LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES"

Transcrição

1 CONSTRUÇÃO EDIFÍCIO

2 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24 abr. 2007, p. E5. Ilustrada. QUESTÃO 01 Nos quadrinhos, pode-se interpretar da criação do 13º trabalho de Hércules que (A) o esforço físico do herói foi proporcional ao seu esforço intelectual. (B) o trabalho burocrático também requer um esforço de herói. (C) os heróis gregos despendiam mais energia que os trabalhadores atuais. (D) os gregos atribuíam ao trabalho burocrático um caráter divino. QUESTÃO 02 Na seqüência dos quadrinhos, o efeito de humor é construído com o auxílio da (A) metáfora. (B) ironia. (C) polissemia. (D) intertextualidade. Leia o texto para responder às questões de 03 a 07. Simplicidade é a norma Grande parte dos produtos de sucesso no setor de eletrônicos [...] compartilha uma característica: a facilidade de uso. Design e desempenho continuam a ser trunfos importantes para atrair o consumidor, mas o plug and play ou seja, o aparelho que entra em funcionamento assim que é ligado na tomada e se aperta o botão liga é um argumento de venda mais poderoso do que nunca. Muito mais que oferecer as tecnologias de ponta ou os aparelhos mais sofisticados, toda a indústria deve facilitar a vida de quem usa tais tecnologias, diz Flávio Gomes, diretor-geral da divisão de fotografia da K. para a América Latina. A área em que Gomes trabalha é um bom exemplo das virtudes da simplicidade. No século XIX, o francês Louis-Jacques Daguerre inventou um processo de fixação de imagens, o daguerreótipo, precursor da fotografia moderna. Mas ela só se popularizou meio século depois, quando o americano George Eastman criou um processo simples de tirar e revelar fotos, o rolo de filme, que prevaleceu até o surgimento da fotografia digital, há uma década. Hoje as máquinas digitais são cheias de recursos, mas as mais populares são as que simplificam a transferência das fotos para o computador e a impressão. Nem tudo é tão fácil no mundo digital prova disso é a variedade de formatos de arquivos de áudio e de vídeo, capaz de confundir o mais bem informado consumidor, mas cada vez mais eletrônicos lidam com esses padrões diferentes sem a necessidade de intervenção do usuário. VEJA, São Paulo: Abril, no. 52, nov. 2005, p. 50. Edição Especial. QUESTÃO 03 A aplicação da norma da simplicidade ao mundo da alta tecnologia é justificada pela (A) dificuldade de acesso das pessoas às novas tecnologias. (B) satisfação de necessidades imediatas dos consumidores. (C) alta popularidade alcançada pelas máquinas fotográficas digitais. (D) adaptação dos eletrônicos aos diferentes formatos de arquivos. QUESTÃO 04 Na organização do texto, a progressão das idéias se realiza segundo o esquema (A) geral / particular / geral. (B) facilidade / dificuldade. (C) causa / conseqüência. (D) exemplo / citação / conjectura. LÍNGUA PORTUGUESA

3 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 QUESTÃO 05 A fala de Flávio Gomes referenda os argumentos do autor do texto, pois (A) prevê uma nova realidade no mundo da tecnologia de ponta. (B) inibe a produção de aparelhos plug and play pela indústria tecnológica. (C) traduz a autoridade proveniente de sua atividade profissional. (D) pressupõe o lucro como o interesse principal da indústria. QUESTÃO 06 No texto, um contra-argumento à tendência do mundo tecnológico para a busca da simplicidade é: (A) O surgimento de máquinas digitais cheias de recursos. (B) A existência de vários formatos de arquivos de áudio e vídeo. (C) A invenção do rolo fotográfico pelo americano George Eastman. (D) O fato de design e desempenho serem grandes trunfos para vender produtos. QUESTÃO 07 Na constituição do nome plug and play observa-se uma estratégia metonímica, mostrada na relação de proximidade entre (A) o inventor do aparelho e o aparelho inventado. (B) o mundo tecnológico e os recursos digitais. (C) as ações do usuário e o modo de funcionamento do aparelho. (D) as funções do aparelho e a conquista do público consumidor. Leia o texto a seguir para responder às questões de 08 a 10. Conde Empreiteira de Mãos Obra Ltda Av: Santos Dumont telefax: Londrina - Pr. CGC/MF / Prezado Sr (a) Síndico (a) 1 Venho por esta vos comunicar-lhe que nossa empresa é especializada, em serviços de pinturas de edifícios, residências, salas comerciais, com finíssimo acabamento. 2 Nossos funcionários são todos profissionais treinados em suas funções, com seguro de vida, para oferecerlhes á nossos clientes, proficionalismo, segurança de quem tem 10 anos de tradição em pinturas. 3 Nos garantimos nossos serviços prestados aos nossos clientes por um período de 05 anos. 4 Responsabilizaremos pelas obrigações trabalhista e fiscais, de modo em que nosso pessoal que prestará os serviços de mão-de-obra, sob seu comando. 5 A responsabilidade civil, trabalhista e penas de danos pessoais, acidentes de trabalho, serão por conta de nossa empresa prestadora de serviços. 6 Faremos seu orçamento sem compromisso 7 Consulte-nos pelo fone (043) falar com Sr. Marcelino. Conde Empreiteira de Mão de Obra LTDA LOPES, H. V. et al. Língua portuguesa. São Paulo: Editora do Brasil, p QUESTÃO 08 No primeiro parágrafo, a redundância no uso pronominal tem por conseqüência (A) estabelecimento inadequado do interlocutor. (B) informações limitadas a respeito das especialidades da empresa. (C) incoerência entre os objetivos da carta e o conteúdo comunicado. (D) ocultação do referente sujeito na frase inicial. QUESTÃO 09 Os argumentos usados para convencer o síndico a aderir aos serviços da empreiteira (A) são recorrentes em gêneros textuais oficiais. (B) são apropriados aos fins a que a carta se destina. (C) prejudicam a composição da imagem da empresa. (D) desconsideram o tipo de cliente visado. QUESTÃO 10 No segundo parágrafo, entre os vários problemas de desvio das normas da escrita, pode-se apontar como prejudicial à conexão sintática: (A) A grafia errada da palavra profissionalismo. (B) A utilização imprópria da crase. (C) O tempo de experiência expresso em numeral. (D) O uso incorreto da vírgula. LÍNGUA PORTUGUESA

4 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 Para responder às questões 11 e 12, leia o texto que segue. Para mim brincar Nada mais gostoso do que mim sujeito de verbo no infinitivo. Pra mim brincar. As cariocas que não sabem gramática falam assim. Todos os brasileiros deviam falar como as cariocas que não sabem gramática. As palavras mais feias da língua portuguesa são quiçá, alhures e amiúde. BANDEIRA, M. Seleta em prosa e verso. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, p. 19. QUESTÃO 11 Segundo o texto, a beleza das palavras está em pertencerem (A) à fala coloquial. (B) ao dialeto carioca. (C) às mulheres. (D) aos brasileiros. QUESTÃO 13 Segundo o texto, o que contraria as suposições da avó de Gilberto Freyre? (A) A máxima de que toda regra tem exceções. (B) A demora do menino em aprender a escrever. (C) A precocidade e a qualidade da formação do neto. (D) A morte da avó quando ele ainda era menino. QUESTÃO 14 Infradotado faz parte de um grupo semântico diferente da palavra (A) infrator. (B) infra-assinado. (C) infranasal. (D) infra-som. QUESTÃO 15 QUESTÃO 12 Qual regra da gramática normativa as pessoas contrariam quando dizem pra mim brincar? (A) Verbos no infinitivo não exigem sujeito. (B) Pronomes oblíquos exercem função de objeto. (C) Advérbios podem se comportar como preposição. (D) Pronomes átonos dispensam preposição. Leia o texto para responder as questões 13 e 14. A preocupação da avó de Freyre As avós, com as exceções de toda regra, torcem pelo sucesso dos netos. E se preocupam muito se eles têm alguma dificuldade. A avó paterna do sociólogo Gilberto Freyre ( ) morreu quando ele tinha nove anos, muito preocupada porque ele estava demorando a aprender a escrever. Supunha ela, até, que o neto fosse infradotado, quando depois da morte dela se constatou que, pelo contrário, ele era superdotado. Pois, aos 14 anos, o pernambucano Gilberto Freyre não apenas escrevia muito bem em seu idioma, como ensinava inglês, e, antes de fazer 18 anos, ensinaria também francês e sabia grego. Bacharelou-se em ciências e letras aos 16 anos, aos 18 anos foi estudar nos Estados Unidos, diplomando-se em sociologia na Universidade de Baylor, no Texas. Entre suas amizades da juventude, incluíam-se os poetas Willian Yeats e Rabindranath Tagore. O POPULAR, Goiânia, 5 mai p. 12. Política. Disponível em: Acesso em: 6 abr O cartum traz uma crítica à bioengenharia, pois questiona (A) a cientificidade dos métodos usados nas experiências com células humanas. (B) a aplicação dos recursos financeiros de incentivo às pesquisas em genética. (C) o uso de crianças como cobaias em experiências com células-tronco. (D) a interferência de suas descobertas no desenvolvimento natural da espécie humana. LÍNGUA PORTUGUESA

5 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2006 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 16 Um corpo cilíndrico de diâmetro igual a 10 cm e uma altura de 20 cm tem como área e volume, respectivamente, os seguintes valores: (A) 19,6 cm 2 e 0,39 dm 3 (B) 31,46 cm 2 e 1,57 dm 3 (C) 78,5 cm 2 e 1,57 dm 3 (D) 78,5cm 2 e 3,92 dm 3 QUESTÃO m 40 m Na locação de uma obra num terreno retangular de dimensões 30 m x 40 m, o valor da tangente e do coseno do ângulo θ indicado na figura acima são, respectivamente: (A) 0,75 e 0,8 (B) 0,75 e 0,6 (C) 0,8 e 0,6 (D) 0,6 e 1,2 QUESTÃO 18 A execução de tapumes em placas pré-moldadas de concreto apresenta como principais vantagens: (A) menor custo, maior reaproveitamento e altura mínima de 2,20 m. (B) maior resistência, maior durabilidade e altura mínima de 2,20 m. (C) método construtivo simples, menor tempo de execução e altura mínima de 2,50 m. (D) menor resistência, maior custo e altura mínima de 2,50 m. QUESTÃO 19 A opção por caminhão-pipa para o abastecimento de água no canteiro de obras tem como principais desvantagens: (A) controle de volumes e necessidade de reservatório. (B) burocracia e alto custo. (C) irregularidade no abastecimento e na burocracia. (D) dificuldade de utilização e descarga. RASCUNHO θ QUESTÃO 20 Na construção civil, são áreas passíveis de impermeabilizações: (A) jardineiras, piscinas, caixas d água e quarto. (B) jardineiras, piscinas, banheiras e lajes cobertas. (C) caixas d água, salas de estar, marquises e piscinas. (D) caixas d água, piscinas, jardineiras e marquises. QUESTÃO 21 São propriedades das argamassas no estado fresco: (A) permeabilidade, massa especifica e trabalhabilidade. (B) consistência, ar incorporado e resistência mecânica. (C) aderência, trabalhabilidade e retenção de água. (D) plasticidade, retenção de água e coesão. QUESTÃO 22 As principais propriedades da argamassa no estado endurecido são (A) aderência, resistência ao fogo e resistência mecânica. (B) resistência ao fogo, permeabilidade e plasticidade. (C) condutividade térmica, retenção de água e permeabilidade. (D) retração, aderência e coesão. QUESTÃO 23 São exames médicos obrigatórios do Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional dos trabalhadores: (A) admissional, demissional e sabático. (B) demissional, retorno ao trabalho e licença-prêmio. (C) admissional, periódico e de mudança de função. (D) admissional, sabático e licença-prêmio. QUESTÃO 24 O Programa de Condições de Meio Ambiente de Trabalho na indústria da construção civil deve ser elaborado por (A) médico com especialização em saúde pública. (B) profissional legalmente habilitado na área de segurança do trabalho. (C) profissional com mestrado na área da saúde. (D) qualquer profissional de nível superior que atue no ramo da construção civil. RASCUNHO TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

6 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2006 QUESTÃO 25 Os agentes químicos que podem provocar riscos ambientais que comprometem a saúde dos trabalhadores são os seguintes: (A) vapores e gases de substâncias tóxicas, material inflamável e poeiras em suspensão. (B) parasitas, vírus, vapores e gases de substâncias tóxicas. (C) vibrações, bactérias, vapores e gases de substâncias tóxicas. (D) temperaturas altas, pressões elevadas, vapores e gases de substâncias tóxicas. QUESTÃO 26 A área das paredes a serem revestidas em um quarto retangular com dimensões 3 m x 4 m e pé direito de 3 m, descontados 4 m 2 para aberturas, é: (A) 38 m 2 (B) 40 m 2 (C) 42 m 2 (D) 50 m 2 QUESTÃO 27 A NBR 7211 considera como substâncias nocivas ao concreto e presentes nos agregados: (A) torrões de argila, materiais pulverulentos e sulfatos. (B) torrões de argila, materiais carbonosos e materiais pulverulentos. (C) materiais pulverulentos, sulfatos e cloretos. (D) materiais pulverulentos, impurezas orgânicas e cloretos. QUESTÃO 28 Uma areia apresenta um teor de umidade igual a 4% e deve ser adicionada a uma argamassa. A quantidade de areia úmida a ser colocada nessa argamassa para que corresponda à 200 kg de areia seca é: (A) 192,3 kg (B) 208 kg (C) 209 kg (D) 210 kg RASCUNHO QUESTÃO 29 CaC0 3 + Calor Ca0 + C0 2 Na reação química acima, a cal virgem ou cal viva é: (A) CaC0 3 (B) C0 2 (C) Ca0 (D) Ca0 + C0 2 QUESTÃO 30 A cal hidratada é um produto em forma de pó seco, comercializada em embalagens (sacos) de 20 kg, sendo classificada em CH-I, CH-II e CH-III. Sobre esse assunto, é correto afirmar: (A) A cal CH-I é a que tem menor teor de impurezas. (B) A cal CH-II é a que tem menor teor de impurezas. (C) A cal CH-III é a que tem menor teor de impurezas. (D) As cales CH-I, CH-II e CH-III apresentam o mesmo teor de impurezas. QUESTÃO 31 A diferença entre o cimento e o clínquer é: (A) o cimento tem alita e o clínquer não. (B) o cimento tem belita e o clínquer, somente alita. (C) o cimento tem celita e o clínquer, somente belita. (D) o cimento tem sulfato de cálcio e o clínquer não. QUESTÃO 32 O cimento CPII-Z-32 significa: (A) Cimento Portland composto com adição de fíler e 32 MPa de resistência à compressão. (B) Cimento Portland composto com adição de escória e 32 MPa de resistência à compressão. (C) Cimento Portland composto com adição de pozolana e 32 MPa de resistência à compressão. (D) Cimento Portland de Alto Forno com adição de escória e 32 MPa de resistência à compressão. QUESTÃO 33 Denomina-se fíler ao material passante na peneira que apresenta abertura: (A) 0,075 mm (B) 0,600 mm (C) 1,18 mm (D) 2,36 mm TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

7 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2006 QUESTÃO 34 Os resultados abaixo representam a medida do abatimento em vários tipos de concreto. Qual desses resultados é mais indicado para um concreto a ser bombeado? (A) 40 mm (B) 60 mm (C) 80 mm (D) 100 mm QUESTÃO 35 De acordo com a NR-18, os andaimes simplesmente apoiados sobre cavaletes devem ter altura máxima e largura mínima, respectivamente, de (A) 1,0 m e 80 cm (B) 1,20 m e 85 cm (C) 1,5 m e 85 cm (D) 2,0 m e 90 cm QUESTÃO 36 Em relação ao item treinamento, a NR-18 prevê para empregados admitidos: (A) O treinamento admissional deve ser ministrado no local de trabalho, antes do início das atividades, e tem duração de 3 horas. (B) O treinamento admissional deve ser ministrado no local de trabalho, antes do início das atividades, e tem duração de 4 horas. (C) O treinamento admissional deve ser ministrado no local de trabalho, antes do início das atividades, e tem duração de 5 horas. (D) O treinamento admissional deve ser ministrado no local de trabalho, antes do início das atividades, e tem duração de 6 horas. QUESTÃO 37 Foram dosados dois concretos, ambos com o mesmo traço, um com brita e o outro com seixo rolado. Sobre essa dosagem, é CORRETO afirmar: (A) O traço com seixo rolado apresentou maior abatimento. (B) O traço com brita apresentou maior abatimento. (C) O traço com seixo rolado apresentou menor tempo de pega. (D) O traço com brita apresentou menor tempo de pega. RASCUNHO QUESTÃO 38 A utilização de areias finas e grossas na produção de concretos permite a seguinte conclusão: (A) As areias grossas requerem maiores consumos de cimento. (B) As areias finas produzem concretos mais econômicos. (C) As areias finas requerem maior consumo de cimento. (D) As areias grossas produzem concretos antieconômicos. QUESTÃO 39 1 : 2 : 3 : 0,6 (cimento : areia : brita : água) Dado o traço, em massa acima, é CORRETO afirmar: (A) A porcentagem de areia em relação aos agregados é 33,3%. (B) A porcentagem de areia em relação aos agregados é 40%. (C) A relação água/cimento é 10% da quantidade de cimento. (D) A relação água/cimento é 10% do agregado total. QUESTÃO 40 A principal providência para reduzir a permeabilidade dos concretos é feita com a (A) utilização de cimentos de alta resistência inicial. (B) redução da relação água/cimento. (C) utilização de agregados naturais. (D) redução da quantidade de agregado graúdo. QUESTÃO 41 A tensão mínima permitida para o aço da categoria CA-50 é: (A) 50 MPa (B) 50 kn/mm 2 (C) 500 kn/mm 2 (D) 500 MPa QUESTÃO 42 As nervuras presentes nas barras de aço tem a função de (A) reduzir a fissuração do concreto. (B) melhorar o adensamento do concreto. (C) melhorar a aderência ao concreto. (D) reduzir a exsudação do concreto. TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

8 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2006 QUESTÃO 43 Em relação às propriedades mecânicas da madeira, é CORRETO afirmar: (A) A resistência à compressão paralela às fibras é menor que a normal às fibras. (B) A resistência à compressão paralela às fibras é maior que a normal às fibras. (C) A resistência à compressão paralela às fibras é maior que a resistência à tração paralela às fibras. (D) A resistência à compressão paralela às fibras é menor que a resistência ao cisalhamento. QUESTÃO 44 Os teores de umidade de duas amostras de madeira da mesma espécie são, respectivamente, 15% e 22%. Sobre esse assunto, é CORRETO afirmar: (A) A resistência mecânica da primeira amostra é menor do que a da segunda amostra. (B) Ambas as amostras apresentam a mesma resistência mecânica. (C) O teor de umidade não influencia na resistência mecânica das amostras. (D) A resistência mecânica da primeira amostra é maior que a da segunda amostra. QUESTÃO 48 Uma viga de concreto armado, bi-apoiada em dois pilares nos extremos e submetida a um carregamento de uma parede de vedação, tem como esforço predominante: (A) Compressão (B) Flexão (C) Tração (D) Torção QUESTÃO 49 O concreto projetado ou jateado é um tipo de concreto que tem o seu lançamento feito por equipamento próprio e sob pressão. Esse processo é também conhecido por: (A) Adensamento (B) Gunitagem (C) Apicoamento (D) Gravidade QUESTÃO 50 QUESTÃO 45 O processo de fabricação de barras de aço para a construção civil, cujo diâmetro seja superior a 10,0 mm, é conhecido como: (A) Têmpera (B) Trefilação (C) Laminação a quente (D) Encruamento QUESTÃO 46 A determinação dos tempos de pega do cimento em laboratório é obtida com a medida (A) da sonda de Tetmajer. (B) da agulha de Vicat. (C) da agulha de Le Chatelier. (D) no aparelho de Blaine. QUESTÃO 47 Considerando a finura e a resistência mecânica do cimento, é CORRETO afirmar: (A) Cimentos com grãos grossos apresentam maiores resistências mecânicas. (B) Cimentos com grãos mais finos apresentam menores resistências mecânicas. (C) Cimentos com grãos mais finos apresentam maiores resistências mecânicas. (D) Não há relação entre finura e resistência mecânica do cimento. Disponível em: wwwp.feb.unesp.br/pbastos/concreto1/aco_conc_arm(2005-1)pdf Na figura acima, os trechos 0A, AE e ponto B representam, respectivamente: (A) Estricção, fase elástica, patamar de escoamento e tensão limite de resistência. (B) Fase elástica, patamar de escoamento e estricção. (C) Fase elástica, patamar de escoamento e tensão limite de resistência. (D) Estricção, patamar de escoamento e tensão limite de resistência. TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

ANALISTA EM CUL ANALIST TURA A EM CUL E DESPORTOS I

ANALISTA EM CUL ANALIST TURA A EM CUL E DESPORTOS I PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24 abr. 2007,

Leia mais

ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ENGENHEIRO CIVIL PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2007 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo.

Leia mais

ANALISTA EM CUL ANALIST TURA A EM CUL E DESPORTOS I

ANALISTA EM CUL ANALIST TURA A EM CUL E DESPORTOS I PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24 abr. 2007,

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARQUITETÔNICO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARQUITETÔNICO PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARQUITETÔNICO PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI,

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ASSISTENTE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2007 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo.

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto para responder às questões de 03 a 07.

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto para responder às questões de 03 a 07. PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24 abr. 2007,

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001 /2007

LÍNGUA PORTUGUESA PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001 /2007 LÍNGUA PORTUGUESA QUESTÃO 1 Leia o texto. QUESTÃO 02 A aplicação da norma da simplicidade ao mundo da alta tecnologia é justificada pela (A) dificuldade de acesso das pessoas às novas tecnologias. (B)

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Definição: é o material resultante da mistura, em determinadas proporções, de um aglomerante - cimento Portland - com um agregado miúdo - geralmente areia lavada -, um agregado graúdo - geralmente brita

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

ANALISTA EM A ANALIST SSUNTOS SOCIAIS I

ANALISTA EM A ANALIST SSUNTOS SOCIAIS I ASSISTENTE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo.

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD):

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO (CAD): aplicação nas construtoras EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA 2000 2002 1940 1990 25 MPa 45 MPa 125 MPa 16 MPa O QUE É? Concreto com propriedades - resistência e durabilidade -

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES - GESSO Gesso. Especificações e propriedades. GESSO Definição: Aglomerante inorgânico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL OSASCO 2012 2 ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ISOPORTEC A ISOPORTEC é focada na produção de soluções em isopor de alta performance para a construção civil, valorizando produtos que fazem diferença nos projetos mais complexos.

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

ANALISTA EM OBRA ANALIST S E URBANISMO I

ANALISTA EM OBRA ANALIST S E URBANISMO I ARQUITETO PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2006 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ADVOGADO PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº001 /2007 LÍNGUA PORTUGUESA Leia os quadrinhos para responder as questões 01 e 02. ITURRUSGARAI, A. Folha de S. Paulo. São Paulo. 24 abr.

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias?

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? Seminário: Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? EngºArcindo A. Vaquero y Mayor Wish List Veloz Durável Prático (com racionalização) Econômico Baixo Desperdicio Confortável (Desempenho Termico

Leia mais

REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO

REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO Geol. Carlos de Oliveira Campos Desde o início do século se usa no mundo o concreto projetado e no Brasil desde a década de 60. Vem da língua inglesa a expressão

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal Santa atarina Catarina

MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal Santa atarina Catarina MATERIAIS PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Humberto Ramos Roman Universidade Federal de Santa Catarina SUMÁRIO 1. Materiais para alvenaria bloco argamassa graute 2. Material alvenaria fatores que afetam a resistência

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm Engenheiro Civil 11) O quadroabaixo mostra o volume de precipitação de água da chuva no município, nos últimos sete meses. Com base nos valores apresentados, marque a opção que corresponde aos valores

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 068/2011 DO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Realização: Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Ricardo Leopoldo e Silva França PALESTRA do Gogó da Ema! Quatro apresentações,

Leia mais

Direitos e Deveres. Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010. Eng. Flávio Renato P. Capuruço

Direitos e Deveres. Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010. Eng. Flávio Renato P. Capuruço : Direitos e Deveres Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010 Eng. Flávio Renato P. Capuruço Sistemas Construtivos: Comparativo 1 Alguns fatos motivadores da discussão: Na Aquisição: Compras efetuadas apenas

Leia mais