- O case de São José dos Campos. e Inovação; Empreendedorismo; Centros Empresariais; Desenvolvimento Sustentável.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- O case de São José dos Campos. e Inovação; Empreendedorismo; Centros Empresariais; Desenvolvimento Sustentável."

Transcrição

1 Título: Parques Tecnológicos e Incubadoras modelando novas cidades - O case de São José dos Campos Autor: Horacio Aragonés Forjaz; - Co-autores: Sebastião Gilberti Cavali, Luiz Fernando Carvalho de Souza e Elso Alberti Junior Resumo: A experiência vivida por São José dos Campos com a criação de habitats de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação (P&D&I) propiciou o crescimento da cidade em termos de população, qualidade de vida e investimentos. No passado, a cidade de beneficiou muito com a criação do Centro Técnico Aeroespacial (CTA) e do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Estas instituições reuniam as mesmas características que hoje suportam os modernos parques tecnológicos com educação de qualidade, foco em P&D&I e no estímulo ao empreendedorismo, e foram o embrião da moderna indústria aeroespacial brasileira. No momento atual, o Parque Tecnológico São José dos Campos e a incubadora de empresas gerida pelo Centro de Competitividade do Cone Leste Paulista (CECOMPI) trabalham de maneira a integrar as universidades e os institutos de ciência e tecnologia com as pequenas e médias empresas para a realização de projetos tecnológicos de inovação. Para o futuro, o Parque Tecnológico e a Prefeitura Municipal estão trabalhando juntos para estruturar um projeto de ocupação planejada e ordenada de uma área de 25.3 milhões de m² no complexo do Parque Tecnológico chamada de Zona Especial Parque Tecnológico ZEPTEC, para onde se pretende dirigir o futuro da cidade com a criação de uma cidade tecnológica ou tecnópolis. Palavras-Chave: Parque Tecnológico São José dos Campos; Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação; Empreendedorismo; Centros Empresariais; Desenvolvimento Sustentável. Autor: Horacio Aragonés Forjaz, Engenheiro Eletrônico ITA 1974, Mestre em Computação Aplicada INPE , Diretor Geral do Parque Tecnológico São José dos Campos - (55)(12) Co-autores: 1 - Sebastião Gilberti Cavali, Engenheiro Mecânico-Aeronáutico ITA 1994, Mestre em Ciências Aeroespaciais UNIFA, Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia da Prefeitura Municipal de São José dos Campos (55)(12) ; 2 Luiz Fernando Carvalho de Souza, Engenheiro de Computação Unicamp 2003, Gerente de Projetos do Parque Tecnológico São José dos Campos (55)(12) ; e 3 Elso Alberti Junior Engenheiro Aeronáutico ITA 1980, Diretor de Planejamento do Parque Tecnológico São José dos Campos - (55)(12)

2 Title: Science parks and incubators shaping new cities - The case of São José dos Campos Author: Horacio Aragonés Forjaz; - Co-authors: Sebastião Gilberti Cavali, Luiz Fernando Carvalho de Souza e Elso Alberti Junior Abstract: The experience of São José dos Campos with the creation of research, technology and innovation (R&D&I) habitats resulted in the growth of the city in terms of population, quality of life and investments. In the past, the city benefited much from the creation of Centro Técnico Aeroespacial (CTA) and of Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). These institutions were driven by the same supporting pillars as technological parks topquality education, focusing on R&D&I and entrepreneurial stimuli and were embryonic to the beginning of the modern Brazilian aerospace industry. At the present time, the Tech Park and the incubator managed by the Centro de Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista (CECOMPI) work to integrate universities and science and technology institutes with small and medium companies in the development of innovative technological projects. For the future, the Tech Park and the Municipal Government are working together to structure the planned and organized occupation of the nearly 6,200 acres of the Park and its environs (ZEPTEC Zona Especial Parque Tecnológico), with a vision of forming a veritable technopolis that will give direction to the city over the coming decades. Key words: Science Park São José dos Campos; Research, Development and Innovation; Entrepreneurism; Enterprise Centers; Sustainable Development. Author: Horacio Aragonés Forjaz, Electronic Engineer ITA 1974, Master in Computation INPE , General Director for São José dos Campos Tech Park - (55)(12) Co-authors: 1 - Sebastião Gilberti Cavali, Mechanic Engineer ITA 1994, Master in Aerospace Science UNIFA, Secretary of Economic Development, Science and Technology for the Municipality of São José dos Campos (55)(12) ; 2 Luiz Fernando Carvalho de Souza, Computation Engineer Unicamp 2003, Project Manager for São José dos Campos Tech Park (55)(12) ; e 3 Elso Alberti Junior Aeronautic Engineer ITA 1980, Planning Director for São José dos Campos Tech Park - (55)(12)

3 Parques Tecnológicos e Incubadoras modelando novas cidades O case de São José dos Campos 1. Introdução O presente Artigo Completo detalha as experiências vividas pela cidade de São José dos Campos com a criação de habitats de ciência, tecnologia e inovação e os impactos promovidos no crescimento da cidade em termos populacionais, de qualidade de vida, índices sociais e econômicos, e atração de novos investimentos. O artigo aborda o passado, o presente e o futuro que está sendo desenhado para a cidade tendo como vetores a ciência, a tecnologia, a inovação e o empreendedorismo. De início examina-se o impacto proporcionado pela implantação, a partir da segunda metade da década de 1940, do Centro Tecnico Aeroespacial CTA, seguido pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA, segundo bem elaborado projeto estratégico patrocinado pelo Governo Federal, em que uma escola de engenharia de excelência e institutos de pesquisa e desenvolvimento geraram conhecimento, tecnologia e produtos que, unidos a uma notável visão e ações empreendedoras, deram origem à base industrial e tecnológica hoje existente no país nos segmentos de aeronáutica, espaço e defesa. A criação do CTA/ITA pode ser considerada precursora e visionária uma vez que utilizou de conceitos e estruturas existentes nos modernos parques tecnológicos de hoje, quais sejam: a presença de universidades como fontes de conhecimento e de recursos qualificados, juntamente com centros de pesquisa e desenvolvimento, com a missão de gerar produtos e serviços, constituindo ambientes estimulantes e propícios ao surgimento de futuras empresas. Várias empresas do setor aeroespacial originaram-se no CTA e tornaram-se instituições de renome internacional, detentoras de faturamentos respeitáveis, empregando grandes contingentes de mão de obra de elevada qualificação. Marcas como a Embraer, sem dúvida a de maior repercussão e presença, mas também o de outras empresas, como Avibrás, hoje a principal empresa de sistemas de defesa do país. No presente, o Parque Tecnológico São José dos Campos e a incubadora gerida pelo Centro de Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista CECOMPI, promovem a integração de universidades e institutos de C&T com empresas de base tecnológica para o desenvolvimento de projetos inovadores, com o apoio de agências públicas de fomento. Para o futuro, o Parque Tecnológico e a Prefeitura de São José dos Campos trabalham para estruturar a ocupação ordenada e progressiva de uma área de 25 milhões de m² no entorno do Parque, definida por lei como Zona Especial Parque Tecnológico ZEPTEC. Nesta área pretende-se construir, de forma planejada e recorrendo-se inclusive a parcerias público-privadas PPPs, novos empreendimentos para novas instituições de P&D&I, 3

4 loteamentos industriais para acomodar empresas de base tecnológica, principalmente aquelas que foram incubadas e cresceram devido ao projeto das Incubadoras e do Parque, condomínios residenciais para abrigar preferencialmente os trabalhadores da região, empreendimentos comerciais, galerias de serviços, shopping centers, centro de lazer e cultura. Tudo isso suportado por projetos de infraestrutura e mobilidade urbanas. 2. São José dos Campos: desenvolvimento industrial marcado pela Ciência e Tecnologia 2.1. Primórdios A industrialização brasileira teve o café como precursor do seu desenvolvimento e acontecimentos que impulsionaram o sistema agrário para a nova economia industrializada. Na década de 1940 São José dos Campos era uma cidade de aproximadamente 40 mil habitantes dependendo basicamente de atividades agro-pecuárias e, embora distando apenas 85 km de distância de São Paulo, sequer era ligada à capital do estado por estrada pavimentada. No aspecto econômico, os municípios de Taubaté e Jacareí, ambos no interior do Estado de São Paulo possuíam atividades industriais mais relevantes, sendo que São José dos Campos estava praticamente limitado à presença da Tecelagem Parayba, empreendimento de peso mas único e que por quase meio século marcaria sua história de atraso no processo de industrialização. O Anexo I São José dos Campos e o ITA contados pelos primeiros alunos traz alguns depoimentos que retratam bem a cidade naquela época. A criação do Centro Tecnológico da Aeronáutica - CTA, em 1946, e a inauguração da Rodovia Presidente Dutra, em 1951, foram os fatores determinantes para a mudança econômica local (e regional) e que marcaram a transição da economia do município, baseada na agricultura, para a economia baseada na industrialização. A atuação do governo, por meio de políticas públicas indutoras e reguladoras do sistema econômico, teve papel primordial ao criar mecanismos de atratividade do capital externo, regular as atividades dentro do país e criar mecanismos de concessão de subsídios e incentivos fiscais a indústria nacional O CTA e o ITA Na década de 1940 o Governo Brasileiro deu início a um projeto estratégico de longo prazo visando desenvolver a capacitação aeronáutica do país. O projeto surgiu da necessidade de montar uma sólida base técnica capaz de se contrapor à dependência tecnológica das nações mais avançadas e consolidar a instalação de uma 4

5 indústria aeronáutica autóctone. O plano a ser seguido consistia na criação de uma escola de engenharia modelo e de um instituto de pesquisa e desenvolvimento, co-localizados em um centro técnico com infra-estrutura adequada. Dessa forma, começou a ser organizado em 1946 o Centro Técnico de Aeronáutica (CTA), hoje denominado Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), e que, a partir de 1950, passou a abrigar o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Em 1953, dando continuidade ao projeto, foi criado o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IPD). Vários programas experimentais de desenvolvimento de aeronaves tiveram lugar no CTA a partir da década de 50, entre eles o Convertiplano, o helicóptero Beija-flor e o avião turboélice Bandeirante. Este último, iniciado em 1965 como programa IPD-6504, deu origem à criação da Embraer, em 19 de agosto de Além da Embraer sem dúvida a empresa de maior impacto e de renome internacional - várias outras empresas tiveram origem no CTA: Avibrás, principal empresa brasileira do setor de defesa; Tecnasa, empresa do segmento de equipamentos comunicação e navegação, Mectron, dedicada ao desenvolvimento e produção de mísseis; ESCA, integradora de sistemas. Algumas destas empresas sucumbiram com o tempo em decorrência da inexistência de uma política industrial robusta para o setor de defesa. Os efeitos positivos da presença do CTA/ITA na cidade e região não se limitaram à implantação de grandes empresas e se fazem sentir também por meio de número expressivo de empresas de engenharia e consultoria, cuja base de clientes se estende pelo Brasil e exterior, para os quais São José dos Campos exporta conhecimento em troca de empregos qualificados e riqueza para o município Polo Industrial e de Ciência e Tecnologia Concomitantemente à instalação do CTA/ITA, e ciente da concorrência que lhe faziam outros muncípios do interior do Estado, administradores do município implementaram agressiva política de incentivos capaz de atrair empresas, sobretudo do setor industrial, fator que também veio contribuir para o surgimento do pólo aeronáutico que deu fama à cidade a partir da década de # Empresa Ano 1 Johnson & Johnson Ericsson Kanebo Eaton Bendix Engesa General Motors Avibras

6 O município não se caracterizou apenas por novos empreendimentos industriais atraídos por benefícios fiscais para se instalarem, mas a presença do Estado se fez sentir também na criação de muitas das instituições de ensino e pesquisa ao longo das décadas de 1950 e 1960: # Instituição de Ensino Ano 1 Faculdade de Direito Escola Técnica Everardo Passos - ETEP Faculdade de Odontologia UNESP Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Escola de Engenharia Industrial - EEI São José dos Campos hoje São José dos Campos está localizada no Vale do Paraíba a poucos quilômetros da capital do estado São Paulo, dos aeroportos internacionais de Guarulhos e Viracopos, dos portos de Santos e São Sebastião e de cidades turísticas como Campos do Jordão, na Serra da Mantiqueira e do litoral norte paulista. A cidade conta com uma população de aproximadamente 640 mil habitantes, uma sólida base industrial, diversas universidades públicas e privadas, vocação clara e diferenciada para Pequisa, Desenvolvimento e Inovação, tendo acumulado acervo impressionante de conhecimentos, tecnologias e mão de obra de elevada qualificação atuando em vários segmentos da economia além dos de aeronáutica, espaço e defesa. Localização relativa de São José dos Campos 6

7 Segundo dados relativos ao ano de 2010 da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados - SEADE, vinculada à Secretaria de Planejamento do Governo do Estado de São Paulo, o município de São José dos Campos: ocupava a 19ª. posição no ranking de geração de Produto Interno Bruto PIB, em nível nacional e a 4ª. no Estado de São Paulo; suas exportações anuais somavam aproximadamente U$ 5,2 bilhões, representando cerca de 10% das exportações do Estado de São Paulo; exibia IDH de 0,849 e GINI de 0,41, equivalente a de países europeus, e; índices de tratamento de esgoto, água e coleta de lixo respectivamente de 98%, 97% e 99%. A experiência vivenciada com a criação e operação do CTA/ITA e os impactos promovidos em São José dos Campos, a credenciam para uma nova etapa de investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação promovida pelo projeto do Parque Tecnológico a proporcionar incrementos expressivos em indicadores econômicos e sociais da cidade que atualmente já diferenciam São José dos Campos. 3. O Parque Tecnológico - São José dos Campos 3.1. Origem A gênese do Parque Tecnológico São José dos Campos tem origem na segunda metade dos anos 90, período em que a cidade e região viviam novo renascimento econômico e social após longa e profunda crise durante a primeira metade da década que afetou de maneira particularmente negativa a indústria aeroespacial e de defesa, obrigando indústrias a cerrarem portas e ceifando milhares de empregos. Autoridades do município à época deram início ao debate acerca da identificação de mecanismos que possibilitassem ao município e região, por décadas à frente, assegurar a preservação e melhoria dos bons índices sócios econômicos e sociais vividos no período, assim como a geração de empregos de qualidade e um futuro sustentável. Este movimento ganhou significativo apoio com a criação pelo Governo do Estado de São Paulo, no início da década de 2000, do Sistema Paulista de Parques Tecnológicos, e com a pré-seleção de São José dos Campos, juntamtente com São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto e São Carlos, como uma das cinco cidades do Estado indicadas para abrigarem parques tecnológicos. Em 2006 a municipalidade adquiriu as instalações desativadas de uma antiga fábrica fornecedora de componentes e placas eletrônicas 60 mil m2 de área construída em área total de 180 mil m2, configurando excelente infraestrutura para o novo parque em formação. O Parque Tecnológico São José dos Campos foi criado em 2007 com a aprovação de um Planejamento Estratégico e uma visão de sete anos, entre 2008 e

8 Em maio de 2009 foi assinado o contrato de gestão entre a Prefeitura de São José dos Campos e a Associação Parque Tecnológico de São José dos Campos - APTSJC, organização social de direito privado sem fins lucrativos, fato este que marcou o início a sua operação efetiva O Parque em 2013 Em operação plena desde maio de 2009, o Parque Tecnológico São José dos Campos logrou, a despeito de sua curta existência, alcançar resultados muito expressivos. Dentre eles, certamente merecem destaque o fato de ter sido o primeiro parque a receber credenciamento definitivo pelo Sistema Paulista de Parques Tecnológicos e o volume de investimentos atraídos neste período, totalizando R$ 1,6 bilhão, sendo que R$ 915 milhões com origem na iniciativa privada e R$ 235mil no poder público, nas esferas federal, estadual e municipal. Vista parcial do Parque Tecnológico São José dos Campos Os seus cinco Centros de Desenvolvimento Tecnológico CDTs voltados à aeronáutica, energia, águas e saneamento ambiental, saúde e tecnologias TIC, resultam de parcerias promissoras entre grandes empresas como Vale, Embraer, Sabesp e Ericsson, e universidades e ICT s de renome internacional como ITA, USP, UNIFESP, UNESP, UNICASTELO, IPT e INPE. Novas unidades de instituições de ensino superior em nível federal (UNIFESP, UNIFEI) e estadual (UNESP, FATEC) já operam no Parque Tecnológico e/ou encontram-se em 8

9 avançado estágio de implantação no designado Parque das Universidades - área de m2 reservada para este fim ao interno do Parque, atendendo diariamente estudantes. Neste mesmo sentido, o SENAI oficializou ambicioso para construção de uma nova unidade localizada no Parque Tecnológico, cuja operação deverá ter início em Em decorrência, a oferta anual de vagas para cursos superiores em ciências e engenharia pelo ensino público, em São José dos Campos, saltou de 200 para 1.600, de 2006 a Inaugurado em 2010, o Centro Empresarial I acolhe, apoia e estimula 26 pequenas e médias empresas PME s de base tecnológica selecionadas em razão de seus projetos de desenvolvimento de produtos com ênfase na tecnologia e inovação. A partir de agosto próximo terão início as obras do Centro Empresarial II, o qual, a partir de janeiro de 2014, deverá elevar Consequentemente, ao Parque Tecnológico São José dos Campos competirá papel relevante na definição do futuro de São José dos Campos e região, contribuindo para o surgimento e consolidação de empresas de base tecnológica capazes de gerar produtos inovadores, de alto valor agregado, geradoras de empregos de alta qualificação Desdobramentos Recentes Atividades conduzidas no âmbito do Parque Tecnológico São José dos Campos vem se desdobrando em novos eventos de grande importância no ano de 2013, dos quais merecem destaque: Programa de Seleção de Empresas - PSE para o Centro Empresarial II este programa visa a selecionar até 50 empresas de pequeno e médio porte PMEs, oriundas do país e do exterior para a ocupação do novo Centro Empresarial II, ora em construção e cuja entrada em operação está prevista para o final do primeiro trimestre de Lançado oficialmente por ocasião da Latin America Aerospace and Defence LAAD 2013, realizada de 9 a 12 de abril de 2013, no Rio de Janeiro, o PSE deverá cumprir duas etapas importantes antes do processo formal de avaliação, a ocorrer de novembro a fevereiro próximos. Intensa campanha de divulgação e marketing, em nível nacional e internacional, elevando o nível de conscientização e motivação das empresas potencialmente interessadas, visando ao recrutamento das melhores e mais promissoras candidatas; Campanha progressiva de aproximação e conscientização das empresas candidatas por meio de encontros, workshops e prévio fornecimento de dados, facilitando o processo de seleção, assegurando resultados mais eficazes e aumentando a probabilidade de sucesso do programa como um todo. Prévio conhecimento e alinhamento das empresas candidatas - às práticas, direitos e obrigações prevalentes no ambiente do PqTec e na sua relação com as empresas residentes 9

10 Revisão e aprimoramento dos modelos e práticas - ora adotados de relacionamento jurídico e de gestão operacional entre o PqTec e as empresas residentes, de forma a assegurar maior segurança e eficácia ao processo de gestão das mesmas. Agregação de novos parceiros ao longo do primeiro semestre de 2013 foram sucessivamente anunciados os ingressos de novos e importantes parceiros do Parque Tecnológico São José dos Campos Centro de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais CEMADEN, um dos institutos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI, deverá transferir-se de sua sede atual em Cachoeira Paulista e iniciar operações no Parque Tecnológico ainda em O CEMADEN foi concebido com o intuito de auxiliar ações preventivas para redução do efeito de desastres naturais e identificar vulnerabilidades no uso e ocupação do solo, como ferramenta de planejamento urbano; Boeing em conferência de imprensa realizada no dia 9 de abril, a Presidente da Boeing Brasil, Donna Hrinak, e o Prefeito de São José dos Campos, Carlinhos Almeida, comunicaram a decisão da Boeing, maior empresa aeroespacial do mundo, de estabelecer no Parque Tecnológico seu novo Centro de Pesquisas e Desenvolvimento com sede no Brasil. O Parque Tecnológico deverá abrigar em seu Núcleo, incialmente em instalações de 400m 2 aproximadamente, a equipe de pesquisadores da Boeing responsável pela implementação de atividades de P&D definidas em acordos previamente assinados com o INPE, DCTA e Embraer. Atech - uma das vencedoras de processo de chamada pública para ocupação de área no Núcleo do PqTec, a Atech ocupará área de 240m 2 em dependência situada no Núcleo do Parque, destinada a abrigar equipe de especialistas da empresa dedicados ao desenvolvimento de inovações tecnológicas em C4I. A Atech é uma empresa brasileira dedicada ao desenvolvimento de soluções em sistemas complexos para missões críticas para entidades públicas e privadas. Em seu rico portfólio a Atech registra participação em projetos de grande porte como o Sistema de Vigilância e Proteção da Amazônia (SIVAM e SIPAM); os sistemas brasileiros de gerenciamento do espaço aéreo, de controle do tráfego e de defesa; e o desenvolvimento e integração de sistemas de missão da aeronave P-3 de patrulha marítima. Visiona - A Visiona Tecnologia Espacial, empresa dos grupos Embraer e Telebrás, entrou em operação em operação no Parque Tecnológico em junho de Desfrutando inicialmente de área de 700m 2 no Núcleo do Parque, a empresa desempenhará papel estratégico no Programa Espacial Brasileiro, devendo centralizar, a partir do PqTec SJC, atividades de integração do sistema do novo satélite geoestacionário brasileiro (SGDC). 10

11 Com custo estimado em R$ 720 milhões, o satélite geoestacionário terá finalidades civil e militar, permitindo disponibilizar internet em banda larga a milhões de lares brasileiros bem como atender as necessidades de comunicações estratégicas de defesa. EADS No salão internacional de Le Bourget em Paris, no último mês de junho a EADS anunciou a instalação de núcleo de desenvolvimento de projetos e novas tecnologias no Parque Tecnológico São José dos Campos onde, através de sua subsidiária Cassidian, desenvolverá soluções de integração de informações de sensores para aplicação em sistemas de defesa e também o desenvolvimento de sistemas espaciais através de sua subsidiária Astrium. CEMADEN Boeing Atech Visiona EADS Instituições recentemente agregadas ao PqTec São José dos Campos A este conjunto de notícias, por si muito positivo, vieram se somar outras de não menor importância: O estágio de completamento das obras da nova unidade da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP, com 22 mil m² de área construída e que deverá abrigar estudantes a partir do primeiro trimestre de 2014; o avanço da implantação do Laboratório de Estruturas Leves LEL, obra a cargo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, e cuja entrada em operação está prevista para o início de Os fatos acima reportados vem corroborar a percepção sempre crescente de que o Parque Tecnológico caminha firmemente no sentido de completar com sucesso as etapas previstas em seu Plano Estratégico originalmente aprovado em 2009, quando do início de suas operações, configurando-se hoje como um ambiente altamente favorável ao desenvolvimento de atividades de Pesquisa e Desenvolvimento e ao Empreendedorismo Inovador A Zona Especial do Parque Tecnológico ZEPTEC Prevendo o crescimento do Parque Tecnológico e desdobramentos de atividades a ele conectadas em seu entorno, a Prefeitura Municipal de São José dos Campos definiu como Zona Especial do Parque Tecnológico ZEPTEC e cuja ocupação futura deverá dar-se em harmonia com a existência do Parque Tecnológico uma ampla área de 25 milhões de metros quadrados que se estende da rodovia Presidente Dutra (ao Norte) à rodovia Carvalho Pinto (ao Sul), englobando, além de 1,3 milhões de m2 pertencentes ao Parque, uma grande variedade de propriedades pertencentes a pessoas físicas e jurídicas. 11

12 Núcleo do PqTec A Zona Especial do Parque Tecnológico - ZEPTEC Por outro lado, com a conclusão do Centro Empresarial II e a ocupação, ainda no ano de 2013, de algumas poucas áreas disponíveis, o Parque vê esgotada sua capacidade de alojar mais empresas em glebas adquiridas originalmente pela Poder Público Municipal, a despeito de demandas crescentes por novos espaços. Diante do quadro acima detalhado, o Parque Tecnológico defronta-se hoje com a opoertunidade única de viabilizar sua expansão e futuro por meio de um projeto urbanístico de grande porte para a ZEPTEC, abrangendo a implantação de novos intituições de ensino, centros de P&D de grandes empresas, estruturas laboratoriais multi-usuário, distritos industriais de base tecnológica, empreendimentos comerciais e condomínios residenciais para diversas classes sociais, hotéis, centro de cultura e de lazer, posto de saúde, bombeiros e polícia, escolas de 1º e 2º graus, creches e demais facilidades de um polo populacional voltado a suportar as atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação promovidas pelo Parque Tecnológico. Numa perspectiva de 25 a 30 anos, a expectativa é que esta área se torne um a nova cidade tecnológica, ou Tecnópolis, com aproximadamente 200 mil habitantes vivendo num ambiente onde a tecnologia, a inovação e o empreendedorismo serão respirados diuturnamente. 12

13 4. O Futuro: Limitações e Desafios A Prefeitura de São José dos Campos não tem poupado esforços e investimentos para promover o crescimento do Parque e consolidá-lo como um vetor fundamental para o crescimento da cidade. O Governo do Estado de São Paulo, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia e da Secretária de Assuntos Metropolitano também demonstram interesse e apoio ao Parque Tecnológico e ao projeto de urbanização da ZEPTEC em particular, do qual se beneficiará não somente a cidade de São José dos Campos mas também a Região Metropolitana do Vale do Paraíba. A área de 25 milhões de m² contida na ZEPTEC caracteriza-se pela existência de grandes glebas livres de qualquer construção e ocupação o que demandará vultosos investimentos para instalação de novos empreendimentos. A elas se contrapõem áreas menores ocupadas por bairros não regularizados, requerendo cuidadosas atuações sócio-econômicas do poder público. Por outro lado, como todo grande projeto, o do Parque Tecnológico São José dos Campos enfrenta demandas por recursos financeiros que vão além da disponibilidade, impondo uma parcimoniosa política de investimentos em infra-estrutura e instalação de facilidades para atender as empresas, universidades e os trabalhadores do Parque. Considerando a complexidade e desafios de tal empreendimento, constitui uma primeira providência de fundamental importância a elaboração de estudo voltado à definição do arcabouço jurídico e do modelo empresarial que se demonstrem adequados e capazes de assegurar o sucesso do mesmo. 5. Conclusões O presente artigo descreve as experiências vividas pela cidade e região de São José dos Campos e os benefícios auferidos nas últimas seis décadas decorrentes da implantação de um projeto estratégico de longo prazo do Governo Brasileiro voltado à indústria aeroespacial, centrado na qualificação de recursos de alto nível e no desenvolvimento tecnológico, através da implantação do CTA/ITA. Com a implantação de seu parque tecnológico, o município de São José dos Campos realiza novo e ambicioso movimento de cunho estratégico com foco na inovação e empreendedorismo, na expectativa de resultados equivalentes, em décadas à frente, ao proporcionado pela presença do CTA/ITA a partir da década de 1940, desta forma, viabilizando seu futuro como centro urbano detentor de elevados padrões sócio econômicos, de qualidade de vida e sustentabilidade. 13

14 6. Referências Bibliográficas Prefeitura Municipal de São José dos Campos São José em Dados Disponível em Associação dos Engenheiros do ITA Histórias para Contar, Amigos para Encontrar São José dos Campos, SP: ITA/CTA, 2012 Planejamento do Parque Tecnológico de São José dos Campos Dezembro de Contrato de Gestão nº 20528/09 de 20 de mail de 2009 entre a Prefeitura de São José dos Campos e a Associação Parque Tecnológico São José dos Campos Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil, apresentação de 2012 de José Antônio Silvério, Coordenador de Capacitação de Desenvolvimento Tecnológico da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Parques Tecnológicos: Ambientes de Inovação 2007 Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo Torch Program 2012 Divisão da Ciência e Tecnologia da Embaixada da China no Brasil Chungnam Techno Park Coréia do Sul website oficial Anexos Os anexos estão em fase de conclusão e revisão e comporão o documento final a ser apresentado na 3ª do processo, caso o presente trabalho seja aprovado na 2ª fase. Os anexos são os seguintes: I. São José dos Campos e o ITA contados pelos primeiros alunos II. São José dos Campos em dados desde a década de 40 até 2013 III. O futuro de São José tendo o PqTec como vetor de crescimento 14

15 Anexo I São José dos Campos e o início do ITA contados pelos primeiros alunos Os trechos abaixo foram extraídos do livro da Associação dos Engenheiros do ITA História para Contar, Amigos para Encontrar de 2012, e dão uma boa noção do que era a cidade de São José dos Campos na década de Na fria manhã de 22 de maio de 1950 chegavam ao ITA os seus alunos pioneiros, das turmas de 53 e 54 (esta a primeira a fazer curso completo em São José dos Campos). A bordo de um avião da FAB procedente do Rio de Janeiro, viajavam cheios de curiosidade, ansiedade e expectativa. Havia um risco de estudar no ITA naquela época, pois a escola não era reconhecida pelo Ministério da Educação. Mas a grande maioria não sabia o que isso significava e não tomou conhecimento, conta José Luciano Ferreira Costa (Turma de ), em depoimento à wikita. - Olhávamos para baixo e víamos um grande descampado, com poucas construções, lembra Newton Pitombo (Turma de 1953). Eu pensava comigo: Onde é que fica essa escola? O Paulo Victor (Turma de 1953), já com todo aquele entusiasmo, apontava e dizia: Ali será construído o laboratório tal; naquela outra área será isso e aquilo. Mas nós, que não conhecíamos o projeto, ficamos meio perplexos. Primeiros alunos a cursar o ITA em São José dos Campos - Acervo da Biblioteca do ITA 15

16 - A impressão que tive do ITA foi a pior possível, habituado que estava aos verdes de Petrópolis e do Rio de Janeiro. Tudo descampado, nivelado por tratores, marrom, nenhuma árvore, grama ou flor na escola ou nos H-8, acústica nas salas terrível e os apartamentos envidraçados até o teto, impedindo que se dormisse depois de uma noite de gagá com o sol batendo na cara, são as lembranças de Pedro John Meinrath (Turma de 1959). - Na década de 50, a cidade mais próxima do ITA ficava a uns 5 km de distância, segundo José Luciano Ferreira Costa (Turma de 1954). Essa cidade era São José dos Campos, então com cerca de 30 mil habitantes hoje com uma população 20 vezes maior, totalmente interligada ao complexo do DCTA. - A cidade, caipira e provinciana, era um grande sanatório para tuberculosos. É uma satisfação ver como o CTA impulsionou toda a região, tornando-a esse rico expoente do ensino, pesquisa e indústria de projeção internacional, analisa Hugo de Oliveira Piva (Turma de 1958). - Em depoimento à wikita, Costa relembra: Nos sábados à noite e domingos íamos à cidade de São José e para isso tínhamos que caminhar até a encruzilhada onde hoje fica o viaduto. Tomávamos um ônibus poeirento e superlotado. O coletivo voltava no fim da sessão do Cinema Paratodos e depois dessa hora, cerca de 9 da noite, soltavam as onças e a cidade ficava deserta. O programa era ficar desfilando na Rua 15 de Novembro, tentando flertar com as meninas, gerando uma má vontade com os rapazes da cidade, o que depois deu em algumas brigas. - Numa cidade com poucos recursos como a São José da época, os alunos do ITA eram obviamente mais bem cotados pelas garotas da cidade, em detrimento dos jovens locais, o que levava muitas vezes a brigas e rixas. Especialmente quando iteanos se aventuravam até o bairro de Santana, o mais antigo da cidade, o pau quebrava, complementa Francisco Galvão (Turma de 1959). - No seu tempo, já era possível se locomover com as bicicletas importadas adquiridas pelo ITA. Para darmos uma esticadinha até a aldeia, como chamávamos a cidade, íamos pela estradinha de terra passando pela capela de Santa Therezinha, cruzando em nível a Dutra, que só tinha uma pista e onde a cada 15 minutos passava algum veículo. Depois se seguia por outro caminho de terra passando pela igrejinha de São Dimas e subestação de força, até se chegar à primeira residência digna desse nome, que ficava onde hoje é o Fórum, e o início da Avenida Francisco Longo. 16

17 Anexo II São José dos Campos em dados desde a década de 40 até 2013 A foto abaixo mostra uma vista geral de São José dos Campos no final dos 40 a igreja do bairro de Santana em destaque, bairro mais antigo da cidade, e a Rua Rui Barbosa que liga o bairro à parte mais alta ao fundo, hoje o bairro central. Vista geral de São José dos Campos no início de década de 50 17

18 Evolução populacional: Taxa da evolução populacional de São de José dos Campos Evolução populacional do município de São José dos Campos ( ) ANO TOTAL POPULAÇÃO URBANA % RURAL % ,90% ,10% ,37% ,63% ,36% ,64% ,31% ,69% ,31% ,69% ,19% ,81% ,78% ,22% ,63% ,37% Fonte: IBGE - censos demográficos - A população urbana e rural de 2010 tem como base a Lei Complementar 428/10 com estimativa da Secretaria de Planejamento e do IPPLAN Evolução populacional de São José dos Campos em números As figuras acima mostram o significativo crescimento populacional de São José dos Campos a partir da década de 50, coincidindo com a instalação e início de operação do ITA e do CTA. Observa-se que a industrialização e o crescimento econômico da cidade proporcionarão um aumento significativo da população urbana com o consequente decréscimo da população rural. 18

História da tecnologia em São José dos Campos. Cbers. 1ª Exportação. Sistema Astros. Programa Bandeirante. Embraer 170/190

História da tecnologia em São José dos Campos. Cbers. 1ª Exportação. Sistema Astros. Programa Bandeirante. Embraer 170/190 São José dos Campos São Paulo Brasil, Junho de 2015 História da tecnologia em São José dos Campos 1947 1950 1961 1965 1969 1971 1975 1ª Exportação 1999 Cbers Sistema Astros Programa Bandeirante Embraer

Leia mais

Sorocaba - Visão de FUTURO

Sorocaba - Visão de FUTURO Sorocaba - Visão de FUTURO AGENDA A cidade de Sorocaba Sistema de Inovação Parque Tecnológico de Sorocaba Centro de Inovação Oportunidades História da Cidade de Sorocaba Fundada em 1654, pelo capitão Baltazar

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP

Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP Fonte: SEADE PIRACICABA CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS Território e População Área: 1.378,501 km² População (estimativa IBGE 2013): 385.287 mil habitantes Densidade Demográfica

Leia mais

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR INTERIOR DE SÃO PAULO Flavio Amary Vice-presidente do Interior do Secovi-SP e Diretor Regional em Sorocaba e Região PARTICIPAÇÃO % DO

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico de Macaé

Parque Científico e Tecnológico de Macaé Parque Científico e Tecnológico de Macaé Carlos Eduardo Lopes da Silva¹ Ramon Baptista Narcizo² Joelson Tavares Rodrigues³ Resumo Este artigo apresenta os principais conceitos e estratégias que apóiam

Leia mais

XIX Workshop Anprotec

XIX Workshop Anprotec XIX Workshop Anprotec $ustentabilidade dos Parques Tecnológicos: Sustentabilidade financeira e competitividade do território 24 e 25 de outubro de 2011 Porto Alegre/RS Parque Tecnológico São José dos Campos

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Abrangência do Programa de Expansão do ITA

Abrangência do Programa de Expansão do ITA Abrangência do Programa de Expansão do ITA Programa de Expansão do ITA EDUCAÇÃO (Ensino e Pesquisa) INOVAÇÃO (P,D & I) Projetos Cooperações ITA Projeto Cooperações Infraestrutura 5 IFES Centro de Inovação

Leia mais

Sessão 2. Marcos Aberto Martinelli. Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia

Sessão 2. Marcos Aberto Martinelli. Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia Sessão 2 Marcos Aberto Martinelli Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia América Latina precisa melhorar produtividade, diz Banco Mundial Brasil Econômico - Por AFP 14/09/10

Leia mais

Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa

CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa 1 SUMÁRIO CECOMPI HISTÓRICO APL AERO COMPETÊNCIAS TECNOLOGIAS DE GESTÃO 2 CECOMPI Transformando conhecimento em negócio Organização Sem

Leia mais

MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM

MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM 31/10/2013 1 Sumário 1 DADOS ESTATISTICOS DE MACAÉ 2 MACAÉ CIDADE DO PETRÓLEO 3 AÇÕES

Leia mais

740 mil pessoas estão à espera da sua loja.

740 mil pessoas estão à espera da sua loja. 740 mil pessoas estão à espera da sua loja. Imagem ilustrativa Fonte: Relatório Mapeamento de Mercado Potencial China Associados Geomarketing. Polo de desenvolvimento do NOROESTE PAULISTA, a região de

Leia mais

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO?

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? CONECTANDO O BRASIL CONECTANDO O BRASIL POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? O Brasil é um país de 8 milhões de quilômetros quadrados de área. Esse imenso território demanda ser integrado por uma

Leia mais

A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center"

A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center "A importância dos agentes governamentais na definição do Local dos Data Centers" Painel A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center" Tópicos: A DCT Realty gostaria de promover

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

SAPIENS PARQUE PARQUE DE INOVAÇÃO. Pilares SAPIENS. Clusters SAPIENS. Atores SAPIENS. Estrutura SAPIENS

SAPIENS PARQUE PARQUE DE INOVAÇÃO. Pilares SAPIENS. Clusters SAPIENS. Atores SAPIENS. Estrutura SAPIENS PARQUE DE INOVAÇÃO Pilares SAPIENS SAPIENS PARQUE Clusters SAPIENS Scientia - Unidades acadêmicas e de P&D voltadas para a geração de conhecimentos científicos e tecnológicos avançados. Tecnologia - Empresas

Leia mais

SHOPPING ILHA DO MEL

SHOPPING ILHA DO MEL Cenário atual O Brasil é o 5º maior país do mundo com grande crescimento no setor de Shopping Centers. Segundo pesquisa da Interscience, encomendada pela Associação Brasileira de Shopping Centers (ABRASCE),

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro

Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro Ano 5 / Nº 46 / Outubro/2015 Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro GE Aviation anuncia investimento de US$ 55 milhões na GE Celma, unidade

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

2 Parque de Ciência e Tecnologia de Guarulhos: incubadora de empresas, em Cumbica

2 Parque de Ciência e Tecnologia de Guarulhos: incubadora de empresas, em Cumbica 2 Parque de Ciência e Tecnologia de Guarulhos: incubadora de empresas, em Cumbica Luciano Albamonte Luiz Alberto Monteiro Arcuri Karina Diógenes Wendie A. Piccinini Uma incubadora de empresas é um organismo

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Secretaria. de Futebol de 2014

Secretaria. de Futebol de 2014 Secretaria Especial de Articulação para a Copa do Mundo de Futebol de 2014 SECOPA Assistir direta e indiretamente ao Prefeito na condução aos assuntos referentes a Copa do Mundo; Parcerias com a sociedade

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS EIXO TECNOLÓGICO GOIÂNIA -ANÁPOLIS CONCEITO Projeto de Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Tecnológico Indução de Estruturação do Espaço Regional Conceito CONCEITUAÇÃO DA PROPOSTA CONCEITO 1 -PROJETO

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Caracterização da Região Metropolitana de Sorocaba

Caracterização da Região Metropolitana de Sorocaba Caracterização da Região Metropolitana de Conforme ilustrado no mapa abaixo, a Região Metropolitana de é formada por 26 municípios: Alambari,,, Araçoiaba da Serra,, Capela do Alto,, Cesário Lange,,,,,,,,,,

Leia mais

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO localização estratégica, infraestrutura e segurança para seu negócio. IMAGEM AÉREA DO LOCAL/202. DRAMATIZAÇÃO DA ÁREA DO LOTEAMENTO. 750m 2 Perspectiva

Leia mais

o poder econômico da região de Barueri.

o poder econômico da região de Barueri. Você vai conhecer de perto o principal polo de compras, alimentação, serviços e entretenimento da região de Barueri. A exemplo da cidade, que vive um dos mais fortes ciclos de desenvolvimento do país,

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Os Centros Urbanos do Século XXI

Urban View. Urban Reports. Os Centros Urbanos do Século XXI Urban View Urban Reports Os Centros Urbanos do Século XXI Os centros urbanos do século XXI Hoje 19,4 milhões de pessoas vivem na região metropolitana de São Paulo. A quinta maior aglomeração humana do

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado Autorização Legislativa - Lei nº 12.439 de 18 de outubro de 2007 Assembleia de Fundação em 14/12/2007 REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

Ancorados na cooperação

Ancorados na cooperação Shutterstock Ancorados na cooperação Micro, pequenas e médias empresas, instituições de ensino e parques tecnológicos trabalham em conjunto para gerar inovação e desenvolvimento POR LUIZA CARREIRÃO O planejamento

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

O Aeroporto na Cidade Contemporânea Gerson Moura Duarte RESUMO

O Aeroporto na Cidade Contemporânea Gerson Moura Duarte RESUMO O Aeroporto na Cidade Contemporânea Gerson Moura Duarte RESUMO Este artigo propõe uma reflexão acerca da problemática que envolve a questão dos loteamentos irregulares no entorno do Aeroporto Internacional

Leia mais

fazem bem e dão lucro

fazem bem e dão lucro Melhores práticas de fazem bem e dão lucro Banco Real dá exemplo na área ambiental e ganha reconhecimento internacional Reunidos em Londres, em junho deste ano, economistas e jornalistas especializados

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS 11 DE AGOSTO DE 2012 EDSON APARECIDO DEPUTADO FEDERAL MACROMETRÓPOLE PAULISTA EM NÚMEROS PIB MM PAULISTA PIB da MM Paulista - 2009 (R$ bilhões)

Leia mais

Gestão de Projetos BIO-RIO Modelo de Sustentabilidade

Gestão de Projetos BIO-RIO Modelo de Sustentabilidade Gestão de Projetos BIO-RIO Modelo de Sustentabilidade Área Temática 2 Poster Autores: SILVA, Katia R. Aguiar C. 1 ; Co-Autores: Amorim, Kelly C. K., CIQUEIRA, Bárbara G., 3 Resumo Dentro do processo de

Leia mais

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios Números Curitiba 1.828.092 habitantes TaxaCrescimentoPopulação: 1,8% (8 anos) TaxaCrescimentoAnualPIB: 3,8% (5 anos) PIB 2008 (estimado): R$ 39,2 bi (US$ 20 bi) 5º PIB do Brasil PIB per Capita: R$ 21.447

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Marcos Cintra Subsecretário de Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Outubro/2013 Brasil 7ª

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL E AS TRANSFORMAÇÕES NA CIDADE DO INTERIOR PAULISTA: O CASO DE SOROCABA-SP

PRODUÇÃO INDUSTRIAL E AS TRANSFORMAÇÕES NA CIDADE DO INTERIOR PAULISTA: O CASO DE SOROCABA-SP Michel Soares Rodrigues da Silva Emerson Ribeiro Programa de Pós- Graduação USP mcmsilva@uol.com.br emerprof@hotmail.com PRODUÇÃO INDUSTRIAL E AS TRANSFORMAÇÕES NA CIDADE DO INTERIOR PAULISTA: O CASO DE

Leia mais

PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO. Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br.

PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO. Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br. PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br. Universidade Estadual do Centro-Oeste, Setor de Ciências Exatas e de

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo)

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo) GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO (Secopa São Paulo) O maior evento mundial Copa do Mundo Fifa Transmissão para todos os países e territórios do mundo, inclusive a Antártida e o Círculo Polar Ártico; Primeiro

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 NÚMERO DE SHOPPINGS, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. FLUXO DE CLIENTES, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil:

SETOR de shopping center no Brasil: Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 número de Shoppings, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. Fluxo de Clientes, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil.

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. O Outlet Premium avança pelo território nacional abrindo grandes oportunidades de negócios para você. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Outlet

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo.

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. T erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. Ao longo dos últimos 12 anos, Sorocaba vem crescendo expressivamente

Leia mais

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros Congresso SAE BRASIL 2013: Congresso e Exposição Internacionais de Tecnologia da Mobilidade SAE BRASIL, 7 a 9 de outubro, Expo Center Norte, São Paulo, SP Painel Aeroespacial. Tema-título: Soluções Inovadoras

Leia mais

Best Franchises. Feira das Melhores Franquias. 23, 24, e 25 de outubro de 2014 Shopping Iguatemi Ribeirão Preto - SP

Best Franchises. Feira das Melhores Franquias. 23, 24, e 25 de outubro de 2014 Shopping Iguatemi Ribeirão Preto - SP Best Franchises Feira das Melhores Franquias 23, 24, e 25 de outubro de 2014 Shopping Iguatemi Ribeirão Preto - SP Ribeirão Preto possui uma vocação inequívoca para o desenvolvimento do turismo de eventos.

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE AMBIENTES DE INOVAÇÃO GUILHERME ARY PLONSKI

INTERNACIONALIZAÇÃO DE AMBIENTES DE INOVAÇÃO GUILHERME ARY PLONSKI INTERNACIONALIZAÇÃO DE AMBIENTES DE INOVAÇÃO GUILHERME ARY PLONSKI Dêem-me um lugar onde me apoiar e moverei o mundo ~260 a.e.c. 2 Onde se apoiar para alavancar a competitividade (empresarial, setorial,

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação

Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação Rodrigo Garcia Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência,Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo www.desenvolvimento.sp.gov.br Brasil Contexto

Leia mais

Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto.

Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto. 1 2 2 3 Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto. O melhor custo-benefício transformado num diferencial único. Construtora Souza Maria No mercado desde 2001, a Construtora Souza Maria atua nos segmentos

Leia mais

Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos.

Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos. Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos. No centro de uma área em pleno desenvolvimento, que vem recebendo novos empreendimentos imobiliários e constantes investimentos em infraestrutura,

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

Ágafor. Parques Tecnológicos: Ferramentas de Desenvolvimento Econômico e Social. Seminário Parque Tecnológico de Marília 08 set 15

Ágafor. Parques Tecnológicos: Ferramentas de Desenvolvimento Econômico e Social. Seminário Parque Tecnológico de Marília 08 set 15 Parques Tecnológicos: Ferramentas de Desenvolvimento Econômico e Social Seminário Parque Tecnológico de Marília 08 set 15 Agenda 1. Conceito e evolução 2. Cenário Brasil 3. A experiência de São José dos

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014

FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014 FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014 Infraestrutura e Logística: As vantagens competitivas e os desafios da Região Metropolitana de Campinas Thomaz Assumpção URBAN SYSTEMS 15 anos + de 700 projetos Segmentos:

Leia mais

Avenida Juscelino Kubistchek, 363, Jd. Campo Verde, (66) 9631-7100, sospragazero@gmail.com.

Avenida Juscelino Kubistchek, 363, Jd. Campo Verde, (66) 9631-7100, sospragazero@gmail.com. Inovação no processo de Planejamento e Gestão Estratégica para o desenvolvimento da S.O.S. Controle de Pragas e Serviços. Dilma Azevedo Borba de Salles 1 Elson de Salles 2 Maria Clara Fonteque Scacchetti

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE E SETOR PRODUTIVO

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE E SETOR PRODUTIVO INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE E SETOR PRODUTIVO LIRA, B. B. - belarminolira@ct.ufpb.br Universidade Federal da Paraíba, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Civil UFPB/CT/DEC. PONTES, L. R. A. -

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. Iron House Real Estate

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. Iron House Real Estate INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Iron House Real Estate São Paulo-SP, 18 novembro de 2013 Herton Ferreira Cabral Junior FOLHA DE APROVAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança São Paulo, 20 de outubro de 2011 Armando Lemos Diretor Técnico Roteiro A ABIMDE e a BID Cenário Nacional Estratégia Nacional de Defesa

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Pesquisa e inovação em pequenas empresas

Pesquisa e inovação em pequenas empresas Pesquisa e inovação em pequenas empresas Carlos H Brito Cruz FAPESP 28/08/2015 fapesp12-20131115.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Unicamp: 254 start-ups, >16.000 empregos, fatur. anual R$ 2 bilhões 28/08/2015

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A.

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Será que nós podemos viver melhor nas cidades? Com mais tempo para nossas famílias; com menos stress, com menos doenças e mais saúde; com mais produtividade;

Leia mais

Roberto Gerab. Aposta na baixa

Roberto Gerab. Aposta na baixa Roberto Gerab Aposta na baixa Em um momento em que grandes incorporadoras se mostram reticentes quanto à atuação na baixa renda, incorporadora Kallas cria nova empresa para crescer no segmento Edição 145

Leia mais

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO MISSÃO Ser um instrumento de Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado de São Paulo. OBJETIVOS DA SD Elaborar e implantar políticas públicas para o desenvolvimento econômico

Leia mais

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA Brasil, 2007 PIB R$ 1,8 trilhão Alfabetização 88,6% Expec. de Vida 71,7 anos PIB per capita US$ 8.402 Fonte: ONU e IBGE Brasil, 2015 PIB R$ 2,1 trilhões Alfabetização

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos NAVEGANTES

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos NAVEGANTES A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográficos NAVEGANTES JOINVILLE Jaraguá do Sul é a terceira economia de Santa Catarina e sede de algumas das maiores empresas do Brasil nos setores eletromecânico e

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO SUMÁRIO 1. MISSÃO... 3 2. VISÃO... 3 3. PRINCÍPIOS... 3 4. CENÁRIOS... 3 4.1. ARUJÁ... 3 5. POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO... 5 6. ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS... 6 6.1 DIRETRIZES ESTRATÉGICAS... 6 6.2 ESTRATÉGIAS

Leia mais