ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO INFANTIL GABRIELA MARINHO SANT ANNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO INFANTIL GABRIELA MARINHO SANT ANNA"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO INFANTIL GABRIELA MARINHO SANT ANNA A EDUCAÇÃO INFANTIL: ETAPA FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DA CRIANÇA VILA VELHA/ES 2010

2 Eu, Gabriela Marinho Sant Anna, autorizo a disponibilização e publicação, gratuitamente, sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei N o 9610/98, do trabalho monográfico por mim elaborado, em meio eletrônico (na Internet), para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação de produção científica brasileira. Gabriela Marinho Sant Anna VILA VELHA - ES 2010

3 ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO INFANTIL GABRIELA MARINHO SANT ANNA A EDUCAÇÃO INFANTIL: ETAPA FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DA CRIANÇA VILA VELHA/ES 2010

4 GABRIELA MARINHO SANT ANNA A EDUCAÇÃO INFANTIL: ETAPA FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DA CRIANÇA Monografia apresentada ao Curso de Pós Graduação em Educação Infantil da Escola Superior Aberta do Brasil como requisito para obtenção do título de Especialista em Educação Infantil, sob orientação da Profª Ms. Patricia Ebani Peixoto. VILA VELHA/ES 2010

5

6 GABRIELA MARINHO SANT ANNA A EDUCAÇÃO INFANTIL: ETAPA FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DA CRIANÇA Monografia aprovada em... de...de 2010 Banca Examinadora VILA VELHA/ES 2010

7 Aos meus pais por sempre terem me incentivado a percorrer o caminho da educação e a estudar esta ciência tão fundamental na vida de cada ser humano. A toda a minha família por compreenderem a minha dedicação e ausência em prol do conhecimento.

8 AGRADECIMENTOS À Deus por me dar força e sabedoria para concluir esta jornada. Aos meus pais por incitarem em mim o desejo de adquirir o conhecimento.

9 Não acredites nos que sabem tudo. Os que muito sabem, sabem que têm muito a aprender. A educação é do tamanho da vida. Não há começo. Não há fim. Só travessia. (Rubens Alves)

10 RESUMO Educação Infantil Desenvolvimento Cognitivo Qualidade da Educação Infantil O presente trabalho teve como objetivo analisar a Educação Infantil como etapa fundamental da Educação Básica. Para tanto foi realizada uma pesquisa bibliográfica e uma pesquisa de campo sobre a importância da Educação Infantil. Foram obtidas consideráveis informações pertinentes ao assunto que possibilitaram compreender a história da pré-escola, o processo de desenvolvimento cognitivo da criança, e a qualidade da educação infantil. Verificou-se que apesar da pré-escola ter surgido como essencialmente assistencialista esta realidade foi superada e as creches e pré-escolas hoje podem exercer a sua função de educar independente da dicotomia entre educar-cuidar, pois esta dicotomia já foi superada. Verificou-se também que freqüentar a pré-escola favorece o desenvolvimento da criança e neste sentido afirma-se a importância da educação infantil. Dessa forma verificou-se que o Governo busca juntamente com o Ministério da Educação e da Cultura primar pelos parâmetros de qualidade desta primeira etapa da educação básica, já que é tão importante para o desenvolvimento da criança e conseqüente desenvolvimento do país. Conclui-se apresentando sugestões para que as pré-escolas trabalhem intensamente com a participação dos pais que são agentes fundamentais para o desenvolvimento integral de seus filhos e assim, vise melhorar a formação dos futuros cidadãos.

11 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Art: Artigo CEMEI: Centros Municipais de Educação Infantil ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei nº8.069/1990 LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9.394/1996 ONG: Organização Não Governamental RCNEI: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil UNESCO: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura)

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...09 CAPÍTULO I Creche e pré-escola: depósito de crianças?...13 I.1 O SURGIMENTO DO SENTIMENTO DE INFÂNCIA...14 II.2 O SURGIMENTO DA PRÉ-ESCOLA NO BRASIL...18 CAPÍTULO II Etapas do desenvolvimento humano e cognitivo na primeira infância II. 1 AFETIVIDADE E INTELIGÊNCIA II. 2 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO CAPÍTULO III Educação infantil: direito de todos, dever da sociedade CAPÍTULO IV - RESULTADOS DA PESQUISA DE CAMPO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS... 51

13 9 INTRODUÇÃO Esta monografia apresenta o resultado de uma pesquisa de nível exploratório, sendo a mesma desenvolvida a partir da pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo. Essa pesquisa foi realizada entre junho e agosto de 2010 e analisa a Educação Infantil como etapa de fundamental importância para o desenvolvimento cognitivo, social e cultural da criança. Ao conversar com uma professora de Educação Infantil sobre o meu estudo, ela relatou que sua turma de Pré-I era muito interessada, mas que seu maior problema era com os pais de alunos. Relatou que a maioria deles tinha a escola apenas como depósito de crianças, que não valorizavam a instituição enquanto ambiente educacional para seus filhos. Então, diante do meu estudo sobre a fundamental importância da Educação Infantil para o desenvolvimento cognitivo da criança, restou-me a dúvida: Por que estas escolas são vistas pela maioria das famílias como depósito de crianças? A Educação Infantil é um direito dos cidadãos exposto na Constituição Federal (BRASIL, 1988), em seu artigo 227 diz: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. (BRASIL, 1998, p.96) Dessa forma é assegurado por lei o direito a Educação. Não é simplesmente uma escolinha, mas um direito conquistado pelo povo de manter seus filhos em escolas de qualidade e gratuitas, enquanto estão trabalhando, contribuindo para a economia do país. A Educação Infantil é reconhecida pelos educadores, pelos governantes e pela sociedade científica como etapa de primordial importância para o desenvolvimento da criança, visto que é nesta fase que a criança aprende como viver, como fazer. É

14 10 na fase infantil que o ser humano adquire conhecimento com maior facilidade e eficácia, nesta fase é possível desenvolver inúmeras habilidades e aprender a se socializar. Nesta fase a criança aprende a aprender e a gostar do ambiente escolar. O Estatuto da Criança e do Adolescente, no artigo 4º, dispõe: É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. (BRASIL, 1990, p.5) Sendo assim, as famílias e os responsáveis pela educação das crianças precisam valorizar esse direito, este bem oferecido pelo governo. O fato de a Educação Infantil ter sido reconhecida como primeira etapa da Educação Básica, através da sanção da LDB 9394, de Dezembro de 1996, Art. 4º O dever do Estado com educação escolar pública será efetivado mediante a garantia de:[...] IV - atendimento gratuito em creches e pré-escolas às crianças de zero a seis anos de idade (BRASIL, 1996, p.7) É um grande avanço para o país e um motivo para que os pais passem a se preocupar mais com a educação de seus filhos. Um avanço para o país porque ter cidadãos educados desde o início da vida reforça a certeza de que no futuro serão bons cidadãos. Assim como a base de uma casa, a educação deve ser a base da vida. É preciso que os pais reconheçam que tanto a LDB, como a ECA, estão apoiando a família no âmbito educacional e que a educação pode lhes proporcionar qualidade de vida. Numa época em que a UNESCO revela que o Brasil está em 88º lugar no Índice de Desenvolvimento Educacional - segundo pesquisa realizada neste ano de 2010, entre 123 países. Esta pesquisa UNESCO, 2010 vem elucidar e reafirmar como é que se deve proceder para que tenhamos no futuro resultados mais animadores. Eu vejo que a Educação Infantil pode ser a saída para este problema de baixa educacional. Ainda mais, quero mostrar com esta pesquisa, o quanto estes pais estão perdendo por não valorizar a educação infantil.

15 11 Analisar a Educação Infantil como etapa fundamental para o desenvolvimento cognitivo da criança e conseqüente desenvolvimento em âmbito cultural, intelectual e econômico da sociedade é objetivo desta pesquisa. E diante desta verdade tentei entender porque os pais de alunos de pré-escolas de comunidades carentes, como é o caso do CEMEI Maria Gama dos Santos, não vêem na escola pública a oportunidade de uma formação de qualidade para seus filhos. Ao investigar e expor as etapas do desenvolvimento cognitivo e humano, que acontecem na primeira infância, portanto, vi a oportunidade de apontar o quão importante é que os pais mantenham os filhos na escola e os acompanhem em seu desenvolvimento. Este estudo pretende confirmar para a sociedade de pesquisadores e interessados em políticas públicas e educacionais os principais fatores para uma Educação Infantil de qualidade e sua importância para o desenvolvimento da sociedade num âmbito cultural, intelectual e econômico. Pois para que realmente haja qualidade na educação é necessário que toda a sociedade esteja envolvida. Neste trabalho, com o objetivo de demonstrar a importância da educação infantil como etapa fundamental para o desenvolvimento cognitivo da criança e conseqüente desenvolvimento em âmbito cultural, intelectual e econômico da sociedade, abordei aspectos do desenvolvimento cognitivo do ser humano, revelando que o mesmo acontece na primeira infância. O fiz através de pesquisa bibliográfica e exploratória, e pesquisa em loco com a classe de Pré I do CEMEI Maria Gama dos Santos, no intuito de saber a opinião e participação dos pais na educação de seus filhos. Iniciei com pesquisa bibliográfica em sites da internet sobre a importância da educação infantil, para saber que autores falam sobre este assunto, o que falam e como falam. Segui pesquisando autores que desenvolveram pesquisas sobre a história da educação, desenvolvimento cognitivo, e qualidade na educação infantil. Além de ler também sobre as leis educacionais que vigoram em nosso país.

16 12 Como havia conversado com uma professora de pré-escola sobre o assunto e a mesma relatou sua dificuldade com os pais de alunos, a procurei para realizar uma pequena pesquisa com estes pais e abordar o assunto. Todos os resultados estão nesta monografia que muito contribuiu para minha formação e conhecimento, pois a dúvida é sempre o início do saber. A dúvida é o principal ingrediente para a aquisição de conhecimento.

17 13 CAPÍTULO I CRECHE E PRÉ-ESCOLA: DEPÓSITO DE CRIANÇAS? Por que a maioria dos pais de alunos não reconhece o devido valor que a educação infantil tem no contexto atual? Talvez seja porque não conhecem a história deste seguimento. Talvez porque não saibam que a educação infantil é uma conquista da sociedade brasileira. Quando não se conhece algo, quando não se sabe de onde vem e por quais caminhos passou, realmente é difícil dispensar o valor e o devido reconhecimento. Como um imigrante que de repente chega na cidade em que você nasceu. A maioria dos imigrantes de toda a história são destratados e discriminados simplesmente por terem se aventurado e ter ocupado outras terras. Mas os nativos não refletem a causa de sua viagem e de sua mudança. É preciso mudar para sobreviver. Se como e onde se encontra não está bom, não atende as perspectivas, então a solução é mudar. Assim os pais de alunos, que tem educação infantil gratuita garantido por lei, devem saber o que é, de onde e como surgiu e porque hoje se apresenta neste formato, sendo assim ofertada a sua família. Valorizar algo é conhecer e saber como surgiu e de onde veio. Por isso, este capítulo pretende conceituar a educação infantil do ponto de vista histórico, mostrando como surgiu o sentimento de infância no mundo e a educação infantil no Brasil, como o intuito de entender porque não há tanta valorização deste período tão importante da educação básica. A pré-escola não é depósito de crianças, mas ambiente socializador em que se oferece a oportunidade de amadurecer com qualidade. Não respeitar esta etapa de educação infantil é não compreender a importância e a identidade da criança na sociedade. A criança por muitos anos foi considerada como ser sem importância na sociedade, porém, atualmente, é vista como indivíduo de direitos, identidade pessoal e histórica e tem todas as suas especificidades respeitadas. Autores como Philippe Áries e Sonia Kramer descrevem esta evolução da visão da criança pela sociedade.

18 14 I.1. O SURGIMENTO DO SENTIMENTO DE INFÂNCIA Para conceituar a infância é necessário voltar no tempo e explicitar o seu surgimento. Philippe Áries (1981) em seu estudo da História Social da Criança e da Família, utiliza imagens e documentos históricos para entender a história do surgimento do sentimento e significado da criança ao longo da civilização. Em seu prefácio, com o intuito de expor o pressuposto de sua interpretação diz: A história das mentalidades é sempre, quer o admita ou não, uma história comparativa e regressiva. Partimos necessariamente do que sabemos sobre o comportamento do homem de hoje, como de um modelo ao qual comparamos os dados do passado - com a condição de, a seguir, considerar o modelo novo, construído com o auxilio de dados do passado, como uma segunda origem, e descer novamente até o presente, modificando a imagem ingênua que tínhamos no inicio (p.17) Assim, afirma que buscar o passado para entender a atualidade é confrontar os novos conceitos com o que já se conhece. Conhecer a origem é imaginar como se atingiu a forma atual. Assim deve ser com o conceito de pré-escola. Entender como ela surgiu e qual a sua importância para valorizar e perceber sua relevância. A cultura da função educacional ser exercida pelas mães data da pré-história, porém ÁRIÉS (1981), ao analisar as construções históricas, aponta a arquitetura italiana como sendo um ambiente precursor e propicio para a iniciação de um sentimento e atenção a crianças. Daí a essência do maternal. Culturalmente as crianças estão sempre muito próximas às mães e a este fato se atribui a elas a função de criar, educar, alimentar os filhos: É normal que num espaço tão privatizado tenha surgido um sentimento novo entre os membros da família, e mais particularmente entre a mãe e a criança: o sentimento de família, essa cultura, diz R. Goldthwaite, centraliza-se nas mulheres e nas crianças com um interesse renovado pela educação das crianças e uma notável elevação do estatuto da mulher... (ÁRIES, 1981, p. 18) Kramer (1995, p. 17) explica o conceito do sentimento de infância: Sentimento de infância não significa o mesmo que afeição pelas crianças; corresponde, na verdade, à consciência da particularidade infantil, ou seja, aquilo que distingue a criança do adulto e faz com que a criança seja considerada como um adulto em potencial, dotada de capacidade de desenvolvimento.

19 15 Através do estudo de Áries é possível entender como surgiu o conceito de infância. ÁRIÉS (1981) analisa a iconografia e, ao descrever as pinturas durante os séculos, enfatiza os desenhos de Maria e do menino Jesus, assim ele relata que estes documentos ilustram o cotidiano da infância: Salientemos aqui apenas o fato de que a criança se tornou uma das personagens mais freqüentes dessas pinturas anedóticas: a criança com sua família, a criança com seus companheiros de jogos, muitas vezes adultos; a criança na multidão, mas ressaltada no colo de sua mãe ou segurada pela mão, ou brincando, ou ainda urinando; a criança no meio do povo assistindo aos milagres ou aos martírios, ouvindo prédicas, acompanhando os ritos litúrgicos, as apresentações ou as circuncisões, a criança aprendiz de um ourives, de um pintor etc., ou a criança na escola, um tema freqüente e antigo, que remontava ao século XIV e que não mais deixaria de inspirar as cenas de gênero até o século XIX (ÁRIES,1981, p.53) A mortalidade infantil inexiste na atualidade, porém ÁRIES (1981) explica o sentimento de perda da criança diante desta realidade na idade média. Ele faz um paralelo entre o medo atual da perda e o comum abandono que os romanos e chineses praticavam diante das crianças recém-nascidas que não lhes pareciam perfeitas física ou mentalmente, portanto aquelas que não teriam nenhuma utilidade na sociedade. Compara a pequena distância que há entre essa realidade e a precocidade do surgimento do sentimento de infância. Essa conclusão, essencialmente obtida através da análise dos retratos e pinturas da época, mostra o nascimento do reconhecimento da fragilidade da criança, ainda que fossem tidas como pequenos seres divertidos, aos quais não se conotavam qualquer tipo de definição sobre a sua personalidade e papel na sociedade. Assim, O gosto novo pelo retrato indicava que as crianças começavam a sair do anonimato em que sua pouca possibilidade de sobreviver as mantinha. Independente do alto nível de mortalidade, Áries (1981) percebe que começa a surgir uma preocupação com as crianças, no sentido de preveni-las de doenças e prolongar suas vidas. Segundo ele, esse interesse pela criança e importância dada à sua personalidade se dá devido à consciência cristã. Essa consciência faz com que as pessoas tenham certa preocupação com a saúde das crianças e passem a vaciná-las contra a varíola, doença que dizimava na época. Estes zelos e

20 16 precauções culminaram na diminuição da mortalidade infantil e conseqüente controle de natalidade. Continuando seu estudo, Áries (1981, p 73 e 74) afirma que em algumas pinturas ilustravam as brincadeiras das crianças, revelando então a essência da infância, que é o ato de brincar. Dessa forma, seu estudo permite afirmar que as crianças sempre procuraram se espelhar nos adultos, visto que seus brinquedos se apresentavam em miniaturas ou cópias dos elementos e objetos relevantes para a sociedade. Assim como atualmente existes telefones celulares e computadores de brinquedo, sempre se reproduziu este universo para brincar, e assim desenvolver a inteligência e habilidade para se transformar em adulto. Áries (1981), ainda analisando a visão da infância, discorre sobre o nascimento da preocupação com a instrução às crianças, antes do século XX. Diz que a sociedade passa a se preocupar mais com a instrução moral e o interesse psicológico das crianças. Em textos estudados por ele, percebe descrições da personalidade dos jovens e crianças, todas com caráter negativo. Porém, na visão de Áries, estes textos, mesmo com ênfase negativa, já são o início de uma análise dos educadores da época, que a partir destes relatos, objetivam conhecer os jovens e crianças para saber como lidar com eles. Pois as crianças eram vistas pela maioria como seres inocentes, e por isso muito protegidas. Porém, a necessidade de educar esta além de considerá-las indivíduos inocentes e imagem de cristo, mas assim como cristo, mostrar-lhes o caminho da educação e desenvolver-lhes um caráter racional e cristão. Kramer (1995, p. 19) conceitua o sentimento de infância: O sentimento de infância resulta, pois numa dupla atitude com relação à criança: preservá-la da corrupção do meio, mantendo sua inocência, e fortalecê-la, desenvolvendo seu caráter e sua razão. Áries (1981, p 139), fala sobre os dois sentimentos de infância:

21 17 O primeiro sentimento de infância caracterizado pela paparicação surgiu no meio familiar, na companhia das criancinhas pequenas. O segundo, ao contrário, proveio de uma fonte exterior à família: dos eclesiásticos ou dos homens da lei[...] Os estudos de Philippe Áries foram muito importantes para que toda a sociedade pudesse compreender através de fatos históricos o pensamento das sociedades diante do sentimento de infância. Cada qual no seu contexto e numa gradativa evolução. Sonia Kramer (1995, p.19), concordando com os estudos de Philippe Ariés, sobre o surgimento da infância, afirma que o que o determina, nada mais é, do que a história e suas várias modificações nas formas de organização social. Dessa forma, assim como no período feudal exercia papel produtivo direto, participando da produção, do plantio e colheita nos campos feudais, na sociedade capitalista, urbano-industrial, em que a mão de obra é basicamente intelectual ou mecanicista, as crianças passam a ser cuidadas e educadas para exercerem outro papel social, o de adultos capazes de se organizarem em fábricas e indústrias, enfim, modelos puramente capitalistas de organização social. Ambos, ao analisarem a história do sentimento de criança, concordam com o fato de que a crianças é o reflexo da sociedade, é ela quem determina o papel que a criança representa no contexto social e de família, e qual o seu significado e idéia. Como o adulto vê a criança? Kramer (1995) diz que o adulto vê a criança como um ser dependente tanto natural como social. No entanto, a dependência social, imposta por sua autoridade, é o fato que determina esta relação e sentimento que o adulto tem sobre a criança. O vê como um ser que não desempenha papel na sociedade, que está sempre às margens, por não participar da produção dos bens materiais e nem das decisões que precisam ser tomadas em sociedade, dentro do âmbito familiar. Depois de compreender como a sociedade percebe a criança, vamos entender a história da pré-escola no Brasil.

22 18 II.2 O SURGIMENTO DA PRÉ-ESCOLA NO BRASIL Trata-se de uma educação para crianças que surge na Europa, inicialmente como compensatória. Segundo Kramer (1981) este modelo originou-se no pensamento de Pestalozzi e Froebel e foi expandido por Montessori e McMillan. A educação compensatória é aquela que supre principalmente as necessidades básicas das crianças, é aquela que supre a miséria, a pobreza e a negligência das famílias. Sendo assim: Cinco conjuntos são, em geral, apresentados como responsáveis pela expansão da pré-escola nos últimos anos, bem como por seu caráter de educação compensatória: os de ordem sanitária e alimentar; os que dizem respeito à assistência social; os relacionados com as novas teorias psicológicas e sua divulgação ou renascimento; os referentes às diferentes culturais e os fatores propriamente educacionais. (KRAMER 1981, p.26) Segundo Kramer (1981) durante a Segunda Guerra Mundial, a pré-escola se fortaleceu e virou sinônimo de assistencialismo social, já que maioria das mães trabalhava em indústrias bélicas e muitos de seus pais haviam sido convocados para a guerra. Kramer (1981, p. 27) relata ainda que A atenção de professores se voltava para as necessidades afetivas da criança e para o papel que o professor deveria assumir, dos pontos de vista clínico e educacional. Segundo Duarte (1993), a educação compensatória é definida como aquela que visa compensar as necessidades afetivas, intelectuais e escolares das crianças que pertencem às classes sociais marginalizadas, objetivando a preparação para um futuro com equivalência de oportunidades às demais classes da sociedade. Oliveira (2002) relata como surgiu a educação compensatória. Afirma que com a Revolução Industrial, a sociedade agrário-mercantil transforma-se em urbanomanufatureira. Com esta transformação as crianças se tornam vítimas de abandono e maus-tratos. A partir de então, e com o objetivo de mudar esta situação, surgem instituições para atender e suprir as necessidades destas crianças.

23 19 Sendo assim, Kramer (1981, p. 29) diz que a pré-escola era apontada como solução para os problemas da escola elementar: fatores médico-nutricionais, assistenciais, psicológicos, culturais e educacionais. Relatando a história do atendimento à criança no Brasil, é possível compreender porque é vista como assistencial até os dias atuais. Segundo Kramer (1995), a educação compensatória também ocorre no Brasil, até Diz que existiam projetos elaborados por médicos, que tratavam especificamente das necessidades médicas. Como estes projetos não se concretizaram, progrediram os projetos no âmbito da higiene infantil, médica e escolar. No final do século XIX, com o ideário liberal, inicia-se um projeto de construção de uma nação moderna. A elite do país assimila os preceitos educacionais do Movimento das Escolas Novas, elaboradas nos centros de transformações sociais ocorridas na Europa e trazidas ao Brasil pela influência americana e européia. Surge no Brasil a idéia de jardim-de-infância que foi recebida com muito entusiasmo por alguns setores sociais, mas gerou muito discussão, pois a elite não queria que o poder público não se responsabilizasse pelo atendimento às crianças carentes. Com toda polêmica, em 1875 no Rio de Janeiro e em 1877 em São Paulo, eram criados os primeiros jardins-de-infância, de caráter privado, direcionados para crianças da classe alta, e desenvolviam uma programação pedagógica inspirada em Froebel (OLIVEIRA, 2002). Kramer (1971) relata a história da educação pré-escolar no Brasil. Enfatizo o atendimento público: [...] Coordenação de Educação Pré-Escolar (COEPRE), DO Ministério da Educação e Cultura, de caráter público federal, tendo, pois, influencia direta na determinação das diretrizes do atendimento ao pré-escolar desenvolvido a nível das Secretarias Estaduais. Sendo assim, Kramer (1995) expõe que, no início de 1975, houve uma mobilidade do governo, representado pelo Ministério da Educação, no sentido de atender às crianças de zero a seis anos. Isto ocorre após o Presidente da República defender a

24 20 importância dos primeiros anos de vida e solicitar providencia ao Ministério. Este Ministério empenhou-se neste sentido e, após relatar as conseqüências irreversíveis que as carências nutricionais acarretam no desenvolvimento físico e mental das crianças, desenvolveu pesquisas em todo o país com o objetivo de compor um plano de educação pré-escolar. Vale ressaltar que desde o inicio o sistema governamental se mostra conhecedor da importância da educação infantil para o desenvolvimento da criança e a necessidade de sua implantação pelo poder público. Segundo Kramer (apud CAMPOS, 1979, p. 53): De esquecido e ignorado, o pré-escolar foi repentinamente colocado sob os holofotes de educadores, sanitaristas, assistentes sociais, jornalistas e autoridades. No inicio de forma discreta, e depois cada vez mais insistentemente, ele tem-se tornado o alvo de inúmeros programas governamentais, projetos de pesquisa, reivindicações de grupos privados É fato que a educação infantil nasceu na forma de uma educação pré-escolar puramente compensatória. Para Kramer, a difusão das pré-escolas emerge da necessidade de compensar as deficiências da sociedade e não de formar e preparar as crianças para o ensino regular. Nesse sentido, os poderes públicos estaduais e municipais, bem como entidades empresárias e comunitárias, se emprenharam em desenvolver programas de educação compensatória. (PARECER CFE nº 2,018 apud KRAMER) Como visto, pode-se concluir que a educação infantil surge numa sociedade que relutou em reconhecer a criança como ser pensante e sujeito de direitos, e dessa forma, reluta até os dias atuais para reconhecer a transformação garantida que a primeira etapa da educação básica promove na vida das crianças. O fato de a préescola ser vista pela maioria dos pais de alunos de comunidades carentes como simples local seguro onde depositar os filhos enquanto vão ao trabalho, é algo histórico visivelmente explícito por Sonia Kramer quando esta expõe a história da educação infantil e sua política intrinsecamente compensatória. É cultural pensar na creche e pré-escola como ambiente puramente dedicado ao cuidar e não ao educar.

25 21 Neste trabalho, o objetivo é transformar este pensamento afirmando que a educação infantil é a base e sendo assim, é tão importante quanto as demais etapas da educação.

26 22 CAPÍTULO II ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO E COGNITIVO NA PRIMEIRA INFANCIA A escola de Educação Infantil surgiu com a função de educação compensatória como foi descrito no capítulo anterior, e esta idéia persiste no conceito da sociedade, quando notamos nos pais a intenção de enviar os filhos para a pré-escola sem uma consciência de que aquele é um ambiente educacional. O que se pretende, portanto, é reafirmar que esta etapa educacional é de grande importância para o desenvolvimento da criança. Pois este é o período em que ela está completamente disposta a absorver conhecimentos, e por ser a pré-escola o ambiente propício a fornecer uma gama de estímulos e propor estes conhecimentos e experiências. Conforme o RCNEI (1998, p.17): Modificar essa concepção de educação assistencialista significa atentar para várias questões que vão muito além dos aspectos legais. Envolve, principalmente, assumir as especificidades da educação infantil e rever concepções sobre a infância, as relações entre classes sociais, as responsabilidades da sociedade e o papel do Estado diante das crianças pequenas. E assumir as especificidades da educação infantil significar que a classe docente precisa pesquisar e aprofundar o conhecimento acerca de tudo o que implica educar crianças em idade pré-escolar. Significa que o órgão governamental responsável pelo financiamento da educação infantil, neste caso os municípios, promova um ambiente educacional de qualidade, no que diz respeito à estrutura das escolas, materiais de uso e consumo etc. A especificidade da educação também está ligada à formação dos professores e à consciência da comunidade. Rever concepções sobre a infância significa conscientizar a comunidade de que a educação infantil é mais do que mera façanha assistencialista do governo, de que a criança merece e necessitada de assistência não somente à saúde, mas principalmente à educação.

27 23 Dessa forma, este capítulo, ao tratar das fases do desenvolvimento cognitivo da criança, bem como a relação da afetividade com o surgimento da inteligência, procura afirmar que a infância é o período ideal para se educar. A infância sendo a primeira etapa da vida do individuo, requer atenção e uma preparação de qualidade para ser realmente base da educação, fundamento. Assim como uma casa que precisa de uma base sólida, a criança também precisa de uma boa iniciação educacional. A criança precisa viver em um ambiente saudável, ter atenção e carinho para se desenvolver. E para tanto há de ser de qualidade e há de ser devidamente apoiada pelos pais e bem realizada pelos educadores. A escola de educação infantil atualmente não deve ser vista como instituição que agregue subsídios como saúde, alimentação e o cuidar, pelo fato de o governo atual prover esses bens básicos à população através de programas como o Bolsa Família 1, campanhas de vacinação dentre outros programas bem executados pelo governo atual. Assim, a educação infantil tem condição de alcançar o seu objetivo que é o de educar as crianças em idade pré-escolar. Salvo de promover a compensação das dificuldades básicas da sociedade, as creches e pré-escolas tem a oportunidade de realmente cumprir o seu papel de ambiente facilitador da aprendizagem com foco educacional e preparatório para o Ensino Fundamental. Para consolidar este pensamento, Saltini defende a mudança do enfoque educacional atual, com o objetivo de alertar a sociedade quanto ao novo olhar do sistema educacional (1998, p. 94) Diante de toda esta mudança também não devemos esquecer que a relação com os pais dos alunos deve ter outro enfoque. Enquanto se criava uma escola para satisfação dos pais, hoje cria-se uma escola para o desenvolvimento do pensar da criança. Para isso passa-se a mostrar aos pais os objetivos e metas da educação, o que nunca fora feito anteriormente. A escola de educação infantil de hoje é livre para cumprir o seu dever de educar. Pois a sociedade também está livre do pensamento de educação compensatória. 1 O Bolsa Família atende mais de 12 milhões de famílias em todo território nacional. O 4 Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio aponta queda da pobreza extrema de 12% em 2003 para 4,8% em 2008.

Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização. Prof. Denise de Oliveira Alves

Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização. Prof. Denise de Oliveira Alves Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização Prof. Denise de Oliveira Alves I- CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA Reflexões iniciais: As transformações ocorridas no campo da educação infantil estão estritamente

Leia mais

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka.

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. 1175 O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. Programa de pós-graduação em psicologia da Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

3º período -1,5 horas. Ementa

3º período -1,5 horas. Ementa Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil 3º período -1,5 horas Ementa Organização da escola de educação infantil. Planejamento, registro e avaliação da educação infantil. Fundamentos e métodos

Leia mais

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR Francisca Helena Carlos- Graduanda do 7º período do Curso de Pedagogia CAP /UERN Maria Solange Batista da Silva Graduanda do

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 1. Apresentação do Professor. Ementa. Organização da Disciplina. Pedagogia

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 1. Apresentação do Professor. Ementa. Organização da Disciplina. Pedagogia Educação Infantil: Fundamentos Teleaula 1 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Apresentação do Professor Pedagogia Ementa Políticas para a Educação Infantil: conceitos

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Simone Fraga Freitas Antunes¹ César Augusto Jungblut² Resumo

Simone Fraga Freitas Antunes¹ César Augusto Jungblut² Resumo Simone Fraga Freitas Antunes¹ César Augusto Jungblut² Resumo Este artigo trata do tema dificuldade de ensinagem, colocando em foco o papel do professor enquanto o profissional responsável pela educação

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil

A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil RESUMO: O presente artigo é resultado da pesquisa realizada na disciplina de Recursos Tecnológicos, Pedagógicos

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

Anais do II Seminário de Pesquisa do NUPEPE Uberlândia/MG p. 28-35 21 e 22 de maio 2010

Anais do II Seminário de Pesquisa do NUPEPE Uberlândia/MG p. 28-35 21 e 22 de maio 2010 28 O CUIDAR E O EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PERSPECTIVA PARA GRADUADOS EM LICENCIATURAS Adrienne Galvão Silveira Licenciada e Bacharel em Geografia Profa. Rede Particular Uberlândia - MG galvaodri@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

PIBID: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCENCIA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

PIBID: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCENCIA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA PIBID: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCENCIA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Ester Gonçalves Prata¹ UNIR-Campus Vilhena ester-vha@hotmail.com Elezilda Pereira Rodrigues² UNIR-Campus Vilhena zildarodriguesvha@hotmail.com

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO ESPECIAL: REFLETINDO SOBRE A RELAÇÃO A PARTIR DA REALIDADE ESCOLAR

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO ESPECIAL: REFLETINDO SOBRE A RELAÇÃO A PARTIR DA REALIDADE ESCOLAR LUDICIDADE E EDUCAÇÃO ESPECIAL: REFLETINDO SOBRE A RELAÇÃO A PARTIR DA REALIDADE ESCOLAR Resumo SOUZA, Lays Ribeiro de FERREIRA, Anthéia Augusta TEIXEIRA, Leiza, Abreu (Instituição de Ensino: UFT) O presente

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA *Sandra Rejane Silva Vargas **Luiz Fernandes Pavelacki RESUMO O presente trabalho tem como principal objetivo identificar qual a importância

Leia mais

6 Conclusão. [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY).

6 Conclusão. [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY). 158 6 Conclusão [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY). Neste trabalho de pesquisa, procurei entender como

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INFANTIL I - META 1 DO PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

O DIREITO À BINCADEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O DIREITO À BINCADEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL O DIREITO À BINCADEIRA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Juliana Mayane Sobreira Xavier Graduanda do Curso de Pedagogia Universidade Regional do Cariri-URCA jumayanne@gmail.com Maria Aparecida Ferreira dos Santos Graduanda

Leia mais

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL CLIMENIA MARIA LACERDA DE OLIVEIRA Núcleo de Estudos e Pesquisas: Trabalho Docente, Formação de Professores e

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil.

ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil. ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil. Fabricia Pereira Teles Profª da rede pública e particular de ensino Introdução

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Emylle Barros de Almeida Fonseca Aluna graduanda do curso de Pedagogia - CAMEAM- UERN Thais Chaves de Oliveira

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

O DIREITO DE BRINCAR NA CONCEPÇÃO DA CRIANÇA

O DIREITO DE BRINCAR NA CONCEPÇÃO DA CRIANÇA O DIREITO DE BRINCAR NA CONCEPÇÃO DA CRIANÇA Déborah Cristina Málaga Barreto 1 Mara Silvia Spurio Aranda 2 Silvia Elizabeth Gabassi 3 Fig. 1 Direito de Brincar A análise de fatos que acontecem na sociedade

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 2. Contextualização. Educação Básica LDBEN 9394/96. Educação Infantil e Ensino Fundamental

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 2. Contextualização. Educação Básica LDBEN 9394/96. Educação Infantil e Ensino Fundamental Educação : Fundamentos Teleaula 2 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Contextualização Pedagogia Educação e Ensino Segundo a LDBEN 9394/96, artigo 21, a educação escolar

Leia mais

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil INTRODUÇÃO Currículo e Educação Infantil A Educação Infantil é dever e obrigação do Estado e responsabilidade política e social da sociedade e não apenas daqueles que vivenciam a realidade escolar, utilizando-se

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Lei 9.394/96 proíbe a reprovação em sala de alfabetização Adverte pais e gestores educacionais para a aplicação da Lei 9.394, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional,

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Jailza de Lima Oliveira (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Larissa Santos do Sacramento (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Lucimara de Oliveira Soares (UNEB -

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

A Importância Da Educação Infantil No Processo De Alfabetização

A Importância Da Educação Infantil No Processo De Alfabetização A Importância Da Educação Infantil No Processo De Alfabetização Autora: Joseana Pereira Silva (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A educação infantil é a primeira fase da escolarização

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais