PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC - SP. Paulo Fernando Souto Maior Borges

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC - SP. Paulo Fernando Souto Maior Borges"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC - SP Paulo Fernando Souto Maior Borges Sobre o princípio democrático na fundamentação da atividade tributária Uma proposta hermenêutica de utilização de seus desdobramentos no âmbito do direito tributário MESTRADO EM DIREITO DO ESTADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO DIREITO TRIBUTÁRIO SÃO PAULO MARÇO DE

2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC - SP Paulo Fernando Souto Maior Borges Sobre o princípio democrático na fundamentação da atividade tributária Uma proposta hermenêutica de utilização de seus desdobramentos no âmbito do direito tributário Dissertação apresentada à Banca Examinadora como exigência parcial para obtenção do título de MESTRE em Direito do Estado Área de Concentração Direito Tributário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sob a orientação do Prof. Doutor Paulo de Barros Carvalho MESTRADO EM DIREITO DO ESTADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO DIREITO TRIBUTÁRIO SÃO PAULO MARÇO DE 2008

3 BANCA EXAMINADORA:

4 À Escola de Direito Público da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, que, pelas lições de seus ilustres Professores, promove reflexão aprofundada sobre os valores fundamentais à manutenção e aprimoramento do Regime Democrático viga mestra do Estado de Direito.

5 Não poderia deixar de manifestar os meus sinceros agradecimentos àqueles que me apoiaram ao longo do curso. A despeito de usualmente feitos por um dever de gratidão, são imprescindíveis e faço-os de coração: Primeiramente, Àquele que tudo criou e que, por todas as razões metafísicas, deve ser sempre glorificado. À minha família, especialmente, aos meus pais, que sempre estiveram presentes nas diversas etapas de minha vida pessoal e acadêmica, apoiando e incentivando de forma constante o meu desenvolvimento espiritual e profissional. À Márcia Maria, a quem devo a lição de amor, carinho,.serenidade.e.delicadeza.incondicionais Aos meus ilustres Mestres, que nunca faltaram na orientação de minha atividade intelectual, na pessoa do Prof. Paulo de Barros de Carvalho, que sempre me atendeu com pronta gentileza e conselhos de absoluta propriedade. Aos meus verdadeiros amigos - aqueles com quem sempre pude compartilhar minhas dúvidas e incertezas. Aos colegas do Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, Leonardo da Matta, Diego Calandrelli, Diana Lobo, Adriano Gonzales, e Ricardo Fernandes; aos sócios: Marcelo Fortes, pela orientação e apoio constantes; Daniella Zagari, Ivandro Sanchez e Celso Costa, pela compreensão; e, por fim, à Dra. Raquel Novais, que me proporcionou a aplicação da teoria ministrada no curso, além de distinguir-se como profissional que tenho como modelo na advocacia, por executar com altivez e seriedade diárias o seu ofício, seja perante os clientes, seja perante os órgãos judicantes.

6 Yo soy yo y mi circunstancia (José Ortega y Gasset) E se não ousarmos atacar problemas tão complexos que o erro da solução seja quase inevitável, radicalmente, não haverá progresso do conhecimento científico (José Souto Maior Borges, Ciência Feliz) Eu vim com a Nação Zumbi Ao seu ouvido falar: Quero ver a poeira subir E muita fumaça no ar Cheguei com meu universo E aterriso no seu pensamento Trago as luzes dos postes nos olhos Rios e pontes no coração Pernambuco embaixo dos pés E minha mente na imensidão ( Mateus Enter - Chico Science) Open mind for a different view and nothing else matters ( Nothing else matters - James Hetfield e Lars Ulrich)

7 RESUMO CONSTITUCIONAL - TRIBUTÁRIO PRINCÍPIO DEMOCRÁTICO NORMA JURÍDICA - HERMENÊUTICA O trabalho tem como objetivo precípuo a demonstração do Princípio Democrático como norma jurídica fundante da atividade tributária estatal, por se tratar de norma de habilitação ao exercício dos demais poderes constitucionalmente instituídos. Além disso, o trabalho objetiva a possibilidade de adoção de um método hermenêutico de aplicação de seus desdobramentos no âmbito do Direito Tributário.

8 ABSTRACT CONSTITUCIONAL TAX PRINCIPLE DEMOCRATIC JURIDICAL NORM - HERMENEUTIC The work has the main objective of demonstrate the democratic principle as the fundamental juridical norm in the state tax activity, as a rule of competence to the exercise of state power, and also to present an alternative of juridical interpretation and application considering its developments in the brazilian constitutional text, based on its supremacy.

9 SUMÁRIO RESUMO...7 ABSTRACT...8 PARTE I - NOÇÕES INTRODUTÓRIAS E PREMISSAS METODOLÓGICAS AO DESENVOLVIMENTO DO RACIOCINIO Intróito e apresentação As marcas da enunciação Prólogo - Thomas Kuhn a estrutura das revoluções científicas: a ciência em prol da sociedade Para além do apenas dogmático Apologia à Dogmática Jurídica (na sua acepção lata) e crítica à aplicação equivocada da Dogmática Jurídica (na sua acepção estrita): os valores juridicamente positivados Sistema da Ciência do Direito e Sistema de Direito Positivo Da metodologia científica utilizada na presente dissertação: do sistema jurídico à norma jurídica Do contrato social A norma geral e abstrata como norma jurídica de previsão da conduta convencionalmente prescrita e eventual sanção aplicável na hipótese do seu não-cumprimento A norma individual e concreta como norma jurídica específica de imposição da conduta convencionalmente prescrita e imputação da sanção, na hipótese do não-cumprimento da norma geral e abstrata...39

10 PARTE II - UMA BREVE TEORIA DOS PRINCÍPIOS A contraposição: normas-princípio versus normas-regra Da hierarquia entre normas-princípio e normas-regra Da suposta existência de uma hierarquia entre os princípios constitucionais no ordenamento brasileiro Da ponderação de princípios Da norma hipotética fundamental de Kelsen análise de suas implicações no ordenamento jurídico positivo Do "Princípio do Consentimento à Tributação"...56 PARTE III - DO PRINCÍPIO DEMOCRÁTICO COMO NORMA JURÍDICA FUNDANTE NO ORDENAMENTO JURÍDICO E DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Do Princípio Democrático como norma jurídica fundante de toda a atividade jurídica "estatal" (norma jurídica de habilitação ao exercício do poder estatal) a.) Análise no nível semântico do ordenamento a.1.) Análise do vocábulo Princípio a.2.) Análise do vocábulo Democrático b.) Análise no nível sintático do ordenamento b.1.) Evolução do tratamento normativo-constitucional do Princípio Democrático b.1.1.) Constituição Política do Império do Brazil (1824) b.1.2.) Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (1891) b.1.3.) Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (1934) b.1.4.) Constituição dos Estados Unidos do Brasil (1937) b.1.5.) Constituição dos Estados Unidos do Brasil (1946)...83

11 16.b.1.6.) Os Atos Institucionais do Regime Militar e a Constituição da República Federativa do Brasil (1967) b.1.7.) Emenda Constitucional n.º 1 (1969) b.1.8.) Constituição da República Federativa do Brasil (1988) c.) Análise no nível pragmático do ordenamento Do Princípio Democrático como norma jurídica fundante da atividade tributária estatal (norma jurídica de habilitação ao poder de tributar) a.) O Princípio Democrático e suas implicações com o Princípio da Legalidade Geral b.) O Princípio da Legalidade Tributária e a competência tributária do ente de direito público interno PARTE IV - PROPOSTA DE INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DOS DESDOBRAMENTOS DO PRINCÍPIO DEMOCRÁTICO NO ÂMBITO DO DIREITO TRIBUTÁRIO Contraposição conceitual entre mens legis e mens legislatoris e da colocação do problema hermenêutico Retomada do prestígio da mens legislatoris a.) A mens legislatoris como resultado da atividade congressual e da eficácia do Princípio Democrático b.) Necessidade de motivação dos atos emanados pelo Estado c.) Necessidade de motivação dos atos emanados pelo Poder Legislativo - A mens legislatoris como requisito constitucional de validade do ato legislativo objetivado Os atos de enunciação como requisitos de motivação do ato legislativo Nova proposta hermenêutico-aplicativa a.) Da hermenêutica histórica agregada à análise dos atos de enunciação legislativa b.) Da Dogmática Jurídica em sentido amplo...157

12 20.b.1.) Necessário inter-relacionamento do Direito Tributário com os demais ramos do Direito b.2.) Exemplo de abertura do sistema tributário ao valores que, de início, seriam extradogmáticos: do art. 110 do CTN Exemplos pragmáticos de utilização da teoria proposta a.) Das normas relativas à não-cumulatividade do Pis e da Cofins b.) Do drawback para fornecimento no mercado interno c.) Da declaração de inaptidão cadastral da pessoa jurídica PARTE V - DAS CONCLUSÕES Conclusões BIBLIOGRAFIA...184

13 PARTE I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS E PREMISSAS METODOLÓGICAS AO DESENVOLVIMENTO DO RACIOCÍNIO 1. Intróito e apresentação As marcas da enunciação 1. Contar com a ajuda do desfavorável 2. Esse tem sido o paradoxo que tem norteado os rumos da minha vida pessoal, e particularmente, da minha vida acadêmica nos últimos tempos (conforme formação que me foi destinada), conduzindo-me, inclusive, ao desafio de encarar um curso de Mestrado numa das mais conceituadas Universidades do país, na área de Direito Tributário. O brilhantismo e o alcance do pensamento jurídico da Escola Paulista de Direito Tributário, pela inegável excelência doutrinária, têm ofuscado a produção intelectual por parte das demais Escolas, que se intimidaram com o desenvolvimento atribuído à Ciência do Direito Tributário, pela utilização da filosofia da linguagem. Contudo, alguns novos estudiosos ditos lingüísticos - mais exagerados que os grandes Mestres da Escola Analítica -, resolveram tomar parte neste processo de desenvolvimento da Ciência Jurídica, com tal exacerbação, que lograram como resultado uma mitigação do inter-relacionamento do Direito Tributário com os demais ramos dogmáticos (Direito Constitucional, Direito Financeiro, Direito Administrativo, etc.). Tudo sob o pretexto de uma insustentável concepção de rigor científico, que impediria a realização de um corte mais amplo no objeto. A suposta maior profundidade pelo corte mais estreito implica menor abrangência do objeto empírico (que é uno), e, portanto, a desconsideração de partes importantes do mesmo. 1 Descrição do percurso de formação de sentido utilizado na presente dissertação (processo de enunciação), conforme obra de Fiorin, José Luís. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, Guitton, Jean. Le travail intellectuel. Aubier. Paris:1951. pp. 44 e seguintes. 13

14 Dessa circunstância, surge a necessidade de fomentar a atividade jurídica da Escola dita tradicional (a doutrina publicista, constitucionalista), acomodada que estava com o advento do novo método analítico, de modo a incitar o retorno ao pensar cientificamente, e como de costume, sem quaisquer restrições quanto ao interrelacionamento do Direito Tributário com o demais ramos jurídico-dogmáticos; e até mesmo num maior inter-relacionamento do próprio Direito 3 com as demais ciências extrajurídicas (para aqueles que se aventuram por vôos mais ousados, como por exemplo, os estudiosos do chamado law and economics, tão disseminado nos países de primeiro mundo). Muito embora, o retorno ao pensar o óbvio, dessa feita, será intentado com a utilização do valioso instrumental disponibilizado pela filosofia da linguagem, bem como, pela adoção de uma nova proposta hermenêutica, que envolve o inevitável interdisciplinamento do Direito Tributário com os demais ramos do Jurídico e a necessidade de apreciação da motivação de todos os atos estatais, inclusive os legislativos. Tudo isso, pretende-se, sem abdicar do rigor científico, do necessário fechamento operativo (Luhmann), e como contrapartida, sem a incursão em maiores exageros doutrinários. A idéia é simples, e já utilizada por alguns: analisar o objeto empírico (Princípio Democrático como norma jurídica fundante da atividade tributária estatal e a utilização de uma nova proposta de interpretação e aplicação, no âmbito do Direito Tributário, dos seus desdobramentos) nos seus três níveis de linguagem (sintático, semântico e pragmático), desbravando, assim, esta disciplina tão complexa e já tão estudada, que é o Direito Tributário, embora, como dito, agregando um toque de interdisciplinamento com as demais áreas do conhecimento jurídico, a saber, a Teoria Geral do Direito, a Filosofia do Direito, o Direito Constitucional, o Direito Administrativo, o Direito Financeiro, etc., e a adoção de novo critério de interpretação/aplicação do Direito, 3 Vide art. 110, do Código Tributário Nacional: Art A lei tributária não pode alterar a definição, o conteúdo e o alcance de institutos, conceitos e formas de direito privado, utilizados, expressa ou implicitamente, pela Constituição Federal, pelas Constituições dos Estados, ou pelas Leis Orgânicas do Distrito Federal ou dos Municípios, para definir ou limitar competências tributárias. 14

15 que leve necessariamente em conta a motivação do ato estatal. Saber quais o limites da Dogmática Jurídica é condição per quam e sine qua non para o estudo interdisciplinar do tributo. Poderíamos ter optado por dissertar sobre um tema menos constitucional e nitidamente mais tributário, ou ainda, por um tema econômica e profissionalmente mais vantajoso, do ponto de vista advocatício (ex.: a incidência de determinado tributo sobre específico setor da atividade econômica dos contribuintes), esclarecendo, porém, que não condenamos aqueles que o fazem. Contudo, por tratar-se de um curso de Mestrado, que, além de específico na área de Direito Tributário, é antes disso, um Mestrado em Direito do Estado afora o fato de ser ministrado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, que tem em vários de seus Professores verdadeiros bastiões das liberdades individuais (ex.: Geraldo Ataliba, no Direito Constitucional; Celso Antônio Bandeira de Mello, no Direito Administrativo; Paulo de Barros Carvalho, Roque Carrazza, dentre outros, no Direito Tributário) -, decidimos abordar um tema que nos parece mais relevante, no sentido de ser dotado de uma maior abrangência normativa, e que, por isso, fosse ainda mais merecedor de uma nova análise. A escolha decorreu, também, da adoção de um tema, digamos, de maior relevância, como orientação pelo Prof. Paulo de Barros Carvalho, que, por sua vez, a recebeu do ilustre Prof. Oswaldo Aranha Bandeira de Mello. Este sempre orientava os seus alunos pela opção por temas mais abrangentes. Ademais, a idéia de abordar o Princípio Democrático começou a se delinear com a intrigante lição dos Professores das disciplinas de Direito Tributário II e Direito Constitucional Tributário a respeito do chamado Princípio do Consentimento à Tributação (essa menção era comumente efetuada pelos Professores Roque Antonio Carraza, José Artur de Lima Gonçalves, além de Estevão Horvath). Admirava-nos o fato de defender-se com tanta veemência algo que nos parecia, ao menos no primeiro contato, metajurídico. 15

16 Contudo, posteriormente pudemos perceber que o chamado Princípio do Consentimento à Tributação poderia ser visto como uma variante de expressão do Princípio Democrático, o qual, concluímos a posteriori, nos termos do art. 1º, parágrafo único da Constituição Federal, dentre outros dispositivos, consistiria no fundamento para todas as demais normas do ordenamento jurídico positivo. De início, havíamos determinado o tema da dissertação como sendo O conceito constitucional de tributo. Contudo, após perceber que quaisquer normas do sistema de direito positivo advinham do exercício do poder estatal instituído pelo Princípio Democrático, e que este possuía direta correlação com a atividade jurídica (e, principalmente, tributária) do Estado, decidimos incluir uma parte introdutória no trabalho, em que seria abordado o referido princípio. Essa introdução foi tomando corpo, ao ponto de se tornar uma primeira parte de equivalente proporção à segunda no trabalho. Contudo, diante da importância desta primeira parte, decidimos abordar, nesse primeiro momento, apenas o Princípio Democrático, como fundamento de toda a atividade tributária estatal, bem como, as implicações de alguns de seus desdobramentos no âmbito do Direito Tributário. Na segunda parte do trabalho, como conseqüência de conclusões originárias da primeira, proporemos uma alternativa de interpretação/aplicação do Direito Tributário que leve em consideração algunos quais, nada mais são que desdobramentos do próprio Princípio Democrático. Assim sendo, como forma de otimizar o pouco tempo de estudo de que dispomos, e conforme ensinado pelo Professor João Maurício Adeodato nas aulas de Metodologia da Pesquisa em Direito da Pós-graduação da Universidade Federal de Pernambuco, aproveitamos algumas premissas anteriormente publicadas, para dissertar sobre uma nova proposta de aplicação de algumas dentre as manifestações do Princípio Democrático no âmbito tributário, e quiçá, noutro momento, após a finalização do Curso, 16

17 teremos chance de abordar as implicações do referido princípio na delimitação de um conceito constitucional de tributo. Com isso, olhando o direito com os olhos de uma criança, e contando com a ajuda do desfavorável - a ausência de pré-conceitos (pré-concepções) na análise da matéria (favorável), agregada à carência de um aprofundamento na análise da matéria (desfavorável) -, chegamos ao produto final da nossa reflexão, manifestado pela presente dissertação, que aborda o Princípio Democrático como norma jurídica fundante de toda a atividade tributária estatal e a proposta de uma nova alternativa de interpretação/aplicação dos seus desdobramentos no âmbito do Direito Tributário. Essa nova abordagem, como dito, consiste também na realização de um corte metodológico mais alargado, que resulte numa apreciação mais ampla: a abordagem do Direito Tributário, como subsistema constitucional que é, como um capítulo do Direito Financeiro e Administrativo, além da necessária consideração dos atos de enunciação normativa como legitimadores do Princípio Democrático. Acreditamos ser essa não somente uma alternativa a mais de análise, mas, sim, a alternativa de abordagem constitucional mais adequada aos ditames democráticos, sem quaisquer concessões do chamado "rigor científico" 4. Contudo, redirecionamos a atenção do leitor, primeiramente, para o quê de mais importante no Sistema Tributário Nacional o Princípio Democrático tratou de delimitar: a competência tributária dos entes de direito público interno e sua nítida vinculação ao Princípio da Legalidade Tributária (art. 150, I CF). A análise da competência tributária dos entes de direito público interno (União, Estados, Distrito Federal e Municípios) - após assumida a premissa acima estabelecida do Princípio Democrático como norma fundante do Sistema Tributário 4 O dito "rigor científico' consiste na adequação das conclusões obtidas como resultado da atividade científica, às premissas adotadas como ponto de partida do trabalho. Contudo, acreditamos existir sempre um determinado grau de indeterminação - p. ex. conceito de "verdade' o qual sempre será de difícil caracterização, visto que, temos por esta, algo sempre transitório, e, portanto, em constante mutação; 17

18 Nacional - não se circunscreve apenas ao exame das suas implicações com o Princípio da Legalidade Tributária. Muito mais que isso, o Princípio Democrático, agregado a outros princípios de ordem igualmente fundamental, como o Princípio Republicano, o Princípio Federativo e o Princípio do Estado de Direito (CF, art. 1º, caput), pela disseminação de seus efeitos ao longo de todo o sistema, e até mesmo pelo regime de participação ou representatividade diretas que o caracterizam, impõem tratamento hermenêutico diferenciado por parte do intérprete/aplicador à norma jurídica. Em que consiste essa diferenciação hermenêutica? Relembremos a lição de Cossio: ao aplicar-se determinada norma jurídica, estar-se-á aplicando o ordenamento jurídico como um todo. Assim da conjugação do Princípio Democrático, e suas características peculiares de participação e representatividade diretas; suas implicações com as normas relativas ao delineamento da competência tributária (v. normas do Sistema Tributário Nacional, que estabelecem as conformações de cada exação tributária prevista no Texto Constitucional, e particularmente as limitações constitucionais ao poder de tributar); com os Princípios Republicano e Federativo (art. 1º, caput, CF); além da interpretação sistemática com os Princípios da Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência, constantes do art. 37, da CF; dentre outros de inafastável aplicação (v. art. 5º, LIV, LV, etc.), citados estes apenas a título exemplificativo, e teremos os fundamentos constitucionais da nossa proposta: a utilização das exposições de motivos do ato legislativo, ou seus considerandos, justificativas de proposições e até mesmo dos anais congressuais (isto é, todos os atos de enunciação legislativa indicativos da mens legislatoris) como subsídios válidos à interpretação e aplicação da norma jurídica tributária, e não como atos sem qualquer valor para a exegese do normativo. Assim, com a pré-fixação de algumas premissas pela recorrência de alguns textos anteriores, produzidos durante o curso, e algumas idéias já expostas em artigos científicos, tentaremos realizar uma análise do Princípio Democrático, bem como, propor 18

19 uma nova alternativa de interpretação/aplicação, levando em conta, os seus desdobramentos no âmbito do Direito Tributário positivo, como um capítulo que este é dos sobre-ramos do Direito que lhe são mais próximos, dos quais é parte componente (Direito Constitucional, Direito Administrativo e Direito Financeiro), para demonstrar que tal abordagem não somente é possível, como também desejável 5. É legítimo optar pela "setorização" do conhecimento como uma necessidade meramente didática e organizacional. A especialização, no plano da linguagem descritiva, dá-se por uma necessidade de aprofundamento científico, como descrito acima, visto ser mais factível saber-se mais sobre algo em específico, que saber algo sobre um número maior de objetos. Já no plano da linguagem-objeto do direito positivo, a especialização ocorre pelo intuito legislativo de regrar determinada matéria de forma isolada e sistematizada, facilitando a comunicação com os legiferados (v. art. 7º, I, da Lei Complementar n.º 95 6 ). A subjetividade é uma característica inerente ao ser humano, e, portanto, está presente em todos os campos do conhecimento. Por conseqüência, presente em toda está em toda atividade científica. Esclarecemos, inicialmente, que entendemos por subjetividade a capacidade de cada indivíduo chegar à conclusão não necessariamente igual a que chegou outro, quando da análise de um mesmo suporte físico, ante a diversidade de valores que informa a compleição cultural de cada um (inter-subjetividade). Exemplificativamente, na medicina, em sua subdivisão da medicina nutricional, temos discussões a respeito das mais variadas espécies ou gêneros alimentícios: em sua maioria, ora são consideradas como benéficas, por colaborarem com o bom funcionamento de um determinado órgão ou sistema; outrora são tomadas por maléficas, 5 Trabalhamos com uma teoria própria do direito que, ao reconhecer a impossibilidade de afastamento do aspecto subjetivo, primamos sempre pela "melhor aplicação", em termos de Política Jurídica (In casu, Política Fiscal), e que leve em conta os valores positivados - imanentes ao ordenamento -, que são mais relevantes à sociedade no nosso espaço-tempo (ex.: isonomia, legalidade, redução das desigualdades sociais e regionais, livre iniciativa, etc.). 6 Art. 7 o O primeiro artigo do texto indicará o objeto da lei e o respectivo âmbito de aplicação, observados os seguintes princípios: I - excetuadas as codificações, cada lei tratará de um único objeto; ( ) 19

20 tendo em vista os "avanços" na pesquisa médica, que permitem identificar um desequilíbrio quando do uso (desregrado ou não) dessa mesma espécie ou gênero alimentícios. Assim também o é no Direito. Temos a prevalência da subjetividade no objeto de estudo (o ordenamento jurídico), pois nem sempre é possível alcançar a amplitude valorativa desejada pelo legislador - seja este o das normas gerais e abstratas, seja o aplicador das normas individuais e concretas. Temos, ainda, o influxo da subjetividade também no observador, visto que se torna difícil atribuir ao cientista uma posição de absoluta imparcialidade na visualização do sistema jurídico, salientando-se que a própria e suposta ausência de posição valorativa já se constitui numa posição valorativa negativa e, portanto, parcial; e temos, por fim, influência da subjetividade na ciência do direito, como produto da atividade do jurista, tão sujeito à parcialidade - esta última nada mais é do que a subjetividade do sujeito do conhecimento formalizada através do produto da sua atividade científica: livros, artigos, monografias, etc.. Assim, a metodologia científica assumida por determinado paradigma teórico 7 trabalha no sentido convencional de um conjunto de premissas e métodos de abordagem para os adeptos daquela corrente científica subjetivamente convencionada, demarcando assim o que pode ou não ser considerado como atividade científica válida dentro daquele determinado modelo de conhecimento, e no que consistem os avanços científicos, de acordo com aquele paradigma teórico. Vejamos o exemplo de dois dos maiores juristas dos últimos tempos, e que muito influenciaram a presente dissertação, pela assimilação das lições do Prof. Celso Fernandes Campilongo, na disciplina de Teoria Geral do Direito: Hans Kelsen e Niklas Luhmann. Apesar de se dedicarem ao estudo do mesmo objeto (ordenamento jurídico), o fizeram de forma completamente distinta, a começar pelo método de aproximação, pois Kelsen promoveu a análise do sistema a partir da sua partícula mínima, qual seja, a norma jurídica, para daí, então rumar à descrição do sistema; enquanto Luhmann preferiu estudar 7 Sobre os paradigmas teóricos, v. Kühn, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Ed. Perspectiva. São Paulo:

21 o Direito pelo caminho inverso: partindo dos variados sistemas, no caso, do sistema juridico à norma jurídica, o seu código redutor de complexidades. Tudo é caminho, como ensinava Heidegger (Alles ist Weg). Tomando o direito como um bem cultural 8, obra humana que é 9, este necessariamente há de servir de instrumento, de ter uma função de modificação na vida dos seus destinatários. Desse modo, assumimos como premissa essencial a ser desempenhada para validade da atividade científica, por qualquer um, em qualquer campo do conhecimento, a necessária atribuição de um fim valorativo a toda a sua empresa; ou, colocando em melhores termos: é inafastável a consideração da existência de um fim imanente a toda e qualquer atividade científica, e não menos no nosso campo específico de investigação, qual seja, a análise do ordenamento jurídico. Atente-se, ainda, que a teleologia não se apresenta apenas no âmbito da linguagem descritiva da Ciência do Direito, mas, decorre da própria linguagem objeto do direito positivo (art. 3º, CF), o que remata qualquer discussão em torno do tema. A doutrina de Alfredo Augusto Becker é ainda mais clara quanto à sua existência, ínsita ao próprio conceito de Estado: O Estado (Ser Social) é uma realidade, porém não é qualquer realidade exterior ao homem e à sua atividade o Estado existe nos atos e pelos atos dos indivíduos humanos que são seus criadores; e é nesta atividade contínua e relacionada ao Bem comum que consiste a realidade do Estado 10. (...) E esta atividade contínua e relacionada ao Bem Comum, que se sustenta e se alimenta da inteligência e vontade dos homens, é uma relação: a relação constitucional do Estado (Ser Social) Sobre a classificação dos objetos v. Husserl, Edmund, apud, Apostila do grupo de estudos do Prof. Paulo de Barros Carvalho. 9 Carvalho, Paulo de Barros. Sobre os princípios constitucionais tributários, in Revista de Direito Tributário, n.º 55, p J. Dabin, L Etat ou le Politique, Paris, 1957, n. 30 e J. Haesaert, Théorie Générale du Droit, Bruxelles, 1948, pp apud Becker, Alfredo Augusto. Teoria geral do direito tributário. 3ª ed., p. 163, Lejus, São Paulo:

22 Numa tentativa de refutar os ditos dogmáticos kelsenianos (aqueles emocionalmente mais envolvidos, como se a ausência de análise valorativa por estes pretendida não implicasse, consoante dito, numa análise valorativa em si!), como forma de prestigiar o Princípio Democrático, e sua vontade popular representativa do Bem Comum, tentaremos ao final propor a alternativa de interpretação e aplicação do Jurídico acima aventada, baseada na importância do referido princípio e seus desdobramentos no ordenamento jurídico. Esperamos, todavia, contribuições críticas, pois só mediante testes cruciais de refutação poder-se-á avaliar a idoneidade teórica da hipótese aventada. Se ela resistir a esses testes, será uma boa hipótese, e poderá ser adotada até a sua substituição por outra de maior abrangência no âmbito de explicação do fenômeno descrito: o Princípio Democrático como norma de habilitação ao exercício dos demais poderes constitucionais (inclusive do poder de tributar) e a adoção de uma nova alternativa de abordagem dos seus desdobramentos no âmbito do Direito Tributário positivo, com base nessa premissa. 2. Prólogo - Thomas Kuhn a estrutura das revoluções científicas: a ciência em prol da sociedade Como afirmado em escritos anteriores 12, um dos momentos de maior efervescência na história da atividade científica, indubitavelmente foi o Círculo de Viena. Filósofos e pensadores se encontravam, periodicamente, em torno de uma stammtisch (mesa de debates em bares e cafés, muito comum nos países germânicos) para refletir sobre as bases em que ocorre (ou deveria ocorrer, de acordo com o neopositivismo lógico) o desenvolvimento da atividade científica, e para traçar os rumos daquilo que consideravam o melhor método de pensar cientificamente. 11 Becker, Alfredo Augusto. Teoria geral do direito tributário. 3ª ed., p. 163, Lejus, São Paulo: Borges, Paulo Fernando Souto Maior. O caráter patrimonial das obrigações tributárias acessórias, in Teoria geral da obrigação tributária Estudos em homenagem ao Prof. José Souto Maior Borges. Malheiros. São Paulo: 2005, p

3 aulas - Aula expositiva

3 aulas - Aula expositiva Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2013/01 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO I PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 8º EN UNIDADE

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 8º SEMESTRE/NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO

Leia mais

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS *

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * CARLOS EDUARDO CAPUTO BASTOS Interpretar a lei, assevera Bevilaqua, é revelar o pensamento que anima suas palavras, daí por

Leia mais

Teoria dos valores no direito:

Teoria dos valores no direito: Teoria dos valores no direito: para além do positivismo e do pós-positivismo Profa. Fabiana Del Padre Tomé 14/10/2014 Positivismo Conjunto de conhecimentos, de estudos de um valor universal, caracterizados

Leia mais

ICMS E GUERRA FISCAL: A BUSCA DE FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS PARA A FEDERALIZAÇÃO DO TRIBUTO COMO FORMA DE RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DA GUERRA FISCAL.

ICMS E GUERRA FISCAL: A BUSCA DE FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS PARA A FEDERALIZAÇÃO DO TRIBUTO COMO FORMA DE RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DA GUERRA FISCAL. ICMS E GUERRA FISCAL: A BUSCA DE FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS PARA A FEDERALIZAÇÃO DO TRIBUTO COMO FORMA DE RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DA GUERRA FISCAL. Autor: Eduardo Salamacha Pós-Graduado em Direito Tributário

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA

O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA 95 O CONFRONTO DAS TEORIAS DE HANS KELSEN E ROBERT ALEXY: ENTRE O NORMATIVISMO E A DIMENSÃO PÓS-POSITIVISTA Ana Augusta Rodrigues Westin Ebaid Docente do Núcleo de Pesquisa e Extensão do curso de Direito

Leia mais

desenvolvidas pelas operadoras de plano de assistência à saúde

desenvolvidas pelas operadoras de plano de assistência à saúde 84 SUZANO ANO 2 Nº 2 OUT. 2010 A incidência do ISS nas atividades desenvolvidas pelas operadoras de plano de assistência à saúde Thaymara Cristiane de MEDEIROS Faculdade Unida de Suzano -UNISUZ (thaymara.medeiros@ronaldomartins.adv.br)

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO EM SECRETARIADO (MODALIDADE À DISTÂNCIA) CURSO GESTÃO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO

PROGRAMA DE GESTÃO EM SECRETARIADO (MODALIDADE À DISTÂNCIA) CURSO GESTÃO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO PROGRAMA DE GESTÃO EM SECRETARIADO (MODALIDADE À DISTÂNCIA) CURSO GESTÃO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO Autoria: Anilton Sodré 1. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Uma vez ingressante na Administração Pública (AP), o servidor

Leia mais

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores)

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) 53 Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) Camila Novaes Lopes Juíza de Direito do II Juizado Especial Cível - Capital Durante o curso de Controle de Constitucionalidade ministrado pela

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO -UFPE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DIREITO. Luiz Viana Queiroz

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO -UFPE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DIREITO. Luiz Viana Queiroz LUIZ VIANA QUEIROZ DIREITOS POLÍTICOS COMO DIREITOS HUMANOS: Impacto no Direito Eleitoral Brasileiro da Incorporação da Convenção Americana de Direitos Humanos Recife 2002 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos importantes para um melhor entendimento de temas futuros, ok! 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES 1. FATO GERADOR/ HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS PARA ESTUDAR O DIREITO

PRIMEIROS PASSOS PARA ESTUDAR O DIREITO PRIMEIROS PASSOS PARA ESTUDAR O DIREITO Aldemario Araujo Castro Mestre em Direito Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade Católica de Brasília Brasília, 24 de abril de 2012 (última atualização)

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL 1 CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL Flavio Meirelles Vettori 1 RESUMO: Neste artigo, apresentam-se aspectos gerais do direito civil, de forma sintética e introdutiva para, na seqüência, tratar da constitucionalização

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (ADI) Nº 4.376 PARECER FAVORÁVEL DA PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA (PGR) INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

1- Objetivos (Visão Geral. Evolução e Tendências)

1- Objetivos (Visão Geral. Evolução e Tendências) 1- Objetivos (Visão Geral. Evolução e Tendências) Os Objetivos e Proposta do Programa Mestrado em Direito do Centro Universitário FIEO UNIFIEO A positivação e a concretização jurídica dos direitos humanos,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

NORMAS CONSTITUCIONAIS INCONSTITUCIONAIS

NORMAS CONSTITUCIONAIS INCONSTITUCIONAIS NORMAS CONSTITUCIONAIS INCONSTITUCIONAIS Túlio Augusto Tayano Afonso 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho caminha no sentido de abordar a teoria das normas constitucionais inconstitucionais consoante construída

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

O ESTUDO DA TEORIA DA NORMA JURÍDICA COMO ESSÊNCIA DE TODA PESQUISA CIENTÍFICA NO DIREITO

O ESTUDO DA TEORIA DA NORMA JURÍDICA COMO ESSÊNCIA DE TODA PESQUISA CIENTÍFICA NO DIREITO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O ESTUDO DA TEORIA DA NORMA JURÍDICA COMO ESSÊNCIA DE TODA PESQUISA CIENTÍFICA NO DIREITO Giselly Campelo Rodrigues 1 RESUMO: O presente estudo visa demonstrar

Leia mais

FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Sociologia: conceito, objeto, objetivo e métodos. 2 A sociologia pura, prática e aplicada. 3 Sociologia e política. 4 O processo

Leia mais

Texto de Discussão do Setor Elétrico n 1

Texto de Discussão do Setor Elétrico n 1 Texto de Discussão do Setor Elétrico n 1 Observações preliminares sobre a atuação do Estado no domínio econômico Luiz Gustavo Kaercher Loureiro Outubro 2007 Observações preliminares sobre a atuação do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Capítulo I. I. Introdução

Capítulo I. I. Introdução Capítulo I Princípios Fundamentais do Direito Ambiental I. Introdução 1. Princípios específicos de proteção ambiental O direito ambiental, ciência dotada de autonomia científica, apesar de apresentar caráter

Leia mais

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? Em primeiro lugar, deve ser elaborado algum tipo de planejamento de estudo, com reserva de tempo para aulas num bom curso

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO!

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! Jorge Luiz Souto Maior (*) Tenho percebido que a discussão em torno das cooperativas de trabalho possui dois momentos: o primeiro, pelo qual o intérprete se posiciona

Leia mais

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA Por André Cordelli Alves Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e Doutorando em Direito Civil pela

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

ÍNDICE. Introdução que também muito importa ler... XVII. Tributos Federais. Tema XIII... 5

ÍNDICE. Introdução que também muito importa ler... XVII. Tributos Federais. Tema XIII... 5 ÍNDICE Introdução que também muito importa ler... XVII Tributos Federais Tema XIII... 5 AS OPERAÇÕES DE FACTORING E O IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES FINANCEIRAS Sumário: 1. Metodologia de aproximação. 2. Operações

Leia mais

Edino Cezar Franzio de Souza

Edino Cezar Franzio de Souza Edino Cezar Franzio de Souza Advogado e Professor em Brasília (DF) Mestre em Processo Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo Especialização (stricto sensu) em Integração Econômica

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A função administrativa e o dever de precaução nos atos administrativos Thomaz Akimura * 1 O Direito Administrativo e o exercício do Poder Estatal O Direito Administrativo nasceu

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

PATRÍCIA SABOYA GOMES

PATRÍCIA SABOYA GOMES PARECER N, DE 2005 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter de decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 299, de 2004, que autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional de Inclusão

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO.

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Otavio Calvet Data: 01.04.10 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Tema INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. Atualizado

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Paraná

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Paraná Protocolo nº 6378/2013 PARECER JURÍDICO ASSUNTO: Atos judiciais que ordenem e vinculem o pagamento de alvarás judiciais de honorários advocatícios à comprovação de recolhimento de DARF do Imposto de Renda

Leia mais

POSITIVISMO JURÍDICO: O CÍRCULO DE VIENA E A CIÊNCIA DO DIREITO EM KELSEN.

POSITIVISMO JURÍDICO: O CÍRCULO DE VIENA E A CIÊNCIA DO DIREITO EM KELSEN. POSITIVISMO JURÍDICO: O CÍRCULO DE VIENA E A CIÊNCIA DO DIREITO EM KELSEN. Sidney Amaral Cardoso I. Considerações iniciais. II. O positivismo jurídico. 2.1. A origem do positivo. 2.2. Três acepções do

Leia mais

3. Características do Direito Internacional Público

3. Características do Direito Internacional Público 18 Paulo Henrique Gonçalves Portela regular as relações entre os Estados soberanos e delimitar suas competências nas relações internacionais; regular as relações internacionais naquilo que envolvam não

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA 1 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DOS TEMPLOS DE QUALQUER CULTO SOB O PRISMA DA LIBERDADE DE CRENÇA Claudiney Anchieta de Carvalho 1 Me. Rafael Alem Mello Ferreira 2 RESUMO O presente trabalho busca analisar a imunidade

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS

DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS Alécio Martins Sena 1 Os entes despersonalizados estão elecandos no artigo 12 do Código de Processo Civil Brasileiro, sendo eles a massa falida, o espólio,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL: O ESTATUTO JURÍDICO DO POLÍTICO FEDERAL CONSTITUTION: THE LEGAL STATUS OF POLITICAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL: O ESTATUTO JURÍDICO DO POLÍTICO FEDERAL CONSTITUTION: THE LEGAL STATUS OF POLITICAL FEDERAL CONSTITUTION: THE LEGAL STATUS OF POLITICAL Recebido para publicação em abril de 2012. RESUMO: Trata-se o presente artigo, de forma breve, de algumas concepções existentes sobre Constituição, dando

Leia mais

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa 2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa classificação, entretanto, apresentaremos a seguir aquela que

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS 1 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS Fábio Lucas Telles de Menezes Andrade Sandim ( * ) O art. 1º da Constituição Federal dispõe

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DOS PRECEDENTES VINCULANTES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO E A DELIMITAÇÃO DO QUADRO SEMÂNTICO DOS TEXTOS NORMATIVOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Constitucional. Prof. Doutor Nuno Piçarra Prof. Doutor Raul Araújo

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Constitucional. Prof. Doutor Nuno Piçarra Prof. Doutor Raul Araújo I Curso de Doutoramento em Direito Ramo de Direito Público Direito Constitucional Tema geral: A Justiça Constitucional e os seus Modelos Prof. Doutor Nuno Piçarra Prof. Doutor Raul Araújo A) Programa:

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

SIGILO FISCAL E DÍVIDA ATIVA - ASPECTOS RELEVANTES

SIGILO FISCAL E DÍVIDA ATIVA - ASPECTOS RELEVANTES SIGILO FISCAL E DÍVIDA ATIVA - ASPECTOS RELEVANTES Augusto Carlos Cavalcante Melo: Procurador do Estado de Sergipe. Ex-Auditor Técnico de Tributos. Especialista em Direito Processual Civil. Especialista

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

2º Debate sobre Mineração

2º Debate sobre Mineração 2º Debate sobre Mineração AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PROJETOS DE MINERAÇÃO E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Raimundo Moraes Ministério Público do Pará Belém, 30 de setembro

Leia mais

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012 FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO 1 PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA FONTE: Expressão vem do latim (fons, fontis, nascente). Significado: tudo aquilo que origina,

Leia mais

CONCESSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO: VALIDADE DE LEIS ESTADUAIS OU MUNICIPAIS QUE ESTIPULAM ISENÇÃO DE TARIFA

CONCESSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO: VALIDADE DE LEIS ESTADUAIS OU MUNICIPAIS QUE ESTIPULAM ISENÇÃO DE TARIFA Número 9 fevereiro/março/abril - 2007 Salvador Bahia Brasil - ISSN 1981-1861 - CONCESSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO: VALIDADE DE LEIS ESTADUAIS OU MUNICIPAIS QUE ESTIPULAM ISENÇÃO DE TARIFA Prof. Antônio Carlos

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

JOÃO MAURÍCIO ADEODATO Doutor em filosofia e teoria geral do direito pela USP. Pós-doutorado em filosofia do direito, na Alemanha.

JOÃO MAURÍCIO ADEODATO Doutor em filosofia e teoria geral do direito pela USP. Pós-doutorado em filosofia do direito, na Alemanha. JOÃO MAURÍCIO ADEODATO Doutor em filosofia e teoria geral do direito pela USP. Pós-doutorado em filosofia do direito, na Alemanha. ÉTICA e RETÓRICA Para Uma Teoria da Dogmática Jurídica Editora Saraiva

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

Direito Tributário Constitucional

Direito Tributário Constitucional Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Tributário Constitucional Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Repartição

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO 32 O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL Cristiano José Lemos Szymanowski 1 RESUMO A proposta deste trabalho estrutura-se na análise de dois temas que se conjugam, o Acesso à Justiça e a Efetividade

Leia mais

Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS.

Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. Pronunciamento CPC 30 Receitas: reconhecimento para fins fiscais e demais aspectos ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. Índice 1. Normas Contábeis e Normas de Tributação Dois Corpos Distintos de Linguagem e de

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: Direito Tributário I Código: DIR -569 Pré-requisito: ------ Período Letivo:

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais