Guidelines for quality and/or environmental management systems auditing. Diretrizes para auditorias em sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guidelines for quality and/or environmental management systems auditing. Diretrizes para auditorias em sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental"

Transcrição

1 1 Guidelines for quality and/or environmental management systems auditing Diretrizes para auditorias em sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

2 2 Introduction The ISO 9000 and ISO series of International Standards emphasize the importance of audits as a management tool for monitoring and verifying the effective implementation of an organization's quality and/or environmental policy. Audits are also an essential part of conformity assessment activities such as external certification/registration and of supply chain evaluation and surveillance. This International Standard provides guidance on the management of audit programmes, the conduct of internal or external quality and/or environmental management system audits, as well as competence and evaluation of auditors. It is intended to apply to a broad range of potential users including auditors, organizations implementing quality and/or environmental management systems, organizations needing to conduct quality and/or environmental management system audits for contractual reasons, and organizations involved in auditor certification or training, certification/registration of management systems, accreditation or standardization in the area of conformity assessment. The guidance in this International Standard is intended to be flexible. As indicated at various points in the text, the use of these guidelines can differ according to the size, nature and complexity of the organizations to be audited, as well as on the objectives and scopes of the audits to be conducted. In various places throughout this International Standard, supplementary guidance or examples on specific topics are provided in the form of practical help in boxed text. In some instances, this is intended to support the use of this International Standard in small organizations. Clauses 1, 2 and 3 of this International Standard address scope, normative references and terms and definitions respectively. Clause 4 describes the principles of auditing. These principles help the user to appreciate the essential nature of auditing and they are a necessary prelude to clauses 5, 6 and 7. Clause 5 provides guidance on managing audit programmes and covers such issues as assigning responsibility for managing audit programmes, establishing the audit programme objectives, coordinating auditing activities and providing sufficient audit team resources. Introdução A série de Normas Internacionais NBR ISO 9000 e NBR ISO enfatizam a importância de auditorias como uma ferramenta de gestão para monitorar e verificar a eficácia da implementação da política ambiental e/ou da qualidade de uma organização. Auditorias também são uma parte essencial das atividades de avaliação da conformidade tais como certificação/credenciamento externo e avaliação e acompanhamento da cadeia de fornecedores. Esta Norma fornece diretrizes para a gestão de programas de auditoria, para realizar auditorias internas ou externas de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental, como também para a competência e a avaliação de auditores. É intenção que esta Norma se aplique a um grande número de usuários potenciais incluindo auditores, organizações que implementam sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental, organizações que precisam realizar auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental por razões contratuais, e organizações envolvidas com certificação ou treinamento de auditor, na certificação/credenciamento de sistemas de gestão, no credenciamento ou na padronização na área de avaliação da conformidade. Pretende-se que a orientação desta Norma seja flexível. Como indicado em vários pontos do texto, o uso destas diretrizes pode diferir de acordo com o tamanho, natureza e complexidade das organizações a serem auditadas, como também com os objetivos e escopos das auditorias a serem executadas. Em vários lugares ao longo desta Norma, orientação adicional ou exemplos em tópicos específicos são fornecidos na forma de ajuda prática em caixa de texto. Em alguns casos, é intenção dar apoio na utilização desta Norma em pequenas organizações. As cláusulas 1, 2 e 3 desta Norma referem-se ao escopo, referências normativas e termos e definições respectivamente. A cláusula 4 descreve os princípios da auditoria. Estes princípios ajudam o usuário a entender a essência da natureza da auditoria e são uma introdução necessária para as cláusulas 5, 6 e 7. A cláusula 5 fornece diretrizes para a gestão dos programas de auditoria e cobre pontos tais como designação da responsabilidade por gerenciar os programas de auditoria, definição dos objetivos do programa da auditoria, coordenação das atividades de auditoria e disponibilização de recursos suficientes para a equipe da auditoria.

3 3 Clause 6 contains guidance on conducting quality and/or environmental management system audits, including the selection of audit teams. Clause 7 provides guidance on the competence needed by an auditor and outlines a process for evaluating auditors. Where quality and environmental management systems are implemented together, it is at the discretion of the user of this International Standard whether the quality management system and environmental management system audits are conducted separately or together. Although this International Standard applies to the auditing of quality and/or environmental management systems, the user can consider adapting or extending the guidance provided herein to apply to other types of audits, including other management system audits. This International Standard provides only guidance, users can apply this to develop their own audit-related requirements. In addition, any other individual or organization with an interest in monitoring conformance to requirements, such as product specifications or laws and regulations, can find the guidance in this International Standard useful. Guidelines for quality and/or environmental management systems auditing 1 Scope This International Standard provides guidance on the principles of auditing, managing audit programmes, conducting quality management system audits and environmental management system audits as well as the competence of quality and environmental management system auditors. It is applicable to all organizations having a need to conduct internal or external quality and/or environmental management system audits or manage an audit programme. The application of this International Standard to other types of audits is possible in principle but special consideration should be paid to identifying the competence needed by the audit team members in such cases. A cláusula 6 contém orientação para realizar as auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental, incluindo a seleção das equipes de auditoria. A cláusula 7 fornece diretrizes sobre a competência necessária a um auditor e descreve um processo para avaliar auditores. Onde sistemas de gestão da qualidade e ambiental são implementados conjuntamente, fica a critério do usuário desta Norma se as auditorias do sistema de gestão da qualidade e de gestão ambiental serão executadas separadamente ou em conjunto. Embora esta Norma se aplique a auditoria de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental, o usuário pode considerar sua adaptação ou extensão da orientação fornecida para aplicação em outros tipos de auditorias, incluindo auditorias em outros sistemas de gestão. Esta Norma forneça somente orientação, os usuários podem aplica-la no desenvolvimento de seus próprios requisitos relativos a auditoria. Adicionalmente, qualquer outro indivíduo ou organização com interesse em monitorar a conformidade a requisitos, tais como especificações de produto ou leis e regulamentos, podem achar útil a orientação desta Norma. Diretrizes para auditorias em sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental 1 Escopo Este Norma fornece orientação sobre princípios de auditoria, gestão de programas de auditoria, realização de auditorias de sistema gestão da qualidade e auditorias de sistema gestão ambiental, como também sobre a competência de auditores de sistemas de gestão da qualidade e ambiental. É aplicável a todas as organizações que têm necessidade de realizar auditorias internas ou externas de sistemas gestão da qualidade e/ou ambiental ou gerenciar um programa da auditoria. A aplicação desta Norma para outros tipos de auditorias é possível em princípio mas deve ser dada em tais casos consideração especial a identificação da competência necessária aos membros da equipe da auditoria.

4 4 2 Normative references The following normative documents contain provisions which, through references in this text, constitute provisions of this International Standard. For dated references, subsequent amendments to, or revisions of, any of these publications do not apply. However, parties to agreements based on this International Standard are encouraged to investigate the possibility of applying the most recent edition of the normative documents indicated below. For undated references, the latest edition of the normative document referred to apply. Members of ISO and IEC maintain registers of currently valid International Standards. ISO 9000:2000, Quality management systems - Fundamentals and Vocabulary. ISO 14050:1998, Environmental management Vocabulary. 3 Terms and definitions For the purposes of this International Standard, the terms and definitions given in ISO 9000:2000 and ISO 14050:1998 apply, unless superseded by definitions given below. A term in a definition or note which is defined elsewhere in this clause is indicated by boldface followed by its entry number in parentheses. Such a boldface term may be replaced in the definition by its complete definition. 3.1 audit systematic, independent and documented process for obtaining audit evidence (3.3) and evaluating it objectively to determine the extent to which audit criteria (3.2) are fulfilled NOTE 1 Internal audits, sometimes called first-party audits, are conducted by, or on behalf of, the organization itself for management review and other internal purposes and can form the basis for an organization's self-declaration of conformity. In many cases, particularly in smaller organizations, independence can be demonstrated by the freedom from responsibility for the activity being audited. 2 Referências normativas Os documentos normativos relacionados a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. Para referências datadas, quaisquer subseqüentes emendas ou revisões destas publicações não se aplicam. Porém, aqueles que realizam acordos baseados nesta Norma são encorajados a verificar a conveniência de usar a edição mais recente dos documentos normativos citados a seguir. Para referências não datadas, a mais recente edição do documento normativo referido se aplica. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. NBR ISO 9000:2000, Sistemas de Gestão da Qualidade - Fundamentos e Vocabulário. NBR ISO 14050:1998, Gestão Ambiental - Vocabulário. 3 Termos e definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se os termos e definições contidos na NBR ISO 9000:2000 e NBR ISO 14050:1998, a menos que estejam substituídos pelas definições dadas a seguir. Um termo em uma definição ou nota que é definido em algum lugar nesta cláusula está indicado em negrito, seguido da sua numeração entre parênteses. Tal termo em negrito pode ser substituído na definição por sua completa definição. 3.1 auditoria Processo sistemático, documentado e independente para obter evidências da auditoria (3.3) e avalia-las objetivamente para determinar ao extensão na qual os critérios da auditoria (3.2) são atendidos. NOTA 1 As auditorias Internas, algumas vezes chamadas de auditorias de primeira parte, são realizadas pela própria organização, ou em seu nome, para análise crítica pela direção e outros propósitos internos e podem formar a base para uma autodeclaração de conformidade da organização. Em muitos casos, particularmente em pequenas organizações, a independência pode ser demonstrada pela liberdade de responsabilidades pela atividade a ser auditada.

5 5 NOTE 2 External audits include those generally termed second- and third-party audits. Second-party audits are conducted by parties having an interest in the organization, such as customers, or by other persons on their behalf. Third-party audits are conducted by external, independent auditing organizations, such as those providing registration or certification of conformity to requirements of ISO 9001 and ISO NOTE 3 When a quality management system and an environmental management system are audited together, this is termed a combined audit. NOTA 2 As auditorias externas incluem normalmente o que se chama de auditorias de segunda e de terceira partes. Auditorias de segunda parte são realizadas pelas partes que têm um interesse pela organização, tais como: clientes, ou por outras pessoas em seu nome. Auditorias de terceira parte são realizadas por organizações de auditorias externas, independentes, tais como organizações que fornecem certificados ou registros de conformidade com requisitos da NBR ISO 9001 e NBR ISO NOTA 3 Quando sistemas de gestão da qualidade e ambiental são auditados junto, isto é chamado de auditoria combinada. NOTE 4 When two or more auditing organizations co-operate to audit a single auditee, this is termed a joint audit. 3.2 audit criteria set of policies, procedures or requirements Note Audit criteria are used as a reference against which audit evidence (3.3) is compared. 3.3 audit evidence records, statements of fact or other information, which are relevant to the audit criteria (3.2) and verifiable NOTE Audit evidence can be qualitative or quantitative. 3.4 audit findings results of the evaluation of the collected audit evidence (3.3) against audit criteria (3.2) NOTE Audit findings can indicate either conformity or nonconformity with audit criteria (3.2) or opportunities for improvement. NOTA 4 Quando duas ou mais organizações de auditoria cooperam em conjunto para auditar um único auditado, isto é chamado de auditoria em conjunto. 3.2 critérios da auditoria conjunto de políticas, procedimentos ou requisitos NOTA O critério da Auditoria é usado como uma referência comparada com a evidência da auditoria (3.3). 3.3 evidência da auditoria registros, apresentação de fatos ou outras informações, pertinentes aos critérios da auditoria (3.2) e verificáveis NOTA Evidência da auditoria pode ser qualitativa ou quantitativa. 3.4 Constatações da auditoria resultados da avaliação da evidência da auditoria (3.3) coletada, comparada com os critérios da auditoria (3.2) NOTA As constatações da Auditoria podem indicar tanto conformidade quanto não-conformidade com os critérios da auditoria (3.2) ou oportunidades para melhoria.

6 6 3.5 audit conclusion outcome of an audit (3.1), provided by the audit team (3.9) after consideration of the audit objectives and all audit findings (3.4) 3.6 audit client organization or person requesting an audit (3.1) NOTE The client can be the auditee (3.7) or any other organization which has the regulatory or contractual right to request an audit (3.1) 3.7 auditee organization being audited 3.8 auditor person with the competence (3.14) to conduct an audit (3.1) 3.9 audit team one or more auditors (3.8) conducting an audit (3.1), supported if needed by technical experts (3.10) NOTE 1 One auditor of the audit team is appointed as audit team leader. NOTE 2 The audit team can include auditors-intraining technical expert person who provides specific knowledge or expertise to the audit team (3.9) NOTE 1 Specific knowledge or expertise is that which relates to the organization, process or activity to be audited, language or culture. NOTE 2 A technical expert does not act as an auditor (3.8) in the audit team (3.9). 3.5 conclusão da auditoria resultado de uma auditoria (3.1), apresentado pela equipe da auditoria (3.9) após levar em consideração os objetivos da auditoria e todas as constatações da auditoria (3.4) 3.6 cliente da auditoria organização ou pessoa que solicitou uma auditoria (3.1) NOTA O cliente pode ser o auditado (3.7) ou qualquer outra organização que tem o direito regulamentar ou contratual para solicitar uma auditoria (3.1) 3.7 auditado organização que está sendo auditada 3.8 auditor pessoa com competência (3.14) para realizar uma auditoria (3.1) 3.9 equipe da auditoria um ou mais auditores (3.8) que realizam uma auditoria (3.1), apoiados, se necessário, por especialistas (3.10) NOTA 1 Um auditor na equipe da auditoria é indicado como líder da equipe da auditoria. NOTA 2 A equipe da auditoria pode incluir auditores-em-treinamento especialista pessoa que fornece conhecimento ou experiência específicos para a equipe da auditoria (3.9) NOTA 1 O conhecimento específico ou experiência inclui aquele conhecimento ou experiência sobre a organização, processo ou atividade da organização a ser auditada, bem como o idioma ou diretrizes culturais. NOTA 2 Um especialista não atua como um auditor (3.8) na equipe da auditoria (3.9).

7 audit programme set of one or more audits (3.1) planned for a specific time frame and directed toward a specific purpose NOTE An audit programme includes all activities necessary for planning, organizing and conducting the audits (3.1) audit plan description of the activities and arrangements for an audit (3.1) 3.13 audit scope extent and boundaries of an audit (3.1) NOTE The scope generally includes a description of the physical locations, organizational units, activities and processes, as well as the time period covered competence demonstrated personal attributes and demonstrated ability to apply knowledge and skills 4 Principles of auditing Auditing is characterized by reliance on a number of principles. These make the audit an effective and reliable tool in support of management policies and controls, providing information on which an organization can act to improve its performance. Adherence to these principles is a prerequisite for providing audit conclusions that are relevant and sufficient and for enabling auditors working independently from one another to reach similar conclusions in similar circumstances. The following principles relate to auditors: Ethical conduct - the foundation of professionalism Trust, integrity, confidentiality and discretion are essential to auditing programa da auditoria Conjunto de uma ou mais auditorias (3.1) planejado para um período de tempo específico e direcionado a um propósito específico NOTA Um programa da auditoria inclui todas as atividades necessárias para planejar, organizar e realizar as auditorias (3.1) plano da auditoria descrição das atividades e arranjos para uma auditoria (3.1) 3.13 escopo da auditoria extensão e limites de uma auditoria (3.1) NOTA O escopo da auditoria geralmente inclui uma descrição das localizações físicas, unidades organizacionais, atividades e processos, bem como o período de tempo a se coberto competência atributos pessoais e habilidades demonstrados para aplicar conhecimento e habilidades 4 Princípios de auditoria A auditoria é caracterizada pela confiança em alguns princípios. Eles fazem da auditoria uma ferramenta eficaz e confiável em apoio a políticas de gestão e controles, fornecendo informações nas quais uma organização pode agir para melhorar seu desempenho. Aderência a estes princípios é um pré-requisito para se fornecer conclusões da auditoria que são relevantes e suficientes e para permitir que auditores que trabalhem independentemente entre si cheguem a conclusões semelhantes em circunstâncias semelhantes. Os princípios seguintes estão relacionados a auditores: Conduta ética o alicerce do profissionalismo Confiança, integridade, confidencialidade e discrição são essenciais para auditar.

8 8 Fair presentation - the obligation to report truthfully and accurately Audit findings, audit conclusions and audit reports reflect truthfully and accurately the audit activities. Significant obstacles encountered during the audit and unresolved or diverging opinions between the audit team and the auditee are reported. Due professional care - the application of diligence and judgment in auditing Auditors exercise care in accordance with the importance of the task they perform and the confidence placed in them by audit clients and other interested parties. Having the necessary competence is an important factor. Further principles relate to the audit, which is by definition independent and systematic: Independence - the basis for the impartiality of the audit and objectivity of the audit conclusions Auditors are independent of the activity being audited and are free from bias and conflict of interest. Auditors maintain an objective state of mind throughout the audit process to ensure that the audit findings and conclusions will be based only on the audit evidence. Evidence-based approach - the rational method for reaching reliable and reproducible audit conclusions in a systematic audit process Audit evidence is verifiable. It is based on samples of the information available, since an audit is conducted during a finite period of time and with finite resources. The appropriate use of sampling is closely related to the confidence that can be placed in the audit conclusions. The guidance given in the remaining clauses of this International Standard is based on the principles set out above. Apresentação justa - a obrigação de reportar com veracidade e precisão Constatações da auditoria, conclusões da auditoria e relatórios da auditoria refletem verdadeiramente e com precisão as atividades da auditoria. Obstáculos significantes encontrados durante a auditoria e não resolvidos e divergência de opiniões não resolvidas entre a equipe da auditoria e o auditado são reportados. Devido cuidado profissional - a aplicação de diligência e julgamento na auditoria Auditores devem exercitar o cuidado necessário tendo em vista a importância da tarefa que eles executam e a confiança colocada neles pelos clientes da auditoria e outras partes interessadas. Ter a competência necessária é um fator importante. Outros princípios se relacionam à auditoria que é por definição independente e sistemática: Independência - a base para a imparcialidade da auditoria e objetividade das conclusões da auditoria Os auditores são independentes da atividade a ser auditada e são livres de preconceito e conflito de interesse. Os auditores mantêm um estado de mente aberta ao longo do processo de auditoria para assegurar que as constatações e conclusões da auditoria serão baseados somente nas evidências da auditoria. Enfoque baseado em evidência - o método racional para alcançar conclusões da auditoria confiáveis e reproduzíveis em um processo de auditoria sistemático Evidência de auditoria é verificável. É baseada em amostras das informações disponíveis, uma vez que uma auditoria é realizada durante um período finito de tempo e com recursos finitos. O uso apropriado de amostragem está relacionado de perto com a confiança que pode ser colocada nas conclusões da auditoria. A orientação fornecida nas cláusulas restantes desta Norma está baseada nesses princípios.

9 9 5 Managing an audit programme 5.1 General The audit programme can include one or more audits, depending upon the size, nature and complexity of the organisation to be audited. These audits can have a variety of objectives and can also include joint or combined audits (see notes 3 and 4 to the definition 3.1). An audit programme also includes all activities necessary for planning and organising the types and number of audits and providing resources to conduct them effectively and efficiently within the specified time frames. An organization can establish more than one audit programme. The organization s top management should grant the authority for managing the audit programme. Those assigned the responsibility for managing the audit programme should: a) establish, implement, monitor, review and improve the audit programme; and b) identify resources and ensure they are provided. Figure 1 illustrates the process flow for the management of an audit programme. 5 Gerenciando um programa da auditoria 5.1 Generalidades Um programa da auditoria pode incluir uma ou mais auditorias dependendo do tamanho, natureza e complexidade da organização a ser auditada. Estas auditorias podem ter uma variedade de objetivos e também podem incluir auditorias combinadas e auditorias em comum (ver Notas 3 e 4 da definição 3.1). Um programa da auditoria também inclui todas as atividades necessárias para planejar e organizar os tipos e números de auditorias e fornecer os recursos para os conduzi-las efetivamente e eficazmente dentro do período de tempo especificado. Uma organização pode estabelecer mais de um programa da auditoria. A alta direção da organização deve conceder a autoridade para gerenciar o programa da auditoria. Os designados com a responsabilidade para gerenciar o programa da auditoria devem: a) estabelecer, implementar, monitorar, analisar criticamente e aperfeiçoar o programa da auditoria; e b) identificar os recursos necessários e assegurar que eles são providos. A Figura 1 ilustra o fluxo do processo de gerenciamento de um programa da auditoria.

10 10 Authority for the audit programme (5.1) Establishing the audit programme (5.2, 5.3) - objectives and extent - responsibilities - resources - procedures Plan Act Improving the audit programme (5.6) Implementing the audit programme (5.4, 5.5) - evaluating auditors - selecting audit teams - directing audit activities - recording Competence of auditors (7) Audit activities (6) Do Monitoring and reviewing the audit programme (5.6) - identifying opportunities for improvement Check Figure 1 Illustration of the process flow for the management of an audit programme NOTE 1 Standard NOTE 2 Standard This figure also illustrates the application of the Plan-Do-Check-Act process in this International The numbers in this and all subsequent figures refer to the relevant clauses of this International

11 11 Autoridade para o programa da auditoria (5.1) Estabelecendo o programa da auditoria (5.2, 5.3) objetivos e extensão responsabilidades recursos procedimentos Plan Act Aperfeiçoamento do Programa da auditoria (5.6) Implementação do programa da auditoria (5.4, 5.5) programação de auditorias avaliação de auditores seleção da equipe de auditoria direção das atividades de auditoria manutenção de registros Competência e avaliação de auditores (7) Programa da auditoria Do Monitoramento e análise crítica do programa da auditoria (5.6) monitoramento e análise crítica identificação de necessidades de ações corretivas e preventivas identificação de oportunidades de melhoria Check Figura 1 - Ilustração do fluxo do processo de gerenciamento de um programa da auditoria NOTA 1 NOTA 2 Essa Figura ilustra a aplicação do Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) nessa Norma. Os números nessa Figura e em todas as Figuras subseqüentes se referem às cláusulas pertinentes desta Norma

12 12 If an organization to be audited operates both quality management and environmental management systems, combined audits can be included in the audit programme. In such a case special attention should be paid to the competence of the audit team. Two or more auditing organizations can co-operate, as part of their audit programmes, to conduct a joint audit. In such a case special attention should be paid to the division of responsibilities, the provision of any additional resources, the competence needed in the audit team and the appropriate procedures. Agreement on these should be reached before the audit commences. Se uma organização a ser auditada opera sistemas de gestão da qualidade e de gestão ambiental, auditorias combinadas podem ser incluídas no programa da auditoria. Nesse caso deve ser prestada atenção especial à competência da equipe da auditoria. Duas ou mais organizações auditoras podem cooperar entre si, como parte de seus programas de auditoria, para realizar uma auditoria em comum. Em tal caso deve ser prestada atenção especial à divisão de responsabilidades, a provisão de qualquer recurso adicional, a competência da equipe da auditoria e aos procedimentos apropriados. Um entendimento sobre esses pontos deve ser alcançado antes do início da auditoria. Practical help Examples of audit programmes Examples of audit programmes include: a) a series of internal audits covering an organization-wide quality management system for the current year; b) second-party management system audits of potential suppliers of critical products to be conducted within six months; c) certification/registration and surveillance audits conducted by a third-party certification/registration body on an environmental management system within a time period agreed contractually between the certification body and the client. An audit programme also includes appropriate planning, providing resources and establishing procedures to conduct audits within the programme. Ajuda prática - Exemplos de programas de auditoria Exemplos de programas de auditoria incluem: a) uma série de auditorias internas que cobrem o sistema de gestão da qualidade de toda uma organização durante o ano atual; b) auditorias de segunda parte de sistema de gestão de fornecedores potenciais de produtos críticos a serem realizadas em um intervalo de seis meses; c) auditorias de certificação/credenciamento e de acompanhamento realizadas por uma organização de certificação/credenciamento de terceira parte em um sistema de gestão ambiental dentro de um período de tempo acordado contratualmente entre a organização de certificação e o cliente. Um programa da auditoria inclui planejamento apropriado, fornece recursos e estabelece procedimentos para realizar as auditorias previstas no programa.

13 Audit programme objectives and extent Objectives of an audit programme Objectives should be established for an audit programme, to direct the planning and conduct of audits. These objectives can be based on consideration of: a) management priorities; b) commercial intentions; c) management system requirements; d) statutory, regulatory and contractual requirements; e) need for supplier evaluation; f) customer requirements; g) needs of other interested parties; and h) risks to the organization. 5.2 Objetivos e extensão do programa da auditoria Objetivos de um programa da auditoria Devem ser estabelecidos objetivos para um programa da auditoria, de modo a direcionar o planejamento e a realização das auditorias. Estes objetivos podem estar baseados na consideração de: a) prioridades da direção; b) intenções comerciais; c) requisitos de sistema de gestão; d) requisitos estatutários, regulamentares e contratuais; e) necessidade de avaliação de fornecedor; f) requisitos de cliente; g) necessidades de outras partes interessadas; e h) riscos para a organização. Practical help Examples of audit programme objectives Examples of audit programme objectives are: a) to meet requirements for certification to a management system standard; b) to verify conformance with contractual requirements; c) to obtain and maintain confidence in the capability of a supplier. d) to contribute to the improvement of the management system Ajuda prática - Exemplos de objetivos de programa da auditoria Exemplos de objetivos de programa da auditoria incluem: a) satisfazer requisitos para certificação em uma norma de sistema gestão; b) verificar conformidade com requisitos contratuais; c) obter e manter confiança na capacidade de um fornecedor. d) contribuir para o aperfeiçoamento do sistema de gestão

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental

Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental NOV 2002 NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão

Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão 1) Este Projeto de Revisão foi elaborado pela Comissão de Estudo de Tecnologia de Suporte (CE-25:000.03) do Comitê Brasileiro da Qualidade (ABNT/CB-25),

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

II Encontro Nacional dos Lacens e VISA IV Encontro de Lacens AUDITORIA INTERNA Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

II Encontro Nacional dos Lacens e VISA IV Encontro de Lacens AUDITORIA INTERNA Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde II Encontro Nacional dos Lacens e VISA IV Encontro de Lacens AUDITORIA INTERNA Brasília, a, 08 e 09 de dezembro e de 2011 IMPORTÂNCIA Ferramenta de gestão para monitorar e verificar a eficácia da implementação

Leia mais

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004 SPICE e ISO 15504 Jorge H C Fernandes 2004 SPICE: Um Framework para a Avaliação Integrada de Processos de Software [SPICE 1] Process Identifies changes to Is examined by Process Assessment Identifies capability

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

The Brazil United States Consumer Product Safety Conference Brazil United States Joint Press Statement June 10, 2011 Rio de Janeiro, Brazil Common Interests Ensuring a high level of consumer product safety

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

Definição do Modelo de Processo

Definição do Modelo de Processo Definição do Modelo de Processo 1. Introdução 1.1. Finalidade Mapear práticas sugeridas (i) pelo Padrão para Gestão de Portfólio do PMI, (ii) pelo Modelo de Referência do MPS.BR e (iii) pela Norma ISO/IEC

Leia mais

A. Situação / Situation

A. Situação / Situation A. Situação / Situation A Assembleia Mundial da Saúde (OMS) aprova em 1969 o Regulamento Sanitário Internacional, revisto pela quarta vez em 2005. Esta última versão entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE

IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE IN THE CIRCUIT COURT FOR ORANGE COUNTY, FLORIDA PROBATE DIVISION IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE Case No / N o do Caso: ANNUAL GUARDIAN ADVOCATE REPORT ANNUAL GUARDIAN ADVOCATE PLAN

Leia mais

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008 Alterações da norma OHSAS 18001:2007 Ricardo Teixeira Gestor de Cliente Coordenador Revisão da norma Objectivos da revisão danorma: Esclarecimento da 1.ª edição; Alinhamento com a ISO 14001; Melhoria da

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

Seminário Anual 10. A Segurança de Informação e a Gestão de Serviços O papel da norma ISO/IEC 27001. Sub-título da Apresentação Data

Seminário Anual 10. A Segurança de Informação e a Gestão de Serviços O papel da norma ISO/IEC 27001. Sub-título da Apresentação Data Seminário Anual 10 A Segurança de Informação e a Gestão de Serviços O papel da norma ISO/IEC 27001 Sub-título da Apresentação Data Temas Porquê auditar? O processo de auditoria Factores críticos de sucesso

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços.

Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços. NORMA BRASILEIRA NBR ISO 10019 Primeira edição 20.08.2007 Válida a partir de 20.09.2007 Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços. Guidelines for

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria Módulo 4 Conceitos e Princípios de Auditoria NBR: ISO 14001:2008 Sistemas da Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso NBR:ISSO 19011: 2002 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

Programa de Auditoria Única em Produtos para Saúde Medical Device Single Audit Program MDSAP Etapa Piloto Fernanda Maia

Programa de Auditoria Única em Produtos para Saúde Medical Device Single Audit Program MDSAP Etapa Piloto Fernanda Maia Programa de Auditoria Única em Produtos para Saúde Medical Device Single Audit Program MDSAP Etapa Piloto Fernanda Maia São Paulo, 22 de maio de 2014. Fórum Internacional de Reguladores em Produtos para

Leia mais

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores Departamento de Alterações Climáticas, Ar e Ruído (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez IT Governance e ISO/IEC 20000 Susana Velez Desafios de TI Manter TI disponível Entregar valor aos clientes Gerir os custos de TI Gerir a complexidade Alinhar TI com o negócio Garantir conformidade com

Leia mais

Certificação de software Precisa-se se de uma Política... Manuel Lousada MDIC/STI

Certificação de software Precisa-se se de uma Política... Manuel Lousada MDIC/STI Certificação de software Precisa-se se de uma Política... Manuel Lousada MDIC/STI Imagino que outros já tenham mostrado o panorama internacional... Mas pode ser interessante olhar dados recentes Recomendo

Leia mais

Consultoria em Direito do Trabalho

Consultoria em Direito do Trabalho Consultoria em Direito do Trabalho A Consultoria em Direito do Trabalho desenvolvida pelo Escritório Vernalha Guimarães & Pereira Advogados compreende dois serviços distintos: consultoria preventiva (o

Leia mais

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria Novo Código e Exigências da Função Auditoria Fórum de Auditoria Interna - IPAI 19 de Junho de 2014 Direito societário e auditoria interna fontes legais 1. CSC artigo 420,º, n.º 1, i) - fiscalizar a eficácia

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

Solicitação de Mudança 01

Solicitação de Mudança 01 Solicitação de Mudança 01 Refatorar a especificação da linha de produtos Crisis Management System permitindo que o suporte ao registro de LOG seja opcional. Isso significa que o comportamento descrito

Leia mais

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures GeoInfo - 2006 Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures Leonardo Lacerda Alves Clodoveu A. Davis Jr. Information Systems Lab

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica.

Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica. Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica. INSA-PNAEQ/Labquality Oy/Ordem dos Médicos Rui Manuel Santos Silva Farmacêutico Analista Clínico Consultor A GARANTIA DA QUALIDADE É UM

Leia mais

Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser

Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser Os requisitos para os programas: um por todos e todos por um? É importante comparar os documentos que orientam os laboratórios para a acreditação de provedores de ensaios de proficiência, exemplifica pequenas

Leia mais

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY The Competent Authorities of the Portuguese Republic and the Government of Jersey in

Leia mais

Prefácio...iv Introdução...vi

Prefácio...iv Introdução...vi ABNT NBR 18801:2010 Sumário Página Prefácio...iv Introdução...vi Scope 3 1 Introdução 4 2 Escopo 6 3 Termos e definições 6 4 Elementos do sistema de gestão da SST 9 4.1 Participação dos trabalhadores 9

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012 Universidade do Minho Escola de Engenharia UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13 11 de outubro 2012 1 2 2 courses offered in the first semestre: Métodos de Investigação em Engenharia

Leia mais

PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores

PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores THIS PROGRAM AIMS TO TOAST OUR CUSTOMERS WITH THE OPPORTUNITY TO DISCOVER AND EXPLORE THE FAIAL AND S. JORGE ISLANDS. WE HAVE A WIDE RANGE OF CULTURAL

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

SAP Best Practices Informações sobre disponibilidade e download para Clientes SAP e Parceiros SAP. Know-how setorial e global pré-configurado

SAP Best Practices Informações sobre disponibilidade e download para Clientes SAP e Parceiros SAP. Know-how setorial e global pré-configurado SAP Best Practices Informações sobre disponibilidade e download para Clientes SAP e Parceiros SAP Know-how setorial e global pré-configurado Índice 1.Disponibilidade dos pacotes SAP Best Practices 2.Efetuar

Leia mais

Banco Santander Totta, S.A.

Banco Santander Totta, S.A. NINTH SUPPLEMENT (dated 26 October 2011) to the BASE PROSPECTUS (dated 4 April 2008) Banco Santander Totta, S.A. (incorporated with limited liability in Portugal) 5,000,000,000 (increased to 12,500,000,000)

Leia mais

Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016

Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016 Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016 Instruções aos candidatos: (1) Preencher somente o número de inscrição em todas as folhas. (2) Usar caneta preta ou azul. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS Curricular Unit Plan ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. GESTÃO DE PROJECTOS INFORMÁTICOS Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010

Leia mais

O Papel das Instituições Superiores de Controlo (ISC) para uma Fiscalização Parlamentar Eficaz. Carlos Maurício Figueirêdo

O Papel das Instituições Superiores de Controlo (ISC) para uma Fiscalização Parlamentar Eficaz. Carlos Maurício Figueirêdo O Papel das Instituições Superiores de Controlo (ISC) para uma Fiscalização Parlamentar Eficaz Carlos Maurício Figueirêdo Especialista em Instituições Superiores de Controle Praia, 10 de Março de 2015

Leia mais

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 1 Whoi am RESUME OF THE PRESENTER Coordenador de processos de Certificação na APCER Auditor ISO 9001 / ISO 27001 / ISO 20000 / SA 8000 Assessor Qweb e IQNET 9004

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS

INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS INSTRUÇÕES INSTRUCTIONS DOCUMENTAÇÃO A APRESENTAR PELOS CANDIDATOS PARA AVALIAÇÃO Os candidatos devem apresentar para avaliação da candidatura a seguinte documentação: a) Prova da nacionalidade (BI, passaporte.);

Leia mais

MÉTODO PARA AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM CONFORMIDADE À NORMA NBR ISO 9001:2000

MÉTODO PARA AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM CONFORMIDADE À NORMA NBR ISO 9001:2000 MÉTODO PARA AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM CONFORMIDADE À NORMA NBR ISO 9001:2000 Walter Luís Mikos Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Grupo de Qualidade e Metrologia Av.

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Prof. Dr. Igor Renato Bertoni Olivares Top 02 in analytical chemistry Impact Factor - 6,6

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES RECURSOS HUMANOS HUMAN RESOURCES . RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELECÇÃO. HUMAN RESOURCES RECRUITMENT AND SELECTION O recrutamento e a situação contratual, no ano em análise, e face ao anterior, caracterizaram-se

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO COMUNICADO À IMPRENSA 18 de Junho de 2014 GTP (TSX-V) P01 (FRANKFURT) COLTF - (OTCQX) CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata:

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: Vaga: Estagiário Área Jurídica Área: Legal Department O Departamento Jurídico é uma área dinâmica que possui

Leia mais

Informática e Programação. Computer Science and Programming. Semestre do plano de estudos 1

Informática e Programação. Computer Science and Programming. Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Informática e Programação CU Name Código UC 4 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Informática Duração Semestral Horas de trabalho 135 ECTS 5 Horas de contacto TP - 67,5 Observações

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. Faupel, A. & Sharp, P. (2003). Promoting emotional literacy. Guidelines for schools, local authorities and

BIBLIOGRAFIA. Faupel, A. & Sharp, P. (2003). Promoting emotional literacy. Guidelines for schools, local authorities and RESUMO EXPANDIDO Pode definir-se Literacia Emocional como a capacidade para reconhecer, compreender, expressar e gerir estados emocionais, do próprio e de outras pessoas, existindo associações entre esta

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DAS STARTUPS DO MIDI TECNOLÓGICO

METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DAS STARTUPS DO MIDI TECNOLÓGICO METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DAS STARTUPS DO MIDI TECNOLÓGICO RESUMO As incubadoras de empresas são ambientes dotados de competência gerencial, técnica e administrativa que impulsionam a promoção do nascimento

Leia mais

ABNT/CB-025 PROJETO DE REVISÃO ABNT NBR ISO 9001 AGO 2015 APRESENTAÇÃO

ABNT/CB-025 PROJETO DE REVISÃO ABNT NBR ISO 9001 AGO 2015 APRESENTAÇÃO Sistemas de gestão da qualidade Requisitos APRESENTAÇÃO 1) Este Projeto de Revisão foi elaborado pela Comissão de Estudo de Sistemas da Qualidade (CE-025:000.002) do Comitê Brasileiro da Qualidade (ABNT/CB-025),

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

Hidráulica Urbana. Urban Hydraulics. Semestre do plano de estudos 2

Hidráulica Urbana. Urban Hydraulics. Semestre do plano de estudos 2 Nome UC Hidráulica Urbana CU Name Código UC 725 Curso MEC Semestre do plano de estudos 2 Área científica Engenharia Civil Duração Semestral Horas de trabalho 164 ECTS 6 Horas de contacto T - 22,5; PL -

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation DevOps Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013 1 O desenvolvedor O mundo mágico de operações Como o desenvolvedor vê operações Como operações vê uma nova release

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES

COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES GABINETE DE SEGURANÇA DO AEROPORTO DE LISBOA - 2014 1 COMPONENTES DO SMS RISCOS PERIGOS MITIGAÇÕES COMPONENTES DO SMS SMS COMPONENTES DO SMS CORRIGIR... CORRIGIR... CORRIGIR... CORRIGIR... SUMÁRIO Introdução

Leia mais

Quality Assurance: Opção ou Imposição

Quality Assurance: Opção ou Imposição Quality Assurance: Opção ou Imposição Osvaldo Roberto Nieto 8 de maio de 2012 Quality Assurance 3 Grandes abordagens na avaliação da Qualidade Interna Cujos resultados deveriam ser reportados ao Comitê

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Implementação de CMMi SAM com Six Sigma

Implementação de CMMi SAM com Six Sigma Implementação de CMMi SAM com Six Sigma Caso de sucesso na Motorola Brasil Jose Mario Lima Gerente de Qualidade e Six Sigma Six Sigma Black Belt A Motorola no Brasil Definição do problema O Desafio A oportunidade

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

V1 1. Este documento prove indicadores adicionais para levar o processo da classificação das florestas ou

V1 1. Este documento prove indicadores adicionais para levar o processo da classificação das florestas ou Indicadores para Florestas de Alto Valor de Conservação (FAVC) no Brasil: uma guia elaborada pela SCS para prover melhorar o processo de avaliação das FAVC. Tema de este documento V1 1 Este documento prove

Leia mais

NCE/09/02327 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/02327 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/02327 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: UNL + UCP 1.a. Descrição da Instituição

Leia mais

// gaiato private label

// gaiato private label // gaiato private label // a empresa // the company A Calçado Gaiato é uma empresa prestadora de serviços no setor de calçado, criada em 2000 por Luís Pinto Oliveira e Mário Pinto Oliveira, sócios-fundadores

Leia mais

Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience)

Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience) Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience) 1 Jose de Ribamar, Ger Qualidade e Food Safety Cargill Amidos e Adoçantes América do Sul jose_ribamar@cargill.com

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 2010 Certificate issued in according

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Sector das TI s em Portugal e Projectos de

Sector das TI s em Portugal e Projectos de Sector das TI s em Portugal e Projectos de Financiamento Seminário Modelos de Gestão em Tecnologias de Informação: Gestão de Serviços, da Segurança e da Inovação 18 Nov 2010 Escola de Engenharia da Universidade

Leia mais

Revisão do Mapeamento de Processos em Levantamentos Topográficos de Áreas Patrimoniais. Antônio Diego Oliveira de Almeida Ivanildo Barbosa

Revisão do Mapeamento de Processos em Levantamentos Topográficos de Áreas Patrimoniais. Antônio Diego Oliveira de Almeida Ivanildo Barbosa Revisão do Mapeamento de Processos em Levantamentos Topográficos de Áreas Patrimoniais Antônio Diego Oliveira de Almeida Ivanildo Barbosa Instituto Militar de Engenharia - IME CEP 22290-270 - Rio de Janeiro

Leia mais

Gerenciamento do Escopo de Projetos. Parte 04. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento do Escopo de Projetos. Parte 04. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento do Escopo de Projetos Parte 04 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

Interface between IP limitations and contracts

Interface between IP limitations and contracts Interface between IP limitations and contracts Global Congress on Intellectual Property and the Public Interest Copyright Exceptions Workshop December 16, 9-12:30 Denis Borges Barbosa The issue Clause

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH Duolao Wang; Ameet Bakhai; Angelo Del Buono; Nicola Maffulli Muscle, Tendons and Ligaments Journal, 2013 Santiago A. Tobar L., Dsc. Why to determine the

Leia mais