PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE"

Transcrição

1 PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE Paulo Fernando Machado Professor Titular em Bovinocultura de Leite Clínica do Leite Departamento de Zootecnia ESALQ-USP O Programa Nacional de Melhoria da Qualidade do Leite PNQL foi implementado em 2000 com o objetivo de melhorar a qualidade do leite produzido no Brasil. Para o sucesso do programa foram planejadas ações em quatro áreas: a primeira se referia a criação e aparelhamento de uma rede de laboratórios (RBQL) que viesse a analisar pelo menos uma amostra de leite de cada propriedade produtora de leite quanto aos parâmetros internacionais de avaliação da qualidade do leite (gordura, proteína, sólidos não gordurosos, crioscopia, contagem de células somáticas (CCS), contagem bacteriana total (CBT) e contaminantes), a segunda, a criação de normas e padrões de identidade do leite, de acordo com padrões internacionais, a serem atingidos em data definida (Instrução Normativa - 51 de 20 de setembro de 2002), a terceira, a implantação de infraestrutura procurando viabilizar os meios necessários ao atingimento das metas propostas como estradas, energia elétrica, equipamentos de frio, etc., e a quarta e última, a participação da indústria através da coleta de amostras diretamente dos tanques das fazendas, o treinamento dos produtores na obtenção de leite de melhor qualidade e o estabelecimento de incentivos ou penalizações para tanto. A RBQL, a IN-51, a coleta de amostras e a verificação por parte do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento MAPA quanto às não conformidades aos padrões definidos estão sendo executadas. Estas ações farão com que haja melhoria substancial no leite brasileiro se acontecer aqui o que aconteceu em outros países. Um exemplo é a experiência canadense (Sargeant, et al. 1998). Naquele país, em agosto de 1989, foi implantado um plano de cinco anos de redução do limite legal de células somáticas, de 800 mil células por ml para 500 mil por ml, com estágios anuais de redução de 50 mil células por ml. O gráfico 1 mostra a evolução do processo. Houve no primeiro ano uma redução de 16 mil céls/ml, no segundo de 36 mil céls/ml e no terceiro de 36 mil céls/ml. No quarto ano houve um aumento de 22 mil céls/ml atribuído à um efeito não mais punitivo do programa. No programa era previsto que houvesse uma punição de $1,00 dólar canadense por hl de leite pela primeira infração (resultado superior ao limite). Para cada infração posterior à primeira, dentro de 1 ano, a penalidade aumentaria $1,00/hL até o máximo de $5,00/hL. Seis penalidades num prazo de 1 ano determinariam a perda da licença de produzir leite. Como a partir do quarto ano os produtores já estavam enquadrados nos limites do programa, não mais se sentiam motivados a continuar reduzindo a sua contagem de células, resultando num aumento como o que foi observado. 1

2 Gráfico 1. Evolução da contagem de células somáticas a partir da implantação do Programa de Melhoria da Qualidade do leite no Canadá (Sargeant, et al. 1998). No Brasil devemos esperar comportamento semelhante. Os profissionais do MAPA começaram a atuar na fiscalização das indústrias com relação à IN-51, com mais intensidade, em 2008 e, portanto, devemos observar redução na CCS e na CBT a partir deste ano. Até o momento, apesar da publicação da IN- 51 em 2002, não se observou nenhum efeito sobre a qualidade do leite (tabela 1). O que foi observado foi um aumento expressivo no número de análises, como pode ser observado no gráfico 2. 2

3 Gráfico 2. Evolução do número de análises realizadas na Clínica do Leite Tabela 1. Evolução da composição do leite analisado na Clínica do Leite Parâmetro Periodo No. Amostras Média Mediana Média Geométrica Desvio Padrão Gordura (%) ,56 3,53 0, ,58 3,55 0, ,56 3,52 0,61 Proteina (%) ,19 3,19 0, ,19 3,18 0, ,18 3,17 0,17 ESD (%) ,59 8,6 0, ,56 8,58 0, ,61 8,6 0,37 CCS (mil cel/ml) CBT (mil ufc/ml) Como a IN-51 prevê limites de CCS de 400 mil céls/ml e de CBT de 100 mil ufc/ml (que são semelhantes aos europeus) a partir de 2011, somente com as ações do MAPA já teremos uma melhoria substancial na qualidade do leite brasileiro. Considerando-se a variabilidade normal dos dados, para que um produtor tenha 90% de certeza de não ultrapassar os limites da IN-51 previstos para 2011, sua média de CCS deverá ser ao redor de 250 mil céls/ml e de CBT de 60 mil ufc/ml, valores bem inferiores às 500 mil céls/ml para CCS e de 600 mil ufc/ml observados atualmente (tabela 1). 3

4 Se os valores previstos no parágrafo anterior acontecerem, apesar da melhoria na qualidade do leite brasileiro, ainda estaremos longe da qualidade média do leite europeu que possui menos de 25 mil ufc/ml ou do canadense que possui menos de 15 mil ufc/ml. Isto sem dúvida reduz substancialmente nosso diferencial competitivo e é um entrave às nossas exportações. Por outro lado, para que a cadeia se torne cada vez mais competitiva, é preciso que a indústria tenha mais eficiência na manufatura dos seus derivados, que os produtos tenham mais tempo na prateleira e que os consumidores se sintam mais satisfeitos com os produtos do leite para que prefiram adquirí-los em detrimento dos produtos concorrentes. Isto tudo será possível através de melhorias adicionais na matéria prima que chega à indústria (leite crú). No caso de leite fluído (pasteurizado ou UHT) as células somáticas e as bactérias contaminantes (mesófilos e psicrófilos) tem grande influência sobre as características organolépticas e sobre o tempo de prateleira. É possível aumentar de 7 dias para 90 dias o tempo de prateleira do leite pasteurizado (desde que refrigerado abaixo de 7 o C) se a matéria prima tiver menos de 25 mil ufc/ml e menos de 100 mil céls/ml (Barbano et al. 2006). Isto representaria uma revolução para a cadeia do leite. No caso de derivados, além da redução de células somáticas e de bactérias que também interferem nas características organolépticas, no tempo de prateleira e no rendimento dos derivados, o aumento na concentração de gordura e de proteína verdadeira no leite representaria outra grande revolução para a cadeia pois haveria redução nos custos de transporte da matéria prima e aumento na eficiência industrial. Como reduzir células somáticas e bactérias além dos padrões da IN-51, e aumentar os níveis de gordura, proteínas e outros sólidos no leite? A resposta é: através do pagamento do leite em função de sua qualidade! No Brasil já existem empresas efetuando o pagamento em função da qualidade. Em levantamento feito pelo Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite CBQL em 2005, das 15 maiores empresas processadoras de leite, 12 diziam que pagavam por qualidade. Os critérios utilizados eram bastante variáveis. Cem porcento pagavam em função do volume, 42% em função dos sólidos, 17 % em função de CBT. O montante pago a mais chegava a mais de 10% para 42% das empresas, de 5,1% a 10% para 17% das empresas e menos de 5% para 17% das empresas. A Dairy Partners of America DPA, maior empresa compradora de leite fluído no Brasil adota os seguintes critérios: paga-se um preço base e um adicional por volume, mercado, distância, teor de proteína, teor de gordura e concentração de células somáticas e de bactérias. No caso de proteína, leite com teor acima de 3,0% é bonificado e abaixo de 2,9% é penalizado; para gordura, acima de 3,25% é bonificado e abaixo de 3,05% é penalizado; para CCS, acima de 500 mil céls/ml é penalizado e abaixo de 400 mil céls/ml é bonificado; e, para CBT, acima de 450 mil ufc/ml é penalizado e abaixo de 150 4

5 mil ufc/ml é bonificado. A bonificação para um leite com 3,6% de gordura, 3,2% de proteína bruta, 250 mil céls/ml e 70 mil ufc/ml seria equivalente a R$0,03/L. Não se dispõe de dados publicados pela empresa quanto ao sucesso deste programa. Com certeza o impacto está sendo grande conhecendo-se a excelência das operações da Nestlé. Este seria o programa de pagamento ideal a ser utilizado em nosso país? Para responder à esta questão seria interessante avaliarmos o que é feito em outros países. Nos EUA, a partir de janeiro de 2000 foi implantado o sistema de precificação por múltiplos componentes (Kenneth, 2000). O produtor recebe pela quantidade de gordura, proteína e outros sólidos. Dependendo da quantidade de células somáticas é feito um ajuste para cima ou para baixo no valor a ser recebido(equivalente a 0,0005 multiplicado pela diferença entre o observado e um padrão que hoje é de 350 mil céls/ml, arredondado até a segunda casa decimal). Existem outros ajustes que dependem da região do produtor e do preço médio do leite de classe III (cujo destino é queijo) chamado de PCP (Producer Price Diferential) e de alguns descontos como o de transporte, marketing, etc. O produtor consegue manipular somente a concentração dos componentes e a contagem de células somáticas. Estes fatores, no entanto, tem grande impacto no preço final. No gráfico 3 observa-se a distribuição das fazendas em função do preço do leite pago em 2000 na região nordeste dos EUA. Observa-se que existem fazendas recebendo até 14 US$ por 100 libras enquanto que outras recebem 9 US$ por 100 libras. Gráfico 3. Histograma do número de fazendas em função do valor pago (US$/100 libras) pelo leite na região nordeste dos EUA (Kenneth, 2000). A análise da literatura mundial mostra que existe uma tendência de se pagar em função da concentração de sólidos. A razão básica desta tendência está no fato de que mais de 60% do leite adquirido é destinado para fins outros que não o fluído (FAD Dairy Outlook Owner, 2003). 5

6 Uma proposta de pagamento do leite no Brasil No Brasil 64,4% do leite é utilizado na forma fluída, o restante é utilizado para a produção de derivados que dependem inteiramente dos sólidos da matéria prima (CBCL/CNA/IBGE, 2002). Assim, o pagamento em função da quantidade de sólidos seria, também, totalmente viável. Os valores de gordura, proteína e demais sólidos seriam calculados mensalmente, em cada indústria, dependendo de seu portfólio de produtos, do rendimento industrial e do custo de manufatura, marketing, margem de lucro e valor da venda dos derivados. Com isso a indústria saberia exatamente o valor dos sólidos presentes no leite de seu fornecedor. Se o valor calculado fosse inferior ao do mercado, a indústria pagaria o valor de mercado e procuraria reduzir seus custos. Se o inverso ocorresse, ela poderia pagar mais do que o mercado e teria uma vantagem estratégica. Para fins ilustrativos, atualmente (julho 2008), nos EUA, na região nordeste, o preço da gordura do leite está em R$ 2,3668, o de proteína verdadeira R$ 6,4890 e o dos demais sólidos em R$ 0,1138 (http://www.fmmaclev.com/). Quanto aos componentes indesejáveis (CCS e CBT), seriam implementadas penalizações (as pessoas possuem aversão às perdas tendência forte de preferir evitar perdas do que adquirir ganhos - Rabin, 1998) e nenhuma bonificação. Assim, os níveis de CCS e CBT, a partir de certo patamar seriam utilizados para penalizar o preço. Este patamar deveria ser tal que 20% a 25% dos melhores produtores daquela indústria se encontrariam. Os dados anuais das indústrias para CCS e CBT deveriam ser analisados e divididos em duas épocas (época de chuvas e de seca no caso da região sudeste). Em cada uma desta épocas os dados seriam agrupados em quartis; o primeiro quartil conteria os produtores padrão para CCS e CBT. Os demais quartis (segundo, terceiro e quarto) conteriam os limites superiores e inferiores para estas variáveis. O valor de desconto deveria ser, para o quarto quartil, equivalente a 10% do valor que o produtor receberia pelos sólidos, tanto para CCS como para CBT. Assim, um produtor que estivesse classificado no quarto quartil para CCS e também para CBT receberia 20% a menos do que poderia receber. Este tipo de precificação seria caracterizado pela transparência (o produtor saberia exatamente o que fazer para melhorar sua rentabilidade e passaria a participar financeiramente da cadeia como um todo), por sua imparcialidade (seria justo tanto para a indústria como para o produtor, pagando mais para quem merece e fazendo com que o produtor participasse do mercado consumidor com suas vantagens e desvantagens), e por melhoria consistente da qualidade (o produtor estaria constantemente sendo impelido a melhorar a qualidade do leite, focando em quantidade de sólidos e redução de CCS e CBT). Desta maneira estar-se-ia atendendo o objetivo do programa que seria garantir que o preço recebido pelo produtor refletisse a quantidade e a qualidade da matéria prima e o valor dos produtos derivados da mesma. 6

7 Bibliografia Barbano, D.M et al Influence of raw milk quality on fluid milk shelf life. J. Dairy. Sci., 89:E15-E19. Brasil Instrução Normativa N o 51, de 18 de dezembro de Publicado no Diário Oficial da União de 20/09/2002, Seção 1, Página 13. CBCL/CNA/IBGE, In: FAD Dairy Outlook Owner, In: Kenneth Bailey, Milk Components and Quality: New Methods for paying Pennsylvania Dairy Farmers. The Pennsylvania State University. In: Rabin, M Psychology and economics. J. Econ. Lit. 36:11-46 Sargeant, J. M. Et al Ontario Bulk Milk Somatic Cell Count Reduction Program: Progress and Outlook. J. Dairy Sci. 81:

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2 Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE - PNQL HISTÓRICO: Surgiu em 1996 na EMBRAPA Gado

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados. Monica Cardoso

Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados. Monica Cardoso Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados Monica Cardoso PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS DE LÁCTEOS SOBRE PROGRAMAS DE PAGAMENTO POR QUALIDADE DO LEITE

Leia mais

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Agenda 1. Situação atual da qualidade do leite 2. Conceitos

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa. A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011 Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.br 32 3311-7537 Conteúdo 1. Breve histórico sobre o tema Qualidade do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

AMOSTRAGEM DE LEITE PARA PAGAMENTO POR QUALIDADE

AMOSTRAGEM DE LEITE PARA PAGAMENTO POR QUALIDADE 1 AMOSTRAGEM DE LEITE PARA PAGAMENTO POR QUALIDADE Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2, Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo, Gerente de Operações da Clínica do Leite ESALQ/USP

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE

LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE A EXPERIÊNCIA DO POOL LEITE ABC Arnaldo Bandeira Mestrado em Produção Animal - UFSM Mestrado em Administração de Empresas - ESADE Pós Graduação em Agribusiness - FAE MBA

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO LEITE CRU REFRIGERADO PRODUZIDO NO MUNICÍPIO DE SAPOPEMA/PR MICROBIOLOGICAL QUALITY AND PHYSICAL CHEMISTRY OF RAW REFRIGERATED MILK PRODUCED IN THE CITY SAPOPEMA/PR

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

Pool Leite. SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop.

Pool Leite. SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop. Pool Leite SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop.br Palestrante Granja Primavera, Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Tipificação de Carcaças André démendes Jorge Zootecnista

Leia mais

Programa Leite das Crianças

Programa Leite das Crianças Programa Leite das Crianças COMISSÃO ESTADUAL DA QUALIDADE DO LEITE CEQL Curitiba 2014 Decreto nº 5659 de 20.08.2012 Dispõe sobre o Programa Leite das Crianças contempla no Art.9º a instituição da Comissão

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul César Augustus Winck 1, Valdecir José Zonin 2, Luciana Maria Scarton 3,

Leia mais

Material e Métodos Perspectivas e avanços da qualidade do leite no Brasil

Material e Métodos Perspectivas e avanços da qualidade do leite no Brasil 1 SITUAÇÃO ATUAL DA QUALIDADE DO LEITE EM SANTA CATARINA Laboratório Estadual Da Qualidade do Leite De Santa Catarina Companhia Integrada De Desenvolvimento Agrícola De Santa Catarina CIDASC/ Universidade

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

Pesquisa de Remuneração

Pesquisa de Remuneração Pesquisa de Remuneração Por OD&M BÓSNIA BRASIL BULGÁRIA CROÁCIA ITÁLIA LITUÂNIA MACEDÔNIA MONTENEGRO SÉRVIA ESLOVÊNIA www.odmconsulting.com.br 02 GI GROUP APRESENTA OD&M CONSULTING NOVAS SOLUÇÕES A MESMA

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Clara Costa Zica Gontijo¹; Brenda Veridiane Dias¹; Silvana Lúcia dos Santos Medeiros² ¹Estudante de Zootecnia.

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Coleção SENAR 133. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51

Coleção SENAR 133. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51 Coleção SENAR 133 Leite Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL Presidente do Conselho Deliberativo Senadora Kátia Abreu Entidades Integrantes do Conselho

Leia mais

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 Coleção SENAR 133 Leite Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 TRABALHADOR NA bovinocultura de leite COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 2005, SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

LEITE: Ameaças e Oportunidades

LEITE: Ameaças e Oportunidades Campo Grande-MS, 14 de maio de 2012. LEITE: Ameaças e Oportunidades Rodrigo Sant Anna Alvim Presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA 1 AGENDA: 1. MERCADO LÁCTEO; 2. AMEAÇAS AO SETOR

Leia mais

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Data da divulgação do estudo 17/09/2015 CONTEXTO A consultoria Oxford Economics,

Leia mais

Coleta de amostras confiáveis e representativas

Coleta de amostras confiáveis e representativas CLINICA DO LEITE DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coleta de amostras confiáveis e representativas Laerte Dagher Cassoli Setembro/2010 Florianópolis-

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará ADECE Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará FAEC. Projeto Qualidade do Leite

Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará ADECE Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará FAEC. Projeto Qualidade do Leite Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará ADECE Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará FAEC Projeto Qualidade do Leite 2013 EQUIPE TÉCNICA DE ELABORAÇÃO: Francisco Zuza de Oliveira

Leia mais

Tranquilidade e segurança para você e sua família.

Tranquilidade e segurança para você e sua família. Material de uso exclusivo do Bradesco. Produzido pelo Departamento de Marketing em fevereiro/2009. Reprodução proibida. Não jogue este impresso em via pública. Bradesco PGBL Proteção Familiar Para informações

Leia mais

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados.

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados. Comercialização de Produtos Agroindustriais -Professora: Graci Acadrolli Tozzo -Formação: Engª Agrônoma -Especialização: Qualidade Total na Agricultura Empresarial -Mestrado : Tecnologia em Produção de

Leia mais

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS Elaborado por:

Leia mais

Caso de Sucesso. Campanhas Personalizadas de Precisão: Como garantir receita incremental melhorando a Experiência do Cliente. Cliente Apresentado:

Caso de Sucesso. Campanhas Personalizadas de Precisão: Como garantir receita incremental melhorando a Experiência do Cliente. Cliente Apresentado: Caso de Sucesso Campanhas Personalizadas de Precisão: Como garantir receita incremental melhorando a Experiência do Cliente Cliente Apresentado: COOP - Cooperativa de Consumo Quem são os clientes da COOP?

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Venho perante V.Sa. fazer os seguintes esclarecimentos relacionados ao contrato de Nafta firmado entre PETROBRAS e BRASKEM.

Venho perante V.Sa. fazer os seguintes esclarecimentos relacionados ao contrato de Nafta firmado entre PETROBRAS e BRASKEM. São Paulo, 29 de julho de 2015. Ilmo. Sr. Dr. Eduardo Mauat da Silva DD. Delegado da Polícia Federal DPF/PR Senhor delegado Venho perante V.Sa. fazer os seguintes esclarecimentos relacionados ao contrato

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS CONTROLE DE QUALIDADE EM EMBUTIDOS CÁRNEOS Prof. Nelcindo N.Terra Depto. de Tecnologia e Ciência dos Alimentos Centro de Ciências Rurais Universidade Federal de Santa Maria nelcindo@terra.com.br DIFERENCIAL

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO. MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Exemplos Trabalhos. Prof. Allan A. Pires. supp@fesesp.org.br. Abril / 11

PÓS-GRADUAÇÃO. MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Exemplos Trabalhos. Prof. Allan A. Pires. supp@fesesp.org.br. Abril / 11 PÓS-GRADUAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Negócios Exemplos Trabalhos Prof. Allan A. Pires supp@fesesp.org.br Abril / 11 BENCHMARKING 3 Definição de Benchmarking É um processo continuo de comparação

Leia mais

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial AGRODISTRIBUIDOR: O Futuro da Distribuição de Insumos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2011. Org: Matheus Alberto Cônsoli, Lucas Sciencia

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG

ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG E. A. S. Mendes 1, C. V. Pires 2, A. M. da Silva 3, L. S. Silva 4. 1- Universidade Federal

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

A Estatística e o Mercado de Seguros

A Estatística e o Mercado de Seguros A Estatística e o Mercado de Seguros Semana de Estatística (SEMANEST) Vitor A. Ozaki Curitiba - 2007 Outline Apresentação Pessoal / Profissional Formação Acadêmica Histórico Profissional Carreira Profissional

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

FCLCapital. Junho 2015. www.fclcapital.com

FCLCapital. Junho 2015. www.fclcapital.com Junho 2015 www.fclcapital.com FCL Equities FIA Filosofia de Investimentos - Pág. 4 Estratégia Long-Biased - Pág. 5 Processo de Investimentos - Pág. 6 Gestão de Riscos - Pág. 10 1 Plano de Crescimento Plano

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA VII SEMINÁRIO TÉCNICO DA FMT 15/06/2007 Dr. Airton Spies spies@epagri epagri.sc..sc.gov.br Nova Zelândia e Austrália: Lições de eficiência Estamos no

Leia mais

gestão da qualidade no agronegócio do leite Prof. Dr. Luís Fernando Soares Zuin

gestão da qualidade no agronegócio do leite Prof. Dr. Luís Fernando Soares Zuin gestão da qualidade no agronegócio do leite Prof. Dr. Luís Fernando Soares Zuin hoje e futuro o produto que possui qualidade está no mercado, se não possui, não está no mercado! introdução padrões de qualidade

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Na PepsiCo, Performance com Propósito significa gerar crescimento sustentável através do investimento em

Leia mais

Klaus Schneider Gebhardt. Orientador: Prof. Dr. CLÁUDIO GONÇALO

Klaus Schneider Gebhardt. Orientador: Prof. Dr. CLÁUDIO GONÇALO Klaus Schneider Gebhardt Orientador: Prof. Dr. CLÁUDIO GONÇALO 1. INTRODUÇÃO!"#!$!%%%&'" (# )%%&'"" #*"%+ #!!,"!%-. /%"0"%"12!" %"!'" #,!,!'3". QUESTÃO DE PESQUISA Analisando a Indústria de Móveis do Brasil,

Leia mais

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Slide 1 INVESTIMENTO SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Iniciar O objetivo da apresentação é demonstrar que o investimento em PCH s é uma oportunidade muito interessante de negócio. A primeira

Leia mais

CNH CASE NEW HOLLAND. Compartilhando experiências em busca de novos conhecimentos. Daniel Fernando Maas Controller Desenvolvimento de Produtos

CNH CASE NEW HOLLAND. Compartilhando experiências em busca de novos conhecimentos. Daniel Fernando Maas Controller Desenvolvimento de Produtos CNH CASE NEW HOLLAND Compartilhando experiências em busca de novos conhecimentos Daniel Fernando Maas Controller Desenvolvimento de Produtos Agenda Visão Geral da Empresa CNH Processo para Inovação na

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 MISSÃO Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Este documento representa a contribuição da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP), através

Leia mais

AGOSTO DEVE SER MARCADO POR QUEDA ANUAL DE 33% EM NOVA YORK

AGOSTO DEVE SER MARCADO POR QUEDA ANUAL DE 33% EM NOVA YORK Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 31/agosto/2015 n. 590 AGOSTO DEVE SER MARCADO POR QUEDA ANUAL DE 33% EM NOVA YORK A finalização do mês de agosto traz consigo mais um registro de forte

Leia mais

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira Governança Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira 1 Definição de Governança Governança Corporativa: É a Estrutura que identifica os objetivos de uma organização e de que forma pode-se

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Sistemas para Gestão e Inovação

Sistemas para Gestão e Inovação Sistemas para Gestão e Inovação empresa A ACCION é uma empresa de software, inovação, relacionamento e suporte à gestão. O nome ACCION, tem origem na vocação de nossa empresa: AÇÃO! Nos segmentos que atuamos,

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais