PROFESSOR EM AÇÃO DRAMÁTICA NA PEQUENA INFÂNCIA UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFESSOR EM AÇÃO DRAMÁTICA NA PEQUENA INFÂNCIA UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA"

Transcrição

1 PROFESSOR EM AÇÃO DRAMÁTICA NA PEQUENA INFÂNCIA Resumo UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA LEITE, Elisangela Christiane de Pinheiro SME/CURITIBA MILLÉO, Olívia CMEI Vila Verde SME/PMC ROSSETO, Robson FAP/PR Eixo Temático: Formação de professores e profissionalização Agência Financiadora: não contou com financiamento A educação da pequena infância se constitui num espaço em que não passam despercebidas suas especificidades, em que o brincar é o fio condutor das ações entre os sujeitos envolvidos neste universo. Para a criança é o seu modo de ser, estar e comunicar; para o adulto uma estratégia para adentrar o mundo da criança, e assim facilitar a comunicação com elas. Para tanto se faz necessário discutir a formação continuada e suas especificidades quanto às propostas oferecidas relacionadas ao brincar do adulto, buscando identificar no professor suas potencialidades expressivas, corporais e dramáticas para atuar com e para as crianças, e assim sentir-se pleno no exercício do seu fazer pedagógico. Compartilha-se neste documento a formação educador-personagem o faz de conta em ação, direcionada para educadores de berçário II, em 2010, que envolveu práticas de reflexão das ações brincantes do professor com as crianças, por meio de jogos dramáticos para que a experiência estética e sensível se fizesse presente nas interações entre os educadores, e na construção de seus personagens. O aporte teórico se deu a partir de estudos da formação de professores, bem como do ponto de vista teórico da psicologia histórico cultural, e da sociologia da infância. As práticas teatrais basearam-se em pesquisas de Slade (1978), Boal (2006, 2009), Courtney (2010), Cabral (2006), entre outros. Sendo assim, os educadores tomaram contato com elementos cênicos envolvendo personagem, caracterização, expressão corporal e vocal, associado às ações planejadas com o intuito de atuar com as crianças. Na formação foram realizados momentos de troca de experiências em que os educadores puderam refletir sobre a sua prática ao expô-la e ao compartilhá-la. Palavras-chave: Formação continuada. Pequena infância. Expressão dramática.

2 14678 Professor em ação dramática no contexto da educação infantil Entre tantas discussões acerca do tema infância e educação, à formação dos profissionais que nela atuam, ganha destaque considerado, por se tratar do conhecimento e desenvolvimento do adulto que adentra o universo infantil e assim toma contato direto com as crianças. Este contato se destaca por prevalecer nesta relação, sentidos e subjetividades que podem ser acarretados diante do vínculo estabelecido entre adulto e criança, pois há uma certa vulnerabilidade da criança, que é um ser frágil que necessita de cuidados físicos e psicológicos cotidianos, segundo Oliveira-Formosinho (2005, p. 136), De facto, o educador da criança pequena necessita de um saber fazer que, por um lado, reconheça esta vulnerabilidade social das crianças, e, por outro lado, reconheça as suas competências sociopsicológicas que se manifestam desde a mais tenra idade, por exemplo, nas suas formas precoces de comunicação. Não podemos negar, que mesmo diante da fragilidade apresentada nesta fase da vida humana, também há um processo de comunicação, pois o ser humano é social e interativo desde seu nascimento. Este processo caracteriza-se não por palavras expressas pelo pensamento simbólico, mas pela comunicação corporal que é de ordem sensível. Neste sentido, o adulto no papel do professor torna-se uma referência importante para a criança, assim se faz necessário refletir sobre as ações do professor neste contexto. Deste modo questiona-se, como anda a expressividade corporal do professor da pequena infância? De que modo tem se dado à comunicação entre crianças e adultos no contexto educativo? É necessário refletir sobre estas questões porque não basta atender a criança nas unidades de educação infantil, é necessário compreendê-la enquanto sujeito que está em plena construção de sua personalidade, se inserindo num mundo com tudo para descobrir, aprender, desenvolver, e assim nele atuar. O adulto no papel do professor da pequena infância necessita compreender sua atuação, nas ações com as crianças que precisa ser diferenciada, pois o modelo de professor tradicional não se adequa mais as necessidades comunicativas das crianças da contemporaneidade. Portanto é primordial considerar a criança e suas potencialidades criativas, que são expressas muitas vezes nas suas brincadeiras, em que se percebe a imitação dos atos dos adultos em suas ações. Na perspectiva da psicologia histórica cultural,

3 14679 compreendemos que as interações sociais são o alicerce maior para que as aprendizagens ocorram, pois conforme Vygotsky (2009, p. 13), É verdade que, nos seus jogos, reproduzem muito do que vêem, mas é bem conhecido o imenso papel que cabe à imitação nos jogos infantis. Estes são com freqüência um mero reflexo do que vêem e ouvem dos mais velhos, mas estes elementos da experiência alheia nunca são transportados pelas crianças para os seus jogos como na realidade. As crianças, nos seus jogos, não se limitam a recordar experiências vividas, mas reelaboram-nas de modo criador, combinando-as entre si e construindo com elas novas realidades de acordo com os seus afetos e necessidades. O que pode ser observado é que as crianças são criativas em suas brincadeiras, principalmente no que se refere ao faz de conta, em que elas interagem com seus pares, mas trazem referências do muito que avistam em suas percepções do mundo adulto. Na infância é comum a toda criança espontaneamente expressar-se dramaticamente, mesmo sem se dar conta disso, em seus jogos de papéis as crianças imitam e articulam-se com personagens que lhe são comuns na cultura circundante. Então se pergunta, porque não aproveitar o potencial humano expressivo dramático das crianças para facilitar a comunicação com elas? Pois não há como negar que a criança da pequena infância é nos dias atuais uma criança ativa, inserida num contexto cultural, e que está em pleno processo de trocas interativas com seus pares. Numa concepção da sociologia da infância, consideramos o apontamento de Corsaro 1 (2011) as crianças são agentes sociais, ativos e criativos, que produzem suas próprias e exclusivas culturas infantis, enquanto, simultaneamente, contribuem para a produção das sociedades adultas. Ou seja, já não se considera mais, que a criança é um prospecto de um adulto, ou um ser a devir, ou como já foi visto como tabula rasa, nenhum destes conceitos realmente consegue definir adequadamente o que se compreende por criança na atualidade. As crianças criam e participam de suas próprias e exclusivas culturas de pares quando selecionam ou se apropriam criativamente de informações do mundo adulto para lidar com suas próprias e exclusivas preocupações. As crianças não se limitam a internalizar a sociedade e a cultura, mas contribuem ativamente para a produção e mudanças culturais. (CORSARO, 2011, p. 31) Segundo o apontamento deste autor, a criança está inserida numa cultura própria, desta maneira é importante considerar isso se queremos efetivamente trabalhar no sentido de 1 CORSARO, W.illiam A. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 15.

4 14680 contribuir com sua imaginação e assim seu desenvolvimento potencial. Priorizar este fato se faz importante quando se pensa em propostas para a pequena infância, e principalmente no como estas propostas são direcionadas. Sendo assim, é necessário que o adulto no papel do professor considere o desenvolvimento das crianças de sua turma, bem como suas potencialidades criativas. A ideia é a principio se colocar no lugar da criança em alguns momentos, de forma consciente, como o fazem os atores, ao representar um papel. Conforme Slade 2 (1978), Em todos os nossos relacionamentos com crianças, devemos continuamente dizer a nós mesmos: Se eu fosse realmente esta pessoazinha, nesta situação, o que eu faria, o que eu pensaria, o que eu diria? Troca entre pares, entre iguais, qual o papel do adulto nisso? O papel de ter objetivos e intencionalidades pensadas antecipadamente e na ação brincante, se fazer presente na sala de atividades e assim propor situações interativas. Para isso o professor necessita usar suas potencialidades expressivas dramáticas e assim lançar mão de uma estratégia que considere as crianças com todas as suas potencialidades imaginativas, imitativas, interativas e criativas, atuando para e com elas. Ou seja, usar o seu potencial humano, pois a teatralidade é um instinto inerente a todos. Expressão corporal, vocal, e criatividade, ganham um novo olhar e uma necessidade indispensável, melhorar a potencialidade comunicativa entre adulto e criança. Compreende-se que para a criança é espontâneo fingir, fazer de conta que se é outro, porque é a sua maneira de brincar, de ser e atuar no mundo. Para o adulto é algo interiorizado, não escancarado como na criança, mas existe no adulto a possibilidade expressiva dramática, pois em nosso cotidiano diário se prestarmos atenção, observaremos que fazemos inúmeros papéis constantemente. Nossa vida é repleta de cenas, a cena do café da manhã, a cena do jantar, a cena da espera pelo ônibus, e nestas cenas atuamos com outros personagens, pois conforme Boal (2009, p. ix), Todo mundo atua, age, interpreta. Somos todos atores. Até mesmo os atores! Teatro é algo que existe dentro de cada ser humano, e pode ser praticado na solidão de um elevador, em frente a um espelho, no Maracanã ou em praça pública para milhares de espectadores. Em qualquer lugar... até mesmo dentro dos teatros. 2 SLADE, Peter. O jogo dramático infantil. 8ª ed. São Paulo: Summus, 1978, p. 26, 27.

5 14681 Boal (2009) propõe a desmecanização, pois ao contrário, perde-se o sentido e as sensações do como estamos vivendo as cenas de nossas vidas. Ele nos convida a sentir efetivamente o sabor do que comemos, a cheirar sentindo verdadeiramente o perfume ou o odor, a demonstrar afetos e em todas as nossas ações viver conscientes. Diz inclusive que os atos mecânicos levam a ausência da consciência. Ao atuarmos como professor em sala de aula com as crianças, ativas como o são, não merecem adultos mecanizados pelo ato de ensinar, mas sim pessoas ativas que querem fazer a diferença na vida das crianças. É preciso refletir sobre a maneira como adentramos a sala de aula, a postura do professor não pode mais ser aquela que é conhecida tradicionalmente, é necessário cuidar para não reproduzir a figura daquele professor que, em alguns casos, foi à referência das nossas infâncias, pois nem sempre esta referência foi tão boa assim. Fingir ser outra pessoa _ atuar _ é parte do processo de viver; podemos fazer-deconta, fisicamente, quando somos pequenos, ou fazê-lo internamente quando somos adultos. Atuamos todos os dias: com nossos amigos, nossa família, com estranhos. A imagem mais comum para esse processo é a máscara e a face : nosso verdadeiro eu está escondido por muitas máscaras que assumimos durante o decorrer de cada dia. (COURTNEY, 2010, p. 3) É necessário trilhar um caminho inovador, exercitar um papel novo a cada dia com as crianças, e cuidar para não vestir a máscara estereotipada do professor autoritário detentor absoluto do saber. Não é fácil desmecanizar, mas é um caminho possível, pois conforme Freire 3 (2000) nos faz refletir,... ensinar não é transferir conhecimento, mas criar possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção. Desta forma, alimentando a fantasia das crianças o professor no papel de um personagem, ou até mesmo dando vida, anima a personagens brincantes como fantoches e objetos animados, pode sim transformar suas aulas em momentos significativos para as crianças e para ele próprio. Pois atuar com as crianças é fazer sentido ás suas próprias ações, e porque não dizer sentir-se realizado diante do que se faz. Contudo, tudo isto passa pela formação de professores, em estratégias próprias que façam com que adultos que atuam com crianças, repensem suas práticas e assim se reconheçam potenciais brincantes, esta formação se processa ao longo da vida, assim como o desenvolvimento das crianças, pois segundo Oliveira-Formosinho (2005, p. 149), 3 FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2000, p. 52.

6 14682 Um mundo onde a profissionalidade é tão complexo exige, com certeza, uma jornada de crescimento e desenvolvimento ao longo do ciclo de vida. Envolve crescer, ser, sentir, agir permanentemente; é um processo de desenvolvimento e aprendizagem ao longo da vida (life long learning). Envolve crescimento, como o da criança, requer empenhamento, com a criança, sustenta-se na interação do conhecimento e da paixão. Compreende-se que o trabalho com a expressão dramática na educação infantil é pertinente, principalmente, aliado ao jogo simbólico infantil, porém, cabe ressaltar a importância da formação de professores para esse trabalho, pois se sabe que não é tarefa fácil para quem nunca teve contato com a linguagem dar conta de trabalhar com essa estratégia. Faz parte do desenvolvimento profissional a formação continuada, o que indica pensar na qualidade de atendimento às crianças que estão inseridas no contexto de unidades que atendem essa faixa etária. Qualidade principalmente no que se refere ao educar e aos seus processos pedagógicos. A formação continuada, um caminho aberto para as possibilidades expressivas dramáticas com educadores da pequena infância Tudo que é inovador exige aprendizado e quebra de paradigmas, é neste sentido que se propôs na Rede Municipal de Curitiba, desde 2009, o curso denominado Educadorpersonagem o faz de conta em ação como formação continuada em serviço. Curso especialmente pensado para educadores que atuam na educação infantil com o intuito de discutir o papel do professor no faz de conta infantil, como personagem que atua para e com as crianças, e de inserir no universo lúdico a construção do imaginário infantil, bem como ampliar repertórios brincantes. Sendo assim, o adulto participa de ações dramáticas, indo ao encontro das crianças com personagens lúdicos na sala de atividades. O curso em 2010 efetivou ações que marcaram significativamente o espaço da linguagem teatral na educação infantil, pois o público alvo foram os educadores que atuam no berçário II. Foram abertas inscrições para três turmas, com quarenta vagas cada, consolidando-se 133 inscrições no total. O curso contou com nove encontros, sendo que em seis foram realizadas intervenções práticas com jogos teatrais, para a vivência e percepção corporal dos educadores. As ações planejadas visaram à experiência sensorial e estética, para que se efetivassem as práticas com as crianças, e os personagens. Assim foi-se abrindo um espaço para descobertas em que os personagens foram sendo construídos, tendo como base o

7 14683 adulto brincante e também as crianças neste contexto. Concorda-se com Meira 4 (2010), quando enfatiza que, ao refletir sobre o sensível e o afeto nas práxis educativas, é importante compreender o conhecimento, não como algo a ser dado, mas como algo a ser construído e sentido, capaz de tocar nosso ser profundamente. O personagem necessitava, desta maneira, ser criado e construído a partir das referências dos processos de contextualização cultural, existentes nas unidades educativas entre crianças e adultos. Entre outras práticas o curso contou também com uma ampliação cultural, numa visita monitorada ao Teatro Guaíra, e também com um encontro em que se trabalhou a maquiagem, e todos os recursos da caracterização do personagem. O último encontro do curso foi destinado à troca de experiências, em que os educadores trouxeram um registro do seu trabalho com as crianças e seu personagem. Vale dizer que as práticas aconteceram no decorrer do curso, ou seja, durante o segundo semestre. Este último encontro de formação foi especial, pois gerou reflexões a partir da prática de cada educador, e na experiência de observar o processo do outro, possibilitando muitas aprendizagens, por meio da troca. Conforme Nadolny (2010, p. 18), É necessário formar profissionais conscientes das práticas educativas que desenvolvem e dispostos a refletir sobre elas, como também mobilizados a superarem dificuldades pedagógicas e a criarem ou adaptarem situações educativas em consonância com as características das crianças e do cotidiano pedagógico. Neste encontro houve espaço para a reflexão e a socialização dos saberes que a partir da formação, no contato com a linguagem teatral possibilitou com que as práticas se efetivassem. Obviamente que este foi para alguns educadores, um primeiro contato com a experiência teatral, e tudo que acarreta esta ação junto à possibilidade pedagógica. O fato é que muitos concluíram, na avaliação realizada sobre o curso, que a estratégia da expressão dramática, para facilitar a comunicação com as crianças pequenas é uma experiência indispensável no contexto educativo. 4 MEIRA, Marly. Arte, afeto e educação: a sensibilidade na ação pedagógica. Porto Alegre: Editora Mediação, 2010, p. 41.

8 14684 Reflexos da formação uma experiência entre tantas... Ao assumir papéis dramáticos, o professor está em constante interação com as crianças, trazendo para elas novos repertórios e situações de brincadeiras, bem como experiências estéticas e sensíveis. Não é somente a professora que está a todo o momento na sala de atividades, mas também um personagem esperado que transita nesse ambiente e traz consigo desafios e aprendizagens. Conforme Cabral 5 (2006), usando o drama como método de ensino, o professor assume papéis e/ou personagens com o objetivo de interagir com os alunos em contextos diversos, utilizando diferentes códigos linguísticos para desafiar posturas, ações e atitudes. Figura 1 Foto da personagem Francisca, brincando com leque e bolinhas de sabão. Figura 2 Foto da personagem em brincadeiras imitativas. Fonte: A autora. 5 CABRAL, Beatriz A. V. Drama como método de ensino. São Paulo: Hucitec, 2006, p. 19.

9 14685 Trabalhar com educação infantil requer do professor sensibilidade, olhar e escuta sensíveis e, desse modo, propostas que considerem aquilo que foi observado nas crianças, pois com base em OSTETTO (2007, p. 35), Para uma prática educativa que pretenda respeitar o tempo da infância, é essencial olhar a criança, os movimentos dos grupos: vendo, ouvindo e acolhendo suas perguntas, seus achados, suas descobertas seja por meio do choro, balbucio, do gesto, do movimento ou da palavra. Dentre tantas experiências marcantes que ocorreram a partir do curso de formação continuada: Educador-personagem o faz de conta em ação em 2010, compartilha-se a que ocorreu no CMEI Vila Verde com a educadora Olívia Milléo, nas turmas de berçário II, com a personagem Francisca, conforme figuras 1 e 2. A personagem foi construída a partir do desejo de trabalhar com uma proposta mais próxima do Clown 6 diferente do palhaço e mais aproximado do personagem Charlie Chaplin. O humor do clown é mais sutil, de certo modo mais suave e delicado, baseados na mímica, agindo espontaneamente assim como agem as crianças em suas brincadeiras. A ideia principal foi fugir dos estereótipos, principalmente no que se refere ao personagem palhaço, figura atrapalhada, com maquiagem excessiva, roupas exageradamente coloridas a ponto do desarranjo, que quer a todo custo fazer rir, aquele estereótipo que marcou a infância de muitas pessoas. Sendo assim, foi realizada uma pesquisa quanto ao figurino até que se chegou a ideia de uma princesa. Pois a educadora Olívia sempre quis ser uma, em sua infância. Pensou-se nos vestidos utilizados e chegou-se a algo rodado, influenciado pela moda dos séculos XVIII e XIX, charme e delicadeza nas luvas e sombrinhas rendadas. Conforme Nadolny 7 (2010), este processo de construção do personagem perpassa pelo pertencimento e expressão da cultura do professor, que se faz essencial no trabalho com as crianças, pois segundo a autora: o desenvolvimento profissional não depende, portanto, somente dos aspectos profissionais, mas também pessoais dos professores. Ao que a educadora Olívia, na pesquisa da caracterização do personagem trouxe para efetivar o sentido no trabalho pedagógico, tanto pelo que objetiva as aprendizagens das 6 Clown O clown encarna os traços da criatura fantástica, que exprime o lado irracional do homem, a parte do instinto, o rebelde a contestar a ordem superior que há em cada um de nós. (FELLINI, 1974, p. 2) 7 NADOLNY, Lorena de F. Estratégias de formação continuada para professores de educação infantil: em foco a linguagem movimento. Dissertação de mestrado, Curitiba: UFPR, 2010, p. 21.

10 14686 crianças, quanto ao que produz sentido a sua profissionalidade dando assim, beleza e prazer em atuar, com crianças. Para quebrar um pouco a delicadeza da personagem optou-se por utilizar uma flor grande no cabelo que seria sua característica marcante. Outro sentido apontado pela educadora ao acessório é quando na ausência da personagem, a flor que usava em seu cabelo estivesse presente no espaço da sala de atividades, invocando assim, afetividade e subjetividades, porque as crianças não falam, mas apontam para a flor da personagem, dizendo, por meio de gestos, que sabem a quem pertence. A personagem não usa a fala, se comunica com olhares, gestos, e cantarola sempre, pois toca acordeom e carrega uma mala com vários acessórios para brincar com as crianças. Inúmeras atividades foram planejadas tendo a personagem Francisca, nas ações. A apresentação da personagem foi um momento específico em que a educadora caracterizou-se na frente delas, aguçando assim a curiosidade. Há uma periodicidade em que a personagem se faz presença nas aulas, em que um planejamento é pensado, dentro das áreas de formação humana. A princípio as ações aconteceram semanalmente, e depois foram ganhando um espaçamento quinzenal. A personagem adentra a sala de atividades com uma experiência diferente, geralmente de improvisação, onde observa e interage com objetos da sala ou objetos que estejam em sua mala. O tom é definido pelo momento da turma, as crianças vão incitando coisas que a educadora capta e transforma em ação para a Francisca. Foram explorados o contato físico e o uso do espaço nos planos (alto, médio e baixo), bem como ações que podiam ser imitadas pelas crianças (gestos simples como produção de sons com a boca, mandar beijo, entrar debaixo da mesa, mexer partes do corpo ao som de músicas, entre outras intervenções). A interação com o espaço e com as crianças foram fundamentais para as ações da personagem, e assim percebem-se muitas aprendizagens acontecerem nestas situações em que a brincadeira e a expressão dramática se faz presente, no contexto da educação infantil. REFERÊNCIAS BOAL, Augusto. Jogos para atores e não atores. Rio de Janeiro: civilização brasileira, BOAL, Augusto. Quando nasce um bebê. O pensamento sensível e o pensamento simbólico no teatro do oprimido. Revista Sala Preta, São Paulo, n. 6, 2006, p CABRAL, Beatriz A. V. Drama como método de ensino. São Paulo: Hucitec, 2006

11 14687 CORSARO, William A. Sociologia da Infância. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, COURTNEY, Richard. Jogo, teatro & pensamento. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, FELLINI, Federico. Sobre o Clown. Porto Alegre: L&PM editores Ltda,1974. p Disponível em: Acesso em: 10 ago OLIVEIRA - FORMOSINHO, J. O desenvolvimento profissional das educadoras de infância: entre os saberes e os afectos, entre a sala e o mundo. In: MACHADO, M. L. A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, p FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e terra, MEIRA, Marly.; PILLOTTO, Silvia. Arte, afeto e educação a sensibilidade na ação pedagógica. Porto Alegre: Mediação, NADOLNY, Lorena de F.. Estratégias de formação continuada para professores de educação infantil: em foco a linguagem movimento. Dissertação de mestrado, Curitiba: UFPR, OSTETTO, Luciana E. Entre a prosa e a poesia: fazeres, saberes e conhecimento na educação infantil. In: PILLOTTO, S.S.D. (org.). Linguagens da arte na infância. Santa Catarina: Univille, p SLADE, Peter. O jogo dramático infantil. 8ª ed. São Paulo: Summus, VYGOTSKY, Lev S. A imaginação e a arte na infância. Lisboa: Relógio d água, 2009.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO NADOLNY, Lorena de Fatima PMC e UFPR lorenaedf@gmail.com GARANHANI, Marynelma Camargo-

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA

A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA Tatiana de Lourdes Venceslau (UFF) tativenceslau@hotmail.com Vanessa de Mello Coutinho 1 (UFF) nessapeduff@yahoo.com.br Nosso trabalho está integrado ao projeto de ensina, pesquisa

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS

PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PROJETO MAGIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS SÉRIE: Berçário A Berçário

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Emylle Barros de Almeida Fonseca Aluna graduanda do curso de Pedagogia - CAMEAM- UERN Thais Chaves de Oliveira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS Marcielen Vieira Santana (Autora) 1 Alessandra B. da Rocha (Co-autora) 2 Introdução Este trabalho surge da necessidade de compreender sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PINHO, Luis Marcelo Varoneli Graduando do curso de Pedagogia, da Faculdade de Ciências Humanas da Associação Cultural e Educacional de Garça,

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniele Barros Vargas Furtado Universidade Federal de Santa Maria dbvfurtado@yahoo.com.br Resumo Sendo a matemática tão presente em

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil RESUMO Fernanda Azevedo Fagundes 1 Júlia Estefani Alves 2 O presente artigo, busca discutir acerca da função do Coordenador

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Jane Lino Barbosa de Sousa janeufpa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho

Leia mais

2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES

2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES 2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES De acordo com a Abordagem Histórico-Cultural, que fundamenta está proposta, a Instituição de Educação Infantil deverá ser pensada

Leia mais

Projeto: Teatro Infantil

Projeto: Teatro Infantil Cooperativa de Ensino e Cultura de Santa Rita Projeto: Teatro Infantil O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico Garcia Lorca) 1 Unidade Executora: Coordenação Pedagógica, Grupo

Leia mais

CIRCUITO DAS BRINCADEIRAS: O CURRÍCULO EM MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CIRCUITO DAS BRINCADEIRAS: O CURRÍCULO EM MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO DAS BRINCADEIRAS: O CURRÍCULO EM MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Introdução MÔNICA DO NASCIMENTO BRITO NILVANA DO SOCORRO GASPAR ROCHA ROSA MARIA ALVES DA COSTA SÔNIA SILVA SANTOS MARIA CELIA SALES

Leia mais

TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO

TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO O Orfanato Evangélico, através do Projeto Boa Semente, desenvolveu atividades direcionadas as crianças de 1 mês a 1 ano de idade,

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DIÁLOGO COM ATORES DE UM PROJETO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO PIBID/CAPES-UFPR

O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DIÁLOGO COM ATORES DE UM PROJETO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO PIBID/CAPES-UFPR O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DIÁLOGO COM ATORES DE UM PROJETO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO PIBID/CAPES-UFPR Resumo GARANHANI, Marynelma Camargo 1 - UFPR FORTUNATO, Jonatan 2 -

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Teatro-fórum e relações de gênero: análise de uma prática pedagógica na escola pública

Teatro-fórum e relações de gênero: análise de uma prática pedagógica na escola pública Teatro-fórum e relações de gênero: análise de uma prática pedagógica na escola pública Fabiane Tejada da Silveira Professora Assistente no Instituto de Artes e Design da UFPel Doutoranda em Educação no

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Teatro na Educação Infantil: em busca de possibilidades

Teatro na Educação Infantil: em busca de possibilidades Resumo O presente texto trata dos resultados e fundamentação teórica de uma pesquisa de doutorado em Teatro, em processo de conclusão, acerca do trabalho com a linguagem teatral na Educação Infantil. Buscando

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa A Prática Pedagógica no Berçário "As pequenas atividades quotidianas tornam-se hábitos sobre os quais a criança fundamenta a sua autonomia" Tonucci Maria Carmen Silveira Barbosa As creches durante muitos

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I SÉRIE: EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL

Leia mais

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NA ESCOLA: O MÉTODO DRAMÁTICO E IMAGINAÇÃO CRIATIVA NA ESCOLA Nayara Lopes Botelho Acadêmica de Artes Cênicas do IFTO Campus Gurupi nayara_lb@hotmail.com Resumo. Edna Maria Cruz

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Uma viagem de balão. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O Senhor Borracha fica sabendo de uma competição

Leia mais

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini A favor da comunidade, que espera o bloco passar Ninguém fica na solidão Embarca com suas dores

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI. Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização.

O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI. Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização. 1 O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI BOTTEGA, Fernanda 1 RAFFAELLI, Alexandra Franchini 2 Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização. 1 INTRODUÇÃO Sabe-se

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 1.º e 2.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais