AN INTERDISCIPLINARY APPROACH TO PROPOSITION OF A MULTIDIMENSIONAL MODEL OF QUALITY OF EXPERIENCE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AN INTERDISCIPLINARY APPROACH TO PROPOSITION OF A MULTIDIMENSIONAL MODEL OF QUALITY OF EXPERIENCE"

Transcrição

1 AN INTERDISCIPLINARY APPROACH TO PROPOSITION OF A MULTIDIMENSIONAL MODEL OF QUALITY OF EXPERIENCE Madalena Pereira da Silva (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, SC, Brasil) Mário Antônio Ribeiro Dantas (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, SC, Brasil) - Alexandre Leopoldo Gonçalves (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, SC, Brasil) - Abstract. The Internet has led to the supply of complex high-demand services and demanding the provision and delivery. To infer the quality, providers make their management through a set of QoS parameters (Quality of Service). Because these parameters are focused on network and application management services should be focused on Quality of Experience (QoE) user. However, research shows that the vast majority of platforms for services, prioritize only the technological aspects, thus neglecting other dimensions that interfere with QoE, notably those related to human factors and user context. This article is a Quality of Experience Theme Review to investigate whether the existing research is guided for the Humanities or just for Information and Communication Technology. Based on research we propose a multidimensional model of QoE and a taxonomy of dimensions that impact the user Quality of Perception (QoP). The characterization of QoE as a multidimensional construct, based on an interdisciplinary approach, leads us to a reflection of how much work needs to evolve to offer services that meet the hedonic and pragmatic needs of the user. keywords: Quality of Experience, Quality of Service, Quality of Perception, interdisciplinarity. UMA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR PARA A PROPOSIÇÃO DE UM MODELO MULTIDIMENSIONAL DA QUALIDADE DE EXPERIÊNCIA A Internet tem propiciado a oferta de serviços de alta demanda complexos e exigentes na provisão e entrega. Para inferir na qualidade, os provedores fazem a gestão dos mesmos, através de um conjunto de parâmetros de QoS (Quality of Service). Pelo fato destes parâmetros serem voltados para rede e aplicação, a gestão dos serviços deve ser centrado na Qualidade de Experiência (QoE) do usuário. No entanto, as pesquisas demonstram que a grande maioria das plataformas de prestação de serviços prioriza apenas os aspectos tecnológicos, com isso negligenciando outras dimensões que interferem na QoE, notoriamente àquelas relacionadas a fatores humanos e contexto do usuário. Este artigo consiste de uma revisão do tema Qualidade de Experiência para investigar se as pesquisas existentes são norteadas para as Ciências Humanas ou apenas para a Tecnologia da Informação e Comunicação. Com base nas pesquisas é proposto um modelo multidimensional da QoE e uma taxonomia das dimensões que causam impacto na qualidade percebida pelo usuário. A caracterização da QoE como um constructo multidimensional, fundamentada numa abordagem interdisciplinar, nos remete a uma reflexão do quanto as pesquisas precisam evoluir para oferecer serviços capazes de atender as necessidades hedônicas e pragmáticas do usuário. Palavras Chave: Quality da Experiência; Quality do Serviço; Quality da Percepção; Interdisciplinaridade. 4869

2 1. Introdução A Internet tem propiciado a oferta de serviços de alta demanda, complexos e exigentes na provisão e entrega. Para inferir na sua qualidade, os prestadores de serviços, geralmente, fazem a gestão dos mesmos, através de um conjunto de parâmetros de QoS (Quality of Service). Pelo fato dos parâmetros de QoS serem voltados para rede e aplicação, a gestão dos serviços deve ser centrado na QoE (Quality of Experience). A QoE refere-se a avaliação subjetiva das percepções e expectativas dos usuários no uso de um serviço. Essa avaliação pode ser influenciada pelo contexto, pelos recursos tecnológicos usados para prover o serviço e principalmente, pelo julgamento intrínseco do usuário. Mas, observa-se na literatura que a maioria das plataformas de prestação de serviços, preocupa-se com a qualidade sob o ponto de vista tecnológico e poucas pesquisas focam a qualidade centrada nas necessidades hedônicas e pragmáticas dos usuários. A diferenciação dos serviços de acordo com as experiências dos usuários é uma estratégia em potencial para manter e conquistar novos clientes. Mas como prover serviços cientes da experiência do usuário, diante de cenários tão dinâmicos e indivíduos tão heterogêneos, natos da natureza humana? Acredita-se que o primeiro passo, consiste em investigar as dimensões de impacto na QoE, bem como conhecer as bases conceituais para a fundamentação da pesquisa. É nesta perspectiva que situamos a pesquisa. Este trabalho consiste numa revisão do tema Qualidade de Experiência para investigar se as pesquisas existentes são norteadas para as Ciências Humanas ou apenas para a TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação). Com base nas pesquisas, é proposto um modelo multidimensional da QoE e uma taxonomia das dimensões que causam impacto na qualidade percebida pelo usuário. O artigo está organizado em seções. A seção 2 descreve a metodologia. A seção 3 apresenta os principais parâmetros e fatores usados para predizer a QoS em sistemas de comunicação. A seção 4 mostra os resultados da revisão sistemática sobre QoE, numa perspectiva interdisciplinar. Na seção 5 é proposto o modelo multidimensional da QoE. Na seção 6, são descritas as conclusões. 2. Metodologia da Pesquisa Esta pesquisa é de natureza exploratória de caráter descritivo, trata-se de uma revisão sistemática para levantar os trabalhos sobre QoE existentes com o propósito de investigar se as pesquisas são norteadas para as Ciências Humanas ou apenas para a TIC, bem como buscar aparatos para propor um modelo de QoE e uma taxonomia das dimensões de impacto na QoP (Quality of Perception) do usuário. 3. Qualidade do Serviço Esta seção evidencia e exemplifica os parâmetros de impacto na satisfação do usuário, e, demonstra como a QoE tem sido abordada em sistemas de comunicação Qualidade do Serviço em Geral A QoS é gerida por um conjunto de determinantes e cada serviço possui seus próprios parâmetros e valores associados. A Tabela I exemplifica serviços e parâmetros associados com a qualidade. Para cada exemplo, os parâmetros podem variar, sendo dependentes do domínio de aplicação, intenções, contexto e cenário de uso do utilizador. TABELA I EXEMPLOS DE SERVIÇOS E PARÂMETROS GERAIS PARA MENSURAR A QUALIDADE Tipo de Serviço Serviço de Restaurante Serviço de Hotéis Serviço de Home Banking Serviço Web Serviço Multimídia e de Tempo Real Exemplos de parâmetros determinantes na qualidade Variedade no cardápio, limpeza, decoração, atendimento... Localização, limpeza, atendimento, custo... Segurança, confiabilidade, autenticidade... Disponibilidade, tempo de resposta... Largura de banda, perda de sinais, atrasos, jitter, ruídos

3 3.2. Qualidade do Serviço em Sistemas de Comunicação Em sistemas de comunicação de dados, o conceito de QoS foi introduzido pela ISO (ISO, 1994) para mensurar a qualidade agregada aos serviços que uma rede de comunicação oferece, ou seja, refletir o quanto a rede é capaz de atender às expectativas de seus usuários através dos serviços que ela disponibiliza. O desempenho de um serviço provido pela rede é gerido através de um conjunto de parâmetros de QoS (i.e., atraso, jitter, descarte de pacotes, largura de banda). Para oferecer serviço com qualidade, inicialmente este conceito foi focado na rede de comunicação de dados e, posteriormente, evoluiu contemplando as múltiplas camadas da interação usuário sistema (Figura 1). FIGURA 1 RELAÇÕES DOS PARÂMETROS ENTRE QOS E QOE Fonte: Adaptada de Wu et al. (2009, p.2). As camadas da Figura 1 contém parâmetros de aplicações multimídia e de tempo real (VoIP, IPTV, itv) usados para mensurar a qualidade do serviço oferecida pelo sistema de comunicação. Todos os parâmetros de cada camada (rede, sistema, aplicação) são mapeados para predizer o nível de satisfação do usuário, sem fazer menção a outros fatores relacionados com a qualidade, sob a perspectiva do usuário. 4. Qualidade da Experiência Esta seção visa evidenciar as dimensões de impacto na QoE. Esta etapa da pesquisa foi realizada em três estágios. Inicialmente a pesquisa é realizada com usuários; seguida por conceitos de QoE mais citados na literatura; finalizando com uma revisão integrativa para evidenciar as áreas do conhecimento utilizadas para modelar a QoE Captura dos Termos da Pesquisa de Opinião Com o propósito de saber que aspectos são considerados importantes para contemplar ou superar as expectativas na provisão de um serviço, uma pesquisa de opinião com 67 contatos da rede social facebook foi realizada. A Figura 2 apresenta uma nuvem de tags das respostas obtidas dos 24 respondentes. A idade e área de atuação da população amostral são diversificadas; o nível de escolaridade varia de graduandos a doutores. FIGURA 2 PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE DETERMINANTES DA QUALIDADE DE SERVIÇOS EM GERAL A nuvem de tags mostra que as respostas vão desde aspectos relacionados com ergonomia e usabilidade até aspectos relacionados com emoções, custos e bonificações. Inclusive um respondente disse que precisa ser surpreendido. Uma análise nas 24 respostas permitiu uma classificação dos termos em quatro categorias: usuário, contexto, conteúdo e tecnologia. 4871

4 4.2. Captura dos Termos Equivalentes nas Definições de QoE Os resultados da pesquisa de opinião evidenciaram que as pesquisas, que envolvem experiência do usuário, devem ir além de aspectos tecnológicos e conhecimento do seu perfil. A experiência do usuário deve ser avaliada de forma mais ampla, incluindo as necessidades cognitivas, estéticas e hedônicas. Essa avaliação só é possível se trabalhada de forma interdisciplinar. Para estudar a QoE no contexto interdisciplinar, foram extraídos da literatura apenas os conceitos de QoE que: (i) levam em consideração os fatores humanos subjetivos e objetivos na formulação de suas definições e (ii) apresentam algum termo equivalente com os fatores levantados na pesquisa de opinião. Tais conceitos de QoE são descritos em (ITU-T, 2008), (Fiedler et al., 2009), e (Wu et al., 2009). A partir das definições apresentadas extraiu-se quatro dimensões de influência na QoE: usuário, conteúdo, contexto e tecnologia. Essas dimensões são equivalentes com aquelas obtidas na pesquisa de opinião Pesquisa de Trabalhos sobre QoE Com o intuito de investigar se as dimensões de impacto na QoE (usuário, conteúdo, contexto e tecnologia) tem sido exploradas, uma revisão sistemática na literatura foi realizada. Os dados foram coletados em três bases de dados. A Tabela II apresenta a sumarização das pesquisas, destacando, a abordagem, os tipos de aplicações e as bases conceituais que amparam as propostas. Os artigos apresentados na Tabela II indicam que a dimensão contexto tem sido pouco explorada. Nenhuma das propostas aborda a questão do conteúdo levando em consideração o significado semântico do ponto de vista do usuário. TABELA II - SUMARIZAÇÃO DAS PESQUISAS: QOE MULTIDIMENSIONAL ARTIGO ABORDAGEM APLICAÇÃO BASE CONCEITUAL Dimensões da QoE (Liu, Zhou, Song, 2006) Disciplinar Vídeo streaming em computação pervasiva (Wechsung et al, 2012), (Möller el al, 2009) Interdisciplinar Interação homem máquina multimodal (Moor et al, 2008) Interdisciplinar Qualidade no desenvolvimento de aparelhos celulares (Wu et al, 2009) Interdisciplinar Ambiente multimídia interativo distribuído Computação sensível ao contexto, Fuzzy Interface homem máquina, Design de Interface Interface homem máquina, Interface Design, TIC, Engenharia, Sociologia Psicologia, Ciência da Cognição, Sociologia, TIC QoS, Contexto, perfil usuário, fatores humanos subjetivos QoS, usuário, contexto, sistema, fatores humanos objetivos Qualidade da aplicação, contexto usuário, fatores humanos objetivos e subjetivos Qualidade da aplicação, fatores humanos objetivos e subjetivos (Kapov e Varela, 2012) Interdisciplinar VIdeo Stream, VOIP bidirecional Psicologia, Sociologia, TIC QoS da aplicação e da rede recurso, contexto, fatores humanos objetivos e subjetivos (Laghari et al, 2010) Interdisciplinar Entrega de serviços em ambientes distribuídos (Laghari et al, 2011) Interdisciplinar Provisão e entrega de serviços em ambientes distribuídos Psicologia, Ciência da Cognição, Sociologia Psicologia, Ciência da Cognição, Sociologia, Interface homem máquina, Interface Design, TIC Usuário, serviço, negócio, fatores humanos subjetivos QoS da aplicação e da rede, serviço, negócio, contexto, fatores humanos objetivos e subjetivos 5. Proposta do Modelo Multidimensional Ciente da Qualidade de Experiência De acordo com as teorias da Psicologia (MEHRABIAN e RUSSELL, 1974) os estímulos ambientais influenciam fortemente as percepções cognitivas, e por sua vez, moldam as intenções comportamentais e os resultados. E na interação com o ambiente, diante de um contexto, quando o usuário encontra algo que desperta interesse mental, os sensores (fisiológicos, auditivos, visuais), são acionados manifestando intenções comportamentais. Com base nesses presupostos, a idealização do modelo consistiu de três grandes artefatos: 1) Representação abstrata do modelo, baseado na relação causa efeito entre QoE e QoS, fundamentada, principalmente, nas ciências humanas. 2) Uma abordagem conceitual, onde a QoE deve ser tratada como um constructo multidimensional e estudada de forma interdisciplinar. 3) Mapeamento das dimensões da QoE 5.1. Abstração do Modelo de Qualidade de Experiência Proposto Com base na teoria apresentada em Mehrabian e Russell (1974) e em Wu et al. (2009) propõe-se o modelo de QoE baseado na relação causa-efeito (Figura 3). Este 4872

5 modelo, ao ser inserido numa plataforma de prestação de serviços, provê artefatos para que o mecanismo de inteligência possa correlacionar aspectos hedônicos e pragmáticos do usuário com aspectos da QoS, do conteúdo e do contexto. FIGURA 3 - MODELO DE QOE PROPOSTO Fonte: Adaptado de Wu et al. (2009, p.2) Na Figura 3, diante de um contexto, tem-se a qualidade do conteúdo semântico e a qualidade do conteúdo sintático. O conteúdo semântico está relacionado com o valor que o emissor e o receptor humano atribuem à semântica do conteúdo num contexto. O conteúdo sintático está relacionado com a qualidade do serviço, ou seja, refere-se à capacidade do sistema de comunicação prover uma infraestrutura física suficiente para transportar o conteúdo (texto, áudio, vídeo) com qualidade. Todos esses elementos devem ser criteriosamente controlados para que as expectativas dos usuários nas interações com o ambiente possam ser superadas. A seta tracejada indica que existe um circuito de retroalimentação justificado por três aspectos: A sensibilidade ao contexto permite a personalização do ambiente. O dinamismo do sistema permite o usuário personalizar o ambiente de acordo com os requisitos de qualidade. A experiência do usuário nas interações com o ambiente vai sendo enriquecida; os comportamentos, motivados pelas intenções, sofrem alterações. FIGURA 4 DIMENSÕES DO MODELO DE QOE PROPOSTO 5.2. Dimensões do Modelo de Qualidade de Experiência Uma vez que o modelo de relação causal da QoE tenha sido apresentado é preciso evidenciar os fatores que influenciam a satisfação do usuário com o serviço. Estes estão dispostos como dimensões na Figura 4. Para tratar das quatro dimensões da experiência do usuário, uma abordagem interdisciplinar é necessária. 4873

6 Para tratar das quatro dimensões da experiência do usuário, uma abordagem interdisciplinar é necessária com base nos resultados teóricos e de várias disciplinas, incluindo, psicologia, ciência cognitiva, semiótica e tecnologia da informação. Fatores Humanos Subjetivos Eles podem ser obtidos por pesquisas de opinião, entrevistas. Com o propósito de saber que aspectos são considerados importantes para contemplar ou superar as expectativas na provisão de um serviço. Para a captura e análise de cada aspecto num ambiente real pode-se fazer uso de teorias da psicologia, IHC, Design de Interface. A escolha de qual teoria adotar depende da natureza do serviço, do ambiente, do contexto e que variáveis são importantes considerar no estudo. Fatores Humanos Objetivos São usados para predizer o desempenho da tarefa humana, tais como capacidade de memória, limites humanos audiovisuais, tempo de reação. Eles podem ser obtidos por pesquisas controladas ou não controlas, usando métodos invasivos ou não invasivos. São apoiados pelas bases conceituais da Ciência Cognitiva, Psicologia Cognitiva e Modelos Mentais. Conteúdo A Mídia do Conhecimento se preocupa com a linguagem das palavras (comunicação semântica) e com a linguagem técnica dos sinais (comunicação sintática). Esses dois objetos de estudos, são estudados em diferentes dimensões da Figura 4. Ou seja, a comunicação sintática é estudada na dimensão Qualidade do Serviço, sendo considerados todos os parâmetros que afetam a QoS. E a comunicação semântica é estudada na dimensão Qualidade do Conteúdo. Os fatores de conteúdo impactantes na QoE são dependentes da qualidade da informação disponibilizada, incluindo parâmetros relacionados com atualização, confiabilidade, precisão e do significado da informação para o utilizador. A semiótica (Costa et al., 2012) é uma das áreas que trata do significado das palavras, do valor que o receptor atribui a mensagem de acordo com a sua semântica. Esse valor pode ser influenciado pelo contexto, pela subjetividade entre outros aspectos. Contexto Os fatores relacionados com o contexto têm sido apontados em um aglomerado de pesquisas (contexto da computação, físico, tempo, usuário) e estão em constantes evoluções (Bellavista et al., 2013). No entanto, existem outras dimensões de contexto que devem ser consideradas, tais como contexto organizacional, tarefas, social e cultural, pois estes permitem modelar o conhecimento de forma mais abrangente e ajudam o raciocinador inferir o serviço com melhor precisão. Qualidade do Serviço De um lado, os usuários com necessidades particulares desejam usar serviços que suportam aplicações multimídia e de tempo real. Esses usuários visualizam a qualidade das aplicações de acordo com suas percepções, suas habilidades no manuseio e uso das tecnologias, de acordo com os recursos dos equipamentos e redes de comunicação disponíveis. Por outro lado, os provedores devem oferecer e entregar o serviço com qualidade usando tecnologias subjacentes e redes de transporte de dados. Essas entidades, em função do papel que exercem, visualizam a qualidade do serviço numa camada de abstração divergente daquela vista pelo usuário. Uma vez que todos os requisitos de QoS da aplicação tenham sido tratados, o sistema de transporte recebe e transporta os dados num 4874

7 canal preparado para garantir a QoS, para que informação chegue ao usuário com bom desempenho para não frustrar as expectativas do usuário Mapeamento das Dimensões da Qualidade de Experiência Diante de um contexto haverá uma correlação dos parâmetros das dimensões da QoE. Esse processo consiste em múltiplas tarefas intensivas em conhecimento. Ou seja, diante de um contexto e cenário de uso, para inferir se existe um serviço capaz de atender e entregar o conteúdo midiático dentro das expectativas do usuário faz-se necessário: 1) Levantar os principais determinantes da QoS que influenciam na QoE do conteúdo/serviço que será entregue ao usuário. Para as aplicações multimídia e de tempo real os principais parâmetros do áudio e vídeo são: atraso, variação de atraso, perda de pacotes, largura de banda. 2) Levantar os determinantes que influenciam na qualidade das aplicações multimídia e de tempo real. Esses parâmetros são padronizados e relacionados com a codificação do áudio e do vídeo, frames que compõem a imagem ou grupo de imagem, resolução do vídeo (HDTV, SDTV). 3) Levantar os determinantes da qualidade sob o ponto de vista do usuário. Esses parâmetros estão relacionados com fatores comportamentais, ambientais e cognitivos. Para obter parâmetros subjetivos e objetivos dos usuários, como ponto de partida, diante de um contexto e cenário de uso, podem ser realizadas pesquisas, entrevistas e testes laboratoriais. Se o ambiente de interação é dinâmico e o sistema trabalha com o conhecimento do usuário, os parâmetros podem ser ajustados ao longo do ciclo de vida do sistema ou até que as ações do usuário sigam sempre o mesmo padrão de comportamento. Esses ajustes podem advir das análises comportamentais das interações do usuário com o ambiente, apoiados por modelos psicológicos e da ciência da cognição. 4) Adotar um método para avaliar a qualidade das aplicações multimídia e de tempo real. O MOS (ITU-T, 2003) é um dos métodos mais utilizados para a avaliação subjetiva do áudio e do vídeo, onde o usuário possa avaliar a QoE. 5) Embasado na teoria da semiótica, envolver o usuário num cenário de uso para que se possa conhecer as diferentes interpretações e valorações do usuário diante de um conteúdo, associado a um contexto. 6) Relacionar, através de formulações, os parâmetros das diferentes dimensões para que seja possível mapear a qualidade nos diferentes níveis de abstração e obter uma QoE resultante (Kapov e Varela, 2012), (Laghari et al., 2011). Como visto, o mapeamento das diferentes dimensões é complexo e muitos estudos, envolvendo os usuários e equipes interdisciplinares devem ser realizadas para a escolha dos melhores métodos. Acredita-se que a abordagem deve ser híbrida e flexível combinando análises estatísticas e experimentações empíricas adaptáveis. 6. Conclusões A fim de compreender a QoE para um determinado serviço e como instrumentalmente estimá-la, é preciso conhecer os diferentes fatores e parâmetros, relacionados aos agentes tecnológicos e humanos, que podem impactar a qualidade do serviço em questão e mapeá-los, no entanto, existe uma série de dificuldades associadas ao mapeamento. Ao adotar uma abordagem interdisciplinar, essa complexidade pode ser minimizada, pois os projetos podem ser construídos com bases conceituais sólidas. Este trabalho apresentou uma abordagem interdisciplinar sobre o tema QoE. Os resultados da revisão sistemática evidenciaram que existem poucas pesquisas que abordam a QoE como um constructo multidimensional. Com base nas pesquisas é proposto um 4875

8 modelo de QoE e uma nova taxonomia multidimensional dos fatores impactantes na QoE. Ambos foram descritos apoiados, principalmente, nas áreas da Psicologia e Ciência da Cognição. Espera-se que com esta pesquisa os fornecedores passem a incorporar nas plataformas de prestação de serviços, fatores humanos e aspectos cognitivos humanos, além de aspectos tecnológicos. Referências Bibliográficas Bellavista P.; Corradi A.; Fanelli M. & Foschini L. (2012). A Survey of Context Data Distribution for Mobile Ubiquitous Systems. Journal ACM Computing Surveys (CSUR). Surveys Homepage archive Volume 44 Issue 4, Article No. 24. Costa, A. R. C.; Bortolato, M. M. & Perassi, R. L. (2011). Estudo semiótico da interface gráfico-digital interativa Picasso Head. Estudos Semióticos, vol. 7, n. 1, p ISO, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (1994). Quality of Service Basic Framework outline. ISO / IEC JTC1 / SC21 / WG1 N1145. ITU-T Recommendation P (2003). MOS - Mean opinion score terminology, Geneva, Switzerland. ITU-T G.1080, Rec. G (2008). Quality of Experience requirements for IPTV Services. Fiedler, M.; Hossfeld, T. and Tran-Gia, P. (2010). A Generic Quantitative Relationship between Quality of Experience and Quality of Service. IEEE Network Magazine, March/April. Kapov, L. S. & Varela M. (2012). A Multi-Dimensional View of QoE: the ARCU Model. MIPRO, May 21-25, Opatija, Croatia. Laghari K. U. R.; Crespi, N.; Molina, B. & Palau, C. E. (2010). Towards a Service Delivery Based on Customer experience Ontology: Shift from Service to experience. R. Brennan, J. Fleck II, and S. van der Meer (Eds.): MACE, LNCS 6473, pp Laghari K. U. R.; Crespi, N.; Molina, B. & Palau, C. E. (2011). QoE aware Service Delivery in Distributed Environment. Advanced Information Networking and Applications (WAINA). Liu, L., Zhou, W. & S. J. (2006). The Research of Quality of Experience Evaluation Method in Pervasive Computing Environment. 1st International Symposium on Pervasive Computing and Applications. Mehrabian, A. & Russell, J. A. (1974). An approach to environmental psychology. Cambridge, MA, MIT Press. Möller S., Engelbrecht, K. P., Kühnel C., Wechsung I. & Weiss, B. (2009). A Taxonomy of Quality of Service and Quality of Experience of Multimodal Human-Machine Interation. QoMEX. Moor, K. de, L. Marez de, Deryckere T., Joseph W. & Martens L. (2008). Bridging troubled water: Quality of experience in a mobile media context. In Terena Networking Conference, Bruges. Wechsung I., Engelbrecht, K. P., Kühnel C., Möller S. & Weiss, B. (2012). Measuring the Quality of Service and Quality of Experience of multimodal human machine interaction. J Multimodal User Interfaces. Wu W.; Arefin A.; Rivas R.; Nahrstedt K.; Sheppard M. R. & Yang Z. (2009). Quality of Experience in Distributed Interactive Multimedia Environments: Toward a Theoretical Framework. In Proceedings of the 17th ACM international conference on Multimedia. 4876

Modelo de Qualidade de Experiência à Gestão do Conhecimento em Empresas Fornecedoras de Serviços Convergentes

Modelo de Qualidade de Experiência à Gestão do Conhecimento em Empresas Fornecedoras de Serviços Convergentes Modelo de Qualidade de Experiência à Gestão do Conhecimento em Empresas Fornecedoras de Serviços Convergentes Madalena Pereira da Silva Mario Antônio Ribeiro Dantas EGC - UFSC Tópicos Introdução Motivações

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço.

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Título: PROPOSTA DE SOLUÇÃO PARA SOBRE-APROVISIONAMENTO DE RECURSOS SOBRE CAMINHOS HETEROGÊNEOS EM REDES SENSÍVEIS

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Computação Sensível ao Contexto

Computação Sensível ao Contexto Computação Sensível ao Contexto Percepção de Contexto em Ambientes Domiciliares Modelagem de Contexto Modelagem de Contexto + Modelagem de Usuário Fabrício J. Barth novembro de 2004 Sumário O que já foi

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Leonardo Mota, Jobson Massollar, Guilherme Horta Travassos Federal University of Rio de Janeiro/COPPE/PESC Caixa Postal

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo Tipo de raciocínio - Indutivo Método de Pesquisa (continuação) Analisa-se um aspecto particular e se procura gerar proposições teóricas a partir dos dados (May,2004). A teoria se forma a partir da observação

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

MODELO DE QUALIDADE DE EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONVERGENTES

MODELO DE QUALIDADE DE EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONVERGENTES MODELO DE QUALIDADE DE EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONVERGENTES Resumo: Madalena Pereira da Silva 1 Mario Antônio Ribeiro Dantas 2 A convergência tecnológica permite que empresas

Leia mais

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais.

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. 286 Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. Saulo William S. Costa, Ailton Lopes de Sousa, Yomara Pires Laboratório de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde CRIAÇÃO DE UM MODELO DE INTERFACE EXTENSÍVEL PARA SISTEMAS DE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE Modalidade

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

2 ESTRUTURA DE PESQUISA

2 ESTRUTURA DE PESQUISA 2 ESTRUTURA DE PESQUISA A revisão sistemática da literatura tem por objetivo a sumarização do estado da arte de uma área de conhecimento especifica (Rowley e Slack, 2004). Para esta finalidade, de acordo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Usabilidade Trabalhando com Hierarquias de Metas (2)

Usabilidade Trabalhando com Hierarquias de Metas (2) 1 Usabilidade Trabalhando com Hierarquias de Metas (2) 10/09/2014 www.inf.puc-rio.br/~inf1403 2 Recordando Hierarquia de Metas 1 2a 2b 3a 3b 1. Qual é a Meta Global? 2. Em quantas Submetas a Meta Global

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Apêndice A. Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience

Apêndice A. Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience Apêndice A Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience 103 Especificação dos Requisitos do Software < Classroom experience > Versão 2.0 Preparado por < Taffarel Brant Ribeiro,

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC)

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo 09/04/2012 Departamento de Informática, PUC-Rio Testes com usuários Como avaliar? inspeção (por especialistas)

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas 5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas O capitulo anterior descreveu as facilidades de acesso às informações estatíticas e este capítulo descreve, exemplifica e mostra a usabilidade destas informações

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Introdução/Resumo Executivo

Introdução/Resumo Executivo Introdução/Resumo Executivo O aumento de disponibilidade de banda-larga tem proporcionado um aumento na utilização de aplicações com requisitos de tempo-real, tais como a Voz sobre IP (VoIP) ou Streaming

Leia mais

Recursos Hídricos. Análise dos dados do Programa Prospectar. Anexo IV. Prospecção Tecnológica

Recursos Hídricos. Análise dos dados do Programa Prospectar. Anexo IV. Prospecção Tecnológica Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Anexo IV Recursos Hídricos Análise dos dados do Programa Prospectar 1 Apresentação Este documento traz o resultado de análise realizada

Leia mais

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Este artigo introduz os conceitos de computação em nuvem, Cloud Computing, e a insere no contexto de mercado de serviços ao apresenta-la como uma

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO Em nenhum momento de toda a história dos meios de comunicação modernos houve tantas mudanças fundamentais na distribuição e mensuração da mídia. Com o surgimento da transmissão

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE 6 Disponibilizado no endereço http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br Ação Ergonômica vol 3 nº. 1 (2007) pp. 01-06 METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

4 Plano de Recuperação

4 Plano de Recuperação 4 Plano de Recuperação Como pode ser observado na Seção 3.2, um projeto de um middleware para TVD deve considerar o fato que ele será embarcado em plataformas diversas e, portanto, que fará uso de diversas

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet

Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet Nuno Matias, António Pinto Resumo As plataformas baseadas na nuvem (ou cloud computing) pressupõem a disponibilidade de informação,

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

Interação Homem-Computador: As Interfaces

Interação Homem-Computador: As Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Interação Homem-Computador: As Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos

Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos Marcelo Lopes Kroth 1, Iara Augustin 2 1, 2 Grupo de Sistemas de Computação Móvel (GMob), Universidade Federal

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO)

Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO) Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO) Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL (QDO) QUESTIONÁRIO DE

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa 1 Introdução O objetivo desse capítulo é propiciar uma visão abrangente do estudo aqui desenvolvido. Dessa forma, ele foi estruturado com as seguintes seções: A motivação e o problema da pesquisa: baseada

Leia mais

3 Abordagem Sistêmica

3 Abordagem Sistêmica 3 Abordagem Sistêmica 3.1 A visão sistêmica Como uma das correntes do pensamento administrativo, a abordagem sistêmica foi introduzida em meados da década de 60. Os teóricos de sistemas definiram-na como,

Leia mais

S G O R T A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES ECDU. INF 621 - Seminários Científicos II

S G O R T A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES ECDU. INF 621 - Seminários Científicos II A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES Aluno: Me. Flávio Galvão Calhau Orientador: Dr. Romildo Bezerra S G O R T ECDU INF 621 - Seminários Científicos II Um

Leia mais