Manual Quality Bid list 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual Quality Bid list 2015"

Transcrição

1 Manual Quality Bid list 2015 REGRAS SCORECARD FCA LATAM ENGENHARIA QUALIDADE FORNECEDORES BUSINESS PROCESS JANEIRO, 2015

2 Aplicação da regras As seguintes regras são aplicadas para o Bid List 2015 referentes a FCA EMEA, LATAM e APAC. 2

3 Resumo das modificações - Bid List 2015 (Detalhes nas páginas seguintes) 1. Introduzidos os pontos de Qualidade chamado «Quality Score» calculado sem considerar as penalizações do indicador PL. 2. Altera a regra de penalização do indicador «Quality Planning»: 20 pontos de penalização para cada FRV registrado pelo SQE relativos aos êxitos negativos na execução das ferramentas da Supplier Quality: PA (Process Audit), PDR (Production Demonstraction Run) e PPR (Process Planning Review). 3. Altera a regra de penalização do indicador «PIQ»: 1 ponto de penalização para cada 5% que exceder o target. 4. Altera a regra para o indicador «Quality Certification»: no caso de certificação ISO TS vencida ou não cadastrada, o Final Score não vai mais automaticamente a 0 ZERO, mas será colorido de vermelho. 5. Mesma modificação para o indicador «NBH»: no caso de registro de um NBH, lnão vai mais automaticamente a 0 ZERO, mas será colorido de vermelho. 6. Estão eliminadas as regras que deixavam automaticamente a 0 ZERO o Final Score : em seu lugar são atribuídos pontos de penalidade previstos para cada indicador. SQP - Regole Bid List

4 Final Score O «Final Score» é a pontuação final de cada código de Fornecedor, para cada linha de produto, chamado de PST (Purchasing Strategic Team). Recordamos que os indicadores do «Final Score» são utilizados para recomendação dos fornecedores nos processos de Sourcing. Processo di Sourcing FINAL SCORE QUALITY SCORE 95 G Y Y G R G 100 exemplo 4

5 Quality Score É introduzido os pontos de Qualidade chamado «Quality Score» calculado sem considerar as penalizações do indicador PL. O Relatório BID LIST, com o resultado do «Final Score» e «Quality Score» é gerado com um periodicidade mensal. Para cada PST / código de fornecimento, a pontuação inicial é 100. No relatório BID LIST apresentará: Pontuação geral do «Final Score» relativo a todos os indicadores, e Pontuação do «Quality Score» correspondente a avaliação final do fornecedor sem os problemas de logística. A diferença entre os dois scores è a penalização do indicador PL. A partir desta pontuação será descontado pontos e o status ficará da seguinte forma: FINAL SCORE VERDE se o «Final Score» e «Quality Score» for 80 pontos; AMARELO se o «Final Score» e «Quality Score» for 60 e < 80 pontos VERMELHO se o «Final Score» e «Quality Score» for < 60 pontos. QUALITY SCORE 95 G Y Y G R G 100 exemplos NEW! 5

6 Indicadores de avaliação 6

7 PIQ Indicador PIQ Peformance Index Quality (Rolling 6 meses): 01 ponto a menos para cada 5% do target excedido O indicador «PIQ» é o somatório do PQ - Pesos de boletas de qualidade da tabela de distúrbios da norma 08018, a rolling 6 meses, dividido pelo volume de peças entregues a rolling 6 meses x Classificados como VERMELHO ou VERDE com base no target do PST. Fórmula de Cálculo: PIQ = PQ -Peso das boletas emitidas de Qualidade (6 meses) Total de peças entregues (6 meses) x 10 6 NOTA: Para um código de fornecedor / PST com um valor de indicador PIQ > 100% do target, mas com uma entrega R6 Entrega Máx. R6 (1), não será subtraído pontos para o indicador PIQ. (1) Para cada PST, o valor máximo de entrega a rolling 6 meses foi calculado considerando-se apenas os fornecedores para o qual foi aplicada a regra das baixas entregas do PPM para o ano de

8 QUALITY PLANNING Indicador Quality Planning (Rolling 6 meses) 20 pontos para cada problema de Quality Planning registrado pelo EQF O indicador «QUALITY PLANNING» considera os FRV Forever Requirement Violation registrados relativos aos exitos negativos na execução de auditorias do EQF por responsabilidade do fornecedor: PA Process Audit, PDR Production Demonstration Run e PPR Process Planing Review. Os fornecedores são classificados como: - VERDE caso não existam ocorrências; - VERMELHO caso exista duas ou mais ocorrências. FRV para «Quality Planning» são registrados com abertura de boleta SQP definido pelo SQE pela voz de anomalia

9 FRV Indicador FRV (Rolling 6 meses) 20 pontos para FRV registrado O indicador «FRV FRV» Forever Requirement Violation considera o(s) requisito(s) da Carta de Requisitos Específicos não atendido(s). Esta penalização é aplicada pelo EQF quando há constatação do nãoatendimento de um ou mais requisitos; Os fornecedores são classificados como: - VERDE caso não existam ocorrências; - VERMELHO caso exista duas ou mais ocorrências. 9

10 PL Indicador PL O «PL PL» (Performance de Logística) constituído pelo somatório do pesos de boletas de logística da tabela de distúrbios da norma 08018, a rolling 6 meses. O target de PL é igual a 500 comum para todos os PSTs. Em função deste target são aplicadas as seguintes regras de penalização no «FINAL SCORE» : 5 pontos se 501 PL 1200; 15 pontos se 1201 PL 1800; 25 pontos se PL >

11 CSL Indicadores CSL1, CSL2-3 (Controled Shipping Level) 5 pontos para cada CSL 1 aberto; 10 pontos para cada CSL 2-3 aberto; Indicador <<CSL 1>> Quantidade de Embarques Controlados nível 1. Fornecedores são classificados como: - VERDE caso não existam ocorrências; - VERMELHO se mais de duas ocorrências. Indicador <<CSL 2-3>> Quantidade de Embarques Controlados nível 2 ou 3. Fornecedores são classificados como: - VERDE caso não existam ocorrências; - VERMELHO se mais de uma ocorrência. 11

12 YARD HOLD Indicador Yard Hold (Rolling 6 meses): 20 pontos para cada ocorrência. O Indicador <<Yard Hold>> mede a quantidade de ocorrências de bloqueios de pátio. Os fornecedores são classificados como : - VERDE caso o fornecedor não tenha ocorrência; - VERMELHO caso o fornecedor tenha mais de duas ocorrências. 12

13 NBH / ISO TS Indicador NBH New Business on Hold Fornecedores Fora de Novos Negócios. Os fornecedores são classificados como : - N caso o fornecedor NÃO esteja em NBH; - Y caso o fornecedor esteja em NBH. Indicador Quality Certification (ISO TS 16949) É o cadastro do certificado do SGQ Sistema de Gestão da Qualidade ISO TS 16949, realizado pelo fornecedor, no sistema SQP Supply Quality Performance. Fornecedores são classificados como: - Y com certificação atualizada no SQP - N se a certificação tenha sido suspensa, revogada, expirada e/ou não atualizada (2) NOTA: No caso de fornecedor em NBH ou Certificação TS NEW! vencida ou não presente, o «Final Score» não vai mais automaticamente a 0 ZERO, mas virá colorido de VERMELHO mesmo com algum valor. Neste modo é possível conhecer o valor do «Final Score» calculado com base em outros indicadores. (2) ComestestatusVERMELHOofornecedorNÃOpoderáserRECOMENDADO. 13

14 SUSTENTABILIDADE Indicador Sustentabilidade: Os valores são calculados somente para os códigos de fornecedores objeto do questionário de sustentabilidade (identificados com um código na coluna «Sustainability Code»). São analisados os conteúdos da coluna «Commitee Score»: 5 pontos se o valor é VERMELHO; 2 pontos se o valor é AMARELO. Se não possuir algum valor analisa-se a próxima coluna denominada «Auditor Score»: 5 pontos se o valor for 50; 2 pontos se o valor for > 50 e 70. Se não possuir algum valor analisa-se a próxima coluna denominada «Supplier Score»: 5 pontos se o valor for 50; 2 pontos se o valor for > 50 e

15 REGRAS NÃO MAIS APLICADAS As regras que deixavam o «Final Score» com "0" ZERO não serão mais aplicadas Quality Planning registrados 5 FRV - boletas registradas 3 CSL 1 abertos 3 CSL 2-3 abertos 2 NBH = Y ISO TS = N Bloqueios de Pátio 3 15

16 Indicadores Somente Informativos 16

17 PPM NC Indicador PPM NC O indicador de «PPM NC» Partes por Milhão calcula a soma de peças não-conformes a rolling 6 meses, dividido pelo total de peças entregues a rolling 6 meses x Classificados como VERMELHO ou VERDE com base no target do Creativity Team. No momento, este indicador é informativo: não desconta pontos no scorecard. Fórmula: PPM = peças não-conformes (6 meses) Total de peças entregues (6 meses) X

18 LOST UNITS LOGISTIC Indicador Lost Units O indicador «LOST UNITS» refere-se a quantidade de unidades perdidas ou incompletas apontadas pela Logística a rolling 6 meses. No momento, este indicador é informativo: não desconta pontos no scorecard 18

19 ISO Indicador ISO O indicador «ISO 14001» refere-se a atualização do certificado do SGA (Sistema de Gestão Ambiental), no SQP, pelo próprio fornecedor; No momento, este indicador é informativo: não desconta pontos no scorecard 19

20 GQW Indicador GQW «GQW GQW» Global Quality Warning relativo a iniciativa de alavancagem de fornecedores comuns para todas a regiões FCA; No momento, este indicador è informativo: não desconta pontos no scorecard 20

21 CONFLICT MINERALS Indicador Conflict Minerals «CONFLICT MINERALS» em referência à legislação USA para aquisição dos minerais 3TG: Tântalo, Tungstênio, Tin (Estanho) e Gold (Ouro) da zona de conflito: Republica democrática de Congo e países da região; No momento, este indicador è informativo: não desconta pontos no scorecard e pode assumir os seguintes valores: OK Fornecedor identificado com resposta dada e aceita KO Fornecedor identificado, resposta não dada ou com resposta incompleta ou resposta rejeitada NA Fornecedor não identificado. 21

22 Informações Gerais 22

23 PURCHASING STRACTEGIC TEAM (Exemplo) PST Purchasing Strategy Team O PST ou Creativity Team (Linha de Produto) é o agrupamento de uma ou mais famílias dentro da estrutura de composição do veículo. Target Metas estabelecidas para cada PST, conforme cada indicador avaliado. SQP Supply Quality Performance Quality Bid List ORGANIZATION TARGET PST - PURCHASING STRATEGIC TEAM YEAR MONTH COMPANY REGION HUB PPM NC PIQ PL (NOME) FGA LATAM BR

24 CÁLCULO (Exemplo) SQP Supply Quality Performance Quality Bid List ORGANIZATION TARGET PST - PURCHASING STRATEGIC TEAM YEAR MONTH COMPANY REGION HUB PPM NC PIQ PL (NOME) FGA LATAM BR X SUPPLIER NAME SUPPLIER CODE SUPPLIER COUNTRY FINAL SCORE QUALITY SCORE PPM PIQ QUALITY PLANNINIG FRV PL LOGISTIC LOST UNITS LOGISTIC CSL 1 CSL 2 3 (Name) ( Code) BR - Brasile CSL I (aberto) = -5 Pontos PIQ > 20% do Target = -4 Pontos Total de Perdas = -9 pontos PONTUAÇÃO DO FINAL SCORE Score = = 91 pontos 24

25 CÁLCULO (Exemplo) REPORT PARA ALTA DIREÇÃO (Fornecedor indicado a Sourcing) (Fornecedor indicado a Sourcing somente com Quality Risk Assessment aprovado pelo EQF) 0-59 (Fornecedor não indicado a Sourcing) 25

New Layout Report Bid Lists. Mar 14 Supplier Quality Engineering

New Layout Report Bid Lists. Mar 14 Supplier Quality Engineering New Layout Report Bid Lists 2014 Mar 14 Supplier Quality Engineering BID LIST Novo layout relatório BID LIST 2014 Versão em Português 2 Novo layout relatório BID LIST 2014 Quality Bid List -Layout 2014

Leia mais

Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD. Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores

Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD. Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores QUALITY KPI 360º QUALITY KPI 360⁰ (100 pontos) O Quality KPI 360⁰ é o resultado final qualitativo do fornecedor, sendo a soma

Leia mais

BID LIST 2013. Ayslan Verticchio. Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores

BID LIST 2013. Ayslan Verticchio. Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores BID LIST 2013 Ayslan Verticchio Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores Time Line Main changes & improvements 2004... 2010 2012 KPI (internal) KPI (internal & external) + Quality System Evaluation

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

Technical Review Documentação necessária

Technical Review Documentação necessária Technical Review Documentação necessária Para a realização do Technical Review, o fornecedor deve trazer a documentação abaixo relacionada preenchida: AQR assinado; Rasi chart (quando aplicável); Cronograma

Leia mais

SQP Supply Quality Performance

SQP Supply Quality Performance SQP Supply Quality Performance Ferramenta de Suporte para Solicitação de Serviços - Fornecedores Betim Março 2015 Index Fornecedores sem cadastro no Sistema Fornecedores já cadastrados no Sistema Ferramenta

Leia mais

Uma introdução aos minerais de conflito. Para fornecedores da Apogee Enterprises, Inc. e suas unidades de negócios

Uma introdução aos minerais de conflito. Para fornecedores da Apogee Enterprises, Inc. e suas unidades de negócios Uma introdução aos minerais de conflito Para fornecedores da Apogee Enterprises, Inc. e suas unidades de negócios Resumo executivo Parte da Lei Dodd-Frank de 2010 Aplica-se a todos os inscritos na SEC

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

1 Versões do documento... 2. 2 Premissa... 3. 3 Introdução... 4. 4 Tipos de Certificação... 5. 6 Organismos Certificadores... 6

1 Versões do documento... 2. 2 Premissa... 3. 3 Introdução... 4. 4 Tipos de Certificação... 5. 6 Organismos Certificadores... 6 SQP Certificação Fornecedor Versão 2, Março de 2009 Versão em português - Engenharia da Qualidade Industrial Índice 1 Versões do documento... 2 2 Premissa... 3 3 Introdução... 4 4 Tipos de Certificação...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Treinamento Presencial: Gestão de Fornecedores Data: 20 de Maio de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais completa

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 Hall Consult Produtos/ Serviços:

Leia mais

Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor

Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor Geraldo Guimarães Jr Diretor para Indústria de Utilities SAP para Utilities Liderança Global no Setor Maior Provedor de Soluções e Aplicações

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S 200 D I F E R E N C I A D O S Sistema de Gestão Unificado - Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional.. Baseado no padrão C&Z4003 que reúne os

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte 2ª Edição Revisada e Ampliada em 2014 Apresentação O Panorama ILOS Transporte Rodoviário

Leia mais

Auditoria em Fornecedor como Estratégia de Qualidade. Nilton José Reinert Junior¹

Auditoria em Fornecedor como Estratégia de Qualidade. Nilton José Reinert Junior¹ Auditoria em Fornecedor como Estratégia de Qualidade Nilton José Reinert Junior¹ RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar uma análise sobre auditorias da qualidade em fornecedores, bem como, conceitos

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r v.1.8 de 14/07/2010 1 1993: fundada como Integradora de Sistemas 2009: reconhecida Inteligência em Projetos 16 anos de realizações: + 350 projetos no

Leia mais

Requisitos Específicos para ISO TS 16949

Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Revisão 01 MWM INTERNATIONAL Motores 1 Requisitos Específicos da MWM INTERNATIONAL Motores Para uso em conjunto com a norma ISO/TS 16949 1. ESCOPO Este documento

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas!

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na OTIMIZAÇÃO DE COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento

Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento ISO Revisions New and Revised Mapeamento entre os requisitos da ISO 9001:2008 e da ISO FDIS 9001:2015 Guia de Mapeamento Introdução Este documento faz uma comparação entre a ISO 9001:2008 e o ISO 9001:2015

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Gestão de Fornecedores OTIMIZA O ATENDIMENTO ÀS NORMAS ISO, ONA, OHSAS, TS, AS, PBQP-h, ABNT, NR, ANVISA, entre outras, além de se adaptar aos requisitos internos da empresa. TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO Luciane de Oliveira Cunha (ITA) lucianeoc@yahoo.com.br João Murta Alves (ITA) murta@ita.br

Leia mais

Termo de Referência Anexo VII - Especificações Técnicas - Requisitos de Operação Assistida

Termo de Referência Anexo VII - Especificações Técnicas - Requisitos de Operação Assistida Diretoria Técnico-Operacional Gerência de Tecnologia da Informação Termo de Referência Anexo VII Especificação Técnica Requisitos de Operação Assistida 1 - INTRODUÇÃO Página 2 de 5 do TR-003-2015 de Este

Leia mais

SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA DA POLÍTICA... 2 3. CRITÉRIOS DE CONCESSÃO... 2 4. INVESTIMENTO... 2

SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA DA POLÍTICA... 2 3. CRITÉRIOS DE CONCESSÃO... 2 4. INVESTIMENTO... 2 PL RH 001 SUMÁRIO 1 de 7 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA DA POLÍTICA... 2 3. CRITÉRIOS DE CONCESSÃO... 2 4. INVESTIMENTO... 2 5. ACORDO DE FIDELIDADE PARA SUBSÍDIO DE PÓS-GRADUAÇÃO... 3 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

GNS CNPP/GNS Maio/2013

GNS CNPP/GNS Maio/2013 TRABALHANDO COM O PROTHEUS GNS CNPP/GNS Maio/2013 TRABALHANDO COM O PROTHEUS NO REEMBOLSO DE S 1º MÓDULO CNPP/GNS Maio/2013 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Para facilitar o processo de reembolso, antes de inserir

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

VAGAS. Ger Supply Chain. Coord Adm Vendas / Gerente Jr

VAGAS. Ger Supply Chain. Coord Adm Vendas / Gerente Jr VAGAS Ger Supply Chain Coord Adm Vendas / Gerente Jr Superior Completo e MBA em Logística Experiência na posição de 5 anos mínimo Reporte: Diretor Industrial Inglês Fluente e desejável espanhol Reportando-se

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM AGO/2011 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS 1 Objetivos O presente documento estabelece as competências que um organismo de certificação da Gestão da Segurança de Alimentos, conforme a norma ABNT NBR ISO 22000:2006, deve atender para obter e manter

Leia mais

EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL DE FORNECEDOR QUALIDADE

EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL DE FORNECEDOR QUALIDADE EMPRESAS RANDON MANUAL DE ACESSO PORTAL DE FORNECEDOR QUALIDADE 1 Índice 1. Solicitando acesso ao Portal de Fornecedor...3 2. Configurando o acesso ao Portal de Fornecedor...4 3. Acessando o Portal de

Leia mais

Sumário Scripts FGPS - Fornecedores

Sumário Scripts FGPS - Fornecedores FIAT 3/04/20 Sumário Scripts FGPS - Problemas Compatibilidade... 3 Localização do Manual de Treinamento... 3 Passos no sistema... 3 Registro de Tickets para Solução de Problemas... 4 Localização do Manual

Leia mais

Manual Financeiro do Sistema Gerencial Administrativo SGA. 01) Agentes Cadastro de Clientes, Fornecedores, Vendedores, Transportadoras.

Manual Financeiro do Sistema Gerencial Administrativo SGA. 01) Agentes Cadastro de Clientes, Fornecedores, Vendedores, Transportadoras. Manual Financeiro do Sistema Gerencial Administrativo SGA 01) Agentes Cadastro de Clientes, Fornecedores, Vendedores, Transportadoras. Cliente Tp Pessoa Jurídica (campo Obrigatório ) CNPJ ou CFF (campo

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais De que forma a empresa analisa seus indicadores de desempenho ambiental e desenvolve ações de produção mais limpa nos processos produtivos Valéria Soares Amorim Pereira Gerente de

Leia mais

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Gerenciamento de Qualidade IBM Rational Quality Manager Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Introdução Jazz Rational Quality Manager Demonstração Agenda 2 Teste de software?!? O que é? Para que

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

Programa de Melhoria da Qualidade do Fornecedor Cummins

Programa de Melhoria da Qualidade do Fornecedor Cummins Índice A. Finalidade... 3 B. Intenção... 3 C. Escopo... 3 D. Código de Conduta do Fornecedor Cummins... 4 E. Acrônimos e Definições...5-9 F. Gestão de riscos empresariais...10-11 G. Requisitos de Sistema

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Norma NBR de Diretrizes para a Integração do SGSO com outros Sistemas

Leia mais

Gestão da Qualidade de periódicos científicos

Gestão da Qualidade de periódicos científicos Gestão da Qualidade de periódicos científicos Silvia Galleti Pesquisadora Científica Instituto Biológico Editora chefe AIB Vice Presidente ABEC Breve apresentação... 1997-atual: Pesquisadora Científica

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 -

Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 - Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 - Apresentação O mercado de operadores logísticos no Brasil vem crescendo junto com a economia

Leia mais

QUEM SOMOS WHO WE ARE

QUEM SOMOS WHO WE ARE QUEM SOMOS A 5PM Consulting é uma empresa de consultoria que atua nos segmentos industrial, construção civil e obras de infraestrutura, fornecendo planejamento, gerenciamento e Follow Up dos empreendimentos.

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

2 BR APART. Área Bruta / Total Area: 100.49m2 Estacionamento / Parking Arrecadação / Storage Room

2 BR APART. Área Bruta / Total Area: 100.49m2 Estacionamento / Parking Arrecadação / Storage Room T2+1 Área Bruta / Total Area: 100.49m2 T2 Área Bruta / Total Area: 95,80m2 T2+1 Área Bruta / Total Area: 115,40m2 T3 3 BR Área Bruta / Total Area: 123,71m2 T3 +1 3 BR Área Bruta / Total Area: 142,26m2

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 -

Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 - Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 - Apresentação A terceirização de atividades logísticas no Brasil tem sido motivada pela redução de custos e melhoria nas operações logísticas.

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

CQMS-MetricStream Iniciando e Validando uma Não Conformidade de Material (MNC)

CQMS-MetricStream Iniciando e Validando uma Não Conformidade de Material (MNC) No, um defeito material é registrado como uma Não Conformidade de Material (MNC) A menos que a fábrica esteja usando um MES (Manufacturing Execution System, sistema de execução de fabricação), que inicia

Leia mais

AVALIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES NA INDÚS- TRIA AUTOMOTIVA: DA ISO9001 PARA ALÉM

AVALIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES NA INDÚS- TRIA AUTOMOTIVA: DA ISO9001 PARA ALÉM AVALIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES NA INDÚS- TRIA AUTOMOTIVA: DA ISO9001 PARA ALÉM Mateus Faria Mais Faculdade de Engenharia de Produção Centro de Ciências Eatas, Ambientais e de Tecnologia mateusfama@gmail.com

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE AGENTE DE APOIO ADMINISTRATIVO ANALISTA DE TRANSPORTES

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE AGENTE DE APOIO ADMINISTRATIVO ANALISTA DE TRANSPORTES DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE AGENTE DE APOIO ADMINISTRATIVO ANALISTA DE TRANSPORTES O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos

Leia mais

Brasil Energia e Transporte Ltda. MANUAL SQS

Brasil Energia e Transporte Ltda. MANUAL SQS Brasil Energia e Transporte Ltda. MANUAL SQS Este manual descreve as funcionalidades do SUPPLIER PORTAL Convenções Utilizadas Cada tipo fonte e cor possui uma finalidade neste manual. Segue abaixo as convenções

Leia mais

GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO O setor de suprimentos é, dentre os diversos outros setores da empresa, um dos que tem maior potencial de impacto nos resultados financeiros de uma organização,

Leia mais

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 1 Whoi am RESUME OF THE PRESENTER Coordenador de processos de Certificação na APCER Auditor ISO 9001 / ISO 27001 / ISO 20000 / SA 8000 Assessor Qweb e IQNET 9004

Leia mais

Manual de Treinamento. Área do Membro

Manual de Treinamento. Área do Membro Manual de Treinamento Área do Membro 0 Contents Geral... 2 Transações... 3 Negociação e Estoque... 10 Licenças... 15 Mercado... 19 Finanças... 22 Fazer uma Declaração de Venda... 27 Fazer uma Declaração

Leia mais

A REESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO CDTN

A REESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO CDTN A REESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO CDTN Rosane Rodrigues Fraga 1, Antonio Mario P. Azevedo 2, Maria Judith A. Haucz 3 e Cezar A. Oliveira 4 Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Administração do risco - Definição

Administração do risco - Definição Administração do risco - Definição 4 Administração de risco é o processo de minimizar: - probabilidade de ocorrência de riscos - impacto no negócio se o risco ocorrer Riscos e recompensas 4 A estratégia

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

PASSOS PARA TRANSFERIR

PASSOS PARA TRANSFERIR PERRY JOHNSON REGISTRARS, INC. PASSOS PARA TRANSFERIR A CERTIFICAÇÃO Perry Johnson Registrars, Inc. 26555 Evergreen, Suite 1340 Southfield, Michigan 48076 USA Copyright 2008, by Perry Johnson Registrars,

Leia mais

DAP. 1. Pré-Faturamento automático...2 1.1 Filtros...4 1.2 Configurações...7 1.3 Finalizar...27

DAP. 1. Pré-Faturamento automático...2 1.1 Filtros...4 1.2 Configurações...7 1.3 Finalizar...27 DAP 1. Pré-Faturamento automático...2 1.1 Filtros...4 1.2 Configurações...7 1.3 Finalizar...27 1 1. Pré-Faturamento automático Pré-Faturamento automático: este recurso permite selecionar vários pedidos

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES. Material Complementar de Estudos

SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES. Material Complementar de Estudos SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES Material Complementar de Estudos O que é a Organização ISO A ISO - Internacional Organization for Stardardization - é maior organização para Desenvolvimento e publicação

Leia mais

TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM CUSTO CONTRATAÇÃO POR MÓDULOS

TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM CUSTO CONTRATAÇÃO POR MÓDULOS Gestão de Pessoas OTIMIZA O ATENDIMENTO ÀS NORMAS ISO, ONA, OHSAS, TS, AS, PBQP-h, ABNT, NR, ANVISA, entre outras, além de se adaptar aos requisitos internos da empresa. TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Tutorial para geração de boletos

Tutorial para geração de boletos Tutorial para geração de boletos Conteúdo 1. Criar desconto padrão... 2 2. Geração de boleto com desconto até o vencimento em porcentagem (inclusive bolsa) no momento da matrícula:... 2 3.Geração de boletos

Leia mais

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea TRANSQUALIT Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas Agentes de Carga Aérea Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Definições 4 Sistema de qualificação 5 Responsabilidade

Leia mais

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos:

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos: Varejo e-commerce A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências e

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais