EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO EM SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO EM SAÚDE"

Transcrição

1 agência nacional de vigilância sanitária EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO EM SAÚDE Caderno de textos acadêmicos 2011

2

3 agência nacional de vigilância sanitária EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO EM SAÚDE Caderno de textos acadêmicos 2011

4 Diretor-Presidente Dirceu Brás Aparecido Barbano Adjunto do Diretor-Presidente Luiz Roberto Klassmann Diretores José Agenor Álvares da Silva Maria Cecília Martins Brito Jaime Cesar de Moura Oliveira Adjuntos de Diretores Neilton Araujo de Oliveira Luiz Armando Erthal Luciana Shimizu Takara Gerência Geral de Monitoramento e Fiscalização de Propaganda, de Publicidade, de Promoção e de Informação de Produtos Sujeitos à Vigilância Sanitária Maria José Delgado Fagundes Coordenação Editorial Paula Simões Rosaura Hexsel Elaboração Instituições de Ensino Superior participantes da Fase IV do Projeto de Monitoração de Propaganda de Produtos Sujeitos à Vigilância Sanitária Revisão Paula Simões Rosaura Hexsel Colaboração Maria José DelgadoFagundes Renata Regina Leite de Assis Projeto Gráfico e diagramação Paula Simões

5 agência nacional de vigilância sanitária EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO EM SAÚDE Caderno de textos acadêmicos 2011

6 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 9 PARTE 1 - AÇÕES DE EDUCAÇÃO 11 UCB - Projeto Educanvisa em escola pública de Taguatinga Distrito Federal: organização e execução das atividades 13 UEL - Educação para o consumo de alimentos saudáveis no ensino fundamental 19 UFBA - Uso racional de medicamentos versus propaganda abusiva: percepção dos educadores e impacto das ações realizadas no município de Santo Antônio de Jesus - Bahia 33 UFF - Promovendo o Uso Racional de Medicamentos nas escolas públicas que participam do Projeto Educanvisa 39 UFG - Percepção de professores do ensino fundamental de escolhas da cidade de Goiânia sobre valores sociais e educacionais em saúde 43 UJF - Educação em saúde nas escolas: impacto da propaganda de medicamentos e promoção da alimentação saudável 51 UFMA - Trabalho educativo com estudantes de ensino fundamental: uma abordagem sobre medicamentos, alimentação e legislação de propaganda 57 UFMG - Educação e informação sobre produtos sujeitos à vigilância sanitária brasileira 69 UFPB - Atividades educativas sobre a propaganda e o uso racional de medicamentos para alunos do ensino fundamental de escola pública de João Pessoa (PB) 77 UFPI - A Promoção da Saúde na escola 85 UFPR - Atividade educativa sobre automedicação e alimentação saudável com crianças de ensino fundamental em escola municipal de Curitiba (PR) e seus impactos 95 UFRGS - Percepção e atitudes de estudantes do ensino médio sobre os medicamentos e a publicidade farmacêutica 103 UFRN - Avaliação do Conhecimento sobre Medicamentos e alimentos em Estudantes de Escola Pública em Natal/RN 111 UFSC - Atividades de educação em saúde envolvendo o Uso Racional de Medicamentos na escola de educação básica José Boiteux do Município de Florianópolis (SC) 121 UNIUBE - Capacitação para professoras (es): contribuições para a promoção do uso racional de medicamentos. 131 USP - Experiência de uso de ferramentas lúdicas como estratégia de abordagem do tema uso racional de medicamentos para alunos do ensino fundamental AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

7 PARTE 2 - AÇÕES DE INFORMAÇÃO 153 UEL - A Promoção da Saúde pelas Ondas do Rádio: análise do impacto de ações de informação e educação para profissionais de rádio 154 UFBA - Análise das propagandas de medicamentos veiculadas nas emissoras de rádio de salvador Bahia 167 UFF - A Promoção da Saúde pelas Ondas do Rádio : relato de workshop realizado no Rio de Janeiro 171 UFG - Construindo valores sociais e educacionais: relato de uma experiência no Projeto Educanvisa em Goiânia-Goiás 177 UJF - Educação em Saúde via rádio: sensibilização dos radialistas pela equipe da UFJF, vigilância sanitária de Juiz de Fora e Anvisa 181 UFMA - Impacto da intervenção educacional relativo ao uso de medicamentos, alimentação saudável e legislação de propaganda 189 UFMG - A responsabilidade social do comunicador de rádio face aos produtos sujeitos à vigilância sanitária 201 UFPB - Atividades educativas sobre a propaganda e o uso racional de medicamentos para profissionais do Sistema de Comunicação Radiofônico 207 UFPI - O rádio como instrumento para a educação em saúde: potencialidades e desafios 213 UFPR - A publicidade de medicamentos em rádio: divulgar com ética e ser ético na divulgação 225 UFRGS - A tentativa de aproximação entre o projeto de educação em propaganda de produtos sujeitos à vigilância sanitá ria e comunicadores de rádio: um relato de experiência. 235 UFRN - Avaliação do conhecimento sobre propaganda de medicamentos e alimentação saudável entre participantes de um seminário 241 UFSC - Propaganda de medicamentos: um desafio para todas as profissões 249 UNIUBE - Publicidade de medicamentos no rádio e o perfil de informação dos radialistas 257 USP - A Promoção da Saúde pelas Ondas do Rádio seminário direcionado aos radialistas sobre a propaganda de medicamentos e sua regulamentação 265 PARTE 3 - PERSPECTIVAS E DESAFIOS 273 CADERNO DE TEXTOS ACADÊMICOS - 7

8

9 APRESENTAÇÃO O Caderno de Textos Acadêmicos é uma publicação que apresenta o registro das experiências vivenciadas pelos alunos bolsistas das universidades parceiras do Projeto Educação e Informação. As atividades do projeto foram desenvolvidas ao longo do ano de 2009, em 16 cidades, promovendo a integração dos acadêmicos com alunos e professores de diversas escolas de ensino fundamental e médio brasileiras, além de possibilitar a aproximação com um público bastante diferenciado os radialistas para difundir as regras sobre a propaganda de produtos sujeitos à vigilância sanitária e trazer ao debate a temática da saúde. Temas como o uso racional de medicamentos; a influência da propaganda de medicamentos e produtos sujeitos à vigilância sanitária; a alimentação saudável; e os riscos da automedicação foram amplamente debatidos e trabalhados durante as atividades do projeto. O objetivo foi propor à comunidade escolar e aos profissionais radialistas uma reflexão sobre os hábitos saudáveis de vida e as técnicas de persuasão e de convencimento usadas para induzir ao consumo inadequado e excessivo de medicamentos ou alimentos industrializados. Esta publicação, organizada em formato de artigos e de relatos, apresenta os resultados do Projeto Educação e Informação, concretizando uma ação conjunta entre a vigilância sanitária e a academia. O Caderno representa também mais um registro para disseminar o conhecimento construído ao longo dos últimos oito anos de parceria com as instituições de ensino superior, um trabalho que foi iniciado ainda em 2002, com o Projeto de Monitoração de Propaganda. A primeira parte do Caderno expõe os artigos e relatos elaborados pelos estudantes, sob a supervisão dos professores coordenadores, relacionados às ações de educação em saúde desenvolvidas nas escolas selecionadas, pelas universidades, para integrar-se ao projeto. As ações de informação, que foram destinadas aos radialistas, compõem a segunda parte da publicação. Nesta parte da coletânea, os universitários relatam a sua experiência com a organização do seminário A Promoção da Saúde nas Ondas do Rádio, e apontam as dificuldades enfrentadas para mobilizar esse público de comunicadores. Ao final, faz-se uma análise dos resultados obtidos com o projeto, a partir dos manuscritos enviados pelas universidades, demonstrando o impacto dessas atividades de educação em saúde destinadas a públicos diversificados professores, alunos e radialistas e evidenciando as constatações dos autores sobre as experiências em pauta, as quais podem apontar caminhos e abrir novos espaços que propiciem o diálogo e a troca de saberes, em prol da promoção da saúde das coletividades. Jaime Cesar de Moura Oliveira Diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária CADERNO DE TEXTOS ACADÊMICOS - 9

10

11 PARTE 1 AÇÕES DE EDUCAÇÃO

12

13 Projeto Educanvisa em escola pública de Taguatinga Distrito Federal: organização e execução das atividades Universidade Católica de Brasília (UCB) Aline Daiane dos Reis 1 ; Samara Haddad Simões Machado 2 ; Eloá Fátima Ferreira de Medeiros 2 AÇÕES DE EDUCAÇÃO 1 Discente da Universidade Católica de Brasília (UCB) 2 Docente da Universidade Católica de Brasília (UCB) RESUMO O projeto Educanvisa: Educação em Vigilância Sanitária, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), tem como proposta a educação em saúde para docentes, profissionais das Vigilâncias Sanitárias locais (Visa) e estudantes de ensino fundamental e médio em todo o Brasil. Para isto, a Anvisa capacita professores de modo que as informações transmitidas sejam repassadas aos estudantes, por meio de parcerias com universidades brasileiras. Este trabalho visa avaliar o impacto da realização do projeto Educanvisa no Centro Educacional da cidade de Taguatinga (DF), por meio da análise dos questionários aplicados. Nessa instituição, quatro professores foram capacitados, beneficiando estudantes (51,7% do público estudantil). Foram realizadas atividades com os estudantes sobre alimentação saudável, vigilância sanitária, uso de medicamentos e educação em saúde, com aulas expositivas e jogos. Para avaliação dos perfis da escola, comunidade e consumo de medicamentos e alimentos dos estudantes e pais e/ou responsáveis, foram aplicados diferentes modelos de questionários. Percebe-se que a escola também é responsável por promover ações educativas sobre saúde. Para tanto, o treinamento dos educadores é fundamental, já que este tema não é parte de suas formações acadêmicas. O profissional de saúde deve auxiliar nesta difícil tarefa, visando sempre a qualidade de vida das pessoas, informando as crianças, os professores e também os familiares sobre alimentação saudável e uso adequado de medicamentos. INTRODUÇÃO A obesidade tornou-se uma doença crônica e epidêmica, já que o aumento de sua prevalência em países desenvolvidos e em desenvolvimento foi considerável nas últimas décadas. Este dado torna-se ainda mais preocupante, observandose esse aumento também em crianças e adolescentes, já que estudos longitudinais avaliam que o tempo de duração da obesidade é diretamente proporcional à morbidade e à mortalidade por doenças cardiovasculares devido à dislipidemia, à hipertensão arterial e ao diabetes melito (OLIVEIRA e CINTRA, 2004). Além disto, a intoxicação por medicamentos é outro fator relevante. Os dados divulgados pelo Sistema Nacional de Informações Tóxico- Farmacológicas (Sinitox) de 2007 apontam 100 mil casos de intoxicação humana, sendo que 500 evoluíram ao óbito. Os medicamentos são os principais agentes de intoxicação humana, totalizando 30,7% dos casos (FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ, 2009). Após análise desses fatores, percebe-se que o processo de educação em saúde exige a participação da comunidade local e não apenas daqueles sob risco de enfermidade (MACHADO et al., 2007). Assim, a informação às crianças e aos seus pais e/ou responsáveis é a melhor maneira de diminuir esses dados tão alarmantes, pois o tratamento do problema, na base, é mais eficaz que tentar curá-lo no futuro. O projeto Educanvisa: Educação em Vigilância Sanitária, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é resultado da fusão de dois projetos da Agência desde 2005, o Contributo CADERNO DE TEXTOS ACADÊMICOS - 13

14 e o Educação para o Consumo Responsável de Medicamentos. O Projeto possui proposta de educação em saúde para docentes, profissionais das Vigilâncias Sanitárias locais (Visa) e estudantes de ensino fundamental e médio (BRASIL, 2009). O programa Mais Saúde do Governo Federal, incluído no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), determinou que, até o final de 2009, 84 escolas públicas do país deveriam ser incluídas no projeto Educanvisa. Até agosto, a Anvisa capacitou professores de 184 unidades de ensino, superando o planejamento anual (OLIVEIRA e CINTRA, 2004). No ano de 2009, foram realizadas reuniões da Anvisa com representantes das secretarias de Educação e Saúde dos municípios interessados em implantar o projeto Educanvisa e também com aqueles que já possuíam a proposta instituída. Após a formalização das parcerias, realizaram-se cursos de capacitação de profissionais em Brasília entre os meses de maio e agosto. Foram recebidas 31 cidades, totalizando 483 professores e 62 colaboradores das Visas locais. Assim, observase que mais de 19 mil estudantes de ensino fundamental e médio foram beneficiados com o Projeto (BRASIL, 2009). O projeto Educanvisa, no Distrito Federal, iniciou-se com a capacitação dos professores de algumas escolas públicas em julho de Durante o segundo semestre de 2009, os professores trabalharam assuntos como alimentação saudável, Vigilância Sanitária, uso de medicamentos e educação em saúde com os estudantes, por meio de aulas expositivas e jogos fornecidos pela Anvisa (Trilha da Saúde e Jogo da Memória). Durante o projeto, foram aplicados questionários elaborados pela Anvisa destinados aos pais, à escola, aos alunos e à comunidade. No segundo semestre de 2009, os estudantes colaboradores do curso de Farmácia, mediante parceria entre Universidade Católica de Brasília (UCB) e a Anvisa, elaboraram atividades para serem desenvolvidas nas instituições credenciadas pelo projeto Educanvisa. Em novembro de 2009, os estudantes colaboradores visitaram o Centro Educacional no 6, Taguatinga (DF), para desenvolver palestras e dinâmicas com os estudantes e avaliar o conhecimento construído por eles. A atividade foi desenvolvida em cinco turmas de sexto e sétimo anos, totalizando 200 crianças com idade entre 10 e 12 anos. Foram realizadas palestras com o auxílio de cartazes repletos de figuras sobre os temas anteriormente abordados pelos professores. Além disto, foram realizadas três dinâmicas relacionadas aos temas: alimentação saudável, uso racional de medicamentos e educação em saúde. A primeira dinâmica realizada tinha como objetivo montar uma pirâmide alimentar. A pirâmide foi confeccionada em material emborrachado e as figuras estavam pontilhadas para que os estudantes as localizassem mais facilmente. Depois disso, realizou-se a dinâmica do telefone-sem-fio da automedicação, em que um medicamento fictício e sua posologia eram falados a um estudante, que deveria passar aos demais a informação. O último participante falava em voz alta o que escutou. O fechamento consistia na explicação de que a automedicação por indicação de terceiros pode ser maléfica, já que a informação pode chegar distorcida. Por fim, fechou-se com a dinâmica do desenho, em que a turma foi dividida no grupo dos meninos e no grupo das meninas, que elegeram, cada grupo, um representante. O grupo teve um minuto para acertar o que o representante desenhou. Após as apresentações e dinâmicas, foram distribuídas garrafinhas e blocos de anotação com a logomarca do Educanvisa para todos os participantes. MATERIAIS E MÉTODOS A pesquisa foi realizada no Centro Educacional no 6, Taguatinga (DF), pelos quatro professores capacitados participantes do Educanvisa, entre os meses de agosto e novembro de Quatro questionários foram elaborados pela Anvisa, visando obter os perfis da escola, da comunidade e do consumo de medicamentos e alimentos dos estudantes de ensino fundamental e médio e pais e/ou responsáveis AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

15 RESULTADOS E DISCUSSÃO O Centro Educacional no 6, Taguatinga (DF), possui um total de estudantes e 154 professores. Quatro professores (2,6% dos professores da instituição) desenvolveram o projeto Educanvisa com estudantes da escola (51,7% do público estudantil). A instituição recebe o benefício da Política de Alimentação Saudável para a merenda escolar. A cantina segue esta política, porém comercializa também doces, salgados e refrigerantes. A escola não costuma oferecer medicamentos aos estudantes quando eles apresentam alguma enfermidade, sem o consentimento dos pais e os pais e/ou responsáveis não solicitam que a escola administre medicamentos aos seus filhos. O Centro de Saúde no 3 de Taguatinga (DF) é o mais próximo da escola e atendeu, em média, pacientes nos últimos seis meses. Em seu registro de controle de intoxicação por medicamentos, verificou-se dez casos naquele período. Existem duas drogarias nas proximidades da escola e elas foram visitadas pelos professores e estudantes. Na ocasião da visita, apenas em uma drogaria o farmacêutico estava presente. Em média, 700 pais e/ou responsáveis participam das reuniões do cronograma da escola, sendo que 14,3% deles participaram da pesquisa do Projeto. Quando foi perguntado onde eles costumam armazenar os medicamentos em casa, obteve-se o resultado de 25% na cozinha, 20% no banheiro, 50% em armários de difícil acesso e 5% não possuem um local específico para armazená-los. Dentre os entrevistados, 58% acreditam que o uso de medicamentos sem receita médica ou sem a orientação de um farmacêutico pode piorar a doença, e 45% acreditam que o uso de remédios caseiros ou naturais também pode prejudicar a saúde. A maioria dos pais e/ou responsáveis costuma usar medicamentos sem a orientação do médico, dentista ou farmacêutico, totalizando 60% dos entrevistados. Os medicamentos mais utilizados sem orientação são dipirona, paracetamol, escopolamina, xaropes e antibióticos. Sobre a frequência com que são comprados medicamentos na drogaria ou na farmácia, obteve-se como resposta 2% uma vez por semana, 40% uma vez por mês e 58% somente quando é necessário. Sessenta por cento dos pais e/ou responsáveis fazem leitura da bula dos medicamentos antes de utilizá-los. A maioria deles considera que a propaganda de medicamentos não contém todas as informações necessárias para o consumidor utilizar tal medicamento, totalizando 69%. Para os pais e/ou responsáveis entrevistados o que mais influencia na compra de medicamentos é a indicação de familiares, amigos ou vizinhos (37%), seguido do preço (30%), da propaganda (24%) e da indicação do balconista (9%). Quando perguntado quais alimentos são oferecidos com maior frequência nos lanches, obteve-se as seguintes respostas: 21% frutas, 8% biscoitos recheados, 9% refrigerantes ou sucos artificiais, 47% sucos naturais de frutas, 8% salgadinhos industrializados, 7% doces, chocolates e balas. Apenas 22% dos pais e/ou responsáveis compram alimentos que os filhos conheceram nas propagandas. Nessa escola, 170 estudantes responderam à pesquisa. Dentre eles, 72,9% utilizam ou já utilizaram medicamentos sem a orientação do médico, dentista ou farmacêutico. A maioria deles (70,6%) toma medicamentos com o consentimento dos pais e/ou responsáveis. Dentre os estudantes, 80% consideram que a propaganda não contém todas as informações necessárias para o uso do medicamento e apenas 24,7% deles pedem que os pais e/ ou responsáveis comprem medicamentos conhecidos por meio das propagandas. No que se diz respeito à alimentação, observouse que 53% dos estudantes pedem aos pais e/ ou responsáveis para comprarem os alimentos vistos nas propagandas. Nos quesitos alimentos mais consumidos e como os estudantes escolhem os lanches consumidos na escola, em casa e nos passeios, foi solicitado que os estudantes marcassem AÇÕES DE EDUCAÇÃO CADERNO DE TEXTOS ACADÊMICOS - 15

16 apenas uma alternativa no questionário, no entanto, alguns deles marcaram mais de uma, tornando-se um viés da pesquisa, já que a soma dos itens marcados é maior que a quantidade de alunos que responderam ao questionário, conforme tabela 1. A escola é uma instituição socialmente conhecida por desenvolver o ato pedagógico, representando uma etapa relevante e longa da vida de uma pessoa. Porém, a escola não atua sozinha no aprendizado e na educação das crianças, ela é complementar à responsabilidade da família. Na escola, a criança aprende a construir valores pessoais e sociais (AERTS et al., 2004). Desta forma, a escola também é responsável por promover ações educativas sobre a saúde, formando, assim, um indivíduo holisticamente. Para isto, o treinamento dos educadores é fundamental, já que este tema Tabela 1. Respostas sobre os alimentos mais consumidos e como os estudantes escolhem os lanches consumidos na escola, em casa e nos passeios. Perguntas Alternativas Valor absoluto n(%) Frutas 47 (22,5) Quais alimentos são mais consumidos pelos estudantes? Como os estudantes escolhem os lanches na escola, em casa e nos passeios? Biscoitos recheados 28 (13,4) Refrigerantes/ sucos artificiais 40 (19,14) Sucos naturais de frutas 25 (12) Salgadinhos industrializados 20 (9,6) Doces, bombons, chocolates e balas 49 (23,4) TOTAL 209 (100) Por orientação dos pais e/ou 44 (24,4) responsáveis Porque viram na propaganda 40 (22,2) Porque é saudável 68 (37,8) Porque os colegas comem 28 (15,5) TOTAL 180 (100) não é parte de suas formações acadêmicas. O profissional de saúde deve auxiliar nessa difícil tarefa, visando sempre a qualidade de vida das pessoas, informando as crianças, os professores e também os familiares sobre alimentação saudável e uso adequado de medicamentos. CONSIDERAÇÕES FINAIS A informação às crianças é muito importante para que os casos futuros de obesidade, hipertensão arterial, dislipidemias e diabetes melittus sejam reduzidos devido a uma alimentação saudável, diminuindo, assim, os riscos de futuros eventos cardiovasculares. A informação aos pais e/ou responsáveis também contribui com este trabalho, melhorando a qualidade de vida dessas pessoas devido à adoção de uma alimentação saudável. Esses hábitos positivos certamente serão transmitidos aos filhos e a outros familiares. Também deve haver um trabalho educativo quanto ao uso racional de medicamentos para que os casos de intoxicação possam diminuir de maneira significativa AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

17 AGRADECIMENTOS À Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e à Universidade Católica de Brasília (UCB). COLABORADORES A.D. dos Reis realizou a revisão bibliográfica, redação do artigo e procedeu a tabulação dos dados. S.H.S. Machado e E.F.F. de Medeiros promoveram a revisão final do texto. AÇÕES DE EDUCAÇÃO REFERÊNCIAS AERTS, D.; ALVES, G. G; SALVIA, M. W. L; ABEGG, C. Promoção de saúde: a convergência entre as propostas da vigilância da saúde e da escola cidadã. Caderno de Saúde Pública, v.20, n.4, p , BARROSO, M. G. T. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciência & Saúde Coletiva, v.12, n.2, p , BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A História do Educanvisa. [acessado 2009 Dez 14]. Disponível em: propaganda/educação_saude/historia_anvisa. htm BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Especial Educanvisa. In: Visa é: Almanaque da Vigilância Sanitária, n.2, p , Brasília: Anvisa, FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Centro de Informação Científica e Tecnológica. Sistema Nacional de Informações Tóxico Farmacológicas. Registros de intoxicações. [acessado 2009 Dez 15]. Disponível em: sys/start.htm?sid=151 MACHADO, M. F. A. S.; MONTEIRO, E. M. L. M.; QUEIROZ, D. T.; VIEIRA, N.F. C; OLIVEIRA, C. L.; MELLO, M.T; CINTRA, I. P; FISBERG, M. Obesidade e síndrome metabólica na infância e adolescência. Revista de Nutrição, v. 17, n.2, p , CADERNO DE TEXTOS ACADÊMICOS - 17

18

19 Educação para o consumo de alimentos saudáveis no ensino fundamental Universidade Estadual de Londrina (UEL) Ester Massae Okamoto Dalla Costa 1, Eliane Saori Otaguiri 2, Gustavo Henrique Oliveira de Paula 2, Rafael Fagundes Dezorzi 3, Rogério Yuzo Toyama 3. AÇÕES DE EDUCAÇÃO 1 - Docente da Universidade Estadual de Londrina (UEL). 2 - Acadêmicos do Curso de Farmácia Universidade Estadual de Londrina (UEL). 3 - Acadêmicos do Curso de Medicina Universidade Estadual de Londrina (UEL). RESUMO A obesidade é apontada, na atualidade, como um problema de saúde pública. Estudos apontam a alimentação inadequada como um dos fatores que mais contribuem para o aumento da obesidade na população. Considerando que hábitos alimentares saudáveis devem ser incorporados na prática cotidiana, o presente estudo teve como objetivo o desenvolvimento de ações para a educação e informação em saúde, com vistas à promoção de uma alimentação saudável em escolares. Verificou-se que ações isoladas, embora importantes, são insuficientes para a apreensão dos conhecimentos, sendo necessárias ações contínuas de educação para o consumo de uma alimentação saudável, com vistas à promoção da saúde. INTRODUÇÃO A obesidade já é apontada por países desenvolvidos como um problema de saúde pública e, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), já é considerada uma epidemia global (WHO; 1995). Trabalhos mostram sua relação com o surgimento de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes mellitus tipo II, doenças cardiovasculares, osteoartrite, câncer, entre outras, demonstrando a necessidade de uma profilaxia como fator mais importante para prevenir a obesidade do que o tratamento após a doença instalada (VISCHER, 2001). Na infância, principalmente, a obesidade tem um grande impacto, pois geralmente as crianças e adolescentes obesos têm problema com sua autoestima (ABRANTES, 2002). Foi demonstrado ainda, que a obesidade está com a prevalência aumentando em crianças e adolescentes, e que tende a permanecer na idade adulta em 50% das crianças obesas aos seis meses de idade, e em 80% das crianças obesas aos 5 anos de idade (TROIANO et al., 1995; GORTMAKER, 1987; JULIUSSON, 2007). É cada vez mais demonstrado nessa fase, o início da formação de processos ateroscleróticos e também definições de hábitos de alimentação e atividade física na infância (STORY, 1999). Estudos têm demonstrado que a mudança da dinâmica familiar e a propaganda de alimentos exercem uma influência nos hábitos de consumo de alimentos na infância (CRIVELARO et al., 2006). Desta forma, o desenvolvimento de projetos que buscam a sensiblização e a educação para o consumo de alimentos saudáveis associados ao conhecimento de informações acerca da importância de ações de vigilância sanitária, entre elas a regulação da propaganda de alimentos, podem ser instrumentos de empoderamento das crianças, para que possam se contrapor ao apelo a que são expostas no cotidiano. CADERNO DE TEXTOS ACADÊMICOS - 19

20 OBJETIVOS Objetivos Gerais Desenvolvimento de ações e estratégias de educação e comunicação em saúde para orientar estudantes do ensino fundamental para o consumo seguro e responsável de alimentos. Objetivos Específicos Criar espaço para debate sobre o consumo responsável de alimentos entre os alunos da terceira série do Colégio de Aplicação da Universidade Estadual de Londrina, buscando despertar o senso crítico em relação às estratégias comerciais praticadas pela propaganda de medicamentos e alimentos. Desenvolver estratégias para que a temática seja trabalhada em sala de aula. Desenvolver atividades e material didático para discussão da temática na escola. Capacitar alunos como multiplicadores de conceitos e práticas relacionadas ao consumo de alimentos saudáveis. DESENVOLVIMENTO O trabalho foi realizado em parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no Colégio de Aplicação da Universidade Estadual de Londrina, no Estado do Paraná, sendo o projeto previamente submetido e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Londrina. As atividades foram desenvolvidas na terceira série do Ensino Fundamental, nas turmas do período matutino e vespertino, por meio de aulas dialogadas com uso de recursos audiovisuais e atividades de fixação. Com duração média de 1 hora, foram abordados os seguintes temas: Alimentação saudável e propaganda de alimentos; Uso Racional de Medicamentos e propaganda de medicamentos; e o papel da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ao término das aulas dialogadas, foram realizadas atividades individuais para fixação dos conteúdos. No final das atividades, todas as crianças participaram de uma rodada de recreação, com a utilização da Trilha da Saúde, um jogo desenvolvido pela Anvisa, baseado na tradicional trilha, um jogo no qual os participantes partem de um ponto inicial e, à medida que jogam dados, avançam as casas na trilha e respondem a algumas perguntas. No caso da Trilha da Saúde, as questões eram relacionadas aos temas abordados nas aulas. Foram utilizadas tanto a versão de chão, onde as próprias crianças atuam como peças do jogo, como também as trilhas de mesa. Além da Trilha, as crianças puderam brincar com um jogo da memória também com temas relativos às aulas, e realizaram a leitura do livro Alimentação Saudável, produzidos pela Anvisa. O livro foi posteriormente disponibilizado para todas as crianças, para as professoras e para a diretora da escola. Finalizadas as atividades recreativas, os alunos responderam a um questionário que teve como objetivo avaliar o impacto das experiências vivenciadas. O questionário abordou todos os temas explorados nas aulas e, antes de sua aplicação, foi solicitada a autorização dos pais. Além das crianças, foram levantadas informações acerca do conhecimento dos pais sobre os temas abordados, e um questionário foi também aplicado aos pais que concordaram em participar, sendo que a identificação no questionário dos pais foi facultativa. Para participarem desse processo, tanto os pais quanto os alunos assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. As crianças que não apresentaram a autorização dos pais, em tempo hábil, não responderam ao questionário e tiveram seus nomes e imagens retirados do projeto e foram direcionadas para o desenvolvimento de outras atividades. Os questionários foram posteriormente tabulados utilizando-se o programa Microsoft Office Excel AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

21 RESULTADOS E DISCUSSÃO Todas as crianças participaram das atividades educativas, perfazendo um total de 64 crianças, sendo 32 em cada período. As atividades desenvolvidas contaram sempre com a presença da professora responsável pelos alunos em cada sala. 40 potenciais participantes. Dos 40 pais que concordaram em participar da pesquisa, 29 (72,5%) devolveram os questionários devidamente preenchidos. Conhecimentos das Crianças AÇÕES DE EDUCAÇÃO Foram distribuídos 64 questionários, sendo devolvidos 41 (64%) Termos de Consentimento Livre e Esclarecido, após duas tentativas de recolhimento. Apenas um (1,6%) pai não autorizou a participação de seu filho. Após avaliação prévia dos 40 questionários autorizados, foram descartados dois (5%) por preenchimento incorreto. Deste modo, foram utilizados para a análise, 38 questionários. Quanto ao consentimento dos pais, foram distribuídos também 64 questionários, sendo que 40 (62,5%) retornaram com o consentimento e um (1,6%) sem o consentimento, totalizando No formulário dos alunos, quando questionados se conheciam a vigilância sanitária, ou se já haviam ouvido algum comentário sobre esta, 34 (89%) responderam que sim e 4 (11%) dos alunos responderam que não. Quando questionados se a frase A vigilância sanitária controla todas as etapas relacionadas à produção de alimentos, medicamentos, bebidas, saneantes (produtos de limpeza), cosméticos, aparelhos e instrumentos de uso médico estava correta, 32 (84%) responderam que sim, dois (5%) responderam que não e quatro (11%) responderam que não sabiam (Gráfico 1). Gráfico 1. Distribuição dos alunos segundo avaliação do conhecimento sobre as ações da Vigilância Sanitária. CADERNO DE TEXTOS ACADÊMICOS - 21

alimentação saudável: fique esperto! Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa

alimentação saudável: fique esperto! Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa alimentação saudável: fique esperto! Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa alimentação saudável: fique esperto! Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A alimentação

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

RELATÓRIO DA ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS CICLO DE CAPACITAÇÃO 2009 E 2010

RELATÓRIO DA ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS CICLO DE CAPACITAÇÃO 2009 E 2010 RELATÓRIO DA ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS CICLO DE CAPACITAÇÃO 2009 E 2010 PROJETO EDUCANVISA: EDUCAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Brasília 2011 www.anvisa.gov.br

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA,

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA, TEMA: A IMPLANTAÇÃO DO PNAE E A FORMAÇÃO DE NOVOS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE (CAIC) NO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU INTRODUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

NAS ONDAS DO RÁDIO. Orientações e dicas para comunicadores de rádio sobre a propaganda de medicamentos

NAS ONDAS DO RÁDIO. Orientações e dicas para comunicadores de rádio sobre a propaganda de medicamentos NAS ONDAS DO RÁDIO Orientações e dicas para comunicadores de rádio sobre a propaganda de medicamentos 1 2 NAS ONDAS DO RÁDIO Orientações e dicas para comunicadores de rádio sobre a propaganda de medicamentos

Leia mais

Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão. Volume 8, Número 8. Recife: Faculdade Senac PE, 2014.

Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão. Volume 8, Número 8. Recife: Faculdade Senac PE, 2014. CHÃO DE ESTRELAS: DA VIVÊNCIA CIDADÃ À DISCUSSÃO SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS DOS HÁBITOS ALIMENTARES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE UMA COMUNIDADE DE PERIFERIA João Paulo de Menezes Ana Rosa Nascimento, Lana

Leia mais

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA,

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, Giana²; GÖRSKI, Bruna²; PAZ, Fabiane²; ORSOLIN, Giulianna²; ROSA, Izabel²; TONETTO, Priscila²; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas² ¹ Trabalho desenvolvido durante

Leia mais

O que vale a pena saber sobre a propaganda e o uso de medicamentos. A informação é o melhor remédio

O que vale a pena saber sobre a propaganda e o uso de medicamentos. A informação é o melhor remédio O que vale a pena saber sobre a propaganda e o uso de medicamentos A informação é o melhor remédio Copyright 2008. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diretor-Presidente Dirceu Raposo de Mello Adjunto

Leia mais

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Melhorar a qualidade de vida é o principal objetivo das estratégias

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT POR ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR CASCAVEL 2006 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA

Leia mais

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ELIEZER J. BARREIRO NATALIA MEDEIROS DE LIMA MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ISBN 978-85-910137-1-5 INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009 DOS MEDICAMENTOS INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná.

Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. 1 Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. BUGAY, Larissa 1 BLEIL, Rozane Toso 2 RESUMO O presente artigo teve por objetivo conhecer o consumo alimentar dos

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL Introdução O aumento da obesidade e inadequados hábitos alimentares durante a infância e a juventude

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

(Apensos os PLs nº 2.510, de 2003; 6.168, de 2005; 6.890, de 2006; 451, de 2007 e 763, de 2007)

(Apensos os PLs nº 2.510, de 2003; 6.168, de 2005; 6.890, de 2006; 451, de 2007 e 763, de 2007) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.848, DE 2002 (Apensos os PLs nº 2.510, de 2003; 6.168, de 2005; 6.890, de 2006; 451, de 2007 e 763, de 2007) Dispõe sobre a comercialização

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

Leia mais

Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados,

Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Ocupamos hoje esta tribuna para abordar um tema de grande importância para a infância brasileira. A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) divulgou, recentemente,

Leia mais

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Maria Alice Nunes De Campos Monteiro 1 ; Flávia Ponzio Breda Dos Santos¹;

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

contexto escolar: o contributo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o Uso Racional de Medicamentos

contexto escolar: o contributo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o Uso Racional de Medicamentos Projeto: Educação e promoção da saúde no contexto escolar: o contributo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o Uso Racional de Medicamentos Supervisão Maria José Delgado Fagundes Ana Paula

Leia mais

A Propaganda de Medicamentos no Brasil

A Propaganda de Medicamentos no Brasil A Propaganda de Medicamentos no Brasil As principais propagandas de medicamentos no Brasil tiveram início ainda na década de 80 do século XIX. Desde então, o que se constatou foi um crescimento contínuo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005 Altera o Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de 1969, a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente) e a Medida Provisória nº 2.178-36,

Leia mais

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável Orientações Programáticas 1 - Enquadramento Portugal era um dos poucos países Europeus que não dispunha de um programa nacional de alimentação,

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER VIDA SAUDÁVEL

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER VIDA SAUDÁVEL ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER VIDA SAUDÁVEL IVINHEMA-MS FEVEREIRO/2014 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER VIDA SAUDÁVEL Projeto interdisciplinar a ser desenvolvido no ano letivo de 2014 pelos

Leia mais

LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO

LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO Luciana Araújo Montenegro (Universidade Federal do Rio Grande do Norte)

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS P.L.L. Nº 082/02 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em diferentes artigos, trazem a discussão que subsidia a argumentação

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA

ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA 1 OLIVEIRA, Giovanna Angela Leonel; 2 AIRES, Mayara Gabrielly Gomes Silva; 3 RODRIGUES, Rodrigo

Leia mais

1. O que é gordura trans?

1. O que é gordura trans? GORDURA TRANS 1. O que é gordura trans? É um tipo de gordura produzida industrialmente a partir de um processo químico, a hidrogenação. Usada desde o início do século passado, ela passou a ser consumida

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

Projeto Curricular de Escola

Projeto Curricular de Escola Projeto Curricular de Escola QUADRIÉNIO 2014-2018 Somos aquilo que comemos. Hipócrates Cooperativa de Ensino A Colmeia 2 Índice Introdução... 4 Identificação do Problema... 5 Objetivos... 6 Estratégias/Atividades...

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR Alimentação Boa Pra Você Todo ser vivo precisa se alimentar para obter energia e nutrientes para se desenvolver. No caso do ser humano, os alimentos trazem

Leia mais

ATITUDE 1 Criança vacinada é criança protegida contra vários tipos de doenças. Parabéns! Você participou da última Campanha de Vacinação e está com o seu cartão da saúde em dia! Avance até a casa 7. ATITUDE

Leia mais

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto?

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto? Projetos Sociais da Faculdade Campo Real A promoção da cidadania é qualidade de toda instituição de ensino consciente de sua relevância e capacidade de atuação social. Considerando a importância da Faculdade

Leia mais

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição (CGPAN/ DAB/ SAS/ MS)

Leia mais

Manual de Nutrição Paciente. Capítulo 4 TENHO DIABETES TIPO 1, QUAL PLANO ALIMENTAR DEVO SEGUIR?

Manual de Nutrição Paciente. Capítulo 4 TENHO DIABETES TIPO 1, QUAL PLANO ALIMENTAR DEVO SEGUIR? Capítulo 4 Tenho diabetes tipo 1, qual plano alimentar devo seguir? 1 Manual de Nutrição Paciente Capítulo 4 TENHO DIABETES TIPO 1, QUAL PLANO ALIMENTAR DEVO SEGUIR? Manual de Nutrição Temas e Autores

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Apresentação O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A PROMOÇÃO DA SAÚDE

Apresentação O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A PROMOÇÃO DA SAÚDE Apresentação O presente livreto é um material educativo destinado aos profissionais de educação de unidades escolares municipais do Rio de Janeiro, cujo objetivo é subsidiar ações para promover o consumo

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

Natural versus Artificial

Natural versus Artificial Natural versus Artificial A percepção dos nossos leitores/ seus consumidores Lúcia Helena de Oliveira diretora de redação Para 91% do nosso público (cerca de 900 mil leitores) a principal aspiração, em

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE SAÚDE, CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL

PARECER DA COMISSÃO DE SAÚDE, CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL PARECER DA COMISSÃO DE SAÚDE, CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL Projeto de Lei nº 019 de 13 de setembro de 2013 AUTOR: Poder Legislativo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Institui a

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) A Organização Mundial da Saúde (OMS), com sede em Genebra, tem como órgão principal a Assembleia Mundial da Saúde, composta por delegações de todos os Estados-membros

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008

PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008 Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde-COPROM Núcleo de Vigilância Sanitária PLANO DE CAPACITAÇÃO -2008 PLANO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012

Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012 Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012 Salvador, 14 de setembro de 2012 A editora da UFBA, EDUFBA lançou vários livros ontem na Biblioteca Central da UFBA. O evento teve uma boa aceitação

Leia mais

Por que a propaganda de medicamentos é fiscalizada? Regulamentação da promoção de medicamentos pela ANVISA SAÚDE ART. 196 CF

Por que a propaganda de medicamentos é fiscalizada? Regulamentação da promoção de medicamentos pela ANVISA SAÚDE ART. 196 CF Regulamentação da promoção de medicamentos pela ANVISA VIGILÂNCIA SANITÁRIA / ART. 200 - CF Ao Sistema Único de Saúde compete, além de outras atribuições, nos termos da lei: II - executar as ações de vigilância

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

VITOR MEIRELES PROJETO DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NAS ESCOLAS E CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

VITOR MEIRELES PROJETO DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NAS ESCOLAS E CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL VITOR MEIRELES PROJETO DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NAS ESCOLAS E CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Vitor Meireles, março de 2013 COORDENAÇÃO Josiane BerkenbrockMasote ÓRGÃOS ENVOLVIDOS Secretaria Municipal da Educação

Leia mais

O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE.

O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE. O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS Bruno da Silva Freire Carlos Vinícius da Silva Fonseca Diogo José dos Santos Ferreira DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE. RESUMO O estudo

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI

REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI Francisco Cleiton da Rocha 1 Marcos Vinícius de Sousa 2 Stella Indira Rocha Lobato 3 1 Professor Assistente da Universidade

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

O Passo Mais Saudável 1

O Passo Mais Saudável 1 O Passo Mais Saudável 1 Luis Antonio Alves MEIRA 2 Rafaela de Souza Vieira PEREIRA 3 Fernando FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco, Pernambuco, PE RESUMO Projeto desenvolvido para a Comunidade

Leia mais

Políticas Públicas para o enfrentamento da Obesidade Infantil no Brasil

Políticas Públicas para o enfrentamento da Obesidade Infantil no Brasil Políticas Públicas para o enfrentamento da Obesidade Infantil no Brasil Seminário de Obesidade Infantil Magnitude da obesidade na infância CENÁRIO NUTRICIONAL DO BRASIL EXCESSO DE PESO DESNUTRIÇÃO ENDEF

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Comissão de Educação e Cultura da Câmara de Deputados 16 de outubro de 2007, Brasília-DF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO ALENCAR 1, Islany Costa BATISTA 2, Lais Duarte CRUZ 3, Pedro José Santos Carneiro Cruz SIMON 4, Eduardo

Leia mais

Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde

Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde A falta de consciência da população no uso de diversos medicamentos sem a prescrição médica e os riscos da automedicação à saúde foram os principais

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 Obriga a divulgação de advertência sobre obesidade em embalagens de produtos altamente calóricos. Autor: Deputado LINCOLN PORTELA

Leia mais

Programa Slim. Emagrecimento SLIM FORM. 2 a Etapa Diagnóstico. 3 a Etapa Tratamento. 1 a Etapa Avaliação

Programa Slim. Emagrecimento SLIM FORM. 2 a Etapa Diagnóstico. 3 a Etapa Tratamento. 1 a Etapa Avaliação for Kids Programa Slim for Kids Programa voltado para escolas, alunos e pais visando a melhora na alimentação, controle da obesidade, saúde e qualidade de vida. Formada por uma equipe multidisciplinar

Leia mais

Renata de Araujo Ferreira Especialista - GGPRO/ANVISA GGPRO

Renata de Araujo Ferreira Especialista - GGPRO/ANVISA GGPRO Mesa Redonda 15 de outubro de 2009 Regulamentação da publicidade de alimentos Renata de Araujo Ferreira Especialista - /ANVISA Perfil da Publicidade de Alimentos no Brasil: Monteiro,R. A. 2009: - Analisou

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Orientações básicas de nutrição para o autocuidado em DM Maria Palmira C. Romero Nutricionista Marisa Sacramento

Leia mais

Presença de cigarros nos PDVs. Maio 2010

Presença de cigarros nos PDVs. Maio 2010 Presença de cigarros nos PDVs Maio 2010 Índice 2 2 Objetivo e Metodologia Perfil do estabelecimento (entrevista pessoal) Exposição dos cigarros e presença de produtos associados ao cigarro (observação)

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

Nome/Código arquivo: 2013_11_11 Mem_Reun_Saúde _ Associação dos Moradores e Produtores da Vila Izabel AMPRAVI - Anapu.

Nome/Código arquivo: 2013_11_11 Mem_Reun_Saúde _ Associação dos Moradores e Produtores da Vila Izabel AMPRAVI - Anapu. Assunto: Orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as Ações Preventivas na Área de Saúde Pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Ranney Matos dos Santos Data: 11-11-2013

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais