UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MEIO AMBIENTE E DESEMPENHO ECONÔMICO- FINANCEIRO: O IMPACTO DA ISO NAS EMPRESAS BRASILEIRAS ANETE ALBERTON FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA - BRASIL 2003

2 ANETE ALBERTON MEIO AMBIENTE E DESEMPENHO ECONÔMICO- FINANCEIRO: O IMPACTO DA ISO NAS EMPRESAS BRASILEIRAS Tese submetida ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina como parte dos requisitos para obtenção do Título de Doutor em Engenharia de Produção, sob a orientação do professor Newton Carneiro Affonso da Costa Jr., Dr. TESE DE DOUTORADO DOUTORADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA - BRASIL 2003

3 ALBERTON, Anete Meio Ambiente e Desempenho Econômico-Financeiro: o Impacto da ISO nas Empresas Brasileiras / Anete Alberton Florianópolis, p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Orientador: Newton Carneiro Affonso da Costa Jr., Dr.

4 MEIO AMBIENTE E DESEMPENHO ECONÔMICO- FINANCEIRO: O IMPACTO DA ISO NAS EMPRESAS BRASILEIRAS ANETE ALBERTON Esta tese foi julgada adequada para a obtenção do Título de Doutor em Engenharia de Produção e aprovada em sua forma final pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. EDSON PACHECO PALADINI, Dr. Coordenador BANCA EXAMINADORA: NEWTON CARNEIRO AFFONSO DA COSTA JR., Dr. Orientador Universidade Federal de Santa Catarina ROBERTO MEURER, Dr. Moderador Universidade Federal de Santa Catarina LUCILA MARIA DE SOUZA CAMPOS, Dr a Examinadora Externa Universidade do Vale do Itajaí GILBERTO DE OLIVEIRA KLOECKNER, Ph.D. Examinador Externo Universidade Federal do Rio Grande do Sul PAULO SÉRGIO CERETTA, Dr. Examinador Externo Universidade Federal de Santa Maria ALEXANDRE DE ÁVILA LERÍPIO, Dr. Examinador Universidade do Vale do Itajaí EMÍLIO ARAÚJO MENEZES, Dr. Examinador Universidade Federal de Santa Catarina

5 A meus pais: Idalina e Rosalino.

6 AGRADECIMENTOS A Deus. Ele está sempre presente em meu dia-a-dia, nos momentos mais difíceis dando-me forças para prosseguir, nos momentos alegres permitindo compartilhá-los. Às amigas Lucila e Rosilene. Vocês foram minha fonte de inspiração e as principais responsáveis pela retomada deste trabalho. Sem sua ajuda e incentivo certamente ele não seria finalizado. Dessa forma, além de meus pais, também o dedico a vocês. A meus pais. Sempre faltarão palavras para expressar o quão grata sou a vocês. Com seu trabalho e simplicidade souberam como transmitir os valores e princípios do ser moral e ético. Devo-lhes muito, mas principalmente a retidão de caráter e a humildade, qualidades que considero fundamentais. Ao professor Newton Carneiro Affonso da Costa Jr. Sua orientação foi valiosa. Obrigada pela paciência, por acreditar em mim e por dar-me a chance de aqui estar. Aos meus colegas, sobretudo amigos, Angelita, Anielson, Carlos Alberto, Caroline, Éverton, Fernanda, Luciana, Lucila, Márcia Helena, Márcio, Myriam, Patrícia, Rita, Rodrigo, Rosilene, Sidnei e Simone. Por fazerem parte de minha vida e torcerem tanto por mim, sou-lhes eternamente grata e espero sempre tê-los a meu lado para lhes retribuir a amizade. Através de vocês, agradeço a todos os amigos que igualmente dão brilho a minha vida. À minha grande família. Vocês souberam compreender os momentos de ausência. Perto ou distantes, são a energia e estímulo para chegada, são meu porto seguro e muito importantes para mim. Aos membros da banca examinadora. Suas sugestões e críticas ajudaram a enriquecer este trabalho. Com certeza suas contribuições foram valiosas inclusive para a continuidade do mesmo. Ao PPGEP/UFSC e aos mestres, pela oportunidade oferecida e pelos conhecimentos transmitidos. À CAPES, pelo apoio financeiro através de bolsa de estudo, e à UNIVALI, que vem proporcionando oportunidades para meu desenvolvimento acadêmico e profissional. Enfim, agradeço a todos que têm me incentivado, que acreditam e torcem por mim. Muito Obrigada!

7 Às vezes só uma mudança de ponto de vista é suficiente para transformar uma obrigação cansativa numa interessante oportunidade. Albert Flanders

8 RESUMO ALBERTON, Anete. Meio Ambiente e Desempenho Econômico-Financeiro: o Impacto da ISO nas Empresas Brasileiras p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis. Os benefícios econômicos e estratégicos da implantação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) pelas empresas podem refletir-se tanto em ganhos de mercado como em redução de custos, além de facilitar o acesso às fontes de recursos e à entrada nos mercados internacionais, principalmente europeu e norte-americano. Entretanto, na relação entre desempenho financeiro e desempenho ambiental, alguns advogam que os investimentos necessários não compensam os benefícios proporcionados. Dentro desse contexto, os estudos realizados abordando esse relacionamento são contraditórios e, muitas vezes, inconsistentes. O intuito deste trabalho é investigar se a implantação, nas empresas brasileiras, de um SGA de acordo com padrões internacionais e a posterior certificação ambiental segundo a NBR ISO 14001:96 têm impacto positivo no desempenho financeiro dessas empresas. A metodologia estudo de evento é utilizada para identificar a existência de retornos anormais quando a informação sobre a obtenção do certificado NBR ISO 14001:96 pelas empresas é veiculada, analisando-se a hipótese de que o mercado tem expectativas positivas quanto à certificação ambiental. Para complementar o tradicional estudo de evento, além da análise dos retornos anormais, indicadores econômicofinanceiros, como Preço/Lucro (P/L), Preço/Valor Patrimonial (P/VPA), Retorno sobre as Vendas (ROS), Retorno sobre os Ativos (ROA) e Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE), são utilizados para avaliar o impacto da certificação ambiental no desempenho financeiro das empresas. Participaram do estudo empresas certificadas (desde a introdução da norma em 1996) e com ações negociadas na Bovespa à época da análise. Quanto à certificação ambiental, os dados das empresas e a data da primeira certificação obtida têm como fontes a Revista Meio Ambiente Industrial, o INMETRO, as empresas certificadas e os organismos de certificação credenciados; os dados financeiros, que abrangem o período de janeiro de 1993 a março de 2003, foram obtidos da base de dados Economática. Os dados foram analisados a partir de quatro séries cronológicas distintas: a série anterior à implantação do SGA, a série de implantação do SGA (ou anterior à certificação), a série durante a certificação e a série posterior à certificação. A série composta pelas quatro semanas da janela do evento (durante a certificação), somente foi analisada no estudo de evento. A tendência nos resultados dos indicadores de rentabilidade (ROA, ROE, e ROS) é de aumento no período pós-certificação, porém nem todos estatisticamente significativos. Já os indicadores econômico-financeiros de mercado para análise dos preços das ações (P/L e P/VPA) apresentaram reduções significativas de valor no período pós-certificação. Quanto à metodologia estudo de evento, utilizou-se, para cálculo do retorno anormal, os modelos de retorno ajustado ao mercado, de retorno ajustado ao risco e ao mercado e o CAPM. Para qualquer um dos modelos utilizados, os retornos anormais não sustentaram a hipótese de maior retorno devido à certificação, mas, por outro lado, também não indicaram uma diminuição na rentabilidade associada à implantação do SGA e à obtenção do certificado. Palavras-chave: Sistemas de Gestão Ambiental, certificação NBR ISO 14001, desempenho financeiro, indicadores econômico-financeiros, estudo de evento.

9 ABSTRACT ALBERTON, Anete. Environmental and Economic-Financial Performance: the Impact of ISO on Brazilian Firms p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis. Economic and strategic benefits from an Environmental Management System (EMS) implementation by firms may result in market gains and cost reduction. Besides, it facilitates access to financial resources and entrance to international markets, mainly the European and American ones. However, studies concerning the relationship between financial and environmental performances are contradictory, and some of them inconsistent, in verifying whether the resulting benefits are greater than the necessary investments for an EMS implementation. This research aims to investigate whether the implementation in Brazilian firms of an EMS, following international standards and further certification of NBR ISO 14001:96, has positive impact on firms financial performance. Event Study methodology is used to identify the existence of abnormal returns, due to the announcement of NBR ISO 14001:96 certification by firms, and to verify the hypothesis of a positive expectation from the market towards environmental certification. Besides the traditional measures used in Event Studies, measures such as Price/Earnings (P/E); Price/Book Value (P/BV), Return on Sales (ROS), Return on Assets (ROA) and Return on Equity (ROE) are used to assess the impact of environmental certification on financial performance of firms. Data on environmental certification are gathered from the journals Meio Ambiente Industrial and INMETRO, which provided certification dates, from firm s reports and auditing firms; financial data, from January 1993 to March 2003, are collected through ECONOMATICA database. Sampled firms consist in certificated firms, since NBR ISO 14001:96 publication, which have their stocks traded in BOVESPA. Data were organized into four different time series: before EMS implementation, from EMS implementation to the certification date, during the certification process and after the certification date. The time series of data during the certification period form the event window and are considered only for the event study. Results suggest that profitability measures (ROA, ROE and ROS) increase after the certification announcement date, however not all of them present statistical significance. On the other hand, economic and financial measures for market price evaluation (PL and P/VPA) presented a significative decrease after the certification announcement date. Adjusted to market, adjusted to risk and to market and CAPM models are used to calculate abnormal returns to the event study. Findings do not provide empirical evidence to hold the hypothesis of abnormal returns after the certification date, to any of the models used. On the other hand, findings do not indicate decrease in profitability after EMS implementation and certification dates. Key Words: Environmental Management System, ISO certification, financial performance, accounting and stock market measures, event study.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 OTriângulo do Desenvolvimento Sustentável Figura 2 Desenvolvimento Sustentável no Nível Local...51 Figura 3 As Cinco Dimensões da Sustentabilidade...52 Figura 4 Sistema de Gestão Ambiental Relacionado a um Modelo Empresarial...62 Figura 5 Relacionamento entre as Áreas dos Sistemas de Gestão...66 Figura 6 Gestão Ambiental e da Qualidade em um Único Sistema de Gestão...67 Figura 7 Diagrama Esquemático dos Elementos de Implantação do SGA BS Figura 8 Série ISO 14000: Abrangência do TC Figura 9 Organização do Comitê ISO/TC Figura 10 Modelo de Sistema de Gestão Ambiental para a Norma ISO 14001: Figura 11 O Processo de Certificação...95 Figura 12 Comportamento das Empresas: Leis e Regulamentos X Desempenho Financeiro Figura 13 Modelos Win-Win, Win-Lose e de Perspectiva Estratégica Figura 14 Desempenho Ambiental X Desempenho Financeiro Figura 15 Relação entre Estratégia, Gestão Ambiental e Performance da Empresa Figura 16 Relação entre Gestão Ambiental e Rentabilidade da Empresa Figura 17 Esquema da Estrutura da Pesquisa Figura 18 Direcionalidade da Análise Comparativa para os Indicadores Econômico-Financeiros Figura 19 Direcionalidade da Análise Comparativa para os Retornos Anormais no Estudo de Evento Figura 20 Teste de Diferença entre Médias Periódicas da Amostra Séries Independentes...203

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Percentual de Certificações por Estado (marca das 600) Gráfico 2 Média Geral da Amostra para ROA, ROE e ROS: Antes da Implantação do SGA e Antes e Depois da Certificação Gráfico 3 Média Geral da Amostra para P/L e P/VPA: Antes da Implantação do SGA e Antes e Depois da Certificação Gráfico 4 Valores Médios Trimestrais Acumulados dos Indicadores Econômico-Financeiros: ROA, ROE, ML, MO e MB Gráfico 5 Valores Médios Mensais dos Indicadores P/L e P/VPA Gráfico 6 Retornos Anormais Acumulados (CARs) ao Longo do Período Analisado de Acordo com Cada Modelo Gráfico 7 Retornos Anormais Acumulados (CARs) Desconsiderando o Período de Estimação de Acordo com Cada Modelo Gráfico 8 Retornos Anormais Acumulados (CARs) em Cada Série Analisada de Acordo com Cada Modelo..239 Gráfico 9 Retornos Anormais Acumulados a Cada Quatro Semanas no Entorno da Janela do Evento Segundo Cada Modelo Gráfico 10 Retornos Anormais Médios para Cada Série de Dados Gráfico 11 Retornos Anormais Médios Acumulados (CARs) para Cada Série de Dados Gráfico 12 Retorno Nominal, Desvio Padrão e ß para Cada Série de Dados...246

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Características e Fatos da Evolução do Foco da Gestão Ambiental...34 Quadro 2 Quadro-Resumo dos Sistemas e Princípios de Gestão Ambiental...71 Quadro 3 Processo de emissão de normas ISO...82 Quadro 4 Série ISO Organização do TC Quadro 5 Paralelo entre a ISO 9001 e a ISO Quadro 6 O Que É e O Que Não É a Certificação Ambiental...99 Quadro 7 Benefícios e Custos Potenciais de Ter ou Não um SGA Quadro 8 Empresas de Capital Aberto Listadas na Base de Dados Economática e Certificadas Segundo a Norma ISO Quadro 9 Resumo dos Resultados Obtidos para Cada Medida Analisada Quadro 10 Resumo dos Estudos Empíricos Abordando Desempenho Ambiental e Financeiro e Outros Estudos Correlatos...256

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Número de Certificações ISO por Continente/Ano Tabela 2 Número de Certificações ISO 9000 por Continente/Ano Tabela 3 Número de Certificações ISO 9000 e ISO do Brasil Posição em Nível Mundial Tabela 4 Número e Percentual de Empresas Certificadas (primeiras 100, 350 e 600) Tabela 5 Número de Empresas Certificadas com Credenciamento do INMETRO Tabela 6 Número de Certificados Válidos Dentro e Fora do SBAC por Certificadora Tabela 7 Resultados Estatísticos do ROA (%) Individualizados por Empresa Tabela 8 Resultados Estatísticos do ROE (%) Individualizados por Empresa Tabela 9 Resultados Estatísticos da ML (%) Individualizados por Empresa Tabela 10 Resultados Estatísticos da MO (%) Individualizados por Empresa Tabela 11 Resultados Estatísticos da MB (%) Individualizados por Empresa Tabela 12 Resultados Estatísticos do Índice P/L Individualizados por Empresa Tabela 13 Resultados Estatísticos do Índice P/VPA Individualizados por Empresa Tabela 14 Média Geral para Indicadores Econômico-Financeiros: Depois da Certificação versus Antes da Implantação do SGA e Antes da Certtificação Tabela 15 Resultados Estatísticos do Retorno Anormal Ajustado ao Mercado (Ibovespa) Tabela 16 Resultados Estatísticos do Retorno Anormal Ajustado ao Risco e ao Mercado Tabela 17 Resultados Estatísticos do Retorno Anormal com Base no Modelo CAPM Tabela 18 Média do AR, do Desvio Padrão de ARt e do CAR para Cada Série* e Segundo Cada Modelo de Cálculo do Retorno Anormal Tabela 19 Resultados do Teste t e para os Retornos Anormais Médios e CARs entre Cada Série de Acordo com o Modelo Utilizado Tabela 20 Média do Retorno Nominal, Desvio Padrão e ß para Cada Série Tabela 21 Resultados do Teste t para o ß e o Retorno Nominal Médio e do Teste f para o Desvio Padrão entre Cada Série...247

14 LISTA DE SIGLAS ABBEPOLAR: Associação Brasileira de Ecologia e Prevenção da Poluição do Ar ABC: Activity Based Costs ABES: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABIQUIM: Associação Brasileira da Indústria Química e de produtos Derivados ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas ABPA: Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes ABS Quality Evaluations Inc. (ABSQUE): American Bureau of Shipping Quality Evaluations ADCE: Associação dos Dirigentes Cristãos de Empresas AHP: Analytic Hierarchy Process AMEX: American Stock Exchange ANA: Agência Nacional de Águas ANSI: American National Standards Institute API: American Petroleum Institute APT: Arbitrage Pricing Theory BAUM: Bundesdeutcher Arbeitskreis für Unweltbewubtes Management BCSD: Business Council for Sustainable Development BNDES: Banco Nacional de Desenvolvimento do Extremo-Sul BRTÜV: Avaliações da Qualidade Ltda. S/C BSI: British Standards Institution BVQI: Bureau Veritas Quality International CAPM: Capital Asset Pricing Model CAR: Cumulative Abnormal Return CBI: Confederation of British Industry CDI: Certificado de Depósito Interbancário CEO: Chief Executive Officer CEP: Council on Economic Priorities CERES: Coalision for Environmentally Responsible Economies CETESB: Companhia Estadual de Tecnologia e Saneamento Ambiental CFC: Clorofuorcarbono CMA: Chemical Manufactures Association CMMAD: Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento CNAB: Chinese National Accreditation Board CNTL-RS: Centro Nacional de Tecnologias Limpas do Senai/RS CNUMAD: Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento CONAMA: Conselho Nacional do Meio Ambiente CONMETRO: Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial DNV Ltda.: Det Norske Veritas DQS do Brasil S/C Ltda.: Deutsche Gesellschaft zur Zertifizierung vom Managementsystemen EIA: Estudo de Impacto Ambiental EMAS: Eco Management and Audit Scheme EMS: Environmental Management Systems EPA: Environmental Protection Agency EUROPIA: European Petroleum Industry Association FCAV: Fundação Carlos Alberto Vanzolini FEEMA: Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente FINEP: Financiadora de Estudos e Projetos

15 15 FRDC: Franklin Research and Development Corporation FSC: Forest Stewardship Council GANA: Grupo de Apoio à Normalização Ambiental GEMI: Global Environmental Management Initiative GLC: Germanischer Lloyd Certification IAF: International Accreditation Forum IBA: Índice Brasileiro de Ações IBASE: Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas IBEAS: Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais e de Saneamento IBOVESPA: Índice da Bolsa de Valores de São Paulo IBX: Índice Brasil ICC: International Chamber of Commerce IGC: Índice de Governança Corporativa ICLEI: international Council for Local Environmental Initiatives IDHEA: Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica IEC: International Electrotechnical Commission INEAA: Instituto Nacional de Estudos Ambientais Avançados INEM: International Network for Environmental Management INMETRO: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial IPEM: Instituto de Pesos e Medidas IRAM: Instituto Argentino de Normalización IRRC: Investor Responsibility Research Center ISO: International Standardization Organization IUAPPA: União das Instituições Tecnológico-Científicas para Defesa Ambiental e Controle da Poluição Atmosférica JAP: Japan Accreditation Board JSA: Japan Standards Association KEIDAREN: The Japan Federation of Economic Organizations KLD: Kinder, Lydenberg and Domini, Inc. LAO: Licença Ambiental de Operação LRQA: Lloyd s Register Quality Assurance ML: Margem Líquida MMA: Ministério do Meio Ambiente MB: Margem Bruta MO: Margem Operacional NACCB: National Accreditation Council for Certification Bodies NASDAQ: National Association of Securities Dealers Automated Quotations NBR: Norma Brasileira Registrada NYSE: New York Stock Exchange OCC: Organismo de Certificação Credenciado OCDE: Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico OHSAS: Occupational Health and Sfety Assessment Series OLS: Ordinary Least Squares ONG: Organização Não-Governamental P/L: Preço/Lucro P/VPA: Preço/Valor Patrimonial por Ação PDCA: Plan, Do, Check, Act PERI: Public Environmental Reporting Initiative PIB: Produto Interno Bruto PNUMA: Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PWBLF: Prince of Wales Business Leaders Forum QSR: Quality Systems Review

16 16 RAB: Register Accreditation Board RBV: Resources Based View RIMA: Relatório de Impacto Ambiental RINA: Registro Italiano Navale S/C Ltda. ROA: Return on Assets ROE: Return on Equity ROI: Return on Investments ROS: Return on Sales RvA: Raad voor Accreditatie SAGE: Strategic Advisory Group on the Environment SBAC: Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade SDS: Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SEEA: Sistema Integrado de Contabilidade Econômica e Ambiental SEM: Environmental Management System SEMA: Secretaria Especial do Meio Ambiente SGA: Sistema de Gestão Ambiental SGQ: Sistema de Gestão da Qualidade SGS ICS Certificadora Ltda.: Société Générale de Surveillance SLM: Sharpe, Lintner e Mossin (Modelo CAPM na versão básica) SML: Security Market Line SQC: Statistical Quality Control STEP: Strategies for Today s Environmental Partnership TC: Technical Committee TECPAR: Instituto de Tecnologia do Paraná TQC: Total Quality Control TQEM: Total Quality Environmental Management TQM: Total Quality Management TRI: Toxic Release Inventory UCIEE: União Certificadora UE: União Européia UICN: União Internacional para Conservação da Natureza UKAS: United Kingdom Accreditation Service UL: Underwriters Laboratories UNCED: United Nations Conference on Environment and Development UNEP: United Nations Environmental Program UNFCCC: Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima WBCSD: World Business Council for Sustainable Development WG: Work Group WICE: World Industry Council for the Evironmental WSSD: Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável WWF: World Wildlife Found

17 SUMÁRIO RESUMO... 8 ABSTRACT... 9 LISTA DE FIGURAS LISTA DE GRÁFICOS LISTA DE QUADROS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DA PESQUISA JUSTIFICATIVA DO TRABALHO Justificativa de Ineditismo Justificativa de Não-Trivialidade Justificativa de Contribuição Científica FORMULAÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS DO TRABALHO Objetivo Geral Objetivos Específicos ESTRUTURA DO TRABALHO CAPÍTULO 2 A GESTÃO AMBIENTAL A EVOLUÇÃO DO MOVIMENTO AMBIENTALISTA EMPRESARIAL Da Alienação à Gestão Ambiental Pró-Ativa Os Principais Acidentes Ambientais do Século XX Globalização e Planejamento Ambiental no Brasil CONSIDERAÇÕES SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A VARIÁVEL AMBIENTAL NA GESTÃO ADMINISTRATIVA Os Sistemas da Qualidade e Sua Influência Os Sistemas de Gestão Ambiental A Integração entre os Sistemas de Gestão OS PRINCÍPIOS E NORMAS DE GESTÃO AMBIENTAL O Responsible Care Program O Modelo Winter A CERES Coalision for Environmentally Responsible Economies O STEP Strategies for Today s Environmental Partnership O EMAS Eco-Management and Audit Scheme A Norma Britânica BS A ISO Comparação entre os Princípios e Normas de Gestão Ambiental A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL O Processo de Certificação pela ISO Certificação Ambiental: O Que Ela É e o Que Não É Certificar ou Não? Quais os Benefícios? UM PANORAMA DAS CERTIFICAÇÕES ISO 9000 E ISO NO MUNDO Evolução das Certificações ISO e ISO 9000 no Mundo Certificações ISO no Brasil CONCLUSÕES DO CAPÍTULO CAPÍTULO 3 ESTRATÉGIA, DESEMPENHO AMBIENTAL E FINANCEIRO REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL, INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE A Regulamentação e a Gestão Ambiental A Inovação e a Gestão Ambiental Gestão Ambiental e Competitividade POR QUE AS INFORMAÇÕES SOCIAIS E AMBIENTAIS SÃO IMPORTANTES

18 BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS DOS SGAS GESTÃO AMBIENTAL E DESEMPENHO FINANCEIRO Gestão Ambiental e Desempenho Financeiro Exemplos de Sucesso DESEMPENHO SOCIAL/AMBIENTAL E DESEMPENHO FINANCEIRO ESTUDOS EMPÍRICOS Medidas de Desempenho Social/Ambiental Medidas de Desempenho Financeiro Resultados de Estudos Abordando Responsabilidade Social e Desempenho Financeiro Resultados de Estudos Abordando a Relação entre Desempenho Ambiental e Financeiro A METODOLOGIA ESTUDO DE EVENTO (EVENT STUDY) Modelos Estatísticos Modelos Econômicos Considerações Finais sobre a Metodologia Estudo de Evento CONCLUSÕES DO CAPÍTULO CAPÍTULO 4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PERGUNTA DE PESQUISA E HIPÓTESES ANALISADAS ESTRUTURA DA PESQUISA AMOSTRA E COLETA DE DADOS TRATAMENTO E ANÁLISE DE DADOS Cálculo dos Indicadores Econômico-Financeiros de Rentabilidade Cálculo dos Indicadores Econômico-Financeiros de Análise de Ações: P/L e P/VPA Aplicação da Metodologia Estudo de Evento Análise e Tratamento Estatístico dos Dados LIMITAÇÕES DA PESQUISA CAPÍTULO 5 DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA E RESULTADOS RESULTADOS DA PESQUISA PARA OS INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS Retorno sobre o Investimento (ROA) Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE) Retorno sobre as Vendas (ROS) Indicadores P/L e P/VPA Resultados Médios dos Indicadores Econômico-Financeiros Diferença entre Médias Utilizando-se a Média de Cada Série Discussão dos Resultados dos Indicadores Econômico-Financeiros RESULTADOS DA PESQUISA PARA METODOLOGIA ESTUDO DE EVENTO RETORNOS ANORMAIS Algumas Considerações Metodológicas Específicas Retorno Anormal pelo Modelo de Retorno Ajustado ao Mercado (Ibovespa) Retorno Anormal pelo Modelo de Retorno Ajustado ao Risco e ao Mercado Retorno Anormal pelo Modelo CAPM Determinação do Retorno Anormal Médio por Período e do CAR (Cumulative Abnormal Return) Resultados dos Retornos Anormais e CARs Médios Diferença entre Médias Utilizando a Média de Cada Série DETERMINAÇÃO DO?, DO RISCO TOTAL E DO RETORNO NOMINAL MÉDIOS PARA CADA SÉRIE UM RESUMO DOS RESULTADOS CONCLUSÕES DO CAPÍTULO CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA APÊNDICES

19 Capítulo 1 INTRODUÇÃO A experiência das empresas pioneiras permite identificar resultados econômicos e resultados estratégicos do engajamento da organização na causa ambiental. Estes resultados, porém, não se viabilizam de imediato. Há necessidade de que sejam corretamente planejados e organizados todos os passos para a interiorização da variável ambiental na organização para que ela possa atingir, no menor prazo possível, o conceito de excelência ambiental, que lhe trará importante vantagem competitiva. (DONAIRE, 1995, p. 50). O propósito deste capítulo inicial é contextualizar, caracterizar e formular a problemática a ser estudada. Nos itens 1.1 e 1.2 são apresentadas a contextualização e a justificativa da escolha do tema para o desenvolvimento do presente trabalho. A formulação do problema, com a pergunta e a hipótese central do trabalho, é apresentada no item 1.3. Os objetivos do estudo, tanto o de ordem geral quanto aqueles de natureza específica, são descritos no item 1.4. O último item deste capítulo descreve a estrutura geral do trabalho. 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA PESQUISA No mundo globalizado atual, a competência em atender aos requisitos da demanda da sociedade, com eficiência no uso dos recursos, é condição essencial para a sobrevivência de qualquer empresa. Em meio à alta volatilidade e multiplicidade de influências em que se encontra o mundo dos negócios, torna-se necessário que as empresas estejam constantemente pesquisando e analisando as necessidades, desejos e tendências do mercado. Qualidade de produtos e de serviços, controle e garantia da qualidade, sistemas da qualidade, gestão da qualidade total, responsabilidade social e gestão da qualidade total ambiental são alguns conceitos que vêm se tornando cada vez mais relevantes para as empresas e para o mercado em âmbito mundial. A qualidade ambiental, em especial, vem, nos últimos anos, recebendo um importante destaque. No meio empresarial as questões ambientais passaram a ocupar um espaço definitivo. Acionistas, investidores, financiadores, empregados,

20 20 clientes, órgãos governamentais de controle ambiental, ONGs e demais stakeholders estão, a cada dia, mais atentos às relações entre as empresas e o meio ambiente, cobrando daquelas um elevado preço no caso de agressões, mesmo que acidentais e involuntárias. Dessa forma, se no curto prazo o comprometimento com problemas ambientais pode resultar num lucro menor, pode também se transformar em condição mais favorável no futuro para manter e melhorar a rentabilidade e garantir a sobrevivência da empresa. Vários autores, dentre eles Klassen e McLaughlin (1996, p. 1201), Souza (2002, p. 5) e Reis (2002, p. 2), consideram que, dentro de um contexto de maximização de retornos no longo prazo, um argumento favorável à responsabilidade social, e conseqüentemente ambiental, das organizações é a otimização de processos, a redução de custos e a melhoria da imagem institucional que pode se traduzir em consumidores mais leais, melhores vendas, empregados mais motivados, fornecedores mais comprometidos, mais fácil acesso ao mercado de capitais, novas oportunidades de negócios, enfim, manutenção da empresa viva no mercado. Dentro desse contexto, a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) faz com que o processo produtivo seja reavaliado refletindo-se na busca por procedimentos, mecanismos, arranjos e padrões comportamentais menos nocivos ao meio ambiente. Assim, quer na melhoria dos processos operacionais e/ou administrativos, quer na busca de tecnologias limpas ou no reaproveitamento dos resíduos, as organizações podem obter economias que não teriam sido conquistadas caso o problema não fosse considerado. O conjunto ISO 14000, mais especificamente a norma ISO que trata de Especificações para Sistemas de Gestão Ambiental, cuja versão data de outubro de , serve de orientação às empresas para a inserção da variável ambiental em seu sistema de gestão do negócio, incorporando-a na política, nas formulações estratégicas, nos objetivos e metas, nas opções tecnológicas e na sua rotina operacional. 1 No Brasil a primeira empresa certificada pelo padrão ISO foi a Bahia Sul Celulose em 07 de fevereiro de 1995, quando a norma ainda estava em sua versão preliminar.

Meio Ambiente e Desempenho Econômico-Financeiro: Benefícios dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGAs) e o Impacto da ISO 14001 nas Empresas Brasileiras

Meio Ambiente e Desempenho Econômico-Financeiro: Benefícios dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGAs) e o Impacto da ISO 14001 nas Empresas Brasileiras Disponível em http:// RAC-Eletrônica, v. 1, n. 2, art. 10, p. 153-171, Maio/Ago. 2007 Meio Ambiente e Desempenho Econômico-Financeiro: Benefícios dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGAs) e o Impacto da

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

ISO - International Organization for Standardization

ISO - International Organization for Standardization ISO - International Organization for Standardization ISO - Organização Internacional para Normalização: Genebra Suíça em 1947 120 países = 95% PIB Mundial Comitês técnicos e Comitês político Aprovação

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Empresas com Fundos de Private Equity Possuem Maior Valor e Remuneram Melhor Seus Executivos? Evidencia do Mercado Brasileiro

Empresas com Fundos de Private Equity Possuem Maior Valor e Remuneram Melhor Seus Executivos? Evidencia do Mercado Brasileiro Pedro Taranto Monteiro de Barros Empresas com Fundos de Private Equity Possuem Maior Valor e Remuneram Melhor Seus Executivos? Evidencia do Mercado Brasileiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Prof. Dra. Janaína Fernandes Medeiros Burkert Controle de Qualidade Histórico

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E A ADOÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

A RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E A ADOÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E A ADOÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL RESUMO: Nos primórdios das organizações o único objetivo era voltado apenas para a obtenção de lucro sem dar importância à

Leia mais

VI-043 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL X ACIDENTES AMBIENTAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE UM CASO REAL.

VI-043 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL X ACIDENTES AMBIENTAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE UM CASO REAL. VI-043 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL X ACIDENTES AMBIENTAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE UM CASO REAL. Sergio PintoAmaral (1) Doutorando em Engenharia Ambiental na COPPE/UFRJ (1998 em diante) - Msc. em Tecnologia Ambiental

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

Com aproximadamente 6 bilhões de pessoas na Terra, vivemos hoje uma

Com aproximadamente 6 bilhões de pessoas na Terra, vivemos hoje uma METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA ALEXANDRE ERUCCI CIANCI DA SILVA Trabalho de Conclusão de Curso TCC, de Engenharia de Produção Mecânica em 2001,

Leia mais

Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro

Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro Marcio Marcelo de Oliveira Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

Michel Epelbaum ellux consultoria

Michel Epelbaum ellux consultoria Michel Epelbaum ellux consultoria 70 s e 80 s: controle e auditorias ambientais 1987: Relatório Brundtland 1991: ICC - Carta Empr. p/ o Des. Sust. 1992: ECO 92 Agenda 21 1992: WBCSD conceito de eco-eficiência

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Relações Internacionais Responsabilidade Social como diferencial competitivo nas negociações comerciais internacionais

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

O GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA: UM AVAL PARA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL MICHEL EPELBAUM - BUREAU VERITAS JAIR ROSA CLAUDIO - BUREAU VERITAS

O GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA: UM AVAL PARA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL MICHEL EPELBAUM - BUREAU VERITAS JAIR ROSA CLAUDIO - BUREAU VERITAS 17 º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITARISTA E AMBIENTAL O GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA: UM AVAL PARA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL MICHEL EPELBAUM - BUREAU VERITAS JAIR ROSA CLAUDIO - BUREAU

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Instrumentos de Gestão Ambiental Empresarial

DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Instrumentos de Gestão Ambiental Empresarial FACULDADE NOVO MILÊNIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL PROFESSORA CAMILA VIDAL DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL Instrumentos de Gestão Ambiental Empresarial Introdução As empresas são

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN PUBLICAÇÃO CDTN 931 Sistema de Gestão Ambiental SGA de acordo com as Normas NBR ISO 14001 e 14004, da

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

7/5/2012. Esta evolução compreende etapas distintas de pensamento, representadas por fases que precederam a visão largamente difundida no presente.

7/5/2012. Esta evolução compreende etapas distintas de pensamento, representadas por fases que precederam a visão largamente difundida no presente. Gestão Ambiental Empresarial Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Gestão Ambiental Objetivos Compreender o processo de evolução da conscientização ambiental; Conhecer conceitos relacionados ao desenvolvimento

Leia mais

O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente

O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente para que ele coloque o outro um pouco mais alto. (Thomas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n 1,n Faculdade Anhanguera de São José/ Pós-graduação em

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 159, de 29 de junho de 2006.

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Série ISO 14000 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A questão ambiental empresarial encontrase em fases distintas nos diversos países do mundo: De

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Pré-Fabricação: O Contexto Habitacional e a Sustentabilidade A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 27 de agosto de 2009 ISO = International

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Sociedade & Natureza Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados e atribuídos

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 341, de 24 de setembro de

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 Hall Consult Produtos/ Serviços:

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA RESPONSABILIDADE SOCIAL

A CONTABILIDADE E SUA RESPONSABILIDADE SOCIAL A CONTABILIDADE E SUA RESPONSABILIDADE SOCIAL Larissa de Lima Trindade 1 Gilberto Brondani 2 RESUMO A sociedade atualmente tem estado muito preocupada no que diz respeito ao meio ambiente, exigindo das

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004. de acordo com ISO 19011:2002

AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004. de acordo com ISO 19011:2002 AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 de acordo com ISO 19011:2002 Antes de começar Este curso está suportado: Nas Normas Internacionais ISO 14001:2004 e ISO 19011:2002 2 Objectivos No final da

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: NORMALIZAÇÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS Turma: 8 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: CAMPOS, Lucila Maria de Souza; LERÌPIO,

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL ISO 14000 - A NOVA NORMA GERENCIAMENTO E -- CERTIFICAÇAO AMBIENTAL DE AMBIENTAL *Francesco De Cicco A futura norma internacional para o meio ambiente - a série ISO 14000 - e a importância para as empresas

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina AVALIAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14001: ESTUDO DE CASO NO SETOR

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL

Leia mais

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2);

José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa Kelly da Silva LIRA (2); A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL, BASEADO NA NBR ISO 14001:2004 - UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO POLÓ CLOROQUIMICO DE ALAGOAS José Rodolfo Tenório LIMA (1); Thaisa

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL

GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL Autora: Rosália Gonçalves Costa Santos, graduada em Ciências Contábeis pela Faculdade Newton Paiva e mestranda em

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial Coordenação Acadêmica FGV : Professora Denize Dutra CÓDIGO NO SIGA : VIANNA0/TMBAGE*1225-14 1. ECONOMIA EMPRESARIAL Fundamentos

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS Cláudio Alexandre de Souza José Manoel Gonçalves Gândara Katleen Nairene Rolan Biavatti

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Ano VI Número 10 Junho de 2006 Periódicos Semestral AS NORMAS ISO. MARIANI, Édio João. Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com.

Ano VI Número 10 Junho de 2006 Periódicos Semestral AS NORMAS ISO. MARIANI, Édio João. Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com. AS NORMAS ISO MARIANI, Édio João Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com.br RESUMO Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece,

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Responsabilidade Social e Sustentabilidade CCN-410.002 Dra. Elisete Dahmer Pfitscher

Responsabilidade Social e Sustentabilidade CCN-410.002 Dra. Elisete Dahmer Pfitscher Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós Graduação em Contabilidade Centro Sócio-Econômico Campus Universitário Trindade Caixa Postal 476 Cep: 88.040-900 Florianópolis SC Brasil Décima aula

Leia mais

Os sistemas de gestão ambiental: empresas brasileiras certificadas pela norma ISO 14001

Os sistemas de gestão ambiental: empresas brasileiras certificadas pela norma ISO 14001 Os sistemas de gestão ambiental: empresas brasileiras certificadas pela norma ISO 14001 Lucila Maria de Souza Campos, Dra. (PMA/UNIVALI) lucila.campos@terra.com.br Daiane Aparecida de Melo (PMA/UNIVALI)

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA BALANCED SCORECARD: Uma ferramenta de gestão estratégica para empresa do ramo de consultoria contábil com foco

Leia mais

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental.

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Edna Veloso de Medeiros - prof_edna@yahoo.com.br Centro Estadual de

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional Coordenação Acadêmica: Wankes da Silva Ribeiro Coordenação da Ênfase: Wankes Leandro Ribeiro JUSTIFICATIVA O MBA em Gestão Empresarial

Leia mais

As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000

As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000 As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000 Leonardo Rospi (UNIP Universidade Paulista) lrospi@terra.com.br Oduvaldo Vendrametto (UNIP Universidade Paulista)

Leia mais

Conduspar. Resumo. de empresa familiar à multinacional

Conduspar. Resumo. de empresa familiar à multinacional Conduspar de empresa familiar à multinacional por Andrea Bier Serafim Mestre em Administração pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (2003). Graduada em Administração pela Faculdade Católica de Administração

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Auditoria de Sistemas FATEC 2011

Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Histórico 3.000 a.c. - Antropologistas encontraram registros de atividades de auditoria de origem babilônica ~2.000 a.c - No antigo Egito havia a necessidade de se ratificar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA-CAEN HELDER SOARES LOPES ANÁLISES DE MODELOS DE APREÇAMENTO PARA ÍNDICES SETORIAIS

Leia mais

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 19

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 19 GESTÃO DE REQUISITOS LEGAIS E CONFORMIDADE AMBIENTAL UTILIZANDO O MÉTODO ZOPP Legal requirements and environmental compliance management through Zopp method RIGOLETTO, Ivan de Paula Centro Universitário

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

RELATÓRIO CEMEC 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS

RELATÓRIO CEMEC 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS RELATÓRIO 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS Setembro/2012 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS Apresentação O objetivo deste relatório é apresentar alguns indicadores que permitam a comparação do desempenho econômico-financeiro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos. Auditora Líder de Sistema de Gestão da Qualidade Auditora Líder de Gestão de Riscos

CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos. Auditora Líder de Sistema de Gestão da Qualidade Auditora Líder de Gestão de Riscos Seu sucesso é Nosso objetivo! DQS do Brasil Ltda. Sistemas Integrados de Gestão CIESP - Diadema. Dezée Mineiro CEO da DQS do Brasil e América do Sul, na DQS há 17 anos Auditora Líder de Sistema de Gestão

Leia mais

A Responsabilidade Sócio-Ambiental na Indústria Química Brasileira

A Responsabilidade Sócio-Ambiental na Indústria Química Brasileira Enio Viterbo Junior A Responsabilidade Sócio-Ambiental na Indústria Química Brasileira Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração de Empresas da PUC-Rio

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos?

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos? Portfólio 1. Quem Somos? Somos uma Equipe de Auditores, Consultores e Assessores Empresariais com diversas competências para melhorar o desempenho de qualquer negócio por meio de SISTEMAS DE GESTÃO DA

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL MELO, Fabrício Pires CARDOSO, Mauricio QUEIROS, Silmara Mirian PEDRO, Lincoln MULLER, Edi RESUMO Este trabalho busca mostrar quais os benefícios, custos e métodos para se

Leia mais

DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1

DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1 DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1 DIAZ, Paola da Silva 2 ; CAMPONOGARA, Silviamar 3 RESUMO Tendo-se

Leia mais

Qualidade: reflexões e críticas

Qualidade: reflexões e críticas Qualidade: reflexões e críticas 53 Abril de 2011 Notas Técnicas Ano II Por José Silvino Filho Silvino.qualidade@gmail.com PASSOS PARA A CERTIFICAÇÃO ISO 9001 Professor José Silvino Filho Consultor de Projetos

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL A Política de Sustentabilidade Banrisul, aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração em 08.10.2012 e em 06.11.2012, respectivamente, tem como finalidade

Leia mais

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã Implementaçã ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Carlos Antunes Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (http://correio.cc.fc.ul.pt pt/~ /~mcarlos)

Leia mais

CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS

CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS Ana Júlia Ramos Pesquisadora Sênior AIII CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL: RAC Modelos Internacionais de Normas

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS - FUCAPE VINICIUS SOUTO-MAIOR LIMA

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS - FUCAPE VINICIUS SOUTO-MAIOR LIMA FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS - FUCAPE VINICIUS SOUTO-MAIOR LIMA VALUE & GROWTH INVESTING NO BRASIL: o impacto do critério SUE na performance de portfólios

Leia mais

22 de Fevereiro de 2013. Formação a Técnicos Autárquicos

22 de Fevereiro de 2013. Formação a Técnicos Autárquicos 22 de Fevereiro de 2013 Formação a Técnicos Autárquicos Certificações Internacionais Certificação AA1000 (Accountability 1000) É uma norma que define as melhores práticas para prestação de contas para

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV

2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV 7LUOr&UX]6LOYD 2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV 'LVVHUWDomRGH0HVWUDGR Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. 1. Busca e Análise Ambiental. 1.1 Ambiente Interno

PLANO DE NEGÓCIO. 1. Busca e Análise Ambiental. 1.1 Ambiente Interno PLANO DE NEGÓCIO A Grael Consultoria e Assessoria é a denominação de uma empresa que se dedica à prestação de serviços em Sistemas de Gestão Empresarial, voltada à empresas, órgão públicos e entidades

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais