ATENÇÃO CONFIRA SE ESTA PROVA CORRESPONDE AO CARGO A QUE VOCÊ CONCORRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATENÇÃO CONFIRA SE ESTA PROVA CORRESPONDE AO CARGO A QUE VOCÊ CONCORRE"

Transcrição

1 Cadern de Questões Prva para carg: M - Agente Educadr Infantil ATENÇÃO CONFIRA SE ESTA PROVA CORRESPONDE AO CARGO A QUE VOCÊ CONCORRE Neste Cadern de Questões, vcê encntra: 0 questões Específicas - de 0 a 0; 0 questões de Língua Prtuguesa - de a 30; 0 questões de Matemática - de 3 a 40; Tema da Redaçã. Só inicie a prva após a autrizaçã d Fiscal de Sala. Duraçã da prva: 4 hras. Saída ds candidats da sala: após hra d iníci. Realizaçã: Liberaçã d Cadern de Questões: quand faltar hra para términ da prva, (Edital, item 5.3). Os Fiscais de Sala nã estã autrizads a prestar qualquer esclareciment sbre a resluçã das questões; esta tarefa é brigaçã exclusiva d candidat. Nã é permitid que s candidats se cmuniquem entre si. É pribida também a utilizaçã de equipaments eletrônics. Em seu Cartã de Respstas, assinale apenas uma pçã em cada questã. Nã deixe questã em branc, nem assinale duas pções, para seu Cartã nã ter questã anulada. Nã rasure, dbre u amasse seu Cartã de Respstas pis em hipótese alguma ele será substituíd. Cnfira seus dads, leia as instruções para seu preenchiment e assine n lcal indicad. A assinatura é brigatória. O gabarit desta prva estará dispnível n Clégi Estadual Raul Vidal - Av. Felician Sdré, - Centr - Niterói - RJ - e n site a partir de 9/julh/003. Para exercer direit de recrrer cntra qualquer questã, candidat deve seguir as rientações cnstantes n item 8 d Edital. BOA PROVA Fundaçã Euclides da Cunha de Api Institucinal à UFF Tel. () / /

2 Específicas 0) A etapa d prcess educacinal em que a lei de Diretrizes e Bases da Educaçã Nacinal (Lei 9.394/96) estabelece a Educaçã Infantil é a: A) Primeira, da educaçã básica; B) Segunda, da educaçã básica; C) Segunda, da educaçã fundamental; D) Primeira, da educaçã fundamental; E) Primeira, da educaçã geral. 0) N períd de adaptaçã, é cmum as mães dizerem que se sentem culpadas pr estarem abandnand seus filhs na creche. A pstura que a instituiçã deve ter é a de: A) bservá-las; B) rientá-las; C) evitá-las; D) testá-las; E) questiná-las. 03) O trabalh na área de mtricidade fina desenvlve a habilidade: A) ds pequens músculs; B) ds grandes músculs; C) ds mviments ampls; D) da cnsciência muscular; E) da rganizaçã mental. 04) A imprtância das atividades artísticas n cntext da educaçã infantil se deve: A) a fat de que relaxam as crianças que sã sbrecarregadas, muitas vezes, cm um períd de mais de 8 hras de permanência na instituiçã; B) à cnstataçã de que é através d desenh que a criança mstra e exercita sua espntaneidade; C) a fat de que arte envlve expressã, sensibilidade, e é a prtunidade para que a criança aprenda a desenhar e a entrar em cntat cm técnicas diversas; D) à cmprvaçã de que cntat cm as pssibilidades de realizaçã artística, desde berçári, fará cm que as crianças estejam mais aptas a prduzirem pinturas e desenhs que nã sejam mers rabiscs; E) à cnsciência de que, n prcess de aprendizagem artística, a criança vivenciará um percurs de criaçã e cnstruçã individual que envlve esclhas, experiências pessais, aprendizagem, relaçã cm a natureza e mtivaçã interna e externa. 05) O atendiment à criança na faixa etária de 0 a (an) ainda é mais questinad, nã só pela sua preccidade cm também pel tip de atendiment que se deve prestar a ela. Os estuds mais recentes, prém, ns apntam direções a serem seguidas, cm as que se encntram em: A) O berçári deve ser um ambiente ampl, clar, cm babás cmpetentes que nã deixem s bebês esperand muit para receber s cuidads de que tant necessitam: trca de fraldas, cmida, banh e sl. Esse é grande fc d trabalh n ctidian d berçári. B) O lcal esclhid para a mvimentaçã da criança, n berçári, deve ser pequen e s bjets manipuláveis, de plástic (para que elas nã se machuquem); devem ser alimentadas em grups de 3 bebês para cada prfessra; assei deve ser rápid para que a criança nã se resfrie; desfralde deve ser feit as 8 meses, em hráris pré-determinads, a lng d dia e em grup, já que sabems que as crianças aprendem pela imitaçã. C) Os bebês precisam, sbremaneira, de pessas cm experiência em cuidar de crianças pequenas. Bebês precisam ser estimulads a cmer bem, a drmir cm tranqüilidade e necessitam de muit carinh. D) As educadras de berçáris devem ser receptivas e devem estabelecer um víncul significativ cm s bebês, percebend suas características e necessidades individuais. O ambiente d berçári deve ser ampl e arejad, bem cm muit bem planejad, para que eles pssam explrá-l e interagir cm utrs bebês, ampliand assim sua experiência cm mund. E) Os educadres de berçári, em funçã da faixa etária atendida, devem ter uma frmaçã essencialmente ligada à saúde e à psicmtricidade. A estimulaçã precce levará a desenvlviment da criança que, além ds cuidads básics e essenciais cm a alimentaçã, deverá, em pel mens três mments d dia, vivenciar exercícis crprais aprpriads em um lcal alegre, clrid e agradável. 06) As crianças na faixa etária de 0 a 4 (ans) utilizam, essencialmente, determinads recurss para aprenderem e se desenvlver. Alguns deles sã: A) a imitaçã, a linguagem e faz-de-cnta; B) a independência, a espntaneidade e a linguagem; C) mviment, a autnmia e racicíni; D) pensament lógic, a curisidade e a interaçã; E) a liberaçã d pensament cncret, a brincadeira e a autnmia. 07) A rganizaçã d currícul, já na creche e préescla, tem sid feita através de prjets didátics, que sã prpsts cm uma estratégia de ensin. Sbre essa abrdagem pdems dizer que: A) Decrly e Mntessri fram seus idealizadres; B) s chamads centrs de interesse sã a principal referência para trabalh d prfessr; C) trabalh se rganiza a partir de temas que abrem pssibilidades para a criança integrar, criar relações e entender de frma ampla seu ambiente, atribuind-lhe significads; D) a adesã à pedaggia de prjets se deu de frma intensa prque, didaticamente, rganiza s cnteúds a serem transmitids pel prfessr através de temas eleits pels própris aluns que, pr iss, mstramse mais interessads e participativs; E) Piaget fi grande inspiradr da pedaggia de prjets, que deve ser desenvlvida sempre levand em cnta as características cgnitivas da criança, abrind, assim, pssibilidades para a pesquisa e desenvlviment d alun. Fundaçã Euclides da Cunha de Api Institucinal à UFF

3 08) As histórias infantis cm seus enreds fantástics, cheias de mviment, surpresas e espants, retratam bem pensament pré-peratóri da criança. Pr iss, ela entende e percebe cm facilidade as situações descritas, que crrespndem, especialmente, a uma característica de seu pensament nessa fase. Essa característica é denminada: A) intuiçã; B) animism; C) assciaçã; D) reversibilidade; E) cncentraçã. 09) Pde-se dizer que, para Piaget, ensinar significa: A) transmitir cnheciments através de recurss tecnlógics; B) deixar a criança experimentar, nã interferind n que faz; C) trabalhar cm que chama de ensai e err; D) prprcinar atividades grupais e a trca entre pares; E) bservar, acmpanhar e encrajar pensament da criança. 0) Uma das grandes cntribuições d pensament de Vygtsky à Educaçã é: A) a sua alusã permanente as prcesss de maturaçã bilógica, u seja, nã devems expr cnteúds que estejam além d que a criança pde entender u perceber; B) a ênfase que dá a papel d prfessr cm mediadr e prmtr de desenvlviment: ele deve ser ativ em suas intervenções, pis é assim que cntribui para que a criança alcance, entre utras, as frmas superires de pensament; C) a clabraçã sbre desenvlviment d pensament da criança, a partir ds 4 ans de idade; D) a de enfatizar a necessidade ds educadres trnarem-se grandes bservadres d cmprtament da criança e, assim, eleger s mments privilegiads para direcinar suas descbertas; E) a de cperar para que educadres aprendam a levantar hipóteses sbre s seus aluns. ) As discussões que envlvem a luta a favr das crianças cm necessidades educativas especiais e pr uma escla inclusiva sã antigas. A legislaçã brasileira (Cnstituiçã/988; LDB/996; ECA /999) psicina-se d seguinte md: A) afirmand que crianças cm qualquer tip de deficiência devem ser ensinadas separadamente das crianças nrmais; B) dizend que a criança cm necessidades especiais é excepcinal e deve ser cnsiderada cm qualquer utra que pssui uma patlgia; C) cnsiderand as crianças cm necessidades educativas especiais cm crianças que devem cnviver cm as utras crianças, cmpartilhand s mesms ambientes - inclusive esclar - cm tda a cmplexidade habitual que eles pssam apresentar; D) mderadamente, afirmand que nem sempre educaçã regular e educaçã especial devem cmpartilhar s mesms espaçs; E) de md vag sbre tema, nã cntribuind para transfrmações efetivas. ) Quand se cnsidera a segurança da criança dentr da creche, imprtante é que: A) bebês até ans e crianças maires nã cupem espaçs próxims, evitand que tenham cntat durante dia; B) tds s móveis destinads às crianças sejam de plástics e/u brracha; C) trepa-trepas, escrregas e gangrras sejam de cnstruçã sólida, firmes a chã e lnge de murs; D) piscinas em creches sejam mantidas vazias e enchidas n dia das aulas de nataçã; E) as creches trabalhem cm vigilantes treinads em segurança, que deverã estar atents a tdas as crianças (além das prfessras e auxiliares), permitind que a taxa de acidentes diminua significativamente. 3) O prcediment ideal na trca de fraldas é: A) crrer a trca 3 vezes pr dia; B) lavar crretamente as mãs após a trca de fraldas, evitand assim risc de transmissã de denças para funcinári e utras crianças; C) nã lavar a criança quand ela está só mlhada cm urina; D) dbrar bem as fraldas cm fezes e guardá-las em sacs plástics; E) descartar as fraldas de pan após um mês de us e substituí-las pr nvas, cm recmendam s manuais. 4) A nva L.D.B., prmulgada em dezembr de 996, estipula que s prfissinais que atuam diretamente junt a crianças de 0 a 6 ans devem ser prfessres (mdalidade nrmal médi) e/u ter frmaçã superir. Além dessas frmações, é cnsens que s educadres devem receber uma frmaçã cntinuada em seu própri lcal de trabalh. A frmaçã em serviç deve: A) levar educadr a realizar seu trabalh de md prdutiv e ágil; B) ajudar prfissinal a nã se envlver emcinalmente cm as crianças e suas famílias, mantend sempre uma pstura distante e adequada para realizar suas tarefas; C) criar cndições para estabeleciment de um prcess reflexiv a fim de que educadr pssa aprfundar seus cnheciments pedagógics e se distanciar ds aspects ligads a cuidad, tais cm banh, sn, alimentaçã, rmpend assim cm a tradiçã assistencialista dessas instituições; D) estimular a intuiçã d educadr e valrizar seus cnheciments prévis; E) ferecer um espaç de reflexã sbre suas ações ctidianas, que levem a questinaments e cnseqüente desenvlviment pessal e prfissinal, cm ações intencinais e cerentes cm prjet plític pedagógic. Fundaçã Euclides da Cunha de Api Institucinal à UFF Tel. () / /

4 5) Muit se tem discutid sbre a rtina n ctidian das instituições de educaçã infantil. Sbre ela pdese dizer que: A) quant mais rígids s hráris previamente estabelecids pela direçã, mais sucess terems na realizaçã ds bjetivs desejads cm a criança; B) a rganizaçã d temp de frma rígida é fatr de pressã e desgaste para adults e crianças, que precisam de uma rtina livre de hráris marcads e atividades pré-estabelecidas; C) pais e filhs precisam adaptar-se à rtina estabelecida na instituiçã sb preç de terms que ser uma instituiçã diferente para cada família; prtant, assim cm ns hspitais pacientes se submetem à rtina, nas instituições de educaçã infantil também deve ser assim; D) é um instrument que dinamiza a aprendizagem e é grande facilitadra d desenvlviment e das percepções da criança sbre temp e espaç; a rtina é fnte de segurança para a criança, rientand nã só suas ações cm também as d educadr; E) é sinônim de mntnia; a palavra-chave para a rganizaçã d temp nas instituições é criatividade, já que planejament é um instrument puc eficaz para trabalh cm crianças pequenas. 6) De acrd cm a abrdagem interacinista, um ds aspects que devem ser levads em cnta pel educadr e que cntribui para sucess de nvas aprendizagens é: A) a trca vivida entre crianças da mesma idade e de idades diferentes em situações diversas cm fatr de prmçã da aprendizagem, d desenvlviment e da capacidade de relacinar-se; B) a sua respnsabilidade em rganizar uma aula atraente (usand recurss diverss) e ensinar cnteúd da matéria, prmvend assim, a aprendizagem de seu alun; C) entendiment da educaçã cm tecnlgia; D) a cnvicçã de que, em respeit as diverss prcesss e às diferenças individuais ds aluns, prfessr deve interferir mens pssível cm questinaments u sugestões durante prcess de ensin / aprendizagem; E) seu papel cm clabradr, na tentativa de aprimrar cndições que cnstituem a criança e a determinam já desde nasciment: Pau que nasce trt, mrre trt. 8) Falar de educaçã infantil de qualidade, hje, é falar de: A) prevençã; B) criaçã cletiva; C) prática pedagógica; D) direit da criança; E) diversidade. 9) Quand se cnsidera fatr prevençã na czinha e na alimentaçã de uma creche, leva-se em cnta que: A) as crianças devem ser distraídas enquant cmem, cm frma de evitar desperdíci de aliments; B) as refeições devem ser dadas na própria sala de aula, pis assim as crianças ficam mens ansisas e crrem mens riscs de engasgs; C) s aliments nã devem ser estcads junt a material de limpeza u tóxic prque é extremamente perigs; D) czinheirs e auxiliares de czinha sã s únics funcináris que nã precisam de treinament específic para trabalh, já que recebem rientações da nutricinista; E) a autnmia da criança recebe um grande refrç a partir ds três ans quand já pdem ser treinadas a cmerem szinhas. 0) Hje trabalh em creches e pré-esclas cnta cm uma aprvaçã scial infinitamente mair d que há alguns ans. Nesse mment, s debates apntam para a necessidade de que as creches prmvam um tip de trabalh que: A) seja, essencialmente, de estimulaçã para desenvlviment de habilidades, desde berçári; B) tenha cm meta central a educaçã, s aspects cgnitivs e intelectuais; C) pririze, finalmente, cuidar: é imprtante a cnscientizaçã de que zelar pel cnfrt e bemestar da criança através ds cuidads crprais e alimentares, bem cm cuidar de seu desenvlviment emcinal é grande ganh para a prática; D) valrize e incrpre, de md integrad, as funções de educar e de cuidar; E) seja eficaz em relaçã as aspects ligads à prevençã de dença. 4 7) A busca e a pçã pela criaçã cletiva de crianças em instituições de educaçã infantil, desde berçári, vêm aumentand muit ns últims 0 ans, nã só junt à ppulaçã de baixa renda cm também junt às camadas mais favrecidas. Essa tendência crre pr váris fatres. Dis deles sã: A) a frmaçã de crianças mais inteligentes e sciáveis pr essas instituições; B) desenvlviment de plíticas públicas e a cnstruçã de nvs cnheciments sbre desenvlviment das crianças e sbre educaçã infantil; C) a prmulgaçã da nva Lei de Diretrizes e Bases / 96 e d Estatut da Criança e d Adlescente / 99; D) a ampliaçã de benefícis trabalhistas cm auxíli creche e a frmaçã de crianças mais sciáveis; E) a prmulgaçã da nva Cnstituiçã / 88 e api de especialistas que defendem que a educaçã e cuidads cm a criança pequena devem ser cmpartilhads entre família e instituições de educaçã infantil. Fundaçã Euclides da Cunha de Api Institucinal à UFF

5 Língua Prtuguesa Text: Leia cm atençã text abaix e respnda às questões prpstas Alienaçã u desinteresse? Quand Cnselh Universitári da UFRJ aprvu a realizaçã de eleiçã paritária (vts de aluns, prfessres e funcináris têm pes igual), s estudantes fizeram até carnaval fra de épca. A emplgaçã e interesse pel assunt pararam pr aí. Na cnsulta à cmunidade realizada semana passada, apenas 8% ds aluns da UFRJ estudantes - fram às urnas. Débra Marques e Luíza Naslausky, alunas d 5 períd de nutriçã, reclamam que as platafrmas ds candidats a reitr nã fram bem divulgadas. N entant havia um site na internet cm as prpstas, que estavam também espalhadas pelas unidades da UFRJ. - Sabia apenas que tds tinham prpstas para melhrar a segurança. Esper que eleit cumpra a prmessa - diz Luíza. Acabar cm a vilência é uma das priridades de Alísi Teixeira, eleit reitr cm 65% ds vts da cmunidade e cnfirmad n carg pel ministr da Educaçã, Cristvam Buarque. Apesar da pequena participaçã ds aluns na cnsulta, crdenadrgeral d DCE da UFRJ, Márci Sá, diz que númer de vtantes fi expressiv. - Nas eleições anterires, númer de estudantes nã passava de seis mil. Quase nve mil é uma vitória, um recrde - diz Márci, que recnhece a falta de divulgaçã das prpstas ds candidats. - Fi tud crrid. Só tivems dis debates em tda a universidade. Mas esse é um prcess que crescerá gradativamente. Alun d 5 períd de educaçã física, Rafael Land é um ds estudantes que nã fram às urnas dessa vez. Rafael cnta que na cnsulta passada, quand Carls Lessa fi esclhid pela cmunidade, ele vtu: - An passad fi mais animad. Agra nã cnhecia as prpstas e nã quis vtar só pr vtar. (MegaZine - O Glb, 3 de junh de 003, p. 3.) ) Na intrduçã d text prcuru-se destacar: A) desinteresse demnstrad pels aluns da UFRJ n prcess de cnsulta à cmunidade para a esclha d nv reitr; B) a incerência ds estudantes da UFRJ relativamente à participaçã deste segment n prcess de cnsulta à cmunidade para a esclha d nv reitr; C) que segment ds estudantes fi de menr participaçã n prcess eleitral para esclha d nv reitr da UFRJ; D) que cm a pequena participaçã ds estudantes, numa eleiçã paritária, prcess de cnsulta à cmunidade para a esclha d nv reitr da UFRJ ficu prejudicad; E) que a alegria demnstrada pels estudantes, quand da aprvaçã pel Cnselh Universitári da UFRJ d sistema paritári de eleiçã para reitr, transfrmu-se em tristeza, em razã da insignificante participaçã deste segment. ) De acrd cm text, argument usad pelas alunas d 5 períd d curs de nutriçã para justificar baix cmpareciment ds estudantes n prcess de cnsulta à cmunidade: A) era válid para justificar a ausência das duas alunas, mas nã pderia ser usad para segment cm um td; B) nã tinha validade, prque duas alunas nã pderiam tmar pr base um prblema particular para justificar uma atitude da mairia; C) só seria válid se elas tivessem pssibilidade de acess à internet u tivessem estad n campus durante a campanha eleitral; D) era incnsistente, prque fats crrids durante prcess eleitral demnstraram justamente cntrári d que alegavam; E) mstrava-se ttalmente irracinal, nã passand de mera desculpa para justificar falta de cmprmiss cm as brigações acadêmicas. 3) A respeit da participaçã ds estudantes na cnsulta à cmunidade para a esclha d nv reitr, crdenadr-geral d DCE da UFRJ fez alguns cmentáris, ds quais NÃO se pde depreender que: A) índice de estudantes que cmpareceu às urnas fi significativ, nã bstante puc numers; B) nunca tants estudantes cmpareceram a um prcess de esclha cm que fra realizad; C) se tivesse havid mair divulgaçã das platafrmas ds candidats, a participaçã ds estudantes teria sid mais expressiva; D) a rapidez cm que transcrreu prcess de cnsulta fi um bstácul a uma mais numersa participaçã ds estudantes; E) ter havid apenas dis debates entre s candidats durante a campanha eleitral geru desmtivaçã ns estudantes quant à participaçã. 4) De acrd cm text, argument usad pel alun de 5 períd de educaçã física para justificar seu nã cmpareciment às urnas: A) destaca cntraste entre prcess eleitral recente e anterir, tend sid anterir mais cncrrid, e atual marcad pela alienaçã; B) é racinal, haja vista a necessidade de uma ba divulgaçã de platafrmas e cmprmisss de candidats para a infrmaçã e a tmada de decisã pr parte ds eleitres; C) é incnsistente para justificar seu nã cmpareciment, uma vez que as cndições de tmada de cnheciment das prpstas ds candidats existiam; D) é irracinal, pis tamanha é a respnsabilidade de tds em participar d prcess, que vtar deixa de ser um direit para trnar-se uma brigaçã; E) insinua que estudantes universitáris só se interessam em participar de prcesss eleitrais se a campanha fr suficientemente animada. Fundaçã Euclides da Cunha de Api Institucinal à UFF Tel. () / /

6 5) Sbre candidat Alísi Teixeira, de acrd cm text, NÃO se pde dizer que: A) bteve percentual expressiv de vts n prcess de cnsulta à cmunidade para esclha d nv reitr da UFRJ; B) em sua platafrma de candidat a reitr apresentu, cm uma das priridades de gestã, a prpsta de criar as cndições indispensáveis para que a cmunidade tenha segurança n campus; C) fi eleit reitr n prcess de cnsulta à cmunidade, a despeit da pequena participaçã ds estudantes; D) só fi eleit reitr pela cmunidade acadêmica prque prmeteu acabar cm a vilência n campus; E) teve sua indicaçã, pr parte da cmunidade acadêmica, para cupar carg de reitr, cnfirmada pel Ministr da Educaçã. 6) Se se quisesse reescrever s três períds que frmam parágraf d text num únic períd, usand-se a pntuaçã adequada, s cnetivs que deveriam ser empregads para que seja mantid sentid riginal sã, respectivamente: A) entretant / pr cnseguinte; B) cntud / vist que; C) prque / tdavia; D) pis / prquant; E) prém / prtant. 7) Sbre as alterações feitas abaix na redaçã da parte sublinhada n períd Débra Marques e Luíza Naslausky, alunas d 5 períd de nutriçã, reclamam que as platafrmas ds candidats a reitr nã fram bem divulgadas (linhas 9-), pde-se afirmar que huve alteraçã de sentid em: A)... reclamam nã terem sid bem divulgadas as platafrmas ds candidats a reitr. B)... reclamam que nã divulgaram bem as platafrmas ds candidats a reitr. C)... reclamam da falta de divulgaçã das platafrmas ds candidats a reitr. D)... reclamam nã ter havid ba divulgaçã das platafrmas ds candidats a reitr. E)... reclamam que nã se divulgaram bem as platafrmas ds candidats a reitr. 8) Observand-se sentid da palavra até n trech s estudantes fizeram até carnaval fra de épca (linhas 3-4), pde-se dizer que sentid idêntic tem a mesma palavra na frase: A) Os estudantes fizeram várias exigências as candidats, até acabar cm a vilência. B) Até ntem ainda nã se cnhecia resultad d pleit. C) Os candidats chegavam até as eleitres pels cartazes e pela internet. D) Os mesáris permaneciam junt à urna até últim eleitr vtar. E) Até final d expediente, ninguém havia reclamad cntra a lisura d pleit. 9) N trech Rafael Land é um ds estudantes que nã fram às urnas dessa vez (linhas 3-34), bservase uma situaçã de cncrdância verbal facultativa, pis verb também pderia estar express n singular. Das frases abaix, a única em que a cncrdância é também facultativa, de acrd cm as nrmas da língua culta, encntra-se em: A) 8% ds aluns da UFRJ fram (fi) às urnas. B) Havia (haviam) váris aluns desinfrmads sbre as platafrmas ds candidats. C) Nas eleições anterires, númer de estudantes nã passava (passavam) de 6 mil. D) Nã se cnheciam (cnhecia) as prpstas ds candidats. E) A mair parte ds estudantes nã vtu (vtaram) pr falta de infrmaçã. 30) O períd Agra nã cnhecia as prpstas e nã quis vtar só pr vtar (linhas 37-38) pderia ser reescrit, sem alteraçã de sentid, nas frmas abaix, EXCETO na frma: A) Agra, cm nã cnhecia as prpstas, nã quis vtar só pr vtar. B) Pr nã cnhecer as prpstas, nã quis vtar só pr vtar, agra. C) Agra, nã quis vtar só pr vtar, dad que nã cnhecia as prpstas. D) Nã quis vtar só pr vtar, agra, nã cnhecend as prpstas. E) Agra, nã quis vtar só pr vtar, nã cnhecia, pis, as prpstas. 6 Fundaçã Euclides da Cunha de Api Institucinal à UFF

7 Matemática 3) Sabend que A B = {,, 3, 4, 5, 6, 7}, A B = {4, 5}, A - B = {,, 3}, entã B é: A) {6, 7 }; B) {4, 5, 6, 7}; C) {,, 3, 4}; D) {4, 5}; E) {, 4, 6}. 3) O mair valr de m para que as raízes da funçã y = x - mx + 9 sejam reais e iguais é: A) - 3; B) 0; C) ; D) 6; E) 0. 33) A equaçã tem duas raízes reais. O prdut delas é: A) - 4; B) - ; C) ; D) 8; E). 34) Num cncurs públic para carg de Agente de Administraçã Educacinal, cncrreram 400 candidats para as 0 vagas ferecidas. A razã entre númer de vagas e númer de candidats fi de: A) ; B) ; 0 C) ; 00 D) ; 000 E) ) Dadas as matrizes A = e B =, 3 calcule C = B - 3A. O prdut ds elements da diagnal principal é: A) - 0; B) - 3; C) ; D) 9; E) 6. x 3x 4 = 36) Em uma prgressã aritmética de 3 terms, primeir term é 8 e últim é 74. Entã, a razã é: A) 3; B) 4; C) ; D) 5; E) 6. 37) A diagnal de um quadrad mede 3 cm. O lad desse quadrad em centímetrs é: A) 6; B) ; C ) ; D) 4; E) 3. 38) As dimensões de um terren retangular estã na razã. Se a área d terren é de 40 m, entã sua mair dimensã em metrs é de: A) 0; B) 0; C) 8; D) 5; E) ) O númer de anagramas da palavra BRASIL cmeçads pr A e terminads pr R é: A) 40; B) 0; C) ; D) 60; E) 4. 40) N lançament de um dad perfeit, a prbabilidade de se bter um númer mair que é: A) ; B) 3 ; C) ; 3 D) 3 ; 5 E) 4. 5 Fundaçã Euclides da Cunha de Api Institucinal à UFF Tel. () / /

8 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DAS REDAÇÕES - Aspects frmais (6 pnts):. Linguagem (grau de frmalidade; adequaçã à situaçã cmunicativa);. Pntuaçã;.3 Ortgrafia (acentuaçã gráfica, hífen, empreg de letras, divisã silábica);.4 Cncrdância;.5 Regência;.6 Flexã verbal e nminal. - Aspects textuais (6 pnts):. Estruturaçã ds parágrafs (unidade lógica e cerência das idéias entre as partes d text);. Adequaçã a tema prpst e a gêner (descriçã, narraçã, dissertaçã / argumentaçã). 3 - Aspects discursivs (8 pnts): 3. Cesã textual; 3. Cerência interna e externa; 3.3 Cncisã e clareza das idéias (redundância e circularidade); 3.4 Aprfundament ds arguments utilizads; 3.5 Adequaçã semântic-pragmática. Tema da Redaçã A cidade d Ri de Janeir fi esclhida para disputar, cm imprtantes cidades de utrs países, direit de sediar as Olimpíadas de 0. As autridades estaduais e municipais, bem cm s esprtistas em geral, ficaram eufórics cm a esclha e prmeteram que nã ecnmizarã esfrçs para que bjetiv de sediar as Olimpíadas seja alcançad. Cm cidadã, de que md vcê analisa essa pssibilidade? Cm s graves prblemas que a cidade atravessa, vcê vê alguma chance de Ri de Janeir vir a ser a cidade esclhida, mesm sabend que estará disputand cm Nva Yrk, Lndres, Madrid e utras? Se esclhida, quais as vantagens e desvantagens que pderã advir desta esclha? Redija um text dissertativ sbre assunt, apresentand cm clareza seu pnt de vista e utilizand arguments cnsistentes para defendê-l. 8 Fundaçã Euclides da Cunha de Api Institucinal à UFF

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

ATENÇÃO CONFIRA SE ESTA PROVA CORRESPONDE AO CARGO A QUE VOCÊ CONCORRE

ATENÇÃO CONFIRA SE ESTA PROVA CORRESPONDE AO CARGO A QUE VOCÊ CONCORRE Cadern de Questões Prva para carg: Realizaçã: M24 - Técnic em Manutençã de Cmputadres ATENÇÃO CONFIRA SE ESTA PROVA CORRESPONDE AO CARGO A QUE VOCÊ CONCORRE Neste Cadern de Questões, vcê encntra: 20 questões

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Oficina de Capacitação em Comunicação

Oficina de Capacitação em Comunicação Oficina de Capacitaçã em Cmunicaçã APRESENTAÇÕES: DICAS E INSTRUMENTOS Marcele Basts de Sá Cnsultra de Cmunicaçã mbasts.sa@gmail.cm Prjet Semeand Águas n Paraguaçu INTERESSE DO PÚBLICO Ouvir uma ba história

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990.

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O IASAe a Escla Municipal de SantAndré realizaram uma série de ações vltadas para a disseminaçã e efetivaçã ds Direits das Crianças e Adlescentes estabelecids pel

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013 Salvadr, Bahia Sexta-feira 19 de Julh de 2013 An XCVII N 21.187 EDITAL Nº 073/2013 FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA SELEÇÃO DE DIVULGADORES DO PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2014 DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 2.0) A - Intrduçã Neste an, sua nta fi inferir a 60 pnts e vcê nã assimilu s cnteúds

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA EMENTA: O ensin de língua estrangeira cm um códig de diferentes estruturas lingüísticas, cm ênfase na ralidade, leitura e escrita cm veículs de cmpreensã d mund.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 20/10/2014 a 11/11/2014 Carg: Agente de Educaçã Infantil Taxa de Inscriçã: R$ 40,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.820,08 Nº Vagas: 80 Data da Prva: 07/12/2014

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 27/10/2014 a 21/11/2014 Carg: Auxiliar de Sala: Educaçã Infantil Taxa de Inscriçã: R$ 48,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.146,27 Nº Vagas: Cadastr de

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA O presente dcument tem cm bjetiv dispnibilizar a divulgaçã ficial das cndições estabelecidas pel Sesc Santa Catarina para

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 08/12/2014 a 08/01/2015 Carg: Pedagg Taxa de Inscriçã: R$ 100,00 Salári/Remuneraçã: R$ 2.247,98 Nº Vagas: 09 Data da Prva: 07/03/2015 Nível: Superir

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach Vem Ser Mulher Prgrama de caching e inteligência relacinal para mulheres Pr Thirza Reis, Master Cach Sbre Thirza Reis Thirza Reis é master cach, especialista em Inteligência Relacinal; Cm mestrad em desenvlviment

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DA TUTORIA 05/2005

AUTO-AVALIAÇÃO DA TUTORIA 05/2005 1 AUTO-AVALIAÇÃO DA TUTORIA 05/2005 133-TC-D5 Nara Liane Ávila Priet Silveira SEBRAE naraliane@ul.cm.br Suprte e Serviçs Educaçã Cntinuada em Geral Relatóri de Pesquisa Este trabalh apresenta a imprtância

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Projeto. O Índio e suas influências na cultura brasileira

Projeto. O Índio e suas influências na cultura brasileira Prjet O Índi e suas influências na cultura brasileira 6 a 9 ANO 2014 ESCOLA ESTADUAL TUBAL VILELA DA SILVA PROFESSORA: GEANE F. BALIEIRO ENSINO RELIGIOSO. Escla Estadual Tubal Vilela da Silva Prfessra

Leia mais