ISO 31000:2009 A GESTÃO DO RISCO E AS NORMAS ISO. ONS/APQ Organismo de Normalização Setorial / Associação Portuguesa para a Qualidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISO 31000:2009 A GESTÃO DO RISCO E AS NORMAS ISO. ONS/APQ Organismo de Normalização Setorial / Associação Portuguesa para a Qualidade"

Transcrição

1 PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM SAÚDE A GESTÃO DO RISCO E AS NORMAS ISO ISO 31000:2009 CT180 GESTÃO DO RISCO ONS/APQ Organismo de Normalização Setorial / Associação Portuguesa para a Qualidade SOCIEDADE PORTUGUESA PARA A QUALIDADE NA SAÚDE(SPQS) Carlos Esteves Julho 2015

2 SUMÁRIO Gestão do Risco Enquadramento Referenciais ISO Estrutura de Normalização Análise das Normas ISO (31000/ / / Guia 73) Conceitos Processo Técnicas e Ferramentas

3 GESTÃO DO RISCO O RISCO ESTÁ PRESENTE EM TUDO AQUILO QUE FAZEMOS

4 GESTÃO DO RISCO O RISCO ESTÁ PRESENTE EM TUDO AQUILO QUE FAZEMOS

5 GESTÃO DO RISCO O RISCO ESTÁ PRESENTE EM TUDO AQUILO QUE FAZEMOS

6 GESTÃO DO RISCO O RISCO ESTÁ PRESENTE EM TUDO AQUILO QUE FAZEMOS

7 GESTÃO DO RISCO O RISCO ESTÁ PRESENTE EM TUDO AQUILO QUE FAZEMOS

8 GESTÃO DO RISCO O RISCO ESTÁ PRESENTE EM TUDO AQUILO QUE FAZEMOS NA SAÚDE TAMBÉM

9 GESTÃO DO RISCO O RISCO ESTÁ PRESENTE EM TUDO AQUILO QUE FAZEMOS NA SAÚDE TAMBÉM

10 GESTÃO DO RISCO NA SAÚDE

11 NATIONAL PERSPECTIVE

12 The Healthcare Analogy Self diagnosis Routine physical Emergency room/triage

13 QUAIS OS RISCOS MAIS PREOCUPANTES? APQ; KPMG: GESTÃO DO RISCO EM PORTUGAL, DESAFIOS PARA AS EMPRESAS (2013)

14 QUAIS OS FATORES-CHAVE PARA O SUCESSO? APQ; KPMG: GESTÃO DO RISCO EM PORTUGAL, DESAFIOS PARA AS EMPRESAS (2013)

15 CT 180: Membros da Comissão Técnica Entidade Entrada na CT ABREU ADVOGADOS 2009 ACT 2011 AJ CONSULTORES 2009 ANPC Autoridade Nacional de Protecção Civil 2009 APCER Associação Portuguesa de Certificação 2009 APOGERIS Associação Portuguesa de Gestão de Riscos e Seguros / FERMA CAP Confederação Portuguesa dos Agricultores de Portugal CATIM Centro de Apoio Tecnológico à Indústria Metalomecânica EDP 2009 ISQ Instituto de Soldadura e Qualidade 2009 JERÓNIMO MARTINS 2010 LNEC 2010 LT CONSULTORES 2009 PRICEWATERHOUSECOOPERS 2009 REFER 2010 SECIL 2009 SOMAGUE 2009 SONAE 2009 SOPSAR 2009 SPQS 2011 Outras Representações CT 42 Segurança e Saúde do Trabalhador 2009 CT 80 Gestão da Qualidade e Garantia da Qualidade 2010 Perito Eng.º João Boléo Tomé 2009 Perito Eng.º Joaquim de Carvalho Vieira 2010

16 ESTRUTURA DE NORMALIZAÇÃO ISO (+ EN ou não) TC (Technical Committees) IPQ APQ (Organismo de Normalização Setorial) CT (Comissões Técnicas)

17 NORMAS ISO E NP (ISO/TC 262 CT 180) NORMAS ASSOCIADAS CT (COMISSÃO TÉCNICA) 180 ISO 31000:2009 Risk Management. Principles & Guidelines NP ISO 31000:2013 Gestão do Risco. Princípios e Linhas de orientação DNP ISO Guide 73:2009 Risk Management. Vocabulary DNP Guia ISO 73:2011 Gestão do Risco. Vocabulário IEC/ISO 31010:2009 Risk Management. Risk Assessment Techniques NP EN ISO Gestão do Risco. Técnicas de Apreciação do Risco ISO/TR 31004:2013 Risk management Guidance for the implementation of ISO (Linhas de Orientação para a implementação da ISO 31000)

18 NORMAS DE GESTÃO DO RISCO

19 GESTAO DO RISCO (Guia ISO 73:2009) Risco: Efeito da incerteza na consecução dos objetivos Nota 2: os objetivos podem ter diferentes aspetos (financeiros, de saúde e segurança, ambientais, entre outros) e podem ser aplicados a diferentes níveis (estratégico, em toda a organização, de projeto, de produto e de processo) Nota 4: O risco é frequentemente expresso como a combinação das consequências de um dado evento e a respetiva probabilidade de ocorrência Perigo / Fonte de Risco: Elemento que, por si só ou em combinação com outros, tem o potencial intrínseco de originar um risco

20 GESTAO DO RISCO (Guia ISO 73:2009) Gestão do Risco: Atividades Coordenadas para dirigir e controlar uma organização no que respeita ao risco. Estrutura da Gestão do Risco: Conjunto de elementos que fornecem os fundamentos e disposições organizacionais para conceber, implementar, monitorizar, rever e melhorar continuamente a gestão do risco em toda a organização.

21 NORMAS DE GESTÃO DO RISCO

22 GESTAO DO RISCO (IS )

23 GESTAO DO RISCO (IS )

24 GESTAO DO RISCO Apreciação do Risco: Processo global de identificação do risco, de análise do risco e de avaliação do risco Identificação do Risco: Processo de pesquisa, de reconhecimento e de descrição dos riscos Nota 1. A identificação do risco envolve a identificação das fontes do risco, dos eventos, respetivas causas e potenciais consequências Análise do Risco: Processo destinado a compreender a natureza do risco e a determinar o nível do risco Nota 1: A análise do risco fornece a base para a avaliação do risco e as decisões sobre o tratamento do risco. Nota 2. A análise do risco inclui a estimativa do risco.

25 ANÁLISE DO RISCO Tendo em atenção a efectividade das medidas de controlo já existentes, importa agora avaliar: 1º -A Probabilidade (ou verosimilhança) de ocorrência do risco identificado e 2º -A Gravidade potencial do dano causado

26 AVALIAÇÃO DO RISCO Avaliação do Risco: Processo de comparação dos resultados da análise do risco com os critérios do risco para determinar se o risco e/ou a respetiva magnitude é aceitável ou tolerável Critérios do Risco: Termos de referência em relação aos quais a significância de um risco é avaliada Nível do Risco: Magnitude de um risco ou combinação de riscos, expressa em termos da combinação de consequências e respetivas verosimilhanças /Probabilidades ou Frequências

27 TRATAMENTO DO RISCO (ISO 31000) OPÇÕES DE TRATAMENTO: Evitar o risco, mediante decisão de não iniciar ou continuar a atividade portadora de riscos Assumir ou aumentar o risco, de forma a perseguir uma oportunidade Remover a fonte do risco Alterar a probabilidade Alterar as consequências Partilhar o risco com outras partes Reter o risco, com base em decisão informada

28 MONITORIZAÇÃO E REVISÃO (ISO 31000) OS PROCESSOS DE MONITORIZAÇÃO E REVISÃO DA ORGANIZAÇÃO DEVERÃO ABRANGER TODOS OS ASPETOS DO PROCESSO DE GESTÃO DO RISCO COM O OBJETIVO DE: Assegurar que os controlos são eficazes e eficientes quer na concepção quer na operação; Obter informação adicional para melhorar a apreciação do risco; Analisar e aprender com os eventos (incluindo os quase-acidentes), mudanças, tendências, sucessos e falhas; Detetar alterações no contexto externo e interno, incluindo alterações aos critérios do risco e ao próprio risco, que poderão requerer a revisão dos tratamentos do risco e das prioridades; Identificar riscos emergentes.

29 TÉCNICAS DE GESTÃO DO RISCO

30 FERRAMENTAS DE GESTÃO DO RISCO (ISO 31010) Brainstorming Entrevistas estruturadas e semi-estruturadas Delphi Checklists SWIFT (Structered "WHAT IF") Matriz de Consequência/probabilidade Análise de Cenários Análise de impacto do serviço Root Cause Analysis Análise da Árvore de Falhas Análise da Árvore de Eventos Análise de Causas e Consequências Análise de Causa Efeito Árvore de Decisão Failure Mode & Effect Analysis (FMEA)

31 FERRAMENTAS DE GESTÃO DO RISCO (ISO 31010) Análise das Barreiras de Proteção (LOPA) Análise de Fiabilidade Humana Bow Tie Analyiis Reliability Centred Maintenance Sneak Circuit Analysis Markov Analysis Monte Carlo Simulation Bayeasian statistics and Bayes Nets FN Curves Risk Indices Multi-criteria decision analysis (MCDA) Análise de Custo/beneficio Análise primária de perigos Estudo de Perigos e Operacionalidade (HAZOP) Análise de Riscos e Pontos Críticos de Controlo (HACCP) Apreciação do Risco Ambiental

32 PRINCIPIOS DA GESTÃO DO RISCO (ISO 31000) a) Cria valor b) Parte integrante de todos os processos organizacionais c) Partedatomadadedecisão d) Tem em conta explicitamente a incerteza e) Sistemática, estruturada e atempada f) Baseia-se na melhor informação disponível g) Feitaàmedida h) Tem em conta fatores humanos e culturais i) Transparente e participada j) Dinâmica, interativa e reativa à mudança k) Facilita a melhoria contínua

33 GESTÃO DO RISCO: UM CONCEITO EM EVOLUÇÃO... OBRIGADO, Carlos Esteves

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS Francesco De Cicco Abril, 2012 A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS AGENDA A nova definição de Risco e sua importância para as organizações. Os novos documentos internacionais e brasileiros de referência em

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ISO 9001:2015. Implementar a mudança Ciclo de workshops práticos

ISO 9001:2015. Implementar a mudança Ciclo de workshops práticos ISO 9001:2015 Implementar a mudança Ciclo de workshops práticos W1 - CONHECER AS ALTERAÇÕES OBJECTIVOS Conhecer as principais alterações introduzidas na ISO 9001:2015 face à versão de 2008 Conhecer a estrutura

Leia mais

(RE)FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

(RE)FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA (RE)FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA LINHAS DE ORIENTAÇÃO E INICIATIVAS ESTRATÉGICAS - PROPOSTA INICIAL- 21 DE OUTUBRO DE 2013 Enquadramento Neste documento apresentam-se as linhas de orientação estratégica para

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

A gestão da qualidade e a série ISO 9000

A gestão da qualidade e a série ISO 9000 A gestão da qualidade e a série ISO 9000 Seminário QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃ ÇÃO FLUP 3 Novembro 2005 3 Novembro 2005 Maria Beatriz Marques / APQ-DRN A gestão da qualidade e a série

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO

Últimos desenvolvimentos na série de normas ISO 9000 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A série de normas ISO 9000 foi inicialmente publicada em 1987, e desde então já sofreu dois ciclos de melhoria, incluindo uma revisão menor em 1994 e uma modificação mais profunda em 2000. A

Leia mais

Assumir riscos calculados. Isso é bem diferente de ser precipitado. George Patton (1885 1945).

Assumir riscos calculados. Isso é bem diferente de ser precipitado. George Patton (1885 1945). Assumir riscos calculados. Isso é bem diferente de ser precipitado. George Patton (1885 1945). ABNT NBR ISO 31000:2009 - GESTÃO DE RISCOS ABNT NBR ISO 31000:2009. brainstorming brainstorming STAKEHOLDERS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Jorge Marques dos Santos, local, Porto, 18 de abril de 2013 IPQ- Instituto Português da Qualidade

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco

Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco Edição de 201 Organização CIPROMEC

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

O que é o pensamento baseado no risco?

O que é o pensamento baseado no risco? PENSAMENTO BASEADO NO RISCO NA ISO 9001:2015 Propósito deste artigo Explicar o pensamento baseado no risco na ISO 9001 Abordar percepções e preocupações que o pensamento baseado no risco substitua a abordagem

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP 4397 2008

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP 4397 2008 Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 4. Análise, Avaliação e Tratamento de Riscos 1 Roteiro (1/1) Definições Análise e Avaliação de Riscos Tratamento de Riscos Matriz de Análise de

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco

Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco Edição de 2013 Organização Índice Organização 2 Âmbito

Leia mais

Segurança de sistemas de comando. Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1

Segurança de sistemas de comando. Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1 Segurança de sistemas de comando Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1 EN ISO 13849-1:2008 (ISO 13849-1:2006) Segurança de máquinas - Partes dos sistemas de comando relativos à segurança - Parte

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar

A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar Leopoldo Cortez Andreia Geraldo Alberto Mosqueira Resumo Introdução A Acreditação e o IPAC

Leia mais

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Práticas atuais e perspectivas futuras Novembro 2013 Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo 1 e 3 foi baseado nas perguntas

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA Michel Epelbaum ellux consultoria 25/08/2006 Temos poucos acidentes c/ afastamento, então porque precisamos melhorar a gestão de SOS? Enquanto isto, por

Leia mais

Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços.

Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços. NORMA BRASILEIRA NBR ISO 10019 Primeira edição 20.08.2007 Válida a partir de 20.09.2007 Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços. Guidelines for

Leia mais

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E MAIS VALIAS Lisboa, 21 de Maio de 2013 Experiência do Laboratório de Ensaios APEB Acreditação Flexível Intermédia João André jandre@apeb.pt 1 Outubro 2012 Entrega da

Leia mais

O que é a Norma 4510:2015? Maria João Graça IPQ

O que é a Norma 4510:2015? Maria João Graça IPQ O que é a Norma 4510:2015? Maria João Graça IPQ Caparica, 9 fevereiro IPQ - Competências e responsabilidades Responsável pela gestão e coordenação do SPQ Organismo Nacional de Normalização Instituição

Leia mais

ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE

ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE ISO 14971 - APLICAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO A PRODUTOS PARA SAÚDE Sejam bem vindos! Instrutora: Maria Emilia B. Bordini Data: 23/05/2013 O que iremos discutir? Conceitos básicos de gerenciamento de

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança de Máquinas

Pós-Graduação em Segurança de Máquinas Pós-Graduação em Segurança de Máquinas Área de Formação Segurança Objectivo - Reconhecer quais as obrigações legais na aquisição, alteração e uso de equipamentos; - Reconhecer quais os referenciais normativos

Leia mais

PERSPETIVA APCER. www.apcergroup.com. André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt

PERSPETIVA APCER. www.apcergroup.com. André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt PERSPETIVA APCER André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt Tópicos Perspetiva APCER Avaliação Preliminar ISO DIS 9001:2014 Transição ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 - disposições IAF e APCER

Leia mais

Brainnovation ciclo de workshops Formador: Pedro Paiva

Brainnovation ciclo de workshops Formador: Pedro Paiva Formador: Pedro Paiva Ciclo de Criatividade: A Inovação é fundamental no mundo empresarial e nas vidas de todos nós, pois está associada à resolução de problemas e desafios, criando valor para as organizações

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

SC 2 Auditorias ambientais

SC 2 Auditorias ambientais Workshop da CT 150 SC 1 Sistemas de gestão ambiental SC 2 Auditorias ambientais SC 3 Rotulagem ambiental SC 4 Avaliação do desempenho ambiental SC 5 Avaliação do ciclo de vida SC 6 Termos e definições

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

MODELO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PARA EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS

MODELO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PARA EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS MODELO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PARA EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS Henrique Diniz Santos Silva (PMD) h.diniz@outlook.com Luciana Hazin Alencar (UFPE) lhazin@ufpe.br O gerenciamento de risco apresenta uma

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

PERSPETIVA APCER. www.apcergroup.com. André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt

PERSPETIVA APCER. www.apcergroup.com. André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt PERSPETIVA APCER André Ramos Diretor de Marketing andre.ramos@apcer.pt Tópicos Perspetiva APCER Avaliação Preliminar ISO DIS 9001:2014 Transição ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 - disposições IAF e APCER

Leia mais

Metodologias de Avalição de Riscos

Metodologias de Avalição de Riscos Metodologias de Avalição de Riscos Rui Veiga Objectivos Caracterizar as situações em que se deve avaliar os riscos profissionais Classificar as metodologias de AR Apresentar o Método de Avaliação do Risco

Leia mais

Certificação nas Escolas de Hotelaria e Turismo

Certificação nas Escolas de Hotelaria e Turismo Tradicional Sonolenta Provocadora Certificação nas Escolas de Hotelaria e Turismo Dúvidas e Certezas A necessidade de implementar sistemas formais de certificação é tão premente nas Escolas de Hotelaria

Leia mais

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 ISO 19011 âmbito Linhas de orientação para auditoria a sistemas de gestão Princípios de auditoria Gestão de programas de auditoria Condução de

Leia mais

Relevância das novas normas para a qualidade da infra-estruturas

Relevância das novas normas para a qualidade da infra-estruturas Relevância das novas normas para a qualidade da infra-estruturas Causas de falta de qualidade Adopção de soluções e critérios incorrectos Emprego de mão-deobra não qualificada Utilização de materiais e

Leia mais

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15331 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos Adventure tourism Safety management system Requirements

Leia mais

Controle da qualidade off-line. Prof. André Jun Nishizawa Capítulo 5

Controle da qualidade off-line. Prof. André Jun Nishizawa Capítulo 5 Controle da qualidade off-line Prof. Capítulo 5 Sumário QFD VOC FMEA QFD - Desdobramento da função qualidade QFD Trata-se de uma das técnicas mais importantes para o planejamento da qualidade Como produzir

Leia mais

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Sub-título da Apresentação Data Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública www.apcer.pt Hélder Estradas 4 de Novembro de 2005 QUEM SOMOS Constituída em Abril de 1996 (IPQ, AIPortuguesa AIPortuense, actual

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

www.apcergroup.com PERSPETIVA APCER

www.apcergroup.com PERSPETIVA APCER PERSPETIVA APCER Tópicos Perspetiva APCER; Avaliação Preliminar ISO DIS 9001:2014; Transição ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 - disposições IAF e APCER. PERSPETIVA APCER Perspetiva APCER Mudança para melhor!

Leia mais

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Encontro Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Caparica, 3 de Dezembro de 2015 Comissão Técnica CT199 - Sistemas

Leia mais

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação.

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação. Objectivos Gerais Definir o que é a Qualidade; Determinar a evolução da qualidade. Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012

GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012 GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012 IMAGEM: http://www.foradeescopo.com CRISE ECONÔMICA CRISE IMOBILIÁRIA NOS EUA IMAGEM: http://papodeobra.blogspot.com.br IMAGEM: http://diferencial.ist.utl.pt

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

Material didático ESR

Material didático ESR Material didático ESR 1 Sessão de aprendizagem 1 Modelo de conteúdo do material didático 2 Jean Caminha Introdução 3 A ação e interação dos objetivos com as incertezas originam ao risco, que se apresenta

Leia mais

A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação

A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação Sumário CT 7- O que é? Organização e funcionamento da CT 7 Produção normativa Disponibilização

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia Volume

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Andreia Martins Gestora de Cliente andreia.martins@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Maria Rosário Bernardo, Doutoranda na Universidade de Lille Gestão de Projetos no Setor Público Desafios e Oportunidades

Maria Rosário Bernardo, Doutoranda na Universidade de Lille Gestão de Projetos no Setor Público Desafios e Oportunidades Agenda 15h00 15h15 15h45 Boas vindas e enquadramento espap A Governação de Projetos no Setor Público Melhor Estado, Maior valor entregue à sociedade Nuno Ponces de Carvalho, Perito Internacional na área

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa Vencemos juntos Apresentação da Empresa @ 2014 Quem Somos Missão Fornecer ferramentas e recursos, que juntos, colmatam as necessidades dos nossos Clientes tornando-os mais competitivos e eficazes. Visão

Leia mais

Cultura de Segurança

Cultura de Segurança Cultura de Segurança Importância do Ensino das Temáticas de SHST em Engenharia João Carlos Matias (UBI) Ana Pinto (ISEL) Sessão de Encerramento Comemorações do Dia Nacional de Prevenção e Segurança no

Leia mais

Gestão de Projetos. Pós Graduação Executiva em. Gerenciamento dos Riscos. Fabricio.sales@pmipe.org.br

Gestão de Projetos. Pós Graduação Executiva em. Gerenciamento dos Riscos. Fabricio.sales@pmipe.org.br Pós Graduação Executiva em Gestão de Projetos Gerenciamento dos Riscos PMP é uma marca registrada do Project Management Institute, Inc. Fabricio.sales@pmipe.org.br Quem sou eu? 2 Nome: Fabrício Sales Formação

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Plano de implementação da ISO 9001:2008 PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008

Plano de implementação da ISO 9001:2008 PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008 PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008 A APCER vem por este documento transmitir as disposições tomadas para a emissão de certificados acreditados durante o período de implementação definido pela IAF,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Programa 1. Conceitos básicos do PMBOK. 2. Gerenciamento do ciclo de vida do sistema: determinação dos requisitos, projeto

Leia mais

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Manfred Peter Johann Gerente de Vendas da WEG Automação A crescente conscientização da necessidade de avaliação dos riscos na operação de uma máquina ou

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

SISTEMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE

SISTEMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE SISTEMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM SAÚDE UMA ABORDAGEM SISTÉMICA Paulo Borges 13 NOVEMBRO 2014 1 BSI ISO/IEC Accredited ISMS Implementer BSI ISO/IEC 27001 Lead Auditor PECB ISO/IEC 22301 Lead Auditor

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais