ABIMAQ Partilha do Conhecimento 28 de maio de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABIMAQ Partilha do Conhecimento 28 de maio de 2013"

Transcrição

1 ABIMAQ Partilha do Conhecimento 28 de maio de 2013

2 1. Planejamento Estratégico 2. ITA hoje 3. Ampliação do ITA 4. Reforma do ensino de engenharia 5. Agenda institucional 6. Agenda de inovação

3 Planejamento Estratégico 1

4 CRESCIMENTO VAI EXIGIR PRODUTIVIDADE A inovação será o principal determinante da produtividade e será o componente mais importante das políticas de C&T e industrial

5 INOVAÇÃO: CONSENSO PARA AGREGAR VALOR Um importante número de CEOs Brasileiros gostaria de ser líder tecnológico em seu setor, num horizonte de dez anos. Fonte: Pacheco, IEDI, 2010

6 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: OPORTUNIDADE Comissão Consultar, debater e avaliar outros planos: 1 ano Álvaro Toubes Prata Reginaldo dos Santos Paulo Afonso Soviero Carlos Henrique de Brito Cruz Ricardo Magnus Osório Galvão Marcelo José Santos de-lemos Sugestão Emílio para Kazunoli o Cronograma Matsuo de 2012 Roberto (v2) Leal Lobo e Silva Filho Nei Yoshihiro Soma 25 Homero Mai Santiago 15 Jun Maciel 21 Jun Silvio Romero 5 Jul de Lemos Sugestão Meira para para Sugestão para o Paulo o o Cronograma Cronograma Rizzi de 2012 (v2) de 2012 (v2) Sugestão Jean Paul para Jacob Reunião Inicial da o Cronograma de 2012 João Fernando (v2) Gomes de Oliveira Sérgio Frascino Muller de Almeida Reunião Comissão de Validação do Coordenação: Pacheco Equipe: Homero e Muller Reunião de Preparatória Planejamento Plano de Trabalho Coordenação: Pacheco Equipe: Homero e Muller Nov Coordenação: Sakane Michal Gartenkraut planejamento Takashi Yoneyama Nov (definição dos produtos Coordenação: a Pacheco Equipe: Homero e Muller Coordenação: Sakane Tobias Frederico Nov Estratégico serem entregues) Coordenação: Rizzi Innovation Center (inclui pessoas externas) Coordenação: Sakane Coordenação: Rizzi 25 Mai 15 Jun 21 Jun 5 Jul Innovation ITA Center (International workshop) Coordenação: Rizzi Innovation ITA Center (International workshop) Reunião Inicial da at ITA Reunião Comissão de Validação do (International workshop) Reunião de Há espaço Preparatória Planejamento entre Julho e Agosto para uma reunião adicional se necessário Plano for de Trabalho 19 Out 9 Nov 7 Dez planejamento 14 Dez (definição dos produtos a Estratégico serem entregues) 19 Out 9 Nov 7 Dez 14 Dez Sugestão para o Cronograma de 2013 (inclui pessoas externas) Diretrizes e ações Condicionantes Diretrizes para a e Formação ações Condicionantes institucionais para Reunião 19 Out 9 Nov O 7 Modelo para do a Engenheiro Formação do institucionais a Formação para do Dez 14 Estratégica Dez Reunião com Institucional do ITA 30 Ago 31 Ago 28 Set 19 Out ITA Engenheiro do ITA O Modelo Stakeholders Diretrizes do e Engenheiro ações do a Formação do Estratégica com (macro-articulações) Condicionantes (mecanismos dinâmicos) Institucional do ITA Há espaço Os grandes ITA Engenheiro do ITA Stakeholders entre Julho e Agosto para Desafios uma reunião das adicional se necessário Diretrizes for e ações para a Formação institucionais para Reunião (macro-articulações) (mecanismos dinâmicos) O Modelo Engineer of the desafios Engenharias do para a Formação do Engenheiro do a Formação do Estratégica com Institucional do ITA Future Brasileiros para a Futuro do Engenheiro do ITA Data? Engenheiro do ITA Data? Data? Stakeholders (International workshop) Engenharia (definição das áreas ITA (macro-articulações) (mecanismos dinâmicos) (Workshop) estratégicas para o ITA) (macro-articulações) Data? Data? Data? 30 Ago 31 Ago 28 Set 19 Out Engenharia de Recomendações Detalhes Validação do Perfil Os grandes Desafios das finais para Diretrizes e ações Engenharia (foco em contratação de de de Contratação Recomendações Engineer of the desafios Engenharias do Data? Data? para a Formação docentes) Detalhes Validação do Perfil Data? contratação finais para Future 18 Brasileiros Jan para a 3 Fev Futuro do Engenheiro 15 Mar do (foco em contratação de de Contratação (International workshop) Engenharia (definição das áreas docentes) contratação ITA (Workshop) estratégicas para o ITA) (macro-articulações) 1 Engenharia de Recomendações 2 Recomendações Detalhes Validação do Perfil Entrega do finais para (foco em contratação de de Contratação 2 para a Revisão Validação do PDI docentes) contratação Relatório Final do PDI Apoio: CGEE 2

7 A Strategic Plan for Electrical Engineering at Stanford September 25, 2006 Abbas El Gamal, Mark Horowitz, Roger Howe, Umran Inan, Christos Kozyrakis, Olav Solgaard, Bruce Woole 1. Executive Summary As noted in the strategic plan for the Department of Electrical Engineer 2001, at the beginning of the twenty-first century the field of electrical e expanded far beyond its historical roots to encompass almost any area o activity that depends, in some sense, on electrons or photons. The object this new plan is to carefully examine the Department in order to sugge effectively respond to the growth in the scope of electrical engineering a dynamic research environment that accompanies this growth. The state of the EE Department at Stanford generally remains strong as combination of the aggressive hiring of mostly junior faculty over the concerted effort to revitalize the undergraduate curriculum, and an easing distractions for faculty and students in the fields of electrical engineering science that accompanied the Internet bubble of the late 1990s. However, t information technology, broadly defined, is creating opportunities for the focus on emerging application areas that intersect a variety of othe engineering disciplines. The Department faces a number of challenges that must be addressed as it m These include: The maturing of the information technology industry, meanin transitioning from being technology driven to being driven by a technology. Since the Department cannot address all of the potenti

8 PLANO ESTRATÉGICO DO ITA Transformação do ITA em um instituto de renome internacional para a Educação em Engenharia, Criação de um programa de pós-graduação de classe mundial com bases sólidas sobre a pesquisa, Implantação de infra-estrutura de primeira linha para a pesquisa estratégica para o domínio da aeronáutica e aeroespacial, Desenvolvimento de um modelo novo de parceria com a indústria, com projetos de pesquisa estratégicos na vanguarda da engenharia de longo prazo, Estabelecimento de um ecossistema que terá um impacto significativo no Brasil, aumentando a sua capacidade de inovar.

9 COMPETÊNCIAS ESTRATÉGICAS DE PESQUISA Conjunto de competências do ITA, pensando os desafios futuros da área aeronáutica e de defesa, num horizonte de médio prazo Gestão e Estudos do Tráfego Aéreo Ciência e Engenharia Espacial Novos Conceitos Aeronáuticos Integração de Sistemas Aeroeletrônicos Manufatura Digital e Avançada Defesa e Infraestrutura Cibernética Física de Plasmas e Processos Materiais Avançados Guerra Eletrônica Sistemas Autônomos Nanomateriais e Nanotecnologia Engenharia de Sistemas Turbinas a Gás Infraestrutura Aeroportuária Combustão e Combustíveis Aerodinâmica Aeroespacial Estruturas Aeroespaciais Processamento e Processadores de Sinais Bioengenharia Óptica e Fotônica

10 ITA Hoje 2

11 SEIS CURSOS DE GRADUAÇÃO Curso Fundamental (2 anos) Matemática - Física - Química - Ciências Humanas Engenharia Aeronáutica Engenharia Aeroespacial Engenharia Civil Engenharia de Computação Engenharia Eletrônica Engenharia Mecânica Aerodinâmica Estruturas Propulsão mecânica de vôo Navegação e Orientação Propulsão e aerodinâmica Eletrônica para aplicações espaciais Estruturas e edifícios geotécnica Recursos hídricos e saneamento ambiental Transporte aéreo Computação científica Engenharia de software Teoria computacional Eletrônica aplicada Circuitos de micro ondas Controle de sistemas telecomunicaç ões Energia Organização Tecnologia

12 PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Programas de Mestrado e Doutorado: Engenharia Mecânica Aeronáutica Infraestrutura Aeronáutica Engenharia eletrônica e de Computação Física Ciência e tecnologia espacial Mestrado Profissional: Engenharia Aeronáutica Cursos de Especialização: Análise de sistemas, Segurança na aviação, Defesa eletrônica, Sistemas de defesa aeronáutica

13 Alunos brilhantes com muitos prêmios nas competições do ensino médio Evasão muito baixa para padrões nacionais e internacionais Mais de 500 alunos em media com condições para ingressar na escola por ano ESCOLA DE EXCELÊNCIA Medalhas em Olimpiadas T2016 Escolas TCG Municipais 32,0% Estaduais 60,2% Federais 57,6% Privadas 40,8% ITA (*) 95,9% EUA (**) 76,0% TCG de Engenharia: 2010 Fonte: Instituto Lobo, 2012, ACT, 2011 e ITA. Obs: (*) Media de 88%; (**) privadas seletivas.

14 Universidade s Aluno/ Prof. PRINCIPAIS INDICADORES Escola pequena comparável apenas ao Caltech,com baixo investimento Estudantes (Grad + Pos) Graduação Tuition (2012 US$) Custo/aluno 2012 US$ (*) Candidatos/ vaga (2011) Harvard Stanford Yale Princeton MIT CALTECH Berkeley USP UNICAMP ITA (**) ITA Novo (***) (*) Inclusive custo de alojamento e alimentação, estimado em US$ 3 mil por aluno/ano da graduação; (**) Estimados com base no pressuposto da Tuition integral ser 50% do custo total; (***) Com duplicação da graduação e aumento de 50% da pós-graduação.

15 Ampliação do ITA 3

16 ORÇAMENTO DE OBRAS Os recursos para as obras de infraestrutura serão descentralizados pelo MEC, com base num acordo de cooperação entre o MD e o MEC Ampliação Infra-estrutura ITA TOTAL (milhões) Prédio da Divisão de Ciências Fundamentais ,00 Alojamento para alunos de graduação ,00 Salas de aula, laboratórios, salas de professores e alunos ,00 Prédio para a Divisão de Informação e Documentação ,50 Adequação do alojamento para Pós-Graduação ,40 Reformas das Alas das Divisões de Ensino ,61 Aquisição de mobiliário e equipamentos ,00 Vila residencial para o corpo docente permanente e visitante ,00 Prédio CPOR-ERA ,00 Obras complementares ,00 Total ,51 Problema complexo de planejamento, gestão e de gerenciamento Cronograma de 5 anos

17 APOIO INICIAL O ITA está buscando recursos para apoiar o planejamento da expansão e para estruturar a captação de novos projetos de grande porte Apoios TOTAL FINEP (equipes e projetos) 6.900,000,00 ABDI (Centro de Inovação) ,00 CGEE (MIT & Plano Estratégico) ,00 PMSJC (Cecompi) ,00 Embraer ,00 Odebrecht Mectron (H8D) ,00 Governo de SP (em contratação) ,00 Estes recursos são para estruturar equipes de apoio ao plano de expansão e para a definição de projetos correlatos à expansão para o MEC, SENAI e BNDES, bem como para análise de alternativas de modelagem jurídica e institucional do ITA

18 CONTRATAÇÃO DE PESSOAL Foi aprovado em dezembro de 2012 a Lei de criação dos novos cargos Carreira Atual Adicional Total Acréscimo Pessoal Docente Auxiliar/Associado % Titular % Total Docente % Pessoal Técnico/Administrativo NS % NI % Total Técnico/Administrativo % Concurso atual reposição de vagas em 2013/14 novo concurso Próximo passo: Decreto de fixação de quantitativo do quadro docente Necessidade de política especifica para formação de novos docentes

19 COOPERAÇÃO ITA - MIT Intercâmbio de alunos e professores Pesquisa conjunta Renovação do Ensino de Engenharia (CDIO) Programas de Liderança e de Empreendedorismo Centro de Inovação e Pesquisa Colaborativa com empresas

20 Reforma do Ensino de Engenharia 4

21 AGENDA DE ENSINO aquisição de conhecimento técnico criatividade tratamento de problemas complexos trabalho em equipe e liderança novos requisitos profissionais (soft skills) The changing workforce and technology needs of a global knowledge economy are changing engineering practice demanding far broader skills. Importance of technological innovation to economic competitiveness and national security is driving a new priority for application-driven basic engineering research. Engineering for a Changing World Although Engineering Schools aim to prepare students for the profession, they are heavily influenced by academic traditions that do not always support the professions needs Educating Engineers, The Carnegie Foundation, 2008.

22 SOFT & HARD SKILLS

23 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: CURRÍCULO Não ampliar as especializações em Engenharia, mas abrir espaço para competências transversais Aeronautical Engineering Aerospace Engineering Civil Engineering (Infra) Computer Engineering Eletronics Engineering Mechanical Engineering Minor em Engenharia Física Minor em Engenharia de Sistemas Minor em Engenharia de Inovação Introdução de Ciências da Vida no Ensino Fundamental

24 Minors Foco na formação de profissionais de engenharia voltados para os desafios do setor defesa-aero-espaço (sistemas), pesquisa (eng. física) e novos negócios (inovação). Engenharia Física-Química: Foco na formação de profissionais de engenharia com sólido conhecimento científico e voltados para a pesquisa e o desenvolvimento de novos conhecimentos e tecnologias. Engenharia de Sistemas Foco na formação de profissionais com atuação na concepção e desenvolvimento de sistemas complexos (atendimento dos requisitos do ponto de vista do consumidor) Engenharia de Inovação Foco na formação de profissionais empreendedores voltados para criação de novos negócios e para inovações orientadas pelo mercado

25 NOVA PÓS GRADUAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Nova Pós-Graduação similar à graduação do ITA (bolsa integral e seleção nacional) Pós-graduação acadêmica de nível internacional Pós graduação com áreas de concentração em engenharia de sistemas, engenharia física e engenharia de inovação Corpo docente internacional e nacional Criação de Cátedras Privadas combinadas com bolsas para Visitantes Ofertar Condições Diferenciadas para Alunos da Pós-graduação (alojamento de alta qualidade, alimentação, vida no campus, etc.) Processo seletivo nacional Integração com infraestrutura de pesquisa de classe mundial

26 Agenda Institucional 5

27 AGENDA DE TRABALHO DECISIVA Melhorar a institucionalidade do ITA Modelo de fundação ou autarquia (vs. administração direta) Procuradoria jurídica específica Facilitar cooperação com o setor privado (prestação de serviços) Maior flexibilidade administrativa: segurança jurídica para operação das Fundações de Apoio Fundos de apoio (Fundo de endowment) Estruturas de apoio para a interlocução com o setor privado e com outros parceiros a exemplo do MIT

28 NOVOS PROJETOS Parceria com MEC: Conceituar, elaborar e detalhar planos de trabalhos para cooperação entre ITA e 5 IFES Conceituar, elaborar e detalhar um Polo de Inovação com a SETEC-IFSP Parceria com SENAI: Conceituar, elaborar e detalhar um plano de trabalho para cooperação entre ITA e o SENAI/SP Conceituar, elaborar e detalhar um plano de trabalho para cooperação entre ITA e o SENAI/DN Parceria com BNDES Centro de Inovação Conceituar, elaborar e detalhar uma proposta do ITA para o FUNTEC-BNDES

29 Agenda da Inovação 6

30 IR ALÉM DA DESCOBERTA CIENTÍFICA E RESPONDER OS GRANDES DESAFIOS DA ENGENHARIA Funtec

31 OBJETIVO Equipar o ITA com arcabouço institucional capaz de ampliar os impactos gerados pelos seus alunos, professores e pesquisadores no desenvolvimento econômico e social do País. Atuar na geração de novas empresas e na promoção da competitividade do conjunto das cadeias produtivas do complexo aeronáutico, defesa e espaço.

32 ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO P&D Inovação Educação Relação com Industria Atuar como parceiro e provedor de soluções para as demandas por inovação nas indústrias de alta tecnologia do complexo Defesa- Aero-Espaço (DAE) Facilitar o acesso e estimular o engajamento dos recursos humanos formados pelo ITA na indústria Geração de Impacto no desenvolvimento econômico e social Transformar idéias em negócios que criem impacto na geração de emprego e renda em benefício do desenvolvimento econômico e social sustentável.

33 PROGRAMA DE INOVAÇÃO C2I será um hub de laboratórios e iniciativas capazes de gerar os impactos econômicos e sociais a partir das ações do ITA O C2I terá dois ambientes: DCTA/ITA PQ. TEC. SJC

34 CARACTERÍSTICAS DO C2I Dinamizar a Interação entre a Universidade e a Empresa Agregar Valor Transformando Pesquisa em Produto ou Processo Maximizar o impacto na Industria (PPP e co-soluções) Complementar o Ensino de Engenharia e Geração de Talentos Estimular o Empreendedorismo e a Geração de Ideias Propiciar Ambiente Aberto, Informal e Incentivador da Criatividade Ser Atrativo ao Capital de Risco

35 AMBIENTE - ITA O C2I atuará em Áreas Reconhecidamente Relevantes para a Industria Aeroespacial e de Defesa ou em grandes desafios de engenharia Renovação do Ensino de Engenharia Portfolio de Desafios da Indústria (engajamento dos alunos na indústria) Foco em Empreendedorismo, Liderança e Geração de Novas Ideias

36 AMBIENTE - PTSJC Centro Empresarial Comercialização de Tecnologia Apoio à Cadeia Produtiva do setor DAE Parcerias com Empresas (serviços e P&D) Gerenciamento dos Laboratórios e PPPs

37 RECURSOS EXISTENTES Competências Acadêmicas e Estrutura Física em Expansão Graduação e Pós Graduação de Excelência Parceria SENAI DN/SP: Centro de Inovação da Indústria Parceria MIT: Potencialização do Ensino de Engenharia Parceria AMRC: Fábrica do Futuro Parceria MEC: 5 IFES Inovação, Capacitação e Intercâmbio Projetos com EMBRAER, PETROBRAS, FIAT, BRASKEN entre outros

38 RECURSOS EXISTENTES Ambiente: Empreendedorismo e Negócios Inovadores Ensino de Engenharia e Tecnologia - FATEC Área para Implantação C2I ITA Doação Prefeitura SJC SENAI: Instituto de Inovação em Defesa Em Implantação BOEING: Centro de Inovação - Em Instalação Laboratório de Estruturas leves (LEL): Em atividade CECOMPI: Incubadoras e APL Aeronáutico

39 FUTURAS ÁREAS DE COMPETÊNCIA DO C2I Parque Tech-SJC DCTA-ITA

40 CENTRO DE MANUFATURA AVANÇADA Demanda industrial PR0JETO AME Alignment Holes Adjustment by hand Tooling Reference Plan Z=0,0 Agregação de valor; Eliminação de desperdícios; Eliminação de ferramentais; Diminuição de tempo de ciclo; Aumento da qualidade.

41 CENTRO DE MANUFATURA AVANÇADA Exemplo de produto resultante do projeto AME: Robô de Nivelamento e Alinhamento de fuselagens Versão industrial: demanda EMBRAER para a cadeia de fornecimento Versão conceitual Versão prova-de-conceito: full scale demonstrator

42 CENTRO DE MANUFATURA AVANÇADA Exemplo de produto resultante do projeto AME: Efetuador robótico de furação e inserção de prendedores Versão industrial: demanda EMBRAER para a cadeia de fornecimento Versão conceitual Versão prova-de-conceito: full scale demonstrator

43 CENTRO DE MANUFATURA AVANÇADA Projeto AME Produção Processo de nivelamento e alinhamento de fuselagens Processo one-up assembly de seções de fuselagens Fase de serialização MSJ

44 CENTRO DE MANUFATURA AVANÇADA Demanda industrial PR0JETO AME_ASA Agregação de valor; Eliminação de desperdícios (calços); Eliminação de ferramentais; Diminuição de tempo de ciclo; Aumento da qualidade. Estabelecer processo otimizado de montagem de estruturas de semi-asas de forma orientada para a montagem em estágio único (one-up-assembly)

45 CENTRO DE MANUFATURA AVANÇADA Demanda industrial PR0JETO AGE Agregação de valor; Eliminação de desperdícios Eliminação de ferramentais; Diminuição de tempo de ciclo; Aumento da qualidade. Montagem manual com uso de andaimes e longo tempo de preparação. Desenvolver equipamentos e processos para construção e montagem automatizada de equipamentos estáticos de grande porte, tais como tanques e esferas de armazenamento, dutos de transporte e torres de processamento.

46 CENTRO DE MANUFATURA AVANÇADA Demanda industrial PR0JETO AGE Full scale demonstrator Versão conceitual Versão prova-de-conceito: em desenvolvimento Versão industrial: demanda PETROBRAS para a cadeia de fornecimento

47 CENTRO DE DESIGN E MANUFATURA Aprimora os Serviços de Prototipagem e Design de Produtos em Desenvolvimento

48 CENTRO DE DESIGN E MANUFATURA SINTERIZAÇÃO SELETIVA A LASER Potencial Indústria Aeronáutica

49 CENTRO DE REALIDADE VIRTUAL Estimula Criação e Visualização de Produtos em Desenvolvimento

50 CENTRO DE REALIDADE VIRTUAL Realidade Aumentada Objeto virtual (robô) é inserido na planta real Instruções de montagem e operação são projetadas para o operador: descriticalização da manufatura

51 FÁBRICA DO FUTURO Prova de conceito de um ambiente totalmente reconfigurável, utilizando sistemas de manufatura, metrologia, instrumentação e controle, sensores, robótica, sistemas inteligentes e interfaces homens-máquinas POSSIBILIDADE DE PARCERIAS:

52 AMBIENTES DIGITAIS, FLEXÍVEIS E EFICIENTES A Fábrica do Futuro será capaz de produzir exatamente o volume e o tipo de produtos desejáveis, demandados pelo mercado. Será capaz de acomodar mudanças rápidas de projeto, em função das necessidades dos clientes. A necessidade de flexibilidade será o paradigma desta forma de produção. Esta automação total cria uma série de desafios. O termo reconfiguração é usado para descrever um conjunto amplo de iniciativas, incluindo: sistemas de manufatura adaptativos, controle adaptativo, troca de conhecimento dinâmico, redes de sensores integrados, interfaces homemmáquina inovadoras, modelagem de processos, realidade virtual, robôs e sistemas de máquinas plug and play.

53 EMPREENDEDORISMO INOVADOR ITA FCMF/Incubaero Empresa

54 PARCERIAS INSTITUCIONAIS

55 PARCERIAS GOVERNAMENTAIS

56 PARCERIAS EMPRESARIAIS

57 OPERACIONALIZAÇÃO MODELO DE GERENCIAMENTO: ASSOCIAÇÃO PRIVADA SEM FINS LUCRATIVOS RECURSOS HUMANOS Funcionários com notória capacidade e com ampla experiência em desenvolvimento tecnológico, empreendedorismo e desenvolvimento de negócios nas áreas de: Pesquisa Administração Consultoria Em condição Ad hoc haverá a participação: Pesquisadores e alunos do ITA, DCTA Pesquisadores Visitantes (Indústria, Institutos Federais, outras Universidades)

58 FINANCIAMENTO Construção e Financiamento inicial: BNDES/FUNTEC Financiamento Contínuo e Alavancagem de Pesquisas: 1/3 Governos Polos de Inovação 1/3 - Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial - EMBRAPII 1/3 Capital Privado: Participação em Empresas Venda de Pesquisa Industrial Prestação de Serviços Aluguel de Áreas/Laboratórios, etc.

59 IMPACTO ESPERADO Inovação em processos, serviços e produtos Geração de novas tecnologias e patentes industriais Aumento de produtividade e competitividade industrial Promoção de um ambiente atrativo para pesquisadores, empresários e capital de risco, Interface ágil e eficiente com empresas na busca de soluções para os desafios tecnológicos Influência na formação de startups e apoio ao processo de revitalização da economia Brasileira, notadamente do setor DAE Maior envolvimento da comunidade acadêmica do ITA na agenda de inovação e empreendedorismo

60 IMPLANTAÇÃO Área Total Construída: 9.000m 2 DCTA / ITA 4 pavimentos com área de aprox m 2 Distribuição: Subsolo/ Térreo/2 Pavimentos MODELO CONCEITO Rolex Learning Center Lausanne Suíça

61 IMPLANTAÇÃO Área Total Construída: 6.000m 2 PQ. TEC. SJC 4 pavimentos com área de m 2 Distribuição: Térreo/3 Pavimentos MODELO CONCEITO Advanced Manufacturing Research Centre - Reino Unido

62 Obrigado

Abrangência do Programa de Expansão do ITA

Abrangência do Programa de Expansão do ITA Abrangência do Programa de Expansão do ITA Programa de Expansão do ITA EDUCAÇÃO (Ensino e Pesquisa) INOVAÇÃO (P,D & I) Projetos Cooperações ITA Projeto Cooperações Infraestrutura 5 IFES Centro de Inovação

Leia mais

Os Desafios do Ensino de Engenharia. Carlos Américo Pacheco FEI, São Bernardo do Campo

Os Desafios do Ensino de Engenharia. Carlos Américo Pacheco FEI, São Bernardo do Campo Os Desafios do Ensino de Engenharia Carlos Américo Pacheco FEI, São Bernardo do Campo Crescimento vai exigir produtividade Emerging countries A inovação será o principal determinante da produtividade e

Leia mais

História da tecnologia em São José dos Campos. Cbers. 1ª Exportação. Sistema Astros. Programa Bandeirante. Embraer 170/190

História da tecnologia em São José dos Campos. Cbers. 1ª Exportação. Sistema Astros. Programa Bandeirante. Embraer 170/190 São José dos Campos São Paulo Brasil, Junho de 2015 História da tecnologia em São José dos Campos 1947 1950 1961 1965 1969 1971 1975 1ª Exportação 1999 Cbers Sistema Astros Programa Bandeirante Embraer

Leia mais

VISÃO PARA O ITA. Celso Massaki Hirata

VISÃO PARA O ITA. Celso Massaki Hirata VISÃO PARA O ITA Celso Massaki Hirata OBJETIVO Apresentar uma ideia poderosa e atraente, valores e estado futuro para o ITA Representa a visão das partes interessadas para o ITA, descreve características

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa

CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa CENTRO PARA A COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO APL Aeroespacial e Defesa 1 SUMÁRIO CECOMPI HISTÓRICO APL AERO COMPETÊNCIAS TECNOLOGIAS DE GESTÃO 2 CECOMPI Transformando conhecimento em negócio Organização Sem

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica

Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica BNDES - Departamento de Indústria Eletrônica Lilian Ribeiro Mendes - lilian@bndes.gov.br II Workshop sobre os Efeitos das Radiações Ionizantes em Componentes Eletrônicos

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação

Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação Prof. Max Hering de Queiroz Coordenador de Curso Agenda 1.

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Doutorado Industrial na Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 13

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Apoio Institucional Apoio Financeiro Nossos Desafios 2011 Cadeia Produtiva Complexa Setores Industriais Construção e Engenharia Aero-espacial

Leia mais

EDITAL nº. 48/2014 CAPES/ITA

EDITAL nº. 48/2014 CAPES/ITA EDITAL nº. 48/2014 CAPES/ITA Programa Professor Visitante Sênior A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) tornam público que

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS

USO DE TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS USO DE TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS PARA A FORMAÇÃO UNIDADE DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA -UNIEP Crescimento de Matrículas Educação Profissional Crescimento de Matrículas - PRONATEC Evolução de

Leia mais

Edital Permanente Incubaero

Edital Permanente Incubaero Edital Permanente Incubaero A Incubaero torna pública a abertura permanente de inscrições para candidatos ao ingresso, como incubados, em seu quadro de empresas e ou de pré-projetos de base tecnológica.

Leia mais

Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros Congresso SAE BRASIL 2013: Congresso e Exposição Internacionais de Tecnologia da Mobilidade SAE BRASIL, 7 a 9 de outubro, Expo Center Norte, São Paulo, SP Painel Aeroespacial. Tema-título: Soluções Inovadoras

Leia mais

Bem-vindos à Quarta Revolução Industrial

Bem-vindos à Quarta Revolução Industrial Titel der Präsentation Bem-vindos à Quarta Revolução Industrial 1 Em outras palavras, chegamos à Indústria 4.0 Mecanização Controle Mecânico (Cames) Energia Hidráulica e Vapor Eletrificação Linha de Montagem

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Incubadora de C,T&I de Limeira Edital Permanente

Incubadora de C,T&I de Limeira Edital Permanente A Incubadora de Ciência, Tecnologia & Inovação de Limeira torna pública a abertura do Edital Permanente para as inscrições de candidatos, como empresas ou pré-projetos de base tecnológica, à incubação.

Leia mais

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 Ministério da Educação POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 ATIVIDADE ECONÔMICA (organizações empresariais e comunitárias) IMPACTOS: PD&I Aumento da competitividade industrial

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto:

Leia mais

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA

Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Centro de Competência em Manufatura CCM Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias 12228-900

Leia mais

Ciência sem Fronteiras Acordo CNPq CISB Saab. Bruno Rondani CEO

Ciência sem Fronteiras Acordo CNPq CISB Saab. Bruno Rondani CEO Ciência sem Fronteiras Acordo CNPq CISB Saab Bruno Rondani CEO Sobre o CISB Sobre o CISB Programas e projetos: Microgrid (Energia Desenvolvimento Urbano) Polynol (Energia) Sede em São Bernardo do Campo,

Leia mais

As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta.

As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta. As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta. This information is EMBRAER property and cannot be used

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO. São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G

DESENVOLVIMENTO. São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G DESENVOLVIMENTO São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G CONVÊNIO PETROBRAS - SEBRAE OBJETIVO GERAL Promover a inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas

Leia mais

O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas

O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas industrial, comercial e agropecuária por meio da aplicação

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SOBRE O CURSO Com a revolução tecnológica, não é só o mundo que muda, mas a área de tecnologia também. O Engenheiro de Computação é um profissional fundamental para que essa evolução

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Novo Modelo de apoio à Inovação Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Objetivos do Sistema EMBRAPII Contribuir para: Aumento do investimento privado

Leia mais

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Porto, 17-19 de outubro de 2014 Sebastião Feyo de Azevedo, professor de engenharia química, Reitor da

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

EMBRAPII, contribuindo para o desenvolvimento tecnológico industrial

EMBRAPII, contribuindo para o desenvolvimento tecnológico industrial EMBRAPII, contribuindo para o desenvolvimento tecnológico industrial ABINEETEC Março de 2015 O Sistema EMBRAPII: Operação Resultados para Inovação EMBRAPII Empresas financiam no mínimo 1/3 dos custos da

Leia mais

Objetivos. Missão. Simplicidade. Transparência. Segurança no Negócio. Qualidade. Produtividade. Respeito pelo Ser Humano.

Objetivos. Missão. Simplicidade. Transparência. Segurança no Negócio. Qualidade. Produtividade. Respeito pelo Ser Humano. Intelbras S.A. Objetivos Missão Ser uma empresa competitiva internacionalmente, atuando no mercado de telecomunicações, mantendo padrões de qualidade e rentabilidade que satisfaçam clientes, colaboradores

Leia mais

Indicadores de Evolução das Pequenas Empresas Pós Capacitação para Fornecimento à CPP&G.

Indicadores de Evolução das Pequenas Empresas Pós Capacitação para Fornecimento à CPP&G. Indicadores de Evolução das Pequenas Empresas Pós Capacitação para Fornecimento à CPP&G. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 07/08/2014 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br Instituições

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

COORDENADORES CARTILHA

COORDENADORES CARTILHA 2016 COORDENADORES CARTILHA 1.1 Coordenador de Negócios Liderar a equipe de negócios da FEJESC, prezar pela excelência na prestação do serviço aos parceiros e buscar novas oportunidades de patrocínio e

Leia mais

GESTÃO CORPORATIVA - DGE

GESTÃO CORPORATIVA - DGE GESTÃO CORPORATIVA Heleni de Mello Fonseca Diretoria de Gestão Empresarial - DGE Apresentador: Lauro Sérgio Vasconcelos David Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 AGENDA Direcionamento Estratégico Iniciativas

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

Educação e Ensino no ITA 2003. Mestrado Profissional PG/EAM

Educação e Ensino no ITA 2003. Mestrado Profissional PG/EAM Educação e Ensino no ITA 2003 Mestrado Profissional PG/EAM Parâmetros para o Mestrado Profissional Programas Profissionais Reconhecidos CAPES Avaliação dos Cursos Profissionalizantes Mestrado Profissional

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013 O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades Piracicaba, 21 de março de 2013 A ABIMAQ Uma das principais associações industriais do

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ.

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ. EDITAL DE CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS Nº 01/2010. PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA UFSJ DE SÃO JOÃO DEL REI (INDETEC) O presente edital regulamenta o processo de recrutamento,

Leia mais

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Profª. Maria do Carmo Oliveira Ribeiro, MSc. Coord. Núcleo de Inovação Tecnológica NIT SENAI-BA

Leia mais

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 Há oportunidades para participação de empresas

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral PAULO MOL Diretor de Inovação Brasília, 10 de junho de 2013 Brasil precisa ser mais competitivo e a inovação é um dos caminhos 6ª Economia Mundial

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM TECNOLOGIA AMBIENTAL UMA PROPOSTA DA UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO UNAERP

MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM TECNOLOGIA AMBIENTAL UMA PROPOSTA DA UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO UNAERP MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM TECNOLOGIA AMBIENTAL UMA PROPOSTA DA UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO UNAERP Carmen S G Lopes clopes@unaerp.br Universidade de Ribeirão Preto - Curso de Engenharia Química

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Programa Educacional Anprotec. O caminho para a excelência dos ambientes de inovação brasileiros

Programa Educacional Anprotec. O caminho para a excelência dos ambientes de inovação brasileiros Programa Educacional Anprotec O caminho para a excelência dos ambientes de inovação brasileiros Objetivo Definir requisitos e conhecimentos fundamentais para a geração e o desenvolvimento de empreendimentos

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Núcleo de Inovação Tecnológica REPITTec INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Pedido Nº 5272/2005 1. INSTITUIÇÃO PROPONENTE DE VINCULO DO COORDENADOR DA PROPOSTA Instituição: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA

Leia mais

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM O DMS (Digital Manufatcturing and Simulation) é um grupo de pesquisas com foco em PLM (Product Lifecycle Management), Manufatura Digital e Simulação para sistemas de manufatura e produção. Faz parte do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS E EMPREGABILIDADE

DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS E EMPREGABILIDADE DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS E EMPREGABILIDADE Por que é importante? A escassez de profissionais qualificados na América Latina é uma barreira para o desenvolvimento da região. De acordo com a Organização

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

Associação P&D Brasil

Associação P&D Brasil Transformando conhecimento em riqueza, como fazer mais e mais rápido? Associação P&D Brasil Engº Luiz Francisco Gerbase Presidente AP&D Brasil Um país só tem sucesso se contar com uma infraestrutura física,

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Mário Rafael Bendlin Calzavara RESUMO A Incubadora Senai Centro Internacional

Leia mais

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA Programa Estratégico de SOFTWARE E SERVIÇOS de TI 1. PANORAMA DO MERCADO 2. COMPARATIVOS INTERNACIONAIS 3. VISÃO DA POLÍTICA 4. PRINCIPAIS MEDIDAS E PROGRAMAS MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

Desmistificando uma instituição de excelência

Desmistificando uma instituição de excelência Desmistificando uma instituição de excelência 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Brasil: cenário auspicioso... 160,0 150,0 140,0 130,0 120,0

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteira

Programa Ciência sem Fronteira Programa Ciência sem Fronteira Graduação Sanduíche Pró-reitoria de Pesquisa Coesão interna para inserção externa Bolsas no país e exterior: número de bolsas-ano concedidas pelas agências federais, 2003-2009

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais