A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas"

Transcrição

1 A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

2 Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente denominada como Psicologia Industrial, estuda os fenómenos psicológicos presentes nas organizações. Mais especificamente, actua sobre os problemas organizacionais ligados à gestão de recursos humanos (ou gestão de pessoas). A psicologia está muito ligada a empresas actualmente, seja ela no bem-estar de cada um dos colaboradores, até mesmo nas emoções geradas num ambiente de trabalho. Tradicionalmente, as principais áreas da psicologia organizacional são: recrutamento, selecção de pessoal, treinamento, diagnóstico organizacional.

3 CLIMA ORGANIZACIONAL O conceito de clima aplicado á organização da Câmara Municipal de Rio Maior sugere um complexo multidimensional de elementos, os quais exercem considerável influência no modo como os indivíduos se comportam na situação de trabalho. Um bom clima de trabalho sugere motivação, comportamento regular e uma maior produtividade.

4 CULTURA ORGANIZACIONAL A Câmara Municipal assume uma Cultura Organizacional que tem como base o conceito essencial á compreensão das estruturas organizativas. Segundo Gil (1991), a cultura permite relacionar e aplicar variadas noções que até há muito pouco tempo eram consideradas factores passivos: - os valores - a qualidade de vida no local de trabalho - a identidade

5 Que tipo de liderança tem a Autarquia de Rio Maior? Esta Autarquia insere-se sobretudo numa liderança democrática, na qual existe: Liberdade e profundidade de comunicação entre os membros do grupo; O líder tem uma atitude de apoio; A produtividade é satisfatória.

6 Que tipo de rede de comunicação tem a Autarquia de Rio Maior? A Câmara Municipal de Rio Maior apresenta uma rede de comunicação descentralizada, a qual se caracteriza: Pela inexistência de uma posição privilegiada, tendo todos uma posição equivalente na comunicação; Pelo facto de qualquer pessoa poder comunicar com os outros; Pela possibilidade de existência de feed-backs.

7 Câmara Municipal de Rio Maior O organograma representado a seguir mostra como a câmara Municipal de Rio Maior está distribuída e organizada.

8 A câmara Municipal é organizada da seguinte forma: - Presidência - Gabinetes - Departamentos - Sectores - Divisões - Secções

9

10 Objectivos - Melhoria da qualidade da prestação de serviços às populações de forma a assegurar a defesa dos seus legítimos direitos e a satisfação das suas necessidades face à autarquia; - Utilização eficaz e económica dos recursos municipais; - A desburocratização, modernização e inovação dos serviços técnicoadministrativos -Responsabilização, motivação, dignificação e valorização profissional dos seus funcionários; -Promover o progresso económico, social e cultural do concelho; -Contribuir para o aumento do prestígio e dignificação da administração local. A câmara Municipal é uma organização que se preocupa em controlar e avaliar a forma do seu desempenho, adequando e aperfeiçoando as suas estruturas e métodos de trabalho.

11 Princípios de Actuação No desempenho das suas atribuições, os serviços municipais actuam permanentemente subordinados aos: - Princípios de planeamento; - Coordenação; - Desconcentração e descentralização; - Delegação de competências; - Modernização administrativa;

12 Principio do Planeamento A acção dos serviços municipais é permanentemente referenciada a um planeamento sectorial, definido pelos órgãos deliberativo e executivo municipais, em função de promover a melhoria de condições de vida das populações e desenvolvimento económico e social do concelho. Os serviços municipais colaboram com os órgãos municipais na formulação dos diferentes instrumentes de planeamento, programação e orçamentação, os quais uma vez aprovados são vinculativos, respeitados e seguidos na sua actuação. Constituem instrumentos de planeamento e acção municipais: -O plano estratégico de Rio Maior e o Plano Director Municipal; -Os Planos plurianuais e anuais de actividades; - Os orçamentos;

13 Principio da coordenação - As actividades dos serviços municipais que se referem à execução dos planos e programas de actividades; - A coordenação intersectorial é preocupação permanente, cabendo aos diferentes dirigentes e chefias promover a realização sistemática de reuniões de trabalho para intercâmbio de informações, consultas mútuas e discussão de propostas de acção concertada. - Reuniões de trabalho onde se discutem questões relativas à programação e execução de actividades. - Para efeitos de coordenação, os responsáveis pelos serviços dão conhecimento das consultas e entendimentos ao membro do órgão executivo a que se reportam. - Com a finalidade de obterem de soluções que se harmonizem com a política geral e sectorial

14 Princípios da descentralização e da desconcentração Os responsáveis pelos serviços, têm como objectivo a aproximação dos serviços municipais das populações respectivas, propondo ao membro do órgão executivo a que se reportam medidas conducentes a essa aproximação.

15 Princípios da delegação de competências Utilizada como instrumento de desburocratização, de racionalização e modernização administrativa, criando condições para rapidez e objectividade nas decisões: -Ao nível da direcção política -Os vereadores com responsabilidades na direcção política são responsabilizados, nas suas áreas delegadas, -Em cada serviço os respectivos responsáveis delegam a competência para a sua execução de casos de rotina. -A competência para as decisões dos casos de rotina são delegadas nos trabalhadores que estão próximos dos factos ou problemas a resolver, e das pessoas a atender. -Os actos de delegação de competências relativos aos responsáveis pelos serviços e de subdelegação destes em chefias e responsáveis intermédios são autorizados pelo presidente da Câmara, sob proposta do vereador a quem aqueles responsáveis se reportam. - Nos actos de delegação de competências é indicado por escrito o delegante, o delegado a autoridade delegada e as competências objecto de delegação.

16 Princípio da modernização administrativa As exigências e necessidades de desenvolvimento económico e social da sociedade moderna e as expectativas cada vez mais exigentes dos cidadãos, requerem: - Um modelo de organização dos serviços municipais flexível e dinâmico, orientado para os munícipes e capaz de dar resposta às necessidades de uma gestão municipal eficaz que se paute pela eficácia, eficiência e qualidade dos serviços prestados aos munícipes. - A Câmara Municipal, através da acção de superintendência promove a organização municipal ajustando-se às necessidades do concelho - Os responsáveis pelos serviços, ou os funcionários através destes, colaboram na organização e funcionamento dos serviços - Os princípios gerais de modernização administrativa, são complementados pela forma de circulares, ordens de serviço e manuais de procedimentos

17 Desempenho profissional A actividade dos funcionários dos serviços municipais sujeita-se aos seguintes princípios: -Dignificação e melhoria das suas condições de trabalho e produtividade; -Justa apreciação e igualdade de condições para todos os funcionários através de uma avaliação regular e periódica do mérito profissional; -Valorização profissional atenta à motivação de cada funcionário; - Melhoria da sua formação profissional; - Justa e digna apreciação para a promoção na carreira; -Responsabilização disciplinar nos termos do estatuto respectivo, sem prejuízo de qualquer outra no foro civil ou criminal; - Empenhamento na colaboração profissional a prestar aos órgãos municipais da CMRM, na modernização e melhoria do funcionamento dos serviços e da imagem destes perante o público em geral.

18 Câmara Municipal de Rio Maior Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Na área da informação e comunicação municipal: Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software Recolher, analisar e difundir toda a informação veiculada pelos órgãos de comunicação social e pelo Diário da República referentes ou de interesse para o concelho e para a acção municipal; Manter organizado o arquivo de documentação de notícias com interesse para o concelho; Proceder à recolha de propostas de inclusão no Boletim Municiapal, sujeitando-as à apreciação e decisão do executivo autárquico; Assegurar a correcta informação aos munícipes sobre a actividade municipal e de outra documentação informativa;

19 Assegurar a concepção e impressão do Boletim Municipal; Elaborar e editar comunicados, brochuras e outra documentação informativa destinada a manter a população informada sobre as actividades dos órgãos municipais e da autarquia; Assegurar a distribuição do Boletim Municipal e demais documentação informativa do município; Promover expoições de carácter informativo; Dar cobertura e apoiar, com recurso a meios fotográficos e audiovisuais e outros, as iniciativas organizadas pelo município e pelos seus serviços, e promover a sua divulgação; Promover e participar activamente no desenvolvimento de acções de promoção do município e de divulgação da sua imagem;

20 Coordenar a publicidade do município nos órgaãs de comunicação social; Coordenar a implantação de mobiliário urbano de publicidade e informação na área do município; Assegurar a aquisição de jornais, revistas e obras de interesse para a autarquia, de acordo com as orientações definidas pelos responsáveis; Assegurar a leitura, análise e recorte de imprensa nacional e regional e organizar o respectivo arquivo; Assegurar a organização e manutenção do arquivo de imagens; Assegurar a organização e manutenção de um ficheiro de entidades e individualidades para expedição da informação municipal e outra documntação da Câmara Municipal;

21 Manter organizados os arquivos da documentação editada ou recolhida, registando-a; Prestar apoio em material informativo aos outros serviços do município; Gerir, manter e actualizar os conteúdos informativos na página de Internet do município; Na área do protocolo e relações públicas: Apoiar a Câmara nas acções inerentes às relações protocolares do município e do seu presidente; Apoiar a Câmara na organização de visitas ao concelho, no âmbito da recepção de entidades individuais ou colectivas; Dar apoio às relações protocolares estabelecidas pelo município com outras entidades e assegurar o seu registo fotográfico e/ou em vídeo;

22 Assegurar a expedição de convites para actos, solenidades e manifestações de iniciativa municipal e coordenar a sua organização; Assegurar a organização de actos, solenidades e outras manifestações de iniciativa municipal; Estabelecer os contactos solicitados pelos eleitos municipais; Assegurar e apoiar a Câmara em matéria de relações públicas; Estabelecer ligação e intercâmbio informativo com os órgãos de comunicação social, nomeadamente para divulgação de comunicados, informações, iniciativas e outras matérias de interesse do município; Assegurar a convocação e realização de conferências de imprensa.

23 Bibliografia/ Webgrafia Documentos disponibilizados pela Câmara Municipal de Rio Maior Documentos disponibilizados pela docente

24 Trabalho realizado por: Emy Catarino nº 84 Liliana Casimiro nº Marina Plácido nº 96 Sónia Fetal nº 107 1ªANO ECM

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO Sendo hoje consensual que os fenómenos da pobreza e exclusão social são consequência de vários factores e que, tocam

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro e implementada ao abrigo do Programa

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007)

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) ( DR N.º 85, Série I 3 Maio 2007 3 Maio 2007 ) Emissor: Presidência do

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 5.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. Ministério das Obras Públicas

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- ALTERAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL DO PARLAMENTO NACIONAL O

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de S. João da Madeira Artigo 1º Definição O Conselho Municipal de Juventude é o órgão consultivo do município sobre matérias relacionadas com a política de

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP PROGRAMA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 3ª EDIÇÃO Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP Cristino Sanches Praia 12 a 26 de Abril 2011-1- OBJECTIVOS 1 Conhecer o quadro legislativo

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio a 30 de Junho de 2009: ( 11.790.198) Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa e Benfica 1500-313 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (157) A r t ig o 18 Reuniões do Colectivo de Direcção O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por semana e extraordinariamente quando convocado pelo Ar t ig o

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE MAPA DE PESSOAL 2011 - (de acordo com a Orgânica aprovada em 30.11.2010)

COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE MAPA DE PESSOAL 2011 - (de acordo com a Orgânica aprovada em 30.11.2010) MAPA DE PESSOAL 20 - (de acordo com a Orgânica aprovada em 30..200) Atribuições/ Competências/Actividades Unidade Orgânica/Centros de Competência ou de Produtos/Área de Actividades Secretário Executivo

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público Acordo colectivo de trabalho n.º 12/2011 Acordo

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

Rede Social do Concelho de Lamego Regulamento Interno do CLAS de Lamego

Rede Social do Concelho de Lamego Regulamento Interno do CLAS de Lamego REGULAMENTO INTERNO Conselho Local de Acção Social de Lamego (CLASL) Rede Social do Concelho de Lamego Preâmbulo As alterações inerentes à evolução da sociedade actual evidenciam problemas e necessidades

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito Artigo 1 (Denominação e natureza jurídica) O Arquivo Histórico de Moçambique,

Leia mais

PROPOSTA DE ORGANOGRAMA E QUADRO FUNCIONAL DAS UNIDADES ORGÂNICAS. 04.Julho.2008. Preparado por: (1)

PROPOSTA DE ORGANOGRAMA E QUADRO FUNCIONAL DAS UNIDADES ORGÂNICAS. 04.Julho.2008. Preparado por: (1) PROPOSTA DE ORGANOGRAMA E QUADRO FUNCIONAL DAS UNIDADES ORGÂNICAS 04.Julho.2008 Preparado por: (1) I - NOTA JUSTIFICATIVA DO REALINHAMENTO ESTRATÉGICO DA ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio No quadro das orientações definidas pelo Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE) e dos objectivos do Programa do Governo no tocante à

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

Código de Ética e Conduta. do Funcionário Público

Código de Ética e Conduta. do Funcionário Público Código de Ética e Conduta do Funcionário Público 2015 Ficha técnica Título: Código de ética do funcionário público Autor: Secretaria de Estado da Administração Pública Ilustrações: Alberto Fortes Paginação

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias:

1. São órgãos do Observatório das Ciências e das Tecnologias: Decreto-Lei 186/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997. REVOGADO A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, Instituto Público PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Índice Introdução... 3 1. Atribuições, organograma e identificação

Leia mais

Texto completo e actualizado dos Estatutos da VARZIM LAZER EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M.

Texto completo e actualizado dos Estatutos da VARZIM LAZER EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M. Texto completo e actualizado dos Estatutos da VARZIM LAZER EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M. CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Denominação e natureza 1 - A

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA. Decisão nº 1331/2015/CFP

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA. Decisão nº 1331/2015/CFP REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA Secretariado da Comissão da Função Pública Rua Jacinto Cândido Díli, Timor-Leste Tel +670 (333 9090) Fax +670 (3317201) Decisão nº 1331/2015/CFP

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO

REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO Com a aprovação e publicação do novo quadro de atribuições e competências das Comunidades Intermunicipais, aprovado pela Lei nº 45/2008,

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

ESTATUTOS FLUVIÁRIO DE MORA EMPRESA MUNICIPAL, EM. Artigo 1º. (Denominação e natureza jurídica)

ESTATUTOS FLUVIÁRIO DE MORA EMPRESA MUNICIPAL, EM. Artigo 1º. (Denominação e natureza jurídica) ESTATUTOS FLUVIÁRIO DE MORA EMPRESA MUNICIPAL, EM Artigo 1º (Denominação e natureza jurídica) 1. A FLUVIÁRIO DE MORA EMPRESA MUNICIPAL, EM, adiante também designada simplesmente por Fluviário de Mora,

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DE CABO VERDE IPICV

ESTATUTOS DO INSTITUTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DE CABO VERDE IPICV ESTATUTOS DO INSTITUTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DE CABO VERDE IPICV CAPÍTULO I Natureza, sede e objecto Artigo 1º Natureza 1. O Instituto da Propriedade Intelectual de Cabo Verde, abreviadamente designado

Leia mais

Decreto-Lei n.º 50/98 de 11 de Março

Decreto-Lei n.º 50/98 de 11 de Março Decreto-Lei n.º 50/98 de 11 de Março O desempenho da economia e o desenvolvimento social dependem da interligação e da complementaridade entre os sectores público, privado e social. Esta interdependência

Leia mais

------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------

------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------ ------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------ ------- Aos vinte e seis dias do mês de Junho de dois mil e três, pelas quinze horas, reuniram-se no Centro Cultural de Pombal,

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 4902-(16) Diário da República, 1.ª série N.º 146 31 de Julho de 2007 Designação dos cargos dirigentes ANEXO (mapa a que se refere o artigo 8.º) Qualificação dos cargos dirigentes Portaria n.º 827-D/2007

Leia mais

TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 2013

TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 2013 TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 203 (PESSOAL DA FUNÇÃO PÚBLICA) PRESIDENCIA VICE-PRESIDÊNCIA (artigos 3.º, 5.º e 6.º dos Estatutos) Presidente da Direção Vice-Presidente

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 COMMERCIAL & MARKETING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara: Reunião da Assembleia: Entrada em vigor: CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

Critérios para Avaliação do Desempenho

Critérios para Avaliação do Desempenho Critérios para Avaliação do Desempenho Índice AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 INFORMAÇÃO...5 O QUE É A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO?...5 OBJECTIVOS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 A ENTREVISTA DE AVALIAÇÃO...6 OBJECTIVOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março O Decreto-Lei n.º 177/2000, de 9 de Agosto, veio atribuir autonomia administrativa aos tribunais superiores da ordem dos tribunais judiciais e da ordem dos tribunais

Leia mais

Lei nº 54/90, de 5 de Setembro

Lei nº 54/90, de 5 de Setembro Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Lei nº 54/90, de 5 de Setembro A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 76.º, 77.º, 164.º, alínea d), 167.º, alínea i), e 169.º, n.º 3,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL PROJECTO DE ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NOTA JUSTIFICATIVA O nível de organização

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 O Decreto-Lei n.º 7/2003, de 15 de Janeiro, tem por objecto os Conselhos Municipais de Educação, regulando as suas competências e composição,

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais