APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL IDENTIFICAÇÃO NOME DA INSTITUIÇÃO ENDEREÇO OFERTA DE CURSOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO. 06 1 DA ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL. 07 1.1 IDENTIFICAÇÃO. 07 1.1.1 NOME DA INSTITUIÇÃO. 07 1.1.2 ENDEREÇO. 07 1.2 OFERTA DE CURSOS."

Transcrição

1 1

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL IDENTIFICAÇÃO NOME DA INSTITUIÇÃO ENDEREÇO OFERTA DE CURSOS EDUCAÇÃO INFANTIL ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO ORGANIZAÇÃO DOS CURSOS ORGANIZAÇÃO DE TURMAS EDUCAÇÃO INFANTIL ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS ENSINO MÉDIO REGIME ESCOLAR ORGANIZAÇÃO DO CALENDÁRIO ESCOLAR MODALIDADE FUNDAMENTAÇÃO LEGAL ATOS LEGAIS ATOS LEGAIS DO CURSO DE EDUCAÇÃO INFANTIL ATOS LEGAIS DO CURSO DE ENSINO FUNDAMENTAL ATOS LEGAIS DO CURSO DE ENSINO MÉDIO NOMES OFICIAIS ADOTADOS PELA INSTITUIÇÃO ESCOLAR DOS PRINCÍPIOS E VALORES CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO CONCEPÇÃO DE ESCOLA CONCEPÇÃO DE PESSOA CONCEPÇÃO DE SOCIEDADE CONCEPÇÃO DE CRIANÇA CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA CARACTERÍSTICAS DA 1ª INFÂNCIA: 0 A 03 ANOS CARACTERÍSTICAS DA 2ª INFÂNCIA: 04 A 07 ANOS CARACTERÍSTICAS 3ª INFÂNCIA: 07 ANOS ATÉ A PUBERDADE

3 2.7 CONCEPÇÃO DE ADOLESCÊNCIA CONCEPÇÃO DE JUVENTUDE CONCEPÇÃO DE EDUCADOR MISSÃO PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS PRINCÍPIOS PEDAGÓGICOS PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS CONCEPÇÃO DE ENSINO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO EDUCANDO FINALIDADES DA AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO COMO COMPROMISSO COLETIVO IMPORTÂNCIA DO REGISTRO CONSELHO DE CLASSE ALGUMAS ATITUDES A SEREM ADOTADAS APÓS O CONSELHO DE CLASSE INCLUSÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PRESSUPOSTOS TEÓRICOS AVALIAÇÃO INCLUSIVA CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA FUNDAMENTAÇÃO AÇÕES EDUCATIVAS DE COMBATE AO RACISMO E A DISCRIMINAÇÕES PROCESSO DE APRIMORAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA ARTICULAÇÃO DA INSTITUIÇÃO COM AS FAMÍLIAS ARTICULAÇÃO DA INSTITUIÇÃO COM A COMUNIDADE ASSOCIAÇÃO DE PAIS, MESTRES E FUNCIONÁRIOS AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AÇÕES EDUCATIVAS COMPLEMENTARES DESCRIÇÃO DA REALIDADE REALIDADE MUNDIAL REALIDADE NACIONAL REALIDADE LOCAL REALIDADE INSTITUCIONAL ESTRUTURA FÍSICA SALAS DE AULA E UTILIZAÇÃO POR TURNO

4 3.4.3 SALA DE APOIO BIBLIOTECA LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS SALÃO DE EVENTOS QUADRA DE ESPORTES BRINQUEDOTECA BERÇÁRIO HISTÓRICO FUNDADORES DA COMPANHIA DAS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO VINDA DAS FILHAS DA CARIDADE AO PARANÁ EDUCAÇÃO NA PROVÍNCIA DE CURITIBA A INSTITUIÇÃO DIAGNÓSTICO CARACTERIZAÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR CONDIÇÕES SOCIOCULTURAIS COMPOSIÇÃO DO QUADRO FUNCIONAL CONDIÇÕES AMBIENTAIS CONDIÇÕES FÍSICAS DA INSTITUIÇÃO ORGANIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR DIREÇÃO DIRETORA SETOR DE EVENTOS E MARKETING RECEPÇÃO E TELEFONIA SECRETARIA SERVIÇO SOCIAL SERVIÇOS GERAIS SERVIÇO DE MANUTENÇÃO BÁSICA GESTÃO FINANCEIRA E TESOURARIA RECURSOS HUMANOS TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INFORMÁTICA PEDAGÓGICA MECANOGRAFIA BIBLIOTECA ESCOLAR LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA SEGURANÇA DA COMUNIDADE ESCOLAR

5 PSICOPEDAGOGIA PSICOLOGIA EDUCACIONAL NUTRICIONISTA PASTORAL ESCOLAR SETOR ESPORTIVO E CULTURAL REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ANEXOS

6 APRESENTAÇÃO De acordo com a nova tendência incorporada na Lei 9394/96 a educação deve ser estruturada em quatro alicerces: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser. O Colégio Vicentino Santa Cruz, segundo sua proposta pedagógica, assume um papel importantíssimo, propaga conhecimento e fornece instrumentos para a compreensão do mundo, do outro e de si mesmo, além de desenvolver o sentido de valores relacionados à solidariedade, à responsabilidade e a aceitação das diferenças culturais. É nela que os educandos passam grande parte de suas vidas. E é também ela que fornecerá a prática educativa social planejada e organizada. O exercício da cidadania exige do trabalho escolar amplas oportunidades de acesso a todos os bens culturais, incluindo aí um ensino de qualidade. Esta Proposta Pedagógica estimula o trabalho em equipe, a criação de projetos que facilitem a convivência, a compreensão das competências e limitações de cada um no trabalho e desenvolvam a tolerância nos momentos de conflito. Espera-se, também, que o Colégio seja um local onde os estudantes possam desenvolver-se tanto em termos pessoais (o ser), quanto de capacidade (o fazer), coletividade e autoconfiança (conviver). A formação de cidadania no cotidiano das salas de aula exige que os educadores reconheçam e superem questões de ordem teórico-metodológicas e busquem saídas que atendam às necessidades sociais, políticas, econômicas e que considerem os interesses e motivações de todos os estudantes. A Proposta Pedagógica é um instrumento de trabalho que mostra o que faremos, quando, de que maneira, por quem para chegar aos resultados, explicitando nossa filosofia e harmonizando as diretrizes da educação nacional com a realidade do nosso Colégio, traduzindo sua autonomia e definindo seu compromisso com a clientela. Ao referir-se a essas dimensões política e pedagógica do Projeto, encontramos em MARQUES apud SILVA (2000): A Proposta Pedagógica deve ter um caráter dinâmico e não acontece porque assim desejam os administradores, mas porque nos preocupamos com o destino dos educandos, da escola e da sociedade e ansiamos por mudanças. VEIGA (2001) define a Proposta Pedagógica assim: Etimologicamente o termo projeto - projetare significa prever, antecipar, projetar o futuro, lançar-se para frente. Tecer a proposta Pedagógica exige acima de tudo a busca da identidade de uma instituição, sua intencionalidade e seus compromissos, a busca de uma linguagem comum, vontade de mudar. GADOTTI, DEMO (1998), comenta que a Proposta Pedagógica é como um farol de mudanças, pois define pontos importantes para a educação básica como A instrumentalização pública mais efetiva da cidadania e da mudança qualitativa na sociedade e na economia. O que quer que narres fazes de tal forma que aquele que ouve, ouvindo creia e, crendo, espere e, esperando ame (Santo Agostinho). Irmã Maria Geralda Coelho Diretora 6

7 1 DA ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL 1.1 IDENTIFICAÇÃO NOME DA INSTITUIÇÃO COLÉGIO VICENTINO SANTA CRUZ - EDUCACAO INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO ENDEREÇO Avenida Capitão Índio Bandeira, 1060 Centro. Cidade: Campo Mourão. Estado: Paraná. Telefone: ( 44 ) Fax.: ( 44 ) institucional: 1.2 OFERTA DE CURSOS EDUCAÇÃO INFANTIL 00 a 03 anos Creche 04 e 05 anos Pré-Escola ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º Ano anos iniciais 6º ao 9º Ano anos finais ENSINO MÉDIO 1ª a 3ª Série 1.3 ORGANIZAÇÃO DOS CURSOS Os cursos de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio estão organizados em anos/séries anuais e cada ano dividido em 04 bimestres. 1.4 ORGANIZAÇÃO DE TURMAS Número de turmas, relação professor/+criança. 7

8 1.4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL Berçário: crianças de 00 a 11 meses 08 a 10 crianças com 02 educadores por turma. Nível1: crianças de 01 ano de idade 08 a 10 crianças com 02 educadores por turma. Nível2: crianças de 02 anos de idade 08 a 10 crianças com 02 educadores por turma. Nível3: crianças de 03 anos de idade 12 a 18 crianças com 02 educadores por turma. Nível4: crianças de 04 anos de idade 20 a 25 crianças com 02 educadores por turma. Nível5: crianças de 05 anos de idade 20 a 25 crianças com 02 educadores por turma ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS 1º Ano: crianças de 06 anos de idade - até 25 crianças por educador. 2º Ano: crianças de 07 anos de idade - até 25 crianças por educador. 3º Ano: crianças de 08 anos de idade - até 25 crianças por educador. 4º Ano: crianças de 09 anos de idade - até 28 crianças por educador. 5º Ano: crianças de 10 anos de idade - até 28 crianças por educador ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS 6º Ano: adolescentes de 11 anos de idade - até 30 educandos por turma. 7º Ano: adolescentes de 12 anos de idade - até 30 educandos por turma. 8º Ano: adolescentes de 13 anos de idade - até 35 educandos por turma. 9º Ano: adolescentes de 14 anos de idade - até 35 educandos por turma ENSINO MÉDIO 1ª Série: adolescentes de 15 anos de idade - até 40 educandos por turma. 2ª Série: adolescentes de 16 anos de idade - até 40 educandos por turma. 3ª Série: adolescentes de 17 anos de idade - até 40 educandos por turma. 1.5 REGIME ESCOLAR O regime de funcionamento é de meio período, ou seja, um mínimo de 04h30min ao dia nos seguintes turnos: Matutino e Vespertino. Para crianças da Educação Infantil oferece-se o período integral com horário de amamentação e presença dos pais no horário do almoço. MATUTINO Educação Infantil das 07h30min às 11h45min. Ensino Fundamental anos iniciais das 07h15min às 11h45min. Ensino Fundamental anos finais das 07h15min às 11h45min. 6º e 7º ano das 07h15min às 12h35min (01 dia). 8

9 8º e 9º ano das 07h15min às 12h35min (02 dias). Ensino Médio das 07h15min às 12h35min. VESPERTINO Educação Infantil das 13h15min às 17h45min. Ensino Fundamental anos iniciais das 13h15min às 17h45min. Ensino Fundamental anos finais das 13h15min às 17h45min. 6º e 7º ano das 13h15min às 18h35min (01 dia). 8º e 9º ano das 13h15min às 18h35min (02 dias). Ensino Médio Complemento da carga horária das 14 horas às 17h35min. PERÍODO INTEGRAL Educação Infantil das 07h00min às 17h45min. 1.6 ORGANIZAÇÃO DO CALENDÁRIO ESCOLAR A organização do Calendário Escolar de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases garante um mínimo de 800 horas de efetivo trabalho escolar distribuído em no mínimo 200 dias letivos conforme Calendário Escolar. 1.7 MODALIDADE De iniciativa Privada Filantrópica. 1.8 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL A Constituição Federal de 1988, diz: Artigo 205: A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Artigo 209: O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as condições : Inciso I: cumprimento das normas gerais da educação nacional. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n.º 9394/96, reforça o princípio do direito à educação e dever do Estado, ao afirmar no art. 5.º que: O acesso ao ensino fundamental é um direito público subjetivo, podendo qualquer cidadão, grupo de cidadãos, associação comunitária, organização comunitária, organização sindical, entidade de classe ou outra legalmente constituída, e, ainda, o Ministério Público, acionar o poder público para exigilo. Historicamente, a idade mínima para ingresso na educação brasileira foi de sete anos de idade, confirmada em todo ordenamento legal da educação até a promulgação da Lei Federal n.º 9394, de 20 de dezembro de 1996, estabelecendo as Diretrizes e Bases para Educação Nacional que em seu art. º 87, 3º, inciso I: 9

10 Obriga os Municípios, os Estados e a União a matricularem todos os educandos a partir dos sete anos de idade e, facultativamente, a partir dos seis anos no ensino fundamental. Essa abertura permitiu que os sistemas de ensino, inclusive o do Estado do Paraná, autorizassem a matrícula, mediante a existência de vagas, de crianças que completassem seis anos no início do ano letivo. Com a Lei Federal n.º , de 16 de maio de 2005, a matrícula das crianças de 06 (seis) anos torna-se obrigatória, alterando os art. 6.º, 30, 32 e 87 da Lei Federal n.º 9394, de 20 de dezembro de A Lei Federal n.º , de 06 de fevereiro de 2006, alterando os art. 29, 30, 32 e 87 da Lei n.º 9394/96, dispõe sobre a duração mínima de 09 (nove) anos para o ensino fundamental e reafirma a matrícula obrigatória a partir dos 06 (seis) anos de idade para todo ensino brasileiro. Esta mesma Lei fixa o ano de 2010 como prazo final para implantação do ensino fundamental ampliado. A Resolução n.º 03, aprovada em 03 de agosto de 2005, tendo por base o Parecer n.º 06/05, de 08 de junho de 2005, do Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica, define as normas nacionais para a ampliação do ensino fundamental para 09 (nove) anos de duração, com a antecipação da obrigatoriedade de matrícula no ensino fundamental aos seis anos de idade devendo sua organização adotar a seguinte nomenclatura: Etapa de Ensino Faixa etária Duração Ensino Fundamental Até 14 anos de idade 09 anos Anos iniciais De 6 a 10 anos de idade 05 anos (1º ao 5º ano) Anos finais De 11 a 14 anos de idade 04 anos (6º ao 9º ano) Observando-se a Instrução Nº 008/2011 SUED/SEED determinando que as Instituições do Sistema Estadual de Ensino com oferta do Ensino Fundamental anos finais, devem a partir de 2012, implantar o 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental, optou-se pela implantação de forma simultânea a oferta do 6º ao 9º ano. A correspondência das séries finais de 08 anos de duração para os anos finais do Ensino Fundamental de 09 anos de duração será conforme tabela abaixo: EF 08 anos de duração Séries finais EF 09 anos de duração Anos finais 5ª série 6º ano 6ª série 7º ano 7ª série 8º ano 8ª série 9º ano 10

11 1.9 ATOS LEGAIS Nome da Instituição: Colégio Vicentino Santa Cruz - Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Endereço completo: Avenida Capitão Índio Bandeira, 1060 Centro. Data da fundação: 14 / 02 / Documento Nº. Doc. Data DOE Histórico / Descrição Registro SEC Resolução 5.624/74 23/12/74 Resolução 920/77 31/05/77 Resolução /04/1981 Resolução 784/82 25/03/82 Resolução /04/1983 Resolução /07/1991 Resolução 362/93 18/02/93 Resolução 3459/99 30/09/1999 Licença para Funcionamento do Instituto Santa Cruz. Reconhecimento do Estabelecimento de Ensino. Homologa o Parecer nº 031/77 que aprova o Regimento Escolar. Homologa o Parecer do CEE que aprova a alteração do Regimento Escolar. Reconhecimento da Escola Santa Cruz Ensino de 1º Grau. Homologa o Parecer do CEE que aprova o Regimento Escolar. Homologa o Parecer do CEE que aprova a alteração do Regimento Escolar. Homologa o Parecer do CEE que aprova o Regimento Escolar. Alteração da denominação decorrente do acréscimo da expressão Vicentino para Colégio Vicentino Santa Cruz Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio ATOS LEGAIS DO CURSO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Documento Nº. Doc. Data DOE Histórico / Descrição Decreto /07/1977 Resolução 3185/83 03/10/1983 Resolução 1006/85 19/03/1985 Autorização, em caráter excepcional e pelo prazo de dois anos, o funcionamento de classes pré-escolares Jardim de Infância, anexo ao Instituto Santa Cruz. Autorização de Funcionamento pelo prazo de dois anos do Ensino Pré-Escolar Jardim de Infância. Prorrogação, por cinco, anos da autorização de funcionamento do Ensino Pré-Escolar Jardim de Infância. 11

12 Resolução 1566/90 19/06/1990 Resolução 2153/91 12/07/1991 Resolução 1385/95 12/04/1995 Resolução 2629/98 26/08/1998 Resolução 309/02 26/03/2002 Resolução 1203/04 13/04/2004 Resolução 2570/07 25/07/2007 Prorrogação, por cinco anos, da autorização de funcionamento do Ensino Pré-Escolar. Homologação do Parecer nº 200/91 que aprovou a alteração do Regimento Escolar e adequação do Plano Curricular para o Ensino Pré-Escolar. Prorrogação, por três anos, da autorização de funcionamento do Ensino Pré-Escolar. Adequação da denominação do Colégio Santa Cruz Ensino Pré-Escolar e de 1º e 2º Graus para Colégio Santa Cruz Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio e prorrogação, por mais três anos, da Educação infantil. Prorrogação, por mais três anos, autorização para funcionamento da Educação Infantil. Prorrogação, por mais três anos, autorização para funcionamento da Educação Infantil. Renovação do prazo da autorização para funcionamento da Educação Infantil ATOS LEGAIS DO CURSO DE ENSINO FUNDAMENTAL Documento Nº. Doc. Data DOE Histórico / Descrição Resolução 1639/77 06/09/1977 Decreto /04/1978 Resolução 784/82 25/03/1982 Resolução 3389/02 16/09/2002 Resolução 3376/07 13/09/2007 Homologação do Parecer nº 074/77, do Departamento de Ensino de 1º Grau, que aprovou o Plano de Implantação do Ensino de 1º Grau. Autorização para funcionar nos termos da legislação vigente, a Escola Santa Cruz Ensino de 1º Grau. Reconhecimento do Curso de 1º Grau Regular. Renovação do reconhecimento do Ensino Fundamental (1ª a 8ª séries). Renovação do reconhecimento do Ensino Fundamental. 12

13 Resolução 1834/ /2008 Autorização de funcionamento do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano) ATOS LEGAIS DO CURSO DE ENSINO MÉDIO Documento Nº Doc. Data DOE Histórico / Descrição Parecer 801/1994 Parecer 871/1994 Resolução 6541/94 11/01/1995 Resolução 4.009/97 23/12/1997 Resolução 2744/02 08/08/2002 Resolução 2551/07 16/07/2007 Aprovação do Plano de Preparação para o Trabalho. Aprovação do Projeto de Implantação do Ensino de 2º Grau Regular, com o Curso de 2º Grau Educação Geral Preparação Universal. Autorização do funcionamento do Ensino Regular, com o Curso de 2º Grau Educação Geral Preparação Universal e em decorrência a escola passa a denominar-se Colégio Santa Cruz Ensino Pré - Escolar e de 1º e 2º Graus. Reconhecimento do Curso de 2º Grau Educação Geral. Renovação do Reconhecimento do Ensino Médio por mais cinco anos. Renovação do reconhecimento do Ensino Médio por mais cinco anos NOMES OFICIAIS ADOTADOS PELA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Instituto Santa Cruz de 1950 a Escola Santa Cruz Ensino de 1º Grau - de 1978 a Escola Santa Cruz Ensino Pré-Escolar e de 1º Grau de 1983 a Colégio Santa Cruz Ensino Pré-Escolar e de 1º e 2º Graus de 1995 a Colégio Santa Cruz Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Colégio Vicentino Santa Cruz Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio a partir de

14 2 DOS PRINCÍPIOS E VALORES 2.1 CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO Educação é tudo aquilo que dialeticamente favorece o sujeito, na realização de si e do seu desenvolvimento (educere) e diz respeito à intervenção, (educare) do ato educativo. É possível vislumbrar a interdependência entre o que pode ser chamado de objeto coerente estrutural do educar-educação, resultante de um complexo conjunto de perspectivas entre o educere (educação como desenvolvimento) e o educare (a intervenção). Considerando a contribuição das ciências humanas pode-se esclarecer o que é desenvolvimento, e da didática para compreender o que vem a ser intervenção. Destaca-se dos dois mananciais, a compreensão da ação educativa: Das Ciências: Filosofia, Psicologia, Sociologia, o desenvolvimento, preservando seu campo de estudos, já que não se referem exclusivamente à educação. Da Didática: as Metodologias, voltadas para a organização e intervenção na prática docente. Estas evidenciam a pluralidade da natureza fenomenológica da educação. Suas ideias convergem para a compreensão do homem num contexto educativo. Neste sentido, não há possibilidade de gerar conhecimento neutro, nem conhecimento que não interfira em nossa existência. O processo educativo envolve um trabalho com uma grande diversidade de atividades, metodologias e estratégias que favorecem o conhecimento, a trajetória individual do educando, os valores herdados dos ancestrais, ressaltando, respeitando e valorizando todas as etnias que compõem a comunidade local. A educação é vista como instrumento de busca que propicia o acesso ao saber historicamente acumulado pela humanidade, porém, reavaliando a realidade social na qual o educando está inserido. Nela, a construção do conhecimento é imprescindível, e é uma atividade inseparável da prática social, onde as informações são reelaboradas e surgem em forma de ação sobre o mundo social. Em educação o imperativo é exporse e provocar mudanças apontando novos caminhos, criar obras primas e recriar o que já existe. (Paulo Freire) 2.2 CONCEPÇÃO DE ESCOLA Escola é um espaço privilegiado de aprendizagem, de descoberta, de dialogicidade, onde ocorre a construção do conhecimento e das relações. É um ambiente de superação de desafios pedagógicos e relacionais que, dinamiza e significa a aprendizagem, que passa a ser compreendida como construção de conhecimentos e desenvolvimento de competências em vista da formação cidadã. É papel da escola, formar cidadãos lúcidos e capazes de reconstruir a vida aprendendo a ocupar, a preservar e transformar o seu meio. Questionar a realidade das relações do ser humano com a natureza e com seus semelhantes, tendo como prioridade as necessidades sociais, psicológicas e culturais do educando. O conhecimento construído pela humanidade é sistematizado e transformado num trabalho coletivo, orientado pelo educador que estimulará o educando de maneira a 14

15 desenvolver a sua autonomia, e se tornar gerenciador do seu meio, construtor da sua história e do seu processo de aprendizagem. A escola é espaço: de promoção e valorização do ser humano, como diretriz fundamental para a consecução dos objetivos institucionais e da melhoria das condições ambientais de estudo e de trabalho; de definição de políticas de qualificação, aperfeiçoamento, atualização contínua e otimização de condições de trabalho adequado aos profissionais da instituição. Por meio das atividades escolares o educando transcende, torna-se criador, vive feliz e faz outros felizes, participando, produzindo, reproduzindo, transformando, criando e exercitando atos de cidadania. 2.3 CONCEPÇÃO DE PESSOA A educação vicentina compreende a pessoa como um ser de valor inquestionável e em constante interação consigo, com o outro, com o meio e o transcendente. Na vivência relacional consigo, com a natureza e com o transcendente estabelece os parâmetros da dignidade humana a partir dos quais se torna construtora de sua própria história e colabora na construção da humanidade. Situada em uma sociedade em constante mutação, com direito de expressar suas opiniões, seus sentimentos, desmistificar os padrões estabelecidos, assimilar e transformar conceitos, superar preconceitos, valorizando a si própria e aos outros. Capaz de socializar e humanizar o conhecimento historicamente construído em prol do bem comum, consciente de si e da realidade que a circunda, solidária, fraterna, justa e apta para amar e ser amada e de agir e interagir, tendo como fundamento os princípios evangélicos e o Carisma Vicentino, que é a vivência do amor afetivo e efetivo, especialmente para com os mais fragilizados. 2.4 CONCEPÇÃO DE SOCIEDADE A sociedade desejada é aquela em que todos exercem sua cidadania a partir da realidade social, informada e esclarecida que possibilite maiores oportunidades, na qual os cidadãos tenham seus direitos garantidos. Cabe à educação reforçar os valores para a construção de uma sociedade democrática, construindo princípios éticos voltados para a fraternidade e a justiça, legitimando a ligação entre a escola e a comunidade como forma de respeito e valorização da diversidade. A Educação Vicentina, orientada por princípios éticos e cristãos, procura: colaborar para a construção de uma sociedade em que todos possam viver em fraternidade, valorizando e fortalecendo os laços familiares e direito à vida, assegurado em todos os seus estágios e dimensões; olhar o futuro com esperança, partilhando as riquezas da natureza e legando-as às gerações futuras, defendendo as ideias democráticas, solidárias e fraternas. 15

16 2.5 CONCEPÇÃO DE CRIANÇA A criança é um sujeito histórico, co-construtor de conhecimento e de identidade, em sua interação com os adultos, com as pessoas que lhe são próximas, com o meio que a circunda e com as demais crianças. Por isso, está repleta de potencialidades e competências, ativa e ansiosa para se engajar no mundo. Possui uma natureza singular que a caracteriza como um ser que sente e pensa o mundo de um jeito muito próprio. Revela as relações contraditórias que presencia e, por meio das brincadeiras, expressa as condições de vida a que está submetida bem como seus anseios e desejos. No processo de construção do conhecimento, utiliza-se das diferentes linguagens e exerce a capacidade de expressar suas ideias e hipóteses originais sobre aquilo que busca desvendar. Este conhecimento é fruto de um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação. Enquanto ser simbólico vivencia o mundo mágico do faz de conta e, brincando, internaliza e expressa práticas culturais que observou no mundo real que a cerca. A imitação do outro é a forma através da qual ela aprende, ao conhecer e se apropriar inicialmente do próprio corpo e, mais tarde, do mundo das ideias. Como indivíduo psicológico, tem necessidade de tornar-se cada vez mais independente, segura, capaz de tomar iniciativas pertinentes à sua idade e construir, gradativamente, a sua autonomia. Enquanto sujeito cognitivo toma contato, de forma organizada e prazerosa, com a cultura da qual faz parte, tanto como produtora, quanto como usuária, apropriando-se do patrimônio acumulado pela humanidade. Como criatura pensante, curiosa, espontânea, questionadora, com desejos e sonhos, aprende a expor seu pensamento, a escutar, a confrontar-se com o outro, a lidar com o que não sabe ou o que sabe de um jeito diferente, atribuindo sentido ao conhecimento que constrói baseado na emoção que media essa relação. Como ser físico movimenta-se constantemente, age e interage, com tudo e com todos que a cercam, explorando percepções sensoriais e nutrindo seu imaginário, apropriando-se das práticas culturais do contexto onde está inserida. Como indivíduo afetivo, tem necessidades físicas e emocionais de fortalecimento da autoestima, de vínculos afetivos, de toques corporais, agrados como: "colo", abraços, carícias e muita atenção para que se sinta "especial" e possa desenvolver sua personalidade e suas potencialidades. Enquanto sujeito social tem no seu núcleo familiar, biológico ou não, um ponto de referência fundamental, que lhe dá estrutura para as múltiplas interações que estabelece em outros contextos sociais. Ao interagir com seus pares da mesma idade, e com os diferentes, como professores, funcionários, constrói subsídios para atuar em situações coletivas, diferentemente dos papéis que exerce em seu núcleo familiar. 2.6 CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA A infância é um período da vida, extremamente dinâmico e rico, que vai do nascimento até a puberdade (aproximadamente 10 anos). Nessa fase o ser humano vê, pensa e sente o mundo de um modo próprio. O crescimento se faz, concomitantemente, em todos os domínios; segundo as características fisiológicas, socioafetivas e cognitivas e se divide em três estágios: 16

17 1ª infância 00 a 03 anos; 2ª infância 03 a 06 anos; 3ª infância 07 anos até a puberdade CARACTERÍSTICAS DA 1ª INFÂNCIA: 00 A 03 ANOS As características da 1ª infância (00 a 03 anos) constituem-se em três períodos distintos: 1º período (de 00 a 01 ano): nos primeiros seis meses o bebê apresenta dependência absoluta, passiva; no 2º semestre já revela o primeiro sinal de agressividade a mordida. Nesta fase a criança precisa de cuidado total, tanto físico quanto emocional. A pessoa que lida com a criança deve ser segura de si, afetuosa, tranquila, decidida, com a voz calma e sem gestos violentos. O afeto deverá estar presente em todos os momentos de atenção. Os estímulos auditivos chegam através de cantigas, conversas e brinquedos que produzam sons. 2º período (01 a 02 anos): o bebê se apresenta vacilante e ambivalente, passa do amor ao ódio, beija e morde. É obstinado, agarrador, desordenado. É muito dependente sem querer sê-lo. É a época do treinamento dos hábitos higiênicos, controle da micção, da evacuação e disciplina alimentar. A experimentação é a atividade primeira dos bebês nesta idade, que estão sempre provando, mexendo, lambuzando-se. É a oportunidade dos adultos que o cercam de expressar amor, carinho e intermediar soluções para as suas necessidades que são muito frequentes. É o término do período denominado por Piaget como sensório-motor, que se estende do nascimento até a aquisição da linguagem. A atividade intelectual é de natureza sensorial e motora. A criança percebe o ambiente e age sobre ele, por isso é essencial a estimulação desde os primeiros dias de vida. É a fase do desenvolvimento da consciência do próprio corpo, diferenciado do restante do mundo físico, bem como do desenvolvimento da inteligência. 3º período (02 a 03 anos): a característica principal é que toma conhecimento da diferença do sexo. Está em uma fase de equilíbrio, contente consigo mesmo e com o mundo (lar e escola). O vocabulário está crescendo muito e adora palavras novas. Orgulha-se do seu maior controle muscular, apresenta um melhor desenvolvimento motor. Já consegue brincar coletivamente, porém depois de algum tempo de brincadeira conjunta começa a briga, com mordidas, socos e pontapés. Muito sensíveis aos impulsos do momento, a criança de três anos necessita de: experiências motoras, experiências sensoriais, experiências sociais. A serenidade é característica indispensável para quem lida com crianças dessa idade CARACTERÍSTICAS DA 2ª INFÂNCIA: 04 A 07 ANOS 04 anos: a criança apresenta integração do automatismo corporal. É vigorosa nas brincadeiras, tem movimentos graciosos e sua rítmica corporal está repleta de novas conquistas e habilidades: anda com firmeza, corre mais depressa e sobe em lugares altos e difíceis. 17

18 Encaixar e construir são atividades que executa com propósitos em vista. Seu vocabulário é rico (mais de palavras) e pode se concentrar por períodos de quase trinta minutos, às vezes até em atividades criadas por ela mesma. Faz perguntas e se interessa por praticamente tudo. Demonstra curiosidade pelos órgãos genitais, pelo nascimento dos bebês e pelas diferenças sexuais. A figura humana está presente nos desenhos e retrata coisas que já viu. Recorta papel e segura pincel (seu movimento de pinça está amadurecendo) e a atividade de colagem é apreciada. É a época em que fala muito sozinha e sua imaginação é muito fértil. Reconhece cores e tonalidades, tamanhos e formas geométricas. Necessita muito do concreto. Suas emoções são extremas, ou gosta muito ou detesta muito. Tem mais noção dos limites (meu, teu, nosso, certo/errado). Gosta muito de ser elogiada e se autoelogia. Onde e quando ainda não são claramente discriminados; certo e errado, com firmeza amiga por parte do adulto, já são identificados. Emprega com exatidão o vocabulário relativo a espaço, no sentido de direção e/ou de posições. 05 anos: a criança de cinco anos apresenta um evidente progresso em seu crescimento, é mais alta e com proporções diferenciadas. As pernas são longas e tem fisionomia de menina ou de menino, não de bebê. Quer ser reconhecida, necessitando de apoio e responsabilidade delegados por quem lida com ela. Os traços que caracterizam a sua personalidade podem ser reconhecidos. Planeja atividades, a ideia precede a ação, o que significa pensar antes de agir. Continua apresentando ansiedade em relação a coisas cuja explicação desconhece, mas aceita regras e limites. Com um vocabulário muito rico, vence maiores dificuldades de pronúncia e faz muitas e interessantes perguntas. Quando vai a certos lugares, como o supermercado lê algumas palavras já conhecidas, em objetos e embalagens do seu dia a dia. A motricidade fina está mais hábil, domina as atividades gráfico/plásticas, dentro de limites. Escreve seu primeiro nome. Vive grande parte do tempo no mundo da imaginação. Gosta de histórias de fadas e é muito curiosa. A criança de cinco anos precisa de muito apoio, responsabilidade, brincadeiras coletivas, oportunidade para concentração e boa orientação. 06 anos: O crescimento físico é acentuado e difere-se do de outras idades pela perda dos dentes de leite. Veste-se e despe-se sozinha. Precisa de espaço e descanso, pois se cansa sem o saber. Canta muito, dramatiza, faz comparações e tem senso de humor apurado. Gosta de repetir palavras novas. Aprecia fazer experiências, faz muitas perguntas, gosta de planejar passeios, querendo fazer tudo a sua moda. O adulto deve encorajá-la a ouvir e saber falar na hora apropriada, sempre estimulando a expressão livre. O interesse pelas horas já se faz notar e tenta identificar e aprender semana, mês e ano. O interesse por ciências é acentuado, sempre querendo respostas. Sua concentração já pode ultrapassar 30 minutos. Sente necessidade da matemática e seu desenvolvimento favorece um interesse natural e crescente pela leitura e curiosidade pela escrita das palavras. 18

19 Tem necessidade de ser aceita e aprovada pelo grupo. Quer ganhar sempre, ser a primeira, a mais elogiada ou a mais querida. Administra bem conflitos, planeja atividades em grupo e está aprendendo que existem horas apropriadas para tudo. Pode mostrar comportamentos antagônicos em casa e na escola e quando contrariada pode reagir com linguagem agressiva. O adulto que a acompanha deve ser hábil e resolver com facilidade os problemas emocionais surgidos nesta época CARACTERÍSTICAS DA 3ª INFÂNCIA: 07 ANOS ATÉ A PUBERDADE O crescimento físico continua num ritmo lento, sem grandes acelerações até a puberdade, que geralmente se inicia no final deste período. A criança entra em um período de equilíbrio; é a época da calma e da concentração. É uma época de assimilação, gosta de ouvir, observa tudo. Apresenta-se muitas vezes introvertida. Não é muito agressiva, porém resmunga e se queixa antes de enfrentar uma obrigação. Tem falta de confiança em si e, às vezes, não quer nem tentar, desculpando-se com não sei ou não quero fazer. É conversadora. Firma seu sentido de independência, porém ainda não aceita perder. As capacidades motoras globais continuam a se aprimorar, consegue andar de bicicleta, jogar bola e fazer outras atividades que requerem considerável coordenação. Tem condições de realizar atividades visuais e auditivas ao nível dos adultos e torna-se capaz de focalizar sua atenção. Este é o período que Piaget denominou de estágio das operações concretas. Estas atividades podem ser feitas tanto mental quanto concretamente. Ela também atinge a noção de conservação e reversibilidade, tornando-se capaz de raciocinar indutivamente, cada vez mais lógica. Este é o período que Freud denominou de latência porque o interesse sexual parece estar submerso. Os companheiros tornam-se muito importantes, mas quase todos os grupos são de crianças do mesmo sexo. A ligação afetiva com os pais é menos visível, mas, presumivelmente, ainda existe. Desenvolvem ligações afetivas com amigos especiais. Em muitos aspectos, este é um período calmo, como Freud previu. Mas não é um período vazio. Muitas coisas acontecem, mas talvez as mudanças sejam mais sutis do que as observadas nas fases anteriores, ou na adolescência. 2.7 CONCEPÇÃO DE ADOLESCÊNCIA De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a adolescência compreende a faixa etária entre 10 e 20 anos; o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), entretanto, restringe essa fase para a idade entre 12 e 18 anos. A adolescência é um momento de autoafirmação, em que a construção da identidade se faz necessária entre os iguais. Dessa forma, a busca por uma identidade faz com que o adolescente rompa com os vínculos do mundo adulto inclusive com seus pais, e busque uma aceitação social que costuma provocar mudanças de comportamento evidenciadas nas gírias, nos bonés, nas roupas, nas músicas, e em outras características que costumam chocar o adulto. Nesse estágio, desportistas e artistas (entre outros) servem como modelos de comportamento. 19

20 Jean Piaget observou no comportamento adolescente um grande incremento nas habilidades cognitivas, o que pode levar a conflitos, posto que o indivíduo tem acrescidas, ainda, à razão, a necessidade de competição e a habilidade de teorizar em termos adultos - pensamento formal e pensamento abstrato. O grande avanço cognitivo que ocorre nessa fase é o aparecimento do pensamento abstrato. A dualidade entre o amadurecimento do corpo e amadurecimento psicológico, frequentemente causa certa susceptibilidade à instabilidade emocional que pode levar ao consumo de drogas ou álcool, problemas mentais como esquizofrenia ou distúrbios alimentares (como anorexia e bulimia), e a problemas sociais como gravidez na adolescência. A adolescência também sofre influências do meio social em que se encontra, e de certa forma são determinantes para suas escolhas. Essas escolhas, dependendo da ausência de limites, da base familiar e religiosa, do meio social em que vive, podem determinar até mesmo o envolvimento com atos infracionais ou o início da utilização de substâncias psicoativas, o que acontece muitas vezes apenas para provar a superioridade em relação aos iguais, e em outras, para ter o que a sociedade capitalista tem para oferecer. A psicologia entende que o adolescente necessita vencer três lutos: o luto pela perda do corpo infantil tendo que se adaptar a um novo corpo, com a maneira de lidar com ele, inclusive com a forma como as pessoas o observam; o luto pela perda dos pais da infância, que antes possuíam uma maneira especial de lidar e cuidar; agora já repreendem, exigem adaptação à condição de alguém que não é mais criança, atitude esta que o leva a lidar com a morte do mito das figuras paterna e materna que deixam de ser herói/heroína para revelarem seus limites e fragilidades; por fim, o luto pela perda da identidade infantil, pois tem que enfrentar as suas próprias crises, dar rumo aos seus atos e à sua história (ABERASTURY, 1981, p.71). A partir destas perspectivas, a adolescência poderá ser entendida como construção histórica, que tem seu significado determinado pela cultura e pela linguagem que media as relações sociais, sendo estas o referencial para a criação dos sujeitos que passam neste momento por várias transformações no corpo e na mente. Neste sentido a compreensão da totalidade constitutiva da adolescência passa não só pelos parâmetros biológicos, como idade ou desenvolvimento cognitivo, mas necessariamente pelo conhecimento das condições sociais que constroem uma determinada adolescência. 2.8 CONCEPÇÃO DE JUVENTUDE Juventude é a fase da vida em que a pessoa é portadora de força renovadora que a motiva a construir novidades e enfrentar desafios. Corresponde ao grupo etário responsável por influenciar, de forma mais veemente, a construção da história e precisa de oportunidade para ocupar um espaço na sociedade com condições para fazer suas conquistas e atuar de acordo com os limites de liberdade estabelecidos em lei. É um período de vida do ser humano que vai dos 15 aos 29 anos de idade aproximadamente. Fase em que repousa a necessidade de autorrealização centrada em uma realidade e motivada pelos sonhos e esperanças juvenis. 20

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Escola Municipal Padre Jaime Antunes de Souza Educação Infantil Ensino Fundamental - 1º ao 5º ano

Escola Municipal Padre Jaime Antunes de Souza Educação Infantil Ensino Fundamental - 1º ao 5º ano Escola Municipal Padre Jaime Antunes de Souza Educação Infantil Ensino Fundamental - 1º ao 5º ano Escola M. Padre Jaime A. de Souza Educação: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO com COMPROMISSO E investimento Email:

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO Vera Lucia de Souza 1 ; Monique de Campos Ribeiro 2 ; Maria Rosa Leite da Silva 3; Kátia Nakamura 4; Maria de Lourdes dos Santos 5 1Bolsista/PIBID/PEDAGOGIA/UFGD.

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Rua Prof. Paulo Francisco de Assis 82 Centro Fone e Fax (15) 3554-1290 E-mail educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP I As ações

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais