores, em entrevista, afirmaram que não possuem planos de capacitação, apesar de 63% dos gestores municipais informarem que possuem o levantamento das necessidades, entretanto apenas Rorainópolis informou o instrumento utilizado no diagnóstico, mas também não demonstrou a identificação das carências de capacitação dos profissionais envolvidos na AB. 26

27 Quanto à SESAU, a situação não se altera. Não possui diagnóstico das necessidades e nem instrumentos que permitam identificar as carências dos gestores e profissionais da AB, tampouco um plano de capacitação O que pode ser feito para melhorar o desempenho da Alocação/Permanência e Capacitação/Educação Permanente dos Gestores e dos Profissionais da Atenção Básica Com o objetivo de contribuir para a melhoria do desempenho da Atenção Básica, o TCERR, dentre outras, fez as seguintes recomendações: 1 À SMSA: Desenvolver ações que promovam a permanência dos profissionais na AB, a exemplo de: realização de concursos públicos para suprir com UBS/ESF as áreas descobertas; instituição de gratificações e outros incentivos; melhores condições de trabalho aos profissionais (equipamentos, materiais, insumos, mobiliários, estrutura física). Áreas descobertas se refere a parcela da população sem acompanhamento por equipes de Estratégia Saúde da Família. 2 Aos demais 14 municípios de Roraima: a) Realizar o diagnóstico das necessidades de alocação de pessoal da AB, considerando o perfil epidemiológico, a população a ser coberta por equipe e a composição das equipes multiprofissionais; 27

28 b) Desenvolver ações que promovam a permanência dos profissionais da AB, a exemplo de: realização de concursos públicos para suprir com UBS/Estratégia Saúde da Família (ESF) as áreas descobertas; instituição de planos de cargos, carreiras e remuneração, que contemple os cargos de nível superior; instituição de gratificação e outros incentivos; melhores condições de trabalho aos profissionais (infraestrutura: estrutura física, equipamentos, materiais, insumos, mobiliários). 3 À SESAU: a) Promover a articulação entre a SESAU e as Secretarias Municipais, por meio dos atores envolvidos no processo, tais como: CIES, CIR, CIB, para discutir e elaborar o plano de educação permanente em saúde, que contemple as especificidades regionais; b) Garantir, para os municípios com menos de 100 mil habitantes, a oferta dos cursos introdutórios para as ESF implantadas; c) Garantir a organização e oferta dos processos de educação permanente para os municípios com menos de 100 mil habitantes Ausência ou insuficiência de estruturas e equipes técnicas específicas da Secretaria de Estado da Saúde e Secretarias Municipais de Saúde para o monitoramento e avaliação da Atenção Básica. Verificou-se que a SESAU não possui unidade específica ou pessoal responsável pelo monitoramento e avaliação dos indicadores da AB. Já a SMSA apresentou o organograma da Superintendência de Atenção Básica que contempla o monitoramento e avaliação da AB, porém ainda é provisório. Evidenciou-se, ainda, que apesar de 90% dos respondentes do questionário eletrônico afirmarem que existe nas SMS unidades específicas ou 28

29 pessoal responsável pelo monitoramento e avaliação dos indicadores da AB, na análise documental verificou-se que a equipe, a qual os gestores se reportam, é formada pelos enfermeiros e coordenadores da AB, e até pelo Secretário Municipal de Saúde. Nas inspeções realizadas in loco pode-se constatar que em 100% dos demais municípios, as secretarias somente possuem pessoas específicas para alimentação dos dados nos sistemas, mas sem a capacitação necessária para desenvolver atividades analíticas de monitoramento e avaliação Insuficiência de indicadores de processos de trabalho no portfólio da SESAU e das Secretarias Municipais de Saúde para realização de monitoramento e avaliação da Atenção Básica e deficiência na sua utilização para o planejamento das ações de saúde. Na realização da SWOT da SESAU, a Coordenadora Geral da AB, a época, apontou como fraquezas da AB estadual: a ausência de sistema monitoramento e avaliação da gestão e das atividades da atenção básica há, pelo menos, cinco anos; a ausência de indicadores para avaliar a gestão e as atividades da atenção básica; e a falta de logística (transporte; motorista; apoio da área de tecnologia de informação) para desenvolver as ações de monitoramento e avaliação da AB. Já a SMSA informou que o monitoramento e avaliação é realizado pela Superintendente da SAB, chefias, coordenações e assessoria técnica, num total de 18 técnicos, além da equipe da Superintendência de Vigilância em Saúde, que é a responsável pela inserção de dados nos sistemas de informação de saúde. 29

30 Porém, em entrevista realizada com a Secretária Adjunta, a época, foi informado que a SMSA não monitora e avalia os indicadores da AB. Contudo, apesar de informar que não realiza o monitoramento e avaliação dos indicadores, na entrevista, responde que os indicadores são utilizados na elaboração do planejamento. Em relação aos demais municípios evidenciou-se que apesar de 90% dos respondentes do questionário eletrônico afirmarem que utilizam indicadores para monitorar e avaliar a gestão e a qualidade dos serviços prestados pela AB, a utilização desses indicadores se restringe ao preenchimento do sistema informatizado do Ministério da Saúde denominado SISPACTO e pelos indicadores contratualizados no PMAQ-AB Insuficiência de estrutura de tecnologia da informação (TI) Na análise da documentação percebeu-se que a SESAU tem, de modo geral, conhecimento que o equipamento é desatualizado, mas não existe de fato um levantamento discriminando a quantidade de equipamentos necessários a execução das atividades, tampouco demonstrou que ações são planejadas para suprir essas necessidades. A SMSA apresentou Relatório das Demandas de Tecnologia da Informação, elaborado pelo Chefe do Núcleo de Inclusão Digital. Em resposta ao questionário eletrônico 60% dos Secretários Municipais ou Coordenadores da AB afirmaram que não possuem o diagnóstico de TI necessário para o monitoramento e avaliação da AB, entretanto em análise documental verifica-se que 100% dos municípios não possuem esse diagnóstico de TI. 30

31 Nas inspeções in loco, realizadas no período de 29/9 a 3/10/2014, verificou-se que os problemas de TI enfrentados pelas administrações municipais são: instabilidade na rede elétrica, que causa defeitos nos equipamentos elétricos; deficiência na velocidade da internet; ausência de pontos de internet disponíveis para o município; equipamentos obsoletos; quantidade insuficiente de equipamentos, falta de pessoal para manutenção dos equipamentos. Todavia, as administrações municipais não possuem um planejamento para suprir essas necessidades, apesar de 50% dos gestores municipais afirmarem que possuem ações planejadas para mitigar a situação O que pode ser feito para melhorar o desempenho do Sistema de Monitoramento e Avaliação da Atenção Básica no Estado e nos Municípios Com o objetivo de contribuir para a melhoria do desempenho da Atenção Básica, o TCERR, dentre outras, fez as seguintes recomendações: 1 À SESAU: a) Promover ações e capacitações para fortalecer a cultura de monitoramento e avaliação para os municípios e no âmbito da própria SESAU; b) Dotar a SESAU com pessoal capacitado e suficiente, com base em critérios previamente definidos, para o desenvolvimento das ações de monitoramento e avaliação da AB; c) Adequar a estrutura organizacional da secretaria, contemplando a atividades de monitoramento e avaliação da AB.; d) Aprimorar os mecanismos de levantamento de dados para compor os indicadores, incluindo sistemática para verificar a confiabilidade dos dados; 31

32 e) Implantar e utilizar portfólio de indicadores de processos de trabalho para o aprimoramento da gestão da AB; f) Apoiar tecnicamente os municípios para o uso de metodologia de indicadores voltados ao monitoramento e avaliação da AB; g) Elaborar um diagnóstico da estrutura de TI e adequar estrutura para que reflita as necessidades demandadas à realização de monitoramento e avaliação da AB, inclusive pessoal necessário para atividade; h) Articular com o MS e as administrações municipais, por intermédio da CIT, a melhoria da infraestrutura para fornecimento de energia elétrica e melhoria na qualidade da internet. 2 À SMSA e aos demais 14 municípios de Roraima: a) Adequar a estrutura organizacional das secretarias, contemplando a atividades de monitoramento e avaliação da AB; b) Aprimorar os mecanismos de levantamento de dados para compor os indicadores, incluindo sistemática para verificar a confiabilidade dos dados; c) Implantar e utilizar portfólio de indicadores de processos de trabalho para o aprimoramento da gestão da AB; d) Promover a divulgação dos resultados gerados no processo de monitoramento e avaliação da AB; e) Elaborar um diagnóstico da estrutura de TI e adequar a estrutura para que reflita as necessidades demandadas à realização de monitoramento e avaliação da AB, inclusive pessoal necessário para atividade. 32

33 6.19 Insuficiência das condições de infraestrutura das UBS visitadas nos municípios de Roraima, para operacionalizar as ações de saúde da Atenção Básica. Para análise da infraestrutura foram visitadas 38 (trinta e oito) UBS, nas quais foram verificados os seguintes itens: dependências/ambientes das UBS; equipamentos disponíveis; insumos/materiais disponíveis para o trabalho e, características gerais das UBS, quanto à acessibilidade e conforto. Constatou-se a ausência de ambientes necessários ao bom funcionamento das UBS, a exemplo de local para esterilização de material, consultório com sanitário, sanitário para deficientes ou adaptado, abrigo de resíduos sólidos (expurgo), local para reuniões, depósito de lixo, almoxarifado e sala de nebulização. Quanto aos equipamentos, verificou-se que há carência dos seguintes: balança antropométrica infantil, refrigerador para vacinas, nebulizador/aparelho de aerossol, otoscópio, instrumentos cirúrgicos, esfigmomanômetro infantil, negatoscópio e estufa. 33

34 Relativamente ao item materiais e insumos disponíveis nas UBS foi verificado que não há carência significativa, pois somente o fio de sutura é o item que mais falta, pois verificou-se a ausência desse item em 16 das 38 UBS visitadas. Com relação às características observadas nas UBS, de uma maneira geral, foi verificado que os itens de maior carência são os seguintes: barras de apoio, corrimão, piso antiderrapante, rampas de acesso e bebedouros O que pode ser feito para melhorar as condições de infraestrutura das UBS para operacionalização das ações de saúde da Atenção Básica. Com o objetivo de contribuir para a melhoria do desempenho da Atenção Básica, o TCERR, fez as seguintes recomendações as Administrações Municipais: a) Difundir o conhecimento das orientações contidas na PNAB entre os gestores; b) Avaliar as condições do mobiliário e dos equipamentos existentes nas UBS para ver a possibilidade de substituição e de manutenção; c) Fazer levantamento dos materiais e insumos utilizados nas UBS, de modo que não se adquira materiais e insumos que não serão usados e/ou se deixe de adquirir materiais e insumos essenciais. 34

35 7 - Benefícios da implementação das recomendações do TCERR Com a implementação dessas recomendações, espera-se obter uma melhor qualidade na prestação de serviços da atenção básica oferecidos pelas Unidades Básicas de Saúde e, em especial, que proporcione: Maior resolutividade dos problemas; Acesso fácil e tempestivo; Atendimento humanizado aos usuários; e Estrutura física adequada. Com isso a atenção básica cumprirá a finalidade para a qual foi instituída, ou seja, em nível preventivo e com menor custo, constituindo-se, pois, como a principal porta de entrada do SUS e o centro de comunicação da Rede de Atenção à Saúde, evitando a busca por atendimento hospitalar de pacientes que poderiam ter seus problemas de saúde resolvidos na atenção primária. E, por fim, que sirva como referencial para o planejamento e execução de políticas públicas para a atenção básica no âmbito dos municípios e do estado de Roraima. 35

36 36

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIONALIZAÇÃO NAS DIFERENTES REDES DE ATENÇÃO: COAP E REGIONALIZAÇÃO FERNANDO RITTER SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONTRATO ORGANIZATIVO DA AÇÃO

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF Perguntas mais frequentes 1. O QUE É O NASF? 2. QUAIS PROFISSIONAIS PODEM COMPOR UM NASF? 3. COMO É DEFINIDA A COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES NASF NOS MUNICÍPIOS? 4. COMO

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007 substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004 e Proposta de Alteração Pesquisa de Avaliação

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa /SGEP Ministério

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

Auditoria Operacional. A experiência do TCE-BA

Auditoria Operacional. A experiência do TCE-BA Auditoria Operacional A experiência do TCE-BA O que é a Auditoria Operacional? É o exame independente e objetivo da economicidade, eficiência, eficácia e efetividade de organizações, programas e atividades

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP O Brasil é o único país......com + de 100 milhões de hab. com o desafio de ter um sistema

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 Institui, no Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, o Componente de Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde.

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde. O SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA EM SANTA CATARINA Fevereiro/2013 SUS S O SUS é um SISTEMA, um conjunto de unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Auditoria e Monitoramento dos Sistemas de Informação do SUS 1- O que é Auditoria 2- Objetivos e formas 3- Base Legal O que é Auditoria É a denominação

Leia mais

Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Gestão Participativa, SUStentabilidade e inovação. Brasília, 14 de abril de 2015

Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Gestão Participativa, SUStentabilidade e inovação. Brasília, 14 de abril de 2015 Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Gestão Participativa, SUStentabilidade e inovação Brasília, 14 de abril de 2015 Saúde Direito de todos e dever do Estado Art. 6º São direitos sociais a

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html Página 1 de 17 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Gabinete do Ministro Comissão Intergestores

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Áquilas Mendes Professor Doutor Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP-USP e do Departamento de Economia da PUC-SP ABRES Encontro Alocação de Recursos e

Leia mais

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE PORTARIA No- 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011 Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce

Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce Leo Felyppe Ferreira Sappi 1, Simary Barreira Cunha Ribeiro 2, Maria do Socorro Lopes Dantas 3 e Maria

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira A Importância do Planejamento na construção do SUS Carmen Teixeira A importância do planejamento O planejamento está voltando à moda, depois de mais de uma década de predomínio do ideologismo neoliberal

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência.

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência. ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO Nara FUKUYA 1 ; Ana Elisa Bauer Camargo SILVA 2 1,2 Universidade Federal de Goiás, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Núcleo de Estudo

Leia mais

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS DESAFIO DESAFIO Extensão: 8.547.403,5 Km² (dimensão continental) População: 190.732.694

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão

NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão Decreto 7508: organização do SUS; planejamento, assistência e articulação interfederativa 11 NOB 93: Descentralização NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão 93 96 02 06 NOB 96: odelo de gestão

Leia mais

I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação assistencial e auditoria do SUS

I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação assistencial e auditoria do SUS Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Auditoria do SUS I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação

Leia mais

NOTA TÉCNICA 07 /2014

NOTA TÉCNICA 07 /2014 NOTA TÉCNICA 07 /2014 Institui o incentivo financeiro de custeio destinado aos núcleos de Telessaúde do Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, Componente de Informatização e Telessaúde

Leia mais

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE EDUARDO FAVERO ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Auditoria

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

Lei 141/2012 - Comentários

Lei 141/2012 - Comentários Lei 141/2012 - Comentários Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP/USP e do Departamento de Economia da PUC-SP agosto/2012 BREVE CONTEXTO DA LEI 141/2012 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio.

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio. Resumo de Auditoria 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro Inspeção Ordinária nº 565/2014 Objetivo: Avaliação da adequação da contratação de serviços de saúde pela municipalidade ao modelo proposto

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Relatório de Demandas Externas n 00220000037-2008-17 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE:

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: INSTRUMENTO DE CONTROLE E AVALIAÇÃO DOS CONTRATOS DE GESTÃO XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 06/03/2012 Secretaria de Saúde

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL.

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. Araújo Leônidas, Florentino Júnio; Iturri de La Mata, José Antonio; Queiroga de

Leia mais