Bolsa de Valores de São Paulo e o Mercado de Capitais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bolsa de Valores de São Paulo e o Mercado de Capitais"

Transcrição

1 Bolsa de Valores de São Paulo e o Mercado de Capitais

2

3 PERFIL A Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA foi fundada em 1890 e tem uma longa história de serviços prestados ao mercado de capitais e à economia brasileira. A partir do processo de reestruturação do mercado de capitais brasileiro, em 2000, a BOVESPA tornou-se a única bolsa para negociação de ações no Brasil. Em 2007, após uma reestruturação societária, a BOVESPA deixou de ser constituída como uma sociedade civil sem fins de lucro, que mantinha uma estrutura mútua, integralmente detida pelas Sociedades Corretoras. Seguindo a tendência internacional, em outubro de 2007 concluiu o processo de desmutualização, reorganização societária, abertura de capital e listagem de suas próprias ações. A partir da reestruturação societária, a BOVESPA passou a ser denominada Bolsa de Valores de São Paulo S.A., uma empre- sa do Grupo Bovespa Holding. A Bovespa Holding é uma empresa com fins lucrativos de capital aberto e listada, que detém a totalidade do capital da BOVESPA e da CBLC, que são sociedades operacionais, por ações, de capital fechado. A Bovespa Holding participa ainda no Instituto Bovespa, instituição de responsabilidade socioambiental, organizada sob forma de associação sem fins lucrativos. A BOVESPA e a CBLC detêm participação no patrimônio da empresa BSM - Bovespa Supervisão de Mercado, encarregada da atividade de supervisão e fiscalização dos mercados administrados pela Bovespa Holding. A BOVESPA administra os mercados de bolsa de valores e de balcão organizado, onde são negociadas ações, opções, títulos de renda fixa, cotas de fundos, entre outros ativos. Estrutura SURVEILLANCE 3

4 ESTRUTURA REGULATÓRIA DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO O mercado de valores mobiliários no Brasil é regulado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), uma autarquia federal independente, ligada ao Ministério da Fazenda. A Lei de 1976 a chamada Lei do Mercado de Capitais criou a CVM e concedeu à autarquia o poder de regulação sobre todos os participantes, atividades e serviços prestados no mercado de valores mobiliários, e também sobre as entidades administradoras de bolsa de valores e de mercados de balcão organizado, as Corretoras de Valores, as companhias abertas e os investidores. A lei garante à CVM a autoridade para investigar, julgar e punir irregularidades no mercado. Em 2001, a Lei alterou a Lei 6.385/76, fortalecendo a estrutura do mercado de capitais e ampliando os poderes da CVM, com destaque para: mandato fixo para os membros do colegiado, orçamento mais apropriado ao cumprimento de suas funções e, a partir da nova lei, a manipulação de mercado e o uso de informação privilegiada para negociação passaram a ser consideradas violações criminais. Principais marcos regulatórios do mercado de capitais v Lei do Mercado de Valores Mobiliários (Lei 6.385/76 alterada pela Lei /01): regulamenta a CVM, os intermediários, as bolsas e questões de quaisquer valores mobiliários; v Lei das Sociedades por Ações (Lei 6.404/76 alterada pela Lei /01): regulamenta companhias abertas e emissores no mercado de valores mobiliários; v Instrução sobre o funcionamento das bolsas (Instrução CVM 461/07): governa a estrutura e o funcionamento das bolsas e estabelece as regras para o Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos. A Instrução CVM 461/07 substituiu a Resolução CMN 2.690/00. A BOVESPA A BOVESPA é a maior bolsa de valores da América Latina, representando cerca de 75% do volume total negociado em ações na região, de acordo com estatísticas da WFE (World Federation of Exchanges), a Federação Mundial de Bolsas. DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO Marcos A. Costa e Silva DIRETORIA ADJUNTA DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES Charles Mann de Toledo DIRETORIA DE ASSUNTOS CORPORATIVOS Helcio Fajardo Henriques 4

5 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Raymundo Magliano Filho DIRETORIA GERAL Gilberto Mifano ASSESSORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS José Roberto Mubarack ASSESSORIA GERAL E SUPERINT. DO INSTITUTO BOVESPA Izalco Sardenberg DIR. ADJUNTA CONTROLADORIA - BVSP DIR. DE CONTROLES INTERNOS - CBLC Reinaldo Cilurzo DIRETORIA DE ASSUNTOS LEGAIS Nora Matilde Rachman DIRETORIA DE FINANÇAS E CONTROLE Francisco Carlos Gomes DIRETORIA DE MARKETING E COMUNICAÇÃO Luís Antonio de O. Abdal DIRETORIA DE NEGOCIAÇÃO DE RENDA FIXA Carlos Kawall Leal Ferreira DIRETORIA DE OPERAÇÕES- BVSP Ricardo Pinto Nogueira DIRETORIA DE OPERAÇÕES- CBLC Amarílis Prado Sardenberg DIRETORIA DE RELAÇÕES COM EMPRESAS João Batista Fraga DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Luiz Gonzaga de O. Simões DIRETORIA ADJUNTA DE PROJETOS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS Cristiana Pereira DIRETORIA ADJUNTA DE CONTROLE DE RISCOS E GARANTIA Wagner Anacleto DIRETORIA ADJUNTA DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Romeu Pasquantonio DIRETORIA ADJUNTA DE OPERAÇÕES DE RENDA VARIÁVEL André Demarco DIRETORIA ADJUNTA DE LIQUIDAÇÃO E MONITORAÇÃO Agenor Silva Bovespa Holding Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia - CBLC 5

6 NEGOCIAÇÃO Atualmente, 100% dos negócios são realizados de forma eletrônica. Ações e derivativos Em 1997, a BOVESPA introduziu o sistema de negociação eletrônica MEGA BOLSA. O sistema mundialmente conhecido como NSC foi licenciado da Atos, empresa do grupo Euronext (antiga Bolsa de Paris), e é utilizado por mais de 20 bolsas de ações e derivativos em todo o mundo. PRINCIPAIS TIPOS DE ORDENS ORDEM A MERCADO O investidor especifica somente a quantidade e as características dos valores mobiliários ou direitos que ele deseja comprar ou vender. A Corretora de Valores deve executar a ordem a partir do momento em que ela for recebida. ORDEM ADMINISTRADA O investidor especifica somente a quantidade e as características dos valores mobiliários ou direitos que ele deseja comprar ou vender. A execução da ordem fica a critério da Corretora de Valores. ORDEM DISCRICIONÁRIA Um administrador de carteira de títulos e valores mobiliários ou um representante de mais de um cliente estabelece as condições sob as quais a ordem será executada. Uma vez executada, quem deu a ordem indicará: Em média, as ordens inseridas no MEGA BOLSA são executas e confirmadas em menos de meio segundo, respeitando a prioridade de preço e de tempo. O livro de ordens é público para as Corretoras. v Ambiente de negociação totalmente eletrônico v Sistema de negociação dirigido por ordens v Tempo médio de resposta de menos de meio segundo v o nome do investidor (ou investidores) v a quantidade de valores mobiliários a ser atribuída a cada um deles v os respectivos preços ORDEM LIMITADA A transação somente será realizada a um preço igual ou melhor do que o especificado pelo investidor. ORDEM CASADA O investidor solicita a venda de um valor mobiliário ou direito para adquirir um outro, estipulando a transação que ele deseja que seja executada primeiro. A transação será liquidada somente se ambas as ordens forem executadas. ORDEM DE FINANCIAMENTO O investidor solicita a compra ou venda de um valor mobiliário ou direito em um determinado mercado e, simultaneamente, a compra ou a venda do mesmo valor mobiliário ou direito no mesmo mercado ou em algum outro, com uma data de liquidação diferente. ORDEM STOP O investidor especifica o preço a partir do qual a ordem de compra ou de venda do valor mobiliário ou direito deverá ser executada. 6

7 , , , , , , ,00 Número de Negócios x Volume Financeiro ,00 Número de negócios Volume financeiro (R$ milhões) ACESSO DOS INVESTIDORES Para negociar na BOVESPA, os investidores devem escolher uma Corretora de Valores, autorizada a operar em seus mercados. Os serviços oferecidos e as alternativas para acessar o mercado diferem dependendo do perfil de atuação de cada Corretora. A lista completa de Corretoras e serviços prestados está disponível no site na seção Corretoras. Nos últimos anos, a BOVESPA tem desenvolvido alternativas de acesso ao mercado para investidores de varejo e investidores institucionais. permite ao investidor inserir suas ordens no MEGA BOLSA, para execução imediata ou programada, utilizando o website de sua Corretora. Além disso, as Corretoras disponibilizam para seus clientes, também em suas páginas da internet, o acesso às suas posições em carteira, cotações, relatórios de mercado, entre outros serviços. Para os investidores institucionais, as Corretoras oferecem a conexão automatizada institucional, permitindo que seus clientes tenham seu próprio terminal MEGA BOLSA. Assim como nas operações por meio do Home Broker, as ordens dos investidores institucionais passam pela Corretora, que estabelece os limites operacionais para cada investidor e, em seguida, chegam ao livro de ordens da BOVESPA. A BOVESPA encarrega-se da conexão segura entre os sites das Corretoras e o MEGA BOLSA. As Corretoras desenvolvem, em seus websites, as facilidades que desejam oferecer para seus clientes, tanto de varejo quanto institucionais. Lançado em 1999, o Home Broker é um ambiente de internet desenvolvido para investidores pessoas físicas (varejo) acessarem o mercado de ações e de opções. O Home Broker Os investidores que têm acesso ao Home Broker ou utilizam a conexão automatizada têm a possibilidade de acompanhar as ofertas em tempo real. 7

8 Ao registrar ofertas, o Formador de Mercado proporciona um preço de referência para a negociação do ativo e propicia a liquidez, permitindo ao investidor sair de sua posição quando desejar. SESSÃO NOTURNA DE NEGOCIAÇÃO - AFTER-MARKET Visando facilitar o acesso dos investidores ao mercado, em 1999 ampliamos o horário de negociação, criando uma sessão noturna, chamada After-Market, que funciona das 17h30 às 19h (e, durante o horário de verão, das 18h30 às 19h30). No After-Market, são feitas operações somente no mercado a vista e os volumes de negociação estão sujeitos a limites baseados na liquidez da ação. Há restrições quanto às oscilações de preço, de 2% (para mais ou para menos) em relação aos preços de fechamento da sessão regular. Os preços dos negócios realizados durante a sessão noturna não afetam os cálculos dos índices da BOVESPA nem o preço de abertura do dia seguinte. FORMADORES DE MERCADO (Market Makers) Em 2003, foram introduzidas novas regras para os Formadores de Mercado. A função do Formador de Mercado (Market Maker, em inglês) é promover a liquidez de um determinado ativo. Os Formadores de Mercado podem ser Corretoras de Valores, distribuidoras de valores ou bancos (múltiplos e de investimento) que, ao se credenciarem para exercer essa função, assumem a obrigação de colocar no mercado, diariamente, ofertas firmes de compra e de venda para uma quantidade de ativos predeterminada e conhecida por todos. Para obter mais informações sobre os Formadores de Mercado, acesse > Mercado > FormadordeMercado UNIDADE EXTERNA DE CONTINGÊNCIA A BOVESPA e a CBLC dispõem de uma Unidade Externa de Contingência que oferece ao mercado um site backup para garantir, em caso de desastre, até 24 horas de negociação e a continuidade dos sistemas. O site backup está alinhado aos padrões internacionais de segurança e possui uma plataforma backup para negociação, apoio ao processamento de back-office e funções administrativas e executivas. Toda informação relativa aos negócios realizados na Bolsa é gravada e recarregada, em tempo real, nos centros de operações e no site backup, que estão localizados e funcionam em uma rede elétrica e de telecomunicações diferente da rede utilizada pelo edifício-sede. MERCADOS E PRODUTOS DA BOVESPA Na BOVESPA são negociadas ações de empresas brasileiras (mercado a vista), bem como seus derivativos (mercados a termo, de opções e futuro de ações) e certificados de ações de empresas estrangeiras. v Mercado a vista v Mercado de opções v Mercado a termo v Mercado futuro v Mercado de renda fixa corporativa v Mercado de balcão organizado 8

9 VALORES MOBILIÁRIOS NEGOCIADOS NA BOVESPA Abaixo, em ordem alfabética, a lista dos valores mobiliários passíveis de negociação nos sistemas eletrônicos da BOVESPA: Ações Bônus de Subscrição Brazilian Depository Receipts - BDR Certificados de Investimento Audiovisual Certificados de Depósitos de Ações Certificados de Potencial Adicional de Construção - CEPAC Certificados de Recebíveis Imobiliários - CRI Cotas de Fundos de Índices - ETF Cotas de Fundos de Investimento em Cotas de FIDC - FIC/FIDC11 Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Cotas de Fundos de Investimentos Imobiliários - FII Debêntures Direitos e Recibos de Subscrição Futuro de Ações Notas Promissórias Opções Não Padronizadas - Warrants Opções sobre Ações Opções sobre Índices Termo de Debêntures Termo de Ações Para mais informações sobre os valores mobiliários disponíveis para negociação, acesse o link Mercado no site AÇÕES Na BOVESPA, são negociadas ações de empresas brasileiras (mercado a vista), bem como seus derivativos (mercados a termo, de opções e futuro de ações) e certificados de ações de empresas estrangeiras. Ações são títulos nominativos negociáveis que representam uma fração do capital social de uma determinada empresa. No Brasil, a Lei das Sociedades por Ações permite que as empresas emitam dois tipos de ações: Ordinárias (ON): que asseguram o direito de voto nas assembléias de acionistas da empresa; Preferenciais (PN): que oferecem preferência no recebimento de resultados ou no reembolso do capital em caso de liquidação da companhia. Entretanto, as ações preferenciais não concedem o direito de voto, ou o restringem. As ações preferenciais podem ainda ser diferenciadas por classes: A, B, C ou alguma outra letra que apareça após o PN. As características de cada classe são estabelecidas pela empresa emissora da ação em seu estatuto social e, portanto, variam de empresa para empresa, não permitindo uma definição geral. MERCADO DE OPÇÕES O mercado de opções sobre ações e sobre índices da BOVESPA é bastante representativo. De acordo com estudo da Ioma (International Options Market Association) Derivatives Market Survey de 2006, a BOVESPA foi classificada como o terceiro maior mercado do mundo em opções sobre ações, em termos de número de contratos e de valor negociado. Uma retrospectiva dos últimos anos mostra que a BOVESPA tem se mantido entre os cinco maiores mercados para negociação de opções sobre ações. Na BOVESPA, as opções de compra (call) seguem o modelo americano, isto é, podem ser exercidas a qualquer momento até a data de vencimento, enquanto as opções de venda (put) seguem o modelo europeu, só podendo ser exercidas na data de vencimento. 9

10 Os vencimentos dos contratos de opções sobre ações ocorrem sempre na terceira segunda-feira de cada mês. Já os vencimentos dos contratos de opções sobre índices ocorrem sempre na quarta-feira mais próxima do dia 15 dos meses pares. MERCADO DE RENDA FIXA MERCADO A TERMO O mercado a termo oferece a possibilidade de compra ou venda de um determinado número de ações a um preço fixado, para entrega dentro de prazo definido (entre 12 e 999 dias da data do negócio). A liquidação pode ser feita até o vencimento do contrato. A BOVESPA também oferece os contratos a termo em pontos. Esse produto permite que o vendedor negocie sua posição no mercado secundário sem afetar os termos acordados no contrato original. Existe ainda o contrato a termo flexível, pelo qual o comprador pode substituir as ações subjacentes de um contrato a termo através da venda em dinheiro das ações compradas no mesmo mercado e usar os rendimentos para comprar ações de outras companhias no mercado a vista. BOVESPA FIX BOVESPA FIX é a plataforma para registro e negociação de títulos de renda fixa privada, em ambiente de bolsa. O sistema provém aos participantes de mercado e aos investidores um ambiente regulado e totalmente eletrônico para negociação de instrumentos de renda fixa. No BOVESPA FIX, são negociadas debêntures, notas promissórias, FIDCs (Fundos de Investimento em Direitos Creditórios) e CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários). Informações completas sobre os ativos disponíveis para negociação no BOVESPA FIX podem ser obtidas no site MERCADO FUTURO DE AÇÕES Uma operação no mercado futuro de ações da BOVESPA compreende a compra ou a venda de ações listadas, a um preço acordado entre as partes, para liquidação em uma data futura específica, previamente autorizada. Normalmente, o esperado é que o preço do contrato futuro de uma determinada ação seja equivalente ao preço a vista, acrescido de uma fração correspondente à expectativa de taxas de juros entre o momento da negociação do contrato futuro de ações e a respectiva data de liquidação do contrato. O mercado futuro de ações complementa outras modalidades de derivativos negociados na BOVESPA, permitindo a execução de estratégias combinando os diferentes mercados. SOMAFIX O SOMAFIX é a plataforma de negociação de valores mobiliários de renda fixa do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA. ETF (EXCHANGE TRADED FUND) Em 2004, foi lançado pelo BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o primeiro ETF do mercado brasileiro, o PIBB (Papéis Índice Brasil Bovespa), um fundo de investimento em ações que tem por objetivo refletir, com a maior fidelidade possível, o desempenho de um dos principais índices de referência para o mercado de ações brasileiro, o IBrX-50 (Índice Brasil 50). A segunda emissão do PIBB aconteceu em setembro de

11 Ao comprar o produto, o investidor define o nível de proteção desejado, escolhendo em qual série vai investir. No caso de optar por uma série com percentual de participação de 80%, funcionaria da seguinte forma: POP - PROTEÇÃO DO INVESTIMENTO COM PARTICIPAÇÃO Lançado em fevereiro de 2007, o POP (Proteção do Investimento com Participação) é um produto estruturado de renda variável, negociado na BOVESPA e voltado ao investidor que deseja obter proteção em seus investimentos em bolsa. O POP proporciona uma proteção contra eventuais perdas (desvalorização) do investimento em ações; em troca, o investidor abre mão de um percentual nos potenciais ganhos desse investimento. Em essência, o POP é uma combinação de três instrumentos: uma ação (mercado a vista) e suas correspondentes opções de compra e de venda (mercado de opções). a) se o preço da ação cai, o investidor recebe o valor total do capital protegido; ou b) se o preço da ação sobe, o investidor abre mão de 20% do ganho gerado pela valorização. Embora o POP seja composto por três instrumentos, basta uma única ordem ou instrução para comprá-lo ou vendêlo no mercado. Além da possibilidade de proteger todo o capital investido, as séries de POP prevêem alternativamente a participação do investidor de 70% ou 80% nos ganhos. Nesse último caso, o investidor fica com uma parcela maior do ganho resultante de valorização do preço da ação. Cabe destacar que o valor do capital protegido escolhido pelo investidor pode ser menor que o valor pago pelo POP. Para mais informações sobre este produto, incluindo um simulador, acesse 11

12 ÍNDICES ÍNDICES - OS PRINCIPAIS BENCHMARKS A BOVESPA desenvolve e calcula diversos índices que medem o comportamento do mercado de ações no Brasil. O Índice Bovespa (Ibovespa) é o mais tradicional e foi criado em As ações integrantes da carteira teórica do Ibovespa respondem por 80% do número de negócios e do volume financeiro verificados no mercado a vista (lote-padrão) da BOVESPA. A ponderação dos papéis no Ibovespa é feita de acordo com a liquidez. O IBrX-50 e o IBrX são compostos respectivamente pelas 50 e 100 ações mais negociadas na BOVESPA, sendo suas ponderações nos índices feita pelo valor de mercado das ações em circulação. As carteiras são revistas a cada quatro meses, considerando os 12 meses anteriores, para os períodos de janeiro a abril, maio a agosto e setembro a dezembro. Como resultado, inclusões e exclusões de papéis podem ocorrer nesses índices. Os Índices Setoriais Itel, IEE e INDX refletem respectivamente o comportamento dos setores de telecomunicações, elétrico e industrial. Ibovespa - Evolução de 1994 a 2007 Pontos A carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) é revisada a cada 12 meses, quando as empresas são convidadas novamente a responder ao questionário sobre sustentabilidade empresarial. O Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC), por sua vez, sofre alteração sempre que uma empresa adere a um dos níveis diferenciados de governança corporativa. A carteira do Índice de Ações com Tag Along Diferenciado (Itag) é modificada conforme as empresas incluem em suas previsões estatutárias melhores condições aos acionistas minoritários, no caso de alienação de controle, além do que é exigido por lei. A atual composição dos índices, estatísticas e informações adicionais podem ser encontradas no site na seção Mercado > Índices jan/94 jan/95 jan/96 jan/97 jan/98 jan/99 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 12

13 ÍNDICES DA BOVESPA Índice Classificação Criado em Principal Característica Composição/Metodologia Ibovespa Índice Amplo 02/01/1968 Ações que representam 80% do Ações que representam mais de 80% do número volume negociado de negócios e do volume financeiro negociado no mercado a vista (lote-padrão) IBrX-100 Índice Amplo 28/12/ ações mais negociadas do 100 ações mais negociadas em termos de número mercado a vista de negócios e volume financeiro, no mercado a vista, ponderadas de acordo com o número de ações em circulação (free float) IBrX-50 Índice Amplo 30/12/ ações mais negociadas do 50 ações mais negociadas em termos de número mercado a vista de negócios e volume financeiro, no mercado a vista, ponderadas de acordo com o número de ações em circulação (free float) IVBX-2 Índice de Segmento 30/12/ empresas de segunda linha 50 ações classificadas em ordem decrescente de liquidez (a partir da 11ª), medidas por sua negociabilidade nos últimos 12 meses IEE Índice Setorial 29/12/1994 Ações do setor de energia elétrica Todas as ações de companhias do setor de energia elétrica listadas na Bolsa Itel Índice Setorial 30/12/1999 Ações do setor de telecomunicações Todas as ações de companhias do setor de telecomunicações listadas na Bolsa IGC Índice de Segmento 25/06/2001 Ações das companhias que adotam Ações de todas as companhias que aderiram práticas de governança corporativa ao Novo Mercado, Nível 1 ou 2, com participação ponderada de acordo com o comprometimento com a governança corporativa. As ações das empresas do Novo Mercado têm peso 2, do Nível 2 têm peso 1,5 e do Nível 1 têm peso 1 Itag Índice de Segmento 30/12/2002 Ações das companhias que oferecem, Todas as ações das companhias que oferecem direito em caso de alienação de controle, especial de tag along (extensão do prêmio de melhores condições aos acionistas controle) e que foram negociadas no mínimo em minoritários do que as exigidas por lei 30% dos pregões nos últimos 12 meses, ponderadas de acordo com o número de ações em circulação (free float) ISE Índice de Segmento 01/12/2005 Aproximadamente 40 ações emitidas Ações das empresas mais comprometidas com a por companhias altamente sustentabilidade empresarial e a responsabilidade comprometidas com sustentabilidade socioambiental, selecionadas pela BOVESPA de empresarial e responsabilidade social acordo com o resultado de um questionário preenchido anualmente pelas empresas INDX Índice Setorial 03/07/2006 Ações do setor industrial Ações de companhias do setor industrial entre as 150 melhor classificadas, considerando o índice de negociabilidade, ponderadas de acordo com os respectivos free floats 13

14 GOVERNANÇA CORPORATIVA NOVO MERCADO, NÍVEL 2 E NÍVEL 1 SEGMENTOS DE LISTAGEM COM REGRAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA No ano 2000, antes dos escândalos corporativos que ocorreram em diversos países, a BOVESPA percebeu que, para desenvolver o mercado de capitais brasileiro, atrair investidores e novas empresas, era necessário criar segmentos de listagem com regras rígidas de governança corporativa. Essa constatação levou à criação do Novo Mercado. As regras de governança corporativa estabelecidas vão além das obrigações previstas na Lei das Sociedades por Ações e visam reduzir o risco dos investidores e melhorar a avaliação das empresas. A percepção de risco pode ser minimizada graças aos direitos e garantias asseguradas aos acionistas e às informações mais completas divulgadas, que reduzem as assimetrias de informações entre acionistas controladores, gestores da companhia e os participantes do mercado. A adesão aos segmentos é voluntária, no entanto, para aderir aos segmentos especiais de listagem, as companhias assinam um contrato com a BOVESPA. ELEVADO PADRÃO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA As companhias listadas no Novo Mercado só podem emitir ações com direito de voto, as chamadas ações ordinárias. Experimentar mudanças dessa magnitude nas estruturas de capital das companhias tem sido mais fácil para empresas que estão abrindo capital do que para as mais de 400 empresas já listadas na BOVESPA. A fim de assegurar que todas as empresas sejam capazes de dar passos em direção à ampliação dos compromissos com as boas práticas de governança corporativa, a BOVES- PA criou também dois níveis intermediários de governança corporativa: o Nível 1 e o Nível 2. NOVO MERCADO REGRAS RELACIONADAS À ESTRUTURA DE GOVERNANÇA E AOS DIREITOS DOS ACIONISTAS Entre as regras destacam-se: a exigência do capital ser composto exclusivamente por ações ordinárias com direito a voto; no caso de venda de controle todos os acionistas têm direito a vender suas ações pelo mesmo preço (tag along de 100%); em caso de deslistagem ou cancelamento do contrato do Novo Mercado com a BOVESPA, a empresa deverá fazer oferta pública para recomprar as ações de todos os acionistas no mínimo pelo valor econômico; o Conselho de Administração deve ser composto por no mínimo cinco membros, sendo 20% dos conselheiros independentes e o mandato máximo de dois anos. A companhia também se compromete a manter no mínimo 25% das ações em circulação (free float). REGRAS DE TRANSPARÊNCIA Divulgação de dados financeiros mais completos, incluindo relatórios trimestrais com demonstração de fluxo de caixa e relatórios consolidados revisados por um auditor independente são algumas das exigências. A empresa deverá ainda disponibilizar relatórios financeiros anuais em um padrão internacionalmente aceito (US Gaap ou IFRS). Outra 14

15 exigência refere-se à necessidade de divulgar mensalmente as negociações com valores mobiliários da companhia pelos diretores, executivos e acionistas controladores. Confira o regulamento completo do Novo Mercado em na seção Empresas>Governança Corporativa>Novo Mercado ENFORCEMENT (FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO) A BOVESPA assume a tarefa de supervisionar e garantir a execução das normas e regras estipuladas no Regulamento de Listagem do Novo Mercado e Níveis Diferenciados de Governança Corporativa. Se qualquer uma das regras for infringida, existem sanções a serem impostas às pessoas responsáveis pela respectiva obrigação. Existem multas previstas para os administradores, companhia e controladores. Como último recurso, há a possibilidade de deslistar a empresa e, nesse caso, a empresa é obrigada a fazer uma oferta pública de aquisição (OPA) a todos os acionistas pelo valor econômico. CÂMARA DE ARBITRAGEM (CAM) Em 2001, a BOVESPA instituiu a Câmara de Arbitragem do Mercado (CAM), que proporciona às companhias, aos diretores das companhias, aos acionistas minoritários, aos acionistas controladores e à BOVESPA, um meio de resolver disputas rapidamente, usando os serviços de especialistas em assuntos corporativos e em técnicas de resolução de conflitos, alternativamente a recorrer ao poder judiciário. O âmbito de atuação da CAM restringe-se a questões relacionadas à Lei das Sociedades por Ações, à regulação do mercado de capitais e às regras de listagem. De acordo com a Lei da Arbitragem, não cabe apelação ao judiciário da sentença final da CAM. As decisões da CAM são encaminhadas ao poder judiciário somente para execução. A CAM possui inúmeras vantagens, tais como maior agilidade e custos mais baixos, além de manter a confidencialidade das questões envolvidas na disputa. As empresas listadas no Novo Mercado e no Nível 2 devem incluir em seus estatutos a previsão de resolver, por meio da CAM, quaisquer disputas ou controvérsias que possam surgir, relacionadas ao mercado de capitais. Essa exigência visa garantir maior efetividade das regras. Confira o regulamento completo da Câmara de Arbitragem do Mercado em NÍVEL 2 O Nível 2 exige que as companhias aceitem e cumpram todas as obrigações previstas no regulamento do Novo Mercado, com poucas exceções. As empresas do Nível 2 têm o direito de manter ações preferenciais. No caso de venda de controle da empresa, é assegurado aos detentores de ações preferenciais o direito de tag along, no mínimo, de 80% do preço pago pelas ações ordinárias do acionista controlador. As ações preferenciais têm ainda direito de voto em algumas situações críticas, como a aprovação de fusões e incorporações da empresa e contratos entre o acionista controlador e a companhia, sempre que tais decisões estiverem sujeitas a aprovação na Assembléia Geral de Acionistas. NÍVEL 1 O Nível 1 exige que as empresas adotem práticas que favoreçam a transparência e o acesso a informações pelos investidores. Para isso, devem divulgar informações adicionais às exigidas em lei, como estabelecido nas regras do Novo Mercado, tais como relatórios financeiros mais completos, informações sobre negociação de diretores, executivos e acionistas controladores 15

16 e sobre operações com partes relacionadas. Companhias listadas nesse segmento devem também manter um free float, no mínimo, de 25%. A partir de 2002, a BOVESPA aperfeiçoou suas regras de listagem para estabelecer que qualquer nova listagem envolvendo uma oferta pública de ações ou títulos de dívida conversíveis em ações deve ser registrada na BOVESPA, no mínimo, no Nível 1. A RELEVÂNCIA DOS SEGMENTOS DE LISTAGEM COM REGRAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA A partir de 2004, com o aquecimento da economia brasileira, diversas empresas decidiram abrir capital, captar recursos e se listar na BOVESPA. O histórico de ofertas e listagem nos novos segmentos de governança corporativa estabelecidos pela BOVESPA demonstra o processo de mudança cultural e a consolidação do Novo Mercado. O padrão do mercado brasileiro está claramente definido o único modelo para novas listagens que é aceito pelos investidores é o Novo Mercado com a exceção de casos bem específicos de empresas que se listam no Nível 2 e no Nível 1. Esses dois últimos atendem principalmente às companhias listadas anteriormente à criação dos níveis de governança da BOVESPA. Até o final de 2007, mais de 150 empresas foram listadas nos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa da BOVESPA. Para obter informações sobre essas companhias, acesse o site no link Empresas > Para Investidores > Empresas Listadas. Após o lançamento dos segmentos de listagem com regras de governança corporativa, em dezembro de 2000, a BOVESPA desenvolveu o Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC). O índice compreende todas as companhias negociadas nos segmentos especiais de governança corporativa, de forma que os investidores possam monitorar o desempenho desse grupo de empresas. Sempre que uma companhia adere ao regulamento de listagem do Novo Mercado ou dos Níveis 1 ou 2, suas ações são incluídas na carteira teórica do índice. Participação anual do Novo Mercado, do Nível 1 e do Nível 2 na capitalização de mercado 35% 35% 46% 54% 57% 24% 16% Participação anual do Novo Mercado, do Nível 1 e do Nível 2 no volume total da BOVESPA % 53% 48% 39% 35% 19% 23%

17 Em 1º de julho de 2005, foi lançado o Índice de Ações com Tag Along Diferenciado (Itag), composto por ações de companhias que voluntariamente garantem a seus acionistas direito de tag along além do estabelecido por lei. BOVESPA MAIS Acesso gradativo ao mercado de capitais Em fevereiro de 2008, foi inaugurado o BOVESPA MAIS, segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA, idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro acessível a um número maior de empresas, especialmente àquelas que desejam ingressar no mercado de capitais de forma gradativa. Nesse quesito, destacam-se as empresas de pequeno e médio porte, que vêem o mercado acionário como uma importante fonte de recursos e que buscam adotar estratégias diferenciadas de ingresso no mercado de ações, dentre as quais a captação de volumes menores, o aumento de exposição junto ao mercado para criar valor e a realização de distribuições mais concentradas. As empresas listadas no BOVESPA MAIS tendem a atrair investidores que visualizem nelas um potencial de desenvolvimento mais acentuado, quando comparadas com empresas listadas no mercado principal. As regras de listagem do BOVESPA MAIS são semelhantes às do Novo Mercado e, da mesma forma, as empresas nele listadas assumem compromissos de elevados padrões de governança corporativa e transparência com o mercado por meio da assinatura de um contrato com a BOVESPA. Mais informações sobre o BOVESPA MAIS, como suas regras de listagem e de negociação, podem ser encontradas no website na seção Empresas > Governança Corporativa > BOVESPA MAIS Desempenho anual do Ibovespa, IBrX-50, ITAG e IGC Pontos (Base 100 Dez/2002) IBOVESPA dez-02 jun-03 dez-03 jun-04 dez-04 jun-05 IBOVESPA dez-05 jun-06 dez-06ibrx-50jun-07 dez-07 IBOVESPA IBrX-50 ITAG IBOVESPA IBrX-50 ITAG IGC dez-03 jun-04 dez-04 jun-05 IBrX-50 dez-05 jun-06 ITAG dez-06 jun-07 IGC dez-07 ez-04 jun-05 dez-05 jun-06 ITAG dez-06 jun-07 IGC dez-07 z-05 jun-06 dez-06 jun-07 IGC dez-07 ez-06 jun-07 dez-07 IBOVESPA IBrX-50 ITAG IGC 17

18 CONFORMIDADE COM PADRÕES INTERNACIONAIS A BOVESPA tem um papel ativo em diversos fóruns de discussões e associações internacionais: Participamos da WFE - Federação Mundial de Bolsas: somos membro do Conselho de Administração e do Comitê de Trabalho; Presidimos a Fiab - Federação Ibero-americana de Bolsas até setembro de 2007 e atualmente somos membro do Comitê Executivo e presidimos o Comitê de Trabalho; Participamos da Organização Internacional de Comissões de Valores (Iosco, na sigla em inglês) como membro do Comitê Consultivo de Organizações Auto- Regulatórias. Os princípios e recomendações das federações e associações, tais como os princípios de mercado da WFE e da Iosco, são integralmente adotados e seguidos pela BOVESPA, seus Estatutos e Regulamentos e por seu Conselho de Administração. A BOVESPA é associada à Anna - Association of National Numbering Agencies e desde 1995 é a agência numeradora brasileira, única instituição autorizada a atribuir códigos Isin (International Securities Identification Number) a valores mobiliários no Brasil. A BOVESPA participa ativamente na liderança de discussões internacionais sobre as melhores práticas de Governança Corporativa, em fóruns organizados pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), IFC (International Finance Corporation) e Banco Mundial. 18

19 SERVIÇOS E INFORMAÇÕES SÉRIES HISTÓRICAS DE COTAÇÕES Focado em um público amplo, que compreende, entre outros, administradores de fundos, empresas de análises e investidores institucionais. A BOVESPA oferece Séries Históricas de Cotações com o objetivo de fornecer de forma rápida e eficiente uma ampla gama de informações sobre os valores mobiliários negociados na Bolsa. A base de dados contém informações desde WEBSITE www. bovespa.com.br A BOVESPA é uma das maiores fontes de informação sobre o mercado de capitais brasileiro. Além de publicações e guias destinados a investidores locais e estrangeiros, em seu website podem ser encontradas informações sobre produtos e serviços, como: Informação de Mercado oferece séries históricas de negociação, índices, participação de investidores, capitaliza- ção de mercado, além de legislação e regulação de mercado, relatórios e outras estatísticas; Companhias Listadas oferece informações das companhias listadas na Bolsa, incluindo dados financeiros e corporativos; Corretoras contém a relação das Corretoras que operam na BOVESPA e detalha os serviços prestados por elas; Resumo diário de negociação oferece um resumo diário de negociação sobre cada companhia listada, incluindo preço, volume negociado, número de negócios, sua participação nos índices e sobre o valor total de negociação da BOVESPA. São fornecidas informações sobre o mês anterior e o acumulado no ano; Informação geral detalha a organização da BOVESPA, sua governança, relatórios financeiros, produtos, a campanha de popularização de mercado, realizações de cidadania corporativa, entre outros. 19

20 PROGRAMA PARA VISITANTES A BOVESPA, em São Paulo e em suas Unidades Regionais de Curitiba, Fortaleza, Recife, Porto Alegre e Rio de Janeiro, oferece um Programa de Visitação especial para grupos de investidores e estudantes, estrangeiros e brasileiros, que inclui uma apresentação em português ou inglês explicando as principais características da BOVESPA, seus mercados, sistemas de negociação, projetos, índices e estatísticas. As visitas podem ser agendadas pelo site ou por bovespa.com.br). PUBLICAÇÕES A BOVESPA publica e distribui uma série de guias, manuais e panfletos sobre o mercado, alguns disponíveis também em inglês e espanhol. Essas publicações buscam favorecer a compreensão sobre as atividades da BOVESPA e estão disponíveis no site, link Bovespa > Publicações. REVISTA BOVESPA Publicada trimestralmente e distribuída no Brasil e no exterior, a Revista Bovespa contém artigos, notícias, análises e entrevistas sobre assuntos relacionados aos mercados de ações e financeiro, e às economias brasileira e internacional. PALESTRAS VIRTUAIS No site da BOVESPA, inclusive nas versões em inglês e espanhol, estão disponíveis diversas apresentações em vídeo sobre temas de interesse dos investidores. Tais apresentações encontram-se na seção Investidor > Sala de Vídeo. BDI BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÕES Diariamente, o BDI (Boletim Diário de Informações) provém dados completos sobre o último pregão. Também está disponível no site na seção Mercado > Ações > BDI. CENTRO DE INFORMAÇÃO DE IMPRENSA E sala de IMPRENSA A BOVESPA possui um departamento de informação destinado aos profissionais da imprensa. Oferece aos jornalistas cadastrados, brasileiros e estrangeiros, informação em tempo real sobre a performance de índices, o volume negociado e as ações mais negociadas, por meio de uma linha telefônica dedicada. Para mais informações e para se cadastrar, ligue (11) Adicionalmente, a BOVESPA oferece a Sala de Imprensa, um espaço no mezanino de seu edifício-sede, onde jornalistas podem utilizar uma estrutura completa para edição de notícias e podem pessoalmente, e em tempo real, manter-se informados sobre a evolução dos índices de mercado. Bovespa News O Bovespa News é um serviço de informações via para estrangeiros, publicado em inglês e em espanhol, que cobre as principais novidades do mercado de capitais brasileiro. Para recebê-lo, basta acessar o site e cadastrar-se gratuitamente na página da BOVESPA em inglês/espanhol na seção BOVESPA > Bovespa News. Na mesma página, todas as edições anteriores estão disponíveis para consulta. 20

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O BOVESPA MAIS é o segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA idealizado para tornar

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O Bovespa Mais é um dos segmentos especiais de listagem administrados pela Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBOVESPA)

Leia mais

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Sistema Financeiro O sistema financeiro pode ser definido como o conjunto de instituições, produtos e instrumentos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec

e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec e$tratégia acionária p a r a v e n c e r n a bolsa de valores Rivadavila S. Malheiros Novatec capítulo 1 Mercado de ações na bovespa 1.1 Mercado de ações Tudo começa com uma grande idéia que se transforma

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Conheça mais sobre dividendos, direitos de subscrição e bonificações clicando aqui.

Conheça mais sobre dividendos, direitos de subscrição e bonificações clicando aqui. Fonte: CVM O que é uma Ação? Ação é a menor parcela do capital social das companhias ou sociedades anônimas. É, portanto, um título patrimonial e, como tal, concede aos seus titulares, os acionistas, todos

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER 1 PARA QUE SERVE ESSE GUIA? Este guia se propõe a trazer os principais conceitos relacionados aos Brazilian Depositary Receipts (BDRs) e a explicar como funcionam. Ao término de sua

Leia mais

Iniciantes Home Broker

Iniciantes Home Broker Iniciantes Home Broker Para permitir que cada vez mais pessoas possam participar do mercado acionário e, ao mesmo tempo, tornar ainda mais ágil e simples a atividade de compra e venda de ações, foi criado

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende.

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. Mercado de Renda Variável, os preços estão em constante oscilação. Pela sua liquidez não existe pechincha. A importância

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Novo Mercado. Governança Corporativa

Novo Mercado. Governança Corporativa Novo Mercado Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BO- VESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Nível 2. Governança Corporativa

Nível 2. Governança Corporativa Nível 2 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012

GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012 GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL A CVM E O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL Leonardo B. Pupo Analista de Mercado de Capitais Gerência de Acompanhamento de Mercado 2 Superintendência de Acompanhamento de Mercado Agenda Intermediação Financeira

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas O Bovespa Mais, um dos segmentos especiais de listagem administrados pela BM&FBOVESPA, foi idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro

Leia mais

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Local:, Rua XV de Novembro, 275 - Centro 1º andar 08h40 09h00 Credenciamento 09h00 09h15 Abertura: Comitê Consultivo de Educação 09h15 10h30 A Comissão de Valores

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA CONTEÚDO CURSO PREPARATÓRIO PARA A REALIZAÇÃO DE PROVA DE CERTIFICAÇÃO PARA RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DOS RECURSOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (CPA-20, CPA-10 e ANCOR) 1. PRINCÍPIOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Ranking ANBIMA de Originação Valor e Número de Operações e Distribuição

Ranking ANBIMA de Originação Valor e Número de Operações e Distribuição Ranking ANBIMA de Originação Valor e Número de Operações e Distribuição Janeiro de 2013 Dos Princípios do Ranking 1. O Ranking da ANBIMA tem o objetivo de retratar fidedignamente o que ocorre no mercado

Leia mais

Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros

Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros Workshop Banco Central do Brasil Junho 2015 Junho/2015 1 Confidencial Uso Interno Público Agenda 1. Quais os serviços

Leia mais

A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES

A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES 1 Mercado Financeiro 2 Sistema Financeiro Conjunto de instituições dedicadas a manter um fluxo de recursos dos poupadores para o investimento das empresas e gastos das famílias

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TRISUL S.A. Companhia Aberta CNPJ nº o8.811.643/0001-27 / NIRE 35.300.341.627 Av. Paulista, 37 15º andar Bairro Paraíso, CEP 01311-000 - São

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos Definição Pode ser definido como sendo um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com titulos e valores mobiliarios, tendo como objetivo a canalização de recursos de agentes compradores

Leia mais

A visão do mercado de capitais

A visão do mercado de capitais IFRS Um Caminho Para Transparência Painel 1: Por que o IFRS é importante para o Brasil? A visão do mercado de capitais (30/04/2008) Agenda BOVESPA: visão geral Perfil das companhias listadas em bolsa Segmentos

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações.

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações. 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG GLOBAL CURRENCIES HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178. INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.421/0001-64) O cliente, devidamente qualificado em sua ficha cadastral,

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Negociação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. 1 PROPÓSITO A presente Política de Negociação de Valores Mobiliários tem como propósito estabelecer regras para

Leia mais

MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70

MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70 MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO E FATO RELEVANTE DA MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. A presente Política de Divulgação

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 Rua Ramos Batista,

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Edemir Pinto Diretor-Presidente BM&FBOVESPA Setembro/2009 Evolução Recente do Mercado de Capitais Brasileiro 2 Mercado de capitais brasileiro Fatores que influenciaram

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

AS NOVAS REGRAS DE REGISTRO DE EMISSORES DE VALORES MOBILIÁRIOS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

AS NOVAS REGRAS DE REGISTRO DE EMISSORES DE VALORES MOBILIÁRIOS NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber Sócio Fundador de Walter Stuber Consultoria Jurídica, atuando como advogado especializado em direito empresarial, societário, financeiro

Leia mais

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br

Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br Bem-vindo aos artigos do Finança Pessoal. Nesse primeiro artigo vamos esclarecer as informações sobre os Clubes de Investimentos e vamos fazer um passo-a-passo de como montar um clube. Esse artigo é uma

Leia mais

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010. Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010. Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010 Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro Total de negócios com ETFs passa de 17,9 mil para 25,6 mil Futuro de juro (DI) totaliza

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado:

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1. Companhia : Braskem S.A. 1.2. Controladora

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Profº Agenor paulino Trindade

BANCO DO BRASIL. Profº Agenor paulino Trindade BANCO DO BRASIL Profº Agenor paulino Trindade PREPARATÓRIO PARA O BANCO DO BRASIL Prof. AGENOR PAULINO TRINDADE MERCADO DE CAPITAIS DIRETITOS E PROVENTOS DAS AÇÕES: - Direito de Retirada Reembolso de Capital;

Leia mais

Aprenda a investir na Bolsa de Valores

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Aprenda a investir na Bolsa de Valores Investimento: Curso completo: R$ 350,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 1 ao 5: R$ 199,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 6 ao

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Estácio Participações S.A. 1. Propósito Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados pelos (i) Administradores

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

Comissão de Valores Mobiliários Protegendo quem investe no futuro do Brasil

Comissão de Valores Mobiliários Protegendo quem investe no futuro do Brasil Comissão de Valores Mobiliários Protegendo quem investe no futuro do Brasil EQUITY X DEBT CAPITAL MARKET O U T U B R O, 2 0 1 0 Comissão de Valores Mobiliários Protegendo quem investe no futuro do Brasil

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Objetivos da POLÍTICA 1. Esta POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS ( POLÍTICA ) estabelece as diretrizes e os procedimentos que orientam a WEG S.A., as empresas

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Agenda 1. Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) 2. Papeis do Banco Central do Brasil no SPB 3. Sistema Especial de Liquidação

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

ÓRGÃOS NORMATIVOS. Conselho Monetário Nacional CMN:

ÓRGÃOS NORMATIVOS. Conselho Monetário Nacional CMN: ÓRGÃOS NORMATIVOS Conselho Monetário Nacional CMN: Instituído pela Lei 4.595/64, é o órgão responsável por expedir diretrizes gerais do SFN. Suas principais funções definidas por lei são adaptar o volume

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA Fiscalização e autorregulação Principais Intermediários Outros Intermediários Sistema de Liquidação e Custódia CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA CPA-10 Copyright 2011 2012 BMI Brazilian Management Institute

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais